Poluição por agrotóxicos: especialista explica perigos de venenos agrícolas para o meio ambiente

Agrotóxicos podem atingir o solo, água e ar, afetando a saúde humana e o meio ambiente

agrotóxicos tomates

Em 2021, o Governo Federal liberou o registro de 500 agrotóxicos no país, configurando um novo recorde da série histórica iniciada em 2000 pelo Ministério da Agricultura. Além dos possíveis malefícios para a saúde, o uso excessivo de agrotóxicos também interfere no meio ambiente, aumentando o nível de poluição e afetando o ecossistema da região.

Isso acontece porque quando os agrotóxicos entram em contato com a terra, podem contaminar o solo e, consequentemente, reduzir o número de nutrientes. Já quando estes produtos atingem os lençóis freáticos, contaminam as águas subterrâneas. Por essa razão se comemora nesta terça-feira (11) o Dia do Combate à Poluição por Agrotóxicos.

“Estes efeitos ocasionam diversos problemas nas cadeias do meio ambiente. Por exemplo, a poluição por agrotóxico pode gerar mortes de insetos polinizadores e os inimigos naturais das pragas. Logo, possibilita o surgimento de novas pragas e, por consequência, a necessidade de utilizar mais agrotóxicos, gerando este efeito dominó”, explica o doutor em meio ambiente e professor da Rede UniFTC, Anderson Alves.

Anderson também explica que, além do solo e das águas, o ar também pode ser impactado com a poluição causada pelos pesticidas. “Veja bem, o que acontece é que esses produtos ficam circulando na atmosfera e podem desencadear uma série de intoxicações nas pessoas e de outros organismos vivos que respiram o ar contaminado”.

Danos invisíveis

Segundo o especialista, uma das coisas que torna o efeito dos agrotóxicos mais preocupante é porque ele causa problemas invisíveis. “Por exemplo: os peixes contaminados por agrotóxicos podem ser consumidos por pessoas, propagando um efeito em cadeia de disseminação do inseticida. O ser humano que consome hortaliças contaminadas também acumula veneno por meio do consumo de alimentos”, pontua.

Empresas correm para conter a inundação de fibras microplásticas nos oceanos

Novos produtos vão desde filtros e bolas para máquinas de lavar até tecidos feitos de algas e cascas de laranja

microplastico

Cerca de 700.000 fibras microplásticas são eliminadas de tecidos sintéticos durante cada ciclo de lavagem em uma máquina de lavar padrão. Fotografia: a-ts / Alamy

Damian Carrington, editor de Meio Ambiente do “The Guardian”

De filtros a sacos e bolas, o número de produtos destinados a impedir a torrente de fibras microplásticas que saem das máquinas de lavar e para os rios e oceanos está aumentando rapidamente.

A Grundig tornou-se recentemente o primeiro fabricante de eletrodomésticos a integrar um filtro de microfibra em uma máquina de lavar, enquanto uma empresa britânica desenvolveu um sistema que elimina os filtros de retenção de fibra descartáveis.

Os empresários também estão enfrentando o problema na origem, desenvolvendo tecidos biodegradáveis ​​de algas e cascas de laranja e aprimorando uma proteína autocurativa descoberta originalmente nos tentáculos das lulas.

A poluição microplástica permeou todo o planeta, desde ocume do Monte Everest até os oceanos mais profundos. Sabe-se que as pessoas consomem as partículas minúsculas por meio de alimentos eágua , além de respirá-las . Foi demonstrado que osmicroplásticos prejudicam a vida selvagem, mas o impacto nas pessoas não é conhecido, embora os microplásticos danifiquem células humanasem laboratório.

As fibras de tecidos sintéticos, como acrílico e poliéster, são desprendidas em grande quantidade durante a lavagemcerca de 700.000 por ciclo de lavagem , sendo que o ciclo de lavagem “delicado”é pior do que os ciclos convencionais. Estima-se que 68 milhões de cargas de lavagem sejam feitas todas as semanas no Reino Unido.

Novos dados de 36 locais coletados durante a The Ocean Race Europe descobriram que 86% dos microplásticos nas amostras de água do mar eram fibras. “Nossos dados mostram claramente que os microplásticos estão presentes no oceano e que, surpreendentemente, o componente principal são as microfibras”, disse Aaron Beck, do Geomar Helmholtz Center for Ocean Research em Kiel, Alemanha.

A Grundig, que lançou sua máquina de lavar de captura de fibra em novembro, disse que o sistema capturou até 90% das fibras sintéticas liberadas durante os ciclos de lavagem. Os cartuchos de filtro são feitos de plástico reciclado e duram até seis meses, após os quais podem ser devolvidos gratuitamente.


Gelo marinho ártico
A poluição microplástica é um flagelo crescente no Ártico, bem como nos rios e oceanos em todo o mundo. Fotografia: Stefan Hendricks / Alfred-Wegener-Institut / PA

Um sistema que pode ser adaptado às máquinas de lavar existentes e não precisa de cartuchos de substituição foi criado pela empresa britânica Matter e recebeu recentemente £150.000 do British Design Fund. O aparelho, denominado Gulp , é conectado entre o tubo de saída e o ralo e prende as fibras em um recipiente que é esvaziado a cada 20 lavagens.

O fundador da empresa, Adam Root, ex-engenheiro da Dyson e grande mergulhador, disse que a ideia começou com uma doação de £ 250 do Prince’s Trust. “Usei-o para desmontar uma máquina de lavar e foi aí que tive o meu momento ‘eureca’.”

No Reino Unido, Alberto Costa e outros parlamentares estão fazendo campanha por um novo regulamento exigindo que todas as novas máquinas de lavarsejam equipadas com filtros de microfibra de plástico a partir de 2025, com o apoio do Women’s Institutee outros. A França introduziu a exigência de instalação de filtros a partir de 2025. A UE, a Austrália e a Califórnia estão considerando regras semelhantes.

