Início da vacinação no Brasil é duplo desastre de relações públicas para o presidente Bolsonaro

Jair Bolsonaro espera em vão pelas entregas da AstraZeneca da Índia. Seu arquiinimigo político, o governador do estado de São Paulo, entretanto, inicia a vacinação com uma vacina chinesa

posePose de vitória após a vacinação: A enfermeira Mônica Calazans, 54, do estado de São Paulo, é a primeira pessoa no Brasil a ser vacinada contra o coronavírus. O governador do estado comemora a vacinação com uma vacina chinesa. Carla Carniel / AP

Por Thomas Spleen, Rio de Janeiro, para o Neue Zürcher Zeitung

Mônica Calazans, 54, é a primeira pessoa no Brasil a ser vacinada contra o coronavírus. A enfermeira de uma unidade de terapia intensiva da COVID-19 do maior estado de São Paulo recebeu a vacina CoronaVac no domingo, poucos minutos após a aprovação emergencial pela autoridade da Anvisa. O governador do estado, João Doria, foi festejado na ocasião. Com os dedos estendidos para marcar a vitória, ele falou de um “dia V” histórico como “vacina, vitória, verdade, vida” – “vacinação, vitória, verdade e vida”. Doria planeja concorrer contra o presidente Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2022. As fotos do sucesso do início da vacinação são úteis para ele.

Doria fazia campanha para o instituto de vacinas do Butantan, em São Paulo, para colaborar com a fabricante chinesa Sinovac desde meados do ano passado. Desde o final de novembro, já chegam a São Paulo transportes com latas do produto CoronaVac da Sinovac, onde já estão armazenados seis milhões de vacinas e a matéria-prima para a produção de mais cinco milhões delas. No entanto, a agência federal Anvisa atrasou a aprovação da vacina. Para pressionar a autoridade, Doria anunciou em dezembro que iniciaria a vacinação em São Paulo em janeiro.

Desde o início, o presidente Bolsonaro sabotou os esforços de Doria, seu mais feroz adversário político. Bolsonaro tentou jogar tacos burocráticos entre as pernas de Doria para atrasar o início da vacinação em São Paulo com o CoronaVac. No final do ano passado, o ex-militar anunciou que em hipótese alguma a população do Brasil seria vacinada com a vacina chinesa. Bolsonaro ordenou ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que rescindisse o contrato já fechado com São Paulo para a entrega de 46 milhões de doses do CoronaVac para os postos de vacinação estaduais. Em hipótese alguma quis conceder a Doria e aos chineses, a quem acusava de causadores da pandemia, o triunfo da imunização da população brasileira com o CoronaVac

Bolsonaro apostou com AstraZeneca

Em vez disso, o governo federal do Brasil assinou um contrato com a fabricante anglo-sueca AstraZeneca e a Oxford University para a entrega de milhões de doses e transferência de tecnologia para futura produção da vacina no Brasil. O governo rejeitou as ofertas da Pfizer/Biontech por razões de custo. Mas Bolsonaro apostou fora. Porque as entregas prometidas da AstraZeneca para o Brasil continuam atrasadas. A tentativa desesperada de coletar rapidamente dois milhões de doses da vacina AstraZeneca na Índia no sábado falhou. Precisamos das doses de vacinação para nossa própria população, foi o motivo alegado pelas autoridades indianas.

Desastre de relações públicas do Bolsonaro

Bolsonaro e seu ministro da saúde Eduardo Pazuello, um general rígido e de aparência hostil que organizou a logística para os Jogos Olímpicos de Verão no Rio de Janeiro em 2016, mas não tem experiência no setor de saúde, teve que assistir a primeira vacinação  de João Doria Brasil no domingo. Além do CoronaVac, a Anvisa também emitiu a vacina AstraZeneca com aprovação emergencial neste domingo. Mas como não é certo quando a vacina britânica pode ser esperada, o governo central terá que iniciar sua campanha de vacinação nacional com o CoronaVac.

