Em giro pela Europa, Guilherme Boulos fará ato político em Lisboa

Resultado de imagem para guilherme boulos alemanha

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e ex candidato a presidente pelo PSOL, Guilherme Boulos está realizando um giro pela Europa onde vem realizando várias atividades que visa consolidar alianças políticas com partidos de esquerda que possuem representação não apenas em seus países, mas também no Parlamento Europeu.

Neste sábado, Boulos estará realizando uma atividade pública em Lisboa no tradicional “Mercado Forno do Tijolo “, na companhia de deputados do Bloco de Esquerda e da presidente da Fundação José Saramago (ver imagem abaixo).

boulos lisboa

Este giro pela Europa é uma demonstração clara de que Guilherme Boulos não só entendeu as tarefas políticas que terá pela frente a partir da posse do presidente eleito, mas também da sua própria importância na condução das mesmas.

A minha única dúvida é qual tarefa política Boulos considera mais prioritária dentro de uma conjuntura histórica tão complexa. Se ele optar por uma ação democrática mais radical para fazer frente aos fortes ataques que estão sendo anunciados contra os direitos dos trabalhadores e da juventude, Guilherme Boulos tem tudo para cumprir um papel relevante na reorganização das forças de esquerda não apenas no Brasil, mas em toda a América Latina.  A ver!

Lançada base de dados para acompanhamento e documentação de incidentes de mineração em escala mundial

Resultado de imagem para mariana samarco

Um grupo de pesquisadores e ativistas acaba de lançar uma base de dados de alcance mundial que permitirá a todos os interessados a documentar e avaliar incidentes relacionados a depósitos de rejeitos da mineração.

A base de dados foi denominada “World Mine Tailings Failures” (ou simplesmente WMTF) estará em contínuo desenvolvimento, mas pode pode ser acessada para que os interessados nos incidentes envolvendo a mineração em escala global possam ter acesso a dados reais e confiáveis para análise de tendências, causas e consequências com vistas às mudanças que resultarão em prevenção de perdas efetiva relacionada ao gerenciamento de rejeitos da mineração.

É importante notar que a WMTF registra todas as falhas e eventos adversos significativos em todos os componentes envolvidos na deposição e armazenamento de rejeitos minerais, incluindo rejeitos gerados após a extração a jusante, e. em fundições ou refinarias.

A figura abaixo apresenta um dos tipos de produtos que podem ser gerados com o uso dos dados que estão começando a ser disponibilizados pela WMTF, e mostra um índice de magnitude para os incidentes de mineração. Importante notar a posição de destaque do incidente envolvendo o reservatório de Fundão que causou o TsuLama da Mineradora Samarco (Vale + BHP Billiton) que devastou o Rio Doce.

wmtf-fig-3

Quem desejar acessar a WMTF, basta clicar [Aqui!]

Enquanto Brasil afronta, EUA vendem soja para a China

As últimas semanas têm sido caracterizadas por uma série de ataques de membros da família Bolsonaro contra a China, percebida como um dos componentes de uma pretensa ameaça comunista ao Brasil [1]. Isto em que pese a China ser atualmente o primeiro parceiro comercial do Brasil, sendo inclusive o principal mercado para a soja, principal commodity da agricultura brasileira.

Pois bem, eis que hoje (13/12), o jornal China Daily publicou uma matéria informando que a China irá realizar uma grande aquisição de soja, só que dos EUA [2].  Esta compra será segundo o China Daily, uma espécie de porta voz extra oficial do governo chinês, uma demonstração de boa vontade da China para com os EUA no processo de retomada de negociações para resolver as pendências comerciais existentes entre os dois países.

china daily

Como se pode verificar de apenas esta única aquisição que beira o valor de US$ 180 milhões, o governo Trump pode até arreganhar os dentes para a China, mas não tem como desprezar o potencial de consumo do mercado chinês. E aí o que conta é a necessidade de vender produtos, e a ideologia que se dane.

A coisa é que a geopolítica da trocas capitalistas não tem mais (se algum dia já teve) espaço para amadores. E seria bom que o governo Bolsonaro entendesse isso logo na relação com a China. Do contrário, quem vai acabar sendo isolado do mercado chinês de soja será o Brasil. Aí eu gostaria de ver o que diriam os latifundiários que ajudaram a eleger Jair Bolsonaro.


