‘Eu lavo toda a minha comida como um louco’: cientistas expressam preocupação com as nanopartículas

Os alimentos dos EUA estão cada vez mais cheios de aditivos em escala nano, mesmo quando os pesquisadores soam o alarme sobre sua segurança

nanoparticulas

O dióxido de titânio, amplamente utilizado para dar aos alimentos um brilho branco, é um dos muitos novos aditivos alimentares que podem causar problemas de saúde. Foto: Ruth Black / Alamy

Por Mićo Tatalović para o “The Guardian”

A França está reprimindo um aditivo alimentar comum que se mostrou carcinogênico em estudos com animais. A proibição do dióxido de titânio, anunciada pelo governo francês no mês passado, segue uma revisão que não descartou os riscos de câncer humano.

A proibição é apenas o mais recente capítulo de um longo debate sobre a segurança de aditivos alimentares generalizados conhecidos como nanopartículas, que são amplamente não regulamentadas nos EUA. Esse conjunto de ingredientes, projetado em escala quase atômica, pode ter efeitos indesejados nas células e órgãos, particularmente no trato digestivo. Há também indicações de que as nanopartículas podem entrar na corrente sanguínea e se acumular em outras partes do corpo. Eles têm sido associados a inflamação, danos no fígado e nos rins e até danos cardíacos e cerebrais.

Os desenvolvimentos tecnológicos das últimas duas décadas fizeram com que pudéssemos agora projetar partículas minúsculas muito mais facilmente – e suas propriedades incomuns as tornam úteis na indústria alimentícia. Eles são usados ​​atualmente para mudar a textura, aparência e sabor de vários alimentos. Por exemplo, o dióxido de silício é adicionado aos sais, especiarias e açúcar de confeiteiro para melhorar seu fluxo. Sal e chá verde são moídos em partículas de tamanho nanométrico para aumentar seu sabor ou melhorar suas propriedades antioxidantes.

O dióxido de titânio, ou TiO2, aparece em doces, assados ​​e leite em pó, geralmente como agente clareador. Mas o pequeno aditivo de metal também se acumulou nos tecidos do fígado, baço, rim e pulmão em ratos quando ingerido e danificou o fígado e o músculo cardíaco.

Devido a preocupações de segurança, alguns cientistas que estudaram nanopartículas dizem que teriam reservas sobre a ingestão de alimentos que contenham a tecnologia. “Como consumidor, lavo todos os meus alimentos como loucos”, diz Christine Ogilvie Hendren, diretora executiva do Centro de Implicações Ambientais da Nanotecnologia da Duke University, quando questionada se os consumidores podem lavar algumas das nanopartículas que são cada vez mais encontradas alimentos e embalagens.

Efeitos sobre a saúde do dióxido de titânio observados no laboratório foram particularmente agudos em animais jovens, o que é uma preocupação, uma vez que as crianças são especialmente expostas a ele através de doces, goma de mascar e sobremesas.

“Pode haver preocupações para crianças pequenas quando você tem uma massa corpórea pequena que está ingerindo muitos desses produtos de doces”, diz Christine K Payne, professora associada de engenharia mecânica e ciência de materiais da Duke University.

Os cientistas tendem a concordar que o argumento para a proibição de tais partículas, cujo único benefício é cosmético, é mais forte do que para partículas que melhoram o prazo de validade. Na ausência de uma proibição, alguns exortariam os consumidores a optarem por sair quando possível.

“Eu definitivamente gostaria de usá-los com cautela. Se você puder evitá-lo, evite-o ”, diz Sowmya Purushothaman, pesquisador em biotecnologia da Universidade da Califórnia, Merced. “Não há razão para usar goma de mascar contendo TiO2, dado que muitas crianças são as que as usam. Você não precisa deixar mais brilhante para atrair as crianças. ”

Hendren concorda, dizendo que ela não vai comprar doces para seus próprios filhos contendo o aditivo.

Um estudo de 2013 realizado por Cho Wan-Seob, da Universidade Dong-A, na Coréia do Sul, e seus colegas, não encontraram acúmulo significativo em ratos quando ingeridos, e sugeriram que a maior parte foi eliminada pelas fezes.

Os efeitos das nanopartículas dependem de uma ampla gama de fatores, incluindo seu tamanho, estrutura, revestimento, dose e também com o que são consumidos. Provar impactos na saúde humana é difícil, e o próprio termo “nanopartícula” dificulta a abordagem da segurança. “Trata-se de entender como todo o conjunto de elementos que compõem o universo se comporta em uma determinada escala”, diz Hendren. Ela diz que perguntar se as nanopartículas são prejudiciais é como perguntar: “Todas as coisas da tabela periódica são reduzidas a certo tamanho, seguro ou perigoso?”.

Payne, que estuda a inalação de nanomateriais, diz que quando ela testa concentrações de algumas nanopartículas em níveis 10 a 100 vezes menores do que aquelas consideradas “seguras” por testes toxicológicos tradicionais, elas ainda encontram muitos efeitos moleculares e genéticos inesperados.

“O que todos os laboratórios [fazendo essa pesquisa] estão vendo agora é que existem efeitos além da toxicidade, então você pode trabalhar com concentrações não tóxicas, mas ainda ver, por exemplo, uma resposta ao estresse oxidativo que pode levar à inflamação”, diz Payne. “Esses efeitos mais sutis são importantes, especialmente em relação à exposição em longo prazo?” Ninguém sabe.

“É uma nova tecnologia; nós ainda só sabemos 10% sobre isso ”, diz Sonia Trigueros, membro da Universidade de Oxford, Reino Unido, e ex-co-diretora do Programa Martin Martin de Nanotecnologia.

Seu uso na indústria de alimentos está crescendo, mesmo quando a pesquisa em saúde humana é limitada. “Nano na comida é um campo muito grande agora. Ela vai de pesticidas, patógenos, processamento de alimentos a novos sabores ou para reduzir a quantidade de açúcar que você precisa adicionar ”, diz Trigueros. Nos próximos anos, os consumidores serão apresentados a uma nova geração de nanopartículas ativas, projetadas para tornar as embalagens biodegradáveis, melhorar a vida útil e ajudar a evitar o desperdício de alimentos.

Uma das revisões mais recentes e abrangentes sobre a segurança de nanopartículas em alimentos, liderada por David Julian McClements, da Universidade de Massachusetts, concluiu que “há evidências de que algumas delas podem ter efeito prejudicial”. Uma falta geral de pesquisa significa que a avaliação de potenciais efeitos prejudiciais é difícil, disse, e mais estudos são “urgentemente necessários”.

McClements apontou que as nanopartículas de prata, amplamente usadas em embalagens como antimicrobianos para manter os alimentos frescos, podem lixiviar os alimentos e potencialmente matar boas bactérias em seu intestino. Os cientistas dizem que o uso dessa tecnologia no empacotamento de alimentos explodiu nos últimos 15 anos, mas ninguém acompanha todos os seus usos ou sabe qual seria a exata exposição combinada para o consumidor médio.

