A loteria do carbono: A cegueira da Europa para a pegada de carbono da carne brasileira

carne 1

O excesso de dependência da Europa na carne bovina do estado de Mato Grosso em particular, e a ausência de due diligence por parte dos produtores e comerciantes de carne, deixa a Europa não apenas cegamente cúmplice na crescente crise de desmatamento do Brasil, mas também exposta a níveis significativos de emissões embutidas nas importações.

Até 20,8 milhões de toneladas de gases de efeito estufa (GEE) poderiam ter sido emitidos no Brasil para produzir carne bovina importada por apenas cinco países europeus em 2019, equivalente à pegada climática anual de 2,4 milhões de cidadãos da UE – o dobro da população de Bruxelas.

Estimativas ainda mais conservadoras sugerem que as emissões poderiam ter chegado a 2,6 a 4,9 milhões de toneladas de CO2e (tCO2e), equivalente à pegada anual de até 465.000 europeus.

As descobertas fazem parte de uma nova análise do Earthsight, A Loteria do Carbono: Estimativa das pegadas de carbono embutidas nas importações europeias de carne bovina brasileira , e destacam como os importadores devem tomar medidas concretas para obter carne bovina não ligada ao maior fator de contribuição na intensidade de carbono da produção de carne bovina – desmatamento.

Enquanto as emissões globais de GEE deverão cair este ano devido à desaceleração da atividade econômica após a pandemia de Covid-19, o Brasil deverá contradizer essa tendência e ver um aumento entre 10 e 20 por cento, principalmente por causa dos níveis crescentes de desmatamento.

O desmatamento na Amazônia brasileira tem aumentado a cada ano desde 2017, e 30% em 2019. As desmatamentos nos primeiros seis meses de 2020 aumentaram 24% em comparação com o mesmo período de 2019, atingindo 2.544 km², a segunda maior quantidade em qualquer semestre desde 2010. 2020 viu o pior início da temporada de incêndios no Brasil em uma década , com as queimadas no bioma Amazônia correndo o risco de ultrapassar as de 2019, que aumentaram 85% em 2018.

O desmatamento responde por quase metade do total de emissões de GEE do Brasil, com a agricultura e pecuária, atividades intimamente ligadas à perda de floresta, respondendo por mais um quarto. Em 2018, a pecuária foi responsável por quase um quinto de todas as emissões no Brasil – se o desmatamento para a pecuária for levado em conta, essa participação sobe para 45 por cento.

carne 2

Calculando o carbono

Quantificar a verdadeira escala das emissões de carbono atreladas às importações europeias de carne bovina brasileira é um grande desafio. Há poucas evidências de que produtores ou importadores verifiquem consistentemente se a carne que comercializam vem de gado vinculado ao desmatamento ou de pastagens degradadas e de alta emissão, enquanto o envolvimento de fornecedores indiretos desconhecidos permanece irrestrito na indústria frigorífica brasileira.

No cálculo da faixa de emissões possíveis, a pesquisa ilustra a falta de transparência do setor e os riscos que os importadores correm ao comprar carne bovina do Mato Grosso e de outros estados com alto índice de desmatamento.

Embora o Trase , uma plataforma de transparência da cadeia de suprimentos, e estudos anteriores tenham estimado a pegada de carbono embutida nas importações de carne bovina brasileira da Europa, a análise da Earthsight fornece estimativas sobre o comércio mais recente usando métodos diferentes. As estimativas da Earthsight não se limitam às emissões do desmatamento, mas também incluem as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) de todo o ciclo de produção de carne bovina, incluindo mudança no uso da terra, insumos agrícolas, pecuária, rebanho e emissões de solo, abate e transporte até o ponto de exportação.

A análise se baseia em estudo recente do Instituto Escolhas, que calculou a pegada média de emissões da carne bovina produzida em cada estado brasileiro ao longo de uma década, inclusive para diferentes tipos de sistemas representativos de manejo de rebanho e qualidades de pastagens.

