Na surdina, sob a batuta de Kim Kataguiri, Câmara de Deputados avança PEC que implantará cobrança de mensalidades em universidades públicas

kim

Kim Kataguiri (União Brasil/SP) deu parecer pela admissibilidade de PEC que deverá permitir cobrança de mensalidades em universidades públicas. O autor do projeto é o deputado federal General Peternelli, também do União Brasil/SP

Em uma confirmação daquela máxima que diz  que “não existe tão ruim, que não possa piorar”, a pauta da Comissão de Constituição e de Cidadania da Câmara de Deputados deverá apreciar nesta 3a. feira (24/05) a Proposta de Emenda Constitucional No. 206/2019 que propõe simplesmente autorizar a cobrança de mensalidades pelas universidades públicas brasileiras (ver imagem abaixo)

wp-1653355377134

O autor da PEC No. 206/2019 é o deputado federal General Peternelli (União Brasil/SP), que vem a ser um general de divisão do Exército brasileiro.  O relator desta PEC é nada mais, nada menos, que o deputado federal Kim Kataguiri que coincidentemente, se alguém ainda acredita em coincidências no Brasil, também é do União Brasil de São Paulo.  Aliás, para quem não lembra o União Brasil (deveria ser chamado de Desunião Brasil) resultou da fusão do PSL com o DEM, o que explica bem a posição junta e misturada desses dois nobres parlamentares.

Se aprovada essa PEC representará um duro ataque à juventude brasileira, especialmente os jovens pertencentes à classe trabalhadora, pois inviabilizará quase que imediatamente o acesso às universidades públicas que são as aquelas que são responsáveis por mais de 90% da produção científica brasileira.

Certamente aparecerão defensores desta proposta escabrosa que apontarão que nos EUA as universidades públicas já cobram mensalidades, o que tornaria natural que este modelo seja abraçado pelo Brasil.  Para esses apoiadores do modelo estadunidense seria bom lembrar que o montante das dívidas estudantis causadas por empréstimos destinados a pagar mensalidades em universidades chegou a astronômicos US$ 1,7 trilhão, montante que poderá chegar a US$ 3 trilhões em 2035. É importante dizer que as dívidas com o crédito educativo nos EUA  atualmente é maior do que as dívidas causadas pela compra de automóveis e de uso de cartões de crédito.

A questão é clara: ou os estudantes das universidades públicas agem rápido ou vão começar a pagar mensalidades ainda em 2022. É que no passo que o atual congresso está andando, não vai ficar pedra sob pedra, pois se sabe que há uma chance enorme que a atual maioria ultraconservadora do congresso tende a ser diminuída nas eleições de outubro.

MPF: Justiça condena Record e Band a reduzir tempo televisivo para igrejas

Limite legal de 25% do tempo para comercialização do espaço estava sendo descumprido pelas emissoras

rr mpf
Em ações civis públicas movidas pelo Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal condenou a Rádio e Televisão Bandeirantes no Rio de Janeiro e a Rádio e Televisão Record S/A a reduzirem o período total comercializado de sua grade para 25% do tempo diário, inclusive os espaços comercializados a entidades religiosas ou sem fins lucrativos. Já a União foi condenada a fiscalizar o cumprimento do limite legal pelas emissoras. As empresas deverão, portanto, “ajustar sua programação”, reduzindo, consequentemente, o período total comercializado equivalente a seis horas da sua programação. (processos nº 5098336-18.2019.4.02.5101 e nº 5098337-03.2019.4.02.5101)

“Dada a importância social do setor de radiofusão, a ultrapassagem do limite de publicidade comercial configura desvio de finalidade das concessões e permissões de radiodifusão e o enriquecimento ilícito dos que comercializam os horários acima dos limites legais”, detalhou uma das sentenças.

“Ainda que os programas religiosos comercializados pela emissora de TV não se refiram a publicidade de marca, produto, ou ideia, há verdadeira comercialização de grade mediante contratos de caráter sinalagmático e de inegável intuito lucrativo, já que recebe a mesma contraprestação financeira pela cessão do tempo de sua programação”, concluiu.

Ações civis públicas – Em dezembro de 2019, a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão no Rio de Janeiro ajuizou as ações civis públicas contra as emissoras TV Record e Band Rio, apontando o descumprimento da Lei Geral de Radiodifusão, no que se refere ao limite máximo de 25% para comercialização do tempo de programação.

De acordo com o MPF, em inquérito civil instaurado em 2016, as emissoras descumprem o limite legal ao comercializar, além do tempo destinado à publicidade de produtos e serviços, até 9 horas e 30 minutos diários para divulgação de prosélitos religiosos.

Especificamente, o MPF apurou que a emissora TV Record comercializa 28,19% do tempo, destinando 20,83% semanais para programas de responsabilidade da Igreja Universal do Reino de Deus e a Band Rio disponibiliza 25,98%, em média, para fins comerciais, burlando, também, o limite legal. Na Band, o tempo destinado a programas religiosos contratados é de 20,38%.

As ações do MPF estão baseadas no tempo de programação religiosa produzida por terceiros constante da grade das emissoras, bem como no tempo de publicidade comercial informado pelas próprias concessionárias de radiodifusão.

Clique aqui e confira a inicial (Record e Band) e a sentença (Record e Band).

Consultora da Shell demite-se, acusando empresa de ‘danos extremos’ ao meio ambiente

Caroline Dennett diz em vídeo que tomou decisão por causa de ‘conversas duplas sobre o clima’

shelll consultant

Consultor da Shell desiste dramaticamente por causa da ‘conversa dupla’ da empresa sobre o clima – vídeo

Por Alex Lawson para o “The Guardian”

Um consultor sênior de segurança deixou de trabalhar com a Shell após 11 anos, acusando o produtor de combustível fóssil em um vídeo público bombástico de causar “danos extremos” ao meio ambiente.

Caroline Dennett afirmou que a Shell “desconsiderava os riscos das mudanças climáticas” e exortou outros na indústria de petróleo e gás a “ir embora enquanto ainda há tempo”.

A executiva, que trabalha para a agência independente Clout, encerrou sua relação de trabalho com a Shell em uma carta aberta aos seus executivos e 1.400 funcionários. Em um vídeo de acompanhamento, postado no LinkedIn, ela disse que havia desistido por causa da “conversa dupla sobre o clima” da Shell.

Ben van Beurden, CEO da Royal Dutch Shell
Chefe da Shell enfrenta rebelião de investidores por pacote salarial de £ 13,5 milhões
Consulte Mais informação

Ela disse: “A ambição de segurança declarada da Shell é ‘não causar danos’ – ‘Meta Zero’, como eles chamam – e parece honroso, mas eles estão falhando completamente nisso.