“Você pode ir ao Wal-Mart e comprar pequenas sacolas de plástico Ziplock que têm nanopartículas no plástico porque você obtém maior prazo de validade por causa do crescimento bacteriano reduzido, pois os íons das nanopartículas são liberados lentamente”, diz Jason White, químico estadual e vice-presidente. diretor e químico analítico chefe na Estação Experimental Agrícola de Connecticut. “Esses materiais estão por aí e estamos sendo expostos a eles.”

As regulamentações, segundo os cientistas, estão atrasadas em relação ao lançamento dessa tecnologia, especialmente nos EUA.

“Nos EUA, não há requisitos regulatórios em escala nano específicos”, diz White, apontando que você pode até comprar nanofertilizantes e nanoagrotóxicos online, e que ninguém sabe realmente qual, se algum, efeito que pode ter sobre seus vegetais e sua saúde.

Desde 2011, a União Européia exige que todos os nanomateriais artificiais sejam claramente indicados na lista de ingredientes, e que quaisquer novos nanomateriais precisem passar pela segurança exigida pelo Regulamento de Novos Alimentos da UE de 2015.

A Food and Drug Administration (FDA) disse que “não há provisões específicas na Lei Federal de Alimentos, Medicamentos e Cosméticos que tratam de nanomateriais em alimentos”. As nanopartículas projetadas nos EUA são reguladas exatamente como outros aditivos alimentares, com base nas diretrizes de 1958 e 1997, mesmo que a maior parte do desenvolvimento científico e da pesquisa sobre os impactos na saúde tenha ocorrido desde então.

“Talvez, de certa forma, as pessoas confiem nesses órgãos reguladores um pouco mais do que deveriam”, diz Payne.

Ao falar com o Guardian, vários pesquisadores expressaram preocupação de que, daqui a 20 a 30 anos, perceberemos que algumas nanopartículas realmente têm efeitos na saúde em longo prazo.

“Não sabíamos há décadas que o amianto era perigoso”, diz Michelle Lynch, química e diretora da Enabled Future Limited, uma consultoria com sede em Londres sobre produtos químicos e materiais avançados. “Não foi possível provar que fumar foi perigoso por décadas. E o mesmo [poderia] ser verdade para a nanotecnologia ”.

_____________________________________________

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Explicando os agrotóxicos: os produtos presentes em 70% daquilo que os habitantes dos EUA comem

Estudos têm ligado questões de saúde a longo prazo ao consumo de agrotóxicos, enquanto técnicos de governos insistem que violações de limites seguros são raras

comida agrotóxico450 milhões de Kg  agrotóxicos convencionais são usados anualmente nos EUA, de acordo com os dados mais recentes da EPA. Foto: Andy Paradise / The Independent / REX

Por Lauren Zanolli   para o jornal “The Guardian”

O que são agrotóxicos?

A Environmental Protection Agency (EPA) define agrotóxico como qualquer substância química usada para regular, prevenir ou destruir plantas ou pragas – geralmente insetos, roedores ou microorganismos, como fungos e bactérias – ou que atua como um estabilizador de nitrogênio no solo.

Cerca de 450 milhões de kilos de agrotóxicos convencionais são usados ​​anualmente nos EUA, de acordo com os dados mais recentes da EPA. A Food and Drug Administration (FDA), que monitora resíduos em alimentos, descobriu que as amostras testadas raramente excederam os limites de agrotóxicos e outros produtos químicos, que a EPA diz que são calculados com base na “certeza razoável de nenhum dano”.

Os resíduos estão em até 70% dos produtos vendidos nos EUA, de acordo com a última análise anual dos dados do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) pelo Environmental Working Group, grupo de defesa da saúde.

Descobriu-se que alguns agrotóxicos persistentes concentram-se no leite e na carne de animais de criação através da alimentação animal contaminada, descobriram vários pesquisadores em todo o mundo, bem como em peixes em águas contaminadas. Um estudo de 20 anos do US Geological Survey, por exemplo, encontrou agrotóxicos em níveis potencialmente prejudiciais à vida aquática em 60% dos rios e córregos do país em áreas agrícolas (esse número salta para 90% nas áreas urbanas).

Até 50 milhões de americanos poderiam estar bebendo de águas subterrâneas potencialmente contaminadas com agrotóxicos, de acordo com um estudo de 2000 do USDA. Os agrotóxicos também foram encontrados em xampus, materiais de construção e fundos de barcos.

Os agrotóxicos podem causar danos?

Um número crescente de estudos ligou os agrotóxicos a vários efeitos sobre a saúde humana, embora estes ainda sejam muito debatidos. Uma revisão de 2004, de coautoria do Instituto Nacional do Câncer, concluiu que “as evidências epidemiológicas sugerem claramente que, atualmente, os agrotóxicos afetam adversamente a saúde humana”. Alguns agrotóxicos também são conhecidos por perturbar a função endócrina ou hormonal, pesquisa revisada pela EPA e publicada em um manual de toxicologia. Um relatório de 2013 encomendado pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos analisou 600 estudos de investigação sobre agrotóxicos e encontrou as associações mais fortes com certos cancros, asma, leucemia infantil e doença de Parkinson, mas não conseguiu tirar conclusões sólidas. Uma resposta a esse relatório apontou limitações dos dados e recomendou novas abordagens para o uso de dados epidemiológicos nas avaliações de risco. Os agrotóxicos são “intrinsecamente tóxicos”, diz a Organização Mundial de Saúde.

A EPA afirma que suas ações regulatórias e melhorias na ciência nos últimos anos levaram a “um aumento no uso de agrotóxicos menos tóxicos e mais seguros… [e] uma tendência geral de redução do risco de agrotóxicos”.

Em uma decisão histórica em agosto do ano passado, a Monsanto foi considerada responsável por causar o câncer de um zelador da escola por meio da exposição ao Roundup, principal pesticida da empresa. No início deste mês, em um caso posterior, a Monsanto foi condenada a pagar mais de US $ 2 bilhões para um casal que teve câncer depois de usar seu herbicida. O Roundup, um herbicida organofosforado à base de glifosato, é um dos agrotóxicos mais utilizados no mundo, se não o mais utilizado. Uma revisão formal do glifosato pela EPA e pela Agência para Substâncias Tóxicas e Registro de Doenças (ATSDR) divulgada este mês encontrou algumas ligações estatisticamente significativas com certos tipos de câncer, como o linfoma não-Hodgkin.

Os trabalhadores agrícolas enfrentam uma exposição significativamente maior do que a população geral. Os agrotóxicos têm sido associados a uma lista de problemas de saúde em longo prazo, incluindo: câncer de próstata, pulmão, tireóide e medula óssea; diabetes; Mal de Parkinson; asma e degeneração macular, de acordo com o Agricultural Health Study, um estudo de pesquisa financiado pelo governo que monitora quase 90.000 agricultores e seus cônjuges desde o início dos anos 90. Envenenamento por agrotóxicos pode causar, juntamente com efeitos de curto prazo, danos neurológicos em longo prazo, um manual da EPA para os profissionais de saúde adverte.

