Revelado: desmatamento desenfreado da Amazônia é impulsionado pela ganância global por carne

Investigação expõe como o enorme setor de carne bovina do Brasil continua a ameaçar a saúde da maior floresta tropical do mundo.

guardian 1Os vaqueiros movimentam o gado de fazendas da Terra do Meio, onde alguns fazendeiros foram vistos desrespeitando os embargos ao desmatamento. Foto: João Laet / The Guardian

Por Dom Phillips e Daniel Camargos em São Félix do Xingu, André Campos em São Paulo e Andrew Wasley e Alexandra Heal em Londres para o The Guardian

As vacas pastavam sob o sol amazônico do meio-dia, perto de uma ponte de madeira que atravessava um rio. Era uma cena idílica de tranquilidade pastoral, ocasionalmente interrompida por uma motocicleta roncando na estrada de terra que corta parte da fazenda de gado da Lagoa do Triunfo para uma comunidade próxima.

Mas esta pastagem é uma terra que a fazenda foi proibida de usar para o gado desde 2010, quando foi embargada pela agência ambiental Ibama para o desmatamento ilegal. Ali perto havia mais sinais de pastagem fresca: grama curta, comedouros e sal para gado.

A enorme fazenda de 145.000 hectares (358.302 acres) é uma das várias pertencentes à empresa AgroSB Agropecuária SA – conhecida na região como Santa Bárbara. Localizada em uma área ambientalmente protegida, a Lagoa do Triunfo fica a mais de 600 km da capital do estado do Pará, na margem ocidental da “fronteira agrícola” do Brasil – onde a agricultura ingressa na floresta tropical. Chegar leva horas dirigindo por estradas de terra e um passeio de balsa saindo de São Félix do Xingu, uma cidade de gado acessível somente de avião até algumas décadas atrás.

A AgroSB fornece gado para a JBS, a maior empresa de embalagem de carne do mundo e única fornecedora de carne bovina, frango e couro em todo o mundo, com 350.000 clientes em mais de 150 países.

Uma investigação conjunta do Guardian, da Repórter Brasil e do Bureau of Investigative Journalism constatou que, em 2018, a fazenda Lagoa do Triunfo entregou centenas de cabeças de gado para outras fazendas também de propriedade da AgroSB para engorda. O gado foi enviado dessas fazendas para o abate nas plantas da JBS.

guardian 2Em 2018 a fazenda Lagoa do Triunfo entregou centenas de cabeças de gado para fazendas de propriedade da AgroSB para engorda. Foto: João Laet / The Guardian

Embargos são impostos por violações ambientais, como fazendeiros ou proprietários de terras que cortam árvores e desmatam ilegalmente, e servem tanto como uma medida de punição quanto de proteção para permitir que a terra se recupere. Entre 2010 e 2013, pelo menos 12 áreas de terra na Lagoa do Triunfo foram embargadas, e o Ibama multou a AgroSB mais de US $ 18 milhões – a taxas atuais – pelo desmatamento na fazenda Lagoa do Triunfo.

Nossa equipe de investigação visitou terras claramente demarcadas como embargadas em sites do governo e encontrou vacas pastando lá. Um trabalhador agrícola disse que o gado podia vagar em áreas que os funcionários sabiam que estavam sendo embargados. “Você não pode cortar a vegetação”, disse o funcionário. “A vegetação cresce e nós trabalhamos com o gado dentro.” O Guardião está retendo seu nome em caso de retaliação.

O trabalho da ONG Trase, com sede em Estocolmo, visto exclusivamente pela nossa equipe, revela em que medida a demanda internacional por carne bovina está provocando o desmatamento, com milhares de hectares da Amazônia sendo derrubados todos os anos para fornecer carne aos mercados mundiais.

O AgroSB é um poderoso império agrícola pertencente ao grupo Opportunity, co-fundado por Daniel Dantas, um empresário polêmico que Bloomberg descreveu como o “bad boy” das finanças brasileiras. Ela possui meio milhão de hectares em todo o Pará e há muito tempo atrai controvérsias. Ao longo da última década, o AgroSB foi acusado de desmatamento ilegal, mantendo trabalhadores em condições de escravidão e pulverizando uma comunidade que ocupa uma de suas fazendas com agrotóxicos – acusações que negou veementemente.

