O que fazer com Jair Bolsonaro, o negacionista climático mais perigoso do mundo, pergunta a Rolling Stone

Qualquer esperança de alcançar as metas climáticas globais depende de conter o desmatamento no Brasil. Mas qualquer esperança de conter o desmatamento depende de Bolsonaro

Brazil Amazon Fires

Em seus dois anos como presidente, Bolsonaro presidiu a destruição de cerca de 16.000 km2 da floresta tropical brasileira, um dos ecossistemas mais preciosos do planeta. Andre Penner / AP

Por Jeff Goodell para a revista “Rolling Stone”

rolling

Não há (ainda) prisão para criminosos climáticos, mas se houvesse, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro teria uma cela infestada de aranha só para ele. Agora que Trump se foi, Bolsonaro – também conhecido como “O Trunfo dos Trópicos” ou “Capitão Serra Elétrica” – é o negador climático mais perigoso do mundo. Em seus dois anos como presidente, Bolsonaro presidiu a destruição de cerca de 10.000 milhas quadradas da floresta tropical brasileira , um dos ecossistemas mais preciosos do planeta. E como Trump, Bolsonaro se orgulha de seus esforços para foder o planeta. Se as pessoas estivessem tão preocupadas com as mudanças climáticas, ele sugeriu uma vez, eles poderiam comer menos e “fazer cocô todos os dias” para salvar a Terra. Quando o Papa Francisco convocou a “mentalidade cega e destrutiva” por trás da destruição da floresta tropical, Bolsonaro respondeu dizendo aos jornalistas: “O Brasil é a virgem que todo pervertido estrangeiro deseja colocar em suas mãos”.

Se a crise climática não fosse tão urgente, o Bolsonaro seria um problema apenas para o Brasil e seus vizinhos. Mas o Brasil é um jogador-chave no esforço para eliminar a poluição global de carbono. As florestas tropicais absorvem cerca de 10% das emissões de CO2. Com cada milha quadrada de floresta tropical cortada, a meta do Acordo de Paris de manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5 C torna-se cada vez mais inatingível. “Se não podemos fazer algo sobre o desmatamento no Brasil, então a meta de 1,5 C provavelmente está fora de alcance”, diz Jake Schmidt, diretor estratégico sênior para o clima do Conselho de Defesa de Recursos Naturais.

Na cúpula do clima de Joe Biden em abril, Bolsonaro fez um bom jogo, comprometendo-se a acabar com o desmatamento ilegal até 2030. Ele também adiou a data para se tornar neutro em carbono de 2060 para 2050 e prometeu dobrar o orçamento para fazer cumprir as proteções da floresta. Mas, de acordo com várias fontes e relatos publicados, o ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, deixou o acordo mais explícito nas negociações de bastidores com os EUA e outros países: Pague-nos US $ 1 bilhão e vamos reduzir o desmatamento em 40% por um ano.

“É extorsão”, argumenta Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório Brasileiro do Clima, aliança de 63 organizações da sociedade civil. “Bolsonaro e sua equipe estão dizendo: ‘Se você não nos der o dinheiro, não sabemos o que acontecerá com a Amazônia.’ Todo mundo sabe que Bolsonaro não está interessado no clima. Ele só está interessado em usar o clima para extorquir dinheiro para usar para si e para seus amigos. ”

A floresta amazônica existe há 55 milhões de anos e é uma das regiões mais complexas biologicamente do mundo, abrigando um décimo de todas as espécies de plantas e animais vivas. Toda a bacia amazônica inclui oito países sul-americanos, mas o Brasil detém cerca de dois terços dela.

Globalmente, cerca de 480.000 km2 de florestas tropicais foram perdidas entre 2013 e 2019 – isso é o equivalente a derrubar mais de cinco Manhattans todos os dias durante sete anos. Cerca de um quarto dessa destruição aconteceu no Brasil, e foi quase inteiramente impulsionado pela agricultura comercial, que no Brasil é principalmente gado e plantações de soja.

Mas chamá-la de “agricultura comercial” é um exagero. No Brasil, quase todo esse desmatamento acontece ilegalmente, por colonos com motosserras e tratores que apenas desmatam, vendem a madeira e passam a criar gado ou soja. Como afirma Beto Veríssimo, cofundador do Imazon, instituto brasileiro de pesquisas que promove o desenvolvimento sustentável, “O desmatamento não tem relação com o crescimento econômico. É apenas crime organizado. ”

E é um crime com implicações cada vez mais terríveis não só para os brasileiros, mas para todo o planeta. Por um lado, as florestas tropicais, com sua biodiversidade impressionante, são um provável berço de novos patógenos perigosos. Cortar as florestas tropicais é uma boa maneira de liberar esses patógenos e, talvez, desencadear uma nova pandemia.

Por outro lado, o desmatamento desenfreado corre o risco de transformar a floresta tropical de um sumidouro de carbono em uma fonte de carbono (conforme as árvores crescem, elas absorvem CO2 e armazenam carbono; quando morrem, esse carbono armazenado é liberado). Também pode desencadear um colapso maior de todo o ecossistema da floresta tropical. As florestas tropicais criam seus próprios sistemas climáticos, incluindo a precipitação. À medida que o tamanho da floresta tropical diminui, ela prolonga a estação seca da floresta, provocando um aquecimento e secagem ainda maiores, matando árvores na floresta próxima ainda intacta e, eventualmente, fazendo com que todo o ecossistema passe da floresta tropical para a savana. Tal colapso alteraria drasticamente os padrões climáticos em todo o hemisfério sul e aceleraria o caos climático de maneiras que mesmo os ativistas climáticos mais condenados prefeririam não imaginar.

O ponto crítico para tal colapso na Amazônia é entre 20 e 25 por cento do desmatamento, de acordo com um estudo. No momento, 15 a 17 por cento da floresta já foi derrubada. “Se você exceder o limite”, disse Carlos Nobre, um especialista brasileiro em clima e florestas tropicais, “50 a 60 por cento da floresta poderia ser extirpada em três a cinco décadas”.

O desmatamento em grande escala começou no Brasil na década de 1970 com políticas governamentais que encorajaram o assentamento e continuou desimpedido pelos próximos 20 anos. Entre 1978 e 2001, a quantidade de terras desmatadas quadruplicou. No geral, a população da Amazônia aumentou de 2,9 milhões em 1960 para 25,5 milhões em 2010. A extração de madeira também prosperou, à medida que a demanda por mogno e outras madeiras nobres na Ásia e na Europa disparou na década de 1990.

