Editorial do “The Guardian” afirma que Jair Bolsonaro é uma ameaça para o Brasil e para o mundo

O presidente de extrema direita do Brasil deu rédeas soltas à COVID-19 e à destruição da Amazônia. Agora parece que ele planeja se apegar a tudo o que os eleitores disserem

bolso mascara

“É possível que, inspirado por Donald Trump, o Sr. Bolsonaro pense em se agarrar ao poder pelo uso da força? Não. É provável. ‘ Fotografia: Joédson Alves / EPA

Editorial do “The Guardian”

A perspectiva de o extremista de direita Jair Bolsonaro se tornar presidente do Brasil sempre foi assustadora . Era um homem com histórico de denegrir mulheres, gays e minorias, que elogiava o autoritarismo e a tortura. O pesadelo se revelou ainda pior na realidade. Ele não apenas usou uma lei de segurança nacional da época da ditadura para perseguir os críticos e supervisionou o maior aumento do desmatamento na Amazônia em 12 anos , mas também permitiu que o coronavírus se alastrasse sem controle, atacando as restrições de movimento, máscaras e vacinas. Mais de 60.000 brasileiros morreram apenas em março. “Bolsonaro conseguiu transformar o Brasil em um gigantesco buraco do inferno”, tuitou o ex-presidente da Colômbia, Ernesto Samper. recentemente. A disseminação da variante P1 mais contagiosa está colocando em perigo outros países .

Com uma pesquisa na semana passada mostrando 59% dos eleitores o rejeitando , Bolsonaro parece estar se preparando para um resultado desfavorável nas eleições do próximo ano. Na semana passada, ele demitiu o ministro da Defesa , um general aposentado e amigo de longa data que, no entanto, parece ter criticado as tentativas de Bolsonaro de usar as forças armadas como ferramenta política pessoal. Os comandantes do Exército, da Marinha e da Força Aérea também foram demitidos – supostamente quando estavam prestes a renunciar.

O gatilho imediato para as demissões foi o retorno bombástico do ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva, no mês passado, depois que um juiz anulou suas condenações criminais – abrindo a porta para ele concorrer novamente no ano que vem. Os ataques injuriosos de Lula ao presidente são amplamente vistos como o prenúncio de uma nova candidatura ao poder de um político carismático que continua muito popular em alguns setores.

É possível que, inspirado por Donald Trump, o Sr. Bolsonaro pense em se agarrar ao poder pelo uso da força? Não. É provável. As Forças Armadas já anularam a vontade do povo: o Brasil foi uma ditadura militar de 1964 a 1985. Quando a multidão invadiu o Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro, seu filho se opôs não ao ataque, mas à ineficiência: “Foi um movimento desorganizado . É uma pena ”, disse Eduardo Bolsonaro . “Se eles tivessem sido organizados, os invasores teriam se apoderado do Capitólio e feito demandas pré-estabelecidas. Eles teriam poder de fogo suficiente para garantir que nenhum deles morresse e para poder matar todos os policiais ou os congressistas que eles tanto desprezam ”.

Embora a saída dos chefes das forças armadas possa sugerir resistência a um plano de golpe, também permite ao presidente instalar aqueles que ele julga mais obedientes; os oficiais mais jovens sempre foram mais entusiasmados com Bolsonaro. Os políticos da oposição pressionam pelo impeachment , com um aviso: “Há uma tentativa aqui do presidente de organizar um golpe – e isto já está em andamento”.

Existe algum motivo para esperança. Ataques violentos do presidente e seus comparsas não conseguiram conter um ambiente vibrante de mídia, intimidar os tribunais ou silenciar os críticos da sociedade civil. Seu tratamento desastroso da COVID-19 parece estar causando dúvidas entre a elite econômica que anteriormente o abraçava. Algumas partes dos militares aparentemente compartilham desse mal-estar. A possibilidade do retorno de Lula é suficiente para concentrar mentes da direita em encontrar um candidato alternativo, menos extremista do que Bolsonaro. Pode ser irritante ver aqueles que ajudaram sua ascensão se posicionarem como os guardiões da democracia, ao invés de seus próprios interesses. Mas sua saída seria bem-vinda, pelo bem do Brasil e do planeta.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Extrema-direita austríaca pega com a boca na botija da corrupção que dizia combater

heinz-christian

No centro da foto, o líder do partido de extrema-direita “Partido da Liberdade”, Heinz-Christian Strache renuncia ao cargo de vice-premiê da Áustria após ser pego em caso de corrupção.

O combate à corrupção é um daqueles argumentos que embalam o discurso de todo político de extrema-direita que se preze. Isso é verdade no Brasil ou na Áustria, país que hoje é governado por uma coalizão ultra-conservadora que combina partidos de direita e de extrema-direita.

E é da Áustria que vem um exemplo primoroso de como a captura do discurso anti-corrupção pela extrema-direita é apenas um biombo que é utilizado para angariar setores que estejam legitimamente insatisfeitos com a situação econômica e, claro, com as evidências de corrupção política.

O caso envolvendo o agora ex-vice-chanceler federal austríaco Heinz-Christian Strache que renunciou ao cargo, como consequência das revelações de prevaricação eleitoral por dois veículos de imprensa alemães, onde atraído para um resort em Ibiza, o líder de extrema-direita tacitamente aceitou ofertas de suborno de uma suposta representante de um oligarca russo interessado em comprar um jornal de ampla circulação na Áustria, o Kronen Zeitung.

corrupção austria

A erupção desse escândalo ocorre às vésperas das eleições para o parlamento europeu e pode causar um deslocamento importante na composição futura da delegação austríaca, fato que confirmado poderá alterar o arranjo de forças em um momento particularmente importante da história do bloco.

O fato é que as revelações das tratativas que envolviam algo em torno de R$ 1,2 bilhão tiram das mãos da extrema-direita o suposto véu de santidade de anticorrupção  que seus partidos dizem carregar.  O que não deixa de ser uma lição importante para eleitores em todo o mundo que, como no Brasil, possam estar se deixando levar na conversa por esse tipo de discurso que não resiste à primeira oferta de vantagens indevidas.