Já existe uma gama de dispositivos de captura de microfibra no mercado, mas eles produziram um desempenho misto em testes independentes. Uma pesquisa da Universidade de Plymouth, no Reino Unido, examinou seis produtos diferentes .

Um se destacou, o Xfiltra , que evitou que 78% das microfibras fossem pelo ralo. A empresa está focada em fornecer tecnologia aos fabricantes para integração em máquinas de lavar. Os cientistas testaram dois outros dispositivos que podem ser adaptados às máquinas – os sistemas de filtro Lint LUV-R e Planet Care– mas eles prendem apenas 25% e 29% das fibras, respectivamente.

Os outros três produtos testados foram utilizados no tambor da máquina de lavar. A sacola delavagemGuppyfriend, na qual as roupas são colocadas, coletou 54% das microfibras, enquanto uma sacola de lavagem protótipo do Quarto Elemento reteve apenas 21% das fibras. O último produto testado foi uma única bola Cora, cujos caules capturaram 31% das fibras, embora mais de uma bola pudesse ser usada.

Um relatório anterior da Agência Sueca de Proteção Ambientalencontrou desempenhos significativamente melhores dos produtos Planet Care e Guppyfriend, embora não tenha sido revisado por pares.

O professor Richard Thompson, que trabalha na Universidade de Plymouth e fazia parte da equipe de testes, alertou que os filtros não resolveriam sozinhos o problema das microfibras de plástico. “Também mostramos que cerca de 50% de todas as emissões de fibras ocorrem enquanto as pessoas vestem as roupas”, disse ele ao Guardian. “Além disso, a maioria da população humana não tem máquina de lavar.

“Tal como acontece com quase todos os problemas atuais associados ao plástico [poluição], o problema é mais bem resolvido por uma consideração mais abrangente na fase de design”, disse ele. “Precisamos projetá-los para minimizar a taxa de emissão, o que também deve fazer com que as roupas durem mais e, portanto, sejam mais sustentáveis.”

Uma dúzia de grupos que trabalham em tecidos melhores foram recentemente selecionados como finalistas em um desafio de inovação em microfibra de  US$ 650.000 (£ 482.000) conduzido pela Conservation X Labs. A AlgiKnit está criando fios biodegradáveis ​​a partir de algas marinhas, enquanto a Orange Fiber, no sul da Itália, está fazendo tecidos a partir de subprodutos da produção de sucos cítricos.

Outro finalista, a Squitex , desenvolveu uma proteína originalmente encontrada nos tentáculos da lula. A empresa afirma que é o material de autocura mais rápido do mundo e pode ser transformado em fibras para têxteis e revestimentos que reduzem o derramamento de microfibras.

Outros finalistas estão adotando uma abordagem diferente. A Nanoloom está criando tecidos anti-queda usando grafeno e outro grupo está usando lasers de alta potência para tratar a superfície dos tecidos para diminuir a probabilidade de perda de fibras.

O algodão, por ser um material natural, é biodegradável, mas sua produção costuma envolver o uso excessivo de água e agrotóxicos. A Better Cotton Initiative , que cobre mais de 20% da produção global de algodão, anunciou recentemente uma meta de redução das emissões de carbono por tonelada de algodão em 50% até 2030, em comparação com 2017. Outras metas adicionais abrangem o uso de pesticidas, saúde do solo e meios de subsistência de pequenos proprietários e o empoderamento das mulheres é esperado até o final de 2022.

blue compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Novo relatório da ONU soa alarme sobre o uso de plástico na agricultura mundial

O relatório serve como um forte apelo por uma ação decisiva para conter o uso desastroso de plásticos nos setores agrícolas

plasticoagricultura

Crédito da imagem: Edwin Remsberg / VW Pics via Getty Images

A ONU fez soar o alarme sobre o uso de plástico na agricultura. Um novo relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação descreveu a poluição por microplásticos nos solos como uma ameaça maior do que no oceano, alertando para impactos “desastrosos”.

De filmes de cobertura a protetores de plástico para árvores e fertilizantes de liberação controlada revestidos com polímeros, os plásticos são usados ​​para muitos fins na agricultura. O relatório da FAO aponta que “os solos são um dos principais receptores de plásticos agrícolas e são conhecidos por conter maiores quantidades de microplásticos do que os oceanos”.  O uso generalizado de plásticos na agricultura levanta preocupações quanto ao impacto que tem na saúde pública e no meio ambiente.

plastico agricultura 1

“O problema é que não sabemos quanto dano a longo prazo a quebra desses produtos está causando aos solos agrícolas”, disse Mahesh Pradhan , coordenador da Parceria Global para Gestão de Nutrientes do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) . “Precisamos desenvolver métodos padronizados de detecção de microplásticos no solo para entender melhor por quanto tempo eles permanecem lá e como eles mudam com o tempo.”

Embora mais pesquisas sejam necessárias para entender o impacto total da poluição do plástico nos solos do mundo, há “uma preocupação de que os microplásticos em solos agrícolas possam subir na cadeia alimentar e prejudicar a saúde humana”, relatou o EcoWatch.

“A poluição por plásticos de solos agrícolas é um problema generalizado e persistente que ameaça a saúde do solo em grande parte do mundo”, disse Jonathan Leake, professor da Universidade de Sheffield. “Atualmente, estamos adicionando grandes quantidades desses materiais não naturais em solos agrícolas sem compreender seus efeitos de longo prazo.”

De acordo com a pesquisa, a agricultura mundial usou aproximadamente 13,8 milhões de toneladas de plástico nos EUA para a produção vegetal e animal em 2019 e aproximadamente 41,1 milhões de toneladas para embalagens de alimentos naquele mesmo ano. O relatório da FAO enfatizou a necessidade de uma melhor gestão dos plásticos agrícolas e introduziu o “modelo 6R”. Este modelo, que inclui rejeitar, redesenhar, reduzir, reutilizar, reciclar e recuperar, é uma solução potencial que pode ajudar a mudar as práticas agrícolas e, eventualmente, eliminar os plásticos por completo.