[1] https://www.brasil247.com/pt/247/poder/376943/Chanceler-informal-Eduardo-Bolsonaro-amea%C3%A7a-rela%C3%A7%C3%A3o-Brasil-China.htm

[2] http://www.chinadaily.com.cn/a/201812/13/WS5c127dbaa310eff303290e56.html

Uma bandeira necessária, um debate urgente: a reabertura do Restaurante Popular em Campos dos Goytacazes

Resultado de imagem para restaurante popular campos dos goytacazes

Por Luciane Soares da Silva*

Tenho acompanhado com atenção a questão da reabertura do restaurante popular de Campos. Em primeiro lugar, acho fundamental ao processo democrático a prática do debate público ampliado. Ou seja, fora das esferas estritamente governamentais. Em segundo lugar, recebi com celeridade todos os esclarecimentos solicitados à Secretaria de Desenvolvimento Humano e Social. Mas com boas intenções não se faz necessariamente uma boa política pública e creio que é necessário explicitar o que tenho visto neste processo.

Ampliar este debate é urgente. Precisamos compreender as mudanças na forma de funcionamento do Restaurante Popular em Campos dos Goytacazes. Compreendi que existe uma defesa do acesso universal por parte do Conselho de Assistência Social em detrimento das formas segmentadas de acesso apresentadas pela Prefeitura. E isto me pareceu absolutamente correto. Mesmo compreendendo a função do Cadastro Único, fico em dúvida sobre dividir em 3 grupos os usuários a partir de critérios como renda (situação de extrema pobreza, usuários cadastrados no Cadastro único e demais usuários). Creio que esta é uma das diferenças principais na posição de Conselheiros e Prefeitura.

O funcionamento de um Conselho é algo importante para o aprimoramento da democracia. E aqui, torna-se especialmente importante pela qualidade dos conselheiros envolvidos nesta construção. Uma vez eleito, ele deve ter poder efetivo em sua ação, não pode ser uma peça decorativa.

Acredito que seria fundamental a apresentação de um projeto, não sobre segurança alimentar (que me parece aliás ser muito mais amplo e complexo do que o modelo disposto para Campos pela Prefeitura, sendo um legado do governo Lula para o país). Seria fundamental compreender: a) a necessidade real de atuação de uma empresa terceirizada; b) a forma de contratação dos pequenos agricultores, já que suas condições são singulares e muitas vezes, precarizadas quanto ao escoamento da produção e documentação; c) o cálculo para estabelecimento dos valores praticados pois estão altos em relação a outros restaurantes populares no país, embora o poder público possa declarar o contrário; d) a relação entre o recolhimento de alimentos a serem reaproveitados e a empresa que os reaproveitará. 

Mesmo que estas explicações já tenham sido prestadas nas instâncias devidas, me parece necessário que estudantes, trabalhadores e demais usuários da cidade, possam acessar a informação com transparência. E não creio que seja correto ver nesta solicitação a ação de uma oposição soturna e mal intencionada. A oposição em um sistema democrático é absolutamente saudável. Há que se apresentar o máximo de informações e esgotar o diálogo antes que a Câmara de Vereadores aprove um projeto (seja o de segurança alimentar inclusive) de tamanha importância. Como seria diferente? Por que seria diferente?

Exatamente porque a transparência é um ideal que diferencia gestões, estas questões poderiam nortear um projeto. Ouvir quem está realizando o Café Solidário, ouvir os comerciários do centro, ouvir a população em situação de rua, os pesquisadores do tema e incorporar sugestões antes da reabertura.

Um dos maiores problemas que encontrei no acompanhamento desta reabertura são as informações desencontradas. Há quem pense que o restaurante terá gratuidade (pois esta declaração de fato foi dada), há quem não saiba o que é o Cadastro Único, há quem esteja desempregado e não corresponda a nenhuma das faixas estabelecidas por não enquadrar-se na classificação de “extrema pobreza”. Aqueles que se arvoram a gerir a coisa pública, não devem agir com ansiedade ou irritação diante das demandas da sociedade civil. Creio que há sim que se falar de envio de projeto á Câmara pois não cabe ao gestor estabelecer o conteúdo da ação da sociedade civil e de seus representantes.

