O Brasil e seu grande salto para trás

bolson

Presidente Jair Bolsonaro é o engenheiro do “Grande Salto para Trás” do Brasil.

Após a conquista do poder em 1949, a participação na Guerra da Coreia e o sucesso do 1º Plano Quinquenal (1953-1957), o líder chinês Mao Tsé-tung lançou o Grande Salto para Frente (1958-1962), um programa de profundas reformas cujo objetivo era acelerar o crescimento da economia chinesa.  O grande salto para frente de Mao Tsé-Tung acabou tendo efeitos inesperados e acabou colhendo um fracasso que quase terminou o experimento do socialismo na China.

Image result for salto para trás bolsonaro

Cartaz de propaganda oficial da política do “Grande Salto para Frente” implementada pelo Partido Comunista da China sob a liderança de Mao Tsé-tung.

Pois bem, quase 6 décadas depois do programa de reformas de Mao Tsé-tung, temos no Brasil um governo cujo lema parece ser a realização do “Grande Salto para Trás“, justamente numa época em que a China é uma das economias mais fortes do planeta, justamente porque se livrou das consequências mais negativas de seu próprio salto.

Esse grande salto para trás está se manifestando em todos as frentes em que o governo Bolsonaro mais investe, a começar pelas relações políticas e comerciais com os EUA, onde em troca de nada palpável, o Brasil está alienando grandes parceiros comerciais e colocando um risco aquele setor da economia que ainda mantém a balança comercial em tintas azuis que é o latifúndio agro-exportador (auto rebatizado de “agronegócio”).

Mas as ameaças não param na agricultura, pois o processo de desindustrialização iniciado pelo governo de Fernando Henrique Cardoso está sendo aprofundado, com o fechamento de fábricas importantes como a de caminhões da Ford em São Bernardo do Campo (SP) e da ROCHE no Rio de Janeiro , e a venda da EMBRAER para multinacional BOEING, justamente em um momento em que a empresa sediada em Chicago se encontra particularmente fragilizada por causa de vários acidentes inexplicáveis com suas aeronaves.

Image result for protesto fechamento ford

Operários protestam contra fechamento da fábrica de caminhões da multinacional Ford em São Bernardo do Campo (SP).

O “Grande Salto para Trás” também está  sendo dado na área da ciência e tecnologia, pois o encurtamento do orçamento federal para a área está comprometendo pesquisas essenciais para o Brasil, e nos afastando daquela comunidade de países que podem gerar ganhos bilionários com novos produtos e técnicas. A maioria das universidades e institutos de pesquisas federais se encontram hoje, na melhor das hipóteses, em estado comatoso e muitos grupos de pesquisa estão sendo inviabilizados, o que vem incentivando a que ocorra um processo de migração de jovens pesquisadores para outros países que estão executando o caminho oposto do Brasil, a começar pela China e pela União Europeia.

Mas nenhuma outra área está dando um salto para trás tão eloquente quanto a do meio ambiente. Além do avanço do processo de desmatamento na Amazônia e no Cerrado, o Brasil hoje experimenta uma regressão completa na proteção de áreas ecológicas de extremo valor sob as mãos de todo tipo de agente, o que já está causando o retorno de graves processos de contaminação ambiental, a começar pelo garimpo de ouro ilegal que está liberando toneladas de mercúrio nos rios da Amazônia. Para garantir isso, o governo Bolsonaro, sob a batuta do ainda ministro Ricardo Salles, vem tentando desmanchar o sistema nacional de proteção ambiental, utilizando métodos que seriam inaceitáveis em qualquer país que clame ser democrático. 

Related image

Após vários anos sob controle, o desmatamento na Amazônia voltou a crescer em 2018 e está ainda mais acelerado em 2019.

O grande salto para trás já é visível nos milhões de desempregados e domicílios desprovidos de uma pessoa sequer que esteja gerando renda. Esse processo de volta acelerada para o passado também está presente no aumento do número de ativistas sociais que estão sendo assassinados, bem como no aumento exponencial das taxas de feminicídio que estão espalhando terror e medo por todo o território nacional.

Diante desse quadro regressivo é preciso entender que para garantir o grande salto para trás, a imposição da repressão e da violência se tornará cada vez mais necessária, pois já existem demonstrações claras de que a maioria do nosso povo não quer retornar para o passado.  Assim, restará o caminho do enfrentamento a esse esforço concentrado de desmanche do Brasil enquanto um nação viável para a maioria do seu povo. Mesmo sabendo que isto aumentará o nível de repressão e violência não há outro caminho a não ser impedir que o “Grande Salto para Trás” seja executado sem a devida oposição de todos os que querem que o Brasil caminhe para frente, especialmente no tocante ao estabelecimento de um sistema social onde a riqueza gerada coletivamente deixe de ser apropriada por uma minoria que sequer mora aqui.

