“Bee killers”: Corte Europeia mantém banimento de agrotóxicos neonicotinóides amplamente usados na Brasil

abelhas-mortas2Abelhas mortas por contato com agrotóxicos

O Tribunal Superior da União Europeia manteve a proibição parcial da UE de três agrotóxicos neonicotinóides que têm sido ligados ao extermínio de abelhas, impedindo seu uso em certas plantações. Esta decisão abrange três   três produtos ativas – a Imidacloprida, desenvolvida pela Bayer CropScience, a Clotianidina, desenvolvida pela Takeda Chemical Industries e Bayer CropScience, e o Tiametoxam  que é produzido pela Syngenta.

Curiosamente, dois desses agrotóxicos- a Imidacloprida e o Tiametoxam não só continuam sendo bastante vendidos, como foram beneficiados pela tsunami de aprovações realizada pelo governo Bolsonaro. No caso da Imidacloprida, o número de novos produtos aprovados foram 13, enquanto no caso do Tiametoxam o número aprovações chegou a 12. Há ainda que se notar que no caso da Imidacloprida as aprovações foram todas dos chamados produtos técnicos que são a matéria bruta do qual são produzidos os chamados produtos formulados que são efetivamente vendidos nas lojas de varejo. Já a Imidacloprida teve 6 produtos técnicos liberados, enquanto que os 6 produtos formulados foram autorizados para diversas culturas, incluindo o Algodão.

Com essa decisão, a multinacional alemã Bayer que teve o seu pedido rejeitado pelo Tribunal Superior da União Europeia certamente olhará para o mercado brasileiro com ainda mais sofreguidão, pois terá aqui caminho livre para escoar a sua produção que está sendo banida na União Europeia. Este padrão de “dupla moral” da União Europeia precisa ser claramente repudiado, na medida em que permitem a continuidade da venda de produtos que se sabe serem nocivos à saúde de insetos polinizadores, como é o caso das abelhas.

No caso do governo Bolsonaro e da Anvisa, o que mais essa caso deixa evidente é um padrão dúbio de preocupação com a saúde dos brasileiros, pois enquanto se impede o uso de vacinas contra a COVID-19 sob o desígnio de proteger a saúde dos brasileiros, quando se trata de agrotóxicos a coisa corre solta.

 

Monsanto contesta nos tribunais o banimento do glifosato determinado pelo México

México IATP defende o direito do México de restringir do herbicida produzido pela Bayer/Monsanto

glifosato

Por Timothy Wise para o IATP

Desde que o governo mexicano publicou seu aguardado decreto presidencial na véspera de Ano Novo para restringir o uso do herbicida glifosato e milho geneticamente modificado, o Institute for Agriculture and Trade Policy (IATP) tem trabalhado ativamente para defender o governo contra ameaças do agronegócio dos EUA usando o Acordo de Livre Comércio da América do Norte revisado, o Acordo EUA-México-Canadá (USMCA). Abordei o decreto e as ameaças iminentes em um artigo de fevereiro. 

Agora, os interesses do agronegócio entraram com um pedido de liminar nos tribunais mexicanos para interromper a eliminação do glifosato pelo governo federal do país. Em 16 de abril, o IATP juntou-se à Coalizão Nacional de Agricultores Familiares e à Coalizão Rural em uma carta  à Representante de Comércio dos EUA, Katherine Tai, e ao secretário do Departamento de Agricultura dos EUA, Tom Vilsack, pedindo respeito ao direito do México de regulamentar no interesse público.

“Lemos com preocupação a carta de 22 de março de 2021 a você de associações comerciais de alimentos e agricultura que levantam objeções à saúde, proteção do consumidor e do agricultor e políticas agrícolas do governo do México e que buscam sua intervenção “, afirma a carta.” Instamos o USTR e o USDA a respeitarem as escolhas de política doméstica do México e se absterem de qualquer ação para interferir nas políticas que apóiam alimentos e dietas saudáveis ​​e que promovem práticas agroecológicas sustentáveis ​​e ambientalmente saudáveis. O México tem todo o direito de adotar essas disposições, como os Estados Unidos estariam se implementasse políticas semelhantes.

“O IATP assinou uma carta semelhante redigida pela Pesticide Action Network , juntamente com 80 outras organizações e quase 7.000 cidadãos. O IATP e o PAN suporte de cartas uma carta assinada por centenas de organizações mexicanas se opondo ao esforço de lobby do agronegócio e pedindo ao governo dos Estados Unidos que respeite a soberania do México.

IATP nas notícias

A enxurrada de correspondência dirigida ao USTR e ao USDA segue os argumentos apresentados pela equipe do programa do IATP na imprensa:

  • Karen Hansen-Kuhn e eu escrevemos para a American Prospect em um artigo de 15 de março: ” Parando a corrida para o fundo do poço na política comercial .”
  • A advogada sênior do IATP, Sharon Anglin Treat em The Hill desafiou a administração Biden: “novo NAFTA bloqueará as políticas regulatórias progressivas de Biden? 
  • A diretora-executiva Sophia Murphy, também escrevendo para The Hill , questionou os argumentos de que a OMC e a USMCA eram locais apropriados para o governo Biden questionar as ações do México. “Não é de surpreender que o governo mexicano queira revitalizar as áreas rurais devastadas pelo despejo de milho nos Estados Unidos a preços abaixo dos custos de produção”, escreveu ela. “Talvez o governo dos Estados Unidos aprenda com o exemplo.”

Bayer / Monsanto, agronegócio mexicano buscam liminar para permitir o uso do glifosato

A pressão dos interesses do agronegócio continua. A Bayer / Monsanto e o Conselho Nacional de Agronegócios (CNA) do México entraram com um pedido de liminar nos tribunais mexicanos para impedir as regulamentações do glifosato. A coalizão Sin Maiz No Hay Pais (Sem Milho Não Há País) está coletando assinaturas em uma petição que se opõe à liminar . Por favor, conecte-se.

O IATP continuará a trabalhar com seus parceiros mexicanos para garantir que o governo dos EUA não invoque acordos comerciais para minar o direito do México de legislar e regulamentar no interesse público. Como nos disse o subsecretário de Agricultura do México, Victor Suarez, “Somos uma nação soberana com um governo democrático, que chegou ao poder com o apoio da maioria dos cidadãos, que coloca o cumprimento de nossa constituição e o respeito pelos direitos humanos acima de todos os interesses privados . ”

Leia mais sobre as ações recentes do IATP sobre mudanças climáticas, emissões da pecuária, a recente cúpula do clima do presidente Biden e muito mais.  Veja a atualização recente.  Leia este artigo no site do IATP. 

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo IATP [Aqui!].

Bayer faz show virtual para seus acionistas e críticas às suas práticas ficam ausentes

bayer ceoO chefe da Bayer, Werner Baumann, finalmente promete tempos melhores para os acionistas após seu controverso acordo com a Monsanto. Foto: imago images / sepp spiegl

Por Haidy Damm para o Neues Deutschland

O chefe da Bayer, Werner Baumann, mostrou-se contrito com os acionistas do grupo. Não podemos ficar satisfeitos com o resultado do grupo. Temos o seu apoio e não correspondemos às nossas expectativas no ano passado «, disse ele na terça-feira na assembleia geral anual da maior empresa química e farmacêutica da Alemanha. Como no ano anterior, a Assembleia Geral Anual foi realizada virtualmente devido à pandemia. Dúvidas e críticas tiveram que ser enviadas com antecedência e foram respondidas pelo conselho de administração e conselho fiscal no evento online de um milhão de euros.

