ADUENF emite nota de repúdio contra o abuso de autoridade no arrombamento do DACOM da UFF Campos

tre 1

Nota de Repúdio contra o abuso de autoridade no arrombamento do DACOM da UFF Campos

A diretoria da ADUENF emitiu nesta 6a. feira (14/09) uma nota de repúdio contra o que considerou un abuso de autoridade cometido contra a comunidade universitária da UFF Campos com base numa suposta tentativa de coibir a realização de campanha eleitoral ilegal dentro de uma instituição pública de ensino (ver nota abaixo).

 

A diretoria da ADUENF manifestou ainda solidariedade à comunidade universitária da UFF Campos e, em particular, aos professores Roberto Rosendo e Hélio Coelho que estiveram na linha de frente da defesa da autonomia universitária.

A diretoria da ADUENF deixou ainda claro o seu compromisso com a democracia no Brasil e, em especial, no interior das universidades públicas.

O oráculo de Tuffani: reagir ou perecer

No dia 21 de Novembro de 2017, a Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Aduenf) realizou um debate intitulado “O Futuro da Ciência no Brasil em Debate”, e que contou com a presença do professor e pesquisador do Instituto de Biofísica da UFRJ,  Jean Remy Davée Guimarães , e do jornalista Maurício Tuffani, do Direto da Ciência.

Resultado de imagem para tuffani uenf pedlowski

Note-se que o evento era promovido pelo sindicato dos docentes e não pela reitoria da Uenf que à primeira vista deveria estar liderando as reflexões que ocorreram naquele dia em face dos crescentes ataques que estavam sendo realizados contra as universidades públicas e, por extensão, ao sistema nacional de ciência e tecnologia.

Uma das passagens mais memoráveis daquele encontro entre dois grandes conhecedores do funcionamento da ciência brasileira foi quando Maurício Tuffani revelou sua incredulidade com a condição de passividade que parecia dominar  as instituições públicas de ensino superior.  Para Tuffani, tal passividade era difícil de entender dada envergadura do retrocesso que estava sendo arquitetado a partir de Brasília, mais precisamente do interior do governo “de facto” de Michel Temer. E nessa condição ele ainda vaticinou que se a pasmaceira não fosse quebrada, coisas ainda piores poderiam acontecer.

Resultado de imagem para tuffani uenf pedlowski

Agora que a vaca parece estar sendo solenemente para o brejo com os anunciados cortes orçamentários que afetarão gravemente o sistema nacional de ciência e tecnologia, ainda não vejo o tipo de reação que foi demandada por Maurício Tuffani quase um ano depois do evento promovido pela Aduenf.

Aparentemente  há um dissintonia cognitiva dentro das universidades públicas entre a realidade que se imagina dentro dos muros e aquilo que está efetivamente ocorrendo no mundo externo.  Lamento ter que fazer esta constatação, mas me parece que ainda não há um entendimento do projeto estratégico que se está executando no Brasil,  especialmente no tocante ao fato de que esse projeto dispensa totalmente a existência de centros de excelência como os hoje existentes em dezenas de universidades e institutos de pesquisa públicos. 

E, pior, não vejo as reitorias da maioria das universidades tomando para si o papel estratégico de combater o desmanche que está se avizinhando. São raros os reitores e demais dirigentes universitários que aceitam cumprir o papel de denunciar publicamente o amplo alcance das medidas de desconstrução do sistema nacional de ciência e tecnologia. A maioria dos reitores tem preferido utilizar a tática do avestruz, enterrando a cabeça na areia em nome de procedimentos mais pragmáticos para barganhar migalhas.

Desta forma, que ninguém que se surpreenda se virem os sindicatos representativos de professores, servidores e estudantes liderando o processo de resistência ao que o pesquisador Miguel Nicolelis denominou de “dia do juízo final das universidades brasileiras”. É que até agora é por aí que a resistência tem passado, e não vejo nada que indique que algo novo vá acontecer.

Por ora, a comunidade científica continua devendo a Maurício Tuffani e à maioria da população brasileira o tipo de reação que se espera dela em face dos graves riscos que estão aparecendo todos os dias no horizonte da ciência brasileira. Esperemos que o “wake up call” de Tuffani seja ouvido antes que estejam sob os escombros daquilo que ainda não foi destruído pelo governo Temer.

 

 

Diretoria da ADUENF emite nota oficial sobre a proposta de incorporação da Escola Antonio Sarlo à UENF

Preocupada com os impactos que serão trazidas por uma eventual incorporação da Escola Estadual Técnica Agrícola Antonio Sarlo (EETAAS) à estrutura da Universidade Estadual do Norte Fluminense, a diretoria da ADUENF emitiu uma nota oficial na manhã desta 2a. feira (28/05) que é mostrada logo abaixo e [Aqui!].

