Governos são os principais responsáveis por liderar iniciativas contra as mudanças climáticas, segundo consumidores no Brasil, China, EUA e Reino Unido

Empresas também devem protagonizar responsabilidades climáticas, de acordo com a opinião de 45% dos entrevistados no Brasil e 44% na China e no Reino Unido

cop 26 eartj

A maioria atribui ao governo federal a responsabilidade de impedir as mudanças climáticas provocadas pela emissão de gases de efeito estufa (GEE). De acordo com uma pesquisa internacional feita em quatro países (Brasil, China, Reino Unido e Estados Unidos) pela consultoria Oliver Wyman, 62% dos brasileiros afirmam que cabe ao governo liderar políticas e ações para controlar e reduzir as emissões de gases até o fim desta década, e zerá-las até 2050.

Em comparação com os demais países participantes do estudo, assim como os brasileiros, grande parte dos entrevistados na China (73%) e no Reino Unido (70%) também diz que é responsabilidade do governo nacional comandar os compromissos climáticos. Nos EUA, pouco mais da metade (53%) dos indivíduos tem a mesma opinião.

Empresas

As empresas também devem assumir a responsabilidade climática, segundo 45% dos entrevistados no Brasil e 44% na China e no Reino Unido. Nos EUA a proporção é menor. Só 34% apontaram para as empresas essa obrigação.

Órgãos Internacionais

Os órgãos internacionais, como a OMS (Organização Mundial da Saúde), são outras instituições que têm papel importante de delegar iniciativas de redução de gases do efeito estufa e zerar as emissões. 57% dos entrevistados na China, 41% no Reino Unido e 39% no Brasil concordam com essa afirmação.

Responsabilidade individual

Ainda segundo o levantamento internacional, o Brasil é o país onde mais pessoas (42%) afirmam que cada indivíduo também é responsável por cuidar do planeta e impedir as mudanças climáticas provocadas pelo homem.

Na China, é menor o número de pessoas que acredita na responsabilidade individual. Apenas 21% se sentem responsáveis pelo clima.

Participaram da pesquisa da consultoria Oliver Wyman 3,5 mil pessoas de 18 a 65 anos residentes nos quatro países — no Brasil foram cerca de 1 mil entrevistados.

Mais informações sobre a pesquisa clique aqui para acessar a plataforma Oliver Wyman Fórum.

Sobre a Oliver Wyman

A Oliver Wyman é uma empresa líder mundial em consultoria de gestão. Com escritórios em mais de 60 cidades em 29 países, a Oliver Wyman combina o profundo conhecimento da indústria com expertise especializada em estratégia, operações, gestão de risco e transformação da organização. A empresa tem mais de 5.000 colaboradores em todo o mundo, que auxiliam seus clientes a otimizar seus negócios, melhorar suas operações e seu perfil de risco, assim como acelerar seu desempenho organizacional para aproveitar ao máximo as melhores oportunidades. A Oliver Wyman é uma subsidiária integral da Marsh & McLennan Companies (NYSE: MMC).

OMS endurece limite aceitável para poluição do ar e expõe riscos dos combustíveis fósseis

AIR POLLUTION

A Organização Mundial da Saúde (OMS) revisou suas Diretrizes de Qualidade do Ar – a primeira atualização desde 2005. As diretrizes fornecem uma avaliação dos efeitos da poluição do ar sobre a saúde e estabelecem limites para os principais poluentes atmosféricos, o que serve de base para que muitos governos criem seus próprios padrões.

Com a atualização, a OMS recomenda novos níveis de qualidade do ar para 6 poluentes para os quais a evidência científica avançou mais em relação aos efeitos sobre a saúde: material particulado (PM), ozônio (O3), dióxido de nitrogênio (NO2), dióxido de enxofre (SO2) e monóxido de carbono (CO). Segundo a organização, quando são tomadas medidas sobre esses chamados poluentes clássicos, há um impacto sobre outros poluentes nocivos.

Os riscos à saúde associados ao material particulado igual ou menor que 10 e 2,5 microns (μm) de diâmetro (PM10 e PM2,5, respectivamente) são de particular relevância para a saúde pública. Essa poluição é gerada principalmente pela combustão do combustível fóssil em diferentes setores – transporte, energia, indústria e agricultura.

Tanto as PM2,5 quanto as PM10 são capazes de penetrar profundamente nos pulmões, mas as PM2,5 podem até entrar na corrente sanguínea, resultando principalmente em impactos cardiovasculares e respiratórios severos, e também afetando outros órgãos. Em 2013, a poluição do ar ao ar livre e o material particulado foram classificados como carcinogênicos pela Agência Internacional de Pesquisa do Câncer (IARC) da OMS.

A pandemia de COVID-19 acrescentou mais urgência à necessidade de se afastar dos combustíveis fósseis, com pesquisas mostrando que a exposição à poluição do ar aumentou as mortes por COVID-19 em 15% em todo o mundo. E quanto mais expostos à poluição do ar estiverem, maior será o impacto na saúde de indivíduos com condições crônicas (como asma, doença pulmonar obstrutiva crônica e doença cardíaca), pessoas idosas, crianças e mulheres grávidas.

