Em carta a Joe Biden, senadores democratas acusam Jair Bolsonaro de apoiar desmatamento da Amazônia

bolsonaro amazonia

Os senadores também conclamam ao presidente Joe Biden a levar em conta o desmatamento e a impunidade de crimes ambientais para avaliar “se os EUA vão apoiar o Brasil em áreas de interesse mútuo, como cooperação militar e econômica e a candidatura do Brasil à  OCDE”.

No documento, assinado entre outros por Bernie Sanders,  o grupo de senadores democratas afirma que Bolsonaro ridicularizou publicamente o Ibama e sabotou a capacidade do órgão de fiscalizar as leis ambientais brasileiras.

Os senadores democratas também apontaram que o líder brasileiro já chamou ambientalistas de “câncer” e tentou diminuir a proteção às reservas indígenas existentes no Brasil. “A retórica e as políticas do presidente Bolsonaro efetivamente deram sinal verde para os perigosos criminosos que atuam na Amazônia, permitindo que eles expandam muito suas atividades”, diz o texto —que tem entre seus signatários o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado americano, Robert Menendez.

“Dado o histórico de compromissos climáticos não cumpridos, achamos que devemos impor condições para enviar auxílio americano ao Brasil: progresso significativo e sustentado na redução do desmatamento e no fim da impunidade para crimes ambientais e da intimidação e violência contra defensores das florestas”, diz texto enviado ao preidente americano, que vai comandar o encontro virtual sobre assuntos ambientais que acontece na próxima quinta (22) e sexta (23).

Veja a íntegra do documento abaixo:

sanders 1sanders 2

Agronegócio e mercado financeiro avançam, de mãos dadas

Financeirização se dá pela entrada de fundos de pensão e de investimentos nos negócios da cadeia agropecuária

joiotrigo

Montagem sobre foto de Rosilene Miliotti / FASE

Por Leonardo Furhamann para o site “O Joio e o Trigo”

Para ‘facilitar’ a compra de geladeiras, TVs e outros bens, as redes de lojas de departamentos, como as Casas Bahia e o Magazine Luiza, têm seus próprios cartões para o financiamento dos bens adquiridos. Algumas ainda ofertam os tradicionais carnês, com os juros embutidos no parcelamento do valor das compras. As montadoras de automóveis também mantêm seus bancos, assim cuidam das operações financeiras relacionadas à aquisição e troca de carros. 

Apesar de menos visível ao consumidor, o agronegócio também vive uma expansão das atividades financeiras nas mais diversas etapas de sua produção. Os negócios são amplos. Vão desde a aquisição de terras até a comercialização da safra, muitas vezes paga adiantada ao produtor, e envolvem internacionalização das propriedades, seja pela aquisição, seja pelo arrendamento. 

Os principais alvos dessa cadeia globalizada e com grande participação de agentes do mercado financeiro são as commodities, produzidas principalmente pelo agronegócio, e os minérios. Duas riquezas abundantes no Brasil de hoje e que recebem uma atenção especial de uma parcela expressiva do Congresso Nacional e do Executivo, que buscam torná-las ainda mais lucrativas para quem especula no país.

Fundos de pensão na agropecuária

Tal financeirização se dá pela entrada de fundos de pensão e de investimentos nos negócios da cadeia agropecuária, como explica o professor Sérgio Pereira Leite – do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA-UFRRJ).

Os fundos podem participar diretamente na aquisição de terras ou no arrendamento de conjuntos de propriedades. Esses investimentos também podem ser feitos em empresas de maquinários e insumos e, depois, nos mecanismos de estocagem e comercialização do produto no mercado internacional. Como cada etapa pode gerar títulos e a garantia, em última análise, seria o produto final, existe uma multiplicação dos títulos relacionados a um mesmo produto. “Uma saca de soja produzida gera uma especulação em valor equivalente a mais de dez sacas”, afirma. Assim, os negócios dos títulos se tornam mais importantes do que a produção em si, pois geram mais riqueza.

“Uma saca de soja produzida gera uma especulação em valor equivalente a mais de dez sacas.”

Tudo isso sem falar em processos de industrialização e na formação de novas cadeias. A soja, por exemplo, é produto na cadeia de plantio e se torna insumo quando entra na produção de ração para a produção de proteína animal.

Seja a água do nosso feijão

Apoie o único projeto brasileiro de jornalismo investigativo em que a alimentação nunca sai da pauta. Com R$10 por mês você já ajuda a separar o joio do trigo.

Um dos primeiros impactos da especulação no campo, segundo ele, é a valorização estratosférica do preço das terras, principalmente naquelas regiões que antes eram pouco exploradas pelo agronegócio, tratadas por eles como “novas fronteiras agrícolas”.

Um relatório feito pela ONG inglesa Planet Tracker e divulgado pelo site Mongabay, mostra que sete empresas de investimento seriam capazes de reduzir o desmatamento por conta da grande participação delas no mercado de soja. Elas são gestoras de fundos negociados em bolsas (ETFs, na sigla em inglês).

Segundo o levantamento, US$ 9,3 bilhões de ETFs são investidos em 26 empresas envolvidas com o comércio de soja e ligadas ao desmatamento. Os ETFs chegaram a um valor coletivo de US$ 6,7 trilhões de no segundo semestre de 2020. O relatório aponta que 70% do mercado de ETFs está nas mãos das empresas financeiras americanas BlackRock, State Street Global Advisors e Vanguard. 

O estudo da Planet Tracker afirma ainda que o investimento total nestes produtos em 2020 foi cinco vezes maior do que em 2010. Para além da questão ambiental, os dados mostram também o peso da financeirização no agronegócio global. Além de estarem presentes nas bolsas internacionais, esses fundos foram regulamentados no Brasil em 2002. Atualmente, são oferecidos pouco mais de 20 ETFs na B3, a Bolsa de Valores de São Paulo.

Expulsão e violência no campo

A situação fica clara quando é analisado o aumento de preço das terras no Matopiba (região que inclui partes do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), que inclui a parte oeste destes estados do Nordeste e a leste do Tocantins e é chamada pelo agronegócio de uma das novas fronteiras agrícolas do país. 

Entre 2004 e 2017, época em que a inflação foi de 120%, as terras em Imperatriz e Açailândia, ambas no Maranhão, tiveram uma valorização de 594%; em Santa Maria (BA), 483%; Gurupi (TO), 471%; e Balsas (MA), 452%.