O escândalo também cercou a JBS, que é fornecida pela AgroSB. Em 2017, após uma investigação do Ibama, a empresa de carnes foi multada em US $ 7,7 milhões pela compra de gado de fazendas com áreas embargadas, incluindo outra fazenda de propriedade da AgroSB. A empresa se comprometeu a parar de comprar gado da fazenda.

No mesmo ano, Joesley Batista, CEO de sua controladora, quase derrubou o governo do presidente Michel Temer após secretamente registrá-lo aparentando endossar suborno – Temer foi indiciado, mas nunca tentou e sempre negou as acusações, alegando que a gravação foi editada. Joesley e seu irmão Wesley, então CEO da JBS, admitiram uma extensa rede de suborno em um acordo de barganha.

guardian 3Rações para gado em área embargada na fazenda Lagoa do Triunfo. Foto: João Laet / The Guardian

Em um email, um porta-voz da AgroSB disse que qualquer desmatamento ocorreu antes da aquisição da Lagoa do Triunfo, em 2008. “A AgroSB não realiza o desmatamento para aumentar sua área, mas recupera áreas degradadas. Isso traz progresso social e ambiental para todos, porque na mesma área é possível produzir mais, sem desmatamento, em relação ao meio ambiente ”, disse o porta-voz.

“O modelo de negócios da AgroSB está ancorado na aquisição de áreas abertas e pastagens degradadas, que são fertilizadas, recuperadas e transformadas em pastagens de alta intensidade ou plantações de grãos – o que aumenta a produção de alimentos por hectare e captura dióxido de carbono (CO2) da atmosfera. as plantações e em mais de 250.000 hectares de florestas (reserva legal) mantidas em suas propriedades. ”Ele apontou que:“ Não há irregularidade na comercialização / transferência de gado ”.

Ele disse que apenas 7% da fazenda foi embargada, e acrescentou que, como a AgroSB foi bem sucedida em apelar contra alguns dos outros embargos em suas terras, a empresa acredita que também irá derrubar os embargos na Lagoa do Triunfo.

guardian 4A cidade de São Félix do Xingu com o rio Xingu ao fundo. Foto: João Laet / The Guardian

A franja “oeste selvagem” da floresta amazônica

Com uma população de 125.000 e mais de dois milhões de cabeças de gado, a cidade de São Félix do Xingu cobre uma área maior que a Escócia. A criação de gado alimentou seu crescimento de postos remotos da Amazônia para uma cidade movimentada, e há sinais claros de riqueza aqui.

Apenas fora da cidade, muito dinheiro estava sendo jogado em uma corrida de cavalos em um campo cheio de 4×4. Enquanto dois jóqueis esporeavam seus cavalos pela rudimentar pista de corrida, um comentarista berrou e homens sacudiram maços de dinheiro enquanto suas apostas chegavam.

Houve mais de US $ 35 mil em prêmios durante dois dias de corrida, disse Valdiron Bueno, dono de duas lojas de materiais agrícolas e do organizador da corrida. Bueno construiu seu negócio mais de 20 anos depois de chegar aqui com apenas as roupas nas costas. “Não foi fácil. Eu chorei muito ”, disse ele.

guardian 5Um evento de corrida de cavalos fora da cidade de São Félix do Xingu. Foto: João Laet / The Guardian

São Félix do Xingu era principalmente floresta quando Arlindo Rosa, agora presidente do sindicato de produtores rurais da cidade, chegou em 1993. “Não havia praticamente nenhuma dessas fazendas … não havia rodovia, não havia nada”, disse ele.“As pessoas vieram de fora com o espírito de criar gado”, disse seu vice-presidente, Francisco Torres, que chegou em 1987.

Ambos os homens foram críticos do que eles viam como controles ambientais excessivamente zelosos. Torres criticou o Ibama como uma “indústria de multas”, tomando emprestada uma frase do presidente Jair Bolsonaro, que desmantelou a proteção do meio ambiente e conta com o apoio de agricultores como esses. “Como você vai trabalhar se não conseguir desmatar uma área, principalmente uma pequena?”, Disse Rosa.

Mas os embargos não parecem ter afetado os negócios da AgroSB, descobriram as investigações do Guardian e do Réporter Brasil.