Os agrotóxicos organofosforados (OPs), que incluem o glifosato e o clorpirifos, têm sido alvo de alguns pesquisadores como especialmente prejudiciais. Pesquisadores da Universidade da Califórnia descobriram, em uma meta-revisão de 2018 sobre estudos de saúde em OP, “provas convincentes” de que a exposição pré-natal leva ao aumento do risco de distúrbios do neurodesenvolvimento e déficits cognitivos e comportamentais. Esses pesquisadores pediram aos governos em todo o mundo que eliminassem completamente os produtos químicos. A partir de abril, a EPA está sob ordem judicial para decidir se proíbe o clorpirifos, que a agência descobriu em 2017, para exceder os padrões seguros de resíduos de agrotóxicos em alimentos e água, até julho.

Como os consumidores podem limitar os riscos?

Os agrotóxicos podem entrar no corpo através da inalação, através da pele do solo ou água contaminados, ou através de alimentos contaminados.

Reduza sua exposição através da comida, descascando produtos e cortando a gordura da carne e do peixe (onde os agrotóxicos podem se acumular); lavar e esfregar frutas e vegetais sob água corrente (nem todos os agrotóxicos podem ser lavados, diz a EPA); e selecionando alimentos de diferentes fontes para evitar a exposição potencialmente alta a um único pesticida.

Compre  produtos orgânicos onde você puder. Mas não evite alimentos frescos se você não puder comprar orgânicos. Coma diferentes tipos de produtos para evitar uma exposição potencialmente alta a um único pesticida.

Faça compras no mercado de agricultores locais e pergunte sobre práticas de agrotóxicos diretamente da fonte, ou você pode ir ainda mais longe se tiver um jardim e cultivar o seu próprio.

Como os agrotóxicos são regulados?

A EPA supervisiona todos os agrotóxicos usados ​​ou produzidos nos EUA e estabelece certas normas de segurança para agrotóxicos usados ​​em alimentos na alimentação animal. A agência também regula os limites máximos de alguns agrotóxicos na água potável, mas muitos permanecem sem monitoramento. Embora os fabricantes devam registrar todos os agrotóxicos na EPA, os ingredientes inertes são considerados “segredos comerciais” e não precisam ser divulgados.

Os EUA continuam a usar vários agrotóxicos proibidos na UE ou em outros países, incluindo atrazina, glifosato, 1,3-D, paraquate e neonicotinóides. Todos estão ligados a sérios problemas de saúde ou ambientais. Por exemplo, pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, descobriram que a exposição ao Paraquate e outros dois pesticidas aumentaram em três vezes o risco para a doença de Parkinson, e a Comissão Européia restringiu severamente os neonicotinóides devido aos riscos para as abelhas.

____________________________________

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!]

Nos países desenvolvidos, o dinheiro que financia a ciência na universidade é público

Nas universidades dos Estados Unidos, 60% dos recursos vêm do governo;  nas da Europa, 77%

Image result for jornal da usp verbas da pesquisa luisa caires

Por Luiza Caires para o “Jornal da USP”

Para quem tem dúvida, os números esclarecem sem rodeios: no mundo desenvolvido, universidades e outras instituições de pesquisa são financiadas majoritariamente com recursos públicos – isso vale até mesmo para as universidades que cobram mensalidades. No caso dos Estados Unidos, 60% do dinheiro para a pesquisa vêm dessa fonte; na Europa, 77%. Há poucas semanas, para garantir a “prosperidade em longo prazo”, a Alemanha anunciou o investimento de 160 bilhões de euros no ensino superior e em pesquisa científica para a próxima década. Embora o Brasil enfrente desafios que as nações mais ricas não conhecem, mesmo por aqui não dá para imaginar que haverá desenvolvimento sem cuidar desse setor.

Antes mesmo de assumir o cargo, o ministro das Ciências, Tecnologia e Comunicações Marcos Pontes anunciou que uma de suas prioridades seria incentivar parcerias entre empresas e universidades públicas no País, para que o setor privado investisse mais em pesquisa. Para as instituições, recurso é sempre bem-vindo. Mas a declaração também pode reforçar um discurso falacioso repetido ultimamente: a ideia de que, por si só, o capital privado – seja via parcerias, endowment (doações de ex-alunos, por exemplo) ou cobrança de mensalidades – seria a salvação para o financiamento da ciência e da universidade.

O reitor da USP Vahan Agopyan afirmou que estudos já feitos na instituição mostram que o dinheiro vindo de eventuais mensalidades não chegariam a 8% do orçamento. “Uma universidade de pesquisa é cara”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo. Para Mauro Bertotti, professor do Instituto de Química da USP, “essas instituições requerem vultosos recursos para cumprir suas funções, pois elas geralmente mantêm hospitais universitários e museus, executam numerosos serviços de extensão, formam a elite dos professores do País e nelas são desenvolvidas pesquisas que dependem de insumos e equipamentos sofisticados.” Assim, o ensino básico não pode ser comparado com ensino superior. “A amplitude das ações desenvolvidas em uma universidade pública é infinitamente maior do que a das praticadas na escola básica, restritas ao ensino, e isso explica por que o cálculo total de recursos por aluno é uma falácia”, afirmou em artigo no Jornal da USP.

Otaviano Helene, professor do Instituto de Física (IF) da USP que há vários anos acompanha as políticas universitárias pelo mundo, diz ser impossível para as maiores universidades financiar o grosso do seu orçamento com mensalidades, fundos de endowment e outros recursos privados, como fazem algumas poucas e pequenas instituições nos Estados Unidos, como Harvard, que tem 6.700 alunos na graduação – a USP tem 59 mil. “As pessoas acham que Harvard pode servir de modelo, mas Harvard é uma exceção, mesmo dentro dos Estados Unidos. É uma universidade pequena e privada, as grandes universidades públicas americanas têm centenas de milhares de alunos. Assim como Yale, Stanford e Universidade da Pensilvânia, no nordeste americano, todas pequenas, privadas e com finalidades muito específicas. Aqui parece que queremos imitar as exceções.” Ele chama a atenção também para a relevância da educação superior mantida pelo governo naquele país: de acordo com dados de 2016 da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), 73% dos estudantes de nível superior norte-americanos estão matriculados em universidades públicas. 

 

“Uma universidade de  pesquisa é cara”

“Aqui parece que queremos imitar as exceções”

usp 1 1 1

Ciência e desenvolvimento

Para o professor Carlos Brito Cruz, diretor científico da Fapesp, o modelo de financiamento apropriado para a realidade brasileira é “o que quase todos países usam: pesquisa em universidades é financiada majoritariamente por recursos governamentais”. Segundo ele, os países sabem que para terem desenvolvimento econômico e social é preciso usar recursos dos impostos para isso. “Além de ajudar a educar os estudantes a serem criativos e imaginativos em suas carreiras, a pesquisa em universidades também cria ideias fundamentais que as empresas e a sociedade vão usar no futuro. Soluções que vão para o mercado e que viabilizam o desenvolvimento econômico e social mais adiante.”