Em 2000, os danos do desmatamento estavam causando protestos entre os ativistas, e as autoridades brasileiras entraram em ação. Parques nacionais e reservas indígenas foram criados, e essas proteções foram rigorosamente aplicadas com um serviço florestal robusto e orçamento. Entre 2002 e 2016, a taxa de desmatamento caiu drasticamente. “Estávamos controlando tudo”, diz Astrini. Em seu pico, o Brasil provavelmente reduziu as emissões em mais de 1,3 gigatoneladas de CO2 por ano. Em comparação, em seu melhor ano, os EUA, o Japão e a UE juntos reduziram as emissões em menos de um quarto disso.

Mas quando Bolsonaro assumiu o cargo em 2019, esse progresso terminou. Sua coalizão vencedora de nacionalistas de direita e centristas pró-desenvolvimento não deu a mínima para a mudança climática. Ele imediatamente cortou orçamentos para monitoramento e fiscalização na Amazônia. “Bolsonaro disse basicamente: ‘Estamos abertos para negócios’”, diz Schmidt do NRDC. “’Se vocês querem desmatar, não vamos fazer qualquer fiscalização sobre isso.’ ”

Menos de um ano após a posse de Bolsonaro, a Amazônia explodiu em chamas. Mais de 3.500 milhas quadradas da floresta tropical queimadas, escurecendo os céus em São Paulo e chamando a atenção internacional para a destruição da floresta tropical sob a supervisão de Bolsonaro. Bolsonaro culpou as ONGs, que estavam tentando “trazer problemas para o Brasil”. O presidente francês Emmanuel Macron chamou as políticas de desmatamento de Bolsonaro de “ecocídio” e tuitou: “Nossa casa está pegando fogo. Literalmente. A floresta amazônica – os pulmões que produzem 20% do oxigênio do nosso planeta – está em chamas. É uma crise internacional. ”

Bolsonaro não se arrependeu, dizendo a Macron e a todos os outros que se esquivassem: “A Amazônia é nossa, não sua”.

Presidente do Brasil Jair Bolsonaro fala durante o lançamento do Programa "Adote 1 Parque", no Palácio do Planalto, em Brasília, em 9 de fevereiro de 2021. - O programa visa a contribuição de empresas privadas para a manutenção de parques nacionais de preservação ambiental.  (Foto de EVARISTO SA / AFP) (Foto de EVARISTO SA / AFP via Getty Images)

Depois de assumir o cargo, Bolsonaro cortou orçamentos para monitorar a fiscalização da preservação na Amazônia.. Evaristo Sa / AFP / Getty Images

Agora, com tanto em jogo na próxima reunião da COP26, ou seja, as negociações sobre mudança climática da ONU programadas para novembro deste ano, a questão é o que fazer com as demandas de extorsão da floresta tropical de Bolsonaro. Qualquer esperança de atingir a meta de 1,5 C depende de frear drasticamente o desmatamento no Brasil. Mas qualquer esperança de frear drasticamente o desmatamento depende da ação de Bolsonaro. E por ser bandido, a única maneira de fazer isso é pagando-lhe (ou, se preferir, pagando à nação do Brasil, o que dá no mesmo).

Esta não é uma ideia nova. O Fundo Verde para o Clima, por exemplo, que as nações ricas do mundo prometeram financiar a um nível de US $ 100 bilhões por ano, é expressamente projetado para pagar às nações mais pobres para que façam coisas que evitarão as emissões de CO2. O Fundo Amazônia, que nações desenvolvidas criaram para salvar a floresta tropical, gastou mais de US $ 500 milhões em projetos para prevenir e combater o desmatamento (a Noruega foi o maior contribuinte até cortar o financiamento em resposta à política de corte e queima de Bolsonaro). Na campanha eleitoral no ano passado, Biden chegou ao ponto de prometer que mobilizaria as nações para pagar ao Brasil US $ 20 bilhões para impedir que o país sul-americano destruísse a floresta tropical.

Do ponto de vista do Bolsonaro, o problema é que todo esse dinheiro vem com restrições. Requer supervisão, envolvimento do cidadão, transparência na contabilidade. Bolsonaro quer usá-lo para o que quiser, diz Astrini, “incluindo pagar seus amigos e apoiadores”.

Portanto, este é o dilema agora. Biden e os líderes da UE estão fazendo um grande esforço em direção à COP26, na esperança de demonstrar que o fantasma de Trump se foi e que o mundo está finalmente levando a sério a crise climática. Será impossível fazer isso se o Brasil não estiver a bordo – e Bolsonaro, é claro, sabe disso, o que lhe dá muita margem de manobra nas negociações.

ONGs brasileiras e outros têm escrito cartas à Casa Branca, dizendo a Biden para não confiar em uma palavra que Bolsonaro diz. “Estamos sendo informados de que os EUA estão basicamente caindo em uma armadilha com o Brasil”, diz Alden Meyer, um analista de política climática de longa data que agora trabalha no E3G, um grupo de estudos sobre mudança climática. “Estamos sendo informados de que ele está assumindo compromissos que não tem intenção de cumprir, e que eles não teriam os tipos de estruturas para garantir o bom uso dos fundos, mesmo que fossem comprometidos.”

Em vez de ceder ao Bolsonaro, a Casa Branca e outros que estão envolvidos nas negociações climáticas estão tentando essencialmente cortar Bolsonaro e sua equipe fora das negociações. Ou pelo menos neutralize-os. Isso significa tentar criar incentivos para os governos estaduais no Brasil que estão empenhados em limitar o desmatamento, bem como encontrar novas maneiras de aplicar pressão econômica.

Uma ferramenta é a ação do consumidor. “Os produtos associados ao desmatamento estão se tornando diamantes de sangue”, diz Schmidt. “Cada vez mais, as pessoas não querem ter nada a ver com eles.” A UE propôs uma série de restrições à importação de produtos derivados do desmatamento, e restrições semelhantes estão em andamento em vários estados, incluindo Nova York e Califórnia.

Outra nova proposta é uma iniciativa de parceria público-privada de US $ 1 bilhão chamada de Coalizão de Redução de Emissões pela Aceleração de Financiamento Florestal, ou LEAF. O esforço, que foi anunciado na cúpula do clima de Biden, envolveria grandes empresas como Amazon, Salesforce e GlaxoSmithKline. Eles comprariam créditos de redução de emissões de projetos florestais em países ao redor do mundo – essencialmente pagando aos países para manter suas florestas saudáveis.

