Sob liderança da China, países iniciam discussão sobre marco global para proteção da biodiversidade

cop11_46090

Na próxima semana, a primeira parte da Convenção sobre Diversidade Biológica COP15 abre, virtualmente, o processo de negociação em direção a uma Estrutura Global de Biodiversidade Pós-2020. O último conjunto de metas globais de biodiversidade não foi atingido, enquanto a perda de biodiversidade está acelerando em todo mundo.

A COVID-19 forçou o adiamento das principais negociações para 2022, para permitir uma cúpula presencial, mas esta Parte 1 é uma oportunidade para injetar algum impulso político às tratativas. Ela será conduzida desde Kunming, na China, de 11-15 de outubro.

Esta é a primeira vez que a China sediará uma cúpula ambiental, e todos os observadores querem saber se o país está à altura do desafio de usar seu peso diplomático para obter um resultado bem-sucedido. Ministros do Reino Unido, França, Egito, Costa Rica e China falarão no evento – e possivelmente haverá um anúncio do próprio Xi Jinping.

Reverter a perda de biodiversidade até 2030 e criar uma estrutura de governança sobre o tema exigirá metas ambiciosas de proteção da natureza e mecanismos de implementação. Isso inclui formas de financiamento para que os países de baixa renda tenham capacidade de cumprir suas metas.

“A mudança climática e a perda de biodiversidade andam de mãos dadas: não podemos resolver uma sem a outra, e ainda assim a perda de biodiversidade está apenas acelerando”, afirma Laurence Tubiana , CEO da Fundação Europeia do Clima e considerada arquiteta do Acordo de Paris. “Um resultado de sucesso na COP15 da CDB depende da liderança diplomática da China. Sem deter e reverter a perda da biodiversidade, todos os nossos esforços para conter a maré da mudança climática estão em perigo”.

“Alguns países-chave para essa questão – China, Índia, Indonésia e Brasil – não fazem parte das coalizões de alta ambição”, critica Georgina Chandler, Diretora Sênior de Políticas Internacionais do RSPB . “Sabemos que há várias questões políticas fundamentais que precisam ser abordadas antes da segunda parte – especificamente a troca entre mobilização de recursos, ambição nas metas e acesso e compartilhamento de benefícios. Temos muito trabalho a fazer para lançar as bases para um resultado bem sucedido, e isto será um desafio para o país anfitrião e para quaisquer campeões no processo”, avalia.

“A coisa básica que os Povos Indígenas estão dizendo é que a maior parte da biodiversidade que é conservada hoje no mundo está nos territórios dos Povos Indígenas”, afirma Victoria Tauli Corpuz, ex-Relatora Especial dos Povos Indígenas para a ONU. “Para alcançar a Estrutura Global de Biodiversidade Pós 2020, é crucial que os direitos dos povos indígenas sejam respeitados e protegidos, de modo que suas contribuições para alcançar essas metas sejam ainda mais valorizadas.”

Para Li Shuo, Oficial Sênior de Política Climática do Greenpeace China, a Declaração de Kunming é a única coisa concreta esperada do evento. “A qualidade deste documento será um teste para a diplomacia ambiental chinesa – assim como para o desejo político geral do resto do mundo – de construir um plano de proteção da biodiversidade pós-2020 bem sucedido e forte.”

Fechando a lacuna da prosperidade. Tempos turbulentos na China

Pequim estabelece limites para corporações e riqueza excessiva. Prosperidade compartilhada sem reivindicação de igualdade dada como objetivo

chineses childrenAs crianças chinesas devem ser aliviadas da pressão educacional, mas também não devem perder muito tempo jogando online (Xangai, 3 de setembro de 2021)

Por Jörg Kronauer para o Junge Welt

A China está enfrentando uma “nova revolução cultural”? A última pergunta foi feita pela revista de negócios Wirtschaftswoche , um tanto em pânico . Enormes empresas de tecnologia estão sendo colocadas em seus lugares e reduzidas; os chefes dessas empresas de repente se sentem compelidos a fazer doações arrependidas de bilhões de dólares para o benefício do público em geral; as empresas privadas de ensino são regulamentadas, os jogos online são restringidos – e finalmente fala-se de “prosperidade compartilhada”, que os super-ricos agora têm que cortar: o que está acontecendo? Acredita-se que “espíritos vermelhos”, que pensava estivessem mortos, estão sendo despertados na República Popular da China, como uma agência de notícias recentemente colocou em horror?

Nos últimos doze meses, Pequim estabeleceu uma série de novas bases econômicas para a China, por uma série de razões. Uma das correções de curso resulta do fato de que os Estados Unidos da América estão persistindo em sua guerra econômica, com a qual querem colocar a China de joelhos. Pequim reagiu a isso confiando economicamente na estratégia de “dupla circulação”. O “ciclo externo”, o negócio estrangeiro, é vulnerável aos ataques dos EUA e, portanto, deve se tornar menos importante. Ao mesmo tempo, o “ciclo interno” deve ser reforçado, o que significa que a República Popular precisa de mais consumo doméstico. O fato de termos conseguido erradicar a pobreza extrema no país na virada do ano 2020/21 é, sem dúvida, um grande sucesso por si só.

