O Oeste selvagem da Amazônia: onde drogas, peixes e extração de madeira valem muito dinheiro, mas a vida é barata

Negócios ilegais formam uma teia interligada na região remota brasileira onde Dom Phillips e Bruno Pereira foram mortos, ameaçando comunidades indígenas e ecologia local

pirarucuUm pescador carrega um grande pirarucu – um peixe gigante da Amazônia que pode ser vendido por US$ 1.000 por unidade. Fotografia: Ricardo Oliveira/AFP/Getty Images

Por Oliver Laughland e Roberto Kaz no Rio Itaquaí para o “The Guardian”

Perto de uma curva fechada do rio Itaquaí, empoleirada em uma margem íngreme e lamacenta, uma estrutura de madeira solitária marca o último posto avançado de uma frágil resistência.

Este é o posto de controle informal usado pelo defensor dos direitos indígenas Bruno Pereira, um barraco isolado que ele esperava que pudesse ajudar a conter o crime organizado desenfreado que ameaça a floresta tropical intocada do remoto Vale do Javari, os ecossistemas dentro dele e as comunidades indígenas que o chamam de lar .

Mas duas semanas depois que os corpos de Pereira e do jornalista Dom Phillips foram recuperados, há pouco aqui para sugerir qualquer melhoria na segurança.

O posto avançado é frequentado de forma intermitente por membros da Univaja, o coletivo de direitos indígenas para quem Pereira trabalhou. Mas atualmente é ocupado por um morador solitário: um peruano de 76 anos chamado Juan da Silva e seu vira-lata labrador preto. Equipado com uma tocha, uma vara de pescar, algumas latas de comida e ocasionalmente um rádio, ele teme por sua vida todas as noites.

“Quero sair daqui”, diz Silva. “Eu não quero morrer. Eu quero viver.”

O posto avançado é onde Phillips e Pereira dormiram na noite anterior à morte. Da Silva aponta para os ganchos que prendiam suas redes, presos a postes de madeira sob uma pequena varanda.

Pereira dormiu no lado direito do prédio, que dá para um pequeno estuário usado por pescadores ilegais para entrar em um lago com milhares de valiosos pirarucu – e um caminho para a terra indígena que escapa de um posto de controle do governo alguns quilômetros rio acima.

“Os pescadores ficam muito zangados se não os deixamos passar”, diz Silva, apontando para o riacho, onde um martim-pescador de crista desgrenhada está sentado em um galho vasculhando a água. “Às vezes não consigo detê-los, porque se o fizesse, eles me matariam.”

Tais são os contrastes nesta parte subnotificada da floresta amazônica, ondemagníficas belezas naturais se tornaram pano de fundo para o aumento da violência e da impunidade . É o cenário para uma batalha pelo acesso a recursos que se intensificou após a eleição do presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, em 2018.

Autoridades policiais dizem que o Vale do Javari, uma área do tamanho de Portugal e lar da maior concentração mundial de tribos indígenas isoladas, é agora a segunda maior rota de tráfico de drogas do Brasil, onde as indústrias ilícitas de pesca, extração de madeira e mineração proliferaram ao longo do Década passada.

A poucos quilômetros do posto de controle improvisado, na pequena comunidade pesqueira de São Rafael, o presidente da vila, Manoel Vítor Sabino da Costa, conhecido como “Churrasco”, falou das muitas ameaças que enfrentou nos últimos anos. Churrasco foi inicialmente suspeito do assassinato, mas negou qualquer conhecimento ou envolvimento. 


Comunidade da aldeia de São Rafael

Comunidade da aldeia de São Rafael. Fotografia: Danilo do Carmo/Guardião

Pereira e Phillips tentaram se encontrar com ele pouco antes de serem mortos, mas o pescador estava em um lago próximo quando chegaram, disse ele. Ele puxou uma tira de papel pautado de uma pequena gaveta e mostrou um bilhete que o par deixou para trás com um pedido para ligar.

Pereira havia trabalhado com aldeões aqui, tentando afastá-los da pesca ilegal – muitas das espécies do rio estão sujeitas a uma regulamentação estrita para gerenciar os estoques, e é proibido pescar em território indígena mais a montante. Mas um único pirarucu, um dos maiores peixes de água doce do mundo, que chega a pesar mais de 100 quilos, pode ser vendido por US$ 1.000 a preço de mercado, enquanto uma única tartaruga do rio Amazonas pode ser vendida por US$ 200.

Moradores dizem que atividades ilegais se tornaram comuns nos últimos anos. Um aldeão avistou recentemente um barco com três homens carregando espingardas, carregadas de peixes capturados ilegalmente. Pescadores ilegais usam pequenos barcos, carregados de gelo, para navegar em terras indígenas sob o manto da escuridão, de acordo com um relatório da Univaja , e depois retornam para entregar suas capturas a barcos maiores que aguardam no rio principal.

