Café brasileiro no radar da Nestlé por causa da contaminação por glifosato

green-coffee-colheita

Café conilon produzido no Brasil sob embargo por causa do excesso de glifosato

A Bloomberg informou que a Nestlé está aumentando aumentando as verificações do café que compra, depois que testes recentes mostraram que os grãos de alguns países tinham níveis do herbicida glifosato  que estão próximos de um limite regulatório.

A maior torrefadora de café do mundo informou os fornecedores da Indonésia e  do Brasil sobre novos procedimentos, que entram em vigor a partir de 1º de outubro, de acordo com memorandos vistos pela Bloomberg. A Nestlé diz que as novas medidas “devem ser temporárias” até os países produtores corrigirem o uso do glifosato em seus plantios.

É importante notar que a decisão da Nestlé ocorre em um momento em que muitos países baniram ou procuram proibir o uso de glifosato, usado na formulação do herbicida Roundup.

Segundo a Bloomberg, a Nestlé disse que monitora ativamente a presença de resíduos de agrotóxicos no café verde que compra”.  A Nestlé teria informado que “esse programa de monitoramento mostrou que em alguns lotes de café verde os níveis de resíduos químicos estão próximos dos limites definidos pelas regulamentações. Estamos reforçando nossos controles, trabalhando com fornecedores para garantir que nosso café verde continue atendendo às regulamentações em todo o mundo.

Essas medidas têm o potencial de complicar os fluxos globais do comércio cafeeiro, visto que esta determinação da Nestlé se aplica principalmente nos  grãos enviados para fábricas na Europa, Austrália e Malásia, onde os limites legais para o glifosato são mais rígidos do que a maioria dos outros países.

O memorando da Nestlé enviado para os fornecedores brasileiros foi direcionado principalmente a fornecedores de conilon, como são conhecidos os grãos robusta mais amargos do país.

Os grãos brasileiros já enfrentavam restrições de compradores que precisam atender aos limites de glifosato da Europa, informou à Bloomberg, o gerente geral da Cooabriel, a maior cooperativa de café robusta do Brasil, Edmilson Calegari. “

A Nestlé disse ainda que está trabalhando com produtores para reduzir a necessidade de glifosato, e que está tentando melhorar as práticas de manejo dos cultivos, incluindo o uso apropriado de herbicidas e a adoção de outros métodos de remoção de ervas daninhas.

Enquanto isso, o governo Bolsonaro continua sua política de aprovações “the flash” de agrotóxicos ainda mais perigosos do que o glifosato.  Assim, que ninguém se surpreenda se um amplo boicote for implementado contra as principais commodities agrícolas brasileiras.  Aliás, em minha opinião, este boicote é uma mera questão de tempo. Agora foi o café, depois virão a soja e o milho. 

2 pensamentos sobre “Café brasileiro no radar da Nestlé por causa da contaminação por glifosato

  1. […] via Café brasileiro no radar da Nestlé por causa da contaminação por glifosato — Blog do Pedlowski […]

  2. […] especializada na criação de salmão em cativeiro na Noruega, e o a suspensão temporária pela Nestlé da compra de café brasileiro por causa do excesso de […]

Deixe uma resposta para Café brasileiro no radar da Nestlé por causa da contaminação por glifosato | Questão Coluna social Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s