A média na região, segundo o estudo citado por Leite, foi de 390%. “Esta busca obsessiva por novos territórios está ligada ao desmatamento, à expulsão de povos originários e tradicionais de seus territórios e a violência no campo”, afirma.

Outras áreas que são alvo da valorização confirmam a relação direta com a expulsão das comunidades e o desmatamento, como a região de Humaitá, no Amazonas, Santarém, no Pará, e o Meio-Norte do Mato Grosso. “As terras se transformaram praticamente em um ativo financeiro”, comenta Leite. 

A situação trouxe mais jogadores para próximo da roleta. A tendência é global. Nos doze anos, segundo dados da Global Advisors, o número de fundos de investimento que atuam no setor agrícola e alimentício internacionalmente subiu de 38 para 441. Em 2017, eles geriam juntos cerca de US$ 73 bilhões. Fazem parte desse grupo de investidores os fundos de pensão soberanos, instituições bancárias, seguradoras, grupos de investimento familiar e grandes corporações, por exemplo. O objetivo principal dessa atuação é o estoque de riqueza.

Sul do Piauí. Foto: Rosilene Miliotti / FASE

Baixo custo de investimento

A falta de uma legislação capaz de controlar a atuação desses fundos e o custo relativamente baixo do investimento tornam o Brasil atrativo, assim como a Ucrânia e alguns países africanos. “Hoje, estima-se que 8,5 milhões de hectares no Brasil são controlados direta ou indiretamente por empresas estrangeiras”, afirma Leite. A conta inclui empresas que são subsidiárias locais de multinacionais, subsidiárias de holdings com atuação no Brasil e subsidiárias de holdings com sede fora.

O foco dessas empresas é em commodities, produtos que são colocados no mercado internacional com preços operados em bolsa, sem distinção de qualidade ou pela forma como é produzido. Além da soja, carne bovina, algodão, cana-de-açúcar e as madeiras pinus e teca são commodities internacionais. Esses produtos também concentram os subsídios públicos. No Sistema Nacional de Crédito Rural, de 60% a 75% dos recursos agrícolas são investidos em apenas quatro produtos: soja, café, cana e milho. 

Professora visitante da Universidade Federal do ABC, de São Paulo, Yamila Goldfarb destaca que, diferentemente do discurso apresentado pelo agronegócio, o setor cria poucos recursos para as contas públicas. “Além de contar com subsídios nas operações de crédito e isenções fiscais, com a Lei Kandir, de meados dos anos 1990, a arrecadação com a exportação de commodities passou a ser pífia”, afirma. 

Ela lembra que estados como São Paulo também isentam a compra de agrotóxicos da cobrança do ICMS. Outras mudanças na legislação tornaram a exportação de commodities a partir do Brasil mais atraente para os investidores internacionais, como as seguidas facilitações da regularização fundiária, que beneficiam grileiros e colocam mais terras no mercado.

Financiamento para aquisição

Essa mudança no perfil do capitalismo faz com que o agronegócio se preocupe cada vez menos com o abastecimento do mercado interno de alimentos, principalmente em países menos ricos, como é o caso do Brasil, afirma o defensor público de São Paulo Marcelo Carneiro Novaes. “O capitalismo financeiro não precisa de mercado consumidor e, por isso, é indiferente a questões de geração de emprego e renda”, diz. 

Ele explica que “o lucro das grandes empresas de insumos está mais ligado ao financiamento para aquisição do que ao produto em si. Quando você fala de um fundo como o Blackrock, que geria US$ 8,68 trilhões em janeiro deste ano, você vê como esses valores se deslocaram completamente da base material”, afirma. Esse valor é maior, por exemplo, do que o Produto Interno Bruto (PIB) de países como Alemanha e Japão.

Novaes cita como exemplos desse mercado os contratos de hedge (contratos antecipados de venda com valor fixado, são garantidores para grandes quedas de preço ou mudanças no câmbio), letras de crédito (são títulos emitidos pelos bancos para financiamento da atividade agropecuária, no caso) e cédulas de produto rural (títulos emitidos por produtores ou suas cooperativas, inclusive para bancos, rastreados na produção). As letras de crédito do agronegócio (LCA) começaram a ser emitidas em 2005 e são títulos oferecidos de renda fixa oferecidos por bancos. 

Criada nos anos 1990, a cédula de produto rural é emitida pelo próprio produtor. “São negócios com pouca ou nenhuma tributação e valores que entram e saem dos países livremente”, explica. Além disso, ao se ligarem à produção de commodities, as empresas e fundos também se beneficiam de isenções e subsídios dados pelo governo. Para ele, os grandes arrendamentos feitos por investidores fazem com que latifundiários possam ter grande lucro sem risco ou preocupação nenhuma. 

Em cooperativas, condições piores

No meio desse movimento, as cooperativas de crédito também se tornaram uma opção de negócio para produtores de médio e grande porte. As cooperativas de financiamento existiam desde o início do século passado, mas ganharam força principalmente a partir de meados dos anos 1990. O negócio envolve conseguir taxas melhores de juros e outras vantagens ligadas à entrada no mercado financeiro e uma melhor margem em negociações conjuntas. 

A antropóloga Luciana Schleder Almeida, professora da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab), pesquisou a vida dos produtores em Lucas do Rio Verde e Sorriso, ambos no Mato Grosso. “A entrada nas cooperativas é um privilégio dos grandes, os menores seguem dependendo de outras formas de financiamento, com condições piores”, afirma. 

Em municípios como esses, onde é grande a influência do agronegócio, segundo ela, a própria entrada em uma cooperativa de crédito de produtores se torna um sinal de status, parecido com a participação em outras entidades associativas locais. “Muitas vezes, os produtores menores também têm dificuldade de obter taxas menores em bancos públicos, o que faz com que eles passem a depender do financiamento das tradings”, explica.

Participação na política do agronegócio

O antropólogo Caio Pompeia, autor do livro Formação Política do Agronegócio (Editora Elefante e O Joio e O Trigo), vê uma maior participação dos agentes financeiros na atuação política do agronegócio na última década. A mudança é gradativa, mas já apresenta os primeiros sinais tanto na participação em entidades como nas pautas que defendem. “Os grandes bancos de varejo, até por uma questão de imagem, preferem atuar em grupos que têm a pauta ambiental junto”, diz.  

O Instituto Pensar Agro, ligado à Frente Parlamentar da Agropecuária, já tem entre seus sócios uma federação de seguradoras e uma cooperativa de crédito. “A bancada ruralista está defendendo mais programas de seguro rural, com uma forte participação de subsídios públicos, e deixando um pouco de lado a bandeira dos financiamentos públicos”, analisa. 

