Agrotóxicos deixam um rastro de doenças e mortes pelo Brasil

Diversos agrotóxicos proibidos em outras partes do mundo, inclusive países de origem dos fabricantes, foram liberados pelo governo Bolsonaro. Pesquisas apontam que o consumo de agrotóxicos gira em torno de cinco litros por pessoa/ano e que 70% dos alimentos in natura consumidos no país estão contaminados por esses agentes.

avião agrotoxicos

Imagem por Agência Brasil

Por  Frederico Rochaferreira para o LeMonde Diplomatique Brasil

O governo Bolsonaro liberou 197 agrotóxicos em cinco meses. Neste pacote estão produtos considerados cancerígenos, como o paraquat, da Syngenta (nome comercial Gramoxone 200) e o glifosato, da Monsanto/Bayer.

O paraquat – proibido em mais de 50 países e em todo território europeu desde 2007, inclusive em seu país de origem, a Suíça –  é um agrotóxico associado não só a casos de câncer, mas também ao mal de Parkinson, fibrose pulmonar e danos genéticos, sendo um dos agentes químicos mais vendidos no Brasil.

Em setembro de 2017, a Anvisa proibiu o uso do paraquat. Mas, dois meses depois, voltou atrás, ante a pressão dos ruralistas e do lobby da fabricante Syngenta. A empresa levou políticos para uma viagem à Suíça para “conhecer aspectos da capacidade de inovação suíça” e fazer uma visita à multinacional. Uma das  convidadas da empresa foi a então deputada Teresa Cristina, hoje ministra da Agricultura.

O veneno suíço continua liberado por aqui, contaminando o arroz, a banana, a batata, o café, a cana-de-açúcar, o feijão, a maçã, o milho, a soja, a maçã e o trigo, para citar alguns. Mas a Syngenta não é a única fabricante de agrotóxico que tem seu produto proibido à venda no próprio país. Nesse rol, encontra-se também a norte-americana FMC Corp., a dinamarquesa Cheminova A/S e a Helm AG, da Alemanha, cujos agentes químicos não são permitidos em seus mercados domésticos, mas são livremente comercializados no Brasil.

Outro produto utilizado em larga escala pela indústria agrícola brasileira é o glifosato, um composto químico desenvolvido pela Monsanto, também, considerado cancerígeno. Recentemente a Bayer, que absorveu a Monsanto, sofreu uma pesada derrota na justiça federal dos EUA, em um processo envolvendo a utilização do glifosato. O fato abriu precedente para milhares de processos semelhantes de pessoas que alegam que o uso do herbicida lhes causou câncer. No total, são 11.200 ações em todo o país.

No Brasil não há um estudo definitivo que aponte para o número de doenças e mortes em função do consumo de alimentos contaminados. Temos conhecimento de que o consumo de agrotóxicos gira em torno de cinco litros por pessoa/ano  e que 70% dos alimentos in natura consumidos no país estão contaminados por esses agentes. Além disso, pesquisas como as desenvolvidas pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e Fundação Oswaldo Cruz relacionam diversas doenças com o consumo de agrotóxicos. Entre elas, o mal de Parkinson, distúrbios de comportamento, problemas na produção de hormônios sexuais, infertilidade, má formação fetal, aborto, endometriose e câncer de diversos tipos, além de estatística de mortes em uma determinada região.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, o câncer passou a ser a primeira causa de morte em 140 municípios. Isso ocorreu logo depois que as lavouras do Estado receberam cerca de 100 mil toneladas de veneno, entre os anos de 2012 e 2014. Na região Noroeste do país, a média é de dez agricultores diagnosticados com câncer por dia. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, 80% dos casos de câncer no mundo, vem da exposição aos agentes químicos. Por outro lado, a intoxicação pelo uso de agrotóxicos no território brasileiro tem dados consistentes, como é possível ver nos mapas produzidos pela pesquisadora da USP, Larissa Mies Bombardi.

Em uma sequência cartográfica, Larissa Mies mostra que mais de 25 mil intoxicações causadas por agrotóxicos foram registradas no período de 2007 a 2014. O que dá 3.125 casos de intoxicações por ano ou oito casos por dia, com 1.186 mortes, sendo 343 bebês. Isto é, uma morte a cada dois dias e meio. Contudo, os números podem ser bem maiores. Segundo pesquisadores, para cada caso registrado,  outros 50 não são notificados, mesmo entendimento de especialistas em saúde pública, que aponta ser o número de mortes relacionadas ao envenenamento por agrotóxicos maior que o registrado, em função do rastreamento ser incompleto.

A dura realidade é que o Brasil se tornou o celeiro de pesticidas proibidos ou eliminados em países desenvolvidos  e de forma irresponsável, vem permitindo sua utilização e o envenenamento da agricultura, do trabalhador rural em particular e da população.

______________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pelo LeMonde Diplomatique Brasil [Aqui!].

Agência de Proteção Ambiental dos EUA bane 12 agrotóxicos por serem considerados prejudiciais para as abelhas

bees

Um voluntário examina colmeias de abelhas para atividades de rainha como parte de uma colaboração entre o Zoológico de Cincinnati e a TwoHoneys Bee Co., em Mason, Ohio. (AP Photo / John Minchillo, Arquivo)

Por Dino Grandoni para o “The Washington Post”

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) está retirando do mercado estadunidense 12 produtos contendo agrotóxicos conhecidos como sendo tóxicos para um animal chave para o sistema alimentar norte-americano – a abelha.

