Inseticidas amplamente utilizados também podem ser uma ameaça a mamíferos

Os neonicotinoides já são acusados de contribuir para o declínio generalizado de insetos. Mas há evidências de que também possam ser nocivos a coelhos, aves e cervos.

seeds

Estas sementes de milho foram tratadas com clotianidina, um agrotóxico neonicotinoide. Resíduos de neonicotinoides, associados ao declínio de insetos, também estão sendo encontrados em animais maiores, como aves e cervos. FOTO DE ANAND VARMA, NAT GEO IMAGE COLLECTION

Por Elizabeth Royte para a National Geographic 

Em um dia nublado de janeiro em Estelline, Dakota do Sul, nos EUA, Jonathan Lundgren fecha o zíper de sua jaqueta acolchoada sobre um casaco de lã, puxa para baixo o gorro e caminha pela neve na propriedade rural Blue Dasher Farm até seu celeiro, um galpão de ordenha equipado por ele como um laboratório bioquímico.

Lundgren é um tipo incomum: metade proprietário rural interessado em reinventar sua profissão e metade cientista, ex-entomologista do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (“USDA”, na sigla em inglês) que ainda conduz análises químicas. Cercado pela parafernália habitual de laboratórios — um espectrofotômetro, uma máquina de PCR, uma centrífuga — Lundgren olha pela janela as ovelhas aglomeradas no pasto e  um grande bando de gansos, galinhas, perus e patos. Então ele se volta aos baços de cervo à sua frente. Durante meses, ele analisou os baços em busca de traços de inseticidas denominados neonicotinoides.

Com proximidade química à nicotina, os neonicotinoides foram desenvolvidos na década de 1990 como uma alternativa mais segura a produtos químicos agrícolas mais tóxicos e duradouros. Atualmente são os agrotóxicos mais utilizados no mundo, eficazes contra pulgões e cigarrinhas e uma ampla variedade de nematoides, besouros e brocas. Distribuídos na forma de sementes tratadas destinadas a lavouras que cobrem mais de 60 milhões de hectares nos Estados Unidos, os neonicotinoides são absorvidos por todas as estruturas vegetais: raízes, caules, folhas, frutas, pólen e néctar. Os insetos mastigam ou sugam sua parte predileta, depois se enrolam e morrem.

A história revela que esse tipo de agrotóxico de amplo espectro pode ter consequências indesejadas, e numerosos estudos sugerem que os neonicotinoides, juntamente com as mudanças climáticas e a destruição de habitats, estão contribuindo com o declínio incessante nas populações de insetos na América do Norte e na Europa. As abelhas, essenciais à polinização das lavouras, foram bastante atingidas.

As evidências de toxicidade são tão convincentes que a União Europeia proibiu o uso externo de três neonicotinoides populares. E embora os Estados Unidos ainda não tenham tomado essa mesma medida decisiva, está cada vez mais evidente que as abelhas e outros insetos úteis não são os únicos animais em risco.

Nos últimos anos, os cientistas constataram que apenas cerca de 5% da cobertura das sementes tratadas com neonicotinoides são absorvidos pelas plantas. O restante é lixiviado ou lavado das sementes. Os produtos químicos se acumulam nos solos e cursos d’água, onde uma ampla variedade de animais silvestres fica exposta a eles. Há cada vez mais evidências de que compostos desenvolvidos especificamente para eliminar invertebrados também podem ser nocivos a mamíferos, aves e peixes.

Em seu celeiro, neste início de ano, Lundgren vem compilando algumas das evidências mais recentes: dados que sugerem que uma quantidade significativa de cervos selvagens no norte do Meio Oeste dos Estados Unidos apresenta neonicotinoides em seus baços.

Um experimento único

Um dos primeiros sinais de que os neonicotinoides podem afetar animais grandes veio de outro estudo de que Lundgren participou, também envolvendo cervos — mas em cativeiro.

Em 2015, uma equipe de cientistas da Universidade Estadual da Dakota do Sul decidiu determinar como um neonicotinóide chamado imidacloprida — utilizado no milho, soja, trigo e algodão — pode afetar grandes herbívoros. Os cientistas realizaram um experimento inédito em um grupo de veados-galheiros mantidos em cativeiro, formados por 21 fêmeas adultas e 63 filhotes nascidos dessas fêmeas no decorrer do experimento. Elise Hughes Berheim, pós-graduanda, e Jonathan Jenks, ecologista de animais silvestres, misturaram imidacloprida em diferentes doses na água dos animais.

Quando o grupo foi submetido à eutanásia após dois anos, os pesquisadores verificaram que os animais com níveis mais elevados do agrotóxico em seus baços apresentavam maxilares mais curtos, peso corporal mais leve e órgãos menores, incluindo genitais. Mais de um terço dos filhotes morreram prematuramente, e o teor de imidacloprida no baço desses filhotes era muito mais alto do que nos sobreviventes. Tanto os filhotes quanto os adultos com níveis maiores da substância eram menos ativos enquanto vivos — o que os deixaria mais vulneráveis a predadores na natureza.

Veado-galheiro se alimenta ao lado de carvalho próximo a Ocala, Flórida. Na Dakota do Norte e ...Veado-galheiro se alimenta ao lado de carvalho próximo a Ocala, Flórida. Na Dakota do Norte e em Minnesota, foram encontrados cervos com neonicotinoides em seus tecidos, provavelmente consumidos ao se alimentar ou consumir água. FOTO DE MARK EMERY, NAT GEO IMAGE COLLECTION

Alguns dos cervos continham doses de imidacloprida muito maiores do que qualquer outra já constatada em riachos naturais ou pântanos. Mas a equipe também examinou baços coletados de cervos selvagens, ao longo de um período de oito anos, por oficiais de caça da Dakota do Norte. Jenks ficou surpreso ao constatar que continham três vezes mais imidacloprida do que aqueles que apresentaram anomalias em seu grupo mantido em cativeiro. Ele supôs que os animais selvagens haviam sido contaminados ao se alimentar ou consumir água.

Publicados no periódicScientific Reports em março de 2019, os resultados eram desconhecidos por administradores ou caçadores de propriedades rurais e por qualquer pessoa preocupada com os efeitos dos produtos químicos agrícolas sobre animais silvestres. Afinal, animais com mandíbulas malformadas e órgãos reprodutivos subdimensionados podem ter dificuldade para se alimentar ou se reproduzir. “Os neonicotinoides podem ter um efeito catastrófico nas populações de veados-galheiros”, alerta Jennifer Sass, cientista sênior do Conselho de Defesa de Recursos Naturais, um grupo ambientalista.

Cinco fabricantes na Europa, Estados Unidos e Japão dominam o mercado de neonicotinoides. A Bayer CropScience, formada quando a empresa farmacêutica alemã adquiriu a Monsanto, é uma das maiores fabricantes mundiais de neonicotinoides e é a principal fabricante de imidacloprida. Alexander Hennig, porta-voz da Bayer, considerou o estudo dos veados-galheiros na Dakota do Sul “não confiável”.

“Nenhum dos efeitos citados foi relatado em populações de cervos na natureza”, escreveu Hennig por e-mail. “Muitos usos veterinários são aprovados, o que permite a aplicação direta de neonicotinoides em animais de estimação e gado para protegê-los de pulgas e carrapatos, o que não seria possível se nossa empresa ou órgãos reguladores determinassem que existem riscos para os vertebrados”.

Segundo Hennig, uma das razões pelas quais os neonicotinoides foram desenvolvidos como inseticidas é justamente o fato de que não afetam os vertebrados da mesma maneira: eles se ligam a receptores na superfície celular muito menos prevalentes em vertebrados.

Evidências crescentes

Os cervos não são as únicas espécies que consomem neonicotinoides inadvertidamente. Charlotte Roy, bióloga do Departamento de Recursos Naturais de Minnesota, verificou que muitos animais não hesitam em consumir sementes tratadas com neonicotinoides se tiverem a chance — como é comum acontecer durante o plantio no segundo trimestre do ano.

Em um estudo em 2019, Roy montou armadilhas fotográficas em campos agrícolas onde havia distribuído deliberadamente sementes tratadas. Suas câmeras acionadas por movimento registraram mais de uma dezena de espécies de aves (incluindo faisões-comuns, gansos e perus), além de ursos, guaxinins, roedores, coelhos, raposas e gambás, todos se alimentando das sementes tratadas.

Segundo Roy, é comum a queda acidental de sementes das máquinas de semeadura. Os proprietários rurais são instruídos por empresas de sementes a lavá-las, mas pequenos montes de grãos, contendo milhares de sementes, são comuns. Roy e seus colegas estimam que essas quedas acidentais de sementes ocorram milhares de vezes a cada ano em Minnesota.

Permanece uma questão em aberto como exatamente as sementes tratadas com neonicotinoides afetam o crescimento, o desenvolvimento e a função orgânica dos vertebrados. Mas as evidências de toxicidade estão se acumulando.