“O relatório serve como um forte apelo por uma ação decisiva para conter o uso desastroso de plásticos nos setores agrícolas”, disse Maria Helena Semedo, vice-diretora-geral da FAO, no prefácio do relatório.

blue compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo site “Nation of Change” [Aqui!].

Vazamento de mina em Angola causa poluição “sem precedentes” nos rios do Congo, dizem pesquisadores

congo-river-e1629190463373Poluição dos rios congoleses por resíduos tóxicos da atividade de mineração de diamantes em Angola

Reportagem de Hereward Holland; reportagem adicional de Helen Reid e Stanis Bujakera; Escrito por Hereward Holland; edição por Grant McCool, para a Agência Reuters

KINSHASA, 20 de agosto (Reuters) – Uma suspeita de vazamento de metais pesados ​​de uma mina no norte de Angola está causando uma “catástrofe ambiental sem precedentes”, afetando cerca de 2 milhões de pessoas na República Democrática do Congo, disseram nesta sexta-feira pesquisadores da Universidade de Kinshasa.

A análise de imagens de satélite e entrevistas indicam que um reservatório usado para armazenar poluentes de mineração foi rompido em 15 de julho em uma área de mineração de diamantes nas províncias de Lunda Sul e Lunda Norte em Angola, disse Raphael Tshimanga, diretor do Centro de Pesquisa de Recursos Hídricos da Bacia do Congo (CRREBaC )

Dois afluentes do rio Congo, os rios Tshikapa e Kasai, ficaram vermelhos, matando peixes e causando diarreia entre as comunidades ao longo de suas margens, disse Tshimanga. Há relatos de que hipopótamos também morreram, disse ele.

“Nunca vimos uma poluição tão grande no rio Congo”, disse Tshimanga por telefone. “Ainda está aumentando, as consequências estão além do que poderíamos imaginar. É uma catástrofe. É uma catástrofe ambiental sem precedentes”.

Os governos congolês e angolano concordaram em formar uma equipa conjunta para investigar a origem da poluição, afirmou o Ministério das Relações Exteriores do Congo.

A descoloração dos cursos de água parece ter sido causada por um derramamento de substância tóxica em uma mina industrial de diamantes em Angola, disse a ministra do Meio Ambiente do Congo, Eve Bazaiba, em um comunicado em 9 de agosto.

A Reuters não pôde verificar a alegação de forma independente. Um funcionário do ministério das minas angolano não respondeu a um pedido de comentário.

O vazamento matou “um número significativo de peixes e outras espécies animais que viviam nas águas contaminadas”, disse Bazaiba, acrescentando que a poluição estava às “portas de Kinshasa”, capital do Congo e lar de cerca de 12 milhões de pessoas.

“Podemos dizer com segurança que essa poluição é proveniente de metais pesados ​​que entraram no rio e nossa preocupação é que ela entre na cadeia alimentar”, disse Tshimanga do CRREBaC.

“Pode poluir reservatórios naturais e aqüíferos. Se for esse o caso, pode levar anos, décadas para resolver esse problema.”

fecho
Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Agência Reuters [Aqui!].

Geosmina na cidade do Rio tem relação com esgoto?

geoesmina

Foto: Marcos Santos/ USP Imagens

bori conteudo

Por Kamila Jessie Sammarro Silva para a Agência Bori

Em 2020 e 2021, a população do Rio de Janeiro recebeu água com forte cheiro e gosto, atribuídos a uma molécula chamada geosmina. Essa substância é produzida por microrganismos que têm seu crescimento favorecido quando há alta concentração de matéria orgânica na água, em geral associada à contaminação. No caso do Rio Guandu, que abastece a cidade, há relatos de despejo de esgoto doméstico e industrial, o que pode comprometer a qualidade de água dos mananciais de captação.

Essa situação elucida um problema que não se concentra apenas na eficiência do sistema de tratamento de água, mas no cenário de poluição dos mananciais abastecedores do Rio de Janeiro. O lançamento de esgoto – muitas vezes bruto, ou seja, sem tratamento -, sobrecarrega as estações de tratamento, a princípio concebidas para entregar uma água de uma qualidade supostamente melhor para a população.

Ainda que não envolva risco direto à saúde, a presença de geosmina pode causar cor e turbidez na água consumida pela população, incompatíveis com a qualidade de água preconizada pelo Ministério da Saúde. Nesta situação, há uma falha em atender os pré-requisitos de controle e vigilância da qualidade da água para o consumo humano estabelecido pelo MS na Portaria  nº 5/2017 (alterada pela Portaria GM/MS nº 888/2021).

De acordo com a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (CEDAE), em fevereiro de 2021, amostras de água coletadas em alguns pontos indicaram a chegada de água com qualidade para os consumidores, mas, como se trata de um sistema dinâmico, as condições encontradas podem variar em função do momento das análises. Por isso, do ponto de vista técnico, a vigilância deve ser mais incisiva, visando a evitar má qualidade na água distribuída. Além disso, a companhia abastecedora deve monitorar a qualidade da água na saída da estação de tratamento e em pontos estratégicos na rede.

A partir dessa coleta de dados, é igualmente fundamental que haja transparência e comunicação entre a companhia de saneamento, autoridades e consumidores.

Quanto ao tratamento, dentre as medidas que podem ser tomadas a curto prazo, é possível implementar tecnologias mais robustas como plano de contingenciamento, isto é, adicionar módulos de tratamento para emergências. Exemplo disso seria incorporar uma etapa opcional de tratamento por processo oxidativo avançado ao fim do sistema que a CEDAE utiliza atualmente. Tratamentos avançados são amplamente conhecidos pelo setor e poderiam ser implementados para corrigir problemas ocasionais.