A agência anunciou na segunda-feira (20/05) que cancelou os registros de 12 produtos que matam pragas com compostos pertencentes a uma classe de substâncias químicas conhecidas como neonicotinóides, como parte de um acordo legal.

Durante anos, os apicultores e conversadores da vida silvestre expressaram preocupação de que o uso difundido de neonicotinóides, como os produtos químicos são comumente chamados, está pondo em perigo as abelhas selvagens e domesticadas cruciais para a polinização das plantações comerciais de frutas, nozes e vegetais.

A ação do governo Trump foi uma boa notícia para alguns ambientalistas. “Certamente, temos um caminho a percorrer”, disse George Kimbrell, diretor jurídico do grupo de defesa sem fins lucrativos Center for Food Safety, cujo processo provocou a ação da EPA. “Mas é um primeiro passo importante para reconhecer o dano que causam.”

A EPA retirou outros neonicotinóides do mercado antes, disse o porta-voz da agência, John Konkus, em um e-mail. Mas observadores próximos da agência dizem que tais ações são raras.

“Para a EPA retirar do mercado um agrotóxico previamente registrado é um passo muito importante”, disse Mark Winston, professor de apicultura e insetos sociais da Simon Fraser University em Vancouver, B.C. “Não é algo que eles fazem com muita frequência.”.

A decisão segue cinco anos de litígio em que os apicultores e ambientalistas pressionaram a EPA para montar uma resposta ao uso de neonicotinóides como reguladores na Europa e no Canadá tomaram medidas para proibir os produtos químicos.

Finalmente, no final de 2018, três empresas do agronegócio – Bayer, Syngenta e Valentconcordaram em permitir que a EPA retirasse das prateleiras os 12 agrotóxicos usados ​​pelos produtores, desde grandes empresas agrícolas até jardineiros domésticos. O acordo legal também obriga a EPA a analisar os impactos de toda a classe de neonicotinóides sobre espécies ameaçadas de extinção.

Dois dos fabricantes de agrotóxicos, Bayer e Valent, dizem que seus produtos são testados e seguros para uso, observando que os ambientalistas e apicultores ganharam seu argumento com base no argumento técnico de que a EPA não seguiu os passos certos sob a Lei de Espécies Ameaçadas.  

“Os neonicotinóides são rigorosamente testados antes de chegar ao mercado para garantir que possam ser usados ​​com segurança e eficácia”, disse Steve Tatum, porta-voz da Valent, que fabrica quatro dos produtos excluídos da lista.

A Bayer observou que seus dois produtos visados ​​pela ação da EPA não são vendidos nos Estados Unidos. Mas o porta-voz Darren Wallis acrescentou: “Os produtores confiam nessas ferramentas críticas de manejo de pragas por causa de seu desempenho contra pragas destrutivas, assim como seu perfil de segurança humano e ambiental favorável”.

A preocupação com os neonicotinóides cresceu desde 2006, quando os apicultores começaram a testemunhar o súbito e misterioso colapso das colmeias de abelhas em todo o país.

Pesquisadores mostraram que os compostos são prejudiciais para as abelhas em testes de laboratório. Mas eles tiveram menos sorte em reduzir os efeitos dos agrotóxicos nas colônias de apicultores quando trabalham polinizando pomares de maçã e outras fazendas.

Em seu segundo mandato, Barack Obama, que havia aprovado a instalação de uma colmeia no gramado sul da Casa Branca, lançou uma iniciativa para promover a saúde das abelhas e outros polinizadores.

Mas Rebecca Riley, diretora jurídica do programa de natureza do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais, disse que a agência falhou no passado em considerar adequadamente o impacto potencial de suas aprovações de agrotóxicos em animais em extinção – algo que toda agência federal deveria fazer.

“EPA há anos tem ignorado este requisito da lei”, disse ela.

Isso levou a uma série de ações judiciais, como uma que a NRDC apresentou em 2017, pedindo a um tribunal federal para desocupar os registros de quase 100 produtos que contêm um dos vários inseticidas que são prejudiciais a várias abelhas, borboletas, pássaros e insetos. Esse caso continua sem solução, mesmo quando o caso separado do Centro de Segurança Alimentar levou a EPA a retirar alguns agrotóxicos do mercado.

“Esta é uma vitória tanto para o estado de direito quanto para abelhas, pássaros e outros animais selvagens impactados por esses agrotóxicos”, disse Riley sobre o último caso. “Mas a realidade é que existem centenas de agrotóxicos no mercado. Então, isso é importante… mas não se livra do perigo”.

Brady Dennis contribuiu para este relatório.

_______________________________________________

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo “The Washington Post” [Aqui!]

Governo da Alemanha quer banir agrotóxico neonicotinóide da Bayer por causa danos em fetos

A ministra da Agricultura da Alemanha, Julia  Klöckner, anunciou  que está lutando contra a liberação de um inseticida da Bayer AG na UE à base de Thiacloprid

Landwirtschaftsministerin auf Garten-Expo in Peking 

A ministra da Agricultura da Alemanha, Julia Klöckner, que quer banir agrotóxico da Bayer por causar danos em fetos.

A ministra da Agricultura da Alemanha, Julia Klöckner, quer que a União Europeia (UE)  proíba o agrotóxico Thiacloprid, que provavelmente causa problemas de malformação congênita e perda de fertilidade. “A partir de conhecimento ingrediente ativo Thiacloprid é considerado científico e técnico recente como sendo prejudicial à saúde humana e ao meio ambiente, incluindo os polinizadores”, disse a política da CDU.

