Enquanto Bolsonaro distrai, a Câmara de Deputados passa a boiada e aprova a MP da Grilagem

bolsonaro fogo

Uma das medidas mais anti-ambiente e anti-povos indígenas acaba de ser aprovada por expressiva maioria na Cãmara de Deputados (foram 296 votos a favor e 136 contra). Falo aqui do PL 2633, mais conhecido como PL da Grilagem. Essa aprovação representa um prêmio aos grileiros de terras que hoje saqueiam as riquezas amazônicas e causam taxas de desmatamento que causam graves danos ao meio ambiente global.

É interessante notar que a Câmara de Deputados dá esse imenso presente aos grileiros de terras públicas mesmo sob a ameaça de boicote por parte de grandes cadeias de supermercados europeias  empresas europeias, incluindo as redes britânicas de supermercado Tesco e de lojas de departamentos Marks & Spencer, que ameaçaram parar de comprar commodities brasileiras caso o Congresso aprovasse o PL da Grilagem.

tesco

Diversas redes de supermercados, incluindo a britânica Tesco,  ameaçaram boicotar produtos agrícolas brasileiros caso o MP da Grilagem fosse aprovado. Agora que ele foi, veremos se cumprirão a ameaça

Para mim essa aprovação reflete uma velha aposta que as oligarquias agrárias brasileiras (rebatizadas de agronegócio) fazem em relação ao resto do mundo que compra as commodities agrícolas que são produzidas em terras públicas griladas. Essa aposta vai ser testada em futuro próximo, a começar pela tentativa de se ratificar no parlamento europeu o Acordo Comercial com o Mercosul.

De toda forma, um aspecto dessa aprovação absurda sob todos os pontos de vista é que ela revela o erro que é se colocar as pessoas nas ruas para pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Essa votação revela que ainda que o governo Bolsonaro seja a fonte de graves problemas, existem outras forças tão ou mais retrógradas quanto o presidente Jair Bolsonaro que operam para destruir a Amazônia e os povos que dependem das suas florestas para se manterem vivas. O fato é que essa aprovação tão fácil do PL da Grilagem só foi possível porque tudo está sendo concentrado na figura de Jair Bolsonaro em vez de se atacar aqueles que efetivamente o mantém no poder e se beneficiam de sua presença no cargo de presidente da república. 

E que todos se preparem para as nuvens de fumaça que brevemente chegarão no centro sul do Brasil por causa dos gigantescos incêndios que ocorrerão em breve nas novas áreas de desmatamento na Amazônia. É que se se preparem para a coisa ficar ainda pior nos próximos anos, pois com a aprovação do PL da Grilagem teremos ainda mais desmatamento e degradação das florestas amazônicas.

ENEM – Educafro entra com ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) contra MEC e INEP

educafro

A Organização não Governamental (ONG) Educafro entrará, nesta semana, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra o Ministério da Educação (MEC), e contra o Instituto de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (INEP), para reverter a decisão do governo que deixou 3,2 milhões de alunos sem possibilidade de fazer a inscrição para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM, de 2021. 

O MEC não acolheu recomendação, da Defensoria Pública da União (DPU), para que relevasse as ausências do ENEM 2020 para os pedidos de isenção por carência financeira. Quem teve declaração de carência aceita e que faltou ao ENEM 2020 só conseguiu isenção agora se apresentou documentos formais para justificar a ausência, como um atestado médico. Frei David, Diretor Executivo da Educafro, ressalta que “desconsiderar os efeitos da pandemia e negar a isenção à taxa de matrícula para o ENEM é de uma insensibilidade atroz, algo que precisa ser reconsiderado urgentemente”. 

O resultado prático foi que entre os alunos que declaram carência para fazer a prova com isenção de taxa, a diminuição de inscritos foi muito superior à dos demais grupos. Em 2020, 3,6 milhões de alunos tiveram declaração de carência aceita. Agora, em 2021, só 820 mil, mais de 80% a menos. Alunos concluintes oriundos de escolas públicas no ENEM 2021 foram menos 400 mil inscrições, 31% menor que no ano anterior. Já o número de alunos pagantes aumentou em quase 40%, passando de 990 mil, em 2020, para quase 1,4 milhão em 2021. E o número de pagantes poderia ter sido bem maior, já que 900 mil pessoas não pagaram os boletos de inscrição e não tiveram suas inscrições confirmadas.

