Maior área do mundo com indígenas isolados foi mapeada na Amazônia

Anos de intenso trabalho de documentação renderam provas únicas de grupos indígenas isolados desconhecidos e mapearam os limites de seus territórios . A vasta e intocada área de floresta tropical está sob crescente pressão , colocando em risco a sobrevivência dos grupos isolados 

isolados

Por: Kristin Rødland Buick para a Rainforest Foundation Norway

Lima / Oslo, 9 de dezembro de 2021

 “As propriedades desta área de floresta tropical contíguas são simplesmente de proporções de património mundial, com culturas e natureza únicas. Portanto, é fundamental que esta área e as pessoas vulneráveis ​​que dela dependem obtenham a proteção física e jurídica necessária a que têm direito. É urgente”, diz Toerris Jaeger, secretário-geral da Rainforest Foundation Norway.

O relatório, Corredor Territorial dos Povos Isolados e Florestas Contíguas de Yavari-Tapiche , será lançado na quinta-feira, 9 de dezembro, em Lima, Peru. O trabalho de documentação foi feito pela organização indígena ORPIO com apoio da Rainforest Foundation Norway.

“O corredor inclui territórios de povos indígenas sem contato com o mundo exterior. Atualmente, é seu refúgio. Muitos se isolaram aqui para escapar de doenças, mortes, perseguições e abusos durante o boom da borracha na virada do século 20, mas as ameaças continuam até hoje por meio da invasão de lenhadores e traficantes de drogas, diz Beatriz Huertas, que liderou a pesquisa.

Huertas é um dos maiores especialistas do mundo em povos indígenas isolados. Juntamente com uma equipe de pesquisadores, ela tirou fotos de sobrevoos, coletou depoimentos de povos indígenas que vivem no corredor e na zona periférica da área, conversou com autoridades governamentais e analisou dados de satélite da área. O resultado é um conjunto único de documentação que comprova a existência desses povos indígenas e a área em que habitam, o chamado corredor Yavari-Tapiche de povos indígenas isolados.

A área é de 160.000 quilômetros quadrados, o tamanho do Suriname. Estende-se pelos estados de Loreto e Ucayali no Peru e Acre e no estado do Amazonas no Brasil, e é provável que seja a maior área do mundo habitada por povos indígenas isolados.

A área forma uma ilha com floresta tropical intocada. Segundo o relatório, 95% da floresta tropical na área está intacta e está entre as áreas mais densas em carbono e biodiversas do mundo.

CORRIDOR 1O mapa mostra a extensão da reserva indígena Yavari-Tapiche (norte) e do Corredor Territorial dos Povos Isolados “Panoan, Arawakan e outros” (sul). Gráficos: ORPIO

Lar de um grande número de povos indígenas isolados

A área é habitada por um número desconhecido, mas estimado, de grupos indígenas, que vivem em isolamento auto-imposto com pouco ou nenhum contato com o mundo exterior. É difícil estimar o número de pessoas ou grupos indígenas que vivem na área, mas o relatório conclui que uma grande parte da população pertence ao grupo de língua Pano.

Alguns desses povos indígenas são ramos isolados de grupos que estabeleceram contato com a sociedade externa há relativamente pouco tempo. Eles compartilham território, mas não têm contato. Muitos são grupos não identificados que podem representar tribos inteiras e línguas que ainda são desconhecidas para o mundo.

“O corredor inclui territórios de povos indígenas sem contato com o mundo exterior. Atualmente é seu refúgio. Muitos se isolaram aqui para escapar de doenças, mortes, perseguições e abusos durante o boom da borracha na virada do século 20, mas as ameaças continuam hoje através da invasão de lenhadores e traficantes de drogas. Beatriz Huertas, Antropóloga Social e Chefe de Pesquisa

“O isolamento de nossos irmãos e irmãs indígenas é importante porque eles são altamente vulneráveis ​​a doenças estrangeiras. Sair abruptamente do território seria fatal. A melhor maneira de protegê-los é reconhecer legalmente a área como um corredor para grupos isolados e fortalecer o comunidades locais em seu conhecimento e capacidade de proteger a área. Grupos indígenas vizinhos devem formar um muro de proteção contra ameaças externas”, afirma Jorge Perez, da ORPIO. O direito dos povos indígenas de viver em isolamento autoimposto está consagrado em várias declarações importantes de direitos humanos, incluindo a Declaração Americana sobre os Direitos dos Povos Indígenas. Tanto o Brasil quanto o Peru têm políticas de contato zero para povos indígenas em isolamento autoimposto.