Portanto, o governo alemão trabalhará para garantir que a substância produzida pela Bayer AG, que é do grupo de agrotóxicos neonicotinóides, não receba mais aprovação pela UE. A Comissão da UE também propõe não renovar a aprovação que expira em abril de 2020. Isto é claro na agenda da reunião do comitê de peritos responsáveis ​​dos representantes dos Estados-Membros da UE e da Comissão na segunda-feira passada.

O  Taz havia informado em 29 de março,  citando uma carta da Comissão Europeia, que as autoridades alemãs queriam reintegrar o inseticida naquela época. Por outro lado, protestaram contra essa reintegração, por exemplo, a organização de campanhas na internet, SumofUs, e os deputados do Partido Verde, Martin Häusling e Harald Ebner.

A Comissão Europeia classificou o Thiacloprid como “provavelmente tóxico para a reprodução” porque o mesmo interfere claramente na reprodução de animais em experimentos, e parece causar o mesmo efeito em seres humanos. Essas substâncias devem deixar de ser permitidas ao abrigo do Regulamento da UE sobre agrotóxicos- a menos que não entrem em contato com seres humanos, ou seja, absolutamente necessárias para a agricultura.

A Bayer AG baseia-se precisamente nessas exceções. Sem agrotóxicos à base Thiacloprid como a “Calypso” poderia ser difícil combater na Alemanha, por exemplo, uma das pragas mais importantes em pomares, à mariposa codling. A Autoridade de Segurança Alimentar da UE, no entanto, concluiu que existem alternativas, e também forneceu evidências de que o Thiacloprid entra em contato com os seres humanos, por exemplo, nas fábricas de sementes.

“Suspeita-se que Klöckner sempre quando uma decisão não pode ser interrompida, se converte rapidamente de bloqueadora a pioneira”, disse Ebner ao Taz, membro dos Verdes no congresso alemão. Ainda no final do ano passado, a ministra havia votado a favor de uma extensão adicional do Thiacloprid até abril de 2020. Klöckner só se posicionou publicamente contra o inseticida quando a reviravolta da Comissão da UE se tornou conhecida. Anteriormente, ela havia declarado que a avaliação científica do remédio não havia sido concluída, embora todos os fatos já estivessem sobre a mesa.

“Aparentemente, a UE proibirá o Thiacloprid”, diz a ambientalista Franziska Achterberg, do Greenpeace. Porque a Alemanha tem grande peso no voto decisivo dos países da UE. A França já proibiu agrotóxicos contendo Thiacloprid.

_____________________________

Este artigo foi publicado originalmente em alemão pelo “Die Tageszeitung” (Taz) [Aqui!]

Venda de agrotóxicos no Brasil: A dupla moral da Bayer e da BASF

campanha

Campanha Contra os Agrotóxicos

bayer dupla moral

O número de agrotóxicos proibidos, mas vendidos abertamente no Brasil pela Bayer, aumentou em 50% de 2016 para 2019 / Reprodução

Por Christian Russau*

Consta que na famosa Semana da Arte Moderna de 1922 o bibliotecário, jornalista, poeta, compositor e publicitário Bastos Tigre inventou o slogan “Se é Bayer, é bom”, que se tornou um dos mais conhecidos na história da América Latina. Perguntamos: “Se é Bayer, é bom mesmo?”

Um olhar mais atento à carteira de produtos da Bayer no Brasil revela algumas surpresas. Em sua página na internet, a empresa apresenta os agrotóxicos que oferece ao mercado brasileiro e esclarece sua composição. Nós cruzamos a lista das substâncias químicas que a Bayer afirma utilizar em seus produtos com a lista de substâncias químicas proibidas pela União Europeia (UE), como consta no banco de dados de pesticidas da UE. Fizemos este procedimento em 2016 e repetimos em 2019.

O resultado é que a Bayer não só continua vendendo herbicidas, inseticidas e reguladores do crescimento no Brasil, cuja composição se encontram substâncias proibidas nos países europeus, senão o número de agrotóxicos proibidos, mas vendidos abertamente no Brasil pela Bayer, aumentou de 2016 para 2019 em 50%. 

Constavam em 2016 no portfólio de agrotóxicos da Bayer no Brasil oito ingredientes proibidos na União Europeia (Carbendazim, Ciclanilida, Dissulfotão, Etiprole, Ethoxysulfuron, Ioxinil, Thidiazuron, Tiodicarbe), em 2019 este número subiu para 12 ingredientes (Carbendazim, Ciclanilida, Etiprole, Ethoxysulfuron, Fenamidona, Indaziflam, Ioxinil, Oxadiazona, Propinebe, Thidiazuron, Tiodicarbe, Thiram), um aumento numérico de 50%.

Em 2016 obtive uma resposta por escrito da Bayer: “A lista disponibilizada pelo senhor contém substâncias que são a base de defensivos agrícolas utilizados em importantes lavouras como café, arroz e cana-de-açúcar — plantas que não são nativas da Europa, onde são cultivadas em escala muito reduzida. Por isso, a Bayer — também por motivos econômicos — não solicitou a autorização para uso dessas substâncias em países europeus.” 

