Povos indígenas ocupam sede de produtora de óleo de palma que invadiu seus territórios na Amazônia

Indígenas Tembé e quilombolas ocupam sede da BBF no Pará

Comunidades tradicionais ocuparam a sede da produtora de óleo de palma, na cidade de Acará, em protesto ao avanço da empresa sobre seus territórios e por violações de direitos e poluição (Imagens reprodução Whatapp).

Por Cícero Pedrosa Neto para o Amazônia Real

Belém (PA) Indígenas do povo Tembé, do território Turé Mariquita, na cidade de Acará (PA), ocuparam na manhã do feriado desta quinta-feira (21) a sede da empresa Brasil Bio Fuels (BBF), a maior produtora de óleo de palma na América Latina. Segundo as lideranças, a empresa viola direitos e tem avançado sobre áreas indígenas, de quilombolas e ribeirinhos. À imprensa, a BBF afirma que a sua propriedade foi invadida por homens encapuzados e veículos foram incendiados, acusando ainda Paratê Tembé, Lúcio Tembé e Raimundo Silva e Silva de incitarem o movimento.

“A gente já não aguenta mais os ataques da empresa BBF, tantas ameaças. Não só a população indígena, mas também a população quilombola e ribeirinha da nossa região”, disse Paratê Tembé, liderança indígena da aldeia Turé Mariquita, em vídeo enviado à Amazônia Real. “Estamos sendo perseguidos e quando vamos nos manifestar somos recebidos à bala. Agora a população não arredou o pé e foi pra cima.”

Os manifestantes ocuparam a sede da BBF também em protesto contra os impactos ambientais causados pela empresa por conta do uso de agrotóxicos nas plantações de dendê (matéria-prima do óleo de palma), do descarte irregular de rejeitos, de irregularidades nas licenças ambientais da empresa e de fraudes nos registros das terras onde estão as plantações de dendê e a planta industrial da empresa.

Segundo informações coletadas pela reportagem, Flávio Ferreira de Souza, quilombola da comunidade Nova Betal, uma das seis comunidades quilombolas que integram a Associação de Moradores e Agricultores Remanescentes de Quilombolas do Alto-Acará (Amarqualta), teria sido detido de forma irregular por funcionários da BBF durante os protestos, e permanecido por horas nas instalações da empresa, até ser levado – pelos mesmos funcionários – para a Seccional de Marituba, na região metropolitana de Belém.

Sobre Flávio Souza, a companhia informou: “Um dos invasores foi pego em flagrante roubando dentro da empresa BBF e foi conduzido para a delegacia pela Polícia Militar”. A reportagem não conseguiu, até o fechamento desta reportagem, confirmar essa informação com a Polícia Civil do Estado do Pará. As lideranças ouvidas nesta reportagem negam que tenha havido furtos na empresa por parte dos manifestantes.

“Para nós não é apenas uma questão de território, é uma questão de sobrevivência. As comunidades quilombolas estão correndo o risco de desaparecerem por conta deste envenenamento coletivo que está acontecendo e por conta do furto de nossas terras, que é a única coisa que a gente tem, herdada dos nossos antepassados escravizados”, disse Josias Dias dos Santos, também conhecido como Jota, coordenador de relações públicas da Amarqualta.

A monocultura do dendê

Produção de dendê em estrada de acesso ao Quilombo do Turê III, no Pará
(Foto: Cícero Pedrosa Neto/Amazônia Real)

Fornecedora de óleo de palma para gigantes do setor energético (para a produção de biodiesel) e para o setor alimentício, a empresa está presente nos Estados do Amazonas, Acre, Pará, de Rondônia e Roraima. Segundo dados extraídos do site da empresa, ela possui no Pará cerca de 56 mil hectares de plantações de dendê e sua planta industrial tem capacidade de processar 285 toneladas de frutos frescos por hora.

O plantio de dendê e a indústria, núcleo dos conflitos no Acará, no nordeste do Pará, foram arrematados pela BBF em novembro de 2020, tendo pertencido antes a uma subsidiária do grupo Vale, chamada Biopalma. Segundo relatos das lideranças, os problemas enfrentados pelas comunidades tradicionais começaram com a Biopalma, mas os conflitos se acirraram nos últimos meses por dificuldades de diálogo com a BBF.

Apesar de ser apresentado como uma alternativa ecologicamente eficaz, a produção do óleo de palma tem tirado o sono de muitas comunidades amazônicas. Assim como a soja e outras monoculturas agrícolas, o dendê tem prejudicado os modos de vida de populações na Amazônia brasileira. A região do Acará se tornou um dos grandes polos nacionais da produção do fruto, cujo plantio tem cercado as comunidades, como é o caso da aldeia Turé Mariquita e da comunidade quilombola vizinha, Turé III. Para se chegar até elas, só atravessando vastas extensões de plantações de dendê.

“Ela prega para o mundo uma energia limpa, mas é mentira. É só vir aqui nos nossos territórios para saber a realidade que vivemos. A gente não pode mais tomar banho, não pode beber e nem cozinhar mais com a água que a gente tem, fora as moscas, o glifosato [agrotóxico] e as vespas que comem toda a nossa produção”, afirma Jota.

A criminalização dos movimentos

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup) informou “que a Polícia Militar deslocou para a região de Acará tropas do Comando de Missões Especiais da Capital, além das tropas de Tomé-Açu e Abaetetuba para conter a situação”. A Segup também destacou que o caso será acompanhado pelas Delegacias de Tomé Açu e Acará.

A BBF enviou uma nota em que afirma: “sete caminhões da empresa com carga de dendê foram furtados da fazenda Eikawa, que pertence a BBF, em Tomé Açu” e que a sede da empresa teria sido “invadida por 50 pessoas encapuzadas que intimidaram os trabalhadores atirando para todos os lados e causando pânico entre os colaboradores”.

No entanto, a Amazônia Real teve acesso a um vídeo que mostra um homem de camisa verde, portando um revólver de calibre 38, junto a outro homem de capuz e camisa preta, armado com um machado, dentro da empresa. Na imagem, é possível ver que esses homens estão do lado de dentro da BBF, enquanto os manifestantes aparecem ao longe, próximo de uma das cercas que delimitam a sede da empresa. Questionada, a empresa não informou quem são os homens que aparecem no vídeo.

Segundo fontes ouvidas pela reportagem, a BBF teria contratado milicianos para fazer a segurança da sede e para coagir as comunidades. O Ministério Público do Estado abriu um inquérito para investigar a contratação de milícias armadas por parte da empresa.

A informação foi confirmada pelo advogado Jorde Tembé, que alegou que a veiculação das informações da empresa sobre a ocupação ocorrida neste feriado de Tiradentes contém uma “inversão de narrativas”. Segundo ele, os “encapuzados” mencionados pela empresa, na verdade, são pessoas que trabalham na segurança da BBF.

Na nota, a BBF afirma que a ação teria sido liderada por Paratê Tembé, Lúcio Tembé e Raimundo Silva e Silva e resultou no incêndio de três ônibus e mais carros e tratores. À reportagem, Paratê negou ser a principal liderança do movimento que, segundo ele, é composto por cerca de 200 pessoas, incluindo indígenas, quilombolas e ribeirinhos.

De acordo com o advogado indígena Jorde Tembé, que representa a associação que reúne as famílias da TI Turé Mariquita, uma indígena teria sido coagida pelos seguranças da BBF que a ameaçaram “de atearem fogo nela”.

Jorde informou que os conflitos são antigos, mas que na gestão da Biopalma os indígenas ainda conseguiam dialogar com a empresa. Mas desde que a BBF assumiu as operações, isso deixou de acontecer. “Mesmo com todos problemas e com a repercussão que, muitas vezes não é tão boa para as lideranças, eu prefiro sair de casa pra lutar e ficar com o nome sujo, ser processado, do que ficar sem fazer nada e morrer envenenado pela empresa com todos os impactos que ela vem causando”, pontua Josias dos Santos, liderança quilombola.

Fraudes e poluição

De acordo com o Promotor de Justiça da cidade de Acará, Emério Mendes Costa, em entrevista à Amazônia Real, “o conflito coletivo pela posse da terra se instalou em razão da existência de suspeitas de fraudes registrais de documentos referentes à área [ocupada pela empresa] e também irregularidades nos licenciamentos ambientais de monocultura de dendê, que gera poluição, atingindo principalmente os recursos hídricos”.

As comunidades se queixam de prejuízos diretos às atividades de extrativismo, agricultura familiar e pesca artesanal – meio de subsistências dessas comunidades –, causados pela poluição e pela ausência de fiscalização ambiental por parte dos órgãos competentes.

Ainda segundo o promotor, um dos maiores entraves, e que contribui diretamente para a eclosão dos conflitos na região, se dá pela morosidade na titulação definitiva de uso coletivo das terras onde estão as comunidades tradicionais.