A Educafro é uma ONG que trabalha pelo acesso da população preta e parda, em especial, e da população pobre, em geral, ao ensino superior. A Ação, que está sendo construída por advogados voluntários e ex-alunos da ONG, será ajuizada pela Educafro com a OAB, a UNE partidos políticos. Na Ação, a Educafro demonstra como a decisão do MEC de não ‘anistiar’ os que faltaram ao ENEM 2020, que foi aplicado no contexto da Pandemia do Covid 19, fere o direito à educação da população mais pobre e fere o princípio da eficiência do serviço público (já que, pelo número pequeno de inscrições, muitas das vagas ofertadas no Sistema de Seleção Unificada, o SISU, no Programa Universidade para Todos, o PROUNI, e no Fundo de Financiamento Estudantil, o FIES, ficarão ociosas), preceitos constitucionais. A Educafro também demonstra, na Ação, que o direito ao projeto de vida, reconhecido por tribunais internacionais, sobretudo a da população preta e parda, é negado pelas ações do MEC/INEP.

Suspensão da oferta de gás ao Nordeste pela Petrobrás reforça “privatização aos pedaços” e monopólio privado na região

Para o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, com gás natural sendo reinjetado pela Petrobrás por falta de mercado, não há razão econômica para empresa não mais abastecer as distribuidoras do Nordeste a partir de 2022.

Federação pretende tomar medidas judiciais contra a decisão da atual gestão da petroleira

riam

Por Deyvid Bacelar*

“Qual é a lógica comercial de uma empresa que espontaneamente abre mão de seu segundo maior mercado consumidor, o mercado da região Nordeste? Não há resposta econômica ou financeira que justifique isso. E não é falta de gás natural, porque sabemos que a Petrobrás vem reinjetando gás em campos do pré-sal justamente por falta de mercado. O que a gestão da Petrobrás está fazendo, mais uma vez, é dar de mão beijada o mercado da estatal para um monopólio privado. Como fez com a Gaspetro, como está fazendo com as refinarias e com a Petrobras Biocombustível (PBio).

Mais uma vez, o que vemos é uma atitude da gestão da Petrobrás de reduzir uma empresa gigante, controlada pelo Estado, a um tamanho ínfimo, sob uma justificativa infundada de redução de endividamento. Assim, vai se confirmando a teoria da “privatização aos pedaços” da Petrobrás. Estão pegando uma mansão e quebrando suas janelas, suas paredes, tirando tudo o que ela tem dentro. Vão deixar somente um telhado, que não vai ser suficiente para proteger o caixa da empresa.

A verdade é que o governo Bolsonaro está esquartejando a companhia porque não tem força política e nem argumento econômico para propor a venda da maior estatal do país ao Congresso Nacional. E pior: Bolsonaro usa a Petrobrás como instrumento de vingança pessoal contra a região Nordeste, onde perdeu nas eleições de 2018 e tem seus piores índices de popularidade.

Outro fato curioso dessa decisão estapafúrdia é que se deu poucos dias depois de pelo menos duas distribuidoras de gás canalizado do Nordeste – A Bahiagás, da Bahia, e a Sergás, de Sergipe – manifestarem-se contrárias à venda da Gaspetro à Compass Gás e Energia, do grupo Cosan, que ganhou um monopólio de mão beijada.

Bahiagás e Sergás decidiram exercer seu direito de preferência na compra da parte da Gaspetro em seu quadro acionário, para evitar que a Compass exerça qualquer poder sobre as empresas. Curiosamente, no dia seguinte a esse anúncio a gestão da Petrobrás decide cortar o suprimento de gás natural para o Nordeste a partir de 2022 – ou seja, daqui a cinco meses!

Coincidência? Está claro que não, trata-se de um revanchismo míope e personalista, como tudo o que vem deste desgoverno de Bolsonaro.

Por isso, a Federação Única dos Petroleiros já avalia como tomar medidas judiciais contra mais esta decisão arbitrária e injustificável da atual diretoria da Petrobrás.”

*Deivy Bacelar é  Coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros – FUP

A torneira está secando

leaksinthehome-featured

A imensidão do mar dá a impressão de que a água é recurso ilimitado; afinal, ela cobre 70% do planeta. Mas a ilustração deste texto, baseada num modelo criado por pesquisadores do Serviço Geológico dos EUA, nos dá a real dimensão de sua finitude. A bolha azul maior representa toda água do mundo, seja doce ou salgada, líquida ou congelada, subterrânea ou à flor da terra. Ela tem um diâmetro nove vezes menor que a parte sólida. A outra bolha corresponde a toda água doce que temos. Seu diâmetro é de 272,8 km, 46 vezes menor que o da Terra. O planeta azul, como se vê, não é tão azul assim na prática.