Churrasco conhecia os três homens presos por suspeita dos assassinatos ; eles moravam na vila de pescadores vizinha de São Gabriel, agora assustadoramente quase vazia. Dois eram seus sobrinhos distantes. Ele disse que um dos supostos assassinos, Oseney da Costa de Oliveira, o ameaçou recentemente com uma espingarda no lago. 

Manoel Vítor Sabino da Costa, conhecido como Churrasco.

Manoel Vítor Sabino da Costa, conhecido como Churrasco. Fotografia: Danilo do Carmo/The Guardian

“Ele colocou a arma na minha cara e ameaçou me matar”, lembrou ele, dizendo que os homens queriam ter acesso a pesca ilegal. O gatilho nunca foi puxado, mas eles afundaram seu barco e Churrasco foi deixado para nadar até a praia.

“Eles estavam envolvidos com pessoas más”, disse Churrasco sobre os supostos assassinos. Ele alegou não saber mais do que isso.

Na semana passada, a polícia disse que havia expandido sua investigação dos assassinatos para examinar se os assassinatos foram cometidos, mas disse que sua teoria de trabalho permanecia de que era “um crime de oportunidade”.

A indústria pesqueira ilegal no Vale do Javari tornou-se tão lucrativa quanto o tráfico de drogas e opera sob um guarda-chuva interligado do crime organizado, disse Alexandre Saraiva, policial federal sênior.

Saraiva atuou como superintendente do estado do Amazonas até 2021, quando foi afastado pelo governo Bolsonaro após liderar uma investigação que ligava o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles à extração ilegal de madeira na floresta tropical.

“Fizemos dezenas de paradas em Manaus [capital do estado do Amazonas] de barcos que transportavam drogas e pirarucu”, disse ele, acrescentando que um único barco pode transportar cinco toneladas de pirarucu, que podem ser vendidas por US$ 50.000. Em um caso, disse Saraiva, seus oficiais apreenderam um barco que transportava 600 tartarugas, com um valor de mercado de mais de US$ 100.000.

Peixe Pirarucu é apreendido pelo Exército após investigação da Polícia Federal examinar embarcação apreendida pela Força Tarefa para o resgate do indigebista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, no porto da cidade de Atalaia do Norte, Amazonas, em junho 11.

Um pirarucu é apreendido pelo Exército após uma investigação da Polícia Federal ter examinado uma embarcação apreendida pela força-tarefa para o resgate de Bruno Pereira e Dom Phillips em Atalaia do Norte, no Amazonas, no dia 11 de junho. Fotografia: João Laet/AFP/Getty Images

“A pesca ilegal custa quase nada”, explicou. “Você não precisa desperdiçar dinheiro alimentando os peixes, eles são relativamente fáceis de pegar e a mão de obra é barata.” Um pescador ganha cerca de um a dois mil reais (cerca de US$ 400) por um mês inteiro de trabalho. “E envolve muito menos risco legal do que o tráfico de drogas.”

A extração de madeira é outra atividade criminosa lucrativa. Saraiva descreveu o caso de um mafioso local, Alcides Guizoni, que foi condenado a seis anos de prisão por contrabando de cocaína e depois orientou suas atividades para a extração ilegal de madeira da qual, segundo um documento da Polícia Federal, ele ganhou 16,8 milhões de reais (US$ 3,2 milhões). m) mais de quatro anos.

Os lucros potenciais a serem obtidos no Vale do Javari atraíram organizações criminosas de todo o país, incluindo a Família do Norte, o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital, três dos maiores grupos do crime organizado do Brasil – e um traficante local operando no Lado peruano do rio Javari, conhecido como “Colômbia”.


Vista do Rio Itaquai Posto Univaja

O Rio Itaquaí visto do posto Univaja. Fotografia: Danilo do Carmo/Guardião

Com grandes cortes governamentais na região – não há sede do Ibama aqui desde 2018 e apenas três postos avançados da Funai, com poucos recursos –, as apreensões despencaram sob o governo Bolsonaro, de acordo com um relatório da Publica , uma redação investigativa brasileira. De acordo com documentos internos da Funai vistos pelo Guardian, o posto avançado da Funai mais próximo de onde Pereira e Phillips foram mortos foi atacado sete vezes nos últimos dois anos.

O vazio deixou defensores como Pereira e Univaja forçados a realizar operações de vigilância cada vez mais perigosas sem o apoio do Estado.

Depois que Phillips e Pereira desapareceram, Bolsonaro pareceu culpá-los, descrevendo sua viagem de reportagem “uma aventura que não é recomendável”. Saraiva desprezou o comentário.

“Dom Phillips não estava em uma ‘aventura’. Ele era um correspondente de guerra documentando uma guerra.”

