EUA pressionam o Brasil a apresentar medidas concretas para reduzir desmatamento da Amazônia

Especialistas divergem: o Brasil conseguirá apresentar um cronograma de redução do desmatamento?

Área desmatada na Amazônia.

Os Estados Unidos estão pressionando o Brasil a apresentar medidas concretas na redução do desmatamento da Amazônia na Cúpula dos Líderes sobre o Clima, que será iniciada nesta quinta-feira (22) e reunirá 40 chefes de Estado.

O presidente Jair Bolsonaro, que estará no evento, enviou uma carta a Joe Biden onde promete zerar o desmatamento ilegal no Brasil até o ano de 2030. A Casa Branca espera que o Brasil apresente um cronograma de redução gradual da derrubada das florestas e uma meta mais ambiciosa do que a atual para redução de emissões de carbono.

Especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil têm opiniões diferentes sobre a capacidade do Brasil em atingir a meta anunciada de zerar o desmatamento nos próximos nove anos e de apresentar o cronograma solicitado pelos Estados Unidos.

‘Não dá para acreditar que o Brasil vai fazer qualquer ato diferente’

Para o geógrafo e ambientalista Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da ONG SOS Mata Atlântica, o compromisso do Brasil em zerar o desmatamento ilegal até o ano de 2030 “não passa de uma mentira deslavada”.

“Não dá para acreditar que o Brasil vai fazer qualquer ato diferente. […] O Brasil deveria dizer que o país já faz isso, tem uma matriz energética limpa, nós podemos fazer muito mais porque já tivemos um controle sobre a Amazônia, as metas do Brasil podem ser muito maiores, e com isso nós teríamos mais apoio, mas o que a gente vê é o contrário”, afirmou à Sputnik Brasil.

De acordo com um levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgado nesta segunda-feira (19), o desmatamento na floresta amazônica atingiu em março o pior índice para o mês nos últimos dez anos.

Segundo Mantovani, os dados apresentados pelo Imazon fazem com que o Brasil tenha muita dificuldade em apresentar um cronograma como o que é exigido pelos EUA.

“O que o Brasil apresentou agora como meta foi abaixo daquilo que ele já tinha se comprometido em Paris e apresentado na última conferência em Madri. O Brasil deu um vexame. Claro que, com isso, não vai ter cronograma que vai resistir”, declarou.

sput mourão

​O vice-presidente Hamilton Mourão, que também é presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, negou os dados de desmatamento apresentados pelo Imazon e defendeu a transparência e confiabilidade nas estatísticas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), e disse que “há ONGs que utilizam dados sem a devida fundamentação para divulgar informações sobre a Amazônia”.

Mario Mantovani criticou a gestão de Mourão no conselho e que entende que o Brasil chega enfraquecido na Cúpula dos Líderes sobre o Clima.

“Nem o general Mourão conseguiu reduzir [o desmatamento]. A Polícia Federal fez uma denúncia muito grave de que o ministro [do Meio Ambiente, Ricardo Salles] está liberando os madeireiros que fizeram os desmatamentos. Nós temos sinais trocados dentro do governo, e isso mostra um desarranjo, um jeito ruim de fazer gestão do desmatamento na Amazônia. O Brasil vai para essa conferência muito mais enfraquecido”, completou.

‘Brasil possui capacidade de fazer cronograma exigido pelos EUA’

O economista e advogado, Alessandro Azzoni, especialista em Direito Ambiental, disse que a carta enviada por Bolsonaro a Joe Biden é um ponto positivo e mostra uma motivação do presidente brasileiro em mudar o cenário do desmatamento no país.

“Eu acredito que exista a capacidade de se fazer um cronograma. A operação comandada pelo vice-presidente Mourão conseguiu fazer um mapeamento dos garimpos ilegais, e dos maiores municípios e estados que sofrem com o desmatamento. Esse diagnóstico existe, e a meta pode ser colocada sim”, afirmou à Sputnik Brasil.

No entanto, segundo Azzoni, o cronograma precisa ser anunciado de maneira oficial e assinado pelo governo brasileiro.

“Penso que isso deve ser retificado de uma forma mais formal. Eu acredito que o governo brasileiro tenha um cronograma para reduzir isso, basta intensificar as ações da Polícia Federal junto com exército combatendo essa rede criminosa que invade as áreas desmatando”, comentou.

sput madeira

​Na semana passada, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, disse que a Cúpula de Líderes sobre o Clima é a última chance de o Brasil mostrar que se preocupa com o desmatamento na Amazônia.

Chapman ainda afirmou que há uma percepção que o desmatamento ilegal na Amazônia cresceu e que não é decorrente de “um problema de comunicação”, como justificam integrantes do governo federal brasileiro.

Para Alessandro Azzoni, o Brasil teria a capacidade, inclusive, de zerar o desmatamento ilegal antes de 2030, mas é preciso que o país contrate mais servidores nos órgãos de fiscalização ambiental.

“Acredito que possa ser factível acabar com o desmatamento ilegal. Acho que nem para 2030, dá para acabar até antes, nós estamos em 2021. […] O que falta é realmente aumentar o número de servidores de fiscalização”, declarou.

Azzoni defende ainda que, mais do que reduzir o desmatamento, o Brasil deveria apresentar também uma política de reflorestamento das áreas desmatadas.

“Nós vemos muitas áreas que foram desmatadas desde governos passados até hoje e muito poucas são reflorestadas. Ter ações mais efetivas no reflorestamento também seria muito interessante. Eu acredito que isso daria uma resposta muito maior ao nível nacional e internacional do que simplesmente só combater o desmatamento”, completou.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Sputnik Brasil [Aqui!].

Emissões de carbono vão disparar em 2021 pela segunda maior taxa da história

Emissões de carbono vão disparar em 2021 pela segunda maior taxa da história

EMISSÕES CHAMINÉSUma usina de carvão nos EUA, onde Joe Biden está considerando medidas para acelerar a mudança para a energia renovável. Fotografia: J David Ake / AP

Por Fiona Harvey correspondente de Meio Ambiente do “The Guardian”

As emissões de dióxido de carbono devem saltar este ano para o segundo maior aumento anual da história, à medida que as economias globais despejam dinheiro de estímulo em combustíveis fósseis na recuperação da recessão COVID-19.

O salto ficará atrás apenas da recuperação massiva de dez anos atrás, após a crise financeira, e colocará as esperanças climáticas fora de alcance, a menos que os governos ajam rapidamente, alertou a Agência Internacional de Energia .

O uso crescente de carvão, o combustível fóssil mais sujo, para eletricidade está causando o aumento das emissões, especialmente na Ásia, mas também nos Estados Unidos. A recuperação do carvão causa particular preocupação porque ocorre apesar da queda nos preços da energia renovável, que agora é mais barata do que o carvão.

Em declarações exclusivas ao Guardian, Fatih Birol, diretora executiva da IEA e uma das maiores autoridades mundiais em energia e clima, disse: “Isso é chocante e muito perturbador. Por um lado, os governos hoje estão dizendo que a mudança climática é sua prioridade. Mas, por outro lado, estamos vendo o segundo maior aumento de emissões da história. É realmente decepcionante. ”

O aumento das emissões este ano deve ser o segundo maior da história, perdendo apenas para a recuperação da crise financeira

emissões

As emissões precisam ser reduzidas em 45% nesta década, se o mundo quiser limitar o aquecimento global a 1,5 ° C (2,7 ° F), alertaram os cientistas. Isso significa que 2020 deve ser a década em que o mundo muda de rumo, antes que o nível de carbono na atmosfera aumente muito para evitar níveis perigosos de aquecimento. Mas a escala da atual recuperação das emissões da crise da COVID-19 significa que “nosso ponto de partida definitivamente não é bom”, disse Birol.

