Observatório dos Agrotóxicos: com mais 51 liberações, governo Bolsonaro já despejou 1.316 agrotóxicos no mercado brasileiro

agrotoxicos na mesaUm agricultor pulverizando pesticidas usando um pulverizador de mochila.  Lucas Lacaz Ruiz / Fotoarena / Folhapress

Como venho notando, a persistente crise sanitária que se mistura a uma crescente deterioração do ambiente político brasileiro não está impedindo que o governo Bolsonaro continue com sua tsunami de liberações de agrotóxicos, muito deles banidos em outras partes do mundo.  Com o Ato No. 32 de 16 de julho, o governo Bolsonaro liberou mais 51 agrotóxicos (sendo 35 deles agroquímicos e 16 agrotóxicos de base biológica).

Entre os agrotóxicos liberados, e que são proibidos na União Europeia, estão velhos conhecidos como a Atrazina (disruptor endócrino),  o Metomil (considerado agudamente tóxico pela agência regulatória europeia) e o Tiram (também um disruptor endócrino).  No caso da Atrazina, a nova classificação toxicológica adotada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) coloca essa substância altamente perigosa para a saúde humana como sendo de Categoria 5 (Improvável de causar dano agudo).

Anvisa faz revisão toxicológica de mais de 1.900 agroquímicos

Com a “nova” classificação toxicológica da Anvisa, a maioria dos agrotóxicos altamente perigosos vendidos no Brasil passaram a ser de Categoria 5

Outro aspecto que se repete no Ato No. 32 de 16 de julho é que ele traz a aprovação de mais produtos contendo princípios ativos que já estão amplamente presentes no mercado brasileiro. Parte desses produtos já atingiu a condição de pós-patente, o que implica na sua fabricação fora dos países onde foram originalmente desenvolvidos, principalmente na China cujas empresas se especializaram na produção deste tipo de agrotóxico. Com isso, a China é a origem de 20 dos 35 agrotóxicos de base química, o que reforça a dependência do Brasil em relação ao seu principal parceiro comercial no fornecimento de venenos agrícolas.

Disruptor endócrino

A ingestão de alimentos contaminados por resíduos de agrotóxicos tem causado várias doenças nos brasileiros, a começar pela interrupção do sistema endócrino

Todos esses aspectos da tsunami de agrotóxicos aprovados pelo governo Bolsonaro desmentem as falas iniciais da ministra da Agricultura Tereza Cristina (DEM/MS) no sentido de que essas aprovações permitiriam o uso de agrotóxicos menos nocivos à saúde e ao meio ambiente.  O jeito encontrado para mascarar para os inevitáveis danos acarretados pelo uso de substâncias altamente perigosos foi, como em outros casos no governo Bolsonaro, foi mudar o sistema de classificação toxicológica. Tampouco a promessa de barateamento está sendo cumprida, pois a aquisição de agrotóxicos continua sendo uma das principais fontes de custos dos agricultores brasileiros, principalmente dos que participam do comércio global de commodities. 

Em outras palavras, na economia global dos agrotóxicos, o Brasil está na ponta daqueles que só perdem, apesar do avanço do vício crônico da agricultura de exportação em substâncias que outros países já baniram por causa das consequências desastrosas que acarretam.

Para quem desejar baixar o arquivo contendo a lista de agróxicos liberados pelo Ato No. 32, basta clicar [Aqui!]. Já para baixar a base contendo os 1.316 liberados entre janeiro de 2019 e julho de 2019, basta clicar [Aqui!].

As estratégias de guerra da Syngenta para calar cientistas que investigavam os riscos causados por seus agrotóxicos

Entrevistamos dois cientistas que avisaram a multinacional sobre os perigos dos pesticidas Atrazina e Paraquate, líderes de venda

syngenta-640x360

Por Pedro Grigori, Agência Pública/Repórter Brasil

Quando um Tribunal dos Estados Unidos tornou públicos arquivos usados em processos da Syngenta, líder do mercado mundial de agrotóxicos, o público teve um vislumbre de até onde a multinacional vai para manter seus valiosos (e perigosos) produtos no mercado. E o que ela se presta a fazer: atacar a ciência e os cientistas.

“Aqueles que têm o privilégio de saber têm o dever de agir”, disse  parafraseando Albert Einstein o biólogo e professor da Universidade da Califórnia Tyrone Hayes, que foi alvo de uma campanha de perseguição da empresa, em entrevista à reportagem. 

“O problema é que a empresa era dirigida por comerciantes interessados ​​apenas no lucro. Se eles tivessem ouvido toxicologistas, não estariam nesta posição muito difícil tentando defender os erros cometidos no passado”, diz o cientista britânico Jon Heylings.

Agência Pública e Repórter Brasil tiveram acesso e-mails, documentos internos, anotações e atas de reuniões apresentadas no processo e conversaram  com Heylings e outro cientista  que protagonizaram disputas durante décadas com a empresa suíça, e explicam como a gigante dos pesticidas ignorou evidências científicas para continuar lucrando. 

Alertando sobre a Atrazina

Por mais de uma década, Tyrone Hayes, dizia estar sendo perseguido pela Syngenta, alegando que a multinacional ouvia suas ligações, monitorava suas palestras e trabalhava para desmoralizá-lo. Ninguém  acreditava nele.

 A história teve início em 1997. A Novartis Agribusiness, uma das empresas que mais tarde formariam a Syngenta, contratou o biólogo para fazer experimentos com o herbicida Atrazina. O produto é o principal agrotóxico utilizado nas plantações de milho dos Estados Unidos. É também o quinto agrotóxico mais vendido no Brasil, com 23,4 mil toneladas comercializadas em 2019, segundo o Ibama. 

O objetivo da pesquisa de Hayes era identificar os efeitos da Atrazina em anfíbios, área de expertise do cientista, que na época tinha 31 anos e mais de 20 artigos publicados sobre endocrinologia de anfíbios. Hayes descobriu que a Atrazina poderia retardar o desenvolvimento sexual de sapos. O resultado desagradou a Novartis, que o proibiu de publicar o estudo.