Em 2019, os acionistas da Bayer se recusaram a aprovar Baumann como o primeiro CEO em exercício de um grupo DAX. O pano de fundo foi a aquisição da rival americana Monsanto. O preço das ações da Bayer despencou após a aquisição de 66 bilhões de dólares. A Bayer era “apenas uma sombra de si mesma”, disse Ingo Speich, do acionista da Bayer, Deka Investment, na preparação para a Assembleia Geral Anual. A compra da Monsanto foi uma decisão errada que custaria caro à Bayer. “A Monsanto não tornou a Bayer mais à prova de crises, mas a mergulhou ainda mais na crise.”

Cinco anos após a fusão, o preço das ações ainda não se recuperou. No ano passado, a empresa com sede em Leverkusen registrou o maior prejuízo da história da empresa, com menos 10,5 bilhões de euros. Com menos de cerca de um terço, as ações da Bayer ficaram em último lugar no índice líder alemão Dax em 2020. Os números em vermelho escuro se deviam principalmente às provisões para as ações judiciais nos Estados Unidos por câncer causado pelo uso do herbicida glifosato total – uma invenção da Monsanto.

Mas Baumann ainda tem o conselho supervisor por trás dele. Em setembro do ano passado, o conselho de administração aprovou um novo acordo para as ações judiciais relacionadas ao glifosato nos Estados Unidos. No mesmo mês, o comitê estendeu o contrato de Baumann por três anos. Até agora, a empresa química pagou cerca de US$ 9,6 bilhões em acordos nos tribunais norte-americanos. Lidar com ações judiciais futuras continua difícil, e a Bayer gostaria que elas fossem descartadas para sempre. “Contrariamente às nossas expectativas, ainda não conseguimos chegar a um acordo final, apesar do progresso”, lamentou Baumann na Assembleia Geral Anual. Em maio, um tribunal dos EUA na Califórnia quer decidir sobre uma nova proposta de compromisso.

Para Harald Ebner, membro do Bundestag pelo Partido Verde, isso não se encaixa. A Bayer afirma, por um lado, que o glifosato é inofensivo e está apresentando pedidos de aprovação na UE; por outro lado, o grupo concorda com pedidos de indenização. “Não vejo nenhum realinhamento aqui”, disse Ebner na terça-feira nos eventos de protesto – também virtuais – na Assembleia Geral Anual da Bayer.

Jan Pehrke da “Coordenação contra os Riscos da Bayer” também criticou em sua posição na Assembleia Geral Anual. “A empresa tenta resolver o problema: ela quer vender glifosato para fins lucrativos, mas não quer ser responsável pelas consequências inevitáveis ​​para a saúde. O resultado traz consigo: a Bayer está fazendo todo o possível para manter as reclamações de futuros pacientes com câncer o melhor possível. “

O glifosato não é, de forma alguma, o único ponto de discórdia em relação aos agrotóxicos produzidos pela Bayer. Baumann está satisfeito por a Bayer ter recebido outra aprovação de cinco anos para o  Dicamba. Em julho do ano passado, o Brasil já havia aprovado o agrotóxico, que é pulverizado sobre soja e algodão geneticamente modificados, mesmo que ainda seja classificado como “muito perigoso para o meio ambiente”. Os EUA seguiram em outubro. Mas a venda de Dicamba foi legalmente proibida na Alemanha em junho de 2020 devido a ações judiciais. Um tribunal de São Francisco confirmou que a Agência Ambiental dos Estados Unidos (EPA) tinha cometido erros na licença originalmente concedida em 2018 e retirou o registro do Dicamba. A venda e o uso foram proibidos porque os riscos associados ao Dicamba foram subestimados.

O planejado Acordo do  União Européia com o Mercosul, que incluí países como Argentina, Brasil e Uruguai deve trazer mais lucros ao grupo no setor agrícola, que só conseguiu aumentar as vendas em 1% no ano passado. O acordo comercial que a UE concluiu, mas ainda não assinou com o Mercosul, tornaria mais barata a importação de agrotóxicos para os países membros. “Também está promovendo um modelo agrícola que depende do consumo de grandes quantidades de agrotóxicos”, crítica uma aliança internacional de 450 organizações não-governamentais da Europa e América Latina. Os fabricantes alemães de agrotóxicos, como Bayer e BASF, que já exportam venenos agrícolas para esta região, incluindo aqueles que não são permitidos na UE devido à sua periculosidade. Apesar dos enormes riscos à saúde, os agrotóxicos fazem parte da estratégia de exportação da Bayer, inclusive por meio do acordo comercial da Ue com o Mercosul, critica Bettina Müller, da rede Powershift. »A Bayer nega a conexão entre os efeitos na saúde e está fazendo um grande trabalho de lobby em nível governamental. Isso nos mostra como eles são indiferentes às consequências  dos agrotóxicos sobre as populações locais.”

Um estudo recente da Fundação Rosa Luxemburgo e outras organizações não-governamentais confirma que a Bayer, como a BASF, continua a comercializar ingredientes ativos de agrotóxicos que são proibidos na UE em muitos países. No passado, a Bayer desenvolveu e comercializou um total de 22 ingredientes ativos de agrotóxicos extremamente ou altamente tóxicos. Alguns desses ingredientes ativos continuariam a ser comercializados pela Bayer em seus próprios produtos  no sul global, como no Brasil, África do Sul e México.

Baumann também vê perspectivas na agricultura em particular. Os preços do milho e da soja estão subindo drasticamente, então os agricultores devem estar preparados para gastar mais dinheiro também com as sementes da Bayer. Baumann falou de um início de ano provavelmente bem-sucedido. “No negócio agrícola em particular, vemos um ambiente de mercado cada vez mais positivo para nós.”

Os investidores também avaliam como positiva a estratégia da divisão farmacêutica na área de terapia gênica e celular, que a Bayer fortaleceu recentemente com aquisições. Embora o grupo tenha registrado queda nas vendas nesse setor, Baumann falou de uma “mudança profunda”, até mesmo uma revolução orgânica, na qual a Bayer estava “excelentemente posicionada”. “Nossa oportunidade especial reside no fato de que tecnologias fundamentais como edição de genoma ou pesquisa de microbioma irão gerar inovações em todas as áreas de negócios.” Nesse contexto, o político verde Ebner criticou o lobby da Bayer, especialmente no nível da UE, para a aprovação de novos processos de engenharia genética. Neste método de biologia molecular, o DNA é especificamente cortado e modificado. Há uma disputa na UE sobre se este método deve ser classificado como engenharia genética e, portanto, identificado. Se os proponentes se safarem, “toda a nossa liberdade de escolha é restrita”, disse Ebner.

Embora a Bayer desempenhe apenas um papel subordinado no desenvolvimento de uma vacina contra a COVID-19, a divisão farmacêutica do Grupo cresceu especialmente no setor de saúde ao consumidor. “Nossas vendas na categoria de suplementos alimentares aumentaram 23% no ano passado”, explicou Baumann. Esses suplementos dietéticos estão crescendo, especialmente na crise causada pelo coronavírus.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland [Aqui! ].

