Limites do “Socialismo de Mercado”

As tentativas de países de socialismo realmente existente de combinar uma economia planejada com mecanismos de mercado falharam não apenas por causa do dogmatismo

v congresso

Por Felix Wemheuer para o Neues Deutschland

No contexto da crise climática e das novas possibilidades tecnológicas por meio da digitalização, tornou-se socialmente aceitável novamente, pelo menos nos debates de esquerda, discutir uma economia planejada como modelo para o futuro. Um problema central neste contexto, entretanto, continua sendo o fracasso da economia planejada centralizada sob o “socialismo real”. Alguns acreditam que combinar socialismo com mecanismos de mercado é uma alternativa. Vale a pena reler os debates sobre o “socialismo de mercado” no século XX.

Os defensores do “socialismo de mercado” ainda consideram a “Nova Política Econômica” soviética (NEP) (1921-1928) um ​​importante ponto de referência. Nos confrontos entre Josef Stalin e a chamada “oposição de direita” em torno de Nikolai Bukharin em 1928, foram levantados muitos argumentos que mais tarde foram usados ​​em debates. Bukharin defendeu a NEP como um modelo de longo prazo para a construção do socialismo. Ele argumentou que o setor estatal da indústria deveria competir no mercado com o comércio privado e a vasta massa de pequenos produtores. O governo deve promover o setor estatal e uma associação voluntária para formar cooperativas de produção rural. Esses elementos socialistas não poderiam, no entanto, por meio de medidas coercitivas, mas apenas demonstrando sua maior produtividade em relação ao setor privado. O aumento da renda dos pequenos agricultores pode gerar demanda por produtos da indústria leve e, assim, impulsionar seu desenvolvimento. Bukharin não falou em “socialismo de mercado”. Ele não deixou dúvidas de que entendia a NEP como uma luta de classes com o objetivo de finalmente desaparecer a produção de mercadorias e “explorar as classes”. Era indiscutível que sua concepção incluía a aceitação de diferenças de renda maiores como um mal inevitável por um longo período de tempo. 

Quando Stalin realmente se voltou contra a NEP no contexto de uma crise de abastecimento urbano em 1928, ele argumentou que essa estratégia havia levado à divisão de classes no campo e que os “kulaks” haviam de fato conquistado o poder em muitas aldeias. Com o modelo de Bukharin, só se pode esperar até que a população rural cresça pacificamente para o socialismo em “passo de caracol”. A proposta de Bukharin de neutralizar a crise de abastecimento urbano importando grãos de países capitalistas estrangeiros levaria a uma desaceleração ainda maior no ritmo de industrialização, já que faltariam divisas para a importação de tecnologia industrial. Diante da ameaça imperialista, o desenvolvimento da indústria pesada deve ter precedência e ser financiado por meio de um “tributo” à agricultura, disse Stalin.

O afastamento da NEP não foi apenas o resultado da arbitrariedade de Stalin. A crise de abastecimento urbano, o alto desemprego e a nova riqueza do »povo da NEP«, comerciantes privados, causaram grande ressentimento na população e na festa da cidade em 1928. Como primeiro passo para superar a crise de abastecimento, Stalin iniciou medidas coercitivas para confiscar grãos na Sibéria. Por fim, desencadeou-se uma dinâmica que resultou na coletivização por vezes violenta da agricultura e na chamada “liquidação dos kulaks como classe”. A luta pelos grãos levou a uma grande fome rural (1931-1933) com milhões de mortes e confrontos semelhantes a uma guerra civil na Ucrânia. Em meados da década de 1930, esse “batismo de fogo” deu origem ao “modelo clássico”, que se caracterizava por uma economia planejada centralizada com determinação estatal de quase todas as metas de produção, investimentos, preços e salários. Além da grande indústria estatal e da agricultura coletiva, o estado concedeu à população rural terras para autossuficiência.

Após a Segunda Guerra Mundial, as “democracias populares” na Europa Oriental e os países socialistas de estado da Ásia seguiram o modelo soviético. Na primeira fase da “nova democracia” ou “ordem básica antifascista”, os governos realizaram “reformas agrárias antifeudais” e criaram sistemas econômicos que lembravam a NEP. Quase em todos os países, houve defensores de uma mudança gradual e prolongada para o “modelo clássico” e forças mais radicais que foram orientadas para a “ofensiva socialista” de Stalin de 1928/29. Em vista de uma crise de abastecimento urbano na China em 1953, Mao Zedong, por exemplo, defendeu a coletivização forçada da agricultura com quase os mesmos argumentos de Stalin em 1928. Liu Shaoqi, por outro lado, defendeu a continuação de longo prazo do ” ordem econômica neo-democrática,

No início, a rápida transição para o “modelo clássico” na Europa Oriental e na China parecia promissora. Na década de 1950, muitos países socialistas estatais conseguiram construir indústrias pesadas e gerar um crescimento econômico impressionante. Os governos dos estados agrários da Europa Oriental e da Ásia também esperavam superar a posição periférica de seus países no período entre guerras, construindo eles próprios uma base industrial.

Após a morte de Stalin, o “modelo clássico” experimentou sua primeira crise de legitimação com os levantes na RDA em 1953 e na Polônia e Hungria em 1956. Além do ressentimento com o domínio esmagador da União Soviética, partes da classe trabalhadora não queriam mais apoiar o regime de acumulação de ricos de privação de renúncia ao consumo e elevação dos padrões para o desenvolvimento da indústria pesada. Numa “primeira onda de reformas” (1953-1957), quadros e economistas iniciaram debates sobre como alcançar um equilíbrio no desenvolvimento da indústria pesada e leve, bem como da agricultura. A Iugoslávia e a Polônia permitiam agricultura em grande parte privada. A descentralização do planejamento, bem como mais autonomia para as empresas deve ajudar, por exemplo, na Polônia, a ser capaz de fazer uma adaptação mais flexível às necessidades do comprador, mas também aos desafios técnicos. Em vez de reformas, foi inicialmente referido com cautela como “aperfeiçoar o plano”.

Um grande problema era, por exemplo, que as empresas acumulavam materiais e trabalhadores, às vezes escondidos das autoridades, para poderem compensar as faltas no futuro. Os consumidores agiam de maneira semelhante, acumulando mercadorias quando estavam disponíveis nas lojas, aumentando assim a escassez de suprimentos. A definição de metas com base em critérios predominantemente quantitativos (a infame “ideologia do barril”) gerou deficiências de qualidade e grande desperdício de recursos. A ética do trabalho na força de trabalho deixou a desejar, pois não havia medo do desemprego, principalmente entre os procurados trabalhadores qualificados. Foi fácil para eles pedirem demissão por uma mudança de emprego, mas foi difícil para as empresas demiti-los. O entusiasmo dos novos começos se foi em grande parte. Pelo menos na Europa Oriental, as lideranças do partido não estavam mais dispostas e eram capazes de usar punições draconianas como na era de Stalin para impor a disciplina de trabalho, entrega e planejamento. Na maioria dos países socialistas de estado do bloco soviético, as tentativas de reforma foram interrompidas em 1957 e as idéias em questão foram descartadas como “revisionismo”.

