Donald Trump, o presidente da desordem

Com a retirada das tropas federais, a demonstração de força do presidente dos EUA na tentativa de conter os protestos em Portland chegou ao fim. E são semelhantes a uma admissão de fraqueza

DONALD-TRUMP-LE-PRÉSIDENT-DU-DÉSORDRE

Editorial do jornal Le Monde

A temporada de campanha está madura para queixas. Às vésperas das eleições de meio de mandato dos EUA em novembro de 2018, Donald Trump já considerava imperativo mobilizar mais de 5.000 soldados na fronteira com o México. Os Estados Unidos, ele garantiu, estavam sob a ameaça de ”  caravanas” de migrantes. O tom alarmista adotado pelo presidente não impediu a derrota do campo republicano na Câmara dos Deputados, e Donald Trump não havia mais mencionado esse perigo apresentado como iminente.

Dois anos depois, o presidente tentou usar a agitação que acompanha os protestos contra a violência policial em Portland, Oregon, para mostrar mais uma vez uma postura marcial. Sob a autoridade de seu Ministro da Justiça e do Secretário de Segurança Interna, um posto criado após os ataques de 11 de setembro, as forças federais foram despachadas oficialmente para proteger prédios federais.

O resultado foi espetacular. Em vez de restaurar a calma, essas forças de segurança, pouco experientes nas técnicas de manutenção da ordem, despertaram paixões. A tal ponto que sua retirada agora parece ser um gesto essencial de apaziguamento.

Após a morte em Minneapolis (Minnesota), George Floyd, um afro-americano sufocado pelo joelho de um policial branco, saques e vandalismo que acompanharam marchas pacíficas levaram Donald Trump a aparecer em 1º de  junho como o “presidente da lei e da ordem”, adotando o slogan de Richard Nixon, que o levara à Casa Branca em 1968, após os distúrbios causados ​​pelo assassinato de Martin Luther King.

Tentativa de desvio

O Presidente dos Estados Unidos, no entanto, imediatamente alimentou perguntas sobre sua sinceridade ao evacuar, manu militari, os manifestantes não-violentos que se reuniram perto da Casa Branca para posar, uma Bíblia na mão, em frente a uma igreja que sofreu pequenos danos na noite anterior.

A implantação de Portland também apareceu como uma tentativa de desvio bastante grosseira do principal assunto de preocupação para seus concidadãos: a epidemia de Covid-19, que continua a causar estragos nos Estados Unidos, com mais de 150.000 mortes. A equipe de campanha do presidente cessante também multiplicou anúncios políticos que provocam ansiedade, retratando os Estados Unidos no caos que certamente se materializará se o oponente democrata do presidente, ex-vice-presidente Joe Biden , venceu a eleição de novembro.

Essas operações de comunicação não deram em nada. Pesquisas convergentes indicam que, apesar das mensagens promissoras, em maiúsculas, “LEI E ORDEM”, multiplicadas na conta presidencial do Twitter, Joe Biden é considerado por uma clara maioria dos entrevistados como o candidato mais capaz de garantir a segurança dos americanos.

Sem dúvida, as exortações de Donald Trump tornam possível manter mobilizada uma base eleitoral determinada a apoiá-lo, quaisquer que sejam os resultados de uma primavera e depois de um verão de crises, saúde, economia e sociedade, que no momento é muito longe de estar a seu favor. Finalmente, essas demonstrações de força são semelhantes a uma admissão de fraqueza diante de uma situação que é difícil de controlar. Ao aparecer como presidente da bagunça, Donald Trump se aproxima das eleições de 3 de novembro na defensiva.

fecho

Este editorial foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s