Esta argumentação da Bayer, bastante astuta — para não chamá-la de folgada, por omitir que entre os ingredientes há alguns que já foram liberados no passado na UE e depois proibidos por serem nocivos ao meio ambiente ou perigoso demais para contato com seres humanos e animais — a empresa repetiu quase palavra por palavra em 2019, quando perguntávamos a eles na assembleia de acionistas da Bayer.

Fizemos o mesmo procedimento com a Basf. Resultado: Em 2016 a Basf vendia no Brasil 9 ingredientes que eram banidos na UE (Clorfenapir, Cianamida, Flufenoxuron, Imazapic, Imazapir, Imazethapyr, Saflufenacil, Sethoxydim, Tepraloxidim). Em 2019 esse número já subiu para 13 (Clorfenapir, Clotianidina, Cianamida, Fipronil, Flocoumafen, Flufenoxuron, Glufosinato, Imazapic, Imazapir, Imazethapyr, Quinclorac, Saflufenacil, Sethoxydim). Um aumento de 44%.

A Bayer e a Basf vendem no Brasil esses ingredientes banidos na UE e fazem do Brasil um dos seus maiores mercados mundiais na área de agrotóxicos. Enquanto isso, esse governo tem um interesse explícito em agradar os lucros do agronegócio brasileiro, campeão mundial dos agrotóxicos.

Se olharmos o estado de Mato Grosso, começamos a entender o panorama geral. Um estudo realizado pela Universidade Federal de Mato Grosso constatou que, em 13 municípios (644.746 habitantes segundo o último censo de 2015) onde foram cultivados soja, milho e algodão entre 1992 e 2014, houve 1.442 casos de câncer gástrico, esofágico e pancreático.  Nos 13 municípios comparativos (219.801 habitantes, segundo o último censo de 2015), onde em vez de uso agrícola houve uso predominantemente turístico, o número de casos de câncer foi de 53. 

Isso resulta em uma taxa de câncer de 223,65 por 100.000 habitantes em municípios utilizados para fins agrícolas e uma taxa de câncer de 24,11 por 100.000 habitantes em municípios utilizados principalmente para turismo. Assim, nos municípios onde os pesticidas são avidamente pulverizados, a taxa de câncer é estatisticamente maior por um fator de 8.

Portanto, tive que perguntar na assembleia de acionistas da Bayer quantos medicamentos contra o câncer a Bayer vendeu nos anos 2016, 2017 e 2018 no Estado de Mato Grosso? A diretoria da Bayer não quis responder esta pergunta. “Se é Bayer, é bom mesmo?” Não me convencem.

* Christian Russau é membro da diretoria da Rede de Acionistas Críticos da Alemanha e autor do livro Empresas Alemãs no Brasil

Edição: Daniela Stefano

________________________________________

Este artigo foi publicado originalmente pelo jornal “Brasil de Fato” [Aqui!]

Com a aprovação de mais 31 produtos, governo Bolsonaro chega a 197 agrotóxicos em 2019

pesticides 1

Com mais 31 produtos  autorizados para comercialização, governo Bolsonaro chega ao número recorde de 197 agrotóxicos liberados apenas cinco meses de 2019.

O Diário Oficial da União publicou na sua edição desta 3a. feira (21/05) o Ato No. 34 de 16 de Maio de 2019 que autoriza a comercialização de mais 31 agrotóxicos no mercado brasileiro, o que leva a uma aprovação recorde de 197 produtos antes que se complete o quinto mês do governo Bolsonaro. Com esta aprovação, o Brasil possui agora estratosféricos 2.262 liberados para comercialização em seu território, muitos deles proibidos em outras partes do mundo por serem potencialmente danosos à saúde humana e ao meio ambiente.

ato 34

Como construí uma base de dados para acompanhar e identificar as principais características dos agrotóxicos aprovados apenas no governo Bolsonaro, sob a batuta da “Musa do Veneno”, a ministra da Agricultura Tereza Cristina (DEM/ES), já acrescentei estes 31 “novos produtos”, e já posso compartilhar alguns dados que, digamos, saltam aos olhos, em uma primeira análise.

A supremacia chinesa no fornecimento de produtos técnicos

A China que vem paulatinamente assumindo o controle do fornecimento de produtos técnicos com os quais se fabricam as formulações que são utilizadas na agricultura brasileira é o país sede de 27 (87%) das empresas que constam como as primeiras, senão as únicas, fabricantes dos agrotóxicos que constam como aprovados no Ato No. 34.  Por sua vez, apenas um dos produtos técnicos aprovados é fabricado no Brasil.

Tal dependência da indústria de agrotóxicos da China tende a se aprofundar na medida em que muitos produtos que estão sendo banidos na União Europeia estão tendo sua produção transferida para lá.

Essa realidade objetiva explica o porquê do discurso anti-chinês que marcou as primeiras semanas do governo Bolsonaro ter basicamente sumido do noticiário. Isto sem falar na recente visita do vice-presidente Hamilton Mourão à China, certamente para tentar acalmar o humor dos dirigentes do governo chinês em relação aos discursos alinhados ao governo de Donald Trump que andaram sendo proferidos pelo presidente Jair Bolsonaro, e que foram claramente antagônicos à manutenção da China como principal parceiro comercial do Brasil.

Fripronil, o  assassino de abelhas, entra com mais 2 produtos no mercado brasileiro

Ao contrário de que alegou a ministra Tereza Cristina em relação ao que seria o uso ilegal do Fipronil por agricultores brasileiros, o Ato No. 34 traz a aprovação de mais agrotóxicos à base deste princípio ativo, totalizando 3 agrotóxicos aprovados desde que ela assumiu a pasta da Agricultura.

