Investigação revela que queijo vendido em supermercados britânicos está ligado a desmatamento catastrófico no Brasil

queijo uk

Por Andrew Wasley , Elisangela Mendonca , Lucy Jordan , Zach Boren , Alice Ross , Anna Turns , Rupert Evelyn , Philip Sime para o “The Bureau of Investigative Journalism

Fazendas do Reino Unido que fornecem leite e produtos lácteos para o Cathedral City Cheddar, manteiga Anchor e chocolate Cadbury estão alimentando seu gado com soja de um polêmico agronegócio acusado de contribuir para o desmatamento generalizado no Brasil, revelou uma investigação.

As fazendas, que vendem leite para Saputo, Arla e Cadbury, fornecem parte de sua ração animal de empresas que compram soja brasileira exportada pela gigante americana de grãos Cargill.

A investigação do Bureau, do Greenpeace Unearthed, do ITV News e do Daily Mirror revelou as complexas cadeias de abastecimento da soja que ligam os laticínios britânicos à devastação ambiental a milhares de quilômetros de distância nas regiões da Amazônia e do Cerrado no Brasil.

Ambos são críticos para a biodiversidade e para lidar com a degradação climática. A região do Cerrado, onde a maior parte da soja do Brasil é cultivada, abriga 5% das espécies vegetais e animais do mundo.

O desmatamento continua

O Grupo Scheffer, um dos fornecedores brasileiros da Cargill, tem sido associado a vários incidentes de danos ambientais, incluindo o desmatamento de áreas de floresta tropical, revelam novas evidências. Uma equipe de reportagem no Cerrado encontrou desmatamento recente relacionado a um agricultor de soja vendendo para o império do agronegócio brasileiro.

A investigação também levanta questões sobre a certificação de soja sustentável da Cargill. O esquema Triple S é saudado por algumas empresas de alimentos como uma opção ambientalmente correta, embora permita que soja sem desmatamento seja misturada com grãos de fontes não certificadas, o que pode incluir fazendas envolvidas na destruição da floresta.

Além disso, imagens de satélite e imagens de drones sugerem que a floresta pode ter sido desmatada em pelo menos uma fazenda brasileira Triple S, a fazenda Rafaela, em 2010 – uma aparente violação das regras do esquema. Tanto a Cargill quanto o Grupo Scheffer, dono da fazenda, contestam, afirmando que as coordenadas fornecidas pelo Bureau não estão na fazenda.

O Grupo Scheffer, um dos maiores produtores de soja do Brasil, que processou mais de 560.000 toneladas de soja, milho e algodão no ano passado, foi considerado responsável por uma série de infrações ambientais. Em 2019, a empresa foi multada em mais de US $ 450.000 por desmatar ilegalmente mais de 5 quilômetros quadrados de floresta protegida na fazenda Iracema, que faz divisa com o território indígena Utiariti. Um gerente de fazenda disse a repórteres do Bureau que a propriedade fornecia soja à Cargill.

O Grupo Scheffer também foi associado a um fazendeiro que desmatou mais de 10 quilômetros quadrados em 2019 e 2020 e, posteriormente, usou fogo para limpar o restolho este ano. Respondendo a esta alegação, a empresa confirmou que tinha um contrato de arrendamento com o proprietário da fazenda, mas disse: “Os pontos críticos detectados na propriedade estão localizados fora dos perímetros administrados pela Scheffer.”

O proprietário da Fazenda Natureza Feliz, Carlos Roberto Simonetti, disse que o desmatamento foi licenciado legalmente. Ele confirmou que havia trabalhado com o Grupo Scheffer para produzir soja para a Cargill, mas em uma fazenda adjacente.

Um silo de soja de propriedade da Cargill em Sapezal, Brasil, um município que exporta grandes quantidades de soja para o Reino UnidoMárcio Neves / ITV

Desde 2008, o Grupo Scheffer está vinculado ao desmatamento de pelo menos 24 quilômetros quadrados de floresta para expandir suas operações, revelou uma análise exclusiva da ONG Aidenvironment. A organização usou imagens de satélite para quantificar a atividade de corte e queima dentro dos limites de pelo menos 21 fazendas alugadas pelo Grupo Scheffer ou registradas para a empresa e seus acionistas.

