Eleições 2020: será que continuaremos presos à uma lógica onde o novo já nasce sempre velho?

pobeza extremaMoradia precária na Estrada do Jacu, no Parque Aldeia, em Guarus (Foto: Carlos Grevi)

Por Carlos E de Rezende e Marcos A Pedlowski

No ano de 2020, o Brasil respira com intensidade as eleições municipais e, na maioria das cidades brasileiras, vivemos a expectativa de que haja uma mudança de fato na forma em que nossos destinos são geridos pelos governantes de plantão. Em Campos dos Goytacazes, presenciamos – mais uma vez – a disputa entre nomes que nos remetem à dinastias políticas que há décadas se alternam no poder, seja no executivo e/ou no legislativo. É importante também ressaltar a expectativa de alguns atores locais tentando influenciar direta ou indiretamente no jogo de escolhas. Sim, jogo de escolhas, pois nas inúmeras considerações que certos arautos de uma democracia amordaça não entram, por exemplo, a qualificação das candidaturas e da possibilidade real de mudança, pois se opta por ressaltar a idade das candidatas, sem que se faça o mesmo com os candidatos, evidenciando uma evidente questão de intolerância de gênero que beira a misoginia explícita.

Por outro lado, a tentativa recorrente de enfraquecer e desacreditar as pautas identitárias é no mínimo uma bofetada no rosto de todos os cidadãos campistas que, em algum momento na sua vida, sofreram algum tipo de discriminação, seja por causa da cor da sua pele ou da sua orientação sexual. Portanto, aos teóricos reacionários informamos que estas pautas podem e devem ser defendidas por todas as candidaturas como forma de corrigir erros do passado, e também incluir toda a população de forma simétrica, sem que seja preciso abandonar a questão da classe social como elemento fundante das análises sobre a realidade social.

Desta forma, os componentes dentro do jogo de escolha nas candidaturas possíveis para sentar na cadeira de prefeito de Campos dos Goytacazes deveriam trazer a luta pela justiça e vulnerabilidade social, pois somos um dos países com a maior desigualdade e  o nosso município não é diferente, muito pelo contrário, pois os últimos quatro anos foram marcados por um profundo ataque  às políticas sociais que precariamente serviam como formas de mitigação da miséria extrema que se mostra ainda abundante. Outro ponto que chama nossa atenção é que a alternância de determinados grupos da política local não representou uma transformação na forma de gerir o município, e mantendo como prioridade as demandas das elites locais.

Ao se governar para quem sempre ganhou com os diferentes ciclos de riqueza que marcaram a história do nosso município, as demandas sociais da população mais pobre sempre foram ignoradas. Desta forma, entendemos que a mudança de fato só ocorrerá quando se levar em conta as demandas de toda a população, olhando em detalhe as necessidades dos que foram alijados das benesses trazidas por quase duas décadas de rendas do petróleo. A priorização das ações do governo municipal impõe como meta a garantia de serviços públicos de qualidade na saúde e assistência social, educação e na agricultura familiar. Do contrário, veremos o número lamentável de 45 mil famílias vivendo em miséria extrema em Campos dos Goytacazes aumentar exponencialmente.

Agora, quanto à continuidade no jogo de escolha das candidaturas gostaríamos de destacar o papel do legislativo local, ou seja, a da escolha dos futuros vereadores. A função dos vereadores é criar leis, representar os interesses da população, defender os interesses da sociedade com independência entre os poderes, e o mais importante, fiscalizar as contas públicas e o cumprimento das ações do poder executivo. Portanto, quando se responsabiliza apenas o prefeito sobre a não execução das suas propostas enquanto candidatos, não se pode deixar de levar em conta que os vereadores também possuem uma grande responsabilidade.  E mais, um prefeito que responsabiliza gestões anteriores pela situação encontrada, tendo ele sido vereador, como é o caso de Rafael Diniz, é no mínimo uma expressão leviana, pois deveria ter atuado com responsabilidade no controle das contas públicas e, pelo menos, conhecer minimamente a situação que iria encontrar a frente da Prefeitura.

Concluindo, esta também é a hora de conhecer os projetos daqueles que se apresentam para os próximos 4 anos na nossa Câmara Municipal. E temos alguns fatores a serem considerados, a saber: 1) os que pensam na reeleição devem mostrar os serviços que prestaram a população campista; 2) os que se apresentam como oposição ao atual governo, mas na realidade estiveram presentes no governo, se saíram por questões eleitorais simulando um novo que na realidade e o mesmo de sempre, e poucos foram os serviços prestados à população e ao nosso município; e 3) as candidaturas que vem com as propostas sociais e que tentam definitivamente incluir as populações vulneráveis e os pobres dentro do orçamento municipal.

Finalmente, acreditamos que chegou a hora da população campista votar em candidaturas para a Prefeitura e a Câmara de Vereadores que defendam uma nova pauta política que permita a inclusão social da população mais vulnerável, bem como a defesa intransigente da redução da desigualdade social em nosso município. Sem isso, corremos o risco de ficarmos em um eterno ciclo vicioso onde o novo já nasce sempre velho, e a chuva cai sempre onde inunda mais rápido.

fecho

*Carlos Eduardo de Rezende é professor titular do Laboratório de Ciências Ambientais do Centro de Biociências e Biotecnologia (CBB) da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), e Marcos Pedlowski é professor associado do Laboratório de Estudos do Espaço Antrópico do Centro de Ciências do Homem (CCH) da Uenf.

