Flupyradifurone: o agrotóxico “seguro para abelhas” que pode não ser tão seguro quanto anunciado

honeybee, New Mexico

Por Aristos Georgiou para a NewsWeek

Nos últimos anos, tem crescido a preocupação sobre os efeitos dos pesticidas agrícolas na saúde das abelhas, com grande parte da atenção voltada para os chamados “neonicotinóides” ou “neonics”.

A medida que o uso dos neocotinóides se torna mais restrito, outros agrotóxicos considerados “seguros para abelhas” estão sendo desenvolvidos. No entanto, uma dessas substâncias, a flupiradifurona (FPF) – vendida sob o nome Sivanto – pode causar danos às abelhas quando um conhecido fungicida também está presente. Isso é de acordo com um estudo publicado na revista Proceedings da Royal Society B: Biological Sciences.

O FPF funciona de maneira semelhante ao neonics. No entanto, por estar marcado como “seguro para abelhas”, ele pode ser usado enquanto os insetos estão se alimentando ativamente.

“O processo que leva à definição da segurança de um pesticida leva em consideração uma série de testes específicos, cujo objetivo é testar os efeitos do produto químico nas abelhas”, disse Simone Tosi, principal autora do estudo da Universidade da Califórnia, San Francisco. Diego, disse à Newsweek. “Os resultados desses testes levarão à aprovação ou não deste pesticida para certos usos no campo.”

Os autores do estudo dizem que suas novas descobertas colocam em questão a segurança dos pesticidas aprovados porque as avaliações de risco não levam em consideração como a toxicidade é influenciada pelas combinações entre os diferentes produtos químicos.

As abelhas podem ser expostas a vários agrotóxicos que podem interagir sinergicamente, amplificando seus efeitos colaterais”, escreveram os autores no artigo.

Até o momento, os impactos da FPF não foram minuciosamente investigados. Assim, para seu estudo, os pesquisadores decidiram testar os efeitos tóxicos letais e subletais do produto químico nas abelhas em diferentes estações do ano e para diferentes tipos de trabalhadores, bem como as interações da substância com um fungicida comum conhecido como propiconazol (PRO). Eles usaram doses de FPF projetadas para imitar as quantidades às quais os insetos são expostos em situações da vida real.

“Percebemos que há uma lacuna de dados importante sobre o que é testado para avaliar o risco de agrotóxicos e os efeitos reais que os pesticidas podem representar: por um longo tempo, subestimamos a extensão dos efeitos de pesticidas nas abelhas”, disse Tosi. “Assim, decidimos explorar o papel dos agrotóxicos na saúde das abelhas mais profundamente, avaliando seus efeitos com uma abordagem mais holística que leva em consideração como a toxicidade dos agrotóxicos muda em relação ao complexo meio ambiente em que as abelhas vivem”.

Os pesquisadores descobriram que as abelhas expostas ao FPF, em combinação com o fungicida, demonstraram má coordenação, hiperatividade e apatia, potencialmente afetando suas chances de sobrevivência.

Além disso, eles descobriram que esses efeitos foram significativamente influenciados pelo tipo de abelha e pela estação do ano: as abelhas forrageiras foram quatro vezes mais afetadas do que as abelhas in-hive, e ambos os grupos foram mais afetados nos meses de verão em comparação com a primavera. Estes resultados são preocupantes, uma vez que ambos os produtos químicos são freqüentemente encontrados juntos no meio ambiente, dizem os pesquisadores.

“Embora o rótulo do produto proíba que a flupiradifurona seja misturada em um tanque de aplicação com certos fungicidas, incluindo PRO, as abelhas podem ser simultaneamente expostas à FPF e a outros produtos químicos – formando coquetéis de pesticidas – que são comumente usados ​​em lavouras adjacentes ou que persistem ao longo do tempo, “Tosi disse. “FPF e PRO poderiam ser usados ​​nas mesmas culturas e plantas ornamentais, incluindo frutas, sementes oleaginosas e cereais.”

“Esses pesticidas também podem ser usados ​​várias vezes ao longo de um ano – e em diferentes épocas – e aplicados de várias maneiras”, disse Tosi. “Além disso, as abelhas também podem ser expostas a pesticidas que derivam de diferentes culturas ou são armazenados na mesma colmeia. FPF e PRO são facilmente absorvidos pelas plantas e, assim, o solo e a água contaminados podem levar a absorção não intencional. Isso pode resultar em prolongada contaminação plurianual “.