Não cabe questionar a forma da produção de documentos. Se foram escritos a mão, se não dominam exatamente o linguajar jurídico, se apresentam erros de português. Nada disto invalida o essencial: a organização dos interessados na defesa de um bem público. Se estes julgarem que a qualidade da informação é insuficiente, estão absolutamente legitimados para apresentação de todo tipo de questionamento dentro do período estabelecido por lei. E creio que é este o caso. Como é este o caso em várias outras esferas da administração Diniz, conhecida por sua dificuldade de diálogo. Compreendo que a falta de experiência anterior possa produzir insegurança. O próprio prefeito ao gravar um vídeo chamando o ex governador Anthony Garotinho para briga, expôs publicamente estas fraquezas. Mas passado o tempo, é hora de assumir com probidade os processos de gestão. Cessando com os discursos que endereçam a terceiros as responsabilidades que cabem unicamente a esta atual administração municipal.

Sem clareza na apresentação do funcionamento da relação jurídica entre as partes envolvidas, todo o discurso sobre inclusão, segurança alimentar, ampliação do atendimento, perde força, transformando-se em um engodo para a população. Lembrando que o valor subsidiado pelo governo municipal é dinheiro do contribuinte. Ou seja,mais uma razão para entender porque teremos de pagar X ou Y por uma refeição. Seria importante sabermos se de fato seria mais custoso, moroso e burocrático ter a Prefeitura como principal ente de operação do restaurante sem a empresa terceirizada. E seria igualmente importante saber quais empresas se apresentaram e com quais condições de operação, ou seja, como será feita a licitação para isto.

Para conversar com a população e sobre o restaurante, será realizada na segunda feira, dia 17 de dezembro as 9:00 horas, uma plenária pública sobre o tema em frente ao Restaurante Popular atualmente fechado. Todos os setores da sociedade civil estão convidados. Será fundamental a presença de representantes da Prefeitura de Campos dos Goytacazes, afinal é uma grande oportunidade de conversar diretamente com os usurários do serviço sobre a reabertura e as formas de funcionamento. Mesmo após o fechamento, o endereço segue como ponto de aglutinação de pessoas em busca de alimento. Creio que esta parcela da população tem direito a refeições de qualidade e informação. 

*Luciane Soares da Silva é presidente da Associação de Docentes da UENF (ADUENF)  e chefe do Laboratório de Estudos da Sociedade Civil e do Estado  LESCE/UENF

Aquecimento gera temor de desmanche rápido do Ártico

ARTICO DERRETENDO

Groenlândia este ano Credito Joe MacGregor / NASA IceBridge

*Por John Schwartz e Henry Fountain para o “The New York Times”

O aquecimento persistente no Ártico está empurrando a região para um “território não mapeado” e afetando cada vez mais os Estados Unidos continentais, disseram cientistas na terça-feira.

“Estamos vendo esse aumento contínuo de calor em todo o sistema ártico”, disse Emily Osborne, uma autoridade da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), que apresentou a avaliação anual da agência sobre o estado da região, o “Artic Report Card .

O Ártico tem estado mais quente nos últimos cinco anos do que em qualquer época desde que os registros começaram em 1900, segundo o relatório, e a região está aquecendo duas vezes mais que o resto do planeta.

Dr. Osborne, o principal editor do relatório e gerente do Programa de Pesquisa Ártica da NOAA, disse que o Ártico está passando por sua “transição sem precedentes na história da humanidade”.

Em 2018, “o aquecimento das temperaturas do ar e dos oceanos continuou a levar a mudanças de longo prazo em toda a região polar, empurrando o Ártico para um território inexplorado”, disse ela em uma reunião da União Geofísica Americana em Washington. 

O aumento da temperatura do ar está tendo efeitos profundos no gelo do mar e na vida terrestre e oceânica, disseram cientistas. Os impactos podem ser sentidos muito além da região, especialmente porque o clima em mudança no Ártico pode estar influenciando eventos climáticos extremos em todo o mundo. 

A nova edição do relatório não apresenta uma ruptura radical com as edições passadas, mas mostra que as tendências problemáticas provocadas pelas mudanças climáticas estão se intensificando. A temperatura do ar no Ártico em 2018 será a segunda mais quente já registrada, segundo o relatório, atrás apenas de 2016. 

