Tecnologia em tempos de Covid-19

tecnologia covid19

Foto: JOHN SCHNOBRICH / UNSPLASH

Por Eduardo Henrique Diniz para a bori

As tecnologias digitais são elementos centrais do novo normal, decorrente da crise gerada pela pandemia da Covid-19. Em primeiro lugar, porque qualquer reação a essa situação foi e está sendo baseada em informação produzida, armazenada e transmitida em formato digital. Mapeamento de genomas, produção de vacinas, rastreamento de infectados, monitoramento de doentes e distribuição de benefícios emergenciais são exemplos de atividades que dependem de infraestrutura digital sofisticada, capaz de gerenciar com precisão e em tempo real uma enorme quantidade de dados.

Além da linha direta de gestão da crise, as tecnologias digitais também exercem papel central em diversas outras atividades de nossas vidas, como no trabalho, na convivência social e no consumo. Lives, reuniões a distância, aulas remotas, vaquinhas digitais, comemorações virtuais e delivery são hábitos e costumes amplamente disseminados durante a pandemia, quebrando resistências de todos os tipos e que vão gerar impactos profundos no comportamento e no modo de vida de populações dos mais diversos quadrantes do planeta.

Diante de mudanças emergenciais, que aparentemente vão se consolidar como alterações estruturais, aperfeiçoar e democratizar a infraestrutura digital disponível na sociedade tornam-se necessidades reais e urgentes. O discurso a respeito da inclusão digital remodelou-se para o da transformação digital, refletindo uma significativa ampliação do acesso a recursos digitais na sociedade. Entretanto, tal acesso mostrou-se desigual, ratificando a concentração de recursos já existente entre a população. Combater essa desigualdade não é mais apenas uma forma de ajudar os menos favorecidos; passou a ser a única maneira de se construir uma transformação digital de fato.

Os desafios, no entanto, são imensos para o aperfeiçoamento e a democratização da infraestrutura tecnológica para a era pós-Covid-19. Primeiramente, é fundamental termos capacidade de disponibilizar tecnologia de qualidade a uma grande massa de desprovidos, pois o acesso à informação digital também se torna um bem público universal. Em segundo lugar, a vida durante a pandemia mostrou que o acesso à educação de qualidade, outro bem público universal, tem impacto direto no uso profícuo das infraestruturas digitais disponíveis, sendo possível obter ganhos com essa relação. Além disso, se não quisermos nos tornar apenas consumidores de tecnologia desenvolvida por outros, precisamos investir em ciência e tecnologia. Por fim, necessitamos de um ambiente que promova startups de base digital, ampliando o acesso a crédito e criando suporte legal para a emergência de negócios inovadores.

Todavia, não podemos descuidar dos riscos à democracia, à segurança e à privacidade que esse mesmo ambiente digital pode gerar. O aumento de crimes digitais no período da pandemia e as claras ameaças à privacidade, advindas de diversas tecnologias empregadas em vários países para monitorar indivíduos infectados, são sinais desse novo tempo. Somam-se a isso os impactos da digitalização sobre os sistemas democráticos, como os algoritmos que tomam decisões nem sempre de acordo com a natureza essencialmente humana de nossas relações, e as dificuldades de garantir justiça em um ambiente cada vez mais mediado por
canais digitais.

Enfim, consolidar o novo normal imposto pelos avanços digitais apenas iniciados nessa pandemia vai exigir ainda mais foco em conceitos primordiais como democracia, justiça e equidade social.

Sobre esse artigo

Eduardo Henrique Diniz é professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP). Esta análise está na revista “GV Executivo”, edição de agosto de 2020.

Cada rebanho escolhe sua imunidade: Qual será a nossa?

rebanho

Por Marcio Sommer Bittencourt e  Otavio Ranzani para a bori

Depois de meses trancados, estamos exaustos. Quase a desistir, tivemos um possível alento quando disseram que a imunidade de rebanho, também chamada de imunidade coletiva, pode estar mais perto do que imaginávamos. Com o rebanho imune, poderíamos voltar ao normal?