Uma segunda correção de curso é o resultado do fato de que as gigantescas empresas de tecnologia da Alibaba à Tencent – não ao contrário de suas contrapartes ocidentais – tornaram-se muito poderosas, e que algumas delas, especialmente empresas de fintech como o Ant Group, operam com empresas altamente arriscadas de instrumentos financeiros que, se as coisas correrem mal, podem desencadear graves crises financeiras. A China tem agido contra ambos desde o final de 2020, impondo barreiras rígidas às corporações e seus patrões bilionários. O exemplo mais recente: Alipay, o serviço de pagamento do Ant Group, está destruído. O chefe do Alibaba, Jack Ma, que parecia muito não autorizado, já havia ido para a clandestinidade por alguns meses no final de 2020.

Problemas estruturais

Fortalecer o consumo geral, pedir aos ricos que paguem um pouco: As exigências econômicas e políticas resultantes da guerra econômica dos Estados Unidos e o poder avassalador das empresas de tecnologia também são adequadas como uma resposta aos problemas sociais que são perigosos para a China  e vão ameaçar no longo prazo. A lacuna de prosperidade, por exemplo, tornou-se tão profunda, apesar da erradicação da pobreza extrema, que mais cedo ou mais tarde ameaça se tornar um risco para o Estado e a liderança do partido. Há muito que há sinais de alerta: no início do ano, por exemplo, os motoristas de serviços de entrega de alimentos atraíram a atenção generalizada com protestos generalizados contra condições miseráveis ​​de trabalho e salários baixos. E há problemas estruturais: como empregos bem pagos não são fáceis de encontrar, as famílias investem somas imensas em tutoria excessiva para seus filhos, a fim de garantir oportunidades de carreira para eles. Dinheiro para um segundo ou mesmo terceiro filho, o que seria muito desejável politicamente para neutralizar o envelhecimento da sociedade chinesa, muitas vezes não está mais disponível.

“A meta de alcançar a prosperidade compartilhada não é apenas econômica, é também uma questão política”, disse o presidente Xi Jinping em um discurso em janeiro: “Não podemos criar um fosso intransponível entre ricos e pobres”. Desde então, Xi abordou o assunto A “prosperidade comum” continua surgindo. Ele finalmente o colocou na ordem do dia em uma reunião do Escritório de Assuntos Econômicos e Financeiros do Comitê Central em 17 de agosto. Decidiu-se alcançar a “prosperidade comum” até 2035, o mais tardar. Para tanto, dizia-se, a baixa renda deveria ser sistematicamente aumentada e, sobretudo, o número de pessoas com salário médio deveria aumentar significativamente. Rendas “excessivamente” altas, por outro lado, devem ser “ajustadas”; os super-ricos devem ser incentivados a para “devolver algo” à sociedade. Foi afirmado explicitamente que não se busca o objetivo de “ser igualitário”. Com relação aos investidores ocidentais, também, Han Wenxiu, o vice-chefe do departamento financeiro e econômico, confirmou isso em 26 de agosto: Continuaria a haver “uma certa lacuna” entre ricos e pobres, Pequim não pretende “roubar o rico para dar aos pobres”.

Pressão sobre os super-ricos

O que tudo isso significa em termos concretos? Muitas coisas ainda não está claras. Um projeto piloto na província de Zhejiang visa fornecer pistas. Entre outras coisas, novos impostos estão sendo discutidos, como impostos sobre herança ou propriedade. A pressão sobre os super-ricos está aumentando visivelmente. Não é sem razão que as empresas de tecnologia em particular começaram a doar parte de seus enormes lucros: a Tencent, por exemplo, anunciou em 18 de agosto que iria para um “projeto conjunto especial” por incríveis 50 bilhões de yuans ( cerca de 7,71 bilhões de dólares americanos) Prosperidade «para pagar; o Alibaba quer liberar até 100 bilhões de yuans até 2025. Muitos mais seguiram desde então. Além disso, as penalidades que antes eram arrastadas agora são aplicadas com recursos públicos.

Além disso, Pequim deu início a todos os tipos de medidas regulatórias. Práticas de exploração excessiva em particular são evitadas, motoristas de serviços de entrega de comida devem receber pelo menos o salário mínimo e o sistema conhecido como “996” de trabalhar seis dias por semana das nove da manhã às nove da noite – pelo menos no empresas de tecnologia – está para acabar. Afinal, o tempo de trabalho semanal permitido é de 44 horas. As medidas fluem para as esferas culturais. Para prevenir o vício do jogo, as crianças e os jovens só podem jogar online três horas por semana. As culturas de fãs pop são regulamentadas. Os sites de fãs não podem mais pedir agressivamente para doar dinheiro aos seus ídolos. Os regulamentos agora produzem seus próprios excessos: As forças conservadoras têm pressionado a demanda para banir os grupos pop com estética supostamente andrógina da televisão. A República Popular está enfrentando tempos bastante agitados e todos os tipos de conflitos sociais.

compass

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Junge Welt [Aqui!  ].

China limita uso de videogames por menores a três horas semanais

Norma se soma a outras iniciativas de Pequim que ampliam controle sobre a sociedade e afetam empresas de tecnologia atuantes em redes sociais, vendas online e educação remota

online games china

Companhias que oferecem jogos online terão que adotar sistema de verificação de identidade

A China proibiu nesta segunda-feira (30/08) os menores de 18 anos de jogarem videogames online por mais do que três horas por semana, em uma incisiva intervenção social para combater o que as autoridades chinesas já chamaram uma vez de “ópio do espírito”.

As novas regras entram em vigor nesta quarta-feira e se somam a outras iniciativas recentes de Pequim que aumentam o controle sobre a sociedade chinesa e setores-chave de sua economia, incluindo tecnologia, educação e imóveis, após anos de crescimento desimpedido.

