Toca fogo! Servidor produz vídeo sobre ataque contra o ICMBIO em Humaitá

Resultado de imagem para humaita icmbio destruição

“Toca fogo!” Foi o grito que mais se ouviu naquela tarde de 27 de outubro em Humaitá (AM), quando centenas de pessoas saíram às ruas determinados a incendiar as sedes do IBAMA e do ICMBio. Em represália a uma operação de combate ao garimpo ilegal no Rio Madeira, que apreendeu e destruiu 20 balsas ilegais, os garimpeiros promoveram uma violenta rebelião popular.

O ataque contou com a distribuição de grande quantidade de fogos de artifício (morteiros, rojões), gasolina e bebidas alcoólicas. Políticos são suspeitos de manipularem a multidão, formada não apenas por garimpeiros e madeireiros, mas também por populares e comerciantes.

 

Incêndio criminoso destrói sede do ICMBio em Humaitá (AM)

O jornalista acreano Altino Machado divulgou no início da noite desta 6a. feira (27/10) em sua página pessoal na rede social Facebook que atacantes ainda identificados atearam fogo na sede do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio/Ibama) em Humaitá (AM) [1].

Este slideshow necessita de JavaScript.

Altino Machado informou ainda que alguns servidores do ICMBio estão desaparecidos após o ataque  de natureza claramente criminosa, apesar de alguns já terem dado notícias.

Esse ataque somado a outros que já ocorreram a unidades do ICMBIO ao longo de 2017 reflete a ação ostensiva de diversos grupos (madeireiros, garimpeiros) contra as ações de fiscalização desenvolvidas para conter as suas atividades ilegais que hoje impactam biomas e comunidades tradicionais na Amazônia brasileira.

Abaixo um vídeo postado por Altino Machado mostra supostos garimpeiros celebrando o resultado do incêndio que eles próprios teriam iniciado nas dependências do ICMBio como uma forma de retribuição às atividades de fiscalização do órgão.

 


[1] https://www.facebook.com/altinomachado

Porto do Açu: vazamento de petróleo é apenas outra face das mazelas ambientais impostas pelo porto de Eike Batista

A mídia e a blogosfera regional têm dando cobertura a um incidente ainda sem dimensões conhecidas que ocorreu na última 5a. feira (04/05) durante a realização de uma operação de transbordo de petróleo no Porto do Açu, megaempreendimento portuário iniciado pelo ex-bilionário Eike Batista no município de São João da Barra (Aqui!Aqui!Aqui!Aqui! e Aqui!).

Uma coisa que salta aos olhos nesta cobertura é a parcimônia das notas sobre o incidente que ocorreu na última 5a. feira, pois omite a quantidade de óleo que vazou nas águas no entorno do chamado Terminal 1.  O máximo que foi informado foi a dimensão da mancha, mas não sua profundidade, o que efetivamente impede qualquer cálculo de volume.

Essa parcimônia aparentemente decorre do fato de que a mídia e até a chamada blogosfera estão apenas repercutindo uma igualmente parcimoniosa nota emitida pela Prumo Logística Global que se caracteriza por emitir aquelas informações genéricas que são comuns quando a empresa aborda os problemas da salinização de águas e solos e da erosão costeira que decorreram da implantação do Porto do Açu (ver nota abaixo).

vaza 8

Entretanto, pior do que a parcimônia da Prumo Logística só mesma a falta de ação dos órgãos governamentais como o INEA e o IBAMA que já deveriam ter vindo a público oferecer informações mais precisas (e quiça imagens) sobre o montante de petróleo que vazou na operação de transbordo realizada entre os navios Windsor Knutsen e Seacross. Mas eu já não me surpreendo com esse vácuo informativo, pois o memso já se dá no caso das outras mazelas ambientais que vêm afligindo o V Distrito de São João da Barra. 

