As nuvens negras que circundam Bolsonaro mostradas no The New York Times: leia artigo na íntegra

‘Uma empresa familiar:’ investigação sobre corrupção ameaça Jair Bolsonaro

Os brasileiros estão fazendo uma pergunta que pode ameaçar o futuro político do presidente Jair Bolsonaro: por que sua esposa e filho receberam pagamentos de um homem sob investigação por corrupção?

mj 1O presidente Jair Bolsonaro do Brasil e sua esposa, Michelle. Entre 2015 e 2019, um confidente de família e ex-assessor canalizou fundos para a Sra. Bolsonaro e o filho do Sr. Bolsonaro, Flávio, em transações que eles não conseguem explicar. Adriano Machado / Reuters

De Ernesto Londoño, Manuela Andreoni e Letícia Casado

RIO DE JANEIRO – O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, estava visitando uma catedral na capital nos últimos dias quando um repórter fez uma pergunta: Presidente, por que sua esposa recebeu US $ 16.000 de um ex-assessor sob investigação por corrupção?

A resposta foi agressiva, mesmo para um presidente conhecido por expressar sua raiva a jornalistas e críticos.

“O que eu gostaria de fazer”, disse Bolsonaro ao repórter, “é quebrar sua boca”.

Em seus dois anos de mandato, quando Bolsonaro e seu círculo íntimo , incluindo seus filhos, foram envolvidos em um número crescente de investigações criminais e legislativas, ele atacou repórteres, investigadores e até mesmo membros de seu próprio gabinete que ousaram ir contra ele.

Mas o caso envolvendo o ex-assessor e confidente da família – que gira em torno do potencial roubo de salários do setor público – abalou os nervos de Bolsonaro ao colocar sua esposa e seu filho mais velho no centro de uma investigação de corrupção que se transformou em uma das suas maiores responsabilidades pessoais e políticas.

mj 2Fabrício Queiroz, centro, assessor de um dos filhos de Bolsonaro, foi preso. Ele está enfrentando acusações de desvio de fundos públicos para a família do presidente. Sebastião Moreira / EPA, via Shutterstock

O conjunto crescente de investigações sobre o presidente e sua família está testando a independência e a força do sistema de justiça em uma das maiores democracias do mundo, com a maior economia do hemisfério sul. Há poucos anos, o judiciário brasileiro ganhou elogios globais por derrubar funcionários poderosos e titãs empresariais em uma cruzada anticorrupção que derrubou o establishment político.

Agora Bolsonarocuja surpreendente ascensão da periferia da política de extrema direita à presidência foi em grande parte impulsionada por uma promessa de erradicar a corrupção e o crime, é acusado de minar o estado de direito, à medida que os escândalos se aproximam cada vez mais da presidência Palácio.

Especialistas afirmam que as evidências que surgiram até agora no caso do ex-assessor Fabrício Queiroz sugerem que a família Bolsonaro participava de um esquema conhecido como rachadinha , comum nos escalões inferiores da política brasileira. Envolve desviar o dinheiro do contribuinte mantendo empregados fantasmas na folha de pagamento ou contratando pessoas que concordam em devolver uma parte de seu salário ao patrão.

“A suspeita é que se tratava de uma empresa familiar que durou muitos anos e movimentou muito dinheiro”, disse Bruno Brandão, diretor executivo da Transparência Internacional no Brasil, sobre o esquema de suborno envolvendo o ex-assessor. “Essas suposições são muito sérias, corroboradas por evidências sólidas, em uma investigação que se baseia em transações financeiras altamente irregulares.”

Em ações judiciais e vazamentos para a imprensa, as autoridades exprimiram a suspeita de que, a partir de 2007, Queiroz ajudou o filho mais velho do presidente, Flávio Bolsonaro, a roubar fundos públicos embolsando parte dos salários de pessoas de sua folha de pagamento quando ele era um representante do estado. Flávio Bolsonaro foi eleito Senado em 2018.

mj 3Flávio Bolsonaro, filho do presidente, está no centro de um crescente escândalo que envolve também a esposa do presidente. Eraldo Peres / Associated Press

Entre 2011 e 2016, Queiroz canalizou milhares de dólares para a esposa do presidente, Michelle Bolsonaro, em transações que nenhum deles consegue explicar. Os promotores também acreditam que os depósitos feitos ao filho do presidente podem estar ligados ao esquema.