 

Agronegócio vive mar de agruras após ter apostado todas as suas fichas em Jair Bolsonaro

bolso agro

O agronegócio (leia-se latifúndio agroexportador) que apostou todas as suas fichas na candidatura de Jair Bolsonaro, agora se vê engolfado por um mar de agruras.

Os lideres do chamado agronegócio (na verdade o clássico latifúndio agro-exportador) optaram massivamente pela candidatua vencedora de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018, provavelmente na expectativa de ampliaram os seus ganhos fabulosos com a exportação de commodities agrícolas.

A realidade, entretanto, vem sendo muito diferente das expectativas. O fato é que desde o início do governo do presidente Bolsonaro o setor está sendo inundado por uma coleção interminável de más notícias.  Primeiro veio a má notícia de que a Arábia Saudita decidira suspender a compra de carne de frango vinda de cinco frigoríficos brasileiros, o que foi um golpe duro já que o país árabe é o maior importador brasileiro.

Poucos dias depois ocorreu a notificação feitas pela Rússia de que se não houver uma diminuição dos resíduos do herbicida Glifosato, um dos principais destinos da soja brasileira será fechado até que os níveis de contaminação baixem.

rosselkhoznadzor1

Agora foi a vez da China recusar a habilitação de frigorificos brasileiros, frustrando as expectativas de grandes empresas do setor (por exemplo JBS, Marfrig e Minerva que esperavam uma notícia diferente após a visita de técnicos chineses a dez abatedouros de aves e bovinos.

china certificação

Para completar esse cenário desastroso, em sua visita recente aos EUA o presidente Jair Bolsonaro isentou produtores estadunidenses de tarifas na venda de trigo no Brasil, e  abriu  possibilidade de que isto seja também garantido à produção de suínos o que poderá representar uma concorrência dura para produtores brasileiros e argentinos.

Como o dito agronegócio é tudo menos pop, há que se ver como reagirão seus líderes dentro e fora do congresso nacional. Mas uma coisa, se essas notícias ruins não foram revertidas logo, o mais provável é que haja uma reação clara para mostrar descontentamento com os ruídos causados nas relações comerciais pela chamada agenda ideológica do governo Bolsonaro, a qual aliena alguns dos principais compradores das commodities brasileiras.

E pensar que este setor foi tratado a pão de ló durante os governos dos presidentes Lula e Dilma Rousseff. Talvez aí resida uma certa justila poética nas agruras que não param de ocorrer para os latifundiários brasileiros.

Recado dado pela China e desprezado por Bolsonaro gera prejuízo bilionário para o Brasil

E os problemas comerciais e políticos do Brasil podem estar apenas começando…..

china3

No dia 31 de Outubro, a revista “Pequenas Empresas & Grandes Negócios” publicou uma matéria repercutindo uma dura mensagem do governo chinês ao então presidente eleito Jair Bolsonaro no sentido de que não ele não atrapalhasse as relações comerciais Brasil-China.

china 0

Desnecessário dizer que o que se viu entre o dia da eleição e o pós-Carnaval 2019 foi uma total desconsideração do recado dado pelo governo chinês em prol de um alinhamento tacanha com a retórica emanada do Departamento de Estado dos EUA. Fosse por meio do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ou do próprio presidente Jair Bolsonaro, o que se viu foi uma série de declarações demonizando a China, no que se configurou uma das ações mais destrambelhadas do atual governo brasileiro.

E por que essas declarações seriam destrambelhadas? As razões para essas são muitas, mas a principal é de que não apenas a China é atualmente o maior parceiro comercial não apenas do Brasil, mas também dos EUA.  Aí não é preciso ser nenhum grande expert em comércio internacional para saber que o mais sábio seria evitar se embrenhar nas disputas espinhosas que estão sendo travadas pelo governo de Donald Trump com o governo chinês, sob pena de sofrer duras consequências no plano econômico.

Mas como sabedoria não é o forte do governo Bolsonaro, a China já enviou dois recados duros para a dupla Araújo-Bolsonaro que deverão agravar ainda mais a crise econômica que o Brasil vive neste momento e, por extensão, também os problemas políticos do atual governo.  O primeiro foi a retomada pela China das compras da soja produzida pelos EUA. Esta opção chinesa pela soja estadunidense deverá com que os produtores brasileiros de soja arquem com prejuízos bilionários pela simples ausência de outros compradores para o montante que a China agora comprará dos EUA, já que em 2018 o país asiático comprou 86% da produção brasileira.

