Com 900 mortos pela COVID-19, necrocomerciantes pressionam pela reabertura do comércio em Campos dos Goytacazes

manaus cemitério

Em meio ao recrudescimento dos casos de COVID-19,  a Prefeitura de Campos dos Goytacazes e o Ministério Público Estadual agiram para adotar formas mínimas de restrição da circulação de pessoas na cidade, especialmente na região do centro histórico. Essas medidas, ainda que tímidas em função do aprofundamento do colapso hospitalar, resultou na ida às ruas de representantes de sindicatos e associações patronais da área do comércio que pressionam pelo fim imediato desse esforço tímido de contenção da pandemia.

Essa ação dos que eu caracterizo de “necrocomerciantes” (em homanagem ao filosófo camaronês Achilles Mbembe que cunho o termo “necropolítica”) reflete as mesmas ações emanadas de dentro do governo Bolsonaro que procuram intimidar governadores e prefeitos que tentam ensejar medidas que visam conter a expansão da pandemia e, portanto, do número de mortos.

Para justificar sua aliança com o Sars-Cov-2, os representantes desse setor exibem números de empregos que deverão ser destruídos caso as ações restritivas não sejam suspensas. Como sempre os números relativos a empregos são fabulosos e grandiloquentes, mas dificilmente expressam a verdade. É que todos sabemos que a crise do comércio campista, especialmente no seu centro histórico, é algo que antecede a pandemia da COVID-19, e que, frise-se, não se encerrará quando o Sars-Cov-2 finalmente for domado.

Quem conhece minimamente a situação do comércio local sabe que a concorrência de grandes empresas de atacado que chegaram ao município nos últimos anos, e o comércio via sites da internet estão na raiz da crise agônica que o comércio local enfrenta. Desta forma, a insistência em permanecer abertos em meio ao colapso hospitalar em curso na cidade de Campos dos Goytacazes é mais ideológica do que lógica, visto que as lojas reabertas continuarão literalmente às moscas, pois quem ainda pode comprar alguma coisa vai sempre usar formas que minimizem a exposição ao um vírus que está se mostrando cada vez mais letal.

O prefeito Wladimir Garotinho precisa lembrar que a imensa maioria dos votos que o elegeram não vieram dos necrocomerciantes, mas sim daqueles que compõe a maioria dos infectados e dos mortos. São os segmentos mais pobres não apenas que garantiram a eleição de Wladimir, mas também aqueles que estão passando por enormes dificuldades financeiras e sofrendo o maior peso da pandemia. Assim, até para ser justo com seus eleitores, o prefeito deveria se ocupar mais da execução de medidas que ampliem a cobertura social aos mais pobres e se concentrar nos esforços para acelerar o processo de vacinação contra a COVID-19. Simples assim!

Os necrocomercadores da pandemia e sua insensibilidade social

cemiterio

Assisto relativamente de longe a pendenga estabelecida entre os donos de estabelecimentos comerciais e a Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes acerca das necessárias medidas de isolamento social que foram adotadas para frear o agravamento da pandemia da COVID-19.  Se não estivéssemos vivenciando um forte agravamento de contaminações e mortes causadas pelo coronavírus, a discussão sobre abre e fecha o comércio seria meramente escolástica.

O problema é que estamos em meio a uma situação em que vídeos emitidos por médicos atuando na linha de frente do combate à pandemia da COVID-19 em Campos dos Goytacazes apontam, até de forma desesperada, para uma situação crítica em que inexistem leitos de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), e que muitos pacientes já não têm sequer como serem acolhidos nos hospitais da cidade.

Dessa forma, pressionar para manter estabelecimentos comerciais abertos é um convite a um agravamento ainda maior do que já está grave. Lamentavelmente, como no caso de Rafael Diniz, o prefeito Wladimir Garotinho aparentemente está escolhendo o caminho da espinha curvada, em vez de se posicionar como o líder que o município também precisa em um momento gravíssimo de nossa História.

Ao analisar os parcos argumentos oferecidos em prol da abertura de estabelecimentos que, em sua maioria, continuarão às moscas por falta de clientes, não posso deixar de observar que é falacioso afirmar que os estabelecimentos comerciais não são fonte de contaminação.  Qualquer um que percorrer a área comercial do centro de Campos dos Goytacazes verá que o máximo que se faz é oferecer álcool gel e medir a temperatura corporal dos clientes,  medida necessárias que estão longe de impedir a expansão do processo de contaminação.

Mas a grande questão é que para se chegar a um estabelecimento qualquer, o eventual cliente terá que usar transportes públicos precários e circular por ruas em que a maioria não porta máscaras. Assim, a pessoa pode até não se contaminar dentro de uma dada loja, mas isso não quer dizer que o funcionamento de atividades não essenciais não contribua para que haja um agravamento da pandemia. Isto sem falar nos próprios trabalhadores do comércio que, em sua maioria, é obrigada a usar transporte público para chegar ao trabalho.

Já está mais do que claro que as próximas semanas serão marcadas pelo agravamento dos casos de contaminação, o que ampliará ainda mais a pressão sobre unidades hospitalares já sobrecarregadas. Mas nada disso parece sensibilizar os necromercadores da pandemia.   Legal seria se quando a vacinação realmente chegasse, eles se recusassem a entrar na fila para dar lugar aos seus empregados. Mas já sabemos que isto dificilmente ocorrerá.