“Pelas informações que obtivemos em audiências públicas, requisições de documentos e oitivas, existe um problema relacionado ao fato de que boa parte dessas áreas, e talvez até a maior parte delas, seja do Incra e do Iterpa [[órgão responsável pela regularização fundiária no Pará], e a morosidade em efetivar a titulação coletiva dessas áreas, como prevê a lei, contribui para o acirramento dos conflitos”, afirma.

A reportagem apurou que, na plataforma do Sistema Integrado de Monitoramento e Licenciamento Ambiental (Simlam), da Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Pará, não consta a licença ambiental de operação do empreendimento localizado na cidade do Acará em nome da Biopalma – que precede a BBF em operações na região e cujas instalações foram por ela compradas. Com relação à BBF, existem registros no sistema apenas relacionados a um empreendimento da empresa no município de Concórdia do Pará.

A BBF informou à Amazônia Real que “detém todos os documentos das áreas e todas as licenças legais. O resto é fake news com o objetivo de prejudicar a empresa”.

De acordo com o advogado Jorde Tembé, nem a Biopalma e nem a BBF realizaram o Estudo de Componente Quilombola e Componente Indígena para atuarem na região, direito garantido por lei com base na Convenção 169, da Organização Internacional do Trabalho, procedimento que deve anteceder os licenciamentos ambientais de qualquer empreendimento que afete comunidades tradicionais/originárias, salientando a irregularidade das atividades da empresa.

A Convenção 169 prevê a consulta prévia, livre e informada das comunidades tradicionais indígenas e quilombolas, garantindo-lhes o direito de opinarem sobre os empreendimentos e de participarem de discussões que assegurem medidas de prevenção e mitigação de possíveis danos ambientais, aprovando ou não a instalação de empresas nos limites de seus territórios.

“Nós não queremos a BBF perto de nós, queremos que ela pare de atacar a gente”, ressaltou Paratê Tembé.

Caminhão carregado de Dendê proveniente da plantação de propriedade da BBF, que faz fronteira com a comunidade Curuperé Grande e Bacuri. (Foto: Pedrosa Neto/Amazônia Real)


color compass

Este texto foi inicialmente publicado pelo site “Amazônia Real”  [Aqui!].

Violações ambientais e de direitos trabalhistas geram lista negra de empresas produtoras de óleo de palma

Alegações de violações de direitos humanos afetam grandes produtores de óleo de palma na Malásia

oleo de palmaVista de uma grande plantação de óleo de palma. Foto: dpa/EPA/Bagus Indahono

Por Thomas Berger para o Neues Deutschland

A empresa malaia Sime Darby Plantations se orgulha de ser o maior produtor mundial de óleo de palma sustentável. Mas por quase um ano e meio, uma disputa persiste com as autoridades dos EUA investigando alegações de servidão por dívida e trabalho forçado nas plantações da empresa. Diz-se que as práticas vão desde o engano à violência psicológica e sexual, à intimidação e ameaças e à retenção de documentos de identificação. As revelações têm consequências de longo alcance: a produtora italiana de confeitaria Ferrero anunciou recentemente em um e-mail à agência de notícias Reuters que não compraria mais óleo de palma e palmiste do grupo e de suas subsidiárias por enquanto. A segunda maior fabricante de chocolates do mundo usa óleo de palma para seus chocolates Ferrero Rocher e Nutella, por exemplo.

Mas a extensão do possível escândalo é muito maior: seis empresas de óleo de palma estão agora em uma lista negra da alfândega dos EUA. No caso da Sime Darby, uma ordem foi emitida em dezembro de 2020 para interromper todas as importações por enquanto. Como resultado, a Ferrero inicialmente parou de fornecer suas filiais nos EUA com esse parceiro de negócios em janeiro de 2021, diz agora. De acordo com um comunicado da Sime Darby, a Ferrero geralmente não é cliente há “um tempo”. A norte-americana Cargill, uma das maiores intermediárias de óleo de palma do mundo, também suspendeu as entregas da Sime Darby no final de fevereiro deste ano.

Os países vizinhos do Sudeste Asiático, Malásia e Indonésia, juntos, garantem cerca de 85% da oferta global de óleo de palma – um mercado que recentemente teve um valor total de 65 bilhões de dólares. Como ainda há muitos casos de corte e queima na Indonésia e relatos de condições miseráveis ​​de trabalho nas plantações estão se acumulando, a Malásia tem sido considerada até agora o país em que os requisitos mínimos ecológicos e sociais são atendidos muito melhor. Clientes conhecidos como a Ferrero , portanto, preferem ser abastecidos de lá.

No entanto, a atual controvérsia em torno de Sime Darby e outros mostra que nem tudo está indo tão bem quanto é retratado para o mundo exterior. A FGV Holdings, outra grande produtora, também está sendo condenada por possível trabalho forçado. A proibição de importação desta empresa pelas autoridades alfandegárias dos EUA data de 30 de setembro de 2020. Em outubro passado, a consultoria Elevate foi contratada para investigar até que ponto as normas da Organização Internacional do Trabalho (OIT) são violadas nas plantações da FGV. Em conferência de imprensa em janeiro, foi anunciado que o trabalho efetivo para a auditoria seria realizado no primeiro semestre de 2022 e que se estimava levar cerca de seis meses. Os resultados ainda não estão disponíveis.

Sime Darby também está atualmente tendo suas operações na Malásia avaliadas por um especialista independente. Entretanto, a empresa salienta que o salário mínimo mensal dos cerca de 24.000 trabalhadores das plantações vai subir para 1.500 ringgits (cerca de 325 euros) a partir de 1 de Maio. Só foi unificado em março e fixado em 1.200 ringgits. Anteriormente, os trabalhadores nas áreas rurais recebiam 100 ringgits a menos do que aqueles nas cidades, de acordo com a legislação geral da Malásia.

Só recentemente, no entanto, o ministro responsável pelas plantações, Zuraida Kamaruddin, apontou em uma conferência do setor que os ganhos médios nas plantações poderiam muito bem ser de 2.000 a 2.500 ringgits, então a introdução de um salário mínimo de 1.500 ringgits não deveria ser um grande acordo. Isso coloca o PR positivo em perspectiva que Sime Darby espera com a mudança.

O debate atual também destaca o quão inadequada é a certificação geral da Round Table for Sustainable Palm Oil (RSPO), fundada em 2004 por iniciativa do WWF. A Sime Darby é atualmente a maior corporação a ostentar seu selo. Obviamente, mais controles são necessários – a própria RSPO havia determinado isso quando a FGV já havia sido pega na mira em 2016. Em 2018, o certificado foi retirado e uma avaliação abrangente foi imposta ao grupo. Embora a suspensão tenha sido levantada em agosto de 2019, após uma leitura exaustiva das seis auditorias realizadas entre o final de 2018 e outubro de 2019, foi restabelecida. A FGV, por outro lado, também aponta melhorias – a prática de emprestar funcionários para subcontratados foi abolida.

E como o Estado reage? Embora uma autoridade reguladora para o setor tenha sido criada em 1998, ainda faltam diretrizes para o cumprimento dos direitos humanos e estudos sobre isso. Estruturas de grupo opacas também tornam os controles mais difíceis. Uma grande proporção dos trabalhadores nas plantações da Malásia são trabalhadores de países mais pobres, como Indonésia e Bangladesh. Seus passaportes são retirados deles – uma violação da lei, mas que ainda uma prática comum em muitos lugares.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

A produção de óleo de palma na Amazônia brasileira ameaça os compromissos do NDPE contra o desmatamento

brazil-palm-oil-645x492

Por Chain Reaction Research

Os produtores de dendê no Brasil argumentaram que a produção de dendê é uma “solução verde” para proteger a Amazônia como resultado do plantio em áreas já degradadas e desmatadas apenas antes de 2008. Enquanto a produção de dendê na Amazônia brasileira tem impactos ambientais relativamente menores do que soja e carne bovina , este artigo mostra como a expansão do óleo de palma também pode estar ligada ao desmatamento, incêndios, condições de exploração de trabalho e disputas por terras.