Bayer é acusada por advogados de esquema de “pagar para apelar”

bayer round up

Por Joel Rosenblatt para a Bloomberg

A estratégia da multinacional alemã Bayer AG para obter uma decisão favorável em seu litígio envolvendo o herbicida Roundup é um “esquema fabricado de pagamento para apelar” que irá corroer o sistema de justiça dos EUA se for permitido, disseram os advogados dos demandantes em uma carta a um tribunal.

Os advogados que estão ajudando a liderar o litígio nacional sobre as alegações de que o herbicida causa câncer responderam na quinta-feira a um acordo que a Bayer fez que essencialmente paga um homem da Geórgia para continuar lutando contra a empresa nos tribunais.

A Bayer defendeu seu acordo confidencial com o médico da Geórgia, John Carson, dizendo ao Tribunal de Apelações dos EUA, com sede em Atlanta, que o acordo está estruturado de uma forma que foi aprovada por outros tribunais de apelação. O objetivo final da Bayer é obter uma decisão do tribunal superior do país que minaria uma reivindicação importante nas ações judiciais e reduziria o fluxo constante de novos casos além das dezenas de milhares de reivindicações que a empresa já resolveu.

Os advogados que assinaram a carta – incluindo Brent Wisner e Jennifer Moore – obtiveram veredictos  contra a Bayer envolvendo o Round Up, e resolveram os casos com a empresa. Suas vitórias nos julgamentos poderiam estar em risco se a Suprema Corte ficasse do lado da Bayer.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pela Bloomberg [Aqui!].

Inseticidas amplamente utilizados também podem ser uma ameaça a mamíferos

Os neonicotinoides já são acusados de contribuir para o declínio generalizado de insetos. Mas há evidências de que também possam ser nocivos a coelhos, aves e cervos.

seeds

Estas sementes de milho foram tratadas com clotianidina, um agrotóxico neonicotinoide. Resíduos de neonicotinoides, associados ao declínio de insetos, também estão sendo encontrados em animais maiores, como aves e cervos. FOTO DE ANAND VARMA, NAT GEO IMAGE COLLECTION

Por Elizabeth Royte para a National Geographic 

Em um dia nublado de janeiro em Estelline, Dakota do Sul, nos EUA, Jonathan Lundgren fecha o zíper de sua jaqueta acolchoada sobre um casaco de lã, puxa para baixo o gorro e caminha pela neve na propriedade rural Blue Dasher Farm até seu celeiro, um galpão de ordenha equipado por ele como um laboratório bioquímico.

Lundgren é um tipo incomum: metade proprietário rural interessado em reinventar sua profissão e metade cientista, ex-entomologista do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (“USDA”, na sigla em inglês) que ainda conduz análises químicas. Cercado pela parafernália habitual de laboratórios — um espectrofotômetro, uma máquina de PCR, uma centrífuga — Lundgren olha pela janela as ovelhas aglomeradas no pasto e  um grande bando de gansos, galinhas, perus e patos. Então ele se volta aos baços de cervo à sua frente. Durante meses, ele analisou os baços em busca de traços de inseticidas denominados neonicotinoides.

Com proximidade química à nicotina, os neonicotinoides foram desenvolvidos na década de 1990 como uma alternativa mais segura a produtos químicos agrícolas mais tóxicos e duradouros. Atualmente são os agrotóxicos mais utilizados no mundo, eficazes contra pulgões e cigarrinhas e uma ampla variedade de nematoides, besouros e brocas. Distribuídos na forma de sementes tratadas destinadas a lavouras que cobrem mais de 60 milhões de hectares nos Estados Unidos, os neonicotinoides são absorvidos por todas as estruturas vegetais: raízes, caules, folhas, frutas, pólen e néctar. Os insetos mastigam ou sugam sua parte predileta, depois se enrolam e morrem.

A história revela que esse tipo de agrotóxico de amplo espectro pode ter consequências indesejadas, e numerosos estudos sugerem que os neonicotinoides, juntamente com as mudanças climáticas e a destruição de habitats, estão contribuindo com o declínio incessante nas populações de insetos na América do Norte e na Europa. As abelhas, essenciais à polinização das lavouras, foram bastante atingidas.

As evidências de toxicidade são tão convincentes que a União Europeia proibiu o uso externo de três neonicotinoides populares. E embora os Estados Unidos ainda não tenham tomado essa mesma medida decisiva, está cada vez mais evidente que as abelhas e outros insetos úteis não são os únicos animais em risco.

Nos últimos anos, os cientistas constataram que apenas cerca de 5% da cobertura das sementes tratadas com neonicotinoides são absorvidos pelas plantas. O restante é lixiviado ou lavado das sementes. Os produtos químicos se acumulam nos solos e cursos d’água, onde uma ampla variedade de animais silvestres fica exposta a eles. Há cada vez mais evidências de que compostos desenvolvidos especificamente para eliminar invertebrados também podem ser nocivos a mamíferos, aves e peixes.

Em seu celeiro, neste início de ano, Lundgren vem compilando algumas das evidências mais recentes: dados que sugerem que uma quantidade significativa de cervos selvagens no norte do Meio Oeste dos Estados Unidos apresenta neonicotinoides em seus baços.

Um experimento único

Um dos primeiros sinais de que os neonicotinoides podem afetar animais grandes veio de outro estudo de que Lundgren participou, também envolvendo cervos — mas em cativeiro.

Em 2015, uma equipe de cientistas da Universidade Estadual da Dakota do Sul decidiu determinar como um neonicotinóide chamado imidacloprida — utilizado no milho, soja, trigo e algodão — pode afetar grandes herbívoros. Os cientistas realizaram um experimento inédito em um grupo de veados-galheiros mantidos em cativeiro, formados por 21 fêmeas adultas e 63 filhotes nascidos dessas fêmeas no decorrer do experimento. Elise Hughes Berheim, pós-graduanda, e Jonathan Jenks, ecologista de animais silvestres, misturaram imidacloprida em diferentes doses na água dos animais.

Quando o grupo foi submetido à eutanásia após dois anos, os pesquisadores verificaram que os animais com níveis mais elevados do agrotóxico em seus baços apresentavam maxilares mais curtos, peso corporal mais leve e órgãos menores, incluindo genitais. Mais de um terço dos filhotes morreram prematuramente, e o teor de imidacloprida no baço desses filhotes era muito mais alto do que nos sobreviventes. Tanto os filhotes quanto os adultos com níveis maiores da substância eram menos ativos enquanto vivos — o que os deixaria mais vulneráveis a predadores na natureza.

Veado-galheiro se alimenta ao lado de carvalho próximo a Ocala, Flórida. Na Dakota do Norte e ...Veado-galheiro se alimenta ao lado de carvalho próximo a Ocala, Flórida. Na Dakota do Norte e em Minnesota, foram encontrados cervos com neonicotinoides em seus tecidos, provavelmente consumidos ao se alimentar ou consumir água. FOTO DE MARK EMERY, NAT GEO IMAGE COLLECTION

Alguns dos cervos continham doses de imidacloprida muito maiores do que qualquer outra já constatada em riachos naturais ou pântanos. Mas a equipe também examinou baços coletados de cervos selvagens, ao longo de um período de oito anos, por oficiais de caça da Dakota do Norte. Jenks ficou surpreso ao constatar que continham três vezes mais imidacloprida do que aqueles que apresentaram anomalias em seu grupo mantido em cativeiro. Ele supôs que os animais selvagens haviam sido contaminados ao se alimentar ou consumir água.