A prioridade econômica do Brasil é gerar empregos, não manter a disciplina fiscal

filaPessoas desempregadas fazem fila para obter uma senha para participação em um evento de oportunidades de emprego no centro de São Paulo, Brasil, em 26 de março de 2019. Foto tirada em 26 de março de 2019. REUTERS / AMANDA PEROBELLI

Por Jamie McGeever e Leandra Camera para a Reuters

BRASÍLIA (Reuters) – O Brasil foi aplaudido por investidores por insistir que seu desafio econômico mais urgente é enfrentar um déficit recorde causado pela COVID-19, mas um número crescente de economistas afirma que a prioridade do governo é fazer com que milhões de brasileiros voltem ao trabalho.

Os números da semana passada mostraram o péssimo estado do mercado de trabalho no Brasil. As taxas de desemprego e subemprego são as mais altas já registradas; o mesmo acontece com o número de pessoas que desistiram de procurar trabalho e saíram da força de trabalho.

A folga resultante está sufocando a demanda do consumidor por bens e serviços, desencorajando as empresas de investir, e é um obstáculo de longo prazo ao crescimento econômico, dizem os economistas.

A economia brasileira de US$ 1,3 trilhão deve encolher um recorde de 5% este ano e crescerá apenas 3,5% no ano que vem, de acordo com a última previsão de uma pesquisa semanal do banco central com economistas.

Um relatório do Ministério da Economia na semana passada intitulado ‘Estratégia de Crescimento Econômico de Longo Prazo’ – publicado em resposta a uma crítica da mídia local sobre o manejo da economia – destacou onde está o foco do governo.

A palavra ‘fiscal’ apareceu seis vezes, e houve seis referências feitas à agenda de ‘reformas’ do governo. Não houve uma única menção a ‘empregos’, ‘emprego’ ou ‘trabalho’.

O Brasil não está sozinho em gastar muito para minimizar os problemas econômicos da pandemia. Mas um ponto de partida fiscal fraco significa que a dívida do governo está em vias de terminar este ano em torno de 95% do PIB, muito maior do que a média da América Latina e do Caribe de 59%, de acordo com a Fitch.

Poucos contestam que o déficit recorde deve ser revertido em algum momento. Os investidores estão cada vez mais nervosos e os mercados brasileiros cada vez mais pressionados.

Ainda assim, o Fundo Monetário Internacional (FMI) disse na segunda-feira que a prioridade da política de curto prazo do Brasil deveria ser “salvar vidas e meios de subsistência”. Uma consolidação fiscal foi necessária para reduzir a dívida no “médio prazo”, disse.

Um número crescente de economistas afirma que os desafios fiscais e de emprego estão relacionados: com a escassa demanda por bens e serviços, e que nenhum aperto de cinto do governo estimulará as empresas a investir e contratar.

“Não nego que o Brasil tenha um problema fiscal, mas o problema do Brasil não é fiscal”, disse José Francisco Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator em São Paulo.

“Se não houver esperança nem mesmo de baixo crescimento, o mercado de trabalho continuará extremamente fraco. Quem vai investir se a capacidade econômica não estiver sendo usada?”

O “mergulho” dos investimentos

Gonçalves disse que as empresas investem se estiverem confiantes de que a demanda e os lucros vão aumentar, o que normalmente depende de um mercado de trabalho saudável.

Mas o investimento empresarial no Brasil está fraco há muito tempo. No segundo trimestre, o investimento fixo bruto ajustado sazonalmente caiu para seu nível mais baixo desde 2006.

FIXEDINVESTMENTEvolução do investimento fixo no Brasil

Mesmo antes da pandemia, a economia brasileira estava desacelerando e o desemprego aumentando.

E com as transferências de ajuda emergencial para os pobres programadas para expirar no final de dezembro e um esquema de substituição ainda a ser determinado, as perspectivas econômicas para milhões de famílias são incertas.

“Perdi meu sustento. Não tenho casa; não tenho emprego”, disse Maria Lucia Spolzino Porto, 56, divorciada do Rio de Janeiro, que foi morar com o filho depois de perder seu trabalho em uma clínica de beleza.

Algumas métricas do mercado de trabalho melhoraram recentemente. O número de empregos formais aumentou por dois meses consecutivos e os pedidos de seguro-desemprego vêm caindo há semanas.

Mas o desemprego é um indicador defasado, o que significa que é lento para responder às mudanças nas condições econômicas. A taxa de desemprego – que atingiu 13,8% em julho – pode subir por meses, mesmo com a recuperação da economia.

O retorno às taxas de desemprego anteriores à pandemia, aos níveis de emprego, ao tamanho da força de trabalho e à parcela da força de trabalho ocupada poderia levar anos, em vez de meses, sem a ajuda do governo.

Eduardo Zylberstajn, economista e consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), olha o problema do outro lado: o governo não pode enfrentar o desemprego de maneira significativa se estiver carregado de déficit e dívidas recordes.

“Você não pode ajudar no emprego se não tiver espaço fiscal. Às vezes, a melhor ajuda que você pode oferecer é a disciplina fiscal, pois isso reduz as taxas de juros, aumenta o crédito e incentiva o investimento”, disse Zylberstajn.

12 milhões de desempregados

O problema é que as perspectivas de emprego no Brasil não eram tão boas, mesmo antes da pandemia, apesar das taxas de juros historicamente baixas, do mercado de ações em alta recorde e do otimismo entre os investidores de que a agenda de reformas amigáveis ​​ao mercado do governo estava no caminho certo.

Enquanto o número de brasileiros em idade produtiva que estão trabalhando é  de  apenas 47,1%, de acordo com o IBGE, mesmo antes do coronavírus atacar em fevereiro já era de apenas  54,5%.

