Vaza novo relatório do IPCC: apenas redução drástica na emissão de gases pode salvar o Acordo de Paris

Resultado de imagem para MUDANÇAS CLIMÁTICAS OBSERVATÓRIO DO CLIMA

Estimativa é que a temperatura ultrapasse 1,5° Celsius antes de 2040, relataram os cientistas. O que significa um aumento da frequência de extremos de frio e calor, de secas e inundações e um risco maior de conflitos

O aquecimento global deve ultrapassar em duas décadas o limite mais ambicioso estabelecido pelo acordo climático de Paris, a menos que os governos reduzam drasticamente a emissão de gases de efeito estufa, revela um rascunho do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) sobre a estabilização do aquecimento global a 1,5ºC. O relatório foi obtido pela agência de notícias Reuters. O IPCC publicou uma nota sobre o vazamento, alertando que modificações substanciais podem ocorrer até a divulgação da versão final do documento, em outubro. Membros do painel confirmaram o conteúdo ao OC.

De acordo com o documento, enviado nesta semana para comentários de revisores, será preciso implementar um nível de transformação sem precedentes na área produtiva caso a humanidade se proponha a evitar as transformações radicais causadas pelas mudanças climáticas. Significa cortar os combustíveis fósseis a níveis nunca antes imaginados, estimular fortemente o uso de energia renovável e substituir boa parte dos processos produtivos da indústria e da agricultura. Segundo o relatório, as temperaturas devem subir 1,5°C até 2040.

Segundo a Reuters, o relatório ainda estimou que a humanidade poderia emitir apenas 580 bilhões de toneladas de gases de efeito estufa para ter mais de 50% de chance de limitar o aquecimento a 1,5° C. Evitar que a temperatura ultrapasse o limite do Acordo de Paris, afirmam os cientistas, significa limitar os extremos de frio e calor, secas e inundações, migração de pessoas e riscos de conflito. Mesmo assim, com mais 1,5° é provável que boa parte dos recifes de corais não sobrevivam.

FONTE: http://www.observatoriodoclima.eco.br/vaza-novo-relatorio-ipcc-apenas-reducao-drastica-na-emissao-de-gases-pode-salvar-o-acordo-de-paris/

Nenhum residente a menos

Resultado de imagem para residencia médica

Sob pressão, comissão do MEC recua e mantém residências médicas

Depois de três semanas de tensão no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, a pressão da comunidade acadêmica rendeu boas novas. A Comissão Nacional de Residência Médica, vinculada ao MEC, recuou e decidiu garantir as matrículas dos 180 médicos aprovados no concurso de 2017. A medida foi anunciada na última quinta-feira, 11, após reunião da Comissão com a direção do hospital. Os cursos começarão em março.

As novas matrículas haviam sido suspensas por decisão da Comissão Nacional, determinada num relatório de 32 linhas, datado de 13 de dezembro e assinado por Rosana Leite de Melo, secretária-executiva da Comissão e professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Três meses antes, dois inspetores da Comissão passaram dez horas no Clementino. “Acompanhei a visita. Eles não pediram nenhum documento nem viram a rotina. Coordeno 52 residentes. Eles trabalham muito. Têm experiência prática e teórica”, lamentou Flávio Signorelli, coordenador do programa de Clínica Médica, o maior do HU. “Fechar é acabar com o principal formador de médicos do Rio de Janeiro”.

Sem apresentar dados, o relatório da Comissão diz que o hospital está em situação pré-falimentar, que faltam profissionais e leitos, e resolve estabelecer diligência para 30 residências. A mesma medida foi aplicada no Hospital Pedro Ernesto, da Uerj.

O documento surpreendeu a UFRJ. “Nunca vi nada igual. Acho irresponsável”, criticou Roberto Medronho, diretor da Medicina. “Não se trata de uma avaliação concreta com descrição dos problemas e indicação de soluções. Não há fundamentação pedagógica para interrupção dos programas”, apontou Leôncio Feitosa, diretor do hospital e presidente licenciado do Sindicato dos Médicos do Rio.