O gráfico abaixo, fornecido pela Statista, ilustra o declínio global de diferentes populações de insetos.

20190410insectpopulations

Os autores dizem que suas descobertas mais recentes podem ter implicações significativas sobre como certos a são agrotóxicos são aprovados para uso.

“Este trabalho é um passo em direção a uma melhor compreensão dos riscos que os agrotóxicos podem representar para as abelhas e para o meio ambiente”, disse Tosi. “Nós fornecemos a primeira demonstração de que a combinação de dois agrotóxicos pode aumentar sinergicamente a frequência de polinizadores com comportamentos anormais e sugerir metodologias que poderiam ser implementadas para avaliar os riscos causados pelos pesticidas”.

“Nossos resultados destacam a importância de avaliar os efeitos dos agrotóxicos no comportamento dos animais e demonstram que a sinergia, a sazonalidade e a idade das abelhas são fatores-chave que alteram sutilmente a toxicidade dos pesticidas”, disse ele.

Embora a pesquisa sobre o FPF ainda seja limitada, um estudo anterior descobriu que o produto químico prejudicava o gosto e a cognição da abelha quando expostas a doses altas, que não eram realistas em condições de campo. Outro artigo descobriu que a exposição crônica teve um impacto no sistema olfativo dos animais.

_______________________________________________

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pela NewsWeek [Aqui!]

Deutsche Welle faz matéria sobre o massacre das abelhas no Brasil

35001

Por que o Brasil deveria se importar com a morte de abelhas

País enfrenta mortandade de colmeias em vários estados. Diminuição das espécies tem impactos na agricultura, meio ambiente e economia. Mas tema ainda é negligenciado.

abelhas 1

A morte de abelhas não é um fenômeno recente: é observada por pesquisadores ao menos desde a década passada. No entanto, nos últimos meses a mortandade alcançou números alarmantes no Brasil.

“A morte de abelhas não é só um risco para o Brasil, mas para o mundo todo. Quando se pensa em abelhas, se pensa em mel. O principal produtos delas, porém, é a polinização”, afirma Fábia Pereira, pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) na área de Apicultura.

Apenas nos últimos três meses, 500 milhões de abelhas foram encontradas mortas por apicultores no país, segundo um levantamento feito pela ONG Repórter Brasil em parceria com a Agência Pública. A grande maioria dos casos foi registrada no Rio Grande Sul, seguido por Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Além da morte em massa de colmeias em apiários, cinco espécies nativas de abelhas estão ameaçadas de extinção – três delas habitam a Mata Atlântica, uma o Cerrado e outra o pampa gaúcho. Não há dados, porém, sobre a mortandade em comunidades selvagens.

As abelhas são responsáveis pela polinização de cerca de 70% das plantas cultivadas para alimentação, principalmente frutas e verduras. Sua morte coloca em risco a agricultura e, consequentemente, a própria a segurança alimentar. Sem elas, o ser humano enfrentaria uma mudança drástica na sua dieta, que ficaria restrita apenas a culturas autopolinizáveis, como feijão, arroz, soja, milho, batata e espécies de cereais.

Além da agricultura, as abelhas são ainda agentes fundamentais para a polinização de florestas nativas. Seu desaparecimento poderia desencadear a morte de ecossistemas inteiros. “Se o homem parasse de fazer qualquer outra intervenção ambiental, e as abelhas apenas sumissem, haveria um desaparecimento da mata correspondente a entre 30% e 90% do que temos hoje, provocando um processo de extinção em cadeia até chegar em nós que estamos no topo”, ressalta Pereira.

Essa mortandade tem ainda potencial para impactar a economia brasileira. O país é o oitavo produtor mundial de mel e, em 2017, as exportações totalizaram 121 milhões de dólares. A diminuição na produção diante da redução do número de colmeias resultaria numa queda nas vendas. Além disso, em caso de mortes causadas por agrotóxicos, resíduos destas substâncias possivelmente poderiam ser encontrados no mel, o que levaria compradores estrangeiros a rejeitarem o produto brasileiro.