O fato é que este tipo de operação, a de transbordo entre navios em píer molhado, é considerado de altíssimo risco.  A situação é ainda mais arriscada no Porto do Açu por causa da alta energia que caracteriza a ação das correntes marinhas naquela parte da costa fluminense. Dito isso, este caso pode ser apenas o primeiro de uma longa lista de incidentes ambientais que estão por vir no Porto do Açu.

Com isso, pescadores artesanais que já sofreram graves perdas por causa das áreas de exclusão estabelecidas no entorno do Porto do Açu, agora vão ver agravados os problemas com este e outros eventuais derramamentos de petróleo.

A questão que se levanta é a seguinte: quem vai cuidar dos danos e perdas que este e outros casos irão impor aos já castigados residentes do V Distrito de São João da Barra? Com a palavra, o Ministério Público Federal!

 

Há algo de muito podre no reino de Zequinha Sarney: MMA quer gastar milhões em monitoramento que o INPE já faz

chicken

A área ambiental do governo “de facto” de Michel Temer é incrivelmente uma que melhor espelha a verdadeira natureza do regime ultraneoliberal que o mesmo representa. Além do enxugamento de verbas e do sucateamento de órgãos estratégicos como o IBAMA e o ICMBIO, há também em gestação uma profunda regressão no já frágil sistema brasileiro de licenciamento ambiental. Em rápidas palavras, o governo Temer é do tipo “não vai ficar pedra sobre pedra e tampouco árvore em pé”.

Mas quando se pensava que tudo de ruim já tinha aparecido, agora somos informados pelos jornalistas Herton Escobar (do jornal “O ESTADO DE SÃO PAULO) e Maurício Tuffani (do Direto da Ciência) que podemos estar diante de mais um escândalo à luz do dia (Aqui! e Aqui!). É que segundo nos informam Escobar e Tuffani, o Ministério do Meio Ambiente (MMA), sob o comando do serelepe deputado Zequinha Sarney, lançou no dia 20 de abril o Edital do Pregão n°: 072017 do para contratação de serviços especializados de Suporte à Infraestrutura de Geoprocessamento e Atividades de Sensoriamento Remoto orçado em R$ 78 milhões. Na prática, este edital de licitação irá privatizar o processo de monitoramento por satélite e geoprocessamento dos eventos de desmatamento e queimadas na Amazônia brasileira!

O caso se reverte de tinturas especialmente peculiares na medida em que serviços desta natureza já são prestados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) cuja reputação internacional é das mais elevadas, visto que seus pesquisadores já demonstraram ser capazes de oferecer dados bastante aproximados da realidade do chão, bem como já estabeleceram mecanismos de compartilhamento com a comunidade científica nacional e mundial deste conhecimento. No âmbito do Inpe, o Programa de Monitoramento do Desmatamento da Amazônia por Satélite (PRODES) (Aqui!) já disponibiliza dados que remontam à década de 1980 sobre o processo de desmatamento na Amazônia.

prodes

Outra curiosidade é que o próprio período em que o edital vai ficar na praça para que eventuais interessados possam concorrer ao butim de R$ 78 milhões que o mesmo enseja pela prestação de serviços que o Inpe já presta: míseros 8 dias úteis! Este tempo exíguo objetivamente levanta questionamentos sobre possíveis vazamentos do teor do edital para alguma empresa “muy amiga” de algum membro do governo Temer. E, convenhamos, se confirmado este fato seria café pequeno dentro de tudo o que já vem transpirando no Brasil nos últimos anos em relação à contaminação de licitações. Mas ainda assim,  não há como deixar de notar o inexorável cheiro de pizza no ar.

