A agricultura dos EUA é 48 vezes mais tóxica do que há 25 anos. A culpa é dos neonicotinóides

Um novo estudo mostra que a classe de inseticidas chamada neonicotinóides representa uma ameaça significativa aos insetos, ao solo e à água.

4869“Os neonicotinóides não são apenas consideravelmente mais tóxicos para insetos do que outros inseticidas, são muito mais persistentes no meio ambiente”. Fotografia: Alamy Foto 

*Por Kendra Klein e Anna Lappé para o “The Guardian”

Há mais de 50 anos, Rachel Carson alertou para uma “primavera silenciosa”, as canções de robins e tordos de madeira silenciados por agrotóxicos altamente tóxicos como o DDT. Hoje, há um novo espectro de agrotóxicos: uma classe de inseticidas chamados neonicotinóides. Durante anos, os cientistas têm alertado sobre esses matadores de insetos, mas um novo estudo revela um quadro mais completo da ameaça que representam para a vida dos insetos.

Comercializados pela primeira vez na década de 1990, os neonicotinóides, ou neonics, são os inseticidas mais utilizados no mundo. Eles são usados ​​em mais de 140 colheitas, de maçãs e amêndoas a espinafre e arroz. Quimicamente semelhantes à nicotina, eles matam insetos atacando suas células nervosas.

O Neonics foi lançado como uma resposta à crescente resistência das pragas aos inseticidas reinantes. Mas, em um esforço para matar as pragas de forma mais eficaz, criamos uma explosão na toxicidade da agricultura não apenas para insetos indesejados, mas também para as abelhas, joaninhas, besouros e a vasta abundância de outros insetos que sustentam a vida na Terra.

O que sabemos agora é que os neonics não são apenas consideravelmente mais tóxicos aos insetos do que outros inseticidas, são muito mais persistentes no meio ambiente. Enquanto outros quebram dentro de horas ou dias, neonics pode permanecer em solos, plantas e cursos d’água por meses ou anos, matando insetos por muito tempo depois que eles são aplicados e criando uma carga tóxica composta.

Um novo estudo, publicado na revista científica PLOS One, projetou uma maneira de quantificar essa persistência e combiná-la com dados sobre a toxicidade e os quilos totais usados de neonics e outros inseticidas. Pela primeira vez, temos um lapso de tempo de impacto: podemos comparar as mudanças ano a ano na toxicidade da agricultura dos EUA para insetos. Os resultados? Desde que o neonics foram introduzidos pela primeira vez há 25 anos, a agricultura dos EUA tornou-se 48 vezes mais tóxica para a vida dos insetos, estes agrotóxicos são responsáveis por 92% desse aumento na toxicidade

Olhando para esse lapso de tempo tóxico, outro detalhe interessante emerge: há um aumento dramático na carga tóxica da agricultura dos EUA para insetos a partir de meados dos anos 2000. Foi quando os apicultores começaram a relatar perdas significativas de suas colmeias. Foi também quando as empresas de pesticidas que fabricam os agrotóxicos neonics , a Bayer e a Syngenta, encontraram um novo uso lucrativo para essas substâncias químicas: o revestimento de sementes de culturas como milho e soja, cultivadas em milhões de hectares em todo o país. Atualmente, esses revestimentos de sementes respondem pela grande maioria do uso de neonics nos EUA.

Os neonics são “sistêmicos”, o que significa que são solúveis em água e, portanto, absorvidos pela própria planta, tornando seu néctar, pólen e frutas – tudo isso – tóxico. Apenas cerca de 5% do revestimento de sementes é absorvido pela planta, o restante fica no solo e pode acabar em rios, lagos e água potável com o escoamento causando danos à vida selvagem e, como mostram evidências emergentes, para as pessoas.

Este estudo vem na esteira da primeira análise das populações globais de insetos, que encontraram 40% das espécies em extinção, com perda quase total de insetos até o final do século, impulsionada em parte por agrotóxicos neonics , uma preocupação particular.

Por todo esse dano, os agricultores recebem poucos benefícios, se é que existem, dos revestimentos de sementes baseados em neonics . De acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, eles fornecem “pouco ou nenhum benefício geral à produção de soja”, embora quase metade das sementes de soja nos EUA sejam tratadas com este tipo de agrotóxico. Análises semelhantes encontraram o mesmo para o milho, mas até 100% das sementes de milho dos EUA são tratadas com neonics .