Com isso, Hayes decidiu deixar a empresa em novembro de 2000. Ele conseguiu um novo financiamento, concluiu o trabalho e publicou estudo revelando que a Atrazina cria sapos hermafroditas.

Em entrevista à reportagem, Hayes conta que desde os primeiros testes no laboratório era possível ver como a Atrazina atingia os espermatozoides dos sapos africanos com garra, anfíbio usado nos experimentos. “Mostrei os resultados para a EPA [Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos] porque achei que eles estariam interessados, já que é o produto número um em vendas. Mas eles disseram que não era um ‘efeito adverso’ que os forçaria a reavaliar aquele produto químico”, diz. 

Então Hayes decidiu ir mais fundo, agora trabalhando com outros cientistas para identificar o efeito do agrotóxico em humanos. Ao comparar a urina de homens de Columbia, nos Estados Unidos, que tiveram contato com Atrazina, o novo estudo  identificou baixa contagem de espermatozóides em um nível que traria dificuldades para a reprodução. “O nível de Atrazina na urina desses homens era a mesma que usávamos para castrar quimicamente os sapos do nosso experimento”, explica.

Em uma nova fase da pesquisa, mediram o nível do pesticida na urina de homens que trabalhavam em plantações na Califórnia aplicando atrazina . Os resíduos detectados foram 24 mil vezes maiores do que o dos homens de Columbia. “Um trabalhador desses poderia fazer xixi em um balde e diluir 24 mil vezes, e mesmo assim a Atrazina na sua urina poderia ser usada para castrar quimicamente girinos”, diz o cientista. 

Esse trabalho é o motivo da perseguição da Syngenta, segundo o biólogo. Na época, ele se sentiu distante de outros cientistas e sentia que a empresa tentava isolá-lo. Em 2010, a multinacional entrou com uma queixa de ética contra Tyrone Hayes  na Universidade da Califórnia, Berkeley. O motivo era a criação de um site contrário a Atrazina e e-mails de reclamações que o cientista enviou à empresa. A queixa de ética foi considerada sem mérito. 

A situação só mudou em 2013, quando uma reportagem do site Environmental Health News em parceria com a organização 100 Reporters revelou documentos internos detalhando uma campanha cara e agressiva contra cientistas, que incluía até a contratação de detetives e profissionais para traçar o perfil psicológico dos perseguidos. E o principal alvo era Tyrone Hayes.

Memorandos provavam que o departamento de comunicação da Syngenta havia criado um grupo de trabalho na empresa para falar sobre o cientista. O objetivo do grupo era “evitar que os dados de TH (Tyrone Hayes) fossem citados, mostrando que ele não era confiável”, segundo anotações do Departamento de Comunicação. No mesmo documento, a ex-chefe de comunicações da Syngenta,  Sherry Duvall Ford, listou estratégias contra o cientista, entre elas a “publicação de críticas de terceiros sobre sua ciência”, “refutações sistemáticas de todas as aparições do TH”, “tornar públicos e-mails” e até mesmo “investigar a esposa”. 

Ele relembra que a empresa sempre negou persegui-lo. “Mas veja os documentos, o primeiro objetivo do programa de ciência era ‘desacreditar Hayes”, reconta. 

Os documentos também mostram que a empresa encomendou um perfil psicológico do cientista, onde o classificaram como “esquizo-paranóico e narcisista”. 

Outro arquivo mostra que a Syngenta estudou comprar o termo “Tyrone Hayes” em sites de busca na internet, levando quem pesquisasse o nome do cientista a encontrar primeiro conteúdos  produzidos pela corporação.

Os documentos vieram a público durante um processo judicial que buscava forçar a Syngenta a pagar por filtros para limpar a Atrazina da água potável em seis estados norte-americanos. A ação coletiva foi encerrada em 2012, e apesar de não admitir a culpa pela contaminação, a Syngenta concordou em pagar US$ 105 milhões para custos de filtragem de mais de mil sistemas de água. 

E Tyrone Hayes  não era o único alvo. Em seu depoimento ao Tribunal do Condado de Madison em Illinois, Sherry Duvall Ford, ex-chefe de comunicações da Syngenta, leu um memorando enviado por e-mail no qual contava que a empresa contratou uma agência de detetives para investigar  membros de um Painel Consultivo Científico da EPA, que na época reavaliavam a Atrazina. 

Os documentos do tribunal revelaram ainda um banco de dados com 130 pessoas e organizações que a empresa pretendia pagar para apoiar a Atrazina. Segundo o documento, as pessoas da lista eram treinadas para defender o agrotóxico, e os pagamentos pelos serviços não seriam divulgados publicamente.

Duas décadas depois da publicação da primeira pesquisa sobre a Atrazina, Tyrone Hayes continua trabalhando em salas de aula, em laboratórios e dando palestras. Em abril, recebeu uma das maiores honrarias da carreira: foi eleito para a Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos, que homenageia artistas e cientistas que ajudaram a resolver os desafios mais urgentes do país. 

A Syngenta também recebeu recentemente uma das maiores honrarias da sua trajetória, quando passou a liderar o mercado mundial de agrotóxicos. De acordo com a FAO/ONU, o mercado mundial de agrotóxicos movimenta US$ 34,4 bilhões por ano, e a Syngenta é dona de um quarto dessa fatia. Desde 2017, quando a empresa foi comprada pela ChemChina por US$ 43 bilhões, o aglomerado estatal chinês tornou-se responsável por 24,3% do mercado mundial. Junto das empresas alemãs Bayer e Basf, e da estadunidense Corteva Agriscience, o chamado “Big 4” responde por 65,8% do mercado mundial. 

Cientista alertou sobre composição do Paraquate

O caso de Tyrone Hayes não foi o único em que a Syngenta teve problemas com um cientista que ela mesma contratou. Um pesquisador britânico veio a público este ano para denunciar uma irregularidade no principal produto da empresa, o Paraquate. 

O cientista britânico Jon Heylings trabalhou 22 anos na Syngenta e hoje é professor de toxicologia na Universidade de Keele, no Reino Unido. Na Syngenta, ele atuava no desenvolvimento de formulações mais seguras para o Paraquate, e está há mais de três décadas alertando a empresa sobre a ineficácia das medidas de segurança no produto. 

