Novo título verde da Amaggi levanta questões sobre compromisso com o fim do desmatamento

amaggi

O trader de commodities brasileiro Grupo Amaggi lançou recentemente um título verde para expandir sua presença no mercado de soja do país. O título verde de US $ 750 milhões da empresa alocará dois terços dos recursos para novos esquemas, como iniciativas de energia limpa, e o restante para refinanciar dívidas para projetos que incluem a compra e processamento de soja certificada. O Grupo Amaggi, de propriedade privada, é um grande exportador de soja do Brasil. Seu CEO é Blairo Maggi, ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do ex-presidente Michel Temer. Os críticos dizem que suas ações como empresário e funcionário do governo levaram à perda generalizada de florestas no Brasil.

Embora o título verde seja um sinal de progresso na construção de políticas que levem à sustentabilidade ambiental, a Amaggi ainda não concordou com uma data limite de 2020 para o desmatamento no Cerrado. No final do ano passado, os signatários do Manifesto do  Cerrado , que inclui 160 empresas e investidores que têm exposição ao mercado de soja, pediram aos principais comerciantes de soja que concordassem com a data limite de 2020 para a compra de soja no bioma Cerrado. Os investidores e as empresas também pressionaram os comerciantes a implementarem um sistema vigoroso de rastreabilidade e monitoramento, baseado nos   princípios da Accountability Framework Initiative (AFI), para mostrar a aderência à data limite.

Ao não concordar com uma data limite, a Amaggi corre o risco de ver reduzido o interesse dos investidores em seu título verde recém-lançado. A Amaggi tem o compromisso de desmatamento zero, mas não cobre o desmatamento legal e seu sistema de implementação é considerado insuficiente para mitigar totalmente os riscos. A Amaggi, que comercializa por conta própria e como parte de joint ventures como Amaggi LD (uma JV com Louis Dreyfus e Zen-Noh), é uma grande compradora de soja dos desmatadores SLC Agrícola e BrasilAgro. Durante o verão de 2020, a Amaggi viu 4.203 incêndios em suas regiões de abastecimento, um ligeiro aumento em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com a Chain Reaction Research.

As ONGs e os investidores provavelmente questionarão o quanto a empresa melhorará sua sustentabilidade com este novo título verde e se ela se comprometerá a estar totalmente livre do desmatamento. Finnwatch, uma ONG finlandesadivulgou um relatório no final de janeiro alertando sobre a exposição ao risco de desmatamento para investidores e empresas na Escandinávia que fazem negócios com Denofa , uma exportadora de soja de propriedade da Amaggi, observando a falta de eficácia geral em conter o desmatamento no Brasil . Outros comerciantes viram reações de compradores devido a preocupações com o desmatamento. A Nestlé cortou as compras da Cargill em 2019, enquanto a Grieg Seafood disse no ano passado, que não usaria os recursos de seu título verde para comprar soja da Cargill. Os fornecedores brasileiros de soja para a indústria de salmão, CJ Selecta, Caramuru e Imcopa,  anunciaram  compromissos com a data limite de agosto de 2020 para evitar que o desmatamento entre em suas cadeias de abastecimento, pressionando os principais comerciantes do Brasil – Amaggi, LDC, ADM , Bunge, Cargill, Viterra e COFCO.

Como as políticas atuais de desmatamento dos principais comerciantes de soja podem ser insuficientes para mitigar totalmente o risco de desmatamento, eles podem enfrentar risco de receita, risco de financiamento e risco de reputação. A probabilidade de regulamentações e leis mais rígidas no Reino Unido e na UE pode trazer riscos de acesso ao mercado para os comerciantes. A possibilidade do acordo comercial UE-Mercosul desmoronar por  questões climáticas pode exacerbar os riscos. Dada a influência dos comerciantes no mercado, eles têm sido alvo de campanhas de ONGs, investidores ativistas e empresas de bens de consumo. Com os comerciantes altamente ativos no Cerrado e seus volumes de exportação de soja aumentando, um acordo com uma data limite para 2020 poderia trazer mudanças em grande escala e enviar fortes sinais aos fornecedores para interromper o desmatamento. Até que isso aconteça, os críticos provavelmente olharão para ações como o título verde da Amaggi com suspeita.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês pela Chain Reaction Research [Aqui!].