Marcha pelos Oceanos é realizada pela primeira vez no Brasil

Evento mundial também vai acontecer em Washington, Chicago, Nova York, Las Vegas, São Francisco, Londres, Dublin, no domingo, dia 09/06, em comemoração ao Dia Mundial dos Oceanos


No dia 9 de junho, junte-se à marcha que ocorrerá no Rio de Janeiro e em diversos outros locais ao redor do mundo.

Resultado de imagem para marcha pelos oceanos

Marcha pelos Oceanos é um movimento global da sociedade civil que acontece no próximo domingo, dia 9, um dia depois do Dia Mundial dos Oceanos (8 de junho). A marcha vai rolar pela primeira vez no Brasil, no ano em que a ONU chama a atenção para o problema dos plásticos nos oceanos.

A produção de plástico vem crescendo de forma alarmante e, segundo a Ocean Conservancy, nos próximos 10 anos a produção e consumo de plástico no mundo deve duplicar. Isso vem acontecendo por causa do baixo custo do plástico e tem uma série de benefícios econômicos, mas precisamos também pensar nos nossos oceanos.

Um estudo de 2016 do Fórum Econômico Mundial e Ellen McArthur Foundation mostrou que só 14% de todo o plástico produzido no mundo é coletado e reciclado, projetando que, até 2050, haverá mais plásticos do que peixes nos oceanos. Se continuarmos consumindo e descartando incorretamente plástico como fazemos hoje, esta projeção pode se tornar realidade.

Atualmente, 95% do plástico é desperdiçado após a primeira utilização por descarte inadequado e 8 bilhões de toneladas de plástico são despejadas por ano nos oceanos.

“Basicamente o que está acontecendo é que um caminhão de lixo vem sendo despejado por minuto nos nossos oceanos! E não podemos esperar 10 anos para reverter este cenário.”, alerta Gabriela Yamaguchi, diretora de Comunicação e Engajamento doWWF-Brasil, uma das instituições que organizam o evento no Brasil.

E qual o impacto disso?
Devido a este descarte inadequado, 90% das aves marinhas têm plástico em seus estômagos e, estudo recente da Ocean Conservancy apontou que 100% das tartarugas coletadas e amostradas tinham em seu estômago algum tipo de plástico. Isso não significa que eram quantidades altas o suficiente para matá-las, mas mostra o quanto o problema é real e urgente!

Além dos impactos causados pelo plástico nos ambientes marinhos, também há impactos para humanos: a diminuição da produção de peixes afetará atividades de comunidades que dependem da pesca para a sobrevivência.

O que podemos fazer?
Cidadãos conscientes e engajados diminuem seu consumo de plástico, com atitudes simples, não usando canudinhos e substituindo sacolas plásticas, por exemplo. Mas governos engajados também são essenciais para a mudança deste quadro.

Assim, a Marcha pelos Oceanos apoia o Projeto de Lei do Senado n° 92 e a Sugestão nº 10, oriunda do Programa e-Cidadania, ambas de 2018. O projeto de lei prevê a retirada gradual de plástico em bandejas, pratos, talheres e copos descartáveis, sugerindo que, no prazo de 10 anos, o plástico seja substituído por materiais biodegradáveis nos itens destinados a alimentos prontos para consumo. Já a sugestão oriunda do Programa e-Cidadania propõe a proibição de distribuição de canudos, sacolas plásticas e uso de microplástico em cosméticos no Brasil.

Participe!
No dia 9 de junho, junte-se à marcha que ocorrerá no Rio de Janeiro e em diversos outros locais ao redor do mundo. Caso não possa estar presente, você também pode participar compartilhando nosso material, reduzindo seu consumo de plástico e engajando outras pessoas neste movimento. Precisamos agir agora e precisamos de você!

A atividade faz parte da programação mundial March for the Ocean (marchfortheocean.org), que estará sendo realizada simultaneamente em diversas cidades do mundo, como Washington, Chicago, Nova York, Las Vegas, São Francisco, Londres, Dublin e muitas outras.

