Proteção da Amazônia pode influenciar resultado das eleições de 2022

80% dos brasileiros consideram que Amazônia deve ser prioridade para candidatos à presidência

amazonia gatherers

Uma nova pesquisa sugere que a Amazônia já faz parte dos temas que os eleitores brasileiros levarão em conta na hora de votar em 2022. Oito em cada 10 brasileiros (80%) consideram que essa deve ser uma prioridade para candidatos à presidência da República ano que vem. Divulgado às vésperas do Dia da Amazônia, o levantamento mostra que seis em cada dez brasileiros (58%) afirmam que um candidato à Presidência da República aumentaria as chances de atrair seu voto se apresentar um plano específico para a proteção da Amazônia. A pesquisa mostra também que para 79%, é muito importante proteger a Amazônia.

“Diversas pesquisas já comprovaram que o brasileiro se preocupa com a Amazônia e quer vê-la protegida, mas esta é a primeira vez que essa preocupação aparece como fator de influência na decisão de voto. E isso coloca o Brasil no roteiro global de países onde o Clima é tema forte nas eleições.”, destaca Ana Toni, Diretora-Executiva do Instituto Clima e Sociedade (iCS), instituto que encomendou a pesquisa ao PoderData, realizada entre os dias 21 a 23 de agosto de 2021. “Três anos de níveis recordes de desmatamento e queimadas evidenciaram a relação direta que existe entre a destruição da Amazônia e a atual política governamental. Os resultados confirmam que a atuação de Bolsonaro é contrária à opinião pública da maioria dos eleitores”, analisa a Diretora do iCS.

Mesmo quando a preocupação é com o crescimento econômico do país, a maioria dos brasileiros acredita que isso está relacionado à proteção da Amazônia. De acordo com a pesquisa, sete em cada dez brasileiros (71%) concordam que o desenvolvimento do Brasil depende da proteção da Amazônia, demonstrando que o brasileiro está fazendo uma relação entre o “bolso” e o meio ambiente. Apenas 1 em cada 10 (11%) concordam que para o Brasil se desenvolver, proteger a Amazônia não é uma prioridade. E menos de 1 em cada 10 (6%) concordam que o Brasil consegue se desenvolver mesmo sem proteger a Amazônia. Isso demonstra que a maioria dos brasileiros compreendem a relação entre a proteção da Amazônia e o desenvolvimento do país e concordam que há uma conexão direta entre a preservação da floresta e o desenvolvimento nacional. A quase totalidade dos brasileiros (89%) acredita que é preciso conservar a floresta amazônica porque ela é a maior riqueza do Brasil.

Também é consenso entre os brasileiros (83%) que a Amazônia faz parte da identidade nacional do Brasil. “Isso demonstra que quase a totalidade da população entende que na conformação de um imaginário de identidade nacional do Brasil, está compreendida a Amazônia como elemento constitutivo dessa identidade. Logo, se a Amazônia faz parte da identidade nacional, cuidar dela é também cuidar da nossa identidade como nação”, avalia Ana Toni. A pesquisa revela ainda que a maioria dos brasileiros (77%) concorda que é preciso conservar a Amazônia porque o futuro do planeta depende da floresta em pé.

Perguntados sobre os responsáveis pela destruição da floresta, pouco menos de um quarto dos brasileiros (22%) apontam para o Presidente Jair Bolsonaro e 15% para o Governo Federal. Quando perguntados sobre quem deveria cuidar da Amazônia, os entrevistados apontam para Bolsonaro (24%) e o Governo Federal (43%) como tendo a maior responsabilidade pela proteção da Amazônia, seguidos pelos militares (12%) e Congresso Nacional (6%). E sobre a principal causa do atual desmatamento na Amazônia, 29% dos brasileiros afirmam que é a ocupação ilegal de terras.

A pesquisa revela ainda que para 71%, ou 7 em cada 10 brasileiros, Bolsonaro não está trabalhando bem para proteger a Amazônia. A pesquisa aponta também que para 87%, ou 9 em cada 10 brasileiros, o Congresso Nacional não está trabalhando bem para proteger a Amazônia.