A médio e longo prazo, deve haver investimento em outros setores do saneamento, em especial no que tange à coleta e tratamento de esgoto no município e na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Belford Roxo e São João de Meriti, por exemplo, ocuparam as piores posições do Ranking do Saneamento realizado pelo Instituto Trata Brasil com dados do Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento, que abarca o país todo.

Esse cenário revela a necessidade de investimento em infraestrutura de saneamento em várias frentes, em detrimento de soluções paliativas. Caso essas medidas não sejam tomadas, a perspectiva para os próximos anos é que casos de contaminação de água e defasagem no seu sistema de tratamento sejam recorrentes.

Sobre a autora

Kamila Jessie Sammarro Silva é engenheira ambiental e sanitarista e doutoranda em hidráulica e saneamento na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC)/USP.

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pela Agência Bori [Aqui!].

Razer faz parceria com ClearBot para limpar oceanos de maneira inteligente

Em comemoração ao Dia Mundial dos Oceanos, a Razer apoiará nova startup para redesenhar seu robô com IA (inteligência artificial) que limpa plásticos marinhos; a Razer também celebra um novo marco de sustentabilidade alcançado com a campanha #GoGreenWithRazer, que tem como mascote o Sneki Snek, e lança novos produtos para salvar ainda mais árvores.

unnamed (28)

São Paulo, 9 de junho de 2021 –A Razer, marca líder global de estilo de vida para gamers, acaba de anunciar uma parceria com a startup de limpeza de resíduos marinhos ClearBot em comemoração ao Dia Mundial dos Oceanos (8 de junho). Em linha com o plano de sustentabilidade #GoGreenWithRazer da Razer, que tem metas para os próximos dez anos, a parceria complementa a vertical de investimentos verdes da companhia, que apoiará startups focadas no meio ambiente e sustentabilidade, oferecendo as melhores ferramentas e recursos para ajudá-las a crescer.

Frente a um cenário de aproximadamente 11 milhões de toneladas de plástico chegando aos oceanos a cada ano, as empresas que trabalham pela limpeza dos oceanos frequentemente enfrentam dificuldades com tecnologia ultrapassadas, altos custos e baixa eficiência. A ClearBot projeta robôs que utilizam inteligência artificial (IA) para identificar diferentes tipos de resíduos plásticos marinhos e coletar informações sobre esses poluentes nos oceanos para proteger a vida aquática. Os robôs da ClearBot são programados para recuperar estes resíduos, que posteriormente serão descartados de forma responsável.

“Estamos extremamente felizes com a oportunidade de trabalhar com uma startup focada em salvar o meio ambiente”, diz Patricia Liu, diretora da Razer. “A ClearBot tem uma IA única e tecnologia avançada de machine learning que permitirão e capacitarão governos e organizações de todo o mundo a ampliarem seus esforços de sustentabilidade. Pedimos a outras startups inovadoras que procurem a Razer em busca de oportunidades de colaboração enquanto nos empenhamos para tornar o mundo um lugar mais seguro para as gerações futuras”.

Limpeza de resíduos marinhos com tecnologia AI

Pela parceria com a ClearBot, os principais engenheiros e designers da Razer ofereceram voluntariamente seus tempos pessoais e conhecimentos técnicos para ajudarem a transformar um protótipo em um produto que possa ser produzido em escala e comercializado em massa. Com o amplo conhecimento e know-how de fabricação da Razer, a ClearBot evoluiu o design do seu robô para um modelo mais inteligente e eficiente, totalmente automatizado e equipado com recursos de ponta de IA e machine learning, comos quais é capaz de detectar plásticos marinhos em até dois metros de distância mesmo em águas agitadas e coletar até 250 kg de plásticos em apenas um ciclo, funcionando com energia solar.

“As orientações e sugestões do time da Razer para resolver os problemas de resíduos marinhos foram extremamente reveladoras. Somos gratos à equipe que doou seu tempo para este projeto”, disse Sidhant Gupta, CEO da ClearBot. “Com o novo modelo de robô, estamos confiantes para ampliar nosso alcance globalmente a fim de proteger as águas marinhas, começando com parceiros como os operadores de portos marítimos na Ásia e ONGs que já manifestaram interesse no projeto. Junto com a Razer, esperamos realizar mudanças positivas para o mundo.”

Para impulsionar a participação ativa da comunidade durante o Dia Mundial dos Oceanos deste ano, a ClearBot iniciou uma convocação por meio de seu programa de coleta de dados sobre resíduos plásticos marinhos. A comunidade é incentivada a enviar fotos de resíduos plásticos marinhos que são comumente encontrados em águas abertas para o site da ClearBot. A equipe de pesquisa e design irá adicionar essas informações ao banco de dados existente da ClearBot para ajudar a melhorar o algoritmo de detecção de resíduos do robô.

Para saber mais sobre a ClearBot ou participar do programa, acesse o site https://www.cle a rbot.org

Para mais informações sobre o roteiro de sustentabilidade de 10 anos da Razer, clique aqui .

Para mais informações sobre a vertical de investimentos verdes da Razer, clique aqui .

Sneki Snek retorna com um novo marco alcançado

Em março de 2021, a Razer reagiu à enorme demanda da comunidade e renovou seu compromisso com o movimento #GoGreenWithRazer, liderado por sua mascote de sustentabilidade Sneki Snek. Em parceria com a Conservation International, a empresa ampliou sua meta de proteção de árvores das 100 mil iniciais para 1 milhão, e para comemorar o sucesso das mais de 300 mil árvores salvas até o momento, a Razer anuncia que lançará novos produtos Sneki Snek a cada 100 mil árvores a partir de agora e até que a meta final de 1 milhão de árvores salvas seja alcançada.

unnamed (30)

Neste momento, a Razer lança dois produtos Sneki Snek: a máscara facial com olhos do Sneki Snek, que tem um design acolchoado com acabamento aveludado para um maior conforto, e o tapete Razer Sneki Snek que protege o chão de desgastes diários e conta com revestimento antirruído para livre movimentação da cadeira. Em linha com os objetivos de sustentabilidade da mascote Razer, a máscara e o tapete são feitos de materiais 100% reciclados.

