Missão dos EUA anti 5G chinês coloca Brasil sob dilema sobre o futuro de suas commodities agrícolas e minerais

5g 2

A mídia corporativa está anunciando a chegada de uma missão do governo Biden cujo mote principal será a imposição do banimento da empresa chinesa Huawei do mercado que será incluído com a implantação da rede 5G no Brasil. Como se sabe, a tecnologia chinesa é melhor e mais barata do que a oferecida pelas competidoras estadunidenses e, por isso, impedir a sua proliferação para os interesses estratégicos dos EUA.

Como o governo Bolsonaro é conhecido por seu pendor pró-EUA, independente de qual partido esteja ocupando a Casa Branca, eu não me surpreenderia se o Brasil aceitasse passivamente essa pressão, de forma a impedir a presença da Huawei no mercado que será inevitavelmente criado pela rede 5G.

O problema é que hoje o Brasil vive uma situação peculiar de depender fortemente da China para vender suas commodities agricolas e minerais, enquanto compra todo tipo de produtos que alimentam, inclusive, o funcionamento do latifúndio agro-exportador.  Assim, como os chineses são conhecidos por seu pragmatismo político e econômico, um banimento da Huawei significará perda de alguma parcela do mercado chinês, o que, aliás, já foi dito claramente pelo embaixador da China em Brasília.  E isso criará não apenas uma sobra considerável de produtos quem não qualquer mercado para substituir a China em função da crescente resistência a comprar commodities associadas ao desmatamento da Amazônia e do Cerrado.

soja-agronegocioSe Bolsonaro banir a Huawei da rede 5G, a China certamente retaliará as commodities brasileiras

Um detalhe que deverá complicar ainda mais a situação do presidente Jair Bolsonaro caso ele cede às pressões do governo Biden é que com isso ele se arriscará a perder o apoio incondicional que atualmente desfruta da bancada ruralista que faz parte da sua base de sustentação no congresso nacional. 

Como se vê, quem se concentra nas atitudes histriônicas do presidente da república em relação à virtual não adoção do voto impresso está passando ao largo de elementos ainda mais dramáticos que estão pressionando Jair Bolsonaro.

Observatório dos Agrotóxicos: novo pacote de liberações mostra que o governo Bolsonaro rejeita 5G e vacina, mas ama agrotóxicos “Made in China”

Em 2018 pelo menos 30% dos agrotóxicos consumidos no Brasil tiveram origem na China, cuja influência deve ser ainda maior por causa do uso de produtos chineses por empresas de outros países que terminam vendendo seus produtos no mercado brasileiro.

pesticides china

Workshop promovido pela China para ampliar a exportação de agrotóxicos  contou com representantes de empresas sediadas no Brasil que têm se beneficiado da  onda de aprovações de agrotóxicos realizada pelo governo Bolsonaro

As recentes manifestações do presidente Jair Bolsonaro e do seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, um sobre a “coronavac” e o outro sobre a compra da tecnologia 5G colocaram o Brasil à beira de uma séria crise diplomática com a China. Pelo menos é o que mostra uma dura resposta da Embaixada da China no sentido de que os responsáveis pelas declarações desairosas ao principal parceiro comercial brasileiro “vão arcar com as consequências negativas e carregar a responsabilidade histórica de perturbar a normalidade da parceria China-Brasil“.

O curioso é que o aparente desgosto por produtos “Made in China” não alcança a compra de venenos agrícolas, visto que no novo pacote de liberações de agrotóxicos levado a cabo por meio do Ato No. 64 de 18 de Novembro, os 21 agrotóxicos que tiveram sua venda autorizada são produzidos inteiramente na China, envolvendo 12 empresas diferentes.

Neste nova rodada de liberações, a “estrela” dos produtos agora livres para comercialização no Brasil foi o “Dibrometo de Diquate”, um herbicida  que foi proibido em 2018 pela União Europeia por causar efeitos deletérios em trabalhadores que manuseiam, além de causar danos às populações de pássaros. O Dibrometo de Diquate  também tem sido relacionado a problemas de contaminação de solos e do lençol freático. 

Originalmente produzido pela Syngenta, corporação suíça que foi adquirida em 2017 pela estatal chinesa ChemChina, agora chega no Brasil pelas mãos da Dezhou Luba Fine Chemical Co., Ltd, localizada na província de Shandong.

O curioso é que em toda essas manifestações que afrontam a presença e a importância fundamental da China no funcionamento da economia brasileira nunca vi nenhuma que colocasse em questão o papel central das empresas chinesas no abastecimento de agrotóxicos para o latifúndio agro-exportador.  Enquanto isso, se sucedem ataques ao fornecimento de vacinas contra a COVID-19, especificamente a Coronavac produzida pela empresa Sinovac, e contra a entrada da tecnologia 5G produzida na China, principalmente pela Huawei. O interessante é quem ambos os casos, está ficando óbvio que os produtos chineses são de melhor qualidade em relação àqueles produzidos por empresas europeias e estadunidenses.