As restrições valem inclusive para jogos de celular e terão forte impacto na indústria mundial de jogos eletrônicos, que atualmente oferece seus produtos a dezenas de milhões de jogadores na China, o mercado mais lucrativo do mundo.

Os menores de 18 anos poderão jogar uma hora por dia, das 20h às 21h, somente nas sextas, sábados e domingos, segundo a agência de notícias Xinhua, do governo chinês. Eles poderão jogar também por uma hora, no mesmo horário, em feriados.

As empresas do setor de jogos eletrônicos serão impedidas de oferecer qualquer tipo de serviço para os menores de 18 anos fora do horário estipulado e precisam utilizar sistemas de verificação de identidade, disse o governo.

Em 2019, a China já havia limitado o tempo que menores de 18 anos podem jogar videogames a uma hora e meia por dia, em qualquer dia, e a três horas por dia em feriados.

“Os adolescentes são o futuro de nossa pátria-mãe”, disse à Xinhua um porta-voz do governo, não identificado. “Proteger a saúde física e mental dos menores está relacionado aos interesses vitais do povo e à preparação da geração mais nova na era do rejuvenescimento nacional.”

online china

Repercussão da norma

As novas regras sobre o uso de jogos eletrônicos rapidamente se tornaram um dos temas mais discutidos no Weibo, uma rede social chinesa similar ao Twitter. Alguns usuários manifestaram apoio às medidas, e outros se disseram surpresos com o rigor das novas regras.

“Isso é tão cruel que estou completamente sem palavras”, disse um usuário, em uma mensagem que recebeu mais de 700 curtidas.

Outros expressaram dúvidas sobre como as restrições poderiam ser aplicadas na prática. “Eles apenas irão usar os logins de seus pais, como poderão controlar isso?”, questionou outro usuário.

Cerca de 62% das crianças e adolescentes chineses de até 18 anos jogam videogames online, e 13,2% jogam por mais de duas horas diárias em dias úteis, segundo o governo chinês.

As empresas que atuam no setor já estavam apreensivas nas últimas semanas, à medida em que a imprensa estatal chinesa havia criticado o vício em jogos entre os jovens e sinalizou para medidas regulatórias.

Um veículo de imprensa do governo chinês descreveu os jogos online como “ópio do espírito” neste mês, e citou o jogo Honor of Kings, da Tencent, em um artigo que pedia por mais limites ao setor, afetando as ações da empresa, que além de controlar diversos serviços online, como as redes sociais QQ e WeChat, é a maior vendedora de jogos eletrônicos no mundo.

Em seguida, a Tencent anunciou novas medidas para reduzir o tempo e o dinheiro que as crianças gastavam em jogos, começando pelo Honor of Kings. O presidente da empresa também afirmou que estava trabalhando com os reguladores para encontrar formas para que o tempo gasto por menores de 18 anos em jogos pudesse ser limitado.

O governo chinês afirmou que aumentará a frequência e a intensidade da fiscalização sobre companhias de jogos eletrônicos para garantir que elas estejam adotando os limites diários de uso e sistemas antivício.

Serviços de tecnologia na mira

As novas regras para os jogos eletrônicos foram estabelecidas pela Administração Geral de Imprensa e Publicações, órgão governamental sob a autoridade do Departamento de Propaganda do Partido Comunista Chinês, e coincidem com outras medidas recentes tomadas por Pequim que ampliaram o controle sobre serviços na área de tecnologia e afetaram outras empresas gigantes como a Alibaba, atuante em comércio eletrônico, pagamentos online e computação em nuvem.

Em julho, o governo chinês também já havia proibido empresas que oferecem aulas online sobre temas que integram o currículo escolar de terem lucro, atingindo companhias como a TAL Education e a Gaotu Techedu.

Desde fevereiro, a Tencent já perdeu mais de 300 bilhões de dólares (R$ 1,5 trilhão) em valor de mercado, uma perda superior ao valor de mercado atual da Nike ou da Pfizer. A Tencent tem um valor de mercado agora de 573 bilhões de dólares (R$ 2,9 trilhões).

As novas regras sobre jogos online também tiveram impactos em empresas de outros países. Apenas no setor de videogame, a previsão do faturamento do mercado na China em 2021 era de 45,6 bilhões de dólares (R$ 237 bilhões), à frente dos Estados Unidos, segundo a empresa de análises Newzoo. Por isso, as novas restrições repercutiram em todo o mundo.

O valor de ações negociadas na bolsa de Amsterdã da empresa de investimentos em serviços de tecnologia Prosus, que detém 29% do grupo chinês Tencent, caiu 1,45%. As ações de empresas europeias de videogames Ubisoft e da Embracer Group caíram mais de 2%.

bl/ek (Reuters, AP)

compass

Este texto foi originalmente publicado pela Deutsche Welle [Aqui!].

O futuro da educação chinesa em fluxo enquanto as reformas devem continuar 

china private

Por Kevin McSpadden para o Southern China Morning Post

É a volta às aulas na China, o que, para muitas famílias, é uma desculpa para comprar roupas limpas, novos materiais e, no passado, se inscrever em aulas particulares.

Mas este ano, haverá imensa incerteza sobre esses serviços de aulas particulares, depois que o governo central passou grande parte do verão reformando todo o setor. 

Em 24 de julho, o Conselho de Estado da China, seu principal órgão administrativo, anunciou uma série de reformas visando sua gigantesca indústria de reforço escolar. Entre as mudanças, novas empresas de reforço escolar foram proibidas, além de investimentos estrangeiros. As empresas atuais tiveram que se candidatar como organizações sem fins lucrativos e as aulas foram proibidas nos finais de semana e feriados. 