A FPA é a bancada que representa os interesses do agronegócio no Congresso Nacional. Formado por entidades representativas de diferentes setores do agronegócio, o Instituto Pensar Agro se firmou como o braço empresarial da atuação da FPA. O ex-deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT), que já presidiu a FPA, foi eleito em fevereiro deste ano o presidente do instituto.

Os interesses e esforços da bancada ruralista na regularização de mais terras e no repasse de parte delas para fundos estrangeiros. No ano passado, o Senado aprovou, com relatório do atual presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), um projeto de lei para facilitar a aquisição de terras no Brasil por pessoas e empresas estrangeiras. O autor da proposta é Irajá Abreu (PSD-TO), filho da também senadora Katia Abreu (PP-TO), ministra da Agricultura no governo Dilma Rousseff e ex-presidente da Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA).

Irajá também chegou a ser um dos relatores da MP da Grilagem, como foi chamada ironicamente por organizações ambientalistas sob o pretexto que beneficiava infratores ambientais. A Medida Provisória 910, anunciada pelo governo Bolsonaro, pretendia facilitar a regularização fundiária em terras públicas que foram invadidas e desmatadas de até 2,5 mil hectares. 

Mais do que interesses corporativos, a família Abreu e seus aliados têm interesse direto nos temas. Em abril de 2018, o empresário Moises Pinto Gomes, atual marido de Katia, esteve numa feira de negócios no Qatar para oferecer oportunidade a empresários locais. A mais vistosa delas, o Fundo Matopiba, criado para aquisição de terras e produção agrícola no Brasil. O fundo teria US$ 500 milhões, a serem aplicados na aquisição de fazendas a serem preparadas e aprimoradas para a produção de grãos (arroz, soja, sementes e milho) e o objetivo de gerenciar e operar a produção antes da alienação de terras e operações agrícolas.

Gomes esteve no Qatar pela empresa Agroinvest Brasil, criada em 2015, no mesmo ano em que se casou com a então ministra da Agricultura. Na empresa, ele é sócio do advogado Arno Jerke Junior, assessor parlamentar da senadora desde julho de 2018. Jerke é um colaborador de confiança da senadora. Pelas mãos de Katia, ele ocupou a Secretaria Nacional de Desenvolvimento do Cooperativismo do Ministério da Agricultura e depois a diretoria da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Antes, havia sido advogado da CNA e coordenador técnico do instituto ligado à entidade.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo site “O Joio e o Trigo”  [Aqui!].

Prefeitura de Itaguaí multa CSN Mineração por crimes ambientais e interdita um dos maiores portos do Brasil

berços

Por Maurício Angelo para o Observatório da Mineração

A CSN Mineração, segunda maior exportadora de minério de ferro do Brasil, foi multada em mais de R$ 5,4 milhões e acusada de vários crimes ambientais pela Prefeitura de Itaguaí, no Rio de Janeiro, que também interditou por tempo indeterminado o porto da cidade, um dos maiores do país.

A prefeitura acusa a CSN de ter despejado diretamente na Baía de Sepetiba minério de ferro sem tratamento, além de armazenar produtos químicos de forma inadequada e poluir o ar, a água e o solo da região, que tem enorme relevância ecológica.

Ainda de acordo com a prefeitura, a CSN operava com a licença ambiental vencida há 9 anos. As irregularidades foram constatadas em vistoria realizada em março. A mineradora nega todas as acusações.

A Secretaria de Meio Ambiente de Itaguaí interditou as operações da CSN-Tecar, que recebeu multa de R$ 4 milhões, e da Porto Sepetiba-TECON, que foi multada em R$ 1,4 milhão.

As duas empresas fazem parte da CSN Mineração, que em fevereiro movimentou R$ 5,2 bilhões em sua oferta pública de ações, passando a operar com capital aberto. A principal compradora foi a anglo-suíça Glencore, maior empresa de commodities do mundo, que comprou R$ 1,3 bilhão em ações, o equivalente a 25% do total da operação.

A maior exploração de minério de ferro da CSN está em Congonhas, Minas Gerais, na mina Casa de Pedra, que mesmo em operação desde 1913, ainda tem cerca de 3 bilhões de toneladas de reserva de minério de ferro, o equivalente a mais de 35 anos de vida útil. A CSN Mineração é uma das principais concorrentes da Vale, Rio Tinto, BHP Billiton e Anglo American, entre outras.

Área de preservação atingida e trabalhadores em risco

Segundo a prefeitura de Itaguaí, as operações da CSN na cidade atingem uma área de relevância ecológica incomparável, local de reprodução e alimentação para a vida marinha e fonte principal de pesca para a região. Os peixes contaminados são consumidos pela população. A mineradora atua próxima à Área de Proteção Ambiental (APA) de Mangaratiba.

Os trabalhadores também vivem em situação precária, diz a prefeitura. A fiscalização constatou que os funcionários são expostos ao risco constante de saúde, com a inalação de poeira de minério de ferro e ausência de equipamentos de proteção coletiva imprescindíveis para situações de primeiros-socorros.

No início da pandemia, mostrei aqui que a CSN Mineração mantinha as suas operações normalmente em Minas Geraisexpondo mais de 6 mil trabalhadores ao risco de contaminação e se negando a negociar melhores condições.

Interdição seria garantida por lei

A prefeitura alega que tem poder de interditar as operações baseada na Lei Complementar 140 de 2011 e na Lei Municipal 3.296/2021, que garante no artigo 7º “exercício do poder de polícia em relação a atividades causadoras de poluição e impacto ambiental, e imposição das sanções administrativas estabelecidas em Lei, independente da concessão de licença ter sido feita ao empreendimento ou atividade por órgãos ambientais estaduais ou federais”.

O município afirmou que a CSN-Tecar e a Sepetiba-Tecon terão que adotar medidas de controle em caráter de urgência como realizar manutenção do sistema de canaletas para drenagem das águas resultantes das operações nos pátios e píeres. Elas também terão que apresentar laudo laboratorial da eficácia do polímero utilizado no aspersor de partículas, providenciar sinalização e demarcação para área de passagem de pedestres.

CSN nega irregularidades

Em nota enviada ao Observatório da Mineração, a CSN nega as irregularidades, diz que possui todas as licenças ambientais, que ficou surpresa com a operação de hoje, questiona a competência da prefeitura para a interdição e diz que tomará as providências legais para garantir o retorno das suas atividades.