Um porta-voz da JBS disse: “Os fatos apontados não correspondem aos padrões e processos adotados pela Companhia”, indicando uma auditoria independente de 2018 que mostrou que “mais de 99,9% das compras de gado da JBS atendem aos critérios socioambientais da empresa e Compromisso da Pecuária Pública ” – acordo firmado entre grandes empresas de gado e Greenpeace em 2009. Seguiu-se em 2011 um acordo entre a JBS e outras empresas de carnes com procuradorias federais de não comprar gado diretamente de áreas embargadas ou ilegalmente desmatadas.

Um porta-voz disse ao Guardian via e-mail: “A JBS tem uma política de compra responsável de matérias-primas e não compra animais de fazendas envolvidas no desmatamento de florestas nativas, invasão de reservas indígenas ou áreas de conservação ambiental, ou que são embargados pelo Instituto Brasileiro de Nutrição. Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ”.

A auditoria independente constatou que a empresa havia feito um progresso impressionante no acerto dos procedimentos e no fechamento de fazendas com áreas embargadas pelo Ibama. No entanto, embora o sistema exclua fazendas com áreas embargadas, a auditoria observou que outras fazendas de propriedade da mesma empresa ainda podem vender para a JBS. Concluiu que: “Fornecedores indiretos de gado para a JBS ainda não são verificados sistematicamente, uma vez que a JBS ainda não conseguiu adotar procedimentos auditáveis para seus fornecedores indiretos”.

 

guardian 6Gado pastando na Terra do Meio, no município de São Félix do Xingu. Foto: João Laet / The Guardian

Documentos oficiais do Estado vistos pelo Guardian e pela Repórter Brasil mostram que de janeiro a outubro de 2018, Santa Bárbara entregou pelo menos 296 cabeças de gado da fazenda Lagoa do Triunfo à sua fazenda Espiríto Santo em Xinguara, no mesmo estado.

Entre julho e dezembro de 2018, Santa Bárbara enviou pelo menos 1.977 bovinos da fazenda Espirito Santo para dois frigoríficos da JBS no Pará. Em janeiro, pelo menos 936 bovinos foram enviados da fazenda do Espírito Santo para o matadouro da JBS em Redenção, no Pará.

guardian 7Fazenda Lagoa do Triunfo. Foto: João Laet / The Guardian

Ao longo de 2018, Santa Bárbara também enviou pelo menos 729 bovinos da fazenda Lagoa do Triunfo para serem engordados em sua fazenda Porto Rico, em Xinguara. Em abril de 2018, 36 bovinos da fazenda Porto Rico foram enviados para abate na fábrica da JBS em Tucumã, no Pará.

A crescente demanda internacional por carne bovina se tornou um fator-chave na destruição da floresta amazônica, com novos números vistos por nossa equipe revelando a extensão total do desmatamento diretamente ligado a um punhado de grandes corporações de alimentos. A carne vinculada ao desmatamento é exportada globalmente, inclusive para os principais mercados do leste da Ásia e da Europa.

Uma investigação feita pela Trase revelou como até 5.800 km2 de floresta estão sendo derrubados na Amazônia e em outras áreas anualmente para serem convertidos em pastagens usadas para criação de gado, com animais de áreas desmatadas que fornecem suprimento de matadouros que produzem carne para os mercados globais.

As empresas da cadeia de fornecimento da JBS são potencialmente responsáveis ​​pela destruição de entre 28.000 e 32.000 hectares (280-320 km2) de floresta por ano para carne bovina exportada, segundo dados reunidos pela Trase. Não há sugestão de que a carne da Lagoa do Triunfo seja exportada. A AgroSB afirma que comprou a terra em 2008, depois que o desmatamento já havia acontecido. A JBS destaca que possui “um dos maiores sistemas privados de monitoramento de fornecedores do mundo… que abrange a Amazônia Legal”. Tem trabalhado no conceito GTA-Verde, que cobriria todos os elos da cadeia de suprimentos e “evitaria a entrada de gado de áreas desmatadas ilegalmente na indústria da carne ”.

