O que se sabe sobre a derrubada de páginas ligadas a bolsonaristas no Facebook

O Facebook tirou do ar na tarde desta quarta-feira (08) uma rede de perfis, páginas e grupos ligados a partidários do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo a empresa, a rede estaria sendo usada para espalhar conteúdo falso.

bolsos 0

A atividade (da rede) incluiu a criação de pessoas fictícias fingindo ser repórteres, publicação de conteúdo e gerenciamento de Páginas fingindo ser veículos de notícias’, comunicou o Facebook sobre retirada de páginas. DADO RUVIC/REUTERS 

O Facebook tirou do ar na tarde desta quarta-feira (08) uma rede de perfis, páginas e grupos ligados a partidários do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo a empresa, a rede estaria sendo usada para espalhar conteúdo falso.

Entre os operadores da rede estariam servidores dos gabinetes dos filhos do presidente: o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). O assessor especial da Presidência da República, Tércio Arnaud, também estaria ligado a algumas das páginas removidas.

Em comunicado, a empresa disse que foram removidos 35 perfis, 14 páginas e um grupo no Facebook. Também foram removidas 38 contas no Instagram, outra rede social pertencente ao grupo. Segundo o Facebook, a rede de páginas usava uma “combinação de contas duplicadas e contas falsas” para burlar as regras de uso da empresa.

“A atividade (da rede) incluiu a criação de pessoas fictícias fingindo ser repórteres, publicação de conteúdo e gerenciamento de páginas fingindo ser veículos de notícias. Os conteúdos publicados eram sobre notícias e eventos locais, incluindo política e eleições, memes políticos, críticas à oposição política, organizações de mídia e jornalistas, e mais recentemente sobre a pandemia do coronavírus”, diz o comunicado do Facebook.

A empresa também disse que os responsáveis estavam ligados ao Partido Social Liberal (PSL), antigo partido de Jair Bolsonaro; e também a funcionários dos gabinetes dos deputados estaduais fluminenses Anderson Moraes (PSL) e Alana Passos (PSL), além de Eduardo, Flávio e do presidente da República.

Segundo a rede social americana, as páginas derrubadas eram seguidas por 883 mil pessoas no Facebook, e por 917 mil no Instagram. Cerca de US$ 1,5 mil (R$ 8 mil) foram gastos para promover as páginas que integravam a rede de desinformação.

Em nota, Flávio Bolsonaro disse que os perfis são “livres e independentes”, fruto do apoio espontâneo ao governo. “O governo Bolsonaro foi eleito com forte apoio popular nas ruas e nas redes sociais e, por isso, é possível encontrar milhares de perfis de apoio. Até onde se sabe, todos eles são livres e independentes”, disse o senador.

“Pelo relatório do Facebook, é impossível avaliar que tipo de perfil foi banido e se a plataforma ultrapassou ou não os limites da censura”, diz o texto. “Julgamentos que não permitem o contraditório e a ampla defesa não condizem com a nossa democracia, são armas que podem destruir reputações e vidas”, prossegue a nota de Flávio Bolsonaro.

O PSL também publicou nota. A agremiação disse que as contas suspensas nada tinham a ver com a sigla. Estavam relacionadas a assessores de deputados do partido, sendo de responsabilidade individual dos parlamentares. Os políticos “na prática, já se afastaram do PSL há alguns meses com a intenção de criar um outro partido”, disse a legenda.

A BBC News Brasil também procurou a Secretaria de Comunicação da Presidência da República e o gabinete de Eduardo Bolsonaro, e atualizará a reportagem se houver resposta.

BOLSOS 1Entre os operadores de rede de conteúdo falso estavam servidores dos gabinetes de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP; na foto, à esquerda) e Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). REUTERS/ADRIANO MACHADO

Luiza Bandeira é pesquisadora do Atlantic Council, um centro de estudos que mantém parcerias com o Facebook e que foi em parte responsável pela investigação. Ela disse ter encontrado ligações das páginas derrubadas com assessores de Jair Bolsonaro e seus filhos, via Tércio Arnaud, assessor do presidente e, segundo ela, ex-assessor de outro filho dele, Carlos Bolsonaro.

Ela diz ter encontrado conexões da rede de perfis derrubados com os deputados estaduais do PSL no Rio.

“A ligação que eu estabeleci (das páginas) foi com o Jair (Bolsonaro), pelo Tércio Arnaud, que é um assessor dele (…). Tércio foi assessor, antes, do Carlos Bolsonaro. O Eduardo Bolsonaro tem um assessor ligado a rede também, o Paulo Chuchu, de São Bernardo do Campo”, diz ela.

“A Alana Passos costumava empregar o (militante) Leonardo Bolsonéas, cuja conta também foi retirada. Ele era assessor dela até pouco tempo. E o Anderson Moraes empregava no gabinete dele a namorada do Leonardo Bolsonéas, a Vanessa Navarro”, diz Bandeira.

A BBC News Brasil está tentando contato com os deputados estaduais e atualizará esta reportagem quando eles responderem,

Os dados usados na pesquisa são públicos, diz Bandeira. Só o próprio Facebook tem acesso ao código-fonte da rede social. “A gente trabalha com open source, com dados abertos. Olhamos os registros dessas contas. Então no caso do Tércio Arnaud (…), a página de Instagram chamada ‘Bolsonaro News’ estava registrada em nome dele. Estava registrada com (a conta de) e-mail do Gmail dele. Então, está claramente vinculada a ele”, diz.

Tércio Arnaud se aproximou de Jair Bolsonaro ainda durante a campanha eleitoral de 2018, e trabalha no Palácio do Planalto desde o começo do governo. Hoje, ocupa o cargo de assessor especial da Presidência da República e despacha no 3º Andar do Palácio do Planalto.

“No caso do Bolsonéas, ele é aberto sobre a conta ser dele. Mas, por exemplo, essa rede usava pelo menos duas páginas que diziam que eram jornais e eram, na verdade, sites superpartidários. Uma delas, chamada Jogo Político, foi registrado pelo Leonardo Rodrigues, o Leonardo Bolsonéas”, explica ela.