Após as primeiras breves tentativas de reforma, uma »segunda onda« mais abrangente ocorreu na primeira metade da década de 1960. Em comparação com os anos do pós-guerra, o crescimento econômico diminuiu significativamente em muitos países do Leste Europeu durante este período. Sérios problemas de abastecimento surgiram com bens de consumo cotidianos, por exemplo, na Tchecoslováquia. Na China, a imitação da “ofensiva socialista” de Stalin como parte do “Grande Salto para a Frente” entre 1959 e 1961 levou a uma fome com entre 15 e 40 milhões de mortos. Somente uma nova “orientação” radical da economia e das importações de grãos poderia acabar com a catástrofe.

No contexto da “idade de ouro” do capitalismo ocidental nos centros, aumentaram as dúvidas sobre a “superioridade” da economia centralizada planejada na Europa Oriental na competição dos sistemas. Na URSS, o líder do partido Nikita Khrushchev buscou em 1962, no curso do chamado debate de Liberman, uma orientação mais forte para o lucro e a autonomia das empresas estatais a fim de aumentar a eficiência econômica. Em 1965, a liderança do partido do PCUS aprovou as chamadas reformas Kosygin, em homenagem ao então primeiro-ministro. O desenvolvimento na URSS também abriu uma nova liberdade para os “Estados irmãos”. O “Novo Sistema Econômico de Planejamento e Controle” (NÖSPL) (denominado “Sistema Econômico do Socialismo” de 1967) e o novo “Mecanismo Econômico” na Hungria (1968-1973) foram particularmente ambiciosos na RDA de 1963. Na Tchecoslováquia, a liderança do partido sob Alexander Dubcek combinou reformas econômicas com liberalização política na “Primavera de Praga” em 1968. O governo iugoslavo de Tito fortaleceu a autonomia das fábricas e a competição no quadro da “autogestão operária”.

O termo socialismo de mercado costumava ser evitado na maioria dos países para não dar a impressão de que a economia planejada havia falhado e que havia um retorno ao capitalismo. Em vez de mercados, as forças reformistas frequentemente falavam da “aplicação da lei do valor”, da “produção socialista de bens”, da “contabilidade econômica” ou do “controle por meio de alavancas econômicas”. É claro que os debates e reformas durante a segunda onda não ocorreram da mesma forma em todos os países, mas havia semelhanças: as empresas deveriam ser incentivadas a aumentar a produtividade por meio da orientação para o lucro e de bônus mais altos para a administração e a força de trabalho. Lucros e perdas só poderiam ser mapeados de forma realista se todos os preços não fossem mais definidos politicamente, mas sim baseados no “valor” dos produtos, segundo os reformadores. Os altos subsídios para alimentos básicos, em particular, sobrecarregaram o orçamento do estado. Esse problema se agravou após o fim da era Stalin, quando na maioria dos países socialistas os preços de compra aumentaram em favor dos agricultores, mas não os preços de venda nas lojas. Como parte da agenda de reforma, o número de produtos nas especificações do plano central agora foi reduzido significativamente. Além das reformas de negócios e de preços, o fortalecimento do setor coletivo e o reconhecimento de um pequeno setor privado devem compensar as deficiências na oferta e levar a mais concorrência. Os reformadores tentaram convencer a população de seu plano prometendo um nível de consumo significativamente mais alto.

Na esfera de influência soviética, Moscou interrompeu em grande parte as reformas econômicas no início dos anos 1970 e pôde contar com as alas conservadoras dentro dos partidos comunistas. Na pesquisa histórica também foi apontado que na RDA e na Tchecoslováquia, por exemplo, as ideias igualitárias do período entre guerras ainda estavam ancoradas no corpo dos trabalhadores, o que em alguns casos levou à rejeição de maiores diferenças de renda dentro das empresas. Na China, o início da Revolução Cultural em 1966 acabou com o “alinhamento” da economia.

De qualquer forma, as reformas econômicas não foram capazes de atender a muitas expectativas. As reformas de preços foram particularmente complicadas, pois inicialmente levaram a preços mais altos para alimentos básicos anteriormente altamente subsidiados e à inflação. Por exemplo, anúncios de aumentos de preços de alimentos na União Soviética em 1962 e na Polônia em 1976 e 1981 levaram a protestos de trabalhadores. Mesmo o “segundo pacote salarial” na forma de assistência médica, educação, moradia ou ofertas culturais disponibilizadas pelo Estado gratuitamente ou a preços simbólicos também não era desejado pela maioria das forças reformistas. O economista tcheco e vice-premier durante a “Primavera de Praga”, Ota Šik, já havia pedido em 1965 a possibilidade de fechamentos e demissões de empresas como um elemento necessário da estrutura de incentivos econômicos. A introdução de um mercado de trabalho e a aceitação do desemprego em larga escala situaram-se nos “verdadeiros países socialistas” (com exceção da Iugoslávia) para a grande maioria do partido e da população em oposição às “conquistas do socialismo”. Em quase todos os países da Europa Oriental, os benefícios e subsídios sociais podiam ser cada vez menos suportados pelo nível de produtividade na década de 1970. A alta dívida externa atrasou a crise final por mais uma década. Em quase todos os países da Europa Oriental, os benefícios e subsídios sociais podiam ser cada vez menos suportados pelo nível de produtividade na década de 1970. A alta dívida externa atrasou a crise final por uma década. Em quase todos os países da Europa Oriental, os benefícios e subsídios sociais podiam ser cada vez menos suportados pelo nível de produtividade na década de 1970. A alta dívida externa atrasou a crise final por mais uma década.

Como na Hungria no final dos anos 1960, o economista húngaro Janosch Kornai considerou o “socialismo de mercado” um modelo híbrido ineficiente. Apesar de todos os incentivos proporcionados pelos bônus, a gestão das empresas estatais se comportava como parte da burocracia e não como empreendedora. Como não podiam ameaçar demissões, a administração tentou acalmar a força de trabalho fazendo concessões paternalistas. Na verdade, as empresas poderiam continuar operando com “orçamentos brandos” e não teriam que contar com consequências dolorosas mesmo em caso de perdas. A aplicação administrativa da disciplina no desempenho do trabalho e cumprimento do plano por parte do Estado fragilizou a descentralização e mais autonomia para as empresas. No entanto, as reformas operacionais e de preços não levaram à criação de uma nova disciplina por meio de incentivos econômicos, disse Kornai. A partir disso, ele concluiu que apenas uma privatização completa e mercantilização do trabalho poderia resolver esse dilema.

As lideranças do partido na Europa Oriental não estavam preparadas para isso e as “mudanças de regime” após 1989 foram necessárias para iniciar essa transformação. Na República Popular da China, o governo foi muito mais longe do que os “camaradas” do Leste Europeu. Entre 1998 e 2002, fechou grande parte das empresas estatais, demitiu mais de 40 milhões de trabalhadores e finalmente mercantilizou completamente a força de trabalho. A habitação foi privatizada e os cuidados de saúde, educação e ofertas culturais foram fortemente comercializados. Ao fazer isso, o PCCh excedeu os limites do “socialismo de mercado” da “segunda onda”. É extremamente duvidoso que o modelo chinês tenha algo a ver com o socialismo.