Jon chegou a criar para a Syngenta uma formulação mais segura para o Paraquate, que custava mais, e acabou removida do mercado logo após o lançamento no começo dos anos 2000.

Em entrevista à Agência Pública e a Repórter Brasil, Heylings garante que está apenas cumprindo o seu dever como cientista. “Fui trazido para a empresa em 1986  para liderar um projeto sobre formulações mais seguras. Foi por uma boa investigação científica onde  descobri que o emético adicionado aos produtos de paraquate tinham um nível ineficaz”, diz o cientista.

Vendido pela Syngenta pelo nome comercial de Gramoxone, o Paraquate é usado em diversas plantações, como algodão, cana-de-açúcar, milho, café e banana, desde a década de 1960. No Brasil, é o sétimo ingrediente ativo mais vendido, com mais de 16,3 mil toneladas comercializadas apenas em 2019, segundo o Ibama. 

Cerca de 10 anos depois da criação, o produto teve que passar por uma mudança na formulação devido à toxicidade aguda: um gole era suficiente para matar uma pessoa. 

A empresa então adicionou ao herbicida um emético, substância que causa vômito, para diminuir o risco de envenenamento. Com a promessa de maior segurança, o produto foi mantido no mercado. 

Acontece que, segundo Heylings, a concentração de emético recomendada por um estudo pago pela Syngenta em 1976 estava “provavelmente bem abaixo de uma dose efetiva no homem”. Ele sugeriu um aumento na concentração de emético para “reduzir o número de fatalidades atribuídas ao envenenamento por paraquate”. 

Jon informou a Syngenta que o estudo que definiu a concentração do químico teria sido manipulado e pressionou a empresa por uma revisão independente, o que nunca foi autorizado. Em 1991, quando a Syngenta estudava um novo nível de emético, Heylings insistiu mais uma vez. “Considero bem vinda a proposta de uma análise independente da situação para confirmar minhas descobertas”, diz o cientista em um e-mail enviado em 9 de abril de 1991. 

Os e-mails de Jon Heylings, assim como diversos outros documentos internos da Syngenta, foram publicados há dois meses pelos sites Unearthed e da PublicEye na série “Paraquate Papers”. Eles provaram que a empresa recebeu memorando internos com alertas do cientista desde os anos 1990, mas decidiu ignorá-los. 

Um documento interno da Syngenta  determinou que “nenhuma das formulações alternativas atualmente disponíveis oferecem uma solução economicamente aceitável para o problema do suicídio”. 

Em 2018, quando já trabalhava na Universidade de Keele,  Jon descobriu que a Syngenta cancelou o registro do Inteon, versão com mais emético do Paraquate, criado por ele nos anos 1990. “Eles nem me avisaram”, diz. 

Após isso, Jon fez diversas pesquisas sobre o Paraquate e descobriu que a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO/ONU) seguia a mesma concentração emética determinada pela Syngenta para o Paraquate na década de 1970. Jon denunciou o erro a EPA e a FAO/ONU, mas não teve retorno.

Em março de 2020, uma equipe de advogados dos Estados Unidos entrou em contato com o cientista após ler os memorandos sobre o emético de 1991. O grupo estava levando a Syngenta aos tribunais em nome de agricultores que desenvolveram a doença de Parkinson após usar o Paraquate nas plantações. 

Stephen Tillery, principal advogado do processo, disse à Unearthed e a Public Eye que a “questão emética” era parte de seu caso porque demonstrava “até onde esta empresa irá para manter o Paraquate no mercado”. 

“O Paraquate estava prestes a ser banido na década de 1970 por causa do número de pessoas que morreram de forma agonizante por ingeri-lo. Ao alegar que o emético tornaria o uso do Paraquate mais seguro, eles conseguiram mantê-lo no mercado.”, disse o advogado ao site. 

Agora, a denúncia de Jon fará parte do processo, que será julgado no próximo mês. De acordo com a Syngenta, “o argumento de Heylings de que aumentar o nível de emético melhora a segurança do produto é excessivamente simplista; a realidade é complexa e a opinião médica e científica moderna não apóia o ponto de vista de Heylings”. Confira a íntegra da nota da multinacional ao site Unearthed. 

Jon Heylings afirma que a Syngenta segue desconsiderando suas denúncias. “Eles não têm interesse em tentar entender ou lidar com a questão emética porque sabem que estou certo”, conta o cientista. 

O paraquate acabou sendo banido no Brasil no ano passado, apesar do forte lobby da Syngenta, que liderou uma força-tarefa que tentava reverter a proibição. 

Até o banimento, o Gramoxone era vendido com a mesma concentração de emético que a Syngenta estipulou nos anos 70. 

E ela não evita que as pessoas se matem com o Paraquate.

No Brasil, pelo menos 138 pessoas morreram envenenadas por Paraquate na última década, de acordo com dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde. Número que pode ser muito maior, devido a subnotificação dos casos. 

Procurada pela Agência Pública e Repórter Brasil, a Syngenta Brasil não quis comentar os documentos divulgados e nem o processo de banimento do Paraquate do país.

fecho

Esta reportagem foi inicialmente publicada pela Agência Pública [Aqui!].

Observatório dos Agrotóxicos: com mais 33 produtos técnicos liberados, governo Bolsonaro atinge liberação de recorde de agrotóxicos em 28 meses

pesticides overuse

Um dos mais aspectos mais marcantes dos quase 28 meses de governo do presidente Jair Bolsonaro é a persistente onda de liberações de agrotóxicos que estão inundando o mercado brasileiro com produtos banidos nos países que os criaram, começando pela União Europeia, por causarem danos consideráveis sobre a saúde humana e o meio ambiente.  As liberações mais recentes ocorreram com a publicação do ATO Nº 20,  de 8 de ABRIL de 2021 que aprovou a comercialização de mais 33 agrotóxicos do tipo produto técnico. Com essa rodada, o governo Bolsonaro alcançou incríveis 1.172 liberações em 845 dias de governo, o que dá uma média de 1,39 agrotóxicos liberados por dia. Além disso, graças a essa volúpia de aprovações, o Brasil hoje conta com 3.231 produtos disponíveis no mercado, o que implica no fato de que o governo Bolsonaro é responsável por 36% de todos os agrotóxicos passíveis de serem comprados legalmente no Brasil.