Programação: 
Data: 09/06/2018 | Local de saída: Leme, Rio de Janeiro (RJ)
10h às 11h – Apresentação de peça infantil “Um passeio Mar Adentro”
Ação lúdica que busca sensibilizar a sociedade na proteção ao meio ambiente marinho, combatendo a poluição das praias e mares, por meio de peça musical divertida para crianças e adultos.

11h às 11h40 – Oficina de criação de cartazes
Nesta atividade, convidamos você, defensor dos oceanos, a criar seu próprio cartaz para a nossa marcha! Vamos oferecer cartolinas, tintas e canetas, para que sejam escritas mensagens que representem sua percepção sobre a importância dos oceanos.

11h40 às 12h – Aquecimento para a marcha
Para reunir e animar todo mundo antes da nossa marcha, vamos ter uma apresentação musical de uma mini bateria, concentrada no ponto de saída para a marcha, no Leme.

12h às 13h – Marcha pelos Oceanos
Grande momento da nossa caminhada pacífica e simbólica, pela orla do Leme até Copacabana (altura do Posto 4), com o intuito de chamar a atenção sobre a importância da proteção e conservação dos oceanos. Venham todos com camisetas azuis!

Sobre o WWF

O WWF-Brasil é uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza, com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criado em 1996, o WWF-Brasil desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede mundial independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.
FONTE: JB Press House  www.jbpresshouse.com

A Terra está à beira de uma calamidade global de plástico

Precisamos urgentemente de consumidores, empresas e governos para reduzir o consumo de plásticos descartáveis, escreve o chefe da ONU para o Meio Ambiente.

Por Erik Solheim*

A poluição plástica atraiu a atenção do mundo e por uma boa causa.

Mais de 100 anos depois da sua invenção, somos viciados em plástico. Passar um dia sem encontrar alguma forma de plástico é quase impossível. Sempre estivemos ansiosos por abraçar a promessa de um produto que poderia tornar a vida mais barata, mais rápida e mais fácil. Agora, depois de um século de produção e consumo descontrolados, a conveniência se transformou em crise.

Além de uma mera comodidade material, hoje você encontra o plástico onde menos espera, incluindo os alimentos que comemos, a água que bebemos e os ambientes em que vivemos. Uma vez no ambiente, entra em nossa cadeia alimentar onde, cada vez mais, partículas de microplásticos estão aparecendo em nossos estômagos, sangue e pulmões. Os cientistas estão apenas começando a estudar os possíveis impactos na saúde.

É por isso que precisamos urgentemente que os consumidores, as empresas e os governos tomem medidas urgentes e decisivas para deter essa crise de consumo de plásticos descartáveis ​​descartáveis. Se fizermos isso, também ajudaremos a combater a mudança climática, criar um novo espaço para inovação e salvar algumas espécies no processo.

Desde que começamos nosso caso de amor com esse material agora onipresente, produzimos aproximadamente nove bilhões de toneladas de plástico [1]. Cerca de um terço disso é de uso único, proporcionando uma conveniência momentânea antes de ser descartado. O canudo em sua bebida será usado por apenas alguns minutos, mas no meio ambiente, durará além de nossas vidas [2].

Em seu carrinho de compras, um saco plástico será usado por menos de uma hora, mas quando eles chegam ao oceano eles matam mais de 100.000 animais marinhos por ano. As baleias foram encontradas mortas em praias na Noruega e na Espanha, repletas de sacolas de compras indigestas – parte das 13 milhões de toneladas de lixo plástico que acabam no oceano a cada ano [3] e [4].

Ao contrário de outros desafios ambientais, os céticos são duramente pressionados para refutar a realidade do que podemos ver com nossos próprios olhos.  Em vez disso, a contra narrativa visa minar a urgência dos esforços para vencer a poluição do plástico – às vezes, pintando o problema como uma questão de gerenciamento de resíduos, como se tivéssemos um espaço infinito para o aterro.