Publicados no periódicScientific Reports em março de 2019, os resultados eram desconhecidos por administradores ou caçadores de propriedades rurais e por qualquer pessoa preocupada com os efeitos dos produtos químicos agrícolas sobre animais silvestres. Afinal, animais com mandíbulas malformadas e órgãos reprodutivos subdimensionados podem ter dificuldade para se alimentar ou se reproduzir. “Os neonicotinoides podem ter um efeito catastrófico nas populações de veados-galheiros”, alerta Jennifer Sass, cientista sênior do Conselho de Defesa de Recursos Naturais, um grupo ambientalista.

Cinco fabricantes na Europa, Estados Unidos e Japão dominam o mercado de neonicotinoides. A Bayer CropScience, formada quando a empresa farmacêutica alemã adquiriu a Monsanto, é uma das maiores fabricantes mundiais de neonicotinoides e é a principal fabricante de imidacloprida. Alexander Hennig, porta-voz da Bayer, considerou o estudo dos veados-galheiros na Dakota do Sul “não confiável”.

“Nenhum dos efeitos citados foi relatado em populações de cervos na natureza”, escreveu Hennig por e-mail. “Muitos usos veterinários são aprovados, o que permite a aplicação direta de neonicotinoides em animais de estimação e gado para protegê-los de pulgas e carrapatos, o que não seria possível se nossa empresa ou órgãos reguladores determinassem que existem riscos para os vertebrados”.

Segundo Hennig, uma das razões pelas quais os neonicotinoides foram desenvolvidos como inseticidas é justamente o fato de que não afetam os vertebrados da mesma maneira: eles se ligam a receptores na superfície celular muito menos prevalentes em vertebrados.

Evidências crescentes

Os cervos não são as únicas espécies que consomem neonicotinoides inadvertidamente. Charlotte Roy, bióloga do Departamento de Recursos Naturais de Minnesota, verificou que muitos animais não hesitam em consumir sementes tratadas com neonicotinoides se tiverem a chance — como é comum acontecer durante o plantio no segundo trimestre do ano.

Em um estudo em 2019, Roy montou armadilhas fotográficas em campos agrícolas onde havia distribuído deliberadamente sementes tratadas. Suas câmeras acionadas por movimento registraram mais de uma dezena de espécies de aves (incluindo faisões-comuns, gansos e perus), além de ursos, guaxinins, roedores, coelhos, raposas e gambás, todos se alimentando das sementes tratadas.

Segundo Roy, é comum a queda acidental de sementes das máquinas de semeadura. Os proprietários rurais são instruídos por empresas de sementes a lavá-las, mas pequenos montes de grãos, contendo milhares de sementes, são comuns. Roy e seus colegas estimam que essas quedas acidentais de sementes ocorram milhares de vezes a cada ano em Minnesota.

Permanece uma questão em aberto como exatamente as sementes tratadas com neonicotinoides afetam o crescimento, o desenvolvimento e a função orgânica dos vertebrados. Mas as evidências de toxicidade estão se acumulando.

Faisões-comuns e outros animais foram observados ingerindo sementes tratadas com neonicotinoides após caírem acidentalmente nos campos.
Faisões-comuns e outros animais foram observados ingerindo sementes tratadas com neonicotinoides após caírem acidentalmente nos campos.  FOTO DE ROBBIE GEORGE, NAT GEO IMAGE COLLECTION

Pesquisadores no Canadá demonstraram que consumir apenaquatro sementes de canola tratadas com imidacloprida durante três dias pode interferir na capacidade de migração de um pardal. Um pós-graduando da Universidade Estadual da Dakota do Sul no ano passado demonstrou que os faisões-comuns — o animal mais caçado nas Dakotas — apresentaram redução de peso, fraqueza e letargia maior quanto mais sementes de milho tratadas fossem consumidas (de acordo com o pesquisador, as aves foram alimentadas com menos sementes tratadas do que seu consumo observado na natureza). As aves que consumiam doses mais elevadas também botaram menos ovos, tardaram uma semana para fazer seus ninhos e houve um declínio de 20% na sobrevivência de seus descendentes.

Estudos em laboratório apresentaram uma série de evidências de que a exposição a neonicotinoides é nociva a animais vertebrados. Reduz a produção de esperma e aumenta o índice de abortos e anomalias esqueléticas em ratos; suprime a resposta imune de camundongos e a função sexual de machos de lagartixas-dos-muros na Itália; prejudica a mobilidade de girinos; aumenta os abortos espontâneos e o nascimento de prematuros em coelhos; e reduz a sobrevivência de perdizes-vermelhas, tanto de adultos quanto de filhotes.

No Japão, os cientistas relacionaram o colapso de uma lucrativa indústria de pesca à aplicação generalizada de imidacloprida em arrozais e campos agrícolas próximos.

No ano passado, Eric Michel, cientista pesquisador de ungulados do Departamento de Recursos Naturais de Minnesota (e coautor do artigo sobre veados-galheiros), fez um pedido para receber baços de cervos caçados. Seu objetivo era saber mais sobre a presença ou ausência de neonicotinoides nos animais de Minnesota, para ajudar a estabelecer limites às licenças de caça de fêmeas. “Buscamos qualquer informação que afete a dinâmica populacional”, conta ele.

No fim, quase 800 baços foram entregues a Lundgren para análises químicas. Os resultados preliminares sugeriram que mais de 50% dos baços testaram positivo para neonicotinoides; Lundgren atualmente está repetindo as análises nessas amostras para conferir mais uma vez seus resultados.

Como estudo complementar, Lundgren também está analisando o baço de 100 lontras-norte-americanas, linces e martas-pescadoras — os principais predadores capturados legalmente em armadilhas na Dakota do Norte. Seus resultados preliminares sugerem que os neonicotinoides contaminaram entre 15% e 30% das amostras. Os animais podem ter consumido os agrotóxicos em plantas contaminadas, ao se alimentar de presas ou na água, conta ele.

Os resultados do estudo de Lundgren não o surpreendem em nada; ele está convencido de que os agrotóxicos produzem um efeito expressivo na biodiversidade global. “Já faz algum tempo em que é observada uma deterioração das comunidades biológicas. É evidente que não são totalmente compreendidas as implicações desses agrotóxicos.”

Após pedidos de resposta aos estudos que sugerem que neonicotinoides podem ser nocivos a vertebrados, a CropLife America, associação comercial que representa os fabricantes e distribuidores de agrotóxicos, declarou: “com base em diversos estudos conclusivos realizados em todo o mundo, os neonicotinoides são comprovadamente eficazes no controle de insetos nocivos em ambientes agrícolas e não agrícolas, sem efeitos adversos não razoáveis em organismos que não sejam seu alvo, quando usados de acordo com as instruções do rótulo”.

E quanto aos humanos?