Felix Wemheuer é professor de Estudos da China Moderna na Universidade de Colônia. O leitor crítico que editou, Market Socialism: A Controversial Debate, será publicado pela Promedia Verlag em março.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Eco-Leninismo 2.0

Poder estatal socialista e crescimento zero como solução para a crise climática? O que o marxista Andreas Malm propôs já foi esboçado por Wolfgang Harich há quase 50 anos na RDA. 

Com Lênin e pela ditadura ecológica? Estátua em frente à siderúrgica Magnitogorsk. Foto: Imago Images / Christian Thiel
Por Alexander Amberger para o Neues Deutschland

No VIII Congresso Pan-Russo dos Soviets em 1920, Vladimir Ilyich Lenin emitiu o slogan: “Comunismo – isto é o poder soviético mais a eletrificação de todo o país”. Em seguida, a Rússia atrasada. Lenin confiou em uma industrialização abrangente – portanto, é inicialmente surpreendente quando os protetores radicais do clima hoje defendem o ecoleninismo. Seu representante mais importante é provavelmente o ecologista humano e ativista climático sueco Andreas Malm. Ele atualiza Lenin no contexto das crises atuais. “Resgate do clima = poder do estado mais o fim dos combustíveis fósseis”, isso poderia ser dito hoje. Mas os pensamentos de Malm não são tão novos.

Quando Malm escreve que as empresas de energia fóssil são “a maior e mais perigosa força”, que elas atrapalham uma verdadeira reviravolta energética e, portanto, devem ser “liquidadas”, é uma forte reminiscência de um “eco-leninista” da antiga República Democrática Alemã (RDA): Wolfgang Harich. Ele escreveu em 1977: “O dogma das necessidades crescentes de energia deve ser decididamente lançado ao mar. As usinas a carvão, como toda combustão de recursos fósseis, sobrecarregam a atmosfera com dióxido de carbono.” Harich foi um filósofo, marxista, vítima do sistema judiciário da RDA e provavelmente o primeiro defensor do“ crescimento zero” no Oriente. A era do »milagre econômico« estava chegando ao fim desde o início dos anos 1970. Um bom quarto de século após o fim da guerra, o crescimento econômico estagnou, especialmente no Ocidente.

Wolfgang Harich contra o SED

Ainda outra grande reclamação mudou para a consciência social: a superexploração cada vez maior da natureza, florestas morrendo, água envenenada, acidentes químicos, poluição e pilhas de lixo tornaram-se sintomas visíveis de uma crise ecológica. Esses fenômenos foram cientificamente apoiados pelo primeiro relatório do “Clube de Roma”. Sob o título »The Limits of Growth«, publicado em alemão em 1972, a equipe de pesquisa liderada por Dennis Meadows olhou para o futuro pela primeira vez usando dados e tendências existentes usando simulação de computador. O resultado foi devastador: se a humanidade continuasse assim, o planeta não seria mais habitável em 100 anos. Maior industrialização, crescimento populacional exponencial, desnutrição no Sul Global, As escassas reservas de matéria-prima e a destruição de habitats naturais já eram tendências perigosas há 50 anos. Como consequência desses cálculos, os cientistas exigiam uma estratégia econômica de crescimento zero.

Embora vivesse na RDA, Wolfgang Harich tinha muitos contatos na República Federal da Alemanha por meio de sua posição especial como intelectual comunista freelance e recebia literatura ocidental atualizada. As previsões do eco-alarmista logo o alcançaram. Para o marxista, estava claro que a interrupção do crescimento não era possível nas condições capitalistas, uma vez que o sistema deve crescer permanentemente com o propósito de sua autopreservação. Uma economia sem crescimento só é possível em condições comunistas. Em 1975, ele descreveu como isso poderia ser em “Comunismo sem crescimento?” Este clássico do eco-socialismo foi recentemente relançado junto com outros materiais no Volume 14 dos escritos póstumos de Harich sob o título “A Década Verde”. “Comunismo sem crescimento?” Foi publicado por Rowohlt no Ocidente, o SED não estava interessado em uma edição da RDA. Alguns anos antes, em 1971, o novo Primeiro Secretário do Comitê Central, Erich Honecker, havia proclamado a “unidade da política econômica e social” no 8º congresso do partido – o partido queria marcar pontos com a população com mais crescimento, o programa de construção de moradias e melhores oportunidades de consumo.

As demandas máximas de Harich significavam o contrário, eram politicamente indesejáveis ​​e não poderiam ter sido transmitidas: uma ditadura ecológica global sem crescimento; planejamento de acordo com a necessidade e valor de uso para evitar superprodução e desperdício; um “conselho econômico mundial” que elabora um “plano econômico mundial” para esse fim e regula a distribuição. Aos olhos de Harich, tratava-se de medidas que poderiam dar a todos neste planeta uma “vida decente”, nem menos, nem, sobretudo, mais. Quem não renuncia voluntariamente “por compreensão da necessidade” deve, se necessário, ser “reeducado”, mesmo por meios repressivos. Ao restringir certas liberdades no presente, mais liberdades permaneceriam no longo prazo.

Novo comunismo de guerra

Depois do colapso da União Soviética há 30 anos, as demandas de muitos esquerdistas por medidas autoritárias, um Estado forte e a “ditadura do proletariado” no espírito de Lenin e o fim rápido do capitalismo silenciaram. Harich também se afastou dele. Mas hoje essas palavras da moda estão de volta, mas nem em vista da crescente divisão social, nem por causa de novos escândalos nos mercados financeiros globais desregulamentados. Em vez disso, eles se referem às consequências cada vez mais perceptíveis da mudança climática, que os especialistas também incluem o surto da pandemia corona. Na primavera de 2020, o sueco Andreas Malm escreveu sua polêmica “Corona, Clima, Emergência Crônica: Comunismo de Guerra no Século XXI”.

Malm descreve Covid-19 como um problema caseiro do modo de produção industrial capitalista. A destruição contínua dos trópicos aumenta o risco de que doenças se espalhem dos animais para os humanos. A necessidade da classe alta global por carne, soja, madeira, óleo de palma, chá, café e matérias-primas não apenas garante que os habitats naturais sejam desmatados cada vez mais rapidamente, mas também que os patógenos se espalhem mais rapidamente. As causas são múltiplas. Desde a diminuição da biodiversidade, o contato com patógenos anteriormente isolados nas profundezas da floresta tropical, até a expansão das cadeias de abastecimento globais. O habitus da elite também desempenha aqui um papel importante, pois o consumo de animais tão exóticos quanto possível é considerado um sinal de luxo e exclusividade nestes círculos.

Alcance o poder do estado

Atualmente, está se tornando cada vez mais claro que a estratégia de reestruturação sócio-ecológica vagarosa não é suficiente para atingir os objetivos do Acordo do Clima de Paris. Para Malm, no entanto, as emissões de CO2 significativamente reduzidas devido ao bloqueio global no ano passado são a prova de que, em primeiro lugar, medidas drásticas de estado são possíveis para lidar com uma crise global e, em segundo lugar, tais medidas seriam bem-sucedidas e necessárias em termos de política climática. No entanto, entra em jogo algo que provavelmente causará dor de estômago em muitos esquerdistas, mas que Malm descreve como inevitável: “Não podemos simplesmente desejar que o estado desapareça em tempos de emergência. É difícil imaginar como poderia ser uma transição dos combustíveis fósseis para as energias renováveis ​​sem a ação do Estado. 