Também causou revolta o fato de a medida se aplicar sem distinção a todas as residências, a maioria com alto índice de aprovação nos exames de especialista. “Os médicos da UFRJ têm 100% de aprovação na prova de títulos”, diz Flávia Conceição, professora da Medicina e presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia/ RJ. “Essa residência é a mais disputada do Rio. Quem passa não desiste.”

FONTE: Adufrj

MPF/RJ exige suspensão de dragagem que ameaça botos-cinza

Medida busca impedir que poluição torne mais grave a mortandade da espécie na Baía de Sepetiba

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro e em Angra dos Reis expediu Recomendação ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e à Companhia Portuária Baía de Sepetiba (CPBS) determinando a suspensão imediata da licença de dragagem de 1.837.421 m3 do fundo da Baía de Sepetiba, até a completa normalização do surto de morbilivirose causadora do óbito de quase duas centenas de botos-cinza nas Baías de Sepetiba e Ilha Grande. A dragagem foi autorizada pelo Inea no ano de 2017, e começou a ser realizada no último dia 12 de janeiro pela CPBS, que opera o terminal de minério da empresa Vale S.A.

Desde o final de novembro, um surto do vírus morbilivírus tem causado a morte de dezenas de animais nas duas baías. A doença compromete a imunidade dos botos e ainda estão sendo investigado se há outras patologias associadas. Até o dia 10 de janeiro, 170 animais foram recolhidos nas duas baías e, segundo Boletim Técnico emitido pelo Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores da Faculdade de Oceanografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (MAQUA/UERJ) e o Laboratório de Patologia Comparada de Animais Selvagens da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP (LAPCOM/FMVZ/USP), a tendência é que o número de animais mortos aumente nas próximas semanas.

A recomendação do MPF está baseada em documento elaborado pelo Laboratório de Bioacústica e Ecologia de Cetáceos da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), que aponta que as atividades de dragagem afetam negativamente os mamíferos marinhos. Segundo o documento, “em relação às baleias e golfinhos, têm sido reportados impactos negativos que envolvem principalmente o abandono temporário ou permanente do ambiente. Além disso, a dragagem pode levantar plumas de sedimentos que, se contaminados, podem tornar os metais pesados biodisponíveis aos golfinhos e as baleias”.

Como é sabido, por décadas a empresa metalúrgica Ingá, além de outras empresas instaladas no Distrito Industrial de Santa Cruz, se utilizaram da baía de Sepetiba como destino final de seus efluentes líquidos e sólidos ricos em metais pesados, principalmente cádmio, zinco e cromo. “Altas concentrações de contaminantes desse tipo estão ligadas à depressão do sistema imune, principalmente em relação ao mercúrio, cádmio, chumbo, selênio e zinco, como foi o caso reportado para os golfinhos-nariz-de-garrafa”, registra o documento da UFFRJ.

O documento ainda registra que o ruído produzido pela dragagem “tem o potencial de induzir estresse, que, por sua vez, pode reduzir a eficiência de forrageamento de mamíferos marinhos ou aumentar sua suscetibilidade a patógenos e aos efeitos das toxinas”.

Para os pesquisadores do Laboratório de Bioacústica e Ecologia de Cetáceos da UFFRJ, “uma vez que a única forma de recuperação populacional é o desenvolvimento de uma imunidade adquirida contra tal doença, é importante minimizar fatores estressores que podem levar os indivíduos a se tornarem mais suscetíveis aos impactos locais. Sendo assim, não é recomendável qualquer atividade de dragagem, visto que a mesma será impactante para uma população que está ameaçada por um patógeno, tornando-a mais vulnerável à instalação de doenças“;

Para os procuradores da República Sergio Gardenghi Suiama e Igor Miranda da Silva, que assinam a Recomendação, o risco concreto de extinção dos botos-cinza nas Baías de Sepetiba e Ilha Grande justifica plenamente a paralisação da dragagem. “É inaceitável que, diante de tão grave situação de saúde de espécie ameaçada da fauna brasileira, o órgão ambiental mantenha a atividade de dragagem em área contaminada, colocando ainda mais em risco a sobrevivência dos botos-cinza, símbolo da cidade do Rio de Janeiro”, afirmam os procuradores.