Em 2019, mais de 90% da população mundial vivia em áreas onde as concentrações ultrapassavam a já defasada diretriz de qualidade do ar da OMS de 2005 para exposição às PM2,5. Ciente de que esta será uma tarefa difícil para muitos países e regiões que lutam com altos níveis de poluição do ar, a OMS propôs metas interinas de redução da poluição para facilitar a melhoria gradual da qualidade do ar e, portanto, benefícios graduais, mas significativos, para a saúde da população.

“A contaminação do ar é uma ameaça à saúde em todos os países, mas atinge mais as pessoas dos países de renda baixa e média”, disse o Diretor Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “As novas Diretrizes de Qualidade do Ar da OMS são uma ferramenta prática e baseada em evidências para melhorar a qualidade do ar da qual depende toda a vida. Exorto todos os países e todos aqueles que lutam para proteger nosso meio ambiente a utilizá-las para reduzir o sofrimento e salvar vidas”.

“A poluição atmosférica faz com que as crianças tenham asma, causa pneumonia, faz com que as mulheres grávidas tenham bebês nascidos prematuros e com mais malformações, e está aumentando o risco de morte de pessoas infectadas pela COVID-19”, afirma o médico pediatra Aaron Bernstein, diretor interino do Centro para Clima, Saúde e Ambiente Global da Universidade de Harvard (C-Change). “Na COP26, o mundo deve se comprometer urgentemente com a eliminação gradual dos combustíveis fósseis para que possamos oferecer o mundo mais saudável, justo e sustentável que nossos filhos merecem”.

20% das mortes no mundo

Em fevereiroum estudo pioneiro da Universidade de Harvard revelou que a poluição do ar por combustíveis fósseis mata muito mais pessoas do que se pensava anteriormente, colocando o total de mortes em um espantoso 8,7 milhões só em 2018. O estudo mapeou a matéria particulada do ar, conhecida como PM2,5, gerada pela queima de combustíveis fósseis como carvão e diesel, para mostrar que a poluição gerada por esses combustíveis é responsável por 1 em cada 5 mortes em todo o mundo.

“Anualmente, a OMS estima que milhões de mortes são causadas pelos efeitos da poluição do ar, principalmente por doenças não transmissíveis. O ar limpo deve ser um direito humano fundamental e uma condição necessária para sociedades saudáveis e produtivas”, afirma o Diretor Regional da OMS para a Europa, Dr. Hans Henri P. Kluge.

A novas diretrizes também destacam boas práticas para o gerenciamento de certos tipos de material particulado (por exemplo, carbono preto/carbono elementar, partículas ultrafinas, partículas originárias de tempestades de areia e poeira) para as quais atualmente não há evidências quantitativas suficientes para estabelecer os níveis das diretrizes de qualidade do ar. Elas são aplicáveis tanto para ambientes externos quanto internos globalmente, e abrangem todos os ambientes.

Assembleia da OMS: contrato pandêmico em vez de liberação de patente?

A Assembleia Mundial da Saúde trata de como uma futura pandemia pode ser evitada

graveyardO número de mortes relacionadas com a pandemia corona é duas a três vezes maior em todo o mundo do que os 3,4 milhões suspeitos anteriormente. Foto: AFP / MICHAEL DANTAS

Por Marc Engelhardt, Genebra, para o Neues Deutschland 

Lutar contra o COVID-19 e se preparar para a próxima pandemia são os verdadeiros temas da 74ª Assembleia Mundial da Saúde, que começou na segunda-feira de Whit em Genebra. Mas já na abertura desta reunião anual de todos os 194 estados membros da Organização Mundial da Saúde (OMS) fica claro o quanto o hiato global entre ricos e pobres está ofuscando as discussões.

“Um pequeno número de países que produziu e comprou a maioria da vacina controla o destino do resto do mundo”, criticou o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, referindo-se principalmente aos dez países que atualmente são 75% dos mais de um bilhão de vacinas usadas em seus próprios cidadãos.

“As vacinações dadas até agora teriam sido suficientes para que toda a equipe médica e todos os idosos fossem vacinados em todo o mundo se tivessem sido distribuídas de forma justa”, disse Tedros. O secretário-geral da ONU, António Guterres, também alertou que a COVID-19 não poderia ser derrotada se um país após o outro fosse vacinado. “Se não fizermos nada agora, os países ricos vacinarão suas populações e abrirão suas economias, enquanto o vírus circula e sofre mutações nos países mais pobres.” O resultado são centenas de milhares de mortes. Como Tedros, Guterres também apoiou o levantamento temporário da proteção de patente para vacinas da COVID-19 durante a pandemia, a fim de dobrar a produção global tanto quanto possível.

As estatísticas globais de saúde apresentadas pela OMS na sexta-feira mostram como essas vacinas adicionais seriam necessárias. Conseqüentemente, o número de mortes em conexão com a pandemia é duas a três vezes maior do que os 3,4 milhões suspeitos anteriormente. Uma das razões para isso é que, especialmente em países pobres, muitas vezes não está claro do que as pessoas morrem.

