Emissões de carbono dos 1 % mais ricos são mais do que o dobro das emissões da metade mais pobre da humanidade

O 1% mais rico da população mundial é responsável por mais de duas vezes mais poluição de carbono do que os 3,1 bilhões de pessoas que constituíram a metade mais pobre da humanidade durante um período crítico de 25 anos de crescimento de emissões sem precedentes.

emissõesPorcentagem de emissões cumulativas entre 1990 e 2015, e uso de  orçamento global de carbono para a meta de 1,5 ° C, vinculado ao nível de consumo dos diferentes grupos de renda globalmente

O novo relatório da Oxfam, ‘ Confronting Carbon Inequality ‘, é baseado em pesquisas conduzidas com o Stockholm Environment Institute e está sendo divulgado enquanto os líderes mundiais se preparam para se reunir na Assembleia Geral da ONU para discutir os desafios globais, incluindo a crise climática.

O relatório avalia as emissões de consumo de diferentes grupos de renda entre 1990 e 2015 – 25 anos quando a humanidade dobrou a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera. Encontrou :   

  • Os 10 por cento mais ricos foram responsáveis ​​por mais da metade (52 por cento) das emissões adicionadas à atmosfera entre 1990 e 2015. O um por cento mais rico foi responsável por 15 por cento das emissões durante este período – mais do que todos os cidadãos da UE e mais do que o dobro da metade mais pobre da humanidade (7 por cento).
  • Durante esse tempo, os 10 por cento mais ricos explodiram um terço de nosso orçamento global de carbono 1,5 C, em comparação com apenas 4 por cento para a metade mais pobre da população. O orçamento de carbono é a quantidade de dióxido de carbono que pode ser adicionada à atmosfera sem fazer com que as temperaturas globais subam acima de 1,5 ° C – a meta estabelecida pelos governos no Acordo de Paris para evitar os piores impactos das mudanças climáticas descontroladas.
  • As emissões anuais aumentaram 60% entre 1990 e 2015. Os 5% mais ricos foram responsáveis ​​por mais de um terço (37%) desse crescimento. O aumento total nas emissões do um por cento mais rico foi três vezes maior do que o dos 50 por cento mais pobres.

Tim Gore, Chefe de Política Climática da Oxfam e autor do relatório disse: “O consumo excessivo de uma minoria rica está alimentando a crise climática, mas são as comunidades pobres e os jovens que estão pagando o preço. Essa extrema desigualdade de carbono é uma consequência direta da busca por décadas de nossos governos por um crescimento econômico extremamente desigual e intensivo em carbono. ”

As emissões de carbono provavelmente se recuperarão rapidamente à medida que os governos aliviarem os bloqueios relacionados à Covid. Se as emissões não continuarem caindo ano após ano e a desigualdade de carbono for deixada sem controle, o orçamento de carbono restante para 1,5 C será totalmente esgotado até 2030. No entanto, a desigualdade de carbono é tão forte que os 10 por cento mais ricos estourariam o orçamento de carbono em 2033, mesmo que todos outras emissões foram reduzidas a zero.

Durante 2020, e com cerca de 1C de aquecimento global, as mudanças climáticas alimentaram ciclones mortais na Índia e Bangladesh, enormes enxames de gafanhotos que devastaram plantações em toda a África e ondas de calor e incêndios florestais sem precedentes na Austrália e nos EUA. Ninguém está imune, mas as pessoas mais pobres e marginalizadas são as mais atingidas. Por exemplo, as mulheres correm um risco maior de violência e abuso após um desastre.

‘Confrontando a Desigualdade de Carbono’ estima que as emissões per capita dos 10 por cento mais ricos precisarão ser cerca de 10 vezes menores até 2030 para manter o mundo no caminho certo para apenas 1,5 ° C de aquecimento – isso é equivalente a cortar as emissões anuais globais em um terço . Mesmo a redução das emissões per capita dos 10% mais ricos para a média da UE reduziria as emissões anuais em mais de um quarto.