O governo disse que as reformas são parte de uma campanha para aliviar a carga sobre os estudantes chineses e eliminar parte da pressão sentida por pais e filhos. Uma campanha semelhante está pedindo às escolas que atribuam menos lição de casa.

As regras se aplicam a alunos do ensino fundamental e médio, já que a China não exige o ensino médio. 

As regulamentações desencadearam um terremoto na indústria de US $ 70 bilhões; as pessoas perderam seus empregos, as ações despencaram e as empresas lutaram para se ajustar . 

A VIPKids, uma importante empresa de tutoria, demitiu seus tutores estrangeiros. Duolingo, o aplicativo global de aprendizagem de línguas, não está mais disponível nas lojas de aplicativos chinesas .

A relação da China com suas empresas privadas de ensino é complicada. Eles haviam se tornado uma necessidade nos últimos anos, pois um ambiente acadêmico de alta pressão praticamente forçava as crianças a fazer os cursos ou corria o risco de ficar para trás em relação aos colegas.

Algumas dessas empresas, como o grupo TAL Education e 13 outras, tiveram tanto sucesso que tornaram-se cotadas em bolsa. Outros fracassaram miseravelmente, desabando com o rabo entre as pernas e até falhando em reembolsar os pais por aulas que nunca aconteceram.

Em outubro de 2020, um raro protesto eclodiu em Pequim depois que uma empresa chamada Youwin pareceu fugir com mensalidades pré-pagas que totalizavam cerca de US$ 1,68 milhão. 

Conforme o South China Morning Post relatou a repressão no mês passado, descobrimos que muitos pais concordaram que reformas educacionais seriam bem-vindas. Um pai disse simplesmente: “os filhos estão muito cansados”.

Mas é muito mais fácil sugerir reformas disruptivas que podem beneficiar a sociedade no longo prazo se não forem seus filhos.

Xiong Bingqi, o diretor de uma empresa chinesa de pesquisa educacional, nos disse que os pais não querem que seus filhos sejam deixados para trás, criando “ansiedade pela educação em grupo” .

A fonte dessa ansiedade pode ser o exame de admissão à universidade gaokao tamanho único na China , junto com outros testes que determinam onde as crianças frequentam as escolas.

Os pais temem que se seus filhos se saírem mal em um teste, eles irão frequentar uma escola pior, o que não os preparará para testes futuros, nos quais eles irão reprovar posteriormente. No longo prazo, isso pode prejudicar sua capacidade de conseguir um emprego decente e se sustentar financeiramente como adultos.

O presidente Xi Jinping criticou abertamente as aulas particulares, anos antes das reformas recentes. Em 2018, ele disse que a indústria “violou as leis da educação” e “interrompeu a ordem normal da educação”, ao mesmo tempo que colocava uma carga financeira desnecessária nas famílias.

Uma consequência das reformas pode ser que as aulas particulares se tornem clandestinas e se tornem mais caras no processo. Os pais com posses podem contratar tutores individuais para vir a casa para ensinar seus filhos, mas mesmo isso foi proibido por uma lei de planejamento familiar.

A polícia invadiu um centro de reforço escolar no centro da China, onde um professor dava aulas particulares a crianças depois da escola. A mídia cobriu relatos de ataques semelhantes em linguagem semelhante, como repressão à prostituição ou jogos de azar ilegais.

Os especialistas que falaram ao Post prevêem que o governo central quer colocar a responsabilidade de educar os alunos diretamente nas mãos das escolas, o que alguns cantos vincularam ao desejo de controle ideológico por parte do Partido Comunista.

Isso é discutível, mas o que não é são as preocupações sobre se as escolas podem educar os alunos nos níveis exigidos pela sociedade. 

“Precisamos aprofundar ainda mais a reforma educacional … Seria difícil implementar [a nova] política e obter resultados significativos sem mais reformas”, disse Wang Xuming, ex-porta-voz do Ministério da Educação.

Observatório dos Agrotóxicos: com novo ato, governo Bolsonaro alcança 1.364 agrotóxicos liberados em 32 meses

tereza cristina

Mesmo sem a aprovação do PL do Veneno, a ministra da Agricultura Tereza Cristina impôs uma marcha desenfreada de liberações de agrotóxicos, muitos deles banidos em outras partes do mundo

Enquanto a maioria dos brasileiros é distraída com ameaças de golpes de Estado (agora incluindo o possível envolvimento de policiais militares), o governo Bolsonaro segue, ao menos no caso da liberação de mais agrotóxicos para uso prioritário pelo latifúndio agro-exportador, sua marcha inclemente. É que na última 5a. feira (19/08), o Ministério da Agricultura, comandado pela ministra Tereza Cristina (DEM/MS) fez publicar o Ato No. 35 de 02 de agosto de 2021, com o qual foram liberados mais 48 agrotóxicos na condição de produtos técnicos (aqueles que serão formulados para venda a granel).

Com mais essa onda de liberações, o total de agrotóxicos liberados pelo governo Bolsonaro chega a astronômicos 1.364 em 32 meses. Como o Brasil possui algo em torno de 3.424 agrotóxicos liberados para compra e venda, as liberações feitas sob a batuta da dupla Bolsonaro/Tereza Cristina representam 39% do total, o que é realmente um feito, visto que esses produtos estão sendos liberados há pouco mais de 50 anos.