Faisões-comuns e outros animais foram observados ingerindo sementes tratadas com neonicotinoides após caírem acidentalmente nos campos.
Faisões-comuns e outros animais foram observados ingerindo sementes tratadas com neonicotinoides após caírem acidentalmente nos campos.  FOTO DE ROBBIE GEORGE, NAT GEO IMAGE COLLECTION

Pesquisadores no Canadá demonstraram que consumir apenaquatro sementes de canola tratadas com imidacloprida durante três dias pode interferir na capacidade de migração de um pardal. Um pós-graduando da Universidade Estadual da Dakota do Sul no ano passado demonstrou que os faisões-comuns — o animal mais caçado nas Dakotas — apresentaram redução de peso, fraqueza e letargia maior quanto mais sementes de milho tratadas fossem consumidas (de acordo com o pesquisador, as aves foram alimentadas com menos sementes tratadas do que seu consumo observado na natureza). As aves que consumiam doses mais elevadas também botaram menos ovos, tardaram uma semana para fazer seus ninhos e houve um declínio de 20% na sobrevivência de seus descendentes.

Estudos em laboratório apresentaram uma série de evidências de que a exposição a neonicotinoides é nociva a animais vertebrados. Reduz a produção de esperma e aumenta o índice de abortos e anomalias esqueléticas em ratos; suprime a resposta imune de camundongos e a função sexual de machos de lagartixas-dos-muros na Itália; prejudica a mobilidade de girinos; aumenta os abortos espontâneos e o nascimento de prematuros em coelhos; e reduz a sobrevivência de perdizes-vermelhas, tanto de adultos quanto de filhotes.

No Japão, os cientistas relacionaram o colapso de uma lucrativa indústria de pesca à aplicação generalizada de imidacloprida em arrozais e campos agrícolas próximos.

No ano passado, Eric Michel, cientista pesquisador de ungulados do Departamento de Recursos Naturais de Minnesota (e coautor do artigo sobre veados-galheiros), fez um pedido para receber baços de cervos caçados. Seu objetivo era saber mais sobre a presença ou ausência de neonicotinoides nos animais de Minnesota, para ajudar a estabelecer limites às licenças de caça de fêmeas. “Buscamos qualquer informação que afete a dinâmica populacional”, conta ele.

No fim, quase 800 baços foram entregues a Lundgren para análises químicas. Os resultados preliminares sugeriram que mais de 50% dos baços testaram positivo para neonicotinoides; Lundgren atualmente está repetindo as análises nessas amostras para conferir mais uma vez seus resultados.

Como estudo complementar, Lundgren também está analisando o baço de 100 lontras-norte-americanas, linces e martas-pescadoras — os principais predadores capturados legalmente em armadilhas na Dakota do Norte. Seus resultados preliminares sugerem que os neonicotinoides contaminaram entre 15% e 30% das amostras. Os animais podem ter consumido os agrotóxicos em plantas contaminadas, ao se alimentar de presas ou na água, conta ele.

Os resultados do estudo de Lundgren não o surpreendem em nada; ele está convencido de que os agrotóxicos produzem um efeito expressivo na biodiversidade global. “Já faz algum tempo em que é observada uma deterioração das comunidades biológicas. É evidente que não são totalmente compreendidas as implicações desses agrotóxicos.”

Após pedidos de resposta aos estudos que sugerem que neonicotinoides podem ser nocivos a vertebrados, a CropLife America, associação comercial que representa os fabricantes e distribuidores de agrotóxicos, declarou: “com base em diversos estudos conclusivos realizados em todo o mundo, os neonicotinoides são comprovadamente eficazes no controle de insetos nocivos em ambientes agrícolas e não agrícolas, sem efeitos adversos não razoáveis em organismos que não sejam seu alvo, quando usados de acordo com as instruções do rótulo”.

E quanto aos humanos?

É evidente que os humanos também estão expostos aos neonicotinoides. Inalamos acidentalmente a substância ou tocamos as superfícies tratadas em propriedades rurais, jardins e quando aplicamos tratamentos contra pulgas e carrapatos em nossos animais de estimação. Durante a última década, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (“EPA”, na sigla em inglês) registrou mais de 1,6 mil casos de envenenamento humano por imidacloprida. Alguns sintomas são erupções cutâneas, dores de cabeça, respiração ofegante, perda de memória e insuficiência renal.

Mas as pessoas também consomem neonicotinoides nos alimentos. Os agrotóxicos são aplicados rotineiramente — geralmente pulverizados nas folhas ou no solo — em plantações de couve-flor, espinafre, maçã, uva, abóbora, melão, tomate e em outros produtos agrícolas e grãos. Quase 100% do milho nos Estados Unidos é tratado com neonicotinoides. Um estudo conduzido em 2015 pela organização sem fins lucrativos American Bird Conservancy e pela Faculdade de Saúde Pública TH Chan da Universidade de Harvard encontrou resíduos de neonicotinoides — embora em níveis considerados aceitáveis pela EPA — em quase todos os pratos servidos em cafeterias em prédios do Congresso dos Estados Unidos. Um estudo conduzido em 2019 pelos Institutos Nacionais da Saúde dos Estados Unidos encontrou neonicotinoides em 49,1% de mais de 3 mil amostras de urina humana.

Não há evidências diretas até o momento de que a exposição alimentar aos neonicotinoides seja prejudicial à saúde humana.

A EPA está atualmente analisando os registros de cinco neonicotinoides, incluindo o imidacloprida. Organizações ambientais e especialistas em saúde humana alegam que as análises em andamento da agência têm constantemente subestimado os males do uso de neonicotinoides e superestimado seus benefícios. Esses grupos pediram que a EPA cancelasse ou restringisse severamente muitos usos de neonicotinoides e proibisse sua presença em alimentos, o que, na prática, impediria seu uso em lavouras de alimentos (produtores orgânicos não utilizam neonicotinoides). Após estudos adicionais, a EPA poderia apresentar níveis de tolerância mais rígidos, o que permitiria certo uso agrícola.

Tratores juntam um monte enorme de milho em uma propriedade rural perto de Imperial, Nebraska, antes ...Tratores juntam um monte enorme de milho em uma propriedade rural perto de Imperial, Nebraska, antes que se formem nuvens de tempestade. Quase 100% do milho nos Estados Unidos é tratado com neonicotinoides.

FOTO DE RANDY OLSON, NAT GEO IMAGE COLLECTION

É evidente que são necessárias mais pesquisas sobre os possíveis efeitos dos neonicotinoides sobre os vertebrados. Mas estudos de campo com animais são cada vez mais raros porque demandam muito tempo, esforço e dinheiro. Nos Estados Unidos, são poucos os estados que financiam esse tipo de pesquisa da mesma forma que Minnesota e Dakota do Sul. Dados empíricos são difíceis de obter. Pierre Mineau, toxicologista ambiental e ex-cientista sênior do Environment Canada, órgão ambiental canadense, escreve que os animais silvestres que demonstram sinais de envenenamento, “correm um alto risco de predação ou morte”, ou seja, morrem sem deixar vestígios. É comum reabilitadores de animais silvestres e guardas florestais encontrarem animais com malformações, mas eles carecem de recursos para estudá-los cientificamente.

Por outro lado, sementes tratadas com neonicotinoides representam um mercado global de US$ 1,5 bilhão que a indústria tem grande interesse em proteger. Após a publicação do artigo revisado por pares sobre os veados-galheiros, de acordo com Lundgren, uma empresa de sementes anônima (para ele) acusou a equipe de pesquisa de má conduta e falsificação de dados. Uma investigação conduzida pela Universidade Estadual de Dakota do Sul concluiu que a acusação não tinha fundamento.

“Acredito que a intenção era nos atacar”, afirma Lundgren. “No entanto foi perturbador à nossa pesquisa, e nossa credibilidade é muito importante para nós.”

Os neonicotinoides são muito eficazes em exterminar pragas agrícolas, mas estudos revelaram que não aumentam necessariamente a produção desojaou milho e podem até reduzir os lucros dos produtores rurais por aumentarem seus custos. A União Europeia proibiu todo uso externo de três importantes neonicotinoides, incluindo o imidacloprida, para proteger os polinizadores (embora os produtores rurais continuem solicitando “isenções de emergência” durante surtos de pragas). O Canadá está cogitando proibição semelhante, e dezenas de projetos de lei para coibir ou vedar o uso de neonicotinoides foram apresentados nas câmaras estaduais dos Estados Unidos apenas nos últimos dois anos.

Projetos de lei federais para limitar esses compostos foram paralisados nos últimos anos, e ativistas ambientais duvidam que o governo Biden priorize a regulamentação de neonicotinoides (embora planeje rever a aprovação do clorpirifós, pesticida não neonicotinoide altamente tóxico). O novo secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Tom Vilsack, também liderou o USDA durante o governo Obama; durante esse período, houve um aumento no uso de neonicotinoides pelos produtores rurais.