Durante a crise global de um século atrás, Lenin assumiu o controle central do aparelho de estado para poder implementar imediatamente medidas urgentes para acabar com a guerra, a fome e a desigualdade social. Para hoje, segundo Malm, isso significa usar o estado para expropriar o “capital fóssil” e implementar leis de proteção ao clima. Somente um estado forte poderia fazer isso no curto período de tempo que restou. As abordagens anarquistas, por outro lado – Malm concorda com Lenin e Harich – estão fadadas ao fracasso aqui. No entanto, ele não pode responder à questão de como o perigo de uma burocracia excessiva pode ser combatido e a independência totalitária de uma elite do poder permanentemente evitada – embora ele esteja bem ciente do problema.

Wolfgang Harich: A década verde. Ed. Andreas Heyer. Tectum, 852 pp., Capa dura, € 99; Andreas Malm: Clima | x. Matthes & Seitz Berlin, 263 pp., Br., 15 €.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo “Neues Deutschland”  [Aqui!].

A máquina de queimar o mundo

Por que um capitalismo eficiente em recursos é, em princípio, impossível

queimar

Por Tomasz Konicz para o Neues Deutschland

O capitalismo e a proteção do clima podem ser acordados? Para a opinião publicada, esta questão parece ter sido esclarecida há muito tempo. A necessidade de deixar a economia de combustível fóssil para trás dificilmente é seriamente questionada no parlamento alemão. Mesmo um partido empresarial muito conservador como a CDU agora é capaz de se comprometer com a proteção do clima em suas declarações. Mas, ao mesmo tempo, logo depois que Armin Laschet foi eleito líder da CDU, vilarejos inteiros estão sendo demolidos na Renânia do Norte-Vestfália para expandir a queima de lignito, particularmente prejudicial ao clima.

Um abismo semelhante entre a realpolitik suja e as demandas ecológicas arejadas caracteriza muitas outras áreas políticas do capitalismo tardio real existente: O compromisso da UE de reduzir as emissões de CO2 em 55% até 2030 em comparação com 1990 contrasta com uma reforma agrária europeia que trata das estruturas industriais em ruínas A agricultura na União, em grande medida. A reviravolta no trânsito equivale à mudança para a produção em massa de carros elétricos, que devem ser fabricados com um consumo de energia muito maior do que os veículos com motores de combustão e cujo funcionamento só seria neutro para o clima se realmente operassem com “eletricidade verde”.

O capitalismo só pode reduzir o CO2 em modo de crise

A tão discutida reviravolta ecológica parece ter degenerado em um item fixo na agenda dos discursos de domingo. Todo mundo quer mais proteção climática – e ainda assim a economia parece estar seguindo seu curso normal, voltada para um crescimento sem limites. O problema aqui é que as mudanças climáticas, como um processo objetivo, não podem ser enganadas, ao contrário do público, por retórica floreada e promessas vazias. Porque o que é decisivo é o que o sistema mundial capitalista acaba por fabricar. E, a esse respeito, essas são suas emissões cada vez maiores de gases de efeito estufa.

Em todo o século 21, houve apenas dois anos em que as emissões globais de CO2 caíram: em 2009, durante a crise econômica global que se seguiu ao estouro das bolhas imobiliárias transatlânticas nos EUA e na UE, e em 2020, devido ao violento surto que causou o bloqueio da Covid foi acionado. Sem exagero, pode portanto afirmar-se que a redução das emissões de gases com efeito de estufa na economia mundial capitalista só é possível à custa de uma grave »crise económica«.

Mais ainda: as medidas keynesianas de combate à crise, com as quais foi combatida a retração econômica de 2009, fizeram com que as emissões globais de CO2 disparassem 5,9% em 2010, após queda de 1,3% no ano anterior. Algo semelhante também pode ser esperado para 2021, caso as consequências econômicas e financeiras da pandemia sejam novamente contidas e substituídas por outra formação de bolha. A clara queda nas emissões de gases de efeito estufa, relacionada à crise, de cerca de 7% no ano passado, provavelmente será seguida por um aumento similarmente alto no curso da »recuperação« econômica. Esses fatos apontam para uma contradição fundamental entre economia capitalista e ecologia.

As aparências não enganam neste caso. Sem crescimento econômico existe a ameaça de estagnação e de crise, em que o crescimento do PIB é apenas a expressão econômica do movimento de exploração do capital, que está na origem da crise climática. E o mais tardar com a eclosão da crise financeira em 2008 deveria ter ficado claro que esse processo de acumulação de capital está vinculado à produção de bens – e não pode se sustentar nos mercados financeiros com base em processos puramente especulativos.

O mesmo se aplica à ideia de uma sociedade de serviços pura, como falhou nos EUA desindustrializados, por meio da qual o crescente protecionismo sob o presidente Donald Trump indiretamente prova a necessidade de uma indústria produtora de bens como base de uma sociedade capitalista do trabalho. Trump havia anunciado que “tornaria os EUA grandes novamente” por meio da reindustrialização protecionista.

Como este processo de utilização de capital é projetado? O capitalista investe o capital em trabalho assalariado, matérias-primas, máquinas e locais de produção para vender os bens produzidos com lucro – sendo o trabalho assalariado a fonte da mais-valia. Em última análise, o capital acumula quantidades cada vez maiores de trabalho abstrato gasto neste processo ilimitado de utilização. Depois disso – com o nível de produtividade permanecendo o mesmo – o capital aumentado é investido em um novo ciclo de reciclagem em mais matéria-prima, energia e assim por diante.

Assim, o “business as usual” capitalista já se assemelha a um processo de queimar mais e mais recursos. Segundo sua própria lei de pulsão, o capital tem que “queimar” quantidades cada vez maiores de energia e matéria-prima para manter seu movimento de acumulação – até atingir seu “limite externo”, que consiste na finitude dos recursos do planeta. A compulsão ao crescimento desse sistema econômico resulta diretamente da natureza do capital.

Este processo “oco” e autorreferencial é cego para todas as consequências sociais ou ecológicas de sua atividade de exploração cada vez maior, pois desenvolve seu próprio dinamismo em sua forma de mudança de dinheiro via bens para mais dinheiro, mediado pelo mercado, em um nível social. Como é bem sabido, Karl Marx introduziu o conceito de “sujeito automático” para esse automovimento fetichista e social do capital em todos os seus estados agregados. Os recursos cada vez mais escassos deste mundo formam, portanto, o buraco cada vez mais estreito de uma agulha através da qual esse processo irracional e cego de utilização de capital tem que se espremer sob atritos cada vez maiores.

Este processo de queimar o mundo é alimentado de forma decisiva pelo nível de produtividade cada vez mais alto da economia capitalista mundial. À primeira vista parece absurdo, mas são precisamente os enormes aumentos de produtividade da produção capitalista tardia de mercadorias que contribuem significativamente para a escalada da crise ecológica. Uma vez que o trabalho assalariado forma a substância do capital, os aumentos permanentes na produtividade compelem o capitalismo tardio a levar ao extremo o desperdício “eficiente” de recursos e matérias-primas. No contexto da utilização do capital, os recursos e as matérias-primas são relevantes apenas como portadores de valor – isto é, de trabalho humano abstrato. Quanto maior a produtividade, menos o trabalho abstrato é reificado em uma determinada quantidade de mercadoria.