“Nosso kit de ferramentas nas últimas duas décadas tem sido investir muito dinheiro em problemas climáticos e tentar convencer os governos a seguir em frente”, disse Schmidt. “Agora, nosso kit de ferramentas consiste em cenouras e palitos. Temos atores corporativos, atores subnacionais. Existem muito mais opções para tentar impulsionar a mudança do que há alguns anos atrás. ”

A dinâmica política no Brasil também está mudando rapidamente. O ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro, Salles, está sendo investigado por uma série de crimes relacionados à exportação de milhares de carregamentos de madeira ilegal. O filho mais velho de Bolsonaro, Flavio, eleito para o Senado no mesmo ano em que seu pai conquistou a presidência, foi acusado de corrupção e lavagem de dinheiro por roubo de dinheiro público. Outros membros da família, incluindo a esposa de Bolsonaro, também foram implicados em vários negócios financeiros desagradáveis.

A popularidade de Bolsonaro também está em rápido declínio, impulsionada por seu tratamento desastroso da pandemia de Covid (ele a chamou de “uma pequena gripe”), que contribuiu para a morte de quase meio milhão de brasileiros. A raiva e as divisões políticas estão crescendo. Em maio, mineiros selvagens abriram fogo com armas automáticas contra uma reserva indígena Yanomami na Amazônia (cinco pessoas morreram, incluindo duas crianças que se afogaram ao tentar fugir). A fome está aumentando. No final de maio, dezenas de milhares de brasileiros foram às ruas para exigir o impeachment de Bolsonaro.

Com a eleição presidencial se aproximando em 2022, muitos ativistas brasileiros do clima abandonaram a esperança de influenciar Bolsonaro e já estão olhando para uma nova liderança. “Estamos tentando trabalhar com a sociedade civil – bancos, agronegócios, lideranças indígenas, universidades – para saber como fazer o Brasil passar de pária a líder”, diz Astrini. “Estamos cruzando o deserto agora – mas os desertos têm um fim.”

Mas, como o reinado criminoso de Bolsonaro deixou tudo muito claro, as florestas tropicais também o fazem.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pela revista “Rolling Stone” [Aqui!]

Estudo mostra intensa participação da agricultura corporativa no desmatamento ilegal das florestas tropicais

illegal

Embora a agricultura de subsistência e a exploração madeireira ainda contribuam para o desmatamento, a expansão da agricultura em escala comercial é agora reconhecida como de longe o maior impulsionadora do desmatamento em todo o mundo e, portanto, também das emissões de gases de efeito estufa decorrentes da mudança no uso da terra.

Agricultura comercial como fator de perda ilegal de floresta tropical, 2013-2019

Diversas iniciativas quantificaram quanto e onde o desmatamento é impulsionado pela agricultura comercial e até mesmo quanto desse desmatamento foi impulsionado pelo comércio internacional. No entanto, poucas análises foram capazes de determinar até que ponto as commodities agrícolas estão sendo cultivadas em terras que foram ilegalmente desmatadas. Este estudo, portanto, enfoca o desmatamento ilegal impulsionado pela expansão agrícola, e o coloca dentro do escopo e escala de todo o desmatamento tropical.

illegal conversion

Extensão e proporção da conversão agrícola em violação das leis e regulamentos nacionais (estimativa mínima), 2013-2019

Em novo relatório, a  organização “Forest Trends” revisita um documento produzido por ela em 2014, e reavalia a extensão da agro-conversão ilegal nos trópicos de 2013 a 2019, e encontra uma história semelhante: mais terras florestais estão sendo desmatadas ilegalmente para dar lugar a plantações agrícolas e pastagens do que nunca .

forest loss

Quem quiser baixar o relatório da “Forest Trends”, basta clicar [Aqui!].

Nós, os destruidores da floresta tropical

Por Philip Bethge para a Der Spiegel

Caro leitor,

Nós, alemães, somos campeões europeus na destruição da floresta tropical. 43.700 hectares de floresta tropical são perdidos todos os anos porque importamos soja, óleo de palma, carne, madeira tropical, cacau e café da América do Sul, África e Sudeste Asiático. Isso é cerca de metade da área de Berlim e mais do que qualquer outro país da UE é responsável.

A organização de conservação da natureza WWF apresentou um estudo esta semana no qual os maiores destruidores da floresta tropical estão listados. Com 16%, a União Europeia (UE) ocupa o segundo lugar, atrás da China (24%) em todo o mundo. Em seguida, vem a Índia (9%), os EUA (7%) e o Japão (5%). 30 a 40 por cento do desmatamento nos trópicos está relacionado ao comércio internacional. O maior prejuízo é causado pela importação de soja da região amazônica, por exemplo, que é principalmente dada para animais aqui – enquanto os fazendeiros ali queimam a selva para ganhar terras aráveis. O óleo de palma, usado em cosméticos ou alimentos, por exemplo, é quase tão ruim quanto.

Os ambientalistas avaliaram dados de análises de imagens de satélite e estudos de fluxos comerciais, que foram compilados pelo Stockholm Environment Institute e pela iniciativa de transparência Trase. A clareira é, portanto, não apenas perceptível em ecossistemas distantes da Europa, mas também afeta o clima global.

A UE causou indiretamente 116 milhões de toneladas de emissões de CO 2 por meio do desmatamento importado em 2017 , relata o WWF. Isso corresponde a mais de um quarto das emissões da agricultura da UE no mesmo ano. Essas emissões indiretas ainda não foram incluídas nas estatísticas de emissões de gases de efeito estufa.

Palm Oil Plantation at the edge of Peat Land Swamp Rainforest

Plantação de óleo de palma, floresta tropical em Bornéu. Nora Carol Photography/ Getty Images

A Alemanha tem a maior responsabilidade entre os países da UE. De todas as coisas. Como isso aconteceu conosco, separadores de lixo apaixonados e comedores de carne orgânica?

É a boa vida que faz a diferença aqui. Quem quer ficar sem chocolate e café? Para bifes suculentos de gado alimentado com soja importada? Em cosméticos com óleo de palma na receita? Mesmo o parquet de madeira tropical ainda pode ser comprado. Tem que ser esse o caso?

Pregar a renúncia repetidamente é barato. Não estamos chegando a lugar nenhum como este. Em vez disso, a legislatura deve finalmente acabar com essa loucura ecológica.

A Comissão da UE anunciou novos regulamentos para 2021 com o objetivo de »minimizar« o risco de desmatamento e danos às florestas em conexão com os produtos que são trazidos para o mercado da UE. Agora é uma questão de moldar essas leis.

O WWF exige que as importações só sejam permitidas se forem realmente sustentáveis ​​e não apenas “legais” de acordo com as informações do país de origem. Nem é preciso dizer que também é preciso verificar se os direitos humanos estão sendo respeitados. Além da floresta, a legislação também deve se relacionar a outros ecossistemas, como o cerrado brasileiro. Em 2018, por exemplo, 23% das importações de soja da UE vieram do Cerrado.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pela revista Der Spiegel [Aqui!].

