A crise da água está instalada no Brasil. E tudo indica que ela poderá alcançar proporções épicas

A edição deste sábado (30/07) o jornal Tribuna do Cricaré traz uma interessante matéria sobre as redes de solidariedade que foram formadas na cidade de São Mateus para garantir que a maioria de sua população não dependa da água salobra que está sendo fornecida pela empresa municipal de águas e esgotos, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) (ver imagem abaixo).

são mateus

A 4.145 km de distância de São Mateus, a cidade de Rio de Branco, capital do estado do Acre, vivencia os efeitos da maior seca da história do Rio Acre. Isto já resultou na decretação de um estado de emergência e a ameaça de racionamento no fornecimento de água por parte da população de Rio Branco (Aqui!

À esquerda, o principal ponto de captação no Rio Acre. À direita uma visão aérea da calha do rio, mostrando os efeitos da diminuição da sua carga hídrica.

A pergunta que se segue a estes dois casos é a seguinte: em quantas cidades brasileiras, inclusive capitais, temos este cenário de comprometiment ono fornecimento de água, seja por falta ou por algum tipo de contaminação? A inexistência de um esforço concentrado a partir das diferentes esferas de governo torna difícil obter uma resposta confiável. Mas a minha hipótese é de que o cenário é mais comum do que o indicado pelo senso comum vigente. Tanto isso é verdade que no estado de São Paulo estamos vendo o planejamento de diversas obras para garantir o abastecimento na região metropolitana da sua capital.

Por outro lado, mudanças como a realizada no Código Florestal que aumentaram a permissividade para a remoção da cobertura florestal,  bem como a permissão para a instalação de diversos minerodutos que consumem grandes de água em sua operação. ao mesmo tempo, os órgãos ambientais e a própria legislação que eles deveriam proteger estão sofrendo um processo de precarização, em nome de um modelo mais célere de crescimento econômico. A combinação desses fatores aponta para a possibilidade de que tenhamos em breve a ocorrência de uma crise hídrica de proporções épicas no Brasil.

O mais lamentável disso tudo é que ela ocorre não por causas naturais, mas principalmente como resultado de uma decisão racional de ignorar que determinados usos e práticas contribuem para o esgotamento dos corpos hídricos dos quais necessitamos para abastercer nossas cidades.