Brasil bate recorde de aprovação e uso de agrotóxicos em 2021

brasilien_agronegocio_toxico

” Agronegócio Tóxico”. Cartaz da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida. FONTE:@CONTRAOSAGROTOXICOS

Por Ulrike Bickel para o Amerika21

Brasília. O governo do presidente de ultradireita Jair Bolsonaro, que está no cargo desde 2019, bateu recorde em seus 36 meses de mandato: 474 agrotóxicos foram aprovados no primeiro ano de seu mandato, 493 em 2020 e um total de 1.558 pelo final de 2021. Os dados são baseados nos arquivos divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Um total de cerca de 3.618 agrotóxicos está atualmente aprovado (em 21 de janeiro de 2022). Isso torna o Brasil o líder global. Muitos desses “novos” produtos foram proibidos na UE há 20 anos com base em evidências científicas de seus efeitos nocivos para os seres humanos e a natureza.

Desde o golpe parlamentar de 2016 contra a então presidente Dilma Rousseff, o país é palco de uma onda de novas aprovações de agrotóxicos: em 2016, foram aprovados 277 produtos, no ano seguinte, 2017, foram aprovados 404 novos venenos agrícolas, e em 2018, o governo registrou mais 449 (relatado Amerika21 ).

Entre doze e 16 quilos de agrotóxicos por hectare são usados nos campos do Brasil , segundo o pesquisador Prof. Larrisa Bombardi em seu atlas de 2021 “Geografia do Uso de Pesticidas no Brasil e Conexões com a União Europeia“. Ela teve que deixar o país em 2021 por causa de ameaças relacionadas à sua pesquisa.

O agrônomo Leonardo Melgarejo, do Movimento pela Ciência Cidadãalerta que todos sofrem com o uso descontrolado desses agrotóxicos. Segundo o pesquisador, as consequências estão se espalhando por todas as regiões do país, por mais distantes que estejam as pessoas.

Segundo Melgarejo, um bilhão de litros desses agrotóxicos são usados ​​no Brasil a cada ano, muitos dos quais são tóxicos para os polinizadores e muitos deles vazam para a água, onde prejudicam os organismos aquáticos e contaminam a água potável. Segundo Melgarejo, estudos de qualidade da água descobriram que pelo menos 25% das comunidades pesquisadas têm até 27 tipos de toxinas na água. Então a possibilidade de contaminação é grande, mesmo estando longe das culturas.

Movimentos sociais, incluindo a “Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida” e o ministério ecumênico rural CPT , documentam continuamente a intoxicação por agrotóxicos em áreas rurais.

A agroindústria e os grandes produtores que utilizam as toxinas, por sua vez, disfarçam seus efeitos tóxicos ambientais e à saúde por trás de termos como “defensivos agrícolas”, “produtos fitossanitários” ou “produtos de proteção agrícola”.

color compass

Este texto foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo Amerika21 [Aqui!].

Brumadinho: o crime ambiental completa três anos

Rompimento de barragem matou 264 pessoas e causou dano irreversível para o meio ambiente

unnamed (2)O mar de lama tóxica no Córrego do Feijão em Brumadinho (MG) | Foto: Greenpeace Brasil

São Paulo, 24 de janeiro de 2022  No dia 25 de janeiro, o rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, na cidade de Brumadinho (MG), completará três anos. Ao todo, foram 264 pessoas mortas em decorrência do rompimento da barragem, sendo que seis vítimas ainda continuam desaparecidas. Ainda assim, são 36 meses de um crime ambiental que ainda segue impune. Durante esse período assistimos a negligência do poder público omisso e, principalmente, falta de comprometimento ambiental e humano da empresa Vale S.A, responsável pelo rompimento da barragem.

A barragem rompida apresentava um volume de 11,7 milhões de metros cúbicos de rejeitos. Essa grande quantidade de rejeitos, somados à velocidade em que foram liberados, destruiu grande parte da vegetação e da fauna locais. Segundo dados do Ibama, houve a perda de cerca de 134 hectares de florestas nativas de Mata Atlântica, o equivalente a 153 campos de futebol e 70,65 hectares de Áreas de Preservação Permanente (APP) ao longo de cursos d’água afetados pelos rejeitos de mineração. Nos mais de 300 km do Rio Paraopeba analisados pela SOS Mata Atlântica (desde a região de Córrego do Feijão até o reservatório de Retiro Baixo, em Felixlândia), a água estava imprópria, sem condições de uso. A organização também verificou que os rejeitos contaminaram até o Rio São Francisco, um dos mais importantes do Brasil.

No que diz respeito às áreas urbanas, ao menos 17 municípios no entorno do Rio Paraopeba foram afetados, atingindo cerca de 600 mil pessoas. Os povos originários da região também foram impactados. Na aldeia Naô Xohã, que conta com indígenas das etnias pataxó e pataxó hã-hã-hãe, enquanto alguns permanecem no território, outros se deslocaram para os centros urbanos em razão do risco de contaminação. Entretanto, há ainda dezenas de indígenas que lutam para serem reconhecidos como atingidos e que exigem que a Vale S/A pague os valores emergenciais, além de garantir a realocação das famílias para um novo território.

Confira especial completo do Greenpeace Brasil sobre o caso Brumadinho aqui

Um dia depois do rompimento da barragem, o Greenpeace Brasil esteve em Brumadinho documentando o crime ambiental e cobrando justiça diante de tamanho crime ambiental.

De acordo com a porta-voz do Greenpeace Brasil, Pamela Gopi: “O que aconteceu em Brumadinho não foi um desastre ambiental de proporção local, foi um crime ambiental de alcance global, que afetam famílias, comunidades locais que sequer são consultadas no momento de implementação de uma barragem. Desde o primeiro momento, o Greenpeace esteve presente no local, não apenas coletando imagens, mas denunciando ocorrido e hoje seguimos cobrando ações efetivas do poder público para que crimes como estes não se repitam em nossa história”.

Outros “Brumadinhos” podem acontecer
A degradação do meio ambiente tem intensificado a ocorrência de eventos extremos como fortes chuvas, temperaturas altas, estiagens e secas que vêm ocasionando enchentes, deslizamentos de terras e tragédias como o rompimento de barragens. Tudo reflexo das mudanças climáticas.