“Eles sabem que a extração contínua de petróleo e gás causa danos extremos ao nosso clima, ao meio ambiente e às pessoas. E não importa o que digam, a Shell simplesmente não está diminuindo os combustíveis fósseis.”

Dennett disse ao Guardian que “não poderia casar esses conflitos com minha consciência”, acrescentando: “Eu não poderia mais suportar isso e estou pronta para lidar com as consequências”.

A Shell era um “grande cliente” do negócio de Dennett, especializado na avaliação de procedimentos de segurança em indústrias de alto risco, incluindo produção de petróleo e gás. Ela começou a trabalhar com a Shell após o derramamento de óleo da BP Deepwater Horizon em 2010, que abalou a indústria.

“Não posso mais trabalhar para uma empresa que ignora todos os alarmes e descarta os riscos das mudanças climáticas e do colapso ecológico”, disse ela. “Porque, ao contrário das expressões públicas da Shell em torno do zero líquido, eles não estão diminuindo o petróleo e o gás, mas planejando explorar e extrair muito mais.”

A consultora, que realiza pesquisas internas de segurança e está sediada em Weymouth, Dorset, reconheceu que era “privilegiada” por poder ir embora e “muitas pessoas que trabalham em empresas de combustíveis fósseis não têm tanta sorte”.

Ela pediu aos executivos da Shell que “olhem no espelho e se perguntem se realmente acreditam que sua visão de mais extração de petróleo e gás garante um futuro seguro para a humanidade”.

No final de 2020, vários executivos da Shell em seu setor de energia limpa saíram em meio a relatos de que estavam frustrados com o ritmo da mudança da Shell para combustíveis mais verdes.

Seu anúncio ocorre na véspera da AGM da Shell em Londres na terça-feira. Seus planos de redução de emissões serão discutidos na reunião em que o grupo ativista holandês Follow This pressionará para que as políticas da empresa sejam mais consistentes com o acordo climático de Paris. O conselho da Shell disse aos investidores que rejeitem a resolução do grupo que pede que estabeleça metas climáticas mais rigorosas.

O investidor da Shell, Royal London, disse que pretende se abster na votação das propostas de transição climática da empresa.

O presidente-executivo da Shell, Ben van Beurden, pode enfrentar uma rebelião dos investidores contra seu pacote salarial de £ 13,5 milhões na AGM depois que o consultor de investimentos Pirc pediu um voto contra.

Um porta-voz da Shell disse: “Não tenha dúvidas, estamos determinados a cumprir nossa estratégia global de ser uma empresa líquida zero até 2050 e milhares de nossos funcionários estão trabalhando duro para conseguir isso. Estabelecemos metas de curto, médio e longo prazo e temos toda a intenção de atingi-las.

“Já estamos investindo bilhões de dólares em energia de baixo carbono, embora o mundo ainda precise de petróleo e gás nas próximas décadas em setores que não podem ser facilmente descarbonizados.”

A Shell também enfrenta a perspectiva de um potencial imposto inesperado para financiar cortes nas contas das famílias depois que o setor de energia divulgou lucros enormes alimentados pelo aumento dos preços de mercado, levando os partidos da oposição a pedirem ao governo que imponha uma taxa única.

Na segunda-feira, o maior produtor de petróleo e gás do Mar do Norte se manifestou contra uma taxa única, argumentando que levaria a indústria a aprovar menos projetos.

A executiva-chefe da Harbour Energy, Linda Cook, disse ao Financial Times: “Uma carga tributária mais alta tornará mais desafiador para novos projetos de petróleo e gás atender às taxas de investimento, o que significa que menos projetos serão sancionados.

“Este é um momento em que a indústria está sendo incentivada a aumentar a produção doméstica de petróleo e gás do Reino Unido e apoiar uma transição energética ordenada”.

Harbour disse ao governo que planeja investir US$ 6 bilhões no Mar do Norte ao longo de três anos, enquanto a indústria argumenta contra o imposto. O Guardian revelou este mês que Cook recebeu um “olá dourado de £ 4,6 milhões da empresa.


compass black

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

UFRJ lança pesquisa sobre a percepção das classes B e C em relação ao aquecimento global

Homem bebe água

Maio de 2022 — O Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, por meio do Laboratório Conexões do Clima, lança, no dia 24, a partir das 17h, no Campus da Praia Vermelha, “Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Econômico: percepções da população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro”. O levantamento, realizado em março desse ano, fez um diagnóstico sobre como as classes B e C percebem os efeitos do aquecimento global em seu dia a dia. Um dos temas que mais geram preocupação é o de chuvas intensas, inundações, deslizamentos e segurança hídrica. Queimadas na Amazônia e no Pantanal também foram lembradas, mas como problemas mais distantes.

A pesquisa será apresentada pela coordenadora do Fórum, professora Tatiana Roque, e será debatida por Ana Toni, diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade.

Serviço

Data: 24/05/2022 – terça-feira

Horário: 17h

Local: UFRJ Campus Praia Vermelha

Endereço: Av. Pasteur, 250 — Urca Prédio do Palácio Universitário, Auditório Moniz Aragão

Um genocídio felino está em curso na cidade de Campos: por que é preciso responder a isso?

gatos chumbinho

Relatos vindos de diferentes meios estão dando conta que está em curso uma campanha (orquestrada ou não) de extermínio de gatos na cidade de Campos dos Goytacazes.  Ainda que o envenenamento de animais não seja um fato recente, a atual contagem de casos mostra que a escala de casos está fora do normal.  O veículo mais provável da maioria dos envenenamentos é um agrotóxico banido no Brasil, o inseticida aldicarbe. que é usado ilegalmente como raticida nas cidades brasileiras sob o codinome de “chumbinho”.

Há que se dizer que o aldicarbe foi retirado oficialmente do mercado desde 2012 por ser extremamente tóxico e causar sintomas agudos poucas horas após a sua ingestão, sendo considerado o agrotóxico mais tóxico já liberado no Brasil. Curiosamente, o aldicarbe era indicado para aplicação nas culturas de batata, café, citros e cana-de-açúcar. Como essa última cultura é a monocultura que domina a paisagem agrícola no município de Campos, o que deve ter gerado um grande excesso do aldicarbe proibido, agora transformado em primeira opção para a eliminação de animais indesejados, ratos ou quaisquer outros.

Assim, havendo a ferramenta perfeita, muita gente está procurando alguma loja para comprar um produto banido para envenenar gatos e outros animais que inadvertidamente ingerem comida que tenha sido propositalmente “batizada” com aldicarbe. A questão é que o responsável (ou responsáveis) pelo ato de envenenar animais pode ser enquadrado no crime de Crueldade contra Animais, que encontra respaldo legal na Lei de Contravencoes Penais e Lei de Crimes Ambientais (Lei 3688/41, art. 64 e Lei 9605/98, art. 32). No caso da venda do aldicarbe, o crime é Contra a Saúde Pública (art. 273 parágrafo 1º-B, inciso I e IV do Código Penal).