Se, por exemplo, um fabricante de veículos aumenta a produtividade em dez por cento ao apresentar um novo modelo de veículo, então ele também tem que realocar dez por cento mais carros para utilizar a mesma quantidade de valor pelo mesmo preço de produto – ou dispensar cada décimo trabalhador. Para manter o processo de realização de capital, mais bens devem ser produzidos e vendidos à medida que a produtividade aumenta. É por isso que se aplica o seguinte: quanto maior a produtividade da maquinaria industrial global, maior será sua fome de recursos, pois a massa de valor por unidade produzida tende a diminuir. Uma tentativa de introduzir um modo de produção que conserva os recursos na economia mundial capitalista é, portanto, impossível – equivaleria à destruição do capital.

Conclusão: O aumento da produtividade, que é realmente indispensável para a implementação de um método econômico de economia de recursos, atua como um acelerador de fogo no capitalismo, uma vez que aqui uma racionalidade funcionalista cega deve servir ao fim irracional em si mesmo de utilização ilimitada de capital, que se baseia em suas contradições crescentes.

Tomasz Konicz publicou o livro »Klimakiller Kapital. Como um sistema econômico destrói nossos meios de subsistência «, 360 p., Brochura, 20 €.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemã e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!].

O racismo integra a formação e desenvolvimento do Capitalismo a la brasileira, negar a sua existência também

joão albertoO assassinato de João Alberto Silveira Freitas por seguranças da rede Carrefour em Porto Alegre deixa mais uma vez nu o racismo estrutural que permeia as relações capitalistas no Brasil

Como muitos leitores já devem saber, morei alguns anos nos EUA e em regiões de estados onde as relações raciais são ainda muito tensas (i.e., Tennessee e Virginia).  Em minha convivência com colegas de universidades e instituições de pesquisa, um dos momentos de constrangimento certo era aquele em que eu recusava o cumprimento pelo fato do Brasil ser uma suposta democracia racial, terra do samba e do futebol. Para surpresa dos meus interlocutores que me dirigiam o cumprimento por ser brasileiro, eu retrucava dizendo que éramos tão ou mais racistas que os EUA.  O meu exemplo da existência  do elevador de serviço para onde deveriam se dirigir os trabalhadores domésticos ou prestadores de serviço como uma prova do racismo brasileiro deixava sempre as pessoas atônitas, pois esse tipo de elevador não existe por lá.

Aliás, falando no elevador de serviço (uma forma escondida de segregação), os incorporadores imobiliários portugueses tiveram que após mais de quatro décadas começar a reincluir este tipo de aparato nas plantas dos novos prédios, especialmente em Lisboa, após a enxurrada de brasileiros de classes abastadas chegarem por lá para comprar imóveis após o golpe parlamentar contra a presidente Dilma Rousseff em 2016.

Esse preâmbulo todo é para dizer que não há como deixar de reconhecer que a escravidão (primeiro indígena e depois negra) foi a base da criação do Brasil como país, e que o nosso modelo peculiar de desenvolvimento capitalista esteve sempre ligado ao uso do trabalho escravo. A forma pela qual transitamos da escravidão legal também teve vários traços singulares desse capitalismo escravocrata, a começar pela promulgação da Lei de Terras em 1850, a qual objetivamente impediu que indígenas e negros pudessem ter o direito a possuir títulos de terras, na medida em que essa lei determinou que só poderia ter título de terra quem pudesse pagar por ele. E naquele momento exato da história do Capitalismo brasileiro, isso serviu como uma senha para impedir que membros dos povos originários e os negros escravizados pudessem ter a propriedade da terra.

Desde a independência do Brasil, o desenvolvimento do Capitalismo “a la brasileira” nunca teve como prioridade superar as injustiças e desigualdades causadas por mais de 300 anos de escravidão.  Ainda que formalmente uma série de leis tenham sido criadas para alcançar mais equidade social (ou, na prática, uma menor iniquidade), avançamos muito pouco na reparação da herança do escravismo e, por isso, o Brasil continua sendo um dos países mais desiguais e segregados do planeta.

Ser indígena ou negro no Brasil nunca foi fácil, pois o Estado  brasileiro sempre dedicou aos que não tem pele branca o uso da mão pesada para conter demandas e manter a insatisfação prisioneira em territórios guetizados, fossem eles reservas indígenas ou favelas.  

O estabelecimento do “Dia da Consciência Negra” pela Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011 é para mim mais um exemplo em que formalmente se avança para ficar no mesmo lugar. Ainda que seja correto lembrar e celebrar a contribuição dos negros na formação e no desenvolvimento do Brasil, o fato é que nem nesse dia os afrodescendentes podem usufruir de um dia de paz e tranquilidade. A prova maior disso foi o brutal assassinato a sangue frio de  João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, espancado e morto em uma unidade do supermercado Carrefour em Porto Alegre, e que está causando tanta comoção nos últimos dois dias.

Mas o assassinato de João Alberto é apenas mais um e não será o último, essa é a verdade. A certeza disso vem das declarações do presidente Jair Bolsonaro e do seu vice-presidente Hamilton Mourão que não só negam a existência de algo inegável que é o racismo no Brasil, mas também se dão ao trabalho de culpabilizar os que se revoltaram e protestaram contra mais essa morte de um trabalhador negro. De forma objetiva, querendo ou não, Bolsonaro e Mourão explicitam de forma crua e direta a lógica racista que naturaliza as mortes e aponta o dedo acusador contra quem se revolta.

Aos meus orientandos que se interessam pelas questões sobre a existência do brasileiro negro em uma sociedade tão racista como a nossa, eu sempre recomendo a leitura da obra de Florestan Fernandes “A integração do negro na sociedade de classes“.  É que com a leitura desse livro se pode compreender as raízes da persistente desigualdade e das agudeza do processo de exploração ao qual os negros brasileiros continuam sofrendo após a passagem da escravidão para o trabalho supostamente livre vigente em uma sociedade capitalista (o vídeo abaixo é bastante didático sobre o conteúdo dessa obra seminal de Florestan).

O fato é que não vejo como se alcançar qualquer nuance do que pode ser chamado de “democracia racial” enquanto perdurarem no Brasil as relações sociais, econômicas e políticas determinadas pela posição periférica do Brasil no sistema capitalista.  Se o Capitalismo já traz em si vírus fundamental da negação da democracia enquanto um elemento que possa ser pertinente a todas as classes sociais, como escreveu a marxista canadense Ellen Meiksins Wood em seu livro “Democracia contra capitalismo”, no Brasil essa negação é mais profunda e severa, já que nem os aspectos formais dos sistemas democráticos ocidentais foram efetivamente implantados.

O caminho de saída, como vem mostrando o marxista negro estadunidense Adolph Reed terá de ser pelo reconhecimento de que a luta anti-racista só poderá ter um desfecho positivo se for involucrada pelo elemento de classe. Entender essa condição inescapável certamente deveria merecer uma profunda reflexão dos partidos e movimentos sociais que se colocam na linha de frente das lutas anti-racistas no Brasil.