Como em outras publicações, o ATO Nº 20,  de 8 de ABRIL de 2021 beneficia fortemente empresas sediadas na China que são responsáveis pela produção de 76%  dos agrotóxicos liberados, incluindo o fato de que uma empresa  localizada em Israel, e que fornecerá um dos agrotóxicos liberados, também agora é controlada por uma estatal chinesa (ver gráfico abaixo).

Ato no, 20 países sede

Outro aspecto recorrente da “tsunami de agrotóxicos” do governo Bolsonaro é a recorrente aprovação de produtos que contém substâncias banidas por terem sido flagradas causando graves danos à saúde humana e aos ecossistemas ambientais. No caso do ATO Nº 20,  de 8 de ABRIL de 2021, 30% dos agrotóxicos estão proibidos na União Europeia.

Tabela substâncias liberadas

Dentre as substâncias liberadas há que se enfatizar pelo menos duas, a Atrazina e o Fipronil, cujos impactos sobre a saúde humana (a Atrazina) e sobre espécies benignas como as abelhas (o Fipronil) estão solidamente documentadas não pela comunidade científica, mas também por órgãos governamentais como é o caso da União Europeia. No caso do Fipronil, que teve sua introdução no Brasil feita pelo governo Bolsonaro, o total de produtos liberados contendo esse princípio ativo chega a 25, o que deverá ter fortes impactos sobre as populações das abelhas em território nacional. No caso da Atrazina, o total de produtos liberados pelo governo Bolsonaro é de 22, apesar de todas as evidências que existem sobre o impacto que essa substância causa vários impactos negativos saúde humana (e.g., a exposição materna à atrazina na água potável foi associada a baixo peso fetal e defeitos cardíacos, urinários, além de retardar o desenvolvimento de fetos e causar a redução na sobrevida dos mesmos. Essa substância também têm sido associada à ocorrência de câncer de mama e de próstata, além de ser considerada um disruptor endócrino). 

O mais problemático disso tudo é que a sinergia dessa verdadeira multidão de agrotóxicos altamente perigosos e seus potenciais impactos sobre a saúde ecossistemas naturais, corpos hídricos e os alimentos que chegam às mesas dos brasileiros está sendo fortemente negligenciada pela mesma agência, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que continua adotando táticas protelatórias no processo de liberação de vacinas contra a COVID-19, como é o caso da vacina russa Sputnik V.  Pelo jeito, todo o cuidado alardeado pela Anvisa não cobre a aprovação tsunâmica de agrotóxicos, deixando clara qual é a opção que orienta as ações do governo Bolsonaro.

Quem quiser baixar a planilha contendo os 33 agrotóxicos técnicos, basta clicar [Aqui ]. Para os interessados, em baixar a planilha contendo os 1.172 agrotóxicos liberados desde 01 de janeiro de 2019, basta clicar [Aqui!].

Observatório dos Agrotóxicos: aproveitando o caos causado pela pandemia, governo Bolsonaro acelera a aprovação de agrotóxicos

Com mais 39 liberações, governo Bolsonaro alcança 1.139 agrotóxicos liberados desde janeiro de 2019

chuva

Em meio ao avanço catastrófico da COVID-19 e toda a agitação política em torno dos supostos malfeitos cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro na condução da resposta governamental à pandemia, os braços executivos do governo federal continuam operando com a agilidade conhecida, especialmente em se tratando da liberação de agrotóxicos. Assim é que , em meio à situação caótica imperando no Brasil neste momento, o Ministério da Agricultura fez publicar no Diário Oficial da União do dia de ontem (13/04), o Ato No. 19 de 07 de abril de 2021 por meio do qual foram liberados mais 39 produtos no mercado brasileiro, totalizando 1.139 liberações desde janeiro de 2019.

Esse ritmo de aprovações não possui nenhum paralelo no que foi praticamente anteriormente, pois essas 1.072 liberações feitas em apenas 26 meses representam 35% de todos os produtos disponíveis no mercado (i.e., 3.197), evidenciando um ritmo para lá de frenético na hora de liberar agroquímicos proibidos em outras partes do mundo por causa dos graves danos que causam à saúde humana e ao meio ambiente.

A propensão de aprovar produtos banidos em outras partes do mundo fica evidente quando se verifica que 28% dos produtos liberados  pelo Ato No. 19 de 07 de abril de 2021 estão proibidos na União Europa. Dentre eles se destacam os conhecidos Fipronil, Acefato, Ametrina e Atrazina. Em conjunto, esses grupos já foram confirmados como causadores de diferentes tipos de câncer e também capazes de alterar substancialmente o sistema glandular humano.

Who's killing the bees? New study implicates virtually every facet of  modern farming - ExtremeTech

Além disso, o Fipronil que é conhecido por causar o extermínio de espécies não-alvo e que são essenciais para a agricultura por serem polinizadores (como é o caso das abelhas) teve mais três versões aprovadas, sendo que agora passamos a ter 24 variações do Fipronil liberadas para comercialização direta ou para emprego na formulação de outros produtos. Em outras palavras, o governo Bolsonaro prepara, apenas com as liberações de Fipronil, uma verdadeira hecatombe para as populações de abelhas no Brasil.

Civil Society Calls on the EU to Prohibit Exports of Banned Pesticides -  Slow Food International

E o mais peculiar é que o grosso dos agrotóxicos estão sendo liberados para uso nas grandes monoculturas destinadas a produzir grãos e outras commodities para exportação, como é o caso da soja, do milho, do algodão e da cana-de-açúcar, reforçando o caráter do Brasil de ser um grande latifúndio operando para servir os interesses das grandes cadeias que controlam o mercado global de commodities.

Quem desejar acessar a base de dados relativa ao Ato No. 19 de 07 de Abril de 2021, basta clicar [Aqui!]. Para os que desejarem baixar a base contendo os 1.139 liberados desde o início do governo Bolsonaro, basta clicar [Aqui!].