O Instituto Escolhas estimou que a pegada de carbono média nacional da produção de carne bovina, entre 2008 e 2017, variou de 25kg a 78kg CO2e (emissões de carbono equivalente) por quilo de carne bovina, dependendo do desmatamento. Em contraste, o CO2e médio por quilo de carne bovina produzida na UE foi estimado em cerca de 22 kg.

A análise da Earthsight empregou amplamente as estimativas estaduais do Instituto Escolhas em uma variedade de manejo de rebanho e tipos de pastagem, incluindo médias estaduais e pastagens degradadas e estáveis.

A combinação das estimativas de emissões médias estaduais produzidas pelo Instituto Escolhas com os dados das exportações brasileiras possibilitou o cálculo das pegadas de carbono embutidas nas remessas recebidas pelos países selecionados e suas empresas importadoras.

carne 3As importações europeias de carne bovina brasileira estão expostas ao enorme desmatamento e ao risco de emissões de carbono da pecuária. Crédito: Shutterstock

Os cinco maiores países importadores da Europa

Quase toda a carne bovina (96 por cento) enviada para a Europa veio de instalações em apenas cinco estados: Mato Grosso, São Paulo, Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso do Sul.

Mato Grosso foi o maior fornecedor estadual para os cinco países, respondendo por 33% do total.

Os cinco principais países de destino da carne bovina desses cinco estados – Itália (29.650 toneladas), Reino Unido (28.030 toneladas), Holanda (22.084 toneladas), Espanha (9.466 toneladas) e Alemanha (8.060 toneladas) – não se classificam na mesma ordem ao avaliar as emissões de carbono que essas importações podem ter produzido.

As importações para a Itália tiveram a maior pegada de carbono incorporada média – sem ou com desmatamento – variando de 244.440 a 1,1 milhão de tCO2e ao usar estimativas de emissões médias baseadas no estado. A Itália foi seguida pela Holanda (162.407 a 633.124 tCO2e), Espanha (94.208 a 451.298 tCO2e), Alemanha (63.364 a 224.623 tCO2e) e o Reino Unido (50.031 a 152.294 tCO2e).

A estimativa mais alta combinada de 2,6 milhões de tCO2e é equivalente às emissões de carbono de 2018 de 298.148 europeus. As exportações de Mato Grosso, lar de áreas da Amazônia e do Cerrado e o estado mais desmatado que domina o comércio para a Europa, sozinhas respondem por 2,2 milhões de tCO2e, ou 85 por cento.

A pole position da Itália não se deve apenas a seus grandes volumes de importação, mas também – e principalmente – sua dependência da carne bovina de Mato Grosso, que tem estimativas de emissões médias consideravelmente mais altas por quilo de carne bovina do que os outros quatro estados fornecedores de importações europeias. Quase metade de todas as importações italianas (14.279 toneladas) vêm do estado.

Se toda a carne importada para a Europa fosse derivada exclusivamente de pastagens estáveis ​​(pastagens de baixa produtividade sem capacidade de remover carbono da atmosfera) em cada estado, a média superior de emissões embutidas totais (quando o desmatamento está envolvido) sobe para 4,9 milhões de tCO2e – quase o dobro ao aplicar as médias estaduais. Esta é a pegada climática de 465.000 europeus.

No entanto, se 35% da carne bovina dos frigoríficos mato-grossenses veio de gado criado em pastagens degradadas (pastagens de alta emissão devido à degradação do solo e que estão mais associadas a áreas recentemente desmatadas) e o restante de Mato Grosso e dos outros quatro estados foram estimados usando as médias estaduais, a pegada de carbono total embutida nas importações europeias de carne bovina brasileira pode chegar a 20,8 milhões de tCO2e. Isto é equivalente à pegada climática anual de 2,4 milhões de cidadãos da UE.

Esse aumento dramático ocorre porque um quilo de carne bovina produzida em Mato Grosso a partir de gado criado em pastagens degradadas associadas ao desmatamento gera a impressionante quantidade de 1.695 kg CO2e.

Os resultados mostram que o volume de comércio raramente determina as pegadas de carbono, mas que a origem do gado, as ligações com o desmatamento e os tipos de pastagem são os fatores mais importantes. Os importadores com menores volumes de comércio podem ter pegadas de carbono desproporcionalmente altas por causa de suas práticas de abastecimento.