A coisa é que a isca que é provavelmente dirigida somente a animais pode também envenenar seres humanos, o que explica que o aldicarbe é responsável por 60% dos casos de envenenamento humano por chumbinho.

Mas o que o envenenamento dos gatos nos diz sobre a sociedade em que vivemos?

Tendo ouvido relatos e lido descrições de como os animais domésticos foram envenenados, uma característica comum é que os felinos mortos não eram errantes, mas viviam abrigados em residências onde eram cuidados e alimentados. Desse fato decorrem outros , como a possibilidade forte de que o envenenador seja um vizinho que conhecia o animal, e, mesmo assim, optou pelo seu extermínio, sem considerar os danos emocionais que seriam causados nos seus tutores, especialmente as crianças.

Mas o detalhe mais importante aqui me parece ser o fato de que esses inúmeros casos de envenenamento dispersos pela área urbana de Campos dos Goytacazes apontam que há uma espécie de predisposição para matar animais, o que, muitas vezes, poderia ser uma espécie um treinamento para eliminação de semelhantes. Se essa minha tese estiver correta, o problema diante de nós é mais grave do que algo que por si só já é grave.

Diante dessa conclusão eu sugiro que os casos de envenenamento sejam relatados via Boletim de Ocorrência às autoridades policiais, o que é facilitado pelo fato de que isso já pode ser feito pela rede mundial de computadores (no caso do Rio de Janeiro se faz um registro de ocorrência (RO), o que pode ser feito Aqui!).

Finalmente, as autoridades policiais e fiscais governamentais, a começar pelos fiscais do Ministério da Agricultura lotados em Campos dos Goytacazes, precisam realizar um levantamento urgente para identificar quem está vendendo ilegalmente o aldicarbe para que haja a devida punição legal dos mesmos.

 

Feijoada envenenada: pesquisa do Ministério da Agricultura mostra alto nível de contaminação de feijão por agrotóxicos

Feijão contaminado: alimento tem agrotóxico proibido ou fora do limite em teste do governo. Em 2019, 89% das amostras de feijão-de-corda e 32% do feijão comum não atendiam aos parâmetros, segundo pesquisa do Ministério da Agricultura

feijão agrotóxicos

Por Júlia Rohden para o “Por Trás do Alimento”

Um dos principais alimentos do cotidiano dos brasileiros — o feijão —  tem resíduos de agrotóxicos proibidos ou acima do limite permitido. É o que aponta pesquisa realizada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa): 89% das amostras de feijão-de-corda e 32% de feijão comum, coletadas em 2019, não estavam em conformidade. O feijão-de-corda, também conhecido como feijão caupi, é usado em saladas e pratos como baião de dois.

Em 2020, os feijões continuaram com problemas: 77% das amostras do feijão-de-corda e 37% do feijão comum apresentavam índices de agrotóxicos fora do padrão.

Ao todo, a última pesquisa do Ministério analisou 37 produtos entre 2019 e 2020. Além do feijão, o pimentão e o morango também apresentaram altos índices de resíduos de agrotóxicos em desconformidade.

O Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (PNCRC/Vegetal) é realizado pelo Mapa desde 2008. Além de monitorar resíduos de agrotóxicos, investiga a presença de contaminantes químicos (como arsênio e chumbo) e biológicos (como salmonella) em vegetais destinados ao mercado interno e à exportação.

O PNCRC é um dos dois programas do Governo Federal que monitoram agrotóxicos nos alimentos. O outro é o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA), feito pela Anvisa. Conforme apuração da Agência Pública e Repórter Brasil, esse programa está paralisado há mais de dois anos. Desde 2020, a Anvisa não realizou novos testes em alimentos. O governo divulgou apenas os resultados de amostras coletadas até 2018, que apontou problemas especialmente na laranja, no pimentão e na goiaba.

O PARA pesquisa resíduos de agrotóxicos em frutas e verduras de supermercados e feiras, com foco nos riscos à saúde do consumidor. Já o programa do Mapa realiza coletas em propriedades rurais e centrais de abastecimento. Desde 2019, foram aplicados mais de R$ 4 milhões em multas por irregularidades.

Em resposta à reportagem, a assessoria de imprensa do Ministério da Agricultura disse que os dois programas seriam complementares para a segurança dos alimentos consumidos pela população. Ainda de acordo com a assessoria de imprensa, os resultados das coletas do PNCRC realizadas em 2021 estão sendo avaliados e serão divulgados em breve.

Glifosato é principal agrotóxico encontrado no feijão

O governo divulgou que o resultado das coletas de 2019 e 2020 “confirma segurança para consumo dos vegetais comercializados no país” e destacou que 89% das amostras de todos os alimentos avaliados estavam em conformidade. 

Em relação aos agrotóxicos encontrados nos feijões, o Mapa alegou que “segundo parecer da Anvisa, as irregularidades encontradas nos feijões não apresentam risco agudo no consumo desses alimentos”. 

O risco agudo é quando os efeitos aparecem logo depois do consumo, podem variar de dores de cabeça a crises renais. Também existe o efeito crônico, quando doenças aparecem  após longo período de consumo frequente. Ou seja, segundo o parecer da Anvisa, quem consumir o feijão com resíduos de agrotóxicos não manifesta problemas imediatamente.

No entanto, pesquisadores ouvidos pela reportagem apontam que é fundamental avaliar o risco crônico à saúde. “As consequências crônicas dos agrotóxicos para a saúde são gravíssimas. Afetam órgãos, tecidos, sistemas do nosso organismo, gerando câncer, alterações neurológicas, psíquicas, pulmonares, renais, endócrinas”, avalia Guilherme Cavalcanti de Albuquerque, médico e professor que também coordenou o Observatório do Uso de Agrotóxicos e Consequências para a Saúde Humana e Ambiental da Universidade Federal do Paraná (UFPR).  

A interpretação otimista do governo recebeu críticas dos especialistas que monitoram o setor. “É uma forma de enganar a população”, afirma o engenheiro agrônomo Leonardo Melgarejo, que integra a Associação Brasileira de Agroecologia (ABA) e a Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e Pela Vida. “O problema crônico é o envenenamento aos poucos, e é o mais relevante”.

O glifosato, agrotóxico mais vendido no Brasil de acordo com relatório divulgado pelo Ibama, foi o principal encontrado pelo Ministério nos dois tipos de feijão. Entre seus efeitos de longo prazo, estão relacionadas doenças como depressão, Alzheimer e Parkinson. 