Mas esqueçamos um pouco o aspecto financeiro da questão. Como pesquisador com algum tempo de estudo na Amazônia, fiz o meu primeiro trabalho de campo em Rondônia no cada vez mais distante ano de 1991, me preocupa o fato de que se privatize um setor estratégico do processo de acompanhamento do que está acontecendo na Amazônia, justamente num momento em que podemos estar diante do que o professor Eraldo Matricardi da UNB estimou ser um “flash back” das altas taxas de desmatamento que ocorreram entre as décadas de 1970 e 1980 (Aqui!). Dependendo de quem vencer a licitação do MMA, poderemos ter o claro risco da raposa cuidar do galinheiro.

hot 2

Entretanto, algo que deveria causar espécie, mas que pode não causar pela avalanche de escândalos que caracterizam o governo Temer, é o fato de que está se desconsiderando a expertise já estabelecido pelo Inpe. Isso pode não pode parecer suficientemente grave para leigos, mas deveria ser pelo menos para a comunidade cientifica brasileira e para técnicos que atuam na área ambiental.  O risco aqui é não apenas termos dados “chapa branca” que serão gerados apenas para livrar a cara do governo Temer em inevitáveis confrontos que ocorrerão até no plano comercial já que existem inúmeros parceiros comerciais que recusam produtos gerados em áreas de desmatamento na Amazônia.

Em face de todos os problemas cercando este edital e dos riscos que o mesmo acarretará para o monitoramento da Amazônia, já um abaixo-assinado no Avaaz dirigido ao ministro Zequinha Sarney para que este edital seja abandonado pelo MMA (Aqui!). Sugiro que os leitores deste blog não apenas assinem, mas como também distribuam este abaixo-assinado o mais amplamente possível.

 

No Brasil não basta a carne ser fraca, tem que ser fria também

FARRA

A matéria abaixo é do site “Poder 360” que tem o jornalista Fernando Rodrigues como seu diretor de redação e ela nos dá conta de outro escândalo envolvendo grandes grandes frigoríficos brasileiros como o JBS (Aqui!).

É que segundo a matéria, fiscais do Ibama autuaram 14 frigoríficos no Pará, Bahia e Tocantins que compraram 58.000 cabeças de gado produzidas em 26 fazendas com áreas embargadas pelo Ibama por desmatamento ilegal na Amazônia. Dentre os frigoríficos, estavam as unidades de Redenção e Santana, no Pará, pertencentes ao grupo JBS/FRIBOi.

Como eu já sinalizado aqui neste blog em relação à operação “Carne Fraca”, os males causados pela forma com que se deu o processo de oligopolização da indústria da carne no Brasil vão muito além da venda de carne estragada. Aliás, a carne estragada é apenas a ponta de um imenso iceberg de irregularidades que envolvem, como bem mostra a matéria do Poder 360, o uso de gado proveniente de áreas de pastagens instaladas ilegalmente em diferentes partes da Amazônia.

Na matéria abaixo o mais patético é ter que ler que o folclórico e decorativo ministro do Meio Ambiente, Zequinha Sarney, teve que sair à público para se desculpar com os latifundários pelo fato do Ibama ter cumprido seu papel institucional de reprimir a compra pelos frigoríficos de gado oriundo de áreas embargadas.

E eu posso garantir que quando dados já existentes em diferentes grupos de pesquisa científica sobre a sinergia existente entre desmatamento ilegal e o abate de gado para exportação vierem à tona, nem milhões de desculpas por parte de Zequinha Sarney vão aliviar os problemas que surgirão juntos aos países consumidores, principalmente os da União Europeia. 

Mas uma coisa é certa: quando se trata do latifúndio e dos grandes frigoríficos não basta a carne ser fraca, tem que ser fria também!

Ministro do Meio Ambiente se desculpa com produtores: Carne Fria foi inoportuna

Sarney_Filho-868x644

“Acho que essa operação poderia ser em outra data”, afirmou

Sarney Filho disse que Ibama não o avisou sobre a operação

Por Poder 360

Em tom de desculpas, disse que a operação daria a impressão de fragilidade do setor por ocorrer em paralelo à operação Carne Fraca, da Polícia Federal. “Acho que essa operação [Carne Fria] poderia ter sido feita em outra data”, disse o ministro.

CARNE FRIA

O Ibama autuou 14 frigoríficos no Pará, Bahia e Tocantins que compraram 58.000 cabeças de gado produzidas em 26 fazendas com áreas embargadas pelo Ibama por desmatamento ilegal na Amazônia. Dentre os frigoríficos, estavam as unidades de Redenção e Santana, no Pará, pertencentes à JBS.