 

Em sua nota, a diretoria da ADUENF enfatiza a necessidade de que o debate em torno da anexação da Escola Antonio Sarlo se dê de forma responsável, considerando os impactos de curto, médio e longo prazo que serão causados por este processo. Essa responsabilidade seria ainda mais necessária num momento tão crítico pelo qual a UENF atravessa, na medida que chegando a junho, o governo do Rio de Janeiro ainda não iniciou o repasse das verbas de custeio que foram determinados pela aprovação da PEC 47.
FONTE: http://aduenf.blogspot.com.br/2018/05/diretoria-da-aduenf-emite-nota-oficial.html

Cine Aduenf promove sessão e debate do filme “Nossos mortos têm voz”

O documentário ‘Nossos Mortos Têm Voz’, lançado no ultimo dia 27/03 no Cine Odeon, no centro do Rio de Janeiro, resgata a história da chacina cometida por policiais nos municípios de Nova Iguaçu e Queimados, na baixada fluminense. O episódio, que completa 13 anos neste mês, deixou 29 mortos.

Um dos diretores do documentário que foi produzido pela Quiprocó Filmes, Fernando Sousa, destaca a urgência do tema da violência do Estado ser amplamente debatido, principalmente após os casos envolvendo a vereadora Marielle Franco, do PSOL, as chacinas na favela da Rocinha e no município de Maricá. Sousa ressalta que a violência na Baixada Fluminense tem peculiaridades. 

No próximo dia 19 de Abril, a ADUENF promoverá uma sessão do ´Nossos Mortos têm Voz’ que contará com a presença do diretor Fernando Souza, o que possibilitará um debate com os presentes sobre as peculiaridades do papel do Estado na violência sistêmica que existe na baixada fluminense.

FONTE: http://aduenf.blogspot.com.br/2018/04/cine-aduenf-promove-sessao-e-debate-do.html

Na Uenf de Pollyana: sem PEC 47 e com muito improviso

Imagem relacionada

Como em outros períodos pós-greve, a Uenf aparentemente voltou à sua rotina costumeira. O campus está cheio de estudantes e na superfície a crise causada pela asfixia financeira imposta pelo (des) governo Pezão foi afastada.  Com isso, aqueles que clamavam por novos métodos de mobilização se recolheram ao seu silêncio e insignificância habituais, talvez torcendo que ninguém os lembre das juras feitas de que o fim da greve de professores e servidores iria ser seguida por outras formas de luta em defesa da Uenf.  É o que venho chamando de “mundo de Pollyana” numa referência ao personagem da obra de Eleanor H. Porter.

O fato é que não há nada de normal na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), e a tranquilidade aparente é daquelas que só ilude aqueles que querem ser iludidos. Para começo de conversa, o (des) governo Pezão continua ignorando a aprovação da chamada PEC 47 aprovada pela Alerj no final de 2017, e na metade de março ainda não enviou um mísero centavo para garantir o funcionamento básico da Uenf.

Mas há algo a mais que se compõe para acentuar os problemas causados pelo (des) governo Pezão. É que para agravar ainda mais a situação, a reitoria da Uenf vem abusando da improvisação, deixando de lado discussões institucionais que deveriam ser realizadas pelos colegiados universitários em troca de uma suposta transparência por meio de uma difusa distribuição de depoimentos desconexos via redes sociais.  Essa formula acaba gerando uma série de ações pontuais cujo objetivo central parece ser manter a aparência de normalidade cujo único resultado prático é permitir que o (des) governo Pezão continue seu projeto de destruição da Uenf.

Em face da improvisação e da falta de uma política institucional de defesa do caráter público e gratuito da universidade, muitos professores estão retornando ao hábito (ou seria vício?) de usar seus salários corroídos pela inflação para financiar o funcionamento da Uenf. Essa semana uma colega, premida pelas temperaturas escaldantes em que estava dando aula, foi na rua e comprou 3 ventiladores para colocar na sala para diminuir o sofrimento seu e dos alunos. Em outras casos, há ainda que esteja pagando para fazer a revisão de equipamentos também com recursos pessoais.

Ainda que a prática de colocar dinheiro do bolso para garantir o funcionamento da Uenf não seja coisa recente, esse tipo de ação tem um viés pouco pedagógico, especialmente para os estudantes, e ainda contribui para que o (des) governo Pezão fique incólume em face do grave ataque que está realizando não apenas contra a Uenf, mas contra toda a educação pública. Um exemplo disso é o fechamento massivo de escolas, sendo que houve o fechamento de 54 unidades escolares apenas no município de Campos dos Goytacazes.