Baixe o PDF aqui: Produção de óleo de palma na Amazônia brasileira ameaça compromissos do NDPE

Principais conclusões

  • Os incentivos do governo brasileiro para o biodiesel à base de óleo de palma aumentaram a pressão sobre a Amazônia.Roraima, conhecida por sua floresta tropical, é a última área com expansão do dendê. Agropalma, Brasil BioFuels (BBF, anteriormente Biopalma) e Palmaplan estão entre os principais produtores de óleo de palma do Brasil, com os dois últimos mudando cada vez mais as operações para Roraima.
  • A Chain Reaction Research (CRR) encontrou 1.224 hectares (ha) de desmatamento entre 2008-2021 nas plantações de nove produtores de dendê importantes. Setenta e quatro por cento ocorreram em áreas designadas como reserva legal e / ou áreas de preservação permanente. O BBF é responsável por 91 por cento de todo o desmatamento (667 ha) nas propriedades combinadas das três empresas avaliadas, com a maioria desmatada em 2019 e 2020. O CRR detectou um pico de 165 alertas de incêndio nas plantações de dendê do BBF em 2020. Desmatamento na Agropalma as fazendas têm sido insignificantes desde 2008, sem novos plantios.
  • A expansão do dendê não está ocorrendo apenas em áreas já degradadas, mas também em áreas de fronteira de desmatamento.O CRR também encontrou indícios de desmatamento indireto ao redor das plantações de dendê, aumentando a pressão existente na floresta amazônica com a produção de gado, cultivo de soja, hidrelétricas e mineração.
  • A expansão do dendê está ligada a disputas de terras e condições degradantes de trabalhoOs produtores de dendê avaliados têm se envolvido em conflitos de terra não resolvidos com as comunidades locais e particulares. Além disso, são relatadas nas plantações condições de trabalho precárias e exploradoras.
  • Numerosos comerciantes de commodities e empresas de FMCG com políticas de NDPE compram da BBF e, portanto, estão expostos ao desmatamento, poluição e impactos sociais . Eles incluem Bunge, Cargill, General Mills, Mondelez, Nestlé, Upfield, Kellogg’s e Grupo Bimbo. Além disso, a General Mills também está associada à desflorestação ilegal através da sua relação de sourcing com a Vila Nova Agroindustria. As regulamentações atuais e futuras da UE forçarão esses FMCGs e seus financiadores a serem mais seletivos ou enfrentarão riscos financeiros e jurídicos futuros

Incentivos ao biodiesel à base de óleo de palma aumentam pressão na Amazônia brasileira

Enquanto o Brasil é um pequeno produtor global e depende em grande parte do óleo de palma importado, a área cultivada com óleo de palma na Amazônia brasileira se expandiu rapidamente nos últimos anosEm 2020, o Brasil importou 460.000 toneladas métricas (MT) de óleo de palma e óleo de palmiste (PKO) e exportou 18.800 toneladas. O país produz cerca de 550.000 TM de óleo de palma anualmente, cerca de 0,7 por cento da produção mundial. Em comparação com os maiores produtores mundiais, Indonésia e Malásia, que juntos produzem cerca de 84% da produção mundial, a participação de mercado e a escala do Brasil são mínimas. Mesmo assim, entre 2004-2010, a área cultivada com dendê dobrou e tem previsão de crescer ainda mais. A associação brasileira de produtores de dendê, Abrapalma, estima atualmente a área de dendê no Pará em 535.493 ha, sendo 226.834 ha plantados com dendê. Para cumprir a meta de impacto de se tornar o maior produtor mundial de biodiesel até 2028, o Brasil pretende expandir a área plantada para 350.000 ha , um aumento de 54% somente no Pará.

O Brasil usa principalmente o óleo de palma como óleo comestível e para a produção de lubrificantes e graxas. PKO é usado para cosméticos, gorduras de confeitaria e detergentes. O governo brasileiro está promovendo cada vez mais o cultivo de óleo de palma para biodiesel à base de óleo de palma.

A política de biocombustíveis RenovaBio do Brasil aumenta a demanda por matérias-primas à base de óleos comestíveis, incluindo óleo de palma.Após uma onda de investimentos em dendê no estado do Pará para a produção de biocombustíveis em 2005, várias empresas se desfizeram dos biocombustíveis em resposta ao colapso dos preços do petróleo em 2014-2016. Eles incluem ADM , Petrobras e Grupo Vale. No entanto, o programa RenovaBio 2017, implementado em 2020 e formalizado como Política Nacional de Biocombustíveis do Brasil, revitalizou a produção de biodiesel à base de óleo de palma. O uso de óleo de palma como matéria-prima para biodiesel aumentou continuamente nos últimos anos, de 0,8 por cento em 2017 para 2,6 por cento em 2020, e viu um aumento de quase cinco vezes em volume para 160.000 TM .

Ambientalistas temem que os incentivos recentemente adotados pelo governo brasileiro para o uso de energia renovável impulsionem o desmatamento na Amazônia.Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro suspendeu a proibição do cultivo de cana-de-açúcar na Amazônia para aumentar a produção de biocombustíveis no Brasil. Além disso, o governo investiu em várias usinas termelétricas no estado de Roraima, no Amazonas, que usam o óleo de palma como principal matéria-prima. Isso estimulou o uso da cana-de-açúcar, e cada vez mais do óleo de palma, para geração de energia.

A expansão da produção brasileira de biocombustíveis tem potencial para apoiar o país em uma economia de baixo carbono. Mas em outros países com uma história mais longa de produção de óleo de palma para biocombustíveis, o uso do óleo de palma como fonte primária de combustível por usinas de energia tem sido controverso devido às suas ligações com o desmatamento. Também no Brasil, os ambientalistas temem que as medidas recentes para promover os biocombustíveis aumentem o desmatamento, aumentando a já grande pressão sobre a floresta amazônica com a produção de gado, cultivo de soja, hidrelétricas e mineração.

A maioria dos atores da indústria de óleo de palma do Brasil não está cumprindo suas promessas de sustentabilidade , como reduzir a pressão sobre as florestas tropicais, juntamente com mais atividade econômica e empregos. Em vez disso, a indústria está ligada ao desmatamento , poluição , invasão de territórios tradicionais, grilagem de terras e relações de trabalho degradantes .

Maiores produtores de palma mudam para nova fronteira agrícola na Amazônia: Roraima

Agropalma, Brasil BioFuels (anteriormente Biopalma) e Palmaplan estão entre os principais produtores de óleo de palma do Brasil, com os dois últimos mudando cada vez mais as operações para Roraima.O CRR entrou em contato com essas empresas para obter feedback para este relatório e incorporou suas respostas. A Agropalma e a Brasil BioFuels (BBF) ocupam amplamente terras e operam no Pará (Figura 1). Embora a Palmaplan não faça parte do grupo dos três maiores dendezeiros brasileiros (Agropalma, BBF e Belém Bioenergia Brasil), a empresa, junto com a BBF, cultiva cada vez mais o dendê para a produção de biocombustíveis em Roraima. Agropalma, BBF e Palmaplan possuem conjuntamente 265.000 ha de área em ambos os estados, com 109.500 ha plantados com dendê (Figura 2). O Pará ainda é responsável por cerca de 82% da produção total de óleo de palma no Brasil.

Outros notáveis ​​produtores brasileiros de dendê incluem Belém Bioenergia Brasil (BBB), Marborges Agroindústria, Mejer Agroflorestal, Dendê do Pará (Denpasa), Dendê do Tauá, Vila Nova Agroindustria e AgroIndustrial Palmasa. O BBB, um dos três maiores produtores brasileiros de dendê, era uma joint venture entre a petroleira brasileira Petrobras e a portuguesa Galp. A parte da Petrobras foi adquirida pela Tauá Brasil Palma e Banco Opportunity após a Petrobras se retirar da empresa em 2019. A empresa atualmente é comercializada com o nome de Tauá Brasil Palma .

Figura 1: Propriedades dos produtores de palma e fábricas de óleo de palma no Pará, Brasil

Fonte: Análise CRR baseado em AIDEnvironment, mapas usando cadastrais formais de dados (SIGEF, SNCI, SNCR), rural registro ambiental autodeclarado – CAR – dados no Pará, e sites de empresas de óleo de palma. Nota: Uma vez que os produtores de dendê brasileiros usam diferentes arranjos de terra , como arranjos de arrendamento ou esquemas de produtores integrados, este mapa pode não representar uma visão completa de todas as áreas cultivadas possíveis sob controle por essas empresas. A área de palmeiras do Dendê do Tauá não pôde ser localizada e não está incluída.

A Agropalma é a maior exportadora de óleo de palma brasileiro e exporta cerca de 15% de sua produção, principalmente para a EuropaA empresa, fundada em 1982 em Tailândia (Pará) com o nome de Companhia Real Agroindustrial (CRAI), opera cinco usinas de óleo de palma no Pará (Figura 1), duas refinarias no Pará e São Paulo, e fracionamento e produção de duas gorduras e gorduras. unidades. Do total de 17.057 MT de óleo de palma embarcado em 2020, a Agropalma exportou 90 por cento, tendo a Olenex (7.016 MT) e um cliente desconhecido (7.050 MT), ambos na Alemanha, como principais clientes. A maior parte de sua produção (85 por cento) é destinada ao mercado interno brasileiro.