Mas que não haja dúvidas: estamos à beira de uma calamidade plástica. As projeções atuais mostram que a produção global de plástico irá disparar nos próximos 10 a 15 anos.  Só este ano, os fabricantes produzirão cerca de 360 ​​milhões de toneladas de plástico. Com uma demanda crescente de população, a produção deve chegar a 500 milhões até 2025 e impressionantes 619 milhões até 2030. Então, da próxima vez que você ver cenas de plástico sufocando um rio ou enterrando uma praia, considere o dobro desse impacto em pouco mais de 10 anos [5].

Evitar o pior desses resultados requer mais do que consciência, exige um movimento. Um repensar por atacado da maneira como produzimos, usamos e gerenciamos o plástico. É por isso que o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP) está agora se concentrando em um objetivo simples, porém ambicioso: vencer a poluição do plástico. Em primeiro lugar, os cidadãos devem agir como consumidores responsáveis ​​e cidadãos informados; exigindo produtos sustentáveis ​​e adotando hábitos de consumo sensíveis em suas próprias vidas. Os indivíduos estão exercendo cada vez mais seu poder como consumidores; Recusando canudos e talheres de plástico, limpando praias e costas e repensando seus hábitos de compra. Se isso acontecer, os varejistas receberão a mensagem e procurarão alternativas. O setor privado deve, então, inovar adotando modelos de negócios que reflitam a responsabilidade pelo impacto a jusante de seus produtos e promovendo alternativas escaláveis. Em última análise, nosso problema de plástico – muito parecido com o estado da economia global – é o do design, tanto nos plásticos em si quanto no modelo econômico linear que faz as coisas serem lucrativas. O investimento público e privado nos campos do design verde e da química verde precisa ser aumentado e os fabricantes devem ser responsabilizados pelo ciclo de vida de seus produtos.

E, finalmente, os governos devem liderar a implementação de políticas fortes que exigem design, produção e consumo responsável de plásticos. O Quênia baniu recentemente os sacos plásticos descartáveis, e o resultado é que seus impressionantes parques nacionais são ainda mais atraentes e os drenos urbanos são menos bloqueados, ajudando a reduzir as inundações [6]. Ruanda também fez isso, tornando Kigali uma das cidades mais limpas do mundo e o tipo de lugar que as pessoas escolhem para viver e fazer negócios [7] e [8].

Aqueles que dizem que há crises ambientais mais importantes para enfrentar estão equivocados. No mundo atual, proteger nosso meio ambiente não é escolher um problema acima do outro. Os sistemas profundamente interconectados que compõem o mundo natural desafiam uma abordagem tão limitada. Bater a poluição plástica preservará os preciosos ecossistemas, mitigará as mudanças climáticas, protegerá a biodiversidade e, de fato, a saúde humana. Confrontar essa crise de conveniência é uma batalha fundamental que deve ser travada hoje como parte de uma luta mais ampla por um amanhã sustentável.

*Erik Solheim é o o Diretor Executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP)

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo jornal britânico “The Guardian” [Aqui! ]


[1] https://www.theguardian.com/environment/2017/jul/19/plastic-pollution-risks-near-permanent-contamination-of-natural-environment

[2] https://www.theguardian.com/sustainable-business/2017/may/03/disturbing-turtle-video-drives-uk-pub-chain-to-clamp-down-on-plastic-straws

[3] https://www.theguardian.com/environment/2018/jun/03/whale-dies-from-eating-more-than-80-plastic-bags

[4] https://www.theguardian.com/environment/2017/jun/28/a-million-a-minute-worlds-plastic-bottle-binge-as-dangerous-as-climate-change

[5] https://www.theguardian.com/environment/2018/jun/05/the-planet-is-on-edge-of-a-global-plastic-calamity

[6] https://www.theguardian.com/world/2018/apr/25/nairobi-clean-up-highs-lows-kenyas-plastic-bag-ban

[7] https://www.theguardian.com/commentisfree/2014/feb/15/rwanda-banned-plastic-bags-so-can-we

[8] https://www.theguardian.com/cities/2015/jun/15/cleanest-city-world-calgary-singapore

Incidente em Barcarena: Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado do Pará lança nota contra a Norsk Hydro

SINTSEP-PA CONTRA A HYDRO E EM DEFESA DOS TRABALHADORES DO IEC

Em mais um ato colonialista, a empresa norueguesa Hydro, visando se defender dos processos movidos contra ela pelo Ministério Público, ataca o resultado dos laudos técnicos emitidos pelos pesquisadores do Instituto Evandro Chagas.