Ficha Técnica:

A pesquisa foi realizada pelo Instituto PoderData, a pedido do Instituto Clima e Sociedade (iCS), entre os dias 21 e 23 de agosto de 2021, com brasileiros e brasileiras com 16 anos de idade ou mais, ponderados parametricamente para refletir a composição da população brasileira. Ao todo, foram 2.500 entrevistas em 449 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro estimada é de +/- 2,0 p.p. para resultados do total da amostra. O intervalo de confiança é de 95%.

Importância das comunidades indígenas para a Amazônia estará em pauta durante evento gratuito

neidinha

As comunidades indígenas têm importância indiscutível para a região amazônica. Por isso, a conferência “Entendendo a Amazônia”, que acontece entre os dias 19 e 22 de julho de 2021, abordará o tema em palestra da indigenista Ivaneide Bandeira Cardozo – a Neidinha Suruí. A apresentação está marcada para 21 de julho, às 14 horas. As inscrições são gratuitas no site www.entendendoaamazonia.com.br.

Neidinha lidera, desde 1992, a Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé – uma organização não-governamental (ONG) sediada em Rondônia que atua com mais de 50 etnias indígenas. Ela foi a primeira mulher a trabalhar na Fundação Nacional do Índio (Funai) com grupos isolados. Nesse trabalho, tem enfrentado madeireiros ilegais, mineradores e outros invasores de terras indígenas e de unidades de conservação.

“Será uma honra contar com a experiência de Neidinha Suruí em nosso evento, que é destinado a todos os públicos no Brasil e no exterior. Tudo isso sem conotação política. Queremos informar corretamente a sociedade em geral e buscar melhores caminhos para essa riqueza, integrando a preservação com a produção sustentável”, diz o doutor em engenharia agronômica Marco Ripoli, diretor da Agri-Rex, que organiza a conferência.

Com 28 palestras, a programação da conferência é completa e inclui temas como desenvolvimento sustentável; impacto do desmatamento nas mudanças climáticas globais e na produção global de alimentos; importância da atuação dos fundos internacionais na preservação do bioma amazônico; visão de futuro para a Amazônia, importância para a população global e o papel do agronegócio nesse contexto. Renomados convidados farão parte dos painéis.

A abertura da conferência será feita às 8:30h de 19 de julho, uma segunda-feira, com Xavier Boutaud, cofundador da Agri-Rex. Em seguida, ele passa a palavra ao ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli, indicado para o Prêmio Nobel da Paz 2021. Às 9 horas, ele abordará a importância para o clima e produção de alimentos para o planeta. Confira a programação, os palestrantes e mais informações em www.entendendoaamazonia.com.br.

O preço da vida

E a “harmonia entre economia e ecologia”? Sobre as armadilhas da lógica capitalista

stacks

Por Stephan Kaufmann para a Neus Deutschland

O campo dos ativistas pela proteção do clima está dividido: alguns culpam os cálculos capitalistas com despesas e receitas pela mudança climática e exigem “Mudança de sistema, não mudança climática!” Os demais, por outro lado, veem em boas mãos a proteção do clima no capitalismo. Para eles, a mudança climática não é resultado de competição por lucros e redução de custos, mas um caso de “falha de mercado”.

Para corrigir essa falha, a natureza precisa acima de tudo de uma coisa: um preço. Se os danos ao meio ambiente causarem apenas custos suficientes, sua proteção torna-se um objetivo comercial e, portanto, uma realidade. A “harmonia entre economia e ecologia” almejada pela precificação da natureza, entretanto, tem suas armadilhas. Porque quer usar a lógica capitalista e, portanto, permite sua aplicação.

As empresas de cálculo capitalista visam ao maior excesso possível sobre seus custos. A fim de reduzir custos, eles usam o meio ambiente como uma fonte barata de recursos e um depósito de poluentes: é por isso que alimentam seu crescimento com fontes de energia baratas e seguras, como petróleo e carvão, o que impulsiona a concentração de CO2 na atmosfera e, consequentemente, as mudanças climáticas. Porque as empresas não têm que pagar pelas emissões e suas consequências, ou apenas de forma limitada. É aí que entram os conceitos que colocam um preço no meio ambiente e, assim, tornam a proteção dele lucrativa, pois diminui os custos para a empresa.