A Recomendação expedida pelo MPF determina que o Inea e a CPBS informem, no prazo de 72 horas, se cumprirão espontaneamente a determinação.

Confira aqui a íntegra da recomendação e dos documentos técnicos que embasaram o documento do MPF.

FONTE:  Assessoria de Comunicação da Procuradoria da República no Rio de Janeiro

Banco Mundial e suas travessuras: manipulação de ranking prejudicou governo de Michelle Bachelet

Em uma reportagem publicada pelo Wall Street Journal  no dia 13 de janeiro, e assinada pelos jornalistas Josh Zumbrun e Ian Talley, o economista chefe do Banco Mundial,  Paul Romer, reconheceu que a instituição modificou um dos seus principais rankings, o de competitividade comercial dos países, para prejudicar a colocação de determinados países. Essa manipulação teve efeitos especialmente na avaliação do Chile que era então governado por Michelle Bachelet e acabou perdendo a sua reeleição para Sebastian Piñera [1].

bm wsj

Mas a coisa não parou por aí e nos anos seguintes o mesmo ranking foi modificado, mas agora para beneficiar determinados, a começar pelo Chile então governado por Piñera que passou a ocupar posições melhores. Estranhamente novas modificações no último mandato de Michelle Bachelet, o Chile voltou a cair no mesmo ranking.

A coisa ficou tão escancarada que Paul Romer levou suas preocupações sobre as potenciais razões políticas por detrás das flutuações observadas no tal ranking para a diretoria do Banco Mundial que concordou em fazer novos ajustes que eliminem os vícios encontrados.

As revelações do economista chefe do Banco Mundial tiveram como uma das primeiras consequências uma manifestação de Michelle Bachelet para que se faça uma investigação completa da possível manipulação deste ranking, visto os graves prejuízos financeiros que podem ter sido causados ao Chile e, convenhamos, a outros países cujos governos não estejam alinhados com a doutrina neoliberal da instituição multilateral.

bachelet

Um dos detalhes, digamos mais picantes desse imbróglio, é que o economista Augusto López-Claros, um dos encarregados de preparar o chamado “Doing Business Report”,  é muito próximo do ex-ministro secretário general da Presidência do Chile durante o primeiro governo de Sebastián Piñera, Cristián Larroulet. 

Diante desta admissão de manipulação política de um ranking do próprio Banco Mundial é que fica ainda mais explícito de que o famigerado relatório contratado pelo governo brasileiro, o “Um Ajuste Justo: Análise da Eficiência e Equidade do Gasto Público no Brasil” [2] tem seu conteúdo ainda mais desacreditado. É que se os técnicos do Banco Mundial manipulam seus próprios rankings, o que dirá de um relatório técnico encomendado por um governo-cliente? Talvez seja por isso que ainda não se viu na mídia corporativa brasileira nada sobre esse caso escandaloso envolvendo o Banco Mundial e um de seus principais rankings.


[1] https://www.wsj.com/articles/world-bank-unfairly-influenced-its-own-competitiveness-rankings-1515797620?mod=e2tw&page=1&pos=1

[2] https://blogdopedlowski.com/2017/12/10/artigo-de-professores-da-ufba-traz-estudo-profundo-e-detalhado-de-documento-do-banco-mundial/

 

Operação Lava Jato e seus métodos estão em xeque

Juíza do DF decreta penhora do triplex do Guarujá

Nunca estive entre os aficionados dos métodos utilizados pela chamada Operação Lava Jato e nem me incluo entre aqueles que acreditam que a corrupção no Brasil será exterminada via ações midiáticas que muitas vezes resvalam nos direitos básicos garantidos pela Constituição Federal Brasileira.

Um dos maiores riscos que temos com a consumação dos métodos pelo Ministério Público Federal, especialmente em Curitiba e em colaboração direta com o juiz Sérgio Moro, é de que além de não se alcançar níveis mínimos de diminuição na corrupção, também se chegue a um descrédito das instâncias da justiça.  O problema disso é que seríamos lançados num vale-tudo maior do que aquele que já vivemos, especialmente se o cidadão provém das classes mais pobres da população.