Sylvio Accioly Canuto, pró-reitor de Pesquisa da USP, acredita que a participação de recursos privados ou de empresas é muito importante para a inovação, mas que a inovação se baseia em conhecimento básico – é aí que a participação do Estado é essencial, segundo ele: no desenvolvimento de pesquisa básica e descomprometida de aplicações de curto prazo. “Há um entendimento equivocado sobre a participação do Estado. Para o avanço do conhecimento, são essenciais estudos que requerem maior fôlego e que gerarão impacto num prazo maior. O Estado teve papel fundamental nos avanços científicos e tecnológicos recentes” diz o pró-reitor, citando a Apple e o desenvolvimento do iPod como um caso emblemático em que o conhecimento científico de base já estava disponível. Assim, segundo Canuto, o modelo ideal para as universidades deve contar com forte financiamento do Estado complementado por recursos atraídos de empresas. “Não há nação desenvolvida que tenha universidades fracas e desprestigiadas”, pontua.

De origem espanhola, a professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Esther Solano diz que, ainda que nos países mais ricos também não seja muito fácil para a sociedade enxergar a importância da ciência para o desenvolvimento, o caso do Brasil chama a atenção pela “forma tão brutal, estapafúrdia, tosca com que os cortes nas pesquisas vêm sendo feitos.”

Mas o que pensa o diretor do principal entre poucos órgãos privados de fomento à ciência no Brasil, o Instituto Serrapilheira? Em entrevista recente à Folha de S. Paulo, Hugo Aguilaniu foi enfático: “Verba pública é o coração da ciência”. Para ele, o governo tem que assumir esse investimento. “É como se fosse um acordo entre o governo e o resto da cadeia produtiva. Em qualquer lugar do mundo é assim. Mesmo nos Estados Unidos, onde as indústrias investem pesadamente nas pesquisas, o investimento público é muito forte porque as pessoas entendem esse papel. O investimento público precisa apoiar a pesquisa básica, que depois gera tecnologia, produto, economia para as empresas”, afirmou.

 

“Pesquisa em universidade cria soluções que vão para o mercado e viabilizam o desenvolvimento”

“Não há nação desenvolvida que tenha universidades fracas e desprestigiadas”

“Verba pública é o  coração da ciência”

As cifras do conhecimento

Nos Estados Unidos, a Fundação Nacional de Ciência (NSF) relata que o Governo Federal investiu 118 bilhões de dólares em pesquisa só em 2017 – valor distribuído entre universidades, agências nacionais (como a Nasa) e indústria. 2,7% do PIB norte-americano são aplicados em pesquisa, de acordo com a Unesco; o Brasil investe menos da metade: 1,3%.

A porcentagem do orçamento federal aplicada no investimento em pesquisa e desenvolvimento também mantém-se mais ou menos constante desde a década de 1980, de acordo com a Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS), ficando acima de 10% para os gastos discricionários (não obrigatórios).

Universidades Norte-Americanas

Olhando especificamente para as universidades norte-americanas, o investimento público é crescente desde a década de 1990, como mostra a Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS), com dados da NSF. Em 2017, quase 60% dos recursos para as universidades vieram do Governo Federal e dos estados norte-americanos.

 

Recebendo cerca de 2% do total do orçamento federal dos Estados Unidos, os programas de ensino superior daquele país representam uma grande parcela dos investimentos em educação, como aponta o estudo Federal and State Funding of Higher Education, da organização não governamental The Pew Charitable Trusts. Cerca de metade do orçamento do Departamento de Educação dos EUA foi dedicado ao ensino superior em 2013. O financiamento da educação superior também vem de outras agências federais, como os Departamentos de Saúde e Serviço Social e a Fundação Nacional de Ciência (NSF). O setor conta ainda com dinheiro dos estados: a educação superior foi a terceira maior área de gastos do fundo geral estadual em 2013, atrás apenas da educação básica e do Medicaid, sistema de saúde do país.

Para o ano acadêmico de 2018-19, a Universidade da Califórnia, por exemplo, apresentou um orçamento de 36,5 bilhões de dólares, dos quais apenas 7% vêm dos apoios privados. Como afirma seu relatório Budget for Current Operations, o orçamento conta com fundos de variadas fontes, mas os recursos estatais – sejam federais ou estaduais –  “continuam sendo fundamentais”.

Universidades Europeias

“A universidade pública não é um privilégio, se olharmos para a Europa, com países tão ricos, as universidades também são públicas”, afirmou ao Jornal da USP Liedi Bernucci, diretora da Escola Politécnica (Poli)  da USP. De fato, como nos Estados Unidos, em sua maioria as universidades europeias são não somente públicas, mas também financiadas pelo Estado: os governos são a principal fonte de recursos das instituições, de acordo com dados do Gabinete de Estatísticas da União Europeia (Eurostat), respondendo, em 2015, por 77% da receita total.

“A universidade pública não é um privilégio”

 

Em relação ao investimento, o último relatório da European University Association sobre a evolução financeira das universidades da Europa reflete a diversidade de contextos dentro do bloco europeu, apontando variações entre os países de 2008 (ápice da crise econômica mundial) a 2017. Assim, ao mesmo tempo que uma forte queda do investimento público atingiu instituições de ensino e pesquisa de Grécia e Irlanda no período, outras nações como Portugal, Holanda e Noruega tiveram aumentos nominais de, respectivamente 21%, 22% e 54% nos recursos públicos para universidades. Como um todo, porém, fica claro que os recursos públicos são os mais relevantes para as universidades – em quase todos os países do bloco, seria impossível para as instituições sobreviver sem eles.

A professora da Unifesp Esther Solano conta que em seu país de origem, a Espanha, as universidades também têm sofrido com falta de recursos, principalmente em momentos mais acentuados de crise econômica – apesar de cobrar taxas anuais dos alunos. “Os custos das matrículas não garantem um autofinanciamento, e também passamos por algo parecido ao que está acontecendo aqui, com críticas a áreas supostamente ‘inúteis’, e uma certa pressão social para que cursos considerados secundários e com poucos alunos, como filosofia grega, por exemplo, fossem fechados.”

Segundo a professora, “cortes são feitos em muitos locais, principalmente em momentos de crise”, mas ela ressalta nunca ter visto em nenhum local ataques contra a universidade sendo feitos como no Brasil agora, “com essa virulência e ressentimento”.

Apesar de não ser contra o ingresso de recursos privados na Universidade pública, Esther chama a atenção para uma discussão mais ampla. “Eu até acho que sim, os recursos privados poderiam ajudar, mas não é essa a questão principal. Acredito que a educação deve ser pública e gratuita por princípio. Por um princípio republicano e democrático: o Estado tem obrigação de dar educação de qualidade para seus cidadãos, pois é uma das mais importantes formas de combater as desigualdades”, defende.

