Pesquisadores usam torre na Amazônia para investigar relação da floresta com o clima global

torre amazonia

Maria Fernanda Ziegler, em Uatumã  |  Agência FAPESP 

Para fazer ciência na Amazônia, além de enfrentar longos desafios logísticos, também é preciso subir degraus. Muitos deles. Quase 1,5 mil e, se possível, de uma só vez. O esforço vale a pena, pois tem levado a descobertas sobre o impacto tanto das mudanças climáticas na Amazônia quanto da floresta no clima de todo o planeta.

A escadaria em questão está na Torre Alta da Amazônia (ATTO, na sigla em inglês), com 325 metros de altura – ou quase o mesmo que três edifícios Copan empilhados. A torre fica a 150 km de Manaus (AM), na Estação Científica do Uatumã. É lá que cientistas instalam equipamentos capazes de captar informações sobre os fluxos de troca entre a floresta e a atmosfera.

São análises de concentrações de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, do balanço de radiação e de fluxos de ozônio e aerossóis – partículas líquidas ou sólidas em suspensão no ar –, entre outros indicadores importantes para que se forme um panorama da importância da floresta amazônica.

Antônio Huxley do Nascimento sobe até o topo da torre diariamente quando está na Estação Científica, cerca de 10 dias por mês. Ele é técnico em instrumentação do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa) e monitora a operação de alguns dos mais de 100 equipamentos instalados na torre ATTO. Para subir, ele usa equipamento de segurança que inclui cinturão, mosquetões e cordão presos à cintura e ao corrimão da escadaria.

Nascimento verifica dados e o funcionamento dos equipamentos. “São equipamentos que coletam dados complexos o tempo inteiro, não pode haver interrupção. Eles geram uma quantidade enorme de dados e as informações são acessadas pelos pesquisadores em seus laboratórios no Brasil e na Alemanha. Mas é preciso ver constantemente se está tudo funcionando bem na torre”, disse à Agência FAPESP.

Em funcionamento desde 2015, a construção da torre custou € 8,4 milhões, financiados metade pelo governo alemão e pelo Instituto Max Planck e a outra metade pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) do Brasil, com recursos da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep). Agências de fomento estaduais, como a FAPESP, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e a Fundação da Universidade Federal do Paraná (Funpar), financiam projetos de pesquisa na torre.

Na reserva existem ainda outras duas torres mais baixinhas, com 80 metros cada, usadas para o estudo de gases e aerossóis. Nelas é possível ter uma perspectiva mais próxima do dossel e não sobre a floresta, como ocorre com a torre ATTO.

A copa das árvores chega geralmente até 40 metros de altura, ou um oitavo da torre ATTO. Nessa etapa da subida da torre, é possível sentir a variação da umidade da floresta. Bem mais acima, a uns 170 metros de altura, um vento forte toma a torre. No entanto, ela não balança, pois está fixada também por longos e fortes cabos de aço. No topo, vê-se a imensidão da floresta, geralmente acompanhada por um enorme silêncio. De resto, só alguns pássaros conseguem parar no alto da torre, ou deixar lembranças por lá.

A Amazônia desempenha um papel importante nos ciclos biogeoquímicos globais de gases de efeito estufa. “A floresta amazônica é de extrema importância, principalmente por ser um bioma único no mundo, em região tropical. É a maior extensão de floresta tropical e o único lugar onde a própria floresta tem mecanismos de controle de seu clima interno, impactando muito de nosso planeta”, disse Paulo Artaxo, professor titular no Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IFUSP) e membro do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Essas características da floresta amazônica permitem que ela tenha mecanismos de regulação climática sobre a região.

“A floresta controla o balanço de energia, o fluxo de calor latente e sensível, o vapor d’água e os núcleos de condensação de nuvem que vão intensificar o seu ciclo hidrológico. E isso só é possível se houver uma extensão muito grande de floresta contígua. Quando ela é fragmentada, deixa de ter essa propriedade”, disse o também membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais.