Na África, por exemplo, de acordo com a OMS, apenas uma em cada dez mortes é registrada de forma confiável, enquanto na Europa é de 98 por cento. Outra razão para o alto número de casos não relatados: muitas outras doenças graves não foram tratadas na pandemia da corona, também porque os sistemas de saúde foram e estão sobrecarregados pelos pacientes da corona. Por outro lado, a iniciativa chamada “ACT Accelerator” lançada pela OMS deve ajudar. Uma “Cúpula Mundial da Saúde” separada da UE e dos países do G-20 em Roma discutiu como ela deveria ser fortalecida na sexta-feira.

A iniciativa, que também inclui o programa de vacinação da Covax, está faltando US $ 18,5 bilhões, além de vacinas, testes da COVID-19, oxigênio e ventiladores, ou seja, praticamente tudo o que é escasso e cobiçado na pandemia. A UE prometeu mais 100 milhões de doses de vacina para os países mais pobres do mundo na sexta-feira, e os fabricantes prometeram bilhões de doses.

No entanto , isso não altera a escassez aguda na maioria dos países do mundo por enquanto. Já os bem vacinados representantes dos países industrializados estão menos preocupados com o presente do que com o futuro.

“Depois que a pandemia é antes da pandemia, devemos estar o mais bem preparados possível para a próxima”, disse a chanceler Angela Merkel no início. Ela fez campanha por um “tratado de pandemia” global que obrigaria os estados a cooperar e ser mais transparentes sobre a próxima pandemia. O problema: a negociação de um contrato desse tipo poderia levar anos, se fosse para ser alcançado. China, Rússia e Brasil estão resistindo a tal acordo, que permitiria à OMS, por exemplo, publicar informações sobre o curso de uma pandemia sem o consentimento dos estados envolvidos.

Os EUA também mostraram pouco interesse até agora. É verdade que três comissões que examinaram o trabalho da OMS durante a pandemia pediram o fortalecimento da organização. Mas se isso realmente acontecerá na próxima semana é, na melhor das hipóteses, incerto. Uma resolução apresentada pela UE, que deve dar à OMS mais oportunidades para investigações independentes sobre suspeitas de pandemias, foi diluída a tal ponto antes do início da assembleia que provavelmente não passará de outro apelo não vinculativo para fortalecer a organização quando a decisão é tomada. E quando se trata de mais dinheiro, de que a OMS precisa com urgência, com seu orçamento anual de pouco menos de dois bilhões de euros, os europeus também falham.

Por um lado, países como a Alemanha já aumentaram suas doações durante a pandemia, outros doadores apontam para os custos da pandemia corona em seu próprio país. Quase todos também se limitam à destinação da maior parte de seus fundos. Mas isso priva a OMS exatamente do que as comissões pedem: mais independência.

Para o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, esse é um problema que afeta não só a organização que lidera, mas também a si mesmo. Seu mandato expira no próximo ano. Se ele será proposto novamente por cinco anos no topo da OMS depende acima de tudo se a luta global contra a pandemia COVID-19 será melhor do que antes nos próximos meses. Ainda não parece.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo “Neues Deutschland [Aqui!].

Agência alemã do Meio Ambiente pede que o consumo de carne seja reduzido pela metade no país

Dirk Messner: “Se não mudarmos nossos hábitos alimentares, haverá consequências dramáticas e caras para o clima.”

Criação industrial: Agência Federal do Meio Ambiente pede que o consumo de carne seja reduzido pela metade

Foto: dpa / Christophe Gateau

O presidente da Agência Ambiental Federal, Dirk Messner, pediu que o consumo de carne na Alemanha fosse reduzido pela metade, a fim de reduzir a pecuária industrial que é prejudicial ao meio ambiente. Menos carne seria muito bom para a saúde e o meio ambiente, Messner disse aos jornais do Funke Mediengruppe (online): “Temos que reduzir a pecuária industrial para que os insumos excessivos de nitrogênio sejam reduzidos e os solos, água, biodiversidade e saúde humana sejam menos poluídos . “

Agora já se come um pouco menos de carne na Alemanha, disse Messner. “Mas se quisermos mudar algo de forma efetiva e seguir as recomendações da Organização Mundial da Saúde, o objetivo seria reduzir pela metade o consumo de carne na Alemanha”, disse o presidente da Agência Federal do Meio Ambiente: “Isso reduziria a pecuária industrial e teria muitos efeitos ambientais positivos. “

Quem come menos carne, mas de melhor qualidade, pode “equilibrar na carteira”, disse Messner. Os agricultores também receberiam melhor pagamento. A proteção do clima e as questões de justiça devem ser reunidas. “Mas se não fizermos nada, não mudarmos nossos hábitos alimentares e comportamento do consumidor, haverá consequências climáticas dramáticas e muito caras, das quais as famílias de baixa renda costumam sofrer muito mais”, alertou Messner. epd / nd

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

COVID-19: um ano depois, o que aprendemos?

