As geleiras estão derretendo

geleirasGelo fino em frente às geleiras das ilhas do arquipélago Prince Georg Land no Oceano Ártico. Foto: AFP

Por  Susanne Aigner para o Neues Deutschland

O Ártico está esquentando três vezes mais rápido do que outras regiões. De acordo com cientistas dinamarqueses, neste verão as temperaturas na Groenlândia subiram para mais de 20 graus no início de agosto, mais do que o dobro da média de longo prazo. Dadas as temperaturas excepcionalmente altas, a camada de gelo da Groenlândia derreteu maciçamente em uma área de quase 1,8 milhão de quilômetros quadrados. O gelo começou a diminuir por volta de 1990 e o ritmo de derretimento está acelerando a cada ano. A perda em massa é agora cerca de quatro vezes maior do que antes da virada do milênio.

Em 25 anos, o Ártico poderá ficar completamente sem gelo no verão, teme o pesquisador climático de Hamburgo, Dirk Notz. Na melhor das hipóteses, poucos torrões poderiam sobreviver em algumas baías no norte da Groenlândia e no arquipélago canadense. Eles nem mesmo cobririam uma área de um milhão de quilômetros quadrados. A equipe de Notz, que conduz pesquisas no Instituto Max Planck de Meteorologia e leciona na Universidade de Hamburgo, definiu vários cenários. Os cientistas examinaram todo o espectro – desde fortes esforços de proteção do clima até altas emissões permanentes de gases de efeito estufa. Mesmo no caso de uma proteção climática ambiciosa, sempre haverá anos em que o Pólo Norte permanecerá sem gelo em setembro.

Um grupo de pesquisa germano-britânico descobriu que as mudanças climáticas nem sempre são responsáveis ​​pelo derretimento do gelo. As duas geleiras da Antártica, de derretimento particularmente rápido – Thwaites e Pope – ficam em uma fonte subterrânea de calor. Aqui, uma crosta terrestre quente garante que as camadas mais baixas de gelo derretam e as geleiras fluam rapidamente para o mar como fluxos de gelo. Um estudo correspondente foi publicado em agosto na revista científica “Nature” (DOI: 10.1038 / s43247-021-00242-3).

Em contraste com o gelo relativamente estável da enorme Antártica Oriental, as massas de gelo na Antártica Ocidental menor voltada para o Pacífico estão constantemente em fluxo. A geleira Thwaites e a vizinha Geleira Pope, juntas, perderam quase 5.000 bilhões de toneladas de gelo nos últimos 40 anos. Isso corresponde a mais de um terço da perda total de gelo do continente meridional durante este período. Essa água de degelo sozinha contribuiu com cerca de 5% para o aumento global do nível do mar.

O leste e o oeste da Antártica são muito diferentes um do outro: embora a parte leste seja considerada relativamente velha e estável, o oeste da Antártica é uma área geologicamente jovem e tectonicamente ativa, na qual ocorrem muitos terremotos. Vulcões ativos estão escondidos sob as massas de gelo perto do Mar de Amundsen. Lá, o gelo com quilômetros de espessura fica em uma zona de fenda na qual a crosta terrestre relativamente fina se quebra gradualmente, com os flancos da zona de fenda afastando-se lentamente um do outro. Através dessa crosta terrestre fina e frágil, muito mais calor do interior da Terra atinge a superfície do que em áreas estáveis. Como os cientistas liderados por Ricarda Dziadek do Instituto Alfred Wegener em Bremerhaven determinaram, o fluxo de calor geotérmico nesta área atinge uma média de quase 90 miliwatts por metro quadrado. Isso corresponde aproximadamente aos valores em outras zonas de fenda ao redor do mundo. 

Mas, especialmente sob as geleiras Thwaites e Pope, foi medido um fluxo de calor de 150 miliwatts por metro quadrado. Na água derretida resultante, o gelo sobrejacente pode fluir particularmente rapidamente em direção à costa. Por causa do aquecimento, o efeito de frenagem das línguas de geleira normalmente flutuantes é significativamente reduzido. Todos os fatores combinados levam a um fluxo enormemente acelerado das geleiras Thwaites e Pop para o mar. Por causa do aquecimento, o efeito de frenagem das línguas de geleira normalmente flutuantes é significativamente reduzido. Todos os fatores combinados levam a um fluxo enormemente acelerado das geleiras Thwaites e Pop para o mar. 

As geleiras na Groenlândia e na Antártica estão derretendo mais rápido do que há 15 anos. Infelizmente, a política, que está sempre em busca de soluções de curto prazo, acha muito difícil atingir os objetivos de longo prazo, lamenta o físico Hans Joachim Schellnhuber, do Instituto Potsdam de Pesquisa de Impacto Climático. Ele foi um dos primeiros a definir o modelo dos elementos basculantes, segundo o qual a mudança ocorre de forma abrupta e irreversível acima de uma determinada temperatura. Segundo o cientista, faltam apenas alguns anos para limitar técnica e fisicamente as mudanças climáticas.

compass

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Um comentário sobre “As geleiras estão derretendo

  1. Pingback: As geleiras estão derretendo – Mágica Mistura✨

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s