Dos 89% de feijão-de-corda testados em 2019 que apresentavam inconformidades, todas as dez amostras coletadas na Paraíba estavam irregulares e apenas duas entre as nove amostras de Pernambuco estavam em conformidade. Já a análise de 2020 apontou que no Tocantins, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Amazonas nenhuma amostra estava em conformidade. No Maranhão, das oito amostras testadas, apenas uma estava regular.

Em relação ao feijão comum, as coletas realizadas em 2020 no Amazonas apresentaram 67% de irregularidade, seguido pelo Rio Grande do Sul (57%) e Paraná (49%). Na pesquisa de 2019, o feijão no Rio Grande do Sul apontava o maior índice de irregularidade (58%), seguido por Santa Catarina (40%) e São Paulo (36%).


A análise do Ministério da Agricultura também encontrou problemas no feijão comum: 67% dos testados vindos do Amazonas e 57% do Rio Grande do Sul estavam fora dos parâmetros de resíduos de agrotóxicos

Pimentão e morango lideram resíduos de agrotóxicos

Além dos feijões, o pimentão apresentou alto índice de irregularidade. Em 2020, 64% dos pimentões coletados em 13 estados estavam inadequados. No Tocantins e no Paraná nenhuma das amostras atenderam aos parâmetros. No Rio Grande do Sul, 73% dos pimentões estavam em desconformidade, 68% em São Paulo e 67% em Santa Catarina e na Paraíba. Em Alagoas, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso do Sul e Pernambuco metade das amostras estavam irregulares.

Em 2019, 65% dos pimentões não estavam adequados. Nenhuma das quatro amostras de pimentão coletadas em Goiás estava em conformidade, já em Santa Catarina e Rio Grande do Sul 75% não atendiam aos parâmetros. 


Em 2020, mais da metade dos pimentões coletados e testados pelo Ministério da Agricultura estavam fora dos limites para resíduos de agrotóxicos. Pixabay

Os morangos também apresentaram problemas em mais da metade (57%) das amostras de 2019. Em Minas Gerais, 75% das coletas não atendiam aos critérios e continham, principalmente, acetamiprido e o imidacloprido. Esse último é um neonicotinoides, inseticida derivado da nicotina que tem capacidade de se espalhar por todas as partes da planta e é fatal para as abelhas. No ano seguinte, o Mapa não coletou amostras de morango.

A cenoura, em 2019, foi testada em quatro estados e apresentou 38% de inconformidade, mas a única amostra da Bahia apresentou problemas e em Minas Gerais o índice de irregularidade foi de 67%. Já em 2020, o Mapa coletou amostras de cenoura em 13 estados, a maioria dentro dos parâmetros, com exceção do Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, onde a inadequação foi de 34%.

Assim como o morango, a goiaba também apontou irregularidades em 2019, mas não entrou nos testes do Mapa em 2020. Foram 31% de goiabas com resíduos de agrotóxicos irregulares, coletadas nos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Questionado sobre os critérios utilizados para o monitoramento, o Ministério informou que o “desde 2019, o PNCRC/Vegetal utiliza ferramentas de gerenciamento de risco cada vez mais criteriosas a partir de parâmetros como risco associado ao produto, produtos de origem vegetal mais consumidos no Brasil (dados do IBGE), quantidade de ocorrências detectadas em anos anteriores. Tudo isso é aplicado a modelos estatísticos com um nível de confiança de 95%, o que levou a aumentar o número de amostras a serem coletadas de cada produto de origem vegetal. Isso ocasionou uma diminuição no número de culturas monitoradas a cada ano, pois o PNCRC/Vegetal busca trabalhar com ciclos de 3 anos, com o monitoramento de um número maior de produtos amostrais coletados durante o período”.

O tomate, conhecido por seus altos índices de agrotóxicos, apareceu na pesquisa do Mapa de 2019 com apenas 23% de suas amostras em desconformidade. No entanto, os dados detalhados por estado apontam que na Paraíba metade dos tomates apresentavam irregularidades e no Paraná seriam 67%. Já na pesquisa de 2020, foram testados tomates em onze estados. No Mato Grosso do Sul nenhuma amostra atendeu aos parâmetros e em Pernambuco, dos oito testados, cinco apresentaram problemas. Dentre os agrotóxicos encontrados está o acefato, que desde 2013 foi proibido no Brasil para algumas culturas, dentre elas o tomate. O acefato pode levar a alterações no sistema nervoso, levando a casos severos de depressão, entre outros problemas. 


Programa do Ministério da Agricultura que analisa resíduos de agrotóxicos em alimentos é focado na produção de fazendas e centros de distribuição. Programa da Anvisa, que fiscaliza comida em supermercados, está paralisado. Valter Campanato/Agência Brasil

Pesquisadores questionam segurança nos alimentos que apontam 100% de conformidade

Das 2.601 amostras coletadas na última pesquisa do Mapa, 1.777 passaram por monitoramento de resíduos de agrotóxicos, sendo que 256 apresentaram agrotóxicos proibidos para aquela cultura ou acima do limite permitido. 

Há alimentos com 100% de conformidade em relação aos resíduos de agrotóxicos, como arroz, café e maçã. No entanto, Guilherme Albuquerque avalia que isso não significa que não há riscos no consumo. “Os limites aceitos no Brasil são muito diferentes de outros países e os agrotóxicos aqui aceitos frequentemente são proibidos no resto do mundo. Então que segurança é essa?” questiona. 

O Brasil, por exemplo, permite dez vezes mais resíduos do herbicida glifosato no café. É o que mostra o Atlas Geográfico do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, da professora da Faculdade de Geografia da Universidade de São Paulo Larissa Bombardi que aponta várias discrepâncias nos limites máximos de resíduos de agrotóxicos permitidos no Brasil e na União Europeia. “O Mapa interpreta o resultado como um indicativo de que aquela produção é segura, mas é uma interpretação baseada em uma regra de mensuração que não é universalmente aceita”, ressalta Melgarejo. “Se o Mapa tivesse passado seus resultados para especialistas franceses ou alemães analisarem, a interpretação seria muito diferente do que o Ministério apresenta como sendo adequado”, diz o engenheiro agrônomo.

Yumie Murakami, farmacêutica que também integra o Observatório de Uso de Agrotóxicos e Consequências para Saúde Humana e Ambiental da UFPR, lembra que não foi considerada a interação entre agrotóxicos de diferentes alimentos. “Não interessa só saber o que está acima do limite permitido, mas o que ficou abaixo também. A maçã que você ingere pode estar dentro dos limites de miligramas de acefato, mas ao longo do dia você também ingere o paraquate que tem na banana e o metamidofós do feijão”, exemplifica.  Histórias como essa precisam ser conhecidas e debatidas pela sociedade. A gente investiga para que elas não fiquem escondidas por trás de interesses escusos. Se você acredita que o jornalismo de qualidade é necessário para um mundo mais justo, nos ajude nessa missão. Seja nosso Aliado

Esta reportagem faz parte do projeto Por Trás do Alimento, uma parceria da Agência Pública e Repórter Brasil para investigar o uso de Agrotóxicos no Brasil. A cobertura completa está no site do projeto.


compass black

Este texto foi originalmente publicada pela Agência Pública [Aqui!].