Se o USDA continuar a promover o sistema atual de sementes geneticamente modificadas tratadas com herbicidas, segundo Willa Childress, organizadora da Pesticide Action Network North America,coalizão internacional de ONGs, “continuará a aumentar o uso de neonicotinoides, a menos que a EPA intervenha e proíba.”

Uma abordagem mais holística

Lundgren, na Dakota do Sul, evita o cenário regulatório débil para se concentrar em questões mais importantes. Além de estudar tecidos animais e a composição química do solo, sua Blue Dasher Farmtambém desenvolve, avalia e ensina práticas agrícolas ecológicas — e lucrativas — a agricultores e pecuaristas em todo o país.

Essas práticas são consideradas “agricultura regenerativa” porque seu objetivo é restaurar o solo degradado a um estado natural, saudável e não contaminado. Para Lundgren, os neonicotinoides são um sintoma de um problema maior: a dependência generalizada, por parte da agroindústria, de insumos químicos que contaminam os cursos d’água e reduzem a saúde e a biodiversidade do solo.

“Proibir neonicotinoides não resolverá os problemas existentes no sistema de produção de alimentos”, afirma ele. “Nosso trabalho em sistemas regenerativos na agropecuária”, que inclui o plantio direto, o cultivo de plantas de cobertura e a promoção de insetos úteis e rotações de culturas mais diversas, “está mostrando que os inseticidas não são de fato necessários”.

“A mudança não partirá do governo”, prossegue Lundgren, “e sim da sociedade. A agricultura regenerativa está ganhando força a um ritmo surpreendente. Considero isso um grande sinal de esperança.”

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela National  Geographic [Aqui! ].

Nos passos da Monsanto

A Bayer instou o México e a Tailândia a retirarem a proibição do glifosato, de acordo com documentos que vazaram recentemente

Nessa demonstração em 2015 no México contra a estratégia do glifosato da Monsanto, o grupo dos EUA ainda não fazia parte da Bayer AG.Nessa demonstração em 2015 no México contra o uso do glifosato da Monsanto, o grupo dos EUA ainda não fazia parte da Bayer AG. Foto: REUTERS / Ginnette Riquelme

Por Andreas Knobloch para o Neues Deutschland

Em 2019, o governo tailandês decidiu banir três agrotóxicos, incluindo a toxina vegetal glifosato. Mas pouco antes de a proibição entrar em vigor, o governo de Bangkok recuou. “Eu estava particularmente interessado no papel dos EUA nisso”, disse Nathan Donley, cientista da organização ambiental sem fins lucrativos Center for Biological Diversity (CBD). Documentos deixaram claro que as empresas químicas e o lobby agrícola estavam intensamente envolvidos na influência dos EUA na Tailândia para impedir a proibição do glifosato. “Então, vi no noticiário que o México estava tomando medidas semelhantes às da Tailândia para proibir o glifosato e outros agrotóxicos. Isso nos levou a solicitar os documentos. “

De acordo com a Lei de Liberdade de Informação, a CBD solicitou a liberação de registros internos; o jornal britânico “The Guardian” publicou na semana passada. O tráfego de e-mails publicados mostra que o grupo alemão Bayer trabalhou em estreita colaboração com funcionários do governo dos EUA para pressionar o governo do México a suspender sua proposta de proibição do glifosato. O governo do presidente Andrés Manuel López Obrador deu aos seus agricultores até 2024 para interromper o uso de glifosato e outros agrotóxicos, bem como o cultivo e uso de milho GM. Os argumentos citados para a proibição são segurança alimentar e soberania, além de aspectos de saúde. O glifosato é um componente de vários herbicidas e tem sido associado ao câncer e outros problemas de saúde. Também na Alemanha, os herbicidas que contêm glifosato devem ser proibidos a partir de 2024.

Bayer AG is the owner of Monsanto.

E-mails internos do Representante de Comércio dos Estados Unidos (USTR) e outras agências do governo dos EUA detalham como a Bayer instou o governo dos EUA a pressionar o México depois que o país inicialmente se recusou a importar glifosato da China no final de 2019. “Você pode ver o mesmo procedimento quando as empresas químicas afirmam que o governo dos EUA exerce influência sobre o que geralmente são países menores quando tentam elevar os padrões ambientais e de saúde”, diz Donley, referindo-se ao exemplo da Tailândia.

Por exemplo, Stephanie Murphy, representante da Bayer para assuntos governamentais, perguntou ao Diretor de Política de Comércio Internacional do USTR, Leslie Yang, em um e-mail sobre a rejeição da entrega de glifosato, se ela poderia “discutir o assunto mais com o USTR” e se “um possibilidade de um compromisso através da USMCA « O USMCA, acordo comercial recém-negociado entre os Estados Unidos, México e Canadá, foi assinado no final de 2018 e entrou em vigor em 1º de julho do ano passado. O lobista da indústria, CropLife America, que é financiado pela Bayer entre outros, também esteve envolvido. O glifosato desempenhou um papel importante nas negociações entre as autoridades americanas e mexicanas no início de 2020.

Em e-mails posteriores, Murphy escreveu a Yang sobre a necessidade de “engajamento político de alto nível”. Isso realmente aconteceu. Em maio, o representante de Comércio dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, alertou a então secretária de Comércio do México, Graciela Márquez Colín, que as questões do milho transgênico e do glifosato ameaçavam minar a “força de nossos laços bilaterais”.

Bayer nega que suas ações sejam ilegais. “Como muitas empresas e organizações que operam em setores fortemente regulamentados, também fornecemos informações e contribuímos para a tomada de decisões políticas e processos regulatórios cientificamente sólidos”, escreveu a empresa quando questionada. “Nosso relacionamento com todos que trabalham no setor público é rotineiro, profissional e obedece a todas as leis e regulamentos.”

Donley, um defensor da proibição de agrotóxicos, também não acredita que nenhuma lei tenha sido violada. “Mas esse também não é o padrão que deveríamos estabelecer”, diz ele. A Bayer certamente tem o direito de pedir apoio ao governo dos EUA, mas o governo dos EUA está comprometido com interesses mais amplos do que a agenda de uma empresa química. “Se você olhar as trocas de e-mail, verá que o governo dos EUA está fazendo mais ou menos tudo o que a Bayer pede. É extremamente preocupante.”

No momento, parece que o México está disposto a reduzir o uso de produtos químicos na agricultura. “Os EUA parecem muito contra isso, então não tenho certeza de como isso vai acabar”, disse Donley. “Mas o que não deveria acontecer é que a diplomacia dos Estados Unidos está sob a influência das corporações – e é isso que está acontecendo neste caso.”

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo “Neues Deutschland” [Aqui!].

Tribunal da França julga caso contra empresas fabricantes do Agente Laranja usado na Guerra do Vietnã

orange agent

Os EUA usaram o Agente Laranja por uma década durante sua guerra no Vietnã, Laos e Camboja.

ÉVRY, França: Um tribunal francês começou a ouvir no dia 25 de janeiro um caso contra mais de uma dúzia de multinacionais, acusadas por uma mulher franco-vietnamita de causar graves danos a ela e a outros ao vender o desfolhante agente laranja (uma mistura de dois herbicidas: o 2,4-D e o 2,4,5-T) ao governo dos EUA, que o usou para causar efeitos devastadores durante a Guerra do Vietnã.

Tran To Nga, nascida em 1942 na então Indochina francesa, trabalhou como jornalista e ativista no Vietnã por volta dos 20 anos.

Ela entrou com a ação em 2014 contra 14 empresas que fabricaram ou venderam o produto químico altamente tóxico, incluindo a Monsanto, agora propriedade da gigante alemã Bayer, e a Dow Chemical.

Apoiada por várias ONGs, ela acusa as empresas de serem responsáveis ​​pelos ferimentos sofridos por ela, seus filhos e inúmeras outras pessoas, bem como pelos danos causados ​​ao meio ambiente.

“O reconhecimento das vítimas civis vietnamitas constituiria um precedente legal”, disse a especialista em direito internacional Valerie Cabanes.

Até agora, apenas veteranos militares – dos EUA, Austrália e Coréia – ganharam compensação pelos efeitos colaterais do produto químico cujas propriedades tóxicas, Cabanes disse serem “absolutamente fenomenais”, cerca de 13 vezes a toxicidade de herbicidas de uso civil como, por exemplo, o Glifosato.

Quatro milhões de pessoas no Vietnã, Laos e Camboja foram expostas ao Agente Laranja, de acordo com ONGs, ao longo de uma década quando os militares dos EUA pulverizaram cerca de 76 milhões de litros (20 milhões de galões) do herbicida e desfolhante químico para deter os avanços do comunista Norte  e privar os combatentes inimigos de fontes de alimento.

O agente laranja destruiu plantas, poluiu o solo e envenenou animais e causou câncer e malformações em humanos, dizem ONGs.

“Não estou lutando por mim mesmo, mas por meus filhos e milhões de vítimas”, disse Tran To Nga, que afirma que o agente laranja ataca o sistema imunológico das pessoas.

