Abrasco aponta como perigosa a suspensão precoce de máscaras em espaços fechados na cidade do Rio de Janeiro

Suspensão das máscaras em espaços fechados: medida intempestiva que nega a realidade da pandemia

nota_suspensao_mascaras

Foto da arte: Rovena Rosa/Agência Brasil

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) considera precoce e intempestiva a medida anunciada pela Prefeitura do Rio de janeiro de suspender a obrigatoriedade do uso de máscaras em espaços fechados.

O Brasil e o mundo ainda se encontram em uma situação de pandemia, com imensas desigualdades no acesso as vacinas dentro e fora do país. Além disto, ainda não temos a real magnitude do incremento de casos provocados pelas aglomerações do feriado de carnaval, o que exige prudência e precaução até que possamos ter uma avaliação mais sólida da situação da pandemia no município do Rio de Janeiro, bem como na região metropolitana.

Nenhum município é uma ilha. Análises e decisões devem considerar o contexto local, mas também regional. Além disso, com o início das atividades escolares, é fundamental que sejam exigidos passaportes vacinais em todas as escolas (públicas e privadas), principalmente as que envolvem os segmentos com faixas etárias de 5 a 11 anos, uma vez que apenas 8,4% destas crianças possuem esquema vacinal completo. O reforço vacinal (3ª dose), atingindo apenas 42,3% da população, também caminha muito lentamente, fazendo com que a eliminação das medidas de proteção físicas (máscaras, distanciamento social e lavagem de mãos) se torne um ato precoce.

Não será negando a realidade que o Brasil poderá voltar ao normal, senão, ao contrário, enfrentando com responsabilidade e maturidade seus desafios sociais e sanitários, tendo como base os princípios da equidade no acesso às vacinas e da precaução na adoção de medidas de proteção.

Rio de Janeiro, 08 de março de 2022

Abrasco – Associação Brasileira de Saúde Coletiva

color compass

Este texto foi publicado inicialmente pela Abrasco [Aqui!].

Dualidade das máscaras desvela a natureza do governo Bolsonaro: no Brasil sem, em Israel com

Uma comitiva representando o governo do Brasil, composta por membros de ministérios e parlamentares saiu em direção a Israel com missão pouco clara. Entretanto, as imagens deixam claríssima a situação esdrúxula que o nosso país vive nesse momento.

brasil e israel

Como pode ser ver, enquanto no Brasil nenhum dos membros da comitiva portava uma máscara facial, ao chegar em Israel todos a portavam, obviamente sob demanda das autoridades israelenses que colocaram aquele país na condição de primeiro lugar em termos de vacinação contra a COVID-19 entre todas as nações do planeta.

Mas vexame mesmo passou o ministro das Relações Exteriores do governo Bolsonaro, Ernesto Araújo, que foi obrigado a colocar uma máscara ao se aproximar do chanceler israelense Gabi Ashkenazi, em Jerusalém, no momento das fotografias protocolares.

Por essas e outras é que o Brasil está nesse momento em completo descrédito internacional, e cada vez mais isolado em um momento crucial da nossa história. E, pior, os que não portam máscaras e incentivam outras a não usá-las em território brasileiro são os mesmos que mansamente fazem isso no exterior.

Finalmente, não é coincidência nenhuma que Israel já esteja próximo de debelar a pandemia da COVID-19, enquanto o Brasil acumula novos casos de infecção e empilha cadáveres em containers nas portas de seus hospitais colapsados.

Dá nele, máscara!

nelson-teich

O vídeo abaixo é rápido, mas extremamente revelador sobre o mato sem cachorro em que o Brasil está enfiado neste momento de pandemia letal. É que se o ministro da Saúde, Nelson Teich, tiver a mesma destreza que ele mostra no simples ato de vestir uma máscara na gestão da crise sanitária causada pelo coronavírus, a verdade é que vai faltar caixão no Brasil.