LIÇÕES

No dia 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou a pandemia do novo coronavírus. Mas o que os brasileiros aprenderam com a crise? Quais os hábitos que a população mudou no dia a dia? Há pouco mais de 11 meses, a dona de casa Ivelise Souza, de 48 anos, não fazia ideia dos novos hábitos que adotaria. Moradora de Manaus, município que sofre com os altos índices de infectados pelo novo coronavírus, ela não fica mais sem o seu aliado: o álcool em gel. Antes de 2020, para grande parte da população brasileira, o item era utilizado em casos muito específicos – em hospitais e clínicas médicas. Hoje é um produto do cotidiano do brasileiro. Um ano depois do primeiro caso confirmado no Brasil, 10 milhões de casos e quase 250 mil vidas perdidas, o que mais a população aprendeu?

A manaura diz que, além de higienizar as mãos com álcool, passou a lavar todos os itens de compras quando chega em casa. “Os primeiros dias foram difíceis, mas me acostumei. Esses cuidados vão ficar na minha vida para sempre”, explica.

Para o produtor de elenco e guia turístico Eduardo Sá, de 47 anos, a pandemia trouxe novos aprendizados e hábitos. “Adotei alguns procedimentos durante a pandemia e devo levar comigo. Deixo roupas e sapatos na entrada de casa. Coloquei um cabideiro na porta de entrada e ali deixo esses pertences”, conta o morador do bairro da Lapa, no Rio de Janeiro. Ele conta que vai continuar, depois da pandemia, com o uso eventual da máscara.

“Acredito que é algo importante porque a gente pode ter uma doença transmissível, tipo um resfriado. Até mesmo porque sou alérgico. Percebi que a máscara me ajuda a diminuir as crises. Quantos aos alimentos, hortifrutis, sempre deixo numa bacia com uma solução de água comum e água sanitária”, detalha Eduardo.

No Distrito Federal, Maria de Lurdes Vieira de Souza, de 57 anos, trabalha como passadeira. “Quando saio de casa, levo meu álcool em gel, passo nas mãos ao entrar e sair dos ônibus. Trabalho com muito cuidado, quando chego em casa, troco a roupa e o sapato, higienizo tudo. Quando terminar a pandemia, quero continuar andando com meu álcool na bolsa e me cuidando ainda mais”.

Já o advogado José Maurício Medeiros Costa, de 55 anos, morador de João Pessoa, na Paraíba, diz que “o grande legado da pandemia é cuidar melhor dos alimentos que nós consumimos”.

Fonte técnica confiável

Em 28 de fevereiro de 2020, o Conselho Federal de Química (CFQ) se pronunciou pela primeira vez sobre o combate ao novo coronavírus para contradizer um vídeo que havia viralizado na internet. Um cidadão, que se autointitulava químico autodidata, afirmava que o álcool em gel não era eficaz no combate à COVID-19, e sim o vinagre.

Nota Oficial do CFQ reverberou na imprensa, e o Sistema CFQ/CRQs (formado pelo Conselho e 21 Conselhos Regionais de Química) posicionou-se como fonte técnica confiável, explicando à população formas de prevenção e combate à COVID-19. “O CFQ foi firme no compromisso de orientar a população e, como órgão fiscalizador, garantir a oferta à sociedade de bons produtos e serviços dentro da infinidade de possibilidades técnicas oferecidas pela Química nos tempos atuais”, afirma o presidente do Conselho Federal, José de Ribamar Oliveira Filho.

Naquele momento, começava um intenso trabalho de combate à desinformação, com a produção de conteúdos didáticos (notas, cartilhas, vídeos, podcasts e posts para as redes sociais) para mostrar à população como utilizar água sanitária para desinfetar ambientes, como lavar as mãos corretamente, como utilizar o álcool em gel com mais eficácia. Este foi o começo da campanha Química Solidária, exemplo de que a solidariedade também foi um dos grandes aprendizados em meio à pandemia. A população se uniu em prol de uma causa: o combate ao novo coronavírus

Em março, quando a pandemia se espalhou pelo país, o álcool em gel desapareceu das prateleiras de mercados e farmácias, tornando-se artigo raro e caro para muitos brasileiros.

Para minimizar o desabastecimento e garantir o produto para quem mais precisava, o Sistema CFQ/CRQs (formado pelo CFQ e os Conselhos Regionais de Química) incentivou a sociedade, especialmente a comunidade da Química no Brasil, a se engajar na campanha Química Solidária.

A ação articulou a produção e doação de mais de 100 mil litros de álcool 70% em várias regiões, com o apoio de instituições de ensino, empresas, associações e profissionais da área da Química. As primeiras iniciativas ocorreram nos estados do Rio de Janeiro e da Paraíba. Confira as ações da Química Solidária.

Em maio de 2020, o CFQ elaborou uma cartilha com 21 perguntas e respostas sobre como usar a solução de água sanitária no combate à COVID-19. Reveja aqui .

