Amazônia: o que ainda pode ser feito

Relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas), da ONU reforça importância de conservar o que ainda resta de floresta na Amazônia e, para isso, Áreas Protegidas precisam de proteção real

amazonia sunsey

Não é novidade que os danos causados ao meio ambiente resultam em mudanças climáticas que têm sido cada vez mais drásticas. Mas o novo relatório divulgado pelo IPCC, revela que a luta contra o tempo está ainda mais agressiva. Apesar de as emissões de CO2 terem dobrado nos últimos 60 anos, florestas, solos e oceanos absorveram 56% de toda essa emissão. Isso significa que o planeta seria um lugar bem mais quente e hostil do que é agora, não fosse a ajuda da natureza. O problema é que a humanidade não está conseguindo combater a destruição do meio ambiente e ele pode entrar em colapso antes do que se imaginava.

O alerta vermelho é acionado para o problema do desmatamento na Amazônia e, no entanto, esses índices seguem batendo recordes históricos. “Precisamos entender, de uma vez por todas, que quando uma pessoa invade e desmata, o impacto se dá em toda a humanidade.”, afirma Fabiana Prado, coordenadora do projeto LIRA – Legado Integrado da Região Amazônica, iniciativa do IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas.

Segundo Fabiana, a flexibilidade na fiscalização está ameaçando até as Áreas Protegidas, que ainda conseguem manter níveis bem mais baixos de desmatamento se comparadas com as outras áreas. “A criação das áreas protegidas – as unidades de conservação e as terras indígenas -, é uma estratégia significativa para garantir o futuro da Amazônia – e por consequência, da biodiversidade”, afirma.

No entanto, é preciso gerir, monitorar e avaliar esses espaços de forma eficiente, o que significa cumprir os objetivos de criação das áreas protegidas, manter a biodiversidade, as culturas e das comunidades locais e tradicionais além de contribuir com serviços ecossistêmicos para minimizar os efeitos das mudanças climáticas. “Por isso, o IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, implementa ações colaborativas multisetoriais (empresas, sociedade civil, governos e movimentos sociais) por meio do Projeto LIRA”, diz Fabiana.

O LIRA nasceu para promover o fortalecimento e a consolidação da gestão dessas áreas protegidas do Bioma Amazônico e colaborar para que sejam desenvolvidas alternativas sustentáveis de produção para as populações desses territórios. “A intenção do Projeto é transformar essas áreas em um polo de desenvolvimento regional e territorial, por meio de seus ativos naturais e sabedoria ancestral dos povos da floresta, possibilitando uma renda eficiente para a população local e o fortalecimento desses povos”, afirma Fabiana.

Sobre o LIRA

O LIRA é uma iniciativa idealizada pelo IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, Fundo Amazônia e Fundação Gordon e Betty Moore, parceiros financiadores do projeto. Os parceiros institucionais são a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Amazonas – SEMA-AM e o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará – IDEFLOR-Bio. O projeto abrange 34% das áreas protegidas da Amazônia, considerando 20 UCs Federais, 23 UCs Estaduais e 43 Terras Indígenas, nas regiões do Alto Rio Negro, Baixo Rio Negro, Norte do Pará, Xingu, Madeira-Purus e Rondônia-Acre. O objetivo do projeto é promover e ampliar a gestão integrada para a conservação da biodiversidade, a manutenção da paisagem e das funções climáticas e o desenvolvimento socioambiental e cultural de povos e comunidades tradicionais. Mais informações: https://lira.ipe.org.br/

É agora ou nunca: os cientistas alertam que chegou a hora do acerto de contas para o planeta

mudanças climáticas

Voluntários apoiam bombeiros que combatem um incêndio florestal próximo ao vilarejo de Kamatriades, na ilha grega de Evia. Fotografia: Angelos Tzortzinis / AFP / Getty Images

Por Robin McKie, do Observatório das Mudanças Climáticas, publicado pelo The Guardian”

O IPCC é inequívoco: devemos tomar medidas urgentes para conter o aquecimento global e prevenir uma catástrofe. Nossos formuladores de políticas e a conferência Cop26 estarão à altura da tarefa?

O final do clássico da ficção científica dos anos 60, The Day the Earth Caught Fire , a câmera faz uma panorâmica da sala do Daily Express para uma prova de primeira página pendurada na parede. “Terra salva”, grita a manchete. A câmera gira. “Earth Doomed”, anuncia a prova ao lado.

A impressora principal parece perplexa. Qual página ele deverá selecionar? Nunca descobrimos, pois o filme termina sem revelar o destino de nosso planeta, cuja rotação foi enviada para uma espiral fora de controle por testes simultâneos de bombas atômicas soviéticas e americanas. Tudo o que sabemos é que o destino da Terra está em jogo graças à estupidez humana.

Tal visão pode ser matéria de entretenimento popular, mas chega desconfortavelmente perto de nosso próprio futuro incerto, conforme destacado na semana passada por um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que efetivamente anunciou um alerta de “código vermelho” para nossa espécie. Evidências inequívocas mostram que as emissões de gases de efeito estufa estão nos impulsionando para um futuro de fogo calamitoso desencadeado por mudanças climáticas extremas , anunciou. Apenas reduções urgentes das emissões de combustíveis fósseis podem esperar nos salvar.

Foi uma visão vividamente endossada por cientistas, normalmente os mais circunspectos dos comentaristas sobre eventos mundiais. “Nosso clima futuro pode muito bem se tornar uma espécie de inferno na Terra”, disse o professor Tim Palmer, da Universidade de Oxford. Ou, como disse o professor Dave Reay, diretor executivo do Instituto de Mudanças Climáticas da Universidade de Edimburgo: “Este não é apenas mais um relatório científico. Este é o inferno e as águas altas em grande escala. ”

Certamente, os números delineados no relatório foram nítidos e impressionantemente enfáticos em comparação com as ofertas anteriores, muito mais cautelosas, do IPCC. Como fica claro, os humanos injetaram cerca de 2.400 bilhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera desde 1850, criando concentrações do gás que não eram vistas na Terra nos últimos 2 milhões de anos.

Uma mangueira de água está vazia para um voluntário que luta contra incêndios florestais perto do vilarejo de Pefki, na ilha grega de Evia.

Uma mangueira fica sem água nas mãos de um voluntário que lutava contra incêndios florestais perto do vilarejo de Pefki, na ilha grega de Evia. Fotografia: Angelos Tzortzinis / AFP / Getty Images

As ondas de calor e as fortes chuvas que causam inundações se tornaram mais intensas e frequentes desde a década de 1950 na maior parte do mundo, e as mudanças climáticas estão afetando todas as regiões habitadas do planeta. A seca está aumentando em muitos lugares e é mais de 66% provável que o número de grandes furacões e tufões tenha aumentado desde a década de 1970. “Se ainda havia a necessidade de uma prova de que as mudanças climáticas são causadas por atividades humanas, então este é o relatório que a fornece”, disse a professora Corinne Le Quéré, da Universidade de East Anglia.

E as consequências do ato massivo de interferência atmosférica da humanidade agora são claras: o que está quente hoje ficará mais quente amanhã; inundações extremas se tornarão mais frequentes, os incêndios florestais mais perigosos e as secas mortais mais generalizadas. Resumindo, as coisas só podem piorar.

Na verdade, no final do século, eles podem se tornar uma ameaça à civilização se as emissões continuarem no ritmo atual. “Isso pode parecer muito distante, mas há milhões de crianças já nascidas que deveriam estar vivas até o século 22”, acrescentou o professor Jonathan Bamber, da Universidade de Bristol, outro autor do relatório.

Na verdade, eles podem se tornar totalmente catastróficos com a ocorrência de eventos que mudam o mundo – como a extinção de florestas em todo o continente ou o colapso das camadas de gelo da Antártica, diz o professor Andrew Watson, da Universidade de Edimburgo. “O relatório do IPCC oferece uma atualização abrangente sobre o que se sabe sobre as mudanças climáticas, e isso é uma leitura sombria. Mas também aponta que os modelos climáticos não incluem eventos de ‘baixa probabilidade-alto impacto’, como mudanças drásticas na circulação do oceano , que também se tornam mais prováveis ​​quanto mais o clima muda. Esses ‘desconhecidos conhecidos’ são ainda mais assustadores. ”

O novo relatório do IPCC é certamente um documento muito diferente e intransigente em comparação com as versões anteriores, como apontou o meteorologista Keith Shine, da Reading University. “Eu estava fortemente envolvido no primeiro relatório de avaliação do IPCC em 1990. Não tínhamos certeza então de que a mudança climática observada era devido à atividade humana. O IPCC agora diz que as evidências são “inequívocas”. Isso significa que não há esconderijo para os formuladores de políticas ”.