A Hydro é causadora de um dos maiores crimes ambientais recentes no país, equiparável ao crime cometido pela empresa Samarco em Mariana-MG, em 2015. O vazamento da Hydro causou a contaminação de rios, igarapés e poços artesianos das comunidades do município de Barcarena-PA. O Laudo do IEC, assinado por Marcelo de Oliveira Lima e divulgado em 22/02/18, confirmou a contaminação das águas por rejeitos de bauxita e chumbo (entre outros) e demonstrou que os índices detectados pelos peritos revelam extremo risco à saúde das famílias. O laudo revelou ainda a existência de drenos clandestinos, por onde a empresa despejava irregular e intencionalmente o resíduo por pelo menos três canais clandestinos utilizados pela empresa por onde vertiam efluentes para rios de Barcarena. O crime tinha a aquiescência da SEMAS, permitindo drenar os rejeitos quando as chuvas se intensificavam, numa clara conivência do governo do Estado com o crime cometido pela empresa.

Por fim, há fortes suspeitas de relação da Hydro com o assassinato de Paulo Sérgio de Almeida Nascimento, líder comunitário da Associação dos Caboclos, Indígenas e Quilombolas da Amazônia (Cainquiama), que denunciava o vazamento provocado pela empresa. Paulo Sérgio já vinha sendo ameaçado, pediu proteção policial ao Estado, mas Jatene negou. Após o vazamento ocorrido nos dias 19 e 20 de fevereiro, o governador Simão Jatene (PSDB) veio a público em defesa da empresa norueguesa, dizendo que o vazamento era culpa das fortes chuvas, num declarado ato de conivência com o fato.
Para se livrar dos crimes de vazamento e despejo clandestino, a Hydro divulgou no dia 09/04 laudo encomendado à Consultoria Ambiental SGW no qual se contrapõe ao laudo do IEC, afirmando não existir indicação de contaminação em rios, igarapés e lençóis freáticos. Contra esses crimes, o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) entraram com ação cautelar na Justiça Federal pedindo a suspensão parcial das atividades da Hydro Alunorte.

O Sintsep-PA repudia os crimes da Hydro, que saqueia nossos minérios, contamina nossos rios, atenta contra a vida das populações ribeirinhas e suas lideranças e ainda tenta encobrir seus crimes desqualificando o trabalho de toda uma equipe de profissionais, que compõe uma das instituições de pesquisa mais respeitada do mundo. Somos solidários a equipe de servidores do IEC e ao Dr. Marcelo pelo serviço prestado às comunidades atingidas pela assassina Hydro.

Que o MP investigue as relações de conivência entre o governo do Estado e a Hydro, com prisão imediata para Jatene, para o secretário de Meio Ambiente, Thales Belo, e para o secretário adjunto de Mineração; Prisão imediata para os dirigentes da Hydro envolvidos com o crime ambiental.

Que seja suspensa a permissão para atividade de exploração mineral à Hydro e que o controle da empresa seja entregue aos trabalhadores.

FONTE: https://www.facebook.com/sintsep.pa/posts/944527712395499

Norsk Hydro usa Twitter para fazer juras para Barcarena

barcarena hydro

Se ainda havia dúvidas de que a “quase estatal” Norsk Hydro está sentindo a pressão dos eventos que estão emergindo em Barcarena (PA), essas não têm mais razão para existir. Basta olhar a conta oficial da Norsk Hydro para verificar que os fatos que já vieram a público sobre o processo de contaminação ambiental causado pela planta industrial que a empresa possui em Barcarena (PA) já causaram estragos graves na imagem da empresa.

norsk hydro twitter

É que os três “tweets” postados no dia de hoje (17/03) trazem promessas e compromissos em torno da recuperação da confiança dos moradores atingidos pela poluição da planta da Norsk Hydro em Barcarena, além de enfatizar um suposto compromisso com o desenvolvimento sustentável do Pará.

