Nordea retira investimentos e cessa relações com a JBS por causa da falta de compromisso ambiental

Investidores descartam gigante de carne brasileira JBS

Principal casa de investimento exclui maior produtor mundial de carne por falta de compromisso com questões de sustentabilidade

 

guardian 1Os investidores estão cada vez mais preocupados com a sustentabilidade. Foto: Ricardo Moraes / Reuters

Por Dom Phillips no Rio de Janeiro, para o “The Guardian”

O braço de investimentos do maior grupo de serviços financeiros do norte da Europa retirou a JBS, a maior processadora de carne do mundo , de seu portfólio. A empresa brasileira agora está excluída dos ativos vendidos pela Nordea Asset Management, que controla um fundo de €230 bilhões, de acordo com Eric Pedersen, seu chefe de investimentos responsáveis.

A decisão foi tomada há cerca de um mês, sobre os vínculos do gigante da carne com fazendas envolvidas no desmatamento da Amazônia, sua resposta ao surto de COVID-19, escândalos de corrupção anteriores e frustrações pelo envolvimento com a empresa em tais questões. “A exclusão da JBS é bastante dramática para nós, porque é de todos os nossos fundos, e não apenas daqueles rotulados como ESG”, disse Pedersen.

o termo ESG representa os padrões “ambientais, sociais e governamentais ” usados ​​para avaliar a sustentabilidade e o impacto social de uma empresa para os investidores. Um terço dos investimentos da Nordea Asset Management são classificados como ESG, disse Pedersen. A Nordea foi uma das 29 instituições financeiras internacionais que administravam US $ 3,7 trilhões em fundos que alertaram o governo brasileiro no mês passado sobre o aumento do desmatamento. No ano passado, a Nordea suspendeu a compra de títulos do governo brasileiro após a crise na Amazônia.

Somente no ano passado, cinco reportagens do The Guardian, do Bureau of Investigative Journalism, da agência brasileira Réporter Brasil, do Greenpeace e da Anistia Internacional, vincularam a JBS ao gado fornecido pelas fazendas da Amazônia envolvidas no desmatamento.

Embora a empresa tenha avançado no controle de seus “fornecedores diretos” – as fazendas das quais seus matadouros obtêm gado -, é incapaz de controlar seus “fornecedores indiretos”. São fazendas de criação ou criação de gado que vendem para fazendas que, por sua vez, abastecem matadouros da JBS. Em alguns casos, as “fazendas limpas” têm links para “fazendas sujas” – ou são administradas pelas mesmas pessoas, como no caso mais recente revelado na segunda-feira.

A JBS e os outros produtores de carne em larga escala do Brasil, Minerva e Marfrig, estão sujeitos a controvérsias sobre o suprimento de gado na Amazônia há mais de uma década.

Em 2009, após um relatório devastador do Greenpeace , JBS, Marfrig, Minerva e outras empresas se comprometeram a parar de comprar de qualquer fornecedor direto envolvido no desmatamento. Em dois anos, eles prometeram verificar se seus fornecedores indiretos também não estavam envolvidos no desmatamento – mas essa promessa ainda não foi cumprida. No mesmo ano, a JBS, Minerva e Marfrig assinaram acordos semelhantes com os promotores federais .

Em 2017, a JBS foi multada em US $ 7,7 milhões pela agência governamental ambiental Ibama por comprar mais de 49.000 bovinos de áreas desmatadas ilegalmente no estado do Pará, na Amazônia – algumas de fornecedores indiretos. Como resultado, o Greenpeace desistiu do acordo, mas o acordo com os promotores federais ainda permanece. Em julho de 2019, uma investigação publicada pelo The Guardian, pelo Bureau of Investigative Journalism e pela Reporter Brasil constatou que os matadouros da JBS no mesmo estado compraram gado de fazendas pertencentes à AgroSB Agropecuária SA, uma poderosa empresa de pecuária.

Essas fazendas tinham sido abastecidas com gado de outra fazenda pertencente à mesma empresa – uma fazenda com uma longa história de multas e embargos de terra para desmatamento. A AgroSB disse que o desmatamento ocorreu antes de comprar a terra em 2008. A JBS disse que não comprou gado de terras desmatadas ilegalmente ou embargadas contra uso para pecuária e que sua própria auditoria independente de 2018 mostrou que mais de 99,9% de suas compras cumpriu os termos do acordo do Greenpeace. Não afirmou que sua auditoria independente reconheceu que a empresa não era capaz de auditar seus fornecedores indiretos. E no início deste ano uma investigação da Réporter Brasil publicada pelo The Guardian vinculou a empresa a um agricultor cuja fazenda, de acordo com imagens de satélite, havia desmatado extensivamente em 2015. Uma serraria que o agricultor possuía em outro local também possuía uma longa lista de multas. Recentemente, um tribunal retirou as acusações contra ele em outro caso envolvendo o massacre de nove homens.

4351Grandes frigoríficos brasileiros dizem que estão trabalhando para melhorar a transparência em suas cadeias de suprimentos. Foto: Joedson Alves / EPA

A JBS reiterou sua posição anterior de que não comprava gado de fazendas envolvidas em desmatamento, invasão de reservas indígenas, conflitos rurais ou conflitos de terra, e negou que o agricultor tivesse sido um fornecedor. A empresa disse que monitorou mais de 50.000 fazendas potenciais de fornecimento de gado todos os dias e bloqueou mais de 8.000 devido à não conformidade.

A JBS disse ao The Guardian: “A rastreabilidade total de nossa cadeia de suprimentos, incluindo soluções viáveis ​​para monitorar o suprimento indireto, continua sendo uma prioridade. Novas iniciativas foram propostas e estão sendo examinadas com as partes interessadas, além das políticas substanciais que já foram implementadas. ” Em 1º de julho, a JBS introduziu um novo “índice teórico” que usa a produtividade de uma fazenda para calcular se há suspeita de lavagem de gado e agora verifica as fazendas de fornecedores quanto a embargos do Ibama.  A JBS também disse que está trabalhando em uma versão “verde” dos registros de movimentação de gado com o Ministério da Agricultura do Brasil que mostraria o status ambiental das fazendas fornecedoras. A empresa disse que está discutindo o esquema com o ministério desde 2014.

A Marfrig repetiu suas declarações anteriores e disse estar “totalmente consciente dos desafios relacionados à cadeia de produção animal”, destacando seu mecanismo pelo qual os agricultores fornecem informações sobre seus fornecedores. Ele disse que 53% de seu gado amazônico veio de fornecedores indiretos. A Minerva disse que suas compras de gado na Amazônia eram “100% feitas em fazendas monitoradas”, mas que não era possível rastrear completamente os movimentos de gado na Amazônia sem acesso total aos dados do governo, o que não a empresa declarou não possuir.

Em junho deste ano, uma investigação do Greenpeace relatada pelo The Guardian constatou que a JBS, Marfrig e Minerva haviam comprado gado de uma fazenda que fornecia gado de outra fazenda dentro de uma reserva protegida no estado de Mato Grosso, em co-propriedade do mesmo proprietário – acusado de crimes ambientais. De acordo com um relatório do Observer de 2017 , a JBS havia dito que havia bloqueado as compras de fazendas dentro da reserva.

Neste mês, a Anistia Internacional, com a Repórter Brasil, revelou que o gado que era alimentado em pastos estabelecidos ilegalmente em áreas protegidas do estado da Amazônia de Rondônia havia entrado na cadeia de suprimentos da JBS.

A JBS diz que a empresa “está totalmente comprometida em alcançar uma cadeia de suprimentos de carne sem desmatamento e evitar fornecedores irregulares. Reconhecemos que a rastreabilidade indireta do fornecedor continua sendo um problema no nível do sistema no Brasil e estamos trabalhando com as partes interessadas do governo e da indústria para encontrar soluções viáveis. Instamos qualquer pessoa com evidência de negligência a denunciá-la às autoridades competentes. Também operamos uma linha direta de denúncias da empresa para qualquer funcionário entrar em contato se vir ou suspeitar de irregularidades. ”

Mas Pedersen disse que escândalos como esses, e a resposta da JBS a eles, influenciaram a decisão da Nordea de excluir a empresa de seu portfólio.

“Tivemos várias reuniões com eles no Brasil e atualizações regulares por telefone e vídeo e não ficamos impressionados com o nível de compromisso que poderíamos ver do lado deles”, disse ele. “Se não vemos progresso, temos que dar esse passo.”

A sustentabilidade é cada vez mais importante não apenas para investimentos em ESG, disse Pedersen, mas também para produtos padrão. “Também estamos trabalhando com a Minerva e, claro, com a Marfrig”, disse ele. “O bar continua subindo.”

A JBS disse ao Guardian que não comenta o diálogo com seus acionistas.

Em 23 de julho, a Marfrig lançou seu próprio plano ambicioso para monitorar todos os fornecedores indiretos na Amazônia até 2025 e na região de Cerrado no Brasil até 2030, usando chips em gado, monitoramento por satélite, blockchain e mapas de risco, bem como esquemas para ajudar os agricultores anteriormente envolvidos no desmatamento produz de forma sustentável.

“Faltam detalhes de quando será iniciado, qual é a meta por ano, qual sistema será usado”, disse Daniel Azeredo, o promotor federal envolvido nos acordos de 2009 com as empresas de carne, mas enfatizou: “É positivo plano.” Adriana Charoux, ativista florestal sênior do Greenpeace Brasil, disse que os prazos da empresa eram muito longos. “A Marfrig conhecia as raízes desse problema em 2009”, disse ela.

Minerva disse que em julho começou a testar o Visipec , uma ferramenta de rastreamento baseada em nuvem desenvolvida pela Universidade de Wisconsin e pela Federação Nacional da Vida Selvagem dos EUA. Ele disse que monitora mais de 9.000 fornecedores na Amazônia, mas disse que “atualmente não há dados e estatísticas acessíveis … para determinar o número de fornecedores indiretos no Brasil”.

fecho

Esta reportagem foi inicialmente escrita em inglês e publicada pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Grupo de jornalistas investigativos revela ligações da JBS com desmatamento ilegal na Amazônia

Gigante brasileiro da carne transportou gado de fazenda desmatada na Amazônia

bji 7

Por Andrew Wasley Alexandra Heal e André Campos para

Gabinete de Jornalismo Investigativo

Em um dia ensolarado em julho de 2019, Alessandro Ale, motorista de caminhão, decidiu tirar algumas fotos enquanto dirigia em um comboio pelo extremo sul da floresta amazônica. Ele pegou o táxi do seu caminhão – estampado com o logotipo da JBS, a maior empresa de carnes do mundo – ao lado de uma placa chamada “Fazenda Estrela do Aripuanã”, antes de ele e os outros quatro motoristas partirem com sua carga de cerca de 250 bovinos. Ele gostou da jornada. “Trabalhar com bons colegas é sempre um passeio alegre”, ele legendou a foto no Facebook.

Mas a foto de Ale, posteriormente descoberta pelo Repórter Brasil e pelo The Bureau of Investigative Journalism, aumenta as preocupações sobre a culpabilidade da indústria mundial de carne bovina pelos incêndios que assolam a Amazônia a cada ano. Em junho, houve incêndios recordes na Amazônia, atingidos pelo desmatamento ilegal, já que os proprietários de fazendas buscam mais terras para se transformar em pastagens.

A JBS, que fornece gado da Amazônia para seu enorme mercado global de carne bovina, tem receita anual de US$ 50 bilhões e abate quase 35.000 bovinos por dia somente no Brasil. Suas exportações de carne bovina para a Europa continental aumentaram em um quinto nos últimos anos, apesar da emergência na Amazônia.

À medida que os protestos contra os incêndios na Amazônia aumentaram, a JBS disse repetidamente que está fazendo tudo o que pode para garantir que sua cadeia de suprimentos não inclua gado criado em terras desmatadas ilegalmente. Mas sempre acrescentou que só pode monitorar fazendas que o fornecem diretamente. Isso evita o acerto de contas com o grande número de fazendas, que apenas criam vacas “magras” que são vendidas para fazendas de engorda; Segundo a JBS, esses bovinos magros não são rastreáveis.

bji6Uma foto que Ale postou no Facebook de seu caminhão estacionado ao lado da placa Estrela da Aripuanã. Facebook

Até agora, essa garantia se mostrou boa o suficiente para os grandes varejistas e fabricantes de alimentos do mundo e os investidores da JBS – mas enfrenta um desafio significativo à luz da fotografia de Ale. O dono da Fazenda Estrela do Aripuanã, a fazenda onde Ale disse que pegou o gado magro, foi multado em R$ 2,2 milhões (£ 340.000) por destruir uma faixa da floresta amazônica em terra naquele rancho. E o gado que Ale levou embora, em um caminhão com o logotipo da JBS, foi para outra fazenda da empresa – aquela que abastece diretamente a JBS.

As revelações levantam sérias questões que exigem uma investigação mais urgente para a JBS, seus investidores e as empresas globais que compram carne bovina por sua responsabilidade de contribuir para a destruição da floresta amazônica, os “pulmões do planeta”.

Reagindo às conclusões, Zac Goldsmith, ministro internacional do meio ambiente, disse que o governo do Reino Unido está analisando atentamente as recomendações feitas em um relatório independente encomendado pelo governo sobre a redução do desmatamento causado pelos produtos importados da Grã-Bretanha. O relatório sugeria uma legislação que exigia que as empresas britânicas prevenissem danos ambientais e violações dos direitos humanos em suas cadeias de fornecimento, e nomeou a carne bovina como uma das mercadorias mais arriscadas.

“Existe uma conexão extremamente importante entre os produtos que compramos e sua maior pegada ambiental”, disse Goldsmith. “Muito progresso já foi feito para tornar as cadeias de suprimentos do Reino Unido mais sustentáveis, mas sabemos que mais precisa ser feito.”

