Governo do Ceará anuncia concessão de bolsas acadêmicas

Resultado de imagem para funcap sede
O governador do Ceará, Camilo Santana, anunciou a concessão de bolsas de estudo para mestrado e de iniciação científica em ato realizado no último dia 13/12, no Palácio da Abolição. Todas as bolsas serão gerenciadas pela Funcap, órgão vinculado à Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece).
IMG-20171215-WA0016
 
As bolsas de mestrado e de doutorado são destinadas a alunos que cursam programas de pós-graduação stricto sensu em universidades localizadas no Ceará e mantêm atividades de pesquisa de alto nível em cursos credenciados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em todo o Estado. Já as bolsas de iniciação científica serão concedidas as estudantes que manifestam, ainda na graduação, o interesse pela pesquisa acadêmica.
 
O investimento será feito com recursos estaduais em bolsas com os seguintes valores mensais: R$ 2.200,00 para doutorado, R$ 1.500,00 para mestrado e R$ 400,00 para iniciação científica.  
FONTE: Assessoria de Comunicação Funcap

MPF quer reconstrução de trecho da BR-040 após abertura de cratera de 30 metros

Ação civil pública pede ainda que Concer pague no mínimo R$ 200 milhões para reparação dos danos causados

unnamed

FONTE:  Prefeitura de Petrópolis

O Ministério Público Federal (MPF) em Petrópolis (RJ) moveu ação civil pública contra a Companhia de Concessão Rodoviária Juiz de Fora-Rio (Concer), a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) e a União para assegurar a reconstrução do trecho em que houve o abatimento de solo, às margens do km 81, sentido Rio de Janeiro da Rodovia BR-040. A Concer deverá arcar com a reconstrução e adotar todas as medidas técnicas necessárias para impedir que novos abatimentos de terra ocorram em todo o trecho já escavado do túnel, além de retomar o monitoramento de todos os trechos das obras da Nova Subida da Serra (NSS). Além disso, a concessionária terá que mitigar e compensar os danos causados ao meio ambiente com o pagamento de dano moral coletivo em valor não inferior a R$ 200 milhões. Já a ANTT e a União não devem adotar medida de reequilíbrio econômico do contrato em favor da concessionária em decorrência das medidas ora pleiteadas, visto que decorrem de inadimplemento contratual pela concessionária. 

Leia a íntegra da ação civil pública. 

No dia 07 de novembro de 2017, por volta de 9h, ocorreu um massivo deslizamento de terra na altura do km 81 da BR 040, às margens da pista sentido Rio de Janeiro, próximo à Comunidade do Contorno, região justamente sob a qual estava sendo escavado o túnel, parte das obras da NSS, abandonado pela Concer. O deslizamento gerou uma cratera de cerca de 20 metros de profundidade e 30 metros de diâmetro e provocou o desabamento de uma residência. O trecho da Serra de Petrópolis foi isolado por bombeiros, agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Defesa Civil. Cerca de noventa e cinco famílias ficaram desabrigadas e a Escola Municipal Leonardo Boff foi completamente esvaziada e precisou ser realocada. 

Diante da gravidade da situação, em 10 de novembro, foi realizada reunião na sede da Procuradoria da República no Município de Petrópolis com a participação de representantes da Concer, Defesa Civil, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Prefeitura Municipal de Petrópolis, Corpo de Bombeiros (15º GBM) e concessionária de águas e esgoto Águas do Imperador. Na reunião, a Concer admitiu que o monitoramento do túnel por intermédio de aparelhos foi realizado apenas até novembro de 2016, sendo realizado a partir daí monitoramento somente de forma visual, o que denota o abandono completo da obra, haja vista a ausência de qualquer manutenção estrutural necessária a uma intervenção deste porte. 

Além da presente ação do MPF, o Município de Petrópolis ajuizou ação contra a concessionária requerendo, especialmente, o amparo às vítimas do evento ocorrido na Comunidade. Houve também a celebração de um Termo de Ajustamento de Conduta entre a Concessionária e a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, com a participação do Procurador da República Charles Stevan da Mota Pessoa, instaurado para acompanhar as medidas que serão adotadas para o restabelecimento de serviços essenciais e de assistência às vítimas. 

Histórico da Nova Subida da Serra

Em 31 de outubro de 1995, foi firmado o Contrato de Concessão PG-138/95-00 entre o extinto DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem), sucedido pela ANTT, e a Concer, vencedora da licitação da Rodovia BR-040, que assumiu, além das obrigações relacionadas à recuperação, operação, manutenção, monitoração, conservação, implantação de melhorias, principalmente a obrigação de construção da nova pista de subida da serra em direção à Petrópolis, conforme Programa de Exploração da Rodovia (PER), durante o prazo de concessão de 25 anos, o qual se encerra em 2021. 