Para atrair e motivar os fãs de Sneki Snek a ajudarem a salvar ainda mais árvores, a Razer também revelou o próximo produto que será lançado quando a marca de 400 mil árvores for alcançada: pantufas Razer Sneki Snek, que serão macias e de pelúcia para garantirem passos mais confortáveis em direção a um mundo mais sustentável. Disponíveis com exclusividade na loja Razer.com, a receita de cada item Sneki Snek vendido é revertida em ajuda à Conservation International para salvar dez árvores. Os produtos não estão disponíveis para consumidores residentes no Brasil.

Para mais informações, acesse o site da campanha .

Imagens e Vídeo

Assista o vídeo da Razer x ClearBot aqui

Baixe as imagens dos produtos em alta resolução, clique aqui

Sobre a Razer

A Razer é a marca líder mundial em estilo de vida para gamers e seu logotipo, uma cobra de três cabeças, é um dos mais reconhecidos símbolos entre a comunidade global de jogadores e profissionais de e-Sports. Com uma base de fãs presente em todos os continentes, a empresa projetou e construiu o maior ecossistema de hardware, software e serviços para gamers do mundo.

A premiada linha de produtos da Razer vai de periféricos gamer de alto desempenho (para PC e consoles) aos poderosos laptops Razer Blade. Já a plataforma de software da Razer, que tem mais de 125 milhões de usuários, inclui o Razer Synapse (um sistema gratuito para configuração de recursos de seus produtos), o Razer Chroma (tecnologia proprietária de retroiluminação RGB) e o Razer Cortex (software desenvolvido para melhorar o desempenho de games e que atua no centro de toda a experiência do jogador).

Entre os serviços oferecidos pela Razer está o Razer Gold, um dos principais créditos virtuais unificados do mundo para gamers, e a Razer Fintech, uma das maiores redes de pagamento digital no Sudeste Asiático. Fundada em 2005 e com sedes em Irvine e Cingapura, a Razer tem 18 escritórios em todo o mundo e é reconhecida como a marca líder para jogadores nos EUA, Europa e China. A Razer está listada na bolsa de valores de Hong Kong.

Solos do mundo ‘sob grande pressão’, diz relatório da ONU

Os solos fornecem 95% de todos os alimentos, mas são danificados pela poluição industrial, agrícola, da mineração e urbana

glyphosate spray

O herbicida glifosato é pulverizado em um campo de milho no noroeste da França. Fotografia: Jean-François Monier / AFP / Getty

Por Damian Carrington, editor de Meio Ambiente do “The Guardian”

Os solos do mundo, que fornecem 95% dos alimentos da humanidade, estão “sob grande pressão”, de acordo com um relatório da ONU sobre a poluição dos solos.

soil seed

Os solos também são o maior estoque ativo de carbono, depois dos oceanos, e, portanto, cruciais no combate à crise climática. Mas o relatório disse que a poluição industrial, mineração, agricultura e gestão deficiente de resíduos estão envenenando os solos, com o princípio do “poluidor pagador” ausente em muitos países.

Os poluentes incluem metais, cianetos, DDT e outros agrotóxicos e produtos químicos orgânicos de longa duração, como PCBs, disse o relatório, tornando os alimentos e a água inseguros, reduzindo a produtividade dos campos e prejudicando a vida selvagem. No entanto, ele disse que a maioria das emissões de poluentes que acabam nos solos não são facilmente quantificadas e, portanto, o verdadeiro dano permanece altamente incerto.

A produção global de produtos químicos industriais a cada ano dobrou desde 2000 para 2,3 bilhões de toneladas, disse o relatório, e está projetada para quase dobrar novamente até 2030, o que significa que a poluição do solo deve aumentar ainda mais. A ONU também alerta sobre contaminantes emergentes, incluindo produtos farmacêuticos, antimicrobianos que levam a bactérias resistentes a medicamentos e plásticos.

“Os solos globais estão sob grande pressão”, disse Qu Dongyu, chefe da organização de alimentos e agricultura da ONU. “Esta fina crosta da superfície da Terra, o solo, sustenta toda a vida terrestre e está envolvida em muitos serviços ecossistêmicos essenciais para o meio ambiente e para a saúde e o bem-estar humanos.”

Inger Andersen, chefe do programa ambiental da ONU (Unep), disse: “A poluição do solo pode ser invisível aos olhos humanos, mas compromete os alimentos que comemos, a água que bebemos e o ar que respiramos. A poluição não conhece fronteiras – os contaminantes se movem pelo solo, pelo ar e pela água.

“É hora de nos reconectarmos com nossos solos, pois é aí que começa a nossa alimentação”, disse ela. “A poluição do solo não deveria mais ser uma realidade oculta. Vamos todos ser parte da solução para a poluição do solo. ”

O futuro dos solos parece “sombrio” e seu estado é pelo menos tão importante quanto a emergência climática e a destruição do mundo natural acima do solo, de acordo com os cientistas por trás de outro relatório da ONU sobre a biodiversidade do solo , publicado em dezembro. Desde a Revolução Industrial, cerca de 135 bilhões de toneladas de solo foram perdidas em terras agrícolas e, uma vez que leva milhares de anos para os solos se formarem, é necessária a proteção e restauração urgente dos solos restantes, disseram os cientistas.

O novo relatório da ONU conclui: “Os contaminantes do solo podem ter consequências irreparáveis ​​para a saúde humana e do ecossistema”. A maior fonte de poluição do solo varia por região, concluiu. O maior problema é a poluição industrial na Europa Ocidental e América do Norte, agricultura na Ásia, América Latina e Europa Oriental, e mineração na África Subsaariana. No norte da África e no próximo leste, a poluição urbana é a maior fonte de contaminação.