Artaxo coordena a pesquisa “O ciclo de vida dos aerossóis e nuvens na Amazônia“. Apoiada pela FAPESP, a pesquisa vai calcular o transporte de aerossóis a partir de medidas obtidas na torre ATTO, em Chacaltaya – a 5.250 metros de altitude nos Andes bolivianos – e em barcos e aviões.

O pesquisador também coordenou o href=”https://bv.fapesp.br/pt/376/”>Green Ocean Amazon Experiment (GOAmazon), campanha científica que buscou entender como os ciclos de vida dos aerossóis e das nuvens são influenciados pelo transporte de poluentes de Manaus para regiões de floresta tropical. O GOAmazon foi realizado de 2013 a 2018 e teve apoio da FAPESP, do Departamento de Energia dos Estados Unidos (DoE) e da Fapeam.

A análise de dados coletados na torre ATTO e em outros locais da Amazônia permitiu ao projeto GoAmazon fazer descobertas importantes sobre a dinâmica da floresta amazônica e sua relação com as mudanças climáticas. A partir de dados obtidos na torre, pesquisadores descobriram que o processo de aquecimento global pode ser ainda mais intenso do que o previsto originalmente caso não se consiga frear o desmatamento.

O grupo de pesquisadores reproduziu matematicamente as condições atmosféricas atuais do planeta, incluindo concentrações de aerossóis, compostos orgânicos voláteis (VOCs, na sigla em inglês) antropogênicos e biogênicos, ozônio, CO2, metano e também os demais fatores que influenciam na temperatura global. De acordo com o estudo, essa maior intensidade de aquecimento está relacionada principalmente às mudanças nas emissões de BVOCs (compostos orgânicos voláteis biogênicos) pelas florestas tropicais.

Outro estudo, publicado na Nature Communications, reforçou a importância da Amazônia na regulação química da atmosfera. Pesquisadores do GoAmazon descobriram que a floresta amazônica emite três vezes mais isopreno do que o estimado anteriormente. A substância é um dos principais precursores do gás ozônio.

Aerossóis e ozônio

Um terceiro trabalho, publicado na revista Science, mostrou que na floresta tropical as partículas ultrafinas de poluição emitidas pelas cidades – e que costumam ser desprezadas para o impacto da poluição urbana – afetam substancialmente a formação das nuvens de tempestade na Amazônia.

Os resultados obtidos ajudam na compreensão de como a poluição urbana afeta os processos relacionados à formação de tempestades na Amazônia.

“É um quebra-cabeça e nós tentamos justamente identificar novas peças para contar a história completa”, disse Luciana Varanda, professora da Unifesp e integrante do GoAmazon.

Varanda faz estudos também na Floresta Nacional do Tapajós, no Pará, e na reserva do Cuieras, que fica a 60 km de Manaus (AM). “Estamos comparando observações no ATTO e nesses outros dois pontos e os resultados são semelhantes. Isso indica que essa floresta, apesar de ser mais próxima de Manaus, na maior parte do tempo tem condições originais da floresta preservada”, disse.

Os cientistas do GoAmazon utilizam equipamentos de última geração instalados nas torres.

“Eles funcionam automaticamente, coletam o ar e analisam com alta precisão a concentração de dióxido e monóxido de carbono – indicadores de ação do homem. Também medimos o ozônio, que é um poluente importante na troposfera. E ainda temos equipamentos que analisam detalhadamente as propriedades físico-químicas dos aerossóis. São análises em tempo real de composição química e de propriedades ópticas que indicam a interação dos aerossóis com a radiação solar e a fotossíntese da floresta”, disse Varanda.

Artaxo explica que as torres foram construídas em locais onde recebem quantidade mínima de poluição urbana.