Birol comparou o atual aumento das emissões à crise financeira, quando as emissões aumentaram mais de 6% em 2010, depois que os países tentaram estimular suas economias por meio de energia de combustível fóssil barata. “Parece que voltamos a repetir os mesmos erros”, alertou. “Estou mais decepcionado desta vez do que em 2010.”

As emissões caíram um recorde de 7% globalmente no ano passado , devido aos bloqueios que se seguiram ao surto da Covid-19. Mas, no final do ano, eles já estavam se recuperando e a caminho de ultrapassar os níveis de 2019 em algumas áreas.

As projeções da IEA para 2021 mostram que as emissões provavelmente terminarão este ano ainda um pouco abaixo dos níveis de 2019, mas em um caminho ascendente. No próximo ano, pode haver aumentos ainda mais fortes com o retorno das viagens aéreas, acrescentou Birol. A aviação normalmente contribuiria com mais de 2% das emissões globais, mas esteve quase ausente no ano passado.

Ele pediu aos governos que apresentassem novas políticas climáticas com urgência e busquem uma recuperação ecológica da crise da Covid-19. “No ano passado, expressei minha esperança de que a recuperação econômica da COVID-19 seja verde e sustentável. Mas esses números indicam que essa recuperação hoje é tudo menos sustentável para o nosso clima ”, disse ele.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está convocando uma cúpula sobre o clima esta semana , com a expectativa de participação de líderes de 40 países, na qual ele exortará os países a apresentarem compromissos firmes na redução das emissões nesta década. Birol disse que esta é uma oportunidade para os países mudarem de rumo e implementarem políticas para uma recuperação verde.

“Se os governos tomarem uma ação clara e iminente , com a quantidade de tecnologias de energia limpa e baratas que temos, podemos transformar essa decepção em alguns bons resultados”, disse ele.

A IEA é considerada o padrão ouro global para dados de energia e suas projeções para 2021 são baseadas em sondagens abrangentes de todo o mundo, incluindo dados de fontes de energia existentes e novas usinas programadas para entrar em operação. Os dados de energia do final do ano passado mostraram os combustíveis fósseis à frente dos níveis de 2019, e o aumento continuou na primeira parte deste ano.

Em seu Global Energy Review , publicado na terça-feira, a IEA descobriu que as emissões globais de carbono do uso de energia, que responde pela grande maioria das emissões de gases de efeito estufa, estavam em curso para aumentar em 1,5 bilhão de toneladas em 2021, após ter caído no ano passado. Isso representa um aumento de 5% para 33 bilhões de toneladas de dióxido de carbono no ano. Após mais de meia década de declínio, a demanda global por carvão deve crescer 4,5%, aproximando-se do pico de todos os tempos em 2014.

A China planeja construir dezenas de usinas termelétricas a carvão, apesar de prometer no ano passado atingir emissões líquidas zero até 2060. O plano econômico de cinco anos do país, estabelecido por Pequim no mês passado, continha poucos detalhes sobre a redução das emissões antes de 2030. No entanto , após uma visita surpresa a Xangai do enviado climático dos EUA, John Kerry, os EUA e a China prometeram cooperação nas emissões de gases de efeito estufa na próxima década.

O uso de carvão também está aumentando nos EUA, revertendo as quedas anuais desde 2013. Birol disse que isso foi o resultado dos altos preços do gás, que estão levando a uma mudança do gás para o carvão na geração de eletricidade. Donald Trump, como presidente, descartou as regulamentações estabelecidas por Barack Obama para restringir o uso de carvão nas usinas de energia . Biden está considerando outras medidas para acelerar a mudança para a energia renovável.

Nicholas Stern, economista do clima e presidente do instituto de pesquisa Grantham sobre mudança climática da London School of Economics, disse que os resultados da IEA “mostram que os países realmente devem agir com maior urgência para acelerar a transição para os caminhos de carbono zero ter uma chance de redução das emissões de acordo com o acordo de Paris. Esta é uma oportunidade crucial e histórica de reconstruir de forma diferente das formas poluentes do passado e, em particular, de se afastar muito mais rapidamente do carvão. Uma recuperação forte e sustentável virá de menos carvão, não mais. ”

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Biden em negociações arriscadas para pagar ao Brasil para salvar a Amazônia

Ativistas temem que um acordo climático de bilhões de dólares reforce Bolsonaro e recompense o desmatamento ilegal da floresta, mas os EUA dizem que a ação não pode esperar
desmatamento
Uma foto aérea mostra o contraste entre as paisagens florestais e agrícolas perto de Rio Branco, Acre, Brasil. O Brasil está pedindo um bilhão de dólares a cada 12 meses em troca do qual o desmatamento seria reduzido em 30 a 40 por cento. Foto de Kate Evans / CIFOR.
Por Jonathan Watts, do “The Guardian”, para  o Earth Island Journal

Os EUA estão negociando um acordo climático de bilhões de dólares com o Brasil que os observadores temem que possa ajudar a reeleição do presidente Jair Bolsonaro e recompensar o desmatamento ilegal na Amazônia.

Essa é a preocupação de grupos indígenas, defensores do meio ambiente e ativistas da sociedade civil, que afirmam estar sendo excluídos das conversas mais importantes sobre o futuro da floresta tropical desde pelo menos 1992.

Altos funcionários dos EUA estão realizando reuniões online semanais sobre a Amazônia antes de uma série de grandes conferências internacionais. Ministros e embaixadores da Grã-Bretanha e da Europa também estão envolvidos. Mas, ao invés de quem conhece melhor a proteção florestal, seu interlocutor brasileiro é o ministro do Meio Ambiente do Bolsonaro, Ricardo Salles, que supervisionou o pior desmatamento em mais de uma década

Salles está pedindo um bilhão de dólares a cada 12 meses em troca, pelo que, diz ele, o desmatamento da floresta seria reduzido em 30 a 40 por cento. Sem o caixa estrangeiro extra, ele diz que o Brasil não será capaz de se comprometer com uma meta de redução .

Apenas um terço do dinheiro iria diretamente para a proteção da floresta, com o resto sendo gasto no “desenvolvimento econômico” para fornecer meios de subsistência alternativos para aqueles que dependem da extração de madeira, mineração ou agricultura na Amazônia. Isso gerou preocupações de que Salles canalizaria dinheiro para o eleitorado fortemente bolsonarista de fazendeiros e grileiros, recompensando-os por invadir, roubar e queimar florestas.

Na terça-feira, um grupo de 199 grupos da sociedade civil publicou uma carta conjunta ao governo dos EUA dizendo que qualquer acordo com o governo brasileiro seria equivalente a um apaziguamento. “Não é razoável esperar que as soluções para a Amazônia e seu povo venham de negociações feitas a portas fechadas com seu pior inimigo”, dizia a carta. “O governo Bolsonaro tenta a todo custo legalizar a exploração da Amazônia, causando danos irreversíveis aos nossos territórios, povos e à vida no planeta.”