A JBS contestou as conclusões do The Bureau of Investigative Journalism e acrescentou que tais práticas “não refletem seus padrões operacionais”. A empresa enfatizou que auditorias independentes mostram que nenhum gado em sua cadeia de suprimentos direta é proveniente de floresta tropical recém-desmatada. Mas especialistas disseram à Repartição que acreditam que até 50% do gado criado na Amazônia provavelmente vem de fazendas que não são cobertas pelas auditorias, o que significa que poderiam vir de fazendas ilegalmente desmatadas como a Fazenda Estrela do Aripuanã.

bji5

A JBS começou como uma açougue familiar no Brasil, mas se tornou a maior empresa de carnes do mundo – suas subsidiárias controlam vastas faixas de produção de frango nos EUA e no Reino Unido, e sua carne é exportada para todo o mundo.

Esse crescimento teve um custo. Em 2017, a holding da JBS pagou uma das maiores multas da história corporativa global, em US $ 3,2 bilhões, depois de admitir o suborno de centenas de políticos. Os irmãos Batista, que assumiram o negócio da família de seu pai, foram investigados várias vezes .

O Bureau, trabalhando com o Repórter Brasil e o Guardian, cavou repetidamente os vínculos entre a empresa e o desmatamento na Amazônia , que quase dobrou no ano passado. Em 2019, os números revelaram como até 5.800 quilômetros quadrados de floresta – uma área quatro vezes maior que a da Grande Londres – estavam sendo cortados todos os anos na Amazônia e em outras áreas no Brasil para serem convertidos em pastagem de gado.

A JBS, como outros grandes produtores de carne bovina, afirma ter uma abordagem de “tolerância zero” ao desmatamento ilegal e introduziu sofisticados sistemas de monitoramento para seus fornecedores diretos. A todo momento, a empresa insiste em que é impossível monitorar seus fornecedores indiretos, porque não há registros disponíveis publicamente de gado movendo-se entre fazendas em diferentes estágios do processo de criação.

Esse argumento transfere a responsabilidade para o governo brasileiro e há pressão internacional para fechar a brecha. Angus MacNeil MP, presidente do comitê internacional de seleção de comércio, disse ao The Bureau of Investigative Journalism que o Brasil teria que “limpar sua ação … ou certamente as nações terão que agir”.

Ele acrescentou: “Em toda a Europa existe um sistema de rastreamento de gado, para que as pessoas saibam onde nascem os bezerros e possam ser rastreados durante a vida. No Brasil, essa é uma enorme brecha. É uma questão ainda mais séria que o bem-estar e os padrões, pois é o desmatamento da Amazônia, os pulmões da terra estão em risco. ”

Delara Burkhardt, eurodeputada alemã, está menos convencida de que apenas os governos podem agir. “Que as empresas não podem monitorar a pegada de desmatamento de muitos de seus fornecedores é um argumento que ouvimos frequentemente. Isso não pode ser uma desculpa … Grandes empresas – como a JBS – com sua grande influência nos fornecedores upstream poderiam consertar isso, se quisessem ou se fossem obrigadas a fazê-lo pelas leis dos países importadores ou nacionais.

Os críticos dizem que a situação – que afeta todas as empresas de carne bovina originárias da Amazônia, incluindo os principais rivais da JBS, Marfrig e Minerva Foods – permite uma forma de “lavagem de gado”, na qual animais de fazendas “sujas” ligadas ao desmatamento podem acabar sendo movidos e misturado com gado de fazendas “limpas”.

Publicamente, tanto a indústria brasileira de carnes quanto seus críticos concordam que combater a rastreabilidade do gado é essencial para preservar a floresta tropical.

Mas as fotografias de Ale, com referência cruzada a outros registros, levantam sérias preocupações de que, longe de ser incapaz de monitorar os diferentes atores de sua cadeia de suprimentos, a JBS possa ter facilitado a lavagem de gado.

bji 3A história do comboio de Ale mostra a rapidez com que o gado supostamente não rastreável de fazendas diretamente ligadas à destruição ilegal da Amazônia poderia chegar às fazendas que alimentam a cadeia de suprimentos global da JBS.

Ale e seus colegas estavam transportando gado pela floresta tropical da Fazenda Estrela do Aripuanã, uma fazenda no noroeste de Mato Grosso, para uma fazenda mais ao sul. A Amazônia cobre cerca de 40% do Brasil.

A Fazenda Estrela do Aripuanã – a primeira fazenda na qual a Ale apanha o gado – é operada por Ronaldo Venceslau Rodrigues da Cunha, um empresário que cria gado e tem uma das maiores empresas de carne bovina do Brasil.

Sua empresa possui 102.000 bovinos criados e engordados em 16 fazendas que abrangem cerca de 72.000 hectares de pastagem. Seu site conta a história colorida de como o império de gado de Cunha cresceu desde um começo humilde, completo com detalhes de várias tragédias familiares e os altos e baixos do comércio de gado.

O que não menciona é que a fazenda Estrela do Aripuanã foi previamente multada em R$ 2,2 milhões por desmatamento da floresta tropical. Os registros publicados pelo Ibama, órgão ambiental brasileiro, mostram claramente 1.455 hectares de terra sob embargo oficial – que proíbe a pastagem de gado – como resultado do desmatamento. Os embargos são impostos por violações ambientais e servem como punição e medida protetora para permitir a recuperação da terra.

O site também não menciona que a fazenda Aripuanã foi devastada por vários incêndios florestais entre 2018 e 2019. (O The Bureau of Investigative Journalism conseguiu cruzar conjuntos de dados de referência sobre os incêndios no Brasil com mapas dos limites da fazenda para localizar essas chamas – e outras em anos anteriores – em terra do fazendeiro.)

Embora não haja sugestão de que esses incêndios tenham sido deliberadamente iniciados para limpar mais florestas para pastagens, eles mostram como as terras desmatadas podem ser vulneráveis ​​a incêndios.

bj1 2Desmatamento deixa a Amazônia vulnerável a incêndios. Imagem cortesia do Greenpeace

Ale e seus companheiros motoristas da JBS parecem ter levado o gado Aripuanã para uma segunda fazenda também administrada pela empresa Cunha, Fazenda Estrela do Sangue, a cerca de 300 km de distância. A Sangue, diferentemente da Aripuanã, não possui embargos devido ao desmatamento e, portanto, seria considerada um fornecedor “limpo”.

Embora o post de Ale no Facebook o tenha mostrado fazer essa jornada apenas uma vez, o Bureau estabeleceu desde então que o gado é transportado regularmente da fazenda Aripuanã para a fazenda Sangue.

Os registros de movimentação de gado vistos pelo Bureau mostram que de junho de 2018 a agosto de 2019, pelo menos 7.000 animais foram despachados da primeira fazenda para a segunda. Registros separados mostram que a fazenda Sangue enviou cerca de 7.000 bovinos para matadouros da JBS entre novembro de 2018 e novembro de 2019.

A empresa de Cunha não respondeu a um pedido de comentário.

Embora seja impossível rastrear os movimentos e destinos exatos de cada animal, a regularidade dos movimentos de gado entre as fazendas – e o número considerável de animais do segundo rancho que terminam nas fábricas de carne da JBS – fornece algumas das evidências mais fortes ainda sugerindo a maneira pela qual a lavagem de gado pode ocorrer na prática.

O The Bureau of Investigative Journalism encontrou evidências de que a JBS promover repetidamente o uso de caminhões próprios para o transporte de gado entre fornecedores indiretos e fornecedores diretos. Os executivos da JBS promovem as rotas como “viagens de três pernas”: pegar gado “magro” em uma fazenda, trocá-los por vacas engordadas em um segundo e terminar a jornada em um matadouro. As postagens de Ale no Facebook contam uma história semelhante, parecendo mostrá-lo transportando gado entre diferentes fazendas em pelo menos uma outra viagem.

A revelação, disseram os ativistas, pressiona empresas de todo o mundo a rever seus laços com a JBS, caso desejem evitar estar ligadas a preocupações com a destruição da Amazônia.

“Vez após vez, a JBS foi pega em flagrante lucrando com a destruição da Amazônia”, disse John Sauven, diretor do Greenpeace do Reino Unido.

“Agora estamos enfrentando um colapso climático e natural, e a JBS tem um peso significativo de responsabilidade. Com os produtos de carne da JBS terminando em supermercados e restaurantes de fast food em todo o mundo, não há mais desculpas. Os varejistas devem parar de negociar com todas as empresas pertencentes à JBS enquanto ainda temos o suficiente da Amazônia para lutar. ”

bj1 1Terra limpa para pastagem de gado. Imagem cortesia do Greenpeace

O gado criado e abatido no Brasil se transforma em carne bovina vendida em todo o mundo.

Em 23 de outubro do ano passado, enquanto partes da floresta amazônica ainda estavam queimando, um grande carregamento de carne brasileira estava sendo descarregado nas docas de Londres. Pesando mais de 25 toneladas, em 40 contêineres separados cheios de carne congelada, a remessa passou dias no mar após ser carregada em um navio no porto brasileiro de Itapoá.

De acordo com um banco de dados comercial líder, era apenas uma das 500 remessas similares – 11.500 toneladas de carne bovina no total – da JBS para chegar ao Brasil do Reino Unido entre maio de 2019 e abril de 2020. Embora não sejam insignificantes, as importações do Reino Unido são diminuídas pelo fornecimento para a Europa; A JBS exportou mais de 46.500 toneladas de carne bovina para o continente no mesmo período.

Os números mostram com que facilidade a carne bovina fornecida por empresas como a JBS pode alcançar consumidores internacionais, muitos dos quais podem ficar chocados ao saber que a carne que compram está alimentando diretamente a devastação na maior floresta tropical do mundo.

No ano passado, um estudo da Trase – uma iniciativa da cadeia de suprimentos administrada pelo Instituto Ambiental de Estocolmo e pela ONG Global Canopy – revelou que as exportações globais de carne bovina da JBS estavam ligadas a até 300 km2 de desmatamento por ano no Brasil. (As exportações dos outros dois gigantes da carne, Minerva Foods e Marfrig, estavam ligadas a 100 km quadrados de perda de floresta anualmente.)

Posteriormente, a Repartição revelou como as três empresas enviaram US $ 3 bilhões em carne bovina para a Europa por um período de cinco anos. Somente o Reino Unido havia importado £ 1 bilhão em carne . As importações europeias da JBS, Marfrig e Minerva também parecem ter aumentado 14% entre maio de 2017 e abril de 2020.

Grande parte da carne brasileira fornecida ao Reino Unido é vendida enlatada, com carne enlatada destinada a supermercados e outros varejistas. A carne congelada, como os casos descarregados nas docas de Londres, geralmente é importada para atacadistas e fabricantes. A partir daí, poderia acabar em jantares hospitalares, refeições prontas e fast food, através de uma cadeia de empresas de catering e produção de alimentos. A carne bovina da JBS foi encontrada à venda nos supermercados britânicos Sainsbury’s, Asda, Lidl, Morrisons e Co-op.  A carne enlatada da JBS também foi vendida para a cadeia de suprimentos do NHS, que fornece fundos hospitalares.

A JBS disse ao The Bureau of Investigative Journalism que investigou as evidências e descobriu que “a fazenda de coleta não estava dentro de nenhuma área embargada”, de acordo com o sistema da empresa. A JBS disse que introduziu um novo sistema em 1º de julho que “esperava causar um impacto significativo na redução da lavagem de gado… Estamos trabalhando para uma cadeia de suprimentos completamente transparente”.

A empresa acrescentou que “não compra gado de fazendas envolvidas em irregularidades” e “adota uma abordagem inequívoca de desmatamento zero”. Um porta-voz disse: “A JBS sempre esteve na vanguarda das iniciativas do setor para combater a chamada ‘lavagem de gado’”.

A JBS afirmou que sua operação de transporte rodoviário garante que “o gado seja transportado de acordo com os mais altos padrões de bem-estar animal” e que suas operações “reduzam o impacto ambiental do transporte de gado, otimizando a frota de caminhões”.

bj1 0

Políticos, ativistas e reguladores estão cientes de como o consumo de carne bovina do oeste está ligado à queima da Amazônia.

Em junho, investidores globais dos EUA, Europa e Ásia, administrando juntos US$ 3,7 bilhões em ativos, exigiram que o governo brasileiro reprimisse o desmatamento e ameaçasse o desinvestimento caso a situação não mudasse.

A Comissão Européia também está considerando medidas regulatórias para combater o desmatamento, desde requisitos mais rigorosos de rotulagem até proibir a importação de produtos agrícolas que danificam o meio ambiente. Em outubro, os eurodeputados votarão se a comissão deve se concentrar no último, que proibiria a importação de produtos como carne, soja e óleo de palma, onde estão ligados ao desmatamento.

É um momento crucial para a ação, acreditam os ativistas, porque o acordo comercial do Mercosul da UE com os países da América do Sul – que daria aos produtores de carne bovina no Brasil acesso com tarifas reduzidas ao mercado europeu – está aguardando ratificação.

A finalização do acordo este ano é considerada uma prioridade para o governo alemão. Em junho, no entanto, o presidente Macron expressou sua oposição por causa de preocupações com o desmatamento. Os governos holandês, austríaco, irlandês e belga também se opõem ao acordo pelo mesmo motivo, bem como à ameaça aos agricultores europeus.

No verão passado, o primeiro-ministro da Inglaterra, Boris Johnson, se recusou a se juntar a Macron na crítica ao governo Bolsonaro por causa da crise de incêndios, pela qual mais tarde foi agradecido pelo embaixador brasileiro . Os críticos sugeriram que os padrões ambientais provavelmente serão sacrificados à medida que o Reino Unido busca acordos comerciais após o Brexit. No ano passado, uma autoridade brasileira disse que o país estava buscando um acordo comercial do Mercosul com o Reino Unido, semelhante ao acordo da UE.

