Denúncia de”Gigantesco esquema de corrupção” tem Sérgio Cabral no centro do enredo

pezao-cabral

O jornalista Fausto Macedo publicou hoje no seu blog no “O ESTADO” uma reportagem de sua co-autoria cujo título é “Gigantesco esquema de corrupção’ no Rio teve ‘apadrinhamento’ de Sérgio Cabral, diz Procuradoria”, onde são reveladas informações preciosas sobre como a Delta Construções realizava suas tratativas ilegais durante o (des) governo de Sérgio Cabral (Aqui!)

cabral-cavendish

Que havia algo de errado por detrás dos negócios bilionários da empresa de Fernando Cavendish com o estado do Rio de Janeiro até a mais ingênua das almas viventes no território fluminense já sabia. O que muitos poderão ficar surpresos é com o montante do dinheiro que era desviado por meio de uma extensa rede de empresas fantasmas. É que segundo a matéria o total desviado chega a fabulosos R$ 370 milhões. Há que se notar que a matéria não informa precisamente qual foi o rumo tomado por essa dinheirama toda após sair dos cofres estaduais.

Uma coisa me parece certa. Seria ingenuidade pensar que o esquema aplicada na Delta Construções tenha sido o único. É que outras empreiteiras tiveram contratos bilionários com o estado  e com município do Rio de Janeiro no mesmo período. Como não há nenhuma racionalidade em aplicar um esquema tão eficiente num só lugar, é provável que em breve tenhamos notícias de lavagens semelhantes, apenas mudando o nome da empresa. E certamente candidatas para isso não faltam, já que falamos de obras que foram dos Jogos Panamericanos de 2007até as Olimpíadas de 2016. 

E depois ainda tem gente que vem culpar os servidores e aposentados pela pindaíba em que o estado do Rio de Janeiro se encontra. É realmente muita cara de pau!

Finalmente, como o atual (des) governador Luiz Fernando Pezão foi o secretário de Obras do Rio de Janeiro em boa parte do período de poder de Sérgio Cabral, eu não me surpreenderei se o nome dele aparecer em algumas das delações que estão ocorrendo ou ocorrerão. A ver!

 

Lauro Jardim anuncia que Fernando Cavendish vai virar “delator premiado”. E manda o recado: te cuida, Sérgio Cabral!

cabral cavendish

O colunista Lauro Jardim acaba de postar uma nota que deverá abalar corações de diferentes matizes da política fluminense. Na prática a nota de Lauro Jardim (ver reprodução abaixo) é um aviso de que o ex-todo poderoso dono da Delta Construções, Fernando Cavendish, resolveu aderir ao seleto grupo dos “delatores premiados).

cavendish cabral

Lauro Jardim aproveita para inserir na nota o nome de três potenciais atingidos pela delação premiada de Cavendish: César Maia, Anthony Garotinho e, sim como não!?, Sérgio Cabral. De quebra, há o realce de que Cavendish seria “toda mágoa” com o ex-parceiro de festanças parisienses, o ex (des) governador Sérgio Cabral.

Particularmente acho que entre personagens como Fernando Cavendish e Sérgio Cabral não há espaço real para mágoas pessoais. O que existe corriqueiramente são negócios mal resolvidos. E isto os dois lá devem ter, a começar pela mal explicada queda do helicóptero no sul da Bahia onde morreram, entre outras pessoas, a esposa de Fernando Cavendish, Jordana (Aqui!). Eu pessoalmente desconfio que esse episódio, mais do que qualquer outra coisa, é que alimenta a disposição de Fernando Cavendish de falar o que sabe sobre os anos em que a Delta Construções reinou soberana nas obras públicas realizadas no auge da gastança dos royalties no território fluminense.

Agora, com toda certeza, não é apenas Sérgio Cabral que deve estar de cabelos em pé com a possibilidade de Fernando Cavendish abrir o seu baú de segredos. A ver! 