Redes derrubadas em outros países

No comunicado da tarde desta quarta, o Facebook também disse ter retirado do ar outras três redes de desinformação em outros países.

Foram removidas, por exemplo, 72 contas e 35 páginas de Facebook na Ucrânia, voltadas para a política local. Outras 13 páginas de Instagram daquele país também foram tiradas do ar. A rede, diz o Facebook, foi particularmente ativa durante as eleições ucranianas de 2019.

Uma das maiores derrubadas de páginas aconteceu na terra natal do Facebook, os Estados Unidos. Foram 54 perfis e 50 páginas de Facebook derrubadas, e mais 4 páginas do Instagram. No caso dos EUA, a rede parecia estar desativada: foi usada principalmente no período de 2015 e 2016. A rede costumava publicar conteúdos sobre o operador político republicano Roger Stone.

Na América Latina, a “limpa” do Facebook encontrou páginas gerenciadas no exterior cujo alvo parecia ser influenciar a política interna de países do subcontinente.

Foram retirados 41 perfis e 77 páginas de Facebook, e 56 contas de Instagram. A rede era gerenciada a partir do Canadá e do Equador, mas tinha como alvo países como El Salvador, Argentina, Uruguai, Venezuela, Equador e Chile.

fecho

Este artigo foi inicialmente publicado pela BBC News Brasil [Aqui!].

Abaixo-assinado pede saída de Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente

 

passa boiada

Um grupo de organizações ambientalistas lança hoje (8 de julho) um abaixo-assinado reforçando o pedido de afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, feito no início da semana pelo Ministério Público Federal. Na ação, o MPF pede o afastamento de Salles em caráter liminar (urgente) e sua condenação nas penas previstas pela lei de improbidade administrativa, que incluem não só a perda da função pública, mas também a suspensão dos direitos políticos, entre outros.

Promovido pelo ClimaInfo, Engajamundo, Greenpeace, Observatório do Clima e PimpMyCarroça, o abaixo-assinado é direcionado ao presidente Jair Bolsonaro e ao vice-presidente Hamilton Mourão, além do próprio Ministério Público Federal.

Nesta segunda, (6/8), o MPF entrou com ação de improbidade administrativa, acusando Salles de desestruturação intencional (dolosa) das estruturas de proteção ao meio ambiente. Para o MPF, Ricardo Salles promoveu a desestruturação de políticas ambientais e o esvaziamento de preceitos legais para favorecer interesses que não têm qualquer relação com a finalidade da pasta que ocupa.

Para embasamento da ação judicial, o MPF listou os atos, medidas, omissões e declarações de Ricardo Salles que inviabilizaram a proteção ambiental, contribuindo para a alta do desmatamento e das queimadas, especialmente na Amazônia, perdeu 318 mil quilômetros quadrados apenas nas queimadas de 2019. Os sucessivos recordes históricos de desmatamento desde que Salles assumiu o ministério também foram citados, bem como a queda nas multas (o menor número de multas por crimes ambientais em 20 anos foi registrado em 2019), além da paralisação do Fundo Amazônia.

A ação tramita na 8ª Vara de Justiça federal, sob o número 1037665-52.2020.4.01.3400. Sua íntegra pode ser consultada aqui .

Alemanha, Espanha e Japão anunciam fechamento de usinas de carvão

Na contramão, Brasil tem dado sinais de que pretende fortalecer setor poluente e dependente de subsídios

coal plantsVapor de água sobe das torres de resfriamento da usina de Joenschwalde da Lausitz Energie Bergbau AG em Brandemburgo, Alemanha (Patrick Pleul / AP) Por ERIK KIRSCHBAUM

Esta semana, três das maiores economias do mundo anunciaram medidas para a desativação de suas usinas de carvão — Alemanha, Espanha e Japão. Ao mesmo tempo, o ministro de Minas e Energia do Brasil (MME), Almirante Bento Albuquerque, defende uma reativação da indústria carbonífera no país e incluiu a modalidade nos leilões A-4 e A-5 que deveriam ter ocorrido este ano, mas que foram postergados devido à pandemia de COVID-19.

Termelétricas a carvão são a fonte de energia mais poluente e ineficiente do mundo, e boa parte das nações desenvolvidas abandonou ou tem planos de encerrar essa modalidade. Esse movimento é impulsionado tanto pelo Acordo de Paris, que determina que cada país reduza suas emissões nacionais de gases causadores do efeito estufa, como para preservar a saúde das comunidades onde essas plantas estão instaladas.

Caso raro entre as maiores economias do mundo, a matriz elétrica do Brasil é predominantemente renovável — 63,2% hidrelétrica, 9,1% eólica e 1,7 solar. Completam a geração de energia as usinas nucleares (1,2%) e as termelétricas (24,9%), sendo que destas, 12% são movidas a carvão. Todas as plantas a carvão estão nos estado do sul do país, e desde 1973 dependem de subsídios federais — que em valores atualizados chegam a R$ 1 bilhão por ano. O Plano Decenal de Expansão da Energia brasileiro, o PDE 2029, prevê a desativação de térmicas a carvão por razões técnicas, econômicas e contratuais.

Apesar da baixa eficiência e dos problemas ambientais, sua eliminação vem sendo adiada por lobbies políticos. Com o incentivo do governo de Jair Bolsonaro, a bancada do carvão foi ressuscitada, com a criação em 2019 da Frente Parlamentar Mista em Apoio do Carvão Mineral, que reivindica, entre outras coisas, a remoção do veto do BNDES para financiamentos de usinas a carvão. O discurso das autoridades brasileiras sobre o assunto contrasta com o cenário global para o setor.