Apocalipse Now? Os efeitos alarmantes da crise alimentar global

O governador do Banco da Inglaterra alertou na semana passada sobre aumentos ‘apocalípticos’ dos preços dos alimentos. No entanto, a guerra na Ucrânia, as mudanças climáticas e a inflação já estão cobrando seu preço em todo o mundo

fome global

Por Simon Tisdall para o “The Guardian”

Essa última façanha é exatamente o que Andrew Bailey, presidente do Banco da Inglaterra, conseguiu na semana passada, possivelmente inadvertidamente, quando sugeriu que a Grã-Bretanha estava enfrentando níveis “apocalípticos” de inflação de preços de alimentos. Os ministros conservadores se irritaram com o que viram como críticas implícitas à magistral gestão econômica do governo.

Na verdade, Bailey estava falando tanto sobre o impacto drástico dos aumentos relacionados à guerra na Ucrânia nos custos dos alimentos e na escassez de alimentos nas pessoas nos países mais pobres. “Há uma grande preocupação para o mundo em desenvolvimento também… Desculpe por ser apocalíptico por um momento, mas essa é uma grande preocupação”, disse ele .

Com a maior parte da atenção política e da mídia focada na emergente “crise do custo de vida” do Reino Unido, os comentários de alto perfil de Bailey foram oportunos – e reveladores. Meses de alertas sobre um maremoto global de fome, tornados mais urgentes pela Ucrânia , foram amplamente ignorados, principalmente pelo governo de corte de ajuda de Boris Johnson.

O custo de vida é um problema na Grã-Bretanha. Para agências da ONU e trabalhadores humanitários em todo o mundo, a maior preocupação é o custo de morrer.

Uma mulher segurando uma criança desnutrida em Kelafo, leste da Etiópia, no mês passadoUma mulher segurando uma criança desnutrida em Kelafo, leste da Etiópia, no mês passado. Fotografia: Eduardo Soteras/AFP/Getty Images

Soando o alarme novamente na semana passada, António Guterres, secretário-geral da ONU, disse que a escassez relacionada à Ucrânia pode ajudar a “induzir dezenas de milhões de pessoas ao limite da insegurança alimentar”. O resultado pode ser “desnutrição, fome em massa e fome em uma crise que pode durar anos” – e aumentar as chances de uma recessão global.

O Programa Mundial de Alimentos estima que cerca de 49 milhões de pessoas enfrentam níveis emergenciais de fome. Cerca de 811 milhões vão para a cama com fome todas as noites. O número de pessoas à beira da fome na região do Sahel da África, por exemplo, é pelo menos 10 vezes maior do que no pré-Covid 2019.

Distribuição de alimentos fora de uma padaria de Cabul no final do ano passado

Distribuição de alimentos do lado de fora de uma padaria de Cabul no final do ano passado. Fotografia: Petros Giannakouris/AP

O impacto adverso da invasão russa na disponibilidade e no preço de produtos básicos como trigo, milho, cevada e óleo de girassol – a Ucrânia e a Rússia normalmente produzem cerca de 30% das exportações globais de trigo – tem sido enorme.

A produção de trigo da Ucrânia este ano deve cair 35% , e exportar grande parte pode ser impossível devido ao bloqueio russo do Mar Negro. Em março, os preços globais das commodities, registrados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação , atingiram um recorde histórico. Eles permanecem em níveis recordes.

A guerra da Rússia agravou ou acelerou déficits alimentares pré-existentes e tendências inflacionárias decorrentes de uma série de fatores relacionados: o impacto econômico negativo da pandemia; problemas resultantes da cadeia de abastecimento, emprego e transporte; quedas na produção relacionadas a condições meteorológicas extremas e crises climáticas; custos de energia em espiral; e vários outros conflitos em curso em todo o mundo.

Países de renda média, como Egito e Brasil, estão excepcionalmente mal posicionados para lidar com o aumento da insegurança alimentar, disseram os consultores internacionais de risco Verisk Maplecroft em um relatório na semana passada. Muitos governos esgotaram suas reservas financeiras e materiais lutando contra a Covid e contraíram grandes dívidas.

Agora o armário está vazio. “Ao contrário dos países de baixa renda, eles eram ricos o suficiente para oferecer proteção social durante a pandemia, mas agora lutam para manter altos gastos sociais que são vitais para os padrões de vida de grandes setores de suas populações”, disse o relatório.

Argentina, Tunísia, Paquistão e Filipinas, altamente dependentes das importações de alimentos e energia, estão entre muitos outros países de renda média ou média-baixa que enfrentam um risco elevado de agitação civil até o final de 2022, sugeriu.

Uma marcha de protesto estudantil no Sri Lanka na quinta-feira. Fotografia: Chamila Karunarathne/EPA

À medida que o “apocalipse” alimentar se aproxima, os povos mais pobres sofrerão, como sempre, enquanto os mais ricos poderão ficar isolados, até certo ponto. Mas teme-se que a dor suba rapidamente na cadeia alimentar global. Com isso, é provável que venha uma onda de turbulência política, crises humanitárias, instabilidade e rivalidades geoestratégicas em um mundo faminto.

Violência política e revolta

A escassez de alimentos, combinada com aumentos de preços, apagões de eletricidade e escassez de gasolina, gás de cozinha e remédios, provocou uma crise política no Sri Lanka nesta primavera que serve como um modelo desconcertante para países que enfrentam problemas semelhantes.

Meses de protestos culminaram na renúncia do primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa, mas nem mesmo seu couro cabeludo impediu que a agitação se tornasse violenta. Desesperado, o Sri Lanka obteve um empréstimo-ponte do Banco Mundial na semana passada para ajudar a pagaras importações essenciais . Na quinta-feira, deu calote em sua dívida pela primeira vez.

A inflação de dois dígitos que deixou muitos paquistaneses incapazes de comprar alimentos básicos também foi um dos principais fatores que contribuíram para a queda do poder no início deste ano do primeiro-ministro Imran Khan. Sua tentativa de se apegar ao cargo criou uma crise de democracia com a qual o Paquistão ainda está lutando.

Fatores de longo prazo – governança repressiva, corrupção, incompetência, polarização – alimentaram a agitação em ambos os países. Mas a terrível escassez de alimentos e a inflação foram os catalisadores que tornaram intolerável o censurável. Essa é uma perspectiva que agora enfrenta regimes inseguros e impopulares do Peru , Filipinas e Cuba ao Líbano e Tunísia.