Brasil liderou perda global de florestas tropicais em 2020

perda-florestas-tropicais-810x566

Mesmo com a pandemia desacelerando o mundo em 2020, o mundo registrou um aumento substancial na perda de floresta tropical. Dados revelados nesta 4ª feira (31/3) pela plataforma Global Forest Watch, do WRI, apontam que o ritmo de destruição cresceu 12% no ano passado, com uma perda de 4,2 milhões de hectares de floresta primária tropical – uma área equivalente ao território dos Países Baixos. Esse desmatamento também foi responsável pela liberação de 2,6 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, um volume de poluição igual àquela emitida em um ano por uma frota de 570 milhões de automóveis, dez vezes maior do que a frota brasileira.

Falando em nosso país, o Brasil encabeçou a lista de nações com as maiores perdas florestais em 2020, com alta de 25% na comparação com o ano anterior, o que resultou na perda de 1,7 milhão de hectares de floresta tropical – três vezes mais que o 2º colocado nesse ranking, a República Democrática do Congo. A maior parte da área de floresta perdida no Brasil se deu na Amazônia, com a derrubada de 1,5 milhão de hectares de vegetação nativa no ano passado. De acordo com o WRI, a abertura de novas áreas para a produção de commodities foi a principal causa da perda de cobertura arbórea (em florestas primárias e secundárias) na América Latina e no Sudeste Asiático, enquanto a agricultura de rotação é o fator mais relevante na África tropical. O levantamento destacou também o impacto de grandes incêndios registrados no ano passado, como os que consumiram boa parte do Pantanal brasileiro.

Os dados do Global Forest Watch foram repercutidos por AFPBloombergGuardianReutersValor e Washington Post, entre outros.

ClimaInfo, 1º de abril de 2021.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo ClimaInfo [Aqui].

Estudo da WWF mostra que 43 milhões de hectares de floresta tropical foram destruídos entre 2004 e 2017

A avaliação dos dados de satélite de 2004 a 2017 mostra uma perda de floresta tropical que é muito maior do que o tamanho da Alemanha. De acordo com o WWF, cerca de um sexto de todos os alimentos comercializados na União Europeia contribui para o desmatamento nos trópicos

mura tribeMembros da tribo Mura em uma parte desmatada de suas terras tradicionais na Amazônia perto de Humaitá, Amazonas, Brasil, em agosto de 2019. Ueslei Marcelino / Reuters

Segundo cálculos da organização ambientalista WWF, 43 milhões de hectares de floresta tropical foram destruídos nos últimos anos e 24 áreas foram particularmente afetadas. O WWF anunciou na quarta-feira em Berlim que isso se baseia em dados de satélite de 2004 a 2017. A maior perda ocorre na Amazônia no Brasil, Colômbia, Peru, Bolívia, Venezuela e Guiana com 18,3 milhões de hectares. Para colocar em perspectiva: a área da Alemanha é de mais de 35,7 milhões de hectares.

O WWF enfatizou que os consumidores na Alemanha também foram parcialmente culpados pelo desmatamento. “Para o cultivo de soja, cacau e carne bovina importados pela União Europeia (UE), as florestas são freqüentemente destruídas. Cerca de um sexto de todos os alimentos comercializados na UE contribuem para o desmatamento nos trópicos ”, disse o comunicado. “Em vez de apenas apontar o dedo para governos e agricultores em pontos críticos de desmatamento, também temos que tocar em nossos próprios narizes”, disse a gerente do programa florestal do WWF Alemanha, Susanne Winter, de acordo com a informação.

Ela explicou que as florestas tropicais são uma precaução para a saúde dos humanos e da natureza. Por exemplo, eles armazenam carbono e são um habitat importante para espécies animais e vegetais. “Precisamos urgentemente parar o desmatamento, caso contrário, a vida como a conhecemos vai parar”, disse Winter.

Os chamados hotspots de desmatamento também incluem florestas em Bornéu (Indonésia, Malásia), Paraguai, Argentina, Madagascar e Sumatra. Quase metade das florestas remanescentes nesses hotspots também estão gravemente fragmentadas, por exemplo, por estradas ou terras aráveis. “Isso torna a floresta mais suscetível à seca e ao fogo e expulsa as espécies animais que vivem lá.”

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em alemão e publicado pelo “Neue Zürcher Zeitung” [Aqui!].

Degradação, uma ameaça contínua para a Mata Atlântica

mata-atlantica-1-768x576

A Mata Atlântica é uma das florestas tropicais mais importantes do mundo, mas suas florestas são altamente fragmentadas. Crédito da imagem: Angeloleithold / Wikimedia Commons , licenciado sob Creative Commons 3.0

Dê uma olhada

  • Mata Atlântica já perdeu mais de 80 por cento de suas florestas
  • Monitorar a degradação florestal é tão importante quanto considerar o desmatamento, dizem os cientistas
  • Combate à degradação da Mata Atlântica atrairia grandes investimentos em créditos de carbono

Por:Washington Castilhos para a SciDev

Os impactos humanos sobre os remanescentes da Mata Atlântica causaram perdas de até 42% de sua biodiversidade e reservas de carbono, elementos essenciais para a conservação da vida e a regulação do clima, concluiu um novo estudo.

Com uma variedade de florestas tropicais de vários tipos e vegetação única – como o pau-brasil, a espécie de planta que deu o nome ao Brasil – a Mata Atlântica já cobriu toda a costa do Brasil e partes da Argentina, Paraguai e Uruguai. Hoje, apenas fragmentos sobrevivem.

Por meio da análise de 1.819 levantamentos, que levaram em consideração o clima, o solo, o nível de degradação florestal e o tamanho do que resta, uma equipe científica determinou que, em média, os fragmentos florestais apresentam um índice de 25-32. porcentagem menos biomassa (elementos da floresta, como raízes, tronco, folhas e galhos); 23-31 por cento menos espécies e 33, 36 e 42 por cento menos indivíduos de espécies endêmicas, de sucessão tardia e de sementes grandes, respectivamente.

Juntos, isso equivale à perda de 55.000-70.000 km 2 de florestas ou US $ 2,3-2,6 bilhões em créditos de carbono , destaca o estudo publicadona Nature Communications .