O ex-vice-presidente do Banco Mundial Nicholas Stern ancorou firmemente o argumento do custo no debate de 2007. Segundo seu “Relatório Stern”, as mudanças climáticas são “a maior falha de mercado que já ocorreu”. O dano econômico aumentaria com a velocidade do aquecimento global: se a temperatura média global subisse de 2 a 3 graus Celsius, até 3 por cento da produção global poderia ser perdida para sempre. Com um aquecimento de 5 a 6 graus Celsius, a perda chega a atingir uma média de 10%.

Em contraste, os custos anuais da proteção climática necessária seriam significativamente menores. Stern estimou em cerca de 1% do PIB em 2050. “Isso é significativo, mas está completamente alinhado com o crescimento contínuo, em oposição à mudança climática desenfreada, que em algum momento ameaçará seriamente o crescimento.”

Pavan Sukhdev, ex-banqueiro de investimentos do Deutsche Bank, adotou uma abordagem semelhante em 2008. Em nome da Comissão Europeia e do Ministério Federal do Meio Ambiente, ele teve os custos econômicos da extinção de espécies calculados. Além disso, recifes de corais, fungos e bactérias deveriam ter um preço. Os economistas calcularam esse preço extrapolando os lucros potenciais do uso da biodiversidade. Afinal, a biodiversidade não só estabiliza os ecossistemas, mas também é uma fonte inesgotável de novas substâncias medicinais, e garante o abastecimento de alimentos, água e qualidade do solo. O valor de mercado global dos produtos farmacêuticos baseados em recursos genéticos está entre 75 e 150 bilhões de dólares por ano. Dessa forma, os economistas criaram uma forma de “biocapital” a partir da natureza.

Sukhdev e seus colegas resumiram os benefícios econômicos desse capital como “serviços” da natureza, cujo valor estimaram em cerca de US$ 5 trilhões por ano apenas nas reservas naturais do continente. Esses valores econômicos seriam gradualmente destruídos pela degradação ambiental, o que reduziria o crescimento econômico.

Claro, a questão que permanece é se as previsões de Stern e Sukhdev serão corretas – afinal, é difícil para os economistas prever o crescimento econômico no trimestre atual. É ainda mais difícil fazer um prognóstico ao longo de décadas em condições de desastre. Além disso, no entanto, a abordagem econômica já é importante. Nele, por um lado, a destruição da natureza não é mais o resultado lógico da produção e do cálculo capitalista, mas ineficiente em termos de economia de mercado. Na realidade presume-se que o capitalismo e a proteção climática realmente formam um todo harmonioso e são mutuamente dependentes.

Por outro lado, a consideração econômica do meio ambiente significa que a natureza e os humanos só valem a pena ser protegidos porque seus danos causam custos que deprimem o crescimento econômico. O Comissário da UE Stavros Dimas, um dos iniciadores do estudo Sukhdev, chamou a preservação da biodiversidade de “um dever ético e moral”. No entanto, ele não se baseou na ética e na moral, mas enfatizou a utilidade capitalista da natureza como um poderoso argumento para a proteção ambiental.

No entanto, essa abordagem é problemática. Porque a partir dele se seguem três condições, quando e em que medida as espécies e o clima são protegidos.

Em primeiro lugar, do ponto de vista capitalista, proteger o meio ambiente só é racional se seus custos forem menores do que os da destruição ambiental. Onde a proteção do clima e das espécies é muito cara, ela não é feita, apesar de toda moral e ética. Em segundo lugar, apenas as partes da natureza são protegidas que podem ser usadas economicamente e cujos danos, portanto, geram custos. Quais custos são aceitáveis ​​para a proteção do clima, portanto, dependem do valor capitalista das pessoas, espécies e ecossistemas ameaçados pelas mudanças climáticas. E existem grandes diferenças. Sabemos disso pelos danos causados ​​pelas tempestades: tempestades severas em países pobres causam custos mais baixos do que pequenas tempestades em países ricos, portanto, são menos problemáticas economicamente, embora ceifem mais vidas humanas.