Transição justa na Espanha

Em 30 de junho, 7 das 15 centrais elétricas a carvão da Espanha, representando 5 GW de capacidade de geração, pararam de funcionar. Ao longo de 2020-2021, mais 4 usinas de carvão representando outros 3,7 GW se juntarão a elas. Em apenas alguns anos, a frota de carvão da Espanha passará de 15 usinas para apenas 3 – uma transformação rápida e sem precedentes que já reduziu pela metade a intensidade de carbono da eletricidade espanhola.

Entre as soluções adotadas está um acordo entre governo, empresas de eletricidade e sindicatos para proteger os funcionários afetados pelos desligamentos. O país criou o Instituto Just Transition, dedicado a apoiar a reconversão de regiões de carvão e a catalisar mudanças sociais e econômicas. Acordos de transição justa também foram conduzidos com ampla participação popular, reunindo propostas de atividades econômicas sustentáveis ​​alternativas nas comunidades afetadas. Desde 2018, cerca de 600 milhões de euros foram destinados a apoiar esses projetos.

Outra inovação foi a criação de um tipo de licitação que faz as concessionárias competirem para acessar a conexão de eletricidade usada pela usina de carvão desativada. Ganha quem apresentar a maior quantidade de energia renovável nova. As decisões de acesso também levam em conta impactos sociais, ambientais e de emprego.

Os novos projetos de energia renovável estão impulsionando o crescimento econômico, algo bem vindo para o país que foi uma das economias mais afetadas pela crise de COVID-19. A transição justa do carvão levou ao rápido desenvolvimento de energia renovável no país, tornando a Espanha o maior mercado de energia solar fotovoltaica da Europa. A meta de atingir uma participação renovável de 74% no sistema elétrico até 2030 — acima dos atuais 46% — tem potencial para gerar 300.000 empregos.

“A energia renovável multiplicará por várias vezes o número de empregos perdidos em usinas de carvão”, afirma Laura Martin Murillo, diretora do Instituto Just Transition da Espanha. “O Ministério da Transição Ecológica está fazendo esforços sem precedentes para garantir que ninguém seja deixado para trás quando o carvão for finalmente parado na Espanha.”

“Queremos novos projetos renováveis ​​construídos nessas regiões para que as comunidades que ajudaram a criar a prosperidade de hoje por meio de sua contribuição ao sistema de energia também possam fazer parte do futuro da eletricidade”, afirma Teresa Ribera, Vice-Presidente da Espanha e Ministra da Transição Ecológica.

Saída cara e tardia na Alemanha

O Parlamento alemão aprovou no dia 3 de julho uma lei que rege a eliminação progressiva do carvão no país. A legislação determina que todas as usinas desse tipo devem ser encerradas até 2038, mas analistas avaliam que o rápido declínio da lucratividade do carvão obrigará uma eliminação muito mais cedo. A lei prevê um pacote de 40 bilhões de euros para a transição econômica das regiões carvoeiras.

Embora a decisão do maior consumidor de carvão da Europa seja significativa, ambientalistas alemães ficaram insatisfeitos porque a data para eliminação total não atende aos compromissos assumidos no Acordo de Paris. Outra polêmica está nos contratos entre o governo e as empresas de carvão, que acarretam pagamentos elevados de compensação e que não seriam justificáveis ​​dada a má situação econômica das usinas.

Por isso, ambientalistas têm questionado se a transição cara e tardia do setor elétrico da Alemanha está alinhada com os requisitos da Aliança pela Energia do Carvão no Passado (Powering Past Coal Alliance, PPCA), da qual o país é membro. A Aliança é considerada como um “tratado de não proliferação” de combustíveis fósseis, com 104 países signatários, boa parte deles da União Europeia.

Meio passo à frente no Japão

O Japão fechará usinas de carvão ineficientes no país até 2030. É a primeira vez que o Ministério da Economia, Comércio e Indústria (METI) japonês apresenta um cronograma com metas claras para direcionar a eliminação gradual dessas unidades. Serão encerradas 100 das 140 usinas a carvão do país — todas pouco eficientes e financeiramente deficitárias. Restarão outras 10 usinas de baixo rendimento, que passarão por um processo de otimização.

O anúncio foi considerado por especialistas como um “meio passo à frente”, já que não se trata de um plano de zerar esse tipo de geração elétrica no país. Com isso, mais de 30 GW de energia de carvão permanecerão em operação mesmo depois de 2030, o que não está alinhado com as metas do Acordo de Paris.

“Para cumprir a meta de 1,5 – 2℃ do Acordo de Paris, países desenvolvidos como o Japão devem eliminar progressivamente todas as usinas a carvão até 2030, incluindo as usinas em construção ou planejadas, independentemente de sua eficiência”, avalia Mie Asaoka, presidente da Kiko Network, uma ONG dedicada à implementação prática do Protocolo de Kyoto no Japão.

“O Japão deve instituir uma política de retirada total da energia a carvão e tornar-se membro da Aliança pela Energia do Carvão no Passado [Powering Past Coal Alliance, PPCA]”, afirma Kimiko Hirata, diretora internacional da Kiko Network.

100 anos de Florestan Fernandes tem ciclo de seminários na USP

florestan

No dia 22 de julho, completa-se 100 anos do nascimento de Florestan Fernandes (1920-1995), sociólogo e professor emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. Para marcar a data, será realizado um Ciclo de Seminários sobre a trajetória e o legado de Florestan, às quartas-feiras, em quatro mesas de debate, do dia 8 ao 29 de julho.

Abertura 08/07, 17h: Maria Arminda do Nascimento Arruda (USP), Rafael Valim (Editora Contracorrente), Florestan Fernandes Jr.

Mesa 1 – 08/07, 17h30: A sociologia de Florestan Fernandes: Elide Rugai (Unicamp), Maria Arminda do Nascimento Arruda (USP), Alejandro Blanco (Universidade Nacional de Quilmes ? Argentina)

Mesa 2 – 15/07, 17h30: Ciência e Política em Florestan Fernandes: Silvio Almeida (Universidade Mackenzie), Lincoln Secco (USP), Eliane Veras (UFPE).