Há ainda uma terceira bolha, que equivale a toda água disponível na superfície terrestre para o consumo, como rios e lagos. Mas ela é tão pequena diante do tamanho da Terra que precisaríamos de uma lupa para enxergá-la: são apenas 56 quilômetros de diâmetro – 226 vezes menor que o do planeta. Parece pouco, não parece? E é, alertam os pesquisadores. Para piorar, 40% das reservas hídricas da Terra podem desaparecer até 2030, segundo a ONG WaterResources. Repetindo: 2030. Daqui a 9 anos. Adivinhem quem está por trás desse embrulho? Acertou quem pensou nas mudanças climáticas.

O Brasil detém 13% de toda a água doce e 20% das reservas subterrâneas (chamadas aquíferos) do mundo. Ainda assim, o país enfrenta a maior crise hídrica dos últimos 90 anos: o fantasma do racionamento de energia volta a nos assombrar, duas décadas depois do anterior. A maior hidrelétrica brasileira, a Itaipu Binacional, que atende cerca de 10% da população, teve em 2021 a menor geração de energia dos últimos 27 anos e já precisou desligar oito de suas 20 turbinas. Na vizinha Argentina, a seca dos rios Paraguai, Paraná e Iguaçu, a maior em 77 anos, levou o governo a decretar emergência hídrica por 180 dias.

A falta de chuvas – que é a mais grave desde 1931 – levou o Operador Nacional do Sistema (ONS) a divulgar uma nota técnica na semana passada alertando para a dificuldade de atender a demanda de energia do país “com o esgotamento de praticamente todos os recursos no mês de novembro”. Quatro dias depois, o governo federal publicou uma chamada pública para contratar usinas térmicas como uma alternativa para a escassez de água nos reservatórios das hidrelétricas, que ainda respondem por 63% da geração de energia no Brasil.

A crise hídrica também vem provocando impactos na economia brasileira, com reflexos no aumento da inflação e, sobretudo, perda de produção rural e prejuízos na agricultura, que consome mais de 70% da água doce do Brasil – e desperdiça de 60% a 80% desse total por usar métodos de irrigação inadequados. A safra de milho, por exemplo, apesar de ter aumentado em 7% a área cultivada em 2021, deve cair 6% em relação a 2020, informa a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A mesma tendência deve se confirmar em outras culturas, como o feijão, a laranja, o café e também na pecuária.

E o aumento dos preços dos alimentos e da inflação não são os únicos impactos para o brasileiro, que está sentindo no bolso o preço dessa crise. Em junho, a Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou um reajuste de 52% na bandeira tarifária vermelha, para custear o funcionamento de usinas térmicas, mais caras e poluentes. Mesmo assim, especialistas não descartam a possibilidade de um novo aumento em 2022, diante das previsões de chuvas abaixo da média e reservatórios secos. Especialmente em se mantendo os níveis de desperdício na distribuição de água no Brasil, onde 39% do que se produz é perdido em vazamentos e furtos na distribuição, segundo o Instituto Trata Brasil.

Se a geração de eletricidade está comprometida, para muitos brasileiros falta também o básico: água na torneira e saneamento. No Brasil, mais de 16% da população ainda não têm acesso a água tratada e cerca de 46% não contam com os serviços de coleta e tratamento de esgoto – mais de 100 milhões de pessoas. A baixíssima cobertura do saneamento básico, sobretudo em cidades da região Norte, onde apenas 57% da população têm acesso à rede de água e pouco mais de 10% têm o esgoto coletado, se reflete também na incidência de doenças como diarreia e infecções intestinais, que estão entre as principais causas de morte de crianças na região. Uma verdadeira tragédia brasileira. E, segundo a Organização Mundial de Saúde, para cada dólar investido em saneamento básico, deixa-se de gastar quatro com saúde pública.

E isso não é uma exclusividade nossa: em todo o mundo, 1,2 bilhão de pessoas (35% da população) não tem pleno acesso a água tratada e outras 2,1 bilhões não têm água potável em suas casas. O WaterResourcesGroup estima que, anualmente, cerca de 829 mil pessoas morrem de diarreia provocada pelo consumo de água não potável, ausência de saneamento básico e higiene inadequada em todo o mundo, sendo 300 mil delas crianças menores de 5 anos.