Os cientistas dizem que a ação internacional está muito atrasada na maior floresta tropical do mundo. A Amazônia é essencial para a estabilidade do clima, mas a atividade humana está transformando a região em uma fonte – ao invés de um sumidouro – de carbono atmosférico. Algumas áreas estão perto de um ponto crítico onde a floresta encolhe, seca e se degrada irreversivelmente em uma savana.

Os próximos meses devem ser a melhor oportunidade para reverter isso em muitos anos. O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, convidou líderes mundiais para uma cúpula do clima em Washington em 22 de abril, tendo prometido US $ 20 bilhões para as florestas tropicais durante sua campanha eleitoral. No final do ano, o Reino Unido sediará a COP26, a mais importante conferência climática da ONU desde Paris, em Glasgow. Nesse meio tempo, os líderes mundiais devem se reunir em Kunming, na China, para definir metas de biodiversidade para os próximos 10 anos.

Mas não pode haver solução sem a Amazônia, o que significa que quem busca o progresso tem que lidar com Bolsonaro e seus ministros, apesar de suas políticas nacionalistas, anticientíficas e antiambientais.

“O Brasil é importante demais para ficar fora da mesa de negociações”, disse uma fonte familiarizada com as negociações. “Muitos na sociedade civil dizem ‘não negocie com o governo brasileiro’. Mas os EUA dizem que precisam lidar com líderes eleitos porque não podem adiar a discussão sobre o desmatamento por dois ou mais anos ”.

Esse é um risco para Biden, que está prestes a fazer o que Trump nunca fez: dar dinheiro a um presidente brasileiro que estripou agências de proteção florestal, administrou de forma fatal a crise de Covid e é visto como um perigo não só para o Brasil, mas o mundo .

Izabella Teixeira, a ex-ministra do Meio Ambiente do Brasil, disse que os EUA e o Reino Unido estão prestes a pagar um governo que está mantendo o planeta como resgate. “Eles têm que oferecer dinheiro ao governo de Bolsonaro para que ele não bloqueie as reuniões da COP”, disse Teixeira, que representou o Brasil em várias conferências internacionais durante a gestão de Dilma Rousseff.

Ela disse que o foco de Salles nos mercados de carbono e pagamentos por serviços ecossistêmicos tem apoio entre a ala mais conservadora do setor de agronegócio e pode gerar dinheiro para uma versão reinventada do programa de benefícios sociais Bolsa Verde na Amazônia e em outros lugares. Esse dinheiro e o prestígio de um acordo internacional podem fornecer uma tábua de salvação política para o Bolsonaro, cuja popularidade está caindo. Nos últimos meses, o presidente perdeu ou demitiu seu ministro da Justiça, ministro das Relações Exteriores, ministro da Defesa e os comandantes das três forças armadas.

Salles, um confidente de Bolsonaro, está liderando negociações e tweetando capturas de tela de suas reuniões virtuais com a equipe dos EUA, liderada por Jonathan Pershing, e o presidente da COP26 do Reino Unido, Alok Sharma. Entre outras propostas, ele está procurando mais apoio estrangeiro para um esquema que incentive a adoção corporativa de parques nacionais, maior uso de créditos de carbono e pagamentos de serviços ecossistêmicos a agricultores para manutenção de florestas e plantio de árvores.

Mas Salles, que se tornou ministro do Meio Ambiente em 2019, não tem credibilidade com quem defende a floresta. Ele tentou monetizar a região e promoveu a mineração e o agronegócio e, sob sua supervisão, o livro de regras para a proteção da Amazônia, que reduziu o desmatamento em 80%, foi arquivado, agências de monitoramento foram evisceradas, 15.000 quilômetros quadrados de floresta foram desmatados e O Brasil retrocedeu em seu compromisso internacional de reduzir as emissões de carbono.

Salles já tem acesso a fundos internacionais substanciais. Cerca de US$ 3 bilhões da Noruega e da Alemanha ficam ociosos no Fundo Amazônia, que foi congelado pelo ministro do Meio Ambiente porque ele não gostou das condições estritas de desmatamento que vieram com ele. Isso levanta questões sobre como os novos fundos seriam usados ​​e por quem.

Ativistas e acadêmicos dizem que qualquer negócio deve envolver pagamentos por resultados, o dinheiro deve ser canalizado por meio de governadores estaduais e não do governo federal, não deve recompensar proprietários de terras simplesmente por obedecer à lei e recursos para fiscalização devem ser na forma de guardas ambientais especializados, em vez de recrutas para a força policial pró-Bolsonaro.

Eles querem que o Brasil forneça um plano detalhado para atingir o desmatamento zero. O mais importante, dizem eles, é que a distribuição de fundos deve se concentrar na proteção de florestas antigas existentes em territórios indígenas, em vez de novas plantações em terras desmatadas por agricultores. Um acordo eficaz, eles argumentam, precisaria envolver as comunidades tradicionais da floresta, que provaram ser as melhores guardiãs do meio ambiente.

Fontes próximas às negociações dizem que se não houver acordo bilateral com o Brasil até abril, os EUA provavelmente farão uma declaração forte, mas ampla, de apoio às florestas tropicais em todo o mundo. Isso seria uma cenoura para encorajar as nações amazônicas a competir por fundos com reduções quantificáveis ​​do desmatamento. O Brasil pode perder para seus vizinhos Colômbia, Bolívia ou Peru.

Isso faz parte de um esforço diplomático coordenado. Um grupo de cinco embaixadores dos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Noruega e UE se reuniu recentemente com Salles e outros ministros para transmitir a mensagem de que as políticas da Amazônia precisam mudar e o desmatamento deve diminuir se o Brasil quiser chegar a um acordo e perder sua reputação internacional prejudicial como um vândalo ambiental.

As pressões do tempo podem enfraquecer a determinação. Biden deseja anunciar o sucesso em sua cúpula do clima no final deste mês, e o Reino Unido buscará avanços na COP-26 em novembro. Ambientalistas temem que um acordo apressado com um parceiro de negociação insincero possa ser pior do que nenhum acordo. A menos que os pagamentos sejam fortemente atrelados aos resultados da redução de emissões, eles podem ser desperdiçados em duvidosos créditos de carbono, vagos planos de desenvolvimento, benefícios para grileiros e um enorme novo sistema de lavagem verde para empresas de combustíveis fósseis.

A maneira de evitar isso, dizem eles, é tornar as negociações transparentes e convidar publicamente o envolvimento da sociedade civil. Atualmente, Bolsonaro é o único participante brasileiro convidado para a cúpula do clima de Biden, que envia um sinal preocupante para aqueles que há muito lutam pela proteção das florestas.

“O Brasil é hoje um país dividido. Por um lado, existem indígenas, quilombolas [descendentes de escravos afro-brasileiros], cientistas, ambientalistas e pessoas que trabalham contra o desmatamento e pela vida ”, disse Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório Brasileiro do Clima, uma rede da 50 organizações da sociedade civil. “De outro, está o governo Bolsonaro, que ameaça os direitos humanos, a democracia e coloca em risco a Amazônia. Biden precisa escolher de que lado ficará. ”

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo Earth Island Journal [Aqui!].

Genocídio uigur?