Mesa 3 – 22/07, 17h30: A revolução burguesa no Brasil, ontem e hoje: Gabriel Cohn (USP), Brasílio Sallum (USP), Antonio Brasil (UFRJ).

Mesa 4 – 29/07, 17h30: Da integração do negro na sociedade de classes à revolução burguesa no Brasil: Lilia Schwarcz (USP), Jessé Souza (UFABC), Mário Medeiros (Unicamp).

Transmissão ao vivo pelo canal da FFLCH no YouTube [Aqui!]. 

“Ciência do desespero” retarda a busca por drogas contra o coronavírus

ap imageDoris Kelly, 57 anos, senta-se em sua casa na segunda-feira, 29 de junho de 2020 em Ruffs Dale, Pensilvânia. Kelly foi um dos primeiros pacientes em um estudo do COVID-19 na Universidade de Pittsburgh Medical Center. “Parecia que alguém estava sentado no meu peito e eu não conseguia respirar”, disse Kelley sobre a doença. (Foto AP / Justin Merriman)

Marilynn Marchione para a Associated Press

Desesperado para resolver o dilema mortal da COVID-19, o mundo clama por respostas rápidas e soluções de um sistema de pesquisa não construído para a pressa.

O resultado irônico, e talvez trágico: os atalhos científicos diminuíram a compreensão da doença e atrasaram a capacidade de descobrir quais medicamentos ajudam, prejudicam ou não têm efeito algum.

À medida que as mortes pelo coronavírus aumentavam incessantemente nas centenas de milhares, dezenas de milhares de médicos e pacientes corriam para usar drogas antes que pudessem se provar seguros ou eficazes. Uma série de estudos de baixa qualidade obscureceu ainda mais o cenário.

“As pessoas tinham uma epidemia na frente delas e não estavam preparadas para esperar”, disse o Dr. Derek Angus, chefe de tratamento intensivo do Centro Médico da Universidade de Pittsburgh. “Nós fizemos a pesquisa clínica tradicional parecer tão lenta e complicada”.

Não foi até meados de junho – quase seis meses depois – quando surgiram as primeiras evidências de que um medicamento poderia melhorar a sobrevivência. Pesquisadores no Reino Unido conseguiram inscrever um em cada seis pacientes hospitalizados com COVID-19 em um grande estudo que descobriu que um esteróide barato chamado dexametasona ajuda e que um medicamento contra a malária amplamente usado não ajuda. O estudo mudou a prática da noite para o dia, apesar de os resultados não terem sido publicados ou revisados ​​por outros cientistas.

Nos Estados Unidos, um estudo menor, porém rigoroso , descobriu que um medicamento diferente pode reduzir o tempo de recuperação de pacientes gravemente enfermos, mas muitas questões permanecem sobre seu melhor uso.

Os médicos ainda estão buscando freneticamente qualquer outra coisa que possa combater as várias maneiras pelas quais o vírus pode causar danos, experimentando medicamentos para derrame, azia, coágulos sanguíneos, gota, depressão, inflamação, AIDS, hepatite, câncer, artrite e até células-tronco e radiação .

“Todo mundo tem buscado algo que possa funcionar. E não é assim que você desenvolve boas práticas médicas ”, disse Steven Nissen, pesquisador da Cleveland Clinic e consultor frequente da Food and Drug Administration dos EUA. “O desespero não é uma estratégia. Bons ensaios clínicos representam uma estratégia sólida. ”

Poucos estudos definitivos foram realizados nos EUA, com alguns prejudicados por pessoas que consomem drogas por conta própria ou métodos relaxados de empresas farmacêuticas que patrocinam o trabalho.

E a política ampliou o problema. Dezenas de milhares de pessoas experimentaram um remédio contra a malária depois que o presidente Donald Trump o promoveu implacavelmente, dizendo: “O que você tem a perder?” Enquanto isso, o principal especialista em doenças infecciosas do país, Dr. Anthony Fauci, alertou “eu gosto de provar as coisas primeiro”. Por três meses, estudos fracos polarizaram as vistas da hidroxicloroquina até que várias mais confiáveis ​​a consideraram ineficaz.

“O problema com o ‘remédio para pistoleiros’ ou o remédio praticado onde há um palpite é que levou a sociedade como um todo a se atrasar em aprender coisas”, disse o Dr. Otis Brawley, da Universidade Johns Hopkins. “Não temos boas evidências porque não apreciamos e respeitamos a ciência.”

Ele observou que, se os estudos tivessem sido realizados corretamente em janeiro e fevereiro, os cientistas já sabiam até março se muitos desses medicamentos funcionassem.

Até pesquisadores que valorizam a ciência estão adotando atalhos e regras de flexão para tentar obter respostas mais rapidamente. E os jornais estão correndo para publicar resultados, às vezes pagando um preço pela sua pressa com retratações.

A pesquisa ainda é caótica – mais de 2.000 estudos estão testando tratamentos com COVID-19, da azitromicina ao zinco. O volume pode não surpreender diante de uma pandemia e de um novo vírus, mas alguns especialistas dizem que é preocupante o fato de muitos estudos serem duplicados e carecerem do rigor científico para resultar em respostas claras.

“Tudo sobre isso parece muito estranho”, disse Angus, que lidera um estudo inovador usando inteligência artificial para ajudar a escolher tratamentos. “Tudo está sendo feito no horário da COVID. É como esse novo relógio estranho em que estamos correndo.

Aqui está uma olhada em alguns dos principais exemplos de “ciência do desespero” em andamento.

Uma droga contra a malária se torna viral

Para os cientistas, foi uma receita para o desastre: em uma crise médica sem tratamento conhecido e uma população em pânico, uma figura pública influente empurra uma droga com efeitos colaterais potencialmente graves, citando depoimentos e um relatório rapidamente desacreditado de seu uso em 20 pacientes.