“NÃO FUI AVISADO PELO IBAMA”

O ministro disse aos produtores que não sabia da operação. Também afirmou não ser contra ações “para promover a legalidade”:

“Não era o momento adequado para que a gente fizesse essa operação. Quando eu digo a gente é porque o Ibama faz parte do Ministério do Meio Ambiente. Mas quero dizer que eu não fui avisado pelo Ibama desta operação.”

FONTE: http://www.poder360.com.br/brasil/ministro-do-meio-ambiente-se-desculpa-com-produtores-carne-fria-foi-inoportuna/

O Tempo: Ferrous desiste de licenciamento para mineroduto

Empresa afirma que cenário econômico causou suspensão

mimi

Movimento. Manifestação na cidade de Paula Cândido contra a passagem do mineroduto da Ferrous

Por LUDMILA PIZARRO

A mineradora Ferrous Resources desistiu de dar seguimento ao processo de licenciamento que permitiria a construção de um mineroduto de 400 km que ligaria Congonhas, na região Central de Minas Gerais, a Presidente Kennedy, no Espírito Santo. Seriam 22 municípios afetados, sendo 17 em Minas Gerais, três no Rio de Janeiro e dois no Espírito Santo.

O processo estava no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e, em junho deste ano, além de vencer a licença prévia, o prazo para apresentação de documentos para emissão da licença de instalação expirou. “Devido ao momento do mercado, a Ferrous optou por, neste momento, não dar prosseguimento ao processo de licenciamento do empreendimento”, afirmou a mineradora por meio de nota.

A situação foi comemorada pelos ambientalistas que se colocavam contra a construção do mineroduto. “(A decisão) foi fruto da organização e pressão dos movimentos sociais. O impacto no rio Paraopeba seria imenso, pois o projeto previa retirar do manancial 970 litros por segundo, água capaz de abastecer uma cidade de 400 mil habitantes”, explica o ambientalista Luiz Paulo Guimarães de Siqueira, membro do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM).

Para Siqueira, com a licença prévia vencida e o fim do prazo para entregar estudos ambientais que viabilizariam a licença de instalação, o risco da construção do mineroduto foi afastado. Porém, a empresa afirma que mesmo não sendo uma prioridade no momento, o projeto pode ser retomado.

Segundo o Ibama, o empreendimento pode ser retomado, mas a partir de um novo processo. “Conforme previsto na Resolução Conama nº 237/1997, o processo é arquivado. Se for do interesse da empresa, abre-se um novo processo”, informa o instituto. Porém, caso a Ferrous pretenda reativar o pedido, não poderá utilizar o processo atual, segundo o Ibama. “O novo processo começa com a nova solicitação e demais procedimentos previstos na legislação ambiental”, explicou o Ibama em nota elaborada por sua equipe técnica. Já a mineradora preferiu não comentar essa informação.

“Estamos nos precavendo e continuamos organizados para não termos retrocesso no caso do mineroduto e que o Ibama não flexibilize os prazos”, afirma Siqueira.

Viçosa barrou mineroduto

A Prefeitura de Viçosa não forneceu à mineradora Ferrous uma licença dizendo que o mineroduto estaria em conformidade com sua lei de uso e ocupação do solo.

Para o ambientalista Luiz Paulo Siqueira, essa decisão foi importante para barrar o empreendimento. “Além de Viçosa, a Prefeitura de Paula Cândido também não forneceu”, conta. “Até a Universidade Federal de Viçosa se manifestou oficialmente contra o mineroduto”, relata Siqueira.

FONTE: http://www.otempo.com.br/capa/economia/ferrous-desiste-de-licenciamento-para-mineroduto-1.1353332

Ibama cancela licença ambiental de usina hidrelétrica no rio Tapajós

TAPAJÓS

Por Mônica Nunes

O clima é de festa para os que lutam pela vida! O Ibama – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis anulou (e arquivou) o processo de licenciamento da hidrelétrica de São Luiz no Rio Tapajós, que seria construída no Pará, na Amazônia.