“Acredito que a educação deve ser pública e gratuita por princípio”

usp 2

Do Canadá à China

Em seu doutorado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Danilo de Melo Costa fez um estudo comparativo entre Brasil, Canadá e China sobre o financiamento público da educação superior.

De acordo com o pesquisador, no Canadá, o dinheiro público representa de 55% a 60% do financiamento das universidades e na China, de 40% a 45%. No caso chinês, ele ressalta que existem dois projetos governamentais que concedem apoio financeiro adicional às universidades. “No Projeto 211, o apoio se dá para as cem melhores do país, com o intuito de ajudá-las a alcançar o status de universidades worldclass (de ‘classe mundial’). Já o Projeto 985 concede apoio ainda mais generoso a um grupo especial de 39 universidades, com uma concentração maior de recursos para as Universidades de Pequim e Tsinghua, com o objetivo de impulsioná-las para as vinte melhores do mundo”, relata.

 

“A expansão da educação superior na China foi preponderante para o destacável crescimento econômico vivenciado pelo país”

 

Sobre o peso do financiamento privado no orçamento das universidades, ele destaca que universidades consideradas worldclass têm mais predisposição para atrair parceria, “mas, de modo geral, em ambos os países se observou uma média entre 15% a 20% de investimento de empresas privadas.”

Para Danilo Costa, a estratégia de sucesso nestes países foi a diversificação das fontes de financiamento e não a completa ruptura de um modelo de orçamento. Ele é a favor de uma maior aproximação do setor privado com a academia aqui no Brasil, mas enfatiza que “o Estado é, sim, fundamental. Em momentos de prosperidade econômica, existe uma predisposição das empresas investirem mais nas universidades, mas durante uma recessão, este incentivo vai fatalmente diminuir”. Para ele, se esta for a única fonte de sustentação, as universidades enfrentarão graves problemas e terão ameaçada até sua continuidade.

Por fim, ele aponta que investimento nas universidades é considerado prioridade nessas nações. É quase uma unanimidade que “a expansão da educação superior na China foi preponderante para o destacável crescimento econômico vivenciado pelo país.” O Canadá, diz ele, é outro país que investe maciçamente em educação, e que objetiva atingir o chamado sistema universal, deixando a educação superior disponível para todos que vislumbrem frequentá-la.

“Na minha pesquisa, dados de 2003 a 2012 demonstraram que o porcentual do PIB investido em educação superior no Canadá passou de 2,4% em 2003 para 2,8% em 2012. Já na China, o porcentual do PIB investido no setor passou de 1,1% em 2003 para 1,5% em 2012. Ou seja, a educação superior é vista como preponderante para o desenvolvimento da nação, bandeira que também defendo”, conclui o professor, que coordena o Programa de Mestrado Profissional em Administração do Centro Universitário Una (MG).

Foto de destaque: pesquisadores da Universidade da Califórnia, campus San Francisco – Divulgação/ucsf.edu

Arte: Thais H. Santos

_________________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada pelo “Jornal da USP” [Aqui! ]

A exportação de agrotóxicos banidos nos EUA cria um círculo letal de venenos

bomba costalBrechas pró-indústria permitem que os fabricantes exportem agrotóxicos banidos nos EUA, que acabam sendo usados para cultivar alimentos que acabam sendo importados pelo próprio país. BOONCHAI WEDMAKAWAND / GETTY

Por  para a Truthout

Um espantoso duplo padrão existe nos Estados Unidos da América. Quando o governo federal proíbe um agrotóxico, as brechas pró-indústria permitem que as empresas produtoras de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos recuperem os lucros perdidos fabricando o mesmo agrotóxico para ser usado no exterior. Em 2013, dados da Agência de Proteção Ambiental (EPA) mostraram que agrotóxicos – proibidos, restritos ou não registrados nos EUA – foram fabricados em 23 estados para exportação para outros países.

Sem uma estrutura regulatória global abrangente para orientar as políticas de transporte, armazenamento e uso, os EUA conscientemente sujeitam trabalhadores agrícolas vulneráveis no exterior a produtos químicos conhecidos por causar danos e morte, e ampliam a dependência internacional da agricultura de agrotóxicos. Cada agrotóxico registrado tem uma “tolerância” de quanto resíduo pode permanecer em um produto alimentício antes que seja considerado inseguro para consumo humano. Os agrotóxicos considerados muito perigosos ou não registrados pela EPA não podem ser vendidos nos EUA. Portanto, o mesmo produto químico deve ser considerado muito perigoso para ser usado em alimentos cultivados no exterior que serão ingeridos pelos estadunidenses.

Em 2015, os seis maiores produtores de agrotóxicos controlaram 75% do mercado de agrotóxicos. Nas últimas três décadas, o conluio entre o governo, os reguladores e poderosos lobistas bloquearam todos os esforços para conter a maré firme do uso de agrotóxicos químicos. A EPA não tem mandato para coletar dados abrangentes sobre as exportações de agrotóxicos e não pode acessar as declarações corporativas de exportação. Os dados mais recentes são de quase duas décadas atrás. Um estudo de grande alcance descobriu que de 2001 a 2003, os EUA exportaram 14 milhões de kilos de agrotóxicos proibidos, severamente restritos ou não registrados para outros países- quase 13 toneladas por dia.

Embora os EUA devam informar os países quando um agrotóxico não está registrado nos EUA, não há garantia de que o funcionário destinatário encaminhe os dados para o usuário do produto químico. As empresas de agroquímicos podem satisfazer os requisitos de rotulagem simplesmente colocando rótulos nos contêineres de embarque e não no contêiner do produto.

O fardo das precauções regulatórias recai desproporcionalmente sobre os países em desenvolvimento – como Equador, Brasil, Indonésia e Malásia – localizada principalmente na América do Sul e no Sudeste Asiático. Um número esmagador de fatalidades, cerca de 99%, ocorre em países do Sul Global, onde as leis são mais fracas. Vulneráveis ao envenenamento agudo e crônico, os trabalhadores agrícolas são rotineiramente expostos a agrotóxicos tóxicos por meio de pulverização, deriva ou contato direto com culturas tratadas e solo e de derramamentos acidentais. A exposição crônica tem sido associada ao câncer, às doenças de Alzheimer e Parkinson, à ruptura hormonal, à esterilidade, ao suicídio e a numerosos efeitos neurológicos na saúde. Os problemas agudos de saúde variam desde os distúrbios da pele até a morte, e incluem doenças respiratórias, gastrointestinais, circulatórias e neurológicas.