A Agropalma é uma subsidiária integral do Grupo Alfa , um conglomerado com segmentos de negócios em finanças, hotéis, varejo e construção. Foi fundado pelo bilionário brasileiro Aloysio de Andrade Faria, falecido em 2020. O banco comercial Banco Alfa, no qual Faria detinha participação majoritária por meio da Alfa Holdings, estava vinculado a movimentos atípicos de ações (US $ 3,4 mil), principalmente em junho 21, 2019. Em resposta, a Alfa Holdings afirmou que “não tinha conhecimento de nenhum facto particular que pudesse justificar a variação do número de transações e da quantidade de ações negociadas nesta data em comparação com os dias anteriores. As autoridades brasileiras não solicitaram mais informações sobre este evento em particular.. ” Em outra ocasião, o banco Delta National Bank Trust de Faria foi conectado a um escândalo de suborno da FIFA em 2015 e multado nos Estados Unidos por não apresentar relatórios de atividades suspeitas em 2003 vinculadas a um cartel de drogas colombiano. A Agropalma disse ao CRR que “o caso da Colômbia está encerrado porque nenhum dos cinco clientes colombianos foi indiciado e seu dinheiro foi liberado. “O caso da FIFA ainda está sendo investigado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

A Agropalma é a única produtora brasileira de óleo de palma que comercializa óleo de palma certificado pela Mesa Redonda do Óleo de Palma Sustentável (RSPO)Todo o grupo, incluindo suas refinarias e outras operações de downstream, é certificado pelo RSPO. Em 2020, a empresa vendeu 50% de sua produção de óleo de palma bruto (CPO) com certificação RSPO e 44% de sua PKO. Em 2012, a Agropalma ficou em primeiro lugar no scorecard de óleo de palma do Greenpeace por seus esforços na proteção de florestas e turfeiras e por certificar metade de seu óleo de palma sob o rótulo RSPO. Os únicos outros produtores de dendê brasileiros associados à RSPO são a Mejer Agroflorestal e a Marborges Agroindústria. No entanto, nenhum de seu óleo de palma é vendido como certificado pela RSPO.

Em 2020, o BBF adquiriu a Biopalma da Amazônia, braço de óleo de palma da mineradora Vale, tornando-se o maior produtor de óleo de palma da América LatinaA transação se enquadra nos planos do BBF de expandir o cultivo de dendê nos estados de Roraima (onde está sediada) e no Pará. A empresa disse que todo o seu dendê é destinado à geração de energia. No Pará, o BBF informou que plantou 56.000 ha de dendê em terras próprias, principalmente no Acará e Moju, e 6.800 ha “em parceria com a agricultura familiar”. Possui também duas fábricas de extração nesta região. A empresa afirmou que no município de Roraima São João da Beliza, cultiva 5.400 ha de plantações de dendê. O CRR pôde confirmar apenas o registro formal da fazenda Fazenda União, de 542 ha, neste município, uma vez que o sistema autodeclarado de cadastro ambiental rural (CAR) não está disponível ao público para Roraima.

A ex-proprietária da Biopalma, a mineradora brasileira Vale, está associada a impactos ambientais e sociais negativos significativos.A Biopalma, produtora líder de óleo de palma, foi fundada em 2007. A Biopalma vendeu 41% de sua participação para a Vale em 2009, que por sua vez aumentou sua participação para 70% dois anos depois. A Vale está ligada a alguns dos maiores desastres ambientais no Brasil, incluindo o rompimento de duas grandes barragens de rejeitos  desde 2015.  As violações envolvendo a Vale variam de impactos ambientais, por exemplo, poluição de lençóis freáticos, desmatamento em áreas de conservação, a impactos sociais, incluindo grilagem, sonegação de impostos, contaminação da água e práticas de trabalho ilegais. A Vale começou a explorar oportunidades de desinvestimento da Biopalma em 2014, quando o preço do petróleo caiu, e vendeu a Biopalma para a BBF no final de 2020. O negócio foi contestado pela rival e interessada Marborges Agroindústria, que disse que o processo não era transparente.

O BBF está expandindo sua capacidade de geração de energia com óleo de palma como matéria-prima na bacia amazônica, principalmente em Roraima . Em junho de 2021, uma termelétrica de 16 MW entrou em operação em São João da Baliza, no estado de Roraima, tendo o óleo de palma como principal matéria-prima. A empresa já atuava no ramo de cana-de-açúcar em Roraima e também pretende utilizar a soja como matéria-prima para sua termelétrica de 57 MW em Boa Vista, capital de Roraima. Trabalhando com a empresa norte-americana ICM, o BBF também está implantando uma planta de etanol de milho em Roraima, com um investimento inicial de R $ 220 milhões (US $ 39 milhões).

A Palmaplan faz parte da Oleoplan, segunda maior empresa de biodiesel do Brasil em capacidade instalada e vendas.Em outubro de 2020, a Oleoplan solicitou autorização para realizar o registro de oferta pública inicial (IPO). Junto com os planos da Oleoplan de construir duas usinas de biodiesel (uma em Rondônia e outra no Pará), novos armazéns e duas refinarias de glicerina, a empresa está em processo de instalação de uma termelétrica de 10.976 MW no município de Rorainópolis. de Roraima.

A Palmaplan adquiriu 30.000 ha de terra em Roraima e irá produzir dendê para ser usado como matéria-prima para a Usina Termelétrica Palmaplan Energia no estado. A CRR só conseguiu confirmar 1.625 ha de propriedades da Palmaplan em Rorainópolis e 6.095 ha em Bonfim, uma vez que as propriedades autodeclaradas no CAR não puderam ser avaliadas para o estado de Roraima. As propriedades da empresa no município de Bonfim (Fazenda Paineira, Fazenda Expedito e Fazenda Sucuri) provavelmente não produzirão dendê. As imagens visuais de satélite não apontaram para o cultivo de dendê nas fazendas, e há indícios de que soja seja cultivada nesses campos.

Todos os três produtores de dendê afirmaram que agiriam de acordo com a legislação brasileira existente.Eles afirmam cumprir o Código Florestal, a Política Nacional de Biocombustíveis e o Zoneamento Agroecológico para o Cultivo de Dendê em Áreas Desmatadas na Amazônia Legal (ZAE Palma), que restringe a expansão do dendê para áreas de floresta. Isso parece ser verdade para a Agropalma.

Desmatamento, queimadas ilegais e poluição ligada às plantações de dendezeiros

Desmatamento ocorrido a partir de 2008 em reservas legais e áreas de preservação permanente

A CRR encontrou 1.224 ha de desmatamento nas plantações de dendezeiros dos principais produtores brasileiros de dendê entre 2008-2021 (Figura 2). A supressão da vegetação nativa ocorre desde 22 de julho de 2008 , quando o Código Florestal do Brasil, que exige que os proprietários privados na Amazônia mantenham 80 por cento das terras como reserva legal, foi implementado. Embora a quantidade total de desmatamento dentro das plantações de dendê em todos esses anos seja relativamente pequena em comparação com o desmatamento conduzido por gado, soja ou outras commodities, 74 por cento (906 ha) ocorreu em áreas designadas como reservas legais e / ou de preservação permanente áreas (APP). Portanto, esse desmatamento é provavelmente ilegal.

Figura 2: Desmatamento em propriedades de produtores de dendê no Brasil

Fonte: Aidenvironment, com base em dados de desmatamento do Prodes e Deter , sites de empresas de óleo de palma. * A diferença entre a área total e a área plantada é explicada em grande parte pela área que é mantida como reserva legal obrigatória. Por exemplo, a reserva legal da Agropalma é de 64.000 ha, enquanto a área de reserva legal do BBF é de 60.000 ha. ** FBB significa Fresh Fruit Bunch. *** A data de 22 de julho de 2008 é a data exata de corte do Código Florestal Brasileiro, portanto, todo o desmatamento após essa data foi incluído. Com registros da Abrapalma de 226.834 ha da área cultivada com dendê somente no Pará, a área total plantada desta tabela de 207.511 ha em todo o Brasil provavelmente estará incompleta. É notável que nem todas as propriedades do BBF e Palmaplan puderam ser avaliadas, pois há informações limitadas sobre suas localizações exatas em Roraima. Além disso, a área de palmeiras de Dendê do Tauá não foi incluída por esse motivo.

As evidências de que as florestas nativas brasileiras foram substituídas por plantações de dendezeiros estão se acumulando. Embora os produtores de dendê afirmem que só plantam dendê em áreas desmatadas antes de 2008, cerca de 4% da área usada para cultivar dendê em Roraima foi desmatada entre 2008-2019. Com a expansão da área de dendê no Pará entre 2006-2014, aproximadamente 8% substituiu a vegetação natural, incluindo florestas intactas e secundárias. Um estudo mais detalhado da UNESP no município de Acará, no Pará, descobriu que 4.800 ha de floresta foram desmatados entre 2007-2018 para dar lugar a plantações de dendezeiros. Da mesma forma, em outros países da América Latina, como Peru , Colômbia e Equador, as evidências mostram que as empresas de óleo de palma podem estar associadas ao desmatamento ilegal de florestas nativas.

O desmatamento e os incêndios relacionados ao óleo de palma estão aumentando sob a administração de Jair Bolsonaro

O desmatamento relacionado ao óleo de palma aumentou desde meados de 2018 e atingiu o pico próximo à posse do presidente Bolsonaro em janeiro de 2019. Tomando as propriedades de óleo de palma da BBF, Agropalma e Palmaplan como casos exemplares, com suas propriedades combinadas cobrindo 53 por cento da área cultivada de óleo de palma (Figura 2), a seguinte tendência é visível: As taxas de desmatamento ainda são relativamente altas logo após a implementação do Código Florestal entre 2008-2010 (ver Figura 3). As taxas foram mínimas entre 2010-2017, mas subiram para níveis ainda mais altos a partir de agosto de 2018.

