Prevenção em tempos de COVID-19

Por Eliane S. Pedlowski*

Tenho acompanhado as notícias e orientações sobre como se prevenir contra as consequências da contaminação pelo coronavírus, mas pouco se fala em outros cuidados que não os de higiene pessoal/ambiental… Precisamos que se fale mais em melhorar a nossa saúde em geral, para melhor reagirmos às agressões ambientais…

Pensando inicialmente no conceito de saúde, palavra que vem do latim salus, literalmente um bom estado físico, mais recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) propôs um conceito onde saúde é considerada como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não, simplesmente, a ausência de doenças ou enfermidades. É fato estabelecido pela comunidade científica que precisamos fugir da ideia de ‘fórmulas milagrosas’, sendo a saúde a soma de um conjunto de ações na vida.

Tentar seguir um estilo de vida saudável é uma das estratégias para manter o sistema natural de defesa do corpo – a chamada ‘imunidade’ – sempre forte e eficiente: recomenda-se não fumar, praticar exercícios físicos leves ou moderados de forma regular, dormir o suficiente (o quanto, depende de cada um, mas em geral de 7 a 8 horas diárias), e ter boa alimentação – sim, há necessidade que se entenda que nossa saúde está também naquilo que comemos e bebemos, e aqui há algo que também a ciência já estabeleceu: quanto menor a quantidade de substâncias químicas nós ingerirmos, melhor para a saúde de nosso sistema imune.

Quem, hoje, não ouviu falar em alimentos prebióticos e probióticos? A ‘biota’ contida nestas palavras diz respeito à microbiota intestinal, ou seja, as bactérias existentes em nosso intestino, e os cientistas há várias décadas já demonstraram que a mucosa do intestino aloja também a maior coleção de células imunes do corpo e que estas estão em atividade contínua para nos defender – tanto a microbiota quanto a formação de células imunes dependem dos ‘ingredientes’ fornecidos por nossa alimentação diária; a chamada disbiose, que são alterações na diversidade dessa microbiota, pode ser desencadeada por fatores externos e está relacionada ao desenvolvimento de doenças tão diversas como alergias, doenças autoimunes e inflamatórias crônicas, dentre outras.

Por isso tudo e muito mais, nossa proteção começa com a boa alimentação diária, que deve incluir preferencialmente alimentos in natura, pouco cozidos e minimamente processados, hoje distantes de muitos lares; a vida moderna, por diversos motivos, nos levou a privilegiar os alimentos prontos, os “fast foods“, a comida que não é comida, só parece que é comida – já viu a margarina com gosto de manteiga? Quanto custa uma fruta comparada a um pacote de salgadinho?

O Ministério da Saúde brasileiro, há tempos, se preocupa com a questão alimentação X saúde, e por isso publicou o Guia Alimentar para a População Brasileira, cuja última edição em 2014 não teve como foco único e principal a ingestão de nutrientes e porções ou o grupo alimentar, mas se preocupou principalmente em salientar como a qualidade do alimento influencia na melhoria do bem estar. Este Guia traz os dez passos para a alimentação saudável (ver figura abaixo).

alimentação saudável

Assim, é o conjunto de atitudes que fará com que tenhamos uma saúde melhor e consigamos resistir melhor às doenças, e em alimentação, a regra de ouro é fugir dos alimentos industrializados e/ou agrotóxicos e/ou alimentos geneticamente modificados o máximo possível!

__________________________

*Eliane S. Pedlowski é Nutricionista (UFRJ) e Mestre em Políticas Sociais (UENF), e atua na Secretária Municipal de Saúde de Telêmaco Borba (PR).