Os dados mais recentes mostram que o desmatamento na Amazônia brasileira tem aumentado desde 2012. Entre agosto de 2017 e julho de 2018, cerca de 7.900 km2 foram destruídos.

guardian 8Transporte de gado na Terra do Meio, no município de São Félix do Xingu, no estado do Pará, na Amazônia. Foto: Joao Laet / The Guardian

No mais abrangente estudo desse tipo já produzido, o TRASE utilizou dados alfandegários, agrícolas, sanitários e de desmatamento para mapear as exportações brasileiras de gado dos mercados internacionais que os consomem de volta para os mais de 3.000 municípios onde o gado foi criado.

A análise inclui dados sobre fornecedores “indiretos”, que geralmente são fazendas intermediárias que não vendem diretamente para os matadouros, mas fornecem outras fazendas que podem transportar gado para o abate. Esta é uma parte “anteriormente invisível” da cadeia da carne, dizem os pesquisadores, que não são monitorados quanto aos riscos de desmatamento.

O “mapa” da cadeia de suprimentos foi então cruzado com conjuntos de dados oficiais sobre a expansão das pastagens, taxas de desmatamento e números da produção pecuária regional para calcular um “risco” de desmatamento associado a empresas específicas e aos principais mercados internacionais de exportação.

Devido ao alto volume de carne bovina brasileira embarcada para a China e Hong Kong, esses mercados estão associados à maior quantidade de desmatamento no total – 16.000 e 22.500 hectares por ano – segundo a análise. A UE também importa mais de US $ 600 milhões em carne bovina do Brasil a cada ano. E isso aumentará se a UE e os Estados membros aprovarem um novo acordo comercial com o Brasil, o Uruguai, a Argentina e o Paraguai para deixar gradualmente 99.000 toneladas de carne bovina sul-americana de baixa tarifa na Europa a cada ano.

Erasmus zu Ermgassen, pesquisador chefe da Trase, disse que enquanto alguns frigoríficos monitoram seus fornecedores diretos, nenhum monitora seus fornecedores indiretos. “Há um enorme potencial para usar a terra de forma mais eficiente e sustentável no setor de carne bovina brasileiro e para melhorar a subsistência rural, investindo na pecuária em pastagens existentes.”

________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

ONG liga empresas da Europa e EUA a desmatamento na Amazônia

Relatório lista empresas que compram produtos, como carne e madeira, de fornecedores multados por desmatamento no Brasil, em meio a temores de retrocesso ambiental no governo Bolsonaro.

desmatamento

Desmatamento ilegal no sul do estado do Amazonas, em 2017

“Estamos vivendo os primeiros estágios de um apocalipse”, declarou este mês uma aliança de povos indígenas ao diário francês Le Monde. A origem dessa preocupação está no desmantelamento acelerado dos direitos de posse de terras indígenas na Amazônia, um tema que domina o debate político-ambiental no Brasil desde que o presidente Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Mas, ao escreverem num jornal que é publicado na Europa, os 13 autores – que representam povos nativos de vários países, incluindo o Brasil e a Nova Zelândia – miravam um público importante e nem sempre levado em conta. A França, assim como outros países ocidentais, é a sede de empresas cuja cadeia produtiva é manchada pelo desmatamento ilegal na Amazônia.

Nos últimos dois anos, a empresa brasileira Benevides Madeiras exportou, respectivamente, 266 e 125 toneladas de madeira para as empresas francesas Guillemette & Cie e Groupe Rougier, segundo um relatório publicado nesta quinta-feira (25/04) pela ONG Amazon Watch. E isso apesar de o proprietário, Arnaldo Betzel, ter sido multado em R$ 2,2 milhões por desmatamento ilegal.

O relatório afirma ainda que empresas da Bélgica, da Holanda e da Dinamarca também receberam carregamentos de madeira da Benevides Madeiras. Uma empresa alemã que produz bebidas, a Acai GmbH, importou 9 toneladas de polpa de fruta em 2018 de outra empresa de Betzel, a Argus, acrescenta o levantamento da Amazon Watch.

Essas empresas fazem parte de um grupo de 27 empresas europeias e norte-americanas cuja cadeia produtiva foi ligada ao desmatamento ilegal pela Amazon Watch, basicamente por meio da importação de produtos como carne bovina, couro, soja e madeira.

O relatório levanta questões sobre a responsabilidade de nações ricas – e das suas empresas – no desmatamento da Amazônia brasileira. “Nós cultivamos a terra para alimentar a nossa gente e não para alimentar animais no outro lado do mundo”, escreveram os representantes da Aliança dos Guardiães da Mãe Natureza no Le Monde.