A disputa pela província de Xinjiang faz parte de uma estratégia para impedir ou desacelerar a ascensão da China

uigurBase e superestrutura na província chinesa de Xinjiang: abaixo do transporte de crianças em idade escolar, acima de um cartaz de propaganda com o presidente Xi e dignitários uigur

Por UWE BEHRENS para o Neues Deutschland

O governo Biden, os holandeses e o parlamento da UE estão acusando o governo chinês de genocídio contra o grupo étnico uigur na província de Xinjiang. Eles impuseram sanções contra líderes individuais, bem como contra empresas. A República Popular da China respondeu com contra-sanções contra parlamentares da UE e institutos de pesquisa especializados na China.

Em contraste, a Organização para a Cooperação Islâmica saudou as condições em que os muçulmanos vivem na China em 2019, o que também foi confirmado pela visita do ministro das Relações Exteriores chinês à Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Omã, Bahrein e Irã em março deste ano. fui.

Para compreender que, por um lado, os Estados ocidentais condenam a China pelas condições de vida de um grupo étnico islâmico e, por outro lado, os Estados islâmicos elogiam a China por essas condições, é necessário olhar para os antecedentes e os detalhes.

Existem dois grandes grupos étnicos muçulmanos na China: os hui, a maioria dos quais se estabeleceu na província de Ninxia, ​​e os uigures, a maioria dos quais vive em Xinjiang. Ambos os grupos gozam de proteção e privilégios garantidos por lei a todas as 55 minorias nacionais na República Popular da China. Eles tiveram e terão acesso preferencial a instituições de ensino, incentivos fiscais e a não aplicação da política do filho único, que já terminou, com renúncia às restrições de nascimento.

Em Ningxia, consegui me convencer das visitas regulares às mesquitas e do livre exercício das tradições muçulmanas. Os conflitos na província de Xinjiang obviamente não são sobre o Islã, mas sobre os esforços separatistas, que ressurgiram por mais de 20 anos, para separar a região autônoma de Xinjiang da China e convertê-la em um califado islâmico. Tais estruturas já existiam, embora não fossem reconhecidas internacionalmente, de 1865 a 1877, de 1933 a 1934 e de 1944 a 1949.

As razões para o ressurgimento dessas aspirações de independência política e territorial podem ser encontradas na própria província autônoma de Xinjiang e – e na campanha com pressão política inadequada e aberta – fora da China.

A província de Xinjiang é caracterizada por pastagens escassamente povoadas, desertos e montanhas com um uso agrícola tradicionalmente modesto. Como consequência, a prosperidade e o nível de educação da população são muito inferiores aos de outras regiões da China, especialmente quando comparados com as províncias industriais do leste e nas costas do país. Durante minhas muitas estadias profissionais e turísticas na província nos últimos 30 anos, fiquei surpreso ao ver tanto atraso na China nos anos 90.

A fim de equilibrar essas diferenças de prosperidade, mas também de ser capaz de usar os diversos recursos, investimentos têm sido feitos no desenvolvimento da indústria, infraestrutura e agricultura desde os anos 80 e 90, o que levou a um forte influxo de não Os uigures, especialmente Han, estavam ligados à província. Os novos residentes possuíam ensino superior e também ocupavam os cargos mais bem remunerados. Uma lacuna de prosperidade se desenvolveu entre os uigures e os chineses han, o que se refletiu no aumento das tensões.

A organização do exílio do grupo étnico, o Congresso Mundial Uigur, com sede em Munique e apoiado por um think tank estadunidense financiado pelo Estado, se considera uma espécie de governo no exílio e clama por um Turquestão Oriental independente. Ao mesmo tempo, este congresso mundial mantém uma organização militar, o Movimento Islâmico do Turquestão Oriental, que em última instância é responsável pelos ataques terroristas, mas foi retirada da lista de organizações terroristas pelos EUA em 2020.

Esta situação foi alimentada adicionalmente pelos conflitos militares nos vizinhos Paquistão e Afeganistão. No Corredor Wakhan, na fronteira com a China, violentos uigures foram treinados junto com o Taleban para a luta religiosa. Posteriormente, grupos uigures entraram em contato com organizações terroristas em outros países, inclusive ingressaram no EI e lutaram na Síria e na Líbia, entre outros.

Já nos anos entre 2000 e 2010, ataques terroristas foram perpetrados em território chinês, nas províncias e nas cidades por uigures de influência islâmica. Centenas de civis e forças de segurança foram mortas.

Em Xinjiang, a questão não é a supressão do Islã ou da etnia uigur em bloco, mas a luta contra as tendências separatistas, que são apoiadas por forças estrangeiras por meio de uma ideologia islâmica política, que não deve ser confundida com a prática usual da religião de Islamismo. As ações terroristas planejadas pelos separatistas para desestabilizar a situação, especialmente nas áreas afetadas, devem ser descobertas e prevenidas neste contexto pelas forças de segurança chinesas.

O governo central chinês está tentando neutralizar a ameaça latente do terrorismo com um pacote completo de medidas: aumento do investimento em infraestrutura e no desenvolvimento industrial e agrícola, expansão do sistema educacional e, assim, superação da pobreza. Além disso, foi estabelecido um sistema de controle e vigilância para prevenir quaisquer atividades separatistas e terroristas, das quais, sem dúvida, também sofre a pacífica população civil. Existem postos de controle fortemente armados nas entradas e saídas de cada vila e cidade, e dentro das cidades há uma delegacia de polícia a cada 500 metros. Câmeras de vigilância para reconhecimento facial são onipresentes. Isso não é bom e não parece tranquilo, relaxado e assustador para os visitantes ocidentais.

A industrialização e a modernização da agricultura devem ser vistas, acima de tudo, no contexto dos esforços do governo para erradicar a pobreza. Acordos de parceria foram feitos entre as cidades da província de Xinjiang e as províncias mais ricas, que prevêem a colocação de gerentes experientes, conhecidos no Ocidente como quadros. O mesmo princípio foi aplicado em outras províncias como Guizhou ou Sichuan. Recebeu muitos elogios na mídia internacional.

Além de estabelecer uma indústria de pequena escala com suporte digital nas aldeias, esses projetos de desenvolvimento também incluem a instalação de instalações de produção modernas para as indústrias têxtil, automotiva e eletrônica. As empresas das regiões parceiras estão investindo em Xinjiang, construindo novas instalações de produção para sua indústria. A mão-de-obra necessária para isso é recrutada entre a população local, ou seja, o povo uigur, que inevitavelmente tem de ser combinada com uma formação prévia. Ao mesmo tempo, esta industrialização implica a deslocalização para os novos centros industriais. Cerca de três milhões de uigures que viviam em mais de 3.500 aldeias foram tiradas da pobreza, incluindo a realocação de 170.000 pessoas.

A agricultura também foi transformada industrialmente. Os exportadores americanos de maquinário agrícola, em particular, fizeram o negócio do século fornecendo máquinas de colheita para a indústria de algodão. Hoje, cerca de 70 a 80 por cento das colheitas de algodão são mecanizadas. Isso levou a um declínio acentuado no número de trabalhadores da colheita. Enquanto cerca de 700.000 trabalhadores da colheita de toda a China ainda eram necessários em 2008, o número era de apenas 100.000 em 2018; no entanto, agora eles são fornecidos apenas pela província de Xinjiang, ou seja, pela população uigur.