É evidente que os humanos também estão expostos aos neonicotinoides. Inalamos acidentalmente a substância ou tocamos as superfícies tratadas em propriedades rurais, jardins e quando aplicamos tratamentos contra pulgas e carrapatos em nossos animais de estimação. Durante a última década, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (“EPA”, na sigla em inglês) registrou mais de 1,6 mil casos de envenenamento humano por imidacloprida. Alguns sintomas são erupções cutâneas, dores de cabeça, respiração ofegante, perda de memória e insuficiência renal.

Mas as pessoas também consomem neonicotinoides nos alimentos. Os agrotóxicos são aplicados rotineiramente — geralmente pulverizados nas folhas ou no solo — em plantações de couve-flor, espinafre, maçã, uva, abóbora, melão, tomate e em outros produtos agrícolas e grãos. Quase 100% do milho nos Estados Unidos é tratado com neonicotinoides. Um estudo conduzido em 2015 pela organização sem fins lucrativos American Bird Conservancy e pela Faculdade de Saúde Pública TH Chan da Universidade de Harvard encontrou resíduos de neonicotinoides — embora em níveis considerados aceitáveis pela EPA — em quase todos os pratos servidos em cafeterias em prédios do Congresso dos Estados Unidos. Um estudo conduzido em 2019 pelos Institutos Nacionais da Saúde dos Estados Unidos encontrou neonicotinoides em 49,1% de mais de 3 mil amostras de urina humana.

Não há evidências diretas até o momento de que a exposição alimentar aos neonicotinoides seja prejudicial à saúde humana.

A EPA está atualmente analisando os registros de cinco neonicotinoides, incluindo o imidacloprida. Organizações ambientais e especialistas em saúde humana alegam que as análises em andamento da agência têm constantemente subestimado os males do uso de neonicotinoides e superestimado seus benefícios. Esses grupos pediram que a EPA cancelasse ou restringisse severamente muitos usos de neonicotinoides e proibisse sua presença em alimentos, o que, na prática, impediria seu uso em lavouras de alimentos (produtores orgânicos não utilizam neonicotinoides). Após estudos adicionais, a EPA poderia apresentar níveis de tolerância mais rígidos, o que permitiria certo uso agrícola.

Tratores juntam um monte enorme de milho em uma propriedade rural perto de Imperial, Nebraska, antes ...Tratores juntam um monte enorme de milho em uma propriedade rural perto de Imperial, Nebraska, antes que se formem nuvens de tempestade. Quase 100% do milho nos Estados Unidos é tratado com neonicotinoides.

FOTO DE RANDY OLSON, NAT GEO IMAGE COLLECTION

É evidente que são necessárias mais pesquisas sobre os possíveis efeitos dos neonicotinoides sobre os vertebrados. Mas estudos de campo com animais são cada vez mais raros porque demandam muito tempo, esforço e dinheiro. Nos Estados Unidos, são poucos os estados que financiam esse tipo de pesquisa da mesma forma que Minnesota e Dakota do Sul. Dados empíricos são difíceis de obter. Pierre Mineau, toxicologista ambiental e ex-cientista sênior do Environment Canada, órgão ambiental canadense, escreve que os animais silvestres que demonstram sinais de envenenamento, “correm um alto risco de predação ou morte”, ou seja, morrem sem deixar vestígios. É comum reabilitadores de animais silvestres e guardas florestais encontrarem animais com malformações, mas eles carecem de recursos para estudá-los cientificamente.

Por outro lado, sementes tratadas com neonicotinoides representam um mercado global de US$ 1,5 bilhão que a indústria tem grande interesse em proteger. Após a publicação do artigo revisado por pares sobre os veados-galheiros, de acordo com Lundgren, uma empresa de sementes anônima (para ele) acusou a equipe de pesquisa de má conduta e falsificação de dados. Uma investigação conduzida pela Universidade Estadual de Dakota do Sul concluiu que a acusação não tinha fundamento.

“Acredito que a intenção era nos atacar”, afirma Lundgren. “No entanto foi perturbador à nossa pesquisa, e nossa credibilidade é muito importante para nós.”

Os neonicotinoides são muito eficazes em exterminar pragas agrícolas, mas estudos revelaram que não aumentam necessariamente a produção desojaou milho e podem até reduzir os lucros dos produtores rurais por aumentarem seus custos. A União Europeia proibiu todo uso externo de três importantes neonicotinoides, incluindo o imidacloprida, para proteger os polinizadores (embora os produtores rurais continuem solicitando “isenções de emergência” durante surtos de pragas). O Canadá está cogitando proibição semelhante, e dezenas de projetos de lei para coibir ou vedar o uso de neonicotinoides foram apresentados nas câmaras estaduais dos Estados Unidos apenas nos últimos dois anos.

Projetos de lei federais para limitar esses compostos foram paralisados nos últimos anos, e ativistas ambientais duvidam que o governo Biden priorize a regulamentação de neonicotinoides (embora planeje rever a aprovação do clorpirifós, pesticida não neonicotinoide altamente tóxico). O novo secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Tom Vilsack, também liderou o USDA durante o governo Obama; durante esse período, houve um aumento no uso de neonicotinoides pelos produtores rurais.

Se o USDA continuar a promover o sistema atual de sementes geneticamente modificadas tratadas com herbicidas, segundo Willa Childress, organizadora da Pesticide Action Network North America,coalizão internacional de ONGs, “continuará a aumentar o uso de neonicotinoides, a menos que a EPA intervenha e proíba.”

Uma abordagem mais holística

Lundgren, na Dakota do Sul, evita o cenário regulatório débil para se concentrar em questões mais importantes. Além de estudar tecidos animais e a composição química do solo, sua Blue Dasher Farmtambém desenvolve, avalia e ensina práticas agrícolas ecológicas — e lucrativas — a agricultores e pecuaristas em todo o país.

Essas práticas são consideradas “agricultura regenerativa” porque seu objetivo é restaurar o solo degradado a um estado natural, saudável e não contaminado. Para Lundgren, os neonicotinoides são um sintoma de um problema maior: a dependência generalizada, por parte da agroindústria, de insumos químicos que contaminam os cursos d’água e reduzem a saúde e a biodiversidade do solo.

“Proibir neonicotinoides não resolverá os problemas existentes no sistema de produção de alimentos”, afirma ele. “Nosso trabalho em sistemas regenerativos na agropecuária”, que inclui o plantio direto, o cultivo de plantas de cobertura e a promoção de insetos úteis e rotações de culturas mais diversas, “está mostrando que os inseticidas não são de fato necessários”.

“A mudança não partirá do governo”, prossegue Lundgren, “e sim da sociedade. A agricultura regenerativa está ganhando força a um ritmo surpreendente. Considero isso um grande sinal de esperança.”

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela National  Geographic [Aqui! ].