A notícia era aguardada esta semana por ambientalistas e instituições contrárias à obra já que o Ministério Público Federal do Pará, a Funai e a comissão de licenças do órgão haviam recomendado que o licenciamento ambiental fosse cancelado.

Em parecer enviado à presidência do Ibama, sua diretora de licenciamento, Rose Mirian Hofmann, apontou não só a inconstitucionalidade indicada pela Funai e confirmada pelo MPF, mas também irregularidades no processo (a Eletrobras não cumpriu as exigências do órgão). Em 2014, por exemplo, o Ibama solicitou da responsável pelo empreendimento estudos de possíveis impactos, até então negligenciados. O licenciamento foi suspenso em abril deste ano por falta de retorno e também de pedido de prorrogação.

A inconstitucionalidade do projeto diz respeito ao alagamento de grande parte da terra Sawré Muybu e à remoção permanente dos Mundukuru. Isso não pode ser feito porque a terra está em processo de demarcação, que se iniciou após o reconhecimento da Funai, em abril deste ano! E mais: vale lembrar que a Constituição de 1988 proíbe a remoção de povos indígenas de suas terras! Parece que tem muita gente que desconhece a lei. Do bom senso, nem falo!

Então, hoje, finalmente – e para felicidade de boa parte da nação e de algumas pessoas espalhadas pelo mundo – Suely Mara Araújo, presidente do Ibama, reconheceu as orientações da Funai e do MPF e cancelou a licença. “Determino o arquivamento do processo nº 02001.003643/2009-77. O projeto apresentado e seu respectivo Estudo de Impacto Ambiental – EIA não possuem o conteúdo necessário para análise de viabilidade socioambiental, tendo sido extrapolado o prazo previsto na resolução Conama 237/1997, para apresentação das complementações exigidas pelo Ibama”.

Sem licença, sem leilão! Sem licença, a vitória é da resistência. Mas é importante lembrar que ainda cabe recurso para a Eletrobras, responsável pelo empreendimento, e a demarcação da terra Sawré Muybu ainda está na fase de contestações, ou seja, ainda vulnerável. Portanto, esta é apenas a primeira de muitas batalhas que os povos tradicionais, assim como os indígenas, terão que travar na região.

No site do Greenpeace – que criou a belíssima campanha Deixe o Tapajós Viver, para defender esta causa, e reuniu mais de 1,2 milhão de assinaturas pelo mindo! –, o cacique Kabá Munduruku disse estar muito feliz com a decisão do Ibama e destacou que seu povo seguirá lutando contra as demais usinas projetadas no mesmo rio.

Parece brincadeira, mas existem 42 projetos de hidrelétricas na bacia do rio Tapajós – entre elas, de Cachoeira dos Patos, Chacorão (em terra dos Munduruku, já demarcada!!), Jamanxim, Jardim do Ouro e Jatobá que poderão afetar áreas preservadas – e cerca de dez na Amazônia! Por isso é tão pertinente a observação de Danicley de Aguiar, da campanha do Greeenpeace, a respeito da decisão do Ibama. Mais que uma vitória importante dos povos do Tapajós, ele destacou que este episódio “reforça a necessidade de se reavaliar a política de expansão da matriz energética na Amazônia, devido aos impactos inaceitáveis que este tipo de obra gera sobre o bioma”.

Já está mais do que provado que fontes renováveis, como energia solar e eólica, podem suprir as necessidades do país e produzir o volume que se espera de projetos como o da finada usina de São Luiz do Tapajós.

Agora, vamos torcer para que o Ministério da Justiça reconheça logo a decisão do Ibama e libere o prosseguimento da demarcação (já reconhecida e encaminhada pela Funai) para os Mundukuru.

FONTE: http://conexaoplaneta.com.br/