Povos indígenas isolados carecem de defesa imunológica contra a maioria das doenças virais. A história mostra que uma única epidemia de gripe pode matar mais da metade da população em apenas alguns meses.

CORRIDOR 2Povos isolados fotografados durante um sobrevoo na Amazônia brasileira, próximo à fronteira com o Peru, em 2009. Foto: FUNAI

Exposto à pressão de construção

No entanto, a área está sob pressão crescente de vários lados. O relatório revela dezenas de licenças de madeira que se sobrepõem à área. A construção de estradas segue como consequência da exploração madeireira, e isso abre caminho para uma série de invasores que podem entrar em contato e entrar em conflito com os grupos indígenas isolados.

Uma área crescente desta floresta tropical está sendo destruída pela extração de madeira, mineração e agricultura. O contrabando de drogas e o cultivo de coca estão aumentando na área, e o tráfico coloca em risco os povos indígenas isolados. O relatório documenta como os povos indígenas são forçados a deixar suas casas devido à extração de madeira e ao contrabando de drogas.

CORRIDOR 3

O mapa mostra territórios indígenas, circundados em azul, e áreas desmatadas em vermelho. Onde os direitos dos Povos Indígenas aos seus territórios são respeitados, a floresta tropical permanece intacta. Gráfico: ORPIO

O Peru tem territórios oficialmente reconhecidos para pessoas em isolamento em 27% do corredor. O restante da área carece de reconhecimento oficial e toda a área do corredor do lado peruano, 55.000 km2, carece de mecanismos de proteção. No Brasil, os cortes orçamentários para a Diretoria Estadual do Povo Indígena, FUNAI, enfraqueceram a proteção do Vale do Javarí, que cobre a maior parte do corredor do lado brasileiro. Ao mesmo tempo, os interesses econômicos estão pressionando por um projeto rodoviário que cruzará o corredor ao sul através do Parque Nacional Sierra del Divisor. “Devido às qualidades únicas desta área, incentivamos os líderes do Brasil e do Peru, e do resto do mundo, a trabalharem juntos para proteger esta terra de invasões. É fundamental para preservar a diversidade biológica e conter o aquecimento global ,

Para proteger esta área, a ORPIO e a Rainforest Foundation Norway incentivam as autoridades peruanas e brasileiras a:

Reconhecer legalmente o corredor para povos indígenas isolados e florestas de Yavari-Tapiche e adotar iniciativas para protegê-lo.

Cancelar as licenças florestais que permitem que madeireiros e outros atores que se envolvam em atividades ilegais entrem na área.

Estabelecer um diálogo com os representantes dos povos indígenas na área e criar um mecanismo de envolvimento dos povos indígenas na elaboração de políticas e medidas para a área.

Fortalecer a coordenação e aplicação das medidas de proteção na área.

Investir na capacitação das organizações indígenas que vivem na zona periférica da área, para que possam implementar medidas coordenadas de monitoramento e coibição das ilegalidades.

Parar a expansão da extração ilegal de madeira, estradas florestais, agricultura ilegal, venda de terras e tráfico de drogas nas áreas afetadas do corredor.

Proibir projetos de extração ou o estabelecimento de blocos de hidrocarbonetos no corredor.

 

compass

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pela Rainforest Foundation Norway [Aqui!].