Todo esse risco sem recompensa levou alguns reguladores a agir. A União Européia votou pela proibição dos piores neonics em 2018. Mas o governo dos EUA até agora não conseguiu agir. O lobby das empresas químicas pode explicar grande parte dessa inação. A Bayer, fabricante do neonic mais utilizado, gastou cerca de US $ 4,3 milhões fazendo lobby nos EUA em nome de sua divisão agrícola em 2017.

Não apenas a EPA paralisou a revisão científica dos neonics , no ano passado, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem reverteu uma proibição da era Obama ao uso desses perigosos inseticidas em refúgios de vida silvestre. O Congresso poderia mudar isso. O ato democrático do deputado Earl Blumenauer, de Saving America’s Pollinators, proibiria os neonics e outros inseticidas sistêmicos, tóxicos para polinizadores. O projeto tem 56 co-patrocinadores, mas enfrenta um grande obstáculo no comitê agrícola da Câmara, já que o representante do presidente, Collin Peterson, democrata de Minnesota, conta com a Bayer e a associação de comércio da indústria de pesticidas, Croplife America, entre seus principais contribuintes financeiros.

Além de uma proibição, precisamos de um esforço concertado para fazer a transição da agricultura dos EUA para longe da dependência de agrotóxicos e para métodos ecológicos de controle de pragas. Nós já sabemos como fazer isso. Pesquisas mostram que fazendas orgânicas suportam até 50% mais espécies polinizadoras e ajudam outros insetos benéficos a florescer. E ao eliminar os neonics e cerca de 900 outros ingredientes ativos de agrotóxicos, eles também protegem a saúde humana.

Mais de cinco décadas atrás, Rachel Carson advertiu que a guerra que estamos travando contra a natureza com agrotóxicos é inevitavelmente uma guerra contra nós mesmos. Isso é tão verdadeiro hoje como era então. Para o bem dos pássaros e das abelhas – e de todos nós – essa guerra deve terminar.

*Kendra Klein, PhD, é cientista sênior da equipe Friends of the Earth US, e Anna Lappé é a co-fundadora de duas organizações nacionais de alimentos e sustentabilidade e está trabalhando em um livro sobre agrotóxicos e nossos alimentos

____________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Liberação “fast track” de agrotóxicos pelo governo Bolsonaro: a posição da Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação

agrotóxicos aereos

Nota da ABECO sobre a liberação de novos agrotóxicos no Brasil

A Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação – ABECO, por meio do seu Grupo de Trabalho em Políticas Públicas, manifesta extrema preocupação com as autorizações expedidas pelos órgãos competentes da Administração Pública Federal de novos produtos com ingredientes ativos de reconhecida toxicidade em humanos e no meio ambiente para emprego na agricultura e residências.

Não se trata apenas da autorização de produtos novos no mercado, mas também de novos usos. Como exemplos, incluem-se formulações de Fipronil, Imazetapir (Imazethapyr), Sulfentrazone, Acefato (Acephate), Atrazina (Atrazine), Carbendazim e Lactofen, Todos desses ingredientes ativos – em razão de sua alta toxicidade e/ou longa persistência no ambiente – tiveram seu uso banido em outros países, especialmente os da União Europeia. Essa ampliação das possibilidades de uso, além de aumentar o risco de intoxicações graves em trabalhadores e consumidores dos produtos no Brasil, ameaçam nossa biodiversidade. Podem ainda afetar negativamente a economia caso exportações brasileiras sejam prejudicadas por terem sido encontrados resíduos de tais agrotóxicos em produtos comercializados no exterior.

Os meios de tratamento de água para consumo humano convencionais disponíveis não são adequados para remover os resíduos desses agrotóxicos que atingem os cursos de água e aquíferos. Não por acaso, dados recentes mostram que parcela significativa dos municípios brasileiros são abastecidos por águas contaminadas por agrotóxicos com potencial de danos à saúde e promoção de doenças crônicas. Essa associação de fatos sobrecarrega ainda mais os serviços de saúde e a seguridade social em longo prazo, socializando perdas econômicas e com potencial de comprometimento da qualidade de vida em diferentes segmentos da sociedade brasileira.