Cavendish é Cabral, e Cabral é Cavendish.Então por que só um está “hospedado” em Bangu 8?

encontro-paris3-original-copy-original

Nos últimos tempos ando tão ocupado que nem tenho tido tempo de falar de uma das maiores contradições que observo na situação política do Rio de Janeiro. Agora, graças ao jornalista Mário Magalhães que abordou de maneira lapidar a situação do ex (des) governador Sérgio Cabral em uma brilhante postagem em seu blog intitulada “Cadê Cabral?” (Aqui!). A partir do texto de Mário Magalhães, sint0-me quase obrigado a falar do descompasso de situações a que estão submetidos Sérgio Cabral e Fernando Cavendish, seu amigo de farras com guardanapo na cabeça em Paris.

É que tendo experimentado os tempos dourados do primeiro mandato de Sérgio Cabral como (des) governador  do Rio de Janeiro com múltiplas idas ao Palácio Guanabara para tentar negociar em nome dos professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), lembro bem do papel de proa que Fernando Cavendish alcançou como proprietário da Delta Construções, muito em parte graças à sua forte amizade que união os dois.

O fato sabido por quase todo mundo no Rio de Janeiro é que a rápida ascensão de Fernando Cavendish (de características quase meteóricas) esteve ligada às obras públicas que caiam em suas mãos em profusão.  Em bom carioquês, essa relação quase simbiótica pode ser sintetizada com um “Cavendish é Cabral, e Cabral Cavendish”.

Se tudo isso é verdade, o que me estranha totalmente é por que só Cavendish acabou preso em Bangu 8. Qual será a força que vem mantendo Sérgio Cabral livre de destino similar, em que pesem as delações e denúncias que vêm se avolumando na mesma velocidade em que Cavendish acumulou obras durante, principalmente, o primeiro mandato do seu amigo (des) governador.

Aparentemente sou menos otimista do que Mário Magalhães sobre a possibilidade de Sérgio Cabral um dia vir ter de responder à justiça sobre todos os imbróglios que seus múltiplos acusadores o tem envolvido. É que tudo indica que sua aparente capacidade de ficar fora dos holofotes não se deve apenas a uma habilidade pessoal. 

Com Cavendish e a Delta na mira da PF, o fio da meada da crise no RJ fica mais próximo

cabral cavendish

A mídia corporativa está noticiando hoje o pedido de prisão de Fernando Cavendish da Delta Construções S/A, um dos grandes amigos do ex( des) governador Sérgio Cabral (Aqui!Aqui! e Aqui!).

A Delta Construções de Cavendish teve no período de 2007 a 2012, 96,3% do seu faturamento ligada a verbas públicas, e agora a Polícia Federal alega que em troca disso, a empresa operava um sistema milionário de propinas (ver gráfico abaixo).

delta

Fonte: O Globo

A questão para mim é porque se demorou tanto a se chegar em Fernando Cavendish e as operações para lá de questionáveis que envolveram a Delta Construções. 

De toda forma, desconfio que na ausência da prisão de Cavendish que aparentemente não se encontra no Brasil, uma pessoa realmente preocupada com a operação de nome sugestivo da PF (i.e.,  Operação Saqueador) é o ex (des) governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

É que durante boa parte do primeiro mandato de Sérgio Cabral não apenas a Delta foi fartamente com obras públicas no território fluminense, mas como também ficou mais do que explícita a relação pessoal entre o então (des) governador e Cavendish. Esta proximidade ficou especialmente evidente na queda do helicóptero no sul da Bahia em que morreu a esposa do dono da Delta e da namorada do filho de Sérgio Cabral, o atual secretário estadual de Esportes, Marco Antonio Cabral (Aqui!).

Agora com a inclusão da Delta Construções na Operação Saqueador, talvez haja um avanço sobre os mega pacotes de obras públicas que a empresa operou no Rio de Janeiro. A ver!