Os alertas de incêndio detectados dentro das plantações de dendezeiros mostram um padrão semelhante, com picos de alertas de incêndio em 2020. Um registro de 257 alertas de incêndio nas propriedades dos três produtores de palma foi detectado em 2020 (Figura 3). Os alertas de incêndio seguem principalmente o desmatamento recente, uma indicação de que os incêndios são usados ​​como um meio para limpar áreas desmatadas recentemente para a produção de commodities.

Figura 3: Taxas de desmatamento ligado a palmeiras 2008-2020 nas plantações de palmeiras BBF, Agropalma e Palmaplan (esquerda); Alertas de incêndio em suas propriedades 2008-2021 (direita)

Fonte: Aidenvironment, com base nos dados de desmatamento do Prodes ; NASA VIIRS   alertas de fogo * Para a análise fogo, CRR seguiu a tendência de desmatamento em apenas verificando alertas de incêndio no período logo após a implementação do Código Florestal, 2008-2010, e para o período desde a posse de Bolsonaro, 2019-2021. Os alertas de incêndio VIIRS da NASA têm uma resolução muito alta, o que implica que um alerta de incêndio também pode refletir uma fogueira ou, às vezes, até mesmo nenhum incêndio real. No entanto, vários alertas de incêndio em um local e / ou incêndios após o desmatamento recente, são uma indicação de grandes incêndios como meio de limpar áreas desmatadas recentemente. ** Os dados de 2021 cobrem apenas janeiro-outubro de 2021, portanto, o número de alertas de incêndio para 2021 provavelmente será maior no final de 2021.

As plantações de óleo de palma da BBF mostram desmatamento e incêndios mais recentes, taxas da Agropalma insignificantes

O BBF é responsável por 91 por cento de todo o desmatamento nas plantações de dendê combinadas do BBF, Agropalma e Palmaplan, com a maioria desmatada em 2019-2020. Um total de 667 ha (de 731 ha) foi desmatado nas propriedades do BBF entre agosto de 2008 e julho de 2020 (Figura 3), com 76 por cento (506 ha) do desmatamento total ocorrendo em áreas reservadas e de preservação permanente. Além disso, 51 por cento do desmatamento em suas plantações ocorreu nos últimos anos, em 2019 (200 ha) e em 2020 (139 ha). Isso explica tudo, exceto cinco hectares, do recente desmatamento relacionado ao dendê que ocorreu nas plantações dos três produtores durante este período. Além disso, a análise de incêndio confirma que a maioria das violações do Código Florestal foi feita pelo BBF, com 413 alertas de incêndio (67 por cento) detectados em suas propriedades nos anos selecionados de 2008-2010 e 2019-2021 (Figura 3).

A Figura 4 abaixo mostra uma propriedade declarada da BBF no CAR , a Fazenda Amanda em Moju (Pará), onde 28 ha de desmatamento dentro de uma reserva legal ocorreram entre agosto de 2020 e setembro de 2021. Também houve vários alertas de incêndio na plantação de dendê entre junho e outubro de 2020. Em resposta, a BBF esclareceu que protege as áreas de preservação ambiental e reserva legal por meio de monitoramento por satélite, drones e guardas florestais em colaboração com “empresas parceiras”.

Figura 4: Desmatamento recente e alertas de incêndio na reserva legal e APP da fazenda BBF Fazenda Amanda

Fonte: Aidenvironment, com base em dados de desmatamento Deter ;  NASA VIIRS alertas de fogo ; Sistema CAR do Pará . Planeta – Imagens © 2020 Planet Labs Inc. A Fazenda Amanda pode ser rastreada no sistema CAR do Pará sob o protocolo número PA-1504703-E51605513CE44671A8CD21B822E812C7.

Desde 2008, o desmatamento nas plantações de dendê da Agropalma tem sido insignificante, e a CRR não encontrou plantações de dendê da Agropalma em áreas desmatadas após 2008. Enquanto o Prodes detectou 38 ha de desmatamento na reserva legal da Agropalma, a Agripalma afirma que essa área foi desmatada antes de 2008 O CRR confirmou visualmente que nenhum dendê foi plantado nessas áreas. O número de incêndios nas fazendas da Agropalma permaneceu limitado (Figura 3).

Palmaplan e BBF expandem fronteira de desmatamento em Roraima

Palmaplan e BBF irão aumentar consideravelmente sua produção de dendê em Roraima, a mais recente área de expansão de dendê no Brasil. O estado mais ao norte da Amazônia é conhecido por sua floresta tropical. Em 2020, as plantações de palmeiras de óleo teriam  coberto 10.107 ha nos municípios do estado de Rorainópolis e nas regiões do sul São João da Baliza, Caroebe e São Luiz. Os maiores produtores de óleo de palma em Roraima – Palmaplan e Brasil biocombustíveis – será consideravelmente ampliar sua produção no estado nos próximos anos. A Palmaplan informa que já possui mais de 30.000 ha de terras em Rorainópolis.

A expansão do dendê não está ocorrendo apenas em áreas há muito degradadas, mas também em áreas de fronteira de desmatamento. Isso contrasta com os produtores de dendê que afirmam que o plantio de dendezeiros ocorre apenas em áreas já degradadas. Embora o CRR não tenha detectado nenhum corte de vegetação nativa nas plantações de Palmaplan e BBF nos municípios de Rorainópolis e São João da Baliza (Roraima) após 2009, suas propriedades estão localizadas no meio de uma nova fronteira agrícola na Amazônia que teve significativa desmatamento recente (Figura 5). O desmatamento nas fronteiras segue um padrão típico de espinha de peixe , disposto ao longo das margens das estradas. Em resposta, Palmaplan afirma que os padrões de espinha de peixe nesta área são “assentamentos de agricultura familiar, existentes na região desde tempos anteriores ao início das operações da Palmaplan . ” Embora a infraestrutura em espinha de peixe tenha sido observada por anos, a estrutura tornou-se maior e ampliada com o desmatamento recente (Figura 5).

Figura 5: Estrutura em espinha de peixe do desmatamento recente perto de Palmaplan e plantações de palma de óleo de palma BBF

Fonte: Aidenvironment, com base nos dados de desmatamento do Prodes e Deter sites de empresas (localizações de usinas), dados cadastrais (SIGEF, SNCI, SNCR). Planeta – Imagens © 2020 Planet Labs Inc.

Evidência de desmatamento indireto em torno das plantações de óleo de palma

O desenvolvimento do óleo de palma também está pressionando as áreas circunvizinhas para limpar a terra. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) alerta que a onda de desmatamento empurra fazendeiros de gado, produtores de soja e incorporadores de terras ainda mais fundo na Amazônia. As plantações de dendezeiros têm o potencial de reduzir a pressão sobre a floresta tropical brasileira em comparação com outras sementes oleaginosas, como a soja, já que o dendê impõe menos demanda direta às terras brasileiras devido à alta produtividade. Embora a maior parte da expansão do dendê no Brasil tenha ocorrido em pastagens convertidas, o CRR visualizou padrões de desmatamento perto das plantações de dendê (Figura 6) que sugerem o desmatamento indireto da floresta. No entanto, para um estudo completo e comparável, que não foi realizado para este relatório, uma análise semelhante poderia ser executada em uma área análoga sem plantações de dendê.

O aumento da pressão sobre a terra está relacionado à dinâmica de investimento em terras agrícolas.alta nos preço da  terra e a especulação têm sido significativas desde a chegada e expansão das empresas de óleo de palma no Pará. Em Roraima, uma dinâmica semelhante é observada agora , com a terra se tornando um investimento atraente para os produtores que desejam se expandir, já que a terra é relativamente barata e abundante. Os pecuaristas que ganharam grandes somas de dinheiro com a venda de suas terras na região agora migram para áreas que ainda não foram desmatadas. Lá, eles iniciam novos projetos que levam ao desmatamento. O interesse global pelas fazendas brasileiras criou novos modelos de negócios entre imobiliárias e agroindústrias que visam produzir valor a partir da valorização da terra, adquirindo terras, derrubando sua vegetação nativa e transformando-a em terras agrícolas.

Figura 6: Desmatamento significativo entre as plantações de dendê Agropalma e BBF

Fonte: Aidenvironment, com base nos dados de desmatamento do Prodes e Deter dados cadastrais (SIGEF, SNCI, SNCR), registro ambiental rural auto-declarada – CAR – dados no Pará, e palmeiras sites Oil Company. Planeta – Imagens © 2020 Planet Labs Inc.

