Rastreando a próxima pandemia na Amazônia

Na floresta amazônica, cientistas estão procurando outros patógenos que podem se espalhar de animais para humanos

mosquitoOs mosquitos da febre amarela (Aedes aegypti) também podem transmitir o vírus Zika. Foto: dpa/AP/Felipe Dana

Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

Desde o final do ano passado, a variante ômicron do Covid-19 vem se espalhando pelo mundo na velocidade da luz. Também no Brasil, onde as infecções voltaram a subir desde a virada do ano. Mas pesquisadores brasileiros alertaram no ano passado para outro vírus que pode ser transmitido de animais para humanos, o vírus Mayaro. Não é uma questão de saber se, mas quando outra epidemia vai eclodir.

Os virologistas consideram a floresta amazônica em particular, com sua riqueza de espécies, como um gigantesco reservatório de patógenos que podem desencadear zoonoses semelhantes à Covid-19. Desmatamento, invasão de estradas e assentamentos, mineração e garimpo ilegal de ouro, invasão agrícola e construção de barragens estão colocando um número cada vez maior de pessoas em contato com esses patógenos potenciais que circulam não apenas em morcegos, mas também em pássaros, macacos e outros animais vertebrados da região. floresta tropical.

O epidemiologista Felipe Gomes Naveca alertou no ano passado que o vírus Mayaro, ainda pouco estudado, é um candidato promissor para a próxima epidemia grave no Brasil e além. O vice-diretor de Pesquisa do Instituto Fiocruz Amazônia em Manaus e sua equipe na Amazônia estão no rastro de potenciais desencadeadores de pandemia.

O vírus Mayaro, que pertence aos alfavírus, circula na natureza principalmente em vertebrados arbóreos, como macacos, e até agora foi transmitido principalmente pelo mosquito hemagogo (Haemagogus janthinomys) encontrado nas florestas tropicais da América Central, Amazônia e Caribe. Outras espécies animais como roedores, marsupiais, pássaros e até jacarés também podem ser portadores do vírus.

Sabe-se desde 1954 que esse alfavírus pode infectar humanos e desencadear o que é conhecido como a febre Mayaro. Os cientistas descobriram o patógeno no sangue de trabalhadores florestais infectados na província de Mayaro, na ilha caribenha de Trinidad, e o nomearam em sua homenagem. Os doentes sofrem de sintomas semelhantes aos da gripe, como febre, erupções cutâneas, vômitos, diarréia, dor de cabeça, dores musculares e articulares, que podem durar várias semanas, em alguns casos até meses. Como o vírus Chikungunya ,  o Mayaro também pode causar doenças reumáticas.

No Brasil, o primeiro surto de febre Mayaro foi relatado em 1955 no estado do Pará (sudeste da Amazônia). Desde então, também foram registradas infecções pelo Mayaro na Guiana Francesa, Bolívia, Peru, Suriname, Argentina, Colômbia, Venezuela, Tobago e Haiti. Na capital amazônica de Manaus, mais de 30 pessoas adoeceram com o vírus Mayaro em 2011. Estudos recentes indicam que esse alfavírus também está se espalhando para regiões fora da Amazônia, pois já foram encontradas pessoas com o  Mayaro no sangue nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Em 2019, um total de 901 infecções em seres humanos causadas pelo Mayaro foram relatadas na América Latina e no Caribe, segundo cientistas da Universidade George Washington e da Organização Pan-Americana da Saúde. As mortes não são conhecidas até o momento. No entanto, como a febre Mayaro é clinicamente indistinguível das doenças da dengue ou chikungunya, os pesquisadores assumem um número desconhecido de casos diagnosticados erroneamente e não relatados.

O vírus Mayaro é considerado particularmente perigoso porque possui uma alta taxa de mutação e notável flexibilidade genética. Isso aumenta a probabilidade de adaptação a novos hospedeiros. Por outro lado, experimentos de laboratório mostraram que outras espécies de mosquitos, em particular o mosquito da febre amarela urbana (Aedes aegypti) e o mosquito tigre asiático (Aedes albopictus) , também podem transmitir o alfavírus da Amazônia. Se isso realmente acontecer, seria um colapso epidêmico. Porque o vírus pode saltar de seu ciclo na floresta tropical para as cidades mesmo fora de sua área de distribuição anterior.

O mosquito da febre amarela, que provavelmente foi introduzido com o tráfico de escravos nos séculos XVI e XVII, hoje é encontrado em todas as cidades do Brasil e já provocou várias epidemias de Dengue, Zika e Chikungunya nas metrópoles do país. O mosquito tigre, originário da Ásia que está circulando no Brasil desde a década de 1980, também pode transmitir esses perigosos patógenos, mas prefere áreas rurais, subúrbios mais arborizados e parques urbanos. Caso o Aedes aegypti e o Aedes albopictus realmente se tornassem portadores do vírus Mayaro, milhões de pessoas estariam ameaçadas, não só no Brasil.

O Aedes aegypti, também conhecido como mosquito tigre egípcio, está agora distribuído mundialmente nos subtrópicos e trópicos e também atingiu o sul da Espanha, Grécia e Turquia. Originalmente restrito ao sul e sudeste da Ásia, o mosquito tigre asiático agora está difundido na África, nos EUA e no sul da Europa.

Até o momento, não há vacina, medicamento ou terapia preventiva para o vírus Mayaro. Evitar picadas de mosquito continua sendo a única prevenção. Em última análise, proteger os biomas brasileiros e frear o desmatamento da floresta amazônica é uma das medidas mais importantes para evitar novas pandemias, afirma a cientista da Fiocruz Alessandra Dales Nava, do Laboratório de Ecologia de Doenças Transmissíveis da Amazônia.

Algumas “boas” notícias, pelo menos para pessoas que já sobreviveram à chikungunya, vêm de um estudo em ratos de laboratório publicado em novembro passado. Os roedores infectados com chikungunya desenvolveram imunidade parcial ao vírus Mayaro. Mas quem quer contrair o chikungunya para ficar imune à febre Mayaro?

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s