Estados como Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Tocantins, Goiás, Piauí, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina são exemplos de regiões que atualmente estão sentindo de maneira intensa os efeitos da crise climática. Apesar disso, a maioria dos estados brasileiros não estão preparados para lidar com a crise: atualmente, somente sete unidades da federação (PE, MG, SP, AC,TO, RS e GO) possuem um plano de adaptação climática e, mesmo nesses casos, faltam ações efetivas.

“É urgente que os governantes, principalmente na esfera estadual, elaborem estratégias e planos de ações que proporcionem a mitigação das consequências das mudanças climáticas, zelando pela vida de suas populações. Os planos de adaptação climática e mapeamento de áreas de risco, além de orçamentos destinados a perdas e danos, e materiais para populações vulneráveis são apenas alguns exemplos de ações que devem ser priorizadas pelos governos diante da emergência climática”, finaliza Gopi.

Três anos de Bolsonaro: três anos de destruição ambiental no Brasil

destruição amazônia

Em janeiro de 2022, Jair Bolsonaro comemorará seu terceiro aniversário como presidente do Brasil. Mas há poucas razões para comemorar o clima e a biodiversidade do Brasil. Em um relatório recente , o Greenpeace faz um balanço das políticas do presidente; o resultado é chocante: 75,6% mais desmatamento, 10% mais emissões de gases de efeito estufa, 1.500 pesticidas recém-aprovados, quase 40% mais conflitos de terra.

bolsonaro dangerous man

Quando Bolsonaro assumiu o cargo, começou uma espiral descendente de políticas antiambientais e anti-humanas. As emissões de gases de efeito estufa no Brasil aumentaram 10% desde 2019. Em 2020, foram liberadas 2,16 bilhões de toneladas de emissões, um aumento de 190 milhões de toneladas em um ano. Isso corresponde aproximadamente às emissões de gases de efeito estufa da Grécia ao longo de três anos. 

“Esse aumento pode ser explicado sobretudo pela crescente destruição de florestas – não apenas na Amazônia”, explica a porta-voz de políticas públicas do Greenpeace Brasil, Thaís Bannwart. “Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), somente entre agosto de 2020 e julho de 2021, uma área de 13.235 km² foi desmatada. Isso é 75,6% a mais em um ano.”

dersmatamento amazônia

Incêndios cada vez mais frequentes estão acelerando o desmatamento parcialmente ilegal das florestas no Brasil. Os seres humanos são responsáveis ​​por 98% desses incêndios, a maioria ilegalmente e com impunidade .

Para converter ainda mais terras para o cultivo de commodities agrícolas em monoculturas e pecuária, a política de Bolsonaro não recorre apenas a queimadas e desmatamentos. As comunidades indígenas estão sendo ameaçadas e deslocadas. Há até assassinatos para usar seus territórios para fins agrícolas.

Corrupção e misantropia estão tomando proporções drásticas no Brasil 

Somente em 2020, foram registrados 1.576 conflitos de terra, um novo e triste recorde desde 1985. Destes, 41,6% dos conflitos afetaram comunidades indígenas. Conflitos de terra mataram 18 pessoas no Brasil em 2020, sete dos mortos eram indígenas. Além disso, 35 pessoas foram vítimas de tentativa de homicídio – 12 indígenas, 159 pessoas ameaçadas de morte – 25 indígenas. O número de vítimas indígenas é comparativamente muito alto – eles representam 0,4% da população brasileira . 

O governo prepara o terreno para a violência contra indígenas e ativistas: Bolsonaro descreve as organizações não-governamentais (ONGs) como “câncer” e proclama que sua voz, a voz da sociedade civil, não tem sentido para ele. Em 2019, ele acusou as próprias ONGs de atearem os incêndios na Amazônia.

A corrupção e os crimes ambientais também já são um fato entre os membros do governo. O ministro do Meio Ambiente indicado por Bolsonaro, Ricardo Salles, foi forçado a renunciar em 2021 após alegações de envolvimento em extração ilegal de madeiraO Supremo Tribunal Federal continua investigando.

Bolsonaro retira fundos e funcionários de autoridades ambientais

O governo também enfraqueceu estrategicamente as autoridades ambientais desde a posse de Bolsonaro. Eles perderam dez por cento de seus funcionários durante este período. Em alguns casos, os funcionários foram até remanejados para a implementação de regulamentos ambientais.

Além disso, o governo Bolsonaro cortou drasticamente os recursos do governo. O orçamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ​​(IBAMA) caiu 30,4% entre 2019 e 2020, enquanto o orçamento do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) caiu 32,7% no mesmo período. Para 2021, o orçamento geral da Secretaria de Meio Ambiente está no nível mais baixo desde 2010 .

Não surpreendentemente, as multas por violar as leis ambientais aplicáveis ​​também estão em níveis mais baixos, e as autoridades estão sistematicamente ignorando as queixas dos povos indígenas sobre apropriação de terras e destruição de florestas.

Ameaça de longo alcance para a biodiversidade

Cerca de 1.500 novos agrotóxicos foram aprovados desde a posse de Bolsonaro. Este é um novo recorde. Muitos dos pesticidas permitidos e usados ​​no Brasil contêm ingredientes ativos que não são permitidos na UE e são perigosos para a saúde humana e o meio ambiente. Por exemplo, o herbicida atrazina, proibido na UE há mais de 15 anos devido aos seus efeitos nocivos nas águas subterrâneas, ainda pode ser encontrado em mais de 70 produtos comerciais no Brasil. Com o acordo comercial UE-Mercosul prestes a ser ratificado, esses ingredientes ativos estão cada vez mais ameaçando acabar em nossos pratos. Eles já podem ser detectados em frutas importadas do Brasil.

Planos falsos em vez de medidas eficazes contra a destruição da floresta

As pessoas e o meio ambiente continuarão sofrendo com as maquinações de Bolsonaro. Enquanto interrompeu o Plano de Ação de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm) no início de seu mandato, o governo Bolsonaro publicou seu “Plano Amazônia 2021/2022” em abril de 2021. Mas, em vez de parar o desmatamento, o decreto liberou 16% mais área intacta de floresta tropical para extração de madeira do que era permitido antes de ele assumir o cargo .

Portanto: Sem acordo com Bolsonaro! 

Apesar desse histórico terrível, a UE ainda mantém um acordo comercial com Bolsonaro. 