Com base em um vasto dossiê de registros financeiros, os investigadores estão tentando determinar se o fluxo de caixa irregular em uma loja de chocolates que Flávio Bolsonaro comprou em 2015, e uma série de compras de imóveis que ele fez em dinheiro, equivalem à lavagem de dinheiro.

Separadamente, um jornal brasileiro descobriu que uma das filhas de Queiroz, Nathália Queiroz, estava na folha de pagamento do ex-gabinete do presidente no Congresso em Brasília entre 2016 e 2018, embora trabalhasse como personal trainer no Rio de Janeiro na época .

Registros bancários obtidos por promotores mostram que a Sra. Queiroz fez pagamentos mensais a seu pai que totalizaram dezenas de milhares de dólares entre 2017 e 2018.

O gabinete do presidente se recusou a comentar o caso em nome de Bolsonaro e sua esposa. Michelle Bolsonaro conheceu o marido em 2006, enquanto trabalhava como secretária no Congresso. Depois que os dois começaram a namorar, ela se juntou à equipe legislativa dele, uma mudança que triplicou seu salário.

Paulo Emílio Catta Preta, advogado que representa o Sr. Queiroz, disse que as transações envolvendo a família Bolsonaro “não têm absolutamente nada a ver com suposta apropriação indébita de fundos”. O advogado de Flávio Bolsonaro não respondeu a um pedido de entrevistas.

Em uma entrevista recente, o vice-presidente Hamilton Mourão defendeu o histórico do governo sobre corrupção, observando que ele não se envolveu nos esquemas de propina multimilionários descobertos durante governos anteriores. Ele lamentou o vazamento para a imprensa de tantas informações sobre a investigação de Queiroz, argumentando que há um esforço em curso para “fabricar uma narrativa para a opinião pública”.

mj 4Bolsonaro e seu círculo íntimo estão envolvidos em um número crescente de investigações criminais e legislativas. Adriano Machado / Reuters

A investigação começou a tomar forma logo após a vitória eleitoral decisiva de Bolsonaro em outubro de 2018. Ele derrotou um partido de esquerda cuja enorme popularidade desmoronou quando seus líderes foram acusados ​​de esquemas de propina envolvendo grandes contratos governamentais e negócios transnacionais.

Logo após a eleição, promotores do Rio de Janeiro notaram que a atividade bancária do Sr. Queiroz em 2016 e 2017, enquanto ele estava na folha de pagamento de Flávio Bolsonaro, era incompatível com seus rendimentos declarados.

Desde então, outras investigações legislativas e criminais colocaram a família Bolsonaro na defensiva.

Outro dos filhos do presidente, Carlos Bolsonaro, está sendo investigado por acusações semelhantes de desvio de fundos públicos durante seu período como vereador no Rio de Janeiro e em conexão com um caso sobre campanhas de desinformação travadas online. Um terceiro filho, Eduardo Bolsonaro , também está envolvido no caso de desinformação.

Como as investigações criminais e legislativas envolveram pessoas próximas ao presidente, seu governo liderou ou apoiou esforços que enfraqueceram os promotores anticorrupção. Eles incluíram tornar mais difícil para os investigadores obterem registros bancários para construir processos criminais. Uma nova lei sujeita os promotores a punições, incluindo multas e acusações criminais por má conduta.

Essas ações contribuíram para a saída dramática do membro mais popular do gabinete de Bolsonaro, Sergio Moro , que em abril acusou o presidente de tentar substituir o chefe da Polícia Federal para proteger amigos e parentes de investigações criminais.

A Suprema Corte está investigando se a conduta do presidente constituiu obstrução da justiça.

Os acontecimentos em torno da saída do Sr. Moro, um ex-juiz federal que se tornou a figura mais emblemática na cruzada anticorrupção que começou em 2014, são amplamente vistos como um abandono de fato da promessa do presidente de combater a corrupção. Um projeto de lei com amplas reformas anticorrupção defendidas por Moro foi abandonado.

mj 5O ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, renunciou em abril, acusando o presidente de tentar proteger amigos e parentes do escrutínio. Eraldo Peres/ Associated Press

“Nossa percepção é de que os criminosos de colarinho branco estão comemorando”, disse Melina Flores, procuradora federal que trabalhou em casos de corrupção de alto nível em Brasília, a capital.

Os investigadores estão lutando para progredir. A luta contra a corrupção, que antes gerou protestos em massa, perdeu ressonância à medida que o Brasil enfrenta o segundo maior número de mortes por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e o colapso econômico que se seguiu.