Como não estou entre um eleitor potencial do ex-presidente Lula (e nem votei em Dilma Rousseff nas duas vezes em que ela foi eleita presidente do Brasil), sinto-me à vontade para dizer que o caso do ex-presidente parece ser um dos mais emblemáticos da forma despudorada e desnivelada com que a Operação Lava Jato e o juiz Sérgio Moro têm operado em Curitiba. É que o ex-presidente Lula foi condenado a nove anos de prisão pela suposta propriedade oculta de um apartamento na cidade de Guarujá, o famoso triplex da OAS Empreendimentos.

Pois bem, o caso é tão frágil que nem precisaria que a juíza Luciana Correa Torres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal tivesse tomado uma decisão que joga na lama a sentença do ex-presidente Lula para deixar isso mais claro. Mas o caso é que a juíza Luciana Correa Torres de Oliveira acaba de incluir o famoso triplex numa lista de bens penhorados numa ação movida por empresários brasilienses contra a OAS![1]

Registro do Tríplex em nome da OAS, no cartório de Guarujá São Paulo

Com essa decisão em mãos é muito provável que a equipe de advogados do ex-presidente Lula marche até o seu julgamento em 2a. instância e peça o arquivamento sumário do processo em que ele foi condenado. Se isso acontecer e o pedido tiver que ser aceito pela , é certo que a principal perdedora será a justiça brasileira que se apressou em condenar Lula com provas para lá de frágeis.

E não esqueçamos que no “track record” do juiz Sérgio Moro já repousam outros casos em que os condenados nunca viram o interior de uma cela por causa de erros processuais, sendo o caso do Banestado o mais notório [2].

Por essas e outras que penso que o combate à corrupção é uma daquelas bandeiras que só servem para distrair os pobres, enquanto os ricos realizam tratativas para retirar direitos e acumular ainda mais riquezas.


[1] https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/336759/Triplex-que-Lava-Jato-atribuiu-a-Lula-%C3%A9-penhorado-a-credor-da-OAS.htm

[2] https://jornalggn.com.br/noticia/o-que-diferencia-o-caso-banestado-da-operacao-lava-jato

 

 

Notícias da Aduenf: Nota pública explica posição da Aduenf sobre greve

uenf sos

NOTA PÚBLICA DA ADUENF A RESPEITO DA GREVE E INÍCIO DAS AULAS

Buscando dirimir especulações e informações inverídicas, a ADUENF vem a público trazer alguns esclarecimentos sobre a presente greve e a perspectiva de um retorno às aulas.

Em 27/09/17, última assembleia em que a greve foi objeto de pauta, os professores por ampla maioria decidiram pela permanência em greve até que todos (i) os salários devidos fossem quitados ou (ii) houvesse a divulgação de um calendário de pagamentos oficial por parte do governo estadual. A assembleia, também por ampla maioria (45 a 15 dos presentes), também apresentou a (iii) exigência do restabelecimento das condições de trabalho no campus, com garantias mínimas de segurança e limpeza para que a comunidade acadêmica possa desenvolver suas atividades normais e dar continuidade a um trabalho de que tem sido reconhecido como de excelência por diversas instâncias avaliadoras.

Nesse ínterim, durante a greve e por meio da CI UENF/REIT no. 086/2017, a Reitoria decretou férias coletivas para o período de 02 a 31 de janeiro de 2018, condição em que atualmente professores, técnicos e alunos formal e juridicamente se encontram, independentemente da greve dos docentes.

No presente momento, apesar do recente pagamento do 13o salário do ano de 2016 e do salário do mês de novembro de 2017, os professores da UENF ainda aguardam o pagamento do salário de dezembro e do 13o de 2017, não se configurando, portanto, o restabelecimento da normalidade no pagamento de salários.

