Brasil registra o pior nível de desmatamento anual em uma década

Quase 8.000 km² de florestas foram perdidos até julho de 2018 em meio a alarme O novo presidente, Jair Bolsonaro, piorará a situação

3204

Ambientalistas alertam que o desmatamento provavelmente se tornará mais agudo quando Jair Bolsonaro se tornar presidente em 1º de janeiro. Foto: Bruno Kelly / Reuters

Por Dom Phillips [1]

O Brasil divulgou seus piores números anuais de desmatamento em uma década, em meio a temores de que a situação possa piorar quando o presidente Jair Bolsonaro, assumidamente antiambientalista, assumir o poder. 

Entre agosto de 2017 e julho de 2018, 7.900 km² foram desmatados, de acordo com dados preliminares do Ministério do Meio Ambiente baseados no monitoramento por satélite – um aumento de 13,7% em relação ao ano anterior e a maior área desmatada desde 2008. A área é equivalente a 987.000. campos de futebol. A notícia foi recebida com consternação por ambientalistas que alertaram que o desmatamento provavelmente se tornaria mais agudo quando Bolsonaro se tornar presidente em 1º de janeiro. “

É muita floresta destruída”, disse Marcio Astrini, coordenador de políticas públicas do Greenpeace Brasil. “A situação é muito preocupante … o que é ruim vai piorar.”

O Ministério do Meio Ambiente informou que o aumento veio apesar do aumento do orçamento e das operações realizadas pela agência ambiental Ibama.

“Precisamos aumentar a mobilização em todos os níveis de governo, da sociedade e do setor produtivo para combater atividades ambientais ilícitas”, disse o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, em um comunicado.

Mas o governo parece estar indo na outra direção.

Depois de cair por vários anos, o desmatamento começou a subir novamente em 2013, um ano depois que a presidente esquerdista Dilma Rousseff aprovou um novo código florestal que anistia os desmatamentos em pequenas propriedades. O desmatamento aumentou em quatro dos seis anos desde então, inclusive em 2016, ano em que Rousseff foi cassada e substituída por seu ex-vice-presidente Michel Temer.

Temer fez novas concessões a poderosos interesses do agronegócio em troca do apoio de seus representantes do Congresso – incluindo a aprovação de uma medida que legalizou terras que haviam sido ocupadas na Amazônia, um condutor comum de desmatamento. No ano passado, Temer recuou em medidas para reduzir a proteção de uma floresta nacional chamada Jamanxim e uma área protegida chamada Renca, após protestos de ambientalistas, a supermodelo Gisele Bündchen e até a cantora Alicia Keys no festival de música Rock in Rio. 

Movimentos como esses sinalizaram que o congresso brasileiro não estava mais preocupado com o desmatamento, disse Astrini, incentivando o desmatamento.

“Sentimos em nosso trabalho de campo que essas gangues de desmatamento estão muito confiantes de que obterão anistia ou que estão cobertas”, disse ele.

À medida que mais e mais da Amazônia é cortada, a maior floresta do mundo está se aproximando do “ponto de inflexão” – após o que os especialistas temem que ela possa desaparecer.

“Chegará um momento em que o acúmulo desse desmatamento causará um efeito no qual a floresta deixará de ser uma floresta”, disse Astrini. “Os cientistas calculam que isso é entre 20 a 30%. Estamos muito perto dos 20%.

” O Observatório do Clima – uma rede de mudanças climáticas sem fins lucrativos – calculou que, em 2017, 46% das emissões de gases de efeito estufa no Brasil foram devidas ao desmatamento.

Também espera que o desmatamento se agrave quando o novo governo de Jair Bolsonaro começar. Ele freqüentemente atacou o que ele chama de “indústria de multas” de agências como o Ibama, e quer permitir a mineração em reservas indígenas protegidas – algumas das florestas menos destruídas da Amazônia – e até mesmo considerado fazer do ministério do meio ambiente parte do ministério da agricultura.

Bolsonaro desfrutou do apoio do agronegócio e seu ministro da agricultura será liderado por Tereza Cristina, chefe do lobby do Congresso.

Seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, argumentou que o aquecimento global é uma trama marxista. Na sexta-feira, seu vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, embora tenha admitido a existência do aquecimento global, disse ao jornal Folha de S.Paulo: “O ambientalismo é usado como instrumento de dominação das grandes economias”.

Bolsonaro apenas recuou sobre os planos de retirar o Brasil do acordo climático de Paris porque os produtores agrícolas argumentaram que a medida arriscou boicotes dos consumidores europeus, informou a mídia local.

“Se o problema está na política e nos políticos e seu poder de decisão, eles precisam ser pressionados”, disse Astrini.


Este artigo foi originalmente escrito em inglês pelo jornal “The Guardian”‘ [1]

A melhor matéria sobre o fuzilamento do estudante Marcus Vinicius é do “The Guardian”

Resultado de imagem para marcus vinicius da silva

Faz algum tempo que afirmo que quando se quer ler o que realmente acontecendo no Brasil, precisamos procurar em jornais estrangeiros. É que aqui se formos depender da mídia corporativa brasileiro, o que temos é uma mistura de “fake news” com pitadas de falso sentimentalismo cujo objetivo é apenas nos manter alheios à realidade.

O caso mais recente de violência policial que foi o fuzilamento do estudante Marcus Vinicius da Silva que residia no Complexo do Maré nos fornece mais um exemplo lapidar de como a notícia é dada aqui e lá fora. 