“A exportação para a Europa é muito exigente, e qualquer resíduo é detectado. O mel que foi produzido nos últimos meses está contaminado. No exterior, ninguém vai querê-lo, e não há um mercado interno suficiente para a quantidade produzida. Isso vai desestimular a apicultura”, afirma o engenheiro agrônomo Aroni Sattler, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Números alarmantes

A morte de abelhas começou a chamar a atenção mundial a partir da identificação do Distúrbio do Colapso das Colônias (CCD), em 2006 nos Estados Unidos, quando um forte surto dizimou milhares de colmeias. Na Europa, fenômenos semelhantes estão sendo observados desde o fim da década de 1990. Pesquisadores descobriram que, além das doenças e da redução do habitat das espécies, os agrotóxicos são um dos fatores que desencadeia essa mortandade.

Além da toxidade elevada de alguns defensivos agrícolas, contribui para esse cenário o uso incorreto destas substâncias. Elas são aplicadas durante o dia, quando as abelhas estão fora das colmeias, sem seguir parâmetros de segurança e sem comunicar apicultores para que possam deixar as caixas fechadas.

No atual caso brasileiro, pesticidas à base de neonicotinoiedes e de fipronil foram os principais agentes causadores das mortes. “O histórico da mortandades agudas que temos constatado deixa muito claro a sua relação com o uso de agrotóxicos”, ressalta Sattler, especialista em apicultura.

No Rio Grande do Sul, onde mais de 400 milhões de abelhas morreram só no primeiro trimestre, 80% das mortes foi causada pelo fipronil, inseticida usado amplamente em lavouras de monoculturas, mas também em pequenas propriedades rurais. A substancia é ainda muito popular no extermínio de formigas e em remédios veterinários para controle de insetos, como pulgas. Em Santa Catarina, resquícios do pesticida foram detectados em colmeias mortas entre o fim do ano passado e início deste.

“Precisamos começar a questionar o modelo agrícola atual. Os efeitos da expansão do monocultivo baseados em agrotóxicos estão comprovados. Os Estados Unidos tinham 6 milhões de colmeias na década de 1940, e hoje estão com cerca de 2,5 milhões”, destaca Sattler.

Pressão popular

Na Europa, a morte abelhas é há alguns anos um tema presente na mídia e na política. Em 2017, um estudo chamou atenção da opinião pública alemã ao revelar que as populações de insetos voadores haviam recuado 75% ao longo de 25 anos no país. A pesquisa desencadeou um debate sobre a questão.

Atualmente na Alemanha, a iniciativa popular “Salvem as abelhas” que forçar o governo da Baviera a buscar soluções para a diminuição da biodiversidade. A proposta prevê o incentivo à agricultura orgânica, proteção de matas ciliares, a ampliação da ligação de habitats naturais e o banimento de agrotóxicos.

A pressão popular e de ativistas ambientais foi fundamental para a União Europeia (UE) aprovar no ano passado a proibição de três substâncias neonicotinoides – clotianidina, imidacloprida e tiametoxam, que danificam o sistema nervoso central de insetos, incluindo as abelhas. Já a França foi mais além e baniu cinco inseticidas desta categoria de derivados da nicotina.

Já o fipronil teve seu uso restrito na Europa. Proibida completamente na França desde 2004 e, posteriormente, em vários países europeus, a aplicação do pesticida na União Europeia foi limitada em 2013 a cultivos em estufas e de alho-poró, cebola, cebolinha e couve. A substância também é banida da indústria alimentícia do bloco, podendo ser usada apenas para combater pulgas, piolhos e carrapatos de animais domésticos.

A Europa patina, porém, ainda no banimento do glifosato, outro defensivo agrícola que, segundo uma pesquisa divulgada no ano passado, é prejudicial às abelhas.

Enquanto países europeus estão reavaliando e restringindo o uso de agrotóxicos, o Brasil nos últimos meses tem incentivado a liberação de defensivos agrícolas. Em relação às abelhas, o tema ainda é negligenciado, ainda mais diante do impacto que a extinção destas espécies pode ter.

“Apesar de todos os esforços, ainda não conseguimos sensibilizar suficientemente o público em geral e o próprio governo sobre a importância de trabalharmos na proteção das abelhas. Já foram realizados eventos sobre o assunto, reuniões explicando a importância das abelhas e com sugestões de políticas públicas, mas ainda precisamos avançar nas ações efetivas”, ressalta Pereira.