Entretanto, em mais de 21 anos de concessão da BR 040, trecho Rio de Janeiro-Juiz de Fora, a Concer praticamente não cumpriu com as obrigações previstas no Plano de Exploração da Rodovia, chegando sua inexecução em quase cem por cento do que previsto no contrato de concessão. O Parecer Técnico nº 040/2015/GEINV/SUINF, da própria ANTT, referente ao processo nº 50505.008123/2015-12 que procedeu a análise técnica das inexecuções no 19º ano da concessão (2014) pela Concer, aponta que naquele ano o índice de inexecução contratual da Concer foi de 94,22%.

O MPF em Petrópolis (RJ) já ajuizou diversas ações em relação as obras da Nova Subida da Serra. Confira:

15/09/17 – MPF quer caducidade do contrato de concessão da BR-040

07/07/16 – MPF/RJ garante isenção de pedágio em bairros vizinhos à BR-040

15/05/15 – MPF/RJ derruba reajuste de pedágio na rodovia BR-040

05/10/09 – MPF/RJ: moradores são isentos de pedágio na BR-040

FONTE:  Assessoria de Comunicação da Procuradoria da República no Rio de Janeiro

Marketing de influência é tema de evento voltado para o mercado B2B em São Paulo

Imagem relacionada

 Aconteceu na última terça-feira, 12, a primeira edição do evento focado no mercado B2B (Business to Business) da influu [1], plataforma que conecta influenciadores digitais a marcas para campanhas de marketing. O objetivo foi reunir empresas, youtubers e instagrammers para discutir e entender qual a importância do marketing de influência nas campanhas das empresas e, como este novo mercado, está revolucionando a maneira de interação entre marcas e seu público alvo.

Tiago Fonseca, do canal Boom, com 6 milhões de inscritos, mostrou o passo a passo em como um conteúdo pode se tornar viral na internet. Segundo ele, todo conteúdo tem um coeficiente de liquidez que é a própria liquidez, ou seja, o ponto em comum que este conteúdo tem com seu público; a quebra de barreira, que é feita por meio de apresentação de novos conteúdos; e a fatalidade, que será onde irá mexer com as emoções das pessoas. Segundo ele, usando estes três pontos ao pensar na construção de algo para se tornar viral – desde um vídeo para as redes sociais, até um comercial para TV, o resultado será o esperado. Além disso, deu uma dica para quem está começando. “Não espere a marca chegar até você. Você pode começar a usar marcas e chamar a atenção de outras, tenho certeza que desta forma você atrai a atenção das empresas”.

A Professora Dra. Selma Felerico abordou o tema “A importância do marketing de influência e como difere a comunicação da propaganda”. Segundo ela, o maior diferencial é a credibilidade e o relacionamento que um influenciador tem com seu seguidor. “O influenciador vende uma imagem e, desta forma, cria confiança dos seus seguidores. Assim eles conseguem vender um produto ou serviço com mais eficiência, já que na maioria das vezes este influenciador vende algo em que acredita e usa de fato e isso o aproxima do seu público”, completa.

Para falar a experiência do lado das empresas, Bruno Komori, Digital Partnership Developer da TP Link, levou o case do lançamento e divulgação de um dos seus produtos, o smartphone Neffos. Hoje eles contam com um time de cinco influenciadores para a divulgação, mas o objetivo é chegar em 15 em alguns meses e eles são responsáveis por 50% das vendas feitas hoje da marca.

O evento foi encerrado com um painel composto pela influenciadora de moda Amanda Domenico, o youtuber de games Lucas Diniz e por Talita Lombardi, influenciadora de negócios e COO da influu.

Eles debateram como os influenciadores conversam com as marcas para fechar ações. Alguns pontos são levados em consideração, como: a empresa precisa entender qual o seu público e se o influenciador realmente tem o perfil desejado. Além disso, dar liberdade criativa para o influenciador é importante, porque ele conhece o público e o que eles desejam ver nos conteúdos que produzem.

FONTE:  Fala Criativa Comunicação


[1] http://influu.me/

Aprovado o Plano Diretor da Comissão do Sistema Prisional do CNMP para o biênio 2018-2019

Resultado de imagem para conselho nacional do ministério público

Em reunião realizada nesta quarta-feira (13/12), na sede do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), em Brasília, foi aprovado o Plano Diretor da Comissão do Sistema Prisional, Controle Externo da Atividade Policial e Segurança Pública (PDCSP). O documento consolida as ações que a Comissão pretende realizar no biênio 2018-2019.