Em frente à imprensa no domingo, um ministro da Saúde visivelmente irritado, Pazuello, pediu ao governo de São Paulo que entregasse todas as seis milhões de doses do CoronaVac ao governo central. Isso vai distribuir as vacinas em todo o país na segunda-feira, para que as vacinações em massa possam começar simultaneamente em todas as regiões na quarta-feira. A vacinação em massa só pode ser realizada no Brasil pelo sistema público de saúde SUS, que é subordinado ao Ministério da Saúde, e os estados individuais não podem fazer isso sozinhos, disse Pazuello. Todas as doses de vacinas fabricadas ou armazenadas no Brasil teriam que ser entregues exclusivamente ao governo central.

No entanto, João Doria não pensa em fazer isso. Já nesta segunda-feira, ele quer iniciar as vacinações em massa sob sua direção nos hospitais de São Paulo. De acordo com a proporção da população de São Paulo em relação à população total do Brasil, 20% das vacinas CoronaVac serão retidas. Os restantes 80 por cento serão colocados à disposição do Ministério da Saúde em solidariedade. O ministro da Saúde, Pazuello, já anunciou que entrará com ações judiciais contra a suspensão das vacinas, se necessário.

Bolsonaro nega os perigos da Covid-19

O presidente Bolsonaro tem que aceitar outro revés. No início da pandemia, ele disse que a Covid-19 era uma gripe menor e se manifestou contra as restrições e bloqueios. Ele se recusou a usar uma máscara ou seguir as regras de distância. Ele também afirmou que não queria ser vacinado. Você não poderia saber se isso o transformaria em um crocodilo. Nesse ínterim, cerca de 210.000 pessoas morreram de Covid-19 no Brasil. Somente nos Estados Unidos há mais mortes por pandemia. É crescente o descontentamento da população com a passividade do governo no combate à pandemia.

A situação é atualmente particularmente crítica na metrópole amazônica de Manaus. Os hospitais de lá estão sem oxigênio para os ventiladores há uma semana. Além disso, centenas de leitos de terapia intensiva estão desaparecidos e muitas pessoas morrem sem chance de atendimento médico em casa. Bolsonaro colocou a culpa pelo caos no governo local. No entanto, disse que já havia pedido ajuda ao governo central e a outros Estados membros semanas atrás

Hidroxicloroquina em vez de oxigênio

O ministro da Saúde, Pazuello, havia visitado Manaus apenas no início da semana passada. No entanto, sua visita não era para fornecer o oxigênio urgentemente necessário. Em vez disso, Pazuello promoveu o uso do medicamento contra a malária, a hidroxicloroquina. Bolsonaro havia anunciado a droga como uma “arma milagrosa divina” na luta contra a COVID-19. Embora cientistas de todo o mundo duvidem da eficácia do medicamento contra a COVID-19, Pazuello insiste que os médicos em hospitais públicos tratem os pacientes com o medicamento. Enquanto há falta de oxigênio em Manaus, milhares de embalagens do medicamento antimalária produzida pelos militares estão armazenadas sem uso.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal suíço Neue Zürcher Zeitung [Aqui! ].

Mais um conselho grátis: anula o aumento da Águas do Paraíba, Wladimir!

O ainda jovem, mas agora ex-prefeito, Rafael Diniz deixou pelo menos duas cascas de banana monumentais para o prefeito Wladimir Garotinho: a primeira foi deixar duas folhas de salário dos servidores municipais meio que “blowing in the wind”. A outra foi o generoso aumento de 7% no valor das contas de água e esgoto que certamente irá turbinar os lucros já fabulosos da concessionária “Águas do Paraíba”.

Para a primeira casca de banana, dei um conselho grátis que aparentemente Wladimir Garotinho ainda não seguiu que foi “pague os servidores”. Aliás, curiosamente,  o sindicato que deveria ter oferecido o mesmo conselho grátis ao novo prefeito, o  Sindicato dos Profissionais Servidores Públicos Municipais de Campos dos Goytacazes (o Siprosep) parece ter optado por atacar jornalistas, no caso o jornalista Roberto Barbosa, em vez de fazer o que se espera de um sindicato autônomo, qual seja, defender os direitos dos seus representados.