Satller tem opinião semelhante. “A situação é bastante grave, mas ainda dá para reverter”, afirma o pesquisador, que defende o questionamento do atual modelo do agronegócio no país e a restrição do uso indiscriminado de agrotóxicos

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas

Esta matéria foi publicada originalmente publicada pela Deustche Welle [ Aqui!]

França proíbe neonicotinóides a partir de 1º de setembro

1052187126

Os pesticidas neonicotinóides, amplamente vistos como uma das principais causas do declínio das populações de abelhas, devem ser proibidos na França a partir deste sábado, 1º de setembro.

A proibição se estenderá a sete inseticidas neurotóxicos – acetamipride, clotianidina, imidaclopride, tiaclopride, tiametoxam, nitenpiram e dinotefurano – e é projetada para proteger o número de abelhas em declínio e o resultante fracasso das colheitas.

Disponível desde meados da década de 1990, os pesticidas neonicotinóides têm sido usados ​​com frequência para se livrarem de lagartas venenosas de chenille, cochonilhas, pulgões e tatuzinhos, e são amplamente descritos como os pesticidas mais comumente usados ​​no mundo.

No entanto, os neonicotinóides – mesmo em pequenas quantidades – foram responsabilizados pelo declínio do número de abelhas e problemas associados, com  apicultores notando um declínio significativo na atividade das colmeias, e um aumento nas taxas de mortalidade desde a introdução dos pesticidas.

As substâncias já estão sob restrição da UE desde 2013.

Em abril, a UE proibiu o uso de clotianidina, tiametoxam e imidaclopride de uso em fazendas e campos (embora ainda sejam permitidos em estufas), com a proibição entrando em vigor em 19 de dezembro deste ano.

A França irá mais longe, com uma lei de biodiversidade feita em 2016, banindo finalmente todas as substâncias em questão a partir de 1º de setembro.

Exceções podem ser concedidas até 1º de julho de 2020, mas apenas para pesticidas feitos com acetamipride, e apenas em “pequenas quantidades”, disse o ministro francês para a transição ecológica.

No entanto, algumas organizações ambientais pediram ao governo que vá ainda mais longe, banindo totalmente os pesticidas, muitas vezes chamados de “neonicotinóides de nova geração”.

Estes incluem a flupiradifurona (que já não é permitida na França) e o sulfoxaflor, um ingrediente ativo em muitos pesticidas – embora uma campanha para suspender a venda do último ano passado tenha sido bem-sucedida.

François Veillerette, da ONG Générations Futures, disse: “Não devemos parar de proibir apenas esta família [de pesticidas]. Muitos outros também deveriam ser banidos ”.

A proibição não foi bem recebida pelos agricultores e produtores, que dizem estar em um “impasse dramático” e alegam não ter opções definitivas de substituição para as substâncias proibidas.

Apesar disso, a Agência Francesa de Segurança Alimentar l’Agence Nationale de Sécurité Sanitaire de l’Alimentation, de l’Environnement et du Travail (Anses) sustentou que “existem substitutos suficientemente eficientes e operacionais” para a grande maioria dos usos atualmente permitidos. de neonicotinóides.

FONTE: https://www.connexionfrance.com/French-news/Neonicotinoids-pesticides-to-be-banned-in-France-from-September-1-2018

Estudo mostra que novos agrotóxicos podem prejudicar abelhas tanto quanto os já existentes

Novo agrotóxico baseado na sulfoximina pode afetar a habilidade de mamangavas de se reproduzir, bem como a taxa de crescimento das suas colônias

mamangava

O medo tem crescido globalmente nos últimos anos em relação à saúde das abelhas. Foto: Alamy Foto de stock

Por Agence France-Presse para o “The Guardian”*

 

Uma nova classe de agrotóxicos criada para substituir os neonicotinóides pode ser tão prejudicial para as abelhas polinizadoras de culturas, alertaram pesquisadores da Universidade de Londres em artigo publicado na revista Nature [1].

Nos experimentos por eles realizados, a capacidade das abelhas de se reproduzirem e a taxa de crescimento de suas colônias foram comprometidas pelos novos inseticidas a base de sulfoximina.

Colônias expostas a baixas doses do agrotóxico em laboratório renderam significativamente menos trabalhadores e metade do número de machos reprodutores depois que as abelhas foram transferidas para um ambiente de campo.