A realidade é que, se a Norsk Hydro não tivesse sido pega com a boca na botija com seu duto clandestino que contaminava corpos hídricos e adoecia animais e seres humanos, o mais provável é que as mandingas corporativas continuariam sem qualquer tipo de escrúpulo. Mas agora que foi pega, a Norsk Hydro aparece com seu discurso de governança corporativa com a maior cara de pau.

norsk hydro 1

É essencial que se mantenha a pressão sobre a Norsk Hydro e sobre o governo da Noruega que detém uma parcela significativa do seu capital acionário. Do contrário, todas essas juras vão ser esquecidas e tudo continuará como dantes no quartel de Abrantes.

Norsk Hydro e as diversas facetas da hecatombe socioambiental em Barcarena (PA)

barcarena hydro

Enquanto a mídia corporativa brasileira rapidamente soterrou o incidente ambiental causado pelo Norsk Hydro na cidade de Barcarena (PA), o jornal britânico “The Guardian” publicou uma matéria que abrangeu todos os aspectos que envolvem a empresa “quase estatal” da Noruega e sua atuação em território paraense [1].

Com o título “Poluição, doença, ameaças e assassinato”, a matéria assinada pelo jornalista Dom Phillips mostra que por muitos anos a população de Barcarena vem reclamando e sofrendo com a poluição causada pelas operações da Hydro Norsk que opera sob o olhar complacente do governo do Pará e dos órgãos ambientais.

hydro

Entre os vários aspectos abordados na matéria uma que deixa claro o papel da Norsk Hydro  nessa pequena hecatombe socioambiental tem a ver com as doenças que foram acometidas contra a população local pelo consumo de água contaminada por rejeitos tóxicos cuja assinatura é única e os liga diretamente às operações da empresa norueguesa. Para que se tenha uma ideia do problema, análises das amostras coletadas próximas no duto clandestino que operada pela Norsk Hydro mostraram a presença de altos níveis de alumínio, nitrato, sulfato, clareto e chumbo. Apenas no caso do alumínio o valor encontrado de 22 mg por litro está bem acima do limite legal no Brasil que é de apenas 0,1 mg por litro!   

hydro 1

Mais sinistra ainda é a situação dos que ousam denunciar as ligações entre o adoecimento da população e a contaminação causada pelas operações da Norsk Hydro cujo maior exemplo foi o assassinato do líder comunitário Paulo Nascimento que era um das principais vozes a denunciar os danos ambientais sendo causados na região da Barcarena.

Como já disse antes, não tenho expectativa alguma em que uma resposta para os problemas causados pela Norsk Hydro seja produzida no Brasil. Aqui a coisa está “dominada”. Mas a pressão que já era grande na Noruega, agora deverá aumentar com essa matéria do “The Guardian”.

Finalmente, algo que me veio à mente em relação ao posicionamento do governo da Noruega que cortou o aporte de recursos para o Fundo Amazônia sob a desculpa de que essa era uma punição pelo fato do governo brasileiro não ter contido o desmatamento na região amazônica. Agora, parece que a medida visava era cobrir os próprios descaminhos das operações de uma empresa “quase estatal” onde o governo norueguês detém uma parcela significativa do estoque de ações.


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/mar/16/brazil-pollution-amazon-aluminium-plant-norwegian

 

Investigação na madrugada

agrotoxicos

Como não encontra dados sobre a contaminação das águas e do solo brasileiros por pesticidas, Jean Remy Guimarães decidiu, em uma noite insone, investigar relatórios franceses sobre o tema. Veja o que ele descobriu.

 Por Jean Remy Davée Guimarães*

Segundo os folhetos de promoção de pesticidas, eles são eficientes, claro, mas também seletivos, e ainda têm o bom gosto de permanecer nos locais onde são aplicados, por terem baixa mobilidade. E mais: caso acabem indo parar onde não devem, não haveria problema, porque eles têm baixa toxicidade. Afinal, são produtos de tecnologia de ponta, aprovados por autoridades nacionais e internacionais, usados em dezenas de países – e há centenas de estudos comprovando sua eficiência e segurança. Uma maravilha!