Esse foi aproximadamente o mesmo nível que esteve desde 2016 e confortavelmente abaixo dos picos da série acima de 57% em 2012 e 2013.

DESEMPREGO1

Taxa de pessoas empregadas/ população em idade ativa no Brasil

O número de brasileiros trabalhando caiu  para 82 milhões, o representa um total de 12 milhões de desempregados. Mesmo o recorde de 94 milhões de pessoas trabalhando antes da pandemia mal acompanhava o crescimento geral da população desde o início da série do IBGE em 2012.

DESEMPREGO2Total de pessoas empregadas no Brasil

“Onde estão esses 12 milhões de pessoas que estavam empregadas no início do ano? A maioria delas terá que voltar para encontrar trabalho e  isso vai aumentar o desemprego”, disse João Sabóia, professor emérito do Universidade Federal do Rio de Janeiro.

“Vai ser uma recuperação muito lenta.”

(Reportagem de (Reportagem de Jamie McGeever em Brasília; reportagem adicional de Leandra Camera no Rio de Janeiro; edição de Daniel Flynn e Richard Pullin) no Rio de Janeiro; edição de Daniel Flynn e Richard Pullin)

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pela agência Reuters [Aqui!]

Empresa ligada a BTG Pactual e André Esteves foi quem mais devastou Pantanal, segundo Ibama

fogopantanal-cbmmt

Por DE OLHO NOS RURALISTAS

A Polícia Federal ainda não concluiu as investigações sobre os suspeitos de terem iniciado as queimadas que devastaram o Pantanal mato-grossense neste ano. Mas uma pesquisa sobre as multas históricas aplicadas pelo Instututo Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) nos sete municípios do Mato Grosso e nove do Mato Grosso do Sul nos últimos 25 anos dá bons indícios de quem são os maiores destruidores desse bioma.

O maior multado do Pantanal, conforme a pesquisa do De Olho nos Ruralistas feita para a série De Olho nos Desmatadores, é uma empresa de agropecuária ligada ao BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, instituição que se apresenta como o maior banco de investimentos da América Latina. A BRPec recebeu uma multa de R$ 57.999.500, em 12 de maio de 2018, em Corumbá, maior município do Mato Grosso do Sul, na fronteira com Bolívia e Paraguai, e uma das capitais da pecuária no Brasil.

esteves-exame-226x298André Esteves foi capa da Exame em 2011; no ano seguinte, de Época. (Imagem: Reprodução)

Multas por devastação da flora são calculadas com valor-base na área de vegetação destruída. No caso da Amazônia, os recordistas em autuações na categoria flora foram apresentados, com base nos mesmos dados, pelo De Olho nos Ruralistas, em parceria com The Intercept Brasil Carta Capital no início do ano. O observatório publica agora uma série de reportagens sobre os maiores multados no Pantanal.

Com cerca de 15 milhões de hectares, o Pantanal está dividido entre os dois estados brasileiros e partes do Paraguai e da Bolívia. A estimativa é que 85% dele fique no Brasil. Até 1.º de outubro, o bioma acumulava 18.259 focos de incêndios em 2020, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Empresa foi a única multada em mais de R$ 50 Milhões

Os valores na Amazônia são bem maiores, onde há 25 autuados por desmatamento com multas acima de R$ 50 milhões cada um — o maior deles, por sinal, é a AgroSB, antes Agropecuária Santa Bárbara Xinguara, empresa dos fundos de investimentos geridos pelo banco Opportunity, de Daniel Dantas, com mais de R$ 325 milhões em atuações. No Pantanal, a BRPec é a única a receber sanção superior aos R$ 50 milhões.

A sede da BRPec fica na mesma propriedade multada em 2018, no município de Miranda (MS). Sua atividade principal é a produção de gado para corte. Apesar de não estar em nome do banco BTG Pactual, nem no de André Esteves, a ligação da empresa ao banco já foi citada até em processos judiciais.

No quadro de sócios, Antonio Carlos Canto Porto Neto e Marcelo Del Nero Fiorellini aparecem como conselheiros de administração e Marco Antonio Guimarães Vianna Filho, Antonio Carlos Canto Porto Filho e Anderson Daniel Freitas Vargas como diretores. Fiorellini e Porto Filho são sócios e têm cargos no BTG.

Outros sócios e funcionários do banco também já participaram da direção da empresa de pecuária. Eles até mesmo promoveram assembleias da BRPec na sede do BTG. Em uma das atas de reunião da empresa, a BTG Pactual Serviços Financeiros é citada como representante do Fundo de Investimento e Participações Bravo.

Esteves é um dos dez maiores bilionários brasileiros, segundo a revista Forbes. Aos 52 anos, ele ocupa o sétimo lugar no ranking, com uma fortuna de R$ 24,96 bilhões, 430 vezes mais que a multa recebida no Pantanal em 2018.

Área Pertencia a José Carlos Bumlai, condenado na Lava Jato

A relação do BTG com a BRPec já foi mais clara. Em abril de 2012, o pecuarista Jose Carlos Bumlai vendeu a fazenda Cristo Rei, de 110 mil hectares, ao BTG Pactual. Foi uma forma de abater suas dívidas com o banco. Um ano e meio depois, o banco vendeu a propriedade para a BRPec. Bumlai e Esteves foram presos em 2015, durante as investigações da Operação Lava Jato.