Rios brasileiros estão envenenados por agrotóxicos: estudo detecta 32 tipos de agrotóxicos no Rio Dourados (MS) 

Pesquisa monitora resíduos de agrotóxicos nas águas superficiais dos rios de MS

embrapa_605511a0473c0

Levantamento realizado pelo Laboratório de Análises Ambientais da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Agropecuária Oeste), detectou 32 tipos diferentes de agrotóxicos ou produtos de degradação no Rio Dourados, durante o período de 10 de dezembro de 2019 a 11 de dezembro de 2020. O estudo visa monitorar a qualidade da água das bacias hidrográficas em vários rios do Estado e da água potável de alguns municípios.

lclu rio dourados

O principal objetivo do estudo é monitorar resíduos de 46 tipos de agrotóxicos e e produtos de degradação em amostras de água do Rio Dourados. A partir dos resultados obtidos será realizado um diagnóstico do nível de exposição do Rio Dourados aos agrotóxicos utilizados nos sistemas de produção da região, fornecendo assim dados técnico-científicos para aprimoramento de políticas públicas ambientais. Além de contribuir no processo de avaliação do risco ambiental de agrotóxicos pelas autoridades regulatórias.

Entre os 32 compostos detectados no Rio Dourados, a classificação com base no seu tipo foi de 15 herbicidas, oito inseticidas, três fungicidas e seis produtos de degradação.

Conforme o estudo, as concentrações de agrotóxicos e produtos de degradação constatadas nas amostras de água do Rio Dourados e previstas na legislação como a  Atrazina, Alacloro e Simazina, não ultrapassaram os valores máximos permitidos pela legislação brasileira. 

Contudo, na maior parte dos agrotóxicos encontrados na pesquisa, os valores Máximo Permitidos (VMP), não são autorizados pela lei brasileira no que se refere à qualidade das águas superficiais. Especialistas que realizaram o estudo alertam para a urgente necessidade de inclusão dos VMP desses agrotóxicos na legislação brasileira.

A pesquisa foi realizada pelo Laboratório de Análises Ambientais da EMBRAPA Agropecuária Oeste, inaugurado por meio de parceria estabelecida por diversas Instituições, entre elas o MPMS por meio da 11ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente. O laboratório monitora a qualidade da água das bacias hidrográficas em diferentes rios do Estado, além da água potável de alguns municípios.

O Ministério Público custeou a construção das cinco primeiras fases da Primeira Etapa do laboratório, enquanto a Embrapa executa o projeto de Monitoramento dos Resíduos de Agrotóxicos em Águas Superficiais do nosso Estado.

Para conferir o estudo completo acesse o link: https://www.embrapa.br/agropecuaria-oeste/.

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo site jornalístico “CapitalNews” [Aqui!].

Observatório dos Agrotóxicos: com mais 67 liberações, governo Bolsonaro lançou 1.100 agrotóxicos no mercado brasileiro

Predominância de empresas chinesas continua marcante na nova leva, com 61% dos agrotóxicos sendo produzidos na China

Conheça os acordos firmados entre Brasil e China em cerimônia realizada no  Itamaraty — Português (Brasil)

Principal parceiro comercial do Brasil na compra de commodities agrícolas, a China está na posição estratégica de impor o consumo de seus agrotóxicos no mercado brasileiro, sob a batuta célere de Tereza Cristina e Jair Bolsonaro

Em uma demonstração que quando quer é eficiente, o governo Bolsonaro acaba de publicar o Ato No. 9 de 22 de fevereiro de 2021  que oficializa a liberação de mais 67 agrotóxicos, o que completa um total de 1.100 agrotóxicos liberados nos primeiros 26 meses da atual administração federal, o que é um verdadeiro recorde em um mercado já altamente saturado pela disponibilidade de mais de 3.000 produtos.

Em mais uma demonstração da hegemonia de empresas chinesas no fornecimento de produtos já existentes no mercado brasileiro, a China é origem de 61% dos produtos aprovados, com o Brasil ficando em segundo lugar (21%) por causa da liberação de 12 agrotóxicos de base biológica (ver figura abaixo).

origem agrotóxicos ato 22

Um detalhe a mais é que a influência chinesa no fornecimento de venenos agrícolas é ainda maior, visto que empresas controladas por capital chinês forneceram produtos a partir de países como Espanha, Israel e o próprio Brasil a partir de uma subsidiária da Syngenta.

Desmontando o mito da modernização e do compromisso da segurança

CBG - Carlos Latuff

Um dos argumentos utilizados rotineiramente pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM/MS), é de que essa verdadeira enxurrada de liberações implicaria na modernização dos produtos sendo vendidos no mercado brasileiro, com a aposentadoria de agrotóxicos mais antigos. O fato é que dos 67 produtos liberados, 64 (95,5%) utilizam ingredientes ativos já registrados anteriormente no país. Ou seja, um verdadeiro museu de velhos agrotóxicos.

Outra falácia propalada por Tereza Cristina é de que os produtos liberados trariam mais segurança para os trabalhadores, consumidores e para o meio ambiente.  Se levarmos em conta os critérios utilizados pela União Europeia, 31% dos produtos sendo liberados se encontram proibidos no mercado europeu por causa dos riscos criados para a saúde humana e o meio ambiente (ver figura abaixo).

status eu

Agrotóxicos altamente perigosos sendo classificados como de baixo risco para a saúde humana 

Mas é ao se examinar que aparecem problemas ainda mais complexos para o entendimento do que está ocorrendo com a política de liberações de agrotóxicos indesejados em mercados mais regulados. Um dos exemplos mais marcantes é o do herbicida Atrazina, proibido na União Europeia a partir de estudos que comprovaram impactos na contaminação do lençol freático. Além disso, a Atrazina tem sido considerada com um disruptor endócrino e que assim pode afetar o processo de reprodução, além de possuir características mutagênicas. Entretanto, no Brasil a Atrazina está classificada como pertencente à Categoria 5 (Improvável de Causar Dano Agudo) à saúde humana.

Mas a Atrazina não é o único agrotóxico com alto potencial de dano à saúde humana e ao meio ambiente e que está classificado como pertencente à Categoria 5.  Bons exemplos disso são os herbicidas Clorimurom-Etílico e Trifloxissulurom-sódico que também foi liberados no Brasil como também pertencendo essa categoria de suposta menor capacidade de causar dano agudo, mas que se encontram proibidos na União Europeia.