Participaram da reunião, entre os conselheiros que fazem parte da CSP, Dermeval Farias (presidente), Fábio Stica, Luciano Nunes Maia, Marcelo Weitzel, Sebastião Caixeta e Lauro Nogueira, além da secretária-geral do CNMP, Adriana Zawada; do secretário-geral adjunto, Roberto Fuina; da secretária de direitos humanos e defesa coletiva, Ivana Farina; da membro auxiliar da CSP, Vanessa Cavallazzi; do membro colaborador da CSP, Nisio Tostes; e do secretário de gestão estratégica, Weskley Rodrigues. Acompanharam o encontro os servidores da CSP.

Na abertura, Dermeval Farias destacou que a elaboração do Plano Diretor da Comissão foi debatido com todas as áreas do Conselho e que recebeu o apoio da presidente do CNMP, Raquel Dodge, dos conselheiros e da Comissão de Planejamento Estratégico.

Na apresentação do documento, Farias destaca que o PDCSP resume a essência dos propósitos da Comissão para o próximo biênio, “objetivando, a um só tempo, a melhoria da gestão institucional do Conselho Nacional do Ministério Público para lhe conferir transparência e efetividade nas ações e projetos precípuos, e o aperfeiçoamento das atividades de fomento da atuação ministerial voltada à realidade do sistema carcerário brasileiro, ao controle externo da atividade policial e à segurança pública”.

Durante a reunião, a membro auxiliar da CSP Vanessa Cavallazzi abordou as principais ações que a CSP pretende realizar nos anos de 2018 e 2019, que foram divididas em quatro objetivos: fomentar a atuação dos membros do MP em ações de coalização e saneamento da crise no sistema penitenciário; aperfeiçoar a transparência dos dados do sistema prisional; fomentar ações no aprimoramento da atuação da Comissão na área de controle externo da atividade policial; e fomentar ações no aprimoramento da atuação da Comissão na área de segurança pública.

Dentro desses objetivos, destacam-se ações como acompanhar as crises pontuais que venham a ocorrer no sistema prisional, verificando a atuação do MP e estabelecendo interlocução com as corregedorias locais e com a Corregedoria Nacional; realizar análise crítica dos dados constantes de bancos relacionados ao sistema prisional da CSP; elaborar manual de controle externo da atividade policial, a partir de experiências bem-sucedidas dos distintos Ministérios Públicos; e canalizar estratégias de diálogo e aproximação com outros colegiados nacionais voltados à segurança pública.

Durante sua apresentação, Vanessa Cavallazzi afirmou que a segurança pública é um grande tema, superando as preocupações da sociedade brasileira, inclusive com educação e saúde. “Pensar segurança pública significa pensar para além da atuação criminal, significa pensar na tutela coletiva da segurança pública, integrando o tema com diversas outras áreas. E daí a nossa fala direta com a Comissão da Defesa dos Direitos Fundamentais, com a Secretaria de Direitos Humanos e Defesa Coletiva e com a representação da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública no CNMP “.

Metodologia 

O secretário de gestão estratégica do CNMP, Weskley Rodrigues, explicou a metodologia utilizada na elaboração do Plano Diretor da CSP e salientou que o trabalho é resultado de parceria entre as Comissões do Sistema Prisional e de Planejamento Estratégico e da Secretaria de Gestão Estratégica. “Esse é um passo importante que a CSP dá para profissionalizar a sua gestão”, concluiu Rodrigues.

FONTE: Assessoria de Comunicação Social do Conselho Nacional do Ministério Público

Michel Temer com ares de Tancredo Neves

michel neves

Será que sou só eu a achar que a situação da saúde do presidente “de facto” Michel Temer não está tão boa quanto querem nos fazer crer os repetidos boletins médicos do Hospital Sírio-Libanês? É que já estando em tratamento há vários meses por complicações supostamente relacionadas ao sistema urinário, Michel Temer parece não estar se recuperando tão bem quanto os anúncios protocolares que são feitos pelos médicos do Sírio-Libanês e escrupulosamente repetidos pela mídia corporativa.

Esse caso me faz lembrar do caso do presidente eleito Tancredo Neves que chegou a posar com sua junta médica para mostrar que seu quadro médico estava sob controle apenas para morrer poucos dias depois.