Nos passos da Monsanto

A Bayer instou o México e a Tailândia a retirarem a proibição do glifosato, de acordo com documentos que vazaram recentemente

Nessa demonstração em 2015 no México contra a estratégia do glifosato da Monsanto, o grupo dos EUA ainda não fazia parte da Bayer AG.Nessa demonstração em 2015 no México contra o uso do glifosato da Monsanto, o grupo dos EUA ainda não fazia parte da Bayer AG. Foto: REUTERS / Ginnette Riquelme

Por Andreas Knobloch para o Neues Deutschland

Em 2019, o governo tailandês decidiu banir três agrotóxicos, incluindo a toxina vegetal glifosato. Mas pouco antes de a proibição entrar em vigor, o governo de Bangkok recuou. “Eu estava particularmente interessado no papel dos EUA nisso”, disse Nathan Donley, cientista da organização ambiental sem fins lucrativos Center for Biological Diversity (CBD). Documentos deixaram claro que as empresas químicas e o lobby agrícola estavam intensamente envolvidos na influência dos EUA na Tailândia para impedir a proibição do glifosato. “Então, vi no noticiário que o México estava tomando medidas semelhantes às da Tailândia para proibir o glifosato e outros agrotóxicos. Isso nos levou a solicitar os documentos. “

De acordo com a Lei de Liberdade de Informação, a CBD solicitou a liberação de registros internos; o jornal britânico “The Guardian” publicou na semana passada. O tráfego de e-mails publicados mostra que o grupo alemão Bayer trabalhou em estreita colaboração com funcionários do governo dos EUA para pressionar o governo do México a suspender sua proposta de proibição do glifosato. O governo do presidente Andrés Manuel López Obrador deu aos seus agricultores até 2024 para interromper o uso de glifosato e outros agrotóxicos, bem como o cultivo e uso de milho GM. Os argumentos citados para a proibição são segurança alimentar e soberania, além de aspectos de saúde. O glifosato é um componente de vários herbicidas e tem sido associado ao câncer e outros problemas de saúde. Também na Alemanha, os herbicidas que contêm glifosato devem ser proibidos a partir de 2024.

Bayer AG is the owner of Monsanto.

E-mails internos do Representante de Comércio dos Estados Unidos (USTR) e outras agências do governo dos EUA detalham como a Bayer instou o governo dos EUA a pressionar o México depois que o país inicialmente se recusou a importar glifosato da China no final de 2019. “Você pode ver o mesmo procedimento quando as empresas químicas afirmam que o governo dos EUA exerce influência sobre o que geralmente são países menores quando tentam elevar os padrões ambientais e de saúde”, diz Donley, referindo-se ao exemplo da Tailândia.

Por exemplo, Stephanie Murphy, representante da Bayer para assuntos governamentais, perguntou ao Diretor de Política de Comércio Internacional do USTR, Leslie Yang, em um e-mail sobre a rejeição da entrega de glifosato, se ela poderia “discutir o assunto mais com o USTR” e se “um possibilidade de um compromisso através da USMCA « O USMCA, acordo comercial recém-negociado entre os Estados Unidos, México e Canadá, foi assinado no final de 2018 e entrou em vigor em 1º de julho do ano passado. O lobista da indústria, CropLife America, que é financiado pela Bayer entre outros, também esteve envolvido. O glifosato desempenhou um papel importante nas negociações entre as autoridades americanas e mexicanas no início de 2020.

Em e-mails posteriores, Murphy escreveu a Yang sobre a necessidade de “engajamento político de alto nível”. Isso realmente aconteceu. Em maio, o representante de Comércio dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, alertou a então secretária de Comércio do México, Graciela Márquez Colín, que as questões do milho transgênico e do glifosato ameaçavam minar a “força de nossos laços bilaterais”.

Bayer nega que suas ações sejam ilegais. “Como muitas empresas e organizações que operam em setores fortemente regulamentados, também fornecemos informações e contribuímos para a tomada de decisões políticas e processos regulatórios cientificamente sólidos”, escreveu a empresa quando questionada. “Nosso relacionamento com todos que trabalham no setor público é rotineiro, profissional e obedece a todas as leis e regulamentos.”

Donley, um defensor da proibição de agrotóxicos, também não acredita que nenhuma lei tenha sido violada. “Mas esse também não é o padrão que deveríamos estabelecer”, diz ele. A Bayer certamente tem o direito de pedir apoio ao governo dos EUA, mas o governo dos EUA está comprometido com interesses mais amplos do que a agenda de uma empresa química. “Se você olhar as trocas de e-mail, verá que o governo dos EUA está fazendo mais ou menos tudo o que a Bayer pede. É extremamente preocupante.”

No momento, parece que o México está disposto a reduzir o uso de produtos químicos na agricultura. “Os EUA parecem muito contra isso, então não tenho certeza de como isso vai acabar”, disse Donley. “Mas o que não deveria acontecer é que a diplomacia dos Estados Unidos está sob a influência das corporações – e é isso que está acontecendo neste caso.”

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo “Neues Deutschland” [Aqui!].

Tribunal da França julga caso contra empresas fabricantes do Agente Laranja usado na Guerra do Vietnã

orange agent

Os EUA usaram o Agente Laranja por uma década durante sua guerra no Vietnã, Laos e Camboja.

ÉVRY, França: Um tribunal francês começou a ouvir no dia 25 de janeiro um caso contra mais de uma dúzia de multinacionais, acusadas por uma mulher franco-vietnamita de causar graves danos a ela e a outros ao vender o desfolhante agente laranja (uma mistura de dois herbicidas: o 2,4-D e o 2,4,5-T) ao governo dos EUA, que o usou para causar efeitos devastadores durante a Guerra do Vietnã.

Tran To Nga, nascida em 1942 na então Indochina francesa, trabalhou como jornalista e ativista no Vietnã por volta dos 20 anos.

Ela entrou com a ação em 2014 contra 14 empresas que fabricaram ou venderam o produto químico altamente tóxico, incluindo a Monsanto, agora propriedade da gigante alemã Bayer, e a Dow Chemical.

Apoiada por várias ONGs, ela acusa as empresas de serem responsáveis ​​pelos ferimentos sofridos por ela, seus filhos e inúmeras outras pessoas, bem como pelos danos causados ​​ao meio ambiente.

“O reconhecimento das vítimas civis vietnamitas constituiria um precedente legal”, disse a especialista em direito internacional Valerie Cabanes.

Até agora, apenas veteranos militares – dos EUA, Austrália e Coréia – ganharam compensação pelos efeitos colaterais do produto químico cujas propriedades tóxicas, Cabanes disse serem “absolutamente fenomenais”, cerca de 13 vezes a toxicidade de herbicidas de uso civil como, por exemplo, o Glifosato.

Quatro milhões de pessoas no Vietnã, Laos e Camboja foram expostas ao Agente Laranja, de acordo com ONGs, ao longo de uma década quando os militares dos EUA pulverizaram cerca de 76 milhões de litros (20 milhões de galões) do herbicida e desfolhante químico para deter os avanços do comunista Norte  e privar os combatentes inimigos de fontes de alimento.

O agente laranja destruiu plantas, poluiu o solo e envenenou animais e causou câncer e malformações em humanos, dizem ONGs.

“Não estou lutando por mim mesmo, mas por meus filhos e milhões de vítimas”, disse Tran To Nga, que afirma que o agente laranja ataca o sistema imunológico das pessoas.

Ela mesma estava sofrendo dos efeitos típicos do agente laranja, incluindo diabetes tipo 2 e uma alergia à insulina extremamente rara.

Ela disse que também contraiu tuberculose duas vezes, desenvolveu um câncer e uma de suas filhas morreu de malformação no coração.