Além disso, o Sistema CFQ/CRQs mostrou para a sociedade a atuação dos profissionais da Química na linha de frente contra o vírus, seja na produção de álcool, na pesquisa de produtos, pesquisa sobre o vírus, terapias e vacinas, e fiscalização dos fabricantes.

“Eles atuam em fases importantes da produção do álcool em gel, por exemplo, para garantir qualidade e segurança. Além disso, mapeiam e controlam os processos industriais, elaboram procedimentos operacionais adequados às normas e às boas práticas, e realizam o controle de qualidade da produção, acompanhando todas as etapas do processo”, explica Oliveira Filho.

Até a última esquina

Qual o papel da agricultura e dos mercados globalizados nas doenças transmitidas por animais?

fireSe florestas e espécies desaparecem,  um complexo ecossistema é danificado. Foto: AFP

Por Haidy Damm para o Neues Deutschland

Após um longo cabo de guerra, espera-se que especialistas cheguem à China hoje, quinta-feira, que, em nome da Organização Mundial de Saúde (OMS), junto com cientistas chineses, vão pesquisar se o coronavírus pode ser rastreado até sua origem. Mesmo que o local de origem não tenha sido pesquisado de forma conclusiva, é amplamente indiscutível que COVID-19 é uma zoonose, ou seja, uma doença que resultou da transmissão entre animais e humanos. Existem alguns, incluindo raiva, gripe suína e ebola. No entanto, essas doenças raramente desencadeiam uma pandemia, como no caso da gripe espanhola em 1918 ou COVID-19, como explica o Instituto Friedrich Löffler de Saúde Animal.

No entanto, o coronavírus não será a última pandemia, disse o Secretário-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, no final de 2020 e advertiu: Todas as tentativas de melhorar a situação da saúde no mundo estão fadadas ao fracasso, desde que os humanos não tomem medidas eficazes contra as mudanças climáticas e para o bem-estar animal . “A pandemia destacou os vínculos estreitos entre a saúde humana, animal e do planeta”, disse Tedros.

O Conselho de Biodiversidade das Nações Unidas (IPBES) também assume em um relatório que há uma ameaça de novas pandemias no futuro, porque as mudanças “na maneira como usamos a terra afetam a expansão e intensificação da agricultura, bem como o comércio, produção e consumo insustentáveis natureza e levar a mais contato entre animais selvagens, animais de fazenda, patógenos e humanos”, diz Peter Daszak, zoólogo da delegação da OMS. “É assim que surgem as pandemias.” Só a mudança no uso da terra causou a ocorrência de mais de 30% das novas doenças relatadas desde 1960. A ecologista indiana Vandana Shiva afirma: “Doenças como o coronavírus podem nos ameaçar em todo o mundo ao invadir os habitats de outras espécies e espalhar monoculturas ao redor do mundo.”

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson, por outro lado, culpou a medicina tradicional chinesa pelo surto de coronavírus. “Vem de morcegos ou pangolins, da crença insana de que você ganha potência ou o que as pessoas acreditam se você moer as escamas de um pangolim“, disse Johnson no One Planet Summit na segunda-feira. “Surge dessa colisão entre a Humanidade e a natureza, e temos que impedir isso.”

Johnson poderia se basear na opinião de profissionais especializados em sanidade animal. O presidente da Associação Veterinária para o Bem-Estar Animal, Thomas Blaha, explicou em uma discussão técnica do grupo parlamentar Verde sobre pecuária e epidemias que as zoonoses surgem em culturas arcaicas onde há muito contato humano-animal. Ele defende sistemas de baias fechadas que garantam higiene e, portanto, biossegurança. Ambos ignoram o fato de que a agricultura da China se industrializou nos últimos anos – muitas vezes com a ajuda de fundos de investimento internacionais. Lá também foram construídas megabaias blindadas, inicialmente na avicultura e posteriormente na engorda de suínos. Com todas as desvantagens, como explica o biólogo americano Rob Wallace em seu estudo sobre a gripe aviária: “Eles exacerbam a virulência de patógenos e o risco de infecção.” Estábulos protegidos – como os preferidos por Blaha – são teoricamente bioseguros, mas na prática, a falta de controles é um problema não apenas na China. Outra opção é vacinar os animais.

O comércio chinês de carne de caça agora também é caracterizado por empresas profissionais e bem financiadas. Segundo as Nações Unidas, a criação de animais silvestres cresceu consideravelmente, só na China cerca de 14 milhões de funcionários geraram vendas de 77 bilhões de dólares em 2016 com a criação de “espécies animais não tradicionais“. A expansão espacial da agricultura industrial e da pecuária industrial está forçando as empresas de vida selvagem a vasculhar cada vez mais áreas florestais ou a construir seus criadouros mais profundamente na floresta, segundo Wallace. A probabilidade de encontrar novos patógenos está aumentando, enquanto a complexidade ecológica com a qual as florestas interrompem as cadeias de transmissão está diminuindo.