Quanto mais cedo nos antenarmos para essa indissociabilidade, melhor será, especialmente para aqueles milhões de brasileiros que acordam todos os dias com medo de serem o próximo João Alberto.

Finalmente, uma reminiscência pessoal. Graças ao meu amigo Edilberto Rocha Silveira, professor titular da Universidade Federal do Ceará, pude visitar uma senzala, hoje transformada no “Museu Senzala Negro Liberto“, no município de Redenção, que foi justamente o primeiro lugar no Brasil, cinco anos antes da promulgação da Lei Áurea, a libertar todos os seus escravos. Essa visita me fez ver as condições de horror e claustrofobia em que viviam os negros escravizados. Quem tiver dúvida do que se deu a escravidão negra no Brasil, sugiro uma visita a este museu.  Ah, sim, se seu sangue não ferver vendo as condições em que viviam os escravos, você provavelmente não sente nada pelos milhões de brasileiros a quem tudo é negado por descender deles. Por isso, sim, você é um racista a la brasileira.

Diário de Pandemia

democracia

Por Douglas da Mata

O mito ocidental da democracia (e sua impossibilidade de convívio com os sistemas capitalistas).

Boa parte de nossa ciência social, destacando a sociologia brasileira, e certamente parte considerável da latino-americana, padece de um erro conceitual que deriva diretamente da mentalidade colonizada.

Na verdade, esta submissão não é deletéria às nossas ciências e cientistas sociais, mas a constatação de um fato histórico, ou seja, assim como o capitalismo subordina as relações sociais dentre as classes sociais de uma nação, ele o faz quando se trata de sociedades localizadas em países de diferentes posições relativas, aquilo que Adam Smith chamou de divisão internacional (do trabalho).

Claro que devemos afastar o risco economicista que ronda tais análises, mas não é errado supor que parte do que a ciência social produz aqui repercute uma anterioridade científica como referência, seja para criar novos olhares sobre as teses produzidas no chamado “mundo anterior” (principalmente a Europa), seja para confirmar outras teses.

O capitalismo subordina seus atores, e com boa chance de acerto, subordina também as narrativas elaboradas por estes.

Neste sentido, a ciência social brasileira nunca questionou a existência da Democracia e sua convivência com o sistema capitalista que se hegemonizou a partir da Era Moderna.

No mínimo, sempre teve um grande receio de abordar com profundidade a possibilidade que a Democracia seja incompatível com o capitalismo.

Democracia aqui mal definida como um sistema de representação (direta e/ou indireta) que proporcione a supremacia de um projeto majoritário, sem aniquilação de minorias, fortalecimento de impessoalidade e isonomia (cada qual na medida de sua capacidade, responsabilidade, necessidade) na aplicação de recursos públicos e tributação, e que via de regra, dê chance para que as classes que se opõem no capitalismo se alternem no poder!

Certamente alguns sociólogos mais precipitados correrão a recitar o chavão: Democracia é um processo em construção!

Pois bem, mas para aceitar este sofisma temos que enxergar algum aspecto de progressividade, ou de avanço do empoderamento das classes subalternas.

A pergunta que se deve fazer, além dos parâmetros econométricos (IDH, PIB, longevidade, mortalidade infantil, etc) ou dos parâmetros institucionais formais (direito a voto, funcionamento das chamadas instituições, com imprensa e judiciário) é se, de fato, os “processos democráticos” permitiram alguma forma real de alternância de PODER.

Há pergunta anterior?

Sim, há:

É possível, dentro dos limites da ordem capitalista, que haja tal alternância?

Pensamos que não, e pensamos ainda que o chamado “processo democrático” nos trouxe a lugares bem distantes desta necessidade democrática de alternância, sem a qual, a etimologia da palavra democracia perde sentido ou utilidade.

Não me refiro aos dias atuais, onde esta distância parece óbvia, seja no chamado berço democrático (Europa, GBR), seja nos “campeões da democracia”, os EUA.

Falo de toda a história do capitalismo, que excetuando a rasa análise das agregações formais e econométricas que já citamos, sempre foi um vai e vem, de um passo a frente e vinte atrás, no quesito dos controles sociais dedicados a conservar as estruturas de subordinação!

Na verdade, toda a gama de “direitos” conquistada ao longo deste processo nunca teve sua permanência garantida, e “coincidentemente” (não é coincidência, mas causa e efeito recíproco), a cada volta da espiral de refluxo e fluxo da acumulação capitalista (agora pós capitalista, no rentismo) foi cassada parte considerável destas conquistas, trazendo as lutas para estágios anteriores aos que foram estabelecidos.

Enquanto isto, as estruturas de dominação nunca foram alteradas e/ou ameaçadas, ao contrário, a cada “direito” conquistado, criaram-se outros tantos freios ao avanço das sociedades, diluindo tais conquistas em uma equação de resultado (-1).

Por isto não nos espanta que os sistemas militares globais tenham estabelecido suas agendas como concorrentes a expansão rentista, monitorando e tutelando, direta ou indiretamente, os governos e entidades.

O medo da nossa ciência social de falar em alto e bom som que não existe e nem existirá democracia alguma em um sistema capitalista, é explicável.

Deriva do truque semiótico imposto pelos detentores do capital, imputando a pecha de autoritários a todos àqueles que desejam romper esta ordem pseudo-democrática.

Aproveitando o que nos diz Robert Kürz, este erro grave leva a outro, que é a construção de uma práxis “revolucionária” que só macaqueia e reproduz os erros de uma sociedade baseada nos mesmos pilares capitalistas, sem romper com esta ordem, sem oferecer a mesma dinâmica do consumo (prazerosa) e deixando apenas a parte autoritária das experiências planificadoras estatais, no chamado capitalismo planejado de estado, que tem seu maior expoente a China!

Só existirá Democracia ou processo democrático na luta anti-capital, e na extinção completa de suas formas de organização da sociedade.

Robert Kürz chama tudo isso de totalitarismo democrático, porque no capitalismo todas as escolhas já estão pré-determinadas, e o capital sempre sabe o resultado.

Algo como o alegado livre-arbítrio religioso, frente a um deus onisciente que sabe o que você escolherá!

É isso que a ciência social precisa dizer, e é isto que devemos ouvir:

Capitalismo e democracia são incompatíveis!

Consumo, logo existo. Mas qual é a surpresa, se esse é o maior fetiche capitalista?

mallClientes fazem fila para entrar da Gucci no shopping The Gallery , depois que um shopping foi aberto durante o surto  de COVID -19, em Houston, EUA, 1 de maio de 2020. / Reuters

As cenas de multidões acorrendo os shoppings centers que reabriram ontem em São Paulo são chocantes, ao menos para aqueles que entendem a gravidade da pandemia da COVID-19 que ronda todo o Brasil neste momento. Uma reação de muitos que estão podendo ou desejando se manter socialmente isolados enquanto os pobres acorrem os templos do consumismo às vésperas  e no do “Dia dos Namorados” é meio que jogar a toalha para o Brasil e os brasileiros, como se fossemos uma causa perdida, restando apenas o caminho do aeroporto para aqueles que puderem.

shoppingShopping Tatuapé teve fila com mais de 200 pessoas à espera da reabertura nesta quinta-feira, 11 de junho.