A produção de óleo de palma no Brasil está ligada à contaminação da água e do solo

Desde 2014, o Ministério Público Federal tem registros dos principais produtores de óleo de palma do Brasil com a contaminação de rios, envenenando o solo, e prejudicando a saúde e meios de subsistência das comunidades locais. Mais notório é o caso da Biopalma de suposta contaminação por agrotóxicos da Reserva Indígena Turé-Mariquita (Tomé-Açu, Pará), onde vivem os índios Tembé. Estima-se que 27.000 pessoas sejam afetadas por este conflito, com a Biopalma supostamente despejando produtos químicos ilegalmente no rio e causando impactos ambientais, de saúde e socioeconômicos às comunidades locais próximas que dependem dos recursos do rio. Em 2019, o conflito agravou-se ainda mais com o assassinato associado do líder quilombola Nazildo dos Santos Brito, que foi “ ameaçado de morte por denunciar crimes ambientais cometidos pela empresa Biopalma da Amazônia S / A”.

Marborges e Agropalma também foram acusadas de poluição ambiental. As comunidades quilombolas do Território do Jambuaçu no Pará referemse especificamente aos Marborges como o principal causador da poluição de seus cursos de água. Além disso, em 2018, a Universidade Federal do Pará determinou a presença do agrotóxico atrazina em cursos d’água próximos aos oleaginosos da Agropalma em Tailândia (Pará). A Agropalma “ negou que os produtos químicos tenham vindo de suas operações, mas usa glifosato e está associada a vários derramamentos de óleo na área”.

A expansão do dendê está ligada a disputas de terras e condições degradantes de trabalho 

Apropriação de terras é comum no desenvolvimento do setor de dendê no Brasil

A expropriação forçada de terras e disputas de terras relacionadas eram comuns durante o desenvolvimento inicial do setor de óleo de palma no Pará, e é provável que se estendam a novas áreas de desenvolvimento, notadamente em Roraima.Um estudo de 2015 sobre o estado do desenvolvimento do dendê na Amazônia brasileira do Centro de Pesquisa Florestal Internacional (CIFOR) revela: “Nenhuma das empresas pesquisadas [são Agropalma, ADM, BBB, Biopalma, Marborges, Mejer, Denpasa, Dentauá , e Palmasa, eds.], com exceção da Agropalma, conseguiu acessar o LAR, uma licença obrigatória para operar no Pará, em toda a sua propriedade. As complicações incluem não ter reservas legais adequadas de florestas em certas propriedades e a existência de conflitos não resolvidos. ”

As terras da Biopalma que agora fazem parte do BBF foram compradas de intermediários que não tinham reivindicações legítimas sobre as terras, levando a vários conflitos com as comunidades locais. Os estimados 17.000 ha de propriedades rurais da Biopalma em Moju, Acará, Concórdia do Pará e Tomé-Açu estão “sem documentos ou com títulos de propriedade adquiridos ilegitimamente”. Da mesma forma, um relatório do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) estima que 37% das plantações de dendê da Biopalma em Concórdia do Pará pertenciam a pequenos agricultores. Isso resultou em conflitos de terra com comunidades agrícolas, indígenas e quilombolas, relatos de ameaças aos fazendeiros desde que o BBF ultrapassou a Biopalma, falsificação de documentos e até alegada tortura de fazendeiros por um grupo armado do BBF. Em resposta, a BBF afirma que teve que contratar uma equipe de segurança para proteger sua equipe de “ataques e ameaças constantes”, supostamente “de líderes isolados que não representam as comunidades”.

Embora a RSPO tenha verificado que a Agropalma não tem histórico de conflitos não resolvidos com as comunidades locais, a empresa está em um conflito de terras não resolvido com a família Tabaranã desde 2014. O painel de reclamações da RSPO negou provimento oficialmente e encerrou a reclamação em fevereiro de 2021, como “o disputa é de natureza privada ”e“ é melhor deixar para a sabedoria dos tribunais brasileiros para determinar a reclamação dos reclamantes ”. Os autores afirmam que a Agropalma adquiriu terras por via fraudulenta, enquanto o Instituto Territorial do Pará (Iterpa) afirmou que os 12 registros sob investigação ocupados pela Agropalma são de propriedade do estado do Pará. A Agropalma supostamente comprou o terreno do irmão de um conhecido grileiro chamado Jairo Mendes Sales. Em julho de 2019, uma decisão judicial de primeiro grau favorável à Agropalma concedeu os direitos legais da terra à Agropalma. No entanto, decisões posteriores foram contra a empresa, resultando em um cartório bloqueando os 12 registros de terras da Agropalma. A história continua e, nas últimas notícias , a família acusou o governador do Pará de favorecer a Agropalma em 16 processos administrativos pendentes no Iterpa.

Outros produtores de dendê estão ligados a processos problemáticos de aquisição de terras e conflitos de terras comunitárias, como mostram casos relacionados a Marborges (antiga REASA), Mejer e Denpasa .

À medida que a demanda por terras aumenta, as invasões aos territórios das populações tradicionais próximos às plantações de dendê estão aumentando . Como Roraima é a última área de expansão do dendê, os conflitos de terra provavelmente se estenderão à região. A Figura 7 mostra o desmatamento de 2008 de 58 ha nas plantações de dendezeiros da Palmaplan, que estão a apenas cerca de 10-15 quilômetros de dois territórios indígenas, Waimiri-Atroari e Pirititi (população isolada). Isso contrasta com uma afirmação da Palmaplan que afirma que “suas plantações em Rorainópolis ficavam a cerca de 50 km do território protegido mais próximo”. Há registros de aumento do desmatamento e da invasão desses dois territórios indígenas, assim como do território Waiwai. Outro risco mencionado é que estranhos podem apresentar COVID-19 a comunidades vulneráveis.

Figura 7: Palmaplan na Vila do Equador, Rorainópolis, e proximidade com as Terras Indígenas Waimiri-Atroari e Pirititi

Fonte: Aidenvironment, com base nos dados de desmatamento do Prodes e Deter ; dados cadastrais (SIGEF, SNCI, SNCR); Terras Indígenas Funai 2020 Planeta – Imagens © 2020 Planet Labs Inc.

Condições exploratórias de trabalho vinculadas aos produtores de dendê brasileiros

Os produtores de dendê têm várias estratégias para obter acesso à terra. Os contratos de arrendamento com agricultores e produtores integrados são vistos por alguns como incluindo condições de trabalho exploradoras e grilagem de terras . As empresas incentivam os agricultores a alugar suas terras e a assinar um contrato de longo prazo (25 anos). Embora os contratos de fornecimento de longo prazo possam ser benéficos para os agricultores, visto que podem garantir acesso a longo prazo ao mercado e acesso a insumos e crédito, há evidências no setor de óleo de palma de que os benefícios “não são necessariamente claros” e  em muitos casos , os agricultores ficam endividados com a empresa que lhes fornece insumos, como fertilizantes e sementes ”.

A Agropalma, empresa que se dedica principalmente à agricultura sob contrato, vê 25% de seus frutos de dendê vir de agricultores familiares e produtores integrados. Os cientistas afirmam que essa integração e os modelos de produção de óleo de palma são baseados em grandes monoculturas e na dependência de um único comprador.

Além dessas relações de dependência de trabalho, o trabalho escravo real também tem sido vinculado ao setor brasileiro de óleo de palma. Um caso conhecido está vinculado à Agropalma: Criador contratado da Agropalma, Altino Coelho de Miranda, que também na época era vice-prefeito de Moju (Pará), apareceu na lista negra do trabalho escravo de 2013-2015 . Ele foi pego duas vezes mantendo empregados em condições análogas à escravidão e em 2007 as autoridades libertaram 15 trabalhadores escravos em sua fazenda e mais 10 em 2012. Em resposta, a Agropalma excluiu o fornecedor de sua base de fornecedores em 2013. Desde janeiro de 2014 , A Agropalma começou a arrendar a plantação de Miranda e continua fazendo isso .

Relatórios apontam para péssimas condições de trabalho e de direitos trabalhistas nas plantações de dendê da Agropalma e Biopalma no Pará.Apesar dos relatos positivos das empresas de óleo de palma sobre as condições de trabalho que evidenciam os elevados padrões de condições de vida oferecidos aos trabalhadores, a realidade é bem diferente, segundo um advogado em nome da Comissão de Combate ao Trabalho Forçado da OAB / PA. As precárias condições de trabalho e as violações dos direitos trabalhistas encontradas nas plantações de dendê no Pará em 2015 foram vinculadas à Agropalma, Biopalma e BBB. Uma análise recente do setor de óleo de palmana América Latina conclui que existem lacunas significativas entre as políticas trabalhistas dos refinadores de óleo de palma (que estão em linha com os Princípios Fundamentais da OIT) e a identificação e abordagem das violações dos direitos trabalhistas nas plantações de onde provêm. Em resposta, a Agropalma afirma que os seus públicos POIG Verificação de  relatórios de auditoria sobre as condições de trabalho nunca revelou “qualquer indicação de que a empresa não está seguindo as normas da OIT.”