Um caso ainda mais gritante é o do é o herbicida Haloxifop-p-metílico que nunca foi autorizado na União Europeia, e que foi classificado pelo governo Bolsonaro, usando a classificação antiga, como sendo de Classe I (Extremamente Tóxico). 

A enxurrada de agrotóxicos deve continuar ao longo de 2021

Pesticides in Drinking Water | Effects of Pesticides in Water

Mas se engana quem pensar que a aprovação de 1.100 agrotóxicos deve diminuir a apresentação de novos pedidos de liberação. Por ter verificado que existem dezenas de pedidos pendentes, a minha avaliação é de que ainda teremos centenas de produtos sendo liberados ao longo de 2021.  O motivo para isso é simples: estamos diante de um governo que é parceiro dos interesses dos grandes fabricantes de agrotóxicos e do latifúndio agro-exportador que pratica um tipo de agricultura que depende da aplicação intensiva de venenos agrícolas para viabilizar suas margens de lucro.

O fato é que depois de superada a pandemia da COVID-19, os brasileiros terão que enfrentar a pandemia dos agrotóxicos, pois, do contrário, nos transfomaremos em um laboratório avançado quem quiser estudar os danos causados por venenos agrícolas sobre a saúde humana e o ambiente. 

Para quem desejar acessar a lista de agrotóxicos liberados pelo Ato No. 9 de 22 de fevereiro, basta clicar [Aqui!]. Já os interessados em baixar a lista de 1.100 agrotóxicos liberados desde janeiro de 2019, basta clicar [Aqui!].

Observatório dos Agrotóxicos: em plena pandemia, governo Bolsonaro autoriza mais 38 agrotóxicos e já chega a 245 em 2020

autorizado

Na última 6a. feira (31/07), o governo Bolsonaro fez publicar o Ato 43 de 2020 por meio do qual foram liberados mais 38 agrotóxicos para comercialização no Brasil. Com isso, o total liberado nos primeiros sete meses deste ano chegou a 245 agrotóxico(sendo 223 deles durante a pandemia da COVID-19) que para os 19 meses da presidência de Jair Bolsonaro, o “grande total” é de 748 agrotóxicos, um verdadeiro recorde para o já densamente ocupado mercado brasileiro de venenos agrícolas.

Ao analisar os agrotóxicos aprovados, um fato que pode ser considerado positivo é que 13 dos produtos aprovados são agrotóxicos biológicos cujo potencial de toxicidade humana e ambiental é menor. Por outro lado,  o Ato 43 incluiu a aprovação de 15 produtos compostos por princípios ativos que estão proibidos na União Europeia, representando 43% do total liberado, o que ficou acima da proporção normal de “proibidões” banidos na União Europeia e vendidos no Brasil que é de 30%.

Entre os agrotóxicos liberados pelo Ato 43,  e que contém substâncias proibidas pela UE estão a Ametrina, a Atrazina e o “matador de abelhas” Fipronil.   No caso da Atrazina, como mostrado recentemente aqui, este agrotóxico é responsável por diversas doenças graves, mas curiosamente foi classificado como sendo de Categoria 5 para toxicidade humana, o que significa que o produto seria “improvável de causar dano agudo” (ver figuras abaixo para ver as principais doenças já identificadas como associadas à atrazina).  

veneno 4aveneno 4b

É interessante notar que o discurso do governo Bolsonaro para explicar a enxurrada de novos agrotóxicos era de que os “novos produtos” serviriam para modernizar o portfólio disponível para os agricultores brasileiros (na verdade a maioria do agrotóxico consumido no Brasil se concentra nas grandes monoculturas de exportação como a soja e o milho). Agora, o discurso é de que “os novos registros são importantes pois diminuem a concentração do mercado de defensivos (agressivos, quer dizer) e aumentam a concorrência, o que resulta em um comércio mais justo e em menores custos de produção para a agricultura brasileira”, como destacou o coordenador-geral de Agrotóxicos e Afins, Bruno Breitenbach. 

Mas o discurso de baratear o custo de agrotóxicos provavelmente também não resistirá ao tempo, visto que apesar de uma diminuição no volume importado por causa da pandemia da COVID-19, os custos em dólar relacionados à compra de venenos agrícolas estão aumentando.   O fato é que o mercado brasileiros de agrotóxicos é um verdadeiro maná para as grandes corporações que fabricam venenos agrícolas, visto que apenas entre 2000 e 2019, o total de vendas atingiu estratosféricos US$ 143,4 bilhões, sendo que o recorde geral de vendas ocorreu no primeiro ano do governo Bolsonaro  (ver figura abaixo).

Vendas de agrotóxicos no Brasil 20002019

Eu não tenho dúvidas que é em função das altas taxas de lucros obtidas pelas corporações multinacionais que controlam o mercado global de venenos agrícolas que há essa pressa toda em aprovar produtos banidos até nos países sede de empresas como a Bayer, Basf e Syngenta (no caso Alemanha e Suíça). Já para o Brasil e os brasileiros sobra é muita contaminação e doenças letais.

Quem desejar baixar o arquivo relativo aos produtos liberados pelo Ato 43 de 2020, basta clicar [Aqui!]. Já para baixar o arquivo contendo todos os produtos aprovados entre 01  de janeiro e 31 de julho de 2020, basta clicar [Aqui!].

 

A chuva de agrotóxicos do governo Bolsonaro explicada por Larissa Bombardi

chuva 1

Considero que a professora Larissa Bombardi, docente e pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), como uma das mais bem preparadas estudiosas de venenos agrícolas no Brasil. Abaixo posto um vídeo em que ela explica de forma extremamente didática algumas das principais características da verdadeira enxurrada de substâncias altamente perigosas que foram liberadas apenas nos primeiros 18 meses do governo Bolsonaro.