A destruição da Amazônia para a produção de carne, grãos e madeira tem causado perda de biodiversidade e elevadas emissões de gases do efeito estufa. Especialistas consideram que o desmatamento da Amazônia é um dos principais empecilhos para se chegar às metas climáticas globais.

Mas a responsabilidade não é apenas brasileira. “Comerciantes internacionais, instituições financeiras e empresas importadoras desempenham um papel extremamente importante”, diz um dos autores do relatório, Christian Poirier, da Amazon Watch. “Nossas conclusões mostram que eles são cúmplices na crescente destruição da Amazônia brasileira e de suas comunidades e povos indígenas.”

O relatório, que analisou remessas de 56 empresas brasileiras envolvidas no desmatamento ilegal para as empresas de nações ricas que compram delas, não afirma que um determinado carregamento continha produtos obtidos do desmatamento ilegal, mas mostra que importadores da Europa e da América do Norte compraram de fornecedores brasileiros que recentemente receberam multas das autoridades ambientais.

Num dos casos, a maior exportadora brasileira de carne bovina, a JBS, teria abatido animais da AgroSB, empresa que recebeu as maiores multas por desmatamento ilegal do país em 2017. Os maiores acionistas ocidentais da JBS incluem a Blackrock, maior empresa mundial de gestão de ativos, e a Capital Group e detêm quase 2 bilhões de dólares em ações, afirma o relatório.

Em outro caso, uma subsidiária do Grupo Bihl, uma empresa de produção de carne bovina, exportou couro para cinco curtumes italianos em 2017. Naquele ano, uma outra empresa do Grupo Bihl, a Agropecuária MALP, foi multada em R$ 3,8 milhões por desmatamento ilegal, afirma o relatório.

A JBS afirmou que “não adquire animais de fazendas envolvidas com desmatamento de florestas nativas, invasão de áreas indígenas e áreas de conservação ambiental” e que auditorias mostraram que, nos últimos três anos, mais de 99,9% dos animais adquiridos pela empresa estão em conformidade com os seus critérios sociais e ambientais.

Todas as demais empresas mencionadas se recusaram a comentar o relatório ou não responderam a pedidos para se posicionarem.

Ambientalistas afirmam que o setor privado tem um papel importante a desempenhar na prevenção de um retrocesso na situação ambiental do Brasil sob Bolsonaro. Desde que assumiu o poder, em janeiro, o militar da reserva seguidamente defendeu a expansão do agronegócio na Amazônia, mesmo às custas dos direitos dos povos indígenas e do meio ambiente.

“Este relatório é um convite para pedir [a essas empresas] que repensem, e para agir como vigilante sobre os piores atores no Brasil e, em último caso, sobre o regime Bolsonaro”, diz Poirier. “Isto não é um ataque, mas um alerta – as empresas precisam melhorar suas cadeias de fornecimento e seus portfólios financeiros.”

Décadas de ativismo fizeram as taxas de desmatamento no Brasil caírem, mas analistas temem que elas possam voltar a crescer. Em 2018, o Brasil registrou sua maior taxa de desmatamento em uma década, segundo dados do governo, em parte devido a pessoas que se sentiram encorajadas a desmatar sob o novo governo. Em todo o mundo, o desmatamento é a segunda maior fonte de emissões de gases do efeito estufa.

O Ministério do Meio Ambiente brasileiro não retornou os contatos feitos pela DW.

Informar o consumidor

A presença de produtos obtidos a partir do desmatamento ilegal em lojas de cidades europeias e norte-americanas – de bolsas de luxo a smoothies orgânicos – levanta questões éticas para consumidores e governos ocidentais, assim como para as empresas responsáveis.

“Muitas das florestas sendo destruídas estão sendo destruídas ilegalmente”, diz David Kaimowitz, diretor de recursos naturais de mudanças climáticas da Fundação Ford. “De uma perspectiva de políticas, isso é importante porque governos têm o direito de impedir produtos produzidos de forma ilegal de entrar em seus países.”