A mudança no enfoque nacional permitiu a restauração de um sistema tácito em que juízes e políticos poderosos protegem os interesses uns dos outros, disse Carlos Fernando dos Santos Lima, ex-promotor que trabalhou em investigações politicamente explosivas.

“É um retorno à velha prática política de ser protegido por manobras judiciais”, disse ele. “No Brasil temos uma república dos intocáveis ​​e uma república para o resto da população.”

Contra esse pano de fundo, os promotores do caso encontraram maneiras de manter a investigação sob os olhos do público – mesmo quando Queiroz procurou permanecer fora de vista e a família Bolsonaro minimizou sua importância.

Em junho, investigadores munidos de um mandado de prisão contra Queiroz o encontraram em uma residência em São Paulo que pertence a um dos advogados de Bolsonaro, Frederick Wassef.

A prisão, que dominou as primeiras páginas e noticiários por dias, foi seguida por vazamentos para a imprensa de que Queiroz havia enviado a Michelle Bolsonaro muito mais dinheiro do que os investigadores haviam divulgado inicialmente. Isso questionou o relato do presidente de que um único pagamento divulgado em 2018 foi feito para quitar uma dívida.

Depois que Bolsonaro atacou o repórter do jornal O Globo no domingo, milhares de brasileiros que criticam o presidente recorreram às redes sociais para fazer eco à sua pergunta: “Presidente, por que sua esposa recebeu US $ 16.000 de Fabrício Queiroz?”

As apostas são altas para a primeira-dama. Ao contrário do marido e de Flávio Bolsonaro, ela não é uma autoridade eleita, o que a priva das proteções judiciais de que desfrutam.

O quão politicamente prejudicial o caso será para Bolsonaro no longo prazo não está claro, dizem os analistas. Apesar de sua abordagem descuidada da pandemia do coronavírus, que contribuiu para a morte de mais de 118.000 brasileiros, o presidente ampliou ligeiramente sua base de apoio ao dar ajuda emergencial a milhões de brasileiros.

“A maioria dos brasileiros está pensando muito mais em sobrevivência do que em questões políticas”, disse Mauro Paulino, diretor da empresa de pesquisas Datafolha. “Quando a sobrevivência é sua principal preocupação, a corrupção se torna uma questão secundária.”

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The New York Times [Aqui!].

Lula publica artigo no New York Times denunciando golpe de direita no Brasil

lula nyt 1

Lula: Eu quero democracia, não impunidade

Há um golpe de direita em andamento no Brasil, mas a justiça prevalecerá

Por Luiz Inácio Lula da Silva

O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva escreveu este artigo de opinião da prisão.

CURITIBA, Brasil – Dezesseis anos atrás, o Brasil estava em crise; um futuro incerto. Nosso sonho de sermos um dos países mais prósperos e democráticos do mundo parecia ameaçado. A ideia de que um dia nossos cidadãos poderiam desfrutar dos padrões de vida confortáveis de nossos colegas na Europa ou em outras democracias ocidentais parecia estar desaparecendo. Menos de duas décadas após o fim da ditadura, algumas feridas daquele período ainda estavam abertas.

O Partido dos Trabalhadores ofereceu esperança, uma alternativa que poderia mudar essa tendência. Foi por esta razão, creio, acima de tudo, que triunfamos nas urnas em 2002. Eu me tornei o primeiro líder trabalhista a ser eleito presidente do Brasil. Inicialmente, os mercados foram abalados por esse desenvolvimento, mas o crescimento econômico que se seguiu os deixou à vontade.

Nos anos que se seguiram, os governos do PT conseguiram reduzir a pobreza em mais da metade em apenas oito anos. Nos meus dois governos, o salário mínimo aumentou 50%. Nosso programa Bolsa Família, que auxiliou famílias pobres ao mesmo tempo em que garantiu que as crianças recebessem educação de qualidade, ganhou renome internacional. Nós provamos que combater a pobreza era uma boa política econômica.

Mas este progresso foi interrompido. Não através das urnas, embora o Brasil tenha tido àquele momento eleições livres e justas, mas com a interrupção de um mandato da presidente Dilma Rousseff, que sofreu impeachment e foi destituída do cargo por uma ação que até mesmo seus oponentes admitiram não ser um gesto passível de punição. Eu também fui mandado para a prisão, depois de um julgamento duvidoso sobre acusações de corrupção e lavagem de dinheiro.