“É preciso destacar que a Mata Atlântica tem nível endêmico igual ou superior ao da Amazônia, mas pouco se fala sobre sua riqueza em biodiversidade”.  Marcos Pedlowski, geógrafo da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Rio de Janeiro

Esses números têm implicações diretas para a mitigação das mudanças climáticas, já que um dos mecanismos para enfrentá-las é o combate à degradação florestal, explica à SciDev.Net o principal autor do estudo, Renato Lima, pesquisador do Instituto de Biociências do Universidade de São Paulo.

A pesquisa reconhece que “quantificar os impactos da degradação florestal é difícil e, portanto, tem recebido menos atenção do que o desmatamento nas mudanças climáticas e nas agendas de conservação , como o Acordo de Paris”.

A degradação ocorre quando o acúmulo de distúrbios dentro da floresta (como queimadas, extração de madeira e proliferação de espécies invasoras) altera todo o ecossistema e o funcionamento da floresta, afetando sua capacidade de armazenar carbono e água e prejudicando a biodiversidade.

Embora o desmatamento tenha recebido muita atenção nas últimas décadas, os cientistas alertam que o destino das florestas tropicais depende não só de promover o reflorestamento de áreas desmatadas, mas também de mitigar a degradação florestal nos fragmentos remanescentes de floresta.

As projeções do Centro Comum de Pesquisa – o serviço de ciência e conhecimento da Comissão Europeia – mostram que, se as taxas atuais de perturbação forem mantidas, as florestas tropicais virgens desaparecerão em 2050.

De acordo com essas projeções, algumas das florestas virgens da África Subsaariana desaparecerão entre 2024 e 2090; 2034 seria o ano do desaparecimento das pessoas localizadas na Tailândia ou no Vietnã; em 2040, os de Madagascar e da Índia desaparecerão, e em 2129 os da Amazônia brasileira.

Um mapa do Centro Comum de Pesquisa da UE mostra o ano esperado de desaparecimento das florestas em todo o mundo, com base nas perturbações observadas na última década

Antes da próxima COP15 – a Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (CDB), a ser realizada em maio de 2021 em Kunming, China – pesquisadores de doze países mapearam 2,9 bilhões de hectares de diferentes tipos de ecossistemas degradados e Eles foram divididos em uma escala de prioridades, da mais alta à mais baixa.

Nessa escala, a Mata Atlântica está entre as áreas de maior prioridade global e, em outros trabalhos , aparece como uma das áreas críticas de conservação com maior área de restauração.

Para Marcos Pedlowski, geógrafo da Universidade Estadual do Norte Fluminense, no Rio de Janeiro, a importância do novo estudo reside no fato de ter como foco a degradação da Mata Atlântica.

“Os esforços mais recentes levam em conta o desmatamento da Amazônia , sem levar em conta todos os outros biomas ou o problema da degradação. É importante ressaltar que a Mata Atlântica tem nível endêmico igual ou superior ao da Amazônia, mas pouco se fala sobre sua riqueza em biodiversidade ”, afirma Pedlowski, que não participou do estudo.

Esta vista aérea mostra o desmatamento da Mata Atlântica, porém medir a degradação florestal é muito mais difícil. Crédito da imagem: Cnes – Spot Image / Wikimedia Commons , licenciado sob Creative Commons 3.0

O geógrafo, cujo estudo recente chama a atenção para o índice de degradação da Amazônia, acrescenta que quanto menos perturbado o fragmento, mais serviços ambientais ele pode oferecer.

“Além de ser um ecossistema diversificado, a Mata Atlântica está localizada no entorno das maiores concentrações urbanas do Brasil e a água é um elemento importante para esses centros urbanos. Passamos por graves crises de água; entretanto, a geração de água é um dos serviços ambientais que as florestas preservadas podem oferecer ”, explica Pedlowski.

Segundo o estudo, o combate à degradação florestal no que resta da Mata Atlântica pode atrair bilhões de dólares em investimentos relacionados aos créditos de carbono.

Renato Lima acrescenta que como a maioria dos fragmentos está localizada em propriedades privadas, é fundamental criar alternativas atraentes para os proprietários.

“ A restauração florestal tem seus custos, mas pode gerar ganhos no mercado de créditos de carbono. A formulação de políticas pode ser a chave para a captação de recursos para a Mata Atlântica ”, afirma.

No Brasil, os recursos para reduzir as emissões de carbono por desmatamento e degradação florestal estão concentrados principalmente na Amazônia. Atualmente, apenas o estado do Rio de Janeiro possui um fundo voltado para a proteção da Mata Atlântica.

O estudo é financiado pela FAPESP, doadora da SciDev.Net

Link para o estudo na Nature Communication

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em espanhol e publicado pela SciDev [Aqui!].

Savanização das florestas tropicais impactará mais de 200 espécies de animais

nathalia regatoFOTO: NATHALIA SEGATO / UNSPLASH

Por  bori

As florestas tropicais da América do Sul estão se transformando em cerrado (savana brasileira), o que impactará na sobrevivência de mamíferos “especialistas” em ambientes florestais. É o que observam pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual Paulista (UNESP) e Universidade de Miami, em estudo da revista “Global Change Biology”. O trabalho mostra que uma parte da fauna do cerrado, que geralmente tolera ambientes mais abertos e secos, poderá invadir regiões de floresta degradada e “savanizada” em decorrência das mudanças climáticas e de ações humanas, como desmatamento e queimadas.

Ao analisar 349 espécies de mamíferos com base em modelos computacionais, que possibilitam previsões sobre como a distribuição das espécies pode mudar ao longo do tempo, os autores projetam que, até o final do século 21, as espécies relacionadas à savana aumentarão em 11% a 30% e se espalharão pelas florestas amazônicas e atlânticas. Paralelamente, as espécies que dependem de ambientes florestais para se movimentar, alimentar e reproduzir, caso de primatas e algumas espécies de cervos e roedores, ficarão confinadas em regiões menores com remanescentes de floresta, processo que aumentará a competição por alimento.

“Os animais vindos do Cerrado vão competir com a fauna da floresta pelos já escassos recursos que vemos lá. Com isso, eles  podem trazer consigo as sementes das plantas do Cerrado, que eles consomem preferencialmente. Os mais afetados serão os primatas neotropicais, algumas espécies de cervos, a paca, e várias espécies de roedores”, afirma o biólogo e um dos autores do estudo, Mathias Mistretta Pires, do Laboratório de Estrutura e Dinâmica da Diversidade do Departamento de Biologia Animal, do Instituto de Biologia, da Unicamp.