Ela mesma estava sofrendo dos efeitos típicos do agente laranja, incluindo diabetes tipo 2 e uma alergia à insulina extremamente rara.

Ela disse que também contraiu tuberculose duas vezes, desenvolveu um câncer e uma de suas filhas morreu de malformação no coração.

Todos os anos, cerca de 6.000 crianças são diagnosticadas com malformações congênitas no Vietnã, disse Cabanes.

As multinacionais argumentaram que não podiam ser responsabilizadas pelo uso que os militares americanos fizeram de seu produto.

Contatada pela AFP, a Bayer disse que o Agente Laranja foi fabricado “sob a gestão exclusiva do governo dos EUA para fins exclusivamente militares”.

A demandante e seus advogados devem argumentar que os fabricantes do Agente Laranja enganaram o governo dos Estados Unidos quanto à sua verdadeira toxicidade.

O julgamento no subúrbio de Evry, no sul de Paris, deveria ter começado em outubro do ano passado, mas seu início foi adiado devido às restrições da COVID-19.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “Bangkok Post” [Aqui!].

Quanto custa um câncer? Bayer faz ‘conta de padaria’: lucro com glifosato compensa custo de processos por danos à saúde

Empresa gasta US$ 12 bilhões em indenizações, mas continua fabricando – e vendendo muito – o agrotóxico. “É a prova cabal de que não existe, nem de longe, possibilidade de qualquer tipo de ética no sistema capitalista”, afirma analista

Manifestação de mulheres camponesas em frente à sede nacional da Bayer, em São Paulo
Por Cida de Oliveira, da RBA

São Paulo – A Bayer não fala em lucros com a venda do herbicida glifosato, o mais vendido do mundo. Mas certamente é gigantesco, já que é suficiente para cobrir, com sobra, os acordos bilionários que tem proposto à Justiça nos Estados Unidos para pagar milhares de indenizações a doentes de câncer expostos ao RoundUp, produto a base de glifosato.

A companhia alemã que comprou a Monsanto – desenvolvedora do glifosato –, desembolsou em 2020 US$ 10 bilhões (cerca de R$ 54 bilhões) para liquidar 95 mil processos por efeitos danosos do agrotóxico. Restaram ainda 30 mil ações. Na semana passada propôs outro acordo, no valor de US$ 2 bilhões (R$ 10,8 bilhões), para cobrir futuros pedidos de indenização de pessoas que, por exposição ao glifosato, desenvolveram linfoma não Hodgkin, um tipo de câncer que atinge o sistema imunológico. O teto de indenização e cobertura de assistência à saúde será de até US$ 200 mil. A homologação da oferta depende de decisão do juiz Vince Chabbria, da Corte Distrital de São Francisco.

“Os acordos de US$ 10 bilhões do ano passado, somado aos U$2 bi de agora, superam o faturamento total da indústria de agrotóxicos no Brasil no ano passado. São cifras, portanto, astronômicas, mesmo para transnacionais do porte da Bayer”, diz o engenheiro Alan Tygel, coordenador da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida.

Segundo ele, quando a Bayer concluiu a compra da Monsanto em 2018, por US$ 63 bilhões, já sabia que herdaria milhares de processos e teria de desembolsar bilhões de dólares em pedidos de indenização contra o RoundUp. Mesmo assim a empresa decidiu comprar a Monsanto e seguirá vendendo o produto.

Bayer e câncer

“É a prova cabal de que não existe, nem de longe, possibilidade de qualquer tipo de ética no sistema capitalista. Fizeram a conta de padaria: quanto temos de receita, quanto custa cada câncer causado pelo produto, e chegaram à conclusão de que mesmo assim dá lucro”, disse Tygel.

Para ele, os acordos já firmados e o agora proposto não terão influência no cenário brasileiro. Apesar da gravidade dos danos, a agenda em favor da indústria de agrotóxicos por parte da Anvisa e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) seguirão. “Esperamos, porém, que pelo menos processos judiciais semelhantes possam prosperar e reparar, ainda que de forma meramente financeira, a dor e o sofrimento das famílias vitimadas pelas intoxicações por agrotóxicos.

Embora a proposta possa sugerir que a Bayer esteja finalmente admitindo o potencial carcinogênico da substância que produz, a empresa está protegendo seu caixa. É o que acredita o professor e pesquisador da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) Marcos Pedlowski. “A Bayer não está reconhecendo que o glifosato faz mal, mas implicitamente está se protegendo ao propor limite de dois bilhões de dólares para futuros casos. Ou seja, para pessoas que ainda não constituíram advogado para entrar com ação.”

Ruralistas na contramão

Estudioso dos agrotóxicos, Pedlowski concorda com Tygel. O “hiper domínio da bancada ruralista” está atrasando o Brasil no debate sobre o glifosato. E o latifúndio e a economia brasileira podem tomar prejuízo em médio prazo.

“A Nestlé barrou o café do Espírito Santo pelo excesso de glifosato. No início de 2019, a Rússia sinalizou que faria o mesmo com a soja, caso o Brasil não reduzisse o uso de agrotóxico. A Europa já não compra soja para uso humano, só para alimentar animais. E há um grande movimento nos países escandinavos e na Alemanha contra a soja brasileira. Cedo ou tarde, o Brasil pode tomar uma moratória sanitária. Os ruralistas contam com a dependência mundial da soja nacional. Mas esquecem de que chineses e latifundiários brasileiros estão plantando soja em Moçambique”, alertou.

Em dezembro, a Anvisa concluiu a reavaliação toxicológica do glifosato. Manteve a permissão do uso, mas com restrições. Entre elas, adoção de tecnologia para reduzir a deriva (espalhamento das gotículas para além da área pulverizada. No mesmo mês, o governo de López Obrador determinou que até o final de 2024 o produto será banido no México.

Argentina, Uruguai e Costa Rica aprovaram medidas de redução de uso. A Alemanha quer banir até 2023. Em julho, a Áustria decidiu proibir o uso do produto por considerar cada vez mais robustas as evidências do potencial carcinogênico da substância. A França está em vias de aprovar nova legislação para redução seguida de banimento até 2023. Outros países, como Itália, Holanda e República Tcheca também têm restrições ao uso de herbicidas com o glifosato como princípio ativo.

Sinal verde

O produto tem sinal verde também do Ministério da Agricultura. Em janeiro, quando o governo de Jair Bolsonaro completou dois anos, sob seu mandato já haviam sido liberados 1.033 novos agrotóxicos, segundo levantamento de Pedlowski. Desse total, foram autorizados 22 pedidos para fabricação de novos produtos à base de glifosato. O princípio ativo só ficou atrás do fungicida Mancozebe, com 24 pedidos.

O agrotóxico mais usado no Brasil tende a ganhar ainda mais espaço. No último dia 5, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança atendeu pedido do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) para fazer experiências em campo com uma cana de açúcar desenvolvida geneticamente para resistir a pulverizações intensas de glifosato. Os testes serão feitos nos municípios paulistas de Piracicaba, Barrinha e Valparaiso. A cana é hoje a terceira cultura em termos de consumo de pesticidas (11%), ficando atrás da soja (48%) e do milho (13%).   

Hipocrisia da Bayer

Professor de Ecotoxicologia, Agroecologia e Cooperativismo no campus Viamão do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), o agrônomo Cláudio Fioreze considera “hipócrita” a oferta de tais acordos pela Bayer. “Pelo valor que eles pagaram na Monsanto (US$ 63 bilhões) o pelo que lucram com a venda do agrotóxico mais vendido no mundo, é uma hipocrisia fazer esse tipo de acordo, em que se reconhece haver o dano, quando se trata de um dano incalculável a longo prazo, um dano ecossistêmico”.

Entretanto, enxerga disputas com a justiça dos Estados Unidos um ponto de partida para mudanças. “Foram longas batalhas judiciais que levaram a legislações bastante restritivas aos cigarros. Antes se fumava dentro de todo lugar, na sala de aula, no taxi, no hotel. E hoje há propagandas expondo os males do tabagismo”, comparou.

Nesse sentido, defende, deveria ser adotada uma espécie de certificação negativa da produção de alimentos. “Hoje em dia, o ônus da certificação é de quem produz alimento ecológico, orgânico, limpo. Então os alimentos produzidos no modelo de agronegócio convencional, muitas vezes com uso de substâncias proibidas em outros países, teriam de trazer aviso na embalagem. Algo como esse produto foi produzido com agrotóxico X, que pode causar câncer, danos ao sistema nervoso”.

Edição: Fábio M Michel

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Rede Brasil Atual [Aqui!].