Meu encarceramento foi a última fase de um golpe em câmera lenta destinado a marginalizar permanentemente as forças progressistas no Brasil. Pretende-se impedir que o Partido dos Trabalhadores seja novamente eleito para a presidência.

Com todas as pesquisas mostrando que eu venceria facilmente as eleições de outubro, a extrema direita brasileira está tentando me tirar da disputa. Minha condenação e prisão são baseadas somente no testemunho de alguém cuja própria sentença foi reduzida em troca do que ele disse contra mim. Em outras palavras, era do seu interesse pessoal dizer às autoridades o que elas queriam ouvir.

As forças de direita que tomaram o poder no Brasil não perderam tempo na implementação de sua agenda. A administração profundamente impopular do presidente Michel Temer aprovou uma emenda constitucional que estabeleceu um limite de 20 anos para os gastos públicos e promulgou várias mudanças nas leis trabalhistas que facilitarão a terceirização e enfraquecerão os direitos de negociação dos trabalhadores e até mesmo seu direito a uma jornada de trabalho de oito horas. O governo Temer também tentou fazer cortes nas aposentadorias.

Os conservadores do Brasil estão tentando reverter o progresso dos governos do Partido dos Trabalhadores e estão determinados a nos impedir de voltar ao cargo em um futuro próximo.

Seu aliado nesse esforço é o juiz Sérgio Moro e sua equipe de promotores, que recorreram a gravações e vazamentos de conversas telefônicas particulares que tive com minha família e com meu advogado, incluindo uma conversa ilegal. Eles criaram um roteiro fantasioso de mídia ao me prenderem, pois me acusaram de ser o “mentor” de um vasto esquema de corrupção. Esses detalhes aterradores raramente são relatados na grande mídia.

Moro foi protegido pela mídia de direita do Brasil. Ele se tornou intocável. Mas a verdadeira questão não é o Sr. Moro; são aqueles que o elevaram a esse status intocável: elites de direita, neoliberais, que sempre se opuseram à nossa luta por maior justiça e igualdade social no Brasil.

Não acredito que a maioria dos brasileiros tenha aprovado essa agenda elitista. É por isso que, embora estando na prisão, eu estou concorrendo à presidência, até porque as pesquisas mostram que, se as eleições fossem realizadas hoje, eu venceria. Milhões de brasileiros entendem que minha prisão não tem nada a ver com corrupção, e eles entendem que eu estou onde estou apenas por razões políticas.

Eu não me preocupo comigo mesmo. Já estive preso antes, sob a ditadura militar do Brasil, por nada mais do que defender os direitos dos trabalhadores. Essa ditadura caiu. As pessoas que estão abusando de seu poder hoje também cairão.

Eu não peço para estar acima da lei, mas um julgamento deve ser justo e imparcial. Essas forças direitistas me condenaram, me prenderam, ignoraram a esmagadora evidência de minha inocência e me negaram o habeas corpus apenas para tentar me impedir de concorrer à presidência.

Eu peço respeito pela democracia. Se eles querem me derrotar de verdade, que o façam nas eleições. Segundo a Constituição brasileira, o poder vem do povo, que elege seus representantes. Então que se deixe o povo brasileiro decidir. Eu tenho fé que a justiça prevalecerá, mas o tempo está correndo contra a democracia.

Versão deste foi originalmente publicado no dia de hoje (14/08) pelo “The New York Times” [Aqui!]

Para tentar justificar captação de água em santuário ecológico do litoral de São Paulo, Sabesp faz peça publicitária para vender “gato por lebre”

Em diversas postagens tratei do imbróglio envolvendo a Sabesp e a aprovação do licenciamento ambiental que permitirá a captação de água no Rio Itapanhaú, o qual está inserido dentro um complexo ecológico de alto interesse no litoral de São Paulo. Esse assunto me inicialmente chamado a atenção pelos jornalistas Giovana Girardi e Fábio Leite do “O Estado de São Paulo” em Março de 2016 (Aqui!), que recentemente voltaram a tocar nas idas e vindas no licenciamento da obra por causa da controvérsia causada por um parecer técnico da Fundação Florestal de São Paulo que condenava o Estudo de Impacto Ambiental submetido pela Sabesp por suas supostas limitações técnicas (Aqui!). O assunto também foi abordado em uma matéria da revista Carta Capital em uma matéria assinada pelo jornalista Miguel  Martins  (Aqui!)