Todas essas medidas permitiram superar a pobreza absoluta entre os uigures até 2020. Durante minha última viagem por Xinjiang, pouco antes da crise de Corona, pude ver tudo isso por mim mesmo em 2019.

Os acontecimentos na província de Xinjiang entraram em conflito entre os EUA e a China desde a política de contenção do governo Trump. Eles são avaliados de acordo com os interesses dos EUA e de seus aliados. Novos complexos industriais com instituições educacionais são reinterpretados como campos de internação.

O número de aproximadamente um milhão de uigures internados na mídia ocidental é baseado em uma estimativa da rede chinesa de defensores dos direitos humanos, apoiada pelo Fundo Nacional de Empoderamento dos Estados Unidos, que perguntou a oito pessoas em oito aldeias se e quantas pessoas eles conheciam estavam internadas campos ser. Verificou-se que cerca de dez por cento da população da aldeia estava internada. Essa porcentagem foi então extrapolada para toda a população e o número um milhão nasceu. Até onde sei, não há nenhuma evidência adicional ou mais substancial. A situação é semelhante com o número de acampamentos. A BBC avaliou as imagens de satélite e identificou os complexos murados recém-construídos como possíveis campos.

Um estudo publicado recentemente pelo Newlines Institute for Strategy and Policy nos Estados Unidos, baseado nos mesmos dados originais e similares, concluiu que a China estava cometendo genocídio.

Este estudo é uma série de informações secundárias não verificadas e declarações de uigures que vivem no exterior e é, em última análise, baseado na pesquisa na Internet do antropólogo Adrian Zenz, que trabalha no ambiente de cristãos evangélicos de direita e trabalha para um think tank conservador de direita em os Estados Unidos.

O estudo, que teria exigido a confirmação de cientistas independentes, aguarda ainda a assinatura de 33 dos 66 cientistas interrogados, que não deram o seu parecer por legítimas dúvidas. Em uma entrevista no “Neue Zürcher Zeitung” em março de 2021, Zenz admitiu que as evidências para a alegação de genocídio eram “muito frágeis”, mas achou “de um ponto de vista simbólico” usar o termo de qualquer maneira porque “alcançou um forte efeito psicológico “e, portanto, levar a” consequências econômicas “.

Tudo isso questiona a credibilidade das acusações, mas mostra claramente a intenção por trás delas: desestabilizar a China com o objetivo declarado de impedir a ascensão bem-sucedida da China, ou pelo menos desacelerá-la.

O que mais assusta é o facto de os factos construídos e os casos suspeitos apresentados serem assumidos pelos meios de comunicação ocidentais sem serem examinados e servir de base às decisões políticas.

Uwe Behrens, é doutor em Economia, nasceu em 1944 e trabalhava no sistema de transporte da RDA. De 1990 a 2017, ele morou e trabalhou na China – primeiro para uma empresa de agenciamento de carga alemã, depois para uma joint venture germano-chinesa e uma franco-indiana. Ele visitou a China pela última vez em 2019, incluindo a província de Xinijang. Seu livro “Feindbild China. O que não sabemos da República Popular «(224 pp., Fr. 15 €).

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal Neues Deutschland [Aqui!].

Os grandes planos de Biden

O presidente dos EUA quer modernizar a infraestrutura – a esquerda do partido quer ainda mais

ponte

A infraestrutura dos EUA precisa de renovação. O presidente dos EUA, Joe Biden, deseja apresentar seus planos em Pittsburgh. Foto: AFP / SAUL LOEB
Por Moritz Wichmann para o Neues Deutschland

O presidente dos EUA, Joe Biden, planeja investir mais de US $ 2.25 trilhões na infraestrutura do país nos próximos anos. Na quarta-feira ele viajou para a cidade “Rustbelt” de Pittsburgh, o antigo centro industrial dos EUA, onde o nome cinturão de ferrugem é o programa dado a desindustrialização dos últimos 50 anos. Aqui, Biden apresentou seu pacote de infraestrutura. Após a adoção do pacote de ajuda contra a crise do coronavírus, deve ser o segundo projeto legislativo de Biden, que mantém sua tática anterior de transformar a política social moderadamente progressista em “questões de mesa” e não se concentrar na cultura de direita .

Um total de US$ 620 bilhões devem ser investidos na reparação de estradas e pontes. A infraestrutura do país também deve ser adequada para a crise climática. Além disso, cerca de 500.000 estações de recarga para carros elétricos serão instaladas no país até 2030, 50.000 ônibus a diesel para o transporte público local serão substituídos por elétricos e a frota de veículos do governo dos Estados Unidos será convertida em carros elétricos.

Mais de US$ 300 bilhões serão usados ​​para substituir canos de água antigos, expandir a Internet de banda larga e adaptar a rede elétrica do país para atender às demandas de eventos climáticos mais extremos. Com mais de 300 bilhões de dólares, antigos e novos “apartamentos a preços acessíveis” e edifícios sociais devem ser renovados e melhor isolados. O fato de Biden definir “infraestrutura” de forma muito ampla é demonstrado pelo fato de que a proposta atual também inclui mais de 400 bilhões de dólares para melhorar o atendimento aos idosos.

Porque, segundo a Casa Branca, tudo isso pode gerar milhões de empregos, o pacote é chamado de “Plano de Emprego Americano”. O pacote de infraestrutura também inclui US $ 580 bilhões para impulsionar a produção industrial no país e financiar pesquisas como o desenvolvimento de baterias e chips de computador, além de programas de treinamento profissionalizante para funcionários. Os detalhes do pacote serão negociados duramente nas próximas semanas – e os democratas também podem ter que recorrer a truques processuais por meio de regras orçamentárias para contornar o bloqueio republicano.

Para os republicanos no Congresso dos Estados Unidos, o pacote é uma “lista de desejos liberais” e um “cavalo de Tróia para impostos mais altos”.  Biden quer uma grande parte dos gastos não por meio de dívidas, mas por meio de aumentos moderados de impostos  para financiar esses projetos. O imposto corporativo, que foi reduzido por Donald Trump em 2017 de 35 para 21%, deve ser aumentado para 28%. Além disso, a Casa Branca quer defender um imposto mínimo de 21% para grandes empresas em nível global, a fim de evitar, tanto quanto possível, a competição para baixo entre os estados em impostos corporativos. Americanos ricos com uma renda anual de mais de 400.000 dólares deverão pagar mais no futuro. Os republicanos e a poderosa Câmara de Comércio dos Estados Unidos rejeitam isso. Lobistas empresariais já estão pressionando os parlamentares democratas a votarem contra os aumentos de impostos.

Mas Biden e os parlamentares democratas moderados também estão sob pressão da ala progressista do partido e de ONGs de esquerda, que organizaram mais de 100 eventos e anúncios na Internet em todo o país . A demanda: “Vá grande na recuperação” – Biden deve gastar mais dinheiro na renovação da infraestrutura.

O pacote de infraestrutura “não chega nem perto”, disse que o partido deixou Alexandria Ocasio-Cortez no Twitter. “O contexto importante é que a soma de 2250 bilhões de dólares americanos se estende por um período de dez anos”, disse Ocasio-Cortez. Décadas de subfinanciamento agora devem ser compensadas com mais dinheiro. Por outro lado, uma adaptação mais rápida e abrangente à crise climática é necessária para responder adequadamente à dimensão do problema.