Os governos podem enfrentar a extrema desigualdade e a crise climática se visarem as emissões excessivas dos mais ricos e investirem nas comunidades pobres e vulneráveis. Por exemplo, um estudo recente descobriu que os 10% mais ricos das famílias usam quase a metade (45%) de toda a energia ligada ao transporte terrestre e três quartos de toda a energia ligada à aviação. O transporte é responsável por cerca de um quarto das emissões globais hoje, enquanto os SUVs foram o segundo maior impulsionador do crescimento global das emissões de carbono entre 2010 e 2018.

Gore disse: “Simplesmente reiniciar nossas economias pré-Covid desatualizadas, injustas e poluentes não é mais uma opção viável. Os governos devem aproveitar esta oportunidade para remodelar nossas economias e construir um amanhã melhor para todos nós.

“Os governos devem reduzir as emissões dos ricos por meio de impostos e proibições de carbono de luxo, como SUVs e voos frequentes. As receitas devem ser investidas em serviços públicos e setores de baixo carbono para criar empregos e ajudar a acabar com a pobreza ”, acrescentou Gore .

O briefing para a mídia ‘Confronting Carbon Inequality’ e o relatório de pesquisa completo e os dados em que se baseia estão disponíveis aqui .

Os 50 por cento mais pobres da humanidade compreendiam aproximadamente 3,1 bilhões de pessoas em média entre 1990 e 2015, os 10 por cento mais ricos compreendiam aprox. 630 milhões de pessoas, os mais ricos 5 por cento aprox. 315 milhões de pessoas e o um por cento mais rico de aproximadamente 63 milhões de pessoas.

Em 2015, cerca de metade das emissões dos 10% mais ricos – pessoas com renda líquida acima de US $ 38.000 – estão ligadas a cidadãos nos Estados Unidos e na UE e cerca de um quinto a cidadãos da China e Índia. Mais de um terço das emissões do 1% mais rico – pessoas com renda líquida acima de US $ 109.000 – estão vinculadas a cidadãos dos Estados Unidos, com as próximas maiores contribuições de cidadãos do Oriente Médio e da China. As receitas líquidas são baseadas nos limites de receita para 2015 e representadas em $ 2011 PPC (paridade do poder de compra).

A pesquisa é baseada em estimativas de emissões de consumo de combustíveis fósseis, ou seja, emissões consumidas dentro de um país, incluindo emissões incorporadas em importações e excluindo emissões incorporadas em exportações. As emissões de consumo nacional foram divididas entre famílias individuais com base nos conjuntos de dados de distribuição de renda mais recentes e uma relação funcional entre emissões e renda. Isso pressupõe, com base em numerosos estudos, que as emissões aumentam proporcionalmente à receita acima de um piso mínimo de emissões e até um teto máximo de emissões. As estimativas de emissões de consumo doméstico nacional – para 117 países de 1990 a 2015 – são então classificadas em uma distribuição global de acordo com a renda. Mais detalhes sobre a metodologia estão disponíveis no relatório de pesquisa.

O Stockholm Environment Institute é uma organização internacional sem fins lucrativos de pesquisa e política que lida com os desafios ambientais e de desenvolvimento.

Informações de Contato

Para mais informações ou para organizar entrevistas Anna Ratcliff, anna.ratcliff@oxfam.org / +447796993288

 

Poluidores ricos

Relatório da Oxfam: Os ricos são muito mais prejudiciais ao clima do que os pobres

brinquedos de luxoBrinquedos de luxo e pecado climático. Foto: dpa / Victoria Jones

De acordo com um estudo, o percentual mais rico da população mundial lança na atmosfera mais de duas vezes mais emissões de dióxido de carbono, que prejudicam o clima, do que a metade mais pobre da humanidade. Isso emerge de um relatório que a organização de desenvolvimento Oxfam publicou antes do debate geral da 75ª Assembleia Geral da ONU em Nova York, que começou na terça-feira. A Oxfam pediu que os ricos reduzam seu consumo de CO2, invistam mais em infraestrutura pública e reconstruam a economia de maneira favorável ao clima.