china 2

O segundo recado é ainda mais problemático porque sinaliza que a China não mais fará investimentos bilionários na área da infraestrutura no âmbito do “Fundo de Cooperação Brasil-China para Expansão da Capacidade Produtiva“, a começar pela suspensão de um projeto que financiaria a distribuição da energia gerada pela hidrelétrica de Belo Monte.

china 1

A falta de senso por parte do governo Bolsonaro sobre o papel econômico cumprido pela China parece ser total, na medida em que em vez de visitar primeiro o nosso principal parceiro comercial, Jair Bolsonaro visitará primeiro países como EUA, Chile e Israel, onde o que conta não é a situação complicada em que se encontra a economia brasileira, mas sim a alegada “batalha cultural” que norteia as ações do atual governo. E o pior é que além da alienar a China, Jair Bolsonaro ainda arrisca exponencializar as contradições já abertas com os países árabes que também compram parte considerável da produção do agronegócio brasileiro.

Tudo isso colocado junto aponta para um isolamento político e econômico do Brasil em relações aos seus principais parceiros  comerciais, justamente num momento em que a economia brasileira mais depende da exportação de commmodities agrícolas e minerais para não entrar no vermelho em sua balança comercial. Aliás, fico só imaginando a cara dos latifundiários que apoiaram Jair Bolsonaro na esperança de aumentar seus ganhos e agora se vêem na iminência de terem prejuízos bilionários por causa dele.

Enquanto isso, Donal Trump se prepara para receber Jair Bolsonaro por míseros 20 minutos na Casa Branca, enquanto retoma as vendas dos produtos agrícolas estadunidenses para os chineses. E la nave va…..

E agora Paulo Guedes? China aplica medidas anti-dumping contra exportações brasileiras de carne de frango

frangos reuters

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou recentemente (mas aparentemente depois voltou atrás) a remoção de medidas anti-dumping contra o leite produzido na União Européia e na Nova Zelândia, gerando uma série de protestos de produtores brasileiros que se viram ameaçados pelo que seria uma concorrência desvantajosa por causa dos menores preços praticados fora do Brasil. 

anti dumping china

Hoje ficamos sabendo que a China, segundo maior importador de carne de frango brasileira, resolveu sobretaxar as exportações brasileiras entre 17,8% e 32,4%, por um período um período de cinco anos, por causa daquilo que os chineses consideram concorrência desleal com seus produtores domésticos por parte do agronegócio brasileiro.

Exportações-frango

Fonte: MDIC

O mais interessante é que esse cabo de guerra com a China se segue após uma outra com a Arábia Saudita que também suspendeu a importação de carne de frango brasileiro, num aparente retaliação à anunciada mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

E há que se lembrar que a região Sul concentra os estados que lideram a exportação de carne de frango.   É interessante notar que nos três estados do Sul  (Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina) ocorreram vitórias contundentes do presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2018.    Em outras palavras, a situação que se desenha é muito diferente que levou o agronegócio exportador a apoiar Jair Bolsonaro.

Vamos ver até que ponto irá a anunciada intenção do ministro da Economia de liberalizar completamente o comércio internacional do Brasil, justamente em um momento em que os exportadores brasileiros sofrem tantos, digamos, desgostos.

Enquanto chineses fazem algodão crescer no lado escuro da Lua, o Brasil aposta no banho de sangue

patria armada

Duas notícias aparentemente díspares mostram a distância em que China e Brasil se encontram neste momento. A primeira é a sensacional novidade de que os chineses conseguiram o ineditismo de fazer uma semente de algodão germinar no lado escuro da Lua.

Como informou o jornal português Público, o sucesso da semente de algodão representa a primeira “mini-experiência” de cultivo bem-sucedida da missão chinesa (e de qualquer outra nação, já agora) em solo lunar [1]. Isto logo depois de a China ter sido também o primeiro país a pousar um módulo no lado oculto da Lua, a 3 de Janeiro.

semente

Imagem do recipiente especial onde estão as sementes levadas para solo lunar UNIVERSIDADE DE CHONGQING/EPA

O sucesso da missão chinesa na Lua é consequência do massivo a a  em ciência que a China vem empreendendo nas últimas décadas, a ponto de se estimar que a produção científica chinesa vá ultrapassar a dos EUA.  Tal feito aponta para uma realidade bastante promissora par a economia chinesa, pois os avanços científicos estão sendo orientados para livrar o país da dependência da produção de produtos industrializados de baixo valor agregado.

A segunda notícia foi a lamentável decisão do governo federal do Brasil de liberar a compra de até 4 armas de fogo por cidadãos acima de 25 anos. Ao lado do fato de que o Brasil já detém o recorde de ser o país onde mais se mata com arma de fogo no mundo (estimativas dão conta de 45 mil mortes anuais), a liberação de armas ocorre num momento de grave crise econômica e social.  Assim, a chance de que os números de assassinatos crescem ainda mais, pondo o Brasil na antessala de um banho de sangue inédito até para seus padrões altamente violentos.

