Atlas dos Agrotóxicos tem segunda edição: conheça fatos e números sobre produtos químicos tóxicos na agricultura

pesticide_atlas_2022_2nd_edition_cover

Por Joan Lanfranco, Heinrich-Böll-Stiftung*

Enquanto a tensão está aumentando entre os Estados-Membros da União Europeia (UE) sobre as novas metas de redução de agrotóxicos, o Atlas de Agrotóxicos foi publicado em Dezembro de 2022 por Heinrich-Böll-Stiftung , Friends of the Earth Europe e Pesticide Action Network Europe , mostra que a quantidade de  agrotóxicos usados ​​em todo o mundo aumentou 80% desde 1990, causando danos à saúde de agricultores, consumidores e à natureza.

O Atlas é uma visão abrangente de dados sobre produtos químicos tóxicos usados ​​na agricultura, seu impacto na biodiversidade, no clima, na saúde das pessoas e do planeta e em soluções alternativas para sistemas alimentares e agrícolas mais sustentáveis. Ele constata que o mercado global de pesticidas quase dobrou nos últimos 20 anos. Até 2023, espera-se que o valor total do uso de pesticidas chegue a quase 130,7 bilhões de dólares americanos.

Uso de pesticidas em toneladas por continente em 2020 e mudanças desde 1999. Credit Heinrich-Böll-Stiftung Europe.Uso de agrotóxicos em toneladas por continente em 2020 e mudanças desde 1999. Crédito: Heinrich-Böll-Stiftung Europe

Quase um quarto de todos os agrotóxicos são vendidos na UE, tornando-se o maior mercado do mundo. A UE também é a principal região exportadora, vendendo cada vez mais para países do Sul Global, onde agrotóxicos proibidos para uso na UE podem ser exportados. Em 2018, as empresas agroquímicas europeias planejavam exportar 81.000 toneladas de pesticidas proibidos para uso em seus próprios campos.

A demanda vinda da UE, especialmente para alimentar o gado, também contribuiu para um aumento dramático no uso de agrotóxicos em países ricos em biodiversidade como Brasil, Argentina e Paraguai, particularmente desde a introdução em larga escala de soja geneticamente modificada e resistente a  este tipo de veneno agrícola. Isso exemplifica a necessidade de mudanças na dieta e diferentes políticas de biocombustíveis.

A quantidade crescente de agrotóxicos usados ​​globalmente levou a um aumento no envenenamento por este tipo de substância química, especialmente no Sul Global, onde os trabalhadores agrícolas muitas vezes não são suficientemente protegidos. Segundo cálculos conservadores, há cerca de 255 milhões de acidentes por envenenamento na Ásia, pouco mais de 100 milhões na África e cerca de 1,6 milhão na Europa. O mercado multibilionário está dividido entre um número muito pequeno de corporações no Norte Global. As quatro maiores empresas (Grupo Syngenta, Bayer, Corteva e BASF) controlam cerca de 70% do mercado global de pesticidas.

O Atlas mostra que os campos manejados convencionalmente têm uma riqueza de espécies de plantas cinco vezes menor e uma riqueza de espécies de polinizadores cerca de vinte vezes menor em comparação com os campos orgânicos. Os princípios ativos dos agrotóxicos geralmente não ficam no local onde são aplicados. Eles se infiltram no solo e nas águas subterrâneas, ficam no ar ou são levados pelo vento – alguns podem até ser encontrados a mais de 1.000 quilômetros de distância. Contrariando as promessas das corporações, o cultivo de plantas geneticamente modificadas aumentou o uso de agrotóxicos como o glifosato e o crescimento de espécies de ervas daninhas resistentes.

12 Breves lições sobre agrotóxicos na agricultura.  Crédito Heinrich-Böll-Stiftung Europa.

12 Breves lições sobre agrotóxicos na agricultura. Crédito Heinrich-Böll-Stiftung Europa

Nos países da UE, a legislação até agora não conseguiu reduzir o uso de agrotóxicos, apesar das evidências científicas demonstrarem a necessidade urgente de fazê-lo. A Estratégia Farm-to-Fork visa a transição de sistemas agrícolas altamente dependentes de agroquímicos, mas a Política Agrícola Comum da UE deve ser alinhada.

O Atlas defende a agroecologia como um caminho para a transição necessária para sistemas alimentares sustentáveis. Trabalhar em conjunto com a natureza pode resultar em maior biodiversidade, melhor saúde do solo e, no final, mais resiliência a pragas, doenças e mudanças nas condições climáticas. Como primeiro passo, a UE deve garantir que os agricultores implementem métodos de Manejo Integrado de Pragas, com pesticidas sintéticos sendo usados ​​apenas como último recurso.

A UE deve definir a direção para uma Europa livre de agrotóxicos, apoiando os agricultores em sua transição para a agroecologia e rejeitando falsas promessas como novos OGMs e a ênfase exagerada na agricultura de precisão. São necessários melhores indicadores para medir a redução de agrotóxicos. O indicador atual proposto no novo Regulamento de Agrotóxicos da UE é contraproducente e sem melhorar este indicador, todo o regulamento será seriamente prejudicado.

Baixe aqui o Atlas de Agrotóxicos 

*Joan Lanfranco é chefe de comunicações e divulgação no escritório da União Europeia da Heinrich-Böll-Stiftung, a fundação política verde alemã.


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pela Pesticide Action Network UK [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s