A Cargill, o maior conglomerado de alimentos do mundo, já havia enfrentado acusações de que sua soja estava ligada ao desmatamento. No ano passado, uma investigação revelou 800 quilômetros quadrados de desmatamento e mais de 12.000 incêndios registrados em terras usadas ou pertencentes a um punhado de fornecedores de soja da Cargill no Cerrado desde 2015.

O Grupo Scheffer disse que cultiva soja há 30 anos no estado de Mato Grosso, a potência do agronegócio brasileiro, que é composto por três biomas principais: a savana tropical do Cerrado, a floresta amazônica e o Pantanal, a maior área úmida do mundo. “Ao longo desse período, crescemos e evoluímos de forma responsável, sempre respeitando práticas que garantem a longevidade do solo e do meio ambiente”, afirma a empresa.

Unidade de laticínios intensivos da Arla na Cornualha, onde o gado é alimentado com soja. O fornecedor de ração da fazenda compra da Cargill Notícias TBIJ / ITV

MPs britânicos e ativistas dizem que as descobertas da investigação reforçam a necessidade de novas leis duras para forçar as empresas a combater o desmatamento em suas cadeias de abastecimento.

Anna Jones, chefe das florestas do Greenpeace no Reino Unido, disse: “Muitas pessoas ficarão chocadas ao saber que seu queijo e manteiga estão ligados à destruição da floresta do outro lado do Atlântico. E ainda assim, enormes pedaços de florestas brasileiras e outros ecossistemas vitais ainda estão sendo cortados para o cultivo de toneladas e toneladas de soja que é então usada para alimentar galinhas, porcos e vacas leiteiras no Reino Unido. A indústria global de carnes e laticínios está alimentando a emergência climática e natural, e isso precisa parar. ”

O governo britânico “deve aproveitar a oportunidade para acabar com o desmatamento nas cadeias de abastecimento do Reino Unido”, introduzindo uma forte lei de desmatamento e uma estratégia de redução de carne e laticínios em linha com a ciência do clima, disse Jones. “Isso estabeleceria uma referência clara a ser seguida pelos líderes mundiais”.

Kerry McCarthy, ministro da sombra e membro do parlamento de Bristol East, disse: “Essas revelações são mais uma prova de que o desmatamento no exterior está profundamente enraizado nas cadeias de abastecimento do Reino Unido e nos produtos de supermercado do dia-a-dia.

“Ainda mais chocante é que grande parte desse desmatamento era legal de acordo com as leis locais. O governo sabe que este é um grande problema, mas suas próprias propostas sobre a eliminação do desmatamento das cadeias de abastecimento só se aplicarão se o desmatamento for ilegal ”. O governo brasileiro não se opõe ao desmatamento legal, apesar de seus efeitos sobre o clima. Marta Giannichi, autoridade ambiental brasileira, disse ao ITV News que os proprietários rurais têm o direito de “suprimir uma certa quantidade de vegetação”.

Além dos danos ambientais, a expansão da soja e da pecuária no Brasil teve um custo mortal. No ano passado, 20 brasileiros foram assassinados enquanto defendiam o meio ambiente, tornando-o o quarto país mais letal do mundo para os defensores verdes, de acordo com a Global Witness.

“Se parte do Cerrado ainda está de pé, é porque as comunidades tradicionais ainda existem”, disse Valéria Santos, coordenadora da coalizão de campanha Agro é Fogo, criada para combater o desmatamento e incêndio criminoso de grandes latifundiários, além do Nacional. Campanha em Defesa do Cerrado. “Conservar campos e florestas e resistir à expansão do agronegócio faz parte de seu sustento, de sua sobrevivência.”

Do Cerrado à Cornualha

No interior ondulante da Cornualha, em grande parte escondido da vista do público, um vasto complexo semelhante a uma fábrica se espalha pela encosta, seus telhados cinza contrastam com o verde dos campos circundantes.