Leia a nota na íntegra:

“A CSN reforça seu compromisso com as questões relacionadas à sustentabilidade e ao meio ambiente, trabalhando, em todas as suas unidades, com os mais rigorosos padrões de controle ambiental. A empresa esclarece que possui todas as licenças ambientais no Porto de Itaguaí, o que atesta que sua atuação é completamente baseada no que a legislação determina. Não houve qualquer vazamento ou derrame de minério no mar. A empresa não reconhece qualquer das acusações que lhe estão sendo supostamente imputadas. Por isso, a Companhia sinaliza surpresa com a operação de hoje. Não compete a uma prefeitura municipal interditar um porto com alfandegamento federal, devidamente licenciado pelo órgão ambiental estadual, e que é responsável por grande parte da balança comercial brasileira, sem que tenha sido sequer dada uma oportunidade de defesa e de prestação de informações devidas. A empresa tomará todas as providências legais para assegurar a continuidade das suas operações. Ao fim, não se descarta a possibilidade de processo contra a prefeitura por danos materiais e morais”.

Sobre o autor:   Maurício Angelo é Jornalista investigativo especializado em mineração, Amazônia, Cerrado, Direitos Humanos e crise climática. Fundador do Observatório da Mineração. Como freelancer, publica matérias na Mongabay e na Thomson Reuters Foundation. Já publicou na Repórter Brasil, Intercept Brasil, Pulitzer Center, Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCRP), Unearthed, Folha de S. Paulo, UOL, Investimentos e Direitos na Amazônia e outros. Vencedor do Prêmio de Excelência Jornalística da Sociedade Interamericana de Imprensa (2019).

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo Observatório da Mineração [Aqui!].

Parceria entre WWF-Brasil e International Paper viabiliza plantio de mudas nativas em propriedades de São Paulo e Minas Gerais

copaibaGerminação de sementes da árvore Copaíba – viveiro de mudas da ONG Copaíba em Socorro (SP) – Crédito: Adriano Gambarini / WWF-Brasil

Proprietários rurais que atuam na região da Mata Atlântica, entre os estados de São Paulo e Minas Gerais, estão contando com apoio técnico e suporte para restauração florestal em suas propriedades. Trata-se do programa Raízes do Mogi Guaçu, uma cooperação de quatro anos firmada entre a International Paper e o WWF-Brasil que visa superar os conhecidos obstáculos, como a falta de apoio técnico à restauração com espécies nativas. A execução é feita pela Associação Ambientalista Copaíba e IFEAC, empresa júnior do Instituto Federal Sul de Minas – Núcleo Inconfidentes, referência em restauração ecológica.

A expectativa dessa atuação em rede é que, até 2024, sejam restaurados pelo menos 200 hectares no entorno das nascentes e áreas ripárias do Rio Mogi Guaçu entre o Sul de Minas e São Paulo. O objetivo final é garantir condições para a provisão e resiliência hídrica das propriedades da região e da bacia hidrográfica como um todo.

Edegar de Oliveira, diretor de conservação e restauração do WWF-Brasil, afirma que o projeto aponta para a importância da colaboração entre iniciativa privada, produtores, institutos de pesquisa e sociedade civil para resgatar serviços ecossistêmicos fundamentais. “Essa atuação conjunta em uma agenda tão inspiradora, a restauração ecológica, é um passo na construção de um legado em cada propriedade e na bacia como um todo, beneficiando não só os produtores, mas toda a região atendida pelo Mogi”, comenta.

A iniciativa está inserida na Década da Restauração de Ecossistemas, instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), que propõe a adoção de medidas que combatam a crise climática e a perda da biodiversidade, que impactam diretamente na segurança alimentar e hídrica. O programa também conta com a rede de articulação das coalizões do Conservador da Mantiqueira Pacto pela Restauração da Mata Atlântica , no qual o WWF-Brasil faz parte do conselho, ambos com metas ambiciosas para restauração da Mata Atlântica, e que estão em constante troca e aprendizagem com os atores do projeto. Para Daniel Venturi, analista de conservação e restauração do WWF-Brasil, “a ação evidencia a urgência da discussão sobre crise hídrica e a necessidade de recuperação de paisagens indispensáveis para a vida saudável das pessoas que ali habitam e trabalham, dos setores produtivos e da biodiversidade”, ressalta. 

Mariana Claudio, Gerente de Engajamento com a Comunidade & Sustentabilidade da International Paper reforça que a rede de parcerias é a chave para o desenvolvimento sustentável: “O Programa Raízes é para nós, mais do que um projeto, é a forma de expressarmos o nosso propósito. A IP trabalha diariamente para sustentar florestas saudáveis e abundantes a longo prazo. A grande rede de parcerias criadas, o engajamento de todos os envolvidos e os benefícios sociais e ambientais são, para nós, a única forma possível de promover o desenvolvimento sustentável. É muito especial e único poder trabalhar lado a lado com tantos atores diferentes e que acreditam nessa transformação”, afirma.

O programa até agora (março/21) está com 64 hectares em restauração. Aproximadamente 66.000 mudas já foram plantadas e 37 nascentes protegidas pelas equipes da Copaíba, na sub-bacia do Peixe, e pelo IFEAC /IF Sul de Minas Gerais – Núcleo Inconfidentes, na sub-bacia do Alto Mogi. Em parceria com 18 proprietários, diferentes técnicas de restauração foram adotadas em áreas prioritárias para provisão hídrica nos municípios paulistas de Socorro, Serra Negra e Águas de Lindóia, além dos municípios mineiros de Inconfidentes, Bueno Brandão e Monte Sião. Nos relatos de quem participou, destaca-se o impacto positivo sobre a produção de água, bem como a redução no uso de insumos químicos e a obtenção de produtos de maior valor agregado. Além de contarem com uma rede de suporte técnico e de troca de conhecimento.

Ana Paula Balderi, coordenadora da Copaíba enfatiza a facilidade e os benefícios para propriedades que aderem ao projeto. Cabe à Copaíba a produção, plantio das mudas e a articulação com proprietários locais, incluindo o suporte técnico, a entrega de material da cerca, o preparo da terra, o plantio das mudas e as primeiras manutenções. Aos donos de terra que aderem, cabe o apoio com a mão de obra para colocação da cerca e a manutenção da plantação.