Numerosos comerciantes de commodities, FMCGs em risco devido ao óleo de palma brasileiro

A CRR identificou vários grandes comerciantes de commodities e empresas de bens de consumo de alta velocidade (FMCGs) que compram óleo de palma de produtores brasileiros. Eles incluem AAK, Bunge, Cargill, General Mills, Hershey, Mondelez, Nestlé, Unilever, Upfield, Kellogg’s, Grupo Bimbo e BLC Global (Figura 8). Eles correm o risco de serem associados ao desmatamento ilegal relacionado ao óleo de palma e aos impactos sociais da expansão do óleo de palma no Brasil. Isso não seria compatível com suas políticas NDPE.

O BBF, que o CRR vinculou particularmente ao desmatamento, poluição e impactos sociais de sua expansão do óleo de palma no Brasil, está conectado a vários grandes negociantes de commodities e empresas FMCG . A Biopalma (agora BBF) marcou apenas 13,6 %  na avaliação de sustentabilidade do óleo de palma do SPOTT em 2020, em comparação com 91,4 por cento da Agropalma. Compradores recentes do fornecimento de óleo de palma da BBF incluem Bunge , Cargill , General Mills , Mondelez , Nestlé , Upfield , Kellogg e Grupo Bimbo. Além disso, como os principais clientes do BBF são biocombustíveis e geração de energia, eles provavelmente também compram óleo de palma da BBF. A CRR não pôde confirmar isso, entretanto, uma vez que as empresas de biocombustíveis e de geração de energia não publicam listas públicas de usinas de óleo de palma.

Figura 8: Comerciantes de commodities e empresas FMCG comprando óleo de palma de produtores brasileiros

Fonte: Últimas listas de fornecedores públicos de moinhos de palma dos principais comerciantes de commodities e empresas FMCG. * Mesmo nas listas de fornecedores de moinhos de palma mais atualizadas de 2021, o BBF ainda é referido como Grupo Vale / Biopalma. ** Além de todas as listagens nesta tabela, a Agropalma também está listada nas listas de fornecedores de moinhos de palma da ADM, Avon, BASF, Danone, Ferrero, FrieslandCampina, KLK Oleo, L’Oréal, Mars, Olenex Holding, Oleon, Pepsico, PZ Cussons, Reckitt Benckiser, Sime Darby e Vandemoortele. 

Através do fornecimento pela Vila Nova Agroindustria, a General Mills corre o risco de estar associada à desflorestação ilegal.Isso se soma ao risco de que a empresa de alimentos com sede nos Estados Unidos adquira do BBF. Embora haja poucas informações sobre a Vila Nova Agroindustria, suas operações em Tomé-Açu (Pará) estão associadas a 378 ha de desmatamento desde 2008 (Figura 2). Este fornecedor de óleo de palma está incluído na lista de usinas de óleo de palma 2021 da General Mills , conectando a empresa ao provável corte ilegal de 113 ha de vegetação nativa em setembro de 2020 nas reservas legais das plantações de óleo de palma da Vila Nova Agroindustria.

Maiores riscos financeiros para FMCGs e seus financiadores

As empresas e financiadores ativos na cadeia de abastecimento do óleo de palma que não têm políticas de NDPE ou não estão em conformidade com suas políticas de NDPE enfrentam riscos financeiros. O risco legal é uma ameaça futura.Esses riscos podem ser categorizados como risco de ativos encalhados, risco de acesso ao mercado, risco de regulamentação, risco de financiamento e risco de reputação. Os valores monetizados desses riscos podem levar a retornos negativos materiais para os financiadores (bancos e investidores). Além disso, a regulamentação da UE atual e futura, sobre financiamento sustentável e devida diligência na cadeia de abastecimento , pode forçar as empresas e seus financiadores a se tornarem mais seletivos ou, de outra forma, enfrentarem riscos financeiros e riscos jurídicos futuros.

Das plantações brasileiras de óleo de palma avaliadas (BBF, Agropalma e Palmaplan), a BBF é a mais exposta ao desmatamento. O BBF pode ser confrontado com o risco de acesso ao mercado de compradores de NDPE, risco de ativos perdidos e risco de financiamento se os financiadores ficarem mais relutantes em financiar o BBF.

O risco de financiamento do BBF parece relativamente limitado.A empresa é propriedade de acionistas privados, enquanto os dados públicos são limitados. A Forests & Finance encontrou US $ 1,6 milhão em financiamentos (dados ajustados), todos do John Deere Bank (EUA). O financiamento está vinculado à aquisição de máquinas e equipamentos no âmbito dos programas de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

No total, foram identificados financiamentos de US $ 9,5 milhões para os três produtores de dendê, sendo os restantes US $ 7,9 milhões para a Agroplama e Palmaplan das instituições financeiras brasileiras (FIs) Itaú Unibanco e Banco do Brasil. Ambos têm políticas de desmatamento e ESG defasadas. Os três produtores de dendê não estão listados publicamente e a transparência sobre seu financiamento é limitada. A Oleoplan, que é a empresa controladora da Palmaplan (veja também acima), recebeu US $ 81,5 milhões em serviços de subscrição por sua emissão de bônus em 2021 do BTG Pactual (Brasil).

O BBF pode ser confrontado com o risco de acesso ao mercado, embora seus principais clientes de biocombustíveis não publiquem listas de abastecimento de óleo de palma.Uma grande parte do óleo de palma da BBF provavelmente é proveniente de clientes de biocombustíveis, como empresas de geração de energia e combustíveis fósseis. As compras por FMCGs que são transparentes com suas fontes podem representar um risco de acesso ao mercado para o BBF. No entanto, isso pode ter um impacto limitado sobre a BBF, já que a empresa poderia redirecionar suas vendas relacionadas à FMCG para o mercado de biocombustível de vazamento.

O principal risco envolve o valor da reputação dos FMCGs e seus financiadores. O risco legal é uma ameaça futura para as empresasBunge, Cargill, General Mills, Mondelez, Nestlé, Upfield, Kellogg e Grupo Bimbo foram vinculados ao BBF (veja acima). Essas empresas e seus financiadores enfrentam risco de reputação e podem se envolver com o BBF, visto que as atividades deste último parecem estar em conflito com as políticas de desmatamento e NDPE dos FMCGs. Como a maioria desses FMCGs e grande parte de seus financiadores têm relações comerciais (sedes, filiais, exportações) com a UE, o risco legal da regulamentação da UE é uma ameaça futura.

blue compass

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pela “Chain Reaction Research” [Aqui!].

Nós, os destruidores da floresta tropical

Por Philip Bethge para a Der Spiegel

Caro leitor,

Nós, alemães, somos campeões europeus na destruição da floresta tropical. 43.700 hectares de floresta tropical são perdidos todos os anos porque importamos soja, óleo de palma, carne, madeira tropical, cacau e café da América do Sul, África e Sudeste Asiático. Isso é cerca de metade da área de Berlim e mais do que qualquer outro país da UE é responsável.

A organização de conservação da natureza WWF apresentou um estudo esta semana no qual os maiores destruidores da floresta tropical estão listados. Com 16%, a União Europeia (UE) ocupa o segundo lugar, atrás da China (24%) em todo o mundo. Em seguida, vem a Índia (9%), os EUA (7%) e o Japão (5%). 30 a 40 por cento do desmatamento nos trópicos está relacionado ao comércio internacional. O maior prejuízo é causado pela importação de soja da região amazônica, por exemplo, que é principalmente dada para animais aqui – enquanto os fazendeiros ali queimam a selva para ganhar terras aráveis. O óleo de palma, usado em cosméticos ou alimentos, por exemplo, é quase tão ruim quanto.

Os ambientalistas avaliaram dados de análises de imagens de satélite e estudos de fluxos comerciais, que foram compilados pelo Stockholm Environment Institute e pela iniciativa de transparência Trase. A clareira é, portanto, não apenas perceptível em ecossistemas distantes da Europa, mas também afeta o clima global.

A UE causou indiretamente 116 milhões de toneladas de emissões de CO 2 por meio do desmatamento importado em 2017 , relata o WWF. Isso corresponde a mais de um quarto das emissões da agricultura da UE no mesmo ano. Essas emissões indiretas ainda não foram incluídas nas estatísticas de emissões de gases de efeito estufa.

Palm Oil Plantation at the edge of Peat Land Swamp Rainforest

Plantação de óleo de palma, floresta tropical em Bornéu. Nora Carol Photography/ Getty Images

A Alemanha tem a maior responsabilidade entre os países da UE. De todas as coisas. Como isso aconteceu conosco, separadores de lixo apaixonados e comedores de carne orgânica?

É a boa vida que faz a diferença aqui. Quem quer ficar sem chocolate e café? Para bifes suculentos de gado alimentado com soja importada? Em cosméticos com óleo de palma na receita? Mesmo o parquet de madeira tropical ainda pode ser comprado. Tem que ser esse o caso?

Pregar a renúncia repetidamente é barato. Não estamos chegando a lugar nenhum como este. Em vez disso, a legislatura deve finalmente acabar com essa loucura ecológica.