Uma das imagens de divulgação do site da BRPEC Agropecuária. (Foto: Reprodução)

Bumlai ficou conhecido nacionalmente durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, em razão de suspeitas de que teria sido favorecido economicamente por ser próximo do presidente. O pecuarista — a rigor amigo de muitos outros políticos, de diversos partidos — também tem uma multa de R$ 2,75 milhões por devastação da flora, mas fora do Pantanal, em Campo Grande. Ele foi condenado em primeira instância, pelo então juiz federal Sergio Moro, a 9 anos e 10 meses de prisão, acusado de intermediar vantagens indevidas do Grupo Schahin em negociações com a Petrobras.

O banqueiro e pecuarista André Esteves foi investigado com base nas delações do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, por supostos atos de corrupção envolvendo a Petrobras. Em um dos casos, o Ministério Público Federal resolveu não denunciá-lo por falta de provas. Em outro, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulou os mandados de busca e apreensão contra ele por considerá-los constrangimento ilegal.

Banqueiro fez doação para campanha de Tereza Cristina

Mesmo quando já não estava oficialmente à frente da fazenda, Esteves foi visto pela imprensa especializada em agronegócio como um símbolo de um avanço do setor bancário e financeiro sobre as terras da região. Em 2015, uma reportagem informava que, em parceria com o Mubadala Development Corp, um fundo com sede em Abu Dhabi, o banqueiro iniciava o cultivo de 40 mil hectares de soja na fazenda, na margem do bioma pantaneiro. A produção de gado nelore, porém, continuou sendo a principal atividade da propriedade.

Esteves sempre teve boas relações políticas. Até 2017, o economista Pérsio Arida, um dos autores dos Planos Cruzado e Real, era sócio do banco. Em 2013, o BTG pagou passagens e hospedagens para o então senador Aécio Neves (PSDB-MG) e a mulher dele, logo após terem se casado, para Nova York. O senador afirmou que a viagem foi para fazer uma palestra para investidores — a assessoria do banco, na época, não quis comentar o assunto.

Durante os governos petistas, Esteves manteve boa relação com o governo e negócios com as estatais. O BTG, ao lado do Bradesco, Itaú, Banco do Brasil e Santander, foi acionista da Sete Brasil, criada para fornecer equipamentos à Petrobras, entre os quais sondas para exploração de petróleo e investigada pela Operação Lava-Jato.

No Mato Grosso do Sul, Esteves foi um dos financiadores, em 2014, da campanha a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS). O valor doado foi de R$ 300 mil. A deputada hoje é ministra da Agricultura do governo de Jair Bolsonaro. Antes de ser parlamentar, ela foi secretária de Desenvolvimento Agrário da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo da gestão André Puccinelli.

Empresa diz que áreas já estavam desmatadas

btg-menor-447x298Sede do BTG, na Avenida Faria Lima, em São Paulo. (Foto: Divulgação)

Confira o pronunciamento oficial enviado pela assessoria de imprensa do BTG Pactual:

“O BTG Pactual informa que a BRPec é uma empresa controlada por um fundo gerido pelo banco e pratica as melhores e mais modernas técnicas de manejo sustentável de suas fazendas, com o objetivo de manter o equilíbrio e o manejo correto das pastagens, dos rebanhos e dos recursos naturais. 

Sobre o questionamento da multa, em dezembro de 2018 a BRPec apresentou defesa administrativa que, dentre os pontos elencados, destacou: 

1. A anterioridade de uso da área da fazenda, sendo que as áreas estavam abertas muito antes da aquisição da Fazenda pelo atual proprietário, conforme comprovado por diversas imagens de satélite; e

2. As atividades de limpeza de pasto realizadas na área foram autorizadas pelo órgão ambiental estadual competente pelo licenciamento ambiental no estado do Mato Grosso do Sul (Imasul). Todas as licenças emitidas nos diversos processos do Imasul constam da defesa administrativa, inclusive fotos georreferenciadas dos técnicos do Imasul junto às leiras de aromita (espécie exótica, considerada uma praga da região) que foram objeto da limpeza. 

Em consequência o próprio Ibama desembargou praticamente toda área em questão. Atualmente, a empresa aguarda a decisão final do Ibama em relação ao tema.

Importante destacar ainda que a fazenda incentiva a pesquisa ambiental e tem câmeras de monitoramento de fauna instalada nestas áreas, que já registraram uma rica biodiversidade local, como onças pintadas, onças pardas, antas e gato mourisco.

A produção segue rigoroso controle de pragas, usando tecnologia de ponta e drones para acompanhamento das lavouras. Dentre as práticas adotadas, destacam-se o mapeamento integrado de pragas e o uso de controle biológico para controle das pragas, ambas medidas que reduzem as aplicações preventivas na lavoura e garantem melhor qualidade ambiental.

Sobre a aromita, espécie retirada das pastagens existentes, é importante esclarecer que se trata de uma praga exótica originária do Paraguai, considerada tóxica para o desenvolvimento de espécies nativas. De acordo com o WWF, no documento “Conservando Pastagens e Paisagens”, a aromita é uma das espécies invasoras mais agressivas presentes no Centro-oeste brasileiro, e prejudica o ecossistema e a produção em áreas onde ocorre”.

Foto principal (Corpo de Bombeiros Militar/MT): fogo toma conta do Pantanal mato-grossense.

fecho

Esta reportagem foi inicialmente publicado pelo “De olho nos ruralistas” [Aqui!].