De acordo com o especialista, embora, segundo as análises do estudo, determinadas espécies do Cerrado como o lobo-guará e o tamanduá-bandeira possam aumentar sua distribuição territorial em decorrência do fato que as condições ambientais serão mais adequadas a essas espécies do que às espécies florestais, isso não significa que os mamíferos do Cerrado estejam livres de ameaça. “O Cerrado também é um bioma muito impactado por ações humanas”, alerta.

Como proteger o equilíbrio da fauna

Mais importante do que pensar em reverter o processo de savanização, é preciso atuar sobre suas causas principais, com ações individuais e políticas de mitigação das mudanças climáticas, como o uso de técnicas agrícolas que não incluam o fogo e o combate ao desmatamento. A observação é da bióloga e autora principal do estudo, Lilian Patrícia Sales, que também atua no Instituto de Biologia, da Unicamp.

O cerrado tem sido convertido em plantações e pastagens que são inadequadas como habitat para a maior parte da fauna. Enquanto isso, os ecossistemas florestais estão sendo degradados e se transformando em ambientes mais secos devido às mudanças no clima, que não são nem floresta, nem savanas de fato. Essas florestas degradadas se tornam inabitáveis para as espécies florestais, mas podem se tornar refúgios para as espécies de savana. Com isso, reforçam os autores, até o fim do século pode haver modificações em grande escala na distribuição territorial da biodiversidade do continente sul-americano.

No estudo, também foi avaliado o efeito do desmatamento sobre a capacidade das espécies de se locomover de uma região a outra. “Para espécies florestais, uma plantação de cana ou soja, por exemplo, pode ser uma barreira intransponível. Isso impede que essa espécie colonize ambientes que seriam adequados a ela. Portanto, as atividades humanas não só transformam o ambiente, como limitam a capacidade de deslocamento dos animais”, observa Lílian Sales.

Outro ponto importante para mitigar os efeitos da savanização, ressalta a bióloga, é a manutenção de corredores florestais que permitam a dispersão de espécies de floresta entre as manchas remanescentes. Sem isso, conclui, muitos locais que poderiam ser  utilizados como habitat se tornam inacessíveis para essas espécies, o que limita sua distribuição aos refúgios, áreas que mantêm características climáticas e de vegetação.

fecho

Este artigo foi originalmente produzido pela Agência Bori [Aqui!].

Cientistas da UFPR descobrem novas espécies de formigas no Brasil, México e Colômbia

Uma das quatro espécies foi nomeada Prionopelta menininha em homenagem à líder afro-brasileira e à Bahia, onde habita

Holotype worker of Prionopelta menininha (Brazil, Bahia). A. Full-face... |  Download Scientific Diagram

A Mirmecologia, área da ciência dedicada às formigas, já descreveu cerca de 14 mil espécies. O professor Rodrigo Feitosa e a doutoranda Natalia Ladino, do Programa de Pós-Graduação em Entomologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), adicionaram mais quatro para essa conta. Após três anos estudando o histórico da classificação e amostras recém-coletadas, os pesquisadores descobriram espécies inéditas que habitam Brasil, México e Colômbia. A descrição e o estudo foram publicados na revista científica internacional Zootaxa, da Nova Zelândia. Uma delas foi nomeada em homenagem a uma representante das religiões afro-brasileiras no país, Maria Escolástica da Conceição Nazaré, a Mãe Menininha do Gantois.

As formigas descritas são naturais de solos de florestas tropicais e se alimentam de pequenos artrópodes, animais com patas articuladas e que possuem esqueleto externo (exoesqueleto) segmentado, como besouros e aranhas. “As novas espécies também contribuem para o equilíbrio dos ecossistemas que habitam”, explica o professor Rodrigo Feitosa, do Departamento de Zoologia da UFPR.

infografico-formigas-Prionopleta_Juliana-Barbosa-Aspec-UFPR_

A classificação dos seres vivos passa por domínio, reino, filo, classe, ordem, família, gênero e espécie. As novas espécies de formigas descobertas pertencem ao gênero Prionopelta. Elas foram nomeadas de Prionopelta menininha, Prionopelta dubia, Prionopelta minuta e Prionopelta tapatia. “Só podemos proteger e controlar a diversidade que conhecemos. Nesse sentido a taxonomia é fundamental na ciência e na vida humana, pois é a área responsável pela nomeação dos seres vivos do planeta e por tudo que sabemos sobre eles”, diz o professor.

Segundo o pesquisador, o conhecimento sobre a diversidade das espécies permite definir com mais precisão o papel que essas formigas têm na natureza. “Isso pode ser empregado em políticas de conservação de ambientes, já que algumas espécies são conhecidas de regiões muito restritas e ameaçadas pelo desmatamento e outras perturbações causadas pelos seres humanos”.

“O gênero Prionopelta é um desafio, pois possui espécies muito semelhantes. Nesse sentido nosso estudo impacta diretamente no seu conhecimento básico e pode fortalecer pesquisas subsequentes”, acrescenta a pesquisadora colombiana Natalia.

Em seu doutorado na UFPR, Natalia dá continuidade ao estudo. A próxima etapa irá analisar espécies que habitam todo o mundo com uso de ferramentas de alta tecnologia em biologia molecular para estudar as relações evolutivas de Prionopelta. O objetivo é traçar um mapa de onde essas formigas surgiram e como se diversificaram e espalharam pelo mundo.

O processo de descoberta

Os últimos estudos sobre a taxonomia do gênero de formigas Prionopelta haviam sido feitos há 60 anos, em 1960. A ideia de voltar a analisá-las surgiu da percepção dos pesquisadores de espécies em coleções que não se enquadravam nas descrições conhecidas na literatura e a dificuldade de identificar e separar as espécies que já estavam descritas. Contando com a ajuda da coleção da UFPR e de outras instituições da América, a dupla reuniu amostras suficientes para aprofundar o tema.

formigas,

O trabalho de comparação morfológica é feito sob estereoscópios binoculares. Foram analisadas características da morfologia externa, como forma, escultura e pilosidade do corpo das formigas. Os pesquisadores também se basearam em padrões de distribuição geográfica das formigas para obter um conjunto de dados que permitisse comparar e distinguir as espécies examinadas com aquelas previamente conhecidas pela literatura.

Homenagem afro-brasileira e à Bahia

Uma das espécies descritas foi nominada como Prionopelta menininha em homenagem a uma representante das religiões afro-brasileiras no país, Maria Escolástica da Conceição Nazaré, a Mãe Menininha do Gantois. Ela é descendente da realeza nigeriana da etnia Yourubá, que foi escravizada no Brasil, e sua vida reflete a luta das mulheres negras e de religiões afro-brasileiras em busca de respeito e igualdade.

