Desmatamento e mudanças climáticas podem dividir a Amazônia em duas

Em estudo publicado na Nature Climate Change, pesquisadores do Museu Goeldi e parceiros demonstram que a Amazônia pode ter metade de sua área reduzida a fragmentos até 2050. A porção oriental da região tende a perder 95% de suas florestas e o Pará será o estado mais prejudicado.

deforestation amazon

Crédito: Ricardo Funari Getty Images

Por Agência Museu Goeldi 

O maior bloco de floresta tropical do mundo pode estar severamente ameaçado. Uma em cada dez espécies de árvores do mundo cresce na Amazônia e mais da metade pode estar ameaçada de extinção em três décadas. Este é um dos achados de recente estudo publicado na revista Nature Climate Change, onde quatro pesquisadores do Brasil e da Holanda apresentam uma análise combinando cenários de impactos do desmatamento e das mudanças climáticas com conclusões alarmantes. De acordo com a previsão do cenário mais pessimista, conhecido como business as usual, metade da floresta ao sul da Amazônia pode ser reduzida a fragmentos, levando muitas espécies a um sério risco de extinção.

O grupo de pesquisadores inicialmente produziu mapas da distribuição original de cada uma das 10.071 espécies de árvores amazônicas conhecidas anteriores às mudanças induzidas pela humanidade. Estes mapas foram sobrepostos para fornecer o número médio de espécies para cada quadrado de 10×10 quilômetros dentro da floresta, estimando a riqueza de espécies nestes espaços, que foi de, aproximadamente, 1.500 espécies para cada um dos quadrados. O mapeamento do local onde as espécies podem ser encontradas é importante para se obter os limites de temperatura e precipitação onde elas estão aparentemente confortáveis, explica o primeiro autor do estudo, Vitor Gomes. Ao sobrepor a distribuição original das espécies ao desmatamento total da Amazônia até o ano 2013 (cerca de 10%), foi observado que um total de 807 espécies podem ser classificadas como ameaçadas de extinção. Segundo o estudo, até 2013 o desmatamento já havia atingido áreas aptas à distribuição de 98,7% das espécies de árvore na Amazônia.

A seguir, o grupo avaliou os impactos do desmatamento e das mudanças climáticas segundo projeções para o ano de 2050. Surpreendentemente, as mudanças climáticas se mostraram capazes de superar os impactos do desmatamento nos próximos 30 anos. As perdas de áreas aptas provocadas pelo desmatamento variaram entre 19 e 33%, enquanto que a variação com base nas mudanças climáticas variou entre 47 e 53%. “Apesar do maior potencial de perda provocado pelas mudanças climáticas, ambos os cenários apresentam resultados alarmantes e podem ter consequências severas para a biodiversidade amazônica”, considera Vitor Gomes – que defendeu tese de doutorado sobre este assunto no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (MPEG/Embrapa/UFPA), tendo sido antes beneficiado pelo programa Ciência Sem Fronteiras.

Os autores do estudo consideraram que um cenário futuro realístico deveria apresentar ambos os impactos combinados e os resultados desta combinação se traduziram em perdas ainda maiores. As perdas podem variar entre 53 e 65%, do cenário mais otimista ao mais pessimista. Tais perdas resultariam em uma redução da riqueza de espécies entre 43 e 58%. “Apesar do importante papel das florestas tropicais na regulação do clima, conservação da biodiversidade e fornecimento de serviços ecossistêmicos, corremos o risco de perder quase 60% da riqueza arbórea da Amazônia”, diz Rafael Salomão, coautor do estudo, pesquisador do Museu Goeldi e professor da Universidade Federal Rural da Amazônia, em Belém, Brasil.

Mesmo o cenário combinado mais otimista prevê uma perda de mais da metade das áreas aptas à distribuição das espécies arbóreas amazônicas. O número total de espécies ameaçadas nos cenários combinados pode variar entre 4.872 (48,4%) e 4.993 (49,6%). Apesar da pequena diferença entre os cenários combinados, no mais otimista, o número de espécies classificadas como “Criticamente Ameaçadas” (CR) é menor, caindo de 22% (mais pessimista) para 11% (mais otimista). O cenário mais pessimista é baseado nas tendências atuais de desmatamento e emissões de CO2, considerando a ausência de ações mitigadoras ou o aumento da governança. Um dos mapas apresentados no estudo mostra a Amazônia divida ao meio no cenário mais pessimista. Uma das metades, formada pelas porções leste, sul e sudeste da Amazônia, aparece severamente fragmentada e, a outra metade, formada pelas porções norte, central e oeste, aparece com um formato ainda contínuo.