Campos dos Goytacazes e a fome que ronda por suas ruas: o terrorismo fiscal não será a resposta

rp-cgO fechamento do restaurante popular  pelo prefeito Rafael Diniz em 09 de junho de 2017 desmantelou uma importante política social, e o principal disso foi o aumento da fome em Campos dos Goytacazes

As estatísticas apontam que o município de Campos dos Goytacazes possui pelo menos 45 mil famílias em condições de pobreza extrema (perfazendo menos de R$ 100 de renda mensalmente). A fome é uma realidade objetiva para algo em torno de 200 mil pessoas, pouco menos do que a metade da sua população total.

Pois bem, enquanto isso prosseguem os esforços para ocultar essa situação inaceitável sob o argumento de que vivemos uma crise econômica sem precedentes, a qual demanda decisões extremas que deverão atingir principalmente os servidores públicos, apontados como uma fonte de sangramento das finanças públicas.

Segundo dados levantados pelo economista Ranulfo Vidigal no Portal da Transparência do governo federal, o problema da fome só não está pior porque temos algo cerca de 180 mil campistas que estão recebendo recursos via o chamado “Auxílio Emergencial” que foi aprovado no valor de R$ 600 pelo congresso nacional, a contragosto do presidente Jair Bolsonaro e seu ministro/banqueiro Paulo Guedes.

Como essa boia de salvação para os mais pobres tem inimigos poderosos na república, a começar pelo presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), a fome que hoje campeia as ruas de Campos dos Goytacazes deverá aumentar exponencialmente a partir de janeiro de 2021, caso os planos de acabar o Auxílio Emergencial sejam concretizados.

fome 1Pessoas pobres em busca de comida no Mosteiro Santa Face (Foto: Carlos Grevi)

Diante desse cenário crítico, me parece que é passada a hora de que os mais ricos sejam instados a abrir de parte de suas fortunas para impedir uma catástrofe social.  O suposto valente prefeito Rafael Diniz alega ter aumentado a renda própria do município em cerca de R$ 100 milhões.  O que ele não diz é que boa parte dessa renda não foi obtida com os mais ricos que desfilam com seus carrões importados (alguns valendo mais que apartamentos construídos em áreas nobres da cidade) pelas mesmas ruas onde uma legião de pobres tenta obter algum dinheiro para assegurar uma micro-renda que os permita comer alguma coisa ao final do dia. Os grandes punidos pela mini derrama fiscal de Rafael Diniz foram os pobres, essa é a verdade.

Desta forma, me parece urgente cobrar dos candidatos que pretendem substituir Rafael Diniz (o próprio já disse que vai manter o que está fazendo, por isso seria inútil perguntar a ele o que mudaria se por alguma surpresa do destino conseguisse se reeleger) propostas claras para aumentar a renda própria do município sem ter que apelar para a tentação de demitir ou reduzir os salários de servidores públicos. Essa cobrança é urgente, pois, do contrário, quem quer que seja eleito ficaria livre para repetir a agenda desastrada que se aplicou no município pelo chamado “governo da mudança”.

Antes que digam que estou com ideias extremadas,  sugiro que se comece a aumentar a renda própria do município, por exemplo, pela cobrança das dívidas milionárias acumuladas pelo chamado Fundo de Desenvolvimento de Campos (Fundecam) que , segundo um balanço feito em 2017,  amargava um prejuízo que beirava os R$ 450 milhões, em função de dívidas acumuladas por 40 empresas e negócios que pegaram os recursos do fundo e não realizaram os pagamentos devidos.  Apenas com esses valores seria possível reabrir e manter aberto o Restaurante Popular por mais de 100 anos!

Finalmente, tenho que concordar com alguns candidatos a prefeito que são defensores do terrorismo fiscal no sentido de que não se deve fazer promessas incumpríveis. Basta apenas prometer que vai se cobrar o que é devido ao município pelos mesmos ricos que sugerem a demissão de servidores públicos para garantir o equilíbrio das finanças públicas. Parece justo, não?

Remdesivir não reduz a mortalidade por COVID-19, afirma o estudo

Antiviral drug remdesivir FDA approved for treatment of novel coronavirus covid-19

Estudo demonstra que o Remdesivir não possui efeito no tratamento da COVID-19

Por Ralph Ellis

Nota do editor: Encontre as últimas notícias e orientações sobre a COVID-19 no Centro de Recursos Coronavirus da Medscape .

Um grande estudo patrocinado pela Organização Mundial da Saúde descobriu que o Remdesivir não ajuda os pacientes hospitalizados com COVID-19 a sobreviver e nem mesmo encurta o tempo de recuperação daqueles que sobrevivem.

Essas descobertas contradizem estudos menores que descobriram que o Remdesivir, um medicamento antiviral, ajudou pacientes hospitalizados com coronavírus a se recuperarem mais rápido do que os pacientes que receberam placebo. Esses estudos anteriores levaram o FDA a conceder autorização de uso de emergência para o medicamento, que foi concedida a milhares de pacientes com COVID-19 nos Estados Unidos, incluindo o presidente Donald Trump.

O estudo patrocinado pela OMS foi conduzido de 22 de março a 4 de outubro e envolveu 11.330 pacientes de 405 hospitais em 30 países. Os pacientes receberam Remdesivir e três outras drogas isoladamente ou em combinação.

“Esses regimes de remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir e interferon pareceram ter pouco ou nenhum efeito no COVID-19 hospitalizado, conforme indicado pela mortalidade geral, início da ventilação e duração da internação hospitalar”, concluiu o estudo.

Os dados foram postados online no servidor de pré-impressão MedRxiv e não foram revisados ​​por pares ou publicados em um jornal científico.

A empresa farmacêutica norte-americana Gilead Sciences, fabricante do Remdesivir, divulgou uma declaração defendendo o medicamento, observando que estudos controlados publicados em revistas especializadas validaram seus benefícios.