A lição da vitória de Pedro Castillo nas eleições presidenciais peruanas

pedro castillo presidente 2

Agora é oficial: com 100% das urnas apuradas, o professor e militante sindical de esquerda Pedro Castillo Terrones venceu as eleições peruanas por uma margem de 0,25% dos votos válidos, derrotando a herdeira da ditadura fujimorista Keiko Fujimori (ver figura abaixo com dados oficiais da justiça eleitoral peruana).

castillo presidente 1

Ainda que a tendência seja a de que a direita parlamentar tentará inviabilizar o governo de Castillo, o simples fato de que um professor e militante sindical, apoiado em uma plataforma eleitoral que pode ser definida como de esquerda, venceu a máquina partidária da direita peruana, contra todas as expectativas que foram geradas quando houve uma unidade total em torno da candidatura de Keiko Fujimori.

catillo presidente

Poderia escrever bastante sobre os diferentes significados e lições da vitória de Pedro Castillo,  mas vou me concentrar em apenas uma. O fato é que recusando o abandono de uma plataforma que aponta para a nacionalização das reservas nacionais de gás natural, bem como a reforma de um sistema de pensões que vitimiza a classe trabalhadora, Castillo conseguiu passar para o segundo turno e costurar as alianças que precisava para vencer no segundo turno. 

Em outras palavras, Castillo só teve a chance de vencer porque ofereceu uma mensagem clara e dialogou diretamente com a classe trabalhadora e com a juventude peruana. Esse foi o movimento que abriu o caminho da vitória. Pode parecer simples, mas se olharmos a situação brasileira, vemos que as forças que se pretendem de esquerda está fazendo justamente o contrário ao propor alianças até com forças que realizaram o golpe parlamentar de 2016 contra a presidente Dilma Rousseff, esquecendo de construir uma plataforma que energize o povo para lutar por seus direitos.

Êxodo haitiano gera iminência de grave conflito social na fronteira Brasil-Peru

Foto: Joaninha H. Madeira.

Longe dos holofotes da mídia corporativa brasileira há hoje um grave conflito em ebulição na fronteira Brasil-Peru, mais precisamente na ponte que ligas as cidades de Assis Brasil (Acre) e Iñapari (Madre de Dios), onde cerca de 400 haitianos estão tendo sua entrada bloqueada, pois tentam sair do Brasil em direção a outros países, inclusive o próprio Haiti.

A situação é tão tensa que o Vicariato de Puerto Maldonado já se manifestou para chamar a atenção das autoridades governamentais peruana para que seja encontrada uma solução imediata para uma situação que pode “desencadear um grave conflito social(ver imagem abaixo).

WhatsApp Image 2021-02-15 at 6.18.25 PM

É importante lembrar que  milhares de haitianos se mudaram nos últimos meses para o estado do Acre. E  após o terremoto que atingiu o Haiti em 2011, mas após a crise gerada pela pandemia da COVID-19, eles agoram buscar abandonar o  Brasil para se instalar em países tais como  Equador,  México, Estados Unidos e Haiti.

Essa situação, por outro lado, pode ser entendida como a ponta do iceberg de turbulência social que está latente no Brasil neste momento por causa da forma com que o governo Bolsonaro vem tratando a pandemia da COVID-19.  A pergunta que fica é a seguinte: o que farão os pobres brasileiros, já que até até os haitianos já viram que por aqui a coisa não está dando mais para aguentar?

Enquanto isso, o presidente Jair Bolsonaro passeia de jet ski e causa aglomerações em praias de Santa Catarina….

Avatar, Papa Francisco, inferno e paraíso na subida dos Andes

la pampa

Por Foster Brown e Vera Reis Brown*

Este título deve parecer um pouco confuso; nos deixe fazer as conexões.  O filme Avatar de 2009 de James Cameron é um dos filmes mais populares no mundo e tem gerado discussões diversas sobre seus temas[1]. Trata-se de uma lua extraterreste chamada Pandora coberta de uma floresta exuberante, com grupos nativos vivendo em harmonia com a natureza.   Humanos, procurando um elemento chamado unobtanio[2], chegaram a Pandora para fazer mineração, destruindo a floresta e ameaçando os grupos nativos.    Cameron disse que fez o filme como um alerta sobre o que estamos fazendo com o nosso planeta Terra, pois precisamos encontrar paz com a natureza[3].