Trump divulgou a hidroxicloroquina em dezenas de apresentações a partir de meados de março. A Administração de Alimentos e Medicamentos permitiu seu uso emergencial, apesar de estudos não terem demonstrado segurança ou eficácia para pacientes com coronavírus, e o governo adquiriu dezenas de milhões de doses.

Trump pediu pela primeira vez que tome azitromicina, um antibiótico que, como a hidroxicloroquina, pode causar problemas no ritmo cardíaco. Depois das críticas, ele se limitou a dar conselhos médicos, pedindo “Você deve adicionar zinco agora, eu quero jogar isso lá fora”. Em maio, ele disse que estava tomando os remédios para prevenir a infecção depois que um assessor deu positivo.

Muitas pessoas seguiram seu conselho.

Rais Vohra, diretor médico de um centro de controle de venenos da Califórnia, contou sobre um paciente de 52 anos de idade, COVID-19, que desenvolveu um batimento cardíaco irregular após três dias em hidroxicloroquina – do medicamento, não do vírus.

“Parece que a cura foi mais perigosa do que os efeitos da doença”, disse Vohra.

Estudos sugeriram que a droga não estava ajudando, mas eram fracos. E o mais influente , publicado na revista Lancet, foi retirado depois que grandes preocupações surgiram sobre os dados.

Almejando melhores informações, um médico da Universidade de Minnesota que havia sido recusado por financiamento federal gastou US $ 5.000 do seu próprio dinheiro para comprar hidroxicloroquina para um teste rigoroso usando pílulas placebo como comparação. No início de junho, os resultados do Dr. David Boulware mostraram que a hidroxicloroquina não impediu o COVID-19 em pessoas intimamente expostas a alguém com ele.

Um estudo do Reino Unido considerou o medicamento ineficaz para o tratamento, assim como outros estudos dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA e da Organização Mundial de Saúde.

O colega de Boulware, Dr. Rahda Rajasingham, pretendia matricular 3.000 profissionais de saúde em um estudo para verificar se a hidroxicloroquina poderia prevenir infecções, mas recentemente decidiu parar às 1.500.

Quando o estudo começou, “havia a crença de que a hidroxicloroquina era essa droga maravilhosa”, disse Rajasingham. Mais de 1.200 pessoas se inscreveram em apenas duas semanas, mas isso diminuiu depois de alguns relatórios negativos.

“A conversa nacional sobre este medicamento mudou de todo mundo quer esse medicamento … para ninguém quer nada com ele”, disse ela. “Isso meio que se tornou político, onde as pessoas que apoiam o presidente são pró-hidroxicloroquina”.

Os pesquisadores só querem saber se funciona.

Aprenda como a coisa vai

Em Pittsburgh, Angus está buscando algo entre a abordagem “just try it” de Trump e Fauci “faça o estudo ideal”.

Em uma pandemia, “deve haver um caminho do meio, de outra maneira”, disse Angus. “Não temos o luxo do tempo. Nós devemos tentar aprender enquanto fazemos. ”

Os 40 hospitais do Centro Médico da Universidade de Pittsburgh na Pensilvânia, Nova York, Maryland e Ohio ingressaram em um estudo em andamento no Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia que atribui aleatoriamente pacientes a um dos vários tratamentos possíveis e usa inteligência artificial para adaptar os tratamentos, nos resultados. Se um medicamento parece um vencedor, o computador designa mais pessoas para obtê-lo. Os perdedores são rapidamente abandonados.

O sistema “aprende rapidamente, então nossos médicos estão sempre apostando no cavalo vencedor”, disse Angus.

Um pequeno número de pacientes que recebem os cuidados habituais serve como um grupo de comparação para todos os tratamentos sendo testados, para que mais participantes acabem tentando experimentar alguma coisa.

Mark Shannon, um caixa bancário aposentado de 61 anos de Pittsburgh, foi o primeiro a entrar.

“Eu sabia que não havia cura conhecida. Eu sabia que eles estavam aprendendo à medida que avançavam em muitos casos. Eu apenas confio neles ”, ele disse.

Shannon, que passou 11 dias em uma máquina de respiração, recebeu o esteróide hidrocortisona e se recuperou.

Doris Kelley, professora de pré-escola de 57 anos em Ruffs Dale, sudeste de Pittsburgh, ingressou no estudo em abril.

“Parecia que alguém estava sentado no meu peito e eu não conseguia respirar”, disse Kelley sobre o COVID-19.

Ela tem asma e outros problemas de saúde e ficou feliz em deixar o computador escolher entre os muitos tratamentos possíveis. Ele a designou para receber hidroxicloroquina e ela voltou para casa alguns dias depois.

É muito cedo para saber se o medicamento de um paciente ajudou ou se ele teria se recuperado por conta própria.

O caminho turbulento para o Remdesivir 

Quando o novo coronavírus foi identificado, a atenção voltou-se rapidamente para o remdesivir, um medicamento experimental administrado por meio intravenoso que se mostrou promissor contra outros coronavírus no passado, restringindo sua capacidade de copiar seu material genético.

Médicos na China lançaram dois estudos comparando o remdesivir com o tratamento usual de pacientes hospitalizados graves e moderadamente doentes. O fabricante do medicamento, Gilead Sciences, também iniciou seus próprios estudos, mas eles eram fracos – um não tinha um grupo de comparação e, no outro, pacientes e médicos sabiam quem estava recebendo o medicamento, o que compromete qualquer julgamento sobre se ele funciona.

O NIH lançou o teste mais rigoroso, comparando o remdesivir aos tratamentos com placebo intravenoso. Enquanto esses estudos estavam em andamento, Gilead também distribuiu o medicamento caso a caso a milhares de pacientes.

Em abril, os pesquisadores chineses encerraram seus estudos mais cedo, dizendo que não podiam mais registrar pacientes suficientes porque o surto diminuiu lá. Em um podcast com um editor de periódico, Fauci deu outra explicação possível: muitos pacientes já acreditavam que o remdesivir funcionava e não estavam dispostos a ingressar em um estudo em que pudessem terminar em um grupo de comparação. Isso pode ter sido especialmente verdadeiro se eles pudessem obter o medicamento diretamente de Gileade.