 

fecho

Esta reportagem foi escrita originalmente em inglê e publicada pelo “The Bureau of Investigative Journalism” [Aqui!].

Empresa critica uso de suas auditorias pela JBS para justificar que suas operações não causam danos à Amazônia

boi-a-pasto-768x432

Uma empresa de auditoria que monitorou a cadeia de fornecimento da JBS, líder mundial do setor de carne bovina, criticou a empresa por ter declarado falsamente que suas operações na região amazônica brasileira não envolvem desmatamento, revelou a Anistia Internacional hoje.

Em correspondência com a Anistia Internacional, a empresa de auditoria independente norueguesa DNV GL Business Assurance, contratada pela JBS para auditar sua cadeia de fornecimento entre 2017 e 2019, confirmou que nunca auditou os fornecedores indiretos da JBS no Brasil e observou que “o relatório de avaliação emitido pela DNV GL não pode ser usado como evidência de boas práticas em toda a cadeia de fornecimento”.

“A empresa de auditoria DNV GL essencialmente criticou a JBS por utilizar suas auditorias para encobrir o fato de a JBS não ter monitorado toda sua cadeia de fornecimento”, disse Richard Pearshouse, diretor de Crises e Meio Ambiente na Anistia Internacional.

“Mais uma vez, isso vem destacar que a JBS monitora apenas as fazendas finais das quais compra gado bovino, não as fazendas onde esse gado foi criado anteriormente. Como revelou nossa pesquisa, em vários casos, em 2019, esse gado bovino incluiu gado criado em fazendas ilegais que ocupam áreas protegidas da floresta amazônica que foram desmatadas.

“A Anistia Internacional reitera seu chamado à JBS para adotar imediatamente um sistema efetivo de monitoramento de toda sua cadeia de fornecimento, inclusive de seus fornecedores indiretos, para garantir que sua carne bovina seja de fato livre de desmatamento, e que isso possa ser certificado”.

A correspondência da DNV GL destaca: “Os fornecedores indiretos não foram examinados pela DNV GL e declarados isentos de desmatamento. A JBS não possuía sistemas implementados para rastrear a cadeia de fornecimento indireta; logo, os fornecedores indiretos não foram avaliados durante a auditoria. O Compromisso Público da Pecuária abrange a cadeia de fornecimento indireta, mas a JBS não havia implementado sistemas para atender a esse requisito.”

Contexto

Em 15 de julho, a Anistia Internacional divulgou o relatório Da Floresta à Fazenda – Gado criado ilegalmente na Amazônia brasileira encontrado na cadeia de fornecimento da JBS . Baseado em extensa pesquisa de campo, análise de dados governamentais e análise de imagens de satélite, o relatório revela como gado bovino criado ilegalmente em três áreas protegidas no estado de Rondônia, norte do Brasil, entrou na cadeia de fornecimento da JBS, em 2019.

Horas após a publicação do relatório, o Ministério Público Federal, em Rondônia, anunciou que vai abrir uma investigação sobre as descobertas da Anistia Internacional em relação à JBS.

Antes de publicar seu relatório, a Anistia Internacional buscou informações específicas da JBS sobre se a empresa havia processado gado bovino de fazendas situadas nas três áreas protegidas. A empresa respondeu: “Não compramos gado de qualquer fazenda envolvida na pecuária ilegal em áreas protegidas” e disse que adota “abordagem inequívoca de desmatamento zero em toda sua cadeia de fornecimento”.

A JBS também declarou: “Auditorias independentes realizadas nos últimos seis anos pelas empresas de auditoria DNV-GL e BDO, líderes globais, revelam que mais de 99,9% das aquisições de gado bovino feitas pela JBS de fazendas localizadas na área amazônica atendem aos critérios socioambientais da empresa. Isso inclui critérios de desmatamento zero”.

A JBS não respondeu a uma pergunta sobre o monitoramento de fornecedores indiretos, observando em lugar disso que “a rastreabilidade de toda a cadeia de fornecimento da carne bovina é um desafio de toda a indústria e uma tarefa complexa”.

A Anistia Internacional não encontrou qualquer evidência que indicasse envolvimento direto da JBS em abusos de direitos humanos nos três locais investigados. Contudo, em todas as três áreas, recentes apropriações ilegais de terras levaram a uma perda de terras tradicionais, que sob a lei brasileira são protegidas. Os direitos dos povos indígenas às suas terras são protegidos sob a lei internacional de direitos humanos. A pecuária bovina comercial é proibida por lei nos três locais.

Brasil: gado bovino criado ilegalmente na Amazônia é encontrado na cadeia de fornecimento da JBS, líder do setor de carne bovina

  • Dados do governo indicam forte aumento da pecuária bovina comercial ilegal em áreas protegidas da Amazônia brasileira
  • • Pecuária comercial ilegal impulsiona apropriações de terras, violência e ameaças contra povos indígenas e moradores tradicionais de reservas extrativistas
  • • JBS é instada a implementar sistema de monitoramento efetivo até o final de 2020

capa-do-relatorio-substituirCriação de gado em propriedade rural dentro da Reserva Rio Ouro Preto em Rondônia – Julho 2019

Gado bovino criado ilegalmente em áreas protegidas da floresta amazônica brasileira entrou na cadeia de fornecimento da maior produtora de carne bovina do mundo, a JBS, disse a Anistia Internacional hoje em relatório de 72 páginas, Da Floresta à Fazenda .

relatório anistia

Ao não monitorar efetivamente a entrada de gado bovino em sua cadeia indireta de fornecimento, a JBS falha na adoção de um processo adequado de devida diligência como estabelecido nos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos . De acordo com os Princípios Orientadores da ONU, a JBS contribui para abusos de direitos humanos dos povos indígenas e comunidades tradicionais residentes em reservas extrativistas ao participar nos incentivos econômicos para o gado bovino criado ilegalmente em áreas protegidas, afirma a Anistia Internacional.

“Desde pelo menos 2009 a JBS tem conhecimento dos riscos de gado bovino criado ilegalmente em áreas protegidas entrar em sua cadeia de fornecimento”, disse Richard Pearshouse, diretor de Crises e Meio Ambiente da Anistia Internacional.

“A JBS deixou de implementar um sistema de monitoramento efetivo em sua cadeia de fornecimento, inclusive de seus fornecedores indiretos. Ela precisa reparar os danos causados e imediatamente implementar sistemas para evitar que isso volte a ocorrer”.

Ainda que a Anistia Internacional não tenha encontrado evidências de envolvimento direto da JBS em abusos de direitos humanos nos três locais investigados, pôde constatar que gado bovino criado ilegalmente em áreas protegidas ingressou na cadeia de fornecimento da empresa. A organização exorta a JBS a adotar medidas até o final de 2020 para reparar essa situação.

Maior exportadora mundial de carne bovina

O Brasil tem cerca de 214 milhões de bovinos, mais que qualquer outro país. Sua indústria de carne bovina movimenta R﹩ 618 bilhões (US﹩ 124 bilhões), sendo responsável por 8% do PIB nacional .

Cerca de três quartos da carne bovina brasileira é consumida no país, mas o quarto remanescente entra na cadeia de fornecimento global em quantidades suficientes para fazer do país o maior exportador mundial de carne bovina. Os principais destinos da carne brasileira incluem China, Hong Kong, Egito, Chile, União Europeia, Emirados Árabes Unidos e Rússia.

A região amazônica vem assistindo a maior expansão da indústria brasileira da pecuária bovina. Desde 1988 o número de bovinos na região quase quadruplicou, chegando a 86 milhões em 2018 – 40% do total nacional. Parte dessa expansão vem destruindo grandes áreas de floresta protegida situada em terras indígenas e reservas extrativistas.

Ao todo, 63% da área desmatada entre 1988 e 2014 virou pastagem para gado bovino – uma superfície cinco vezes a de Portugal. A Anistia Internacional documentou esse processo com detalhes em um briefing em novembro de 2019.

De acordo com dados governamentais, as terras indígenas na Amazônia perderam 497km² de floresta entre agosto de 2018 e julho de 2019 – um aumento de 91% em relação ao período anterior.

Abusos de direitos humanos em três áreas protegidas

A Anistia Internacional visitou três locais em sua investigação: a Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau e as reservas extrativistas Rio Jacy-Paraná e Rio Ouro Preto, todas no estado de Rondônia.

A organização não encontrou qualquer evidência que indicasse envolvimento direto da JBS em abusos de direitos humanos nos três locais investigados.

Contudo, em todas as três áreas, recentes apropriações ilegais de terras levaram a uma perda de terras tradicionais, protegidas pela legislação brasileira. Os direitos dos povos indígenas às suas terras são protegidos sob o direito internacional dos direitos humanos. A pecuária bovina comercial é proibida por lei nos três locais.

Ameaças, intimidações e violência frequentemente acompanham essas apropriações ilegais de terras, que ocorrem em um contexto mais amplo de violência no campo. Segundo uma estimativa, em 2019 houve sete assassinatos, sete tentativas de assassinato e 27 ameaças de morte contra indígenas na região amazônica brasileira.

Em dezembro de 2019, alguns indígenas Ueu-Eu-Wau-Wau, enquanto patrulhavam seu território, encontraram uma área de cerca de 200 hectares desmatada e queimada recentemente. Araruna, um Uru-Eu-Wau-Wau de cerca de 20 anos, disse à Anistia Internacional:

“Nos últimos meses estamos preocupados com as invasões que vêm aumentando cada vez mais e chegando mais perto das aldeias. Vimos uma grande derrubada, imensa, recente. Vimos um helicóptero semeando capim para que eles possam colocar gado futuramente”.

Em janeiro de 2019, outro grupo de Uru-Eu-Wau-Wau se deparou com cerca de 40 invasores armados, provavelmente grileiros, na Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, a apenas dois quilômetros de uma aldeia indígena. Outros descreveram anteriormente que ouviram tiros durante a noite ou que receberam ameaças de morte às suas crianças.

Em outros lugares, comunidades inteiras foram expulsas da terra e temem a morte, caso voltem. A maioria dos moradores da Reserva Extrativista do Rio Jacy-Paraná foi expulsa nas duas últimas décadas para dar lugar a fazendas de gado bovino. Segundo uma antiga moradora, restam apenas três pessoas entre as cerca de 60 famílias que antes habitavam a reserva.

“Virou tudo fazenda”, contou Sara, antiga moradora da reserva que foi expulsa de sua terra em 2017, à Anistia Internacional.

Imagens de satélite analisadas pela Anistia Internacional corroboram os depoimentos dos antigos moradores: gado bovino e bebedouros de água agora são visíveis em terras que antes estavam cobertas por florestas.

Os dados não mentem

A lei brasileira exige que agências estaduais coletem dados detalhados sobre a pecuária bovina. Esses dados incluem informações sobre a localização das fazendas de gado bovino, inclusive das que se situam em áreas protegidas; o número, faixa etária e sexo dos bovinos do rebanho, e as movimentações de animais entre fazendas. Apesar desses dados serem de interesse público, eles não estão atualmente disponíveis ao público.

A Anistia Internacional registrou junto à IDARON, a agência de defesa sanitária animal de Rondônia, sete pedidos de informação com base na Lei de Acesso à Informação.

Os dados fornecidos pela IDARON indicam uma expansão forte da pecuária bovina comercial em áreas protegidas em que a atividade é ilegal. Entre novembro de 2018 e abril de 2020, o número de bovinos subiu 22%, de 125.560 para 153.566 animais.

Dados da IDARON também mostram que ao longo de 2019 foram transferidos 89.406 bovinos de fazendas situadas em áreas protegidas em que a pecuária bovina comercial é ilegal. A grande maioria desses animais é enviada para outras fazendas antes de ir para o abate. Isso significa que mesmo o gado bovino de fazendas em situação legal pode ter sido criado anteriormente de modo ilegal em áreas protegidas.

A Anistia Internacional considera que agências estaduais de defesa sanitária animal como a IDARON efetivamente facilitam a pecuária bovina comercial ilegal. Elas facilitam ao registrar fazendas comerciais de gado bovino e emitir documentos para movimentações de gado bovino apesar das fazendas estarem situadas em uma reserva extrativista ou terra indígena.

“Os dados que acessamos e analisamos – fornecidos pelos próprios órgãos governamentais – fazem soar o alarme”, disse Richard Pearshouse “Essa informação não deve ficar escondida do olhar público”.

“Como acabar com a criação ilegal de gado bovino na Amazônia brasileira? Um bom ponto de partida seria parar oficialmente de registrar fazendas comerciais em áreas protegidas e parar de emitir guias de trânsito para o gado bovino oriundo dessas fazendas”.

A cadeia de fornecimento contaminada da JBS

O gado bovino brasileiro frequentemente é transferido entre diferentes fazendas. As fazendas que vendem gado aos frigoríficos são chamadas de fornecedores diretos, e outras fazendas em que o gado pastou antes disso são conhecidas como fornecedores indiretos. Pesquisadores estimam que até 91%-95% das fazendas compram gado de fornecedores indiretos.

A Anistia Internacional, em colaboração com a ONG Repórter Brasil, analisou documentos oficiais de controle de saúde animal que revelam que a JBS comprou gado bovino diretamente de uma fazenda situada na Reserva Extrativista do Rio Ouro Preto em duas ocasiões em 2019.

Além disso, em 2019 a JBS comprou gado bovino várias vezes de dois fazendeiros que operam tanto fazendas ilegais em áreas protegidas, quanto fazendas legais fora dessas áreas. Um dos fazendeiros cria gado ilegalmente na Reserva Extrativista do Rio Jacy-Paraná e o outro na Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau.

Em ambos os casos, os fazendeiros registraram movimentações de gado bovino de uma fazenda no interior de uma das áreas protegidas para uma fazenda fora da área protegida e, em seguida, registraram movimentações separadas de gado bovino da fazenda legal para a JBS.

