“Bee killers”: Corte Europeia mantém banimento de agrotóxicos neonicotinóides amplamente usados na Brasil

abelhas-mortas2Abelhas mortas por contato com agrotóxicos

O Tribunal Superior da União Europeia manteve a proibição parcial da UE de três agrotóxicos neonicotinóides que têm sido ligados ao extermínio de abelhas, impedindo seu uso em certas plantações. Esta decisão abrange três   três produtos ativas – a Imidacloprida, desenvolvida pela Bayer CropScience, a Clotianidina, desenvolvida pela Takeda Chemical Industries e Bayer CropScience, e o Tiametoxam  que é produzido pela Syngenta.

Curiosamente, dois desses agrotóxicos- a Imidacloprida e o Tiametoxam não só continuam sendo bastante vendidos, como foram beneficiados pela tsunami de aprovações realizada pelo governo Bolsonaro. No caso da Imidacloprida, o número de novos produtos aprovados foram 13, enquanto no caso do Tiametoxam o número aprovações chegou a 12. Há ainda que se notar que no caso da Imidacloprida as aprovações foram todas dos chamados produtos técnicos que são a matéria bruta do qual são produzidos os chamados produtos formulados que são efetivamente vendidos nas lojas de varejo. Já a Imidacloprida teve 6 produtos técnicos liberados, enquanto que os 6 produtos formulados foram autorizados para diversas culturas, incluindo o Algodão.

Com essa decisão, a multinacional alemã Bayer que teve o seu pedido rejeitado pelo Tribunal Superior da União Europeia certamente olhará para o mercado brasileiro com ainda mais sofreguidão, pois terá aqui caminho livre para escoar a sua produção que está sendo banida na União Europeia. Este padrão de “dupla moral” da União Europeia precisa ser claramente repudiado, na medida em que permitem a continuidade da venda de produtos que se sabe serem nocivos à saúde de insetos polinizadores, como é o caso das abelhas.

No caso do governo Bolsonaro e da Anvisa, o que mais essa caso deixa evidente é um padrão dúbio de preocupação com a saúde dos brasileiros, pois enquanto se impede o uso de vacinas contra a COVID-19 sob o desígnio de proteger a saúde dos brasileiros, quando se trata de agrotóxicos a coisa corre solta.

 

A evidente dupla moral dos revoltados coxinhas

marcha-da-familia-com-deus-2014

Venho observando imagens e lendo textos que expressam o que pensa aquela massa de gente branca que saiu às ruas para protestar contra o governo Dilma e o PT.

E qual conclusão que eu tirei? Que esse segmento da população brasileira não quer realmente um país melhor para todo mundo, mas apenas para si mesmos. Nada de exigir mais saúde e educação ou o fim do genocídio negro. O que eles demandam é justamente o contrário. Pedem mais privatização e ainda mais intervenção militar, como se os pobres já não vivessem as agruras da privatização e da intervenção militar todos os dias.

E mesmo aqui em Campos dos Goytacazes, eu vejo expressões óbvias desse padrão de dupla moral quando leio texto de gente que ganha sem trabalhar em cargos de confiança em órgãos públicos, ou do que sobreviveu sempre das benesses de (des) governos cleptocraticos. E nem é preciso voltar muito tempo já que quem fala grosso contra Dilma e o PT, defendeu com unhas e dentes a reeleição de Pezão!

Mas o pior é ter que aturar Dilma Rousseff querendo fazer ainda mais concessões para esses setores que foram aqueles que justamente mais ganharam sob os 12 anos de (des)governo do neoPT!

Por mim deveriam todos ir para a Disneylândia viver seu mundinho neoliberal e deixar a maioria do povo brasileiro construir uma sociedade mais justa e igualitária!