Agora, com a recente aprovação desta obra controversa pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente de São Paulo (Aqui!),  acabei de encontrarar uma peça publicitária da Sabesp onde é vendida a ideia de que a captação de água no Rio Itapanhaú teria como exemplo o que é feito na cidade de Nova York (ver reprodução da publicação feita no G1) (Aqui!).

itapanhau

Pois bem, como morei próximo da cidade de Nova York, e tinha uma vaga lembrança de que realmente a captação da maioria da água usada naquela metrópole é feita fora de seus limites territoriais, me pus a procurar algum tipo de matéria jornalística que tratasse do assunto e, bingo!, encontrei um artigo assinado pela jornalista Emily S. Rueb e que foi publicada pelo jornal “The New York Times” no dia 24 de Março de 2016 (Aqui!) (ver reprodução parcial abaixo).

itapanhau nyc 2

Não é preciso nem ler muito da matéria desta matéria do “New York Times”  para verificar que a Sabesp, na ânsia de justificar o injustificável que é a captação de água num rio localizado dentro de um verdadeiro santuário ecológico, produziu uma peça publicitária destinada a inverter o que efetivamente é feito na “Big Apple“.

Para verificar isso só é preciso chegar no primeiro subtítulo da matéria que estampa o lema “Protegendo a água na sua fonte”. Mas se o leitor da matéria desejar ler mais detalhadamente, irá descobrir que isso implicou em estritas medidas de proteção e controle para impedir a entrada de contaminantes na bacia hidrográfica de Catskill que alcançou tanto terras públicas como privadas. Isso é 180 graus diferente do que ocorrerá no Rio Itapanhaú, onde a captação terá que ligar com um problema sério que é justamente a intrusão da cunha salina que poderá contaminar a água sendo captada.

Mas afora os problemas de captação, o que a jornalista Emily Rueb mostra de forma exemplar é que as intervenções feitas pela concessionária de Nova York estabeleceu uma série de protocolos destinados a, por exemplo, diminuir as perdas, coisa que a Sabesp deveria fazer e não faz adequadamente, tanto que o volume a ser captado no Rio Itapanhaú é inferior ao que é perdido pelo seu sistema.

Como a matéria bem diz, o conceito-chave aplicado lá é o de “tratar os problemas na fonte, e não nas torneiras”. E para mim, essa é a diferença principal, pois aqui está para se alterar negativamente um ecossistema de alto interesse ecológico em troca de um volume de água que é menor do que se obteria se eles diminuíssem as perdas no processo de distribuição no próprio sistema do Alto Tietê.

Assim que ninguém se deixe enganar pela peça publicitária da Sabesp, pois ela não passa de uma peça de propaganda. E o lamentável é que se as lições aprendidas em Nova York estivessem sendo aplicadas em São Paulo, o mais provável é que todos sairiam ganhando, principalmente o ambiente e as populações que mais dependem de sua preservação.  Lamentavelmente, ao invés de usar as boas lições de Nova York, o que a Sabesp optou por vender gato por lebre. E la nave va rumo ao reino do licenciamento ambiental “Fast Food“! 

O “New York Times” faz matéria devastadora sobre a poluição da Baía da Guanabara e dá conselho aos competidores olímpicos: fechem suas bocas!

O jornal estadunidense “The New York Times” publicou ontem uma matéria devastadora sobre as condições ambientais em que se encontra a Baía da Guanabara às vésperas das competições relativas aos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 (Aqui!). Um dos méritos do jornalista Andrew Jacobs é apresentar um quadro completo dos problemas que afligem esse importante ecossistema, dando espaço a autoridades, pesquisadores, técnicos e lideranças comunitárias que deram depoimentos contundentes sobre a situação, suas causas e prognósticos.

NYT Jacobs

Como vivi às margens da Baía de Guanabara por quase 10 anos entre 1980 e 1990, já naquele período era possível verificar a manifestação dos mesmos fatores que estão descritos na matéria assinada por Andrew Jacobs.  Então por que chegamos a essa situação desastrosa após quase três décadas, e mesmo após gastos bilionários com o suposto estabelecimento de medidas de controle das fontes de poluição?

A resposta mais rápida seria a de que boa parte da fortuna gasta acabou sendo consumida em esquemas de corrupção ao longo dos anos. Mas ainda que eu não desconheça a a existência deste problema, não considero que o mesmo seja a causa principal do que está sendo agora escancarado para o mundo. 