Dada a realidade de como esses agrotóxicos são realmente usados (sem equipamento de proteção adequado, falta de descarte adequado, etc.), a suspensão da exportação é crítica. A Organização Mundial de Saúde estimou em 1990 que “até 25 milhões de trabalhadores nos países em desenvolvimento” sofrem de envenenamento por agrotóxicos todos os anos. Como o volume de vendas de agrotóxicos aumentou, é provável que o número de incidentes de intoxicação seja muito maior. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde publicados em 2008, a ingestão não intencional, inalação ou contato com produtos químicos causaram 346.000 mortes por intoxicações agudas em 2004. O impacto global de autointoxicação por ingestão de agrotóxicos evitável foi estimado em 186.000 mortes.

Um estudo de 2012 da Pesticide Action Network International estimou que o número de pessoas afetadas anualmente pela exposição a agrotóxicos a curto e a longo prazo varia entre 1 milhão e 41 milhões.

Eugenia Mejías, uma trabalhadora sazonal no Chile, assistiu sua filha Evelyn, de 14 anos, morrer de graves deficiências congênitas – hidrocefalia, pernas deformadas e paralisadas, e uma espinha torcida e parcialmente exposta. Durante a gravidez, Mejías viveu a poucos metros de um pomar de maçãs, onde os aviões regularmente pulverizavam agrotóxicos sem tomar medidas de precaução para proteger os trabalhadores e residentes próximos. Esta é apenas uma história de muitos que ilustram os perigos do ciclo de agrotóxicos.

Danos para aqueles no Sul global são apenas parte da história. Esta prática perturbadora cria um verdadeiro “círculo de veneno” onde consumimos inadvertidamente produtos químicos proibidos nos EUA em alimentos produzidos em condições perigosas para os trabalhadores agrícolas e suas famílias. Como a responsabilidade ética por substâncias químicas perigosas pode acabar em nossas fronteiras?

Os esforços da Food and Drug Administration (FDA) para proteger os consumidores dos EUA contra resíduos de pesticidas potencialmente prejudiciais em alimentos importados são totalmente inadequados. Apesar da contaminação generalizada de alimentos importados, os inspetores da FDA raramente apreendem ou recusam remessas. Apenas 2% dos produtos importados são separados para análise, enquanto o restante da remessa segue diretamente para o mercado. No momento em que os resultados do teste são conhecidos, a comida já foi consumida.

As importações aumentaram constantemente por décadas; mais da metade da fruta fresca e quase um terço dos vegetais frescos comprados nos EUA são importados de outros países. O produto é contaminado com baixos níveis de resíduos de pesticidas e os metabólitos são agora detectados em produtos, água e tecidos humanos em todo o mundo. Esses metabólitos não degradantes se acumulam e persistem no corpo, e podem ser transferidos para as crianças no útero e através do leite materno, causando vários efeitos prejudiciais à saúde, como perturbações hormonais, infertilidade ou câncer. Aumentos dramáticos no uso de produtos químicos nas últimas décadas acompanham o aumento da incidência de doenças crônicas associadas à contaminação ambiental.

Enquanto as empresas agroquímicas exageram a escassez de alimentos, se os pesticidas não são utilizados para a produção agrícola, os benefícios são de curto prazo e levam a uma maior resistência às pragas e, em seguida, maior perda de produtividade das culturas. O mau uso de pesticidas contribui para o desenvolvimento de cepas resistentes de insetos portadores de doenças. Notavelmente, a resistência em mosquitos portadores de malária tem sido um importante contribuinte para o recente ressurgimento da doença debilitante.

Não apenas a exportação de pesticidas proibidos deve ser proibida, mas também deve ser adotada uma abordagem preventiva. Com base no marco regulatório da Suécia, os EUA devem promulgar um “princípio de substituição” que proíbe o uso de produtos químicos quando um substituto menos perigoso estiver disponível. Sob este esquema, se um pesticida novo e mais seguro for registrado, o mais antigo perde automaticamente seu registro.

O desenvolvimento de uma política sensata de exportação de agrotóxicos deve reconhecer a importância de produzir um suprimento mundial de alimentos seguros e acessíveis que protejam todos os cidadãos da Terra, em casa e no exterior. A falta de regulação eficaz prejudica não apenas os indivíduos e o ambiente onde o alimento é produzido, mas também os indivíduos nos EUA – os processadores de alimentos e os consumidores. Ninguém está imune a este círculo incessante de veneno que deve ser quebrado.

*Elisabeth McLaughlin é estudante da Columbia University onde está realizando pesquisas sobre desenvolvimento sustentável. Ela é autora e apresentou legislação ambiental na Conferência de Assuntos Nacionais, e é atualmente membro  da Columbia University for Carbon Neutrality Organization.  

______________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pela organização sem fins lucrativos Truthout [Aqui!].

De frango a tomate, veja por que a comida produzida nos EUA está te machucando

As recentes notícias sobre o glifosato e o câncer só destacam um problema mais amplo com nosso sistema: nossa obsessão em matar o mundo natural está nos envenenando

traqtorAo tentar controlar as culturas com herbicidas, antibióticos e pesticidas, criamos insetos, ervas daninhas e doenças resistentes ao nosso controle. Foto: Scott Olson / Getty Image

Por Maria Rodale para o “The Guardian”

As recentes manchetes que anunciam bilhões de dólares em danos a pessoas que tiveram câncer depois de usar o Roundup são apenas a ponta de um iceberg muito grande. Existem mais de 1.000 ações judiciais contra a empresa controladora da Monsanto, a Bayer, esperando para ser ouvidas pelos tribunais. Além das preocupações sobre esse herbicida específico à base de glifosato, deveríamos estar falando sobre os inúmeros outros produtos químicos potencialmente punitivos em nosso sistema alimentar.

Afinal, nossa comida e nossa saúde estão profundamente conectadas. Os gastos com a saúde nos EUA aumentaram para US $ 3,5 trilhões por ano e, no entanto, estamos mais doentes do que a maioria dos outros países desenvolvidos. Enquanto isso, nosso sistema alimentar contém milhares de produtos químicos que não foram provados seguros e muitos que são proibidos em outros países.

Como chegamos a esse ponto? Ao contrário de grande parte do mundo desenvolvido, o sistema regulatório americano não opera segundo o princípio da precaução. Em outras palavras, em vez de substâncias potencialmente perigosas serem banidas de nossos alimentos, como ocorre na Europa, por exemplo, substâncias químicas preocupantes são normalmente consideradas inocentes até que se prove a culpa. Como resultado, somos as cobaias em nosso próprio experimento. E nosso desejo por comida rápida, barata e abundante apenas aumenta a velocidade com que somos introduzidos a novas substâncias não testadas.

Foi uma corrida mortal para o fundo do poço. Por décadas, operamos o princípio de que, se pudermos eliminar seletivamente as partes indesejáveis ​​do mundo natural, poderemos controlar nossos futuros. Os agricultores operam dessa maneira, mas também proprietários de casas, equipes de rodovias e paisagistas. Nós espalhamos herbicidas, fungicidas, pesticidas, inseticidas, fertilizantes, antibióticos, hormônios e várias outras toxinas que matam tudo ao redor. Até coisas boas.