A hegemonia chinesa sendo fortalecida

Ao se examinar a procedência dos agrotóxicos liberados fica evidente que o Brasil se tornou um mercado preferencial para a indústria chinesa de agrotóxicos. É que dos 48 agrotóxicos liberados pelo Ato No. 35, 43 são produzidos na China, representando 89,5% do total, sendo todas elas as únicas listadas como fornecedoras dos venenos agrícolas liberados nesta rodada.  Um detalhe interessante é que parece existir uma especialização na produção de determinados agrotóxicos que aparentam do tipo pós-patente, mas o que não impede que 22 empresas chinesas sirvam como fonte de agrotóxicos para o Brasil (ver tabela abaixo).

Empresas ato 35

Aliás, o que fica explícito é que se há alguma oposição a produtos chineses dentro do governo Bolsonaro, isto se resume às vacinas contra a COVID-19, pois no caso dos agrotóxicos a presença chinesa é muito eloquente, e não se ouve qualquer lastimo por parte do presidente Jair Bolsonaro

Venenos agrícolas poderosos continuam sendo liberados

Agrotóxico – Blog do Mesquita

Outro aspecto a ser mencionado é que dentre os 48 agrotóxicos liberados estão alguns produtos já conhecidos por sua alta toxicidade, incluindo o herbicida Dicamba (conhecido por ser um exterminador de abelhas) que teve mais 7 produtos liberados, o mesmo número do hercida Fluxoroxipir-Meptilico, e dos funcidas Trifloxistrobina e Ciproconazol.

Mas há ainda o caso de novas liberações de produtos proibidos na União Europeia, incluindos os herbicidas Dibrometo de Diquate e Sulfentrazona e do fungicida Clorotalonil.

Diferente de outras rodadas em que se pôde verificar as culturas aprovadas para uso, no caso do Ato No. 35 foram liberados apenas os chamados produtos técnicos, que depois serão formulados e colocados à venda no varejo. Entretanto, não será nenhuma surpresa se estes agrotóxicos tenham como destino as grandes áreas de monocultura para exportação que são o destino preferencial desses venenos agrícolas no Brasil.

A Tsunami de agrotóxicos e o resultante apoio ao governo Bolsonaro entre os latifundiários agro-exportadores

galvanO latifundiário  Antônio Galvan, presidente da Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja) é citado como um dos organizadores dos atos pró-fechamento do STF e do Congresso Nacional que deverão ocorrer no dia 7 de setembro

Um dos aspectos que mereceriam a devida atenção por parte de pesquisadores e analistas políticos no Brasil seria o papel do Ministério da Agricultura na criação de uma base de sustentação política entre os grandes latifundiários a partir da postura evidente de “porteira aberta” para venenos agrícolas altamente tóxicos que estão banidos em outras partes, inclusive na China que já baniu, entre outros, o herbicida Paraquat.

É que normalmente se coloca atenção apenas na postura de braços cruzados em relação a invasões de áreas públicas e ao desmantelamento das estruturas de comando e controle que existiam para controlar o desmatamento na Amazônia.  O fato é que a liberação de agrotóxicos é parte de uma espécie de tríade da permissividade, com a qual o governo Bolsonaro garante o apoio dos grandes latifundiários envolvidos no comércio global de commodities agrícolas.

Disponibilizando as bases de dados

Como ocorre em toda publicação de novos atos de liberação de agrotóxicos, quem desejar acessar a base contendo os 48 agrotóxicos liberados pelo Ato No. 35, basta clicar [Aqui!].  Já quem desejar baixar, a base contendo todos os 1.364 agrotóxicos liberados pelo governo Bolsonaro entre janeiro de 2019 e agosto de 2021, basta clicar [Aqui!].

Missão dos EUA anti 5G chinês coloca Brasil sob dilema sobre o futuro de suas commodities agrícolas e minerais

5g 2

A mídia corporativa está anunciando a chegada de uma missão do governo Biden cujo mote principal será a imposição do banimento da empresa chinesa Huawei do mercado que será incluído com a implantação da rede 5G no Brasil. Como se sabe, a tecnologia chinesa é melhor e mais barata do que a oferecida pelas competidoras estadunidenses e, por isso, impedir a sua proliferação para os interesses estratégicos dos EUA.

Como o governo Bolsonaro é conhecido por seu pendor pró-EUA, independente de qual partido esteja ocupando a Casa Branca, eu não me surpreenderia se o Brasil aceitasse passivamente essa pressão, de forma a impedir a presença da Huawei no mercado que será inevitavelmente criado pela rede 5G.

O problema é que hoje o Brasil vive uma situação peculiar de depender fortemente da China para vender suas commodities agricolas e minerais, enquanto compra todo tipo de produtos que alimentam, inclusive, o funcionamento do latifúndio agro-exportador.  Assim, como os chineses são conhecidos por seu pragmatismo político e econômico, um banimento da Huawei significará perda de alguma parcela do mercado chinês, o que, aliás, já foi dito claramente pelo embaixador da China em Brasília.  E isso criará não apenas uma sobra considerável de produtos quem não qualquer mercado para substituir a China em função da crescente resistência a comprar commodities associadas ao desmatamento da Amazônia e do Cerrado.

soja-agronegocioSe Bolsonaro banir a Huawei da rede 5G, a China certamente retaliará as commodities brasileiras

Um detalhe que deverá complicar ainda mais a situação do presidente Jair Bolsonaro caso ele cede às pressões do governo Biden é que com isso ele se arriscará a perder o apoio incondicional que atualmente desfruta da bancada ruralista que faz parte da sua base de sustentação no congresso nacional. 