O Papa Francisco publicou a sua Carta Encíclica Laudato Si em 2015, abordando o mesmo assunto – cuidar da nossa Casa Comum, a Terra, frente a deterioração ambiental e social que está acontecendo[4].  Dentro da Carta, o Papa enfatiza a mudança cultural que precisamos fazer, citando os povos indígenas da Amazônia como exemplo de como conviver com a natureza[5].  

No dia 19 de janeiro deste ano, o Papa visitou Puerto Maldonado em Madre de Dios, Peru, exatamente para detalhar a sua mensagem.  Ele se reuniu preferencialmente com lideranças indígenas de várias partes da Amazônia[6] e na sua mensagem a elas, ressaltou como suas culturas podem servir como modelos para conviver com a natureza: “Vós sois memória viva da missão que Deus confiou a todos: cuidar da Casa Comum.” Também criticou a cultura dos mineiros de ouro:  “Paralelamente, há outra devastação da vida que está associada com esta poluição ambiental causada pela extração ilegal. Refiro-me ao tráfico de pessoas: o trabalho escravo e o abuso sexual.”

Cameron e o Papa escolheram o contraste entre a mineração e a vida na floresta tropical como metáfora da relação da sociedade humana e a Terra.   Mineração aluvial de ouro, que predomina nas florestas Amazônicas de Madre de Dios e Cusco, promove impactos visualmente marcantes, as vezes criando terrenos semelhantes às crateras da lua.  Também os mineiros frequentemente usam o metal líquido e tóxico de mercúrio para concentrar o ouro.  Além destas características, este tipo de mineração atrai outras atividades degradantes, como o Papa notou.

No fim do ano tivemos a oportunidade de ir de carro de Puerto Maldonado a Cusco, passando via Quincemil, uma pequena cidade na subida dos Andes.  Quincemil é onde o Padre René Salizar, um ativista de direitos humanos e ambientais e amigo, atua.  

No caminho de Puerto Maldonado passamos a área de mineração chamada “Las Pampas” onde dezenas de milhares de mineiros trabalham na esperança de ficar ricos.  Os lados da estrada nesta área servem como lixão e deu para ver indicações de bordéis, etc. via as placas nas lojas.   Em suma, parece um pedaço do Inferno na Terra para a maioria dos seus residentes. 

Iniciando a subida dos Andes, chegamos a 600 metros de elevação em Quincemil, onde as chuvas são duas a três vezes maior do que as de Puerto Maldonado ou Rio Branco.   A floresta Amazônica fica ainda mais exuberante. Folhas de samambaia, por exemplo, são maiores do que uma pessoa.  Os rios fluem com força e nos lembrou as cenas do filme Avatar.

Mas a mineração tem chegado na vizinhança de Quincemil e serve como motor econômico da cidade. O Padre René nos pediu para fazer uma palestra sobre o que está acontecendo na Terra e distribuiu anúncios da palestra pela cidade.  Quem participou foi o grupo de estudo chamado Laudato Si que ele coordena e alguns oficiais da cidade. O seu grupo se sente pequeno frente as forças econômicas, mas afirmamos que mudanças podem acontecer se batalhar para isso.  Existem sinais de esperança, como Laudato Si do Papa.

O dia seguinte vimos um destes sinais. O secretário municipal de desenvolvimento social de Quincemil nos levou para conhecer o aterro sanitário que o município está construindo.   Ficamos impressionados com a qualidade da construção. A única preocupação que o secretário tinha foi a de poder convencer a população a pagar para usar o aterro.  Ele pediu que escrevêssemos um artigo para estimular o uso do referido aterro.

Se os residentes de Quincemil precisarem um incentivo, é só olhar o inferno de Las Pampas, comparando-o ao paraíso das florestas de Quincemil.  Vivemos num planeta finito;  chegou o momento em que não temos mais lugares para degradar. A sociedade humana é quem efetivamente decide se prefere morar num inferno ou num paraíso.

cachoeira

Cachoeira entre Masuko e Quincemil, Carretera Interoceanica, Peru. 27Dez17.