Estamos nos conscientizando da perda do que podemos ver: abelhas, borboletas, a diversidade de plantas dos nossos ecossistemas. Também precisamos nos preocupar com o microbioma invisível e fungos no solo que alimentam a vida acima, armazenar carbono e absorver água.

Em um esforço para controlar e matar a natureza, perdemos cada vez mais o controle e nos machucamos. Ao tentar controlar as culturas com herbicidas, antibióticos e pesticidas, criamos insetos, ervas daninhas e doenças resistentes ao nosso controle.

E nosso ataque químico terá efeitos a longo prazo. Nossos fertilizantes e pesticidas penetram nas águas subterrâneas e nos córregos, dirigem-se para o mar e criam zonas mortas e marés vermelhas. Eles também penetram na nossa água potável. Tome por exemplo a Atrazine, um herbicida produzido pela empresa suíça Syngenta (e também proibido na Suíça), que é encontrado em poços em toda a América. A lista de possíveis riscos para a saúde das causas da Atrazina é muito longa para ser listada em sua totalidade, mas inclui câncer, resultados insatisfatórios e defeitos de desenvolvimento.

Então, como reverter esse declínio na qualidade de nossa comida e saúde? O sistema alimentar é uma vasta e complicada teia interconectada – lenta de movimentar e propensa à inércia. Para mudar o resultado, precisamos mudar o paradigma.

Você pode se surpreender que isso possa começar a repensar nossos sentimentos sobre o cocô. Em um afastamento radical da medicina ocidental moderna, os transplantes fecais estão sendo desenvolvidos como um tratamento para tudo, de Clostridium difficile – uma infecção mortal que enfrenta um grande número de pacientes – a alergias alimentares. Depois de décadas de hospitais tentando esterilizar todos os seres vivos, acontece que, como o solo, precisamos de um sistema microbiano diversificado para criar e manter a saúde.

O que isso tem a ver com o nosso sistema alimentar? O Instituto Rodale estuda a agricultura convencional e orgânica há mais de 30 anos e descobriu que um sistema orgânico baseado em esterco é a maneira mais produtiva, mais eficiente e mais saudável de cultivar. Um sistema baseado em estrume compostagem resíduos de animais e retorna para a terra. Em um sistema convencional, o esterco animal é descartado – muitas vezes em poças tóxicas que poluem o ar e a água – e, em vez disso, são usados ​​fertilizantes químicos.

Em vez de tentar controlar nosso ambiente agrícola matando coisas e desperdiçando nosso maior fertilizante (cocô), devemos cultivar um sistema que nutra um solo saudável e diversificado que realmente melhore com o tempo.

Na tentativa de melhorar nosso sistema alimentar, o instituto também está trabalhando em um novo padrão para agricultura: Certificação Orgânica Regenerativa. (Divulgação completa: meu pai cunhou o termo “agricultura orgânica regenerativa” no final dos anos 80.) Supervisionada pelo Instituto Rodale, as práticas orgânicas regenerativas envolvem atender aos padrões federais para o bem-estar orgânico, mas também animal, tratamento justo dos trabalhadores e termo saúde do solo.

Ao reimaginar nossa comida e nossa saúde no contexto de um sistema próspero, podemos criar um paradigma totalmente novo onde, em vez de tentar matar e controlar as coisas, estamos criando um sistema alimentar abundante e vibrante que pode nos nutrir por muito tempo no futuro.

_______________________________

Este artigo foi escrito originalmente em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!]

Para proteger abelhas, EUA proíbe agrotóxicos neonicotinóides que governo Bolsonaro liberou no Brasil

abelhas 2

Em uma demonstração indiscutível de como o governo Bolsonaro está empurrando o Brasil na contramão da proteção ambiental de espécies polinizadoras de alto valor para a agricultura brasileira, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) publicou ontem o banimento de 12 agrotóxicos da classe dos Neonicotinóides por causarem danos a abelhas e outros polinizadores.

Dentre os agrotóxicos banidos pela EPA, 7 deles continham os princípios ativos Imidacloprid, Azoxistrobina e a Tiametoxam.  Caminhando no sentido contrário, o governo Bolsonaro liberou diversos agrotóxicos contendo exatamente os mesmos princípios ativos.

Alguém precisa avisar a ministra da Agricultura e seu colega do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles, que aquilo que é banido nos EUA não deveria ser liberado no Brasil. Afinal, se esses compostos são ruins para as abelhas dos EUA, não podem boas para as que polinizam os campos do Brasil.

Abaixo matéria publicada pelo Centro de Segurança Alimentar (CFS) sobre o banimento dos agrotóxicos neonicotinóides nos EUA.

Agência Ambiental dos EUA cancela 12 agrotóxicos por causarem danos abelhas e outras espécies ameaçadas de extinção

abelhas

Washington, D.C. — Ontem (20/05), a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) anunciou os últimos avisos de cancelamento da autorização de 12 agrotóxicos neonicotinóides no Registro Federal. A decisão de retirar os agrotóxicos do mercado era necessária como parte de um acordo legal em dezembro de 2018 de um bem-sucedido caso do Centro de Segurança Alimentar (CFS) – litigado de 2013-2018 em nome de uma coalizão de conservacionistas e apicultores – sobre a falha da EPA de proteger polinizadores, apicultores e espécies em extinção desses agrotóxicos perigosos. A segunda metade do acordo terá início nos próximos anos: pela primeira vez, a EPA é obrigada a analisar e abordar os impactos de toda a classe de agrotóxicos neonicotinóides em espécies ameaçadas de extinção sob a Lei de Espécies Ameaçadas.

“O cancelamento de hoje desses agrotóxicos neonicotinóides é uma batalha duramente conquistada e um marco na direção certa”, disse George Kimbrell, Diretor Jurídico da CFS e principal conselheiro no caso. “Mas a guerra contra os agrotóxicos continua: Continuaremos a lutar de forma diligente para proteger nosso planeta, as abelhas e o meio ambiente dessas e de outras toxinas perigosas semelhantes.”

Os agrotóxicos cancelados no assentamento são uma classe relativamente nova de pesticidas conhecidos como pesticidas neonicotinóides ou “neônicos”. Quimicamente relacionados à nicotina, os neonicotinóides interferem no sistema nervoso dos insetos, causando tremores, paralisia e eventual morte, mesmo quando administrados em doses muito baixas. Ao contrário dos agrotóxicos tradicionais, os neônicos são sistêmicos – o que significa que eles são distribuídos por toda a planta, tornando-a inteiramente tóxica. As abelhas e outros polinizadores são expostos a esses produtos químicos tóxicos por meio de pólen, néctar, poeira, gotas de orvalho nas folhas das plantas e no solo onde nidificam muitas espécies de abelhas nativas.  Os neonicotinóides entraram em uso intensivo em meados da década de 2000, ao mesmo tempo em que os apicultores começaram a observar casos generalizados de perdas de suas colônias.