Enquanto isso, a ciência brasileira está sob forte ataque ideológico já que vários dos novos dirigentes de importantes agências científicas brasileiras são discípulos de uma personagem que coloca em dúvida até o heliocentrismo!

O resultado do descompasso que essas notícias desvalam não é difícil de se antever: os chineses vão continuar produzindo suas proezas científicas, enquanto o Brasil continuará sendo o país detentor do maior recorde de mortes por armas de fogo.

Enquanto o Brasil vira anão diplomático, as placas tectônicas da geopolítica global se movem para longe do dólar

thediplomat-dtsalcdwoaeqnxs-386x265

Líderes da Índia, Rússia e China tomam medidas para “desdolarizar” suas economias que alteram balanço geopolítico global.

Enquanto o Brasil sob o Jair Bolsonaro  se move cada vez mais para se comportar como um satélite dos EUA, a Rússia, a Índia e a China estão realizando vários movimentos que deverão colocar Donald Trump sob maior pressão (como se ele precisasse disse a estas alturas do campeonato).

O principal instrumento dessa pressão é a “desdolarização” das economias destes 3 gigantes da economia global, principalmente a Rússia que vendeu cerca de 101 bilhões de dólares de suas reservas cambiais para comprar Yuans (moeda chinesa) e Euros, conforme reportagem assinada pelas jornalistas Natasha Doff e Anna Andrianova para a Bloomberg [1].

desdolarização

Esse movimento russo está sendo acompanhado pela China e pela Índia, o que deverá gerar abundância de dólares no mercado, o que implicará em mais perdas para a economia estadunidense que, convenhamos, já não vem bem lá das pernas.

Para adicionar ainda mais pressão sobre os EUA, há o surgimento de processos de compras de commodities por canais pouco tradicionais que incluem a troca direta de produtos que dispensam o uso de moedas (ou seja uma volta ao  método do escambo que vigorou nos primórdios da colonização portuguesa do Brasil), a começar pelo petróleo que envolvem triangulações entre os membros do RICS (agora que Bolsonaro e seu ministro de Relações Exteriores cético das mudanças climáticas decidiram alinharo Brasil aos interesses dos EUA).

Essas mudanças na forma com que se dão as relações comerciais associadas à “desdolarização” da economia podem indicar que o caminho sendo tomado pelo Brasil é do tipo que se chama de “loose-loose”.  É que com esses novos alinhamentos na geopolítica mundial, escolher ser satélite dos EUA não parece ser a opção mais inteligente.

JP Morgan informa: nuvens negras avançam sobre a economia mundial em 2019

Resultado de imagem para economic crisis 2019

Enquanto no Brasil se vive uma espécie de transe com todas as medidas já implementadas pelo governo Bolsonaro, os sinais que apontam no horizonte da economia mundial indicam que em 2019 a economia mundial deverá, muito em conta por causa da guerra comercial entre os EUA e a China.

Pelo menos isso é o que acreditam os analistas da J.P. Morgan Chase conforme aponta a jornalista Sarah Feldman no artigo que segue abaixo. Em outras palavras, a coisa está mais para tempestade do que para céu de brigadeiro na economia mundial.

E no meio desse turbilhão, seguirá o Brasil sob o comando do governo Bolsonaro.

Crescimento Global da Economia deverá diminuir em 2019

Por Sarah Feldman para o Statista

Enquanto uma turbulência política e diplomática varreu o cenário mundial no último semestre de 2018, as perspectivas econômicas para 2019 foram atingidas, de acordo com novas estimativas do JP Morgan.

chartoftheday_16503_real_gdp_growth_n

A China experimentou um crescimento de 6,6% no PIB real em 2018,  mas para 2019 o JP Morgan estima que o país chegará perto de um crescimento de 6,2% no PIB real. Os Estados Unidos experimentaram um crescimento de cerca de 3% do PIB real em 2018. A partir de 2019, segundo o JP Morgan os EUA podem esperar uma taxa de crescimento do PIB real de 2,4%.

Essas taxas de crescimento reduzidas vêm depois do início da guerra comercial entre os EUA e a China atingiu um crescendo no final do ano. Na Cúpula do G20, houve promessas de ambos os lados para aliviar as tensões, embora essas garantias ainda não tenham se traduzido em ações substanciais. No período que antecedeu os feriados, o mercado acionário perdeu todos os seus ganhos desde setembro de 2017. As perspectivas de crescimento global para o mundo e para a área do euro permanecem relativamente estáveis, com pouco ou nenhum crescimento previsto do PIB real.


O artigo de Sarah Feldman foi originalmente publicado em inglês [Aqui!]