NOTÍCIAS DA ADUENF: Diretoria da ADUENF lança nota de repúdio à violência policial e à votação ilegítima do aumento previdenciário

Diretoria da ADUENF lança nota de repúdio à violência policial e à votação ilegítima do aumento previdenciário

notaderepudioSEESE

Desde 2013 temos assistido o avanço da truculência dos governos em relação aos protestos populares. Seja em protestos contra o aumento da passagem de ônibus ou durante as greves de professores, a resposta do Estado tem sido uma: o uso da força de forma violenta e marcada pela ilegalidade. O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou o Estado pela conduta violenta de policiais militares nas manifestações de 2013. Além de uma indenização de R$ 8 milhões o governo deveria formular um plano de ação para atuação policial em protestos. Posteriormente em 2015, o governador Beto Richa utilizou do mesmo modus operandi da repressão policial e transformou a Assembleia Legislativa do Paraná em uma praça de guerra com centenas de professores feridos por lutarem contra perda de direitos trabalhistas. 

Até mesmo a Lei de Segurança Nacional e Lei sobre Organizações Criminosas já foram empregadas na prisão de manifestantes no Rio de Janeiro em uma demonstração inequívoca quanto a tentativa de criminalização dos movimentos sociais por parte do Estado. As ações policiais nas manifestações têm se notabilizado pelo arbítrio “Fiz porque quis, pode denunciar”, diria um capitão da Policia Militar de Brasília após uso de gás de pimenta contra manifestantes que não haviam descumprido a lei. As ações policiais têm se pautado pelo uso da força de forma absolutamente cruel diante de uma população desarmada, pela ilegalidade na ausência de identificação e principalmente, por atuar como instrumento repressivo do direito de reunião, liberdade e acesso à cidade. 

Devemos exigir imediatamente do Estado que cumpra o artigo 5º da Constituição que assegura aos brasileiros e estrangeiros o direito à liberdade, à igualdade, à segurança e que “ninguém pode ser submetido à tortura, nem a tratamento desumano ou degradante”. O uso de gás lacrimogêneo, balas de borrachas, balas de grosso calibre e outros instrumentos de ataque à população violam estes direitos. Nas cidades, multiplicam-se os casos de ferimentos pelo uso destas armas. No campo, seguem as chacinas dando ao Brasil o título de um dos países em que mais pessoas morrem em conflitos de terra no mundo.

 No último dia 24, no Rio de Janeiro e em Brasília, atingimos o nível mais grave destas violações. Presenciamos um número elevado de policiais, municiados para uma guerra. Cavalaria em Brasília, Batalhão de Choque nas imediações da Alerj. Servidores do Estado armados para atacar professores, bancários, estudantes, aposentados, bombeiros. Ao convocar por decreto as Forças Armadas para conter uma manifestação justa, ao propor o emprego de uso militar de enfrentamento contra a população desarmada, o atual presidente, alvo de aproximadamente 14 pedidos de impeachment, demonstra que o Estado Democrático de Direito está por um fio. Vivemos em um regime de exceção no qual violações são praticadas sem nenhum tipo de punição.

 A votação do aumento previdenciário sobre os servidores do Rio de Janeiro, foi feita às portas fechadas, mesmo com liminar que garantia o acesso da população às galerias da Alerj. Que legitimidade podem exibir representantes legislativos que se escondem da sociedade para intensificar a retirada de seus direitos e envia homens de preto para conter-lhes?

 É preciso intensificar o trabalho de base nos sindicatos, esclarecer a população sobre este ataque aos seus direitos mais fundamentais, retirar da apatia aqueles que ainda não se alinharam conosco nas frentes de resistência.

  Não aceitaremos passivamente que nos roubem o futuro e a dignidade!
Campos dos Goytacazes, 26 de Maio de 2017.
DIRETORIA DA ADUENF
Gestão Resistência & Luta

NOTÍCIAS DA ADUENF: ADUENF lança campanha pela auditoria independente da dívida pública e no RioPrevidência

auditoria

Além de aprovar a paralisação de 24 horas nesta 4a. feira (24/05) com o objetivo de pressionar os deputados estaduais para que não aprovem a escandalosa majoração da contribuição previdenciária, os professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) também decidiram pelo início de uma campanha para demandar a realização de uma auditoria independente na dívida pública do estado do Rio de Janeiro e no RioPrevidência.

Essa campanha resulta da compreensão que uma combinação de empréstimos duvidosos, malversação dos recursos do RioPrevidência (vide o caso da Operação Delaware) e atos de corrupção é que causaram catástrofe financeira por que passa o estado do Rio de Janeiro neste momento.

Assim, auditar a dívida pública e o RioPrevidência devem ser prioridades não apenas dos servidores estaduais, mas da sociedade civil organizada e de toda a população fluminense. É que sem essa auditoria não haverá pacote de maldades que tire o Rio de Janeiro da crise em que se encontra.

Apoie a realização da auditoria independente na dívida pública e no RioPrevidência. Sem isso não haverá um futuro melhor para o povo do Rio de Janeiro.

Campos dos Goytacazes, 24 de Maio de 2017.

DIRETORIA DA ADUENF

Gestão Resistência & Luta

Professores vão paralisar por 24 horas contra arrocho do (des) governo Pezão

Assembleia docente decide paralisar UENF por 24 horas contra arrocho imposto pelo governo Pezão

noticia urgente

A diretoria vem informar ao todos os associados que após examinar a grave conjuntura criada pelo governo Pezão, os professores presentes na assembleia da ADUENF decidiram por uma paralisação de 24 horas de todas as atividades docentes nesta 4a. feira (24/05), e  a participação no ato público que diversas categorias de servidores públicos estaduais irão realizar a partir das 15:00 horas na Rodoviária Jorge Roberto da Silveira no centro de Campos dos Goytacazes.