No final de abril, Fauci revelou resultados preliminares do estudo NIH, mostrando que o remdesivir reduziu o tempo de recuperação em 31% – 11 dias em média, contra 15 dias para aqueles que receberam os cuidados usuais.

Alguns criticaram a divulgação desses resultados, em vez de continuar o estudo para ver se o medicamento poderia melhorar a sobrevivência e aprender mais sobre quando e como usá-lo, mas monitores independentes haviam aconselhado que não era mais ético continuar com um grupo de placebo assim que um benefício era aparente.

Até esse estudo, o único outro grande e rigoroso teste de tratamento com coronavírus era da China. Enquanto o país corria para construir hospitais de campanha para lidar com a crise médica, os médicos designaram aleatoriamente pacientes do COVID-19 para receber dois medicamentos antivirais usados para o tratamento do HIV ou os cuidados usuais e publicaram rapidamente os resultados no New England Journal of Medicine.

“Esses pesquisadores foram capazes de fazer isso em circunstâncias inacreditáveis”, disse o principal editor da revista, Dr. Eric Rubin, em um podcast. “Tem sido decepcionante que o ritmo da pesquisa tenha sido bastante lento desde então.”

Por que a ciência importa

Por não testar adequadamente os medicamentos antes de permitir o uso em larga escala, “repetidamente na história médica, as pessoas se machucam mais frequentemente do que ajudaram”, disse Brawley.

Durante décadas, a lidocaína foi usada rotineiramente para evitar problemas no ritmo cardíaco em pessoas suspeitas de ataques cardíacos até que um estudo em meados da década de 1980 mostrou que a droga realmente causou o problema que deveria prevenir, disse ele.

Alta Charo, advogado e bioeticista da Universidade de Wisconsin, lembrou o clamor dos anos 90 de conseguir que as seguradoras cobrissem transplantes de medula óssea para câncer de mama até que um estudo sólido demonstrasse que “simplesmente deixavam as pessoas mais miseráveis ​​e doentes” sem melhorar a sobrevivência.

Escrevendo no Journal of American Medical Association, os ex-cientistas da FDA drs. Jesse Goodman e Luciana Borio criticaram o incentivo ao uso de hidroxicloroquina durante esta pandemia e citaram pressão semelhante para usar uma combinação de anticorpos chamada ZMapp durante o surto de Ebola de 2014, que diminuiu antes que a eficácia desse medicamento pudesse ser determinada. Foram necessários quatro anos e outro surto para descobrir que o ZMapp ajudou menos de dois tratamentos semelhantes.

Durante o surto de gripe suína 2009-2010, o medicamento experimental peramivir foi amplamente utilizado sem estudo formal, os drs. Benjamin Rome e Jerry Avorn, do Brigham and Women’s Hospital, em Boston, anotaram no New England Journal. Mais tarde, a droga deu resultados decepcionantes em um estudo rigoroso e, finalmente, foi aprovada apenas para casos menos graves de gripe e para pacientes não hospitalizados gravemente enfermos.

Os pacientes são melhor atendidos quando nos apegamos à ciência, em vez de “cortar custos e recorrer a soluções rápidas atraentes e arriscadas”, escreveram eles. A pandemia causará danos suficientes e os danos ao sistema para testar e aprovar medicamentos “não devem fazer parte do seu legado”.

___

Marilynn Marchione pode ser seguida no Twitter: @MMarchioneAP

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pela Associated Press [Aqui!].

Números da pandemia no Brasil no dia em que Bolsonaro informou estar infectado

bolsonaro mascara

No dia em que o presidente Jair Bolsonaro veio a público dizer que foi infectado pelo coronavírus os números do Brasil na pandemia são o seguinte: total de infectados 1.668.589; infectados nas últimas 24 horas +42.518; total de mortos: 66.741, e mortos nas últimas 24 horas: +1,185 (ver figura abaixo).

coronavírus meter

Enquanto isso, o Brasil continua sem ministério da Saúde, e como  ministério chefiado interinamente por um general sem nenhum treinamento na área da Saúde.

Assim, me desculpem os apoiadores do presidente se eu não derramar uma lágrima por ele nesta noite. É que existem muitos outros brasileiros que são mais merecedores da minha solidariedade.

Expansão de terminais de gás natural vive “tempestade perfeita”

Relatório muda projeção feita no ano passado e afirma que problemas do setor não vão desaparecer com fim da pandemia

GNL

Um novo relatório divulgado nesta terça (7/7) pelo Global Energy Monitor (GEM) revela que os terminais de gás natural liquefeito terão pela frente um futuro pouco promissor. A combinação de produção excessiva, preços em baixa, diminuição de demanda em decorrência da pandemia e crescente oposição política ambientalista criou um cenário drasticamente diferente daquele apresentado pelo mesmo levantamento em 2019.

O relatório, com base nos dados mais recente do Global Fossil Infrastructure Tracker da GEM, destaca que a construção de terminais de GNL em todo o mundo mais que dobrou, passando de US ﹩ 82,8 bilhões para US ﹩ 196,1 bilhões em investimentos. Muitos desses projetos, em fase de construção ou pré-construção, estão em sério risco. Ao menos duas dúzias de projetos foram cancelados ou estão com atrasos de financiamento ou de construção. A queda sustentada nos custos das energias renováveis nos últimos meses agravou ainda mais a viabilidade dos projetos de gás.

Além dos reveses financeiros, o cenário político passou a ser de hostilidade ao setor. A coalizão para formação do novo governo da Irlanda incluiu uma série de concessões ambientais ao Partido Verde, e uma delas foi o cancelamento do projeto de terminal de GNL do estuário de Shannon. A medida, que estava na lista de interesses comuns da Europa, sofreu uma derrota adicional quando o Tribunal de Justiça Europeu decidiu que a permissão de planejamento do projeto era inválida. Na sequência, foi a vez da Suécia remover da mesma lista interesse comum do continente seu projeto para o terminal de gás Gotemburgo.