O conceito de imunidade de rebanho é usado em programas de vacinação para definir um valor acima do qual os não vacinados têm proteção indireta levando ao controle da doença, mesmo não sendo possível vacinar a todos. Embora reservado para doenças com vacina efetiva, atingir este limiar foi proposto como possível saída no combate à COVID-19. No início da pandemia alguns autores sugeriram que ao redor de 70% da população seria infectada para termos o rebanho protegido. Com uma estimativa conservadora de letalidade de 0,5%, perderíamos mais de 700 mil vidas no Brasil, algo que poucos considerariam razoável.

Porém estudo recente sugere que a imunidade coletiva ocorreria após 30% a 50% de infectados. Como em algumas cidades temos anticorpos em 20% da população, a luz no fim do túnel estaria mais próxima. Esta redução no limiar é conhecida por quem pesquisa doenças infecciosas, e acontece pois a população é heterogênea. Algumas pessoas têm maior chance de pegar o vírus enquanto outros tem maior capacidade de transmissão. Depois que os mais susceptíveis forem infectados e os que mais transmitem não tiverem tantos contatos próximos susceptíveis, fica mais difícil para o vírus infectar outros indivíduos, atingindo a imunidade coletiva antes que em populações homogêneas.

Infelizmente esta realidade não é tão dourada. Primeiro, poucos lugares do Brasil tem níveis de anticorpos tão altos. A maioria das cidades tem menos de 10% de infectados depois de três meses de pandemia. Mesmo com olhar otimista, nos faltariam 20%. Como já morreram mais de 70 mil brasileiros e brasileiras, perderíamos ainda outros 140 a 280 mil até a imunidade. E vale lembrar que nem certeza temos de que os números são corretos, pois os autores destacam a incerteza dos cálculos por não conhecermos o suficiente a doença. Nem mesmo considerando imunidade celular, que não medimos na população, a ideia de rebanho faria sentido.

Outro argumento de quem vê imunidade de rebanho como saída é a ideia de que ela é um número fixo definido pelo vírus. Sendo imutável, o mesmo número de pessoas irá se infectar e morrer e todo o esforço e custo do distanciamento e mesmo lockdown seriam inúteis. Se perderemos 300 mil brasileiros de qualquer forma, por que ficar em casa? Esta visão determinista da pandemia é tão errada quanto a ideia de que a imunidade de rebanho é definida por um número fixo. Ela é mais complexa, pois depende da taxa de transmissão do vírus, e esta não depende apenas do vírus, mas também de nós. Ela depende de como interagimos entre nós, quantas pessoas encontramos, quanto tempo passamos juntos, a que distancia, se usamos máscaras ou lavamos as mãos com frequência. Mantendo estas medidas de distanciamento físico e bloqueio de transmissão do vírus, a taxa de transmissão se reduz e o efeito de imunidade coletiva chega mais cedo.

Ainda assim, atingir a imunidade de rebanho não significa vencer a guerra. Como ela está ligada à taxa de transmissão, se revertermos as mudanças feitas para conter o vírus, a transmissão volta a subir e os níveis para atingi-la voltam a ficar mais distantes. Por isso, apesar de imaginarmos que lugares com queda importante da transmissão, como Manaus e Rio de Janeiro, já tenham atingido o limiar de rebanho, este pode ser temporário e dependente de um controle estrito das medidas de distanciamento e bloqueio. Uma reabertura descontrolada pode tornar esta imunidade apenas um sonho passageiro e a imunidade coletiva vira mais uma vez um objetivo distante.

A imunidade de rebanho real é uma escolha da sociedade e depende do comportamento de cada um. Se escolhermos a mudança de hábitos persistente, venceremos o vírus com um rebanho com menos vítimas e mais protegido. Se preferirmos deixar tudo à própria sorte, a epidemia não terminará mais cedo, mas custará mais vidas. Cada vez que você escolhe lavar as mãos, usar máscara, ficar mais distante ou sair menos de casa, você escolhe proteger toda a sociedade. No final, com essas ações escolheremos o rebanho em que vivemos, e por consequência escolhemos a nossa imunidade coletiva.

