Um debate urgente: o papel dos frigoríficos na persistência da COVID-19 no Brasil

frigorificos

Postei hoje mais uma notícia vinda da China sobre a descoberta de carregamentos de carne bovina vinda do Brasil contaminados pelo Sars-Cov-2, o vetor causador da pandemia da COVID-19.  Ao mesmo tempo, se olharmos para informações acerca do comportamento econômico dos maiores frigoríficos brasileiros vamos ver que, ao contrário da maioria dos setores de economia, eles estão surfando na onda da pandemia. O caso do segundo frigorífico brasileiro, o  Marfrig, é uma confirmação direta disso, na medida em que o grupo acaba de divulgar lucros milionários, com vendas turbinadas para os mercados globais.  Os ganhos do Marfrig em um ano de pandemia mortal são estonteantes, representando um ganho 6 vezes maior para o terceiro trimestre de 2020 em relação ao ano anterior.

Pois bem, uma mente minimamente inquieta poderia se perguntar sobre como andam os níveis de contaminação dos trabalhadores de setor da carne animal em meio a esta pandemia letal. Aí eu indico que os interessados façam uma busca no Google usando as seguintes palavras “pandemia, coronavírus, contaminação e frigoríficos”.   Para quem não estiver interessado em Googlar, mas quer saber o que anda saindo na imprensa empresarial e na alternativa sobre o assunto, eu posso resumir dizendo que o grau de contaminação por coronavírus continua forte nos frigoríficos, que vem optando por não reforçar as medidas de segurança dos seus empregados. Um exemplo de matéria que fala sobre o assunto foi publicada pelo jornal El País com a manchete que diz “Como frigoríficos propagaram o coronavírus em pequenas cidades do país“.  Um aspecto particularmente importante que a jornalista Rute Pina mostra nessa matéria de jornalismo investigativo é o papel que os frigoríficos tiveram no processo de interiorização da pandemia da COVID-19. 

frigo corona

Um dos aspectos chaves do papel ocupado pelos frigoríficos na difusão acelerada do coronavírus é o fato quem em suas plantas normalmente estão empregados habitantes de diferentes municípios localizados nas regiões de entorno das plantas de abate de animais. Ao serem infectados no ambiente de trabalho, os trabalhadores voltam para as suas cidades onde jogam o papel involuntário de propagadores do coronavírus. Isso ocorre porque a maioria dos frigoríficos não faz o nível de testagem que seria necessário e, tampouco, disponibiliza os equipamentos de proteção individual que permitiriam aos trabalhadores realizarem suas tarefas com uma condição mínima de segurança. Em outras palavras, os lucros fabulosos do Grupo Marfrig acontecem às custas da saúde de seus trabalhadores e das áreas onde eles vivem. 

Desta forma, os frigoríficos funcionam como “super spreaders” de coronavírus ao facilitar a contaminação de seus empregados que se tornam dispersores de uma doença mortal. 

Mas para conseguirem fazer o que estão fazendo, os frigoríficos estão contando com ajuda célere do governo Bolsonaro, principalmente por meio da inação dos ministérios da Saúde e da Agricultura. Esses dois ministérios deveriam estar fiscalizando de forma próxima o que está acontecendo dentro das plantas industriais. Mas em vez de garantir a sanidade do ambiente de trabalho, o que se vê é uma forma objetiva de “licença para contaminar”.  Em julho, apesar das informações em contrário, representantes do Ministério da Agricultura rejeitaram a pressão vinda da China por testagem da produção de carne animal sob o pretexto de “não existir embasamento científico para o risco de contaminação  nesse tipo de ambiente.

corona risco

Por outro lado, há que se notar o papel majoritariamente “passa pano” da mídia corporativa que aborda de forma frouxa o papel dos grandes conglomerados de carne animal na persistência da pandemia no Brasil. A cobertura que ainda ocorre é cada vez mais exígua dando a entender que o problema da contaminação dos trabalhadores nas plantas de abate de animais em todos os cantos do território brasileiro. 

Um aspecto que me parece curioso com a detecção continuada do coronavírus nas cargas exportadas nos países receptores é que não se tem notícia que algo similar esteja sendo feito nos estados que importam a carne produzida principalmente na Amazônia e na região sul do Brasil. Aí o consumidor que vai aos grandes estabelecimentos varejistas é até obrigado a usar máscaras quando está comprando, mas sem qualquer garantia de que não está adquirindo produtos que contenham o coronavírus.  O fato é que está mais do que provado que se a testagem for ampliada, o mais provável é que encontremos mais evidências da presença do Sars-Cov-2 no que estamos trazendo para dentro de casa, sem sequer levarmos em conta a possibilidade de que o produto esteja contaminado.

A verdade é que com a chegada da segunda onda da pandemia da COVID-19, vamos ter que ampliar todos os cuidados para não estarmos nos contaminando de forma inadvertida.  Isso quase certamente passará por cobrar mais controle sobre a gravidade com que a pandemia está ocorrendo dentro das plantas de produção de carne animal.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s