A unidade não é uma fábrica; é uma fazenda leiteira gigante com mais de 20 celeiros interligados. O leite da fazenda é vendido para a multinacional de alimentos Arla, que fabrica a manteiga Anchor e fornece leite para supermercados no Reino Unido, inclusive para a Asda.

As vacas aqui, ao contrário de muitas, ficam alojadas permanentemente durante todo o ano. A fazenda é uma das maiores fazendas de leite intensivo da Grã-Bretanha – ou “megadairies” – baseadas nos sistemas de produção industrial de leite dos Estados Unidos, que surgiram nos últimos anos. Centenas de minúsculos cubículos se aglomeram ao lado dos prédios principais; são “cabanas para bezerros”, projetadas para conter animais jovens criados para entrar no rebanho de ordenha.

Os críticos da agricultura intensiva dizem que, nas últimas décadas, as dietas dos animais mudaram de grama e desperdício de alimentos, cada vez mais para grãos e proteínas, incluindo soja. Embora algumas fazendas leiteiras convencionais usem soja para suplementar outras rações, a escala das unidades de laticínios intensivos – onde o gado não pasta – e a necessidade de certezas quanto à ração significam que a soja é preferida, dizem especialistas da indústria.

O Bureau soube que a ração para gado usada no megafarm da Cornualha contém soja, fornecida pela Mole Valley Feeds, um grande fornecedor de ração animal para o setor de laticínios do Reino Unido.

A investigação do Bureau estabeleceu que Mole Valley também transporta ração para gado à base de soja para fazendas de leite que vendem leite para a Saputo, a empresa-mãe da Dairy Crest.

A Saputo fabrica a marca de queijos caseiros Cathedral City, bem como Davidstow Cheddar, na sua cremosa da Cornualha.

As fazendas da Saputo também são abastecidas por uma segunda empresa que oferece rações à base de soja, a NWF Agri, que afirma alimentar “um em cada seis” gado leiteiro britânico.

Outra empresa de rações, a ForFarmers, foi identificada como vendendo rações de soja para fazendas de abastecimento da Arla, junto com uma fazenda que vende produtos lácteos para a Cadbury. A Cadbury é totalmente controlada pela multinacional de lanches Mondelez.

O Bureau estabeleceu que tanto a Mole Valley Feeds quanto a NWF oferecem soja Cargill Triple S para venda no Reino Unido. O Vale Mole não quis comentar e a NWF não respondeu às nossas solicitações.

ForFarmers disse: “No Reino Unido, a ForFarmers adquire sua soja de três países, dos quais apenas 14% é do Brasil” e que nesse mercado “100% da farinha de soja usada na alimentação de todos os ruminantes é coberta por certificados de sistemas de soja responsáveis” .

A Arla disse não reconhecer o Triple S da Cargill como “uma certificação que atende aos nossos requisitos de produção responsável”. Um porta-voz disse: “Tanto a Arla quanto os produtores de leite proprietários de nossa cooperativa estão tomando medidas para gerenciar o uso da soja de forma responsável”. Mas eles admitiram: “Não monitoramos os fornecedores escolhidos pelos nossos proprietários agrícolas para seus negócios”.

A empresa de laticínios acrescentou que, desde 2014, comprou créditos que apóiam o cultivo responsável da soja. Arla descreveu a soja como uma parte “pequena, mas importante” da dieta das vacas e disse que alguns de seus agricultores estavam procurando alternativas caseiras, como a proteína da ervilha.

A Saputo disse em um comunicado: “A partir do início de 2022,  os padrões da Davidstow Farm  determinarão que todas as fazendas que fornecem para a produção de leite da Davidstow Saputo Dairy do Reino Unido devem obter ração de fornecedores com uma política de compra de soja sustentável”. A empresa disse que há dois anos comprou créditos usados ​​para apoiar produtores que cultivam soja de forma responsável.