Especialistas dizem que o problema é ainda pior porque consumidores muitas vezes não sabem que efeitos os produtos que eles compram deixaram em florestas tropicais. “Acho que consumidor típico não sabe quando está comprando carne ou biscoitos cujos ingredientes estão entre as maiores causas de desmatamento”, diz Kaimowitz.

Se os produtos tivessem mais informações nas suas embalagens, os consumidores poderiam tomaram uma decisão de forma mais consciente. “Se o consumidor sabe, pode decidir ele mesmo”, diz a economista Ruth Delzeit, do instituto econômico alemão IFW.

_______________________________

Este artigo foi originalmente publicado pela Deutsche Welle [Aqui!]. A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

Enquanto Brasil caminha para “autocontrole”, EUA emite novas regras para aumentar segurança na produção de carne animal

Beef Recall

Aumento de casos de “recall” de carne animal forçam emissão de novas regras de controle de produção pelo Departamento de Agricultura dos EUA.

Enquanto no Brasil sob o governo Bolsonaro a ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM/MS), e seus aliados no agronegócio exportador se prepara para lançar medidas de autocontrole na produção de carne animal, nos EUA o governo Trump está para lançar novas regras em face do aumento dos casos de contaminação.

Segundo matéria assinada pelo jornalista Tom Polansek e publicada pela agência Reuters,  o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) irá orientar “os fabricantes de alimentos para iniciarem investigações internas quando receberem reclamações de clientes e notificarem o governo dentro de 24 horas se houver produtos contaminados no mercado“. Polansek informa ainda que “as diretrizes voluntárias, em andamento há meses, são projetadas para garantir que as empresas atendam aos requisitos regulatórios pré-existentes“. 

Polansek também aponta que a emissão dessas novas regras se deverá essencialmente ao fato de que dados obtidos pelo USDA mostram que “desde o início de 2018, a Tyson Foods, Smithfield Foods e outras empresas lançaram mais de 25 recalls envolvendo milhões de quilos de nuggets de frango, calzones, salsichas e outros alimentos que potencialmente continham materiais perigosos.

Um detalhe a mais na matéria de Polansek é de que os casos de contaminação, que envolvem desde contaminação por bacterias até corpos sólidos de madeira e plástico, estão sendo relacionados ao aumento da automação dentro das plantas industriais de grandes empresas da indústria da carne animal.

A matéria adiciona que foram feitos contatos com representantes da Pilgrim’s Pride, da JBS e da Smithfield Foods, do WH Group, mas que os mesmos não responderam aos pedidos de comentários.  E aí fica a questão para os consumidores brasileiros: se nem nos EUA onde os consumidores possuem grandes associações de defesa de seus direitos, a JBS não dá retorno sobre possíveis casos de contaminação, o que dirá no Brasil comandado pelo governo Bolsonaro e sua ministra da Agricultura?

No Brasil não basta a carne ser fraca, tem que ser fria também

FARRA

A matéria abaixo é do site “Poder 360” que tem o jornalista Fernando Rodrigues como seu diretor de redação e ela nos dá conta de outro escândalo envolvendo grandes grandes frigoríficos brasileiros como o JBS (Aqui!).

É que segundo a matéria, fiscais do Ibama autuaram 14 frigoríficos no Pará, Bahia e Tocantins que compraram 58.000 cabeças de gado produzidas em 26 fazendas com áreas embargadas pelo Ibama por desmatamento ilegal na Amazônia. Dentre os frigoríficos, estavam as unidades de Redenção e Santana, no Pará, pertencentes ao grupo JBS/FRIBOi.

Como eu já sinalizado aqui neste blog em relação à operação “Carne Fraca”, os males causados pela forma com que se deu o processo de oligopolização da indústria da carne no Brasil vão muito além da venda de carne estragada. Aliás, a carne estragada é apenas a ponta de um imenso iceberg de irregularidades que envolvem, como bem mostra a matéria do Poder 360, o uso de gado proveniente de áreas de pastagens instaladas ilegalmente em diferentes partes da Amazônia.

Na matéria abaixo o mais patético é ter que ler que o folclórico e decorativo ministro do Meio Ambiente, Zequinha Sarney, teve que sair à público para se desculpar com os latifundários pelo fato do Ibama ter cumprido seu papel institucional de reprimir a compra pelos frigoríficos de gado oriundo de áreas embargadas.

