Ex-capitão Adriano da Nóbrega temia virar “queima de arquivo”: paranoia ou premonição?

armas nobrega

Ex-capitão do Bope, Adriano da Nóbrega, e as armas que teriam sido apreendidas em seu poder no momento da sua morte.

A notícia mais importante do dia deste domingo é sem dúvida alguma a morte do ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PMERJ, Adriano da Nóbrega Silva.  Um detalhe no mínimo curioso acerca da morte de Nóbrega é que o agora falecido ex-capitão tinha a estranha certeza de que nunca seria preso, mas que morreria assassinado dentro ou fora de uma prisão, no que poderia se constituir em uma “queima de arquivo“. Pelo menos isso é o que está dizendo o advogado Paulo Emílio Catta Preta, o último a representar o agora falecido ex-capitão do Bope.

Uma pergunta que não para de gritar para ser respondida é a seguinte: quem Adriano da Nóbrega acreditava estar interessado em torná-lo uma “queima de arquivo”?

Mais importante ainda seria perguntar se Nóbrega teria tido uma espécie de premonição sobre o futuro que o aguardava, ou tudo não passaria de uma coincidência.