Um retrato vandalizado do ex-primeiro-ministro do Sri Lanka, Mahinda Rajapaksa

Um retrato vandalizado do ex-primeiro-ministro do Sri Lanka, Mahinda Rajapaksa. A escalada dos preços dos alimentos e os apagões de eletricidade estão causando agitação política no país. Fotografia: Eranga Jayawardena/AP

Analistas comparam o que está acontecendo hoje no Oriente Médio com as revoltas da primavera árabe. O Egito, cujo governo foi derrubado em 2011, é o maior importador de trigo do mundo. Cerca de 70 milhões de pessoas dependem de pão subsidiado pelo Estado . Rússia e Ucrânia responderam por 80% das importações de grãos do Egito no ano passado.

Os altos preços de hoje e a escassez de oferta, especialmente se piorarem, podem fazer pelo regime de Abdel Fatah al-Sisi o que queixas semelhantes fizeram por seu antecessor presidencial deposto, Hosni Mubarak.

Outro país a ser observado de perto é o Irã. Protestos violentos eclodiram na semana passada no Khuzistão depois que o governo aumentou o preço do pão, óleo de cozinha e laticínios. A situação dos iranianoé agravada pelas duras sanções dos EUA e um regime clerical tirânico e corrupto. Se os padrões de vida continuarem a cair, pode haver uma explosão semelhante à frustrada revolta nacional de 2017-18.

Fome e fome

Em muitas partes do mundo, especialmente na África , a insegurança alimentar é tudo menos um fenômeno novo. A fome é a norma e o risco de fome está sempre presente, muitas vezes exacerbado por conflitos e mudanças climáticas. Dito isso, a situação, em termos gerais, está se deteriorando.

O número total de pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda e que precisam de assistência alimentar urgente quase dobrou desde 2016, de acordo com a Rede Global Contra Crises Alimentares, um projeto conjunto da ONU e da UE. E a escala do desafio está se expandindo, chegando a 40 milhões de pessoas, ou 20%, no ano passado. O último relatório da rede identificou países de particular preocupação: Etiópia, Sudão do Sul, sul de Madagascar e Iêmen, onde disse que 570.000 pessoas – um aumento de 571% em seis anos atrás – estavam na fase mais grave ou “catástrofe” de insegurança alimentar, ameaçada por o colapso dos meios de subsistência, a fome e a morte.

Guterres, o chefe da ONU, alertou que a guerra de Vladimir Putin está afetando seriamente os esforços para combater a fome na África. Era imperativo, disse ele, “trazer de volta a produção agrícola da Ucrânia e a produção de alimentos e fertilizantes da Rússia e da Bielorrússia para os mercados mundiais”. Como a mídia estatal russa costuma observar, as sanções ocidentais aumentaram a volatilidade global dos preços.

A ONU está pedindo que os portos bloqueados do Mar Negro e do Mar de Azov da Ucrânia sejam reabertos para que as exportações de grãos possam ser retomadas, principalmente para os países africanos. Especialmente afetada é a região do Sahel, atingida pela seca. “Uma crise absoluta está se desenrolando diante de nossos olhos”, disse o diretor do Programa Mundial de Alimentos, David Beasley, após visitas a Benin, Níger e Chade. “Estamos ficando sem dinheiro, e essas pessoas estão ficando sem esperança .”

Isso ocorre em parte porque a ajuda agora custa mais. A ONU e as agências internacionais são obrigadas a pagar preços inflacionados, cerca de 30% acima das normas pré-COVID-19, para garantir ajuda alimentar vital. E é em parte porque a comida é mais cara em relação à renda. Uma família média do Reino Unido gasta 10% de sua renda em comida. No Quênia ou Paquistão, é superior a 40%. 

Soldados malianos dirigem pelas ruas de Bamako, Mali, em 19 de agosto de 2020, um dia depois que tropas rebeldes capturaram o presidente malinês Ibrahim Boubacar Keita e o primeiro-ministro Boubou Cisse em uma dramática escalada de uma crise de meses.

Soldados malianos dirigem pelas ruas de Bamako, Mali, em 19 de agosto de 2020, um dia depois que tropas rebeldes capturaram o presidente maliano Ibrahim Boubacar Keita e o primeiro-ministro Boubou Cisse. Fotografia: Annie Risemberg/AFP/Getty Images

Conflito e instabilidade

O conflito é o maior impulsionador da fome, sejam as depredações de jihadistas islâmicos no Mali, Nigéria e sul das Filipinas, as crassas rivalidades das potências regionais no Iêmen e na Líbia, ou uma guerra imperdoável em grande escala, como na Ucrânia.

A ONU estima que 60% dos famintos do mundo vivem em zonas de conflito. A Ucrânia mostrou novamente como a guerra, ao causar escassez de itens essenciais e tornar a vida normal insuportável, leva ao deslocamento interno, à dependência de ajuda, emergências de refugiados e migração em massa.

A guerra civil na Síria é um exemplo de advertência – embora existam muitos outros. Um país relativamente próspero foi reduzido por mais de uma década de conflito a algo próximo de um caso perdido. Cerca de 12,4 milhões de pessoas – 60% da população – sofrem de insegurança alimentar, número que mais que dobrou desde 2019.

A desastrosaguerra de escolha da Etiópia em Tigray, que foi invadida por tropas do governo em 2019, é outro caso de fome após loucura. A ONU estimou em janeiro que 2 milhões de pessoas sofriam de extrema falta de alimentos e dependiam de ajuda em uma província que antes era em grande parte autossuficiente.

Em contraste, o Sudão do Sul nunca foi totalmente capaz de se alimentar desde a independência em 2011. As rivalidades de origem étnica muitas vezes se combinam com a competição por terra e recursos alimentares com efeitos catastróficos.O farfalhar do gado é uma das principais fontes de violência, enquanto a seca é outro grande fator.

Mesmo quando um país em dificuldades está no centro das atenções internacionais – raramente é o caso do Sudão do Sul – e a guerra supostamente acabou, suas fortunas não necessariamente melhoram. A situação de muitos afegãos parece ter ido de mal a pior depois que a ocupação de 20 anos pelas forças dos EUA e da Otan terminou no ano passado e o Talibã assumiu o poder.

Os bilhões de dólares de ajuda investidos no país desde 2001 agora não contam para nada. A Save the Children disse este mês que 9,6 milhões de crianças afegãs estão passando fome devido ao aprofundamento dos problemas econômicos, à Ucrânia e à seca em curso. É a pior crise de fome já registrada no país, disse a instituição de caridade.