O ponto crucial é que este relatório foi aprovado não apenas por cientistas, mas também por representantes do governo no comitê, homens e mulheres que deixaram claro que também estão convencidos da urgência da situação. “Eles também veem a ligação direta entre as emissões de gases de efeito estufa e os incêndios florestais, inundações e outros eventos climáticos extremos recentes, e isso torna essencial a ação de seus próprios governos”, disse Lord Deben, presidente do Comitê de Mudança Climática do Reino Unido .

Na reunião climática de Paris em 2015, esses governos se comprometeram a tentar manter os aumentos de temperatura bem abaixo de 2C, e não mais de 1,5C, se possível, desde os dias pré-industriais. O problema agora é que o mundo já aqueceu quase 1,1ºC, o que significa que apenas cortes drásticos nas emissões conseguirão evitar um aquecimento global muito mais sério e intenso. Vai ser difícil. O mais ambicioso dos cenários de emissões descritos pelo IPCC oferece menos de 50% de chance de se manter abaixo desse limite de 1,5 ° C.

As perspectivas de limitar o aquecimento global a 2C são melhores, mas ainda exigirão reduções muito superiores às prometidas pelas nações na corrida até a Cop26, a cúpula do clima da ONU que será realizada em Glasgow em novembro. “Está claro que qualquer esperança de que a mudança climática possa vir a ser ‘não tão ruim quanto o esperado’ foi perdida”, disse Rowan Sutton, do Centro Nacional de Ciências Atmosféricas da Universidade de Reading. “Está acontecendo agora e muito rápido. Lidar com esta crise significa tomar medidas urgentes. ”

Essa não será uma tarefa fácil, entretanto. Como Nick Starkey, diretor de políticas da Royal Academy of Engineering, apontou na semana passada. “O Reino Unido não está a caminho de cumprir as metas de carbono existentes e nossa meta de redução de emissões de 78% até 2035 não será alcançada sem medidas profundas de eficiência energética”, disse ele.

O que é necessário é “uma visão ampla da sociedade”, um plano nacional que seria instigado para garantir a implementação de todas as diferentes políticas – do transporte à geração de energia e do aquecimento doméstico à agricultura – que serão necessárias para garantir que as emissões sejam reduzidas conforme o mais rápido possível. “Precisamos implementar políticas em toda a sociedade, caso contrário nossos alvos se tornarão apenas promessas vazias”, disse Joeri Rogelj, diretor de pesquisa do Grantham Institute, Imperial College London.

É uma sugestão apoiada por Lord Deben. “No Reino Unido, precisamos de uma nova lei de planejamento que garanta que todas as autoridades locais tenham que levar as mudanças climáticas em consideração sempre que tomarem uma decisão de planejamento. No momento, eles não recebem absolutamente nenhum conselho sobre como fazer esse negócio. ” Tais processos garantiriam que os detalhes finos de garantir as emissões de carbono sejam controlados e os erros – como a recente concessão de permissão de planejamento para uma nova mina de carvão em Cumbria– não se repitam, acrescentou.

O céu de São Francisco fica laranja com a fumaça do incêndio florestal em setembro de 2020.O céu de São Francisco fica laranja com a fumaça do incêndio florestal em setembro de 2020. Fotografia: John G Mabanglo / EPA

No entanto, será necessário um esforço considerável e sustentado para que a nação mantenha esses esforços. Na terça-feira, as primeiras páginas nacionais foram preenchidas com imagens de aldeias gregas incendiadas e manchetes lúgubres. “PM: acorde com o alerta vermelho para a crise climática”, alertou o Daily Express ; “Como o relatório do juízo final avisa sobre a mudança climática apocalíptica: o Reino Unido pode tirar o mundo da beira do precipício”, perguntou o Mail ; enquanto o Telegraph anunciava “ONU alerta para ‘verificação da realidade’ do clima”. Dado que muitos desses artigos fizeram longos esforços no passado para denegrir a ciência do clima e questionar a realidade do aquecimento global, esses foram anúncios radicais. Resta saber quanto tempo cada publicação permanece comprometida com a ciência.

“A história do clima estava nas primeiras páginas na terça-feira, mas na sexta-feira, três dias depois, quase não foi mencionada”, acrescentou o professor Martin Siegert, do Imperial College de Londres. “No entanto, esta é a coisa mais importante que a humanidade precisa fazer nos próximos 30 anos. Isso vai mudar nossas vidas, vai mudar a maneira como nos vemos no planeta. E se não o fizermos, criaremos enormes problemas para nossos filhos. Mas depois de três dias parecíamos ter sido esquecidos, apesar do fato de que isso é algo que precisa de décadas de trabalho consistente e persistente. ”

Siegert acrescentou que foi estimado que são necessários níveis de investimento equivalentes a 1% do PIB para garantir a transição do país para o status líquido zero. “No entanto, atualmente estamos gastando cerca de 0,01%… um centésimo desse preço estimado. E isso também está bem abaixo do que o governo está gastando em coisas que realmente aumentarão nossas emissões, como planos de expansão de aeroportos e as dezenas de bilhões que prometeu em novos esquemas rodoviários, o que só tornará mais fácil dirigir e queimar. mais combustível fóssil. ”

Todas essas são questões para o Reino Unido resolver, com urgência, nos próximos meses, embora a abertura da conferência Cop26 em Glasgow seja um evento ainda mais premente. Na reunião, que começa em 1º de novembro, delegados de mais de 190 países se reunirão para fechar um acordo que determinará o quão quente a vida ficará na Terra. Em Paris, em 2015, as nações prometeram cortes de emissões que agora precisam ser atualizados com urgência ou as temperaturas globais vão subir para bem mais de 2ºC. Da mesma forma, acordos terão que ser alcançados sobre como eliminar gradualmente as usinas de carvão o mais rápido possível, para proteger as florestas que absorvem dióxido de carbono e para chegar a um acordo de ajuda para as nações em desenvolvimento para ajudá-las a sobreviver aos impactos do aquecimento global.

Será um bom resultado e é muito provável que não saberemos se os negociadores terão êxito até os últimos minutos da conferência de Glasgow. Desta forma, aprenderemos o destino do planeta em novembro, exatamente 60 anos após o lançamento cinematográfico de O Dia em que a Terra Pegou o Fogo . Podemos, então, ter uma ideia melhor se “Terra salva” ou “Terra condenada” era o título correto da primeira página.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

O IPCC considera o decrescimento a chave para mitigar as mudanças climáticas

mudança climática

Mudança climática

Por Juan Bordera e Fernando Prieto para o site Contexto y Acción

Em 23 de junho, algo muito incomum aconteceu. A AFP (Agence France Press) vazou parte do conteúdo do sumário para políticos do Grupo II do IPCC ( Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas ) – responsável por analisar os impactos das mudanças climáticas. A notícia correu o mundo, e a manchete mais repetida – tirada do próprio relatório – foi: “A vida na Terra pode se recuperar de grandes mudanças climáticas evoluindo para novas espécies e criando novos ecossistemas. Não a humanidade ” . A anomalia reapareceu em dois meses. Outra violação no outrora hermético IPCC, outro vazamento. 

O CTXT teve acesso ao conteúdo de outra parte do Sexto Relatório do IPCC, a organização na qual cientistas de todo o mundo, de diferentes áreas do conhecimento, colaboram voluntariamente e a título de prestígio, numa das mais promissoras cooperações internacionais esforços que existem. No IPCC buscam formar uma série de relatórios que, ultimamente a cada 5-6 anos, atualizem o conhecimento sobre o desafio – com duas faces que se entrelaçam – o mais importante que temos: adaptar-se ao caos climático que já geramos, e elucidar como caminhar em direção a uma economia e um modelo de energia que pode durar no tempo. Seus esforços são divididos em três grupos para preparar relatórios relacionados entre si: Ciência (Grupo I), Impactos (Grupo II) e Mitigação (Grupo III).

A explicação de por que esses vazamentos estão ocorrendo não admite dúvidas: há muita gente dentro da própria organização muito preocupada com a atual situação de emergência, pela tepidez de algumas das conclusões dos sucessivos relatórios, e também pelo manifesto dificuldade de captar nas políticas as medidas propostas. O IPCC está em funcionamento desde 1990 e, de então até agora, nada aconteceu além de um aumento muito evidente das emissões e dos efeitos colaterais negativos, embora isso seja responsabilidade da inércia econômica, social e política. É por isso que o conteúdo das sínteses para os políticos está a ser filtrado, para evitar que o relatório se transforme em demasia no processo e para chamar a atenção para isso numa década em que vamos arriscar tudo. 