Susan M. Natali, uma cientista do Ártico no Woods Hole Research Center, em Massachusetts, que não esteve envolvida na pesquisa, disse que o relatório foi outro aviso que não foi atendido. “Toda vez que você vê um relatório, as coisas pioram, e ainda não estamos tomando nenhuma ação”, disse ela. “Isso adiciona suporte para que essas mudanças estejam acontecendo, que sejam observáveis”. 

O ar mais quente do Ártico faz com que o jato se torne “lento e incomumente ondulado”, disseram os pesquisadores. Isso tem possíveis conexões com eventos climáticos extremos em outras partes do mundo, incluindo as tempestades severas do último inverno nos Estados Unidos e um frio intenso na Europa conhecido como a “Fera do Oriente”. 

A corrente de jato normalmente atua como uma espécie de laço giratório atmosférico que circunda e contém o ar frio perto do pólo; uma corrente de jato mais fraca e oscilante pode permitir que as explosões do Ártico viajem para o sul no inverno e possam paralisar os sistemas climáticos no verão, entre outros efeitos. 

“Na costa leste dos Estados Unidos, onde a outra parte da onda desce”, disse Osborne, “você tem essas temperaturas do ar do Ártico que estão surgindo nas latitudes mais baixas e causando essas tempestades de inverno malucas”. 

O rápido aquecimento no norte superior, conhecido como amplificação do Ártico, está ligado a muitos fatores, incluindo o simples fato de que a neve e o gelo refletem muita luz solar, enquanto a água aberta, que é mais escura, absorve mais calor. À medida que o gelo do mar derrete, menos gelo e mais água aberta criam um “ciclo de feedback” de mais derretimento que leva a gelo progressivamente menor e água mais aberta. 

E como as águas do Ártico se tornam cada vez mais livres de gelo, existem implicações comerciais e geopolíticas: novas rotas marítimas podem se abrir e as rivalidades com outros países, incluindo a Rússia, estão se intensificando.

O governo federal dos EUA publica o boletim desde 2006. Continua a fazê-lo sob o governo Trump, que aprovou outros relatórios científicos sobre o aquecimento global e as emissões humanas de gases causadores do efeito estufa, apesar da rejeição da ciência climática feita pelo presidente Trump

No geral, “os efeitos do persistente aquecimento do Ártico continuam aumentando”, diz o novo relatório. “O aquecimento contínuo da atmosfera ártica e do oceano está impulsionando uma ampla mudança no sistema ambiental de formas previstas e, também, inesperadas”. Algumas das descobertas da pesquisa, fornecidas por 81 cientistas em 12 países, incluíram:

  • A extensão máxima do gelo marinho no inverno na região, em março deste ano, foi a segunda mais baixa em 39 anos de manutenção de registros.
  •  Gelo que persiste ano após ano, formando camadas espessas, está desaparecendo do Ártico. Isso é importante porque o gelo muito antigo tende a resistir ao derretimento; sem isso, o derretimento acelera. O gelo antigo representou menos de 1% do gelo do Ártico este ano, um declínio de 95% nos últimos 33 anos. 
  • Donald K. Perovich, especialista em gelo marinho do Dartmouth College, que contribuiu para o relatório, disse que a “grande história” do gelo neste ano foi no Mar de Bering, no oeste do Alasca, onde a extensão do gelo marinho atingiu um recorde de baixa praticamente todo o inverno. Durante duas semanas em fevereiro, normalmente uma época em que o gelo do mar cresce, o Mar de Bering perdeu uma área de gelo do tamanho de Idaho, disse Perovich.
  • ·A falta de gelo e o aumento do calor coincidem com a rápida expansão das espécies de algas no Oceano Ártico, associadas a florações nocivas que podem envenenar a vida marinha e as pessoas que comem os frutos do mar contaminados. O deslocamento para o norte das algas “significa que o Ártico está agora vulnerável à introdução de espécies em comunidades locais e ecossistemas que têm pouca ou nenhuma exposição prévia a esse fenômeno”, disse o relatório. 
  • As populações de renas e caribus diminuíram 56% nas duas últimas décadas, caindo de 2,1 milhões para 4,7 milhões. Cientistas que monitoraram 22 rebanhos descobriram que dois deles estavam no pico sem declínios, mas cinco populações haviam caído mais de 90% “e não mostram sinais de recuperação”. 
  • Pequenos pedaços de plástico oceânico, que podem ser ingeridos pela vida marinha, estão se proliferando no topo do planeta. “As concentrações no remoto Oceano Ártico são mais altas que todas as outras bacias oceânicas do mundo”, diz o relatório. Os microplásticos também estão aparecendo no gelo marinho do Ártico. Os cientistas encontraram amostras de acetato de celulose, usadas na fabricação de filtros de cigarros, e partículas de plástico usadas em tampas de garrafas e material de embalagem. 