Apesar de não ter tido o meu primeiro conselho grátis acatado, irei insistir e dar um novo conselho grátis a Wladimir Garotinho no caso do esquisito decreto que beneficiou a “Águas do Paraíba”: anula o aumento, Wladimir!

E eu explico o porquê do meu conselho grátis. É que além dos serviços prestados pela Águas do Paraíba não serem nenhuma maravilha, a empresa concessionária vem auferindo lucros milionários com as taxas que eram praticadas antes da canetada final de Rafael Diniz (ver figura abaixo produzida pelo Portal Viu!).

lucros águas do paraiba

Como o governo do prefeito Wladimir Garotinho ainda está do meu período de “graça” (que se encerrará no centésimo dia de 2021), aproveito para dar um conselho dentro do conselho. É que não há porque empenhar o crédito político conquistado nas urnas (do qual ele dependerá muito nos próximos 47 meses) em troca de uma recuperação do Canal Campos-Macaé, pois com os valores cobrados a Águas do Paraíba tem obrigação de impedir que esgoto in natura continue sendo despejado dentro de um patrimônio histórico de todos os campistas.

Mas como dar conselho grátis não basta, indico ao prefeito Wladimir Garotinho e sua equipe a leitura de uma dissertação de mestrado defendida no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) sob o título de “A privatização da água e seus impactos sobre populações residindo na periferia urbana de Campos dos Goytacazes/RJ” que foi defendida em 2012 pela hoje doutoranda Rosangela Maria Amorim Benevides Guimarães. É que a maioria dos problemas da privatização dos serviços de água e esgoto que foram documentados na referida dissertação continuam sem ser solucionados.

O que explica ondas de frio em um mundo cada vez mais quente?

Espanha e China tiveram nevascas extremas; Aquecimento global pode estar por trás do fenômeno Em muitos países, as primeiras semanas de 2021 foram extremamente frias

extreme cold

Na China, Pequim registrou a temperatura mais baixa dos últimos 20 anos . E na Espanha, Madri sofreu recentemente uma forte tempestade de neve , a mais intensa desde 1971.

Essas nevascas extremas estão acontecendo ao mesmo tempo em que as agências meteorológicas afirmam que 2020 foi um dos anos mais quentes de todos os tempos. O anúncio confirma uma tendência de aquecimento global, com os seis anos mais quentes registrados correspondendo aos anos de 2015-2020. No longo prazo, os períodos de frio têm ficado mais curtos, e os invernos são projetados para se tornar mais amenos à medida que o planeta aquece. Mas, nos últimos anos, partes do hemisfério norte têm visto um inverno mais rigoroso.

Esses frios extremos, enquanto o mundo aquece, podem simplesmente refletir o fato de que o clima é variável, e tais eventos acontecem por uma questão de acaso. Entretanto, alguns cientistas sugerem que o aquecimento global causado pelo homem (e particularmente o aquecimento do Ártico) pode, de fato, ser um fator por trás dos invernos mais frios em regiões de latitude média – as áreas entre os trópicos e o Ártico – como a América do Norte, Europa e partes da Ásia.

Diversos estudos relacionam diretamente determinados registros de frio em partes do Hemisfério Norte com o aquecimento no Ártico:

• Um estudo de 2014 na Nature Geoscience concluiu que a redução do gelo marinho no Mar de Barents-Kara, no Ártico, mais do que dobrou a probabilidade de invernos rigorosos na Eurásia central.

• Um estudo de 2015 também na Nature Geoscience encontrou uma associação entre temperaturas mais altas no Mar de Barents-Kara e depois nas regiões do Mar Siberian-Chuckchi Oriental (ambos no Ártico) e invernos rigorosos no Leste da Ásia e América do Norte.

• Um estudo de 2018 na Nature Communications observou que à medida que as temperaturas árticas aumentavam, a frequência de invernos rigorosos nas latitudes médias, particularmente no leste dos EUA, também aumentava.