“O acordo UE-Mercosul solidificaria as políticas antiambientais e misantrópicas de Bolsonaro, aumentando as exportações brasileiras de carne bovina e soja para ração animal, bem como pesticidas altamente perigosos, para a UE”, explica Gesche Jürgens, especialista em florestas do Greenpeace. “Tal acordo à custa das pessoas e da natureza não pode ser o objetivo da política da UE. ”

É por isso que o Greenpeace está pedindo que o acordo seja interrompido.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Greenpeace Alemanha [Aqui!].

Nos 3 anos do rompimento da barragem, Brumadinho ainda não tem um fim à vista

Três anos após o rompimento da barragem de Brumadinho, ainda não foram concluídas as indenizações, o desmonte das barragens “a montante”, extremamente vulneráveis ​​ao rompimento, e a condenação criminal dos responsáveis

brumadinho 2

Delegação dos atingidos e ativistas de Brumadinho em frente ao Bundestag alemão no outono de 2019. Foto: Christian Russau

Por Christian Russau para a Kobra

Amanhã, 25 de janeiro, será o terceiro aniversário do rompimento da barragem de Brumadinho. Mais de 270 pessoas morreram, juntamente com o rompimento da barragem de Mariana em 5 de novembro de 2015, um dos maiores desastres ambientais da história brasileira. Essa é a leitura oficial. Mas os afetados, seus parentes e ativistas deixam claro: “O rompimento da barragem não foi um acidente – foi um crime”.

Era 25 de janeiro de 2019 uma barragem de uma bacia de retenção de resíduos de lama de minério da mina Córrego do Feijão se rompeu. A empresa que opera e é proprietária da mina e do reservatório de rejeitos, a mineradora brasileira Vale, disse que o reservatório rompido continha 11,7 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério.

Após o rompimento da barragem da primeira lagoa de detenção, a lama de minério inundou e submergiu a segunda barragem da lagoa de detenção mais próxima. Depois disso, a lama continuou descendo a montanha como um tsunami, destruindo tudo em seu caminho. Entre outras coisas, a onda de lama de minério varreu uma cantina de trabalho, onde muitos trabalhadores almoçavam, ônibus em que estavam sentados trabalhadores que iam ou voltavam do turno de trabalho foram enterrados sob as massas de lama. Pelo menos uma aldeia foi destruída, e pequenos territórios indígenas e quilombolas também sofreram meses depois com a má qualidade da água dos rios afetados.

A mina e a barragem de rejeitos são de propriedade do grupo minerador brasileiro Vale SA. A mina do Córrego do Feijão e a barragem de rejeitos foram colocadas em operação em 1956 pela Companhia de Mineração Ferro e Carvão, em 1973 foi integrada à subsidiária da Thyssen Ferteco Mineração antes sendo adquirida pela Vale SA em 2003 foi adquirida. A barragem agora rompida foi construída em 1976 pela subsidiária da Thyssen Ferteco Mineração.

A TÜV Süd de Munique, a subsidiária brasileira TÜV Süd do Brasil,  fez em nome da Vale e – conforme explica a TÜV Süd na homepage – “com base nas exigências legais (DNPM 70.389/2017) uma revisão periódica de barragens (documento de 18 junho de 2018) e uma Inspeção Regular de Segurança de Barragens (documento datado de 26 de setembro de 2018) realizada.” Quatro meses depois, a barragem se rompeu. 272 pessoas morreram, incluindo o pai de Marcela.

“O rompimento da barragem não foi um acidente – foi um crime.” É o que diz Marcela Nayara Rodrigues. Ela faz uma pausa, pausa, luta com as palavras. Ela respira. Isso foi em Berlim no outono de 2019. Marcela viajou para Berlim junto com outros parentes dos afetados e ativistas para, entre outras coisas, registrar uma queixa em Munique e falar com membros do parlamento no Bundestag alemão.

Marcela Nayara Rodrigues é da cidade de Brumadinho, no estado brasileiro de Minas Gerais, não muito longe da metrópole de Belo Horizonte. Brumadinho é uma daquelas pequenas cidades do interior do grande e vasto Brasil, onde não é gerada nenhuma pequena parte do produto interno bruto, tão importante para os governantes de Brasília e os chefes das empresas na sede corporativa porque é uma expressão do lucro que as Empresas auferem, mas trabalham com as mãos pesadas de gente como o pai de Marcela. Ele trabalhava para a mineradora Vale há muitos anos e era assim que sustentava a pequena família. Então veio o intervalo.

Quem Marcela vê como responsável pelo intervalo? Foi a empresa brasileira Vale, que, como proprietária e operadora da mina e da bacia de retenção, foi responsável pela estabilidade da barragem, ou foi mais responsabilidade da empresa alemã TÜV SÜD, que por duas vezes declarou a barragem inquebrável em 2018? Marcela Nayara Rodrigues vê a Vale como a principal responsável pela segurança da mina e barragem. “É a própria empresa que deve garantir que a mineração seja segura e não coloque os trabalhadores em risco. E se a Vale contrata uma empresa para verificar a segurança, então esperamos um certificado de segurança devidamente elaborado.”

O certificado de segurança, que foi emitido pelos funcionários da TÜV SÜD, é questionado por muitos dos afetados e suas famílias. E-mails que se tornaram conhecidos após a violação mostram a pressão que a Vale exerceu sobre a TÜV SÜD para certificar a segurança. Os promotores no Brasil também têm informações de que pelo menos duas outras empresas de consultoria se recusaram a certificar a segurança dessa barragem. No entanto, a TÜV SÜD confirmou a segurança. De acordo com o conhecimento disponível ao Ministério Público, isso poderia ter acontecido contra um melhor conhecimento.