O relatório enfoca os anos de 1990 a 2015, que são importantes para a política climática e nos quais as emissões dobraram em todo o mundo. Os dez por cento mais ricos (630 milhões) foram responsáveis ​​por mais da metade (52 por cento) das emissões de CO2 durante este tempo, informou a Oxfam. O percentual mais rico (63 milhões) sozinho consumiu 15%, enquanto a metade mais pobre da população mundial era responsável por apenas 7%.

As consequências catastróficas da crise climática já se fazem sentir em muitos lugares. “Responsável por isso é uma política que se concentra em incentivos ao consumo, promete crescimento contínuo e divide economicamente o mundo em vencedores e perdedores”, disse Ellen Ehmke, especialista em desigualdade social da Oxfam Alemanha. “Os mais pobres pagam o preço pelo frenesi de consumo de uma minoria rica.”

Na Alemanha, de acordo com a Oxfam, os dez por cento mais ricos ou 8,3 milhões de pessoas são responsáveis ​​por 26 por cento das emissões alemãs de CO2 no período examinado. Com 41,5 milhões de pessoas, a metade mais pobre da população alemã, cinco vezes maior, consumia apenas um pouco mais a 29%. Uma alavanca na luta contra as mudanças climáticas é o tráfego, especialmente o tráfego aéreo. A Oxfam é particularmente crítica em relação aos SUVs urbanos, que foram o segundo maior gerador de emissões entre 2010 e 2018.

“Temos que resolver juntos as crises de clima e desigualdade”, disse Ehmke. As emissões excessivas de CO2 dos mais ricos são às custas de todos e devem ser restringidas. “Impostos para SUVs que prejudicam o clima e voos frequentes seriam um primeiro passo.” Dpa / nd

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pela Neues Deutschland [Aqui!].

OXFAM mostra que desigualdade entre ricos e pobres explodiu em nível global

Bilionários acumulam mais riqueza do 4,6 bilhões de pessoas

relatório oxfamOs 22 homens mais ricos do mundo têm mais riqueza do que todas as mulheres na África

A organização não-governamental OXFAM com sede na Inglaterra lançou hoje o seu relatório anual que mostra que a desigualdade global entre ricos e pobres está “fora de controle” por causa de sistemas econômicos tendenciosos que excluem muitas mulheres e permitem que bilionários acumulem enormes fortunas que pouco fazem para a sociedade, segundo a Oxfam International.

A liberação do relatório anual da Oxfam ocorre antes da abertura do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que a cada ano reúne  as pessoas mais ricas e influentes do mundo. As principais conclusões do relatório da OXFAM são:

  • Os 2.153 bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas.
  • Os 22 homens mais ricos do mundo têm mais riqueza do que todas as mulheres na África. 
  • O 1% mais rico do mundo possui mais do que o dobro da riqueza de 6,9 ​​bilhões de pessoas.
  • O valor do trabalho não remunerado realizado por mulheres com 15 anos ou mais é de  cerca de R$ 40 trilhões por ano.
  • O número de bilionários dobrou na última década.

O relatório de 63 páginas argumenta que os líderes mundiais não estão fazendo o suficiente para resolver o crescente fosso entre os pobres e os ricos. O foco deste ano são as políticas que permitem que os homens dominem as principais fileiras de empresas e governo.  O relatório argumenta que a desigualdade econômica é construída sobre a desigualdade de gênero.

desigualdade renda

Alguns números da profunda desigualdade entre ricos e pobres

Além disso, O relatório mostra que os governos estão sobrecarregando maciçamente os indivíduos e as empresas mais ricas e não conseguem arrecadar receitas que poderiam ajudar a elevar a responsabilidade do cuidado das mulheres e combater a pobreza e a desigualdade.
 
Ao mesmo tempo, o relatório aponta que os governos estão subfinanciando serviços públicos e infraestrutura vitais que poderiam ajudar a reduzir a carga de trabalho de mulheres e meninas.  Um exemplo dessa situação seria a falta de investimentos em água e saneamento, eletricidade, assistência infantil, assistência médica que poderiam liberar o tempo das mulheres e melhorar sua qualidade de vida.  