• Um estudo de 2018 da American Meteorological Society conectou as mudanças no vórtice polar no Ártico (ver abaixo) com as tendências de resfriamento no inverno na Eurásia.

Possíveis mecanismos

Apesar da correlação entre o calor do Ártico e o clima frio nas latitudes médias, há um debate científico contínuo sobre como isso ocorre, se é que existe uma ligação entre estes dois eventos. Vários mecanismos foram propostos, incluindo mudanças no fluxo do jato e no vórtice polar.

Fluxo de Jato

O jato é uma corrente de ventos muito fortes, que corre em torno de 10 km acima da superfície da Terra, circundando as latitudes médias e altas altitudes. Ele é criado pelo contraste entre as temperaturas frias nos pólos e o calor no equador. Mudanças na trajetória do fluxo de jato podem fazer com que as massas de ar quente ou frio se movimentem de um lugar para outro.

À medida que o Ártico aquece, o seu movimento natural diminui, o que enfraquece o transporte das massas de ar. Um fluxo de ar mais fraco facilita a ocorrência de “aprisionamento” de massas de ar sobre um lugar. Isto pode levar a condições climáticas mais persistentes em locais específicos, que podem causar eventos extremos, tais como ondas de calor, seca ou ondas de frio.

Este artigo de 2018 inclui uma explicação mais profunda do fluxo de jato e como as mudanças no Ártico podem afetar os padrões meteorológicos em latitudes médias.

Vórtice polar

Um vórtice polar é uma área de baixa pressão de ar frio observada ao redor das regiões polares. Tipicamente, o vórtice polar mantém o ar frio concentrado sobre o pólo. Mas se o vórtice for perturbado, o ar frio que normalmente está sobre o Ártico vai sendo deslocado para o sul, fazendo com que as temperaturas caiam mais na América do Norte e Eurásia.

unnamed

Estudos observacionais sugerem que o aquecimento do Ártico e a perda de gelo marinho podem perturbar o vórtice polar, provocando picos de frio na América do Norte e Eurásia. Entretanto, em simulações de modelos climáticos, o aquecimento do Ártico é insuficiente para interromper o vórtice polar – sugerindo que os modelos estão ignorando outros fatores ou que o resfriamento dos continentes ocorre através de um mecanismo diferente.

Você pode encontrar uma discussão mais detalhada sobre isto neste artigo de 2019 publicado na Nature Climate Change. Para mais informações sobre o vórtice polar e sua conexão com os padrões do clima frio, visite o site da NOAA , Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA.

Tragédia em Manaus

Os hospitais da metrópole amazônica de Manaus estão sem oxigênio

tubos oxigenioFamiliares de pacientes internados com o coronavírus fazem fila com garrafas vazias de oxigênio em frente à empresa Nitron da Amazônia para reabastecê-las. Foto: PictureAlliance /dpa/AP

De Niklas Franzen para o Neues Deutschland

A jornalista brasileira Natuza Nery estava assistindo ao vivo na maior estação de TV do país quando foi tomada por seus sentimentos. O motivo: Manaus, metrópole de floresta tropical do norte do Brasil, se tornou o cenário de um dos episódios mais dramáticos da pandemia da COVID-19.

Na quinta-feira passada, os hospitais locais informaram que ficaram sem oxigênio. As enfermeiras tiveram que ventilar os pacientes manualmente, e vídeos de pessoas carregando garrafas de oxigênio adquiridas de forma privada para hospitais para seus parentes infectados viralizaram nas redes sociais.

Mais de 200.000 pessoas morreram de COVID-19 no Brasil até agora – esse é o segundo maior número depois dos EUA. Manaus já foi gravemente afetada pela crise de saúde no início da pandemia, agora voltou com força total: só nos primeiros doze dias de 2021, mais de 2.000 novos pacientes foram internados nos hospitais. Centenas estão em listas de espera por leitos de terapia intensiva e muitas pessoas estão sufocando em casa sem nem mesmo ver um médico. Enfermeiras desesperadas relatam injetar morfina em pessoas doentes para, pelo menos, aliviar a dor. As agências funerárias locais não conseguem suprir a demanda por funerais.