A decisão não depende somente de mineiros no Peru. Afinal nós consumimos ouro para obturações dentárias e nos celulares.  A nossa demanda ajuda a degradar o paraíso. 

A Amazônia é a nossa Pandora e o Papa reafirma que a maneira como estamos tratando os povos e o ambiente da Amazônia vai levar a deterioração social e ambiental. A escolha de Quincemil é uma escolha que todos fazemos, talvez em termos menos marcantes. Afinal, algumas das piores deteriorações ambientais são quase invisíveis, como o acúmulo de gás carbônico na atmosfera ou de mercúrio em ecossistemas aquáticos da Amazônia. 

Os residentes de Quincemil precisam decidir se vão pagar os custos de depositar o seu lixo num aterro, e também decidir se a mineração vai produzir um paraíso ou um inferno. Nós precisamos fazer decisões equivalentes.  Nesta terra incógnita de novos paradigmas e valores, guias éticos como a Carta da Terra[7] e a Carta Encíclica Laudato Si do Papa Francisco podem ajudar.  

A chave é buscar as soluções, porque não buscar significa seguir as tendências atuais. As tendências vão nos levar mais provavelmente ao inferno no lugar de paraíso, seja na subida dos Andes, seja nas margens do Rio Acre.     

* Foster Brown é pesquisador do Centro de Pesquisa de Woods Hole, Docente do Curso de Mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais (MEMRN) e do Curso de Mestrado em Ciências Florestais (CiFlor) da UFAC. Cientista do Programa de Grande Escala Biosfera Atmosfera na Amazônia (LBA), do INCT Servamb e do Grupo de Gestão de Riscos de Desastres do Parque Zoobotânico (PZ) da UFAC. Membro do Consórcio Madre de Dios e da Comissão Estadual de Gestão de Riscos Ambientais do Acre (CEGdRA). Coordenador do Projeto MAP- Resiliência.   Vera Reis Brown,  Bióloga, Mestre e Doutora em Engenharia Ambiental pela Universidade de São Paulo/USP; Diretora técnica do Instituto de Mudanças Climáticas e Regulação dos Serviços Ambientais do Estado do Acre – IMC; Secretaria Executiva da Comissão Estadual de Gestão de Riscos Ambientais – CEGdRA/Sema; e Professora dos cursos de Ciências Biológicas e Arquitetura da Uninorte

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal A Gazeta, pC1-2, 30jan18.  http://agazetadoacre.com/avatar-papa-francisco-inferno-e-paraiso-na-subida-dos-andes/

[1] https://en.wikipedia.org/wiki/Themes_in_Avatar; http://www.thegeektwins.com/2010/05/flawed-science-of-avatar-floating.html; ;

[2] http://james-camerons-avatar.wikia.com/wiki/Unobtanium

[3] http://www.telegraph.co.uk/culture/film/film-news/6782339/James-Cameron-says-Avatar-a-message-to-stop-damaging-environment.html

[4] https://en.wikipedia.org/wiki/Laudato_si%27

[5] Laudato Si  P38, Amazonia, P144-146. aborigenas

[6] https://thetablet.org/pope-francis-speech-to-the-amazon-people-puerto-maldonado-peru/; http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/speeches/2018/january/documents/papa-francesco_20180119_peru-puertomaldonado-popoliamazzonia.html

[7] http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/carta-da-terra; http://earthcharter.org/

A charge do jornal peruano La Republica diz tudo. E os golpistas ainda cham que ninguém sabe o que anda acontecedno no Brasil!

A charge abaixo foi publicada hoje pelo jornal peruano “La Republica” (Aqui!) e dispensa maiores comentários. Mas eu faço um: os golpistas que assumiram o poder via esse golpe parlamentar branco que tirou a presidente Dilma Rousseff de um posto para o qual foi eleita já estão bastante manjados e enganam ninguém. Também, pudera, está tudo muito à vista!

carlincatura--Noticia-792912