Em duas ocasiões, a segunda movimentação foi registrada apenas minutos após a primeira. As duas movimentações envolveram um número idêntico de animais, da mesma faixa etária e do mesmo sexo. Os animais tinham mais de 36 meses de idade, uma faixa etária comum do gado bovino que é levado para o abate. De acordo com especialistas entrevistados pela Anistia Internacional, isso pode ser indício da prática de lavagem de gado.

A lavagem de gado – transferir gado entre fazendas intermediárias para dar uma aparência de legalidade aos animais – burla os sistemas de monitoramento existentes.

A Anistia Internacional buscou informações específicas da JBS para saber se em 2019 a empresa processou animais vindos de fazendas situadas nas três áreas protegidas. A empresa respondeu: “Não compramos gado bovino de qualquer fazenda envolvida na pecuária ilegal em áreas protegidas” e disse ainda que a empresa adota uma “abordagem inequívoca de desmatamento zero em toda sua cadeia de fornecimento”.

Ela também afirmou: “A JBS monitora de perto seus fornecedores para verificar o cumprimento de todos os aspectos de nossa Política de Compra Responsável e não identificou previamente quaisquer problemas relacionados a abusos de direitos humanos de comunidades indígenas ou outros grupos protegidos”.

A JBS não respondeu a uma pergunta sobre o monitoramento de seus fornecedores indiretos, destacando em lugar disso que “a rastreabilidade de toda a cadeia de fornecimento é um desafio de toda a indústria e uma tarefa complexa”.

A JBS tem conhecimento dos riscos de que gado bovino ilegal entre em sua cadeia de fornecimento – em 2009 a empresa assinou dois acordos contra o desmatamento com o Ministério Público Federal e, em separado, com o Greenpeace –, mas tomou medidas insuficientes para resolver o problema. Auditorias externas observaram que a JBS não monitora seus fornecedores indiretos.

A Anistia Internacional exorta a JBS a adotar prontamente um sistema de monitoramento efetivo, inclusive de seus fornecedores indiretos, e a garantir que gado bovino criado ilegalmente em áreas protegidas durante alguma etapa de sua vida não entre na cadeia de fornecimento da empresa. No mais tardar, esse sistema deve ser implementado até o final de 2020.

Um procurador federal no Pará concluiu em 2019 que: “Hoje nenhuma empresa que compra da Amazônia pode afirmar que não tem gado de desmatamento em sua atividade produtiva (…) Nenhuma empresa frigorífica e nenhum supermercado também”.

“Com o desmatamento na Amazônia no nível mais alto em uma década, cabe agora à JBS e outros frigoríficos no Brasil adotar processos de diligência devida para garantir que seus fornecedores diretos e indiretos não estejam contribuindo para abusos de direitos humanos contra povos indígenas e moradores tradicionais da Amazônia”, disse Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil.

 

Pesquisa aponta frigoríficos e produtores de soja com maior risco de serem associados a queimadas

Commodities agrícolas foram as grandes responsáveis por incêndios na Amazônia, segundo estudo que cruza dados da Nasa com cadeias de suprimentos das empresas

The Companies Behind the Burning of the Amazon

por Marcelo Coppola*

Em agosto do ano passado, imagens dos incêndios na Amazônia atraíram a atenção do mundo todo. Chefes de governo, organizações multilaterais, ambientalistas e celebridades manifestaram preocupação com o futuro da maior floresta tropical do planeta. “A Amazônia precisa ser protegida”, disse António Guterres, secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU). “Nossa guerra contra a natureza precisa acabar”, tuitou a ativista Greta Thunberg.

unnamed (13)Os 10 principais estados brasileiros com alertas de incêndio durante os meses da estação de incêndio em 2019. Fonte: Alertas de incêndio da NASA VIIRS

O tamanho real do desastre ambiental só foi conhecido em janeiro, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apresentou um balanço final dos incêndios que atingiram a floresta. Em 12 meses, ocorreram 89 mil focos de incêndio na região, um aumento de 30% em relação a 2018. Um crescimento preocupante, apesar de o número ter ficado abaixo da série histórica (109 mil).

No auge da crise, o presidente Jair Bolsonaro lançou suspeita sobre ONGs que atuam na região. E o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) culpou a temporada mais seca, quando, na verdade, choveu mais do que no ano anterior. Pesquisadores do bioma atribuem os incêndios, porém, a outros fatores.

A especulação fundiária é hoje um dos grandes vilões da floresta amazônica. Trata-se de um negócio de alta rentabilidade que envolve a invasão de terras públicas, a derrubada e retirada das árvores mais valiosas e depois, por meio de correntes presas a tratores, a derrubada da vegetação mais baixa. Passadas algumas semanas, período necessário para a secagem do material destruído, basta pôr fogo ao que antes era uma floresta. É hora então de espalhar as sementes para criar o pasto, à espera do comprador.

“É dinheiro fácil. O invasor de terra pública que gasta R﹩ 1 mil para derrubar e colocar fogo em um hectare consegue vender o mesmo hectare por até R﹩ 2,7 mil”, afirma Raoni Rajão, pesquisador da Amazônia e professor do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). As queimadas costumam ser feitas no período mais seco da Amazônia, entre julho e outubro.

A floresta não queima apenas por conta da grilagem de terras. Para ampliar o pasto, muitos produtores põem fogo em áreas contíguas às suas propriedades ou destroem a mata existente dentro de suas próprias fazendas. O Código Florestal estabelece que, nos imóveis localizados na Amazônia Legal, 80% da mata nativa deve ser preservada. Há ainda as queimadas feitas por agricultores, indígenas e povos tradicionais com o propósito de renovar o pasto ou a área de cultivo, uma prática que tem impacto bem menor sobre o bioma, mas que pode sair do controle e provocar destruição em grandes áreas.

Levantamento realizado pelo MapBiomas — iniciativa que reúne universidades, organizações sociais e empresas de tecnologia – revela a dimensão das práticas criminosas citadas acima. De acordo com o estudo, realizado a partir do cruzamento de imagens de satélites com o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e outros bancos de dados oficiais, 99% do desmatamento realizado no Brasil no ano passado foi ilegal. Dos 12 mil quilômetros quadrados de vegetação nativa destruída, a maior parte está localizada no Cerrado e na Amazônia.

Pecuária e soja

Um estudo recente realizado pela Chain Reaction Research (CRR) , uma coalizão de consultorias ambientais europeias e americanas, ajuda a entender um pouco mais os interesses por trás dos incêndios ocorridos no ano passado na Amazônia. Os pesquisadores cruzaram imagens dos incêndios, feitas por satélites da Nasa, com a localização dos maiores frigoríficos da região, como JBS e Marfrig, e grandes silos de soja, controlados por gigantes como Bunge e Cargill.

O sistema de monitoramento da agência espacial americana detectou 417 mil focos de fogo nas “zonas potenciais de compra” da JBS e da Marfrig de julho a outubro do ano passado, um número que representa 42% de todos os incêndios ocorridos no Brasil no período – foram 981 mil, segundo a Nasa. Os focos de incêndios no entorno das duas empresas representam quase a metade (47%) do total detectado (885 mil) nas proximidades dos dez maiores frigoríficos da região.

Alerta VIIRS no Brasil (em cima) e número de alertas por mês (embaixo). Fonte: dados de incêndio da NASA VIIRS, imagens de satélite do Google

As zonas potenciais de compra dos matadouros foram estabelecidas pelo Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) em 2017, a partir de entrevistas feitas com 157 frigoríficos da Amazônia Legal. Entre outras informações, essas empresas revelaram a distância máxima que percorrem para comprar os animais para abate. Os frigoríficos maiores uma distância máxima de 360 km a partir de suas instalações. Os menores, que têm certificados para atuar apenas dentro do Estado, compram gado a uma distância máxima de 153 km.

No caso da soja, a Chain Reaction Research estabeleceu um raio de 25 km a partir dos silos das maiores empresas do setor como área de sua cadeia de suprimentos. O levantamento indicou que as queimadas ocorridas no entorno da Bunge e da Cargill (39,9 mil) superaram a soma dos focos de incêndio registrados nas proximidades dos outros oito maiores traders do setor.

O levantamento não faz nenhuma acusação a esses conglomerados. “O objetivo foi mostrar a ocorrência de uma enorme quantidade de incêndios nas proximidades dessas empresas, o que não implica o envolvimento direto delas com essas práticas. Mas faz com que tenham de resolver as suspeitas que recaem sobre sua cadeia de suprimentos”, diz Marco Túlio Garcia, pesquisador da Aidenviroment e um dos autores do estudo, que analisou também os incêndios na Indonésia, onde as suspeitas recaem sobre a produção de óleo de palma.

“O desmatamento na Amazônia, causa principal dos incêndios, traz riscos a essas empresas. Nos últimos anos, os grandes investidores internacionais colocaram essas questões no centro de sua pauta. Elas não estão mais restritas a debates entre ambientalistas”, completa Tim Steinweg, coordenador de pesquisa da Chain Reaction Research. Um exemplo dessa preocupação do mercado global foi dado em dezembro último pela Nestlé, quando suspendeu suas compras de soja da Cargill, por suspeita de que o produto tenha origem em áreas desmatadas da Amazônia.

unnamed (9)Desmatamento de janeiro a julho de 2019 e alertas de incêndio em agosto de 2019 – área agrícola do Estado da Amazônia, Brasil. Fonte: dados da NASA VIIRS, alertas Deter e imagens de satélite do Google

Reportagem recente do jornal The Guardian revelou que bancos e outras instituições financeiras britânicas investiram nos últimos anos mais de US﹩ 2 bilhões nas principais empresas brasileiras de carne que atuam na Amazônia. Por conta do desmatamento, estudam reconsiderar seu apoio se essas companhias não mostrarem progressos no rastreamento de seus fornecedores. Gigantes do setor de alimentos manifestam a mesma preocupação. Em dezembro, a Nestlé suspendeu suas compras de soja da Cargill, por suspeita de que o produto tenha origem em áreas desmatadas da floresta.

Estudiosos avaliam que o setor de pecuária traz hoje mais riscos para a Amazônia do que a indústria da soja, que hoje ameaça mais o Cerrado. A imagem dos produtores do grão melhorou a partir do pacto, batizado de “moratória da soja”, firmado em 2006 com entidades ambientalistas, pelo qual se comprometeram a não comprar a commodity de áreas desmatadas no bioma. O acordo contou depois com o apoio do governo federal.

O setor pecuário carrega irregularidades dos mais variados tipos. Entre elas, animais que nascem em áreas desmatadas, muitas vezes embargadas pelo Ibama, e que são vendidos para pequenos e médios produtores. Depois da engorda, são comprados legalmente pelos grandes frigoríficos. Os sistemas de controle não conseguem pegar o vício de origem. “É uma cadeia muito complexa. Não existe um sistema que permita rastrear cada animal desde o início, e os frigoríficos não parecem interessados em implantar um monitoramento desse tipo”, lamenta Ritaumaria Pereira, diretora executiva do Imazon. “Há um ditado na região que traduz essa triste realidade. Boi não morre de velho na Amazônia. Sempre vai ter alguém para comprá-lo, independentemente de onde venha”, afirma a engenheira agrônoma.

Menos floresta, menos chuva

Para muitos especialistas, falta visão estratégica ao governo brasileiro e aos produtores rurais em relação à Amazônia, o principal ativo ambiental do país. Paulo Moutinho, pesquisador sênior do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), lembra que a floresta funciona como uma espécie de bomba de vapor d’água que, transportado por meio dos chamados rios voadores, irriga o Centro-Oeste e o Centro-Sul do Brasil. A destruição coloca em risco esse sistema de irrigação. “Ao desmatar, é como se fizéssemos um furo nesse regador, que garante o sucesso de boa parte da produção agrícola brasileira.” De acordo com estudo da Agência Nacional de Águas (ANA) e do IBGE, 92,5% da água consumida pela agricultura brasileira vêm das chuvas. Apenas 7,5% são de sistemas de irrigação.

Os riscos à floresta amazônica são reais, de acordo os cientistas. O bioma já perdeu cerca de 17% (dados de 2017) de sua vegetação nativa. Se esse percentual superar 20%/25%, corre grande risco de entrar em um processo de savanização, segundo estudo publicado há dois anos pelo pesquisador brasileiro Carlos Nobre e pelo americano Thomas Lovejoy. Na década anterior, os mesmos pesquisadores falavam que o tipping point (ponto sem volta) aconteceria quando fossem atingidos os 40% de destruição. Refizeram os cálculos em razão da aliança mortal entre desmatamento, incêndios e mudança climática.

Especialistas ouvidos pela reportagem acreditam que não é preciso destruir nenhum hectare a mais para aumentar a produção agropecuária. Bastaria aproveitar os 12 milhões de hectares que foram desmatados e abandonados na Amazônia, áreas que poderiam ser recuperadas. “Você tem muitas áreas que estão abertas e, com incentivo adequado, poderiam ser exploradas”, afirma Paulo Moutinho, do IPAM. Ritaumaria Pereira, do Imazon, concorda: “Além da regeneração dessas áreas, precisamos de políticas públicas para incentivar o aumento da produtividade da pecuária, que hoje é muito baixa, cerca de um animal por hectare”.