Para mim, o problema é mais agudo, pois como afirmou Alexandre Anderson, liderança dos pescadores artesanais que ainda resistem no interior da Baía da Guanabara, o que temos é um projeto voltado para manter o ecossistema poluído de forma a torná-lo apto para usos que desprezem a multiplicidade social e cultural que sempre caracterizou historicamente a sua existência.

De quebra, temos o fato de que as formas de expansão da mancha urbana dos municípios que circundam a Baía da Guanabara consolidam um processo de segregação sócio-espacial que desconsidera a necessidade de preservar o ambiente. Em outras palavras, para que proteger e conservar, se os ricos não estão expostos aos riscos da degradação que seu modo de vida causa?

Por outro lado, não há como deixar de apontar um aspecto particularmente vexaminoso em tudo isso. É que, mais uma vez, a mídia corporativa brasileira foi pega de calças curtas, já que estamos tendo que assistir o show de cobertura que a mídia internacional está dando até para sabermos mais sobre a condição em que a Baía da Guanabara está a partir de um conjunto mais democrático de vozes. É até por isso que agora o sempre glacial secretário estadual do Ambiente, André Correa, está tendo que dar respostas mais objetivas à situação em que se encontra o ecossistema, em vez de lançar mão de pirotecnias ridículas como foi o caso do mergulho que ele deu num dos pouquíssimos pontos  não poluídos da Baía da Guanabara como ele fez em  Maio de 2015 (Aqui!).

Finalmente, não custa nada lembrar que no dia de hoje (27/07) será lançado o relatório especial preparado por uma comissão especial da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro sobre a situação da Baía da Guanabara (Aqui!). Esperemos que a partir das lições assimiladas neste relatório, possamos sair do caos em que nos encontramos para a busca de soluções efetivas. Até lá, não apenas os competidores olímpicos mas todos os que vivem no entorno da Baía da Guanabara devem ser seguir o conselho de Andrew Jacobs e manter as bocas fechadas toda vez que se aproximarem das suas águas. Triste, mas inevitável!

New York Times desanca o congresso brasileiro. Será que o ministro Serra vai reclamar?

serra41

O ministro tucano das Relações Exteriores do governo interino de Michel Temer, José Serra, andou vociferando contra os governantes que dizem ter ocorrido um golpe de estado no Brasil. 

Hoje, o site UOL publicou uma matéria do jornalista  do “The New York Times” , Andrew Jacobs, que foi levado ao ar nos EUA três dias atrás (Aqui!) cujo título já diz muito do seu conteúdo “Brazil’s Graft-Prone Congress: A Circus That Even Has a Clown” ou, em bom português, ” Envolvido em corrupção, Congresso brasileiro é circo que tem até seu próprio palhaço”

circo

Mas melhor do que o título são as declarações de vários dos entrevistados citados por Andrew Jacobs que traçam uma visão mais do que sombria da democracia brasileira, com referências nada edificantes para o PMDB de Michel Temer, Renan Calheiros e, sim por que não?, Eduardo Cunha.

Quem desejar ler a versão do artigo publicada pelo UOL, basta clicar  (Aqui!)

Editorial do New York Times defende perdão para Edward Snowden

A situação política estadunidense ficou mais interessante no dia de hoje com a publicação de um artigo assinado pelo comitê editorial do matutino novayorquino New York Times, onde foi feita a defesa de um perdão presidencial para o ex-analista de inteligência da National Security Agency (NSA), Edward Snowden.

Essa mudança de posição do The New York Times representa um duro golpe para os defensores da prisão e punição exemplar de Snowden por causa das revelações dos muitos malfeitos cometidos pela NSA contra cidadãos norte-americanos e de outros países, incluindo a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, e a estatal do petróleo Petrobras.

Segundo o que argumento o New York Times uma pessoa que revela ilegalidades cometidas por um determinado governo não pode ser julgada por esse mesmo governo. O editorial bai mais além ao dizer que Snowden na prática prestou um grande serviço à democracia estadunidense ao revelar graves violações aos direitos à privacidade dos cidadãos daquele país.

Se Barack Obama vai conceder esse perdão ou não, ainda é cedo para dizer Mas uma coisa é certa: a segurança pessoal de Snowden ganhou um certo alívio. É que ficaria muito ruim se ele aparecesse morto depois dessa defesa feita pelo principal jornal dos EUA.

Agora, no plano interno da política brasileira, vamos ver se Dilma Rousseff sai de sua posição diplomática covarde e manda pelo menos uma carta de agradecimento à Edward Snoweden que revelou a espionagem de seus e-mails pelo NSA.