Capas de revistas semanais expõe inferno astral de Sérgio Moro e da Lava Jato

Palestra Democracia, Corrupção e Justiça, no UniCEUB

O ministro Sérgio Moro e o procurador federal Deltan Dallagnol em uma palestra sobre corrupção podem estar passando da condição de caçadores para a de caça.

As capas das principais revistas semanais brasileiras trazem uma mensagem comum para o ex-juiz e atual ministro da (in) Justiça Sérgio Moro e seus companheiros procurdores da “Operação Lava Jato” e  ela parece sinalizar que não há mais flores, talvez só tenham ficado os espinhos, depois do início das revelações trazidas pelo site “The Intercept” sobre comportamentos, digamos, duvidosos em relação às apurações, julgamento e prisão do ex-presidente Lula (ver mosaico abaixo).

capas 1

A coisa fica mais complicada quando se verifica que apenas a “Carta Capital” fez oposição aos métodos de Sérgio Moro e da Lava Jato ao longo dos últimos anos, enquanto as demais ficaram mais na posição de caixas de ressonância das operações do que verdadeiros veículos jornalísticos.

O interessante é que a aparente desgraça que está se abatendo sobre Sérgio Moro e seus companheiros de jornada não se deve à ação diligente do PT, alvo preferencial das ações, pois o partido ficou por muito tempo como espectador da própria desgraça, como se estivesse realmente acreditando no sentido republicano do que a “Operação Lava Jato” dizia ter.  

Se estamos tendo agora a oportunidade de olhar as ações da Lava Jato e de Sérgio Moro a partir das palavras e interações dos próprios personagens é porque, muito provavelmente, algum agente interno resolveu mostrar as entranhas do processo todo, e jornalistas com “J” maiúsculo resolveram apurar o caso.  Esse é, aliás, um desdobramento novo na história política do Brasil, pois ao contrário dos EUA que já tiveram a queda de Richard Nixon por causa da ação de jornalistas determinados a apurar informações, o nosso jornalismo e, principalmente, os donos dos veículos da mídia corporativa nunca foram muito inclinados a apurações que comprometessem o status quo político.

Como está mais do que indicado de que vem mais coisa por aí em termos das matérias do “The Intercept”, as próximas capas poderão ser ainda mais negativas para Sérgio Moro e para os procuradores da Lava Jato. Resta saber o tamanho do dano e de como isso será traduzido em manchetes.

 

Revista Veja joga Sérgio Moro ao mar

moro bolsonaro

Sérgio Moro, em um esforço de sobrevivência, veste a camisado Flamengo durante partida realizada no estádio Mané Garrincha pelo Campeonato Brasileiro de 2019. 

A capa da nova edição da revista “Veja” deve acabar com todas as dúvidas que ainda existiam na cabeça do ex-juiz federal e atual ministro da (in)Justiça do governo Bolsonaro, Sérgio Moro, quanto ao nível de degradação da sua antes impenetrável aurea política (ver imagem abaixo).

moro ao mar

Esta capa é uma sinalização objetiva de que parte das elites brasileiras decidiu jogar Sérgio Moro ao mar onde tubarões sequiosos por sua pele e sangue o aguardam ansiosamente.

Esta minha avaliação não foi feita apenas com base na esfinge desmoronando que ornamenta a capa da edição, mas pelo uso da definição “claras transgressões” para o que o site “The Intercept” divulgou até agora, e que seus editores dizem ser uma parte desprezível do documento que lhes foi entregue.

As recentes declarações de Sérgio Moro de atacar as revelações do “The Intercept” como sendo sensacionalistas e politicamente motivadas me lembram o caso daquele paciente que sabe que está nos últimos minutos de sua vida e resolve levantar do leito de morte para dar uma bananeira na ânsia de mostrar que sua situação não é tão desesperadora quanto parece.

Algumas questões intrigantes permanecem no ar, a começar por quem de dentro da própria “Operação Lava Jato” resolveu acumular toneladas de informações indiscretas e depois repassá-las ao “The Intercept”, e termina em quem poderá ser o próximo (ou seria próxima?) ministro da (in) Justiça do governo Bolsonaro. 

As próximas dias ou semanas (a depender do ritmo de revelações do “The Intercept”) vão nos mostrar isso. Enquanto, a mídia corporativa vai tentar continuar com seu jogo de espelhos e fumaça para tentar nos convencer que os culpados são os russos. Apesar do fato de que o único “russo”  nesse imbróglio é o ainda ministro Sérgio Moro que tem tinha esse estranho apelido no grupo de procuradores da “Lava Jato”.