Ana lembra que a inclusão do Sul de Minas Gerais, região de fundamental importância para a manutenção dos rios regionais, é um dos pontos que fortalece o Raízes do Mogi Guaçu. “Sempre tivemos ações para desenvolver a restauração em São Paulo, ficamos mais felizes em poder beneficiar o sul mineiro que deságua suas águas no Rio do Peixe, favorecendo a região”.

Outro aspecto importante do projeto é o fato de ser executado com mudas de espécies nativas da Mata Atlântica, produzidas a partir da coleta de sementes de árvores da própria região, o que assegura inúmeros ganhos, como viabilidade genética, facilidade de adaptação das espécies, contribuindo com a perpetuação da flora local, aumentando a proteção da biodiversidade, recomposição dos habitats naturais, equilíbrio climático, melhora da qualidade do ar, redução de erosão e deslizamentos, além de retenção de poluentes da atmosfera.

Dentre os proprietários que aderiram ao programa estão: Ellen Souza Pinto Fontana, produtora de café especial em Socorro/SP; os sócios Paulo Araújo e Mariana Mota – que investem na produção agroflorestal com cultivo de café especial; José Fernandes – que trabalha com turismo rural sustentável em seus quatro hotéis na região, e André Jardim – que reflorestou uma área para recuperar uma nascente em sua propriedade.

Céu Aberto – O Distanciamento entre o Ser Humano e a Natureza

Mostra Céu Aberto leva intervenção urbana para casa das pessoas
 
São Paulo, março de 2021 – Uma intervenção urbana em São Paulo vai sair das ruas e levar arte diretamente para o público que está quarentenado em suas casas, entre os dias 22 a 29 de abril. Intitulada Céu Aberto – O Distanciamento entre o Ser Humano e a Natureza, a mostra digital de arte contemporânea apresenta suas obras em empenas cegas de prédios da cidade e cultiva uma reflexão sobre a relação do ser humano com a natureza. A intervenção será exibida pelo Youtube da Mostra, sempre um dia após sua execução.

Simbólica, a abertura das exibições online marca o Dia Mundial do Planeta Terra, data que representa a luta em defesa do meio ambiente, e o marco da chegada dos portugueses ao Brasil, em 1500 – promovendo a reflexão sobre a importância do planeta e do desenvolvimento de uma consciência ambiental diante da devastação dos biomas, principalmente em território brasileiro, que serviu como colônia de exploração e mantém até hoje práticas extrativistas sem limites.

Cerca de 16 projetores de 20 mil Lúmens serão utilizados para exibir as obras de oito artistas nacionais, que serão projetadas em paredões urbanos de grande movimentação da cidade, lançando luz em um dos mais importantes debates da atualidade: o equilíbrio das relações humanas com a natureza. Entre os nomes presentes na mostra, estão Mozart Santos, VJ Suave, Roberta Carvalho, Mozart Fernandes, Sitah, Lourival Cuquinha, Catharina Suleiman e Guto Barros .

“Desde as primeiras pinturas humanas, descobertas nas cavernas de Chauvet, na França, a arte muitas vezes cumpre papéis nos rituais que nos ligam ao entorno, aos ciclos da natureza e do ambiente que nos cerca. Quais seriam nossos testemunhos nas paredes dessa caverna urbana a céu aberto que é a cidade de São Paulo? O que desenharíamos, pintaríamos, escreveríamos? O que projetaremos nas paredes dos prédios?”, questiona o artista Mozart Santos, que é também um dos idealizadores do Projetemos, coletivo de artistas que estampa mensagens em prédios de diferentes cidades do Brasil.

“A intenção desse muralismo de luz, como uma alternativa desse momento brasileiro e mundial, é aproximar o povo para esse processo de debate e pensamento crítico sobre o meio ambiente com uma exposição de arte com obras projetadas nos prédios de sp onde o tema será provocado por 8 artistas, em 8 prédios diferentes. 1 por noite.”, explica Mozart.

Este projeto é fomentado pelo edital nº40/2020 do Proac Expresso Lab promovido pelo Governo do Estado de São Paulo através da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, e do Governo Federal através da Secretaria Especial de Cultura e Ministério do Turismo. A concepção e realização é da Mexe Mexe e a produção das Ninas.

Sobre os artistas

Na quinta-feira (22), o pernambucano Mozart Santos abre a exposição com um uma série de fotografias de folhas de plantas das praças de seu bairro, que transformadas em um vídeo, fazem uma reflexão sobre as queimadas e a lenta combustão dos seres vivos que nos proporcionam o ar para respirar.

O Vj Suave exibe na sexta (23), a obra “A Natureza Invade a Cidade”, trazendo o questionamento da falta de vida natural nos grandes centros.

No sábado (24), a paraense Roberta Carvalho fala sobre a sensível convivência dos seres humanos com os rios urbanos.

Domingo (25), o designer Mozart Fernandes junto com a bailarina portuguesa Marta Rijo exibem uma performance de dança, sobre o ar e o sufocamento.

Na intervenção “Silêncios”, de Sitah exibida na segunda-feira (26), traz para a cidade de São Paulo traços da Floresta Amazônica. Com imagens da natureza se fundem ao corpo feminino indígena nos lembrando que somos um só organismo.

Na terça-feira (27), a obra de Lourival Cuquinha mostra o que significa a palavra “grilagem” e nos lembra a série de ações predatórias que o Brasil sofre desde seu “descobrimento”.

Catharina Sulleiman traz a delicadeza da natureza feminina para as paredes, através de uma obra feita por camadas, sonhos, memórias e arquétipos do feminino, que poderá ser apreciada na quarta-feira (28).

Guto Barros que se apresenta no encerramento da mostra, na quinta (29), tem uma mirada poética entre caminhos e percursos naturais e artificiais e problematiza o equilíbrio entre eles através de uma performance de rua.