Gilead também questionou como o estudo foi conduzido, dizendo que havia variação na “adoção do estudo, implementação, controles e populações de pacientes e, conseqüentemente, não está claro se quaisquer conclusões conclusivas podem ser extraídas dos resultados do estudo.”

O Dr. Peter Chin-Hong, MD, especialista em doenças infecciosas da Universidade da Califórnia, em San Francisco, disse ao The New York Times que um estudo massivo em diferentes nações poderia resultar em métodos de tratamento inconsistentes.

“Tanta coisa vai para o cuidado”, disse ele. “A droga é apenas parte disso.”

Remdesivir foi desenvolvido para tratar o Ebola e foi reaproveitado para tratar o coronavírus. Foi um dos poucos desenvolvimentos encorajadores na batalha global contra o COVID-19.

“É certamente decepcionante”, disse Julie Fischer, professora associada e pesquisadora do Departamento de Microbiologia e Imunologia da Universidade de Georgetown, sobre o estudo, de acordo com a Al Jazeera . “O que todos nós gostaríamos de ver é o que é frequentemente chamado de ‘bala mágica’; um medicamento que já existe, é seguro e funciona de maneira eficaz em pacientes. Infelizmente, neste caso, este ensaio pelo menos sugere que os benefícios de Remdesivir não estavam lá. “

O FDA concedeu autorização de uso de emergência para remdesivir em abril, dizendo: “Embora haja informações limitadas conhecidas sobre a segurança e eficácia do uso de Remdesivir para tratar pessoas no hospital com COVID-19, o medicamento experimental foi mostrado em um ensaio clínico para encurtar o tempo de recuperação em alguns pacientes. “

Um ensaio clínico com cerca de 1.000 pacientes conduzido pelo National Institutes of Health (NIH) revelou que o tempo de recuperação do remdesivir encurtou em cerca de 31% dos pacientes. O NIH também disse que o estudo “sugere um benefício de sobrevivência, com uma taxa de mortalidade de 8,0% para o grupo que recebeu remdesivir contra 11,6% para o grupo que recebeu placebo”.

Mas o estudo patrocinado pela OMS disse que o Remdesivir e as outras drogas simplesmente não funcionam.

“Os resultados gerais pouco promissores dos regimes testados são suficientes para refutar as esperanças iniciais, com base em estudos menores ou não randomizados, de que qualquer um irá reduzir substancialmente a mortalidade de pacientes internados, o início da ventilação ou a duração da hospitalização”, disse o estudo.

Fontes:

MedRxiv. “Medicamentos antivirais reaproveitados para COVID-19; resultados provisórios do ensaio WHO SOLIDARITY” https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.10.15.20209817v1

Gilead. “DECLARAÇÃO DA GILEAD SCIENCES ON THE SOLIDARITY TRIAL” https://www.gilead.com/-/media/gilead-corporate/files/pdfs/company-statements/gilead-statement-on-solidarity-trial-final-clean.pdf?la=en

New York Times. “Remdesivir falha em evitar mortes de Covid-19 em um grande julgamento”  https://www.nytimes.com/2020/10/15/health/coronavirus-remdesivir-who.html

Al Jazerra. “Estudo da OMS descobriu que remdesivir tem pouco efeito sobre COVID-19” https://www.aljazeera.com/news/2020/10/16/who-trial-finds-repurposed-drugs-have-little-effect-on-covid-19

WebMD. “FDA Dá Autorização de Emergência Remdesivir” https://www.webmd.com/lung/news/20200430/report-fda-to-give-emergency-use-authorization-to-remdesivir

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Medscape [Aqui!].

Um em cada cinco países corre risco de colapso ecossistêmico

riscos-climáticosDevastação causada por incêndio em uma área de floresta na Austrália. O país está perto do topo do índice Swiss Re de risco à biodiversidade e aos serviços ecossistêmicos. Fotografia: Adwo / Alamy

CLIMAINFO-FINAL-2

Um relatório da seguradora Swiss Re identificou risco de colapso dos ecossistemas de 20% dos países do mundo, por conta da destruição da vida selvagem e de seus habitats. Além de prejudicar o meio ambiente, isso pode gerar um baque tremendo à economia, já que mais da metade do Produto Interno Bruto global (cerca de US$ 42 trilhões) depende dos serviços ecossistêmicos.

O índice observa 10 serviços-ecossistêmicos-chave e usa dados científicos para mapear a situação de cada um por meio de imagens de satélite. Os serviços incluem fornecimento de água e ar limpos, alimentos, madeira, polinização, solo fértil, controle da erosão e proteção costeira, bem como integridade de habitats naturais. A listagem servirá como referência para ajudar na avaliação de riscos por parte da seguradora.

Países como Austrália, Israel e África do Sul figuram no topo da lista como focos de preocupação com degradação dos ecossistemas. Já o Brasil é citado como um país com grande áreas de ecossistemas ainda intactas, mas que estão sendo cada vez mais ameaçadas, com grande prejuízo potencial para a economia nacional.

Guardian e o New Statesman deram mais detalhes sobre o levantamento.

Este texto foi inicialmente publicado pelo ClimaInfo [Aqui!].