Qual e a situação atual? Resumindo: recordes extraordinários de temperatura não param de acontecer em todos os lugares, como o do Canadá há um mês, onde o recorde anterior foi quebrado por três dias consecutivos para chegar a cinco graus a mais de uma vez, muito perto de 50ºC. Também há inundações além de qualquer lógica,  como as da Alemanha, Bélgica ou China, com centenas de desaparecidos e mortais, e claro, enormes prejuízos econômicos, além de enormes  incêndios em grande parte do planeta . Nos últimos dias, a Grécia e a Turquia têm sido os bilhetes perdedores na loteria climática. Uma loteria em que todos os países têm muitos números e não haverá ganhador.

Feitas as  apresentações , passemos ao relatório. Nesse caso, o vazamento é sobre a primeira minuta do sumário para os políticos do Grupo III, encarregado de analisar como reduzir emissões, mitigar e mitigar impactos. Algumas das diretrizes que podemos extrair da minuta do relatório, cujo conteúdo final será publicado em março de 2022, são:

– “Seria necessário que as emissões de CO2 atingissem o seu máximo antes de 2025 e atingissem o zero líquido entre 2050 e 2075”. Isso implica maior ambição no curto e médio prazo, e ações aceleradas e efetivas de implementação, que esbarram em obstáculos políticos, econômicos e sociais. O que pode ser mais eficiente do ponto de vista econômico pode ser politicamente inviável ou eticamente inaceitável. E isso é fundamental, as mudanças devem levar em conta a desigualdade para serem aceitas (veja o caso dos coletes amarelos).

– “Não devem ser construídas novas centrais a carvão ou a gás, devendo as actuais reduzir a sua vida útil”, que normalmente é superior a 30 anos, para cerca de 10 anos.

– É reconhecido que alcançar emissões líquidas zero requer um certo grau  de captura e sequestro de carbono e remoção de carbono  (CDR-CCS-BECCS). Tecnologias que não se desenvolvem muito longe disso, e que representam mais um pontapé de saída do pensamento de que a evolução tecnológica sempre virá em seu socorro. Contrariando absolutamente um dos princípios básicos da ciência:  o princípio da precaução.  Como se não bastasse, há  pesquisas que levantam questões sobre o potencial do solo em armazenar tanto carbono . Ainda mais em um planeta em aquecimento. 

– “A mudança tecnológica implementada até agora em nível global não é suficiente para atingir os objetivos climáticos ou de desenvolvimento. Desde 2010, o custo das tecnologias renováveis ​​caiu acima das expectativas (especialmente solar -87%, e baterias -85%), mas no total, solar e eólica respondem por 7% do fornecimento de eletricidade. ” Os avanços esperados em outras tecnologias, como captura e sequestro de carbono, energia nuclear e CDR (remoção de dióxido de carbono), têm sido muito menos promissores.

– “O crescimento do consumo de energia e materiais é a principal causa do aumento dos Gases de Efeito Estufa (GEE). A ligeira dissociação do crescimento do uso de energia [e em grande parte motivada pela realocação da produção] não tem sido capaz de compensar o efeito do crescimento econômico e populacional ”. Isso mostra que os desenvolvimentos tecnológicos que permitem melhorias de eficiência e a mudança para fontes de energia de baixa emissão não são suficientes. Portanto, uma transição muito massiva no consumo de materiais ao redor do mundo pode até, temporariamente, disparar as emissões.

– Espera-se ser capaz de fazer uma transição do veículo leve de combustão para o veículo elétrico, enquanto para máquinas pesadas é reconhecido que ainda não há tecnologia apropriada (daí o compromisso questionável com o hidrogênio), e mais pesquisas devem ser feitas . O risco de ficar sem materiais essenciais para a bateria é explicitamente mencionado, mas depende muito da reciclagem de materiais.

A temperatura média na Terra é de cerca de 15 graus Celsius. Aumentar apenas dois graus seria como aumentar quase cinco graus em um corpo humano

–O aquecimento global associado aos vários cenários de emissão publicados varia de menos de 1,5ºC a mais de 5ºC em 2100 em comparação com os níveis pré-industriais. Os cenários de linha de base sem novas políticas climáticas levam a um aquecimento global médio entre 3,3ºC e 5,4ºC. A temperatura média na Terra é de cerca de 15 graus Celsius. Aumentar apenas dois graus seria como aumentar quase cinco graus em um corpo humano. Talvez essa comparação ajude a entender o motivo de tanta preocupação com os famosos dois graus. A estabilidade climática seria impossível e  o risco de vida enorme.  O problema é que a trajetória atual não só vai exceder diretamente esses dois graus, mas vai desencadear ainda mais os temidos  mecanismos de feedback, que se os freios de emergência do sistema não fossem acionados imediatamente, eles nos levariam a uma mudança climática que já está completamente desenfreada. Apesar disso, não é necessário paralisar, há possibilidades de evitar os piores cenários, embora seja necessário atuar de forma coordenada. Já.

– “Não é incompatível lutar contra a pobreza energética e as alterações climáticas. Isso porque os maiores emissores são os mais ricos: os 10% mais ricos emitem dez vezes mais do que os 10% mais pobres. É por isso que aumentar o consumo dos mais pobres aos níveis básicos de subsistência não aumentaria muito as emissões ”.

– Destaca-se também a expansão de algumas atividades econômicas intensivas em emissões, por exemplo “a aviação aumentou 28,5% de 2010 a 2020”. Apesar disso, neste momento, o governo espanhol  está feliz em dar milhões para a expansão dos aeroportos de Barajas e El Prat. Se forem seguidos os relatórios sucessivos que o IPCC vai tornar públicos nos próximos meses, esses projetos devem ser vistos como o mais absoluto absurdo que são, exceto para aqueles que lucram com eles. Evitar essas extensões seria um bom ponto de inflexão positivo, o que poderia significar uma mudança na dinâmica.

–Reconhecimento de que existe um problema não resolvido com os plásticos.

–É implicitamente aceito que os cenários de mitigação pressupõem perdas de PIB.  No fundo, admite-  se o que a própria Agência Europeia do Ambiente disse: a preservação do ambiente não é compatível com o crescimento econômico De fato, o relatório aponta: “Em cenários que contemplam uma redução na demanda de energia, os desafios de mitigação são significativamente reduzidos, com menor dependência de remoção de CO2 (CDR), menor pressão sobre a terra e menores preços. Do carbono. Esses cenários não supõem uma diminuição do bem-estar, mas sim uma prestação de melhores serviços. ” Este é literalmente um cenário de adaptação ao decrescimento.

Em relação às medidas e medidas a serem tomadas, o relatório destaca que não existe um mecanismo de política ou sistema de governança único que possa, por si só, acelerar a transição necessária. Seria necessária uma combinação destes que serão diferentes em cada contexto.

Exemplos de mecanismos seriam os legislativos, que podem incentivar a mitigação ao fornecer sinais claros aos diferentes atores, através do estabelecimento de objetivos; ou a criação de instituições e mecanismos de mercado, como estabelecer um preço sobre o carbono, desde que a justiça social seja levada em consideração. Outros fatores que podem ajudar seriam os movimentos sociais climáticos – o IPCC está reconhecendo o trabalho das greves climáticas – que ajudam a provocar um aumento em outro dos fatores-chave: um alto percentual de pessoas comprometidas. Também enfatiza que as medidas para alcançar as reduções devem ser mudanças no comportamento social: menos transporte, realocação de trabalho, uma dieta mais vegetariana, etc. 

E aqui está uma das chaves, a mudança radical essencial em um sistema econômico cuja operação perversa de acumulação e reprodução do capital na perpetuidade nos trouxe ao ponto crítico atual não é claramente mencionada. Um ponto em que é difícil esconder a evidência de que outro ponto, o sem volta, está, pelo menos, muito próximo. Como já aconteceu com a Amazônia,  que emite mais carbono do que absorve, ou com a  Groenlândia, que quebrou recordes de temperatura e despejou água doce e fria no oceano , aumentando o risco de  desaceleração e colapso da corrente termohalina , o transportador cinto, vital para a estabilidade do nosso sistema climático. E cujo colapso teria consequências incalculáveis.

Se os freios de emergência do sistema não fossem acionados imediatamente, eles nos levariam a uma mudança climática que já está completamente descontrolada.