Mas alto lá! As cenas de shopping centers e cafés lotados foram comuns em países como França e Espanha, onde a pandemia da COVID-19 matou proporcionalmente muito mais do que deverá no Brasil, apesar dos gigantescos números brasileiros que hoje já somam mais de 40.000 mortos e quase 1 milhão de infectados (com subnotificação e tudo). Isto sem falar dos EUA, onde os shopping centers foram reabertos antes do Brasil.

E não nos esqueçamos que nos anos em que fomos governados pelo ex-presidente Lula, o acesso ao consumo para amplas camadas da população funcionou como uma espécie de pedra filosofal do Neodesenvolvimentismo.  Agora que os pobres sentiram o gostinho do consumo e das comodidades dos habitantes assépticos que os shoppings centers (onde o tempo é congelado pela falta proposital de relógios e a violência social é mantida do lado de fora), eu não me sinto em condição de julgá-los.

A questão mais profunda que aparece desde o centro até a periferia do Capitalismo é que o consumo, seja lá do que for, é o principal fetiche pela qual as sociedades são mantidas letárgicas, enquanto o planeta nos emite sinais de que esse modo de vida é insustentável. No Volume 1 do ” O Capital”, Karl Marx chamou esse processo de encantamento com o consumo de o “fetichismo da mercadoria“.

Por outro lado, a pandemia da COVID-19 é uma prova cabal de que o avanço desenfreado do consumo está criando as condições necessárias para o aparecimento de uma sucessão de vírus que são mortais para seres humanos e para os animais que eles colocaram no topo da sua cadeia alimentar, como os porcos e bois.

Como se libertar do fetiche do consumo é uma das questões mais transcendentais que a espécie humana enfrenta em mais de 2 milhões de anos de evolução enquanto espécie. As indicações vindas da Europa é que um modelo de decrescimento está em gestão, e isto afetará forçosamente a intensidade e o tipo de consumo a que determinadas sociedades vão se adequar. Se isso será suficiente para impedir a repetição de pandemias como a COVID-19 é uma questão que fica aberta.

Mas voltando ao Brasil, o mais resultado mais óbvio desse retorno ao consumo intenso em um momento em que a pandemia continua se alastrando como fogo em pasto seco será o aumento inevitável de infectados e mortos. E isso ficará claro daqui a duas semanas quando quem se infectar nessa corrida aos shoppings tiver completado o ciclo mortal da COVID-19.

E nos túmulos que tiverem lápide: morri por quiz consumir, sem medo do coronavírus. Lamentavelmente, para muitos restará apenas as covas coletivas.

Marketing acadêmico: Lançamento do livro “A `indústria´ dos fundos financeiros” na Livraria Travessa de Botafogo

Convite lançamento livro na Livraria Travessa Botadogo -1 Agosto 2019

Em tempos em que os fundos financeiros avançam sobre o controle de empresas em setores estratégicos no Brasil (petróleo, energia, infraestrutura e outros), esse tema merece ser ainda mais conhecido e aprofundado. 

O livro “A ´indústria´ dos fundos financeiros: potência, estratégias e mobilidade no capitalismo contemporâneo” é uma contribuição para este debate, sobre como os fundos de investimentos no Brasil e no mundo ampliaram (em especial depois da crise de 2008) a sua atuação e o seu controle sobre a produção material, enlaçado ao crescente rentismo neste mundo das finanças que nos cerca que é ainda muito pouco percebido. 

Aguardo aqueles que puderem comparecer!

O livro já está à venda pelo blog /email do autor, aqui no site da editora, aqui na própria livraria Travessa, aqui na Amazon e nas livrarias Noblesse e Leitura, em Campos dos Goytacazes, onde em breve teremos também um lançamento que será acompanhado de debates sobre a financeirização.

___________________________________________
Esta postagem apareceu originalmente no blog do Prof. Roberto Moraes [Aqui!].

Capitalismo está ‘sob séria ameaça’, alerta economista que previu crise global de 2008

rag 1

AFP. Raghuram Rajan destaca que os governos não podem mais ignorar a desigualdade social em suas políticas econômicas

O capitalismo está “sob uma séria ameaça” porque “parou de prover as massas”.

E, “quando isso acontece, as massas se rebelam contra o capitalismo”, adverte Raghuram Rajan, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em 2005, Rajan também alertou que a complexidade dos produtos financeiros havia ampliado o risco de um “colapso catastrófico”.

Na época, a elite financeira não levou em consideração suas preocupações. Mas, três anos depois, a crise econômica global provou que ele estava certo.

E agora Rajan, que também é ex-diretor do Banco Central da Índia, faz outro alerta.

“Acho que o capitalismo está sob grave ameaça porque não conseguiu atender às necessidades de muitos, e quando isso acontece, há muitas revoltas contra o capitalismo”, disse ao programa Today da BBC Radio 4.

“Acredito que isso pode acontecer mais cedo do que se imagina.”

Os defeitos do capitalismo

Rajan, que foi apontado como um possível sucessor do canadense Mark Carney à frente do Banco da Inglaterra, acaba de publicar o livro The Third Pillar: How Markets and the State Leave the Community Behind (“O Terceiro Pilar: Como os Mercados e o Estado Deixam a Comunidade Para Trás”, em tradução livre), em que adverte sobre as deficiências do capitalismo.

O economista enfatiza que os governos não podem mais ignorar a desigualdade social em suas políticas econômicas.

rag 2

GETTY. Em 2005, Rajam havia alertado sobre o ‘colapso catastrófico’ que acabou ocorrendo em 2008

No passado, era possível conseguir um emprego de classe média com uma “educação mediana”, exemplifica Rajan, que agora é professor da Universidade de Chicago, nos EUA.

Mas o panorama mudou na esteira da crise financeira global de 2008 e da adoção de medidas de austeridade.

“Agora, se você realmente quer ser bem sucedido, precisa de uma boa educação”, diz ele.

“E, infelizmente, as mesmas comunidades que são afetadas pela globalização do comércio e da informação tendem a ser as comunidades com escolas em más condições, onde há aumento da criminalidade, aumento das mazelas sociais e não é possível preparar seus membros para a economia global”, disse ele à BBC.

É por isso que Rajan acredita que o capitalismo está desmoronando: porque não oferece igualdade de oportunidades.

“Não está proporcionando oportunidades iguais e, de fato, as pessoas estão ficando em uma situação muito pior.”

O que não significa, no entanto, que o capitalismo não possa ser salvo, esclarece Rajan.

rag 3

SOPA IMAGES. Manifestantes protestam em Londres pelo fim das medidas de austeridade que acreditam afetar suas oportunidades econômicas

Na opinião dele, regimes autoritários surgem “quando todos os meios de produção são socializados”.

“O que você precisa é de um equilíbrio, você tem de melhorar as oportunidades.”

A democracia, enxerga ele, desempenha um papel importante nesse processo de renovação do capitalismo.

“É por isso que a democracia de livre mercado era um sistema equilibrado, mas precisamos recuperar esse equilíbrio novamente”, insiste.

Outras ameaças

De qualquer maneira, não é apenas o futuro do capitalismo no longo prazo que preocupa Rajan.