Amazônia dividida ao meio

Espécies comuns na metade fragmentada, tal como Protium altissimum (Aubl.) Marchand., podem enfrentar grande ameaça de extinção. Esta espécie é a segunda mais abundante na Amazônia, ocorrendo com grande número de indivíduos. Na área severamente fragmentada o desmatamento já é bastante intenso, especialmente na região conhecida como “arco do desmatamento”. O bloco contínuo pode sofrer menor impacto do desmatamento, mas não está imune às mudanças do clima. A espécie Eperua falcata Aubl., muito comum no Planalto das Guianas, e também uma das mais abundantes na Amazônia, pode perder até 63% das áreas aptas à sua distribuição. Segundo Hans ter Steege, coautor do artigo e pesquisador do Naturalis Biodiversity Center em Leiden, Holanda, espécies como a E. falcata, podem ter grande dificuldade de encontrar novos ambientes no futuro. As árvores desta espécie não conseguem espalhar suas sementes a mais do que 15 metros de distância e seus indivíduos precisam de cerca de um século para atingirem a maturidade. “Muitas populações de espécies movem-se lentamente. Eu comumente leio artigos inferindo que, devido às mudanças climáticas, alguns tipos de florestas serão encontrados em outras regiões em 2050. Mas como estas florestas podem ao menos chegar lá? Elas pegarão um trem?”, questiona.

Pan Amazônia.png

Apesar dos resultados alarmantes, o estudo destaca o importante papel da rede de áreas protegidas da Amazônia. Estas áreas podem prevenir a redução da riqueza de espécies em relação às previsões dos impactos futuros. “Mesmo que estas áreas não sejam totalmente imunes às mudanças no clima, que pode sobrepor limites físicos ou geográficos, nossos modelos mostram que as florestas fora da rede de áreas protegidas podem perder até um terço a mais de espécies”, diz Vitor Gomes. Os autores acrescentam que o cenário mais pessimista aparenta ser cada vez mais realista, pois o desmatamento na Amazônia está aumentando novamente e os esforços atuais para limitar o aquecimento global são claramente insuficientes.

Ima Vieira, coautora do artigo e pesquisadora do Museu Goeldi, em Belém, Brasil, alerta para o grande risco que a floresta amazônica corre por conta da aprovação do Projeto de Lei 2362/2019 no Brasil, que propõe a eliminação da reserva legal nas propriedades rurais. Ima diz: “Se isso acontecer, cerca de 89 milhões de hectares podem ser diretamente ameaçados pelo desmatado na Amazônia. Já ficamos impressionados com os resultados deste estudo, imagine o que pode vir pela frente com esse nível de retrocesso ambiental? A floresta do futuro pode ser dividida em vários blocos, onde muitas espécies correriam sérios riscos de extinção. É fundamental o avanço da governança ambiental na região, considerando as áreas protegidas e as reservas legais como instrumentos complementares da proteção da biodiversidade. Nesse quadro, a Amazônia Oriental pode perder 95% de suas florestas e o estado do Pará será o mais prejudicado, porque já é o campeão regional em perdas de diversidade”.

O estudo finaliza com o exemplo da Floresta Atlântica, que, apesar de hoje possuir pouco mais de 10% de sua cobertura original, foi alvo do alerta de diversos estudos ao longo de mais de um século e, portanto, deixar que a Amazônia tenha o mesmo destino não seria uma opção.

____________________________________

Este artigo foi inicialmente publicado pela Agência Museu Goeldi [Aqui!].

Pesquisa alerta para os cuidados na construção de hidrelétricas nos maiores rios do mundo

Lago Balbina - Rebio Uatumã - Fernando Lara copy

Estudo publicado na “Science”, com participação do Museu Goeldi, mostra como interferências em grandes ecossistemas fluviais do globo têm níveis altos de exigências. Ignorar isso custa caro à biodiversidade e à vida de populações

Agência Museu Goeldi – Para atender as necessidades energéticas dos países em desenvolvimento, diversas barragens são construídas ou estão planejadas nos maiores rios do mundo. Nesse contexto, em geral, os defensores das barragens ressaltam os benefícios econômicos e subestimam efeitos adversos sobre a biodiversidade e a vida das mais diversas populações envolvidas – em especial rotinas ligadas a fontes de pesca, extremamente importantes.

Essa é uma das conclusões de um artigo publicado em janeiro na renomada revista científica norte-americanaScience, especializada em ciência. O estudo discute como balancear a geração de energia hidrelétrica com a proteção da biodiversidade em três das mais biodiversas bacias hidrográficas do mundo: a bacia do rio Amazonas (América do Sul), a bacia do Rio Congo (África Central) e a bacia do rio Mekong (Sudeste da Ásia).

Gigantes de água e vida

As bacias hidrográficas do rio Amazonas, Congo e Mekong abrigam um terço da diversidade de peixes de água doce do globo. Alguns deles não são achados em nenhum outro lugar do planeta. Essas bacias hidrográficas têm experimentado uma explosão de projetos de construção de barragens para geração de energia hidrelétrica nos últimos anos, ressalta o ictiologista Alberto Akama. O especialista em peixes do Museu Paraense Emílio Goeldi é um dos autores do estudo.