 “Nossos resultados mostram que o sulfoxaflor” – um dos novos tipos de inseticidas – “pode ​​ter um impacto negativo na produção reprodutiva de colônias de abelhas”, disse o principal autor Harry Siviter, pesquisador da Universidade de Holloway, em Londres.

Assim como os neonicotinóides, o sulfoxaflor não mata diretamente as abelhas, mas parece afetar o sistema imunológico ou a capacidade de se reproduzir.

O comportamento de forrageamento e a quantidade de pólen coletada por abelhas individuais permaneceram inalteradas no experimento.

O estudo foi publicado em meio a desafios legais e mudanças nas políticas nacionais sobre neonicotinóides, entre os inseticidas mais usados ​​no mundo.

Em abril, os países da União Européia votaram pela proibição de três produtos à base de neonicotinóides em campos abertos, restringindo o uso a estufas cobertas.

No início deste mês, o Canadá fez o mesmo, anunciando a eliminação de dois dos pesticidas amplamente aplicados nas culturas de canola, milho e soja.

Os neonicotinóides são baseados na estrutura química da nicotina e atacam os sistemas nervosos dos insetos. Inseticidas que utilizam a sulfoximina, apesar de pertencerem a uma classe diferente, agem de forma semelhante.

Ao contrário dos agrotóxicos de contato – que permanecem na superfície da folhagem – os neonicotinóides são absorvidos pela planta a partir da fase de semente e transportados para as folhas, flores, raízes e caules.

Eles têm sido amplamente utilizados nos últimos 20 anos e foram projetados para controlar insetos que se alimentam de seiva, como pulgões e larvas de alimentação de raízes.

Estudos anteriores descobriram que os neonicotinóides podem causar desorientação das abelhas, de tal modo que não conseguem encontrar o caminho de volta à colmeia e diminuem sua resistência a doenças.

Em 2013, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) aprovou dois pesticidas à base de sulfoxaflor para venda sob as marcas Transform e Closer.

O Sulfoxaflor também está registrado na Argentina, Austrália, Canadá, China, Índia, México e algumas dezenas de outros países.

Especialistas não envolvidos na pesquisa elogiaram sua metodologia e disseram que os resultados devem soar um alarme.

“Este estudo mostra uma escala inaceitável de impacto no sucesso reprodutivo dos abelhões, após níveis realistas de exposição ao sulfoxaflor”, comentou Lynn Dicks, bolsista do Natural Environmental Research Council na Universidade de East Anglia.

Para Nigel Raine, professor da Universidade de Guelph, no Canadá, que ocupa uma cadeira na conservação de polinizadores, “as descobertas sugerem que as preocupações com os riscos da exposição de abelhas a inseticidas não devem se limitar aos neonicotinóides”.

O medo em relação à saúde das abelhas vêm crescendo globalmente nos últimos anos .

Os agrotóxicos foram responsabilizados como causa do distúrbio do colapso das colônias, juntamente com ácaros, pesticidas, vírus e fungos, ou alguma combinação desses fatores.

As Nações Unidas alertaram no ano passado que 40% dos polinizadores invertebrados – particularmente abelhas e borboletas – correm risco de extinção global.

*Artigo originalmente publicado em inglês [Aqui!]


[1] https://www.nature.com/articles/s41586-018-0430-6

Meio Ambiente União Europeia aprova proibição total de inseticidas neonicotinóides que matam abelhas

A proibição do neonicotinoides, o inseticida mais usado no mundo, deve entrar em vigor até o final deste ano.

abelhas

Por Mayra Rosa*

Em uma decisão histórica que levou anos, todas as nações membros da União Europeia aprovaram a proibição total dos neonicotinoides, o inseticida mais usado no mundo, e um perigo bem documentado para as abelhas e outros polinizadores. A proibição deve entrar em vigor até o final deste ano, embora o uso do inseticida ainda seja permitido em estufas. O rápido declínio da população de espécies de polinizadores nos últimos anos deve-se em parte ao uso disseminado de pesticidas nocivos. A proibição deve resultar em uma população de polinizadores mais saudável, o que é essencial para a produção global de alimentos.