O rápido aumento de novas infecções pode ser devido a uma mutação viral recentemente descoberta no estado do Amazonas. Mas as medidas negligentes de isolamento e a negligência da população também são apontadas como motivos. Houve festas com milhares de convidados, as pessoas saíram às ruas sem máscaras, as lojas e os bares lotaram. Muitas comemorações de Natal e Ano Novo aconteceram sem restrições.

O governador Wilson Lima ordenou agora um toque de recolher entre 19h e 6h. As vítimas de COVID-19 foram transportadas de avião para outros estados, assim como 61 bebês prematuros de hospitais locais. A localização remota de Manaus provavelmente contribuiu para a escassez de oxigênio. Ironicamente, o país vizinho e em crise, a Venezuela, agora está ajudando. E celebridades arrecadam doações online para enviar garrafas de oxigênio para Manaus.

Foi apenas no final de dezembro que o governador de direita Wilson Lima retirou um decreto para um novo bloqueio. Políticos aliados do presidente Jair Bolsonaro, incluindo o seu filho e deputado federal Eduardo Bolsonaro,  celebraramo recuo do governador amazonense. O governo federal enviou oxigênio em aeronaves militares na sexta-feira – de acordo com reportagens da mídia, a quantidade cobriu apenas 11% da necessidade diária de Manaus.

“Fizemos nossa parte”, defendeu o presidente Jair Bolsonaro, que culpa as autoridades locais pelo caos. O governo federal havia sido avisado sobre o colapso uma semana antes. Em vez de criar um plano de emergência, o ministro da Saúde de Bolsonaro, Eduardo Pazuello, recomendou que os hospitais dessem aos seus pacientes hidroxicloroquina – um medicamento contra a malária cujos estudos não mostraram eficácia contra a COVID-19. 

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal Neues Deutschland [Aqui!].

A transparência da Anvisa que sobra para as vacinas da COVID-19, falta para os agrotóxicos

wp-1610903208335.jpg

Milhões de brasileiros devem estar passando o início desta tarde de domingo (17/01) com os olhos pregados nas telas da TV para acompanhar o processo de aprovação pela diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para duas das vacinas (Covishield, da Oxford/Fiocruz, e Coronovac, da Sinovac/Instituto Butantã).  O interessante é que apenas o voto da diretora relatora dos pedidos, Meiruze Freitas, está durando mais de uma hora. Se o mesmo acontecer com os quatro diretores que ainda deverão proferir seus votos, os brasileiros só saberão o placar final da decisão da Anvisa lá pelas 16 horas.

Essa longa reunião deve ser um caso único em todos os países que já estão fazendo o uso das vacinas ora analisadas para futuro emprego no Brasil. É que as explanações da diretoria da Anvisa, as quais estão sendo realizadas via TV, representam um nível de transparência raro quando se trata da aprovação de vacinas, especialmente em um contexto de uma pandemia letal como a da COVID-19.

Curiosamente, quando se trata de aprovar agrotóxicos banidos em outras partes do mundo e que são tão ou mais letais que o coronavírus, não se vê o mínimo de transparência por parte da mesma Anvisa. Esta diferença de postura no tocante à transparência de atos  de liberação para uso no Brasil, especialmente quando atos de liberação afetarão a saúde dos brasileiros, não pode passar despercebida ou naturalizada. Por isso, há que se começar a cobrar da Anvisa que utilize mecanismos de transparência para a aprovação de agrotóxicos. E isso para ontem.