O fato é que se a saúde de Michel Temer entrar num quadro de piora haverá certamente um terremoto político no Brasil, na medida em que repousa sobre sua figura a chancela de todos os projetos antipopulares que as elites brasileiras têm imposto sobre os trabalhadores desde a concretização do golpe parlamentar contra Dilma Rousseff.

Por isso, não me surpreendo com os boletins otimistas que teimam em se materializar numa efetiva melhora das condições de saúde de Michel Temer.  É que, como já nos mostrou o caso de Tancredo Neves, a capacidade de mistificação das elites brasileiras é insuperável.

Don´t cry for me Argentina

O dia de ontem foi de fortíssimos enfrentamentos na cidade de Buenos Aires: de um lado as forças policiais fortemente armadas e de outro trabalhadores e aposentados liderados pela Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT). O motivo da batalha campal do lado de fora do congresso argentino foi a tentativa do governo do presidente Maurício Macri de promover uma tunga semelhantes à pretendida por Michel Temer nas aposentadorias dos trabalhadores brasileiros (ver abaixo reprodução da capa de hoje do Página 12 [1].

argentina reforma

Os duros enfrentamentos dentro e fora do congresso argentino acabaram forçando a postergação da análise das propostas do governo Macri para impor uma espécie de reforma grega ao sistema de aposentadorias da Argentina.

Mas mais do que forçar o recuo do governo Macri, os acontecimentos de ontem em Buenos Aires reforçam algo que os partidos da esquerda parlamentar e a maioria dos centrais sindicais brasileira teimam em negar. É que mesmo em face da mais dura repressão, os trabalhadores argentinos atuaram de forma decisiva para impedir o saque das aposentadorias pretendido pelo governo Macri. 

Essa lição vinda da Argentina é tão poderosa que não há nada sobre os enfrentamentos de ontem nos principais veículos da mídia corporativa brasileira e internacional. Este cobertor de silêncio visa impedir a disseminação do dado exemplo dado pelos trabalhadores argentinos.

O que aconteceu ontem em Buenos Aires tem sim importantes contribuições para o debate em torno do que os trabalhadores brasileiros vão ter de fazer para impedir que a contrarreforma da previdência do governo “de facto” de Michel Temer seja finalmente aprovada em Fevereiro de 2019. E o caminho apontado pelos trabalhadores argentinos é claro: enfrentar de forma organizada quem deseja retirar direitos conquistados a duros penas, ainda que sob forte repressão policial. 

Mas por hoje há que se agradecer à disposição de luta dos trabalhadores argentino.  É que ele nos deram a lição de que em face de ataques violentos contra direitos, o único caminho é a resistência nas ruas.


[1] https://www.pagina12.com.ar/

Marcelo Auler mostra as entranhas da operação contra a UFMG

O jornalista Marcelo Auler vem realizando uma série de reportagens sobre a ação realizada por mais de 100 policiais federais contra o reitor e vários outros gestores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) no dia 06 de Dezembro. 

Até aqui o que o material levantado por Marcelo Auler revela uma série de contradições, exageros que foram realizados para supostamente impedir a destruição de provas de um caso para lá de prosaico se não envolvesse uma maiores universidades públicas brasileiras e a construção de um memorial que nos lembra das piores atrocidades cometidas pelo regime militar de 1964.

As revelações já apresentadas por Auler em suas reportagens têm para mim um sentido bastante pedagógico, na medida em que fica clara a finalidade política de desmoralizar dirigentes para facilitar o avanço do processo de privatização das universidades públicas seguindo as orientações bem pagas do Banco Mundial.

E aqui é preciso dizer que em determinados casos, como esse da UFMG,  os exageros cometidos acabam desmoralizando os que realizam as ações que visavam desmoralizar os alvos de sua sanha persecutória, surtindo uma espécie de efeito “bumerangue” e punindo quem realizou as ações punitivas.

Mas para que isso ocorra é fundamental o papel cumprido por jornalistas investigativos do naipe de Marcelo Auler que nos brinda com uma cobertura que permite que ultrapassemos o limiar rasteiro que caracteriza a ação da mídia corporativa cuja maioria dos jornalistas é circunscrita aos ambientes refrigerados e controlados das redações onde trabalham sob os olhos vigilantes de proprietários que possuem completa ojeriza à coberturas densas do que está efetivamente acontecendo.

Para quem desejar acessar o blog do jornalista Marcelo Auler para ler o conjunto de matérias que ele já publicou sobre o caso da Polícia Federal versus UFMG, basta clicar [Aqui!].