Também considero curioso o silêncio da ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM/MS), que, como representante dos interesses do latifúndio agro-exportador brasileiro e das empresas vendedoras de venenos agrícolas no Brasil, deve estar sendo muito pressionada por seus pares para impedir que os interesses estratégicos do setor continuem sendo colocados em xeque por declarações estapafúrdias, que hoje nem servem aos interesses do aliado Donald Trump que está lentamente preparando suas malas para sair da Casa Branca. 

ccab

Jones Yasuda, CEO da CCAB, uma das empresas que mais aprovaram agrotóxicos no governo Bolsonaro, apresenta a legislação do “Pacote do Veneno”. o famigerado PL 6299/02, em um evento de fabricantes de agrotóxicos realizado em 2019 na China

Quem desejar baixar o arquivo contendo a lista dos 21 agrotóxicos “Made in China” liberados pelo Ato No. 64, basta clicar [Aqui!]. Já quem quiser baixar a base contendo os 401 agrotóxicos liberados apenas nos primeiros onze meses de 2020, basta clicar [Aqui!].

EUA tentam subornar outros países para entrar no movimento anti-China: editorial do China Daily

china eua

Em um movimento um tanto bizarro, uma vez que as travessuras de Washington geralmente não são tão abertamente expostas, o governo americano parece ter recorrido a pagar para que outros países se juntem à sua campanha de pressão contra a empresa de telecomunicações chinesa Huawei, e mais amplamente a China.

Na terça-feira, Washington se ofereceu para financiar a compra por empresas de telecomunicações brasileiras de equipamentos produzidos por empresas não chinesas, com funcionários da US International Development Finance Corporation, do US Export-Import Bank e do National Security Council dizendo a repórteres que havia financiamento disponível para cumprir este objetivo.

O fato de a suposta delegação comercial dos Estados Unidos em visita ao Brasil ser chefiada pelo conselheiro de Segurança Nacional Robert O ‘Brien, e não pelo representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, é o bastante para denunciar o caráter da visita. Embora este último tenha deixado bem claro, dizendo que há um elemento China “em tudo o que todos nós fazemos”, e Washington estava “preocupado” com os investimentos chineses no país e queria contrabalançar a influência da China excluindo a Huawei e investindo no Brasil indústrias de aço, etanol e açúcar.

Embora o Brasil pareça disposto a confiar sua autonomia comercial, senão sua segurança nacional, aos Estados Unidos – para atingir as necessidades políticas do próprio presidente Jair Bolsonaro e não nação – os Estados Unidos têm um orçamento limitado para atrair outros países para o seu lado, e outros possíveis beneficiários da generosidade de Washington saberão agora que podem negociar com firmeza por sua cumplicidade.

Funcionários do Exim Bank disseram que a instituição tem 20%  de sua carteira de US $ 135 bilhões disponíveis para negócios comerciais com empresas que desejam fazer parceria com os EUA como parte de seu chamado Programa sobre a China e Exportações Transformacionais, lançado em julho de 2020.

O programa, que o presidente do Exim Bank Kimberly A. Reed chamou de “uma das iniciativas mais significativas na história de 86 anos do Exim Bank”, nada mais é do que uma folha de figueira para autorizar o governo Trump a usar fundos governamentais para atrair outros países a aderir EUA na tentativa de “neutralizar” a competição das empresas chinesas.

A política de dinheiro por conivência é mais um sinal da perda de confiança dos EUA em suas habilidades de liderança e na competitividade de suas empresas.

Em uma amarga ironia, enquanto Washington está subornando tão generosamente outros países para embarcarem em sua onda anti-China, os governos locais nos EUA estão clamando por financiamento do governo federal para pagar pela atualização da infraestrutura muito necessária, especialmente novas redes de telecomunicações.

Como o maior parceiro comercial de bens com mais de 120 países, o comércio exterior da China foi de US $ 4,74 trilhões no ano passado, entre os quais quase metade foi de importações de produtos agrícolas, matérias-primas e energia, que são as principais exportações dos países de origem.

Os países tentados a seguir o exemplo do Brasil devem ter em mente que os EUA podem não ter dinheiro ou mercado para substituir a China.

Embora eles possam ser tentados pelas notas verdes oferecidas, eles devem pesar os ganhos e perdas de aceitar tais contratos deixe-me-pagar-a-conta, pois eles virão com restrições.

fecho

Este editorial foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo China Daily [Aqui!].