“A etapa fundamental para identificar o responsável pela poluição ainda está faltando em muitos estados”, disse o relatório. “Espera-se que a poluição do solo aumente, a menos que haja uma rápida mudança nos padrões de produção e consumo e um compromisso político em direção a uma gestão sustentável real onde a natureza seja totalmente respeitada.”

“É necessário um maior compromisso político, empresarial e social para buscar alternativas ao uso de contaminantes altamente tóxicos e para aumentar o investimento em pesquisa, prevenção e remediação”, disse o relatório, observando que limpezas após a poluição podem custar centenas de milhões de dólares . Os solos do mundo também estão sendo danificados por outros fatores, incluindo erosão, acidificação, contaminação por sal e compactação.

Um relatório de 2017 descobriu que um terço das terras do planeta está gravemente degradado e que o solo fértil estava sendo perdido a uma taxa de 24 bilhões de toneladas por ano. O secretário de meio ambiente do Reino Unido disse em 2017 que o país estava de 30 a 40 anos longe da “ erradicação fundamental da fertilidade do solo ” em alguns lugares.

fecho

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Mineração na Argentina: onda de repressão em Andalgalá

Em cidade argentina, a polícia está mirando oponentes de uma mina

mineração argentinaDanos ambientais da mineração ilegal de ouro. Foto: dpa / AP / Fernando Vergara

Por Nico Graack para o Neues Deutschland

“As pessoas no Norte Global têm que entender o que está sendo destruído aqui todos os dias por suas empresas!” Rosa Farías disse ao “Neues Deutschland”. Ela é uma das muitas moradoras da pequena cidade de Andalgalá que atualmente enfrenta uma série de ataques violentos, prisões e intimidações. Andalgalá está localizada na província de Catamarca, no noroeste da Argentina. Durante anos, várias iniciativas de cidadãos e organizações ambientais têm lutado contra o planejado projeto de megaminas MARA da empresa canadense Yamana Gold. “Toda a situação me dói incrivelmente. Os presos são nossos vizinhos que, como todos nós, lutam por sua água potável ”. Mas Rosa quer continuar:“ Não vamos parar até que a mina tenha parado e nosso rio e nossas montanhas sejam novamente nossos.

A “Caminhada pela Vida e pela Água” realiza-se todos os sábados em Andalgalá há onze anos. Em 10 de abril, ocorreu um incêndio no escritório do projeto da mina. A polícia interpretou isso como pretexto para as batidas. O grupo de protesto Asamblea El Algarrobo publicou um comunicado na mesma noite em que declarava não estar envolvido no incêndio criminoso. Eles também acusaram a polícia de se infiltrar na assembléia pacífica com agitadores por mais de onze anos. Os policiais que acompanhavam a reunião desapareceram repentinamente antes dos tumultos.

Maria Mansilla descreveu a prisão de seu irmão Walter na revista “Cítrica”: a polícia arrombou a porta destrancada, saqueou o apartamento e se recusou a mostrar um mandado de busca. Walter foi espancado toda vez que tentou falar e sua câmera e outras ferramentas foram confiscadas. Ele fotografa os protestos há muitos anos. As casas de conhecidos ativistas da água foram sitiadas por unidades armadas, circundadas por drones e fotografadas.

Rosa relata que a presença policial diminuiu entretanto e que os militares que chegaram nesse ínterim também desapareceram, mas casas e pessoas continuam sendo acompanhadas: “A cidade ainda está em estado de alarme”.

Doze pessoas estão atualmente presas. A organização de direitos humanos CELS informou que os advogados de defesa dos detidos somente tiveram acesso aos arquivos para uma audiência. As famílias dos detidos e simpatizantes protestam regularmente em frente ao Ministério Público. Não há datas de julgamento até agora.

O projeto da mina MARA surgiu da joint venture concluída em 2020 entre a mina planejada de Água Rica e a mina vizinha de La Alumbrera, que está em operação desde 1998 e desde então foi esgotada, na qual ouro e cobre foram extraídos. Além de molibdênio e prata, ouro e cobre em particular serão extraídos na nova mina. A nova mina Água Rica teria cerca de três vezes o tamanho da mina de La Alumbrera.

Na mineração de ouro, grandes quantidades de mercúrio e / ou cianeto de sódio são usadas para extrair o ouro bruto da rocha. Só a mina Alumbrera consome 95 milhões de litros de água por dia. A água de infiltração altamente tóxica resultante é armazenada em bacias de coleta. A poluição da água extensa foi documentada para a área, inclusive da Universidade de Córdoba.

A Yamana Gold fala em tornar a região de Catamarca um “ponto de desenvolvimento central no noroeste da Argentina” com a mina. As iniciativas de cidadãos e organizações ambientais em Andalgalá veem isso de forma diferente. Fabio Paz, um dos ativistas, explicou em entrevista ao portal de notícias ANCAP: “Através de La Alumbrera, cidades como Vis Vis desapareceram porque as famílias tiveram que se mudar por causa da seca e poluição da água”. E acrescentou: “No caso das minas Veladero e Alumbrera, por exemplo, um emprego criado para cada US $ 1,2 milhão investido. Isso mostra que muitos empregos são uma ilusão. Na província de Catamarca, o emprego gerado pelas mineradoras é inferior a um por cento. ”

O caso Andalgalá faz parte de uma longa história de repressão contra as pessoas mais afetadas pela degradação ambiental e pela catástrofe climática e que lutam contra isso. No relatório anual da organização de direitos humanos Global Witness, o negócio de mineração tem estado por muitos anos na vanguarda de assassinatos, ataques, prisões, violência sexual e ações legais contra ativistas do clima. A maioria das vítimas são indígenas cujos territórios se encontram em recursos minerais e que são deslocados à força de lá. Via de regra, são as empresas transnacionais do Norte Global que afirmam seus interesses desta forma.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

Anglo American sofre processo na Zâmbia por causa do envenenamento em massa de crianças

Processo afirma que a mineradora Anglo Americana  falhou em evitar a poluição em Kabwe, afetando várias gerações

escoriaMais de 6 milhões de toneladas métricas de escória de chumbo formam a Black Mountain, uma pilha de resíduos tóxicos de chumbo. Fotografia: Larry C Price

Por Damian Carrington Editor de Meio Ambiente do “The Guardian”

Uma ação coletiva foi movida contra a empresa de mineração Anglo American por sua alegada falha em prevenir a poluição generalizada de chumbo na cidade zambiana de Kabwe. A cidade abrigou uma das maiores minas de chumbo do mundo por muitas décadas e os cientistas relataram níveis “alarmantes” de chumbo no sangue das pessoas.