O que dizem as empresas

Em nota, a JBS reclama do fato de não ter sido procurada pelos pesquisadores da Chain Reaction Research. A empresa questiona os critérios técnicos do estudo e diz adotar uma abordagem de tolerância zero em relação ao desmatamento em toda a sua cadeia de fornecimento. “Todos as fazendas fornecedoras de gado da JBS na região amazônica são monitoradas por meio de imagens de satélite e dados georreferenciados da propriedade. Portanto, fornecedores que utilizaram fogo para desmatar a floresta serão detectados pelo sistema de monitoramento da Companhia e bloqueados para compra de gado.”

unnamed (12)Alertas de incêndio dentro da zona potencial de compra da JBS em Alta Floresta, Mato Grosso, 2019. Fonte: imagens de satélite do Google, IMAZON, dados de incêndio da NASA VIIRS

A Marfrig afirmou que adota “uma rígida política de compra de animais, bem como um protocolo com critérios e procedimentos que são pré-requisitos para a homologação de fornecedores”. A empresa diz manter uma plataforma que monitora, por meio de um sistema de georreferenciamento e geomonitoramento socioambientais, todos os seus fornecedores. A ferramenta cruza os dados georreferenciados e documentos das fazendas com informações públicas oficiais para identificar potenciais não conformidades, “coibindo que a matéria-prima seja oriunda de fazendas que produzam carne em áreas de desmatamento ou embargadas, sobrepostas a unidades de conservação ou terras indígenas, ou mesmo que utilizem ‘trabalho escravo”’.

A Bunge disse que está comprometida com uma cadeia de suprimentos livre de desmatamento e que condena qualquer uso do fogo para o desflorestamento. “A empresa mantém rigoroso controle sobre critérios socioambientais em suas operações em todo o Brasil. As ações incluem verificações diárias às listas públicas de não conformidades do Ibama e do Ministério do Trabalho e Emprego, além da checagem de outros requisitos legais, e bloqueio imediato de qualquer negociação comercial, em caso de desconformidade”. De acordo com a nota, “a empresa também é signatária da Moratória da Soja, compromisso reconhecido mundialmente que proíbe a compra de soja cultivada em áreas desmatadas após 2008 na Amazônia, e do Protocolo Verde de Grãos do Pará, uma iniciativa conjunta com o Ministério Público Federal (MPF), que estabelece critérios para transações comerciais com foco em evitar a comercialização de grãos oriundos de áreas ilegalmente desmatadas”.

A Cargill afirmou que está comprometida com a proteção das florestas e da vegetação nativa de maneiras que sejam economicamente viáveis para os agricultores. “O desmatamento ilegal e incêndios deliberados na Amazônia são inaceitáveis ​​e, juntamente com outras empresas do setor, continuaremos a fazer parcerias com comunidades locais, agricultores, governos, ONGs e nossos clientes para encontrarmos soluções que preservem esse importante ecossistema”, afirma a nota da Cargill. “Fazemos parte da Moratória da Soja na Amazônia desde 2006, quando assinamos um acordo voluntário com organizações industriais e ambientais de não comprar soja de terras que foram desmatadas após 2008 neste bioma. Esse esforço contribuiu para o declínio de 80% no desmatamento na Amazônia na última década e foi estendido indefinidamente em 2016.”

* Marcelo Coppola é jornalista e foi editor na revista Época. Trabalhou também no jornal Folha de S. Paulo e na revista Veja.

Motosserras e cadeias de suprimentos: Como grandes empresas de carne e soja podem parar o desmatamento na Amazônia

Eles não cortam árvores da Amazônia, mas seus fornecedores cortam

pasto queimando

As emissões mundiais de dióxido de carbono podem cair 7% este ano devido a bloqueios em resposta à pandemia, segundo a revista Nature Climate Change. O Brasil é uma exceção gritante. Suas emissões aumentarão de 10 a 20% a partir de 2018, quando foram medidas pela última vez, diz o Observatório do Clima, um consórcio de equipamentos de pesquisa. O culpado é o desmatamento. Nos primeiros quatro meses de 2020, foram estimados 1.202 quilômetros quadrados (464 milhas quadradas) na Amazônia brasileira, 55% a mais do que no mesmo período de 2019, que foi o pior ano de uma década. Em agosto, quando os fazendeiros atearam fogo em áreas limpas para prepará-los para pastar, as chamas fugitivas poderiam superar os que chocaram o mundo no ano passado. Os cientistas dizem que a perda de árvores está chegando a um “ponto de inflexão”, após o que as árvores secam e morrem, liberando bilhões de toneladas de carbono na atmosfera.

Ambientalistas culpam o presidente populista do Brasil, Jair Bolsonaro, pela catástrofe. Ele é favorável à desregulamentação para permitir a extração de madeira, mineração e agricultura na floresta e enfraqueceu a aplicação das leis ambientais. Menos atenção foi dada ao papel de grandes empresas como a JBS e a Cargill, intermediárias globais de carne bovina e soja, os produtos que impulsionam o desmatamento (veja Detalhes gráficos).

soja desmata

Grandes empresas do agronegócio compram a maior parte da produção de soja em municípios onde muitas árvores foram cortadas ilegalmente

As empresas não cortam árvores. Em vez disso, são intermediários em cadeias de suprimentos complexas que lidam com soja e carne bovina produzida em terras desmatadas. O processo começa quando os especuladores, que tendem a operar fora da lei, compram ou capturam terras, vendem a madeira, colocam gado para pastar por vários anos e depois a vendem para um produtor de soja. As terras na Amazônia são cinco a dez vezes mais valiosas quando desmatadas, diz  o pesquisador Daniel Nepstad. Não derrubar árvores teria um grande custo de oportunidade. Em 2009, Nepstad estimou que o custo (em termos de produção perdida de carne bovina e soja) seria de US $ 275 bilhões em 30 anos, cerca de 16% do PIB desse ano.

Sob pressão da opinião pública, as grandes empresas tentaram controlar o problema. Em 2009, um relatório contundente do Greenpeace levou JBS, Marfrig e Minerva, gigantes da carne que, juntos, controlam dois terços das exportações brasileiras, a se comprometer a parar de comprar de fornecedores que desmatam ilegalmente. (O código florestal permite que os proprietários limpem 20% de suas terras.) A JBS, que é originária de uma área na Amazônia maior que a Alemanha, diz que bloqueou 9.000 fornecedores, usando satélites para detectar a limpeza. Negociantes de soja como Cargill e Bunge usam esses sistemas para fazer cumprir um acordo de desmatamento zero para a região desde 2008, quando empresas de varejo como McDonald’s e Tesco disseram que não comprariam mais soja amazônica colhida em terras desmatadas.

the economist graph

Esses acordos contribuíram para um declínio acentuado na taxa de perda de árvores até 2012 (ver gráfico). Antes da “Moratória da Soja”, 30% dos novos campos na Amazônia envolviam a derrubada de florestas. Nos oito anos após a assinatura, 99% da expansão da soja ocorreu em terras já sem árvores. Mas, alerta André Vasconcelos, da Trase, uma organização de pesquisa que acompanha as cadeias de suprimentos de commodities, o frenesi do desmatamento sob Bolsonaro pode reverter essa tendência.

A onda de desmatamento mostra que os acordos têm um calcanhar de Aquiles, diz Nepstad. As grandes empresas ainda não estão exercendo o controle que poderiam sobre todos os seus fornecedores. E mesmo se o fizessem, grandes quantidades de soja e, principalmente, carne bovina, são comercializadas por empresas menores, com incentivos mais fracos para convencer os agricultores a mudar o comportamento.

O problema é especialmente grave na pecuária, responsável por aproximadamente 80% do desmatamento na Amazônia, quase todo ilegal. “As vacas se movimentam”, explica Paulo Pianez, da Marfrig. Todas as fazendas de engorda compradas pelos grandes frigoríficos têm, em média, 23 de seus próprios fornecedores, diz Holly Gibbs, da Universidade de Wisconsin. O monitoramento atual não abrange os pecuaristas que criam e pastam gado, por isso perdem 85 a 90% do desmatamento. Fazendas de engorda desonestas também podem “lavar” o gado, movendo-o para fazendas legais – talvez próprias – antes de vendê-las. Um novo relatório do Greenpeace alega que, por meio desse mecanismo, a Marfrig e a Minerva acabaram vendendo carne bovina de fazendas que desmataram uma reserva protegida da Amazônia na fronteira entre o Brasil e a Bolívia. Eles disseram que não sabiam de nenhuma ilegalidade.

O desmatamento causado pela soja afeta mais diretamente o Cerrado, a savana tropical que fica localizada a sudeste da floresta tropical. No Mato Grosso, estado que atravessa a Amazônia e o cerrado, 27% do desmatamento entre 2012 e 2017 ocorreu em fazendas de soja, de acordo com um novo relatório da Imaflora e do Instituto Centro de Vida (ICV), institutos de pesquisa brasileiros e Trase . O estado fornece um terço das importações de soja da UE do Brasil. Noventa e cinco por cento da clareira nas fazendas de soja eram ilegais. Um terço ocorreu na Amazônia, revelando uma lacuna na moratória da soja. Como abrange apenas as terras onde a soja é plantada, um agricultor que ilegalmente limpa outra parte de sua fazenda – digamos, para gado – pode continuar vendendo para comerciantes, que esmagam e exportam a soja.

André Nassar, da Abiove, um órgão de lobby da indústria da soja, destaca que a área de novos campos de soja plantados em áreas desmatadas no cerrado caiu: de 215.000 hectares por ano em 2000-06 para 79.000 hectares em 2013-18 . O setor deve distinguir o desmatamento legal do ilegal, diz ele – não faz monitoramento anual no Cerrado -, mas fazendas em embarque são de responsabilidade do governo. No entanto, a Bunge e a Cargill prometeram obter somente terras que não foram desmatadas, legal ou ilegalmente. Eles perderam o prazo de 2020, mas planejam ter sucesso em 2025 e 2030, respectivamente.

Talvez as empresas se moveriam mais rápido se sentissem mais pressão de clientes e investidores. Uma das razões pelas quais os gigantes da soja parecem mais sérios do que os produtores de carne para reduzir o desmatamento, diz Maria Lettini, da FAIRR, uma rede de investidores preocupados com a sustentabilidade, é que a maior parte da soja é exportada. A União Europeia é o segundo destino depois da China. Mas as empresas lutam para que as pessoas paguem mais por uma “mercadoria oculta”, diz Juliana Lopes, da Amaggi, uma gigante brasileira da soja. “Você sabe que suas roupas são feitas de algodão e seu chocolate é de cacau”, diz ela. Mas poucas pessoas pagam mais por frango feito com soja sustentável, o que explica por que apenas 2-3% é certificado como livre de desmatamento. Rotular melhor poderia ajudar, diz ela.

Em contrapartida, quatro quintos da carne brasileira são consumidos no Brasil. As exportações vão principalmente para a China, Rússia e Oriente Médio, onde alimentar pessoas é uma prioridade mais alta do que salvar árvores. Os investidores, por sua vez, vêem as empresas de carne bovina como negócios não-sexy, com margens finas. Eles não exigiram grandes esforços para reduzir o desmatamento, diz João Paulo Dibo, da Rio Bravo Investimentos, gerente de ativos em São Paulo. Sexy ou não, os produtores de carne estão indo bem. Enquanto os preços das ações no Brasil caíram 18% este ano, a Marfrig viu seu preço subir 27% e o Minerva recuperou o que perdeu no início da pandemia. A jbs, a maior frigorífica do mundo, disse que 2019 foi o ano mais lucrativo de todos os tempos.

Morgan Stanley, Itaú e Santander se recusaram a discutir empresas de soja e carne com o The Economist. Um novo relatório de 58 páginas do Itaú recomenda investir na JBS, Marfrig e Minerva. (Ele não contém a palavra “desmatamento”.) Isso reflete “miopia” no momento em que o investimento em indústria sustentável está se expandindo rapidamente, diz Fabio Alperowitch, da Fama Investimentos. É um dos 230 fundos com mais de US$ 16 trilhões em ativos que assinaram uma carta após os incêndios do ano passado pedindo às empresas que parem o desmatamento. A BlackRock, um dos dez principais acionistas da JBS, não assinou, apesar de estar desinvestindo do carvão.

A turbulência econômica torna improvável que as empresas gastem muito no combate ao desmatamento, diz Marcello Brito, da Associação Brasileira do Agronegócio. “Os acionistas não querem isso”, diz ele.

Apesar desse desânimo, as empresas dizem que estão progredindo. Os frigoríficos afirmam que estão trabalhando para cumprir sua promessa, feita em 2009, de expandir o rastreamento para fornecedores indiretos. Uma idéia é usar licenças de trânsito de animais, que rastreiam as vacinas à medida que o gado é passado entre fazendeiros, para sinalizar o desmatamento. Mas o Ministério da Agricultura ainda não concordou. o Frigorífico Minerva está considerando usar uma ferramenta desenvolvida pela Universidade de Wisconsin, chamada Visipec, para mapear fornecedores, identificar regiões com alto desmatamento e priorizar fornecedores em outras áreas. O Minerva obtém 30% de sua carne bovina através da criação de ciclo completo, o que pode garantir que é livre de desmatamento. As restrições comerciais podem realmente beneficiar as principais empresas, diz seu diretor de sustentabilidade, Taciano Custodio. “Estamos melhor posicionados para nos adaptarmos.”

Mas a mudança dos três principais frigoríficos não garante uma redução no desmatamento, porque eles representam menos da metade do mercado. “Quando bloqueamos um fornecedor, ele pode atravessar a rua e vender para outro matadouro”, diz Márcio Nappo, da JBS. O progresso de toda a indústria exigirá melhor aplicação e incentivos para os pecuaristas. “Temos que tornar a produção sustentável como um todo”, diz Pianez.

Esse sentimento é ecoado na indústria da soja, onde reprimir o desmatamento é logisticamente simples, mas politicamente difícil. Segundo o estudo de Mato Grosso, 80% do desmatamento ilegal ocorreu em 400 fazendas, 2% do total. Eles são “frutos baixos” para a ação, diz Vasconcelos. Mas dois anos de negociações sobre a expansão da moratória para o cerrado pararam. De acordo com os produtores de soja, as empresas multinacionais falharam em arrecadar US$ 250 milhões para lançar um fundo para compensar os agricultores que retêm florestas. “Eles exigem, exigem, exigem, mas não oferecem nada em troca”, reclama Ricardo Arioli.