A Comissão da UE anunciou novos regulamentos para 2021 com o objetivo de »minimizar« o risco de desmatamento e danos às florestas em conexão com os produtos que são trazidos para o mercado da UE. Agora é uma questão de moldar essas leis.

O WWF exige que as importações só sejam permitidas se forem realmente sustentáveis ​​e não apenas “legais” de acordo com as informações do país de origem. Nem é preciso dizer que também é preciso verificar se os direitos humanos estão sendo respeitados. Além da floresta, a legislação também deve se relacionar a outros ecossistemas, como o cerrado brasileiro. Em 2018, por exemplo, 23% das importações de soja da UE vieram do Cerrado.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pela revista Der Spiegel [Aqui!].

Exportações impulsionam desmatamento no Brasil e Indonésia

Estudo afirma que um terço do CO2 liberado pelo desmatamento está ligado às exportações de commodities, como carne bovina, óleo de palma e soja, e questiona atual método de atribuição de emissões aos países.

    
defaultPlantação de palmeiras para produção de óleo na Malásia, um dos maiores produtores mundiais

A margarina que o cientista Martin Persson passa em seus sanduíches todas as manhãs não lhe tira o sono à noite – mas deixa uma leve sensação de culpa.

Persson, pesquisador da Universidade Chalmers, na Suécia, é vegano, mas ele sabe que seu inocente café da manhã ajuda a destruir florestas a cerca de dez mil quilômetros de distância.

Há muito se sabe que o óleo de palma presente na margarina e outros alimentos cotidianos, assim como a carne bovina e a soja, impulsionam o desmatamento em países como o Brasil e a Indonésia.

Mas agora, Persson e uma equipe internacional de pesquisadores calcularam quanto a demanda externa por commodities impulsiona essa destruição.

O estudo, publicado na semana passada, descobriu que de 29% a 39% do dióxido de carbono liberado pelo desmatamento é causado pelo comércio internacional, que leva agricultores a derrubar florestas para abrir espaço para plantações, pastagens e cultivos que produzam bens frequentemente consumidos no exterior.

Os autores escreveram que, em muitos países ricos, as emissões “embutidas” nas importações – relacionadas ao desmatamento – são maiores até do que as geradas pela agricultura local.

“Os responsáveis não são somente os consumidores dos países onde ocorre o desmatamento – isso também é causado por consumidores em outros lugares”, diz Ruth Delzeit, chefe de meio ambiente e recursos naturais do instituto de estudos econômicos IfW, de Kiel.

Isso é importante para contabilizar as emissões de CO2 e decidir a quem atribuí-las. “A ONU atribui as emissões aos países onde elas são produzidas”, comenta Jonas Busch, economista-chefe do Earth Innovation Institute, que luta contra o desmatamento e pela segurança alimentar em países como Brasil, Colômbia e Indonésia.

Na Alemanha, por exemplo, isso significa que as emissões de uvas cultivadas localmente são computadas como alemãs – mas não as emissões da margarina feita com o óleo de palma importado da Indonésia.

Infografik Abholzung Brasilien Indonesien PT

 

A destruição das florestas e matas da Terra, que retiram e armazenam o CO2 da atmosfera, é um grande obstáculo na luta para conter as mudanças climáticas. O problema se agrava ainda mais, dizem os especialistas, através de cadeias de fornecimento e produção complexas, que distanciam os consumidores dos danos decorrentes da fabricação dos produtos.

Para estimar as pegadas de carbono do desmatamento por país e mercadoria, a equipe de pesquisa na Suécia combinou dados do fluxo de comércio com imagens de satélite de mudanças no uso da terra entre 2010 e 2014. Eles não consideraram a perda florestal de atividades não agrícolas – como mineração, urbanização ou incêndios florestais naturais –, que causam cerca de 40% do desmatamento.

Na África, eles descobriram que quase todas as emissões relacionadas à destruição das florestas permaneceram dentro do continente. Mas, na Ásia e na América Latina, quantidades consideráveis do CO2 liberado através da queima e corte de árvores foram, na prática, exportadas para a Europa, América do Norte e Oriente Médio.

De quem é a responsabilidade?

As diferentes formas de contagem de emissões, ou no lugar onde o CO2 é emitido ou onde os produtos cuja produção o liberam são consumidos, levanta questões difíceis sobre de quem é a responsabilidade.

“Você poderia dizer que a União Europeia [UE] é apenas uma pequena parte do problema”, afirmou Persson, referindo-se à alta parcela de consumo que não deixou as regiões tropicais, mas que foi consumida domesticamente.

A maior parte das emissões de desmatamento teve origem apenas em quatro commodities: madeira, carne bovina, soja e óleo de palma. Na Indonésia e no Brasil, respectivamente o quarto e o quinto país mais populoso do mundo, o óleo de palma e a carne bovina têm enormes mercados domésticos.

Mesmo assim, a contribuição europeia é significativa, ressalva Persson. “Na UE, queremos reduzir nosso próprio impacto nas mudanças climáticas – e essa é uma parte importante do impacto causado por nós”.

Em clara discordância com a contagem tradicional do dióxido de carbono, os pesquisadores estimaram que cerca de um sexto do CO2 liberado por uma típica dieta europeia pode ser ligada ao desmatamento em regiões tropicais, por meio de produtos importados.

“Foi uma surpresa para mim”, comenta Persson. “Sim, importamos muita comida, mas a maioria dos alimentos que consumimos na UE é produzida internamente.”

O Brasil exportou um recorde de 1,64 milhão de toneladas de carne bovina em 2018, segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), um aumento de 11% comparado com 1,48 milhão de toneladas exportadas em 2017.

A Indonésia é a maior produtora mundial de óleo de palma, que está presente cada vez mais em produtos do cotidiano, como margarina, barras de chocolate, nutella, sabonetes e shampoo.

“O óleo de palma é uma das mais importantes commodities de exportação, então é possível rastrear os efeitos do desmatamento desse comércio, e isso tem um grande impacto na Indonésia”, diz o cientista Ahmad Dermawan, do Centro Internacional de Pesquisa Florestal (Cifor). .

Além de emitir CO2, a queima e a derrubada das florestas também podem causar deslocamento de pessoas, perda de habitat e inundações. No Brasil, terras indígenas estão ameaçadas por lavouras. Na Indonésia e na Malásia, mais de 100 mil orangotangos foram mortos desde 1999, de acordo com um estudo publicado no ano passado.

Consumo crescente

Os especialistas temem que o desmatamento e a destruição associada a ele continuem aumentando à medida que países emergentes se tornem mais ricos. A Índia já é o maior importador de produtos oleaginosos indonésios. A alta do ano passado nas exportações brasileiras de carne bovina, por sua vez, foi impulsionada por um aumento de 53% na demanda chinesa entre 2017 e 2018, segundo dados da Abiec.

“Podemos ver que as exportações para a Índia e a China aumentarão maciçamente no futuro [à medida que crescerem] sua renda per capita”, informa Delzeit. “Eles se aproximam das dietas ocidentais, o que inclui o aumento do consumo de carne.”

Isso tem efeitos para as nações mais ricas, que podem argumentar que sua contribuição para o desmatamento é proporcionalmente pequena.

“A UE e os EUA estabeleceram um padrão global que está sendo absorvido cada vez mais na China, na Índia e em outros mercados emergentes”, diz David Kaimowitz, diretor de recursos naturais e mudanças climáticas da Fundação Ford. “Se eles veem empresas ou países que importam muito desmatamento em seus produtos sendo criticados publicamente ou responsabilizados, isso não é passado para as suas próprias políticas.”

Os mercados de óleo de palma, soja e carne bovina são dominados por um pequeno grupo de multinacionais, algumas delas com sede na Europa e na América do Norte. “Se a UE puder pressioná-las a mudar suas práticas de produção, isso pode ter efeitos em outros países”, afirma Persson.

Mas uma recente decisão da UE de classificar o óleo de palma em biocombustíveis como insustentável, em parte devido a preocupações da opinião pública sobre o desmatamento, provocou temores de uma guerra comercial entre o bloco europeu e os dois maiores exportadores de óleo de palma do mundo, a Indonésia e a Malásia.

Esses países acusaram a UE de protecionismo por reprovarem o óleo de palma sem abordar as preocupações associadas ao cultivo de óleos vegetais menos eficientes, como a colza.

O ministro da Coordenação da Economia da Indonésia, Darmin Nasution, disse neste mês em Bruxelas ser irônico que a UE, que derrubou uma parcela muito maior de suas florestas, estivesse dando conselhos de gestão florestal a países ricos em árvores. Ele também apontou a contribuição do óleo de palma para o alívio da pobreza.

“O foco da perspectiva europeia é o desmatamento, a mudança do uso da terra e assim por diante”, observa Dermawan. “Mas, da perspectiva da Indonésia, trata-se de pequenos agricultores, desenvolvimento e meios de subsistência. Isso também deve ser discutido e contextualizado.”

_______________________________________________

Este texto foi originalmente publicado pela Deutsche Welle [Aqui!]