Em terceiro lugar, porém, a vida boa e saudável não começa para todas aquelas pessoas e espécies que são reconhecidas como economicamente dignas de proteção. Porque eles são valorizados e protegidos apenas como partes utilizáveis ​​da natureza viva. O objetivo da proteção do clima, do ponto de vista do custo, é simplesmente garantir a existência das pessoas e do meio ambiente como recurso para o crescimento. Mais não é possível.
Para argumentar com os custos econômicos da conservação da natureza, o próprio Sukhdev chamou de “humilhação da humanidade” porque se trata apenas de lucros e perdas. No entanto, “a única maneira de preservar a natureza” é colocar uma etiqueta de preço nela. Também para Jianguo Liu, da Michigan State University, “avaliar a contribuição da natureza é o passo decisivo” no cálculo de “tornar acessível a preservação de florestas, savanas e pântanos”. Liu está atualmente calculando um produto bruto do ecossistema como um suplemento ao produto nacional bruto.

Os danos ao meio ambiente diminuem quanto mais caro fica – esse cálculo é simples em si mesmo. Proteção ambiental drástica significaria preços muito altos. Mas mesmo aqui você pode ver que as coisas não são tão simples. Veja o imposto sobre o CO2, por exemplo: para conseguir a redução rápida necessária nas emissões de gases de efeito estufa, o preço do CO2 teria que ser “extremamente alto”, diz Patrick Artus do banco francês Natixis. Mas isso prejudicaria as empresas e o crescimento econômico – e, portanto, não está acontecendo. O mesmo se aplica à simples proibição, por exemplo, da emissão de gases de efeito estufa. “A desvantagem da lei regulatória geralmente são os altos custos econômicos”, explica Eric Heymann, do Deutsche Bank.

Por um lado, a destruição da natureza deve ter um preço para que aconteça custos e não ocorra. Por outro lado, esses custos não devem subir muito, razão pela qual são mantidos baixos. Resultado: a extinção de espécies e as mudanças climáticas estão avançando. A contradição entre o crescimento capitalista e a conservação da natureza, portanto, não se resolve dando um preço à natureza. Os políticos estão atualmente impondo “tecnologia” para resolver essa contradição. O “desafio” é que “são necessárias melhores soluções tecnológicas para evitar altos custos econômicos”, diz Heymann.

O preço do ambiente deve, portanto, operar um milagre: por um lado, deve ser suficientemente baixo para não destruir os cálculos dos lucros ou – se for introduzido apenas a nível nacional – dar às empresas em causa uma desvantagem competitiva em relação à concorrência. Por outro lado, deve ser alto o suficiente para tornar os danos ambientais mais caros e, assim, promover o desenvolvimento e a aplicação de tecnologia amiga do clima. Essa tecnologia, por sua vez, deveria ser cara o suficiente para trazer lucro a seus desenvolvedores e, ao mesmo tempo, tão barata para seus usuários que seu uso custasse menos que o custo da poluição ambiental – no caso da proteção do clima, menos que o custo das emissões de gases de efeito estufa. E, finalmente, a tecnologia também deve ser eficiente

É incerto e até improvável que isso funcione. Até porque os preços da natureza deveriam tornar lucrativo o desenvolvimento de uma tecnologia de ar condicionado que ainda não existe. Enquanto não existir, a proteção do clima permanece subordinada ao crescimento econômico. Se o Conselho Consultivo Alemão está exigindo atualmente: “Os enormes recursos que são usados ​​para a recuperação econômica devem ser consistentemente alinhados com os objetivos de proteção ambiental”, então a prioridade é a “recuperação econômica” – e esta então deveria ser “verde”, quanto mais possível fosse”.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pela Neues Deutschland [Aqui!].