Aí podemos vislumbrar a pequena / grande falha do corpo, que por definição parece difícil de resolver e que fará com que esses vazamentos continuem a ocorrer: o IPCC trabalha na busca de consensos amplos, o que dificulta a tomada de posições mais ousadas. em conta no relatório final, e não estamos falando de cientistas radicais solitários: além da Agência Europeia do Meio Ambiente, a  Nature, uma das revistas acadêmicas de maior prestígio do mundo já publicou estudos mostrando que a única “solução” tanto para a transição energética quanto para a emergência climática é assumir que continuar crescendo sem causar mais danos é obviamente impossível e, conseqüentemente, uma estabilização e / ou diminuição da energia precisa ser planejada. esfera material. Distribua para viver bem, mas dentro dos limites. 

Recentemente, o barômetro do consumo responsável francês mostrou que a opinião pública é mais aberta do que muitos gostariam que você acreditasse. 52% dos franceses acreditam que o modelo baseado no mito do crescimento infinito deve ser totalmente abandonado . Assim, aumenta a esperança de trabalharmos na linha de aceitar o problema e ao mesmo tempo trabalhar para remediá-lo globalmente da forma mais justa possível, pois nossas chances de continuar crescendo sem travar na tentativa diminuem. 

 ———————

* Agradecemos aos membros do coletivo  Scientist Rebellion  por colaborarem em nos enviar o vazamento. Ao cientista do CSIC Antonio Turiel, pela orientação na realização deste artigo. E a alguns cientistas que não querem ser identificados – para evitar riscos ocupacionais – que também ajudaram. Eles sabem quem são.

* Será realizada nesta segunda-feira, dia 9 de agosto, a coletiva de imprensa de apresentação do relatório final do Grupo I.

 ———————

Juan Bordera  é roteirista, jornalista e ativista da Extinction Rebellion and València en Transició.

Fernando Prieto  é doutor em Ecologia, pelo Observatório de Sustentabilidade.

fecho

Este texto foi escrito inicialmente em Espanhol e publicado pelo site “Contexto y Acción”  [Aqui!].

No “Diálogos Futuro Sustentável 2021”, especialistas apresentam o papel das cortes no combate às mudanças climáticas

726100308_746

A Embaixada da Alemanha e o iCS – Instituto Clima e Sociedade realizaram, ontem, 10 de agosto, o painel “Diálogos Futuro Sustentável 2021 – Litigância Climática e o Papel das Cortes Constitucionais”. No evento, foram discutidas maneiras pelas quais as cortes e tribunais federais atuam e ainda podem atuar na missão de defesa do meio ambiente e cumprimento de acordos internacionais. O relatório do IPCC lançado na segunda-feira, dia 9, trouxe conclusões que apresentam um desafio enorme para o combate às mudanças climáticas que exigem respostas jurídicas dos países. 

Caio Borges, coordenador do Portfólio de Direito e Clima do iCS, foi o mediador do painel, que contou com a participação de Gabriele Britz, juíza do Tribunal Constitucional Federal da Alemanha; de César Rodríguez Garavito, advogado e professor da Universidade de Nova York; e de André de Carvalho Ramos, professor da faculdade de direito da Universidade de São Paulo. A abertura foi feita por Marcelo Rocha, ativista em educação, negritude e mudanças climáticas no Fridays For Future Brasil e FFF MAPA.

A juíza Gabriele Britz compartilhou a preocupação da corte alemã com as leis atuais, que permitem emissões até 2030 e fazem com que, após esse ano, as emissões precisem ser reduzidas drasticamente, podendo limitar as liberdades da população. É possível que, no futuro, a tecnologia permita a diminuição dos gases na atmosfera, porém, não se pode contar com isso. “O caminho da redução de CO2 precisa ser trilhado em tempo hábil para que os desenvolvimentos e os processos de implementação possam acontecer em tempo hábil. Precisamos ter pressão de desenvolvimento, mas também alguma segurança de planejamento”. 

César Rodrigues Garavito chamou a atenção para o entendimento de que a proteção do meio ambiente não impossibilita o crescimento econômico e destacou a atuação das cortes no combate às mudanças climáticas. “É necessário ter a clareza de que a litigância climática não se torna um impedimento ao progresso dos países, a litigância climática trata-se de uma discussão, de uma ação para estimular o comprometimento. Quando nós consideramos o Acordo de Paris e a comunidade internacional, precisamos ter em mente como os governos e os países vão realmente manter os comprometimentos estabelecidos. Portanto, as cortes podem agir como conectores, para que elas estimulem a ação jurídica e legal”. 

O panorama do combate às mudanças climáticas no Brasil foi analisado pelo professor André de Carvalho Ramos. Segundo ele, desde que o atual presidente da República, Jair Bolsonaro, assumiu seu mandato, a área ambiental perdeu muito investimento. “Há vários exemplos dessa contração da atuação governamental federal na área ambiental. Assim, o futuro da litigância em tema de direito ambiental deve também ter que se debruçar sobre o desejo da maioria do congresso brasileiro de por limite aos gastos sociais e também ambientais. Deverá, o Supremo Tribunal Federal, decidir se a ausência de recursos é justificativa para não proteger o meio ambiente, ao risco de um estresse constitucional, causado pela constitucionalização do limite de gastos estatais de um lado, mas com a permanente existência de direitos que exigem obrigações positivas por parte dos estados”. 

Destaques

– O novo relatório do IPCC, lançado na segunda-feira, dia 9, traz informações muito relevantes e drásticas do cenário atual de mudanças de clima e provavelmente terá impacto no cenário mundial de litigância climática.

– Ao considerar o Acordo de Paris e a comunidade internacional, é preciso ter em mente como os governos vão realmente manter os compromissos estabelecidos. 

– As cortes podem agir como conectores para estimular a ambição climática através da ação jurídica e legal. 

– O Supremo Tribunal Federal tem sido chamado a atuar de forma ativa, em sua atribuição contra majoritária, para impedir os recentes retrocessos na concretização de políticas públicas de proteção ao meio ambiente e para garantir a integridade do sistema normativo ambiental brasileiro.

– Um grande desafio brasileiro é a existência da constitucionalização de limite a gastos estatais desde 2016, a partir da edição da emenda constitucional 95, chamada de emenda do teto, pela qual congelou-se por 20 anos o crescimento das despesas públicas, aceitando-se somente a correção pela inflação.

– Vivemos hoje um cenário de contração de recursos vindos do governo federal para a área ambiental. Frente à urgência do tema, cabe à área de litigância ambiental fazer frente ao limite imposto para gastos sociais e ambientais e, ao Supremo Tribunal Federal, decidir se a ausência de recursos é justificativa para não proteger o meio ambiente.

Palestrantes

Gabriele Britz

Juíza do Tribunal Constitucional Federal (Alemanha)

É formada em Direito pela Universidade Johann Wolfgang Goethe. Desde 2011 é professora de Direito Público e Direito Europeu na Universidade Justus Liebig.

César Rodríguez Garavito

Advogado e professor da Universidade de Nova York

Diretor do Centro de Estudos de Direito, Justiça e Sociedade (Dejusticia) e professor-fundador do programa de Justiça Global e Direitos Humanos da Universidade de Los Andes. Diretor-fundador da Climate Litigation Accelerator e editor-chefe da Open Global Rights. Foi professor visitante da Universidade de Stanford, da Universidade de Brown, da Fundação Getúlio Vargas (Brasil), da Universidade de Pretoria (África do Sul), do Åbo Center for Human Rights (Finlandia), da Central European University, ITAM (México) e da Universidade Andina de Quito. Além disso, é diretor-fundador do Human Rigths Lab e membro do recém-criado Science Panel for the Amazon.

André de Carvalho Ramos

Professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

É professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo e professor-titular de Mestrado e Doutorado da Faculdade Autônoma de Direito. Foi Visiting Scholar no Lauterpacht Centre for International Law (Universidade de Cambridge). É Coordenador do Grupo de Trabalho sobre Migrações e Refúgio da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (2020-2022). Foi Secretário de Direitos Humanos e Defesa Coletiva da Procuradoria-Geral da República (2017-2019).

 Marcelo Rocha

Ativista em educação, negritude e mudanças climáticas. Ativista no Fridays For Future Brasil e FFF MAPA (Most Affected Peoples and Areas). Foi uma das vozes brasileiras na COP 25. Atua principalmente nas periferias de São Paulo, onde idealizou o Festival Favela em Casa e o Fundo Emergencial de Apoio a Artistas e Coletivos de Favela. No campo da ciência, atua como pesquisador em Racismo climático e TEDx Speaker “Favelas e Mudanças Climaticas”. 