Um relatório da agência de avaliação de risco S&P Global Ratings indica que é possível haver outra crise de crédito global, devido ao aumento de 50% na dívida mundial desde a crise passada.

O informe explica que, desde 2008, a dívida dos governos cresceu em 77%, enquanto a dívida corporativa subiu em 51%.

Analistas argumentam, no entanto, que é improvável que a próxima recessão seja tão séria quanto a causada pelo terremoto financeiro de 2008.

Mas Rajan aconselha estar sempre alerta em relação à próxima crise, porque “essa é a única maneira de evitar que isso aconteça”.

rag 4

GETTY IMAGE.‘Há muito dinheiro fácil’, diz Rajan

Ele diz ainda que uma de suas preocupações é “a enorme quantidade de acomodação ou relaxamento monetário que ocorreu desde a crise global, e a quantidade de liquidez que se espalhou pelos mercados”.

Em outras palavras, taxas de juros muito baixas e muita impressão de dinheiro.

“É dinheiro fácil. E o que acontece quando você recebe dinheiro fácil é que fica mal acostumado”, diz ele.

“Há mais alavancagem [técnica usada para multiplicar a rentabilidade por meio do endividamento]. Endividamento que depende do dinheiro fácil para o refinanciamento. E, no final, isso acaba quando o dinheiro fácil acaba”, acrescenta.

O que permanece nesses casos, no entanto, é o endividamento, que ele considera a fonte das dificuldades do setor financeiro.

Por essa razão, o economista acredita que a próxima crise poderia ser causada pelas mesmas medidas que foram impostas para nos salvar da última.

“Chega um ponto em que temos de dizer: ‘Precisamos normalizar as coisas’. Porque se não normalizarmos, o sistema é redefinido para um estado em que se torna vulnerável a mudanças nas condições financeiras”, explicou.


Esta reportagem foi publicada originalmente pede rede britânica BBC [Aqui!]

Capitalismo, um sistema econômico que vai bem para 1% da Humanidade

Privilégio e o poder na economia geram extrema desigualdade e como isso pode ser interrompido

tondo

Favela de Tondo localizada em Manila, capital das Filipinas.

Às vesperas do início do Fórum Econômico de Davos na Suiça, a organização governamental OXFAM publicou na última 6a. feira (18/01) um documento mostrando que crise global de desigualdade está chegando a novos extremos.  Segundo o documento da OXFAM, os 1% das pessoas mais ricas  do mundo agora têm mais riqueza do que o resto do mundo combinado. Além disso, poder e privilégio estão sendo usados ​​para distorcer o sistema econômico para aumentar ainda mais a distância entre os mais ricos e os demais.

Segundo a OXFAM, uma rede global de paraísos fiscais permite que os indivíduos mais ricos escondam cerca de US$ 7,6 trilhões.

A OXFAM afirma que luta contra a pobreza não será vencida até que a crise da desigualdade seja combatida.

A OXFAM calculou ainda que:

• Em 2015, apenas 62 indivíduos detinham a mesma riqueza que 3,6 bilhões
de pessoas – a metade mais afetada pela pobreza da humanidade. Esse
número representa uma queda em relação aos 388 indivíduos que se
enquadravam nessa categoria há bem pouco tempo, em 2010.
• A riqueza das 62 pessoas mais ricas do mundo aumentou em 44% nos cinco
anos decorridos desde 2010 – o que representa um aumento de mais de
meio trilhão de dólares (US$ 542 bilhões) nessa riqueza, que saltou para
US$ 1,76 trilhão.
• Ao mesmo tempo, a riqueza da metade mais pobre caiu em pouco mais de
um trilhão de dólares no mesmo período – uma queda de 41%.
• Desde a virada do século, a metade da população mundial mais afetada pela
pobreza ficou com apenas 1% do aumento total da riqueza global, enquanto
metade desse aumento beneficiou a camada mais rica de 1% da população.
• O rendimento médio anual dos 10% da população mundial mais pobres no
mundo aumentou menos de US$ 3 em quase um quarto de século, e a 
renda diária deste segmento aumentou menos de um centavo a cada ano.

Enquanto isso, no Brasil que já possui uma das piores distribuições da riqueza do planeta, a fala é retirar o pouco de direitos que os mais pobres conseguiram arrancar depois de muita luta e sofrimento. Tudo isso para aumentar ainda mais a riqueza detida pela1% que se beneficia da forma de funcionar da sociedade capitalista.

Quem desejar saber mais sobre este estudo da OXFAM, basta clicar [Aqui!]

Encontro de ecossocialistas: é urgente colocar a classe no centro da luta anticapitalista

alterecosoc-672x229

Participei neste final de semana do “IV Encontros Internacionais Ecossocialistas. Alerta vermelho, alerta verde: dar forma à transformação ecossocialista” que ocorreu em Lisboa [1].  A reunião contou com militantes e intelectuais de diversas partes do mundo, e boa parte das discussões das quais participei giraram em torno da grave crise ecológica que hoje ameaça os ecossistemas planetários e a  própria sobrevivência da Humanidade.

encontros

Nas diferentes mesas das quais fui ouvinte, um tema recorrente foi a necessidade urgente de que a luta anti capitalista se dê a partir do conceito de classe que seria segundo um dos palestrantes a única que seria capaz de fazer com que se restaure a unidade das classes oprimidas em torno de um projeto solidário de sociedade, o qual seja capaz de restabelecer o sentido de comunidade humana.

Este mesmo palestrante alertou para o fato de que se este projeto de reconstrução comunitária não for levado adiante pelos setores que se colocam contra  o Capitalismo, a ultra direita alastrará a sua visão de exclusão do diferente como forma de resolver as diversas formas em que a crise capitalista está se apresentando.

Um dos aspectos que considerei mais interessantes nos chamamentos para que a classe seja colocada à serviço da unificação das múltiplas lutas que hoje ocorrem contra as diferentes formas de opressão capitalista, foi o reconhecimento de que é necessário voltar a estudar os clássicos do Marxismo (incluindo o próprio Karl Marx, mas também Lênin e Rosa de Luxemburgo, dentre outros) no tocante aos processos de acumulação capitalista que foram solenemente abandonados pela esquerda nas últimas décadas. É que segundo outro palestrante, o Capitalismo financeirizado está cada vez mais necessitado de apropriar bens coletivos como as florestas e as águas para alimentar a forma particular de apropriação que esta fase capitalista requer. 

Por outro lado, também foram apresentadas ideias de que para a luta anticapitalista avance de forma positivo vai ser necessário estabelecer novas formas de colaboração entre sindicatos, movimentos de luta pelos direitos humanos e organizações ambientalistas.  Ao ver a experiência brasileira, vejo quão atrasados estamos na formação deste tipo de aliança em função da hegemonia de visões que fragmentam a luta no processo identitário.  No caso do Brasil, o primeiro desafio será convencer que é possível unificar todas as identidades dentro da classe. É que apesar de todos os recuos que tivemos, e que culminou na vitória de Jair Bolsonaro,  ainda não vejo nenhum balanço sério sobre o papel que a luta identitária, por mais justa que seja, cumpriu na fragmentação da classe trabalhadora e da juventude brasileira.


[1] https://alterecosoc.org/programme/