A ampliação da abundância de produtos que contém Fipronil deverá impactar ainda mais a população de abelhas. É que o Fipronil tem sido diretamente associado ao extermínio de centenas milhões de abelhas. Apenas no Rio Grande do Sul, o Fipronil foi responsabilizado por pelo menos 80% da mortandade de colmeias inteiras de abelhas.

Com a ampliação do uso e a falta de fiscalização, o mais provável é que haja um aumento ainda maior no extermínio de abelhas. É que além do Fipronil, houve ainda a aprovação de dois agrotóxicos à base do Imadacloprido, um agrotóxico Neonicotinóide, que também sido associado ao chamado “colapso” das abelhas. Outro neonicotinóide aprovado nessa leva foi o Tiametoxam que, ao contrário do Imadacloprido, é proibido na União Europeia.

Há ainda que se lembrar que o Fipronil é proibido para uso na União Europeia e só pode ser usado em condições altamente restritas nos EUA. Além disso, o Fipronil ficou conhecido, e posteriormente banido, por causa do escândalo envolvendo a contaminação de milhões de ovos de galinha que tiveram de ser recolhidos em países como Bélgica, Holanda, Alemanha, França, Suécia, Reino Unido, Áustria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Polônia, Romênia, Eslováquia, Eslovênia e Dinamarca.

O discurso da segurança continua sendo negado na prática

Um dos discursos mais comuns para justificar a aprovação acelerada de agrotóxicos é de que os novos produtos seriam mais modernos e seguros. Este discurso não resiste ao exame prático por duas razões básicas. A primeira é que a imensa maioria dos produtos sendo aprovados já estão disponíveis no mercado brasileiro. A segunda é que dos 31 agrotóxicos aprovados no Ato No. 34, 45% deles estão localizados nas faixas de maior toxicidade (I e II) para a saúde humana.

Outro exemplo de que não há de novo nos agrotóxicos que estão sendo aprovados via “fast track” foi a aprovação de mais 3 agrotóxicos à base da Glicina Substituída, ou seja, o Glifosato. Acontece que neste momento há uma clara rejeição ao uso deste herbicida em função das crescentes evidências de que o mesmo seria indutor do Linfoma Non-Hodgkin. Apenas nos EUA, a Bayer/Monsanto foi condenada em 3 casos que foram julgados, e no caso mais recente a multinacional alemã foi condenada a pagar uma indenização de 2 bilhões de dólares americanos a um casal de agricultores que teria contraído o Linfoma de Non-Hodgkin a partir de um longo período de exposição ao produto.

Todas essas evidências estão sendo desprezadas pela Anvisa e pelo Ministério da Agricultura e aqui no Brasil estão sendo aprovados inúmeros produtos contendo a Glicina Modificada como seu princípio ativo.

Além disso, há que se notar que 29% dos produtos liberados no Ato de No. 34 estão proibidos na União Europeia.

O céu é o limite para saciar a fome de venenos por parte da agricultura brasileira?

Como estamos apenas no mês de Maio, é muito provável que outras centenas de agrotóxicos sejam aprovados pelo governo Bolsonaro até o final de 2019. Essa é uma situação que deverá ser acompanhada de perto por todos os que se preocupam com a saúde coletiva dos brasileiros, e com os nossos ecossistemas naturais.

É que a fome insaciável por venenos agrícolas está transformando o Brasil numa espécie de banheira de produtos químicos banidos em outras partes do mundo.  Como a maioria dos brasileiros está desinformada dos amplos impactos que esse processo de uso indiscriminado de agrotóxicos poderá trazer sobre a saúde de gerações inteiras, é importante que a comunidade científica e os movimentos sociais continuem acumulando informações que possam ser transmitidas de uma forma compreensível aos que estão hoje na linha de frente do uso desses produtos que são os trabalhadores rurais, e os que estão sendo expostos de forma indireta a partir do consumo de água e alimentos contaminados, que somos todos nós.

 

Lobistas da Monsanto ficharam ilegalmente personalidades francesas

Documentos que vimos mostram o uso de arquivos para identificar pró e anti-glifosato. Práticas que provavelmente são ilegais. Uma queixa foi arquivada.

monsanto

Vista da sede da Monsanto em St. Louis, EUA, maio de 2016. AFP / Michael B. Thomas

Por Gaël Lombart para o LeParisien

Compartilhar uma lista de pessoas, com seus detalhes de contato e opiniões, sem o seu consentimento, é ilegal. A FleishmanHillard, uma subsidiária de um dos maiores grupos de comunicação do mundo, supostamente usou essa prática em nome de um de seus clientes, a Monsanto, para fins de lobby, como revelado por L ‘ Olho das 20 horas da França 2, quinta-feira à noite.

Documentos Le Parisien viu mostrar que FleishmanHillard usou, no final de 2016, dois arquivos contendo 239 nomes no total, com raras exceções personalidades francesas – políticos, jornalistas ou representantes de organizações público ou privado – com comentários sobre sua posição sobre o glifosato ou sobre seu possível apoio à Monsanto.

Na época, o gigante de pesticidas está a desenvolver uma estratégia ofensiva para defender a sua imagem e a de sua substância herbicida classificados em março de 2015 “provavelmente cancerígeno pela Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC), uma agência especializada das Organização Mundial da Saúde (OMS). Como o Le Monde revelou em janeiro de 2019, a Monsanto confiou à FleishmanHillard um programa chamado “Let Nothing Go” para monitorar e responder a comentários negativos na Internet, mas também para influenciar personalidades.