E eu posso garantir que quando dados já existentes em diferentes grupos de pesquisa científica sobre a sinergia existente entre desmatamento ilegal e o abate de gado para exportação vierem à tona, nem milhões de desculpas por parte de Zequinha Sarney vão aliviar os problemas que surgirão juntos aos países consumidores, principalmente os da União Europeia. 

Mas uma coisa é certa: quando se trata do latifúndio e dos grandes frigoríficos não basta a carne ser fraca, tem que ser fria também!

Ministro do Meio Ambiente se desculpa com produtores: Carne Fria foi inoportuna

Sarney_Filho-868x644

“Acho que essa operação poderia ser em outra data”, afirmou

Sarney Filho disse que Ibama não o avisou sobre a operação

Por Poder 360

Em tom de desculpas, disse que a operação daria a impressão de fragilidade do setor por ocorrer em paralelo à operação Carne Fraca, da Polícia Federal. “Acho que essa operação [Carne Fria] poderia ter sido feita em outra data”, disse o ministro.

CARNE FRIA

O Ibama autuou 14 frigoríficos no Pará, Bahia e Tocantins que compraram 58.000 cabeças de gado produzidas em 26 fazendas com áreas embargadas pelo Ibama por desmatamento ilegal na Amazônia. Dentre os frigoríficos, estavam as unidades de Redenção e Santana, no Pará, pertencentes à JBS.

“NÃO FUI AVISADO PELO IBAMA”

O ministro disse aos produtores que não sabia da operação. Também afirmou não ser contra ações “para promover a legalidade”:

“Não era o momento adequado para que a gente fizesse essa operação. Quando eu digo a gente é porque o Ibama faz parte do Ministério do Meio Ambiente. Mas quero dizer que eu não fui avisado pelo Ibama desta operação.”

FONTE: http://www.poder360.com.br/brasil/ministro-do-meio-ambiente-se-desculpa-com-produtores-carne-fria-foi-inoportuna/

Indústria da carne perda US$ 130 milhões em uma semana. Que percam muito mais!

O jornal “O ESTADO DE SÃO PAULO” publicou ontem uma matéria assinada pelos jornalistas Cristián Favaro e José Roberto Gomes dando conta que apenas em uma semana os exportadores de carne perderam a bagatela de US$ 130 milhões por causa das fraudes reveladas pela operação “Carne Fraca” da Polícia Federal (Aqui!)

carne podre

A minha reação a esta notícia? Que percam mais, muito mais! É que por detrás da choradeira disseminada pela A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) existe uma ampla rede de cumplicidades com todas as consequências trazidas pela forma com que essa indústria se oligopolizou no Brasil. 

E essas consequências incluem desmatamento na Amazônia, trabalho escravo, condições degradantes dentro das plantas industriais, poluição de corpos hídricos, mal trato animal, e por aí vai.

Aliás, já disse e repito: as revelações trazidas pela “Carne Fraca” tornam mais atual do que nunca a discussão da realização de uma ampla reforma agrária para que possamos passar para um modelo mais sustentável e socialmente mais justo de produção de alimentos. É que, ao contrário do que tem sido imposto pelo latifúndio agro-exportador, existem saídas para todos os males que são causados pela dependência da nossa economia à formas que são social e ambientalmente degradantes como é o caso do modelo dos “Campeões Nacionais” que turbinaram a JBS FRIBOI e a BRF.

E não esqueçamos que se esse caso fosse na China ou nos EUA, as repercussões contra os responsáveis por elas variariam do fuzilamento à prisão perpétua. Enquanto isso, aqui no Brasil o que vemos é o apelo oportunista a um nacionalismo xinfrim cuja finalidade é evitar quaisquer punições aos controladores dessas corporações que apostaram na impunidade para aumentar seus lucros já astronômicos.

E para quem quiser se informar mais sobre os graves problemas que cercam a indústria da carne, sugiro a leitura do livro “Cadeia Industrial da Carne” que pode ser baixado (Aqui!).

Por que a defesa nacionalista da indústria da carne é um tremendo “nonsense”

O escândalo de grandes proporções econômicas que foi desencadeado pela operação “Carne Fraca” da Polícia Federal do Paraná está servindo como pano de fundo para um debate de cores nacionalistas para a defesa da indústria da carne, envolvendo até setores da esquerda brasileira.