A Cargill diz que gastará US$ 30 milhões em maneiras de parar o desmatamento em todo o setor. Marfrig e Amaggi estão apoiando uma iniciativa lançada pelo governo de Mato Grosso em 2015 para reduzir o desmatamento por meio de uma “abordagem da paisagem”. Fernando Sampaio, diretor do comitê, que inclui ONGs e empresas, diz que os municípios que reduzem o desmatamento receberão assistência técnica e crédito e mais negócios das grandes empresas, incentivando outras a seguir. Mas embora a taxa de desmatamento no estado entre agosto de 2018 e julho de 2019 tenha diminuído 4% em relação ao ano anterior, a iniciativa parece estar muito aquém de sua meta de acabar com o desmatamento ilegal até 2020: 85% dos 1.685 km2 desmatados foram feitos de forma ilegal.

Entre os maiores obstáculos ao progresso está a falta de cooperação do governo federal. Em um vídeo de uma reunião de gabinete divulgada em abril pelo Supremo Tribunal Federal, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pediu ao governo que “empurre” a desregulamentação enquanto as pessoas se distraem com a pandemia. Uma mudança de regra na Fundação Nacional do Indio permite que os proprietários reivindiquem pedaços de territórios indígenas que aguardam demarcação oficial. Até a moratória da soja na Amazônia parece instável. Aprosoja, um lobby dos produtores, ameaçou abandoná-lo (porque proíbe o desmatamento legal). A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, chamou isso de “absurdo”.

Reduzir o desmatamento exigirá consenso sobre questões complicadas, como o destino de dezenas de milhares de colonos pobres em terras públicas na Amazônia, onde metade do desmatamento ocorre. No entanto, ambientalistas dizem que o projeto de “regularização fundiária” atualmente no Congresso também concederia títulos para grandes áreas desmatadas a “grileiros”, enviando a mensagem de que uma nova limpeza também pode ser aprovada. Uma versão anterior do projeto foi rejeitada em 20 de maio, depois que os supermercados britânicos ameaçaram boicotar produtos brasileiros.

Embora ainda fracos, esses ruídos estão ficando mais altos. Eles acrescentam ao argumento de que as empresas devem fazer mudanças não apenas por razões éticas, mas também por razões comerciais. Os supermercados podem acelerar as coisas dizendo aos consumidores de onde vêm a carne e a soja. A integração de agricultores e pecuaristas exigirá o equilíbrio certo de pressão e incentivos. As empresas têm alavancagem, insiste Gibbs. Há uma década, depois da JBS, a Marfrig e a Minerva se comprometeram a eliminar os fornecedores que desmataram, mais de 30 outras empresas de carne bovina assinaram acordos semelhantes. “Se você conseguisse que uma grande empresa desse o primeiro passo, outras seguiriam”,  ela prevê. ■

______________________

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pela revista “The Economist” [Aqui!].

Revelado: Bancos e investidores britânicos investiram R$ 10 bilhões em frigoríficos brasileiros ligados ao desmatamento na Amazônia

Investigação revela laços entre instituições financeiras e três empresas brasileiras ligadas à destruição ambiental

desmatamento

Os incêndios florestais na Amazônia atingiram um recorde em 2019. Fotografia: Carl de Souza / AFP

Bancos e instituições financeiras britânicos forneceram mais de US$ 2 bilhões (em torno de R$ 10 bilhões) em apoio financeiro nos últimos anos a empresas brasileiras que atuam na produção de carne bovina que foram ligadas ao desmatamento na Amazônia,  uma nova pesquisa de pesquisa acaba de revelar

 Milhares de hectares da Amazônia estão sendo derrubados todos os anos para o plantio de pastagens e para garantir o fornecimento de carne bovina para os mercados mundiais.

Além de fornecer apoio financeiro ao Frigorífico Minerva, a segunda maior exportadora de carne bovina do Brasil, e à Marfrig, a segunda maior empresa  brasileira de processamento de carne, as instituições financeiras com sede no Reino Unido detém dezenas de milhões de dólares em ações da JBS, a maior empresa de carne do mundo.

Todas as três empresas envolvidas na produção de carne bovina foram ligadas ao desmatamento em suas cadeias de suprimentos, embora digam que estão trabalhando para monitorar seus fornecedores e mitigar riscos.

A Marfrig, uma empresa brasileira de carnes que fornece cadeias de fast-food em todo o mundo, foi flagrada comprando gado de uma fazenda que usava terra desmatada no ano passado.

A JBS continua incapaz de monitorar uma proporção significativa de seus fornecedores, apesar de operar pesadamente na Amazônia, enquanto no ano passado a Marfrig admitiu que mais da metade dos bovinos que abatia eram originários de fornecedores indiretos, os quais não  a empresa não tinha como monitorar.

De acordo com uma investigação conjunta do  “The Guardian”, pela Unearthed e  pelo Bureau of Investigative Journalism, dados financeiros entre janeiro de 2013 e maio de 2019 mostram que o HSBC subscreveu US $ 1,1 bilhão em títulos da Marfrig e US $ 917 milhões do Minerva, e também possuíam quase US $ 3 milhões em ações da JBS.

A Schroders possuía US $ 14 milhões em títulos da Marfrig e US $ 12 milhões em títulos da Minerva, enquanto a Standard Life Aberdeen possuía US $ 10 milhões em títulos da Marfrig e US $ 3 milhões em ações da JBS. A Prudential UK possuía US $ 23 milhões em ações da JBS e US $ 5 milhões em títulos da Minerva.

Os bancos freqüentemente detêm títulos e ações em nome de clientes que investem através de seus fundos de gerenciamento de ativos.

Outras instituições europeias forneceram US $ 2,1 bilhões adicionais em apoio. O Santander subscreveu US $ 1,4 bilhão em títulos nas três empresas. O Deutsche Bank subscreveu US $ 69 milhões em títulos da Marfrig e emprestou à JBS US $ 57 milhões.

As instituições européias também detinham participações significativas na JBS: Crédit Agricole, Deutsche Bank e Santander investiram US $ 37 milhões, US $ 12 milhões e US $ 7 milhões, respectivamente. Todos os dados estavam corretos em maio de 2019.

A Comissão Europeia está considerando novas regras de relatórios financeiros à luz da crise do coronavírus que exigiria que bancos, seguradoras e empresas listadas divulgassem sua exposição à perda de biodiversidade e ao risco de pandemia. Os cientistas já alertaram que o desmatamento está aumentando o risco de novas doenças emergirem.

Algumas das instituições financeiras disseram ao “The Guardian” que estavam se engajando com as três empresas por causa do desmatamento e poderiam reconsiderar seu apoio se vissem progresso insuficiente.

As três empresas envolvidas na produção de carne afirmam estar confiantes de que as fazendas onde as compras de gado abatido em suas plantas não estão envolvidas no desmatamento, mas também aceitam que não podem saber a origem de alguns animais que passaram por outras fazendas anteriormente.

Em um comunicado, a JBS afirmou ter bloqueado milhares de fornecedores diretos por violar regras relativas ao desmatamento, e que estava trabalhando com o governo federal e com a indústria brasileira para desenvolver soluções para monitorar fornecedores indiretos.

O Frigorífico Minerva afirmou que “não existem dados e estatísticas acessíveis e confiáveis ​​sobre toda a cadeia de rastreabilidade de gado” no Brasil e que está avaliando uma nova ferramenta desenvolvida pela Federação Nacional da Vida Selvagem e pela Universidade de Wisconsin para monitorar fornecedores indiretos. A Marfrig disse que estava desenvolvendo uma ferramenta para combater o risco de comprar de fornecedores indiretos que não pode monitorar.

“Nenhuma instituição financeira do Reino Unido deve lucrar com a destruição de florestas tropicais ou outros habitats preciosos no Brasil ou em qualquer outro lugar. Se o governo alega que a liderança global no clima tem algum significado, deve parar de fechar os olhos para os vínculos entre os bancos britânicos e o desmatamento na Amazônia, introduzindo uma regulamentação forte, penalidades severas e disposições rigorosas sobre a transparência pública total de questões ambientais e sociais. impactos de todas as carteiras de investimentos ”, disse Caroline Lucas,  parlamentar verde do Brighton Pavilion.

stopA Extinction Rebellion UK se reúne em frente à empresa de investimentos BlackRock para desafiá-la por suas responsabilidades com a crise climática. Foto: Guy Bell / Alamy

Em resposta às descobertas, um porta-voz da Aberdeen Standard Investments disse que: “definitivamente, existem deficiências no monitoramento da cadeia de suprimentos para toda a indústria de carne bovina no Brasil, mas essas práticas estão melhorando em toda a indústria e o ativismo dos investidores desempenha um papel importante nesse desenvolvimento. No momento, continuamos investindo, mas isso pode mudar dependendo de vários fatores. ”

Schroders disse que estava em diálogo com a Minerva e a Marfrig e que “se não víssemos esses sinais de progresso, certamente consideraríamos mudar nossas recomendações para essas empresas”.

O Deutsche Bank disse que não financia atividades onde há evidências claras e conhecidas sobre o desmatamento de florestas primárias, áreas de alto valor de conservação ou turfeiras, extração ilegal de madeira ou uso não controlado e / ou ilegal de fogo. O Crédit Agricole disse que não financia projetos em terras desmatadas com alto valor de biodiversidade.

A Prudential UK afirmou estar se envolvendo ativamente com empresas que operam na região amazônica para encontrar soluções. O HSBC disse que conduzia análises de clientes por seu compromisso com práticas de negócios sustentáveis. O Santander disse que conduz revisões anuais de mais de 2.000 clientes no Brasil, incluindo aqueles que são grandes produtores de soja, comerciantes de soja e frigoríficos, especialmente sobre sua cadeia de suprimentos.

______________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Reportagem aponta para possível envolvimento da JBS e da Marfrig em “lavagem de gado” feita por mandante de chacina

Acusado por chacina de Colniza cria gado em fazenda irregular e vende a fornecedores da JBS e Marfrig

Proprietário de fazenda desmatada em Rondônia e foragido da Justiça desde 2017, Valdelir Souza pode ter recorrido à “lavagem de gado” para conseguir vender animais à JBS

gadoA “lavagem de gado” envolve a venda de vacas criadas ilegalmente em terras desmatadas para fazendas “limpas”. Foto: Bruno Kelly / Greenpeace

Por Por André Campos*, da Repórter Brasil, e Dom Phillips, do The Guardian 

Apontado como o mandante de uma das maiores chacinas já registradas na Amazônia, que em abril de 2017 deixou nove mortos em Colniza, no Mato Grosso, Valdelir João de Souza está foragido da Justiça há mais de dois anos, mas continua criando gado em uma área ocupada ilegalmente em um assentamento da reforma agrária em Rondônia. Ao longo de 2018, Souza vendeu gado a pecuaristas da região que, por sua vez, forneceram animais a dois dos maiores frigoríficos brasileiros: a JBS e a Marfrig, segundo documentos sanitários obtidos pela Repórter Brasil.

Em 9 de maio de 2018, quando já estava foragido, a fazenda Três Lagoas, de propriedade de Souza, repassou ao sítio Erança de Meu Pai (sic), de Maurício Narde, 143 animais fêmeas. Onze minutos depois, o sítio de Narde transferiu 143 animais, com as mesmas características de sexo e idade, para abate no frigorífico da JBS. 

Poucos meses depois, em 25 de junho de 2018, Souza também negociou 153 bovinos com a fazenda Morro Alto, de José Carlos de Albuquerque, que naquele ano constava na lista de fornecedores da JBS e que abasteceu uma unidade de abate da Marfrig em Rondônia. 

Ilustração de Samuel BonoEm 19 de abril de 2017, nove camponeses foram brutalmente assassinados em Taquaruçu do Norte (MT), em massacre que ficou conhecido como a chacina de Colniza (Ilustração: Samuel Bono/Repórter Brasil) 

Especialistas ouvidos pela Repórter Brasil afirmam haver indícios de que Souza fez uso de uma prática recorrente entre fazendas com problemas ambientais, conhecida como “lavagem de gado”, para conseguir vender animais à JBS. 

A prática consiste em transferir o gado de uma fazenda com desmatamento ilegal para uma propriedade “ficha-limpa” com o objetivo de encobrir a origem dos animais para os compradores. A “lavagem de gado” tem como objetivo driblar o compromisso de “desmatamento zero” na Amazônia, assumido pelos maiores frigoríficos brasileiros, e o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) da Carne, um pacto firmado em 2009 pelas produtoras brasileiras de carne para monitorarem seus fornecedores e suspenderem a compra de fazendas com problemas socioambientais, entre eles desmatamento ilegal ou trabalho escravo.

Imagens de satélite mostram que grande parte de fazenda Três Lagoas, do pecuarista foragido, foi desmatada em 2015. Souza não poderia, portanto, fornecer diretamente à JBS, já que a empresa se comprometeu a não fazer negócios com fazendas amazônicas que tenham desmatamento registrado após 2009.  

“Não faz nenhum sentido um animal ficar 11 minutos em uma fazenda para depois ir para o frigorífico. Essa história tem todos os componentes de um processo de triangulação para lavagem de gado”, analisa Mauro Armelin, diretor da Amigos da Terra, organização que estuda a cadeia produtiva da pecuária desde 2009, após analisar os documentos enviados pela Repórter Brasil. “Provavelmente foi uma triangulação apenas no papel, ou seja, tudo indica que os animais foram enviados diretamente ao frigorífico sem passar por uma segunda propriedade”, completa.

