Intervenção militar no Rio de Janeiro escancara Apartheid brasileiro

apartheid 0

Tendo vivido fora do Brasil por quase uma década eu sempre chocava meus interlocutores quando afirmava que no Brasil exisitia uma forma de apartheid social pior do que aquele que vigiu na África do Sul. Para as pessoas com quem conversava era inimaginável que tal coisa existisse na terra do samba e do futebol. Eu justificava minha posição afirmando que no Brasil o racismo e o apartamento social eram velados, sendo, portanto, mais difíceis de serem combatidos.

Agora, graças à intervenção militar determinada pelo presidente “de facto” Michel Temer, estamos vendo imagens que tornam evidente o apartheid social  (e, sim, racial) que separa a maioria da população pobre (e majoritariamente descendentes de africanos que foram trazidos para o Brasil como escravos) dos segmentos mais abastados.  E, mais uma vez, isto está ficando claro apenas pela presença de veículos da mídia internacional que estão mostrando o que de fato representam algumas das ações das tropas militares que estão dentro das comunidades pobres para praticar uma série de ações que violam a Constituição Federal de 1988.

Um exemplo disso aparece na reportagem publicada pelo jornal espanhol “El País” sob o título “Sem amparo legal, militares usam celulares pessoais para ‘fichar’ moradores de favelas” [1], e que aborda o fato de que militares estão tirando fotos das carteiras de identidade e do rosto de pessoas em três comunidades na zona oeste do Rio (ver imagem abaixo), uma ação sem qualquer amparo legal (em outras palavras, ilegal).

apartheid 1

Mas também nas redes sociais circulam imagens de como a intervenção militar está se dando na forma de uma invasão dos poucos espaços públicos existentes nas comunidades pobres da Zona Oeste.  Um exemplo é mostrado abaixo, onde as tropas de intervenção resolveram se instalar num pequeno campo de futebol, privando os habitantes de uma favela na Vila Kennedy de uma das suas únicas áreas de convivência coletiva.

apatheid vila kennedy

Além de terem impactos mínimos no que deveriam ser os objetivos estratégicos dessa intervenção militares já que dificilmente os membros das milicias e do narcotráfico vão se deixar fotografar , os constrangimentos que estão ocorrendo nas favelas da Zona do Rio de Janeiro servem para explicitar o apartheid que jazia submerso nas comunidades pobres.  Nesse sentido, é bom que as pessoas que estão hoje apoiando a intervenção militar estejam prontas para encarar as consequências inevitáveis dessa forma de tratar os pobres, dentre as quais a elevação das tensões sociais é a mais previsível. 

É que o explicitamento da realidade de apartheid social acabará criando um ambiente hostil às reformas ultraneoliberais que estão sendo aplicadas desde o federal até o municipal.  Isto se dará, entre outras coisas, pela demonstração de que no Brasil a lei só protege os ricos. Este fato não passará impune, especialmente em uma situação em que o tratamento diferenciado aos cidadãos se dá em meio a uma profunda crise social e econômica.  

meia hora intervenção

Em relação a esse explicitamento do apartheid social que existe no Brasil, não custa lembrar uma frase presente no livro “O Pequeno Príncipe” de Antoine de Saint-Exupéry: “tú te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas“. 


[1] https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/24/politica/1519433345_411126.html

Jogos Olímpicos 2016: nem complexo de vira lata, nem gambiarra. Criticar é preciso!

Em meio ao início do megaevento esportivo promovido pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) na cidade do Rio de Janeiro, tenho visto um debate interessante acerca do significado da cerimônia de abertura e do que a mesma revela sobre a capacidade do brasileiro de fazer coisas de qualidade.

De um lado temos pessoas que defendem ardorosamente, ainda que com críticas, a cerimônia de abertura e, por tabela, a cidade do Rio de Janeiro que servem como proxies para que se rejeite aquilo que o dramaturgo Nelson Rodrigues chamava de “complexo de vira lata” que seria a nossa tendência de nos depreciarmos em relação aos povos mais desenvolvidos. 

Enquanto isso, numa forma um tanto cínica de abraçar o complexo de vira lata, temos outros que abraçam o conceito da gambiarra ou se preferirem, o do “jeitinho brasileiro”. Isso, aliás, foi ecoado pelo próprio presidente do COI que na sua fala na cerimônia de abertura disse que os Jogos Rio 2016 seriam a “la brasileira”.  Em suma, toma gambiarra e jeitinho.

Considero ambas as faces da moeda mostrada acima uma besteira. Na verdade, com o tipo de gastos que foram realizados para viabilizar este megaevento (no mínimo R$ 40 bilhões), não deveria haver espaço para gambiarra ou jeitinhos.  

Por outro lado, não há como empurrar as remoções, as grossas evidências de corrupção e a violência policial contra quem protesta para debaixo do tapete.  E isso em nome de quê? De rejeitar o complexo de vira lata? Como dizem os gringos: “come on!”. 

A verdade é que depois que os atletas olímpicos forem embora, teremos montanhas de problemas que não poderão ser empurrados para debaixo do tapete, a começar pelo endividamento público que promete afogar as contas da cidade e do estado do Rio de Janeiro.

Mas a pior consequência da gastança e da violência estatal aparece na imagem abaixo, que retirei da página pessoal no Facebook do fotojornalista Mario Tama (Aqui!), que é a manutenção, e até mesmo o aprofundamento, do apartheid social e econômico que historicamente existe na cidade do Rio de Janeiro.

jogos

Moradores da Mangueira fotografando a queima de fogos realizada na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2016.

Eu particularmente não vejo por que temos que nos calar sobre questões estruturais que existem no Brasil em nome da rejeição do complexo de vira lata. Para  mim, reconhecer que o nosso povo tem todas as capacidades para que possamos construir uma sociedade menos desigual e fraterno é algo óbvio.  Por isso mesmo, é necessário não cair na armadilha de que criticar situações absurdas que persistem em nossa sociedade equivale a incorporar o espírito de vira lara. É que pior de que  “virar lata”, é passar a ideia de que tudo o que temos sintetizados no megaevento em curso na cidade do Rio de Janeiro é algo natural, e que por isso não pode ser mudado.