Liberado no Brasil, herbicida Dicamba é alvo de guerra judicial nos EUA

Processo quer anular aprovação do Dicamba nos EUA

“Estamos no tribunal mais uma vez”

 

dicamba

Por Leonardo Gottems para o Agrolink

Um processo judicial está pedindo ao Tribunal Federal de Apelações em São Francisco que cancele o registro do herbicida Dicamba na Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA). Os requerentes dizem que o Dicamba tem uma tendência excessiva de evaporar de onde é pulverizada e se espalhar para campos, pomares, jardins e árvores vizinhos. 

“Estamos no tribunal mais uma vez porque por quatro anos, a EPA alegou repetidamente que Dicamba é seguro e por quatro anos, a agência esteve totalmente errada, resultando em milhões de hectares de danos”, disse Nathan Donley do Center for Biologicial Diversity . Quatro grupos, incluindo o Center for Biological Diversity, entraram com a ação na segunda-feira. 

O administrador da EPA, Andrew Wheeler,  anunciou a aprovação de cinco anos do Dicamba para uso em algodão e soja geneticamente modificados uma semana antes da eleição presidencial. Ele disse que novas salvaguardas, que incluem a exigência de adicionar um agente tampão de pH aos tanques do pulverizador, reduziriam o risco de danos. 

Em junho, o tribunal de apelações de São Francisco cancelou o registro de Dicamba na EPA, determinando que a agência subestimou ou ignorou os riscos do herbicida. A agência já estava trabalhando em condições de uso de Dicamba em 2021 e anos posteriores. 

Em junho, a gigante agroquímica Bayer anunciou um acordo de US $ 400 milhões em um litígio separado, alegando danos à safra causados por Dicamba de 2015 a 2020. O processo diz que a EPA não consultou outras agências sobre se a Dicamba era uma ameaça para as espécies em perigo ou seus habitats e não forneceu evidências suficientes de sua conclusão de que o herbicida não causaria danos irracionais. 

fecho

Este artigo foi publicado inicialmente pelo site Agrolink [Aqui!].

Monsanto pagou ao Google para censurar resultados de pesquisa e desacreditar jornalistas

A reportagem é de Cassie B., publicada por Rebelión, 12-10-2020. A tradução é do Cepat.

MONSANTO 1

Uma reportagem do The Guardian expôs como a Monsanto, agora propriedade da Bayer, funcionava como um “centro de fusão”, que reunia informações de inteligência sobre jornalistas que se atreviam a dizer a verdade sobre os seus produtos. Um de seus maiores alvos foi a jornalista da Reuters, Carey Gillam, que fez excelentes reportagens sobre os vínculos entre a Monsanto e o agrotóxico Roundup da Bayer, ao longo dos anos. Agora, trabalha como diretora de pesquisa do US Right to Know, outro alvo das investigações da Monsanto.

Segundo os relatórios, a empresa pagou ao Google para promover resultados de busca que criticavam seu trabalho quando as pessoas procuravam por termos como “Monsanto glifosato Carey Gillam”. A empresa também planejou uma estratégia para pressionar a Reuters, dizendo que precisavam “continuar pressionando os editores [de Gillam] sempre que haja uma oportunidade”.

Google to Block All Anti-Cancer, 'Anti-Vax' and Anti-GMO Websites at the  Browser Level - USAHITMAN Conspiracy News

Também lançaram um ataque planejado a um livro de Gillam, “Whitewash: The Story of a Weed Killer, Cancer, and the Corruption of Science“, pouco antes de seu lançamento, redigindo pautas para terceiros, que poderiam ser utilizadas para criticar seu trabalho e instruir agricultores e outros clientes da indústria sobre como publicar críticas negativas sobre o livro.

“Sempre soube que a Monsanto não gostava do meu trabalho … e trabalharam para pressionar os editores e me silenciar, mas nunca imaginei que uma empresa multibilionária gastaria tanto tempo, energia e equipe comigo. É espantoso”, disse Gillam ao The Guardian. Disse que o seu livro recebeu muitas críticas negativas na Amazon, logo após sua publicação oficial, muitas delas repetindo os mesmos argumentos.

A Monsanto guardou um arquivo com os nomes de cerca de 200 jornalistas e legisladores cuja influência espera conquistar. Também iniciaram uma investigação sobre o cantor Neil Young e escreveram um memorando sobre suas atividades contra a Monsanto em sua música. Estavam tão preocupados com sua influência sobre o público que fizeram sua equipe jurídica ficar de olho nele.

Embora algumas empresas tenham centros de inteligência que procuram ameaças criminosas legítimas, como ataques cibernéticos, “torna-se preocupante quando você vê que empresas usam seu dinheiro para investigar pessoas que estão participando em seus direitos contemplados na primeira emenda”, disse o pesquisador principal da Electronic Frontier Foundation, Dave Maass.

Os processos judiciais estão expondo a corrupção da Monsanto/Bayer

Esses atos da Monsanto foram revelados por documentos que vieram à tona durante os testes do agrotóxico mortal Roundup. Já foram declarados responsáveis em três casos relacionados ao câncer e mais de 11.000 ações judiciais de paisagistas, jardineiros e agricultores contra a Roundup estão em tramitação.

O glifosato, que é listado como cancerígeno pelo estado da Califórnia e considerado um provável cancerígeno pela Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer, da Organização Mundial da Saúde, é usado em pelo menos 70 plantações de alimentos nos Estados Unidos, incluindo vegetais, frutos secos e frutas, além de ser pulverizado em lavouras convencionais como aveia, trigo e cevada, antes da colheita. Seu alcance é enorme e podem ser encontrados resíduos do produto químico em muitos dos alimentos vendidos e consumidos nos Estados Unidos.

Monsanto também pagou para pesquisadores escreverem e publicarem estudos fantasmas que deixassem esses produtos com uma percepção favorável. Também interferiram nas agências reguladoras e se recusaram a realizar estudos de segurança de longo prazo para seus produtos. Talvez se tivessem utilizado menos tempo e energia atacando seus críticos e mais tempo tornando seus produtos mais seguros, não estariam nesta posição agora.

fecho

Este artigo foi retirada da página do IHU Online [Aqui!].

Monsanto foi condenada definitivamente em caso de envenenamento de um agricultor francês

Esta decisão abre caminho para um epílogo na maratona legal que começou em 2007 e durante a qual Paul François, produtor de cereais do departamento de Charente, teve três triunfos nos tribunais, a última vez em abril de 2019 em Lyon.

monsantoO herbicida Lasso da Monsanto foi proibido na França desde novembro de 2007, mas foi proibido no Canadá em 1985, depois na Bélgica e no Reino Unido em 1992. JOHN THYS / AFP

Pelo Le Monde em colaboração com a AFP

O Tribunal de Cassação rejeitou, quarta-feira, 21 de outubro, o recurso interposto pela Monsanto, subsidiária do grupo alemão Bayer, o que finaliza a sua condenação no processo movido pelo agricultor Paul François, que foi envenenado após inalar vapores do herbicida Lasso. Esta decisão abre caminho para um epílogo nesta maratona judicial que começou em 2007 e durante a qual Paul François, agricultor de grãos do departamento de Charente (localizado no sudoeste da França), ganhou seu caso três vezes nos tribunais, a última vez em abril de 2019 em Lyon.

Paul François foi envenenado em abril de 2004 após inalar vapores do produto comercializado pela Monsanto. Depois de várias doenças, ficou muito tempo hospitalizado e continuou sob o risco de morte. Ele afirma sofrer de graves distúrbios neurológicos.  O seu problema não foi reconhecido como uma doença ocupacional, e então ele embarcou em uma luta judicial para que a responsabilidade da Monsanto pela sua intoxicação fosse reconhecida pela justiça, onde pediu mais de um milhão de euros de indenização.

A justiça decidiu a seu favor em primeira instância em 2012 , depois em recurso em 2015 , mas a Monsanto recorreu pela primeira vez à cassação e o caso foi encaminhado para o Tribunal de Recurso de Lyon.

Herbicida Lasso está proibido na França desde 2007

Em abril de 2019, a Monsanto foi novamente considerada responsável pelos danos causados ​​a Paul François, desta vez com base na “responsabilidade por produtos defeituosos”. A Bayer, que comprou a Monsanto em 2018, entrou com um segundo recurso no mais alto tribunal francês.

A Justiça francesa concluiu que a Monsanto deveria ter apontado o perigo específico do uso do Lasso em caso de trabalho em tanques, mas não se pronunciou sobre a própria toxicidade do Lasso.