SERVIÇO

Céu Aberto, o distanciamento entre o ser humano e a natureza
Transmissão: https://www.youtube.com/c/CÉUABERTO
https://www.instagram.com/brigadaceuaberto
Classificação: livre

PROGRAMAÇÃO – Exibições

Quinta-feira, 22 de abril | Mozart Santos
Sexta-feira, 23 de abril | VJ Suave
Sábado, 24 de abril | Roberta Carvalho
Domingo, 25 de abril | Mozart Fernandes
Segunda-feira, 26 de abril | Sitah
Terça-feira, 27 de abril | Lourival Cuquinha
Quarta-feira, 28 de abril | Catharina Suleiman
Quinta-feira, 29 de abril | Guto Barros

Manifesto em defesa da Floresta e da Vida

Parlamentares, Sociedade civil e artistas brasileiros se unem em apelo às autoridades americanas e à comunidade internacional

Mist through a tropical forest

A uma semana da Cúpula do Clima convocada por Biden, ambientalistas, artistas, parlamentares, representantes indígenas, quilombolas e pessoas do campo se uniram hoje no evento Emergência Amazônica – Em defesa da Floresta e da Vida. O objetivo deste encontro foi alertar sobre o possível acordo financeiro entre Estados Unidos e Brasil, negociado entre governo Biden e governo Bolsonaro, para prover recursos para a Amazônia. O acordo tem gerado dúvidas sobre seus reais benefícios à sociedade brasileira, em razão de sua construção a portas fechadas, com pouca transparência, muita celeridade e sem consultas às populações amazônicas. Por esta razão, uma carta de manifesto direcionada às autoridades americanas e à comunidade internacional foi lançada hoje no evento.

unnamed (26)

A Carta dos Parlamentares e da Sociedade Civil do Brasil aos Estados Unidos da América, em defesa da Amazônia, reúne a assinatura de 53 parlamentares e mais de 60 organizações da sociedade civil, incluindo Greenpeace Brasil, Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB, Observatório do Clima – OC, entre outras. A carta deixa claro que os signatários apoiam e estimulam a cooperação internacional para a defesa do meio ambiente no Brasil, tendo em vista o papel estratégico do Brasil e da Floresta Amazônica no combate à crise climática planetária. No entanto, a proteção da floresta e de seus povos, dever constitucional do poder público, não estão, definitivamente, nas prioridades do atual governo brasileiro.

Veja a carta aqui: português e inglês

Por isso é alarmante que o governo Biden negocie com o governo Bolsonaro, um governo que promove dolosamente o desmonte de políticas socioambientais e que oferece posicionamentos negacionistas, ostensivamente contrários ao meio ambiente e indiferentes ou preconceituosos com indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais, e que conduz o povo brasileiro para o precipício ao facilitar a disseminação da tragédia sanitária e o infortúnio do desamparo socioeconômico. Nesses termos, o acordo representaria a legitimação e financiamento da agenda de destruição da Amazônia promovida pelo governo Bolsonaro, que também avança no Congresso Nacional brasileiro para desregulamentar legislações socioambientais e fundiárias no Brasil.

É preciso união social para conter o avanço da agenda ruralista. Um verdadeiro trator que, agora, vê caminho aberto no Congresso Nacional. Precisamos de um governo que fortaleça seus órgãos ambientais e garanta todos os recursos necessários para que cumpram sua função de proteger o meio ambiente. Um governo que apoie e incentive a participação da sociedade civil organizada nas decisões que impactam a população, só assim um acordo internacional será, de fato, benéfico à Amazônia e seus povos.

Catástrofe huminatária: Médicos Sem Fronteira criticam duramente resposta do governo Bolsonaro à COVID-19

A ONG médica afirma que a negligência do governo Bolsonaro está custando vidas, já que o número de mortos ultrapassa 362.000, perdendo apenas para os EUA

cepa bolsonaroPessoas seguram faixas mostrando o presidente Jair Bolsonado lendo ‘A cepa Bolsonaro, perigo mundial’ durante um protesto na embaixada brasileira em Buenos Aires na quarta-feira. Fotografia: Juan Mabromata / AFP / Getty Images

Por Tom Phillips, do Rio de Janeiro, para o “The Guardian

A resposta negligente do governo brasileiro à COVID-19 mergulhou o país sul-americano em uma “catástrofe humanitária” como uma bola de neve que deve se intensificar nas próximas semanas, alertou a ONG Médecins Sans Frontières.

“Tenho que ser muito claro: a negligência das autoridades brasileiras está custando vidas”, disse o presidente internacional do grupo, Christos Christou, a jornalistas na quinta-feira, depois que o número oficial de mortos no Brasil aumentou para mais de 362 mil, perdendo apenas para os EUA.

Meinie Nicolai, diretora-geral de MSF, disse que as ações do governo brasileiro – que sob seu líder de extrema direita, Jair Bolsonaro , minimizou a epidemia, evitou medidas de contenção e promoveu tratamentos sem base científica – o tornaram “uma ameaça aos seus própria população ”.

“Não há coordenação na resposta. Não há um reconhecimento real da gravidade da doença. A ciência é posta de lado. Notícias falsas estão sendo distribuídas e os profissionais de saúde são deixados por conta própria ”, disse Nicolai.

“O governo está falhando com o povo brasileiro. Todos os brasileiros podem dizer que há pessoas ao seu redor que foram enterradas ou intubadas [em lugares] onde não há remédios e nem oxigênio. Isso é inaceitável ”, acrescentou Nicolai.

Questionado se o governo de Bolsonaro havia respondido pior do que qualquer outro na Terra, Nicolai concordou com base no fracasso do Brasil em aprender com mais de um ano de experiência global na luta contra  a COVID-19 usando técnicas como distanciamento físico, teste e rastreamento e promoção de face máscaras. “É o pior não implementar o que se conhece? Eu diria que sim ”, disse o chefe de MSF.

Há uma crescente preocupação internacional com o surto descontrolado no Brasil e a disseminação da variante P1 mais contagiosa ligada à Amazônia brasileira. Esta semana, os temores sobre essa variante levaram a França a suspender voos do maior país da América do Sul , com o primeiro-ministro, Jean Castex, lamentando a “situação absolutamente dramática” do Brasil. O Ministério das Relações Exteriores britânico desaconselha todas as viagens ao Brasil, exceto as essenciais, onde um surto de infecções causou um colapso histórico no sistema de saúde em todo o país.

A situação deverá piorar nos próximos meses

Mas Nicolai disse que o comportamento do governo brasileiro é acima de tudo um perigo para os brasileiros, 80% dos quais permanecem suscetíveis ao COVID-19. Isso significa que o Brasil provavelmente verá “uma situação ainda mais catastrófica” nos próximos meses, ela alertou.

Christou disse que os profissionais de saúde brasileiros estão “fisicamente, mentalmente e emocionalmente exaustos” e foram “deixados sozinhos para juntar os pedaços de uma resposta falha do governo”.

“Todos com quem falei no Brasil pediram a mesma coisa: essa doença precisa ser levada a sério pelas autoridades, dizem. As pessoas estão desesperadas, estão de luto e precisam de ajuda.”