Todos os anos, cerca de 6.000 crianças são diagnosticadas com malformações congênitas no Vietnã, disse Cabanes.

As multinacionais argumentaram que não podiam ser responsabilizadas pelo uso que os militares americanos fizeram de seu produto.

Contatada pela AFP, a Bayer disse que o Agente Laranja foi fabricado “sob a gestão exclusiva do governo dos EUA para fins exclusivamente militares”.

A demandante e seus advogados devem argumentar que os fabricantes do Agente Laranja enganaram o governo dos Estados Unidos quanto à sua verdadeira toxicidade.

O julgamento no subúrbio de Evry, no sul de Paris, deveria ter começado em outubro do ano passado, mas seu início foi adiado devido às restrições da COVID-19.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “Bangkok Post” [Aqui!].

Quanto custa um câncer? Bayer faz ‘conta de padaria’: lucro com glifosato compensa custo de processos por danos à saúde

Empresa gasta US$ 12 bilhões em indenizações, mas continua fabricando – e vendendo muito – o agrotóxico. “É a prova cabal de que não existe, nem de longe, possibilidade de qualquer tipo de ética no sistema capitalista”, afirma analista

Manifestação de mulheres camponesas em frente à sede nacional da Bayer, em São Paulo
Por Cida de Oliveira, da RBA

São Paulo – A Bayer não fala em lucros com a venda do herbicida glifosato, o mais vendido do mundo. Mas certamente é gigantesco, já que é suficiente para cobrir, com sobra, os acordos bilionários que tem proposto à Justiça nos Estados Unidos para pagar milhares de indenizações a doentes de câncer expostos ao RoundUp, produto a base de glifosato.

A companhia alemã que comprou a Monsanto – desenvolvedora do glifosato –, desembolsou em 2020 US$ 10 bilhões (cerca de R$ 54 bilhões) para liquidar 95 mil processos por efeitos danosos do agrotóxico. Restaram ainda 30 mil ações. Na semana passada propôs outro acordo, no valor de US$ 2 bilhões (R$ 10,8 bilhões), para cobrir futuros pedidos de indenização de pessoas que, por exposição ao glifosato, desenvolveram linfoma não Hodgkin, um tipo de câncer que atinge o sistema imunológico. O teto de indenização e cobertura de assistência à saúde será de até US$ 200 mil. A homologação da oferta depende de decisão do juiz Vince Chabbria, da Corte Distrital de São Francisco.

“Os acordos de US$ 10 bilhões do ano passado, somado aos U$2 bi de agora, superam o faturamento total da indústria de agrotóxicos no Brasil no ano passado. São cifras, portanto, astronômicas, mesmo para transnacionais do porte da Bayer”, diz o engenheiro Alan Tygel, coordenador da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida.

Segundo ele, quando a Bayer concluiu a compra da Monsanto em 2018, por US$ 63 bilhões, já sabia que herdaria milhares de processos e teria de desembolsar bilhões de dólares em pedidos de indenização contra o RoundUp. Mesmo assim a empresa decidiu comprar a Monsanto e seguirá vendendo o produto.

Bayer e câncer

“É a prova cabal de que não existe, nem de longe, possibilidade de qualquer tipo de ética no sistema capitalista. Fizeram a conta de padaria: quanto temos de receita, quanto custa cada câncer causado pelo produto, e chegaram à conclusão de que mesmo assim dá lucro”, disse Tygel.

Para ele, os acordos já firmados e o agora proposto não terão influência no cenário brasileiro. Apesar da gravidade dos danos, a agenda em favor da indústria de agrotóxicos por parte da Anvisa e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) seguirão. “Esperamos, porém, que pelo menos processos judiciais semelhantes possam prosperar e reparar, ainda que de forma meramente financeira, a dor e o sofrimento das famílias vitimadas pelas intoxicações por agrotóxicos.

Embora a proposta possa sugerir que a Bayer esteja finalmente admitindo o potencial carcinogênico da substância que produz, a empresa está protegendo seu caixa. É o que acredita o professor e pesquisador da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) Marcos Pedlowski. “A Bayer não está reconhecendo que o glifosato faz mal, mas implicitamente está se protegendo ao propor limite de dois bilhões de dólares para futuros casos. Ou seja, para pessoas que ainda não constituíram advogado para entrar com ação.”

Ruralistas na contramão

Estudioso dos agrotóxicos, Pedlowski concorda com Tygel. O “hiper domínio da bancada ruralista” está atrasando o Brasil no debate sobre o glifosato. E o latifúndio e a economia brasileira podem tomar prejuízo em médio prazo.

“A Nestlé barrou o café do Espírito Santo pelo excesso de glifosato. No início de 2019, a Rússia sinalizou que faria o mesmo com a soja, caso o Brasil não reduzisse o uso de agrotóxico. A Europa já não compra soja para uso humano, só para alimentar animais. E há um grande movimento nos países escandinavos e na Alemanha contra a soja brasileira. Cedo ou tarde, o Brasil pode tomar uma moratória sanitária. Os ruralistas contam com a dependência mundial da soja nacional. Mas esquecem de que chineses e latifundiários brasileiros estão plantando soja em Moçambique”, alertou.

Em dezembro, a Anvisa concluiu a reavaliação toxicológica do glifosato. Manteve a permissão do uso, mas com restrições. Entre elas, adoção de tecnologia para reduzir a deriva (espalhamento das gotículas para além da área pulverizada. No mesmo mês, o governo de López Obrador determinou que até o final de 2024 o produto será banido no México.

Argentina, Uruguai e Costa Rica aprovaram medidas de redução de uso. A Alemanha quer banir até 2023. Em julho, a Áustria decidiu proibir o uso do produto por considerar cada vez mais robustas as evidências do potencial carcinogênico da substância. A França está em vias de aprovar nova legislação para redução seguida de banimento até 2023. Outros países, como Itália, Holanda e República Tcheca também têm restrições ao uso de herbicidas com o glifosato como princípio ativo.

Sinal verde

O produto tem sinal verde também do Ministério da Agricultura. Em janeiro, quando o governo de Jair Bolsonaro completou dois anos, sob seu mandato já haviam sido liberados 1.033 novos agrotóxicos, segundo levantamento de Pedlowski. Desse total, foram autorizados 22 pedidos para fabricação de novos produtos à base de glifosato. O princípio ativo só ficou atrás do fungicida Mancozebe, com 24 pedidos.

O agrotóxico mais usado no Brasil tende a ganhar ainda mais espaço. No último dia 5, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança atendeu pedido do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) para fazer experiências em campo com uma cana de açúcar desenvolvida geneticamente para resistir a pulverizações intensas de glifosato. Os testes serão feitos nos municípios paulistas de Piracicaba, Barrinha e Valparaiso. A cana é hoje a terceira cultura em termos de consumo de pesticidas (11%), ficando atrás da soja (48%) e do milho (13%).   

Hipocrisia da Bayer

Professor de Ecotoxicologia, Agroecologia e Cooperativismo no campus Viamão do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), o agrônomo Cláudio Fioreze considera “hipócrita” a oferta de tais acordos pela Bayer. “Pelo valor que eles pagaram na Monsanto (US$ 63 bilhões) o pelo que lucram com a venda do agrotóxico mais vendido no mundo, é uma hipocrisia fazer esse tipo de acordo, em que se reconhece haver o dano, quando se trata de um dano incalculável a longo prazo, um dano ecossistêmico”.