Claudia Müller-Hoff é advogada e trabalha para a organização de direitos humanos ECCHR, com sede em Berlim. O ECCHR, juntamente com a organização de ajuda episcopal Misereor, entrou com uma ação contra a TÜV SÜD na Alemanha em outubro de 2019 e também apresentou acusações criminais contra gerentes alemães responsáveis. Claudia Müller-Hoff disse em entrevista à KoBra em outubro de 2019: “A barragem teve sérios problemas de estabilidade desde novembro de 2017, pelo menos. Provamos que tanto a Vale quanto a TÜV SÜD estavam cientes disso. Eles, no entanto, garantiram a estabilidade da barragem. E aí está o cerne do problema para a TÜV SÜD. E a conexão direta com a Alemanha neste caso é que havia um engenheiro diretamente responsável que supervisionou todo o processo a partir daqui. De acordo com vários depoimentos de testemunhas, este senhor voou várias vezes ao Brasil para inspecionar o trabalho da subsidiária. E sabemos que os engenheiros no local só poderiam declarar a barragem segura com sua aprovação. Em última análise, eles atestaram a estabilidade da barragem. Portanto, assumimos que o engenheiro alemão deu sua aprovação para isso.”

Este processo faz parte de um processo criminal contra a TÜV SÜD. Mas o seu progresso ainda está para vir.

Enquanto isso, um processo civil foi aberto em Munique contra a TÜV SÜD por outro escritório de advocacia, que está exigindo pagamentos de indenização em nome dos afetados. “Aconteceu um terrível acidente” em Brumadinho, admitiu à mídia na época Florian Stork, diretor jurídico da TÜV Süd. Ele não quer “questionar o sofrimento de forma alguma”, mas: a TÜV SÜD não vê “nenhuma responsabilidade legal” pela catástrofe de 25 de janeiro de 2019.

Aqui, também, o tribunal terá que examinar: os responsáveis ​​da Vale e da TÜV Süd estavam cientes de que a barragem da mina do Córrego do Feijão corria risco de colapso e emitiram certificado de segurança contra seu melhor conhecimento? O tribunal de Munique quer fazer um julgamento neste caso civil em 2022. No Brasil, as ações legais dos afetados continuam, assim como a ação penal movida pelo ECCHR contra a TÜV Süd na Alemanha.

“Para mim, o anúncio é uma questão pessoal: porque meu pai foi morto no rompimento da barragem e porque o negócio corrupto com segurança precisa mudar – porque está destruindo nossas vidas e nosso planeta”, diz Marcela Nayara Rodrigues. Um veredicto não traria seu pai de volta, mas talvez algo mudasse no setor de mineração brasileiro no futuro.

Mude alguma coisa: os políticos do Brasil, que há anos olhavam para o outro lado quando se tratava dos riscos e consequências sociais da mineração, olham apenas para os números macroeconômicos de exportação de todas as pelotas de minério que vão para o exterior, inclusive para a Alemanha, que fica em torno de 45% de suas importações de minério de ferro do Brasil, as políticas do maior estado da América do Sul foram pró-mineração, para dizer o mínimo. Ainda é assim hoje, logo após a ruptura, com a mídia mundial olhando para o país e seu setor de mineração com todos os seus custos ambientais e sociais, a política brevemente frenética e levou ao óbvio: o fim das barragens de rejeitos mais vulneráveis: o barragens “a montante”.

Houve um grande clamor depois que a barragem da bacia de retenção da mina de minério de ferro da Vale na mina Córrego do Feijão, perto da vila de Brumadinho, em Minas Gerais, rompeu em 25 de janeiro deste ano. Tão grande que mesmo políticos arqui-neoliberais pró-indústria declararam publicamente que agora, após as duas rupturas de Mariana (5 de novembro de 2015) e Brumadinho (25 de janeiro de 2019), as estruturas de barragens mais vulneráveis ​​para rejeitos (ou seja, bacias de retenção de principalmente resíduos de mineração liquefeitos) – as chamadas barragens “a montante” não devem mais ser permitidas no futuro e, além disso, as existentes devem ser desativadas e desmanteladas até 2021. Essa decisão, tomada sob pressão da mídia, No entanto, o governo arquineoliberal de Bolsonaro, na forma de seu ministro do Meio Ambiente, Salles, o anunciou de maneira habilmente divulgada logo após a ruptura de Brumadinho, mas foi derrubado novamente apenas alguns meses depois, em agosto de 2019. Se a atenção da mídia caiu e algum tempo passou, então o interesse favorável à indústria prevalece sobre a proteção da natureza e das pessoas.

As barragens, que foram construídas a montante apenas em Minas Gerais e estão em operação, foram originalmente programadas para atingir a vida útil máxima e as barragens devem ser descomissionadas até 2021. Mas depois a Agência Federal de Mineração ANM deu às empresas até mais seis anos, dependendo do tamanho da barragem. O tamanho da memória é levado em consideração para o novo prazo restante, de acordo com a ANM da época. Na verdade, todas as barragens “a montante” devem estar em operação até 15 de agosto de 2021, o mais tardar. A desativação estendida permitirá que as mineradoras concluam os trabalhos em setembro de 2022 para aterros com até 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos, agosto de 2025 para instalações de até 30 milhões de metros cúbicos e até agosto de 2027 para estruturas com mais de 30 milhões de metros cúbicos de enchimento de lodo de mineração.

Mas mesmo essa abordagem pró-indústria não está à altura da indústria de mineração do Brasil. Um olhar sobre o estado mineiro de Minas Gerais revela o problema: das 54 barragens existentes no estado de Minas Gerais que foram construídas pelo método “a montante”, 49 ainda não foram desmontadas, segundo a fundação estadual de meio ambiente Fundação Estadual do Estudo criado pelo Meio Ambiente (Feam).

O presidente da Associação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, descreveu recentemente o prazo especificado, no entanto, como “irrealizável”. Ele estima que o processo de descomissionamento durará pelo menos até 2030. “Não vale a pena estabelecer um prazo irrealista. A legislatura, então, estabeleceu uma data sem analisar como isso deveria acontecer”, disse o presidente da Fiemg, Roscoe. Segundo Roscoe, o setor de mineração já investiu R$ 16,7 bilhões – o equivalente a atualmente 2,7 bilhões de euros – em medidas para aumentar a segurança dessas barragens e seu descomissionamento nos últimos três anos. De acordo com o panorama divulgado pela Fiemg, sete barragens já foram desmontadas e outras 12 serão desmontadas até 25 de fevereiro de 2022. No total, a indústria chegou assim a 19 barragens de rejeitos desmontadas da marca de construção “Upstream”.