Em entrevista ao The Guardian, Maurício Narde confirmou a transação comercial, mas não explicou porque vendeu à JBS esses 143 animais poucos minutos depois de tê-los comprado de Valdelir Souza. “A gente compra e vende. É só para girar mesmo”, afirmou, antes de decidir não responder mais aos questionamentos da reportagem ao telefone. Além de comprador de gado, Narde já foi funcionário de uma das serrarias de Souza, a Madeireira Cedroarana – que entre 2007 e 2017 foi multada em R$ 902 mil pelo Ibama por crimes ambientais. A legislação não proíbe que frigoríficos comprem gado de fazendas e fazendeiros envolvidos em crimes comuns ou em problemas fundiários – há apenas a proibição da aquisição de animais criados em áreas embargadas por desmatamento ilegal. 

O procurador Daniel Azeredo, um dos principais responsáveis pela assinatura do  TAC da Carne, afirma que o acordo também proíbe a compra de gado de pessoas condenadas por assassinatos que estejam relacionados a conflitos por terra. Além disso, a JBS firmou um compromisso com o Greenpeace em 2009 para excluir de sua lista de fornecedores as fazendas que desmataram a floresta amazônica após outubro daquele ano.

Fazenda irregular 

Além dos problemas com o fornecimento de gado, a fazenda de Souza é irregular por estar localizada dentro do Projeto de Assentamento Lajes (PA Lajes), em Machadinho D’Oeste (RO) – município vizinho a Colniza – apesar de ele não constar na lista oficial de beneficiados pela reforma agrária. Ele declarou no Cadastro Ambiental Rural (CAR), em 2018, ser o proprietário de duas áreas dentro do assentamento, totalizando 1.052 hectares – tamanho superior ao permitido pela legislação dentro de um assentamento. O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) informou que os lotes citados pela reportagem estão em nome de outros beneficiários, não no nome do pecuarista foragido.

Já no envolvimento com a chacina, Souza foi denunciado pelo Ministério Público do Mato Grosso por homicídio triplamente qualificado. De acordo com o inquérito, ele contratou, há cerca de três anos, um grupo conhecido como “encapuzados” para matar os trabalhadores. Um mês após o crime, ele teve sua prisão preventiva decretada pela Justiça, mas nunca se entregou e continua com paradeiro incerto. O caso ainda não foi julgado. 

O juiz responsável pelo processo determinou a pronúncia de Souza – ou seja, que ele deverá ser julgado por um tribunal de jurados. O advogado do acusado recorreu, e a decisão está sendo analisada em segunda instância do Tribunal de Justiça do Mato Grosso. As mortes em Colniza, segundo investigação policial, estavam relacionadas a disputas por terras e à extração ilegal de madeira – Souza, além de criar gado, também foi proprietário de serralherias na região.

Procurada pela Repórter Brasil, a JBS classificou como “irresponsável” qualquer tentativa de vinculação do nome da companhia a Valdelir João de Souza. A empresa afirma que ele nunca figurou em sua lista de fornecedores. Além disso, diz não “adquirir animais de fazendas envolvidas com desmatamento de florestas nativas, invasão de terras indígenas ou áreas de conservação ambiental, violência rural, conflitos agrários e que utilizam trabalho forçado ou infantil”.

“A companhia vem trabalhando em parceria com o Ministério Público Federal e a sociedade civil para aprimorar ainda mais seus controles, contribuindo para o combate da entrada de animais provenientes de fazendas irregulares ou de triangulações de gado na sua cadeia produtiva”, afirma a JBS.

foto de Ahmad JarrahEnterro das vítimas da chacina, em 2017, da qual Valdelir João de Souza é acusado de ser o mandante; mesmo foragido da Justiça, ele continua criando e vendendo gado para fornecedores da JBS e da Marfrig (Foto: Ahmad Jarrah/Repórter Brasil)

Já a Marfrig informou que desde 2012 solicita de seus fornecedores diretos informações voluntárias sobre os pecuaristas e as fazendas dos quais eles possam ter adquirido animais. Em outubro, a empresa firmou parceria com a ONG ambiental WWF para aprimorar o uso dessas informações na verificação de problemas em fornecedores indiretos. Leia aqui íntegra da nota. 

Outra linha de trabalho da Marfrig é cruzar as informações comunicadas pelos fornecedores com mapas de áreas mais expostas ao risco de desmatamento, visando reduzir riscos. Segundo a empresa, mais da metade (53%) dos animais que ela abate no bioma amazônico são de fazendas de ciclo incompleto – ou seja, que adquirem animais de outras áreas durante a produção.

À Repórter Brasil, José Carlos de Albuquerque, o outro pecuarista que negociou com Souza gado do assentamento, afirmou à reportagem que o rebanho de Souza estava devidamente habilitado para venda, com documentação sanitária em dia, e que cabe aos órgãos de controle atestar a legalidade de bois e vacas disponíveis para negociações no mercado.

“É como comprar uma camiseta em uma loja de um shopping. Não posso levantar suspeição de que a loja não esteja com seu alvará de funcionamento em dia, ou taxas de bombeiros etc.”, diz o pecuarista proprietário Fazenda Morro Alto, em Monte Negro (RO). “Acredito nos órgãos de controle, de que aquela atividade ali estabelecida está sendo fiscalizada para tal.”

Apesar de registros sanitários apontarem a entrada de gado fornecido por Souza na Fazenda Morro Alto, Albuquerque afirma que a compra dos animais não foi consolidada por divergências comerciais. Os animais, segundo ele, foram “estornados” para o fornecedor. A reportagem pediu a ele o envio de documentos que comprovem o cancelamento do negócio, porém Albuquerque não respondeu.

A reportagem informou ao Incra sobre as irregularidades relativas à fazenda de Souza dentro do assentamento da reforma agrária. O órgão informou que, diante da denúncia feita pela reportagem, irá realizar uma vistoria na fazenda. 

Repórter Brasil e o the Guardian também tentaram ouvir Valdelir João de Souza, mas não houve retorno às tentativas de contato com o pecuarista, feitas por meio de seu escritório de advocacia. Em entrevista concedida ao Gazeta Digital em 19 de abril de 2019, Valdelir Souza negou ter encomendado a chacina e diz que não se entrega por medo de ser assassinado na cadeia.   

*colaborou Ana Magalhães

Esta reportagem foi realizada com o apoio da DGB Bildungswerk, no marco do projeto PN: 2017 2606 6/DGB 0014, sendo seu conteúdo de responsabilidade exclusiva da Repórter Brasil

___________________________________

Esta reportagem foi publicada originalmente pela Repórter Brasil [Aqui!].

Revelado: desmatamento desenfreado da Amazônia é impulsionado pela ganância global por carne

Investigação expõe como o enorme setor de carne bovina do Brasil continua a ameaçar a saúde da maior floresta tropical do mundo.

guardian 1Os vaqueiros movimentam o gado de fazendas da Terra do Meio, onde alguns fazendeiros foram vistos desrespeitando os embargos ao desmatamento. Foto: João Laet / The Guardian

Por Dom Phillips e Daniel Camargos em São Félix do Xingu, André Campos em São Paulo e Andrew Wasley e Alexandra Heal em Londres para o The Guardian

As vacas pastavam sob o sol amazônico do meio-dia, perto de uma ponte de madeira que atravessava um rio. Era uma cena idílica de tranquilidade pastoral, ocasionalmente interrompida por uma motocicleta roncando na estrada de terra que corta parte da fazenda de gado da Lagoa do Triunfo para uma comunidade próxima.

Mas esta pastagem é uma terra que a fazenda foi proibida de usar para o gado desde 2010, quando foi embargada pela agência ambiental Ibama para o desmatamento ilegal. Ali perto havia mais sinais de pastagem fresca: grama curta, comedouros e sal para gado.

A enorme fazenda de 145.000 hectares (358.302 acres) é uma das várias pertencentes à empresa AgroSB Agropecuária SA – conhecida na região como Santa Bárbara. Localizada em uma área ambientalmente protegida, a Lagoa do Triunfo fica a mais de 600 km da capital do estado do Pará, na margem ocidental da “fronteira agrícola” do Brasil – onde a agricultura ingressa na floresta tropical. Chegar leva horas dirigindo por estradas de terra e um passeio de balsa saindo de São Félix do Xingu, uma cidade de gado acessível somente de avião até algumas décadas atrás.

A AgroSB fornece gado para a JBS, a maior empresa de embalagem de carne do mundo e única fornecedora de carne bovina, frango e couro em todo o mundo, com 350.000 clientes em mais de 150 países.

Uma investigação conjunta do Guardian, da Repórter Brasil e do Bureau of Investigative Journalism constatou que, em 2018, a fazenda Lagoa do Triunfo entregou centenas de cabeças de gado para outras fazendas também de propriedade da AgroSB para engorda. O gado foi enviado dessas fazendas para o abate nas plantas da JBS.

guardian 2Em 2018 a fazenda Lagoa do Triunfo entregou centenas de cabeças de gado para fazendas de propriedade da AgroSB para engorda. Foto: João Laet / The Guardian

Embargos são impostos por violações ambientais, como fazendeiros ou proprietários de terras que cortam árvores e desmatam ilegalmente, e servem tanto como uma medida de punição quanto de proteção para permitir que a terra se recupere. Entre 2010 e 2013, pelo menos 12 áreas de terra na Lagoa do Triunfo foram embargadas, e o Ibama multou a AgroSB mais de US $ 18 milhões – a taxas atuais – pelo desmatamento na fazenda Lagoa do Triunfo.

Nossa equipe de investigação visitou terras claramente demarcadas como embargadas em sites do governo e encontrou vacas pastando lá. Um trabalhador agrícola disse que o gado podia vagar em áreas que os funcionários sabiam que estavam sendo embargados. “Você não pode cortar a vegetação”, disse o funcionário. “A vegetação cresce e nós trabalhamos com o gado dentro.” O Guardião está retendo seu nome em caso de retaliação.

O trabalho da ONG Trase, com sede em Estocolmo, visto exclusivamente pela nossa equipe, revela em que medida a demanda internacional por carne bovina está provocando o desmatamento, com milhares de hectares da Amazônia sendo derrubados todos os anos para fornecer carne aos mercados mundiais.

O AgroSB é um poderoso império agrícola pertencente ao grupo Opportunity, co-fundado por Daniel Dantas, um empresário polêmico que Bloomberg descreveu como o “bad boy” das finanças brasileiras. Ela possui meio milhão de hectares em todo o Pará e há muito tempo atrai controvérsias. Ao longo da última década, o AgroSB foi acusado de desmatamento ilegal, mantendo trabalhadores em condições de escravidão e pulverizando uma comunidade que ocupa uma de suas fazendas com agrotóxicos – acusações que negou veementemente.

O escândalo também cercou a JBS, que é fornecida pela AgroSB. Em 2017, após uma investigação do Ibama, a empresa de carnes foi multada em US $ 7,7 milhões pela compra de gado de fazendas com áreas embargadas, incluindo outra fazenda de propriedade da AgroSB. A empresa se comprometeu a parar de comprar gado da fazenda.

No mesmo ano, Joesley Batista, CEO de sua controladora, quase derrubou o governo do presidente Michel Temer após secretamente registrá-lo aparentando endossar suborno – Temer foi indiciado, mas nunca tentou e sempre negou as acusações, alegando que a gravação foi editada. Joesley e seu irmão Wesley, então CEO da JBS, admitiram uma extensa rede de suborno em um acordo de barganha.

guardian 3Rações para gado em área embargada na fazenda Lagoa do Triunfo. Foto: João Laet / The Guardian

Em um email, um porta-voz da AgroSB disse que qualquer desmatamento ocorreu antes da aquisição da Lagoa do Triunfo, em 2008. “A AgroSB não realiza o desmatamento para aumentar sua área, mas recupera áreas degradadas. Isso traz progresso social e ambiental para todos, porque na mesma área é possível produzir mais, sem desmatamento, em relação ao meio ambiente ”, disse o porta-voz.

“O modelo de negócios da AgroSB está ancorado na aquisição de áreas abertas e pastagens degradadas, que são fertilizadas, recuperadas e transformadas em pastagens de alta intensidade ou plantações de grãos – o que aumenta a produção de alimentos por hectare e captura dióxido de carbono (CO2) da atmosfera. as plantações e em mais de 250.000 hectares de florestas (reserva legal) mantidas em suas propriedades. ”Ele apontou que:“ Não há irregularidade na comercialização / transferência de gado ”.

Ele disse que apenas 7% da fazenda foi embargada, e acrescentou que, como a AgroSB foi bem sucedida em apelar contra alguns dos outros embargos em suas terras, a empresa acredita que também irá derrubar os embargos na Lagoa do Triunfo.

guardian 4A cidade de São Félix do Xingu com o rio Xingu ao fundo. Foto: João Laet / The Guardian

A franja “oeste selvagem” da floresta amazônica

Com uma população de 125.000 e mais de dois milhões de cabeças de gado, a cidade de São Félix do Xingu cobre uma área maior que a Escócia. A criação de gado alimentou seu crescimento de postos remotos da Amazônia para uma cidade movimentada, e há sinais claros de riqueza aqui.

Apenas fora da cidade, muito dinheiro estava sendo jogado em uma corrida de cavalos em um campo cheio de 4×4. Enquanto dois jóqueis esporeavam seus cavalos pela rudimentar pista de corrida, um comentarista berrou e homens sacudiram maços de dinheiro enquanto suas apostas chegavam.

Houve mais de US $ 35 mil em prêmios durante dois dias de corrida, disse Valdiron Bueno, dono de duas lojas de materiais agrícolas e do organizador da corrida. Bueno construiu seu negócio mais de 20 anos depois de chegar aqui com apenas as roupas nas costas. “Não foi fácil. Eu chorei muito ”, disse ele.

guardian 5Um evento de corrida de cavalos fora da cidade de São Félix do Xingu. Foto: João Laet / The Guardian

São Félix do Xingu era principalmente floresta quando Arlindo Rosa, agora presidente do sindicato de produtores rurais da cidade, chegou em 1993. “Não havia praticamente nenhuma dessas fazendas … não havia rodovia, não havia nada”, disse ele.“As pessoas vieram de fora com o espírito de criar gado”, disse seu vice-presidente, Francisco Torres, que chegou em 1987.