Pegadas de carbono da empresa

Tal como acontece com a análise a nível de país, as emissões embutidas estimadas da Europa estão dramaticamente concentradas nas importações de relativamente poucas empresas.

Ao considerar as estimativas baseadas em médias estaduais, apenas duas empresas (Silca e JBS) respondem por quase um quarto das emissões estimadas, oito empresas são responsáveis ​​por mais da metade e 27 respondem por 80 por cento.

Algumas empresas europeias têm pegadas de carbono incorporadas mais altas do que alguns países destinatários.

Quando calculada usando as emissões médias superiores em nível estadual, a empresa italiana Silca tem uma pegada maior (375.000 tCO2e) do que a Alemanha (224.623 tCO2e) ou o Reino Unido (152.294 tCO2e). O grupo brasileiro JBS (221.538 tCO2e), o conglomerado alemão de alimentos Tonnies (199.411 tCO2e) e a empresa italiana Bervini Primo (181.660 tCO2e) também têm emissões embutidas mais altas do que o Reino Unido.

carne 4

Quando calculada com base em toda a carne importada proveniente de gado criado em pastagens estáveis ​​associadas ao desmatamento, a pegada de carbono estimada de empresas individuais aumenta consideravelmente. Com essa medida, as emissões de carbono embutido da JBS quase triplicam, colocando a empresa acima da Silca como a importadora com maior pegada embutida.

Da mesma forma, se as importações da JBS de Mato Grosso também fossem todas derivadas de pastagens degradadas ligadas ao desmatamento, suas importações para a Europa incorporariam emissões 22 vezes maiores (5 milhões de tCO2e) do que abaixo da média estadual superior nos cinco estados.

Alguns dos maiores importadores por peso estão fora do ranking das 10 pegadas de carbono médias. Os exemplos mais marcantes são a Marfrig (segundo maior importador por peso e entre os três maiores frigoríficos do Brasil), Princes (Reino Unido) e Bolton Group (Itália). Essas empresas, embora sejam grandes importadoras, podem ter uma classificação mais baixa em emissões de carbono incorporado porque quase toda a carne bovina é proveniente de frigoríficos de São Paulo e do Rio Grande do Sul.

Esses estados apresentam níveis significativamente mais baixos de desmatamento – e, portanto, menores emissões de carbono por perda florestal – em comparação com Mato Grosso e os estados do Cerrado de Goiás e Mato Grosso do Sul.

No entanto, é improvável que a carne embarcada dos estados do sul esteja livre de desmatamento, já que parte desse gado pode vir de estados do Cerrado ou bioma amazônico.

Além disso, Princes e Bolton são grandes compradores de carne enlatada e outros tipos de carne enlatada. As instalações de exportação no sul provavelmente fornecem parte da carne fresca que eles transformam nesses produtos altamente processados ​​de matadouros mais ao norte, que estão mais intimamente ligados a fazendas na Amazônia ou Cerrado.

carne 5

Além disso, embora as empresas que importam exclusiva ou predominantemente de São Paulo e do Rio Grande do Sul possam parecer expostas a emissões embutidas mais baixas, se as pastagens estáveis ​​ligadas ao desmatamento desempenharem um papel importante em suas cadeias de abastecimento, suas emissões podem aumentar dramaticamente. É exatamente isso que se observa com Marfrig, Princes e Bolton.

Gigantes do frigorífico brasileiro

A forte ligação entre o desmatamento e a quantidade de carbono embutido na produção de carne bovina é preocupante não só por causa de suas consequências ambientais, mas também por causa dos níveis de ilegalidade que provavelmente estão contaminando as cadeias de abastecimento de carne. Um relatório publicado no início deste ano pela MapBiomas mostrou que 99 por cento de todo o desmatamento ocorrido no Brasil em 2019 era ilegal.

As mesmas empresas brasileiras que abatem gado e exportam carne bovina também estão entre os maiores importadores da Europa. Isso poderia facilitar o cumprimento das leis de due diligence, uma vez que essas empresas já teriam dados relacionados, mas também poderia levantar questões sobre a confiabilidade de tais sistemas se as empresas fiscalizassem suas próprias práticas, especialmente considerando o histórico dessas empresas no Brasil.