Observatório dos Agrotóxicos: com mais 57 agrotóxicos aprovados, governo Bolsonaro chega a 380 liberados em 2020

PlanoSafra-Bolsonaro-TeresaCristina-Onyx-Mourao-MarcioLopesDeFreitas-OCB-18Jun2018Com Bolsonaro e Tereza Cristina, a liberação de agrotóxicos proibidos disparou no Brasil, colocando em risco a saúde dos brasileiros e dos ecossistemas naturais

Em meio aos discursos falaciosos cercando o papel da pecuária nos devastadores incêndios que consomem o bioma Pantanal, a ministra Tereza Cristina (DEM/MS) continua em sua marcha resoluta de liberar mais agrotóxicos para um mercado que já encontra inundado de substâncias proibidas em outros partes do planeta, incluindo a União Europeia e a China.

O mês de outubro foi aberto com a promulgação da aprovação de mais 57 agrotóxicos por meio do Ato 70 do dia 02, o que considerado apenas o ano de 2020, temos a liberação de 380 substâncias em 2020, e de 883 desde o início do governo Bolsonaro.

Como já ocorreu em todas as rodadas anteriores de liberações de agrotóxicos, no Ato 70 a China aparece como a principal fornecedora de agrotóxicos para o mercado brasileiro, sendo que neste caso as empresas chinesas são responsáveis pela produção de 63% dos produtos aprovados, sendo seguidas por empresas brasileiras que tiveram uma participação de 14% em função da aprovação de novos agrotóxicos que operam com base no controle biológico (ver gráfico abaixo).

Países de origem ato 70

Um aspecto sempre presente nas aprovações desses “novos” agrotóxicos é a presença de substâncias que estão proibidas pela União Europeia (em um total de 35% do total dos agrotóxicos aprovados (ver gráfico abaixo).

Status EU

Quem desejar acessar a base de dados com os 57 agrotóxicos liberados pelo Ato 70, basta clicar [Aqui!].  Já para acessar a base de dados contendo todos os agrotóxicos liberados em 2020, basta clicar [Aqui!].

Dados oficiais sobre focos de incêndio e rebanho bovino desmentem a falácia do “boi bombeiro” no Pantanal

boi

Enterrando de vez a falácia do “Boi Bombeiro” reiteradamente usada pelos ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente?)  Thereza Cristina (Agricultura) para se eximir da destruição em curso no bioma Pantanal, o  gráfico abaixo mostra que cada ponto azul representa um município e o número de cabeças de gado obtidos pelo IBGE e o número de focos de calor do Monitoramento de Queimadas fornecido pelo Inpe  no respectivo município).

fogo gado

A conclusão da observação deste gráfico é  que existe uma relação direta entre o aumento do número de focos de incêndio e o tamanho do rebanho bovino no Pantal, onde quanto maior o rebanho, maior será o número de focos de calor, e não o contrário.

Assim, qualquer tentativa do governo Bolsonaro de se eximir das responsabilidades da pecuária extensiva em relação à destruição do bioma Pantanal deve ser ignorado, pois não passa de mais uma “fake news” bolsonarista.

Fornecedores de saladas do Reino Unido são investigados pelo lançamento de agrotóxicos em rios

Exclusivo: a Agência Ambiental age contra um local e analisa mais de 50 outros

rio UKPessoas cruzam uma ponte sobre o rio Itchen em Hampshire. Fotografia: Andrew Matthews / PA

Por Sandra Laville para o “The Guardian”

O órgão ambiental do Reino Unido está examinando se mais de 50 locais que fornecem saladas e vegetais para supermercados e outras empresas estão lançando poluição química em rios e riachos.

A ação segue revelações de que um produtor de saladas fornecedor de varejistas, incluindo Waitrose, estava despejando agrotóxicos em um córrego protegido em Hampshire.

Agência Ambiental (EA) tomou medidas contra a Bakkavor, que opera uma fábrica de agrião em Alresford, por descarregar neonicotinóides no Upper Itchen, um riacho de leito calcário protegido, depois que evidências foram coletadas pela instituição de caridade ambiental Salmon & Trout Conservation (S&T).

A Bakkavor importa safras de salada dos Estados Unidos e da Europa, além de cultivar seus próprios produtos. A produção é lavada no local e a empresa tem uma licença da EA para despejar águas residuais no Upper Itchen.

Especialistas da C&T forçaram a agência a agir sobre os poluentes do rio depois de trabalhar com a população local para fazer amostragem da água, o que sugeriu que produtos químicos estavam afetando comunidades de invertebrados, incluindo camarões de água doce, efeméridas e  tricópteros.

Os pedidos de liberdade de informação apresentados pela S&T revelaram que o acetamiprida, um neonicotinóide, estava sendo lavado das saladas para o rio em concentrações acima dos níveis aceitáveis.

O monitoramento pela EA confirmou que os agrotóxicos da lavagem das folhas da salada estavam indo para o rio. A agência está agora examinando mais de 50 outros locais onde as licenças foram emitidas permitindo-lhes lavar a produção de alimentos em rios e riachos. Ele está priorizando locais sensíveis onde o escoamento vai para  riachos de rochas calcáreas. 

Os riachos de rochas calcárias do Reino Unido, onde a água flui de fontes subterrâneas, fornecem habitats importantes para uma variedade de vida selvagem. Cientistas dizem que estão sendo devastados por um coquetel de poluentes da indústria, fazendas, descargas de esgoto e extração excessiva por parte das empresas de água.

Um porta-voz da EA disse: “Tomaremos medidas duras contra qualquer empresa ou indivíduo que cause poluição e danos significativos ao meio ambiente. Já atuamos diretamente com a Bakkavor e os resultados desse trabalho estão sendo incorporados à nossa abordagem com outras empresas que regulamos. Isso inclui avaliar os riscos em outros locais e priorizar os locais mais sensíveis. ”

Locais onde as empresas são suspeitas de poluição semelhante incluem córregos calcários como o River Test, o Avon e o Bourne Rivulet.