Segundo Natalia, a ideia do nome surgiu após uma viagem para Ilhéus, na Bahia, onde visitou a coleção de formigas do Centro de Pesquisas do Cacau. “Ao me deparar com a espécie nova, que habita esse estado, foi simples pensar que a homenagem tinha que ser uma retribuição. Não sou uma pessoa religiosa, mas sou uma mulher negra que tem desenvolvido um interesse particular por conhecer e exaltar aspectos culturais dos lugares que visito, nesse caso a cultura afro-brasileira”.

Curiosidades sobre formigas

“As formigas são seres de organização extremamente complexa e boa parte das coisas que nos orgulhamos de ter alcançado como sociedade, as formigas atingiram muito tempo atrás. São insetos com uma importante função ecológica, econômica e sanitária”, diz o pesquisador Rodrigo, que estuda formigas há 17 anos.

formigueiro

Em muitas florestas tropicais, a biomassa (quantidade de matéria orgânica em uma determinada área) das formigas é maior do que a dos mamíferos. Foto: Pixabay/Divulgação

Em muitas florestas tropicais, a biomassa (quantidade de matéria orgânica em uma determinada área) das formigas é maior do que a dos mamíferos. “Isso porque elas são organizadas com sobreposição de gerações, cuidado cooperativo com a prole e divisão do trabalho reprodutivo. Os ninhos são complexos, com altos números de câmaras (compartimentos internos) e complexidade de estrutura”, explica Rodrigo.

Por Breno Antunes da Luz
Sob supervisão de Chirlei Kohls
Infografia: Juliana Barbosa
Parceria Agência Escola de Comunicação Pública UFPR, Assessoria de Comunicação do Setor de Ciências Biológicas (Aspec) e Superintendência de Comunicação e Marketing (Sucom) da UFPR

Destruição desenfreada de florestas ‘irá desencadear mais pandemias’

Pesquisadores dizem à ONU que a perda de biodiversidade permite a rápida disseminação de novas doenças de animais para humanos

pan 1O HIV se espalhou de chimpanzés e gorilas que foram massacrados para a carne de animais selvagens na África Ocidental. Fotografia: agefotostock / Alamy

Por Robin McKie para o “The Guardian”

Os cientistas devem alertar os líderes mundiais de que um número crescente de novas pandemias mortais afligirá o planeta se os níveis de desmatamento e perda de biodiversidade continuarem em seus atuais índices catastróficos.

Uma cúpula da ONU sobre biodiversidade, programada para ser realizada em Nova York no próximo mês, será informada por conservacionistas e biólogos que agora há evidências claras de uma forte ligação entre a destruição ambiental e o aumento do surgimento de novas doenças mortais como a COVID-19.

O desmatamento desenfreado, a expansão descontrolada da agricultura e a construção de minas em regiões remotas – bem como a exploração de animais selvagens como fontes de alimento, medicamentos tradicionais e animais de estimação exóticos – estão criando uma “tempestade perfeita” para o contágio de doenças da vida selvagem para pessoas, os delegados serão informados.

Quase um terço de todas as doenças emergentes teve origem no processo de mudança do uso da terra, afirma. Como resultado, cinco ou seis novas epidemias por ano podem em breve afetar a população da Terra.

“Há agora uma série de atividades – extração ilegal de madeira, desmatamento e mineração – com comércio internacional associado de carne de animais selvagens e animais de estimação exóticos que criaram esta crise”, disse Stuart Pimm, professor de conservação da Universidade Duke. “No caso da Covid-19, ela custou ao mundo trilhões de dólares e já matou quase um milhão de pessoas, então uma ação claramente urgente é necessária.”

Estima-se que dezenas de milhões de hectares de floresta tropical e outros ambientes selvagens estão sendo derrubados todos os anos para cultivar palmeiras, criar gado, extrair petróleo e fornecer acesso a minas e depósitos minerais. Isso leva à destruição generalizada da vegetação e da vida selvagem que hospeda inúmeras espécies de vírus e bactérias, a maioria desconhecida para a ciência. Esses micróbios podem infectar acidentalmente novos hospedeiros, como humanos e animais domésticos.

Esses eventos são conhecidos como spillovers. Crucialmente, se os vírus prosperarem em seus novos hospedeiros humanos, eles podem infectar outros indivíduos. Isso é conhecido como transmissão e o resultado pode ser uma doença nova e emergente.

pan 2Uma serraria na região de Madre de Dios, na floresta amazônica, no Peru. Fotografia: Ernesto Benavides / AFP / Getty Images

Um exemplo de tais eventos é fornecido pelo vírus HIV, que no início do século 20 se espalhou de chimpanzés e gorilas – que estavam sendo abatidos para a carne de caça na África Ocidental – para homens e mulheres e que desde então causou a morte de mais de 10 milhões pessoas. Outros exemplos incluem a febre Ebola , que é transmitida por morcegos a primatas e humanos; a epidemia de gripe suína de 2009 e o vírus Covid-19, que foi originalmente transmitido aos humanos por morcegos.

“Quando os trabalhadores vêm às florestas para derrubar árvores, eles não levam comida com eles”, disse Andy Dobson, professor de ecologia e biologia evolutiva da Universidade de Princeton. “Eles só comem o que podem matar. Isso os expõe à infecção o tempo todo. ”

Este ponto foi apoiado por Pimm. “Tenho a fotografia de um sujeito matando um porco selvagem nas profundezas da selva equatoriana. Ele era um madeireiro ilegal e ele e seus colegas de trabalho precisavam de comida, então mataram um javali. Eles ficaram salpicados de sangue de porco selvagem no processo. É horrível e anti-higiênico e é assim que essas doenças se espalham. ”

No entanto, nem toda doença emergente é causada por um único e importante evento de transbordamento, enfatizou o zoólogo David Redding, da University College London. “Nos locais onde as árvores estão sendo derrubadas, aparecem na paisagem mosaicos de campos, formados ao redor de fazendas, intercalados com parcelas de mata antiga.

“Isso aumenta a interface entre o selvagem e o cultivado. Morcegos, roedores e outras pragas portadoras de novos vírus estranhos vêm de aglomerados de florestas sobreviventes e infectam animais de fazenda – que então transmitem essas infecções aos humanos ”.

Um exemplo dessa forma de transmissão é fornecido pela febre de Lassa, que foi descoberta pela primeira vez na Nigéria em 1969 e agora causa vários milhares de mortes por ano. O vírus é espalhado pelo roedor Mastomys natalensis , que era comum nas savanas e florestas da África, mas agora coloniza casas e fazendas, transmitindo a doença aos humanos.