Já dissecamos aqui, em penoso exercício, as entranhas do processo de avaliação e autorização de pesticidas em órgãos como a Organização Mundial da Saúde (OMS), cujas deliberações norteiam as decisões dos países membros, que aprovam se a OMS aprovar. Sabemos que os pesticidas não são terríveis apenas contra os insetos e outras supostas pragas devido ao grande número de intoxicações letais e subletais em agricultores. Ouvimos sempre que esses ‘acidentes’ acontecem devido à falta de cuidado na aplicação dos produtos. Que povinho ignorante e teimoso, não é mesmo?

Mas, como a maioria da população vive em cidades e não socializa com agricultores, está mais preocupada com a eventual contaminação dos alimentos que chegam à sua mesa. A cada ano, os relatórios da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre os níveis de pesticidas em alimentos no país justificam e renovam esta preocupação, já que são tristemente repetitivos – o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos de Alimentos (Para) costuma indicar o pimentão, o morango e o pepino como os alimentos com maior número de amostras contaminadas por agrotóxico.  Em 2010, por exemplo, 90% das amostras de pimentão, 63% das de morango e 58% das de pepino tinham resíduos de agrotóxicos acima do permitido, ou continham agrotóxicos não autorizados para aquele cultivo, ou juntavam os dois predicados. Tomate, alface e abacaxi também frequentam as listas dos mais contaminados.

Ouviremos novamente que isto se deve à falta de cuidado dos agricultores e à pouca fiscalização por parte do governo. Irei dormir aliviado, já que os dois problemas têm solução. Epa, mas… se têm solução, por que seguem sendo problema? Pronto, insônia garantida. Ok, se os agricultores e o governo tomarem vergonha, haverá menos resíduos de pesticidas na comida. E, se pararmos de usar pesticidas, não haverá mais resíduo dos mesmos na comida.

Mas… e os pesticidas que já estão na água, no solo, no ar, em sedimentos, em animais e plantas, não voltarão a contaminar nossos cultivos agora supostamente orgânicos?

Será? Mas… e os pesticidas que já estão na água, no solo, no ar, em sedimentos, em animais e plantas, não voltarão a contaminar nossos cultivos agora supostamente orgânicos? Quem sabe já dormi e não percebi, é sonho ou pesadelo, já que os pesticidas ficam quietinhos no lugar de aplicação, coisa que eu também devia fazer para pegar no sono em vez de procurar piolho em pedra. Piolho? Inseticida nele.
 

Descobrindo (a falta de) dados

A estas alturas, já saí da cama e caí na rede. Em poucos cliques, coleciono vários trabalhos acadêmicos sobre níveis de pesticidas diversos em água de rio, água subterrânea, solo e sedimento em diferentes pontos do país. É um pepino ou um abacaxi? Há como descascá-lo? Quem vai cuidar disso, e como? Quanto vai custar fazer algo a respeito, quanto custará deixar para lá?

Agora que acordei de vez, me pergunto: se há relatórios oficiais anuais sobre pesticidas em alimentos no país, deve haver algo parecido sobre pesticidas no ambiente, certo? Claro, o Brasil é o maior consumidor de pesticidas do mundo, imagina se não vai haver. E, assim, descobri um método infalível de pegar no sono, que foi buscar por esta informação nos sites do Ministério do Meio Ambiente, do Ibama, da Embrapa. Achei fragmentos, notas, referências, links para conteúdo externo ou um ou outro estudo, mas nada sistemático, muito menos de abrangência nacional. E anual? Fala sério…
 

O caso francês

Mas o pior estava por vir. A dúvida tira o sono, mas a inveja tira mais ainda. Buscando em outros países o equivalente do relatório que meu próprio país me nega, topei com este cruel link francês (a França, de novo…) ao buscar por “pesticides + eau” no site do Ministério do Meio Ambiente, da Energia e do Mar daquele país. São seis documentos completos sobre a distribuição geográfica dos níveis de pesticidas em água de rio e água superficial, a distribuição dos pontos com níveis acima das normas, listas e gráficos com os pesticidas mais encontrados e seus produtos de degradação, links para download (que funciona) de mapas em PDF, planilhas em Excel. Imagine o mapa de um país de área próxima a de um único estado do Brasil, São Paulo, em que são plotados dados de mais de 2.200 pontos de coleta. Considere, ainda, que esses dados são atualizados a cada dois ou três anos. É muita humilhação para um cidadão de um país que está ferozmente empenhado no desmonte da legislação ambiental árdua e timidamente conquistada nas últimas décadas.