É que mais uma vez, o correspondente do jornal britânico “The Guardian”, o jornalista Dom Phillips nos fornece uma informação de como a ação policial favoreceu o uso de uma tática de guerra que é o uso de artilharia aérea contra uma população civil, e que resultou na morte de mais um inocente. Nesse sentido, o título da reportagem de Dom Phillips é magistral “Brazilian teenager dies after police helicopter strafes favela“, que significa em português “adolescente brasileiro morre após helicóptero da polícia fuzilar favela” [1].

policia strafes

É importante dizer que em portugues a palavra “strafes” significa “atacar repetidamente com bombas ou disparos de metralhadoras de aeronaves de baixa altitude.”  Assim, apenas por colocar “strafes” no título da sua matéria, Dom Phillips informou aos leitores do “The Guardian” que a morte de Marcus Vinicius da Silva resultou de uma operação militar com alto poder de contundência e, pior, contra uma população civil.

Mas Dom Phillips foi mais além de um título lapidar para sua matéria e forneceu dados impressionantes sobre a violência policial desde que o presidente “de facto” Michel Temer decretou a presente rodada de intervenção militar em comunidades pobres da cidade do Rio de Janeiro.  Um exemplo disso é a informação fornecida pelo projeto “Observatório da Intervenção” [2] que, usando dados oficiais, gerou a um cálculo que aponta que 444 pessoas foram mortas pela polícia de fevereiro a maio, um aumento de 34% em relação ao ano anterior.

Outra informação contida na matéria, e que deveria estar causando escândalo no Brasil e não está, é de que operações em helicópteros da polícia metralham comunidades pobres em pleno ar. Tal tática pode ser até comum em guerras, mas certamente nem mesmo durante as mesmas, a mesma poderia ser tolerada quando usada contra populações civis.  

O fato é que a situação apresentada de forma mais realista por Dom Phillips deveria estar presente na cobertura interna, mas não está por um motivo simples: boa parte dos donos dos veículos da mídia corporativa brasileira são parceiros do governo Temer na decisão de enviar forças militares para a cidade do Rio de Janeiro não para conter a violência aterrorizando áreas pobres que são ocupadas por uma população que é majoritariamente negra, mas sim para aprofundar o que já é praticado por grupos de narcotraficantes e pelas milícias. 

Por isso tudo é que ler o que é publicado fora do Brasil sobre fatos correntes em nosso país é uma obrigação para quem não quer ser cegado pela mídia corporativa brasileira que nos alimenta com fake news todos os dias.


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/jun/21/brazil-latest-death-teenager-favela-raid-police-marcus-da-silva

[2] https://www.ucamcesec.com.br/projeto/observatorio-da-intervencao/

Norsk Hydro e as diversas facetas da hecatombe socioambiental em Barcarena (PA)

barcarena hydro

Enquanto a mídia corporativa brasileira rapidamente soterrou o incidente ambiental causado pelo Norsk Hydro na cidade de Barcarena (PA), o jornal britânico “The Guardian” publicou uma matéria que abrangeu todos os aspectos que envolvem a empresa “quase estatal” da Noruega e sua atuação em território paraense [1].

Com o título “Poluição, doença, ameaças e assassinato”, a matéria assinada pelo jornalista Dom Phillips mostra que por muitos anos a população de Barcarena vem reclamando e sofrendo com a poluição causada pelas operações da Hydro Norsk que opera sob o olhar complacente do governo do Pará e dos órgãos ambientais.

hydro

Entre os vários aspectos abordados na matéria uma que deixa claro o papel da Norsk Hydro  nessa pequena hecatombe socioambiental tem a ver com as doenças que foram acometidas contra a população local pelo consumo de água contaminada por rejeitos tóxicos cuja assinatura é única e os liga diretamente às operações da empresa norueguesa. Para que se tenha uma ideia do problema, análises das amostras coletadas próximas no duto clandestino que operada pela Norsk Hydro mostraram a presença de altos níveis de alumínio, nitrato, sulfato, clareto e chumbo. Apenas no caso do alumínio o valor encontrado de 22 mg por litro está bem acima do limite legal no Brasil que é de apenas 0,1 mg por litro!   

hydro 1

Mais sinistra ainda é a situação dos que ousam denunciar as ligações entre o adoecimento da população e a contaminação causada pelas operações da Norsk Hydro cujo maior exemplo foi o assassinato do líder comunitário Paulo Nascimento que era um das principais vozes a denunciar os danos ambientais sendo causados na região da Barcarena.

Como já disse antes, não tenho expectativa alguma em que uma resposta para os problemas causados pela Norsk Hydro seja produzida no Brasil. Aqui a coisa está “dominada”. Mas a pressão que já era grande na Noruega, agora deverá aumentar com essa matéria do “The Guardian”.

Finalmente, algo que me veio à mente em relação ao posicionamento do governo da Noruega que cortou o aporte de recursos para o Fundo Amazônia sob a desculpa de que essa era uma punição pelo fato do governo brasileiro não ter contido o desmatamento na região amazônica. Agora, parece que a medida visava era cobrir os próprios descaminhos das operações de uma empresa “quase estatal” onde o governo norueguês detém uma parcela significativa do estoque de ações.


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/mar/16/brazil-pollution-amazon-aluminium-plant-norwegian