Como se vê, quem se concentra nas atitudes histriônicas do presidente da república em relação à virtual não adoção do voto impresso está passando ao largo de elementos ainda mais dramáticos que estão pressionando Jair Bolsonaro.

Observatório dos Agrotóxicos: governo Bolsonaro libera mais 93 agrotóxicos e chega a 1.265 liberações em 30 meses

Aumento das fabricantes chinesas e o uso de agrotóxicos altamente perigosos são marcas da tsunami de aprovações do governo Bolsonaro

pesticides china

Em que pese a crise política, econômica e sanitária que o Brasil atravessa neste momento, o governo Bolsonaro continua com a tsunami de liberações de agrotóxicos, muitos deles banidos em outras partes do mundo.   Em apenas dois atos publicados em maio e junho (Atos 26 e 29, respectivamente) foram liberados mais 93 agrotóxicos, o que implica em um “grande total” de 1.265 agrotóxicos liberados sob a batuta de Jair Bolsonaro e da ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM/MS). 

Essa verdadeira tsunami tóxica visa basicamente acelerar a compra de agrotóxicos por grandes latifundiários que estavam envolvidos com as monoculturas de exportação que incluem a soja, o milho, o algodão e a cana-de-açúcar. Em uma análise rápida dos 93 agrotóxicos aprovados é possível verificar que a maioria dos agrotóxicos liberados (seja para uso imediato por agricultores ou para fabricação de produtos pela indústria do veneno instalada no Brasil) é a persistência de produtos antigos (os chamados pós-patente) e a hegemonia de empresas chinesas em seu fornecimento.  Essas características estão certamente relacionadas a um aperto das regras de fabricação e uso em mercados mais exigentes, a começar pela União Europeia, e o envio desses produtos antigos para regiões cujos governos são mais dependentes das renda gerada pela exportação de commodities agrícolas, como é o caso do Brasil.

Produtos altamente venenosos classificados como pouco danosos à saúde humana e ao meio ambiente

abelhas-mortas2

Outra característica que está presente na tsunami tóxica do governo Bolsonaro é a liberação de produtos banidos por terem sido identificados como altamente nocivos à saúde humana e ao meio ambiente, e ainda por cima com definições de risco baixo. Exemplos gritantes disso são os agrotóxicos Ametrina, Atrazina e o exterminador de abelhas Fipronil. Aliás, com os produtos liberados pelo Ato No. 26, o governo Bolsonaro liberou o incrível total de 34 produtos formulados ou técnicos contendo o Fipronil. Como esse produto é conhecido por causar o extermínio de polinizadores benignos como é o caso das abelhas, os riscos ambientais que estão sendo impostos ao meio ambiente são altíssimos apenas quando se considera o Fipronil.  Mas como o Fipronil não é o único exterminador de abelhas que está sendo liberado, que ninguém se surpreenda se em breve tivermos uma série falta de mel e quebra de safras de culturas que dependam de polinizadores para suas floradas.

O avanço da indústria chinesa no mercado de agrotóxicos brasileiros

Outra característica marcante dos Atos 26 e 29 é a confirmação de que o Brasil se tornou um mercado preferencial para a crescente indústria chinesa de agrotóxicos. No caso do Ato No. 29 que liberou 29 produtos, o predomínio de empresas chineses ficou mais do que evidente, já que estas são as fabricantes de 24 dos agrotóxicos liberados (82,7%). Mas outro fenômeno aparente é a instalação de subsidiárias das indústrias chinesas que estão dispensado os intermediários para obter a autorização para a venda de seus produtos no mercado brasileiro. Com a velocidade de liberação que está sendo propiciada pelo governo Bolsonaro, não será de se estranhar que a influência da indústria chinesa de venenos agrícolas comece em breve a colocar em xeque a hegemonia das gigantes europeias e estadunidenses como Basf, Bayer e DowDupont.

O Brasil como zona de sacrifício de agrotóxicos altamente perigosos

Ainda que não haja a devida cobertura jornalística, o Brasil está imerso em uma combinação perversa que mistura o avanço do desmatamento na Amazônia com o aumento da demanda por agrotóxicos naquela onde as condições climáticas aceleram o processo de regeneração primária e o aumento de populações de insetos e de doenças causadas por fungus e vírus. Em certo sentido, o avanço do desmatamento na Amazônia está sendo um forte vetor para o consumo de agrotóxicos, o que em face dos últimos dados de remoção total das áreas florestas amazônicas deverá aumentar exponencialmente a demanda por venenos agrícolas.

O problema é que ao contrário do prometido não está havendo nenhuma modernização dos agrotóxicos, o que nem interessa aos fabricantes desses produtos que ganham rios de dinheiro sem que tenham que efetivamente buscar qualquer tipo de inovação no seu portfólio de produtos, já que a demanda tende apenas a crescer.

No final o que estamos nos defrontando é a transformação do Brasil em uma zona de sacrifício capitalista, onde a geração de margens espremidas de lucros pelo latifúndio agro-exportador força o avanço da franja de desmatamento dentro da Amazônia com base em sistemas agrícolas altamente dependentes do consumo de agrotóxicos. 

Quem desejar as planilhas do Ato No. 26, basta clicar [Aqui!], e a do Ato No. 29 [Aqui! ]. Já os interessados em baixar a planilha contendo a descrição completa dos 1.265 agrotóxicos liberados pelo governo Bolsonaro desde janeiro de 2019, basta clicar [Aqui!]. 