A Berkshire Hathaway, do megainvestidor Warren Buffett’s, gastou bilhões de dólares em financiamento para a Energie Saguenay LNG em Quebec, mas protestos em todo o Canadá contra os dutos tornaram o projeto uma odisséia política. A empresa desistiu do investimento no final de março. Em julho, a mesma companhia adquiriu a produtora de gás natural dos EUA Dominion por US ﹩ 4 bilhões — um negócio total de US ﹩ 10 bilhões, já que a empresa tinha dívidas de quase US ﹩ 6 bi. Em comunicado oficial sobre a aquisição, a Dominion afirmou que a venda “faz parte de uma série de medidas para se tornar uma companhia focada em produção de energia limpa eólica, solar e de gás natural.”

Energia suja

A expansão do GNL contradiz diretamente as metas climáticas de Paris, que exigem um declínio de 15% no uso de gás até 2030 e um declínio de 43% até 2040, em relação a 2020. Embora seja considerado um “combustível-ponte” por seus proponentes, a pegada de carbono de uma nova usina a gás na Europa ou na Ásia que queima GNL dos EUA é aproximadamente a mesma de uma nova usina a carvão no mesmo local. Isso porque há vazamento de metano em todo o sistema de suprimento de gás, que somado à penalidade energética do transporte marítimo de longa distância do produto, aumentam a pegada final do GNL.

“O GNL já foi considerado uma aposta segura para os investidores”, afirma Greig Aitken, analista de pesquisa da Global Energy Monitor. “Não apenas foi considerado um combustível ecológico, mas havia um apoio governamental substancial para garantir que esses megaprojetos – incluindo alguns dos maiores projetos do setor de capital já construídos – fossem conduzidos até a conclusão com todos os bilhões necessários. De repente, o setor está cheio de problemas.”

“Os problemas do GNL não desaparecerão magicamente com o fim da pandemia”, diz Ted Nace, diretor executivo da GEM. “No setor de energia, a modelagem mostra que os pacotes renováveis ​​já estão superando o gás importado na Coréia do Sul. E a cada ano que passa, as energias renováveis ​​se tornam mais competitivas.”

Sobre o estudo da GEM

A pesquisa da GEM sobre a infraestrutura de GNL é baseada no relatório Global Fossil Infrastructure Tracker (GFIT), um censo projeto-a-projeto de instalações de petróleo e gás desenvolvido pela Global Energy Monitor. O GFIT usa a mesma metodologia que o Global Coal Plant Tracker (GCPT), um censo bianual de usinas a carvão, licenciado pela Bloomberg Terminals e UBS Research, e usado pelo Banco Mundial, OCDE, Nações Unidas e imprensa especializada em economia.

Leia o projeto “Gas Bubble 2020: Tracking Global LNG Infrastructure” aqui (password: LNG)

Sobre o mesmo tema, leia aqui o relatório do GEM divulgado em 3/7 — “Gambling on Gas: Risks Grow for Japan’s ﹩20 Billion LNG Financing Spree”.

Metodologia do estudo  aqui

Jair Bolsonaro testa positivo para a COVID-19 e aprofunda a agonia do seu governo

bolsonaro embaixadorTrês dias após celebrar a independência dos EUA ao lado do embaixador estadunidense em Brasília, Jair Bolsonaro testa positivo para a infecção por coronavírus

A informação agora oficialmente confirmada de que o presidente Jair Bolsonaro ontraiu a COVID-19 (ver abaixo imagem com o resultado do exame) é a comprovação de que quem brinca com fogo, cedo ou tarde acaba chamuscado.

resultadoExame do presidente Jair Bolsonaro que testou positivo para a COVID-19. Reprodução/CNN

Mas há desde o resultado da confirmação do contágio algumas diferenças básicas entre a situação do presidente Jair Bolsonaro e milhões de brasileiros pobres que vivem no sobressalto por terem contraído a COVID-19 ou terem que se arriscar todos os dias para sair de casa em busca do seu sustento.

A primeira é que em menos de 24 horas o presidente do Brasil pode acessar seu plano privado de saúde para realizar um teste para detecção do coronavírus e começar um protocolo de tratamento para a COVID-19 em uma unidade hospitalar que poderá tratá-lo no mais alto padrão.

A segunda é que em vez de ter se submeter ao isolamento imposto pela COVID-19 em um quarto apertado em área sem água e serviço de esgotos, Jair Bolsonaro se hospedará em sua residência oficial, onde receberá a atenção ininterrupta de profissionais altamente qualificados em todas as áreas em que ele demandar a devida atenção.

Essas duas diferenças parecem ser triviais, mas não o são para milhares de famílias que hoje se debatem para cuidar de membros que foram acometidos pela COVID-19.  Por isso, sem que eu tenha me juntar aos que desejam o sucesso do coronavírus sobre o organismo  de um presidente do qual discordo frontalmente, penso que é importante notar estas distinções.

Bolsonaro tira a máscara em frente a jornalistasJair Bolsonaro retira a máscara que usava no momento em que fez o anúncio do seu teste positivo para COVID-19, colocando em risco os jornalistas presentes

Lamentavelmente, ao menos em sua primeira entrevista pública após a divulgação do diagnóstico positivo, o presidente Jair Bolsonaro não parece disposto a reconhecer que a sua COVID-19 não é a mesma que está acometendo os brasileiros mais pobres. A maior prova disso foi que ele retirou a máscara que usava no momento em que informou o resultado positivo, colocando em risco a saúde dos jornalistas presentes. Ao trivializar a própria doença e se mostrar em público sem portar uma máscara que o impeça de difundir o coronavírus, o presidente do Brasil contribuiu para banalizar ainda mais uma condição que não tem nada de banal.