Charles Walker, um parlamentar conservador que preside o recém-formado grupo parlamentar de todos os partidos sobre riachos de calcáreo, disse que lavar a salada tem sido motivo de preocupação por muitos anos em relação ao seu impacto sobre riachos calcários e outros tipos de cursos d’água.

“Dou as boas-vindas à agência que analisa essas licenças. Riachos calcáreos são nossa barreira de recifes, nossas florestas tropicais. Oitenta e cinco por cento dos riachos calcários do mundo estão na Inglaterra e nossa administração deles nos últimos 50 anos tem sido lamentável ”, disse ele.

Uma das empresas que está sendo examinada pela EA é a Vitacress, uma fábrica de salada ensacada que despeja água de lavagem em um afluente do Rio Test. A EA disse: “Se o monitoramento demonstrar que um agrotóxico corre o risco de causar danos ambientais ao exceder os níveis aceitáveis ​​no meio ambiente, vamos exigir que sejam tomadas medidas para evitar isso.”

As empresas devem identificar os produtos químicos que estão ou podem estar presentes em seu descarte e fornecer essas informações em apoio ao seu pedido de licenças de descarga à EA.

A Dra. Janina Gray, da C&T, disse que não está sendo feito o suficiente para verificar a poluição química dos locais. “Ninguém achou que era um problema até que eles olharam”, disse ela. “Instamos a EA a examinar outras autorizações de descarte de lavagem de alimentos porque acreditamos que essas também podem estar despejando pesticidas nos rios.”

No mês passado, a EA revelou que nenhum rio inglês havia passado nos testes de poluição química e apenas 16% foram avaliados como estando em boas condições de saúde. Pela primeira vez, nenhum rio alcançou um bom estado químico, sugerindo que a poluição causada pela descarga de esgotos, produtos químicos e agricultura está tendo um grande impacto na qualidade do rio.

A Bakkavor anunciou que está fechando sua fábrica em Alresford no final deste mês. A empresa disse que o fechamento foi devido a uma perda significativa de negócios de um grande cliente em particular.

“Como parte de nossos testes regulares em nossa unidade de Alresford, que é monitorada pela Agência Ambiental, detectamos duas ocasiões de níveis ligeiramente mais altos de agrotóxicos em fevereiro e março deste ano”, disse um porta-voz. “Esta não era uma ocorrência comum e uma investigação completa foi realizada e ações corretivas foram tomadas, das quais a Agência Ambiental foi totalmente informada.”

Waitrose, um dos maiores clientes da empresa, disse que parou de fornecer saladas fornecidas pela Bakkavor. Um porta-voz da Waitrose disse: “Não fornecemos mais produtos do local em questão e entendemos que fechará suas portas (para sempre) em breve.”

A Vitacress disse que estava trabalhando com a EA. “Levamos todas as nossas obrigações ambientais muito a sério e sempre trabalhamos em estreita colaboração com a Agência Ambiental para garantir que estamos em conformidade com os regulamentos de licenciamento ambiental. Continuaremos a trabalhar com eles para garantir o melhor resultado para o meio ambiente, incluindo a assistência nesta revisão. ”

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian [Aqui!].

Agricultura conservacionista e legislação é tema do VIII Ciclo de Palestras sobre Manejo e Conservação do Solo e da Água

Evento on-line será transmitido no Youtube da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP

unnamed (21)

O VIII Ciclo de Palestras sobre Manejo e Conservação do Solo e da Água, com o tema agricultura conservacionista e legislação, será realizado on-line, em 20 de outubro de 2020, das 17h às 19h, pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. O evento será transmitido no Youtube da Secretaria de Agricultura – acesse aqui.

Agricultura conservacionista é um conceito da Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura (FAO), que a classifica como “um sistema de agricultura que promove a manutenção de uma cobertura permanente do solo, o mínimo de perturbação do solo ou plantio direto e a diversificação de espécies de plantas. Aumenta a biodiversidade e os processos biológicos naturais acima e abaixo da superfície do solo, o que contribui para o aumento da eficiência do uso de água e nutrientes e para a melhoria e sustentação da produção agrícola”.

De acordo com a engenheira agrônoma Maria Argentina Nunes de Mattos, do Escritório de Defesa Agropecuária (EDA) de São José do Rio Preto, uma das organizadoras e incentivadora deste evento que vem sendo realizado desde 2013, foram programadas três palestras:

– Agricultura conservacionista, conceito e implantação no Estado de São Paulo, com ênfase em cana-de-açúcar, pelo pesquisador do Instituto Agronômico (IAC-APTA), Denizart Bolonhezi.

– Integração Lavoura Pecuária (ILP) e Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF), conceito e como está esse sistema no estado de São Paulo, pelo pesquisador e professor Edemar Moro, da Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) de Presidente Prudente.

– E a palestra sobre plantio direto com exemplos da transformação da agricultura convencional ou pastagem degradada em agricultura conservacionista com implantação do sistema de plantio direto na palha – exemplos de Ocauçu (EDA Marília) e Capela do Alto (EDA Sorocaba) e outros que tiver da região de Ourinhos e Assis, pelo engenheiro agrônomo Márcio Minoro Harada Orozimbo, do Escritório de Defesa Agropecuária de Ourinhos.

A moderação será feita pelo engenheiro agrônomo Oswaldo Julio Vischi Filho, da Coordenadoria de Defesa Agropecuária.
Para participar o interessado deve acessar http://www.youtube.com/user/agriculturasp