O herbicida está proibido na França desde novembro de 2007, mas já tinha sido proibido no Canadá em 1985, e depois na Bélgica e no Reino Unido em 1992. Após o indeferimento do recurso, o caso chega à sua conclusão: em um procedimento separado , os tribunais devem agora decidir sobre o valor dos danos reclamados pelo agricultor.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

Observatório dos agrotóxicos: em dois atos, governo Bolsonaro aumenta tsunami de agrotóxicos no Brasil

bolso-agrotoxicos

Enquanto o fogo consome a Amazônia e o Pantanal e quase 140 mil brasileiros já morreram por causa da COVID-19, o governo Bolsonaro segue sua marcha firme de liberações de agrotóxicos, com a publicação dos Atos 51 e 55  de 2020 por meio dos quais mais 45 agrotóxicos foram autorizados para comercialização no Brasil, totalizando 323 venenos agrícolas liberados apenas em 2020. Com isso, o grande “total” de produtos liberados em pouco mais de 20 meses de governo Bolsonaro chega a incríveis 826 agrotóxicos.

pais de origemPaíses que sediam indústrias que fabricam os agrotóxicos aprovados pelo governo Bolsonaro em 2020

Essa nova rodada de aprovações reforça o papel da China como principal produtora dos agrotóxicos consumidos pelo Brasil, sendo que o gigante asiático concentra 51,7% de todo os produtos liberados pelo governo Bolsonaro. Este dado reforça a relação simbiótica entre o latifúndio agro-exportador brasileiro e a China. É que não apenas a China é a principal compradora da soja, justamente a commodity que mais precisa dos agrotóxicos “Made in China” para se tornar viável.

Outro aspecto recorrente é aprovação de agrotóxicos proibidos pela União Europeia em uma proporção costumeira de 30%.  Aí estão incluídos produtos como a Ametrina, o Fipronil e o Tiametoxam.  Outros produtos controversos como o Dicamba e o Glifosato continuam sendo aprovados em que pesem todos os problemas de regulação que estão enfrentando nos EUA, que possui uma legislação comparativamente mais flexível do que a adotada pela União Europeia.

Um detalhe que emerge das análises que tenho feito sobre a produção dos agrotóxicos que estão sendo aprovados no Brasil é que empresas europeias como Basf, Bayer e a própria Syngenta estão deslocando a produção de determinados venenos não apenas para a China, mas também para países dentro da União Europeia como Espanha e Itália, provavelmente com um mecanismo de escapar de mecanismos regulatórios mais estritos já existentes na Alemanha e Suíça para produtos banidos nestes países , mas que continuam sendo produzidos por corporações sediadas nestes países.

No tocante à toxicidade desses produtos, as recentes mudanças realizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para mudar os critérios de impacto sobre a saúde humana acabaram criando uma situação que é, no mínimo, curiosa. É que para todos os produtos aprovados nestes dois atos, a toxicidade humana é menor do que a ambiental. Em outras palavras, produtos reconhecidamente tóxicos e que estão banidos em outros países justamente pelos seus danos à saúde humana como é o caso da Atrazina e do Acefato, no Brasil agora passaram a ser mais perigosos para o meio ambiente do que para os seres humanos.

Mural Virtual - Educação Ambiental: CHUVA DE VENENO AMEAÇA PARQUES NACIONAIS

Enquanto isso as chamas incineram as florestas da Amazônia e os animais do Pantanal para abrir mais caminho para os venenos que estão sendo liberados pelo governo Bolsonaro. E com isso, claro, teremos mais veneno nos nossos rios, na água que consumimos e na comida que ingerimos. 

Para acessar a planilha contendo os agrotóxicos liberados pelo Ato 51, basta clicar [Aqui] .

Para acessar a planilha contendo os agrotóxicos liberados pelo Ato 55, basta clicar [Aqui!] .

Para acessar a planilha contendo todos os agrotóxicos liberados em 2020, basta clicar  [Aqui!].

 

 

Para gigantes químicos europeus, o Brasil é um mercado aberto para pesticidas tóxicos proibidos em casa

agro 1

Por Pedro Grigori – Agência Pública / Repórter Brasil em 10 de setembro de 2020 | Traduzido para o inglês por Roberto Cataldo

O Brasil é o maior usuário mundial de agrotóxicos, incluindo mais de uma dezena de produtos considerados altamente perigosos, graças a uma legislação permissiva que permite que algumas das maiores empresas agroquímicas da Europa continuem vendendo produtos proibidos em seu mercado doméstico.

A toxicidade desses agrotóxicos levantou preocupações: 22 deles são classificados como agrotóxicos altamente perigosos, ou HHPs, pela Pesticide Action Network (PAN), uma coalizão global que defende alternativas ecológicas para agrotóxicos químicos. A classificação é baseada em critérios desenvolvidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO): em humanos, podem ser tóxicos para o sistema reprodutivo, prejudiciais ao DNA, ou carcinogênicos, além de fatais para abelhas e outros polinizadores.

Embora esses produtos tenham sido proibidos em outros países, empresas como Bayer, BASF e Syngenta faturam milhões de dólares vendendo-os no Brasil. De acordo com o IBAMA, o órgão ambiental brasileiro, mais de 63.000 toneladas de apenas 10 desses 22 agrotóxicos foram vendidas em 2018. As vendas dos outros 12 produtos não foram informadas devido ao sigilo comercial; O IBAMA só divulga dados sobre ingredientes ativos fabricados por três ou mais empresas. Também não desdobra os valores vendidos por cada empresa.

As companhias

O mercado global de pesticidas gerou US $ 34,4 bilhões em 2017, de acordo com a FAO. E o setor é cada vez mais controlado por um punhado de empresas. Com sede na Suíça, a Syngenta faz parte do grupo ChemChina, líder mundial no setor. A alemã Bayer vem em segundo lugar. Ela experimentou um grande crescimento em 2018 após adquirir a Monsanto, que produz o Roundup, um herbicida à base de glifosato, o agrotóxico mais vendido do mundo. Completando os três primeiros está a BASF da Alemanha. Juntas, as três empresas controlam 54,7% da indústria agroquímica mundial.

As líderes do mercado de agrotóxicos

O ciclo global de venda de agrotóxicos gerou US$ 34 bilhões em 2017. Um pequeno número de empresas ficou com a maior parte das vendas

agro 2

Em 2018, 36,7% e 24,9% dos ingredientes ativos vendidos mundialmente pela Bayer e BASF, respectivamente, eram altamente perigosos na definição do PAN, de acordo com um relatório que lista as vendas de empresas agroquímicas alemãs para países em desenvolvimento. O relatório foi elaborado pela Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos, Rede INKOTA, Fundação Rosa Luxemburgo, MISEREOR e a organização sul-africana Khanyisa.

De acordo com o estudo, procedimentos de registro mais flexíveis tornam mais fácil a entrada de pesticidas altamente perigosos nos mercados do Sul global. O Brasil é um exemplo: 44% das substâncias aqui registradas foram banidas da União Européia , segundo relatório divulgado em julho pelo ex-presidente da Associação Brasileira de Reforma Agrária (ABRA), Gerson Teixeira.

Alan Tygel, porta-voz da Campanha Contra os Pesticidas e Pela Vida, explica por que o estudo começou com a Alemanha: “O país é o segundo maior exportador de agrotóxicos do mundo por causa desses dois grandes fabricantes. Exporta 233 ingredientes ativos – nove dos quais são proibidos na UE, mas produzidos na Alemanha e depois exportados.

“Dos 233 ingredientes ativos exportados pela Alemanha, 62 são considerados altamente perigosos”, acrescenta.

O relatório mostra que metade dos 24 ingredientes vendidos pela Bayer e BASF no Brasil são altamente perigosos. Um deles é o fipronil, princípio ativo utilizado em inseticidas comercializados pela BASF. O produto entrou na lista da PAN por seus efeitos fatais nas abelhas. Na década de 1990, ela foi responsabilizada pela grande mortandade de abelhas na França. Em 2017, milhões de ovos de galinha foram contaminados por Fipronil na Bélgica e na Holanda. Naquele mesmo ano, o produto foi banido de toda a UE por apresentar “alto risco agudo para as abelhas [quando usado] no tratamento de sementes de milho”, segundo a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA).

No Brasil, os apicultores a apontam como a principal causa da morte de mais de 500 milhões de abelhas em 2018-2019. Segundo o Ibama, foram comercializadas no país 1.600 toneladas só em 2018, para serem utilizadas no cultivo de algodão, batata, soja e milho.

Outro item polêmico da lista é o fungicida Carbendazim, da Bayer, banido do mercado europeu desde 2016. Seus potenciais danos incluem defeitos genéticos, redução da fertilidade e problemas fetais, além de ser muito tóxico para corpos d’água, segundo para o relatório da Campanha Contra os Pesticidas. O produto também está na lista da PAN porque pode danificar o DNA e ser tóxico para o sistema reprodutivo.

Segundo o Ibama, as vendas do carbendazim no Brasil somaram 4,8 mil toneladas em 2018. Em dezembro do ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) começou a reavaliar o produto para decidir se deveria permanecer no mercado. O processo é lento e pode levar mais de uma década, como aconteceu recentemente com o Glifosato, cujo registro foi renovado após 11 anos em reavaliação. Enquanto isso, o Carbendazim continua sendo vendido para o cultivo de feijão preto, soja, trigo e laranja.