 

Os inevitáveis custos do novo ataque de Jair Bolsonaro à China

bolso china

Jair Bolsonaro discursa durante abertura da Semana das Comunicações no Palácio do Planalto. Imagem: Fabio Rodrigues/ Agência Brasil

A mídia corporativa brasileira noticiou hoje mais um ataque do presidente Jair Bolsonaro à China, este na forma da propalação de uma suposta origem em algum laboratório chinês do Sars-Cov-2 (causador da COVID-19), o que foi agravado pela acusação de que teriam sido os chineses os únicos a terem crescimento econômico em 2020. A primeira coisa é que essas acusações são usuais no esgoto ideológico em que opera os grupos bolsonaristas, e o presidente da república está apenas repetindo publicamente o que é dito de forma fortuita entre os membros de adeptos de teorias da conspiração.

Entretanto, independente do que está sendo repetido publicamente por Jair Bolsonaro não ser nenhuma novidade por quem conhece minimamente essas teses esdrúxulas;  o problema é que ao repetir ainda que envergonhada o que dizem os seus adeptos que não possuem um cargo de relevância como o de presidente república, o presidente da república parece esperar que os chineses reajam de forma prejudicial aos interesses nacionais.   Um  problema é que os chineses certamente reagirão, ainda que não mesma forma e proporção que Jair Bolsonaro fez.

A primeira razão para esperar que os chineses rejam diferente é que eles são membros de uma cultura com mais de 5.000 anos de história, onde o pragmatismo é uma das principais marcas. Além disso, como a China hoje é controlada por um único partido que se caracteriza por forte disciplina, o mais provável é que haja algum tipo de comunicado oficial lamentoso onde se reclamará do tratamento indelicado com um grande parceiro comercial. Esse é o jeito da diplomacia chinesa operar e não parece crível que haja alguma declaração mais forte, até porque o Brasil representa risco estratégico zero, e os chineses não são de chutar cachorro morto, ainda mais em público.

O problema é que haverá uma outra ordem de resposta, e ela certamente virá com forte peso econômico, principalmente para o latifúndio agro-exportador que tem na China o destino de mais de 70% da soja nacional. Ao provocar politicamente a China e em público, Jair Bolsonaro deverá fazer que esse percentual diminua. A mesma coisa deverá acontecer com as exportações de carne e também do minério de ferro.  É que mais do que ninguém, a China sabe quanto o Brasil depende dela para gerar superávits em sua balança comercial, e como isso só deverá aumentar com o avanço do boicote a produtos brasileiros pela Europa.

Outra área que deverá sofrer será a de fornecimento de vacinas, pois o Brasil não depende dos chineses apenas para a “vacina chinesa” produzida pela Sinovac, mas para a produção do chamado  Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) da maioria das vacinas que estão sendo usadas no mundo para combater a pandemia da COVID-19. Assim é bem provável que novas demoras no envio tanto de vacinas como do IFA necessários para fabricá-las aqui mesmo.

O que me parece ainda passível de discussão é sobre quais seriam os reais motivos de Jair Bolsonaro para irritar a China com provocações que não possuem a menor sustentação nos fatos.  Uma possibilidade é de que Bolsonaro é apenas uma pessoa sem noção de como o mundo opera. A outra é que ele tem perfeitamente noção de como o mundo opera e utilizou essa provocação para irritar os chineses, sabendo precisamente quais seriam as repercussões disso. De qualquer forma, seja qual for a alternativa correta, o certo é que Bolsonaro continua acendendo fósforo para ver  se os chineses jogam a gasolina onde eles caírem. 

Europeus querem diplomacia climática com a China, indica pesquisa

climate diplomacyUma tela mostra imagens de notícias do presidente chinês Xi Jinping participando de uma cúpula em vídeo sobre mudança climática com a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente francês Emmanuel Macron, em uma rua comercial de Pequim na sexta-feira, © REUTERS

O público em seis países europeus quer que seus governos priorizem a mudança climática nas relações com a China, indica uma nova pesquisa do Instituto YouGov. A pesquisa foi encomendada pelo think tank E3G e foi realizada na Alemanha, Dinamarca, França, Itália, Polônia e Reino Unido em abril de 2021.

Em média, nos seis países pesquisados, 7 em cada 10 (72%) pessoas acreditam que abordar a mudança climática deveria ser uma prioridade muito ou bastante alta na política externa de seu país em relação à China.

Mesmo nos países em que foram identificadas opiniões predominantemente negativas sobre a China (Alemanha, Dinamarca, França e Reino Unido), o público sente que a mudança climática deveria ser uma alta prioridade para o envolvimento de seu país com o gigante asiático.

No total, mais pessoas indicaram que a mudança climática é uma prioridade muito alta (40%) do que aqueles que veem a criação de novos acordos comerciais como uma prioridade muito alta (18%). 
 
A pesquisa chega em um momento em que a cooperação sobre o clima com a China – maior emissor do mundo com uma participação de 27% nas emissões globais – é percebida como estando encolhendo.
 
“Esta pesquisa fornece provas claras de que, apesar das tensões emergentes entre a União Europeia e a China, a maioria dos europeus acredita que o clima deve ser uma das prioridades na agenda de política externa com a China, juntamente com as preocupações sobre direitos humanos e o desenvolvimento de uma resposta global à COVID-19”, afirmou Nick Mabey, Chefe Executivo do E3G.