A votação segue estudos recentes que confirmaram o perigo que os neonicotinoides representam para os polinizadores, diretamente e através da contaminação da água e do solo. “A comissão havia proposto essas medidas meses atrás, com base nos pareceres científicos dos assessores de risco científico da UE”, disse Vytenis Andriukaitis, comissário europeu para Saúde e Segurança Alimentar, em entrevista ao Guardian. “A saúde das abelhas continua a ser de extrema importância para mim, uma vez que diz respeito à biodiversidade, produção de alimentos e meio ambiente.”

Essa mudança na política agradou os ativistas. “Finalmente, nossos governos estão ouvindo seus cidadãos, as evidências científicas e os agricultores que sabem que as abelhas não podem viver com esses produtos químicos e não podemos viver sem as abelhas”, disse Antonia Staats, da Avaaz.

Indústria agro é contra

Enquanto isso, representantes da indústria desaprovaram. “A agricultura europeia sofrerá como resultado desta decisão”, disse Graeme Taylor, da Associação Europeia de Proteção de Cultivos. “Talvez não hoje, talvez não amanhã, mas com o tempo os tomadores de decisão verão o claro impacto de remover uma ferramenta vital para os agricultores.” Pesquisas sugerem que as preocupações de Taylor são infundadas, enquanto o dramático declínio nas populações de polinizadores – que continuará a ocorrer sem ação – prova desastrosa para a produção de alimentos.

 

*Mayra Rosa é arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.

 

Para proteger abelhas, União Européia deverá banir neonicotinóides

bee

A prestigiosa revista “Nature” publicou ontem uma informação que deverá causar abalos na indústria dos agrotóxicos, especialmente para aquelas empresas que fabricam neonicotinóides. É que segundo a Nature,  a agência da União Européia responsável pela segurança alimentar concluiu que 3 agrotóxicos da classe dos neonicotinóides oferecem alto risco para abelhas selvagens em geral e para aquelas que produzem mel [1].

nature bees

As descobertas feitas pela European Food Safety Authority (EFSA)  aumentam as chances de que a União Européia vá brevemente banir o uso destes agrotóxicos em todas as culturas agrícolas praticadas ao ar livre no continente europeu.

A avaliação da EFSA cobriu os três neonicotinóides que apresentam maiores preocupações para a saúde das abelhas –  clothianidin, imidacloprid e thiamethoxam. Importante notar que a EFSA considerou nessa avaliação mais de 1.500 estudos, incluindo não apenas artigos e dados científicos, mas também dados de empresas produtoras desses agroquímicos, agências governamentais,  organizações não-governamentais (ONGs)  e de associações de apicultores.

Interessante notar que no Brasil, o uso dos neonicotinóides está em franca expansão, sendo que o imidacloprid se tornou uma das substâncias mais amplamente usadas na agricultura brasileira nos últimos anos.  A questão agora é se a União Européia vai ampliar a medida de banir o imidacloprid e as outras duas substâncias para produtos vindos de outros países. 

Como essa parece ser uma possibilidade bem real, vamos ver como se comportará o latifúndio agro-exportador e seu representante no governo “de facto” de Michel Temer, o dublê de ministro e latifundiário Blairo Maggi.  Mas o mais provável é que se a União Européia não ampliar o banimento para fora das fronteiras, Blairo Maggi e o resto do “agrobusiness” brasileiro vão continuar fingindo que não sabem de nada, e mandando ver nos neonicotinóides.

————————–

[1] https://www.nature.com/articles/d41586-018-02639-1?utm_source=briefing-dy&utm_medium=email&utm_campaign=20180301

Agrotóxicos fazem pássaros perder peso e o rumo em seus voos para se reproduzir

Segundo pesquisas, os agrotóxicos que estão matando e alterando o fluxo migratório de diversas aves são os mesmos que exterminam abelhas no mundo todo, pondo em risco a reprodução vegetal

GARY KRAMER/US FISH AND WILDLIFE SERVICE

passarinho agrotóxico 1.jpg

Por Rede Brasil Atual, Redação

São Paulo – Os prejuízos dos agrotóxicos à saúde e ao meio ambiente não têm mesmo limites. Além de serem os principais responsáveis pelo desaparecimento de inúmeras espécies de abelhas em todo o mundo, colocando em risco a polinização para reprodução de mais de 70% das espécies vegetais, os agroquímicos neonicotinóides também estão por trás do adoecimento, morte e alterações no senso de direção de aves migratórias. É o que revela uma pesquisa das universidades de Saskatchewan e de York, no Canadá.