Quem desejar baixar o relatório da OXFAM, basta clicar [Aqui!].

Capitalismo, um sistema econômico que vai bem para 1% da Humanidade

Privilégio e o poder na economia geram extrema desigualdade e como isso pode ser interrompido

tondo

Favela de Tondo localizada em Manila, capital das Filipinas.

Às vesperas do início do Fórum Econômico de Davos na Suiça, a organização governamental OXFAM publicou na última 6a. feira (18/01) um documento mostrando que crise global de desigualdade está chegando a novos extremos.  Segundo o documento da OXFAM, os 1% das pessoas mais ricas  do mundo agora têm mais riqueza do que o resto do mundo combinado. Além disso, poder e privilégio estão sendo usados ​​para distorcer o sistema econômico para aumentar ainda mais a distância entre os mais ricos e os demais.

Segundo a OXFAM, uma rede global de paraísos fiscais permite que os indivíduos mais ricos escondam cerca de US$ 7,6 trilhões.

A OXFAM afirma que luta contra a pobreza não será vencida até que a crise da desigualdade seja combatida.

A OXFAM calculou ainda que:

• Em 2015, apenas 62 indivíduos detinham a mesma riqueza que 3,6 bilhões
de pessoas – a metade mais afetada pela pobreza da humanidade. Esse
número representa uma queda em relação aos 388 indivíduos que se
enquadravam nessa categoria há bem pouco tempo, em 2010.
• A riqueza das 62 pessoas mais ricas do mundo aumentou em 44% nos cinco
anos decorridos desde 2010 – o que representa um aumento de mais de
meio trilhão de dólares (US$ 542 bilhões) nessa riqueza, que saltou para
US$ 1,76 trilhão.
• Ao mesmo tempo, a riqueza da metade mais pobre caiu em pouco mais de
um trilhão de dólares no mesmo período – uma queda de 41%.
• Desde a virada do século, a metade da população mundial mais afetada pela
pobreza ficou com apenas 1% do aumento total da riqueza global, enquanto
metade desse aumento beneficiou a camada mais rica de 1% da população.
• O rendimento médio anual dos 10% da população mundial mais pobres no
mundo aumentou menos de US$ 3 em quase um quarto de século, e a 
renda diária deste segmento aumentou menos de um centavo a cada ano.

Enquanto isso, no Brasil que já possui uma das piores distribuições da riqueza do planeta, a fala é retirar o pouco de direitos que os mais pobres conseguiram arrancar depois de muita luta e sofrimento. Tudo isso para aumentar ainda mais a riqueza detida pela1% que se beneficia da forma de funcionar da sociedade capitalista.

Quem desejar saber mais sobre este estudo da OXFAM, basta clicar [Aqui!]

Oxfam: 1% mais rico vai possuir mais que o resto do mundo até 2016

Bay Ismoyo/AFP

Funcionário conta notas de dólar na Indonésia

Funcionário conta notas de dólar na Indonésia: índice de preços da produção aumentou apenas 0,1% em relação ao mês anterior

Londres – Mais da metade da riqueza do mundo vai estar nas mãos de apenas um por cento da população no ano que vem devido à crescente desigualdade, disse nesta segunda-feira a Oxfam, organização de combate à pobreza.

Em relatório divulgado antes da reunião anual da elite mundial em Davos, na Suíça, a Oxfam disse que os mais privilegiados viram sua fatia de riqueza aumentar de 44 por cento em 2009 para 48 por cento em 2014.

Na tendência atual, a taxa vai superar 50 por cento em 2016. A diretora-executiva da entidade, Winnie Byanyima, que é também uma das mediadoras em painéis do Fórum Econômico Mundial, em Davos, disse que uma explosão na desigualdade está retardando a luta contra a pobreza.

“Queremos realmente viver em um mundo onde um por cento é dono de mais do que o resto de nós combinado?”, questionou ela nesta segunda. “Manter os negócios como de costume para a elite não é uma opção sem custos. O fracasso em lidar com a desigualdade vai atrasar a luta contra a pobreza em décadas.