Muitas barragens de rejeitos de mineração são construídas usando o método “upstream”, que é de longe o menos caro, mas também o mais vulnerável de todos os sistemas de barragens de rejeitos. Depois, há o método do centro e o método a jusante. O último, o método a jusante, é o mais caro, mas o mais seguro de todos os métodos de construção de barragens de rejeitos. Como lembrete, as estatísticas de falhas de barragens dizem que falhas de rejeitos são estatisticamente 10 vezes mais propensas a falhar do que barragens hidrelétricas (o que é interessante porque a Comissão Internacional de Grandes Barragens (ICOLD) não incluiu barragens de despejo de minas em seu registro de 58.000 barragens , porque então eles fariam as estatísticas de falhas de barragens parecerem tão devastadoras). No método “upstream”, é construída uma barragem, atrás da qual o lodo de mineração é armazenado, após alguns anos este secar, uma nova barragem é construída em cima da barragem e parte do material então (espero bastante) seco, que então novamente tem uma camada absorve lama. Este processo pode ser repetido até dez vezes, resultando em barragens com várias centenas de metros de altura. 

Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil, isso ainda está se arrastando. uma nova barragem é construída em cima da barragem e parte do material então (espero bastante) seco, que então absorve uma camada de lama novamente. Este processo pode ser repetido até dez vezes, resultando em barragens com várias centenas de metros de altura. Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. 

As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil, isso ainda está se arrastando. uma nova barragem é construída em cima da barragem e parte do material então (espero bastante) seco, que então absorve uma camada de lama novamente. Este processo pode ser repetido até dez vezes, resultando em barragens com várias centenas de metros de altura. Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil, isso ainda está se arrastando. Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil isso ainda está se arrastando. Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil isso ainda está se arrastando.

Os pagamentos de indenização aos afetados, que a mineradora Vale tem que fazer, também estão sendo sacados. Nem todos foram indenizados, os processos ainda estão em andamento e os advogados ainda estão atuando em nome da Vale, relata a mídia brasileira. Na verdade, a jurisdição do Brasil prescreve um prazo máximo de até três anos. Mas sempre há argumentos jurídicos inovadores, noticia o jornal Brasil de Fato. Por exemplo, muitas das pessoas afetadas pelo rompimento da barragem de Mariana ainda não receberam nenhuma compensação, e os novos assentamentos prometidos e ordenados pelo tribunal ainda não foram amplamente concluídos. A separação de Mariana já faz mais de seis anos. O caminho para a justiça é longo, mas permanece questionável se algum dia levará ao objetivo.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pela Kooperation Brasilien [Aqui!].

Storebrand pressiona Archer Daniels e Bunge para que atuem para diminuir o risco de desmatamento no Brasil

pasto floresta

Um gestor de ativos nórdico de US$ 120 bilhões criticou dois grandes comerciantes agrícolas dos EUA por agirem muito devagar para remover o risco de desmatamento de suas cadeias de suprimentos, à medida que os investidores reprimem cada vez mais a destruição da floresta. meio ambiente no Brasil.

A Storebrand colocou a Archer Daniels Midland, com sede em Illinois, e a Bunge, com sede em Missouri, em sua “lista de observação”, o que poderia levar a um desinvestimento.

“Do nosso ponto de vista, o progresso é muito lento e também achamos que as ambições são muito baixas”, disse Jan Erik Saugestad, diretor administrativo da Storebrand. As discussões entre a Storebrand e as empresas já duram vários anos e ele disse que a gestora de ativos pretende “levar o diálogo para o próximo nível”.

Na recente cúpula climática das Nações Unidas em Glasgow, mais de 100 líderes nacionais se comprometeram a interromper o desmatamento até 2030, e 30 instituições financeiras, incluindo a Storebrand, comprometeram-se a eliminar a prática prejudicial de seus portfólios. até 2025. No entanto, signatários, incluindo Brasil, Rússia e Indonésia, não indicaram como será implementado ou monitorado, e os ativistas ambientais permanecem céticos.

ADM e Bunge estão entre os maiores comerciantes do mundo que transportam soja brasileira para todo o mundo. O aumento da produção dessa commodity, amplamente utilizada na alimentação do gado, tem sido uma das principais causas do desmatamento da floresta amazônica e da destruição do cerrado.

A escala de produção de soja em áreas desmatadas e os padrões variados para o que é considerado uma atividade aceitável dificultam para as empresas lidar com sua presença nas cadeias de suprimentos.

A Bunge e a ADM apertaram suas políticas de desmatamento no ano passado em resposta a pedidos de acionistas. A Storebrand, juntamente com a gestora de fundos americana Green Century, apresentou uma proposta na reunião anual da Bunge pedindo que ela endurecesse suas políticas, que foi apoiada por 98% dos acionistas. A Bunge disse que está comprometida em não ter soja de terras desmatadas ilegalmente.

Mas a Storebrand quer que as  empresas vão mais longe. “Gostaríamos de ver mais rastreabilidade e transparência no rastreamento de sua cadeia de suprimentos por meio de seus produtos”, disse Saugestad.

O grupo, que tem participação de 0,2% na Bunge e 0,07% na ADM, também quer que eles se comprometam a não adquirir terras desmatadas após 1º de janeiro de 2020, seja legalmente. ou ilegalmente.

A ADM disse que ficou surpresa com a decisão e “esperava nosso envolvimento com a Storebrand”, acrescentando que suas cadeias de fornecimento diretas e indiretas de soja na América do Sul seriam 100% rastreáveis ​​até o final do ano. . Ele também prometeu não desmatar até 2030.

A Bunge reiterou seu compromisso de tornar suas cadeias produtivas diretas e indiretas livres de desmatamento até 2025 e disse que os agricultores, que abrem mão do direito de produzir na terra que possuem, devem ser indenizados.

Embora os investidores estejam intensificando os esforços para acabar com o desmatamento, poucos ainda agiram diante das ameaças de desinvestimento. A Nordea retirou a JBS, maior processadora de carnes do mundo, de seu portfólio em 2020, enquanto o Norges Bank, que administra o fundo de pensão estatal da Noruega, colocou o condicionador de carnes Marfrig em sua lista de observação.

A Storebrand já tem várias empresas de óleo de palma em sua lista de exclusão, incluindo a Cargill, a maior trader agrícola do mundo, que comercializa a commodity.

A legislação proposta na Europa e no Reino Unido para remover produtos ligados ao desmatamento das cadeias de suprimentos também provavelmente aumentará a pressão sobre os comerciantes que atuam como intermediários. O Brasil chamou o plano da UE de “protecionismo comercial”.