“O ponto crucial é que provavelmente existem 10 vezes mais espécies diferentes de vírus do que de mamíferos”, acrescentou Dobson. “Os números estão contra nós e o surgimento de novos patógenos é inevitável.”

No passado, muitos surtos de novas doenças permaneceram em áreas contidas. No entanto, o desenvolvimento de viagens aéreas baratas mudou essa imagem e as doenças podem aparecer em todo o mundo antes que os cientistas percebam completamente o que está acontecendo.

“A transmissão progressiva de uma nova doença também é outro elemento realmente importante na história da pandemia”, disse o professor James Wood, chefe de medicina veterinária da Universidade de Cambridge. “Considere a pandemia de gripe suína. Nós voamos ao redor do mundo várias vezes antes de perceber o que estava acontecendo. A conectividade global permitiu – e ainda permite – que o Covid-19 fosse transmitido para quase todos os países do planeta. ”

Em um artigo publicado na Science no mês passado, Pimm, Dobson e outros cientistas e economistas propõem a criação de um programa para monitorar a vida selvagem, reduzir spillovers, acabar com o comércio de carne de animais selvagens e reduzir o desmatamento. Esse esquema poderia custar mais de US $ 20 bilhões por ano, um preço que é superado pelo custo da pandemia Covid-19, que enxugou trilhões de dólares de economias nacionais em todo o mundo.

“Estimamos que o valor dos custos de prevenção por 10 anos seja apenas cerca de 2% dos custos da pandemia COVID-19”, afirmam. Além disso, a redução do desmatamento – importante fonte de emissão de carbono – também teria o benefício de auxiliar no combate às mudanças climáticas, acrescentam os pesquisadores.

“A taxa de surgimento de novas doenças está aumentando e seus impactos econômicos também estão aumentando”, afirma o grupo. “O adiamento de uma estratégia global para reduzir o risco de pandemia levaria ao aumento contínuo dos custos. A sociedade deve se esforçar para evitar os impactos de futuras pandemias. ”

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The Guardian” [Aqui!].

Compra de terras em larga escala eleva desmatamento em zonas tropicais, diz estudo

Investimento estrangeiro representa 76% dos contratos em quase duas décadas

Amazon deforestation: EU firms linked to illegal logging in Brazil ...

Aquisições de terras em larga escala — que cobrem pelo menos 200 hectares — contribuem para a destruição das florestas tropicais. É o que indica um estudo publicado pela revista Nature Geosciences, que analisou as consequências de mais de 80 mil acordos de compra e venda feitos entre 2000 e 2018 em 15 países da América do Sul, África Subsaariana e Sudeste Asiático. Cerca de 76% dessas aquisições foram feitas por investidores estrangeiros, indica o levantamento.

aquisição de terras

A distribuição de aquisições públicas de terras em larga escala no México (canto superior esquerdo), América do Sul (canto inferior esquerdo), África subsaariana (canto superior direito) e sudeste da Ásia (canto inferior direito). As atividades de aquisição incluem extração de madeira (laranja), mineração (verde), óleo de palma (roxo), novas plantações (azul), plantações estabelecidas (amarelo) e fibra de madeira (preta). Crédito: Davis et al. (2020)

A pesquisa comparou registros públicos de compra de terras com dados de satélite sobre alterações na cobertura vegetal. A mineração em larga escala em toda a Amazônia foi mais frequentemente associada à destruição de florestas nas últimas duas décadas. Nas demais regiões, óleo de palma e madeira foram os insumos mais consistentemente ligados ao aumento do desmatamento tropical. De 2000 a 2018, Brasil, Camboja, Indonésia, Libéria, Malásia e Moçambique perderam em média 10% de suas florestas.

Em comparação com zonas semelhantes que não tiveram investimento privado, áreas com aquisições de terras em larga escala tiveram aumento do desmatamento em 52% dos casos, mas essa taxa variou entre os países. Em muitas partes da África Subsaariana houve menos desmatamento em terras compradas por particulares do que em áreas públicas. Isso ocorre porque “os investimentos na África geralmente são concedidos em locais onde o desmatamento já está ocorrendo”, explica Kyle Davis, principal autor do artigo.

“Os governos do sul global freqüentemente acolhem esses investimentos como um meio de facilitar potencialmente as transferências de tecnologia e a entrada de capital, além de promover o desenvolvimento rural e a criação de empregos locais”, escrevem os autores do estudo.

Davis, que é cientista ambiental da Universidade de Delaware, Newark, e da Columbia University, Nova York, alerta os formuladores de políticas para que tomem medidas que evitem que esses investimentos levem a “grandes concessões para seus países, inclusive para florestas, comunidades e ecossistemas que dependem deles”.

Ele também alerta para o impacto climático que a compra de grande propriedades em regiões florestais pode significar. Quase um quarto de todo o carbono armazenado na terra estão nas florestas tropicais, e o desmatamento causa a liberação desse carbono na atmosfera. Atualmente, o desflorestamento tropical representa cerca de 8% de todas as emissões de CO2 promovidas pelo homem.

aquisição 2

A distribuição das aquisições de terras observando aumentos significativos nas taxas de perda de florestas quando comparadas às áreas de não investimento (amarelo para vermelho) e reduções significativas nas taxas de perda, quando comparadas às áreas de não investimento (azul). Crédito: Davis et al. (2020)

Mineração na Amazônia

A pesquisa também constata que na maioria dos países as terras em regiões de floresta foram mais adquiridas do que propriedades rurais ou áreas com menos vegetação, como prados. Essa descoberta sugere que atualmente as empresas são incentivadas a investir em atividades que exigem a derrubada de florestas primárias, avalia Charlotte Wheeler, pesquisadora de desmatamento tropical da Universidade de Edimburgo, que não participou do estudo.

Segundo Weeler, muitas partes da Amazônia viram aumentos na mineração de ouro nos últimos anos. Essa modalidade de mineração pode ser mais prejudicial à paisagem porque, segundo a pesquisadora, ela exige que grandes áreas de floresta sejam arrasadas para extração dos depósitos de ouro profundamente arraigados.

No México, no entanto, a mineração foi associada a reduções no desmatamento, quando comparadas às áreas sem investimento. “Isso é devido ao que está sendo minerado [em cada região]”, diz Wheeler.

____________________________________________

Link para o Estudo → Davis, K. F. et al. (2020) Tropical forest loss enhanced by large-scale land acquisitions, Nature Geosciences, http://www.nature.com/articles/s41561-020-0592-3

Mapas produzidos pelo estudo, podem ser acessados no informe da ONG Carbon Brief em http://www.carbonbrief.org/land-purchases-by-private-companies-accelerate-tropical-deforestation-data-shows