Com isso, a responsabilidade do governo brasileiro sobre a gestão de nossos recursos hídricos passa a ter uma relevância ainda maior: afinal, temos condições favoráveis para assumir um papel de liderança no enfrentamento à crise climática global. Só nos falta um líder.

fecho

Este foi originalmente publicado no site “Uma gota no oceano” [Aqui!].

Greenpeace sobrevoa a Amazônia e flagra o avanço do fogo sobre a floresta

Dados divulgados pelo INPE e as imagens registradas na última semana de julho, reforçam a ineficiência do governo federal em combater a destruição

unnamed (31)

Monitoramento de Queimadas na Amazônia em Julho de 2021. Coluna de fogo avança sobre floresta degradada em Porto Velho, Rondônia

São Paulo, 02 de agosto de 2021 – De acordo com os dados do Inpe Queimadas, julho registrou 4.977 focos de calor no bioma Amazônia, todos ilegais visto que o Decreto nº 10.735 proibiu o uso do fogo no Brasil desde 28 de junho de 2021, mesma data em que o governo federal autorizou novamente o uso das tropas militares para combater as queimadas. Como principal estratégia do governo federal para conter a destruição, a GLO é comprovadamente ineficiente. A Amazônia segue sob intensa ameaça e a ilegalidade e destruição continuam devastando grandes áreas, conforme mostram as imagens registradas pelo Greenpeace em sobrevoo.

Veja as imagens aqui

“É importante analisar os focos de calor considerando também o desmatamento ocorrido recentemente na Amazônia. Muitas áreas foram derrubadas e degradadas recentemente e devem ser queimadas ilegalmente nos próximos meses, quando a vegetação remanescente fica mais seca e suscetível ao fogo. O pior está por vir, além dos próximos meses serem mais secos na Amazônia, os órgãos ambientais seguem enfraquecidos e o Congresso Nacional tem como uma de suas prioridades aprovar alterações na lei que incentivam ainda mais destruição ambiental e invasão de terras públicas”, comenta Cristiane Mazzetti, gestora ambiental do Greenpeace.

Enquanto nossas florestas seguem sendo destruídas, representantes ruralistas continuam tentando convencer a opinião pública e a comunidade internacional de que o Brasil está cuidando do meio ambiente. Como fizeram no mês passado ao reforçar a representantes diplomáticos a intenção de aprovar projetos como o PL da Grilagem (PL 2633/2020) que, ao contrário do que dizem os ruralistas, visa anistiar grileiros, ao legalizar o ilegal, além de aumentar a violência e conflitos no campo estimula novos ciclos de invasões marcados por desmatamento e queimadas.

O número de focos registrados na Amazônia em maio e junho já havia sido o maior para esses meses desde 2007. Em julho, houve uma redução de 27% quando comparados ao mesmo mês em 2020. Estados como Rondônia e Acre registraram aumento no número de focos (95% e 29% respectivamente) e a situação no Amazonas segue preocupante: o estado tem se destacado no aumento da devastação e o registrado no mês é superior à média histórica. Conforme ilustrado na figura abaixo:

A linha laranja traz em cada ponto o valor médio de hotspots nos últimos 10 dias, e isso permite comparação com valores médios de longo prazo, nos permitindo entender como os registros atuais se relacionam com a média histórica. A linha em amarelo é composta de pontos representando a média dos últimos 20 anos para cada dia. Gráfico extraído de: https://maps.greenpeace.org/fire_dashboard/?lang=pt, fonte dos dados: MODIS hotspots, com atributos de LANCE FIRMS operado pela NASA/GSFC/Sistema de Informação e Dados Científicos da Terra (ESDIS) com financiamento fornecido pela NASA/HQ.
“O impacto acumulado na Amazônia a partir do fogo e do desmatamento só aumenta, estamos empurrando a floresta cada vez para mais perto do seu limite e minando seu papel de aliada no enfrentamento às mudanças climáticas. Além disso, com a destruição crescente deste bioma rico em estoque de carbono, estamos contribuindo para que extremos climáticos como esses vivenciados recentemente ao redor do planeta e no Brasil se tornem mais frequentes e intensos no futuro”, completa Cristiane.

Site investigativo francês mergulha “no reino do agronegócio” brasileiro na Amazônia

desmatamento amazonia

Grande parte do deflorestamento amazônico vem do agronegócio. CARL DE SOUZA / AFP

O site investigativo francês Mediapart publicou na quinta-feira (29), a quinta parte de uma grande reportagem especial na Amazônia brasileira. Depois da “imposição da doutrina paranoica do regime militar brasileiro na Amazônia”, ou “como o mito da Natureza infinita permite a economia da destruição”, “Como a estrada e as obras abrem o caminho para o desmatamento” e “Amazônia: terra, fogo e violência”, dessa vez os jornalistas franceses se debruçaram sobre o “reino do agronegócio”  brasileiro.