Como alguém que já esteve em várias plantas industriais e coletou dados sobre as linhas de aquisição de gado bovino nos estados de Goiás, Mato Grosso e Rondônia, considero essa uma discussão que beira o completo “nonsense”.  É que além dos graves danos ambientais associados à expansão da pecuária extensiva, temos ainda problemas com o trabalho escravo, o massacre dos povos indígenas, e ainda as condições degradantes que cercam o trabalho dentro dessas plantas industriais.

Uma informação que eu raramente ofereço é que diminui bastante o consumo de carne bovina depois de realizar um périplo de mais de 8.000 Km nos estados de Goiás, onde pude ver de perto as condições em que os animais eram transportados para serem abatidos nas plantas industriais. Uma visão que particularmente me impressionou foi o gado apertado em currais embaixo de um sol escandante e faminto. Tudo isso para agilizar  o processo de abate e passagem pela linha de produção, coisa que me foi dita duraria questão de minutos após o animal ser morto.

Além disso,  há o fato de que grupos como o JBS/FRIBOI e BRF se tornaram gigantes da indústria da carne, tendo se alastrado por vários continentes onde controlam parte não apenas do comércio, mas também da produção. Esse perfil de empresa que está presente nos mercados globais tem perfeito conhecimento dos riscos que se corre ao adulterar produtos para posterior comercialização.  Em outras palavras, de nacional mesmo só a mais valia que elas extraem a partir da apropriação da Natureza e da exploração dos trabalhadores.

Além disso, por mais localizado que seja o problema da venda de produtos impróprios, este é o menor dos problemas envolvendo a oligopolização do comércio da carne animal, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Antes de fazer qualquer defesa dessas marcas, o que a esquerda deveria estar questionando é o modelo produtivo que possibilitou a ascensão do Brasil no mercado global da carne animal, e de todos os custos sociais e ambientais que esse processo acarretou. 

Mas que ninguém espere de mim a defesa dessas corporações, pois elas já tem os governos e a mídia corporativa.  Particularmente me preocupo apenas com suas vítimas diretas (os ecossistemas naturais, pequenos agricultores e povos indígenas) e indiretas (nós, os consumidores de seus produtos caros e adulterados).

Finalmente, que pelo menos esse escândalo sirva para que possamos voltar a tratar de forma séria a questão da reforma agrária e do processo de produção de alimentos com um duplo olhar sobre a proteção do ambiente e da saúde dos cidadãos transformados em consumidores. É que a Carne Fraca mostra que o sistema de produção de alimentos ensejado pela Revolução Verde está caindo de podre.

Carne, Osso: documentário sobre moedor de gente da indústria da carne no Brasil

Para quem está ficando penalizado com a situação das empresas da indústria da carne flagradas adulterando seus produtos para manter suas fantásticas taxas de lucro, estou postando abaixo o documentário “Carne, Osso” produzido pela ONG  Repórter Brasil para mostrar as condições absurdamente duras que prevalecem no trabalho cortidiano dentro 

dos s frigoríficos brasileiros de abate de aves, bovinos e suínos (Aqui!).

O documentário mostra que quem trabalha em um frigorífico se depara diariamente com uma série de riscos que a maior parte das pessoas sequer imagina. Tais riscos incluem a exposição constante a facas, serras e outros instrumentos cortantes; realização de movimentos repetitivos que podem gerar graves lesões e doenças; pressão psicológica para dar conta do alucinado ritmo de produção; jornadas exaustivas até mesmo aos sábados; ambiente asfixiante e, obviamente, frio – muito frio.

 Ao longo de dois anos, a equipe da ONG Repórter Brasil percorreu diversos pontos nas regiões Sul e Centro-Oeste à procura de histórias de vida que pudessem ilustrar esses problemas.  O filme alia imagens impactantes a depoimentos que caracterizam uma realidade que deve ser encarada com a devida seriedade pela iniciativa privada, pela sociedade civil e pelo poder público.

Talvez após assistir a este documentário, possamos ter um debate mais qualificado sobre o consumo da carne e seus impactos sociais e ambientais no Brasil. E além disso, espero que ninguém mais caia na ladainha de que os donos dessas empresas representam algum tipo de injustiçado social após a ação da Polícia Federal.