Identificados como “oponentes” ou “apoiadores”

Um dos arquivos da FleishmanHillard inclui 200 nomes, com informações de contato pessoal (endereços postais, e-mails, número de telefone …) e um em cada cinco sistemas de classificação. A credibilidade, influência e capacidade de apoio dos indivíduos mencionados pela Monsanto são avaliados em seis temas (agricultura, meio ambiente, nutrição, OGM, pesticidas e saúde).

Juntamente com 91 jornalistas, a categoria mais representada, há 28 executivos sindicais agrícolas, 25 políticos e 15 cientistas. Entre as pessoas-alvo, o atual ministro da Economia, Bruno Le Maire, então parlamentares dos Republicanos. Sete parlamentares verdes também estão em jogo, incluindo os deputados José Bové e Michèle Rivasi.

Em uma coluna de comentários, quatro de seus colegas, em Estrasburgo, estão carimbados como “pró-glifosato”. Uma posição refutou Philippe Juvin com o parisiense: “Concordo totalmente em ser pró-glifosato. “Chocado” com o processo, o deputado LR imagina que ele tem que ser comparado ao seu grupo, o Partido Popular Europeu (EPP), “que contou com um estudo da OMS e da FAO que o glifosato não era carcinogênico.”

Um pesquisador é descrito como o “principal adversário científico” do herbicida. Um jornalista é acusado de ser um “oponente” e outros sete recebem o título de “adversário forte” (“oponente forte”), enquanto um colunista de mídia é visto como “forte apoiadora”.

Metas prioritárias

Um segundo arquivo se concentra em 74 nomes, alguns faltando no primeiro documento. Metas prioritárias para a campanha da Monsanto, muitas das quais incluem políticos, jornalistas e representantes sindicais em sua maior parte. Um código de cores distingue “aliados”, “possíveis aliados a serem recrutados”, “partes interessadas para educar” e “partes interessadas a serem observadas”.

Um memorando da FleishmanHillard datado de 10 de janeiro de 2017 destaca a importância de atuar nesses “principais interessados” no contexto da renovação do glifosato na União Européia. Naquela época, os estados membros não conseguiram concordar, com a França pedindo uma nova autorização de curto prazo.

De acordo com este documento, as personalidades identificadas no arquivo “determinarão como as políticas tomarão sua decisão final para a votação do país na renovação”. No arquivo de código de cores, Xavier Bertrand, presidente da região de Hauts-de-France, é assim rotulado como “potencial aliado para recrutar”.

“Esses elementos envolvem apenas o autor do arquivo. Isto não reflecte a posição de Xavier Bertrand, que é que não podemos aceitar uma moratória sobre o glifosato que seja diferente entre os Estados-Membros, o que cria uma distorção da concorrência entre os agricultores “, reagimos na comitiva dos escolhidos, questionados por Le Parisien.

“Isolar” a voz dos ministros “anti-glifosato”

A categoria “Stakeholders to Monitored”, que é menos desenvolvida, inclui dois ministros, dois conselheiros ministeriais e um punhado de tomadores de decisão do governo que têm voz nas decisões sobre pesticidas. Os nomes de Ségolène Royal e Marisol Touraine, respectivamente na Transição Ecológica e Saúde, são acompanhados por esta menção lapidar: “Ela é anti-glifosato. O “objetivo” da campanha para eles é “isolar” sua “voz”.

“Vemos que a Monsanto era, na época, uma estratégia muito identificada para garantir que os opositores do glifosato fossem bem identificados e, tanto quanto possível, combatessem. O que me choca sem me surpreender é a existência de uma estratégia para impor um produto que sabemos ser perigoso para a saúde pública “, diz Marisol Touraine. O ex-ministro também deplora a presença “espantosa” nas listas de conselheiros ministeriais, cuja posição sobre os arquivos não deveria ser pública.

Entre os “aliados” em potencial e aqueles a serem “vigiados”, os “interessados ​​em educar” reúnem um atual ministro, um de seus antecessores, conselheiros do Elysée e Matignon, vários políticos e 16 jornalistas. Suspeitam-se de poder “balançar-se”, por outras palavras para poder convencer-se.

O memorando de 2017 lembra as boas perguntas para todos os “influenciadores”: “O que nossos alvos precisam? O que os motivará a apoiar a renovação (glifosato, Ed)? Mais surpreendente: a nota pede para aprender sobre os hobbies das pessoas-alvo, por exemplo, tênis ou golfe. Por que tal interesse por um hobby? O artigo sugere que a estratégia da FleishmanHillard é emergir no mundo imaginário de usos pouco conhecidos, mas potencialmente atraentes, do glifosato, em lugares como greens, herbicidas gananciosos.

Outra tendência desejada, sem dúvida, considerando a reputação controversa da Monsanto: “debates” devem “focar” na substância em questão, não na multinacional …

Por que é ilegal?

Nenhuma das pessoas que entrevistamos foi informada de sua presença nesses arquivos antes de vazarem. No entanto, mesmo antes da entrada em vigor do Regulamento Europeu de Proteção de Dados (GDPR) em 2018, a lei francesa é clara: as pessoas catalogadas devem dar consentimento e ter o direito de acesso e retificação aos seus registros, especialmente se o objetivo é detalhar suas opiniões pessoais.