 “O onipotente setor do agronegócio está se organizando para se apresentar como imprescindível no Brasil”, afirma a reportagem do site investigativo francês Mediapart. Para a equipe de jornalistas franceses, trata-se “uma batalha de ideias e uma luta política que envolve campanhas publicitárias recorrentes e que tem dramáticas consequências ecológicas e sociais na Amazônia”.

“Ao longo da BR-364 que corta o estado de Rondônia, o agronegócio está espalhando sua força até onde a vista alcança. Milhares de caminhões de transporte de grãos desfilam sem parar diante dos olhos do gado impassível”, relata Mediapart. “A paisagem alterna entre pastagens, campos de cultivo e terras devastadas ou em vias de se tornarem. A entrada de cada pequena cidade é adornada com estátuas de vacas ou seus tratadores, acompanhadas de outdoors em apoio a Jair Bolsonaro, ilustra a reportagem, dando o clima local em Rondônia.

“Desamazonização”

“Com o novo presidente do Congresso [Arthur Lira] eleito no início de 2021, particularmente sensível aos seus temas, os ruralistas consideram o momento ‘extremamente favorável’ para avançar seus muitos projetos”, diz o texto. O pesquisador Ricardo Gilson, da UNIR (Universidade Federal de Rondônia), entrevistado por Mediapart, afirma que “há um processo de ‘desamazonização’, a destruição é considerada um elogio ao progresso”, lamenta.

O site francês contextualiza dizendo que, “além de sua ofensiva política, os ruralistas aumentaram suas campanhas de comunicação. Eles não usam mais o termo ‘negócios’, renomeando-se apenas como ‘agro’, falam em ‘agrocidadãos’ com um discurso nacionalista e recrutando personalidades conhecidas, como o ex-jogador de futebol Pelé. Nessa batalha ideológica, triunfa a cultura do agronegócio, contra a cultura da floresta e de quem vive nela”, afirma Mediapart.

Guerra de dados

Segundo o site francês, para apoiar essa nova doutrina, uma “verdadeira batalha sobre o controle de dados está em andamento”. “Apesar do reconhecimento internacional, os dados dos satélites que monitoram o desmatamento são regularmente questionados pelo atual governo, e os funcionários do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) que os administram sofrem pressão do governo Bolsonaro”, publica o site.

Mediapart faz questão de destacar que embora a contribuição do agronegócio para o PIB brasileiro seja inegável, o desenvolvimento prometido na verdade afeta apenas um pequeno número de beneficiários. “Existem mais de 5 milhões de agricultores no Brasil, mas 25 mil são responsáveis ​​por 50% do PIB agrícola”, diz Eduardo Assad, pesquisador da Embrapa, ao site investigativo.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela RFI [Aqui!].

Por detrás da imagem oficial, as Olimpíadas são um megaevento que esmaga os pobres

rio legado

Os prometidos “legados olímpicos” são difíceis de encontrar. Rio. Imagem: Dany13 / Flickr.

As cenas de exaltação dos poucos atletas brasileiros que vencem o descaso oficial estão sendo repetidas à exaustão pela empresa que retransmite a atual edição dos Jogos Olímpicos que ocorre na cidade de Tókio servem para obscurecer algo que deveria ser muito óbvio.  O fato obscurecido é que este megaevento é mais um produto comercial que nos é empurrado para que tantos outros produtos sejam colocados no mercado. Para entender isso, bastaria ver a lista dos patrocinadores oficiais que inclui algumas das principais corporações mundiais, o que implica o investimento de US$ 3,1 bilhões que a edição de Tóquio recebeu.

Mas como na edição anterior realizado no Rio de Janeiro cujo “legado olímpico” é destrinchado no livro “O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades” que teve como um dos seus organizadores o precocemente falecido geógrafo Gilmar Mascarenhas,   os jogos em curso em Tóquio também cenas subliminares que explicitam o seu caráter excludente, a começar pelo “desaparecimento” dos moradores de rua das vistas de jornalistas estrangeiros e atletas (ver vídeo abaixo).