Uma rara concordância com Wagner Victer: o terminal granaleiro do Porto do Açu é problema, e não solução

desapropriações

O ex-presidente da CEDAE, o engenheiro Wagner Victer é um dos que agora se arvoram como “pais” do Porto do Açu, algo que não deveria ser apresentada como medalha de distinção, pois sabemos como o governo do Rio de Janeiro, sob o comando de Sérgio Cabral, operou para impor um modelo escabroso de desapropriação de terras para beneficiar o ex-bilionário Eike Baitsta, o pai maior do empreendimento que hoje está sob o controle do fundo multinacional de “private equity“, EIG Global Partners.

Pois bem, em que pesem minhas reservas ao papel cumprido por Wagner Victer na empreitada que deixou centenas de famílias do V Distrito de São João da Barra desprovidas de suas terras e, consequentemente, de seus meios de produção e reprodução social, tenho que reconhecer que as críticas que ele faz à instalação de um terminal graneleiro no Porto do Açu estão corretas, na medida em que a ausência de uma ferrovia, e até mesmo de um rodovia que possa receber um fluxo intenso de caminhões, irá causar uma enorme sobrecarga no sistema viária de Campos dos Goytacazes, tornando ainda mais caótico um trânsito que já não é grandes coisas. E, pior,  sem que haja qualquer negociação com o município no sentido de não impactar de forma desastrosa ruas e avenidas que não estão adequadamente preparadas para receber um tráfego de caminhões extremamente pesados.

Concordo ainda com a observação de Victer no sentido de que a instalação do terminal granaleiro servirá para apagar de fez qualquer resquício do modelo de  porto-indústria que havia sido propalado por Eike Batista, e pelo meio do qual ele conseguiu amealhar bilhões de reais em empréstimos de entidades públicas, como o BNDES e até o Fundo da Marinha Mercante. Com esse viés do terminal granaleiro, a Prumo Logística Global também está rasgando a fantasia de que o Porto do Açu seria uma fonte abundante de empregos e, com isso, de dinamização da economia regional.

Mas o que mais me parece evidente é que o terminal graneleiro é mais uma das dezenas de improvisações que já foram feitas para tornar o projeto do Açu em algo que seja economicamente viável. Antes disso já se anunciaram outras saídas milagrosas para resolver a falta de infraestrutura adequada para tornar o Porto do Açu em algo além da bela apresentação de Powerpoint que foi amplamente utilizada por Eike Batista para inicialmente atrair investidores, e depois para passar o elefante branco para o colo dos incautos operadores do EIG Global Partners.

No fim desse túnel, o que sobram são os agricultores familiares do V Distrito que continuam até hoje, mais de uma década do início da tomada de suas terras, sem receber as justas indenizações a que fazem direito. 

Soja da Amazônia não é “livre de desmatamento”

Abiove e Ministério da Agricultura divulgam informação falsa após ameaça do presidente francês

pulverizadoraMáquina pulveriza agrotóxico sobre plantação de soja na Amazônia Foto: © Bruno Kelly / Greenpeace

20% da soja dos biomas Amazônia e Cerrado foi produzida em imóveis rurais que desmataram, aponta estudo

Em resposta ao presidente da França, Emmanuel Macron, que ameaçou boicotar a soja brasileira em razão do desmatamento da Amazônia, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) afirmou em nota nesta terça-feira (12/01) que “a soja produzida no bioma Amazônia no Brasil é livre de desmatamento desde 2008 graças à Moratória da Soja, iniciativa internacionalmente reconhecida que monitora, identifica e bloqueia a aquisição de soja produzida em área desmatada no bioma, garantindo risco zero do envio de soja de área desmatada (legal ou ilegal) deste bioma para mercados internacionais”.

No mesmo tom, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) afirmou, em nota divulgada no dia seguinte, que “a soja brasileira não exporta desmatamento”.

A Moratória da Soja, uma iniciativa de ONGs ambientais com participação da Abiove e da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), tem de fato contribuído para reduzir a pressão sobre a floresta amazônica, mas isso não significa soja “livre” de desmatamento, nem que há “risco zero” de exportação de soja de áreas desmatadas no bioma ou que “a soja brasileira não exporta desmatamento”.