Crise climática e fome

Não é mais controverso afirmar que colheitas destruídas, meios de subsistência perdidos e comunidades empobrecidas – microingredientes-chave de emergências de fome em massa – estão intimamente ligados e afetados por mudanças climáticas e eventos climáticos extremos. Mas ainda é difícil encontrar uma ação internacional concertada e efetiva ou pressão pública para mudar a dinâmica.

Os países do Chifre da África, como a Somália, por exemplo, estão passando pela pior seca em 40 anos em meio a altas temperaturas sem precedentes. Como arevista Foreign Policyrelatou recentemente, quando as chuvas chegaram, elas foram extremas e de curta duração, causando inundações e criando enxames de gafanhotos.

Um agricultor indiano carrega trigo nos arredores de Jammu, Índia

Mas quando a instituição de caridade Christian Aid encomendou uma pesquisana região do Chifre da África para descobrir o que o público britânico achava que deveria ser feito, apenas 23% dos entrevistados sabiam que havia um problema. Em contraste, 91% estavam cientes da guerra de Putin.

A Índia demonstrou recentemente a falta de um pensamento internacional conjunto sobre clima, fome e guerra. Uma onda de calor recorde no noroeste da Índia prejudicou as colheitas deste ano. Isso levou o governo a suspender as exportações de trigo este mês. Os mercados globais dependiam da Índia, o segundo maior produtor mundial, para compensar o déficit na Ucrânia. Em vez de ajudar, o governo de Narendra Modi fez o contrário.

As ligações críticas entre as crises gêmeas do clima e da fome são amplamente reconhecidas por governos e analistas, mas agir para efetuar mudanças reais está se mostrando mais difícil, como sugerem os resultados nada estelares da cúpula da Cop26 do ano passado em Glasgow.

Enquanto isso, o Banco Mundial está investindo dinheiro no problema– na última contagem, US$ 30 bilhões para ajudar países de baixa renda envolvidos em crises climáticas e alimentares.

Comida e política

Quando a história da guerra na Ucrânia for escrita, a ação imprudente da Rússia em armar alimentos e interromper deliberadamente o abastecimento global, arriscando assim a vida de incontáveis ​​milhões, pode ser considerada um crime maior do que até mesmo seu ataque não provocado ao seu vizinho.

O papel da Rússia como exportador chave de grãos e energia provavelmente sobreviverá ao atual regime em Moscou. Mas sua posição e influência globais são diminuídas, provavelmente permanentemente.

Isso se deve em grande parte ao fracasso pessoal de Putin em reconhecer, ou aceitar, que a era do excepcionalismo soviético acabou – e que a Rússia, como outros países, habita um mundo de regras, direitos e leis recentemente interconectados, interdependentes e mutuamente responsáveis.

votação da Assembleia Geral da ONUem março, condenando esmagadoramente como ilegal a invasão da Ucrânia pela Rússia, reuniu muitos países em desenvolvimento antes amigos de Moscou chocados com o desrespeito de Putin pela soberania e fronteiras nacionais – e sua aparente indiferença ao bem-estar das nações mais pobres dependentes de alimentos e importação de combustível. Foi um momento divisor de águas.

A recusa da China em condenar a invasão e seu fracasso em mostrar liderança internacional no enfrentamento da resultante crise global de fome e abastecimento também pode prejudicar significativamente sua reputação e, com isso, suas esperanças de hegemonia. O contraste apresentado pelos EUA é impressionante.

Falando à ONU na semana passada, Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, disse que o mundo enfrenta “a maior crise global de segurança alimentar do nosso tempo”.Blinken anunciou mais US$ 215 milhões em assistência alimentar de emergência global, além dos US$ 2,3 bilhões já doados pelos EUA desde o início da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro.

Se o iminente “apocalipse” global revelado ao parlamento por Andrew Bailey realmente se materializar neste inverno, será para os EUA, o Reino Unido, seus aliados e o sistema da ONU muito maltratado, não a China, a autodesignada superpotência do século XXI. que o mundo deve procurar a salvação terrena. O desafio à frente é verdadeiramente bíblico.


compass black

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Enquanto Elon Musk estava com Jair Bolsonaro, ações da Tesla afundavam no mercado de ações, colocando em risco compra do Twitter

musk bolso

Elon Musk e Jair Bolsonaro se encontraram nesta sexta-feira (20). Reprodução/YouTube – 20.05.2022

A estrepitosa visita do multibilionário Elon Musk ao Brasil, onde veio anunciar um monitoramento da Amazônia por seus satélites (coisa que é desnecessária dado que isto já é feito pelos pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), aconteceu em um momento em que as ações da sua principal empresa, a fabricante de carros elétricos Tesla, derretiam no mercado de ações dos EUA (ver imagem abaixo).

musk

Como noticiou o jornal “The Washington Post“,  a perda de valor das ações da Tesla representam mais do que um rápido encolhimento da fortuna de Musk (que não é tão rápido assim, pois a fortuna pessoal do dono da Tela já encolheu US$ 47 bilhões desde o anúncio da compra do Twitter).  Esse encolhimento da fortuna de Musk é causado pelo fato de que desde a compra do Twitter foi anunciada, as ações da Tesla já caíram robustos 35%, sem que haja uma indicação de que a queda foi cessada. 

O grande problema é que Musk está financiando a aquisição do Twitter, em parte, com compromissos financeiros baseados em suas ações da Tesla. Se o preço das ações cair muito ou ele for forçado a abrir mão do capital, isso pode atrapalhar seu plano de financiamento para comprar o Twitter.   

O imbróglio envolvendo a situação da compra do Twitter e o derretimento do preço das ações da Tesla é tão preocupante que o último relatório anual da empresa alertou para as possíveis consequências dos empréstimos pessoais de Musk em suas ações.  Segundo a matéria do “The Washington Post”, o relatório afirma que “não somos parte desses empréstimos. … se o preço de nossas ações ordinárias caísse substancialmente, Musk pode ser forçado por uma ou mais instituições bancárias a vender ações ordinárias da Tesla para cumprir suas obrigações de empréstimo”, segundo o documento. “Qualquer venda desse tipo pode fazer com que o preço de nossas ações ordinárias caia ainda mais.

Essa situação envolvendo as práticas arriscadas de Elon Musk, que age mais como mega especulador do que como efetivamente empresário, deixam claro que as razões de sua vinda ao Brasil podem ser apenas uma mera distração de problemas bastante reais.  Enquanto isso, o presidente Jair Bolsonaro fica posando de importante e tentando parecer que do mato de Musk sai coelho.

O pior é que a imensa maioria da mídia corporativa brasileira, inclusive a especializada em mercados globais, não consegue sequer ler, como eu fiz, o que os jornais dos EUA estão dizendo em relação à situação apertada em que Musk se colocou ao anunciar uma compra forçada do Twitter. Típico viralatismo que reflete bem como se comporta não apenas o governo Bolsonaro, mas também as elites que controlam os principais grupos de mídia no Brasil.