“Se não tivermos o consentimento da pessoa, devemos ter um interesse legítimo em construir o arquivo e não acho que um arquivo apresentando pessoas como oponentes entre no padrão da CNIL”, Commission Nationale Informatique et Libertés, explica Étienne Papin, advogado da Corte de Paris.

“Seja um comentário textual que é neutro, difamatório ou prejudicial em seu conteúdo, é o mesmo sob a lei de 1978. O sistema de notação, seja números, letras, códigos de cores, está em auto-dados pessoais. É geralmente aplicado o mesmo tratamento jurídico a estes códigos que os textos “, sublinha este especialista em direito informático.

Ambos os arquivos foram escritos em inglês e um deles foi consultado em Paris e em Bruxelas, segundo a France 2. Contactado por Le Parisien, Sandrine Cormary, diretor executivo da FleishmanHillard France até janeiro de 2017, disse desconhecer a existência de tais documentos. “O fato de fazer listagens é algo bastante comum em nossa profissão. Mas todo o nosso grupo está obviamente em conformidade com a lei francesa de proteção de dados e com o RGPD “, disse a atual executiva da France Omnicom, a gigante global de relações públicas FleishmanHillard.

A Bayer, o grupo farmacêutico que se fundiu com a Monsanto em 2018, também diz que eles ignoram esses documentos. “Essas não são práticas atuais na Bayer”, disse uma porta-voz do grupo na França. Afirma que o contrato entre a Monsanto e a FleishmanHillard foi concluído no final de 2018. Desde então, a Bayer selecionou outra agência de comunicação, a Partners in Innovation, que inclui membros da FleishmanHillard.

Vários procedimentos em vista

Tendo conhecimento desses arquivos, o jornal Le Monde apresentou uma denúncia em 26 de abril com o promotor público da República em Paris, especialmente para a retenção de dados “revelando as visões políticas e filosóficas de uma pessoa sem o seu consentimento”.

Qualificado em uma lista como sendo um  “oponente forte”, o jornalista Stéphane Foucart, co-autor da denúncia, é apresentado em outro documento, como “um ativista mobilizado contra a renovação do glifosato”. Quatro outros jornalistas do jornal da tarde estão presentes nos arquivos.

O procedimento poderia ser emulado. Contactada, a associação Future Generations anunciou sua intenção de registrar uma queixa. No séquito de Xavier Bertrand, especifica que o presidente da Hauts-de-France “se reserva o direito de um possível processo quando ele puder acessar o conteúdo desses arquivos”. “Não surpreende estar entre as pessoas de quem a Monsanto não gosta”, disse a ex-ministra do Meio Ambiente, Corinne Lepage, “tomará as medidas necessárias” se considerar o processo ilegal.

Quanto ao parisiense-hoje na França, incluindo três jornalistas aparecem nas listas, ele já planejou para aproveitar o Cnil.

Quem encontramos nos arquivos?
95 jornalistas
39 políticos
30 representantes de sindicatos de agricultores
17 membros de ONGs
16 cientistas
11 membros de organizações públicas  e da administração pública
8 líderes de organizações da indústria
7 funcionários ministeriais ou do Elysee
5 membros do setor de distribuição
4 fazendeiros influentes no Twitter
7 pessoas de diversas origens

_____________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada em francês pelo LeParisien [Aqui!].

“Brasil é um inferno de agrotóxicos na Terra”

Bayer, agrotóxicos, câncer e padrões duplos de comportamento

Christian_Russau_Rede_Bayer_2019_1200x600

Acionista crítico leva a Bayer a prestar contas na assembleia geral anual da empresa

O presidente-executivo da Bayer, Werner Baumann, perdeu recentemente um voto crucial de confiança, com os investidores questionando sua forma de lidar com o acordo de US$ 63 bilhões da Monsanto e a onda de ações judiciais dos EUA que se seguiram. No que Bloomberg chamou de “um desenvolvimento impressionante para a companhia alemã de medicamentos e produtos químicos”, cerca de 55% dos acionistas votaram contra a absolvição de Baumann e outros gerentes de responsabilidade por suas ações na tomada da Monsanto que ocorreu no ano passado.

A votação colocou em dúvida o futuro de Baumann e provocou uma sessão imediata do conselho de supervisão. Enquanto o conselho supervisor ignorou a votação sem precedentes, os investidores não estão satisfeitos com a decisão dos diretores de apoiar Baumann e sua estratégia.

Embora grande parte da agitação dos investidores incida, sem dúvida, no passivo financeiro, fortes preocupações estão sendo levantadas sobre a ética da Bayer. Na reunião geral anual da Bayer, Christian Russau, da organização guarda-chuva, os Acionistas Críticos, fez um discurso no qual lançou um ataque contundente à empresa por seus “duplos padrões”. Segundo Russau, a Bayer vende pesticidas no Brasil que são proibidos na UE.

Russau realizou duas investigações, uma em 2016 e uma segunda em 2019.

Ele descobriu que 8 substâncias ativas de pesticidas foram vendidas pela Bayer no Brasil em 2016 e não estão autorizadas a nível da UE:

  • Carbendazim
  • Ciclanilida
  • Dissulfotam
  • Etiprona
  • Ethoxysulfuron
  • Ioxinil
  • Thidiazurom
  • Tiodicarbe

Mas em 2019, o número aumentou para 12:

  • Carbendazim
  • Ciclanilida
  • Etiprona
  • Ethoxysulfuron
  • Fenamidona
  • Indaziflam
  • Ioxinil
  • Oxadiazona
  • Propinebe
  • Thidiazurom
  • Tiodicarbe
  • Tirame

Russau comentou: “Este é um aumento de 50%”.