Segundo pesquisa publicada recentemente na Science, uma das mais importantes revistas científicas, cerca 20% da soja dos biomas Amazônia e Cerrado exportada para a União Europeia foi produzida em imóveis rurais que desmataram entre 2008 e 2018, desrespeitando o código florestal. O levantamento foi feito com base em informações declaradas no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e dados de exportação de soja.

Além disso, o estudo indica que 0,5 milhão de tonelada de soja da Amazônia é exportada para países europeus, contra 1,4 milhão de tonelada do Cerrado, embora esse bioma seja cinco vezes menor que a Amazônia. Isso reforça um problema que vem se agravando: o desmatamento no Cerrado, que em 2020 aumentou 13%segundo o Inpe, totalizando quase 50% de eliminação da vegetação nativa do bioma.

A manifestação da Abiove ocorreu logo após Macron afirmar, no Twitter, que “continuar a depender da soja brasileira seria o mesmo que apoiar o desmatamento da Amazônia”. Em seguida, ele completou: “Somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa”. O presidente francês tem mantido posição contrária ao acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul, sob alegação de que o Brasil precisa cumprir o Acordo de Paris e reduzir o desmatamento, gerando pressão sobre o governo Bolsonaro e acenando para agricultores locais.

Em 2019, o Brasil produziu 114 Mton de soja, das quais 28 Mton no bioma Amazônia e 40 Mton na Amazônia Legal (o que inclui o Cerrado de MT, MA e TO), aponta o professor da UFMG Raoni Rajão, um dos autores do estudo da Science, com dados do IBGE. Ou seja, a região é responsável por 25% a 35% da produção nacional, dependendo da definição territorial utilizada.

A exemplo da moratória da soja na Amazônia, ONGs têm pressionado as indústrias por um acordo para o Cerrado, com o objetivo de barrar a expansão da soja sobre a vegetação nativa. No entanto, após um longo período de tratativas, nenhum resultado concreto foi atingido. O governo, que participava dos grupos de trabalho e endossava a iniciativa voluntária, retirou-se das negociações na gestão Bolsonaro, sinalizando o desinteresse pelo combate ao desmatamento.

A moratória da soja começou a funcionar a partir de 2006, após forte pressão de ONGs sobre compradores internacionais, com o argumento de que eles estimulavam o desmatamento na Amazônia ao produzir a oleaginosa.

Para resolver o embate foi criado um grupo de trabalho e pactuado, entre as ONGs e a Abiove, que as indústrias não comprariam mais soja de produtores cuja área para produção no bioma Amazônia tenha sido desmatada após 2008, mesmo com autorização.

Foi criado um sistema de monitoramento privado com imagens de satélite nos principais municípios produtores de soja, que identifica quem descumpre as regras e bloqueia a compra por parte das indústrias.

De acordo com o último relatório sobre a moratória, divulgado em abril de 2020 (safra 2018/2019) pelo Grupo de Trabalho da Soja, 1,8% dos produtores de soja no bioma Amazônia estariam em desacordo, ou seja, desmataram após 2008. O documento também considera que após a implementação do acordo houve uma redução de 4,6 vezes da taxa média de desmatamento na Amazônia, atribuindo parte desse resultado à iniciativa. No entanto, segundo dados do Inpe, o desmatamento na Amazônia aumentou 34,5% em 2019 e 8,5% em 2018.

Na quinta-feira (14/1), Bolsonaro atacou o presidente francês, classificando suas declarações de “politicalha” e “campanha contra o Brasil”: “(…) Quanto de floresta tem a França? Porque eles falam tanto em reflorestamento, em dar dinheiro pra nós. Não tem que dar dinheiro pra nós, não, nós vamos dar mudas de árvores para você replantar, reflorestar aí (…)”. Ao contrário do Brasil, a França tem recuperado suas florestas desde o início da revolução industrial: em 1800 elas cobriam menos de 15% do território, hoje se aproximam dos 30%, mostrou o professor da UFMG.

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo site Fakebook.eco [Aqui!].