Bolsonaro e seus apoiadores defendem a resposta do governo, alegando que sua resistência às medidas de contenção visa proteger a economia. Na segunda-feira, o filho político de Bolsonaro, Eduardo, afirmou falsamente no Twitter que o bloqueio ajudou o coronavírus a se espalhar. A empresa de mídia social disse mais tarde que a mensagem violou suas regras sobre a divulgação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais sobre a pandemia.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian”  [Aqui!].

Fim da picada: PF denuncia Ricardo Salles por ligações com madeireiros envolvidos na extração ilegal de madeira na Amazônia

RICARDO-SALES-SANTAREM-DIVULGACAO

Lobby de Ricardo Salles a favor de madeireiros resulta em ação inédita de denúncia de um ministro do Meio Ambiente pela Polícia Federal ao STF

A Polícia Federal  decidiu se dirigir ao  Supremo Tribunal Federal contra o ministro Ricardo Salles por ele supostamente dificultar fiscalização ambiental na Amazônia. O superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Alexandre Saraiva, enviou uma notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Segundo a PF, Salles se posicionou do lado dos madeireiros em ações do poder público e dificultou “de forma consciente e voluntária” a fiscalização na região. O senador Telmário Mota (PROS-RR), citado junto ao ministro, disse que as acusações são “sem fundamento”.

No centro dessa situação espinhosa estão mais de 200 mil metros cúbicos no valor de R$ 130 milhões de madeira foram apreendidos na Operação Handroanthus no final de 2020. Salles e Telmário têm feito declarações contrárias à operação da Polícia Federal que levou à apreensão, além de defender a aparente legalidade do material e dos madeireiros investigados.

É importante lembrar que em março deste ano, Ricardo Salles visitou a região e se reuniu com madeireiros para tratar do tema, e fez postagens em redes sociais defendendo que seja dada solução célere ao caso.  Para o superintendente da Polícia Federal do Amazonas,  Ricardo Salles e Telmário Miranda possuem uma parceria com o setor madeireiro “no intento de causar obstáculos à investigação de crimes ambientais e de buscar patrocínio de interesses privados e ilegítimos perante a Administração Pública.”

Ainda que as estripulias de Ricardo Salles à frente de cargos públicos não seja nenhuma novidade, ele foi até condenado em primeira instância por atos de improbidade administrativa quando era secretário estadual do Meio Ambiente de São Paulo, a decisão do superintendente da Polícia Federal não poderia chegar em pior hora para ele e para o governo Bolsonaro quando se tenta negociar um acordo bilionário com o governo Biden para “proteger a Amazônia”.

Agora a batata quente política está nas mãos do governo dos EUA que terá de decidir se continua negociando com um governo cujo ministro do Meio Ambiente está sendo acusado de dificultar a punição de crimes ambientais. Já para Ricardo Salles não há muita novidade, pois ele está acostumado a ter que se explicar na justiça por atos cometidos enquanto ocupa cargos públicos.

Plano “Hamilton Mourão” promete diminuir desmatamento na Amazônia, aumentando as taxas de derrubada das florestas Amazônicas!

 

mourão

Hoje o general da reserva Hamilton Mourão, que está vice-presidente da república, lançou o  chamado “Plano Amazônia 2021-2022“, com metas que objetivamente representam uma estratégia de deixar aumentar para fazer parecer que baixou. Coisa de gênio, e que provavelmente espera que o governo dos EUA engula essa pílula amarga e ainda entregue os prometidos US$ 20 bilhões que citou em sua campanha eleitoral como uma espécie de incentivo para o Brasil controlar o desmatamento desenfreado que hoje torna o país, e bem de longe, o principal desmatador do planeta (ver gráfico abaixo).

Imagem

Eu posto abaixo uma série de observações tiradas da página mantida na rede Twitter pela competente jornalista Giovana Girardi,  uma das melhores na área do jornalismo ambiental brasileiro, que desnudam de forma lapidar a farsa contida nas metas do Plano Amazônia do General Mourão:

“O Plano Amazônia lançado hj por  @GeneralMourao prevê uma redução de desmatamento que mantém a taxa a níveis mais altos do q esta gestão encontrou ao assumir o governo. Eles querem reduzir até o fim de 2022 os “ilícitos” na média histórica do Prodes entre 16 e 20. Entenda comigo:

 
1) Quando Bolsonaro assumiu o país, fazia 10 anos que o desmatamento da Amazônia não chegava a 8 mil km2 ao ano. Em 2019 e 2020 ele saltou para mais de 10 mil, os maiores valores desde 2008. Pois bem: prometer agora reduzir à média entre 2016 e 2020 é baixar a 8.718,6 km2.
 
desmatamento
 
2) Ou seja, é ficar mais alto do que jamais esteve desde 2008. Na prática, o governo está prometendo que vai encerrar sua gestão sem ter sido capaz de reduzir a taxa de desmatamento na Amazônia, como é meta q o Brasil assumiu no Acordo de Paris.
 
3) Para zerar o desmatamento ilegal até 2030, não dá para fechar 2022 com uma taxa de desmatamento mais alta do que a recebeu.    @GeneralMourao, @rsallesmma e @jairbolsonaro  insistem em dizer que o desmatamento sobe desde 2012, o que é verdade. Mas ninguém fez isso tão bem quanto eles.
 
4) Essa meta é um atestado de incapacidade de resolver o problema que eles mesmos pioraram. Na semana que vem ocorre a Cúpula do Clima de @JoeBiden  , na qual os líderes foram convidados a apresentar metas mais ambiciosas. Esse plano é o oposto disso. in.gov.br/en/web/dou/-/r
 
5) Além disso, o plano convoca o @mmeioambiente e o @Mapa_Brasil para começar agora a discutir o que vai ser feito quando a Operação Verde Brasil 2 acabar, o que ocorre no fim do mês. A temporada seca já está começando. Não era de se esperar que isso já estivesse sendo planejado?
 
6) Mais uma continha para não deixar dúvidas. A média do Prodes nos cinco anos antes de Bolsonaro (anos de 14 a 18) foi de 6.719 km. Os 8.718 km2 propostos no Plano Amazônia representam uma alta de 29,75%.”
      
A verdade nua e crua é que enquanto o Brasil estiver sendo governado pela dupla Bolsonaro/Mourão, tendo de quebra o auxílio do anti-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não há a menor chance de que o desmatamento e, friso, também a degradação florestal voltem a taxas minimamente aceitáveis.  As políticas emanadas por esse governo são o principal combustível do avanço do processo de destruição dos biomas florestais brasileiros, principalmente os amazônicos e os do Cerrado. 
 