Caso se confirme a promessa do governo estadual de pagamento do salário de dezembro e do décimo terceiro de 2017 nos próximos dias, o comando de greve da ADUENF convocará uma nova assembleia logo após o fim das férias coletivas para que se decida quanto ao retorno das aulas.

Diversamente da Reitoria, a diretoria da ADUENF mantém sua posição crítica em relação à redação final da PEC 47 e os repasses escalonados nela previstos, que, ao menos no curto prazo, não serão suficientes para reverter a condição de penúria na qual se encontra o campus, com segurança, limpeza e manutenção precárias e que colocam em risco a segurança e a integridade física de professores, técnicos e alunos. Continuará vigilante em relação aos problemas da vida no Campus e aguardará o efetivo repasse dos duodécimos constitucionais, denunciando publicamente seu eventual descumprimento.

A Diretoria da ADUENF reafirma seu compromisso democrático com a verdade e com a decisão coletiva tomada em assembleia por seus associados, permanecendo na luta para que seus direitos trabalhistas sejam respeitados. Persevera também na luta para que a Universidade possa o quanto antes dar continuidade à sua missão de promover ensino, pesquisa e extensão de excelência e o desenvolvimento econômico, social e humano no Norte Fluminense.

COMANDO DE GREVE

Campos dos Goytacazes, 12 de Janeiro de 2018.

 

Donald Trump e os “shithole countries”

Resultado de imagem para trump shithole countries

O presidente Donald Trump está causando um escândalo mundial após declarar em um reunião com lideranças do congresso estadunidense por ter revelado de forma sincera que não entendia porque os EUA deveriam receber imigrantes de “shithole countries” como o Haiti e El Salvador [1]. O problema, independente da escolha que se faça para traduzir o termo, é que “shitholes” são aquelas “casinhas” ainda existentes em muitos locais onde os moradores da casa depositam suas fezes diretamente num buraco. Em suma, “shitholes” podem ser traduzidos diretamente “como buracos de merda” e “shithole countries” como “países de merda”.   Donald Trump teria declarado ainda que preferiria ter imigrantes vindos de países como a Noruega onde obviamente a maioria dos habitantes é branca.

Essas declarações de Donald Trump estão causando um verdadeiro rebuliço dentro e até acidentes diplomáticos fora dos EUA,  já que obviamente as mesmas são interpretadas como racistas e injustas contra um contingente de pessoas que realizam normalmente as tarefas mais duras e menos bem pagas. Aliás, um dos levantamentos feitos sobre locais com um número alto de haitianos trabalhando detectou que no resort de Mar-a-Lago de propriedade do próprio Donald Trump há uma maiores concentrações de trabalhadores haitianos na região de Miami. [2]

Convenhamos que o fato de Donald Trump usar uma expressão tão desclassificante para países pobres que enviam grandes contingentes de migrantes para os EUA não deveria surpreender ninguém, pois ele se notabilizou por vencer uma campanha eleitoral onde esse tipo de coisa apareceu várias vezes para delírio de seus apoiadores presentes nos comícios e até nos eventos oficiais do Partido Republicano.  A novidade aqui é ter um presidente dos EUA que diz as coisas de forma cruamente sincera.

Agora, diante deste tipo de declaração o que fica pendente são os efeitos que a mesma trará dentro das numerosas comunidades de migrantes existentes dentro dos EUA. É que diante deste tipo de declaração e do silêncio concordante do Partido Republicano, a mesma certamente terá efeitos políticos que poderão fazer com que Donald Trump seja um daqueles raros presidentes estadunidenses que não sobreviveram a mais do que um mandato na Casa Branca.

Por último, fico curioso para saber como ficam aqueles brasileiros que saíram do Brasil em busca do “sonho americano” diante das declarações de Donald Trump. Provavelmente muitos vão até se sentirem felizes em sabe que conseguiram sair de um dos “shithole countries” mencionados por Trump. Isso enquanto alegremente limpam latrinas para os ultra ricos estadunidenses.


[1] https://edition.cnn.com/2018/01/11/politics/immigrants-shithole-countries-trump/index.html.

[2] https://en.wikipedia.org/wiki/Mar-a-Lago