“O boletim continua a documentar um rápido desmoronamento do Ártico”, disse Rafe Pomerance, presidente do Arctic 21, uma rede de organizações focadas em educar formuladores de políticas e outros sobre as mudanças climáticas do Ártico. “Os sinais de declínio são tão poderosos e as consequências tão grandes que exigem muito mais urgência de todos os governos para reduzir as emissões.” 

O relatório foi divulgado quando delegados de quase 200 países se reuniram na Polônia para a última rodada de negociações sobre o clima, resultado do Acordo de Paris, o marco do acordo climático que foi projetado para reduzir as emissões de gases do efeito estufa. 

Trump prometeu se retirar do acordo. Nas conversações, os Estados Unidos se uniram à Arábia Saudita, Kuwait e Rússia, recusando-se a endossar um importante relatório para a conferência sobre os efeitos das mudanças climáticas em todo o mundo. 

Em uma coletiva de imprensa na terça-feira anunciando as descobertas do relatório do Ártico, Tim Gallaudet, um almirante aposentado da marinha que é o administrador da NOAA, foi perguntado se ele ou qualquer outro oficial sênior da NOAA havia informado a Trump sobre mudança climática ou as mudanças o Ártico. 

“A resposta simples é não”, disse ele.

*John Schwartz faz parte da equipe especializada em questões climáticas. Desde que se juntou ao The Times em 2000, ele cobriu ciência, direito, tecnologia, o programa espacial e muito mais, e escreveu para quase todas as seções. @jswatz • Facebook

Henry Fountain cobre a mudança climática, com foco nas inovações que serão necessárias para superá-la. Ele é o autor de “The Great Quake”, um livro sobre o terremoto de 1964 no Alasca. @henryfountain • Facebook


Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo “The New York Times” [Aqui!]

Ricardo Salles, um ministro à altura da agenda reacionária do governo Bolsonaro

SALLES MANEJO

Ricardo Salles quando era secretário estadual do Meio Ambiente de São Paulo e tentava explicar alterações em mapas que favoreciam interesses privados. Foto: Giovana Girardi/Estadão

O anúncio do que o advogado Ricardo Salles, líder do movimento “Endireita Brasil”, para ser o novo ministro do Meio Ambiente deixou muita gente alarmada, dada a passagem turbulenta (e pela qual responde por ações de improbidade administrativa) que ele teve pela congênere estadual em São Paulo no governo de Geraldo Alckmin, do qual teve de sair pelas portas do fundo por ter comandado uma manipulação de mapas de manejo ambiental do rio Tietê [1&2].

Em minha modesta opinião, essa indicação apenas reforça o caráter reacionário que o governo Bolsonaro terá em várias frentes altamente sensíveis, sendo que a do meio ambiente é apenas uma delas. Além disso, Ricardo Salles parece o homem indicado para fazer o tipo de trabalho que o próximo governo acha que poderá fazer à revelia do resto do planeta. Afinal, que maior credencial para ser ministro de Bolsonaro do que a propaganda eleitoral da fracassada campanha para deputado federal que Salles realizou sugerindo o uso de balas .30 para matar javalis, esquerdistas e membros do MST? (ver imagem abaixo)

salles

As primeiras declarações de Salles reforçam que ele está disposto a tornar o seu ministério numa espécie de franquia dos interesses dos latifundiários e dos interessados em ampliar o saque aos ecossistemas naturais dos quais o Brasil deveria ser o principal interessado em preservar, mas objetivamente nunca foi.

Primeiro, Ricardo Salles declarou que a questão das mudanças climáticas não serão uma questão prioritária para o próximo governo [3], exatamente quando está sendo realizada a 24a. edição da Conferência do Clima das Nações Unidas (COP 24) em Katowice na Polônia. Além de dizer que as mudanças climáticas não serão prioridade política sob o governo Bolsonaro, ele tampouco disse que essa discussão crucial (inclusive em termos de comércio internacional) terá prioridade alguma.