A verdade é que, apesar da tendência de nos entusiasmar com as poucas medalhas do Brasil em nome de um país que podia dar certo e não daquele que efetivamente temos, não podemos esquecer com o que estamos defrontados. E esse megaevento denominados de “Jogos Olímpicos” não passa de uma máquina de fazer dinheiro que não possui qualquer compromisso com a melhoria da qualidade de vida, nem do avanço da igualdade em qualquer esfera que seja, inclusive a esportiva.

Assim, ainda que não tenhamos como deixar de vibrar por todos os atletas brasileiras que venceram ou ainda vencerão em Tóquio, apesar do descaso total que cerca o esporte olímpico brasileiro, o fato é que não se pode esquecer a verdadeira natureza desse megaevento, sob pena de nos tornarmos cúmplices dos seus reais objetivos e significados. 

Finalmente, voltando ao meu colega de mestrado Gilmar Mascarenhas que foi brutalmente morto por um ônibus enquanto pedalava pelas ruas do Rio de Janeiro, é lamentável que o tenhamos perdido tão cedo, pois isto acabou nos privando de um pesquisador que, como poucos, se colocou a estudar meticulosamente os impactos dos megaeventos esportivos sobre as populações pobres das cidades que os acolhem.

Em um único dia, Groenlândia perdeu gelo suficiente para cobrir a Flórida em cinco centímetros de água

Dados mostram que a camada de gelo perdeu 8,5 bilhões de toneladas de massa superficial na terça-feira.  Temperatura recorde de todos os tempos de 19,8C na região na quarta-feira

groenlandiaA estação de degelo da Groenlândia geralmente dura de junho a agosto. Os dados do governo dinamarquês mostram que o país perdeu mais de 100 bilhões de toneladas de gelo desde o início de junho deste ano. Fotografia: Reuters

Por Oliver Milman para o “The Guardian”

O vasto manto de gelo da Groenlândia está sofrendo um aumento no derretimento, com a quantidade de gelo desaparecendo em um único dia nesta semana o suficiente para cobrir toda a Flórida em cinco centímetros de água, descobriram os pesquisadores.

O dilúvio de derretimento atingiu profundamente o enorme interior gelado da Groenlândia, com dados do governo dinamarquês mostrando que a camada de gelo perdeu 8,5 bilhões de toneladas de massa superficial só na terça-feira. Outros 8,4 bilhões de toneladas foram perdidos na quinta-feira, informou o site de monitoramento do Portal Polar .

A escala do gelo que desaparece é tão grande que as perdas na terça-feira criaram água derretida suficiente para afogar todo o estado da Flórida, nos Estados Unidos, em 5 cm de água. O gelo que derrete na Groenlândia flui como água para o oceano, onde se soma ao aumento contínuo do nível do mar global causado pela mudança climática induzida pelo homem.

“É um nível muito alto de derretimento e provavelmente mudará a face da Groenlândia, porque será um motor muito forte para uma aceleração do derretimento futuro e, portanto, do aumento do nível do mar”, disse Marco Tedesco, especialista em geleiras em Columbia Universidade e cientista adjunto da Nasa.

Tedesco disse que um patch de alta pressão está sugando e segurando o ar mais quente do sul “como um aspirador de pó” e segurando-o sobre o leste da Groenlândia, causando uma temperatura recorde de todos os tempos de 19,8C na região na quarta-feira. À medida que a neve sazonal derrete, o gelo do núcleo mais escuro é exposto, que então derrete e aumenta o aumento do nível do mar.

“Tivemos esse tipo de eventos atmosféricos no passado, mas agora eles estão se tornando mais longos e frequentes”, disse Tedesco.

“A neve é ​​como um cobertor protetor, então, uma vez que ela vá embora, você fica preso em um derretimento cada vez mais rápido, então quem sabe o que acontecerá com o derretimento agora. É incrível ver como essas áreas enormes e gigantes de gelo são vulneráveis. Estou surpreso com o quão poderosas são as forças que agem sobre eles.”

A estação de degelo da Groenlândia geralmente dura de junho a agosto. Os dados do governo dinamarquês mostram que a ilha perdeu mais de 100 bilhões de toneladas de gelo desde o início de junho deste ano e, embora a gravidade do derretimento seja menor do que em 2019 – quando 11 bilhões de toneladas de gelo foram perdidas em um único dia – a área afetada é muito maior em 2021.

“É difícil dizer se será um ano recorde de derretimento este ano, mas há uma tonelada de ar quente e úmido sobre a camada de gelo que está causando uma quantidade incrível de derretimento”, disse Brad Lipovsky, um glaciologista da Universidade de Washington .