O Conselho de Biodiversidade da ONU declara em seu relatório: »As pandemias são causadas por microorganismos em reservatórios de animais. Mas eles se espalham por meio das atividades humanas. Como resultado, as cadeias de abastecimento globais e o turismo permitem uma rápida expansão. Por exemplo, o Conselho apela a grandes projetos de desenvolvimento e uso da terra para incluir avaliações de impacto na saúde sobre o risco de pandemia antes do início do projeto. Os governos nacionais também devem cortar subsídios para atividades que envolvam desmatamento, degradação florestal e mudanças no uso da terra. Além disso, os tomadores de decisão devem mudar fundamentalmente o consumo insustentável e as estruturas econômicas que promovem as pandemias.

Até agora tem sido assim, escreve Wallace: “Os custos da pecuária industrial e da agricultura industrializada são rotineiramente externalizados.” O Estado há muito é forçado a pagar a conta pelos custos subsequentes – poluição ambiental, problemas de água e doenças dos trabalhadores. Mesmo em face da pandemia, o Estado está pronto para assumir novamente os custos para que a agricultura industrializada possa prosseguir sem ser perturbada. O que Wallace não cita: a redistribuição desses custos pode contribuir para o empobrecimento em todo o mundo se houver menos dinheiro para a educação, sistemas sociais ou saúde como resultado.

De volta à missão na China: A busca pela origem do vírus é considerada politicamente explosiva. É questionável quais achados além do virológico podem ser esperados. Se, como observa Wallace, o agronegócio transnacional pode transformar a expansão global de terras industriais e casas de engorda em “lucros enormes”, a questão permanece: quem paga o preço?

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!].

Remdesivir não reduz a mortalidade por COVID-19, afirma o estudo

Antiviral drug remdesivir FDA approved for treatment of novel coronavirus covid-19

Estudo demonstra que o Remdesivir não possui efeito no tratamento da COVID-19

Por Ralph Ellis

Nota do editor: Encontre as últimas notícias e orientações sobre a COVID-19 no Centro de Recursos Coronavirus da Medscape .

Um grande estudo patrocinado pela Organização Mundial da Saúde descobriu que o Remdesivir não ajuda os pacientes hospitalizados com COVID-19 a sobreviver e nem mesmo encurta o tempo de recuperação daqueles que sobrevivem.

Essas descobertas contradizem estudos menores que descobriram que o Remdesivir, um medicamento antiviral, ajudou pacientes hospitalizados com coronavírus a se recuperarem mais rápido do que os pacientes que receberam placebo. Esses estudos anteriores levaram o FDA a conceder autorização de uso de emergência para o medicamento, que foi concedida a milhares de pacientes com COVID-19 nos Estados Unidos, incluindo o presidente Donald Trump.

O estudo patrocinado pela OMS foi conduzido de 22 de março a 4 de outubro e envolveu 11.330 pacientes de 405 hospitais em 30 países. Os pacientes receberam Remdesivir e três outras drogas isoladamente ou em combinação.

“Esses regimes de remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir e interferon pareceram ter pouco ou nenhum efeito no COVID-19 hospitalizado, conforme indicado pela mortalidade geral, início da ventilação e duração da internação hospitalar”, concluiu o estudo.

Os dados foram postados online no servidor de pré-impressão MedRxiv e não foram revisados ​​por pares ou publicados em um jornal científico.

A empresa farmacêutica norte-americana Gilead Sciences, fabricante do Remdesivir, divulgou uma declaração defendendo o medicamento, observando que estudos controlados publicados em revistas especializadas validaram seus benefícios.

Gilead também questionou como o estudo foi conduzido, dizendo que havia variação na “adoção do estudo, implementação, controles e populações de pacientes e, conseqüentemente, não está claro se quaisquer conclusões conclusivas podem ser extraídas dos resultados do estudo.”

O Dr. Peter Chin-Hong, MD, especialista em doenças infecciosas da Universidade da Califórnia, em San Francisco, disse ao The New York Times que um estudo massivo em diferentes nações poderia resultar em métodos de tratamento inconsistentes.

“Tanta coisa vai para o cuidado”, disse ele. “A droga é apenas parte disso.”

Remdesivir foi desenvolvido para tratar o Ebola e foi reaproveitado para tratar o coronavírus. Foi um dos poucos desenvolvimentos encorajadores na batalha global contra o COVID-19.

“É certamente decepcionante”, disse Julie Fischer, professora associada e pesquisadora do Departamento de Microbiologia e Imunologia da Universidade de Georgetown, sobre o estudo, de acordo com a Al Jazeera . “O que todos nós gostaríamos de ver é o que é frequentemente chamado de ‘bala mágica’; um medicamento que já existe, é seguro e funciona de maneira eficaz em pacientes. Infelizmente, neste caso, este ensaio pelo menos sugere que os benefícios de Remdesivir não estavam lá. “

O FDA concedeu autorização de uso de emergência para remdesivir em abril, dizendo: “Embora haja informações limitadas conhecidas sobre a segurança e eficácia do uso de Remdesivir para tratar pessoas no hospital com COVID-19, o medicamento experimental foi mostrado em um ensaio clínico para encurtar o tempo de recuperação em alguns pacientes. “

Um ensaio clínico com cerca de 1.000 pacientes conduzido pelo National Institutes of Health (NIH) revelou que o tempo de recuperação do remdesivir encurtou em cerca de 31% dos pacientes. O NIH também disse que o estudo “sugere um benefício de sobrevivência, com uma taxa de mortalidade de 8,0% para o grupo que recebeu remdesivir contra 11,6% para o grupo que recebeu placebo”.