“Neonicotinóides representam uma enorme ameaça para as nossas abelhas e polinizadores”, disse Neil Carman,  responsável por polinizadores para o The Sierra Club, um autor doo processo. “Tirar esses produtos do mercado é absolutamente necessário”.

Neonicotinóides são 10.000 vezes mais tóxicos para as abelhas do que qualquer outro agrotóxicos. Eles são tipicamente aplicados como um revestimento de sementes, um processo pelo qual os agrotóxicos são misturados com grandes lotes de sementes, a fim de revesti-los antes que as sementes sejam plantadas. Depois que as sementes revestidas de neonicotinóides são plantadas, as substâncias químicas se espalham muito além da cultura para a qual são destinadas e podem contaminar as flores silvestres, o solo e a água das redondezas – o que representa uma ameaça significativa às abelhas que buscam e nidificam na área. Sabe-se há vários anos que esses produtos químicos podem matar ou enfraquecer mais do que apenas as pragas alvo. Danos não visados ​​podem ocorrer em invertebrados benéficos, bem como em pássaros e outros animais selvagens, através de efeitos diretos e indiretos.

O caso CFS foi originalmente apresentado em 2013. Em maio de 2017, o Tribunal decidiu em favor dos demandantes. Representados pelo conselho jurídico da CFS, os demandantes incluíam CFS, Sierra Club, Além de Pesticidas, Centro de Saúde Ambiental, Pesticide Action Network e quatro apicultores comerciais, Steve Ellis, Jim Doan, Tom Theobald e Bill Rhodes.

Background

A União Européia proibiu três agrotóxicos neonicotinóides de serem usados ​​em plantações depois que a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar expressou preocupação sobre os danos que esta classe de agrotóxicos representa para os polinizadores. A França também proibiu o uso de mais dois agrotóxicos neonicotinóides em campos de cultivo e em estufas. Em 2017, a CFS entrou com outra ação legal contra a EPA exigindo que as sementes com revestimento neônico não escapem mais da regulamentação. Em 2018, a CFS protocolou uma notificação de intenção de processar a administração Trump por reverter uma moratória sobre pesticidas neônicos e culturas geneticamente modificadas em refúgios de vida silvestre.

A CFS recentemente endossou a Lei de Proteção aos Refúgios de 2019, que restabelecerá a moratória sobre os refúgios de vida silvestre, e apoia a Lei de Proteção dos Polinizadores da América, que exigiria que a EPA tomasse medidas imediatas para proteger os polinizadores do neônio. A CFS também está pedindo ao Estado da Califórnia para proteger quatro espécies de abelhas, adicionando-as à Lista de Espécies em Perigo do estado. O CFS acaba de lançar um aplicativo gratuito Wild Bee ID que capacita jardineiros para ter um papel ativo na conservação das abelhas, identificando as abelhas em seus quintais que são nativas da América do Norte e as plantas que as abelhas nativas evoluíram para polinizar.

____________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo Centro de Segurança Alimentar (CFS) [Aqui!].

Preço da soja cai ao mais baixo em uma década à medida que a guerra comercial EUA-China se intensifica

A China disse que aumentará as tarifas de alguns produtos norte-americanos a partir de junho. Produtos agrícolas dos EUA atingidos vão da carne de porco ao retiro de algodão

colheita soja

A soja é colhida em Tiskilwa, Illinois. Fotógrafo: Daniel Acker / Bloomberg

Por Michael Hirtzer para a Bloomberg News

Os valores futuros da soja caíram para o nível mais baixo em uma década, com a escalada da guerra comercial entre os EUA e a China enfraquecendo as esperanças de que o país asiático retome as compras de grãos americanos para facilitar o excesso de oferta.

As commodities agrícolas da carne suína ao algodão caíram na segunda-feira, com a soja caindo para US $ 8 por bushel pela primeira vez desde 2008 em Chicago, depois que a China anunciou que aumentará as tarifas de alguns produtos americanos a partir de 1º de junho. e a Bunge Ltd. também recuou.

O  aumento das tensões comerciais entre os EUA e a China, o maior importador do mundo, tem agitado as perspectivas para a demanda de soja, à medida que os agricultores americanos semeiam a próxima safra. A China comprou várias rodadas de soja no início deste ano como gestos de boa vontade nas negociações comerciais.

“Claramente, há incerteza sobre para onde estamos indo”, disse Ken Morrison, analista independente de St. Louis. “Ambas as partes se apoiaram em um canto.”

A quebra nas negociações também aumenta a probabilidade de que algumas compras de produtos americanos, como soja e carne suína, sejam canceladas antes da entrega, disse Morrison. A China comprou cerca de 7,4 milhões de toneladas de grãos dos EUA que ainda não foram embarcados, segundo dados do Departamento de Agricultura dos EUA.

As últimas negociações entre os dois países terminaram sem uma resolução, levando o presidente Trump na semana passada a prometer que as compras de safras americanas compensariam as vendas mais lentas para a China. Ainda assim, não está claro até que ponto isso iria resolver o atual excesso de oferta.

O conflito surge no momento em que a peste suína africana praga os produtores de suínos na China e nos países vizinhos, com as perdas de suínos no Vietnã chegando a 4% de seu rebanho doméstico. A febre alastrante pode reduzir ainda mais a demanda por soja e outros alimentos para gado.

Os fazendeiros americanos estão enfrentando dificuldades porque o problema tarifário que começou há um ano atrapalhou as exportações de soja, derrubando os preços e prejudicando a renda dos agricultores. A escalada das tensões reduz as esperanças de um acordo rápido e coloca o foco de volta em mercados bem supridos.

Na sexta-feira, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) divulgou sua perspectiva mensal de safra, que prevê a elevação dos estoques domésticos em sua primeira orientação para a próxima temporada.

“O relatório do USDA tem sido bastante pessimista na última sexta-feira e contribuiu para a atmosfera sombria em vigor sobre commodities agrícolas devido às intermináveis ​​e tensas discussões comerciais entre EUA e China”, disse Agritel em nota.

PREÇOS OLEOSOS

  • Valores futuros de soja para entrega em julho caíram 2,3%, para US $ 7,91 o bushel, na Bolsa de Chicago.
  • Esse é o menor valor para contratos ativos desde o final de 2008.
  • Os preços caíram 11% até agora este ano.
  • Farinha de soja -1,3% para US $ 283,60 por 2.000 libras.

MERCADOS DE GRÃOS

  • Futuros de trigo para entrega em julho -0,7% para US $ 4,21 3/4 por bushel na CBOT.
  • Esse é o menor valor desde janeiro de 2018 para contratos ativos
  • Os valores futuros de trigo para moagem em dezembro também caem em Paris, com os preços atingindo uma baixa de contrato de EU 171,75 /t.
  • Os valores futuros de milho seguem para a quarta queda direta na CBOT.

 

_______________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pela Bloomberg News [Aqui!].