Ambos os homens foram críticos do que eles viam como controles ambientais excessivamente zelosos. Torres criticou o Ibama como uma “indústria de multas”, tomando emprestada uma frase do presidente Jair Bolsonaro, que desmantelou a proteção do meio ambiente e conta com o apoio de agricultores como esses. “Como você vai trabalhar se não conseguir desmatar uma área, principalmente uma pequena?”, Disse Rosa.

Mas os embargos não parecem ter afetado os negócios da AgroSB, descobriram as investigações do Guardian e do Réporter Brasil.

Um porta-voz da JBS disse: “Os fatos apontados não correspondem aos padrões e processos adotados pela Companhia”, indicando uma auditoria independente de 2018 que mostrou que “mais de 99,9% das compras de gado da JBS atendem aos critérios socioambientais da empresa e Compromisso da Pecuária Pública ” – acordo firmado entre grandes empresas de gado e Greenpeace em 2009. Seguiu-se em 2011 um acordo entre a JBS e outras empresas de carnes com procuradorias federais de não comprar gado diretamente de áreas embargadas ou ilegalmente desmatadas.

Um porta-voz disse ao Guardian via e-mail: “A JBS tem uma política de compra responsável de matérias-primas e não compra animais de fazendas envolvidas no desmatamento de florestas nativas, invasão de reservas indígenas ou áreas de conservação ambiental, ou que são embargados pelo Instituto Brasileiro de Nutrição. Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ”.

A auditoria independente constatou que a empresa havia feito um progresso impressionante no acerto dos procedimentos e no fechamento de fazendas com áreas embargadas pelo Ibama. No entanto, embora o sistema exclua fazendas com áreas embargadas, a auditoria observou que outras fazendas de propriedade da mesma empresa ainda podem vender para a JBS. Concluiu que: “Fornecedores indiretos de gado para a JBS ainda não são verificados sistematicamente, uma vez que a JBS ainda não conseguiu adotar procedimentos auditáveis para seus fornecedores indiretos”.

 

guardian 6Gado pastando na Terra do Meio, no município de São Félix do Xingu. Foto: João Laet / The Guardian

Documentos oficiais do Estado vistos pelo Guardian e pela Repórter Brasil mostram que de janeiro a outubro de 2018, Santa Bárbara entregou pelo menos 296 cabeças de gado da fazenda Lagoa do Triunfo à sua fazenda Espiríto Santo em Xinguara, no mesmo estado.

Entre julho e dezembro de 2018, Santa Bárbara enviou pelo menos 1.977 bovinos da fazenda Espirito Santo para dois frigoríficos da JBS no Pará. Em janeiro, pelo menos 936 bovinos foram enviados da fazenda do Espírito Santo para o matadouro da JBS em Redenção, no Pará.

guardian 7Fazenda Lagoa do Triunfo. Foto: João Laet / The Guardian

Ao longo de 2018, Santa Bárbara também enviou pelo menos 729 bovinos da fazenda Lagoa do Triunfo para serem engordados em sua fazenda Porto Rico, em Xinguara. Em abril de 2018, 36 bovinos da fazenda Porto Rico foram enviados para abate na fábrica da JBS em Tucumã, no Pará.

A crescente demanda internacional por carne bovina se tornou um fator-chave na destruição da floresta amazônica, com novos números vistos por nossa equipe revelando a extensão total do desmatamento diretamente ligado a um punhado de grandes corporações de alimentos. A carne vinculada ao desmatamento é exportada globalmente, inclusive para os principais mercados do leste da Ásia e da Europa.

Uma investigação feita pela Trase revelou como até 5.800 km2 de floresta estão sendo derrubados na Amazônia e em outras áreas anualmente para serem convertidos em pastagens usadas para criação de gado, com animais de áreas desmatadas que fornecem suprimento de matadouros que produzem carne para os mercados globais.

As empresas da cadeia de fornecimento da JBS são potencialmente responsáveis ​​pela destruição de entre 28.000 e 32.000 hectares (280-320 km2) de floresta por ano para carne bovina exportada, segundo dados reunidos pela Trase. Não há sugestão de que a carne da Lagoa do Triunfo seja exportada. A AgroSB afirma que comprou a terra em 2008, depois que o desmatamento já havia acontecido. A JBS destaca que possui “um dos maiores sistemas privados de monitoramento de fornecedores do mundo… que abrange a Amazônia Legal”. Tem trabalhado no conceito GTA-Verde, que cobriria todos os elos da cadeia de suprimentos e “evitaria a entrada de gado de áreas desmatadas ilegalmente na indústria da carne ”.

Os dados mais recentes mostram que o desmatamento na Amazônia brasileira tem aumentado desde 2012. Entre agosto de 2017 e julho de 2018, cerca de 7.900 km2 foram destruídos.

guardian 8Transporte de gado na Terra do Meio, no município de São Félix do Xingu, no estado do Pará, na Amazônia. Foto: Joao Laet / The Guardian

No mais abrangente estudo desse tipo já produzido, o TRASE utilizou dados alfandegários, agrícolas, sanitários e de desmatamento para mapear as exportações brasileiras de gado dos mercados internacionais que os consomem de volta para os mais de 3.000 municípios onde o gado foi criado.

A análise inclui dados sobre fornecedores “indiretos”, que geralmente são fazendas intermediárias que não vendem diretamente para os matadouros, mas fornecem outras fazendas que podem transportar gado para o abate. Esta é uma parte “anteriormente invisível” da cadeia da carne, dizem os pesquisadores, que não são monitorados quanto aos riscos de desmatamento.

O “mapa” da cadeia de suprimentos foi então cruzado com conjuntos de dados oficiais sobre a expansão das pastagens, taxas de desmatamento e números da produção pecuária regional para calcular um “risco” de desmatamento associado a empresas específicas e aos principais mercados internacionais de exportação.

Devido ao alto volume de carne bovina brasileira embarcada para a China e Hong Kong, esses mercados estão associados à maior quantidade de desmatamento no total – 16.000 e 22.500 hectares por ano – segundo a análise. A UE também importa mais de US $ 600 milhões em carne bovina do Brasil a cada ano. E isso aumentará se a UE e os Estados membros aprovarem um novo acordo comercial com o Brasil, o Uruguai, a Argentina e o Paraguai para deixar gradualmente 99.000 toneladas de carne bovina sul-americana de baixa tarifa na Europa a cada ano.

Erasmus zu Ermgassen, pesquisador chefe da Trase, disse que enquanto alguns frigoríficos monitoram seus fornecedores diretos, nenhum monitora seus fornecedores indiretos. “Há um enorme potencial para usar a terra de forma mais eficiente e sustentável no setor de carne bovina brasileiro e para melhorar a subsistência rural, investindo na pecuária em pastagens existentes.”

________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

ONG liga empresas da Europa e EUA a desmatamento na Amazônia

Relatório lista empresas que compram produtos, como carne e madeira, de fornecedores multados por desmatamento no Brasil, em meio a temores de retrocesso ambiental no governo Bolsonaro.

desmatamento

Desmatamento ilegal no sul do estado do Amazonas, em 2017

“Estamos vivendo os primeiros estágios de um apocalipse”, declarou este mês uma aliança de povos indígenas ao diário francês Le Monde. A origem dessa preocupação está no desmantelamento acelerado dos direitos de posse de terras indígenas na Amazônia, um tema que domina o debate político-ambiental no Brasil desde que o presidente Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Mas, ao escreverem num jornal que é publicado na Europa, os 13 autores – que representam povos nativos de vários países, incluindo o Brasil e a Nova Zelândia – miravam um público importante e nem sempre levado em conta. A França, assim como outros países ocidentais, é a sede de empresas cuja cadeia produtiva é manchada pelo desmatamento ilegal na Amazônia.

Nos últimos dois anos, a empresa brasileira Benevides Madeiras exportou, respectivamente, 266 e 125 toneladas de madeira para as empresas francesas Guillemette & Cie e Groupe Rougier, segundo um relatório publicado nesta quinta-feira (25/04) pela ONG Amazon Watch. E isso apesar de o proprietário, Arnaldo Betzel, ter sido multado em R$ 2,2 milhões por desmatamento ilegal.

O relatório afirma ainda que empresas da Bélgica, da Holanda e da Dinamarca também receberam carregamentos de madeira da Benevides Madeiras. Uma empresa alemã que produz bebidas, a Acai GmbH, importou 9 toneladas de polpa de fruta em 2018 de outra empresa de Betzel, a Argus, acrescenta o levantamento da Amazon Watch.

Essas empresas fazem parte de um grupo de 27 empresas europeias e norte-americanas cuja cadeia produtiva foi ligada ao desmatamento ilegal pela Amazon Watch, basicamente por meio da importação de produtos como carne bovina, couro, soja e madeira.

O relatório levanta questões sobre a responsabilidade de nações ricas – e das suas empresas – no desmatamento da Amazônia brasileira. “Nós cultivamos a terra para alimentar a nossa gente e não para alimentar animais no outro lado do mundo”, escreveram os representantes da Aliança dos Guardiães da Mãe Natureza no Le Monde.

A destruição da Amazônia para a produção de carne, grãos e madeira tem causado perda de biodiversidade e elevadas emissões de gases do efeito estufa. Especialistas consideram que o desmatamento da Amazônia é um dos principais empecilhos para se chegar às metas climáticas globais.

Mas a responsabilidade não é apenas brasileira. “Comerciantes internacionais, instituições financeiras e empresas importadoras desempenham um papel extremamente importante”, diz um dos autores do relatório, Christian Poirier, da Amazon Watch. “Nossas conclusões mostram que eles são cúmplices na crescente destruição da Amazônia brasileira e de suas comunidades e povos indígenas.”

O relatório, que analisou remessas de 56 empresas brasileiras envolvidas no desmatamento ilegal para as empresas de nações ricas que compram delas, não afirma que um determinado carregamento continha produtos obtidos do desmatamento ilegal, mas mostra que importadores da Europa e da América do Norte compraram de fornecedores brasileiros que recentemente receberam multas das autoridades ambientais.

Num dos casos, a maior exportadora brasileira de carne bovina, a JBS, teria abatido animais da AgroSB, empresa que recebeu as maiores multas por desmatamento ilegal do país em 2017. Os maiores acionistas ocidentais da JBS incluem a Blackrock, maior empresa mundial de gestão de ativos, e a Capital Group e detêm quase 2 bilhões de dólares em ações, afirma o relatório.

Em outro caso, uma subsidiária do Grupo Bihl, uma empresa de produção de carne bovina, exportou couro para cinco curtumes italianos em 2017. Naquele ano, uma outra empresa do Grupo Bihl, a Agropecuária MALP, foi multada em R$ 3,8 milhões por desmatamento ilegal, afirma o relatório.

A JBS afirmou que “não adquire animais de fazendas envolvidas com desmatamento de florestas nativas, invasão de áreas indígenas e áreas de conservação ambiental” e que auditorias mostraram que, nos últimos três anos, mais de 99,9% dos animais adquiridos pela empresa estão em conformidade com os seus critérios sociais e ambientais.

Todas as demais empresas mencionadas se recusaram a comentar o relatório ou não responderam a pedidos para se posicionarem.

Ambientalistas afirmam que o setor privado tem um papel importante a desempenhar na prevenção de um retrocesso na situação ambiental do Brasil sob Bolsonaro. Desde que assumiu o poder, em janeiro, o militar da reserva seguidamente defendeu a expansão do agronegócio na Amazônia, mesmo às custas dos direitos dos povos indígenas e do meio ambiente.

“Este relatório é um convite para pedir [a essas empresas] que repensem, e para agir como vigilante sobre os piores atores no Brasil e, em último caso, sobre o regime Bolsonaro”, diz Poirier. “Isto não é um ataque, mas um alerta – as empresas precisam melhorar suas cadeias de fornecimento e seus portfólios financeiros.”

Décadas de ativismo fizeram as taxas de desmatamento no Brasil caírem, mas analistas temem que elas possam voltar a crescer. Em 2018, o Brasil registrou sua maior taxa de desmatamento em uma década, segundo dados do governo, em parte devido a pessoas que se sentiram encorajadas a desmatar sob o novo governo. Em todo o mundo, o desmatamento é a segunda maior fonte de emissões de gases do efeito estufa.

O Ministério do Meio Ambiente brasileiro não retornou os contatos feitos pela DW.

Informar o consumidor

A presença de produtos obtidos a partir do desmatamento ilegal em lojas de cidades europeias e norte-americanas – de bolsas de luxo a smoothies orgânicos – levanta questões éticas para consumidores e governos ocidentais, assim como para as empresas responsáveis.

“Muitas das florestas sendo destruídas estão sendo destruídas ilegalmente”, diz David Kaimowitz, diretor de recursos naturais de mudanças climáticas da Fundação Ford. “De uma perspectiva de políticas, isso é importante porque governos têm o direito de impedir produtos produzidos de forma ilegal de entrar em seus países.”

Especialistas dizem que o problema é ainda pior porque consumidores muitas vezes não sabem que efeitos os produtos que eles compram deixaram em florestas tropicais. “Acho que consumidor típico não sabe quando está comprando carne ou biscoitos cujos ingredientes estão entre as maiores causas de desmatamento”, diz Kaimowitz.

Se os produtos tivessem mais informações nas suas embalagens, os consumidores poderiam tomaram uma decisão de forma mais consciente. “Se o consumidor sabe, pode decidir ele mesmo”, diz a economista Ruth Delzeit, do instituto econômico alemão IFW.

_______________________________

Este artigo foi originalmente publicado pela Deutsche Welle [Aqui!]. A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.