Mas o estudo patrocinado pela OMS disse que o Remdesivir e as outras drogas simplesmente não funcionam.

“Os resultados gerais pouco promissores dos regimes testados são suficientes para refutar as esperanças iniciais, com base em estudos menores ou não randomizados, de que qualquer um irá reduzir substancialmente a mortalidade de pacientes internados, o início da ventilação ou a duração da hospitalização”, disse o estudo.

Fontes:

MedRxiv. “Medicamentos antivirais reaproveitados para COVID-19; resultados provisórios do ensaio WHO SOLIDARITY” https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.10.15.20209817v1

Gilead. “DECLARAÇÃO DA GILEAD SCIENCES ON THE SOLIDARITY TRIAL” https://www.gilead.com/-/media/gilead-corporate/files/pdfs/company-statements/gilead-statement-on-solidarity-trial-final-clean.pdf?la=en

New York Times. “Remdesivir falha em evitar mortes de Covid-19 em um grande julgamento”  https://www.nytimes.com/2020/10/15/health/coronavirus-remdesivir-who.html

Al Jazerra. “Estudo da OMS descobriu que remdesivir tem pouco efeito sobre COVID-19” https://www.aljazeera.com/news/2020/10/16/who-trial-finds-repurposed-drugs-have-little-effect-on-covid-19

WebMD. “FDA Dá Autorização de Emergência Remdesivir” https://www.webmd.com/lung/news/20200430/report-fda-to-give-emergency-use-authorization-to-remdesivir

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Medscape [Aqui!].

General Pazuello, o otimista, encontra sua aurora no frango rejeitado pela China

fogo

O general e ministro interino da Saúde do governo Bolsonaro, Eduardo Pazuello, vivenciou um daqueles momentos que em tempos normais seria matéria prima para piadas (será que o Marcelo Adnet vai deixar passar essa oportunidade?). É que em uma reunião de prestação de contas junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), o general Pazuello enfatizou o fato do Brasil ser o país com o maior número de recuperados da infecção do coronavírus, e auto congratulou o governo Bolsonaro por seus supostos êxitos no controle da pandemia da COVID-19. O detalhe que o general Pazuello esqueceu em seu relato otimista foram os mais de 100 mil mortos pela COVID-19, o que torna o Brasil o segundo país com mais óbitos nesta pandemia.

Fechemos o pano momentaneamente para o General Pazuello.

Quase que simultaneamente ao relato para lá de otimista do ministro interino da Saúde, o governo da cidade chinesa de Shenzen rejeitou um carregamento de asas de frango oriundo do Brasil pelo fato do mesmo estar contaminado por coronavírus segundo informou o jornal chinês publicado em inglês “Global Times”.

Mais do que um problema pontual com um carregamento, o que a descoberta desta carne contaminada levanta para os importadores de carne brasileira é de quais seriam as condições sanitárias em que os trabalhadores brasileiros estão trabalhando em meio à pandemia da COVID-19. 

E a coisa aqui é muito simples: existem informações vindas de diferentes partes do Brasil no sentido de que há um alto número de contaminações dentro das plantas industriais dos frigoríficos brasileiros.  A questão é que até agora não havia nenhum caso de rejeição de uma carga brasileira por causa da contaminação pelo coronavírus. Mas agora a partir do carregamento detectado em Shenzen é bem provável que a coisa mude de figura (para pior, obviamente) e os produtos brasileiros comecem a passar por crivos sanitários mais apertados. O risco aqui é de um fechamento completo dos mercados internacionais aos produtos brasileiros de origem animal até que se prove que não estamos exportando mais do que proteína em nossos carregamentos. 

Como tudo o que está ruim pode piorar, segundo uma das leis de Murphy, a mídia internacional está noticiando hoje que a Amazônia brasileira está iniciando o pior início da estação de queimadas desta última década.  Assim, não haverá como o general e dublê de ministro Eduardo Pazuello possa manter o elevado grau de otimismo que demonstrou na reunião com a OMS.

A “nota de nojo” dos netos de Luiz Gonzaga contra o governo Bolsonaro

bolso musica

O presidente Jair Bolsonaro apresentou uma live na quinta-feira (2), ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães (à esquerda), e do ministro do Desenvolvimento Regional (Rogério Marinho), à direita. Ao fundo, o presidente da Embratur tocou e cantou a música ‘Riacho do Navio’, com alterações da letra — Foto: Reprodução

NOTA DE NOJO

Diante da impotência e da impossibilidade de processo por propaganda indevida,
por dupla apropriação, da canção de Luiz Gonzaga e Zé Dantas e do projeto do Rio São Francisco; nós, filhos de Luiz Gonzaga do Nascimento Jr, netos de Luiz Gonzaga, o Gonzagão, apresentamos uma NOTA DE NOJO diante deste governo mortal e suas lives. Governo que faz todos os gestos ao seu alcance para confundir e colocar em risco a população do Brasil, enquanto protege a si mesmo e aos seus.