JBS, Minerva e Marfrig , os três maiores exportadores e entre os principais importadores da Europa, há anos estão vinculados ao desmatamento ilegal na Amazônia e em outros lugares e são repetidamente criticados por não conseguirem monitorar seus fornecedores indiretos.

A Earthsight pediu às 10 empresas que importam os maiores volumes de carne bovina para a Europa, e a várias outras notáveis, que detalhem as descobertas do monitoramento das emissões de carbono que realizam. Apenas Marfrig respondeu. A empresa forneceu uma pegada de carbono estimada para sua carne bovina variando de 48 a 99kg CO2e / kg carne bovina. A aplicação dessas estimativas em relação às importações da Marfrig em 2019 (10.145 toneladas) revela uma gama de pegadas de carbono embutidas significativamente superior às estimativas calculadas para a empresa a partir dos valores do Instituto Escolhas.

A Marfrig disse que “busca estreitar a relação entre os produtores e a Marfrig, incentivando a adoção de boas práticas pecuárias, que contribuam para o desenvolvimento sustentável das fazendas e garantam uma produção mais segura e com menor impacto ambiental”. A empresa acrescentou que monitora a pegada de carbono de sua produção de carne bovina com base em métodos internacionalmente reconhecidos.

carne 6Abatedouro Mafrig em Mato Grosso, Brasil. Crédito: Alamy

A Europa vai agir?

Cerca de 25 por cento das  emissões de carbono embutidas nos produtos  consumidos na Europa são emitidas no exterior. À medida que a UE embarca em seu New Deal Verde e busca finalizar o acordo comercial Mercosul-UE que aumentará dramaticamente o comércio com o Brasil, garantir que as emissões associadas ao consumo europeu não sejam terceirizadas para outros países será crítico.

Até o momento, não há requisitos para que as empresas coloquem carne brasileira (ou qualquer produto agrícola de qualquer país) nos mercados europeus para realizar due diligence sobre o desmatamento ou impactos ambientais mais amplos desses produtos, muito menos para parar de fornecê-los onde os impactos e riscos envolvidos são compreendidos e considerados inaceitáveis.

Enquanto os compradores europeus não tiverem sistemas adequados de devida diligência, eles correm o risco de comprar de empresas ligadas ao desmatamento que geram enormes emissões climáticas.

A UE está emitindo sons positivos sobre a introdução de due diligence obrigatória para desvincular o desmatamento do consumo de commodities agrícolas e se afastar das  promessas corporativas voluntárias falhas  atualmente em jogo. 

Qualquer  lei deve ser robusta o suficiente  para garantir transparência e responsabilidade no setor.

O Reino Unido também anunciou recentemente sua intenção de aprovar leis exigindo que as empresas exerçam a devida diligência na pegada de desmatamento de produtos agrícolas usados ​​e comercializados no Reino Unido, incluindo carne bovina. No entanto, o modelo proposto parece lamentavelmente inadequado, pois se aplicaria apenas ao desmatamento ilegal, não se aplicaria a todas as empresas que importam commodities florestais de risco usadas no Reino Unido e enfraquece as iniciativas existentes e os compromissos governamentais já em vigor. 

Sistemas de rastreabilidade e dados relevantes sobre o uso da terra já existem no Brasil que poderiam fornecer uma due diligence abrangente, mas uma mistura de barreiras regulatórias e a falta de incentivos impediram que fossem usados ​​com efeito total para desvincular as cadeias de abastecimento de carne da destruição ambiental.

Nenhum sinal de mercado – seja dentro ou fora do Brasil – existe atualmente para incentivar a integração dos sistemas e capacidades de rastreabilidade existentes no Brasil. Até que isso aconteça, parece que a loteria do carbono e do desmatamento embutidos nas importações de carne bovina brasileira pela Europa persistirá.

Para ver os resultados completos da pesquisa, consulte o  relatório em PDF . 

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Earthsight [Aqui!].