Finalmente, mas não menos importante, o Brasil tem experimentado diminuições expressivas na abundância de insetos polinizadores em algumas regiões. A perda de polinizadores em áreas agrícolas não é somente na biodiversidade, mas compromete a produtividade de cultivos com consequências econômicas negativas, pois tais insetos, como abelhas (mas não apenas estas), respondem pela polinização de cultivos, desde frutas até grãos.  É sabido que alguns agrotóxicos liberados e outros já disponíveis no mercado, como o Sulfoxaflor, causam danos em abelhas e outros insetos e têm tido a licença de uso revista ou liberada com restrições em outros países.

Para proteger o bem-estar da sociedade, a economia e a biodiversidade brasileira, solicitamos que os Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Meio-Ambiente, e da Saúde por meio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária promovam a revisão dessas autorizações de uso de agrotóxicos, bem como garantam os instrumentos de controle, que incluem o monitoramento dos agrotóxicos em uso, a ampliação do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA), o fortalecimento do Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Vigiagua), e a implementação de ações de efetiva proteção dos corpos d’água da contaminação por agrotóxicos.

______________________________________________________

Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação (ABECO)

ANEXO

Abaixo listamos alguns artigos científicos que atestam os efeitos danosos desses agrotóxicos em organismos e a importância da biodiversidade para prover serviços ambientais sustentáveis e economicamente viáveis para nossa sociedade. Estes artigos podem ser acessados nos links indicados:

Efeitos genotóxicos e mutagênicos da atrazina, inclusive em humanos, e feminilização de machos de anfíbios:

Brusick et al. 1994. An assessment of the genetic toxicity of atrazine: Relevance to human health and environmental effects. Mutation Research/Reviews in Genetic Toxicology 317: 133-144. https://doi.org/10.1016/0165-1110(94)90021-3

Rimayi et al. 2018. Effects of environmentally relevant sub-chronic atrazine concentrations on African clawed frog (Xenopus laevis) survival, growth and male gonad development. Aquatic Toxicology 199: 1-11. https://doi.org/10.1016/j.aquatox.2018.03.028

Efeitos do acefato no sistema nervoso central e no sistema urinário:

Farag et al. 2000. Developmental toxicity of acephate by gavage in mice. Reproductive Toxicology 14: 241-245. https://doi.org/10.1016/S0890-6238(00)00074-5

Poovala et al. 1998. Role of oxidant stress and antioxidant protection in Acephate-induced renal tubular cytotoxicity. Toxicological Sciences 43: 403-409. https://doi.org/10.1093/toxsci/46.2.403

Alguns efeitos do Fipronil e seus compostos secundários:

Hainzl et al. 1998. Mechanisms for selective toxicity of Fipronil insecticide and its Sulfone metabolite and Desulfinyl photoproduct. Chemical Research in Toxicology 11: 1529-1535. https://pubs.acs.org/doi/abs/10.1021/tx980157t

Key et al. 2003. Toxicity of the insecticides Fipronil and Endosulfan to selected life stages of the Grass shrimp (Palaemonetes pugio). Bulletin of Environmental Contamination and Toxicology 70: 533-540. https://doi.org/10.1007/s00128-003-0019-z         

Efeitos genotóxicos de Imazetapir:

Pérez-Iglesias et al. 2015. Toxic and genotoxic effects of the imazethapyr-based herbicide formulation Pivot H® on montevideo tree frog Hypsiboas pulchellus tadpoles (Anura, Hylidae). Ecotoxicology and Environmental Safety 119: 15-24. https://doi.org/10.1016/j.ecoenv.2015.04.045

Efeitos de Carbendazim:

Singh et al. 2016. Toxicity, monitoring and biodegradation of the fungicide carbendazim. Environmental Chemistry Letters 14: 317-329. https://doi.org/10.1007/s10311-016-0566-2

Importância da biodiversidade na provisão de serviços ecossistêmicos:

Joly A. et al. 2018. 1o Diagnóstico Brasileiro e Sumário para Tomadores de Decisão – Biodiversidade e Serviços ecossistêmicos. Plataforma brasileira de biodiversidade e serviços ecossistêmicos (BPBPES), Campinas, SP. Disponível em: https://www.bpbes.net.br/produtos/

Importância de polinizadores na produção de alimentos:

BPBES/REBIPP (2019): Relatório temático sobre Polinização, Polinizadores e Produção de Alimentos no Brasil. Marina Wolowski et al. Maíra C. G. Padgurschi (Org.). 1ª edição, SãoCarlos, SP: Editora Cubo. 184 páginas. Disponível em: https://www.bpbes.net.br/wp-content/uploads/2019/02/BPBES_Completov5.pdf

___________________

Esta nota foi inicialmente publicada pela Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação – ABECO [Aqui!]

Agrotóxicos neonicotinóides estão eliminando polinizadores chaves na agricultura mundial

Pesticidas estariam colocando em risco a produção de alimentos

Pesquisadores analisaram mais de 800 estudos realizados nas últimas duas décadas e concluíram que há evidências claras de que pesticidas amplamente utilizados são danosos para espécies polinizadoras, essenciais para a agricultura.

A reportagem é de Fabiano Ávila, publicada pelo Instituto Carbono Brasil, 24-06-2014.

O impacto dos pesticidas sobre os ecossistemas já é estudado há muito tempo, e não são raros os trabalhos científicos que alertam que alguns tipos de químicos são prejudiciais para a saúde humana e animal. Porém, nunca antes um grupo de pesquisadores transmitiu tão forte a mensagem de que o uso de pesticidas está colocando em risco a produção agrícola ao acabar com espécies essenciais para a produção de alimentos.

“A evidência é clara. Estamos testemunhando uma ameaça à produtividade de nossa agricultura e ao meio ambiente equivalente à que foi provocada pelos organofosfatos – DDT. Muito longe de proteger a produção de alimentos, o uso de neocotinoides e do fipronil está ameaçando a própria estrutura que mantém a agricultura, matando polinizadores e outras espécies essenciais”, afirmou Jean-Marc Bonmatin, do Centro Nacional para Pesquisas Científicas da França, um dos autores da análise.

Bonmatin e outros 28 pesquisadores de diversas partes do mundo avaliaram mais de 800 estudos publicados nas últimas duas décadas para buscar entender qual é a visão da comunidade científica sobre o uso de alguns dos pesticidas mais populares mundialmente.

O que observaram é que existem poucas dúvidas de que os neocotinoides e o fipronil são prejudiciais para uma vasta quantidade de espécies, entre elas abelhas, borboletas, alguns tipos de minhocas e pássaros.

Entre os problemas que esses pesticidas causam nos animais estão: perda do olfato e de memória; redução da fecundidade; alteração no padrão alimentar e no senso de direção. Nas abelhas, ainda provocam dificuldades de voo e aumentam a vulnerabilidade a doenças.

“Quando os primeiros estudos apareceram sobre o tema, houve uma forte reação da indústria química e dos próprios agricultores. Assim, o assunto ficou esquecido por muito tempo. Hoje estamos vendo uma situação semelhante aos anos 1950, quando utilizávamos químicos na agricultura que eram terrivelmente nocivos”, reforçou Dave Goulson, daUniversidade de Sussex.

A estimativa mais recente aponta que os agricultores gastam anualmente mais de US$ 2,6 bilhões em neocotinoides.

Para piorar, segundo os pesquisadores, as doses utilizadas desses pesticidas e a sua potência têm sido aumentadas com o passar dos anos, já que as pestes ficam cada vez mais resistentes.

“É semelhante ao que vemos quando um ser humano abusa dos antibióticos para evitar ficar doente: quanto mais se usa, mais resistentes as bactérias ficam. É uma loucura o que estamos fazendo, utilizando esses pesticidas como profiláticos”, disse Goulson.

A análise, intitulada Worldwide Integrated Assessment on Systemic Pesticides – algo como Análise Global Integrada sobre Pesticidas Sistêmicos, será publicada nos próximos dias no periódico Environmental Science and Pollution Research.

FONTE: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/532653-pesticidas-estariam-colocando-em-risco-a-producao-de-alimentos