Não estamos de acordo com o uso da canção Riacho do Navio, nem sua alteração, nem sua execução (com duplo sentido) pelo Senhor Gilson Machado Neto, presidente da Embratur, em transmissão ao vivo pelo Senhor Presidente.

E, AINDA QUE SIMBOLICAMENTE, não autorizamos ao Governo Federal o uso das canções assinadas por nenhum de nossos familiares, ou, ao menos, das respectivas partes que nos cabem.

Sonhamos com o dia em que nosso país volte a ser e a ter respeito e honestidade em relação à sua história, suas injustiças e desequilíbrios.

Sonhamos o dia em que se volte a reconhecer, dentro do país, a importância da Cultura, das artes Brasileiras, e seu imenso legado por gerações, assim como o é em todo o mundo.

Sonhamos com o dia em que a informação e o conhecimento sejam distribuídos democraticamente à todOs, para, apenas recomeçar, sanarmos essa doença que não faz distinção, além da social, como costuma ser na nossa violenta história. E depois, para que o poder e o espaço, em toda instância, possa ser equalizado e distribuído.

Sonhamos dias sem mortos pela violência do Estado, seja ela direta ou indireta.

Finalmente; sonhamos com quando poderemos dançar e cantar abraçados, sem medo, nos bailes de forró e nas tantas festas as quais o Brasil faz e das quais é feito.

Trabalhamos todos os dias por realizar estes sonhos, que não são apenas por nós, mas por todas as gentes deste país.

Por hora, trabalhamos em casa, cumprindo as indicações internacionais da Organização Mundial de Saúde e pedimos que, todos que possam, também o façam.

03/07/2020

Amora Pêra Gonzaga do Nascimento
Nanan Gonzaga
Daniel Gonzaga

fecho

Esta “nota de nojo” foi originalmente publicada na página de Amora Pêra Gonzaga do Nascimento na rede social Facebook [Aqui!].

Invisíveis e letais

Esforço para combater o coronavírus deve puxar novas medidas para reduzir poluição do ar

AIR POLLUTIONPesquisa da Harvard University sugeriu que as taxas de mortalidade por COVID-19 nos EUA aumentaram onde houve uma alta concentração de material particulado fino

Por Leo Cesar Melo*

Em diversas cidades do mundo, especialmente nas grandes metrópoles, a qualidade do ar melhorou significativamente com a implantação das medidas de isolamento social para conter o avanço da pandemia causada pela novo coronavírus, que em todo o planeta já infectou quase 9 milhões de pessoas e provocou a morte de mais de 400 mil. Antes mesmo de concentrar toda sua atenção na luta contra o  COVID-19, uma das principais preocupações da Organização Mundial da Saúde era com a questão da poluição do meio ambiente. Em 2019, a OMS fez um alerta de que a poluição do ar era o maior risco ambiental para a saúde da humanidade.

De acordo com a organização, por ano, 7 milhões de pessoas morrem prematuramente por doenças provocadas pela poluição atmosférica, causada principalmente pelos altos volumes de emissões da indústria, dos transportes e da agricultura. Além disso, 90% dessas mortes ocorrem em países de baixa e média renda.

Se nada for feito para reverter esse quadro, a tendência é que a situação se agrave. Portanto, para frear o avanço do problema, os principais agentes poluidores precisam urgentemente focar na eliminação, diminuição ou compensação de suas ações. Isso serve especialmente para as indústrias e para alguns segmentos de infraestrutura.

No Brasil, um dos setores que vem apresentando bons resultados nesse sentido é o de energia limpa. Por conta dos avanços nas políticas que favorecem o biogás, proveniente de materiais orgânicos e que por ser renovável pode substituir o uso de combustíveis fósseis. Iniciamos 2020 com mais de 400 plantas de biogás em operação, um crescimento de 40% na comparação com 2019. As indústrias podem auxiliar no crescimento desse mercado e ao mesmo tempo se favorecer dele, já que hoje existem diversas soluções viáveis de reaproveitamento de resíduos para geração de energia. Com isso cai a necessidade de compra de energia, algo bastante custoso para a produção e ao mesmo tempo reduzem os gastos com a destinação de resíduos.

Mas precisamos avançar muito mais, e por outros setores. O mundo deve encarar o problema da poluição ambiental com a mesma firmeza que está enfrentando o novo coronavírus. As atitudes tomadas em relação à pandemia para a superação dessa crise estão mostrando como a inovação e a ciência são capazes de solucionar os problemas. Que usemos esse exemplo para gerar outras grandes mudanças a favor do desenvolvimento sustentável.

* Leo Cesar Melo é CEO da Allonda Ambiental, empresa de engenharia com foco em soluções sustentáveis