Para fazer valer os direitos dos professores da Uenf, Aduenf lança campanha “Nenhum direito a menos”

nenhum direito a menos

Com uma atividade de colação de cartazes em todo o campus Leonel Brizola em Campos dos Goytacazes, a Associação dos Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Aduenf) lançou hoje a campanha “Nenhum direito a menos” cujo objetivo central é mobilizar os professores da instituição a lutarem por uma série de direitos trabalhistas que não estão sendo pagos, ocasionando graves perdas financeiras aos atingidos por uma ampla gama de descumprimentos da legislação trabalhista.

Segundo uma postagem feita na página oficial da Aduenf na rede social Facebook, os problemas envolvendo o não pagamento de direitos devidos aos professores da Uenf são os seguintes:

✔️ Não realização de perícias na UENF para concessão dos adicionais de insalubridade;
✔️ Falta de pagamento dos auxílios educação, saúde e alimentação;
✔️ Falta de pagamento correto do terço constitucional e concessão de 45 dias de férias;

✔️ Não pagamento dos enquadramentos funcionais e progressões já publicados.

Além disso, a campanha “Nenhum direito a menos” também busca garantir a aprovação imediata do novo Plano de Cargos e Vencimentos (PCV) que está paralisado na Casa Civil do governador Claúdio Castro, bem o estabelecimento de prioridade para o pagamento dos direitos  congelados na execução do orçamento da Uenf.

Mas uma coisa é certa: a situação de aparente letargia que reinava no campus Leonel Brizola por causa do isolamento social imposto pela pandemia da COVID-19 começa acabar com essa movimentação da diretoria da Aduenf. Como testemunha ocular do cotidiano da Uenf, posso adiantar que o descontentamento com a óbvia apatia (ou seria desinteresse?) da reitoria  de fazer cumprir direitos garantidos em lei é muito grande entre os professores.

O Blog do Pedlowski irá acompanhar de perto a mobilização da Aduenf e irei divulgar tudo o que ocorrer a partir dela.

Anvisa: médico ou monstro?

A mesma mão que oferece vacina põe mais veneno em sua comida. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sofre de dupla personalidade: sua atuação digna de elogios nos piores momentos da pandemia encobre o seu lado assustador. Não fosse pela entidade, teriam morrido bem mais pessoas de Covid-19 no país; por outro lado, ela é corresponsável pela morte causada por agrotóxicos de um brasileiro a cada dois dias, segundo um relatório recém-publicado pela ONG Friends of the Earth Europe. E, de acordo com a pesquisadora Larissa Bombardi, professora do departamento de Geografia da USP, pela intoxicação de 50 bebês por ano no Brasil. É como na história do médico e o monstro.

A Anvisa “tem por finalidade institucional promover a proteção da saúde da população, por intermédio do controle sanitário da produção e consumo de produtos e serviços submetidos à vigilância sanitária”. Seguindo à risca o que diz seu estatuto, aprovou as vacinas que salvaram as vidas de milhares de brasileiros, contra recomendações do governo; ao mesmo tempo, tem cumprido ordens que vêm minando nossa saúde lentamente. Cabe à agência não só dar ou negar seu aval a medicamentos, como também a pesticidas. E nunca tantos agrotóxicos foram liberados no Brasil em tão pouco tempo.

Em 2021, 562 novas substâncias foram aprovadas, um recorde absoluto. Até 25 de fevereiro deste ano, quando o atual governo completou 1.158 dias, este número chegou a 1.629 – o que dá uma a incrível média de 1,4 por dia. E a nossa saúde tem se deteriorado com a mesma rapidez. “Os números me chocaram, pois só aumentaram. Pela média, são 15 pessoas intoxicadas por ano. No antigo levantamento, eram 10. Entre os bebês de 0 a 1 ano, a média de intoxicações passou de 43 para 50. Essa alta tem se mantido para todos os recortes que tenho feito”, diz Larissa Bombardi, que ora prepara a versão atualizada do “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia”.

A cientista publicou o primeiro relatório em 2017. Nele, constavam dados de 2007 a 2014, compilados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde. A atualização traz dados de 2010 a 2019. Notificações de intoxicação desse tipo são obrigatórias no Brasil desde 2011; mas como isso nem sempre acontece, é razoável supor que os números devem ser ainda mais assustadores. O texto foi publicado em 2020 na Europa, onde causou escândalo – uma grande rede escandinava de supermercados chegou a boicotar produtos brasileiros. Larissa foi ameaçada e teve que deixar o país.

O lado monstro da Anvisa gosta de vida mansa – e isso o torna ainda mais perigoso. Há quase três anos não sabemos o risco que corremos quando nos sentamos à mesa. O Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos foi criado em 2011. A última vez que um resultado veio à luz, foi em 2019, com análises de amostras recolhidas em 2017 e 2018. Ou seja, desde que começou o atual governo, o recordista em lançamento de pesticidas, não temos a menor ideia da quantidade de veneno que estamos ingerindo. Melhor dizendo, temos uma leve noção: 42% das goiabas, 39% das cenouras, 35% dos tomates e oito a cada dez pimentões analisados na safra 2017-2018 estavam contaminados.

A agência também está empurrando com a barriga a decisão de proibir o uso do carbendazim no país. O agrotóxico foi banido dos Estados Unidos e da Europa; suspeita-se que leve à malformação de fetos e cause câncer. Em 2015, a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer já alertava para os perigos do glifosato, da diazinona e da malationa, usados como água por aqui. O Instituto Nacional de Câncer calcula 625 mil novos casos da doença por ano entre 2020 e 2022 – contra 600 mil em 2018 e 2019. Segundo a Organização Internacional do Trabalho, os agrotóxicos são responsáveis por 70 mil mortes por ano no mundo; e 20% das vítimas no Brasil são crianças e jovens de até 19 anos.

Hoje, o país responde por 20% do mercado mundial de agrotóxicos, com US$ 10 bilhões por ano. Caso a sociedade não reaja, a tendência é piorar. O médico/monstro ainda pode ser obrigado a lavar as mãos. O Projeto de Lei 6.299/2002, mais conhecido como PL do Veneno, que ora tramita ameaçadoramente no Congresso, não só flexibiliza ainda mais as regras de aprovação e comercialização de agrotóxicos: também transfere essa atribuição da Anvisa para o Ministério da Agricultura. Em nome de quê?

Existem opções, não se deixe enganar. Não podemos ser obrigados a escolher entre morrer de fome ou de câncer por causa da ganância alheia. Vamos deixar claro nas urnas que queremos uma vida longa, próspera e saudável para nós e para as próximas gerações.


compass black

Este texto foi inicialmente publicado pelo site “Uma gota no oceano” [Aqui!].