O relatório apela ao governo alemão para proibir as exportações de ingredientes ativos de agrotóxicos que não são permitidos na UE. “Não temos dados sobre qual empresa produz as substâncias importadas ou para quais países elas são exportadas”, diz a pesquisadora alemã Lena Luig, da Rede INKOTA, uma das colaboradoras do relatório.

verduas com venenoUm procedimento de registro de pesticidas mais flexível torna mais fácil a entrada de pesticidas altamente perigosos em determinados países, como o Brasil. Imagem Matheus Cenali / Pexels.

Syngenta ganha bilhões com a venda de agrotóxicos perigosos para países pobres, diz estudo

No ano passado, a ONG suíça Public Eye divulgou um relatório mostrando como a Syngenta ganha bilhões de dólares vendendo pesticidas altamente perigosos, especialmente para países de baixa e média renda. Esses mesmos pesticidas são proibidos na Suíça, país de origem da Syngenta.

Usando dados exclusivos fornecidos pela empresa líder em inteligência de agronegócio, Phillips McDougall, a Public Eye estima que a Syngenta ganhou cerca de US $ 3,9 bilhões com a venda de pesticidas altamente perigosos em 2017 – mais de 40% de suas vendas de pesticidas naquele ano.

Cerca de dois terços dessas vendas foram realizadas em países de baixa e média renda, sendo o Brasil o maior mercado individual.

De acordo com o relatório, “51 dos 120 ingredientes ativos de agrotóxicos no portfólio da Syngenta não estão autorizados para uso em seu país de origem, a Suíça; 16 deles foram proibidos devido ao impacto na saúde humana e no meio ambiente. Mas a Syngenta continua vendendo-os em países de baixa renda. ”

O relatório lista 10 ingredientes ativos vendidos pela empresa no Brasil que são proibidos na UE e aparecem na lista de produtos altamente perigosos do PAN. Um deles é o herbicida Atrazina, quarto agrotóxico mais usado no Brasil, com 287 mil toneladas vendidas em 2018, segundo o Ibama.

O produto é utilizado no cultivo de cana-de-açúcar, milho e sorgo. Foi banido da UE por causar distúrbios endócrinos que afetam o sistema hormonal. “A atrazina foi proibida na Suíça e na UE por muitos anos por causa de sua contaminação de longo alcance e duradoura de fontes de água potável”, disse Carla Hoinkes, pesquisadora agrícola da Public Eye e uma das autoras do relatório.

Outro sucesso de vendas da lista é o paraquat, o sexto pesticida mais usado no Brasil, com 13,1 mil toneladas vendidas. Devido à sua alta toxicidade, foi proibido na Suíça desde 1989 e na UE desde 2017. “O Paraquate é tão tóxico que a ingestão acidental de um único gole pode matar você. Agora está proibido em mais de 55 países, mas a Syngenta continua vendendo onde ainda é permitido ”, diz Hoinkes.

Em 2017, a agência reguladora de saúde brasileira ANVISA decidiu que o Paraquate deveria ser retirado do mercado do país. A proibição deve começar em 22 de setembro deste ano, mas enfrenta fortes esforços de lobby da indústria do agronegócioque formou uma “Força-Tarefa Paraquate” para tentar reverter a decisão .

Os dados de vendas de um dos principais produtos da Syngenta, o inseticida Tiametoxame, não estão disponíveis publicamente devido a segredos comerciais. Membro da família dos inseticidas neonicotinóides, é fatal para polinizadores como as abelhas. “O Tiametoxame da Syngenta, assim como o Imidaclopride da Bayer [que vendeu 10.000 toneladas no Brasil em 2018], é um inseticida neonicotinóide ‘matador de abelhas’ que foi banido dos campos europeus e suíços em 2018, após uma longa batalha legal”, diz Hoinkes. “De acordo com a FAO e a OMS, um crescente corpo de evidências sugere que os inseticidas neonicotinoides ‘estão causando efeitos prejudiciais às abelhas e outros insetos benéficos em grande escala’”.

As empresas dizem que não há riscos

Os fabricantes de agrotóxicos não têm problemas em vender no Brasil produtos proibidos na Europa.

De acordo com a BASF, existem grandes diferenças em culturas, solo, clima, pragas e práticas agrícolas em todo o mundo. “Diferentes pragas exigem soluções diferentes e todos os produtos da BASF são exaustivamente testados, avaliados e aprovados pelas autoridades competentes de cada país, seguindo procedimentos oficiais e legais estabelecidos nos respectivos países antes de serem comercializados”, disse a empresa em um comunicado.

Afirmou ainda que, por razões de mercado, optou por não renovar os registros de alguns princípios ativos na Europa. “Em muitos casos, o princípio ativo não é renovado ou registrado na Europa porque a ocorrência de pragas, doenças e ervas daninhas em clima temperado não o justifica ou porque não há cultura economicamente importante.” Dos 12 ingredientes produzidos pela BASF e citados no relatório da Campanha Contra os Pesticidas, apenas o Saflufenacil nunca teve uma licença solicitada para o mercado europeu. Os demais nunca foram autorizados ou acabaram sendo excluídos daquele mercado após reavaliações.

Bayer disse que a falta de aprovação de um determinado pesticida na UE “de forma alguma determina sua segurança” e que “não significa um duplo padrão”.

“Nossos requisitos internos de segurança garantem que nossos produtos atendam aos padrões globais mínimos em todos os lugares, independentemente de quão desenvolvido e rigoroso seja o sistema regulatório de cada país. Desde 2016, a Bayer se comprometeu a vender apenas defensivos agrícolas cujos ingredientes ativos estejam registrados em pelo menos um país da OCDE ”, disse a empresa.

A Syngenta disse que é importante considerar as diferenças nas práticas agrícolas ao redor do mundo, incluindo os tipos de safras cultivadas e as condições a que estão expostas, bem como os tipos de pragas. “Os produtos usados ​​[no Brasil], de clima tropical e sob alta pressão de pragas e doenças, podem não ser tão necessários em países onde o inverno rigoroso – muitas vezes marcado pela neve – reduz naturalmente a pressão das pragas. Ou seja, se não houver demanda por determinado agrotóxico, não há necessidade de registrar ou renovar o registro do produto naquele país ”, afirmou.

A CropLife Brasil, uma associação de fabricantes de agrotóxicos que inclui Bayer, BASF e Syngenta, disse que o relatório ignora que o uso adequado de pesticidas é fundamental para determinar sua toxicidade para usuários, suas famílias e consumidores. “As condições agrícolas relativas à flora, fauna e clima em diferentes países resultam em uma grande variedade de insetos / pragas, ervas daninhas e doenças que afetam as plantas. Isso significa que diferentes agrotóxicos estarão disponíveis para agricultores na Europa e em outras regiões. Portanto, o fato de um defensivo agrícola não ser aprovado na UE de forma alguma determina sua segurança ”, disse a CropLife em um comunicado.

Hoinkes disse que há um caso a ser feito para necessidades agronômicas específicas, mas não muito. “Na maioria dos casos está provado que a UE proibiu ou restringiu severamente o uso de um pesticida ou grupo de pesticidas devido a preocupações com o meio ambiente ou a saúde humana”, diz ela.

Ela cita os exemplos de Fipronil, Paraquate, Atrazina e Tiametoxam. “Portanto, empresas como a Syngenta ou a Bayer estão de fato usando ‘padrões duplos’ para diferentes países – devido a regulamentações mais fracas ou aplicação inadequada em certos contextos políticos – para continuar vendendo agrotóxicos altamente perigosos proibidos em seus próprios territórios por serem extremamente tóxicos para os humanos, matar abelhas, persistem na água potável ou são suspeitas de causar câncer, defeitos de nascença ou outras doenças crônicas. ”

Questionado se acredita que há riscos em permitir a comercialização interna de produtos proibidos na UE e se essas proibições são levadas em consideração na avaliação de agrotóxicos, o Ministério da Agricultura do Brasil (Mapa) disse que o país é “soberano para regular” e tem as competências técnicas expertise para analisar pesticidas. “Se são vendidos aqui, significa que foram rigorosamente analisados ​​pelo MAPA, ANVISA e IBAMA, e foram aprovados por cada um desses órgãos de acordo com suas respectivas competências”. Leia o comunicado completo do Ministério da Agricultura do Brasil .

As empresas também questionaram os critérios do PAN para classificar os pesticidas como altamente perigosos. Toxicidade aguda, dano crônico à saúde, riscos ambientais e estar listado em convenções e acordos internacionais para a regulamentação de pesticidas são avaliados. A lista do PAN atualmente inclui 310 ingredientes ativos .

A BASF afirma que os conceitos sustentados por ONGs como o PAN “impõem restrições além das estabelecidas por agências governamentais internacionalmente reconhecidas, como a FAO e a OMS”. Nem a FAO nem a OMS são agências governamentais. A empresa também disse que “as agências reguladoras em cada país são os melhores juízes das necessidades de suas regiões”.

Syngenta disse que a lista do PAN “não é reconhecida por nenhuma organização nacional ou internacional”. A empresa acrescentou que Public Eye, a ONG suíça que publicou o relatório crítico, “busca minar a agricultura de inovação, sem a qual os alimentos seriam mais escassos, mais caros e menos seguros”.

