Mídia corporativa oculta sucesso das manifestações e mostra que segue o projeto ultraneoliberal de Bolsonaro e Guedes

IMG-20210529-WA0185.jpg

Pelo que pude acompanhar nas redes sociais, o sucesso das manifestações políticas contra o governo Bolsonaro ocorridas no dia de ontem surpreendeu até os seus organizadores. É que, convenhamos, sem um comando unificado e com pedidos de dentro da dita oposição institucional para que as pessoas ficassem em casa,  a presença nas manifestações foi acima daquelas que colocaram pessoas nas ruas para apoiar o presidente Jair Bolsonaro (ver imagem abaixo).

antes depois

Mas se não fosse pelo jornal inglês “The Guardian“, o mundo acharia que tudo foi dentro do normal aqui no Brasil, visto que a imensa maioria dos veículos da mídia corporativa (local, regional e nacional) decidiu ignorar os atos que ocorreram em cerca de 200 cidades brasileiras e no mundo. É como se as cenas de ruas e avenidas lotadas por oposicionistas nunca tivessem ocorrido.

A razão para esta omissão de reportar os fatos é muito simples: os proprietários da mídia corporativa brasileira podem até fingir que são oposição ao governo Bolsonaro, muito em parte por causa de seus supostos arroubos discursivos, mas estão firmemente comprometidos com a agenda ultraneoliberal desenhada por Paulo Guedes e aplicada de forma integral por Jair Bolsonaro.  Na prática, o que os barões da mídia corporativa gostariam de ter um Jair Bolsonaro “de punhos de renda”,  de modo a permitir que Paulo Guedes sua agenda de extermínio do Estado brasileiro na penumbra e sem ser notado. Essa é a verdade inescapável diante da clara omissão de informar aos seus leitores o que ocorreu ontem nas ruas brasileiras e de várias capitais europeias. 

Por isso é que eu digo, com todos os seus defeitos e exageros, a melhor informação que podemos ter não vem mais dos jornalões da mídia corporativa, mas das redes sociais.  É essa capilaridade que, inclusive, deixa a mídia corporativa cada vez menos atraente para quem quer ter informação, explicando também a decadência da maioria dos veículos que vivem cada vez mais a proximidade do fechamento.

The Guardian noticia o #29 de Maio e informa que dezenas de milhares foram às ruas pedir o impeachment de Jair Bolsonaro

manif rj

Manifestantes nas ruas do Rio de Janeiro no sábado. Quase 500.000 brasileiros morreram com coronavírus. Fotografia: Bruna Prado / AP

Por Tom Phillips, no Rio de Janeiro, para o “The Guardian”

Dezenas de milhares de manifestantes foram às ruas das maiores cidades do Brasil para exigir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro por sua resposta catastrófica a uma pandemia de coronavírus que ceifou quase meio milhão de vidas de brasileiros.

Os manifestantes compareceram em mais de 200 cidades e vilas para aquela que é a maior mobilização anti-Bolsonaro desde o início do surto de COVID-19 no Brasil

“Hoje é um marco decisivo na batalha para derrotar a administração genocida de Bolsonaro”, disse Silvia de Mendonça, 55, uma ativista de direitos civis do Movimento Negro Unificado do Brasil, enquanto liderava uma coluna de manifestantes pelo dilapidado centro da cidade do Rio.

Osvaldo Bazani da Silva, um cabeleireiro de 48 anos que perdeu o irmão mais novo para a COVID-19 , disse: “Não podemos perder mais vidas de brasileiros. Precisamos ir às ruas todos os dias até que este governo caia. ” 

Manifestantes chutam um adereço de cabeça representando o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante um protesto no Rio de Janeiro no sábado.

Manifestantes chutam um adereço de cabeça representando o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante um protesto no Rio de Janeiro no sábado. Fotografia: Pilar Olivares / Reuters

No Rio, muitos manifestantes carregavam cartazes caseiros lembrando seus entes queridos que perderam em uma epidemia que matou quase 460.000 brasileiros, o segundo maior número oficial de mortos depois dos Estados Unidos. “Estou aqui em sua memória”, disse Luiz Dantas, 18, segurando uma fotografia do avô, Sebastião, falecido em fevereiro aos 75 anos.

“O culpado tem um primeiro e um segundo nome”, afirmou Dantas, referindo-se ao presidente de extrema direita de seu país, que repetidamente banalizou o coronavírus como uma “pequena gripe” e sabotou esforços de contenção, como distanciamento social ou bloqueio.

“Eu quero justiça”, acrescentou o adolescente, derramando lágrimas enquanto falava.

Irene Grether, uma psicanalista de 69 anos que também estava na manifestação, disse que dois parentes morreram como resultado da inação de seu governo. “Este governo é mais perigoso do que o vírus”, disse ela, enquanto milhares de manifestantes se reuniam perto de uma estátua em memória do líder da resistência antiescravista Zumbi dos Palmares.

Manifestantes protestam contra Jair Bolsonaro em frente ao Monumento Zumbi no Rio de JaneiroManifestantes protestam contra Jair Bolsonaro em frente ao Monumento Zumbi, no Rio de Janeiro, no sábado. Fotografia: Pilar Olivares / Reuters

A sobrinha de Grether, uma economista de 46 anos chamada Ana Paula Carvalho, disse acreditar que Bolsonaro deveria ser levado ao tribunal penal internacional de Haia “por crimes contra o povo brasileiro”. “Ele promove a morte e a destruição”, disse ela. “O Bolsonaro é uma tragédia brasileira.”

Bolsonaro defendeu sua resposta à pandemia, alegando que sua oposição obstinada ao bloqueio visa projetar a subsistência e empregos brasileiros. Mas Carvalho disse que ao permitir a propagação descontrolada do vírus – e ao não adquirir vacinas suficientes – Bolsonaro destruiu a economia, assim como vidas. “Hoje o povo brasileiro pode escolher entre morrer de vírus ou de fome”, disse ela.

As manifestações de sábado – que também ocorreram nas principais cidades, incluindo São Paulo, Belo Horizonte, Recife e a capital Brasília, bem como em dezenas de cidades menores – vêm com Bolsonaro em sua pior fase desde que assumiu o cargo em janeiro de 2019.

As pesquisas sugerem uma raiva crescente com a forma como o populista de direita está lidando com Covid, com 57% da população agora apoiando seu impeachment . Um inquérito do Congresso está atualmente dissecando a calamitosa resposta de Bolsonaro à crise de saúde pública, com revelações prejudiciais sobre a conduta de seu governo sendo transmitidas todas as noites no noticiário.

Bolsonaro parece particularmente abalado com o ressurgimento de seu rival político Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-presidente de esquerda que parece prestes a desafiá-lo à presidência na eleição do próximo ano. Em entrevista recente ao “The Guardian”, Lula , cujos direitos políticos foram recentemente restaurados, disse que não tinha dúvidas de que o povo brasileiro se “libertaria” de Bolsonaro em 2022. “Ele poderia ter evitado metade dessas mortes”, disse Lula sobre a reação de Bolsonaro para a COVID-19.

Roberto Anderson, professor universitário e ambientalista de 67 anos que estava na marcha de sábado, disse que se sentiu encorajado pela grande participação que sugeria que a maré finalmente estava se voltando contra o líder de direita radical do Brasil.

“As pessoas estão acordando. Muitas pessoas que votaram em Bolsonaro estão vacilando … e os políticos que o apóiam ainda são oportunistas – no momento em que virem as pessoas se organizando, também mudarão de lado ”, afirmou Anderson.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].