Segundo o estudo divulgado em boletim da revista científica Nature, no início de novembro (clique aqui para ler), os pesquisadores capturaram pardais de coroa branca (zonotrichia leucophrys) durante migração do sul dos Estados Unidos e parte do México para o Canadá. E os alimentaram com milho tratado com doses baixas e altas de imidacloprida, da classe dos neonicotinóides, fabricado principalmente pela Bayer, e clorpirifós, um organofosfarado produzido pela Dow.

Após o experimento, os pesquisadores observaram que os pássaros do grupo controle mantiveram massa corporal e preservaram sua orientação norte-norte, conforme a direção de seu fluxo migratório. Já os que receberam imidacloprida exibiram perda significativa nas reservas de gordura e massa corporal conforme as dosagens recebidas. E os tratados com clorpirifós não tiveram prejuízos sobre a massa corporal, mas danos significativos na orientação.

Os resultados, segundo os cientistas, sugerem que as aves selvagens que consomem o equivalente a apenas quatro sementes de canola tratadas com imidacloprida ou oito grânulos de clorpirifós por dia, ao longo de três dias, podem sofrer comprometimento físico, tão importante para os voos, além de atrasos de migração e direção migratória inadequada. Consequentemente, estão com maior risco de mortalidade e menos chances de se reproduzir.

O plantio e a aplicação dos agrotóxicos ocorrem na primavera, período em que as aves estão migrando para o norte e param nas plantações para se alimentar e seguir jornada.

Ao jornal inglês The Guardian, os cientistas afirmaram que os resultados das pesquisas são considerados “dramáticos”. Não é à toa que em 2013 a União Europeia proibiu três neonicotinóides devido a riscos inaceitáveis ​​para abelhas e outros polinizadores. E está em análise a proibição total. O Canadá também está considerando uma proibição total. Os danos ambientais causados por produtos estão embasando argumentos em prol da redução do uso desse agrotóxico.

Atualmente, os pesquisadores canadenses avaliam os níveis de inseticidas no sangue das aves, para medir o nível de contaminação. Eles também estão analisando dados de aves marcadas com radio. Mesmo com doses menores de neonicotinoides, parece haver prejuízos à sua orientação durante a migração.

Não é de hoje que os agrotóxicos são suspeitos de causar o declínio das populações de pássaros em áreas de cultivo agrícola.

Em julho, o mesmo The Guardian publicou reportagem em que discutia a associação entre o inseticida agrícola mais usado no mundo e o desaparecimento de aves migratórias, durante o voo, por perder o senso de direção. E mesmo a interferência do veneno na saúde de pássaros, levando-os à perda de peso e à morte.

E citava uma pesquisa publicada na revista Nature, de cientistas da Universidade de Tadboud, na Holanda. Em 2014, o grupo holandês associou os neonicotinóides a danos e morte em outras formas de vida selvagem além das abelhas.

Os pesquisadores queriam conhecer as causas da diminuição de pássaros nas zonas rurais da Europa e América do Norte nas últimas décadas. Chegaram à conclusão de que as populações de aves decaíram mais acentuadamente nas áreas onde a contaminação por neonicotinóide era mais alta.

ONU

O fim do uso de agrotóxicos na agricultura é recomendado pela ONU. Em março passado, dois integrantes do Conselho de Direitos Humanos da organização, Hilal Elver e Baskut Tuncak, defenderam a criação de um tratado global para regulamentar e acabar com o uso desses produtos. Eles defendem práticas agrícolas sustentáveis em prol da saúde humana. Para os especialistas, os padrões atuais de produção e uso de pesticidas são muito diferentes em cada país e causam sérios impactos aos direitos humanos.

Em seus relatórios, eles citam pesquisas que mostram que os agrotóxicos causam cerca de 200 mil mortes por envenenamento a cada ano em todo o mundo. Quase todas as fatalidades – 99% delas – ocorrem em países em desenvolvimento, onde as legislações ambientais são frágeis.

FONTE: http://www.redebrasilatual.com.br/ambiente/2017/12/agrotoxicos-matam-passaros-e-podem-fazer-aves-migratorias-perder-senso-de-direcao