Quando o oxigênio acabar

O número de infecções está explodindo na metrópole da floresta tropical de Manaus. Nos hospitais, muitos dependem de garrafas particulares de oxigênio

Virus Outbreak Vaccine

Um dos muitos enterros em um cemitério de Manaus no início de janeiro de 2021Foto: Edmar Barros / ap

BERLIN taz | As fotos aéreas das valas comuns no Brasil deram a volta ao mundo no início da pandemia corona. Agora, a metrópole de floresta tropical de Manaus, no norte do país, está novamente nas manchetes tristes. Na quinta-feira, os hospitais informaram que ficaram sem oxigênio.

Os funcionários já devem tentar ventilar os pacientes manualmente. Vídeos de pessoas carregando garrafas de oxigênio compradas de forma privada para hospitais para seus parentes doentes estão se tornando virais nas redes sociais . O diretor do maior hospital público enviou um apelo dramático por meio de grupos do Whatsapp: “Se alguém puder ajudar a manter a ventilação, por favor, precisamos de você!”

Mais de 206.000 pessoas já morreram de Covid-19 no Brasil – esse é o segundo maior número depois dos EUA. Manaus foi duramente atingida pela crise de saúde no início da pandemia. Agora, os números explodiram novamente: só nos primeiros doze dias do ano novo, mais de 2.000 novos infectados foram internados nos hospitais. Centenas estão em listas de espera por leitos de terapia intensiva e muitas pessoas sufocaram sem tratamento.

De acordo com especialistas, o rápido aumento de novas infecções pode ser devido a uma mutação do vírus descoberta no estado do Amazonas . Mas as medidas frouxas de isolamento e a negligência da população também são citadas como motivos.

O tradutor alemão Klaus Reuss, que mora em Manaus, disse ao taz que muita gente não cumpriu a regulamentação nas últimas semanas. Já aconteceram festas com milhares de convidados, as pessoas saíram às ruas sem máscaras, as lojas e os bares lotaram. Muitas comemorações de Natal e Ano Novo aconteceram sem restrições.

O Oxigênio da Venezuela

O governador do estado do Amazonas, Wilson Lima, admitiu a dramática situação em entrevista coletiva na quinta-feira e anunciou o toque de recolher entre 7 e 6 horas. Os pacientes da COVID-19 devem agora voar para outros estados e um suprimento emergencial de oxigênio foi acordado com um vizinho em crise, a Venezuela . Enquanto isso, internautas e celebridades estão coletando doações para poder enviar garrafas de oxigênio de maneira privada para o estado do Amazonas.

Por muito tempo, os especialistas advertiram sobre um novo colapso do sistema de saúde e declararam que a imunidade coletiva não era esperada na metrópole duramente atingida. No final de dezembro, o governador de direita Lima retirou um decreto para um novo bloqueio após pressão pública. A decisão foi celebrada por políticos de direita, como o filho do presidente Jair Bolsonaro.

O vice-presidente Hamilton Mourão disse na quinta-feira que garrafas de oxigênio serão transportadas para o estado em aeronaves militares. O presidente Bolsonaro falou na noite de quinta-feira ao lado de seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Em um vídeo ao vivo, Bolsonaro, que repetidamente se referiu à Corona como uma “gripe menor”, zombou dos doentes e ignorou as advertências da Organização Mundial de Saúde (OMS), disse que a responsabilidade pelo caos em Manaus é do governo do estado e da prefeitura.

O ex-militar novamente elogiou a polêmica droga contra a malária , a cloroquina como uma droga milagrosa contra a COVID-19. O governo também é criticado por sua estratégia de vacinação. Por razões políticas, Bolsonaro levantou o ânimo contra uma vacina chinesa e declarou várias vezes que não seria vacinado em hipótese alguma.

O deputado federal de esquerda Marcelo Freixo encontrou no Twitter palavras claras: “Isso não é incompetência. O que estamos observando atualmente em Manaus são as consequências de crimes dolosos cometidos por Bolsonaro e seus cúmplices ”.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal berlinense TAZ [Aqui!].