“A poluição de Manaus atinge a torre ATTO muito esporadicamente, coisa de alguns dias por ano. Na maior parte do tempo, a torre recebe uma das massas de ar mais limpas que temos no planeta, que é transportada por 2 mil quilômetros desde o Atlântico Tropical, ao longo de uma região que não tem nenhuma grande área urbana. Isso é o que faz a torre ser muito especial do ponto de vista de monitoramento atmosférico de gases do efeito estufa, partículas de aerossóis, nuvens, radiação etc.”, disse à Agência FAPESP.

Para Artaxo, medições desse tipo na Amazônia são de extrema importância, tanto que só existem outras duas torres no mundo com características semelhantes à torre ATTO.

“Existe a torre Zotto, que fica na Sibéria, com 302 metros de altura, e uma torre alta que fica em Wisconsin, a WLEF, nos grandes lagos na América do Norte. Elas medem o balanço de carbono e propriedades atmosféricas. A torre ATTO é a única localizada em regiões tropicais, que são regiões estratégicas do ponto de vista de balanço de carbono e hidrologia global”, disse.

“O ATTO é um grande grupo integrado de pesquisadores e o mais importante é que estamos fazendo tudo no mesmo lugar. Há um intercâmbio grande entre os pesquisadores, não só de conhecimento, mas de dados, análises e também de metodologia de pesquisa”, disse Susan Trumbore, pesquisadora do Instituto Max Planck e coordenadora do lado alemão do projeto.

O objetivo é que cada projeto de pesquisa tenha um equilíbrio entre brasileiros e alemães. “Futuramente, pretendemos abrir a pesquisa para cientistas de outras nacionalidades”, disse Trumbore.

Na reserva são feitas pesquisas em fisiologia da vegetação, meteorologia, hidrologia, vegetação, gases do efeito estufa, entre muitas outras áreas.

“É essencial a colaboração entre os pesquisadores. Por exemplo, digamos que estudamos aerossóis e notamos que um gás específico está com concentração alterada. A primeira providência é contatar os colegas que estão medindo essa partícula. Depois, analisamos dados de satélites, de vento e de grande escala da vegetação. É importante estar conectado com diferentes áreas, pois a floresta é um sistema dinâmico complexo”, disse Stefan Wolff, pesquisador do Instituto Max Planck de Química.

Um exemplo de colaboração entre pesquisadores está no experimento supervisionado por Fernanda da Luz, que acabou de defender mestrado no Inpa. Ela integra a equipe de um estudo sobre a influência da diversidade vegetal e do solo na composição molecular da matéria orgânica dissolvida no solo. O experimento faz parte do projeto de doutorado de um pesquisador do Instituto Max Planck de Biogeoquímica.

De 15 em 15 dias, Luz coleta amostras de água para análise do carbono orgânico. As análises das amostras são realizadas no laboratório de hidrologia do Inpa.

Amazônia como um todo

Trumbore explica que para entender a complexidade da interação da floresta com a atmosfera é necessário também fazer pesquisas de solo e da vegetação. “Particularmente, a minha pesquisa não usa a torre. Ela envolve fazer buracos no solo em vez de subir na plataforma”, disse.

Para ela, o mais positivo do projeto como um todo é tentar entender processos complexos. “Ao mesmo tempo que medimos os fluxos atmosféricos, precisamos entender o porquê. Por isso estudamos solo, árvores, folhas, a relação simbiótica de liquens e muitos outros aspectos. Eu fico com a parte dos porquês. A reserva científica também serve de apoio para pesquisas de vegetação”, disse.

O metano, gás importante para o efeito estufa, é emitido pelo solo e em áreas inundadas. “No nível global a bacia amazônica é uma fonte global de metano. Queremos saber como isso vai se alterar com as mudanças climáticas e o aquecimento global”, disse Trumbore.

Artaxo destaca que a torre ATTO tem que funcionar a médio e longo prazo para fazer diagnósticos precisos do que está ocorrendo com o ecossistema amazônico.