Mas para enfatizar algumas das principais observações apontadas pela professora Bombardi, posto abaixo uma síntese das mesmas para que se entenda o tamanho do problema que está posto não apenas para os brasileiros, mas para todos os países que importam a produção envenenada que o latifúndio agro-exportador do Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas como o governo Bolsonaro está aproveitando para “passar a boiada” também na área de liberação agrotóxicos. É que desde a publicação deste vídeo pela professora Bombardi, outros 29 agrotóxicos já foram liberados pelo Ministério da Agricultura sob o comando da “musa do veneno”, a ministra Tereza Cristina (DEM/MS).

Cientistas descobrem agrotóxicos proibidos e reguladores químicos de explosões na Grande Barreira de Corais

barreira de coraisResíduos de mais de 50 agrotóxicos foram detectados nas vias navegáveis da Grande Barreira de Corais. Fotografia: Ullstein Bild / ullstein bild via Getty Images

Por Ben Smee para o “The Guardian

Cientistas marinhos detalharam uma série de “sérias deficiências” pelo regulador químico da Austrália que falharam em impedir a poluição em curso da bacia hidrográfica da Grande Barreira de Corais, onde encontraram níveis excessivos de vários agrotóxicos proibidos por outros países.

Um novo artigo, em co-autoria do especialista em qualidade da água dos recifes Jon Brodie e do veterinário de pesca Matt Landos,  informa que a regulamentação e o gerenciamento de agrotóxicos nas áreas de captação de recifes de Queensland falharam em impedir a exposição dos ecossistemas ao risco significativo de produtos químicos agrícolas.

O relatório detalhou extensas preocupações sobre os processos e práticas da Autoridade Australiana de Praguicidas e Medicina Veterinária (APVMA), responsável pela regulamentação e licenciamento de produtos químicos.

“Mais de 80 dos ingredientes ativos registrados para uso na Austrália são proibidos pelos 27 países membros da União Europeia”, diz o estudo. “Isso inclui 17 agrotóxicos que são conhecidos como prováveis de serem cancerígenos e 48 agrotóxicos sinalizados como potenciais desreguladores endócrinos”.

“Mais de 20  agrotóxicos são classificados como extremamente ou altamente perigosos pela Organização Mundial da Saúde. Três dos agrotóxicos estão sujeitos a ações de convenções internacionais, mas ainda são usados na Austrália.”

Entre os agrotóxicos que os cientistas mostram foram detectados na captação de recifes é a Atrazina, um herbicida proibido em 60 países devido a preocupações com a contaminação da água, mas registrado para uso na Austrália.

O estudo documentou como mais de 50 resíduos individuais de agrotóxicos foram detectados nas vias navegáveis da Grande Barreira de Corais e como as concentrações mais altas estavam em áreas de água doce adjacentes a áreas de cultivo intensivo.

“Onde existe monitoramento nas hidrovias (e ocorre pouco monitoramento sistemático de resíduos nas hidrovias na Austrália), os resíduos de agrotóxicos são detectados amplamente e em concentrações geralmente acima das diretrizes australianas (onde existem diretrizes) e geralmente acima dos níveis de efeito publicados, especialmente em situações de cultivo intensivo”, afirma o estudo.

“Nas áreas de água doce e estuarina de Barratta Creek, ao sul de Townsville, com uma bacia dominada pelo cultivo de cana-de-açúcar irrigada e pequenas áreas de algodão e horticultura, um total de 43 resíduos de agrotóxicos foram detectados, com sete agrotóxicos que excedem as diretrizes / valores de acionamento ecologicamente relevantes da qualidade da água durante o período do estudo e quatro (incluindo a Atrazina) dessas diretrizes excedentes por vários meses.

“Mesmo em áreas costeiras nas águas marinhas da Grande Barreira de Corais, sempre são encontrados agrotóxicos devido à sua meia-vida surpreendentemente longa em águas marinhas e ao longo tempo de residência na lagoa da Grande Barreira de Corais.”

O estudo detalhou como a regulamentação e o gerenciamento da APVMA falharam em impedir a exposição dos ecossistemas a produtos químicos, incluindo a baixa velocidade das revisões regulatórias, que em alguns casos se arrastam por mais de uma década. As preocupações dos autores incluíam que o regulador estava focado nos interesses agrícolas e não na proteção ambiental.

“Uma grande deficiência do sistema regulatório australiano é que o APVMA está sob a égide do Departamento de Agricultura”, diz o estudo. “Isso é lamentável, porque a prioridade do sistema australiano é fornecer produtos químicos para a produção agrícola, enquanto proteger o meio ambiente não é uma consideração forte”.

Outras preocupações incluíam os processos da APVMA que suportam o uso contínuo de produtos registrados depois que preocupações ambientais ou de saúde são levantadas, em vez de remover esses produtos de uso.

“A lei australiana afirma que deve haver evidência científica conclusiva de que um pesticida é inseguro antes de poder ser removido do uso. Testar os efeitos de um pesticida em seres humanos e no meio ambiente é um processo longo e caro, por isso não surpreende que a lista de agrotóxicos proibidos da Austrália seja substancialmente mais curta do que a maioria dos outros países que estipulam que um pesticida deve ser comprovadamente seguro antes de poder ser vendido.

“O processo ad hoc, caso a caso e de revisão químico muito lento, administrado pela APVMA, não avaliou nem tratou efetivamente os riscos químicos para a Grande Barreira de Corais ou outros lugares”.

Os cientistas descobriram que as diretrizes australianas de qualidade da água para agrotóxicos estavam “desatualizadas” e as atualizações foram severamente atrasadas.

 Uma questão relacionada são os longos atrasos entre fortes evidências de superação das diretrizes nas águas por longos períodos, conforme demonstrado por estudos publicados de monitoramento e ações regulatórias ou de gerenciamento.

“Para proteger adequadamente a Grande Barreira de Corais, dada a sua área marinha protegida e o status de patrimônio mundial, tanto as disposições especiais de gerenciamento para a área já existente quanto um regime nacional de regulamentação de agrotóxicos eficaz, pelo menos o padrão da União Europeia, são os requisitos mínimos.

“Detecções contínuas das concentrações de agrotóxicos das diretrizes acima e a conclusão de que a maioria das bacias da Grande Barreira de Corais não atende à meta de risco atual nos leva a concluir que, em geral, a regulamentação e o gerenciamento de agrotóxicos são e têm sido mal sucedidos na região.”