“O que me preocupa é a resposta política, ou a falta dela. A elevação do nível do mar é como um trem em movimento lento, mas uma vez que começa a rolar, você não pode pará-lo. Não é uma boa notícia. ”

Se todo o gelo na Groenlândia derretesse, o nível do mar global aumentaria cerca de 6 metros,e embora seja improvável que isso aconteça em qualquer tipo de escala de tempo previsível, os cientistas alertaram que a maior ilha do mundo está atingindo um ponto de inflexão devido às pressões exercidas sobre ele pelo aquecimento global.

O gelo da Groenlândia está derretendo mais rápido do que em qualquer momento nos últimos 12.000 anos, calcularam os cientistas ,com a perda de gelocorrendo a uma taxa de cerca de um milhão de toneladas por minuto em 2019. A Groenlândia e a outra região polar da Terra, a Antártica,juntas perderam 6,3 trilhões toneladas de gelo desde 1994.

Essa taxa de perda de gelo, que está se acelerando conforme as temperaturas continuam aumentando, está mudando as correntes oceânicas, alterando os ecossistemas marinhos e representando uma ameaça direta às cidades costeiras baixas do mundo, que correm o risco de serem inundadas por inundações. Um artigo de pesquisa de 2019 descobriu que a camada de gelo da Groenlândia poderia adicionar algo entre 5 cm e 33 cm aos níveis globais do mar até o final do século. O mundo está no caminho certo “do meio para o alto disso”, disse Lipovsky.

“É muito preocupante”, disse Tedesco. “A ação é clara – precisamos obter emissões líquidas zero, mas também precisamos proteger as populações expostas ao longo da costa. Isso vai ser um grande problema para nossas cidades costeiras. ”

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

 

Argentina está lutando com a seca

O rio mais importante do país sul-americano tem o menor nível de água em 50 anos

rio paranáBarcos encalhados no rio Paraná perto da cidade de San Lorenzo. Foto: Reuters / agosto Marcarian

Por Jürgen Vogt, Buenos Aires para o Neues Deutschland

Embora as fortes chuvas causem inundações em muitos lugares da Europa, o quadro é diferente na América do Sul: o Rio Paraná atingiu seu nível mais baixo em meio século. A falta de precipitação nas cabeceiras do rio brasileiro é citada como a causa. Em maio, o serviço meteorológico brasileiro relatou a menor precipitação em mais de 90 anos para os estados do sul de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. Muitos especialistas se perguntam como o fenômeno está relacionado às mudanças climáticas, que, por outro lado, há muito vêm causando fortes chuvas na América do Sul.

O tempo seco não é o único responsável pela vazante do Paraná, que flui do Brasil via Paraguai e Argentina 4.880 km ao sul até sua confluência com o Río de la Plata. Durante anos, as áreas florestais da Amazônia e do Pantanal no sul do Brasil foram desmatadas e convertidas em áreas aproveitáveis ​​para o cultivo de produtos agrícolas e para a pecuária. No Paraguai e na Argentina, os limites do uso para a agricultura estão sendo empurrados cada vez mais para o norte.

No Paraguai, seis milhões de ha de floresta foram desmatados nos últimos 20 anos. Quase no mesmo período, as escavadeiras na Argentina arrasaram cerca de 14 milhões de ha de floresta. Assim como no Brasil, a área desmatada é destinada principalmente à pecuária e ao cultivo de soja nos dois países. Embora o consumo de água do rio esteja aumentando, a perda de áreas de floresta armazenadora de água, que sempre foi capaz de mitigar os efeitos extremos de chuvas fortes ou leves, é muito mais grave. O desaparecimento das florestas está mudando o microclima. As massas de ar úmido são atraídas cada vez mais fracas.

O nível médio da água do rio vem caindo desde meados de 2019. Isso já era perceptível no ano passado nas grandes áreas úmidas ao longo dos últimos 300 quilômetros do rio na Argentina. No delta do Paranás, 80 por cento da área está em níveis normais de água. Apenas 20 por cento é terreno sólido. Agora o relacionamento foi revertido. No ano passado, incontáveis ​​incêndios destruíram mais de 500 km2 de pântanos. Um desastre ambiental que ameaça se repetir no máximo até o final de julho, quando os fazendeiros tradicionalmente queimam seus campos, embora isso tenha sido proibido há muito tempo.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

De sumidouro a fonte: por causa de desmatamento, Amazônia emite mais do que absorve CO2

carbono-Amazonas-996x567Um estudo descobriu que as partes sudeste e leste da Amazônia funcionam mais como emissores do que como sumidouros de carbono. Crédito da imagem: Márcio Isensee e Sá / Flickr , sob licença Creative Commons 2.0

Por Washington Castilhos para a SciDev

A Amazônia liberou, em nove anos, mais CO 2 do que absorveu, concluiu estudo que alerta que essa floresta passa a funcionar mais como emissora de dióxido de carbono do que como sumidouro.