No final do ano passado, a França destacou o papel da Bunge e da Cargill como os principais importadores de soja brasileira de áreas com risco de desmatamento.

A destruição da Amazônia brasileira aumentou sob o presidente Jair Bolsonaro, a quem ambientalistas do governo acusam de não reprimir atividades como mineração de ouro selvagem e extração ilegal de madeira. Mais de 13.200 km2 de floresta tropical foram arrasados ​​nos 12 meses entre agosto de 2020 e julho passado, a maior taxa de desmatamento desde 2006, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

color compass

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado no site “Webringnet” [Aqui!].

Em Davos, rolaram as lágrimas de crocodilo do capital

Fórum Econômico Mundial: líderes ocidentais lamentam o aumento da desigualdade. Continua o curso de exploração e isolamento contra os mais pobres

cercas ueOs líderes da UE consideram a pobreza lamentável, mas fornecer ajuda está fora de questão (fronteira externa da UE na Polônia, 13 de dezembro de 2021)

Por Joerg Kronauer para o JungeWelt

Houve tons sombrios no final da versão online do Fórum Econômico Mundial, que terminou na sexta-feira passada nos espaços virtuais da Internet e não em Davos. Os participantes debateram a pandemia de COVID-19 em andamento, as mudanças climáticas e as tensões políticas perigosamente crescentes entre as potências ocidentais e a Rússia. “Vemos desafios crescentes”, disse Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico Mundial, de 83 anos, “desde interrupções nas cadeias de suprimentos até mudanças tectônicas nos mercados de trabalho e níveis de inflação que estão levantando preocupações entre políticos e indivíduos. ” Políticos importantes, do presidente da China, Xi Jinping, ao chanceler Olaf Scholz (SPD) e à secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, passaram uma semana comentando sobre o “estado do mundo” com focos diferentes. O resultado, como Schwab deixou bem claro, foi preocupante.

Por um lado, havia a crescente desigualdade entre ricos e pobres, que o secretário-geral da ONU, António Guterres, já havia lamentado no primeiro dia do Fórum Econômico Mundial. Guterres não apenas apontou que as taxas de vacinação nos países ricos eram “vergonhosamente” muitas vezes maiores do que no continente africano. Ele também mencionou que 80% dos fundos disponibilizados em todo o mundo para a recuperação econômica após a pandemia de COVID-19 estavam disponíveis em países industrializados desenvolvidos: os países mais pobres também estão em enorme desvantagem nesse aspecto; eles estão atualmente experimentando o menor crescimento em décadas e também estão tendo que tentar desesperadamente sair da crise “com orçamentos nacionais lamentavelmente inadequados”. O mundo “não pode pagar

O secretário-geral da ONU também quis dizer a União Europeia (UE), que – como os EUA– está construindo muros, desculpe: cercas de fronteira contra refugiados miseráveis ​​de três continentes. Seja qual for o caso, a UE está a fazer tudo o que pode para se isolar do mundo exterior. Embora ela acumule interminavelmente as vacinas que faltam nos países mais pobres, as aparições online da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e da presidente do BCE, Christine Lagarde, por exemplo, não deram a impressão de que tudo estava indo bem para ela. Lagarde, por exemplo, comentou a forte subida dos preços da energia e da inflação: disse que o BCE “assume que os preços da energia vão estabilizar ao longo de 2022” e que “as taxas de inflação vão diminuir gradualmente”. No entanto, ela reconheceu francamente que tudo isso estava “afligido por muita incerteza”. Von der Leyen, por sua vez, comentou sobre uma área de preocupação para a indústria: a produção de semicondutores, dos quais há uma grave escassez, principalmente na UE. No início de fevereiro, von der Leyen quer apresentar um “European Chips Act” para remediar a situação: “Até 2030, um quinto da produção global de microchips deve ocorrer na Europa”.

Além das crescentes tensões com a Rússia, que foram repetidamente discutidas, as tensões entre o Ocidente e a China também brilharam repetidamente. No primeiro dia do evento, o presidente da China, Xi, promoveu a abertura – não apenas na economia global, mas também na política: é importante abandonar a “mentalidade da Guerra Fria e buscar a coexistência pacífica”, enfatizou. Ironicamente, no último dia do evento, um político que os alimentou como nenhum outro nos últimos anos também lamentou as tensões: o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison. Morrison, que disponibilizou seu país como um aríete para todos os tipos de agressão contra a China desde o início dos ataques de  Donald Trump contra Pequim, lamentou as contramedidas chinesas, A Austrália “manteve nossos valores”, embora isso não tenha ocorrido “sem custo”. Nas disputas que agora surgiram, ninguém provavelmente vencerá. “O mundo não pode se dar ao luxo de marchar nessa direção.” Estranha lamentação: afinal, Morrison teria o poder de se afastar do grande conflito com Pequim.

Surpreendentemente, pelo menos, Chido Munyati, um especialista em África do Fórum Económico Mundial, previu uma perspectiva ligeiramente mais positiva para o continente africano. Embora o fornecimento de vacinas Covid-19 esteja atualmente desolado e a pandemia possa causar sérios danos na África, Munyati estava surpreendentemente otimista com o tempo depois. Não só a economia da África está crescendo atualmente em torno de 3,8%, muito mais rápido do que no sul da Ásia (1,2%) e na América Latina (0,9%). Além disso, a população africana está crescendo mais rapidamente do que a de qualquer outro continente. Enquanto a população trabalhadora está diminuindo em geral – inclusive na Europa – está aumentando na África. Munyati extraiu esperança do crescimento econômico e populacional que ambos poderiam “dar ao continente um papel maior na política global e na economia mundial”. Mesmo se você for cético, há pelo menos esperança.

color compass

Este texto foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

Agricultores pedem socorro no Rio de Janeiro

Movimento Pequenos Agricultores e Movimento dos Atingidos por Barragem alertam para as perdas da produção camponesa devido as fortes chuvas

mpa roça

Por Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA)

As intensas chuvas dos últimos 20 dias no estado do Rio Janeiro afetaram a produção de hortaliças, verduras, legumes e tubérculos da agricultura familiar. Até o momento nenhum dos órgãos ligados à Secretaria de Agricultura do Estado do Rio Janeiro fez contato com as famílias produtoras para mensurar e contabilizar as perdas. Além de afetar as famílias produtoras, as perdas afetam de imediato o consumo, pois o ciclo da produção foi interrompido, havendo possibilidade de aumento de preços dos produtos pela diminuição da oferta.