Russau observou que em 1988, o então CEO da Bayer Hermann J. Strenger se recusou a estabelecer padrões duplos. Ele disse: “Fazemos as mesmas exigências de nossos investimentos no Brasil ou na Índia, nos EUA ou no Japão, como [na Alemanha]”.

No entanto, 31 anos depois, Russau disse que a Bayer ainda vende no Brasil alguns herbicidas, inseticidas e fungicidas com ingredientes ativos que são proibidos na Europa. Por isso, está operando de acordo com um padrão duplo. Russau acusou o CEO da Bayer, Werner Baumann, de cumplicidade com esse duplo padrão, em uma “continuidade histórica indescritível”.

Por que o Brasil?

Por que o foco no Brasil? Russau disse: “Porque o Brasil está no centro do interesse de crescimento da Bayer”. Dirigindo-se diretamente a Baumann, ele acrescentou que o CEO da Bayer disse na reunião geral anual de 2018 que o interesse da Bayer em adquirir a Monsanto seria no setor de sementes e no crescimento desse setor: “Este tipo de semente é geralmente geneticamente modificado, e é isso que Se essas três variáveis- sementes geneticamente modificadas, venenos agrícolas e crescimento – forem reunidas, somente um denominador comum pode ser encontrado em todo o mundo: o Brasil. Essa é a triste realidade, porque o crescimento nas áreas de sementes geneticamente modificadas e os venenos agrícolas já atingiram seus limites nos EUA, os processos contra a Monsanto atestam isso. “

Na Europa, Russau disse que a resistência pública é grande demais para que o crescimento seja esperado aqui. Na Índia, mais e mais estados estão declarando-se “livres de agrotóxicos” e a China está mostrando preocupação com a contaminação por agrotóxicos; “Então só o Brasil permanece. E há uma razão para isso.”

Russau comentou “notícias alarmantes do Brasil”: o novo governo brasileiro do presidente Jair Bolsonaro, com a ministra da agricultura e lobista agroquímica Tereza Cristina, que o maior e mais respeitado diário do Brasil apelidou de “Musa do Veneno”, lançou outros venenos agrícolas altamente tóxicos que são proibidos em outros lugares. Como cientista conhecida do instituto estadual de pesquisa para questões de saúde, a FIOCRUZ disse recentemente: “O Brasil se tornará um paraíso para os venenos agrícolas”.

Russau disse temer que empresas como a Bayer continue a participar, talvez mais do que nunca, na venda e distribuição de venenos agrícolas altamente tóxicos no Brasil. Como uma tática de sobrevivência diante da aquisição multibilionária da Monsanto, a Bayer irá crescer a qualquer preço. Qualquer veneno que possa ser vendido será vendido.

Brasil: Um “inferno de agrotóxicos na Terra”

Russau chamou o Brasil de um “inferno de agrotóxicos na Terra”, pelas seguintes razões:

* O Brasil é o líder mundial no uso de agrotóxicos – e a província de soja transgênica de Mato Grosso detém o recorde mundial: se a quantidade total de venenos agrícolas liberados no Brasil por ano é medida em termos de população per capita, então chega-se ao aterrorizante montante de 7,3 litros por cidadão brasileiro. Mas isso é “apenas” a média nacional. O líder brasileiro na pulverização de agrotóxicos é o estado de Mato Grosso, onde 13,3% (140 milhões de litros) de todos os venenos agrícolas usados no Brasil foram pulverizados anualmente entre 2005 a 2012, segundo os últimos cálculos do Instituto Estadual de Agricultura. Segurança do Mato Grosso (Indea).

* Observando uma dessas comunidades de “boom” – Sapezal, no estado do Mato Grosso, em 2012, nove milhões de litros de venenos agrícolas foram usados apenas no município de Sapezal. Estes são os últimos dados disponíveis da Indea. Se você contar a quantidade de agrotóxicos usados em todo o Brasil, chegamos aos 7.3 litros acima mencionados por pessoa. Em Sapezal, no entanto, esse valor é 52 vezes maior: 393 litros por pessoa, se tomarmos como base a população de 2016.

* Um estudo da Universidade Federal do Mato Grosso encontrou em um estudo que havia 1.442 casos de câncer gástrico, esofágico e pancreático em 13 municípios (644.746 habitantes segundo o último censo de 2015), nos quais soja, milho e algodão foram cultivados entre 1992 e 2014. Em comparação, nos 13 municípios comparáveis (219.801 habitantes segundo o último censo de 2015), onde o turismo predominou em vez da agricultura, o número de casos de câncer foi de apenas 53. Isso resulta em uma taxa de câncer de 223,65 por 100.000 habitantes predominantemente municípios agrícolas, enquanto que em municípios predominantemente turísticos, há uma taxa de câncer de 24,11 por 100.000 habitantes. Assim, em municípios onde os pesticidas são fortemente pulverizados, a taxa de câncer é estatisticamente maior por um fator de 8.

Em conclusão, Russau perguntou ao CEO da Bayer, Baumann: Quanto remédio anticâncer (volume e vendas) sua empresa farmacêutica enviou para o estado do Mato Grosso em 2016 e 2017?

_______________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pela GMWatch [Aqui!]