Finalmente, se o governo Biden decidir entregar os prometidos US$ 20 bilhões ao governo Bolsonaro, é bom que os estadunidenses saibam que estarão jogando dinheiro fora. É que não é entregando o dinheiro para as raposas que se protege o galinheiro (no caso a Amazônia).

Sérgio Moro participa de negociações secretas entre Brasil e Estados Unidos sobre a Amazônia

moro

Por Brasil Wire 

O desonrado juiz Lava Jato e ex-ministro da Justiça de Bolsonaro, Sérgio Moro, em uma reunião privada bilateral EUA-Brasil sobre a floresta amazônica é motivo de mais preocupação. Sem cargo divulgado junto ao governo dos Estados Unidos ou do Brasil, quais interesses ele representa?

As negociações a portas fechadas entre a administração de Joe Biden e o regime de Bolsonaro estão enfrentando oposição feroz; uma nova campanha insta Biden a encerrar as negociações secretas sobre o futuro da Amazônia, depois que uma coalizão de 199 grupos da sociedade civil entregou uma carta ao governo dos Estados Unidos exigindo que qualquer discussão sobre o futuro da floresta tropical inclua o povo brasileiro.

Mas um  relato da última reunião vazado para o Sentinel da Kennesaw State University , revela um novo componente que vai causar preocupação e confusão no Brasil: Sérgio Moro.

O ex-ministro da Justiça de Bolsonaro e o desgraçado juiz de Lava Jato levaram o presidente de extrema direita ao poder através da prisão de Lula da Silva. Após a anulação das acusações contra Lula , Moro agora enfrenta investigação pelo Supremo Tribunal Federal pelo crime de parcialidade judicial no processo e na prisão do ex-presidente.

No encontro virtual, com políticos, economistas, diplomatas e empresários brasileiros, o embaixador dos EUA no Brasil, Todd Chapman, insistiu que a cúpula dos líderes climáticos de Joe Biden na próxima semana seria “a última chance do Brasil de mostrar sua preocupação ambiental, restaurar a confiança americana e expandir relações com a Casa Branca. ”

A presença de Moro nessas reuniões da Amazon é, no mínimo, incongruente. Ele não é mais membro do governo brasileiro e não possui cargo divulgado junto ao governo dos Estados Unidos ou suas agências. Para quem ele está trabalhando? Quem ele está representando?

Recentemente, ele assumiu uma  posição de parceria / diretoria com a empresa de consultoria global com sede nos EUA, Alvarez & Marsal . Quando o contratou, a empresa apresentou o ex-juiz como um especialista em “principais investigações anticorrupção” e “aconselhando clientes sobre estratégia regulatória e conformidade”.

A linha do tempo conhecida das conexões de Moro com os Estados Unidos remonta a quase 25 anos. Muito antes de ser retratado heroicamente no New York Times e na revista Time, que o nomeou entre as 100 pessoas do ano em 2016.

De um programa de intercâmbio na Harvard Law School em 1998, Moro participou do Programa de Liderança de Visitantes Internacionais de 2007 do Departamento de Estado dos EUA , “visitando agências e instituições dos EUA responsáveis ​​pela prevenção e combate à lavagem de dinheiro”.

A partir de 2009, nós o vemos vinculado ao Projeto Bridges, um esforço secreto dos EUA para estimular os funcionários públicos brasileiros a cumprir os objetivos geopolíticos revelados em telegramas vazados do Departamento de Estado . A colaboração informal ” do DOJ / FBI com a Operação Lava Jato surgiu do Projeto Pontes ou Pontes , e a investigação anticorrupção estava efetivamente operando como agência dos EUA, proporcionando tanto o cenário político para o impeachment de Dilma Rousseff, quanto a prevenção do retorno de Lula ao presidência dois anos depois.

Ao entrar no governo em janeiro de 2019, Moro acompanhou Bolsonaro à sede da CIA em Langley , a primeira visita de um presidente brasileiro na história. Como chefe do novo ministério da justiça e segurança, Moro supervisionou a enorme expansão da jurisdição do FBI e alcance dentro do território soberano brasileiro, incluindo o estabelecimento dos chamados centros de coleta de inteligência Fusion . Em conversas que vazaram, o promotor-chefe de Lava Jato, Deltan Dellagnol, chamou a prisão de Lula de “ um presente da CIA ”.

Então, em que qualidade e em nome de quem Sérgio Moro está participando de negociações confidenciais entre os Estados Unidos e o Brasil sobre política ambiental? E para qual país?

Uma pista pode estar no que dizem que ele disse na reunião e em sua conversa com o embaixador dos EUA, Chapman. De acordo com o relato anônimo da reunião:

“Moro, por sua vez, perguntou se havia algo que o setor privado pudesse fazer se o governo brasileiro não cooperasse com o meio ambiente e ouviu de Chapman que muitas empresas americanas estão exigindo uma resposta mais agressiva ao meio ambiente, porque não o fazem querem pagar em nome dos envolvidos em ilegalidades e desmatamento. ”

As empresas que mais investem no desmatamento na Amazônia são membros dlobby / think tank de Wall Street Conselho das Américas , que está intrinsecamente relacionado ao Departamento de Estado, compartilhando muitos funcionários antigos e atuais, e realizando seu evento anual em sua sede o Harry S. Truman prédio.

O Conselho das Américas promoveu sem fôlego Sérgio Moro, Lava Jato e a guerra contra a corrupção no Brasil e na América Latina, o que trouxe benefícios imediatos para seus membros como Cargill, Blackrock, Rio Tinto e Chevron. Mesmo depois dos incêndios que varreram a região em 2019 , em fevereiro de 2020, sua revista interna Americas Quarterly publicou um artigo afirmando que “ o plano de Bolsonaro para a Amazônia tem verdadeiras razões para ter esperança ”. No Fórum Econômico Mundial de Davos 2017, o procurador-geral brasileiro Rodrigo Janot disse aos participantes que Lava Jato era “pró-mercado ”, uma posição política que não deveria ter. Dois anos depois, com Bolsonaro no poder, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos tentou premiar  a Força-tarefa Lava Jato com uma propina de $ 672 milhões de dólares .

Independentemente da administração, republicana ou democrata, sempre que os Estados Unidos negociarem pela Amazônia será sempre em nome desses interesses corporativos arraigados, ao lado de quaisquer novas preocupações ambientais que possam ocupar as manchetes.

Nesse sentido, a participação de Moro nesta reunião talvez não seja surpreendente …

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pelo site Brazil Wire [Aqui!  ].