Mediação

Caio Borges, coordenador do Portfólio de Direito e Clima

Instituto Clima e Sociedade

Bacharel em Direito pela UFPB, Mestre em Direito e Desenvolvimento pela FGV-SP e Doutorando em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela USP. Foi coordenador dos programas de Empresas e Direitos Humanos e Desenvolvimento e Direitos Socioambientais (2014-2019) da Conectas Direitos Humanos. Possui mais de 10 anos de experiência em financiamento sustentável, empresas e direitos humanos, litigância estratégica em direitos humanos e em mudanças climáticas. É non-resident fellow do Center for BRICS Studies da Universidade de Fudan (China) e do Centro para Estudos sobre África, América Latina e Caribe da O.P. Jindal Global University (Índia).

Novo relatório do IPCC é “alarmante” e mostra pequena janela de oportunidade para limitar o aquecimento a 1,5°C até 2100

report

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) divulgou hoje um novo relatório sobre as ciências físicas que explicam as mudanças climáticas passadas, presentes e futuras.

O relatório apresenta as projeções mais recentes para o aumento da temperatura, avanços na atribuição de eventos climáticos extremos às mudanças climáticas, riscos maiores de alcançarmos pontos de inflexão em que impactos significativos se tornam irreversíveis e muito mais. Duas descobertas são especialmente relevantes:

• O mundo pode atingir 1,5°C de aquecimento nas próximas duas décadas.
• Ainda resta uma pequena janela de oportunidade para limitar o aquecimento a 1,5°C até 2100, mas será necessária agir de maneira decisiva e muito rapidamente para conter as emissões nesta década, bem como zerar as emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050.

Leia o posicionamento de Helen Mountford, vice presidente de Clima e Economia do World Resources Intitute (WRI):

“Se este relatório do IPCC não o assustar ao ponto de agir, deveria. O relatório elabora um quadro muito sério do mundo implacável e inimaginável que nos espera se nosso vício em queimar combustíveis fósseis e destruir florestas continuar. Uma das conclusões mais impressionantes é que podemos atingir 1,5°C de aquecimento uma década antes do que o IPCC havia previsto anteriormente”.

“As manchetes recentes sobre enchentes mortais, incêndios florestais e secas que acontecem ao redor do mundo parecem cenas de um romance distópico de ficção científica, mas são manifestações do aquecimento global que nossa poluição climática já induziu no sistema. Os impactos perigosos e custosos que estamos experimentando agora parecerão moderados em comparação com o que enfrentaremos se não limitarmos o aquecimento a 1,5°C até o final deste século. Isso reforça a urgente necessidade de as nações ricas fornecerem muito mais recursos financeiros aos países em desenvolvimento que são os mais vulneráveis ​​aos impactos climáticos e os menos responsáveis ​​pelas emissões. Este financiamento é essencial para que possam proteger pessoas, fontes de alimentos e recursos hídricos das consequências inevitáveis ​​de um clima em transformação”.

“Embora as descobertas do IPCC sejam alarmantes, elas não podem se traduzir em desesperança ou falta de ação. Pelo contrário, a necessidade de cortar rapidamente as emissões de gases de efeito estufa ficará cada vez maior à medida que as temperaturas aumentam e os impactos climáticos pioram mais e mais. Esse relatório deve estimular cada país, empresa, cidade e cidadão a lutar com todas as forças para evitar todo aquecimento possível”.

“A boa notícia é que sabemos o que é necessário para evitar um futuro calamitoso e ao mesmo tempo gerar empregos e um crescimento econômico de baixo carbono. O relatório mostra que temos uma pequena janela de oportunidade para limitar o aquecimento a 1,5°C, mas só o faremos se agirmos de forma decisiva. Fazer isso exigirá mudanças rápidas e radicais na maneira como usamos e produzimos energia, alimentos, administramos o uso da terra e transportamos pessoas e bens”.

“Nossa oportunidade de evitar impactos ainda mais catastróficos tem uma data de validade. O relatório sugere que esta década é nossa última chance de adotar as medidas necessárias para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C. Se falharmos coletivamente em reduzir de forma rápida as emissões de gases de efeito estufa até o fim da década, essa meta ficará fora de alcance”.

“Por muito tempo, diferentes interesses impediram o progresso e lançaram dúvidas sobre a ciência do clima, que é sólida como uma rocha. Esses dias devem ficar no passado”.

“Fique atento aos líderes mundiais que estão no cargo hoje. Nosso destino coletivo será determinado por suas escolhas. Este é um momento em que todos precisam remar na mesma direção e exigir que seus líderes tomem medidas climáticas corajosas, como se nosso futuro dependesse disso – porque realmente depende”.

Leia o posicionamento de Carolina Genin, diretora de Clima do WRI Brasil:

“O relatório do IPCC é explicito, temos 10 anos críticos diante de nós para conter o aumento da temperatura média da Terra. O papel do Brasil é acelerar a transição da sua economia para um modelo bem menos dependente de combustíveis fósseis. Nós podemos fazer isso através de energia limpa e biocombustíveis, e gerando empregos e novos mercados para empresas nacionais como a Petrobrás. Há oportunidades para o país de modernização e revitalização nesta crise global, mas quanto mais demorarmos para nos posicionarmos competitivamente, mais perderemos oportunidades e mercados.”

“Os desmatamentos na Amazônia e em outros biomas brasileiros contribuem para o aquecimento do planeta e não beneficiam o país, seu povo e sua economia formal. A ciência e a história recente do país revelam claramente que podemos produzir mais e melhor sem desmatar, e que os biomas são fundamentais para a agricultura e para garantir a segurança hídrica e energética de nossas cidades.”

Novo relatório do IPCC é ultimato para governos e empresas

Cientistas afirmam que para reduzir impacto sobre o clima único nível tolerável de emissão de CO2 é zero

changing

Que as mudanças climáticas atuais são causadas pelos humanos apenas os negacionistas duvidam. Mas os cientistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) descobriram mais detalhes sobre essa contribuição antrópica: do aquecimento de 1,09oC observado entre 2011 e 2020 em comparação com o período pré-industrial (1850-1900), 1,07 oC – quase tudo – provavelmente deriva de atividades humanas como o desmatamento e a queima de combustíveis fósseis.

Esta é uma das conclusões do Grupo de Trabalho 1 para o Sexto Relatório de Avaliação (AR6) divulgado nesta segunda-feira (9/8). As afirmações do IPCC têm sempre algum indicador de probabilidade, o que já fez o Painel ser acusado de “conservadorismo” e de facilitar o trabalho dos negacionistas. É exatamente por isso que o relatório de hoje causa apreensão.

Na linguagem do IPCC, o conjunto de eventos climáticos extremos recentes seria extremamente improvável de ocorrer sem influência humana. E ela provavelmente contribuiu para um aumento global da precipitação desde os anos 1950 e mais aceleradamente desde a década de 1980. Há alta confiança sobre a influência humana no aumento da precipitação extrema associada a ciclones tropicais, e é virtualmente certo que a frequência e a intensidade de extremos de calor e a intensidade e duração de ondas de calor aumentaram na maior parte do planeta desde 1950.

No relatório de hoje, o AR6 apresenta uma nova série de cenários de emissões – cinco no total – batizado de Projeto de Intercomparação de Modelos Climáticos Versão 6 (CMIP6). São dois cenários de baixas emissões (SSP1-1.9 e SSP1-2.6), um de médias (SSP2-4.5) e dois de altas (SSP3-7 e SSP5-8.5).

Em todos os cenários, a meta mais ambiciosa do Acordo de Paris – limitar o aquecimento a 1,5o -, é ultrapassada no começo da próxima década, dez anos antes do previsto. No cenário SSP1-1.9, de emissões mais baixas, o aquecimento voltará a estar abaixo desse patamar somente no fim do século e em resposta a um corte ambicioso de emissões que começasse já.

A temperatura global entre 2081 e 2100 será muito provavelmente 1oC a 1,8oC mais alta do que entre 1850 e 1900 no melhor cenário de emissões e de 3,3oC a 5,7oC mais quente no pior cenário.

Algumas regiões semiáridas e a chamada Região da Monção da América do Sul, que engloba parte do Centro-Oeste brasileiro, da Amazônia, da Bolívia e do Peru, deverão ter os maiores aumentos de temperatura nos dias mais quentes do ano – até duas vezes acima da taxa de aquecimento global.

Outra novidade do AR6 são as estimativas regionalizadas de médio prazo (próximos 30 anos), que podem orientar medidas de adaptação. Todas as regiões do planeta sofrerão mudanças do clima nesse período, e essas mudanças serão maiores com 2oC do que com 1,5oC de aquecimento. Em 2050, se o limite de 2oC for atingido, muitas regiões terão aumento na probabilidade de vários eventos extremos simultâneos ou sequenciais, afetando, por exemplo, regiões produtoras de alimentos.

Longo passado pela frente

As emissões do passado já tornaram irreversíveis algumas consequências do aquecimento global, como o degelo, o aumento no nível do mar e as mudanças nos oceanos.