Para os circuitos agroecológicos de comercialização já é possível ver a redução da disponibilidade dos produtos. Bruno Geraldo, coordenador do Raízes do Brasil e militante do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), responsável pela logística da produção da Cesta Camponesa, afirma que “já é notável ver as roças vazias devido os estragos das chuvas e diminuição de produtos disponíveis para cesta”.

Segundo a Rosana Martuchelli, presidente da APROLUC (Associação de Pequenos Produtores Rurais de Lúcios e Comunidades Vizinhas) e militante do MPA, “na região do Vale dos Lúcios em Teresópolis a perda foi entre 60 a 70%”. Rosana alerta ainda que todo município foi afetado e a perca para produtores até momento não foi contabilizado.

Em Magé, baixada fluminense, não foi diferente. Matheus Teixeira, presidente da Associação dos Produtores Rurais do Assentamento Fazenda Pau Grande, também militante do Movimento dos Pequenos Agricultores, afirma que muitas famílias perderam batata doce e aipim devido ao excesso de chuvas na região.

No município de Cachoeiras de Macacu, segundo Silas, militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) as chuvas afetaram os assentamentos São José da Boa Morte e Marubaí. “Essas inundações atingiram mais de 300 propriedades rurais, onde são cultivados alimentos que abastecem o CEASA-RJ, e deixou algumas famílias desabrigadas” alerta Silas. A previsão é de que isto possa provocar alta no preço de alguns alimentos como, por exemplo, o aipim.

Em caráter de urgência o Movimento Pequenos Agricultores e o Movimento dos Atingidos por Barragem reivindicam do Governo do Estado:

1) Equipe técnica que contabilize as perdas da produção das famílias;

2) Liberação imediata de seguro safra para famílias que perderam a produção;

3) Liberação de linha de credito especial para as famílias voltarem a investir na produção;

4) Chamada pública emergencial para áreas afetadas no formato de um PAA modalidade doação simultânea para garantir comercialização da produção.

Agricultura Camponesa Familiar para Rio de Janeiro não passar fome!

color compass

Este texto foi inicialmente publicado pelo “Midia Ninja” [Aqui!].

A herança maldita da mineração: 18 barragens da Vale sob risco em Minas Gerais

Feam e MP notificam Vale por duas barragens na mina de Gongo Soco

vale barragens

O Governo do Estado, através da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), e o Ministério Público de Minas Gerais notificaram a Vale para que, no prazo de 10 dias, tome providências quanto a segurança das barragens Sul Superior e Sul Inferior, da mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais, e do dique Paracatu, da mina Fazendão, em Catas Altas, além de outras 15 estruturas, em Itabira, Ouro Preto, Mariana, Itabirito, Nova Lima e Belo Vale.
 
Está sendo exigido da Vale relatório técnico fotográfico, acompanhado de anotação de responsabilidade técnica (ART), informando quais são as medidas executadas ou o respectivo cronograma detalhado para tomar as seguintes ações: mitigar e corrigir os processos erosivos instalados no
entorno das estruturas; fazer a manutenção e limpeza dos sistemas de drenagem interna, superficial e do extravasor; reduzir a contribuição pluvial da bacia de drenagem para o reservatório da barragem e garantir a manutenção de rotina da estrutura, realizando inclusive o controle de vegetação.
 
A notificação tem caráter preventivo e foi feita após constatado que as 18 barragens “apresentam ocorrências que devem ser tratadas para evitar prejuízos no funcionamento de suas estruturas, sendo todas elas de responsabilidade da Vale”, segundo informou o Governo do Estado. “Para essas barragens, as notificações solicitam medidas para o tratamento dos processos erosivos nos entornos e para a garantia da manutenção das estruturas”.
 
color compass
Este texto foi inicialmente publicado pelo “Diário de Barão” [Aqui!].

Extinction Rebellion faz manifestação na sede da Bayer para protestar contra práticas comerciais da empresa

Grupo Bayer Monsanto é um dos maiores criminosos ambientais do mundo, criticaram os ativistas

Xr BayerO slogan “Rebel for Life” é baseado no slogan da Bayer “Science for a Better Life”. Foto: nd/Louisa Theresa Braun

Por Louisa Theresa Brown para o Neues Deutschland

Um grupo de cerca de 15 pessoas atravessou a Müllerstrasse na esquina da Fennstrasse em Wedding na manhã de sexta-feira, quando o sinal verde ficou verde. Quando a luz ficou vermelha, eles pararam ao longo de toda a pista e estenderam faixas que diziam “rebelião animal” e “Não há planeta B”. Um caminhão e vários carros pararam bem na frente deles e buzinaram, mas a rua continuou bloqueada e o tráfego começou a diminuir.

Cerca de 35 ativistas do movimento ambientalista Extinction Rebellion estão bloqueando a entrada do gigante químico Bayer Monsanto em Berlin-Wedding desde as 8h, bem como a rua em frente. O tráfego é bloqueado na Müllerstrasse. Esquina da Fennstr.! PROTEÇÃO DE ESPÉCIES AGORA! #WHES22 #voranbringen
 

A poucos metros da Müllerstrasse, em frente à estação de metrô Reinickendorfer Strasse, outros ativistas do movimento de proteção ambiental Extinction Rebellion (XR) já ocuparam a entrada da sede da empresa química Bayer Monsanto. Cinco deles escalaram a fachada do prédio ecologicamente correto pintado em verde, enquanto tinta de uranina, sinais amarelos com símbolos de perigo químico e abelhas “mortas” de madeira estão espalhadas na neve. A Bayer Monsanto é um dos maiores criminosos ambientais do mundo. Estamos perdendo milhões de espécies de insetos por meio dos negócios de corporações como a Bayer”, disse Annemarie Botzki, da equipe de imprensa da XR.