Os democratas progressistas apresentaram, portanto, a » Agenda Prosperar «, uma contraproposta de um pacote de infraestrutura que permitirá que cerca de US $ 1.000 bilhões sejam gastos em uma década – mas a cada ano. Devem ser criados empregos bem pagos e sindicalizados na indústria de energia verde e na adaptação de edifícios a padrões de emissão mais rígidos, bem como investimentos em áreas particularmente afetadas pela crise climática, onde vivem principalmente pessoas de cor.

fecho

Este artigo foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Tribunal da França julga caso contra empresas fabricantes do Agente Laranja usado na Guerra do Vietnã

orange agent

Os EUA usaram o Agente Laranja por uma década durante sua guerra no Vietnã, Laos e Camboja.

ÉVRY, França: Um tribunal francês começou a ouvir no dia 25 de janeiro um caso contra mais de uma dúzia de multinacionais, acusadas por uma mulher franco-vietnamita de causar graves danos a ela e a outros ao vender o desfolhante agente laranja (uma mistura de dois herbicidas: o 2,4-D e o 2,4,5-T) ao governo dos EUA, que o usou para causar efeitos devastadores durante a Guerra do Vietnã.

Tran To Nga, nascida em 1942 na então Indochina francesa, trabalhou como jornalista e ativista no Vietnã por volta dos 20 anos.

Ela entrou com a ação em 2014 contra 14 empresas que fabricaram ou venderam o produto químico altamente tóxico, incluindo a Monsanto, agora propriedade da gigante alemã Bayer, e a Dow Chemical.

Apoiada por várias ONGs, ela acusa as empresas de serem responsáveis ​​pelos ferimentos sofridos por ela, seus filhos e inúmeras outras pessoas, bem como pelos danos causados ​​ao meio ambiente.

“O reconhecimento das vítimas civis vietnamitas constituiria um precedente legal”, disse a especialista em direito internacional Valerie Cabanes.

Até agora, apenas veteranos militares – dos EUA, Austrália e Coréia – ganharam compensação pelos efeitos colaterais do produto químico cujas propriedades tóxicas, Cabanes disse serem “absolutamente fenomenais”, cerca de 13 vezes a toxicidade de herbicidas de uso civil como, por exemplo, o Glifosato.

Quatro milhões de pessoas no Vietnã, Laos e Camboja foram expostas ao Agente Laranja, de acordo com ONGs, ao longo de uma década quando os militares dos EUA pulverizaram cerca de 76 milhões de litros (20 milhões de galões) do herbicida e desfolhante químico para deter os avanços do comunista Norte  e privar os combatentes inimigos de fontes de alimento.

O agente laranja destruiu plantas, poluiu o solo e envenenou animais e causou câncer e malformações em humanos, dizem ONGs.

“Não estou lutando por mim mesmo, mas por meus filhos e milhões de vítimas”, disse Tran To Nga, que afirma que o agente laranja ataca o sistema imunológico das pessoas.

Ela mesma estava sofrendo dos efeitos típicos do agente laranja, incluindo diabetes tipo 2 e uma alergia à insulina extremamente rara.

Ela disse que também contraiu tuberculose duas vezes, desenvolveu um câncer e uma de suas filhas morreu de malformação no coração.

Todos os anos, cerca de 6.000 crianças são diagnosticadas com malformações congênitas no Vietnã, disse Cabanes.

As multinacionais argumentaram que não podiam ser responsabilizadas pelo uso que os militares americanos fizeram de seu produto.

Contatada pela AFP, a Bayer disse que o Agente Laranja foi fabricado “sob a gestão exclusiva do governo dos EUA para fins exclusivamente militares”.

A demandante e seus advogados devem argumentar que os fabricantes do Agente Laranja enganaram o governo dos Estados Unidos quanto à sua verdadeira toxicidade.

O julgamento no subúrbio de Evry, no sul de Paris, deveria ter começado em outubro do ano passado, mas seu início foi adiado devido às restrições da COVID-19.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “Bangkok Post” [Aqui!].

Casos de síndrome causada pela COVID-19 em crianças estão aumentando e ficando mais graves

A condição, que geralmente surge várias semanas após a infecção, ainda é rara, mas pode ser perigosa. “Uma porcentagem maior deles está  ficando gravemente doente”, disse um médico.

covid-19 wilsonCrédito. Via Amanda Wilson

Por  para o “The New York Times”

Braden Wilson, de quinze anos, tinha medo da COVID-19. Ele teve o cuidado de usar máscaras e só saiu de casa, em Simi Valley, Califórnia, para coisas como exames ortodontistas e visitas aos avós por perto.

Mas de alguma forma, o vírus encontrou Braden. Ele causou danos implacáveis ​​na forma de uma síndrome inflamatória que, por razões desconhecidas, atinge alguns jovens, geralmente várias semanas após a infecção pelo coronavírus.

Os médicos do Children’s Hospital de Los Angeles colocaram o adolescente em um respirador e uma máquina de bypass coração-pulmão. Mas eles não conseguiram impedir que seus órgãos principais entrassem em falência múltipla. Em 5 de janeiro, “eles disseram oficialmente que ele tinha morte cerebral”, contou sua mãe, Amanda Wilson, aos soluços. “Meu filho tinha morrido.”

Médicos em todo o país têm observado um aumento notável no número de jovens com a doença de Braden, que é chamada de Síndrome Inflamatória Multissistêmica em Crianças ou MIS-C. Ainda mais preocupante, dizem eles, é que mais pacientes estão agora muito doentes do que durante a primeira onda de casos, o que alarmou médicos e pais em todo o mundo na primavera passada.

“Agora estamos recebendo mais dessas crianças MIS-C, mas desta vez, parece que uma porcentagem maior delas está realmente gravemente doente”, disse a Dra. Roberta DeBiasi, chefe de doenças infecciosas do Children’s National Hospital em Washington, DC Durante a primeira onda do hospital, cerca de metade dos pacientes precisou de tratamento na unidade de terapia intensiva, disse ela, mas agora 80 a 90 por cento o fazem.

As razões não são claras. O aumento segue o pico geral de casos de COVID-19 nos Estados Unidos após o feriado de inverno, e mais casos podem simplesmente aumentar as chances de surgimento de doenças graves. Até agora, não há evidências de que variantes recentes do coronavírus sejam responsáveis, e especialistas dizem que é muito cedo para especular sobre o impacto das variantes na síndrome.

A condição permanece rara. Os últimos números dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças mostram 2.060 casos em 48 estados, Porto Rico e Distrito de Columbia, incluindo 30 mortes. A idade média era de 9 anos, mas de bebês a 20 anos já sofreram. Os dados, que estão completos apenas até meados de dezembro, mostram que a taxa de casos vem aumentando desde meados de outubro.

Embora a maioria dos jovens, mesmo aqueles que ficaram gravemente doentes, tenham sobrevivido e ido para casa em condições relativamente saudáveis, os médicos não têm certeza se algum deles terá problemas cardíacos persistentes ou outros problemas.

“Nós realmente não sabemos o que acontecerá a longo prazo”, disse o Dr. Jean Ballweg, diretor médico de transplante cardíaco pediátrico e insuficiência cardíaca avançada do Children’s Hospital & Medical Center em Omaha, Nebraska, onde de abril a outubro, o hospital tratava cerca de dois casos por mês, cerca de 30% deles na UTI. Isso aumentou para 10 casos em dezembro e 12 em janeiro, com 60% precisando de cuidados na UTI – a maioria exigindo ventiladores. “Claramente, eles parecem estar mais doentes”, disse ela.