É virtualmente certo que o nível dos oceanos continuará subindo, já que a expansão térmica é irreversível na escala de centenas a milhares de anos, mas a elevação neste século dependerá do cenário de emissões: de 28 cm a 55 cm no melhor cenário (SSP 1.9) em relação à média 1995-2014; 63 cm a 1,02 m no pior (SSP 8.5). Neste pior cenário, picos de maré alta extrema que ocorriam uma vez a cada século poderão ocorrer uma vez por ano em 80% das localidades com medições de maré do mundo. Desde o início do século 20, o nível do mar subiu 20 cm, mas a taxa de elevação está crescendo: passou de 1,35 mm por ano entre 1901 e 1990 para 3,7 mm por ano entre 2006 e 2018.

Também é virtualmente certo que o oceano aqueceu nos últimos 50 anos e é extremamente provável que a influência humana seja o principal causador desse aquecimento, assim como da acidificação dos mares. Somente entre 2011 e 2020, o aquecimento da temperatura dos oceanos foi de 0,88oC. Neste século, o aquecimento do oceano pode ser duas vezes maior no melhor cenário (SSP1-2.6) e até oito vezes maior no pior (SSP5-8.5), em comparação ao período de 1971 a 2018. As ondas de calor marinhas também estão mais frequentes e a influência humana muito provavelmente contribuiu com 84% a 90% delas desde 2006.

O derretimento de geleiras como as dos Alpes, dos Andes e do Himalaia é a maior causa isolada (41%) do aumento do nível do mar entre 1901 e 2018, enquanto o degelo da Groenlândia e da Antártida respondem por 29%. Na última década a cobertura de gelo marinho no Ártico e nas geleiras atingiu a sua menor extensão em 170 anos no inverno e em mil anos no verão. O derretimento atual das geleiras é o mais acelerado em 2 mil anos.

E a massa das geleiras continuará diminuindo durante décadas mesmo se a temperatura global for estabilizada. Uma previsão de alta confiança é a de que os mantos de gelo da Antártida e da Groenlândia continuarão a perder massa neste século.

A circulação meridional do Oceano Atlântico muito provavelmente se enfraquecerá no século 21 em todos os cenários de emissão. A magnitude deste declínio ainda têm alto grau de incerteza. A confiança de que ela não sofrerá um colapso abrupto é média, o que impactaria nos padrões de tempo e no ciclo da água em grande parte do mundo, alterando os padrões de chuvas na África, Ásia e América do Sul.

Emissões zero ou caos

Segundo o IPCC, para diminuir em qualquer medida o aquecimento global em curso é fundamental que as emissões líquidas de dióxido de carbono (CO2) sejam zeradas. Cada trilhão de toneladas de CO2 emitidas cumulativamente na atmosfera causa um aquecimento global de 0,27oC a 0,63oC, o que é conhecido como resposta climática transitória às emissões. Além disso, a concentração de outros gases de efeito estufa, como o metano (CH4), precisam ser substancialmente reduzidas.

As concentrações dos três principais gases de efeito estufa – CO2, metano e óxido nitroso (N2O ) – são as maiores em 800 mil anos. Somente em relação ao CO2, as concentrações atuais não se repetem há pelo menos 2 milhões de anos.

Desde 1850, a humanidade já emitiu 2,390 trilhões de toneladas de CO2. Para que a chance de estabilizar a temperatura em 1,5oC seja a maior possível, a humanidade não poderá emitir mais do que 300 bilhões de toneladas de CO2, o equivalente a seis anos de emissões mundiais atuais de gases de efeito estufa.

O relatório do IPCC está disponível aqui .

Clima propício para tempos quentes

O relatório preliminar do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas prevê ondas de calor, fome e perda de habitat

CLIMATEFoto: dpa / Tobias Kleinschmidt

Por Martin Ling para o Neues Deutschland

As declarações são claras: “A vida na Terra pode se recuperar de uma mudança climática drástica, produzindo novas espécies e criando novos ecossistemas. Os humanos não podem fazer isso. «Essas frases podem ser encontradas no resumo técnico de 137 páginas de um relatório preliminar do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) com os resultados preliminares do Grupo de Trabalho II do IPCC, que examina as consequências de aquecimento global.

A AFP teria vazado para trazer a gravidade da situação ao público mundial antes da cúpula da biodiversidade da ONU em outubro e da conferência climática da ONU em novembro: Dezenas de milhões de pessoas passarão fome nas próximas décadas devido às mudanças climáticas, A seca e as doenças sofrem – esse cenário está delineado no rascunho do relatório, que a agência de notícias AFP pôde ver com antecedência com exclusividade.

Em 4.000 páginas, os mais de 700 autores mostram, entre outras coisas, como o aquecimento global afeta a saúde humana. De acordo com o relatório preliminar, o teor de nutrientes das safras está diminuindo devido ao aumento das temperaturas. O teor de proteína do arroz, trigo, cevada e batata deve diminuir de 6,4 a 14,1 por cento, como resultado do qual quase 150 milhões de pessoas também podem sofrer de deficiência de proteína.

À medida que os eventos climáticos extremos aumentam devido às mudanças climáticas, de acordo com o IPCC, há um risco crescente de que as colheitas em vários celeiros em todo o mundo fracassem ao mesmo tempo. Os autores esperam que os preços dos alimentos aumentem quase um terço até a metade do século, colocando outros 183 milhões de pessoas mais pobres em risco de fome.

climate 2O relatório detalha as consequências graves da poluição de gases de efeito estufa da humanidade. XAVIER GALIANA AFP / File

Um pouco mais da metade da população mundial já sofre com o abastecimento de água inseguro. Os autores do relatório acreditam que é provável que entre 30 e 140 milhões de pessoas na África, Sudeste Asiático e América Latina possam ser deslocadas internamente até 2050. Até três quartos das reservas de água subterrânea – a principal fonte de água potável para 2,5 bilhões de pessoas – podem secar até a metade do século – entre outras coisas, devido ao rápido derretimento das geleiras das montanhas. “A escassez de água é um dos problemas que nossa geração enfrentará muito em breve”, diz Maria Neira, da Organização Mundial da Saúde (OMS). “Haverá deslocamento massivo, migração massiva e devemos tratar tudo isso como um problema global.”

Com o aquecimento global, os mosquitos e outras espécies transmissoras de doenças como a dengue estão se espalhando. O risco de malária e borreliose aumentará e mais crianças morrerão de diarreia devido ao clima. Com AFP

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!].

Cientistas cobram de líderes mundiais enfrentamento conjunto de mudança climática e perda de biodiversidade

report cover

O Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services (IPBES) e o Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC )lançaram hoje (10/06) o relatório do workshop sobre biodiversidade e mudança climática. O workshop foi realizado em dezembro de 2020, em formato virtual, durante quatro dias e reuniu 50 dos principais especialistas mundiais em biodiversidade e clima, selecionados por um Comitê Científico Diretor de 12 pessoas criado pelos dois órgãos intergovernamentais.

A primeira colaboração desse tipo apela aos líderes para enfrentarem de maneira conjunta a mudança climática e a perda da biodiversidade, oferecendo caminhos para resolver essas crises inter-relacionadas.

O relatório, criado pelos 50 dos maiores especialistas mundiais em biodiversidade e clima , conclui que as políticas anteriores enfrentaram a perda de biodiversidade e a mudança climática de forma independente uma da outra. O documento argumenta que abordar as sinergias entre mitigar a perda da biodiversidade e a mudança climática, ao mesmo tempo em que considera seus impactos sociais, oferece a oportunidade de maximizar os benefícios e atingir as metas de desenvolvimento global.

A natureza oferece maneiras eficazes de ajudar a mitigar a mudança climática, mas estas soluções só podem ser eficazes se forem construídas com base em reduções ambiciosas em todas as emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem. Uma agenda integrada de mudanças climáticas e biodiversidade, diz o relatório, não deixaria nenhuma pessoa ou ecossistema para trás.

As recomendações do relatório do workshop incluem:
• Parar a perda e degradação de ecossistemas ricos em carbono e espécies em terra e no oceano;

• Restauração de ecossistemas ricos em carbono e espécies;

• Aumentar as práticas agrícolas e florestais sustentáveis;

• Eliminação de subsídios que apóiam atividades locais e nacionais prejudiciais à biodiversidade;

• Orientar melhor as ações de conservação, coordenadas com e apoiadas por uma forte adaptação e inovação climática;

• Assegurar que os programas e políticas de conservação sejam multifuncionais, abordando as paisagens de terra, água doce e oceano em vez de se concentrar apenas em alguns elementos da natureza. Essas iniciativas também precisam beneficiar as comunidades locais;

• Quando soluções baseadas na natureza são utilizadas como compensações de carbono, elas são mais eficazes quando sujeitas a condicionantes rigorosos, e não devem ser utilizadas para retardar ações de mitigação em outros setores. Isto é particularmente importante dado que as soluções baseadas na natureza são provavelmente menos eficazes sob a crescente mudança climática e seus impactos.