A Bayer, empresa com sede em Leverkusen, que assumiu o controle do grupo norte-americano Monsanto em 2016, é uma das maiores fabricantes do herbicida glifosato, o chamado herbicida total, conhecido sob o nome de “Roundup”. Ele mata todas as plantas que não foram geneticamente modificadas e são usadas principalmente na agricultura industrial – embora seja extremamente prejudicial ao solo, à água, aos animais e às pessoas. Nos EUA, milhares de pessoas que atribuem o câncer ao contato com o Roundup já estão processando a empresa. “A Bayer Monsanto ganha dinheiro destruindo o solo e espécies moribundas”, diz a ativista da XR Judith . Ela mora ao virar da esquina “e eu me aborreço com essa empresa de merda todos os dias”.

Com a campanha, a XR está exigindo um programa imediato de proteção de espécies do novo governo federal. “O governo tem a responsabilidade de parar as corporações que estão destruindo nossos meios de subsistência. Isso inclui a proibição do glifosato”, diz Annemarie Botzki. O Ministro Federal da Agricultura Cem Özdemir (Verdes) deve impulsionar isso a nível europeu. Este ano, a UE quer decidir se o glifosato pode continuar a ser usado. A licença atual expira em dezembro de 2022. De acordo com o relatório das Nações Unidas sobre diversidade biológica, a Alemanha já perdeu cada uma das metas de biodiversidade estabelecidas para 2020.

“É um sinal de um sistema quebrado. A biodiversidade é nosso sustento”, diz Judith. No entanto, ela enfatiza que os funcionários da Bayer não devem ser acusados ​​disso e pede ao governo de Berlim que crie outros empregos para que os trabalhadores não tenham que ganhar a vida com um poluidor ambiental. No entanto, um palestrante pediu aos funcionários da empresa que “olhassem para a verdade”.

O bloqueio da rua já foi liberado pela polícia, e todos os cerca de 40 ativistas agora se reuniram em frente à entrada da Bayer e afundam no chão coberto de neve para “morrer”. Ao se fingirem de mortos, eles querem chamar a atenção para o fato de que “primeiro os animais morrem, depois os ecossistemas e depois nós humanos também”, disse o ativista XR ao microfone. “Por favor, saia deste sistema!” ele grita. Embora o protesto não tenha sido registrado, a polícia o aprovou como um encontro político. Os ativistas, alguns deles fantasiados de abelhas e outros animais, agora estão dançando a música dos Bee Gees “Stayin’ Alive” e “Your fault” dos “The Doctors”.

@XRBerlin   bloqueou a @BayerMonsanto em #Berlin hoje para chamar a atenção para o #Artensterben e a destruição do nosso #Ökosystem |e. Os ativistas pedem um programa #Artenschutz e uma proibição #Glyphosat

A ativista XR Cléo Mieulet chama então a atenção para as desvantagens de outros produtos da Bayer Monsanto. Por exemplo, o fato das sementes híbridas serem geneticamente modificadas de tal forma que os agricultores não podem mais reproduzi-las. “Então, isso os torna dependentes da corporação”, disse ela. Além disso, seriam produzidos agrotóxicos que já são proibidos na União Europeia, mas são exportados para países do Sul Global. Essas exportações deveriam ser proibidas, assim como o glifosato.

Um exemplo é o México, que proibiu o uso do herbicida a partir de 2024. A Bayer quer tomar medidas contra isso tendo como desculpa o livre comércio, porque senão perderia um de seus mercados mais importantes. “O ganho da Bayer Monsanto é a nossa perda”, diz Mieulet. No entanto, a reviravolta agrícola ainda é possível, mas precisa de mão de obra qualificada, transformação do mercado de trabalho e “uma política com espinha dorsal que assuma a associação de agricultores e a Bayer Monsanto”. A Extinction Rebellion quer continuar pressionando por isso.

Mas a política de Berlim deve finalmente agir, exige a porta-voz da XR, Annemarie Botzki. “O governo continua a construir rodovias, mas não consegue encontrar uma resposta sobre como nossos meios de subsistência, como solo e água saudáveis, podem ser protegidos”, diz ela. Botzki conta com o conselho de cidadãos climáticos, que o Senado vermelho-verde-vermelho quer convocar de acordo com seu acordo de coalizão. Aqui, o resgate dos ecossistemas para proteção do clima deve ser considerado.

Depois de três horas, por volta das 11h, a XR encerrou a ação de protesto na sexta-feira. Apenas os ativistas que tomaram conta da sacada se colocaram lá, mas foram pressionados ​​pela polícia para sair. Duas pessoas que se recusaram a fornecer seus dados pessoais foram presas. Entretanto, a Extinction Rebellion classificou a ação de alto perfil contra a extinção de espécies como um sucesso.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland”  [Aqui!].

Associação de Vítimas e Atingidos convoca manifestações para marcar os 3 anos do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG)

Atos pela Justiça e Memória das 272 vidas ceifadas pelos crimes cometidos contra a vida e contra o meio ambiente; e pela continuidade das buscas até o encontro das 6 “jóias” ainda não encontradas

Brumadinho,_Minas_Gerais_(47021723582)

SEGUNDA-FEIRA, DIA 24 DE JANEIRO, 18 HORAS

Atividade: Carreata pela Justiça
Concentração: Cemitério Parque das Rosas

Percurso: do Cemitério até ao letreiro da cidade, percorrendo as principais avenidas e ruas de Brumadinho.

TERÇA-FEIRA, DIA 25 DE JANEIRO, 11 HORAS

Atividade: Ato em Homenagem às 272 vítimas ceifadas e clamor por Justiça
Local: no letreiro da cidade.

AVABRUM

Avabrum é a Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem Mina Córrego do Feijão, com sede em Brumadinho, há três anos abraçou a causa da justiça. Luta para a responsabilização efetiva dos responsáveis pelos crimes cometidos pela Vale e Tüd Süd contra a vida de 272 pessoas, nossas joias, única forma de reparação que vai representar a vitória da justiça contra a impunidade.

Estamos também reconstruindo nossas histórias, individual e coletivamente, por meio da preservação da memória de nossos familiares para que nunca mais aconteça tamanha negligência com a vida humana, com o ambiente e com as comunidades locais que estão próximas às indústrias de risco.

Convidamos a imprensa para acompanhar os atos previstos e registrar a continuidade da nossa luta e em memória aos 272 familiares, nos dias 24 e 25 de janeiro, em Brumadinho. Teremos fontes da Avabrum para dar informações e entrevistas para os jornalistas.