A Europa como aceleradora do desmatamento e do fogo que consomem as florestas da Amazônia

Quando as florestas tropicais queimam na Amazônia, isso causa horror na Europa. Mas muitas vezes é a demanda europeia por ração animal barata que leva a ainda mais desmatamento. Uma investigação torna clara a extensão dessa conexão.

Soy Investigation in BrazilA floresta tropical está pegando fogo, mesmo que as grandes empresas de ração que exploram a terra prometam não se envolver no desmatamento. Foto tirada no município de Cláudia (MT).  Foto: Victor Moriyama / Victor Moriyama para Rainforest Foundation Norway

Por Nils Klawitter para a Die Spiegel

Raramente uma proposta política gerou tanta indignação como o “Dia do Vegetariano” planejado pelos Verdes. Há sete anos houve uma passagem correspondente no manifesto eleitoral do partido, e hoje ainda a proposta é considerada por muitos como um sinal de “incapacitação”.

Os danos consequentes à produção de carne , que a proposta deve ajudar a esclarecer, não diminuíram desde então, especialmente no Brasil , onde grande parte da ração de soja rica em proteínas usada para alimentar suínos, bovinos e frangos alemães é cultivada. A Alemanha importou 5,8 milhões de toneladas de produtos de soja em 2017 – uma área maior que a de Hesse é necessária para o cultivo. A maioria dessa importação veio do Brasil.

Soy Investigation in Brazil

No final, só sobrou soja: Grande plantação no Tocantins.  Foto: Victor Moriyama / Victor Moriyama para Rainforest Foundation

Agora uma pesquisa de campo, da Norwegian Rainforest Foundation e da German Environmental Aid,  mostra como a demanda por matérias-primas da Europa para o desmatamento no Brasil se acelerou .

Embora o instituto espacial local INPE tenha anunciado recentemente que no ano passado tanta floresta desapareceu como em 2008, e que mais incêndios na Amazônia e no Cerrado foram registrados em julho de 2020 do que no ano recorde de 2019, os países da UE continuam a comprar soja do Brasil. No primeiro semestre de 2020, as exportações de soja para a UE aumentaram para 7,6 milhões de toneladas, segundo dados da Associação Brasileira de Oleaginosas. Isso foi 75 por cento a mais do que no mesmo período do ano passado. Apenas a China está importando mais.

Embora as importações locais de soja tenham diminuído desde então, os alemães ainda são os maiores compradores europeus do feijão milagroso, que corta animais para crescimento rápido. Sem esse combustível da pecuária industrial, a turbo engorda, em que, por exemplo, os pintos são alimentados para o abate em 33 dias, não seria possível.

Garantias de “Desmatamento Zero”

A investigação das duas ONGs documenta incêndios ilegais e a intimidação de pequenos proprietários nas regiões da Amazônia e do Cerrado, consideradas focos de desmatamento. Os moradores das redondezas foram “deixados completamente sozinhos” com os incêndios, diz Anahita Yousefi, da Rainforest Foundation. “A gente aqui costuma lidar com garimpeiros, com vaqueiros do agronegócio que queimam terras comuns e depois vendem para o agronegócio”. De acordo com o estudo, grandes comerciantes de commodities, como Bunge ou Cargill, também lucram com o desmatamento porque são abastecidos por fazendas questionáveis. Ambas as empresas vêm fazendo garantias de “desmatamento zero” há anos, fingindo não se beneficiar do desmatamento.

A nova onda de grilagem de terras é apoiada pelo presidente brasileiro Jair Bolsonaro , que tem incentivado repetidamente a “exploração” da Amazônia. Os incêndios, disse Bolsonaro, teriam levado as organizações ambientais a se vingar do cancelamento dos fundos. Na primavera, seu governo legalizou milhares de antigas propriedades florestais que os agora legítimos proprietários se apropriaram por meio de grilagem de terras.

A UE também está envolvida no negócio questionável: “20% das exportações de soja do Brasil para a UE estão ligadas ao desmatamento ilegal”, disse Jan Börner, professor de Uso Sustentável da Terra na Universidade de Bonn.  Um estudo realizado por  Börner e colegas do Brasil, Suécia e EUA avaliaram os dados de 815.000 fazendas nas regiões da Amazônia e do Cerrado.