A diretoria informa ainda que haverá uma representação da ADUENF presente no ato público que ocorrerá na frente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro para pressionar contra a elevação da contribuição previdenciária dos servidores estaduais.

A diretoria da ADUENF convida a que todos (as) se engajem nas decisões da nossa assembleia de modo a fortalecer o processo de resistência contra o projeto de destruição do serviço público que está sendo implementado pelo governo Pezão.

DIRETORIA DA ADUENF

Gestão Resistência & Luta

Notícias da Aduenf publica nota sobre reunião do governo Pezão com dirigentes de universidades estaduais

Nota da Aduenf sobre a reunião do governo Pezão com universidades estaduais, Cecierj, Faetec e Faperj

Ao atrelar o pagamento de salários dos servidores estaduais a aprovação do Plano de Recuperação Fiscal, em tramitação no Congresso Nacional, o ainda governador em exercício, Luiz Fernando Pezão explicita quais são suas verdadeiras intenções. Seguir a risca o projeto de “austeridade” defendido com veemência por Henrique Meirelles. O mantra do déficit fiscal é entoado como única solução para regularização das contas do estado do Rio de Janeiro. Mas a contrapartida, trocada em miúdos, será paga por cada servidor ativo ou aposentado. Além de arrochar ainda mais os salários com aumento da contribuição previdenciária, seremos condenados a estagnação salarial e a não realização de concursos públicos. Lembremos que o Estado deve aos servidores o décimo terceiro, os meses de março e abril. Com juros.

Ao reunir-se com representantes das Universidades Estaduais, UERJ, UENF e UEZO, CECIERJ, FAETEC e FAPERJ, o governador, acompanhado do (até este momento) secretário de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Social, Pedro Fernandes, busca alcançar o improvável: a aparência de que existe um encaminhamento de soluções, enquanto a cada dia o funcionalismo público estadual sente a corda apertar-lhe mais e mais o pescoço.

A partir do cenário montado, Pezão tem como objetivo indicar que algo foi definido na reunião, mas mesmo a grande mídia não consegue disfarçar o vazio de resoluções, produzindo imagens e informações que não passam de uma afronta a nossa inteligência assim como este (des) governo demonstra completo desdém pela situação financeira vivida por estes trabalhadores (pois devemos incluir aqui os terceirizados).

Esperamos sinceramente, que a Reitoria da UENF não integre esta barganha indecente, levada a frente por um representante moribundo!

E de nossa parte, redobraremos nossas forças de resistência contra a tentativa deste (des) governo de destruir o serviço público fluminense .

Campos dos Goytacazes, 09 de Maio de 2017.

Diretoria ADUENF

Gestão Resistência & Luta

FONTE: http://aduenf.blogspot.com.br/2017/05/nota-da-aduenf-sobre-reuniao-do-governo.html

NOTÍCIAS DA ADUENF: Presidente da ADUENF convoca professores da UENF para que participem da greve geral

megafone

Com base em decisão de assembleia, a diretoria da ADUENF está atuando para garantir que todas as atividades docentes sejam suspensas por conta da greve geral do dia 28/04 contra as reformas anti-populares do governo de Michel Temer.

Abaixo postamos pronunciamento da presidente da ADUENF, Profa. Luciane Soares, que conclama a todos os associados que se engajem nas atividades que ocorrerão na cidade de Campos dos Goytacazes no dia da greve geral.

FONTE: http://aduenf.blogspot.com.br/2017/04/presidente-da-aduenf-convoca.html

ADUENF publica vídeo convoca participação na greve geral

aduenf

A Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (ADUENF) publicou hoje um vídeo de convocação para a greve geral que ocorrerá no dia 28/04. Essa convocação faz parte de um esforço de mobilização contra não apenas as políticas do governo Temer contra a área de ciência e tecnologia, mas também contra a política de desmonte institucional que vem sendo promovida contra a Uenf pelo (des) governo Pezão.

É preciso lembrar que em assembleia realizada no dia 20/04, os docentes presentes decidiram pela paralisação de suas atividades durante a greve geral.

 

Diretoria da ADUENF lança programa de rádio para denunciar crise causada pelo (des) governo Pezão na Uenf

A nova diretoria da Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Aduenf) lançou um programa de rádio, o “Todos pela Uenf”, que está sendo transmitido pela Rádio Continental de Campos dos Goytacazes (1270 AM).

O programa é diário e traz depoimentos e declarações de apoio de membros da comunidade universitária e da população em geral, especialmente de pessoas ilustres que são nascidas em Campos dos Goytacazes.  Um exemplo disso é a edição desta 3a. feira (18/04) traz uma declaração de apoio do ator campista Tonico Pereira que é bastante conhecido não apenas por ser um fervoroso torcedor do Goytacaz Futebol Clube, mas especialmente por suas posições políticas progressistas.

tonico-pereira

O “Todos pela Uenf” é apenas um das iniciativas de divulgação que estão sendo utilizadas para divulgar a grave situação por que passa a Universidade Estadual do Norte Fluminense neste momento. 

Quem desejar ouvir a edição de hoje do “Todos pela Uenf” basta clicar no link abaixo.