“Ele está perdendo carbono para a atmosfera? Está absorvendo? A chuva está diminuindo ou aumentando? São questões fundamentais tanto para responder questões relacionadas ao Acordo de Paris, do qual o Brasil é signatário, quanto questões para que possamos fazer um diagnóstico preciso e o mais cedo possível do estado atual do funcionamento do ecossistema amazônico”, disse. 

FONTE:  Agência Fapesp

 

Aquecimento global e onda de calor no hemisfério norte

A mídia corporativa brasileira, acreditem, possui vários jornalistas que nos trazem materiais de qualidade. Entre esses jornalistas é Giovana Girardi que cuida de questões relacionadas ao ambiente no jornal “O ESTADO DE SÃO PAULO“, onde também hospeda o seu blog “Sutentabilidade”.

No dia de ontem (27/07),  Giovana Girardi abordou e estabeleceu relações interessantes entre a corrente onda de calor no hemisfério, que já rendeu temperaturas altas inéditas até no Ártico, e as mudanças climáticas disparadas pelo aquecimento da atmosfera produzido pela sociedade humana, especialmente aquela guiada pelos altos padrões de consumo impostos pelo sistema capitalista.

aquecimento 1

Quem desejar entender melhor as possíveis relações existentes a partir do que o jornalista Maurício Tuffani, do “Direto da Ciência”,  caracterizou como sendo uma reportagem  didática e rigorosa , sugiro a leitura completa [Aqui!].

Mas uma coisa é certa: querem os céticos do clima ou não, é melhor nos prepararmos para situações cada vez mais inusitadas e intensas no tocante ao clima da Terra.

Desmatamento para instalação de monoculturas está causando o colapso dos estoques de carbono na transição Amazônia-Cerrado

Resultado de imagem para amazon cerrado transition carbon stocks

Pouco dias depois da mídia corporativa dar destaque à publicação assinada pelos pesquisadores Carlos Nobre e Thomas Lovejoy sobre a iminente aproximação de um limiar de colapso para a floresta amazônica, recebi um artigo que deveria também receber a devida atenção, pois as descobertas que o mesmo traz adicionam ainda mais luz sobre os intrincados processos disparados pelo processo de desmatamento para a implantação de monoculturas nos estoques de carbono dos solos.

O trabalho intitulado “Collapse of ecosystem carbon stocks due to forest conversion to soybean plantations at the Amazon-Cerrado transition” (ou em português “Colapso dos estoques ecossistêmicos de carbono devido à conversão de florestas em monoculturas na transição Amazônia-Cerrado) foi publicado pela revista “Forest Ecology and Management” e tem como autora principal a professora Isabelle Bonini do campus da Universidade Estadual do Mato Grosso no município de Xavantina (ver imagem abaixo).

estoques carbono

A principal descoberta do estudo tem a ver com a produção de estimativas para as perdas de pelo menos um terço do estoque de carbono existentes nos solos após a implantação das monoculturas, fossem elas compostas por culturas temporárias (soja, por exemplo) ou permanentes (plantios de árvores).  Também encontradas diminuições significativas nos sistemas de raízes finas, inclusive nas monoculturas de árvores. Mais importante ainda foi a diminuição do estoque de carbono na biomassa acima do solo.  Esta perda foi associada à remoção anual da soja, a qual remove  anualmente quantidades significativas de carbono deste compartimento.

Como resultado desse processo de conversão de florestas em monoculturas, os autores do estudo detectaram grandes perdas na biodiversidade e a perda de importantes funções cumpridas pelos ecossistemas que estão sendo impactados pelo desmatamento. Mas mais importante ainda foram as estimativas obtidas para a emissão de carbono para a atmosfera, resultados esses que poderão aperfeiçoar a acurácia e a precisão dos modelos climáticos existentes.