“Embora o público europeu pense que a diplomacia climática com a China é importante, eles também esperam que a China produza mais para cumprir suas ambiciosas metas climáticas” diz Byford Tsang, Assessor Sênior de política do E3G. “A União Européia, os Estados-Membros e o governo do Reino Unido devem continuar engajados com a China na implementação de ações climáticas de curto prazo, incluindo uma moratória sobre a construção de usinas elétricas a carvão no país e no exterior”.

Relação China-EUA

A China foi o primeiro país, após os Estados Unidos, a falar durante a Cúpula de Líderes Climáticos convocada pelo presidente Joe Biden. Embora nenhuma nova meta formal tenha sido anunciada, Xi Jinping disse que a China “limitaria estritamente o aumento do consumo de carvão no 14º período do plano quinquenal e o reduziria gradualmente no 15º período do plano quinquenal”.

Dias antes, em 18 de abril, EUA e China divulgaram uma declaração conjunta sobre suas metas climáticas. Nela, a China concorda em trabalhar metas mais ambiciosas nesta década e em entregar planos de descarbonização de longo prazo em linha com a neutralidade de carbono líquido zero na COP26, que será realizada em novembro, na Escócia.

Os resultados da pesquisa realizada com os europeus estão alinhados com os dados de outra pesquisa de opinião , feita nos EUA, em dezembro do ano passado pelo Asia Society Policy Institute. O estudo indicou que a maioria dos americanos apoia a cooperação com a China para enfrentar a mudança climática e reduzir as emissões.

Observatório dos Agrotóxicos: com mais 33 produtos técnicos liberados, governo Bolsonaro atinge liberação de recorde de agrotóxicos em 28 meses

pesticides overuse

Um dos mais aspectos mais marcantes dos quase 28 meses de governo do presidente Jair Bolsonaro é a persistente onda de liberações de agrotóxicos que estão inundando o mercado brasileiro com produtos banidos nos países que os criaram, começando pela União Europeia, por causarem danos consideráveis sobre a saúde humana e o meio ambiente.  As liberações mais recentes ocorreram com a publicação do ATO Nº 20,  de 8 de ABRIL de 2021 que aprovou a comercialização de mais 33 agrotóxicos do tipo produto técnico. Com essa rodada, o governo Bolsonaro alcançou incríveis 1.172 liberações em 845 dias de governo, o que dá uma média de 1,39 agrotóxicos liberados por dia. Além disso, graças a essa volúpia de aprovações, o Brasil hoje conta com 3.231 produtos disponíveis no mercado, o que implica no fato de que o governo Bolsonaro é responsável por 36% de todos os agrotóxicos passíveis de serem comprados legalmente no Brasil.

Como em outras publicações, o ATO Nº 20,  de 8 de ABRIL de 2021 beneficia fortemente empresas sediadas na China que são responsáveis pela produção de 76%  dos agrotóxicos liberados, incluindo o fato de que uma empresa  localizada em Israel, e que fornecerá um dos agrotóxicos liberados, também agora é controlada por uma estatal chinesa (ver gráfico abaixo).

Ato no, 20 países sede

Outro aspecto recorrente da “tsunami de agrotóxicos” do governo Bolsonaro é a recorrente aprovação de produtos que contém substâncias banidas por terem sido flagradas causando graves danos à saúde humana e aos ecossistemas ambientais. No caso do ATO Nº 20,  de 8 de ABRIL de 2021, 30% dos agrotóxicos estão proibidos na União Europeia.

Tabela substâncias liberadas

Dentre as substâncias liberadas há que se enfatizar pelo menos duas, a Atrazina e o Fipronil, cujos impactos sobre a saúde humana (a Atrazina) e sobre espécies benignas como as abelhas (o Fipronil) estão solidamente documentadas não pela comunidade científica, mas também por órgãos governamentais como é o caso da União Europeia. No caso do Fipronil, que teve sua introdução no Brasil feita pelo governo Bolsonaro, o total de produtos liberados contendo esse princípio ativo chega a 25, o que deverá ter fortes impactos sobre as populações das abelhas em território nacional. No caso da Atrazina, o total de produtos liberados pelo governo Bolsonaro é de 22, apesar de todas as evidências que existem sobre o impacto que essa substância causa vários impactos negativos saúde humana (e.g., a exposição materna à atrazina na água potável foi associada a baixo peso fetal e defeitos cardíacos, urinários, além de retardar o desenvolvimento de fetos e causar a redução na sobrevida dos mesmos. Essa substância também têm sido associada à ocorrência de câncer de mama e de próstata, além de ser considerada um disruptor endócrino). 

O mais problemático disso tudo é que a sinergia dessa verdadeira multidão de agrotóxicos altamente perigosos e seus potenciais impactos sobre a saúde ecossistemas naturais, corpos hídricos e os alimentos que chegam às mesas dos brasileiros está sendo fortemente negligenciada pela mesma agência, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que continua adotando táticas protelatórias no processo de liberação de vacinas contra a COVID-19, como é o caso da vacina russa Sputnik V.  Pelo jeito, todo o cuidado alardeado pela Anvisa não cobre a aprovação tsunâmica de agrotóxicos, deixando clara qual é a opção que orienta as ações do governo Bolsonaro.

Quem quiser baixar a planilha contendo os 33 agrotóxicos técnicos, basta clicar [Aqui ]. Para os interessados, em baixar a planilha contendo os 1.172 agrotóxicos liberados desde 01 de janeiro de 2019, basta clicar [Aqui!].