Classe, classismo e crítica de classe

A diversidade crítica é importante; o que deve decorrer disso é uma crítica à situação que gera as discriminações

240001Foto: dpa

Por Livia Sarai Lergenmüller para o Neues Deutschland

Está na boca de todos há vários anos: política de identidade. No decorrer da minha politização, eu mesmo me tornei a “cultura acordada” e por muito tempo defendi seus argumentos com convicção. Enquanto isso, porém, meu relacionamento é ambivalente.

Por muito tempo falamos sobre pessoas afetadas sem pessoas afetadas. Ao fazer isso, tomamos decisões sobre a realidade da vida das pessoas sem levá-las em consideração. Às vezes ainda fazemos isso. O exemplo mais recente é a recente proibição do aborto no Texas. É, portanto, um desenvolvimento indispensável para tornar visíveis as perspectivas daqueles que são afetados pelos discursos sociais e incluí-los mais de perto.

É tão importante dar espaço às emoções das pessoas que foram discriminadas. O racismo ou a trans-hostilidade não são apenas mecanismos estruturais, mas frequentemente também traumas coletivos. Os sentimentos individuais, portanto, devem ser levados a sério politicamente.

Nos últimos anos, entretanto, essa abordagem assumiu uma dinâmica própria, na qual o problema, e não a solução, costuma estar no centro do debate. As condições que causam esses problemas são discutidas cada vez menos. Isso é suportado principalmente por jovens que exercem sua condição de esquerda principalmente por meio de sua luta contra a discriminação, e que dividem as lutas políticas em grupos individuais. Um grupo no qual eu também fui politizado e cujas posições considero amplamente progressistas.

Mas cada vez mais perco uma visão. Isso ocorre porque o anti-capitalismo e a crítica de classe ainda parecem ser consensos, mas cada vez mais permanecem uma nota lateral superficial. Frequentemente, a pessoa até quer se distanciar das questões da velha esquerda. A questão do sistema e um maior enfoque na dinâmica da discriminação não devem, no entanto, ser lidos como posições opostas. A esquerda tradicional versus a esquerda moderna não são ou / ou, mas devem andar de mãos dadas e aprender umas com as outras.

Pouco antes da eleição, um usuário de esquerda da rede social Instagram anunciou que desta vez não poderia votar na esquerda devido a declarações racistas e fraca representação das minorias. Portanto, ele decidiu com o coração pesado pelos verdes. Também estremeço quando Sahra Wagenknecht considera a preocupação com muitas crianças migrantes nas aulas da escola alemã como uma posição legítima de esquerda, quer regular a imigração e, em retórica populista, declarar as preocupações da comunidade Roma como irrelevantes. No entanto, dar o seu voto a um partido que dirige sua política principalmente para os de renda mais alta e que só achou necessário se distanciar do racista Boris Palmer no início da campanha eleitoral me deixa perplexo.

Outro exemplo dessa dinâmica é a noção de tendência do classicismo. A frase, que é usada em paralelo com outros ismos como sexismo ou racismo, denota discriminação com base na origem socioeconômica; o debate sobre isso e, sem dúvida, produziu muito bem. Às vezes, as coisas só precisam ser nomeadas para serem reconhecidas pela sociedade como um todo. Porém, torna-se difícil quando a luta contra o classismo se torna o objetivo político primário.

Porque o conceito de classismo reformula a questão de classe como uma questão de discriminação e transfigura a origem socioeconômica em uma característica da diversidade. Questionar preconceitos contra as pessoas mais pobres e descobrir as estruturas problemáticas que dificultam o avanço social é, sem dúvida, um processo importante. No entanto, minha preocupação de longo prazo como esquerda não é tratar melhor os pobres, mas superar a pobreza. Portanto, o classicismo só pode ser uma linha secundária. O que se segue é uma crítica à situação.