Os autores também afirmam que as seguintes medidas de mitigação e adaptação climática seriam prejudiciais à biodiversidade:
• Plantio de monoculturas bioenergéticas sobre grandes extensões de terra;

• Plantio de árvores em ecossistemas que historicamente não foram florestas e reflorestamento com monoculturas – especialmente com espécies de árvores exóticas;

• Aumentar a capacidade de irrigação para a agricultura em resposta às pressões da seca;

• Alertam ainda: quaisquer medidas que se concentrem muito na mitigação da mudança climática devem ser avaliadas em termos de seus benefícios e riscos gerais.

Algumas das principais estatísticas são:
• 77% das terras (excluindo a Antártica) e 87% da área do oceano foram modificadas pelos efeitos diretos das atividades humanas;

• Estimativas globais das necessidades exatas de áreas efetivamente protegidas e conservadas para garantir um clima habitável, biodiversidade autossustentável e uma boa qualidade de vida ainda não estão bem estabelecidas, mas variam de 30% a 50% das áreas de superfície oceânica e terrestre.

• Há 12.983 compensações de biodiversidade listadas implementadas em 37 países, porém apenas um terço das compensações de biodiversidade atende comprovadamente ao princípio de “nenhuma perda líquida” (NNL).

• Globalmente, foi estimado que o sistema alimentar é responsável por 21-37% do total das emissões líquidas antropogênicas de gases de efeito estufa ao incluir as atividades de pré e pós-produção.

• Manter ou restaurar 20% do habitat nativo em “paisagens habitadas/alteradas pelo homem pode contribuir para as metas globais de clima e biodiversidade, ao mesmo tempo em que gera múltiplos benefícios, através de soluções baseadas na natureza e outras abordagens baseadas em ecossistemas.

Os autores do relatório ressaltam que, embora a natureza ofereça formas eficazes de ajudar a mitigar a mudança climática, essas soluções só podem ser eficazes se forem baseadas em reduções ambiciosas em todas as emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem.

Ana María Hernández Salgar, presidente do IPBES, diz: “A terra e o oceano já estão fazendo muito – absorvendo quase 50% do CO2 das emissões humanas -, mas a natureza não pode fazer tudo. Uma mudança transformadora em todas as partes da sociedade e de nossa economia é necessária para estabilizar nosso clima, deter a perda da biodiversidade e traçar um caminho para o futuro sustentável que desejamos. Isto também exigirá que enfrentemos ambas as crises em conjunto, de formas complementares”.

Hans-OttoPörtner, co-presidente do Comitê Científico Diretor, diz: “A evidência é clara: um futuro global sustentável para as pessoas e para a natureza ainda é alcançável, mas requer uma mudança transformadora com ações rápidas e de longo alcance de um tipo nunca antes tentado, com base em reduções ambiciosas de emissões. A solução de alguns dos fortes e aparentemente inevitáveis compromissos entre clima e biodiversidade implicará uma profunda mudança coletiva de valores individuais e compartilhados relativos à natureza – como o afastamento da concepção de progresso econômico baseado unicamente no crescimento do PIB, para um que equilibre o desenvolvimento humano com múltiplos valores da natureza para uma boa qualidade de vida, sem ultrapassar os limites biofísicos e sociais”.

Especialistas não envolvidos no relatório reagiram dizendo:
Lucy Almond, Presidente da Nature4Climate: “Este relatório conjunto é um acréscimo bem-vindo à pesquisa que mostra que não podemos resolver a crise climática sem investir na natureza. Precisamos de uma ação política que reconheça que, para atingir os objetivos do Acordo de Paris, precisamos tanto de uma transição energética quanto de um investimento muito maior em soluções baseadas na natureza. Qualquer recuperação econômica deve ser à prova de futuro também para a natureza. Não podemos mais agir em nichos; investir na natureza é investir no clima e na prosperidade econômica.”

Beatriz Luraschi – Diretora de Políticas – Política Global – RSPB: “O Relatório do Workshop IPBES-IPCC reafirma o que já sabemos: que sem proteger e restaurar a natureza, não podemos enfrentar a mudança climática. Não há espaço para complacência – o relatório faz importantes advertências sobre “soluções climáticas” mal concebidas que minam diretamente a natureza, tais como o uso de bioenergia em larga escala. Sabemos que precisamos proteger, restaurar, criar ecossistemas naturais e gerenciar melhor as terras agrícolas, a fim de reduzir as emissões e proteger a vida selvagem. Os líderes globais, que se reunirão para a Cúpula do G7 na Cornualha neste fim de semana, devem estar atentos à ciência para lidar com as emergências da natureza e do clima.”

Brian O’Donnell, Campanha pela Natureza: “A era do enfrentamento isolado das crises da natureza e do clima deve chegar ao fim. Os principais cientistas mundiais da natureza e do clima nos mostraram um caminho a seguir onde priorizamos ações climáticas que beneficiem a natureza. Se os líderes mundiais concordarem em proteger pelo menos 30% das terras e oceanos do planeta e garantir os direitos de posse da terra dos povos indígenas e comunidades locais, podemos fazer um enorme progresso para o clima e a natureza.”

Dr. Enric Sala, National Geographic Explorer in Residence, Diretor Executivo da Pristine Seas, autor de “The Nature of Nature: Por que precisamos da natureza selvagem”: “Não podemos pensar no aquecimento global e na perda da natureza como crises diferentes. Elas são uma e a mesma coisa. A causa de nossa crise global é nosso abuso de nosso sistema de suporte de vida, nossa crescente destruição e poluição do mundo natural em prol de um crescimento econômico sem restrições. Este importante relatório nos lembra que as principais soluções incluem proteger pelo menos 30% do planeta até 2030, mudar a maneira como produzimos alimentos e reduzir nossas emissões de gases de efeito estufa a quase zero até 2050.”

Dr. Simon Zadek – Presidente de Finanças para a Biodiversidade: “Cada dólar, emprego e produto na economia global de 80 trilhões de dólares depende da natureza. E ainda assim, embora as instituições financeiras tenham reconhecido cada vez mais o clima como um importante motor de riscos e oportunidades, a natureza ainda é largamente ignorada. O relatório científico do IPCC e do IPBES fornece mais evidências de que esta negligência representa um perigo existencial e reforça a necessidade de aumentar a ambição e acelerar o progresso de iniciativas como a Task Force sobre Divulgação Financeira Relacionada à Natureza.”

Dra. Pamela McElwee, professora associada do Departamento de Ecologia Humana da Rutgers: “O relatório do Workshop do IPCC-IPBES chega quando os líderes do G7 se reúnem para discutir – entre outras questões vitais – a necessidade de maior financiamento climático. 50 importantes especialistas afirmaram que as medidas que tomamos para deter a mudança climática também devem ter como objetivo deter a perda da biodiversidade. Há um risco real de financiar as chamadas soluções climáticas que podem exacerbar a crise da biodiversidade, como o reflorestamento rápido e em larga escala sem a proteção da biodiversidade. Os países precisam cumprir suas promessas climáticas para reduzir rapidamente as emissões de combustíveis fósseis e, ao mesmo tempo, melhorar a gestão e a conservação de nossas preciosas terras e oceanos. O fato de muitos dos pacotes de recuperação econômica pós-COVID no G7 e em outros lugares não apenas não conseguirem enfrentar a enormidade da crise climática, mas que praticamente ignoram a biodiversidade, mostra que este problema continua difícil de ser superado”.

Você pode encontrar mais informações e o relatório completo aqui 

Brasil terá que refazer suas metas no Acordo de Paris antes da COP26

ONU pede revisão de planos climáticos ruins; Brasil ficou fora de Cúpula em 2020 por submeter objetivos que reduzem esforço do país contra aquecimento global

emissions
 
Um relatório da ONU divulgado hoje (26/02) afirma que as metas atuais dos principais poluidores combinadas não chegam nem perto de mitigar as mudanças climáticas. Segundo o documento, as propostas atuais dos países que representam 30% das emissões de gases de efeito estufa conseguirão reduzir em apenas 1% as emissões até 2030 em relação aos níveis de 2010. Para garantir que o aquecimento global fique abaixo de 2ºC, esse percentual deveria ser de 25%, sendo 45% para a meta de 1,5ºC, segundo cálculos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), maior autoridade científica sobre o assunto.