Mas chega de autoflagelação, vamos a alguns dos interessantes dados do relatório em questão.

Em 2013, 21,6% das amostras de água subterrânea estavam fora das normas nacionais para pesticidas. Oitenta e cinco compostos de pesticidas ultrapassaram as normas mais de uma vez e 14 ultrapassaram mais de dez vezes. Apenas 30% das amostras não apresentaram níveis detectáveis de pesticidas. A maioria dos compostos detectados em águas subterrâneas foram herbicidas e fungicidas de uso agrícola e/ou seus produtos de degradação. Já em territórios ultramarinos como a Martinica, metade das amostras estavam fora das normas – neste caso, por herança maldita do pesado uso de pesticidas nos cultivos de banana na ilha. Imagino que, ali, os que podem devem ser grandes consumidores de água mineral Vittel e Vichy, importadas da metrópole.

Na Martinica, o relatório revela ainda teores acima dos limites mesmo para pesticidas já proibidos há anos ou mesmo décadas, tais como dieldrin, proibido em 1994, e chlordecona e atrazina, proibidas em 2003.

Já nos cursos d´água da França, os pesticidas mais detectados são o AMPA, produto de degradação do glifosato, presente em 56% das amostras, e o próprio glifosato, registrado em 38% das amostras, seguidos dos diversos produtos de degradação da persistentíssima atrazina, banida há mais de 13 anos.

Se há tanto e tantos pesticidas em água de rio e água subterrânea, eu esperaria que também estivessem presentes na água de torneira. Mas isso é outro relatório, no site de outro ministério, e fica para outro dia.

Jean Remy Davée Guimarães, é professor e pesquisador do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro

FONTE: http://www.cienciahoje.org.br/noticia/v/ler/id/4885/n/investigacao_na_madrugada

Estudo científico aponta para o papel antrópico numa onda de extinções em massa

whale

O jornal Folha de São Paulo publicou hoje uma matéria assinada pelo jornalista ´Reinaldo José Lopes sobre um estudo assinado por um grupo de pesquisadores ligados a quatro universidades estadunidenses sobre uma próxima grande onda de extinções em massa (Aqui!).

O interessante é notar que  segundo o estudo publicado revista Science pelo grupo liderado pelo professor Jonathan L. Payne, essa nova onda de extinções em massa difere das cinco anteriores por ser causada diretamente por padrões de consumo humano. Ainda segundo o que aponta o estudo, os principais alvos dessa onda de natureza antrópica seriam os grandes animais marinhos que estariam sob pressão não apenas pela pesca predatória, mas também pela contaminação dos oceanos por todo tipo de substância e pelo processo de acidificação das águas marinhas.

O maior problema é que o desaparecimento de animais marinhos como baleias e tubarões acaba causando um efeito cascata na cadeia trófica, na medida que a eliminação desses grandes predadores possibilita o aumento de outras populações que, por sua vez, pressionam as fontes primárias de alimentos, o que poderia gerar então essa onda de extinção em massa.

A primeira reação a esse estudo é de que há que ocorrer uma modificação nos padrões de pesca e também de consumo. Entretanto, o problema é mais complexo porque exigiria uma modificação mais ampla no funcionamento da sociedade capitalista, visto que a poluição é uma opção racional pela maximização dos lucros em detrimento da proteção da qualidade dos ecossistemas.

Desta forma, sem querer ser pessimista, avalio que se as estimativas apresentadas no trabalho assinado por Payne e seus colaboradores, não há muita razão para esperar que não assistamos não apenas a essa nova onda de extinções em massa, mas também a todos os efeitos catastróficos que ela trará para a população humana.

Quem desejar ler o artigo por Jonathan Payne e colaboradores, basta clicar  (Aqui!).