Saraiva argumentou que o governo brasileiro tem recursos mais do que suficientes para acabar com a onda de crimes aqui, citando sua própria experiência no combate à mineração ilegal de ouro no território indígena Yanomami, usando o exército para atacar infraestrutura ilegal, como barcos e equipamentos.

“Mas eles [o governo Bolsonaro] não estão fazendo isso por falta de vontade política.”

O chefe de polícia, agora afastado de um pequeno município fora do Rio de Janeiro, disse acreditar que é quase certo que o assassinato de Pereira foi aprovado por um chefe do crime.


Protesto em frente ao escritório da Funai em Atalaia do Norte

Protesto em frente ao escritório da Funai em Atalaia do Norte Foto: Danilo do Carmo/The Guardian

O trecho do Itaquaí onde Phillips e Pereira foram mortos a tiros é patrulhado por um grupo de botos em extinção. Eles pescam juntos, o sopro agudo de seus respiradouros perfurando o silêncio na água.

Grupos de busca indígenas identificaram o local onde o barco dos homens atingiu a costa ao detectar mudanças sutis na folhagem ao redor das margens. Os galhos se quebravam em ângulos retos. Manchas de pastagem na casca. Duas linhas de fita amarela da polícia permanecem amarradas a uma árvore de munguba: uma esvoaça na brisa, a outra se inclina para a água. Mas fora isso não há nada para distinguir onde os dois homens morreram.

Em Atalaia do Norte, a pequena cidade ribeirinha para onde Pereira e Phillips deveriam retornar, houve um longo período de luto. Mas também tem havido preocupações crescentes entre as comunidades indígenas de que as coisas ficarão ainda piores nos próximos meses.

“Bruno e Dom Phillips foram nossos grandes guerreiros”, disse Delcimar Tamakuri Kanamari, líder indígena e membro da Univaja. “Eles faziam parte do nosso movimento.”


Delcimar Tamakuri Magalhães Kanamari – liderança indígena e membro da Univaja.

Delcimar Tamakuri Magalhães Kanamari – liderança indígena e membro da Univaja. Fotografia: Danilo do Carmo/The Guardian

Um serviço memorial na semana passada atraiu dezenas de indígenas de pelo menos cinco comunidades do Vale do Javari . Alguns passam a maior parte do ano na floresta tropical protegida e ouviram falar dos assassinatos pelo rádio. A portas fechadas, um líder tribal Kanamari informou o Guardian sobre como o aumento do tráfico de drogas causou estragos em sua comunidade.

 Pessoal médico do exército brasileiro em um barco ao longo do rio Javari.
Polícia perde guerra do narcotráfico na região amazônica onde dupla desapareceu

O rio Javari marca a fronteira entre Brasil e Peru, onde o cultivo de coca – a planta usada para fazer cocaína aumentou quase 20% no ano passado,segundo dados da ONU. Laboratórios na selva no lado peruano do rio transformam ilegalmente coca em cocaína e depois a transportam através do rio para armazenar em terras indígenas protegidas no Brasil, onde a polícia peruana não tem jurisdição, disse o líder tribal.

“Dessa forma, ninguém vai encontrá-lo”, disseram eles. “Não há fiscalização aqui e os criminosos têm como alvo qualquer um de nós que tente detê-los.”

Os traficantes também começaram a recrutar homens e meninos indígenas mais jovens para as próprias operações de drogas, disse Tamakuri. Atraídos por pagamentos de algumas centenas de dólares por meses de trabalho, promessas de roupas e telefones celulares, os recrutas enfrentam a execução se tentarem escapar.

Na semana passada, Tamakuri e outros entregaram um documento de 20 páginas ao escritório da Funai na cidade, contendo fotografias de acampamentos ilegais, barcos de pesca e uma casa flutuante usada por traficantes em suas terras. 


Demo Funai - Silvana Marubo e Colegues

Uma manifestação da Funai – Silvana Marubo e colegas. Fotografia: Danilo do Carmo/The Guardian

“Estamos sendo ameaçados pelos brancos que vêm pescar, os madeireiros peruanos e os narcotraficantes colombianos”, disse, mencionando também as ameaças de caçadores e missionários evangélicos da região.

Phillips passou grande parte de sua carreira recente dedicada a reportar sobre a violência sofrida pelas comunidades indígenas aqui, incluindo um suposto massacrede uma tribo isolada por garimpeiros em 2017.

Quando o memorial chegou ao fim na semana passada, o antropólogo Almerio Alves Vadique dirigiu-se aos enlutados perto de uma grande imagem dos dois homens, cercados por flores tropicais alaranjadas.

“Esta foi uma tragédia anunciada”, disse ele para a multidão silenciosa. “Ontem foram Bruno e Dom. Mas amanhã pode ser qualquer uma das pessoas aqui.”


compass black

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s