Enquanto isso, o Supremo Tribunal Federal analisa os trechos mais polêmicos do chamado Código Florestal, mantendo intactos alguns elementos para os quais a comunidade científica já ofereceu evidências suficientes para a sua proibição.  Em suma, como prova mais este trabalho, a facilitação do processo de destruição dos biomas amazônicos e do Cerrado não está se dando por falta de conhecimento científico, mas sim pela decisão de ignorar o que a ciência já produziu,  apenas para que o processo de agricultura destrutiva adotada pelo latifúndio agroexportador continue avançando impune.

 

 

Abismo climático na Amazônia se aproxima, dizem cientistas

América do Sul pode enfrentar problemas de água com a devastação da floresta

 

Resultado de imagem para DESMATAMENTO AMAZONIA

Por Reinaldo José Lopes, de SÃO CARLOS

A Amazônia está se aproximando perigosamente da beira do abismo climático, alertam dois respeitados pesquisadores (um brasileiro e outro americano) em editorial publicado numa das principais revistas científicas do mundo.

Se o Brasil e os demais países amazônicos não acharem uma maneira de evitar que o desmatamento da maior floresta tropical supere os 20% de sua área original, aumentará muito a probabilidade de que boa parte da Amazônia, no futuro não tão distante, simplesmente deixe de ser floresta.

Pássaros voam no meio da Amazônia
Pássaros voam no meio da Amazônia – Keiny Andrade/Folhapress

E isso seria uma péssima notícia não apenas para a biodiversidade da região como também para as dezenas de milhões de pessoas América do Sul afora que dependem da água gerenciada pela floresta —o que inclui tanto os moradores de Manaus quanto os da região Sul do Brasil, do Uruguai e até de áreas da Argentina e do Paraguai.

Ponto de Virada

Os responsáveis pelo alerta são o climatologista Carlos Nobre, membro da Academia Brasileira de Ciências, e o biólogo Thomas Lovejoy, da Universidade George Mason (Virgínia, EUA).

O grande temor da dupla é que, embora não se saiba exatamente qual o chamado ponto de virada do sistema amazônico —ou seja, qual o nível de desmatamento e degradação pelo fogo que faria com que grandes porções da floresta se tornassem inviáveis—, seria péssimo descobrir onde fica esse fiel da balança chegando lá, ou seja, quando já seria tarde demais.

Em países como os próprios EUA, políticos e ativistas conservadores que não aceitam as conclusões científicas sobre as mudanças climáticas costumam usar as incertezas consideráveis a respeito de como será o clima do futuro como argumento para evitar os custos de ações drásticas contra o problema, os quais poderiam afetar a economia.

Nobre diz que não vê esse tipo de argumento ganhando força no cenário político brasileiro, mas usa uma analogia médica para rebatê-lo.

“Quando você começa a sentir alguma coisa estranha, marca uma consulta com o médico, depois pode ouvir uma segunda ou uma terceira opinião. Bom, a incerteza sobre os efeitos das mudanças climáticas é muito menor hoje do que a que vem de uma consulta como essa, e mesmo assim as pessoas não deixam de seguir as recomendações dos seus médicos”, compara. “Vai contra toda a evolução da civilização você achar que não vale a pena minimizar um risco que é bem real.”

O risco de que Nobre fala vem de uma conjunção de fatores destrutivos. O primeiro e mais óbvio é o desmatamento —o qual, como lembra o pesquisador, só não ultrapassou o limite perigosamente alto dos 20% porque muitas áreas abandonadas na Amazônia já se regeneraram; ele estima que o número real hoje esteja entre 15% e 17%.

Desmates e queimadas tendem a tornar a mata mais vulnerável durante períodos de seca, porque a luz solar penetra com mais facilidade, levando ao acúmulo de matéria vegetal inflamável. E há indícios de que os próprios períodos de seca severa têm ficado mais comuns nas últimas décadas, com três episódios fora da curva em 2005, 2010 e 2015, por exemplo. Tais períodos de estiagem parecem estar ligados ao aquecimento anormal das águas do Atlântico, coisa que, por sua vez, é o esperado com uma temperatura média global mais alta.