Segundo, Ricardo Salles disse que os números explosivos do desmatamento no território nacional (e em especial na Amazônia Legal) não dizem “toda a verdade”, seja qual ela for.  Salles ainda experimentou uma justificativa para essa afirmação dizendo que “É preciso ver em que área foi feita e se não corresponde aos 20% que o proprietário tem por lei para desmatar em uma área privada” [4]. Ele apenas omitiu o fato de que parte significativa ocorreu em terras públicas ou devolutas, o que efetivamente faz desmoronar essa tentativa de contemporarizar o grave problema que o crescimento desenfreado do desmatamento representa para o Brasil e, por extensão, para o resto do mundo.

salles PORCOS

Em julho deste ano, Salles visitou a cidade de Pratânia, no estado de São Paulo. Lá, participou de um churrasco de chão, no qual vários porcos estavam empalados inteiros, assando. Salles filmou a cena e tirou um sarro dos veganos na legenda da publicação no Instagram: “Churrasco vegano de Pratânia.” – disse o futuro ministro (confira aqui).

Aos que se sentiram alarmados pela escolha de Ricardo Salles, a minha sugestão é que se preparem para se engajar em formas concretas de combater as práticas que ele certamente adotará para desmontar a legislação ambiental e os órgãos que existem para fazê-la valer.  É que seu “tracking record” em São Paulo mostra que ele não hesita em agir como lei e órgãos ambientais fossem estorvos à causa maior da apropriação privada desregulada dos recursos naturais. Por isso, qualquer espaço livre que seja dado à Ricardo Salles representará mais degradação ambiental e mais risco para as populações que dependem diretamente da integridade dos ecossistemas naturais para sua reprodução social.


[1] https://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,secretario-alterou-manejo-no-entorno-do-tiete-para-favorecer-industria-aponta-investigacao,70001699671

[2[ https://brasil.elpais.com/brasil/2018/12/09/politica/1544379683_286039.html

[3] https://blogdacidadania.com.br/2018/12/mudancas-climaticas-serao-secundarias-no-novo-governo/

[4] https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2018/12/10/ministro-diz-que-numeros-do-desmatamento-nao-revelam-toda-a-verdade.htm

Por trás do alimento: uma iniciativa jornalística para aumentar o conhecimento sobre os agrotóxicos em nossa comida

As organizações jornalísticas Agência Pública e Repórter Brasil, que, juntas, têm mais de 60 prêmios de jornalismo nacionais e internacionais,  acabam de lançar o site “Por Trás do Alimento”, uma iniciativa jornalística que visa investigar como são produzidos os alimentos produzidos pela agricultura brasileira, sejam para consumo interno ou para exportação [1].

agrotóxicos por trás dos alimentos

Essa é uma iniciativa fundamental, na medida em que a maioria dos brasileiros desconhece o fato de que desde 2008 somos o país que mais consome agrotóxicos no mundo.  Assim, essa iniciativa permitirá um maior conhecimento sobre os sistemas de produção de alimentos e os produtos químicos que são utilizados para manter um sistema que causa graves danos ao ambiente e à saúde humana.

O artigo de lançamento do “Por trás do alimento” é do jornalista José Brito e aborda o fato de que agrotóxicos proibidos na Europa são campeões de venda no Brasil [2].  Um dado impressionante sobre esta situação é que cerca de um terço dos ingredientes liberados para uso no Brasil estão proibidos na União Européia.  Entre estes produtos estão o paraquate, a atrazina e o acefato, todos conhecidos por causarem graves danos à saúde das pessoas que entram em contato com elas.

Lamentavelmente, a situação deverá se agravar agora que temos uma combinação trágica entre os ministros que comandarão os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, ambos conhecidos por defenderem regras ainda mais flexíveis para o uso de agrotóxicos que estão sendo banidos em todo o planeta.

Por outro lado, com o “Por trás do alimento”, poderemos ter o necessário acesso à informações importantes sobre os interesses econômicos e políticos em torno do uso de agrotóxicos na agricultura brasileira.


[1]https://portrasdoalimento.info/

[2] https://portrasdoalimento.info/2018/12/10/agrotoxicos-proibidos-na-europa-sao-campeoes-de-vendas-no-brasil/