Dois conjuntos de dados foram decisivos para os cientistas: os limites de operação das fazendas do cadastro ambiental e a taxa de desmatamento, que o Instituto INPE registra por meio de imagens de satélite. Uma empresa na região amazônica deve manter 80% da floresta em suas terras, pelo menos 20% no Cerrado. Se houver menos, foi desmatado ilegalmente. Mesmo que a soja da respectiva fazenda seja cultivada em uma subárea legal, ela está “contaminada com ilegalidade”, diz Börner. Usando dados de exportação dos distritos, os cientistas finalmente puderam comparar a quantidade de soja de um distrito que foi para a UE.

O bilhão de dólares trata de recursos do Brasil

A equipe de pesquisa da Fundação Floresta Úmida também visitou as aldeias do distrito de Formosa do Rio Preto, que está na linha de frente do desmatamento no Cerrado e a comunidade da Fazenda Estrondo que ali atua. Juntas, elas cultivam 305 mil hectares, uma área maior que a das cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo juntas. No passado, Estrondo foi repetidamente associada à grilagem de terras, títulos de propriedade questionáveis ​​e desmatamento ilegal.

Em maio de 2019, o Greenpeace, junto com uma equipe de televisão ARD, documentou um ataque armado por seguranças particulares a moradores da área controlada pela Estrondo. As fotos mostrando esse ataque podem ser encontradas em um relatório da WWF publicado em dezembro de 2019. O relatório também documenta que “Silos Cargill e Bunge na propriedade da Agronegócio-Estrondo no Cerrado brasileiro  para exportar a sua soja para Europa e Leste Asiático ”.

Não há medidas eficazes contra corte raso

Uma porta-voz do grupo Estrondo negou qualquer suspeita de desmatamento ilegal. A empresa também “sempre” procurou chegar a um acordo com os “ocupantes das terras”. Os supostos ocupantes, no entanto, geralmente são pequenos agricultores ou comunidades indígenas que vivem ali há muito tempo e cultivam áreas menores, muitas vezes sem título.

Soy Investigation in Brazil

Seguranças particulares da comunidade agrícola do Estrondo.  A Estrondo já foi acusada de grilagem ilegal de terras e desmatamento em grande escala no passado. A organização também é acusada de pressionar as autoridades locais, às vezes com o uso da força.  Foto: Victor Moriyama / Victor Moriyama para Rainforest Foundation

A Cargill não comentou as perguntas, mas disse no ano passado que “não tinha vínculos comerciais” com a administração da comunidade agrícola.

A Bunge, uma das maiores traders de commodities do mundo com US $ 43 bilhões em vendas, confirmou que recebe suprimentos de fazendas “dentro” da comunidade agrícola. Mas cada fazenda opera de forma independente. A soja também é entregue à Europa. Os negócios na região seguem uma “política de não desmatamento” própria e em linha com os critérios socioambientais da empresa. “Sempre que se constata que as empresas estão comprando matéria-prima em áreas que acabaram de ser desmatadas, elas se escondem atrás da promessa de desmatamento zero ou, se não houver outra opção, alegam que não se trata de desmatamento ilegal”, afirma. Ativista Yousefi. “Na verdade, eles falharam em implementar medidas eficazes de desmatamento em sua cadeia de abastecimento.

Imagens de satélite de agosto mostram que o distrito ao redor das fazendas estava novamente em chamas. Os residentes relataram à equipa de investigação da Rainforest Foundation sobre intimidação às forças de segurança de Estrondo e tiros de alerta. Mesmo assim, os negócios parecem estar indo bem: os dados de exportação de soja do distrito mostram uma taxa de crescimento de mais de 100% no primeiro semestre de 2020 em comparação com o mesmo período do ano anterior.

“O que você vê aí é corrupção”, diz Maurício Correia, da Ordem dos Trabalhadores Rurais do Estado da Bahia. Décadas atrás, a empresa roubou títulos de terra sobre os quais posteriormente construiu seu agronegócio. A Estrondo, por outro lado, está legitimamente posicionada “há 40 anos”.

Um juiz que foi em parte responsável pela redução dos baldios de 43 mil hectares para 9 mil hectares, de que beneficiou Estrondo e que Estrondo considera válido até hoje, está preso, diz Correia: “A maior parte dos seus postos de controlo nos baldios que tinham de seguir uma decisão do tribunal, mas eles ainda se comportam como os governantes lá. ” Estrondo não é um caso isolado, afirma o advogado – mas as dimensões da grilagem de terras são bastante grandes: a área da comunidade agrícola é maior do que a do Luxemburgo.  

A região da Bahia, onde a Estrondo atua, pediu agora o congelamento dos títulos de propriedade da empresa. É de alguma utilidade? A empresa aparentemente tem permissão para se expandir ainda mais. Já possui uma licença de corte para outros 25.000 hectares.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pela Die Spiegel [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s