Entretanto, enxerga disputas com a justiça dos Estados Unidos um ponto de partida para mudanças. “Foram longas batalhas judiciais que levaram a legislações bastante restritivas aos cigarros. Antes se fumava dentro de todo lugar, na sala de aula, no taxi, no hotel. E hoje há propagandas expondo os males do tabagismo”, comparou.

Nesse sentido, defende, deveria ser adotada uma espécie de certificação negativa da produção de alimentos. “Hoje em dia, o ônus da certificação é de quem produz alimento ecológico, orgânico, limpo. Então os alimentos produzidos no modelo de agronegócio convencional, muitas vezes com uso de substâncias proibidas em outros países, teriam de trazer aviso na embalagem. Algo como esse produto foi produzido com agrotóxico X, que pode causar câncer, danos ao sistema nervoso”.

Edição: Fábio M Michel

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Rede Brasil Atual [Aqui!].

Liberado no Brasil, herbicida Dicamba é alvo de guerra judicial nos EUA

Processo quer anular aprovação do Dicamba nos EUA

“Estamos no tribunal mais uma vez”

 

dicamba

Por Leonardo Gottems para o Agrolink

Um processo judicial está pedindo ao Tribunal Federal de Apelações em São Francisco que cancele o registro do herbicida Dicamba na Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA). Os requerentes dizem que o Dicamba tem uma tendência excessiva de evaporar de onde é pulverizada e se espalhar para campos, pomares, jardins e árvores vizinhos. 

“Estamos no tribunal mais uma vez porque por quatro anos, a EPA alegou repetidamente que Dicamba é seguro e por quatro anos, a agência esteve totalmente errada, resultando em milhões de hectares de danos”, disse Nathan Donley do Center for Biologicial Diversity . Quatro grupos, incluindo o Center for Biological Diversity, entraram com a ação na segunda-feira. 

O administrador da EPA, Andrew Wheeler,  anunciou a aprovação de cinco anos do Dicamba para uso em algodão e soja geneticamente modificados uma semana antes da eleição presidencial. Ele disse que novas salvaguardas, que incluem a exigência de adicionar um agente tampão de pH aos tanques do pulverizador, reduziriam o risco de danos. 

Em junho, o tribunal de apelações de São Francisco cancelou o registro de Dicamba na EPA, determinando que a agência subestimou ou ignorou os riscos do herbicida. A agência já estava trabalhando em condições de uso de Dicamba em 2021 e anos posteriores. 

Em junho, a gigante agroquímica Bayer anunciou um acordo de US $ 400 milhões em um litígio separado, alegando danos à safra causados por Dicamba de 2015 a 2020. O processo diz que a EPA não consultou outras agências sobre se a Dicamba era uma ameaça para as espécies em perigo ou seus habitats e não forneceu evidências suficientes de sua conclusão de que o herbicida não causaria danos irracionais. 

fecho

Este artigo foi publicado inicialmente pelo site Agrolink [Aqui!].

Monsanto pagou ao Google para censurar resultados de pesquisa e desacreditar jornalistas

A reportagem é de Cassie B., publicada por Rebelión, 12-10-2020. A tradução é do Cepat.

MONSANTO 1

Uma reportagem do The Guardian expôs como a Monsanto, agora propriedade da Bayer, funcionava como um “centro de fusão”, que reunia informações de inteligência sobre jornalistas que se atreviam a dizer a verdade sobre os seus produtos. Um de seus maiores alvos foi a jornalista da Reuters, Carey Gillam, que fez excelentes reportagens sobre os vínculos entre a Monsanto e o agrotóxico Roundup da Bayer, ao longo dos anos. Agora, trabalha como diretora de pesquisa do US Right to Know, outro alvo das investigações da Monsanto.

Segundo os relatórios, a empresa pagou ao Google para promover resultados de busca que criticavam seu trabalho quando as pessoas procuravam por termos como “Monsanto glifosato Carey Gillam”. A empresa também planejou uma estratégia para pressionar a Reuters, dizendo que precisavam “continuar pressionando os editores [de Gillam] sempre que haja uma oportunidade”.

Google to Block All Anti-Cancer, 'Anti-Vax' and Anti-GMO Websites at the  Browser Level - USAHITMAN Conspiracy News

Também lançaram um ataque planejado a um livro de Gillam, “Whitewash: The Story of a Weed Killer, Cancer, and the Corruption of Science“, pouco antes de seu lançamento, redigindo pautas para terceiros, que poderiam ser utilizadas para criticar seu trabalho e instruir agricultores e outros clientes da indústria sobre como publicar críticas negativas sobre o livro.

“Sempre soube que a Monsanto não gostava do meu trabalho … e trabalharam para pressionar os editores e me silenciar, mas nunca imaginei que uma empresa multibilionária gastaria tanto tempo, energia e equipe comigo. É espantoso”, disse Gillam ao The Guardian. Disse que o seu livro recebeu muitas críticas negativas na Amazon, logo após sua publicação oficial, muitas delas repetindo os mesmos argumentos.

A Monsanto guardou um arquivo com os nomes de cerca de 200 jornalistas e legisladores cuja influência espera conquistar. Também iniciaram uma investigação sobre o cantor Neil Young e escreveram um memorando sobre suas atividades contra a Monsanto em sua música. Estavam tão preocupados com sua influência sobre o público que fizeram sua equipe jurídica ficar de olho nele.

Embora algumas empresas tenham centros de inteligência que procuram ameaças criminosas legítimas, como ataques cibernéticos, “torna-se preocupante quando você vê que empresas usam seu dinheiro para investigar pessoas que estão participando em seus direitos contemplados na primeira emenda”, disse o pesquisador principal da Electronic Frontier Foundation, Dave Maass.

Os processos judiciais estão expondo a corrupção da Monsanto/Bayer

Esses atos da Monsanto foram revelados por documentos que vieram à tona durante os testes do agrotóxico mortal Roundup. Já foram declarados responsáveis em três casos relacionados ao câncer e mais de 11.000 ações judiciais de paisagistas, jardineiros e agricultores contra a Roundup estão em tramitação.

O glifosato, que é listado como cancerígeno pelo estado da Califórnia e considerado um provável cancerígeno pela Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer, da Organização Mundial da Saúde, é usado em pelo menos 70 plantações de alimentos nos Estados Unidos, incluindo vegetais, frutos secos e frutas, além de ser pulverizado em lavouras convencionais como aveia, trigo e cevada, antes da colheita. Seu alcance é enorme e podem ser encontrados resíduos do produto químico em muitos dos alimentos vendidos e consumidos nos Estados Unidos.

Monsanto também pagou para pesquisadores escreverem e publicarem estudos fantasmas que deixassem esses produtos com uma percepção favorável. Também interferiram nas agências reguladoras e se recusaram a realizar estudos de segurança de longo prazo para seus produtos. Talvez se tivessem utilizado menos tempo e energia atacando seus críticos e mais tempo tornando seus produtos mais seguros, não estariam nesta posição agora.

fecho

Este artigo foi retirada da página do IHU Online [Aqui!].