Sobre esse artigo

Marcio Sommer Bittencourt é médico, doutor em Cardiologia pela USP, pesquisador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica do Hospital Universitário da USP e professor da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein.

Otavio Ranzani é médico, doutor em Pneumologia pela USP, e pesquisador na USP e no Instituto de Saúde Global de Barcelona.

fecho

Este artigo foi originalmente publicada pela Agência Bori [Aqui!].

Caatinga sofre degradação crônica mesmo em áreas sem desmatamento

caatinga

Apesar do desmatamento ser uma das maiores ameaças aos ecossistemas brasileiros, a ação humana em áreas não desmatadas também pode trazer impactos ambientais significativos para os diferentes biomas. É o que alertam pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em estudo publicado no dia 6/07 na revista inglesa Journal of Applied Ecology. O estudo revela que a maioria das áreas não desmatadas da Caatinga está potencialmente degradada por causa de ações humanas acumuladas ao longo de décadas ou séculos, o que os estudiosos nomeiam de perturbação antrópica crônica.

Segundo a pesquisadora Marina Antongiovanni, a perturbação antrópica crônica pode ser facilmente observada em campo. “Quando entramos em algumas áreas de caatinga, vemos trilhas e pegadas humanas, estradas de terra, troncos cortados à motosserra, pilhas de madeiras, gado, lixo e muitas outras coisas. Notamos também a ausência de árvores de grande porte e uma fauna depauperada. Em compensação, outras áreas de Caatinga parecem bem conservadas”, comenta a pesquisadora, que atualmente é sub-coordenadora de Meio Ambiente da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) do estado do Rio Grande do Norte.

A pesquisa desenvolveu métodos para estimar o grau de perturbação antrópica crônica para toda a Caatinga, que ocupava originalmente mais de 800 mil km2. Como os pesquisadores não podiam visitar pessoalmente os mais de 47 mil fragmentos de Caatinga que ainda existem, eles resolveram criar um índice matemático de perturbação antrópica crônica baseado em informações disponíveis em banco de dados oficiais, pertencentes ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ao Ministério do Meio Ambiente (MMA) e outros. Entraram nesta avaliação dados como a localização dos fragmentos de Caatinga, a densidade populacional humana, a existência de estradas asfaltadas e de terra batida, de usinas eólicas e de criação de gado bovino, cabras e ovelhas, entre outros.

Os resultados do estudo apontam que o nível e a causa de degradação dos fragmentos de Caatinga variam muito dependendo da região. Os fragmentos da região norte e leste estão mais perturbados do que os da região sul e oeste. No litoral, a Caatinga é muito afetada pelo pastejo do gado bovino, enquanto a região norte, no estado do Ceará, é afetada pelas queimadas. A menor densidade de estradas na região leste ajuda a explicar a existência de grandes áreas de Caatinga ainda intactas no Piauí e na Bahia.

Para os pesquisadores, o estudo lança luz sobre o fato da Caatinga sofrer de um problema crônico de degradação ambiental capaz de reduzir a sua biodiversidade, o que compromete o funcionamento do seu ecossistema. O pesquisador Eduardo Martins Venticinque, da UFRN, ressalta que “os efeitos da degradação ambientam da Caatinga podem levar à extinção de espécies, a alterações de ciclos geomorfológicos e, até mesmo a alterações climáticas, acentuando os períodos de seca e de desertificação de algumas áreas”. As populações que fazem uso destas terras seriam diretamente atingidas.

A revelação de áreas intactas da Caatinga pelo estudo pode ser uma oportunidade para a conservação do bioma, alerta o pesquisador Carlos Roberto Fonseca. “Atualmente sabemos que a Caatinga possui centenas de espécies que não existem em nenhum outro lugar do mundo. Cabe ao Governo Federal e aos Governos Estaduais liderarem iniciativas para proteção de nossa biodiversidade, seja através de práticas de manejo adequados à Caatinga, restauração de seus ecossistemas ou expansão da rede de Unidades de Conservação” – completa o pesquisador.

fecho

Este artigo foi originalmente publicado pela bori [Aqui!]