Todos esses fenômenos podem ter impactos péssimos para a disponibilidade de água em boa parte da América do Sul porque a Amazônia, em grande medida, é capaz de reciclar seus próprios recursos hídricos, por meio dos processos de evaporação e transpiração das árvores e pelas moléculas orgânicas produzidas por elas, as quais ajudam a condensar nuvens de chuva. Boa parte dessa umidade é exportada rumo ao sul durante o inverno —justamente a época mais crítica no que diz respeito à falta d’água em boa parte do continente.

Embora o desmatamento tenha passado por aumentos em anos recentes, na contramão da tendência de redução desde 2004, Nobre considera que não houve mudança na postura governamental em relação ao tema.

“O Brasil tem mantido seus compromissos no Acordo de Paris [maior pacto internacional contra as mudanças climáticas firmado até agora] e continua buscando se colocar como liderança nessa área. A questão é saber até que ponto o discurso está afinado com a prática. E não há dúvida de que há forças políticas que querem expandir a produção de carne e grãos na Amazônia até os limites da demanda do mercado internacional por esses produtos, o que seria muito ruim”, diz o climatologista.

FONTE: https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2018/02/abismo-climatico-na-amazonia-se-aproxima-dizem-cientistas.shtml

Donald Trump e as razões para seu conveniente ceticismo climático

Um assumido cético das teses científicas que postulam que o clima da Terra está passando por transformações causadas pelo funcionamento da sociedade capitalista, o presidente estadunidense Donald Trump aproveitou as baixas temperaturas que grassam no leste dos EUA neste início de 2018 para renovar seus ataques anti-ciência do clima.

trump 0

As razões para esses ataques de Donald Trump contra as abundantes evidências de que atravessamos um período de mudanças climáticas são evidentemente econômicas e geopolíticas [1]. É que do ponto de vista de seus principais apoiadores, qualquer modificação estrutural na forma de funcionamento do sistema capitalista implicará em alterações nos padrões de consumo, principalmente no que se refere aos combustíveis fósseis.

Mas teses anti-científicas estão encontrando um terreno fértil para florescer na medida em que a persistente crise que afoga o sistema capitalista desde 2008 vem gerando uma guerra de contra-informação para que se mantenha tudo mais ou menos como está nas relações de produção e circulação de mercadorias.

Mas vamos ao que interessa. Donald Trump pode ser uma pessoa básica, mas está longe de ser o idiota que alguns tentam pintá-lo. Ele deve saber que existe uma diferença fundamental entre tempo atmosférico e clima. É que enquanto tempo se refere a um período curto de dias e semanas para que sejam feitas previsões com um mínimo de chance de acerto, os cálculos climáticos são muito mais complexos, já que se medem períodos acumulados na escala de décadas. 

Em outras palavras, o fato de estar frio por alguns dias não determina de forma alguma que a Terra está esfriando. Aliás, uma das muitas hipóteses acerca das mudanças que o aquecimento da atmosfera trará sobre o clima da Terra será a ocorrência de eventos extremos, tanto em termos de temperatura como de precipitação. Assim, podemos ter muita chuva em poucas horas para depois passarmos meses sem uma mísera chuva. O mesmo vale para as temperaturas. E, acreditem, Donald Trump e seus assessores que defendem o ceticismo climático sabem disso.

Então por que a negação do que 95% da comunidade científica postula como sendo o que se passando com o clima da Terra?  Ora, porque essa verdade inconveniente atenta contra os interesses econômicos e estratégicos das grandes corporações que Donald Trump efetivamente representa.

Para aqueles que ainda não viram um daqueles vídeos que mostrando o derretimento das calotas polares, posto um abaixo.