O relatório Síntese Inicial NDC foi solicitado pelas Partes do Acordo de Paris para medir o progresso dos planos nacionais de ação climática – Contribuições Nacionais Determinadas, conhecidos pela sigla NDC – antes da COP26 em novembro deste ano, que será realizada em Glasgow, na Escócia.

No ano passado, o Brasil ficou de fora da Cúpula de Ambição Climática da ONU exatamente porque os organizadores do evento não consideraram suficientes as metas climáticas divulgadas quatro dias antes do encontro pelo Ministério do Meio Ambiente. O Brasil é o 6º maior emissor do mundo, e a destruição das florestas responde pelo maior volume de emissões.

“No momento, é como se estivéssemos entrando em um campo minado de olhos vendados”, definiu Patrícia Espinosa, secretária executiva de Mudança Climática da ONU. Ela encorajou todas as nações a investigar outras áreas a fim de criar planos mais robustos. “O que precisamos é muito mais radical e transformador do que o que temos agora. Precisamos de planos concretos para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis o mais rápido possível”.

“O relatório provisório de hoje é um alerta vermelho para nosso planeta”, lamenta o secretário geral das Nações Unidas Antonio Guterres. “Os principais emissores devem apresentar metas muito mais ambiciosas de redução de emissões para 2030 em suas Contribuições Nacionais Determinadas bem antes da Conferência Climática da ONU em Glasgow, em novembro. Agora é a hora.”

Laurence Tubiana, CEO da Fundação Europeia do Clima e uma das idealizadoras do Acordo de Paris afirma que os países do G20 deveriam liderar o processo de mitigação das mudanças climáticas. “Os governos que entregaram planos pouco ambiciosos devem — como sugere a ONU — reconsiderar e reapresentar os planos até a COP26”.

Entre pesquisadores e ambientalistas, os resultados do relatório geraram comoção. “É espantoso como os países estão longe de lidar com a crise climática”, afirma Mohamed Adow, diretor da Power Shift Africa, um think tank com sede no Quênia que estuda a transição energética no continente africano. “Alguns países fizeram bem em atualizar suas promessas do Acordo de Paris, mas muitos outros, como Brasil, Japão, Austrália, México e até mesmo a Nova Zelândia não fizeram nada, vergonhosamente. Este estado de coisas não pode continuar.”

Para Niklas Höhne, fundador do NewClimate Institute, organização especializada em políticas climáticas, o maior impacto positivo vem da União Europeia, seguida do Reino Unido e da Argentina. “Mas dez países apresentaram NDCs revisadas sem nenhuma melhoria na ambição ou mesmo retrocedendo: Austrália, Brasil, Japão, México, Nova Zelândia, Singapura, Coreia do Sul, Suíça e Vietnã”, destaca o pesquisador. Ele ressalta que dessa lista, ao menos o Japão já reconheceu a pouca ambição da meta submetida em 2020 e se comprometeu a melhorá-la este ano.

“O Brasil apresentou uma NDC que efetivamente enfraquece suas já insuficientes metas de ação climática para 2025 e 2030”, avalia Höhne. “Como resultado, as emissões do Brasil em 2030 sob a nova meta poderiam ser 27% maiores do que eram quando ratificou o Acordo de Paris em 2016.” Ele lembra que um recuo nas metas de redução de emissões desobedece a exigência do Acordo de Paris de que cada nova NDC seja mais ambiciosa que a anterior.

Esperança

Os resultados do relatório aumentam ainda mais as expectativas em relação a uma postura mais ambiciosa este ano por parte dos dois grandes poluidores do planeta: EUA e China.

“Espero que os EUA e a China possam igualar a União Europeia na entrega de estratégias que nos coloquem no caminho do zero líquido”, afirma Tubiana, que também é embaixadora da França para a Mudança Climática.

A diretora executiva do Greenpeace Internacional, Jennifer Morgan, também joga os holofotes sobre os dois países. “Estamos chamando os maiores emissores do mundo, os Estados Unidos e a China, para entregar NDCs no próximo mês que nos dêem motivos de esperança”, afirma. Ela ainda vê a possibilidade de países que estão indo no caminho contrário voltarem a cooperar pelo clima.

“A Austrália e o Brasil, arrasados por queimadas agravadas pela emergência climática, devem, respectivamente, controlar os interesses dos combustíveis fósseis e da agricultura industrial, enquanto trabalham para criar um futuro justo e seguro para seus cidadãos e proteger a preciosa biodiversidade”, disse a ambientalista.

 
“Com planos climáticos lamentavelmente fracos, grandes emissores como Japão, Austrália e Brasil estão pesando sobre a ambição global, quando na verdade deveriam estar liderando”, afirma Tasneem Essop, diretor executivo da Climate Action Network. Para ele, anúncios de metas líquidas zero em 2050 não podem ser o único sinal de ambição climática. “Os EUA e a China – que ainda vão apresentar suas NDCs – devem fazê-lo o mais rápido possível. É imperativo que os Estados Unidos forneçam sua parte justa, tanto sobre a redução de emissões, como em relação às finanças.”

O relatório está disponível  [Aqui!]

Pesquisadores dinamarqueses alertam que a elevação do nível do mar poderá ser pior do que se temia

A equipe dinamarquesa prevê um possível aumento de 1,35 m até 2100 e destaca problemas com a modelagem anterior

Uma menina e uma mulher caminham pela água no porto de Kali Adem, ao norte de Jacarta, na IndonésiaUma mulher e uma criança caminham pela água no porto de Kali Adem, ao norte de Jacarta, onde os efeitos da elevação do nível do mar já são sentidos. Fotografia: Willy Kurniawan / Reuters

Por Karen McVeigh para o “The Guardian”

A elevação do nível do mar provavelmente será mais rápida e maior do que se pensava, de acordo com pesquisadores que afirmam que as previsões recentes são inconsistentes com os dados históricos.

Em sua avaliação mais recente, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas disse que o nível do mar dificilmente aumentará além de 1,1 metro (3,6 pés) até 2100 .

Mas pesquisadores do clima do Instituto Niels Bohr da Universidade de Copenhague acreditam que os níveis podem aumentar até 1,35 metros até 2100, no pior cenário de aquecimento. Quando eles usaram dados históricos sobre a elevação do nível do mar para validar vários modelos nos quais o IPCC fez sua avaliação, eles encontraram uma discrepância de cerca de 25 cm, eles disseram em um artigo publicado na revista Ocean Science .

Os pesquisadores disseram que os modelos usados ​​pelo IPCC não eram sensíveis o suficiente, com base no que eles descreveram como um teste de “verificação da realidade”.

“Não é uma boa notícia acreditarmos que as previsões anteriores são muito baixas”, disse o cientista da mudança climática, Aslak Grinsted, coautor e professor associado do Instituto Niels Bohr.

“Os modelos usados ​​para basear as previsões do aumento do nível do mar no momento não são sensíveis o suficiente”, disse ele. “Para ser mais claro, eles não atingem o alvo quando os comparamos com a taxa de aumento do nível do mar que vemos quando comparamos cenários futuros com observações voltando no tempo.”

No entanto, ele esperava que seu método de teste pudesse ser usado para restringir os modelos, torná-los mais confiáveis ​​e reduzir a incerteza. Ele disse que o artigo foi enviado aos cientistas do nível do mar do IPCC.

As previsões de aumento usadas pelo IPCC são baseadas em um “quebra-cabeça” de modelos para mantos de gelo, geleiras e expansão térmica ou aquecimento do mar. Quanto mais a temperatura subir, mais alto será o nível do mar.

Mas, disse Grinsted, às vezes apenas uma quantidade limitada de dados estava disponível para os modelos serem testados. Praticamente não havia dados sobre a taxa de derretimento da Antártica antes das observações de satélite na década de 1990, disse ele. Grinsted descobriu que, embora os dados individuais, quando testados para trás no tempo, de 1850 a 2017, refletissem o aumento real do nível do mar, quando os dados foram combinados as previsões eram muito conservadoras.

“Temos melhores dados históricos para o aumento do nível do mar no total, o que, em princípio, permite um teste do quebra-cabeça combinado de modelos”, disse Grinsted.

A equipe de pesquisa do Instituto Niels Bohr espera que seu método para validar cenários futuros olhando para o passado possa ganhar uma base em como a elevação do nível do mar será analisada.

Jens Hesselbjerg Christensen, professor da seção de gelo, clima e geofísica do Instituto e coautor do artigo, disse: “Esperamos que essa nova métrica de comparação seja adotada e possa se tornar uma ferramenta que possamos aplicar na comparação de modelos diferentes”.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian”  [Aqui!].