“Fomos percebendo que há um processo não só no Brasil, mas em países da América Latina – inclusive capitaneado pelo Brasil-, de construir hidrelétricas na região amazônica, assim como vem ocorrendo na Ásia e na África. Esses e outros fatores levaram ao surgimento desse trabalho em particular”, conta Akama sobre a parceria para desenvolvimento do estudo.

Bacia Amazônica

O artigo publicado na Science aponta que na bacia amazônica existem 416 usinas hidrelétricas em operação ou construção. Além disso, pelo menos outras 334 já foram propostas ou estão em fase de planejamento. É a maior quantidade de barragens entre as três bacias hidrográficas estudadas.

É também a bacia amazônica que apresenta o maior número de espécies de peixes identificadas, em comparação com a bacia do Congo e do Mekong: são 2.320 espécies, das quais 1.488 são endêmicas – ou seja, não existem em nenhum outro lugar do mundo.

Por isso a escolha adequada dos locais de construção das barragens é fundamental. As passagens para peixes, construídas para mitigar o impacto nos fluxos migratórios de algumas dessas espécies, por exemplo, não têm apresentado sucesso na região neotropical (que se estende da América Central até a América do Sul).

Tudo está conectado 

Ainda de acordo com o estudo publicado na Science, cada vez mais barragens são construídas em uma mesma bacia hidrográfica. Enquanto isso, os processos de escolha dos locais para a construção de represas ignoram, em grande parte, os impactos cumulativos no comportamento das águas e dos sedimentos ao longo dessas bacias. Esses impactos têm, inclusive, reflexo nos ecossistemas marinhos, quando as águas dos rios encontram os mares.

A escolha dos locais para construção de barragens também não têm considerado adequadamente a conservação de benefícios prestados às populações humanas por animais e plantas que habitam esses rios. Esses benefícios, como a regulação do clima e o uso na alimentação, são chamados de serviços ecossistêmicos. Além disso, os custos associados ao deslocamento de grandes populações e ao desmatamento que decorre da abertura de estradas em áreas de floresta também têm sido mal considerados.

Assim, os especialistas concluem que, para atingir real sustentabilidade, a avaliação de novos projetos de hidrelétricas deve ir além dos impactos locais. Deve levar em conta as interações com barragens já existentes na mesma bacia hidrográfica, as mudanças na cobertura da terra (como a retirada da vegetação) e possíveis mudanças climáticas – pois já existem tecnologias que podem medir todas essas informações e incorporá-las aos projetos.

Custos e benefícios mal calculados 

O estudo sobre hidrelétricas publicado na Science apresenta ainda evidências sobre o quanto os planejadores dessas barragens têm falhado na avaliação dos reais custos e benefícios da construção de usinas. De acordo com o artigo, 75% das barragens de grande porte acabaram custando, em média, 96% a mais do que as estimativas usadas para justificar sua construção.

Além disso, as projeções econômicas geralmente subestimam os custos destinados a mitigação de impactos ambientais, como no caso dos US$ 26 bilhões gastos pela China por conta dos prejuízos ambientais gerados pela Hidrelétrica das Três Gargantas, no rio Yang-Tsé, o maior do país.

O estudo cita também a usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA). Previsões mostram que, além de produzir bem menos energia do que foi projetada para produzir, ela ainda pode representar um recorde de perda de biodiversidade, por ter sido construída em uma área onde vivem muitas espécies endêmicas. Construída na região denominada Volta Grande do Xingu, no Sudoeste do Pará, envolvendo os municípios de Altamira, Vitória de Xingu, Senador José Porfírio e Anapu, a usina de Belo Monte foi planejada para gerar até 11.233,1 MW, com energia firme média de 4.571 MW. A área alagada compreenderá a um reservatório de 503 km².

Sobre a região amazônica, Alberto Akama alerta que as propostas de construção de hidrelétricas devem ser acompanhadas com muito cuidado, tanto pelos riscos relacionados ao meio ambiente, quanto pelas consequências sociais e econômicas de sua construção. “Minha área é sistemática de peixes, mas essa área de conservação da fauna é muito importante, e principalmente essa discussão sobre o que está acontecendo aqui no Pará [a proposta de construção de hidrelétricas], que afeta diretamente a população do Estado. As construtoras, em geral, apresentam apenas os impactos benéficos. Os impactos adversos elas escondem”, destaca Akama.

O artigo 

O artigo “Balancing hydropower and biodiversity in the Amazon, Congo, and Mekong é resultado do trabalho desenvolvido por uma equipe de cientistas pertencentes a 30 organizações acadêmicas, governamentais e de conservação em oito países, sob a liderança de Kirk Winemiller, da Texas A&M University. O pesquisador Alberto Akama, do Museu Paraense Emílio Goeldi, é um dos autores do estudo.

FONTE: http://www.museu-goeldi.br/portal/content/pesquisa-alerta-para-os-cuidados-na-constru-o-de-hidrel-tricas-nos-maiores-rios-do-mundo