Concluo dizendo que a confirmação da infecção por COVID-19 de Jair Bolsonaro ocorre em um momento particularmente ruim, na medida em que a pandemia está fora de controle e o governo federal não demonstra a capacidade mínima de que poderá agir para minorar a catástrofe que se alastra pelo Brasil tal qual fogo em pastagem seca.

Sentindo o caldo entornar, grandes corporações demandam que o governo Bolsonaro faça mudança de rumos na área ambiental

amazoniaO avanço do desgaste da imagem do Brasil por causa da aceleração do desmatamento na Amazônia provoca carta inédita de representantes do grande capital ao governo Bolsonaro

Sentindo que as labaredas que brevemente vão arder na Amazônia brasileira têm o potencial de, desculpem-me a metáfora, queimar a sua picanha, dirigente de 38 empresas e quatro entidades setoriais (ver lista na imagem abaixo) fizeram publicar uma carta no jornal Valor Econômico onde pedem providências inéditas ao governo Bolsonaro, na figura do vice-presidente e general da reserva Hamilton Mourão, para impedir o avanço do desmatamento na Amazônia brasileira.

wp-1594133876420.png

A carta deixa clara a preocupação com o iminente isolamento do Brasil em face da política de “passada boiada” que está instalada na área ambiental, onde o improbo ministro (ou seria anti-ministro?) Ricardo Salles vem realizando um amplo desmanche da governança ambiental criada a partir da criação de Secretaria Especial do Meio Ambiente (Sema) pelo governo de outro general, no caso Emílio Garrastazu Médici, bem como das estruturas de comando e controle que impediam o avanço acelerado do desmatamento e outras formas de degradação na Amazônia brasileira.

Em termos de propostas objetivas, o documento apresenta linhas bastante coerentes com aquilo que já foi explicitado em conferências multilaterais e até em documentos oficiais firmados por outras administrações federais brasileiras (ver imagem abaixo).

wp-1594134505969.png

O problema é que a não ser que haja uma mudança radical na forma de governar de Jair Bolsonaro (o que me parece difícil), não bastará cortar a cabeça (metaforicamente dizer) de Ricardo Salles para que as propostas apresentadas pelos representantes do grande capital brasileiro e internacional sejam transformadas em políticas públicas. 

A verdade é que afora as visões ultrapassadas em termos de equilíbrio entre desenvolvimento econômico e conservação da natureza que são compartilhadas por várias cabeças estreladas do governo Bolsonaro,  existem as alianças políticas paroquiais entre o presidente Jair Bolsonaro e vários segmentos que estão hoje na linha de frente do saque de recursos madeireiros e de minérios (principalmente o ouro) na Amazônia brasileira.

Como alguém que estuda a Amazônia há quase três décadas e tem uma longa quilometragem nas estradas empoeiradas e esburacadas em Rondônia, não creio que haja a possibilidade de qualquer mudança dentro do governo Bolsonaro até que as ameaças que estão sendo feitas pelos grandes fundos de investimento globais e grandes corporações que atuam na produção de carne sejam transformadas em ações concretas.

Entretanto, a carta publicada hoje pelo Valor Econômico certamente terá o efeito de acelerar a fritura de Ricardo Salles. Até que ponto isto resultará na adoção das propostas feitas pelo representantes do grande capital é que fica a ser observado. 

Dois pontos a mais: 1) a pressão que agora está se tornando evidente por parte dos representantes do grande capital nacional e global não é nada perto do que acontecerá quando começarem os grandes incêndios que ocorreram em poucas semanas na Amazônia, e 2) estudos que certamente estão em fase de finalização para publicação por grandes revistas científicas vão mostrar um quadro ainda mais grave do que o normalmente aceito em termos de alterações ambientais na Amazônia brasileira. Quando estes artigos começarem a ser publicados, haverá um aumento ainda maior das pressões por ações objetivas por parte do governo Bolsonaro.

Por isso tudo, é só uma questão de tempo até que as commodities agrícolas, florestais e minerais do Brasil passem a sofrer duras barreiras comerciais, especialmente na União Europeia. E aqui não se trata de futurologia, mas de uma previsão científica amparada naquilo que já estabelecido na literatura e pelo que eu sei do que brevemente será publicado.  Assim, é muito provável que a carta de hoje seja a primeira de uma lista.

Depois de muito brincar com o perigo, Jair Bolsonaro pode ter sido contagiado pelo coronavírus

bolsonaro covid19O presidente Jair Bolsonaro estaria com sintomas de COVID-19 e aguardando o resultado de um teste realizado nesta segunda-feira

Desde março quando a pandemia começou a se espalhar com mais força pelo Brasil, o presidente Jair Bolsonaro trabalhou de forma acintosa para sabotar todos os esforços para combater e controlar de forma eficaz a disseminação da COVID-19.

Evidências do descaso presidencial com a letalidade da infecção causada pelo coronavírus tem sido tão explícito que um juiz chegou a determinar que ele usasse uma máscara de proteção em público.

Agora, a rede CNN Brasil acaba de informar que o presidente Jair Bolsonaro está os primeiros sintomas de que está com a COVID-19, aguardando para amanhã o resultado do laudo que poderá confirmar ou não se isto é verdade.

Em uma rara demonstração de precaução presidencial, a agenda semanal de Jair Bolsonaro já foi cancelada, mesmo porque ele está com sintomas de febre, independente de ser causada pela COVID-19 ou não.

Agora, se o resultado do laudo for positivo, a crise política e econômica em que o Brasil está enfiado deve se aprofundar, pois, ao contrário do que disse inicialmente o presidente brasileiro, sua idade e passado recente com múltiplas intervenções cirúrgicas o colocam em um claro grupo de risco. 

E não nos esqueçamos que no caso de um impedimento mais prolongado, Jair Bolsonaro será substituído pelo general Hamilton Mourão que não representa qualquer garantia de que a crise brasileira será minimizada. Aliás, a chance maior é que aconteça justamente o contrário.

Aguardemos, pois!