Os pobres são atingidos duas vezes com a desigualdade crescente –eles recebem uma fatia menor do bolo econômico e, porque a extrema desigualdade prejudica o crescimento, há um bolo menor para ser compartilhado.”

A Oxfam disse que iria pedir durante o encontro em Davos, com início marcado para quarta, que sejam tomadas atitudes para se lidar com a desigualdade crescente, incluindo a repressão contra a evasão fiscal por corporações e o avanço em direção a um acordo global sobre as mudanças climáticas.

Os 80 indivíduos mais ricos do mundo possuem a mesma riqueza do que 50 por cento de toda a população mais pobre do planeta, cerca de 3,5 bilhões de pessoas, disse a Oxfam.

Essa resultado é ainda maior do que a concentração registrada há um ano, quando metade da riqueza do mundo estava nas mãos dos 85 mais ricos.

Os integrantes do 1 por cento mais ricos possuíam em média uma riqueza de 2,7 milhões de dólares por adulto, disse a Oxfam.

O grosso da riqueza restante do mundo encontra-se nas mãos dos 20 por cento mais ricos, enquanto os 80 por cento restantes da população compartilham 5,5 por cento do bolo, com uma riqueza média de 3.851 dólares por adulto, disse a entidade.

Para compilar sua pesquisa, a Oxfam usou dados dos anuários sobre patrimônio mundial do banco Credit Suisse referentes aos anos 2013 e 2014, assim como a lista de bilionários da revista Forbes.

FONTE: http://exame.abril.com.br/economia/noticias/1-mais-rico-vai-possuir-mais-que-o-resto-do-mundo-ate-2016

Grupo dos 85 mais ricos do mundo tem riqueza igual à dos 3,5 bilhões mais pobres

yacht-landscape-billion-oxfam

Segundo Oxfam International, bilionários acumulam fortuna de US$ 1,7 trilhão. Às vésperas do Fórum Econômico, entidade alerta para luta contra desigualdade

RIO – O pequeno grupo das 85 pessoas mais ricas do mundo concentra a mesma riqueza que os 3,5 bilhões mais pobre do planeta, revelou nesta segunda-feira uma pesquisa da organização Oxfam International. O estudo foi divulgado às vésperas do Fórum Econômico Mundial e tem como objetivo estimular o debate sobre a desigualdade social no encontro, que ocorre a partir de quarta-feira em Davos, na Suíça.

De acordo com o relatório, o grupo de super-ricos acumula fortuna de US$ 1,7 trilhão. A entidade afirma ainda que 1% da população mundial detém quase metade da riqueza mundial: US$ 110 trilhões.

Para a Oxfam, dedicada ao combate à pobreza, o alto nível de desigualdade está relacionado à concentração de poder, que garante mais oportunidades aos mais favorecidos. A entidade cita pesquisas realizadas em seis países, inclusive o Brasil, que mostram que a maioria das pessoas acredita que as leis são distorcidas em favor dos mais ricos. Segundo o estudo, paraísos fiscais, práticas anticompetitivas e baixo investimento em serviços públicos estão entre os fatores que dificultaram uma melhor distribuição de oportunidades.

“Esta captura de oportunidades pelos ricos às custas dos pobres e da classe média ajudou a criar uma situação onde sete de dez pessoas no mundo vivem em países onde a desigualdade aumentou desde os anos 80”, afirmou a Oxfam.

Para o diretor da organização, Winnie Byanyima, que estará em Davos, a luta contra a pobreza está relacionada ao combate à desigualdade.

– O aumento da desigualdade está criando um círculo vicioso onde riqueza e poder estão cada vez mais concentrados nas mãos de poucos, deixando o resto de nós lutando por migalhas que caem da mesa – afirmou Byayima.

FONTE:  http://oglobo.globo.com/economia/grupo-dos-85-mais-ricos-do-mundo-tem-riqueza-igual-dos-35-bilhoes-mais-pobres-11355568#ixzz2rDW2jGmn