A saga de luta dos agricultores do V Distrito e as meias verdades que persistem

desaprop

A imagem abaixo é da matéria assinada pela jornalista Juliana Castro para edição impressa de hoje de “O GLOBO” e que possui uma versão mais longa no seu portal online (Aqui!).

juliana

Essa é uma matéria típica do estilo de dar o direito de todos os atores envolvidos se pronunciarem, o que acaba sendo criando uma desvantagem para os que não possuem o poder de comprar seus próprios espaços de mídia, como é o caso dos agricultores que tiveram suas terras tomadas pelo (des) governo Cabral que as entregou de mãos beijadas para o ex-bilionário Eike Batista que, por sua vez, as repassou de mãos ainda mais beijadas para o fundo de “private equity” EIG Global Partners que hoje detém o controle do Porto do Açu. E, assim, é muito fácil ter lucro, não é?

Aliás, a EIG Global Partners, por meio de sua fachada nacional, a Prumo Logística Global, repete neste matéria a mesma cantilena de que o problema das desapropriações é com o (des) governo do Rio de Janeiro e com a justiça, esquecendo que as terras estão sob seu controle e que parte delas já lhe rende lucros milionários.

Mas eu quero ressaltar, coisa que a matéria do “O GLOBO” acaba não fazendo, é a capacidade de resistência dos agricultores do V Distrito  como o Sr. Reinaldo Toledo que enfrentaram e enfrentam forças extremamente poderosas e continuam resistindo para permanecer na terra para ali produzir alimentos que irão matar a fome de muita gente.

Como a jornalista Juliana Castro citou em sua matéria um fato que o Sr. Reinaldo Toledo repete à exaustão, e que é realmente verdade, aproveito e coloco abaixo uma pequena entrevista que gravei com ele em 2012 sobre o tal “papelzinho” que um técnico entregou a ele no dia em que sua propriedade foi desapropriada.

 

Vozes do Açu (2): o inusitado caso do Sr. Reinaldo Toledo

Reinaldo almeida Açu

Dando continuidade aos depoimentos dos agricultores desapropriados pela Codin no V Distrito de São João Barra, colhi também hoje o depoimento do Sr. Reinaldo Toledo de Almeida que nasceu, viveu e sempre trabalhou na localidade de Água Preta. O depoimento do Sr. Reinaldo Toledo beira o bizarro, mas reflete fielmente a experiência que ele vem vivendo após ter sua pequena propriedade desapropriada pela CODIN para entregar sua terra para o Grupo EBX.

Mas se estranharem a narrativa do pequeno pedaço de papel que um funcionário da CODIN entregou como prova da realização da desapropriação de sua propriedade, eu posso afiançar que esse caso já se tornou um clássico em meio às centenas de desapropriações que esse órgão realizou em São João da da Barra.