______________________________________________________

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The Guardian” [Aqui! ].

Pesquisa determina que agrotóxicos estão alterando biodiversidade em grande rio da América do Norte

Os agrotóxicos estão em todo o rio St. Lawrence – muitos em níveis que prejudicam peixes e invertebrados

Os cientistas testaram o sistema fluvial e descobriram que quase um terço das amostras tinham pesticidas neonicotinóides em níveis mais altos que o limiar para proteger as criaturas aquáticas. O glifosato e a atrazina estavam em mais de 80% das amostras.

st lawrence

Por Brian Bienkowski para o “Environmental Health News”

Agrotóxicos nocivos como o glifosato, atrazina e neonicotinóides foram encontrados em quase todas as amostras de água do rio Saint Lawrence e seus afluentes, com muitas amostras contendo níveis mais elevados do que a diretriz para proteger a vida aquática, de acordo com novas pesquisas.

O Rio Saint Lawarence é um dos principais sistemas de água da América do Norte – drenando uma bacia hidrográfica de 300.000 km2 que onde estão inseridos os Grandes Lagos.

“Os insumos de água doce do St. Lawrence fornecem uma fonte de produção de água potável para mais da metade da população da província de Quebec”, escreveram os autores.

O estudo, publicado na Environmental Pollution, descobriu que 99% das 68 amostras de água coletadas do grande sistema de água continham pelo menos um dos 10 pesquisadores testados e 31% das amostras continham neonicotinóides em níveis mais altos do que o permitido pelo Canadá.

“Eu não fiquei tão surpreso ao descobrir que [os agrotóxicos] são onipresentes, é difícil encontrar água que não os contenha”, Sébastien Sauvé, autor sênior do estudo, pesquisador e vice-reitor da Faculdade de Artes e Ciências no Université de Montréal, contou à EHN. “O que me surpreendeu foi o número de vezes que as diretrizes ambientais foram ultrapassadas”.

Os neonicotinóides – amplamente usados ​​em milho, algodão, sorgo, soja e algumas outras frutas e vegetais – parecem estar, pelo menos parcialmente, por trás dos declínios de abelhas nos últimos anos e também estão ligados a impactos generalizados sobre insetos e invertebrados aquáticos.

Cientistas em 2016 concluíram que “o declínio de muitas populações de invertebrados, devido principalmente à presença generalizada de resíduos aquosos e à extrema toxicidade crônica dos neonicotinóides, está afetando a estrutura e a função dos ecossistemas aquáticos”.

As substâncias químicas estão “realmente afetando a biodiversidade nesses rios e cursos de água”, disse Sauvé.

Esta nova pesquisa reforça a evidência de que os neonicotinóides, juntamente com o glifosato e a atrazina, estão contaminando cada vez mais a água doce – e a água potável das pessoas – em regiões agrícolas.

No novo estudo, os pesquisadores testaram o glifosato, a atrazina e um conjunto de neonicotinóides. O glifosato foi encontrado em 84 por cento das amostras e a atrazina foi encontrada em 82 por cento.

No entanto, as concentrações de ambos os compostos estavam “bem abaixo das diretrizes canadenses de qualidade de água para a proteção da vida aquática”, escreveram os autores.

Em um documento complementar ao novo estudo, os cientistas descobriram que a atrazina e um de seus metabólitos em todas as 450 amostras de água coletadas de 2015 a 2018 da água potável em Quebec.

“Isso sinaliza a exposição potencial de uma grande parcela da população de Quebec a níveis baixos e crônicos desses herbicidas na água potável produzida no rio”, escreveram os autores.

Sauvé disse que viu dois picos nos pesticidas – um no início do verão e outro no outono.

Nos Estados Unidos, a atrazina, outro herbicida amplamente utilizado na maioria das águas do Centro-Oeste, contamina cerca de 7,6 milhões de americanos de água encanada, de acordo com um relatório de 2017 do Environmental Working Group, uma organização sem fins lucrativos.

Não é apenas a atrazina aparecendo na água das pessoas: nos últimos anos, cientistas relataram neonicotinóides em vários locais da região dos Grandes Lagos, incluindo sul a água potável de Ontário, Canadá; riachos de Nova York e Pensilvânia e águas subterrâneas da região central de Wisconsin.

Outro estudo encontrou o glifosato em cerca de 60% das águas superficiais amostradas, embora a maioria fosse inferior aos limites de vida humana e aquática dos EUA e Canadá.

O glifosato é o principal ingrediente do herbicida Roundup da Monsanto. A Monsanto é agora uma unidade da Bayer AG, que sofreu uma das suas piores perdas em 16 anos depois que um tribunal condenou o Roundup ao câncer de um homem. O herbicida, que é um dos mais amplamente usados ​​na história, é o foco atual de mais de dez mil ações judiciais de pessoas que alegam que o Roundup e outros produtos do glifosato fizeram com que desenvolvessem linfoma não-Hodgkin.

O glifosato, apesar de ser considerado seguro para a vida selvagem, tem sido associado a mudanças no metabolismo, crescimento, comportamento e reprodução de certos peixes, moluscos e insetos.

A atrazina também é classificada como um possível carcinógeno para humanos pela Health Canada, e também tem sido associada a impactos no sistema endócrino humano.

Uma avaliação feita no ano passado pela EPA dos EUA no ano passado mostrou que a atrazina provavelmente não causaria câncer, uma determinação amplamente criticada por pesquisadores e defensores da saúde, já que a avaliação se baseou fortemente em estudos da indústria.

Não está claro o que a exposição consistente a esses produtos químicos através da água potável pode estar fazendo para as pessoas. Sauvé disse que não encontrou nenhum pesticida em níveis mais altos do que o permitido na água potável. “Mas as diretrizes para a proteção da água potável são suficientes? Essa é outra conversa”, disse ele.

À medida que os países examinam, proíbem ou limitam neonicotinóides, Sauvé e seus colegas estão examinando algumas das alternativas propostas.

Ele disse que é preciso haver pesquisas mais independentes sobre as alternativas – quando eles fizeram uma revisão de literatura, descobriram que a maioria dos estudos até agora está ligada à indústria.

____________________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo site Environmental Health News [Aqui!].