Alan Tygel, da Campanha Contra os Pesticidas, diz que a lista do PAN é baseada em critérios definidos em 2006 por duas agências da ONU: a OMS e a FAO. “Essas duas agências definiram os critérios, mas nunca listaram os agrotóxicos. A parte interessante e importante do [relatório do PAN] é precisamente que ele nomeia esses pesticidas altamente perigosos ”, diz ele.

Leia as declarações completas da BASF, Bayer, Syngenta e CropLife.

Este relatório faz parte do Por trás do alimento, um projeto conjunto da Agência Pública e da Repórter Brasil para investigar o uso de agrotóxicos no Brasil, e foi publicado pela primeira vez aqui em português em 18 de junho de 2020. Leia a cobertura completa no site do projeto.

fecho

Este foi publicado em inglês pelo Mongabay [Aqui!].

Gigantes dos agrotóxicos são principais financiadores de Congresso Brasileiro do Agronegócio

Bayer e FMC patrocinam evento que terá a presença dos ministros da Agricultura, da Infraestrutura e do presidente do BC; pesquisa da ONG suíça Public Eye e do Greenpeace mostra Brasil como principal consumidor de produtos altamente tóxicos no campo

bayer-mst-02

Por Leonardo Fuhrmann para o “De olho nos ruralistas”

Grandes empresas produtoras de agrotóxicos e uma organização ligada a elas estão entre os principais financiadores da 19ª edição do Congresso Brasileiro do Agronegócio, encontro organizado pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e pela B3, que será transmitido online, em razão da pandemia de Covid-19, na manhã desta segunda-feira (03). Estão previstas as participações dos ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

abag-tereza-529x298

Ministra da Agricultura, Tereza Cristina no congresso de 2019; em 2020, de volta. (Foto: Twitter)

As produtoras de agrotóxicos Bayer, que adquiriu a Monsanto, e FMC Agrícola estão entre os patrocinadores master. Fazem parte dessa lista a fabricante de sementes transgênicas Agroceres, a Mosaic Fertilizantes, a empresa de crédito Sicredi, o BB Seguros, a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Porto do Itaqui) e a organização Croplife Brasil — que, por sua vez, representa empresas ligadas a agrotóxicos e transgênicos.

Entre os demais patrocinadores estão outras empresas do agronegócio, como as gigantes Cargill, New Holland e Case IH, a Yara, a Cooxupé, o Grupo Jacto e o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev). O Inpev reúne dezenas de empresas do agronegócio e algumas de agrotóxicos, como Adama, Basf, Dow, Bayer e Croplife. A lista de patrocinadores é completada por empresas do setor financeiro: Bradesco, Itaú BBA, Rabobank e CME Group, a Bolsa de Chicago.

Os ministros Tereza Cristina e Tarcísio Freitas participam da mesa de abertura, logo às 9 horas, ao lado do presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Alceu Moreira (MDB-RS), e de representantes da Abag, da B3 e do secretário da Agricultura e do Abastecimento do Estado de São Paulo, Gustavo Junqueira. O primeiro painel de debates, às 9h45 terá, entre outros, o presidente da Cargill no Brasil, Paulo Sousa. O segundo, às 11 horas, terá um depoimento do presidente do Banco Central, com comentários do diretor de Agronegócios do Itaú BBA.

Alceu Moreira esteve entre os parlamentares que pressionaram, nos últimos meses, pela liberação do paraquat, um agrotóxico proibido na União Europeia: “Veja como estes líderes ruralistas pressionaram por liberação de agrotóxico banido“.

Croplife faz lobby mundial para empresas do setor 

Croplife Brasil foi criada em outubro do ano passado e é presidida por Christian Lohbauer, ex-vice-presidente de Assuntos Corporativos da Bayer Brasil. Fundador do Partido Novo, Lohbauer foi vice na chapa de João Amoedo na eleição presidencial de 2018 e é um nome especulado pelo partido para a disputa da eleição municipal da capital paulista neste ano.

Lohbauer também foi, segundo seu currículo oficial, gerente de Relações Internacionais da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), diretor executivo da Associação Brasileira dos Exportadores de Frangos (Abef) e presidente executivo da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR). Atualmente, é diretor do Conselho de Agricultura da Fiesp (Cosag/Fiesp) e sócio da Lohbauer Consultoria Internacional.

A Bayer e a FMC participam da Croplife Brasil, assim como a Syngenta, a Basf, e outras trinta empresas ligadas à produção e comercialização de produtos químicos e transgênicos para a agropecuária. A filial brasileira é associada da Croplife International, uma organização conhecida mundialmente por fazer lobby para as grandes empresas do setor.

Basf, Bayer, Corteva (do grupo DowDuPont), FMC, Sumitomo Chemical e Syngenta são as empresas que fazem parte da Croplife, a matriz, que reúne também organizações empresariais regionais e é coordenada por um executivo da Bayer. A Croplife Brasil e a Associação das Empresas de Biotecnologia na Agricultura e Agroindústria (AgroBio) fazem parte da organização estrangeira.

Croplife Latin America representa a Bayer CropScience, a FMC, a Syngenta, a Basf e a Sumitomo Chemical. Ela é presidida por José Perdomo, que trabalhou durante 28 anos na Dupont. A primeira prioridade da organização é “promover e apoiar as leis que, com critérios científicos, regulem os marcos legais que forneçam respeito pela propriedade intelectual, os quais devem ter relação com os acordos internacionais para a proteção das culturas, a biotecnologia, produtos biológicos e novas tecnologias”.

Syngenta, Bayer, Basf, Corteva e FMC vendem 80% dos venenos


Protesto da Public Eye em Berna, na Suíça. (Foto: Divulgação/Public Eye)

O interesse dos grandes produtores globais de agrotóxicos pelo encontro brasileiro não é por acaso. Uma investigação feita pela Unearthed, divisão de jornalismo investigativo do Greenpeace britânico, e pela ONG suíça Public Eye mostrou que o Brasil é o maior consumidor de pesticidas classificados como seriamente perigosos para a saúde ou o ambiente.

O estudo, divulgado em fevereiro, levou em conta as vendas no mercado global desses produtos em 2018, antes mesmo do governo Bolsonaro, que tem adotado uma política agressiva de liberação de agrotóxicos e de redução de barreiras a sua aplicação. Dois terços desse total foram adquiridos para a monocultura de soja, principal commodity brasileira no mercado internacional, em boa parte utilizada para a produção de ração animal.

As ONGs fizeram sua investigação a partir de dados da Phillips McDougall, uma das principais empresas globais de inteligência que atuam no setor de agropecuária. A empresa identificou que o mercado dos  agrotóxicos altamente perigosos movimentou US$ 9,9 bilhões naquele ano. Deste total, US$ 2,2 bilhões foram adquiridos pelo mercado brasileiro. Destacam que o consumo do agronegócio brasileiro deve ser ainda maior, pois a empresa conseguiu monitorar apenas metade do mercado nacional de agrotóxicos.

Ainda segundo a pesquisa, apenas cinco empresas foram responsáveis por 80% das vendas de agrotóxicos no país e 75% das vendas dos altamente tóxicos. São elas as cinco gigantes do setor: Syngenta, Bayer, Basf, Corteva e FMC. Todas integrantes da Croplife international e de sua filial brasileira. Destaca ainda que muitos desses agrotóxicos altamente perigosos têm o uso proibido no país de origem dessas empresas, mesmo que seja produzido lá.

A geógrafa Larissa Mies Bombardi, autora da publicação Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, afirma que, apesar de ter uma política rigorosa para o uso de agrotóxicos em seu território, a União Europeia não controla os produtos fabricados por empresas de seus países, como mostrou um estudo recente do Greenpeace da Alemanha.

Os agrotóxicos proibidos chegam a ser produzidos em território europeu e exportados para países com legislação mais permissiva, caso do Brasil. Nas regiões em que são utilizados, esses venenos causam danos à saúde das pessoas, contaminação da água e do solo e desequilíbrio ambiental, como a mortandade de abelhas no Rio Grande do Sul.

Gigantes da imprensa brasileira apoiam evento

O Congresso Brasileiro do Agronegócio tem o apoio institucional de 32 publicações da imprensa especializada, entre elas dois veículos ligados aos maiores grupos empresarias do Brasil: o Valor Econômico, das Organizações Globo, e o terraviva, da Rede Bandeirantes.

O jornalista William Waack será o moderador dos três painéis do encontro. Ele já havia participado do congresso em anos anteriores. Atualmente na CNN Brasil, Waack foi demitido da Rede Globo em 2017, depois da divulgação de um vídeo em que ele faz um comentário racista a um entrevistado em uma conversa fora do ar.

Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Nacho Lemus/Telesur): protesto do MST na sede da Bayer, em São Paulo, em 2019

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo “De olho nos ruralistas” [Aqui!].