“Se a Amazônia fosse mais bem preservada, teria um papel fundamental na mitigação das mudanças climáticas”, disse ao SciDev.Net. os autores do artigo.

De acordo com o estudo, foram liberados um bilhão de toneladas de CO 2 anualmente entre 2010 e 2018. “Se não houvesse queimadas e desmatamento, nesse período a Amazônia eliminaria 450 milhões de toneladas de dióxido de carbono da atmosfera”, acrescentou Aragão.

Além disso, eles descobriram que as partes sudeste e leste da floresta – a região do arco do desmatamento, já bastante alterada – funcionam mais como emissores do que como sumidouros de carbono. Essa região é responsável por 72% das emissões totais da Amazônia, sendo 62% provenientes de incêndios.

“Se a Amazônia fosse mais bem preservada, teria papel fundamental na mitigação das mudanças climáticas”.

Luiz Aragão, Chefe da Divisão de Observação da Terra e Geoinformática do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Brasil

“A própria floresta tem capacidade de absorver carbono, minimizando o potencial de emissão. Mas depende se funciona bem ”, explicou Aragão.

Nas florestas tropicais, o carbono é normalmente absorvido e transformado em biomassa florestal por meio da fotossíntese. No entanto, os cientistas observaram que o equilíbrio entre emissões e absorção foi alterado pela ação humana, tornando a floresta menos capaz de agir como absorvente.

“O desmatamento na Amazônia contribui para menor absorção de CO 2 e maiores emissões pela floresta, favorecendo o aquecimento global”, acrescentou a climatologista Renata Libonati, do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que não participou no estudo.

Além disso, o desmatamento está intimamente relacionado aos incêndios , a principal causa das emissões de CO 2 . Apenas 18% das emissões das queimadas são absorvidas pela floresta. “O desmatamento e os incêndios tornam essa vegetação mais vulnerável a secas extremas e causa mais mortalidade de árvores. Sem capacidade de absorção, isso vai gerar mais emissões de carbono ”, enfatizou Aragão.

As medições feitas para a pesquisa incluíram a Amazônia sul-americana como um todo – cerca de 7,25 milhões de km2 – o equivalente à maior área da Europa Ocidental. Mas a reportagem revelou que a parte oriental (o lado brasileiro, com seus dois milhões de km2 e 30% de área desmatada) é a região com maior emissão e menor absorção.

As consequências, porém, afetam o clima global, pois mais emissões aumentam a temperatura do planeta e isso favorece a ocorrência de eventos extremos, expansão de doenças, períodos mais chuvosos e outros de estiagem, que podem afetar a produção agrícola, a matriz energética. e consumo de água.

“Ao mesmo tempo em que absorve carbono, a floresta recicla a água por meio da evapotranspiração das plantas. Portanto, também permite que a umidade alcance outras regiões. Mas com a degradação da floresta, essa função fica comprometida, induzindo uma redução maior das chuvas ”, explicou Aragão.

Libonati acrescentou que, apesar de estudos anteriores já apontarem para a mudança da Amazônia de sumidouro para emissor, há incertezas. “A grande contribuição deste estudo é que os cientistas coletaram informações em campo, cobrindo a região de forma mais completa e fazendo medições mais próximas da realidade. Assim, dão mais força a uma discussão já iniciada ”, analisou.

Para Marcos Pedlowski, geógrafo da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Rio de Janeiro), que também não participou do artigo, “o estudo traz evidências científicas relevantes sobre as emissões, mas o carbono também vem da degradação . Quando somarmos os dois, veremos que a situação é muito pior ”, completou Pedlowski.

De acordo com a reportagem, dos países amazônicos, o Brasil é o que menos se preocupa com a floresta, já que a parte com as maiores emissões de CO 2 fica do lado brasileiro. “O Brasil está tecnicamente preparado e sempre foi reconhecido na gestão ambiental. Precisamos resgatar essa posição para que o país tenha voz ativa no caminho do desenvolvimento sustentável ”, finalizou.

Link para o estudo na Nature

fecho

Este texto foi escrito originalmente em espanhol e publicado pela SciDev [Aqui!].