Ah, sim, ainda há nesse imbróglio o papel cúmplice de parte da mídia campista que, em vez de demandar que o (des) governo Pezão cumpra o que agora é uma cláusula constitucional, opta por atacar o direito de greve dos professores da Uenf.  Falar da irresponsabilidade do (des) governo Pezão que seria o correto, nenhuma linha.

Restará, como sempre restou, aos sindicatos da Uenf continuar a luta em sua defesa. A primeira tarefa será romper o véu do silêncio com querem cobrir a real situação da Uenf. Felizmente, pelo menos no caso da Aduenf, os primeiros passos estão sendo dados para desvelar a paz de cemitério que tentam cercar a Uenf.  A ver!

Nota de apoio à ADUENF e em defesa das Universidades Estaduais do Rio de Janeiro

Resultado de imagem para ADUFF MANIFESTAÇÃO

Reforçamos, por meio desta nota, nosso apoio à ADUENF e ao importante papel que a mesma tem cumprido na luta em defesa das universidades estaduais do Rio de Janeiro (UENF, UERJ e UEZO)

O Rio de Janeiro é uma espécie de laboratório do projeto neoliberal do governo e de seus financiadores de destruição do caráter público das universidades. O objetivo nos parece claro: precarizar para privatizar. Ao retirar das universidades estaduais quaisquer condições de trabalho, estudo e manutenção, não tem demorado para que setores oportunistas defendam as mais variadas estratégias de privatização que não resolvem e não resolverão os graves problemas nos quais estamos imersos. Quando opta por não pagar docentes, técnicos, aposentados, atrasar o pagamento de bolsas ao mesmo tempo em que segue com uma política criminosa de isenções fiscais voltada a beneficiar grandes empresários, o governo indica claramente que não está entre suas prioridades a educação pública superior no estado, a ciência e a tecnologia. O governo se utiliza permanentemente do argumento da crise para tentar mascarar suas opções políticas e tentar aprová-las de forma autoritária.

Diretoria da Aduff-SSind – Gestão Democracia e Luta:
Em defesa dos Direitos Sociais, do Serviço Público e da Democracia Interna, Biênio 2016/2018

FONTE: http://aduff.org.br/site/index.php/notocias/noticias-recentes/item/3133-nota-de-apoio-a-aduenf-e-em-defesa-das-universidades-estaduais-do-rio-de-janeiro

Notícias da Aduenf: ADUENF emite nota esclarecimento pós-COLEX ampliado

COMUNICADO-URGENTE

Este informe tem como objetivo atualizar os docentes que não puderam comparecer ontem (30/01) à reunião ampliada do Colegiado Executivo da UENF.

O Colex ampliado realizado às 16 horas do dia 30 de janeiro, teve como pontos de discussão o debate sobre um possível calendário de recuperação das aulas, a notificação de que o calendário para o repasse dos duodécimos deverá ser emitido até dia 2 de fevereiro. Também fomos informados de que o TCE impediu a continuidade do edital de licitação para serviços de vigilância. Por último, foi informado de que a UENF junto com a UERJ possuem pendências junto a União que impossibilitam repasse de verbas impactando, por exemplo, o PROAP.

Observamos que nossos salários seguem atrasados e que não há perspectiva para o pagamento do décimo terceiro de 2017.

Sobre os esclarecimentos da ADUENF em relação às férias coletivas, segue em abaixo a CI 086/2017. Lê-se neste documento que “ficou estabelecido que os servidores da Universidade deverão gozar as férias de 2018 PREFERENCIALMENTE em janeiro”. Ainda no mesmo documento lemos que “não serão emitidos os formulários de Escala Anual de Férias sendo as mesmas marcadas inicialmente para o período de 02 a 31 de janeiro”. 

Uma consulta ao GRH poderia confirmar que grande parte de nossos docentes, seguindo esta orientação gozou de suas férias no mês de janeiro, razão pela qual não seria possível a realização de uma Assembléia. O debate sobre o emprego do termo em questão “férias coletivas” é formalismo jurídico desnecessário, uma vez que o fato está posto.

Na próxima semana, respeitando o período de férias, realizaremos nossa Assembléia no dia 07/02/18, cuja convocação já foi enviada.

Seguimos na certeza de que a defesa dos direitos de nossos (as) Associados (as) têm sido realizada.

Ao coletivo, através do voto, cabe a avaliação desta greve. 

Atenciosamente,

Presidente ADUENF-SESDUENF
Pelo comando de Greve

FONTE: https://aduenf.blogspot.com.br/2018/01/aduenf-emite-nota-esclarecimento-pos.html