Os sintomas da síndrome podem incluir febre, erupção cutânea, olhos vermelhos ou problemas gastrointestinais. Eles podem progredir para disfunção cardíaca, incluindo choque cardiogênico, no qual o coração não consegue apertar o suficiente para bombear o sangue o suficiente. Alguns pacientes desenvolvem cardiomiopatia, que enrijece o músculo cardíaco, ou ritmo anormal. A Dra. Ballweg disse que uma adolescente de 15 anos em seu hospital precisava de um procedimento que funcionava como um marca-passo temporário.

Jude Knott, 4, em casa com sua mãe, Ashley Knott, foi hospitalizado por 10 dias após desenvolver dor de cabeça, febre, vômito, olhos vermelhos e aumento da frequência cardíaca.

Kathryn Gamble para o New York Times

Os hospitais afirmam que a maioria dos pacientes apresenta teste positivo para anticorpos contra a COVID-19 que indicam infecção anterior, mas alguns pacientes também apresentam teste positivo para infecção ativa por coronavírus. Muitas crianças eram anteriormente saudáveis ​​e tinham poucos ou nenhum sintoma desde a infecção inicial por COVID-19. Os médicos não têm certeza de quais fatores predispõem as crianças à síndrome. A Dra. Jane Newburger, chefe associada para assuntos acadêmicos no departamento de cardiologia do Boston Children’s Hospital, que é líder de um estudo nacional , disse que pacientes com obesidade e algumas crianças mais velhas parecem piorar.

Sessenta e nove por cento dos casos relatados afetaram jovens latinos ou negros, o que os especialistas acreditam ter origem em fatores socioeconômicos e outros que expuseram desproporcionalmente essas comunidades ao vírus. Mas o hospital de Omaha, onde os primeiros casos ocorreram principalmente entre filhos de pais latinos que trabalhavam na indústria de empacotamento de carne, agora está “vendo um espectro muito mais amplo e de todas as etnias”, disse Ballweg.

Jude Knott, 4, foi hospitalizado em Omaha por 10 dias após desenvolver dor de cabeça, febre, vômito, olhos vermelhos e aumento da frequência cardíaca.

“Era apenas uma montanha-russa”, disse sua mãe, Ashley Knott, uma treinadora de carreira em uma organização sem fins lucrativos de Omaha que ajuda adolescentes de baixa renda.

Para explicar a Jude as infusões de imunoglobulinas intravenosas que os médicos estavam dando a ele, ela disse que eles estavam “’colocando Ninjas em seu sangue para que eles possam lutar’”. está fazendo seu sangue passar de milkshake para água porque precisamos que seja água. ‘ Qualquer coisa para ajudá-lo a entender isso. ”

Jude recentemente voltou para a pré-escola em tempo integral. Ele tem alguma dilatação de uma artéria coronária, mas está melhorando, disse sua mãe.

Os médicos disseram que aprenderam abordagens de tratamento eficazes, que, além de esteróides, imunoglobulinas e anticoagulantes, podem incluir medicamentos para pressão arterial, um imunomodulador chamado anakinra e oxigênio suplementar. Alguns hospitais usam ventiladores mais do que outros, dizem os especialistas.

Mas, embora os médicos estejam aprendendo mais, os pediatras podem não perceber a síndrome inicialmente porque os primeiros sintomas podem imitar algumas doenças comuns.

Mayson Barillas, 11, foi hospitalizado por oito dias no Children's National Hospital, onde seus médicos disseram que ele apresentou choque cardiogênico.

Rosem Morton para o The New York Times

No dia de Ano Novo, Mayson Barillas, 11, de Damasco, Md., Começou a se sentir mal. “Meu estômago começou a doer, fui para o jogo de futebol e fiquei com febre”, disse ele.

Sua mãe, Sandy Barillas, assistente médica em um consultório de saúde feminina, deu-lhe Alka Seltzer, Pepto Bismol e Tylenol. Vários dias depois, ele desenvolveu falta de ar e eles foram para uma clínica de atendimento de urgência.

Lá, um teste rápido de COVID-19 foi negativo, assim como as avaliações para estreptococos, gripe e apendicite. A Sra. Barillas disse que lhe disseram: “Foi como uma cólica estomacal”. 

Mas no dia seguinte, Mayson tinha olhos inchados e lábios com bolhas vermelhas. “Ele começou a desenvolver dores corporais muito fortes e não conseguia mais andar”, disse ela. Ela o levou para um pronto-socorro, que o transferiu para o Children’s National Hospital, onde os médicos disseram que ele exibiu choque cardiogênico.

“Foi muito assustador”, disse Barillas. “Nunca tinha ouvido falar dessa síndrome antes.”

Mayson ficou oito dias no hospital, quatro na UTI Desde que saiu, ele se consultou com um hematologista, um reumatologista e um cardiologista e está usando anticoagulantes por enquanto. A parte mais difícil, disse Mayson, uma estrela do futebol local, é ser temporariamente afastado dos esportes, já que os médicos aconselham a maioria dos pacientes por vários meses.

“Foi muito chocante para todos na comunidade: ‘Uau, como isso aconteceu com alguém muito saudável?’”, Disse Barillas.

Em um serviço memorial em 5 de fevereiro, Braden Wilson foi lembrado como um adolescente criativo e de bom coração que amava cinema e moda. Suas pinturas a óleo salpicadas de cores foram exibidas.

Sua mãe leu um poema que ele escreveu que está pendurado na geladeira de seus avós, Fabian e Joe Wilson, de quem era próximo: “Segure-se nos sonhos / para que se os sonhos criem / a vida é uma bela tela / uma obra-prima pintada de forma maravilhosa.”

ia Amanda Wilson

Não está claro por que a síndrome atingiu Braden com tanta força. A Sra. Wilson disse que não tinha problemas de saúde graves. Ela disse que ele estava acima do peso, mas era ativo, nadava três vezes por semana e fazia ioga e dança em sua escola de artes e ciências.

Os sintomas começaram na véspera de Ano Novo, quando ele começou a vomitar e a ter febre. A Sra. Wilson o levou a um pronto-socorro, onde ele testou positivo para coronavírus, recebeu um tratamento que incluía um novo medicamento de anticorpo monoclonal e foi enviado para casa.

Mas sua febre persistiu e dois dias depois, ele desenvolveu diarreia e seus lábios e dedos ficaram azuis. A Sra. Wilson ligou para o 911. Quando os paramédicos chegaram, ela disse, ele estava “deitado na cama, quase sem vida”.

No hospital, ele foi conectado a um ventilador e transferido para o Children’s Hospital de Los Angeles, que, como vários hospitais, estabeleceu uma clínica MIS-C com vários especialistas.

“Braden foi um dos nossos pacientes mais doentes”, disse a Dra. Jacqueline Szmuszkovicz, cardiologista pediátrica local.

Os médicos colocaram-no na máquina de bypass coração-pulmão, colocaram-no em diálise e realizaram um procedimento cardíaco para aliviar a pressão. “Ele tinha o que chamaríamos de grave insuficiência de órgãos multissistêmicos: seus pulmões, seu coração, seus rins”, disse Szmuszkovicz.