E após assistirem este vídeo lembrem que o que lhes pareça catástrofe ambiental iminente é visto por Donald Trump e associados como oportunidades econômicas colossais, a começar pelo aumento de tráfego de navios no Ártico [2]!

globes-Artboard_1


[1] https://www.eenews.net/stories/1060069603

[2] https://www.nytimes.com/interactive/2017/05/03/science/earth/arctic-shipping.html

Valor: ONU aponta que emissão global de gases-estufa atingiu nível recorde

Por Daniela Chiaretti | Valor

global warming

 

BERLIM  –  As emissões globais de gases-estufa atingiram níveis recordes apesar das políticas existentes para enfrentar a mudança do clima. As emissões cresceram mais entre 2000 e 2010 do que em cada uma das três décadas anteriores, aponta relatório do IPCC, braço científico das Nações Unidas.

“O que está muito claro é o fato que a tendência de aumento das emissões de gases-estufa tem que acabar rapidamente. E que todas as sociedades têm que estar a bordo”, disse em alto e bom som o indiano Rajendra Pachauri, presidente do IPCC, esta manhã, em Berlim.

O sumário para formuladores de políticas sobre o relatório de mitigação da mudança do clima foi discutido, esta semana, por representantes de 195 governos e cientistas de 85 países. Trata-se do mais importante estudo sobre gases-estufa, volumes e estratégias de redução produzido no mundo nos últimos cinco anos.

Outra mensagem importante do estudo foi que a queima de combustíveis fósseis no transporte e nas indústrias respondeu por 78% do aumento total das emissões entre 1970 e 2010. A metade das emissões de gases-estufa provocadas por atividades humanas desde a revolução industrial aconteceram nos últimos 40 anos.

Aumento de temperatura

A boa notícia é que ainda é possível limitar o aumento da temperatura em 2°C até o fim do século se mudanças rápidas e drásticas acontecerem no setor de energia. O uso de combustíveis fósseis têm que ser reduzido fortemente. O uso de energias renováveis ou outras alternativas de baixa emissão — como nuclear ou queima de fósseis com sistemas que aprisionem carbono (conhecidas por CCS) –, têm que triplicar ou até quadruplicar até 2050.

O relatório diz que as promessas que os países fizeram em reuniões climáticas como a de Cancún, em 2010, são muito insuficientes, mesmo se seguidas à risca.

Ainda assim, é possível tentar manter o aumento da temperatura da Terra em 2°C até o fim do século, o que evitaria desastres naturais mais intensos do que já se têm hoje em todo o mundo. Para isso as emissões de gases-estufa têm que ser reduzidas de 40% a 70% em 2050 em relação aos níveis de 2010 e chegar em níveis perto de zero no fim do século.

O alemão Ottmar Edenhofer, um dos três presidentes do grupo de cientistas responsáveis por elaborar o relatório do IPCC, resumiu de forma simples e clara o que o estudo mostra: “As emissões de gases-estufa estão crescendo a um ritmo muito veloz, o crescimento econômico e o aumento da população são fatores que puxam esta tendência e na última década vimos um grande aumento no uso do carvão que se tornou mais barato.”

Pachauri completou que “uma das principais mensagens é que há uma necessidade sem precedentes de cooperação internacional. Não se vai conseguir nada individualmente”, disse. “A redução de gases-estufa não pode ser vista de maneira estreita, mas em um espectro largo. Políticas climáticas produzem muitos co-benefícios.”

Youba Sokona, cientistas de Máli e outro vice-presidente do grupo de trabalho, disse que “os formuladores de políticas têm que se responsabilizar sobre nosso futuro comum”. “Eles são os navegantes, têm que fazer decisões. Este relatório é um mapa amplo e claro em direção ao futuro.”

O alemão Edenhofer lembrou ainda que “as mudanças que a mitigação exige na economia serão enormes”. “Isso não quer dizer que a economia global tem que sacrificar seu crescimento econômico. Quer dizer que talvez tenha que atrasar um pouco esse crescimento.”

FONTE: http://www.valor.com.br/internacional/3515440/onu-aponta-que-emissao-global-de-gases-estufa-atingiu-nivel-recorde#ixzz2yndkUzbG