Um porta-voz da Mondelez disse: “Como parte do nosso compromisso de combater o desmatamento, deixamos claro que esperamos que todos os nossos fornecedores de laticínios do Reino Unido trabalhem conosco e se comprometam contratualmente a garantir que eles estejam adquirindo 100% de ração livre de desmatamento até 2023”.

Andrew Opie, diretor de alimentos e sustentabilidade do British Retail Consortium, disse: “Os varejistas estão trabalhando juntos para combater o desmatamento e promover uma maior absorção de soja sustentável certificada em suas cadeias de abastecimento”.

Um porta-voz da Asda disse: “Entendemos a importância da soja sustentável para nossos clientes e estamos comprometidos com a redução da produção de alimentos associada ao desmatamento”. A empresa disse que está trabalhando com os fornecedores em um plano para garantir que toda a sua soja seja “certificada fisicamente” até 2025. 

Um incêndio em uma fazenda de soja em Mato Grosso, BrasilCarl de Souza / AFP via Getty

A indústria de laticínios britânica usou cerca de 360.000 toneladas de soja de países como Brasil, Argentina e Estados Unidos como ração animal em 2019. Esse volume é ofuscado apenas pelo uso de soja pelo setor avícola e torna as fazendas de laticínios o segundo maior consumidor de soja do Reino Unido feed baseado em

A Cargill domina o comércio de soja no Reino Unido, controlando cerca de 70% do mercado. A empresa embarca mais de 100.000 toneladas de grãos de soja para o Reino Unido todos os anos, somente da região do Cerrado do Brasil.

A maior parte da soja exportada do Brasil é produzida no Cerrado, que antes cobria cerca de 2.000.000 de quilômetros quadrados. O que resta do bioma está cada vez mais fragmentado e degradado, e desaparecendo rapidamente, à medida que grandes interesses agrícolas no Brasil se apressam para acompanhar a demanda global.

Pessoas x lucro

A concentração de vastas extensões de terra nas mãos de alguns indivíduos ricos também traz problemas sociais. Edson Ferreira Lima faz parte de uma comunidade de trabalhadores rurais sem terra que recentemente se instalou em um projeto de desenvolvimento sustentável no Novo Mundo, no norte de Mato Grosso. Aqui, dezenas de famílias compartilham um terreno de 20 km2, onde vivem e cultivam vegetais orgânicos. “São 96 famílias que tinham uma vida muito precária e hoje, graças a Deus, estão bem; eles são pacíficos ”, disse ele.

Teoricamente, o assentamento também deveria incluir uma reserva florestal de 50 km2, onde a comunidade pode pescar e coletar frutas nativas. Mas um agricultor local de soja está disputando o direito da comunidade à terra, e eles estão esperando um juiz para decidir sobre o caso.

Lima disse que os sem-terra normalmente encontram oposição, ameaças e violência ao defender a reforma agrária e por um espaço para os agricultores familiares produzirem alimentos de forma sustentável.

As famílias se preocupam, disse ele, com o câncer e outros problemas de saúde de longo prazo devido ao uso intenso de pesticidas nas megafarmas ao seu redor. “Na época das chuvas, os resíduos vão todos para os rios e isso diminui a quantidade de peixes”, disse. “Nessas regiões que agora plantam soja, consumimos um veneno muito perigoso … ele acaba matando humanos.”

Proprietários de terras ricos não levam esses danos em consideração de maneira adequada, disse Lima. Muitas vezes, eles nem moram na região. “O pensamento deles é apenas sobre o lucro.”

Repórteres: Andrew Wasley, Elisângela Mendonça, Lucy Jordan, Zach Boren, Alice Ross, Anna Turns, Rupert Evelyn e Philip Sime Editor de Meio Ambiente: Jeevan Vasagar Editor de Investigações: Meirion Jones Editor global: James Ball Editores de produção: Alex Hess, Frankie Goodway e Emily Goddard Impact Produtor: Grace Murray Verificador de fatos: Alice Milliken Equipe jurídica: Stephen Shotnes (Simons Muirhead Burton)

compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The Bureau of Investigative Journalism” [Aqui!].