“O desastre de saúde pública ambiental deixado pelo Anglo American significa que há mais de 100.000 crianças e mulheres em idade reprodutiva em Kabwe que provavelmente sofreram envenenamento por chumbo como resultado da poluição causada pelo Anglo”, de acordo com os documentos legais arquivados .

Os advogados argumentam que a subsidiária sul-africana da Anglo American é responsável, uma vez que foi responsável pela mina de 1925 a 1974 e que foi quando a maior parte da poluição foi causada. A Anglo American tinha “o dever de zelar pela proteção das gerações existentes e futuras de residentes de Kabwe”, de acordo com os documentos legais.

chumboOs níveis de chumbo em Kabwe são até 100 vezes os níveis de segurança recomendados. Fotografia: Larry C Price for the Guardian

ecido por ser altamente tóxico e “ nenhum nível de exposição ao chumbo é conhecido por não ter efeitos os nocivos” à saúde humana, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Um estudo científico com 1.190 pessoas em Kabwe publicado em 2019 chamou os níveis de exposição lá de “alarmantes”. Ele concluiu: “Este é o primeiro estudo que revelou a verdadeira extensão da exposição ao chumbo em toda a cidade de Kabwe, que representa um sério risco público e deve receber atenção urgente.”

“O envenenamento por chumbo na infância tem efeitos devastadores no desenvolvimento neurológico e causa sinais clínicos evidentes, incluindo convulsões e coma”, disseram os cientistas. Eles descobriram que os níveis médios de chumbo no sangue estavam acima dos classificados como altos pelas autoridades americanas em todos, exceto em um dos 13 distritos da cidade. No distrito mais afetado, o nível médio foi nove vezes acima do limite dos EUA.

A poluição por chumbo está no solo e na poeira em que as crianças brincam, e as crianças de dois anos apresentam os níveis sanguíneos mais elevados. Algumas crianças pequenas apresentam níveis mais de 20 vezes maiores do que o limite dos EUA, o que pode causar danos cerebrais graves ou morte, de acordo com a OMS.

O caso foi apresentado por 13  pessoas, e  algumas são crianças com níveis muito elevados de chumbo no sangue e outras são mulheres, pois a poluição por chumbo apresenta grandes riscos para os fetos durante a gravidez.

A ação coletiva alega que a Anglo America é responsável por emissões substanciais de chumbo no meio ambiente local devido a deficiências na operação da mina e por não garantir a limpeza de terras contaminadas. A mina foi transferida para uma empresa estatal zambiana em 1974 e fechada em 1994.

política de direitos humanos da Anglo American declara : “Onde tivermos causado ou contribuído para impactos adversos sobre os direitos humanos, contribuíremos para sua reparação, conforme apropriado.”

Richard Meeran, da Leigh Day, um escritório de advocacia com sede no Reino Unido que atua em nome dos demandantes, disse que operar uma grande mina perto das comunidades era um risco claro: “Infelizmente, parece que o Anglo não conseguiu garantir que medidas suficientes estivessem em vigor.”

Zanele Mbuyisa, do escritório de advocacia Mbuyisa Moleele em Joanesburgo, que também está representando os demandantes, disse que um estudo dos anos 1970 mostrou níveis elevados de chumbo no sangue: “O mesmo envenenamento por chumbo que estava acontecendo naquela época continua acontecendo agora.”

Outro estudo científico, publicado em 2018 , concluiu que a cidade de Kabwe “pertence aos distritos mais contaminados de África” e que “o desenvolvimento de um programa de cuidados de saúde… é de extrema importância”. A ação legal visa a disponibilização de um programa de triagem, tratamento, limpeza da poluição e indenização aos envenenados.

“[A Anglo American] precisa fazer algo a respeito porque eles destruíram nossos corpos e as vidas de nossos filhos, bem como seus cérebros”, disse o pai de uma das crianças anônimas demandantes, em um vídeo gravado pelos escritórios de advocacia .

Os escritórios de advocacia apresentaram evidências de especialistas de toxicologistas clínicos e especialistas em mineração e meio ambiente. O caso está sendo financiado pela Augusta Ventures, o maior fundo de litígios do Reino Unido.

“A Anglo American relata que um processo legal foi aberto na África do Sul em relação ao suposto envenenamento por chumbo na Zâmbia”, disse um porta-voz da empresa. “Nenhuma reclamação desse tipo foi apresentada à Anglo American. Assim que a reclamação for recebida, a empresa analisará as reclamações feitas pela empresa e tomará todas as medidas necessárias para defender vigorosamente sua posição. ” Leigh Day disse que a empresa foi atendida.

“A título de contexto, a Anglo American foi um dos vários investidores na empresa que possuía a mina Kabwe até o início dos anos 1970”, disse o porta-voz. “A Anglo American esteve, no entanto, em todos os momentos, longe de ser a proprietária majoritária.”