Em meio às lágrimas, Wilson disse que depois de alguns dias, Braden começou a sangrar pela boca, olhos e nariz, e os médicos acabaram não conseguindo detectar a atividade cerebral. “Perguntei-lhes especificamente: ‘Há alguma chance de ele se recuperar disso?’”, Contou ela. “E eles disseram que não.”

Membros da família  tiveram tempo para se despedir antes que o suporte vital fosse retirado. A Sra. Wilson deu consentimento para os médicos tirarem amostras de sangue de seu corpo para estudos de pesquisa.

A Sra. Wilson nunca havia escrito poesia antes, mas desde a morte de Braden, ela saiu dela.

“Agora seu coração não bate mais / e não posso mais segurá-lo em meus braços”, diz um deles. “Mas eu me lembro daqueles dias / Quando meu útero te protegia do mal / Você vivia uma vida de beleza / de riso e de graça / Eu te seguro agora dentro do meu coração / Sempre compartilharemos esse espaço.”

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The New York Times” [ Aqui!].

Caos nos EUA gera uma nova forma de viralatismo brasileiro

capitol

As cenas caóticas que apareceram nas telas de TV vindas diretamente das portas do congresso dos EUA serviram para uma impressionante sessão de uma nova forma de viralatismo brasileiro. É que desde jornalistas surpresos até membros do Supremo Tribunal Federal, o que se viu foi uma ode em defesa da democracia estadunidense por parte de muitos daqueles que em 2016 demandavam (ou mesmo tramavam) o impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

Se todos os que se pronunciaram em favor da democracia dos EUA (noto aqui que ao contrário dos membros do STF, nenhum membro da Suprema Corte estadunidense veio a público se manifestar sobre a confusão armada pelos apoiadores do brevemente ex-presidente Donald Trump) tivessem feito o mesmo quando era a nossa que estava sob ataque, é bem provável que o Brasil já tivesse, entre outras coisas, vacinado boa parte de nossa população contra a COVID-19.

Então essas lágrimas por uma democracia cujas instituições são mais bem mais sólidas do que as nossas são as verdadeiras lágrimas de crocodilo. Além disso, até por conhecer um pouco os EUA por dentro, é que se houve qualquer tentativa de golpe de estado, essa não passou nem perto de ter qualquer chance de ter êxito. É que se fosse para valer, os militares dos EUA não teriam assistido a coisa às margens. Aliás, nem as tropas do FBI ou das tantas outras forças militares que existem por lá.

Há que já esteja lançando alertas contra uma postura semelhante dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro caso ele perca as eleições em 2022. Esse tipo de preocupação para mim não passa de distracionismo barato da realidade brasileira, onde mais do que evidente de que são os militares, e não as instituições de Estado, que dão o aval necessário para o presidente brasileiro se manter no poder, em que pesem o seu governo desastroso em todos os níveis que se analisa. Eu diria que se há uma preocupação para 2022 é que os comandantes militares decidam que não será precisa eleição para que Bolsonaro seja mantido na presidência.

Por último, um elemento a ser melhor analisado se refere às consequências que o pequeno show de força dos aliados de Donald Trump terá na capacidade de Joe Biden articular suas alianças multilaterais, especialmente aquelas direcionadas para conter a crescente hegemonia da China no mundo. Ainda que se saiba que a real diplomacia dos EUA se dá pela ponta dos sabres, a desmoralização que ocorreu ontem sobre a ainda principal potência econômica e militar do mundo não foi pequena.  Pior para Jair Bolsonaro e, por extensão para o Brasil, pois muito provavelmente haverá pouca tolerância para imitadores de Donald Trump nas ações multilaterais da nova administração dos EUA. 

Finalmente, prestemos muita atenção no que dirão os defensores da democracia “in America” quando a democracia ameaça for a nossa. 

A extradição de Julian Assange foi negada, por enquanto

Justiça inglesa profere um veredito surpreendente para o caso do fundador do Wikileaks

assange

Foto: dpa / Dominic Lipinski

Por Daniel Lücking para o Neues Deutschland

“Extradição negada”, tweetou o jornalista James Doleman da sala de imprensa do Woolwich Crown Court em Londres pouco antes do meio-dia. A extradição de Julian Assange para os EUA não ocorrerá por enquanto. A juíza Vanessa Baraitser levou em consideração a situação de saúde de Julian Assange no veredicto. O lado americano agora tem 15 dias para apelar da decisão. O advogado de Julian Assange anunciou que agora solicitará fiança.

A sua estrutura de personalidade autista, que intensifica sua depressão clínica, da qual Assange sofre após anos de isolamento na embaixada do Equador, e na prisão de segurança máxima em Belmarsh, torna provável que Assange possa cometer suicídio na prisão, explicou Baraitser .

O veredito é surpreendente, porque a juíza inicialmente estava claramente aberta ao lado americano. “Este tribunal confia que um tribunal dos EUA examinará adequadamente o direito do Sr. Assange à liberdade de expressão”. Segundo a juíza, Assange continuou a fazer mais do que apenas jornalismo.

Os observadores políticos não foram autorizados a assistir à decisão de Raraitser na segunda-feira. O parlamentar de esquerda Sevim Dagdelen tweetou que ela foi impedida de entrar no Reino Unido no último minuto por “razões frágeis”. Dagdelen foi registrado para participar e deveria ocupar um dos assentos que a família de Julian Assange não poderia usar. Não foi possível para todos os membros da família viajar da Austrália para ouvir pessoalmente o veredito.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!].

Enquanto Bolsonaro e Pazuello brincam com a saúde dos brasileiros, governo Trump já assegurou controle de 1 bilhão de vacinas para os EUA

vacina-2048x1335

A politização da validação e comprade vacinas contra a COVID-19 pelo governo Bolsonaro representa jogar uma “roleta russa” com a saúde de mais de 211 milhões de brasileiros. Seja pelas declarações negacionistas do presidente Jair Bolsonaro ou pela omissão concordante do ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, o fato é que o Brasil, que possui um dos mais amplos sistemas de saúde do planeta, está neste momento completamente à deriva no tocante a ter um efetivo plano massivo de vacinação que garanta um recuo sustentado da pandemia no nosso país.

Enquanto isso, o governo Trump, que também possui uma clara responsabilidade por tornar os EUA no principal epicentro da pandemia da COVID-19 no mundo, já assegurou o controle sobre inacreditáveis 1,01 bilhão de vacinas (isso mesmo, eu disse 1 bilhão de vacinas!) que serão utilizadas em um país que possui uma população de 328 milhões de pessoas, o equivalente a 3 vacinas por habitante (ver figura abaixo).

vacinas usa

Como o Reino Unido se tornou o primeiro país ocidental a autorizar o uso da vacina BTN12b2, produzida pelas empresas Pfizer e Biontech, o que acontecerá a partir de agora é uma corrida pela compra desta vacina em todos os países centrais, gerando uma espécie de corrida pela vida.

Enquanto isso, o Brasil periga ficar prisioneiro dos caprichos do seu presidente e da inação do seu ministro da Saúde. Em tempo: já se sabe que corremos o risco de ficarmos de fora de esforços de vacinação em massa por um mísero detalhe: o Brasil passa por um forte escassez de seringas neste momento crucial da nossa história. Seria engraçado se não fosse tão trágico.