Em tempos em que o ativismo político está ocorrendo cada vez mais nas redes sociais, a necessidade de sempre se posicionar claramente parece estar crescendo. Mesmo dentro dos campos de esquerda. No entanto, isso encurta as linhas de argumentação. Diversidade crítica e ações sensíveis à discriminação são importantes – mas sem uma mudança fundamental no sistema, elas permanecerão uma gota no oceano.

compass

Este texto foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

O ódio de classe mostra as limitações do Capitalismo sem classes do neoPT

Andei por diferentes lugares do território fluminense na semana que antecedeu o segundo turno das eleições de 2014, e tive tempo para ler algumas pérolas que cabeças coroadas e outras nem tão coroadas assim da imprensa corporativa andavam produzindo. A fotografia que produzo é que a luta de classes que o capitalismo sem classes que Lula quis nos passar está mais viva do que nunca. As manifestações de ódio explícito a Dilma Rousseff e ao PT nada mais são do que ódio de classe, e na sua forma mais explícita. Aliás, as cenas de choro de eleitores tucanos após a confirmação da derrota não são apenas lágrimas de derrota, mas principalmente de ódio aos pobres.

Eu diria que esse ódio foi muito bem trabalhado pelos tucanos e por seus aliados na imprensa burguesa que saiu de vez das tamancas para vender uma versão de realidade que incita o ódio para extrair ainda mais valia da sociedade brasileira. Como são essencialmente parasitários, esses setores mais atrasados da burguesia brasileira não suportam mais ficar de fora da parte principal do aparelho de Estado. No caso da maioria das empresas de mídia, o desespero é essencialmente financeiro, já que amplas fatias do mercado estão sendo engolidas pela internet. Assim, se jogar de cabeça na campanha de Aécio Never!! foi juntar o útil ao agradável.

Mas reconheço que algumas cenas que presenciei nas redes sociais me deixam com a clara noção de que a tentação de arrancar o PT do poder por algum tipo de golpe vai continuar forte, O fato é que o ódio de classe entre setores da burguesia brasileira foi alimentado a tal ponto que agora qualquer recuo político por parte dos tucanos e outros partidos da direita será visto como uma concessão inaceitável ao PT.

De tudo isso eu tiro que os que se julgam efetivamente de esquerda vão ter de sair da sua zona de conforto para efetivamente começar a organizar um processo de reeducação política após tantos anos de capitalismo sem classe do neoPT. Se isso não for feito, não apenas será dada a devida oportunidade para aventuras golpistas ocorreram, mas também de se manter uma situação pouco pedagógica em relação às mudanças que o Brasil efetivamente precisa, as quais o PT já desistiu de fazer desde a famosa “Carta aos Brasileiros” de 2002.

Meus votos para 2014: avançar na luta para organizar a classe operária!

paulo-leminskiNão gosto de me sentir um estraga prazeres, mas faz tempo que chego no último dia de cada ano sem a ilusão de que deixaremos para trás todo o mal e desfeitas que nos impingem ao longo de 365 dias. Aliás, quando lembro que a contagem que seguimos no chamado ocidente é apenas uma das muitas, quase que dou de ombros para a meia-noite. Pior ainda que, por causa do horário de verão, sempre enterramos o no velho uma hora antes do que seria devido.

Mas para não parecer um velho ogro de mal com a vida, aproveito desse espaço para enviar meus desejos de que os meus companheiros de viagem tenham um ano de saúde para poderem enfrentar os contínuos desafios impostos pela sociedade capitalista que nos ameaça com a precarização completa da existência humana, apenas para que um punhado de escolhidos possam viver vidas nababescas em meio à desgraça da maioria da espécie humana.

Como Leon Trotsky dizia, a crise da humanidade se reduz à crise da direção revolucionária. Assim, que em 2014 possamos trabalhar para constituir uma direção política que permita à maioria da humanidade se libertar da escravidão da consumismo e da ideologia que a sustenta. No plano objetivo do Brasil, que não nos deixemos iludir pelas manobras dos que querem retornar o nosso país à condição de colônia em nome de um modelo de capitalismo supostamente dentro dos limites das possibilidades. Independente de resultados eleitorais, saberemos ao final de 2014 se avançamos não pela contagem dos eleitos ditos de esquerda, mas sim pela quantidade de manifestações que ocorrerão a despeito do forte aparato policial que será usado para calar a voz da classe operária e da juventude.

Que os descontentes com o sistema do consumo e da guerra se livrem dos limites impostos pela lógica da mudança dentro dos limites aceitáveis e que ousem começar a construir um novo modelo de sociedade. Esses são meus votos para 2014.

Finalmente, deixo para os leitores deste blog uma frase saída do último parágrafo do testamento político de  Leon Trotsky:

A vida é bela, que as gerações futuras a limpem de todo ó mal, de toda opressão, de toda violência e possam gozá-la plenamente.”