O Guardian esteve em Kabwe em 2017 e encontrou pessoas coletando sucata de chumbo em pilhas de lixo gigantes, onde os níveis de chumbo no solo são extremamente altos. Uma jovem, Debola Kunda, estava sendo ajudada por seu filho de quatro anos. Ela estava preocupada com a saúde dos filhos, mas disse: “Como vamos comer se ficarmos em casa?

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The Guardian” [Aqui!].

Mais de 14 milhões de toneladas de plástico podem estar no fundo dos oceanos

Trinta vezes mais plástico no fundo do oceano do que na superfície, sugere a análise, mas mais preso na terra do que no mar

turtle‘Precisamos ter certeza de que o grande azul não é uma grande cova de lixo’, diz Denise Hardesty do CSIRO, cuja pesquisa sugere que pode haver 30 vezes mais plástico no fundo do oceano do que na superfície. Fotografia: Paulo Oliveira / Alamy Foto de stock

Por Graham Readfearn para o jornal “The Guardian”

Pelo menos 14 milhões de toneladas de peças de plástico com menos de 5 mm de largura provavelmente estão no fundo dos oceanos do mundo, de acordo com uma estimativa baseada em uma nova pesquisa.

A análise de sedimentos oceânicos em profundidades de até 3 km sugere que pode haver mais de 30 vezes mais plástico no fundo dos oceanos do que flutuando na superfície.

A agência científica do governo da Austrália, CSIRO, coletou e analisou núcleos do fundo do oceano tirados em seis locais remotos a cerca de 300 km da costa sul do país, na Grande Baía Australiana.

Os pesquisadores analisaram 51 amostras e descobriram que, após excluir o peso da água, cada grama de sedimento continha uma média de 1,26 pedaços de microplástico.

Os microplásticos têm 5 mm ou menos de diâmetro e são principalmente o resultado de itens maiores de plástico se quebrando em pedaços cada vez menores.

Reprimir a maré de plástico que entra nas hidrovias e nos oceanos do mundo surgiu como um grande desafio internacional.

A Dra. Denise Hardesty, pesquisadora principal do CSIRO e coautora da pesquisa publicada na revista Frontiers in Marine Science , disse ao The Guardian que encontrar microplásticos em um local tão remoto e em tais profundidades “aponta para a ubiqüidade dos plásticos, não importa onde você esteja no mundo ”.

“Isso significa que está em toda a coluna d’água. Isso nos dá uma pausa para pensar sobre o mundo em que vivemos e o impacto de nossos hábitos de consumo no que é considerado um lugar mais primitivo ”, disse ela.

“Precisamos ter certeza de que o grande azul não é uma grande cova de lixo. Esta é mais uma evidência de que precisamos parar com isso na fonte.”

Os testemunhos foram perfurados em março e abril de 2017 entre 288 km e 349 km da costa, em profundidades entre 1.655 metros e 3.016 metros.

Hardesty disse que não era possível saber a idade dos pedaços de plástico ou de que tipo de objeto um dia fizeram parte.

Mas ela disse que o formato das peças sob um microscópio sugere que já foram itens de consumo.

Para o estudo, os pesquisadores extrapolaram a quantidade de plástico encontrada em suas amostras centrais e de pesquisas de outras organizações para concluir que até 14,4 milhões de toneladas de microplástico estavam agora no fundo do oceano em todo o mundo.

Embora possa parecer um número grande, Hardesty disse que era pequeno em comparação com a quantidade de plásticos que provavelmente entram no oceano a cada ano.

Em setembro, um estudo estimou que, em 2016, entre 19 milhões e 23 milhões de toneladas de plástico chegaram aos rios e oceanos.

Um estudo anterior na revista Science estimou que cerca de 8,5 milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos todos os anos.

Outro estudo estimou que há 250.000 toneladas de plástico flutuando na superfície do oceano .

No último artigo, os autores observam que sua estimativa do peso dos microplásticos no fundo do oceano é entre 34 e 57 vezes o que pode ser na superfície.

Hardesty disse que havia imperfeições nas estimativas, mas elas foram baseadas nas melhores informações disponíveis.

“É útil dar às pessoas uma noção do escopo e da escala de que estamos falando”, disse ela.

Mas ela disse que a quantidade de plástico no fundo do oceano é relativamente pequena em comparação com todos os plásticos sendo liberados, sugerindo que os sedimentos do fundo do mar não são atualmente um grande local de descanso para os plásticos.

Ela disse acreditar que a grande maioria dos plásticos está realmente se acumulando no litoral. “Muito mais está preso na terra do que no mar”, disse ela.

Dr Julia Reisser, um biólogo marinho da Universidade da Austrália Ocidental Oceans Institute, vem pesquisando a poluição de plástico por 15 anos.

“A comunidade de ciência marinha tem estado realmente obcecada em descobrir onde está o plástico”, disse Reisser, que não esteve envolvido no estudo.

Vários métodos científicos foram necessários para entender o impacto potencial dos plásticos na vida selvagem do oceano. Plásticos maiores podem emaranhar a vida selvagem, enquanto microplásticos e peças ainda menores podem ser consumidos por uma variedade de espécies, desde o plâncton até as baleias.

Ela disse que o novo estudo foi uma contribuição importante para os esforços globais e espera que os dados do mar profundo da Austrália possam ser combinados com outros esforços em todo o mundo para estudos futuros para obter uma imagem mais precisa.

Reisser também fundou uma nova organização para investigar novos plásticos usando algas marinhas como material básico.

“Acho que o destino final [dos plásticos marinhos] é o fundo do mar, mas estamos longe de estar em equilíbrio”, disse ela.

“Se pudéssemos viajar mil anos no futuro, esse plástico teria se fragmentado lentamente e sido removido de nossa costa.”

Líderes de mais de 70 países assinaram um compromisso voluntário em setembro para reverter a perda de biodiversidade, que incluía a meta de impedir que o plástico entre no oceano até 2050.

Os principais países que não assinaram o compromisso incluem Estados Unidos, Brasil, China, Rússia, Índia e Austrália.

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].